Você está na página 1de 20

Auditoria Trabalhista

com Ênfase no eSocial


Nilton Oliveira Gonçalves
Formação superior em Direito pelas Faculdades Metropolitanas Unidas (UNIFMU)
São Paulo; Instrutor de Cursos e Palestrante – Cursos Abertos e in Company; Con-
sultor de Empresas, com trabalhos de pesquisa e análise da realidade da empresa nos
seu departamento de pagadoria, folha de pagamento e controles internos relacionados
ao Departamento de Pessoal. Revisões especiais nos controles e práticas utilizadas na
contratação de terceirizados. Habilidade em Gestão de Recursos Humanos, em suas
diversas segmentações. Diretor da RH DUAL, empresa de Consultoria especializada
em Legislação Trabalhista, Previdenciária e temas relacionados a Recursos Humanos.
Ex-consultor IOB e Auditor Ernst Young Terco.
Luciana Saldanha Dias da Silva
Diretora da SDS Treinamento Empresarial. Advogada. Doutorado, Faculdad de Dere-
cho de Buenos Aires (UBA). Consultora Jurídica, Auditora e Ministrante de cursos téc-
nicos, palestras e treinamentos na área de Direito do Trabalho e Previdenciário, Depar-
tamento Pessoal e Recursos Humanos. Professora, especialista em Direito do Trabalho
e Processo do Trabalho. Especialista no Sistema Sefip/GPIF. Atuou como Consultora
Trabalhista e Previdenciária em empresas de renome, como Informare e Econet. Atu-
ante na área jurídica e no Departamento Pessoal há mais de 14 anos. Membro Asses-
sora da Comissão de Representação à Área Contábil da OAB/SBC. Autora de artigos
sobre a matéria, possuindo vasta gama de materiais destinados a área do Departamento
Pessoal Empresarial, bem como Trabalhista e Previdenciária.
José Hamilton Marin
Formação em Administração RH e Contabilidade. Diretor do Portal HMarin. 25 anos
de vivência prática na área de Departamento Pessoal e Recursos Humanos. Professor
Recursos Humanos, Depto Pessoal, Práticas Trabalhistas, e-Social, cursos abertos e In
Company. Consultor nas áreas de Recursos Humanos, Folha Pagamento, Adminis-
tração Pessoal, Faturamento – Estoque – Fiscal – Contábil – Comercial - Informática
– Suprimentos, vivência na implantação de Sistema, Implantação Sped Contábil e Fis-
cal, e NF-e, e-Social. Leciona nas empresas Contmatic Sistemas, Senac, Sescon, Stillus
Consultoria. Voluntário na ONG Sergio Contente “Idepac.”
Sumário

CAPÍTULO 1
CONCEITOS GERAIS DE AUDITORIA
1.1. HISTÓRICO NO BRASIL...................................................... 13
1.2. CARACTERÍSTICAS GERAIS DE PADRÕES DE AUDITORIA. 14
1.2.1. Objetivos.................................................................. 14
1.2.2. Escopo dos trabalhos................................................ 15
1.2.3. Materialidade e risco da evidência........................... 16
1.3. CARACTERÍSTICAS DO AUDITOR..................................... 17
1.3.1. Responsabilidades.................................................... 17
1.3.2. Qualificações............................................................ 17
1.3.3. Educação e treinamento........................................... 17
1.3.4. Conhecimento.......................................................... 18
1.3.5. Habilidades............................................................... 18
1.3.6. Personalidade........................................................... 19
1.3.7. Experiência............................................................. 19
1.3.8. Exames de certificação............................................. 19
1.3.9. Manutenção da qualificação..................................... 20
1.3.10. Independência.......................................................... 20
1.3.11. Desempenho............................................................. 21
1.4. AS ORGANIZAÇÕES DE AUDITORIA................................ 23
1.4.1. Equipes de auditoria.................................................. 23
1.4.2. Departamentos de auditoria..................................... 24
1.4.3. Cliente e auditado.................................................... 25
1.5. INICIANDO UMA AUDITORIA........................................... 27
1.5.1. Escopo...................................................................... 27
6 Auditoria Trabalhista com Ênfase no eSocial

1.5.2. Objetivo.................................................................... 28
1.5.3. Frequência................................................................ 29
1.5.4. Planejamento de auditoria........................................ 30
1.5.5. Planejamento a longo prazo..................................... 31
1.5.6. Revisão do sistema................................................... 32
1.5.7. Coordenação e intercâmbio...................................... 34
1.5.8. Recursos................................................................... 35
1.5.9. Supervisão................................................................ 36
1.5.10. Planejamento do tempo............................................ 36
1.5.11. Papéis de trabalho.................................................... 37
1.5.12. Programa de trabalho............................................... 37
1.5.13. Evidências objetivas e avaliação............................... 38
1.5.14. Pontos levantados pela auditoria.............................. 40
1.5.15. Supervisão e reunião pós-auditoria.......................... 41
1.5.16. Relatórios de auditoria............................................. 41
1.5.17. Redigindo o relatório................................................ 42
1.5.18. Formato do relatório................................................ 42
1.5.19. Conteúdo do relatório.............................................. 42
1.5.20. Revisão e distribuição............................................... 43
1.5.21. Finalização da auditoria........................................... 44
1.5.22. Follow-up.................................................................. 44
1.5.23. Manutenção dos arquivos sobre a auditoria............. 44
1.6. A AUDITORIA TRABALHISTA ENQUANTO AGENTE DE
IMPLANTAÇÃO (E MANUTENÇÃO) DO ESOCIAL.......... 45

CAPÍTULO 2
A AUDITORIA COM ÊNFASE NO ESOCIAL
2.1. CONHECENDO O ESOCIAL - INFORMAÇÕES GERAIS... 51
2.1.1. Os motivos do sistema............................................. 51
2.1.2. A criação do sistema................................................. 55
2.1.3. Cronologia histórica................................................. 56
2.1.4. O que é eSocial e qual o seu objetivo....................... 57
Auditoria Trabalhista com Ênfase no eSocial 7

2.1.5. O que deverá ser informado..................................... 58


2.1.6. Integração ao Sistema Público de Escrituração Di-
gital (Sped)............................................................... 59
2.1.7. Obrigações acessórias a serem substituídas.............. 60
2.1.8. Os produtos apresentados pelo EFD-Social............. 60
2.1.9. Diferencial................................................................ 61
2.1.10. Trabalhadores relacionados...................................... 62
2.1.11. Setores alcançados pelo eSocial................................ 62
2.1.12. Mudanças serão necessárias..................................... 63
2.1.13. Composição dos arquivos........................................ 65
2.1.14. Cronograma de implantação do sistema.................. 67
2.1.15. Fracionamento das informações.............................. 68
2.1.16. Resultados esperados do projeto.............................. 69
2.1.17. Envio das informações............................................. 69
2.1.18. Sequenciamento lógico da transmissão dos ar-
quivos....................................................................... 70
2.1.19. Fase de ataque pré eSocial........................................ 71

CAPÍTULO 3
ANÁLISE DOS ARQUIVOS DO ESOCIAL PARA A AUDITORIA
3.1. S-1000 - Informações do empregador/contribuinte.............. 73
3.2. S-1005 - Tabela de estabelecimentos e obras de construção
civil........................................................................................ 74
3.3. S-1010 - Tabela de rubricas................................................... 76
3.4. S-1020 - Tabela de lotações tributárias................................. 94
3.5. S-1030 - Tabela de cargos/empregos públicos....................... 97
3.6. S-1040 - Tabelas de funções/cargos em comissão......................... 98
3.7. S-1050 - Tabela de horários/turnos de trabalho......................... 99
3.8. S-1060 - Tabela de ambientes de trabalho............................. 101
3.9. S-1070 - tabela de processos administrativos/judiciais......... 102
3.10. S-1080 - Tabela de operadores portuários............................. 104
3.11. S-1200 - Remuneração do trabalhador.................................. 105
8 Auditoria Trabalhista com Ênfase no eSocial

3.12. S-1202 - Remuneração do trabalhador RPPS........................ 106


3.13. S-1210 - Pagamentos de rendimentos do trabalho....................... 107
3.14. S-1220 - Pagamentos a beneficiários não identificados........ 107
3.15. S-1250 - Aquisição de produção rural................................... 108
3.16. S-1260 - Comercialização da produção rural pessoa física..... 111
3.17. S-1270 - Contratação de trabalhadores avulsos não portuá-
rios........................................................................................ 114
3.18. S-1280 - Informações complementares aos eventos periódi-
cos......................................................................................... 115
3.19. S-1298 - Reabertura dos eventos periódicos......................... 116
3.20. S-1299 - Fechamento dos eventos periódicos....................... 117
3.21. S-1300 - Contribuição sindical patronal............................... 118
3.22. S-2100 - Cadastramento inicial do vínculo........................... 120
3.23. S-2190 - Admissão de trabalhador - Registro preliminar...... 121
3.24. S-2200 - Admissão de trabalhador........................................ 122
3.25. S-2205 - Alteração de dados cadastrais do trabalhador........ 123
3.26. S-2206 - Alteração de contrato de trabalho........................... 123
3.27. S-2210 - Comunicação de acidente de trabalho......................... 124
3.28. S-2220 - Monitoramento da saúde do trabalhador............... 125
3.29. S-2230 - Afastamento temporário......................................... 126
3.30. S-2240 - Condições ambientais do trabalho - Fatores de
risco....................................................................................... 128
3.31. S-2241 - Insalubridade, periculosidade e aposentadoria es-
pecial..................................................................................... 128
3.32. S-2250 - Aviso-prévio............................................................ 129
3.33. S-2298 - Reintegração........................................................... 130
3.34. S-2299 - Desligamento.......................................................... 131
3.35. S-2300 - Trabalhador sem vínculo - Início............................ 131
3.36. S-2305 - Trabalhador sem vínculo - Alteração contratual..... 132
3.37. S-2399 - Trabalhador sem vínculo - Término....................... 132
3.38. S-3000 - Exclusão de eventos................................................ 133
Auditoria Trabalhista com Ênfase no eSocial 9

3.39. S-4000 - Solicitação de Totalização de bases e contribuições.... 133


3.40. S-5001 - Informações das contribuições sociais por trabalha-
dor......................................................................................... 133
3.41. S-5002 - Imposto de Renda Retido na Fonte........................ 133
3.42. S-5011 - Informações das Contribuições sociais consolida-
das por Contribuinte............................................................. 133
3.43. S-5012 - Informações do IRRF consolidadas por Contribuinte. 134

CAPÍTULO 4
ESTRUTURAÇÃO DOS SETORES PARA
A AUDITORIA DE IMPLANTAÇÃO
4.1. COMUNICAÇÃO DE INÍCIO DE AUDITORIA................... 135
4.2. PLANO DE AÇÃO E ESTRATÉGIA...................................... 136
4.2.1. Recursos humanos................................................... 136
4.2.2. Departamento de pessoal......................................... 137
4.2.3. Tecnologia da Informação........................................ 137
4.2.4. Segurança e saúde do trabalhador............................ 138
4.2.5. Financeiro................................................................ 138
4.2.6. Jurídico..................................................................... 139
4.2.7. Envolvimento de todos os setores............................ 139

CAPÍTULO 5
EXAMES DE AUDITORIA
5.1. CONSTITUIÇÃO DA EMPRESA.......................................... 141
5.1.1. Checklist de empresas............................................... 142
5.2. ADMISSÃO DE EMPREGADOS........................................... 142
5.2.1. Legislação................................................................. 143
5.2.2. Súmulas.................................................................... 145
5.2.3. Jurisprudências......................................................... 145
5.2.4. Comentários............................................................. 149
5.2.5. Checklist de admissão (básico)................................. 157
5.2.6. Checklist de admissão (avançado)............................ 158
10 Auditoria Trabalhista com Ênfase no eSocial

5.3. AUDITORIA EM FOLHA DE PAGAMENTO....................... 159


5.3.1. Legislação................................................................. 159
5.3.2. Súmulas.................................................................... 176
5.3.3. Jurisprudências......................................................... 183
5.3.4. Checklist de folha de pagamento (básico)................ 188
5.3.5. Checklist de movimentação de folha e encargos
(avançado)................................................................ 191
5.4. CONTRATO DE TRABALHO............................................... 192
5.4.1. Legislação................................................................. 192
5.4.2. Comentários............................................................. 199
5.4.3. Súmulas.................................................................... 202
5.4.4. Jurisprudências......................................................... 203
5.4.5. Checklist de contratos de trabalho............................ 207
5.5. JORNADA DE TRABALHO................................................... 208
5.5.1. Legislação................................................................. 208
5.5.2. Súmulas.................................................................... 215
5.5.3. Jurisprudências......................................................... 222
5.5.4. Comentários............................................................. 236
5.5.5. Checklist de jornada de trabalho.............................. 242
5.6. AUDITORIA EM FÉRIAS...................................................... 244
5.6.1. Legislação e conceitos aplicáveis.............................. 245
5.6.2. Súmulas.................................................................... 252
5.6.3. Jurisprudências......................................................... 255
5.6.4. Checklist de férias (básico)....................................... 258
5.6.5. Checklist de férias (avançado).................................. 259
5.7. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO........................................... 260
5.7.1. Legislação................................................................. 260
5.7.2. Súmulas.................................................................... 261
5.7.3. Jurisprudência.......................................................... 262
5.7.4. Comentários............................................................. 264
Auditoria Trabalhista com Ênfase no eSocial 11

5.7.5. Checklist de gratificação de Natal............................. 265


5.8. AUDITORIA EM TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA.... 266
5.8.1. Comentários e conceitos.......................................... 267
5.8.2. Proposta: legislação.................................................. 272
5.8.3. Jurisprudências......................................................... 277
5.8.4. Checklist de mão de obra terceirizada...................... 279
5.9. SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO..................... 282
5.9.1. Comentários............................................................. 283
5.9.2. Súmulas.................................................................... 287
5.9.3. Checklist de segurança e medicina do trabalho........ 288
5.10. AUDITORIA EM RESCISÕES DE CONTRATO DE TRABA-
LHO....................................................................................... 290
5.10.1. Legislação e comentários.......................................... 290
5.10.2. Súmulas.................................................................... 299
5.10.3. Jurisprudências......................................................... 301
5.10.4. Checklist de desligamentos (básico)......................... 306
5.10.5. Checklist de desligamentos (avançado).................... 308
5.11. CHECKLISTS DIVERSOS...................................................... 309
5.11.1. Checklist de controle de benefícios (básico)............. 310
5.11.2. Checklist de controle de benefícios (avançado)........ 311
5.11.3. Jurisprudências......................................................... 312
5.11.4. Checklist de adiantamento quinzenal (básico)......... 315
5.11.5. Checklist de adiantamento quinzenal (avançado).... 315
5.11.6. Checklist de controle de ponto (básico)................... 316
5.11.7. Checklist de controle de ponto (avançado).............. 317
5.11.8. Checklist de de empréstimos (básico)...................... 318
5.11.9. Checklist de empréstimos (avançado)...................... 319
5.11.10. Checklist de obrigações mensais e anuais (básico).. 319
5.11.11. Checklist de obrigações mensais e anuais (avançado).. 321
5.11.12. Checklist de estagiários (básico)............................. 321
12 Auditoria Trabalhista com Ênfase no eSocial

5.11.13. Checklist de estagiários (avançado)........................ 322


5.11.14. Checklist de autônomos (básico)............................ 322
5.11.15. Checklist de autônomos (avançado)....................... 323
5.11.16. Checklist de processos trabalhistas (básico)........... 324
5.11.17. Checklist de processos trabalhistas (avançado)...... 325
5.11.18. Checklist de aprendizes e portadores de necessida-
des especiais........................................................... 326
5.12. PROGRAMA DE TRABALHO............................................... 327

CAPÍTULO 6
LEGISLAÇÃO
6.1. LEGISLAÇÕES GERAIS........................................................ 331
6.2. LEGISLAÇÕES ESPECÍFICAS.............................................. 332
Caixa Econômica Federal - Circular nº 673, de 25.02.2015. 332
Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007.......................... 333
Instrução Normativa RFB nº 1.420, de 19 de dezembro de
2013...................................................................................... 336
ADE Sufis nº 5/2013 - ADE - Ato Declaratório Executivo
Subsecretaria de Fiscalização nº 5, de 17.07.2013 (DOU
18.07.2013)........................................................................... 341
Resolução CG/eSocial nº 1, de 20.02.2015 (DOU
24.02.2015)........................................................................... 342
Resolução CD/eSocial nº 1, de 24.06.2015 (DOU
25.06.2015)........................................................................... 349
Capítulo 1
Conceitos Gerais de Auditoria

1.1. HISTÓRICO NO BRASIL


No Brasil, o surgimento do mercado de auditoria está relacionado
a influências específicas, dentre as quais:
 a instalação de filiais e subsidiarias de firmas estrangeiras em
território nacional;
 necessidades de financiamentos de empresas brasileiras por in-
termédio de entidades internacionais;
 crescimento dos negócios (necessidade de capital de giro e in-
vestimentos fixos), descentralização e diversificação de ativi-
dades econômicas;
 evolução do mercado de capitais;
 criação das normas de auditoria para instituições financeiras,
determinadas pelo Banco Central do Brasil; 
 criação da CVM (Comissão de Valores Mobiliários);
 promulgação da Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6404/76).
14 Auditoria Trabalhista com Ênfase no eSocial

O surgimento dos serviços de auditoria propriamente dito se deu


mais significativamente ao final da Segunda Guerra Mundial.
Cronologicamente, é difícil determinar a exata data em que foi
procedido o primeiro trabalho de Auditoria no Brasil, porém, estima-se
que, ao final do século XIX, o balanço da São Paulo Tramway Light &
Power Co, relativo ao período compreendido entre junho de 1899 e 31
de dezembro de 1902, foi certificado pela empresa canadense de Audi-
toria Clarkson & Cross - atualmente Ernst & Young.
Em termos operacionais, a primeira empresa de Auditoria Inde-
pendente a se estabelecer no Brasil foi a Deloitte Touche Tohmatsu, que
instalou seu primeiro escritório no Rio de Janeiro, em 1911, e o segundo
em Recife, em 1917.
Àquela época, o país estava longe de ter qualquer tipo de
preocupação com o assunto. Um dos primeiros artigos sobre esse tema
foi publicado, em 1928, pela Revista Paulista de Contabilidade, com o
título “Contabilidade na Grã-Bretanha”.
O primeiro livro sobre Auditoria foi publicado apenas em 1957 e
denominado “Curso de Auditoria”.
No que se refere ao aspecto legal, os conceitos e técnicas de audi-
toria foram formalmente introduzidos no ensino universitário por força
do Decreto-lei nº 7.988, de 22 de dezembro de 1945, o qual regula-
mentava a educação superior nos cursos de Economia, Contabilidade e
Ciências Atuariais.
Ainda, no âmbito das leis, somente em 1965, pela primeira vez,
foi introduzida a figura do Auditor Independente em um diploma legal.

1.2. CARACTERÍSTICAS GERAIS DE PADRÕES DE AUDITORIA

1.2.1. Objetivos
O objetivo inicial de uma auditoria trabalhista consiste em avaliar
os procedimentos internos da organização, seus registros, os riscos de
possíveis distorções materialmente relevantes; enfim, examinar cuida-
dosamente documentos e processos internos, com a finalidade precípua
Auditoria Trabalhista com Ênfase no eSocial 15

da melhoria nos procedimentos, evitando assim (ou minorando) o risco


da ocorrência de erros e, por consequência, reduzindo também a possi-
bilidade de que as empresas sejam autuadas por procedimentos que não
estejam em conformidade com a atual legislação. A auditoria como um
todo - e a trabalhista em especial - visa gerar recomendações e comen-
tários, proporcionando aos Gerentes, Coordenadores, Diretores, Con-
selheiros e Acionistas subsídios para a tomada de decisões estratégicas,
auxiliando na assertividade das mesmas e, por conseguinte, no melhor
rumo da Organização.
São objetivos dos serviços de auditoria, dentre outros:
• estabelecer base para guiar e medir a atuação da auditoria e seu
aperfeiçoamento;
• fornecer suporte para padrões mais específicos de auditoria;
• proporcionar um entendimento do papel e responsabilidade dos
auditores, aos gerentes, clientes, etc., para que estes possam auxi-
liar aqueles;
• dar mais clareza aos dizeres “de acordo com os padrões de au-
ditoria geralmente aceitos”, documentando procedimentos dos
auditores, da auditoria e dos relatórios;
• definir um escopo mais amplo da auditoria.

1.2.2. Escopo dos trabalhos


O padrão é um documento delineado com um mínimo de exigência
a ser aplicado pelos auditores, na auditoria, nos relatórios e no follow-up.
Os vários guias servem para explicar e exemplificar as solicitações,
descrevendo meios adequados para realizá-las. O padrão lida com atos
e objetivos da qualidade, a serem agregados pelo uso de guias e proce-
dimentos.
Os padrões fazem referência aos programas de garantia da qualida-
de a serem auditados. Eles fornecem subsídios aos auditores em equipe,
tanto para os auditores líderes quanto para os auditores especialistas
componentes da equipe.
16 Auditoria Trabalhista com Ênfase no eSocial

Existe uma preocupação com a qualidade do trabalho, com a qua-


lificação dos auditores e com a independência de gerenciamento do de-
partamento de auditoria, no escopo desses padrões.
O escopo das auditorias vai além da avaliação das evidências sobre
economia, eficiência e realização dos resultados desejados. Os padrões
são mais do que mera prática nas áreas já implantadas, eles incluem
também áreas em desenvolvimento.
Em cada documento padrão considerado, o escopo é definido pela
área de atividade da organização, representado pelo seu manual de ins-
truções. As auditorias, então, são realizadas de acordo com seus respec-
tivos padrões.
Os padrões descrevem a qualificação desejada do auditor, o ca-
minho da auditoria e os métodos específicos, relatórios e follow-up de
auditoria.
Esses padrões são aceitos pelos auditores por solicitação dos clien-
tes e dos empregadores, pelas organizações de auditagem e pelos audi-
tores independentes, de forma a maximizar a eficácia da auditoria e a
proteção dos ativos.
As auditorias, em suma, examinam as evidências, caracterizando
escopos mais ou menos idênticos nos diferentes serviços de auditagem.
Elas só se diferenciam quando entram nas áreas específicas de cada uma.

1.2.3. Materialidade e risco da evidência


Esses conceitos são de importância em todos os padrões elabora-
dos. É sabido que a evidência objetiva é um indicador a ser utilizado nas
ações e nas decisões, no presente e no futuro, e o auditor deve mostrar
conhecimento das evidências disponíveis.
Relações contratuais formais fornecem ao auditor autoridade e
autonomia para conduzir os trabalhos de auditoria de acordo com os
padrões geralmente aceitos.
Os padrões auxiliam a garantir que os objetivos e os propósitos da
auditoria sejam alcançados e que os usuários dos relatórios expedidos
possam confiar nas conclusões da auditoria.
Auditoria Trabalhista com Ênfase no eSocial 17

As auditorias são processos avaliativos para determinar o grau de


conformidade nas normas estabelecidas, resultando numa opinião e jul-
gamento por parte do auditor. Este, por sua vez, é uma pessoa qualifica-
da a planejar e conduzir auditorias de acordo com os padrões, os quais
têm como princípio básico a garantia da qualidade.

1.3. CARACTERÍSTICAS DO AUDITOR


1.3.1. Responsabilidades
As responsabilidades do auditor derivam dos objetivos gerais da
auditoria e dos padrões existentes, em função dos auditores, auditores
líderes e seus empregadores.
Nesses padrões, são definidas responsabilidades, tais como: plane-
jamento, implantação, relatório e follow-up das auditorias.
Das responsabilidades pessoais do auditor podemos citar: inde-
pendência, conhecimento, habilidades, competência técnica, etc.
O auditor, como profissional que é, deve realizar seus trabalhos
com julgamento competente e independente, para não satisfazer os
clientes em detrimento do melhor desempenho profissional.

1.3.2. Qualificações
Os auditores devem ter uma qualificação própria, pois os usuários
de seus relatórios deverão confiar na integridade de seus conteúdos.
Podemos dizer que a qualificação dos auditores resulta de uma
educação formal que inclui: treinamento, orientação, experiência, reci-
clagem de estudo e trabalho, etc.
Os elementos essenciais na qualificação dos auditores são conheci-
mento, habilidade, atitude, aptidões, independência, entre outros. Uma au-
ditoria em grupo deve exigir qualificação de todos os auditores envolvidos.

1.3.3. Educação e treinamento


O auditor deve ter um nível de educação suficiente para permitir
o entendimento das atividades a serem auditadas.
18 Auditoria Trabalhista com Ênfase no eSocial

O auditor líder deve avaliar o grau de competência profissional


dos auditores que serão envolvidos na auditoria. Em certos casos, os
auditores devem receber treinamento adequado em relação aos padrões,
aos regulamentos e à estrutura do programa da garantia da qualidade
aplicável, etc.
Treinamentos contínuos e experiências no trabalho são importan-
tes para um aprimoramento do nível dos auditores. Mais responsabili-
dades aliadas ao desenvolvimento profissional aumentam a exigência
educacional e de treinamento.

1.3.4. Conhecimento
O auditor deve ter conhecimento de todos os assuntos relevantes
no processo de auditoria. A experiência em técnicas de auditoria em
relação a exames, questionamento, avaliação, relatórios e complementa-
ção com follow-up de ações corretivas também se faz necessária.
Em uma auditoria específica, o conhecimento individual dos audi-
tores pode ser complementado por outro auditor da equipe.

1.3.5. Habilidades
A habilidade em auditar é conseguida com os conhecimentos ci-
tados acima. Comunicação e entendimento da relação pessoal com os
auditados são habilidades que dependem da responsabilidade e da capa-
cidade dos auditores.
Habilidade em auditar quer dizer: ouvir, questionar, julgar, docu-
mentar, planejar e controlar uma auditoria, administrando, liderando,
supervisionando e tomando decisões.
A habilidade vai além da simples colocação e avaliação de evi-
dências para a gerência de auditoria, vai além da simples concordância
e aplicação de normas e procedimentos estabelecidos nos padrões de
auditoria; no geral, ela é parte do desenvolvimento profissional. Nas
auditorias, é muito importante termos habilidades de comunicação, tais
como: diplomacia, pensamento rápido e positivo, obtendo o máximo
Auditoria Trabalhista com Ênfase no eSocial 19

possível de informações na análise de evidências, auxiliando dessa for-


ma num julgamento mais preciso.
A falta de habilidades, quando ocorrida durante uma auditoria,
não pode prontamente ser suprida por outros auditores da equipe, como
ocorre com a falta de conhecimento já previsível de antemão.

1.3.6. Personalidade

É um atributo de cada um, insubstituível por outros elementos da


equipe. O padrão de personalidade tem como elementos componentes:
caráter, integridade, lealdade, ética, etc.
Um bom nível de autoridade e liderança é importante, e todo o
grupo deve contribuir para a harmonia e produtividade dos trabalhos a
serem executados.

1.3.7. Experiência

Nenhum dos pontos citados anteriormente funcionaria bem sem a


experiência prática do auditor. Ela só é adquirida com os trabalhos exe-
cutados, assim como o auditor líder antes de sua certificação deve rea-
lizar vários trabalhos práticos na área de garantia da qualidade. Portan-
to, os auditores vão também adquirindo experiência dentro da própria
equipe, com o intercâmbio de informações nos trabalhos realizados, e
na transferência de experiências dos mais para os menos experientes.

1.3.8. Exames de certificação

O exame de certificação é uma forma de fornecer credibilidade aos


auditores. Normalmente, esses exames existem para qualificar os audi-
tores e também para requalificá-los, sendo neste caso uma maneira de
exigir reciclagem contínua dos profissionais.
As qualificações são exigidas de acordo com as responsabilidades,
sendo que um supervisor de equipe deve ter pelo menos o mesmo nível
de qualificação dos auditores por ele comandados.
20 Auditoria Trabalhista com Ênfase no eSocial

1.3.9 Manutenção da qualificação

Assim, como qualquer área, a auditoria tem também seus avanços,


modificando objetivos, reformulando teorias e práticas de auditagem.
Por esse motivo, o auditor deve sempre se manter atualizado, partici-
pando de programas de treinamento, conferências e de atividades como
encontro de profissionais do ramo e de organizações de auditores.
Manter a qualificação, no entanto, não é o bastante na carreira do
auditor. Em verdade, ele deve sempre estar se especializando, com o
objetivo constante de melhorar seu desempenho profissional, fator fun-
damental para um bom desenvolvimento na carreira.

1.3.10. Independência

Na relação auditor/auditado, independência representa a certeza


de que as evidências encontradas pelo auditor serão reportadas e im-
plantadas de acordo com as normas e princípios de auditoria.
A independência representa julgar com a imparcialidade e justiça
os assuntos reportados nos relatórios de auditoria, e não atitudes so-
mente de crítica sobre os setores e as pessoas auditadas.
Os auditores necessitam obter a confiança dos clientes e dos audi-
tados sobre a sua imparcialidade, e justiça no julgamento das evidências.
Demonstrar ser fiel e sabedor do código de ética ajuda os auditores a
terem credibilidade perante os seus clientes.
A independência dos auditores é demonstrada quando eles rea-
lizam os seus trabalhos, com liberdade e objetividade, resultando em
julgamento imparcial e não tendencioso.
Podemos dizer que a objetividade do auditor é caracterizada por
atitudes, tais como:
• não deixar seu julgamento ser influenciado pelos outros;
• ter a certeza de que a qualidade dos resultados da auditoria não
foi prejudicada por qualquer motivo;
Auditoria Trabalhista com Ênfase no eSocial 21

• acreditar que a sua gerência e/ou alta administração apoia as


suas atitudes.
As influências em virtude da perda de independência podem ser:
• pessoais: amizade com o auditado, ideias preconcebidas, en-
volvimento prévio, tendências, influências restritivas, interesse
financeiro, etc.;
• externas: interferência na liberdade de julgamento, no escopo
e objetivo da auditoria, restrições retaliativas, interferência nos
relatórios, ameaças de demissões de auditores, etc.;
• da organização: o relatório não é enviado diretamente ao nível
mais alto do gerenciamento.
A independência do auditor não é afetada quando ele revisa o sis-
tema antes de a auditoria ser realizada. Mas preparar documentação,
procedimento, etc. para o auditado não é função do auditor, e pode pre-
judicar os objetivos da auditoria, pois ele estaria indo de encontro a um
princípio básico, no qual o auditor não deve revisar os seus próprios
papéis de trabalho.
A independência só será alcançada quando o auditor estiver devida-
mente informado e qualificado. Os procedimentos e políticas devem ser
documentados no manual de auditoria, em complemento e concordância
com os padrões de auditoria. O manual serve como ajuda aos clientes e
auditados, minimizando interferência indevida na auditoria causada pela
falta de conhecimento. Nos casos em que ocorram interferências, o audi-
tor deve interromper a auditoria ou emitir relatório comunicando os fatos.
Quando o auditor não puder emitir suas opiniões, deverá renun-
ciar à auditagem. Todos os padrões de auditoria são enfáticos no que
concerne à independência dos auditores e equipes de auditoria, pois a
independência é que valida a auditoria.

1.3.11. Desempenho
A qualidade do trabalho depende do real desempenho do auditor.
Ser qualificado, certificado, e trabalhar com independência, sem inter-
ferência, não implica um resultado satisfatório na tarefa de auditagem.