Você está na página 1de 4

FACULDADE DOCTUM DE MANHUÇU

CURSO DIREITO
JOSÉ DÉRCIO SOUZA SOARES

ATIVIDADE PRÁTICA SUPERVISIONADA

MANHUAÇU
2018
José Dércio Souza Soares

ATIVIDADE PRÁTICA SUPERVISIONADA

Atividade prática supervisionada apresentada ao Curso


de Direito da Faculdade Doctum de Manhuaçu, entregue
à disciplina Direito Constitucional I.
Prof.: Bruno Gonzaga da Silveira Cardozo.

MANHUAÇU
2018
Existem dois tipos de intervenção: a federal e a estadual. Na intervenção federal, a
União intervém nos Estados e no Distrito Federal, ou ainda em Municípios localizados em
Territórios federais. Regulado pelos artigos 34 e 36 do capítulo VI da CF. Na
intervenção estadual, os Estados intervêm em seus Municípios, relacionado ao artigo 35 da CF.
As hipóteses de intervenção da União nos Estados e no Distrito Federal estão
relacionadas no art. 34 da Constituição.
A intervenção federal será espontânea quando o Presidente da República age de ofício.
As hipóteses em que fará isso estão nos incisos I, II, III e V do art. 34.
A intervenção federal também poderá ser provocada por solicitação. É a hipótese do
inciso IV do art. 34. Nesse tipo de intervenção, ocorre uma coação ou impedimento sobre o
poder legislativa ou executivo, impedindo o seu livre exercício na unidade da federação. O
Presidente, no entanto, não está obrigado a proceder com a intervenção, ou seja, ele possui
discricionariedade para decidir conforme a conveniência e oportunidade do ato.
Outro tipo de intervenção federal é a provocada por requisição. Ela pode ocorrer quando
houver coação sofrida pelo poder judiciário ou por desobediência de ordem ou decisão judicial.
No primeiro caso (coação), a intervenção federal dependerá de requisição do Supremo Tribunal
Federal. Na segunda hipótese (desobediência), a requisição poderá ser do STF, do Superior
Tribunal de Justiça ou do Tribunal Superior Eleitoral. No caso da intervenção provocada por
requisição, ao contrário da por solicitação, o Presidente da República não tem
discricionariedade, estando vinculado ao pedido. Logo, deve decretar a intervenção federal sob
pena de crime de responsabilidade.
O último tipo de intervenção federal é a provocada dependente de provimento de
representação. Ela ocorrerá na hipótese do art. 34, VII, ou seja, quando houver ofensa aos
princípios constitucionais sensíveis relacionados em suas alíneas.
A decretação e execução da intervenção federal, seja ela espontânea ou provocada, é de
competência privativa do Presidente da República, conforme art. 84, X, da Constituição.
Previamente, deverão ser ouvidos o Conselho da República e o Conselho de Defesa Nacional,
órgãos consultivos que emitirão perecer sobre o ato, porém sem valor vinculativo.
A intervenção é formalizada pelo decreto presidencial de intervenção, que especificará
sua amplitude, prazo, condições de execução e, quando couber, o interventor nomeado. Em
caso de nomeação de um interventor, as autoridades envolvidas serão afastadas. Quando
cessados os motivos da intervenção, elas voltarão a seus cargos, salvo impedimento legal. É o
que determina o art. 36, §4º.
Conforme art. 36, §§ 1º e 2º, o Congresso Nacional realizará controle político do decreto
de intervenção no prazo de 24 horas. Caso esteja em recesso parlamentar, deverá ser convocada
sessão extraordinária no mesmo prazo.
Quanto à intervenção estadual nos Municípios, as hipóteses estão relacionadas no
art. 35 da Constituição.
A decretação da intervenção estadual é de competência privativa do Governador do
Estado, que o fará por meio de um decreto de intervenção especificando, assim como no decreto
interventivo federal, a amplitude, o prazo, as condições e, quando couber, o interventor. Da
mesma forma, nomeado o interventor, as autoridades envolvidas serão afastadas até que os
motivos da intervenção se cessem, quando retornam aos seus cargos, salvo impedimento legal.
O controle político do ato, é realizado pelo poder legislativo. Dessa forma, o decreto do
Governador é submetido à apreciação da Assembleia Legislativa em 24 horas, que, se em
recesso, será convocada extraordinariamente no mesmo prazo.