Você está na página 1de 10

1

DISCIPLINA: TEORIAS E TÉCNICAS COMPORTAMENTAIS COGNITIVAS

TERAPIA RACIONAL EMOTIVA COMPORTAMENTAL

1 HISTÓRICO
Albert Ellis, psicanalista americano, (1913-2007), foi o fundador da Terapia Racional
Emotiva Comportamental (TREC) no ano de 1955.
Ellis insatisfeito com o enfoque psicanalítico, desenvolveu nos Estados Unidos, uma terapia
mais direta, intervencionista que buscava incentivar o paciente a substituir suas emoções
nocivas por novos comportamentos.
Rangé e Fenster (2004, p. 439), orientam que a “TREC é indicada para indivíduos que
desejam um tratamento científico, focalizado no aqui-agora, e uma abordagem ativa para
lidar com as dificuldades da vida.” . Os autores explicam que a popularidade da TREC é
devido a rápida intervenção, trabalha o presente e seu baixo custo.
A TREC acolhe o pensamento de Epicteto, filósofo grego, (55 d.C. - 135 d.C.), que o
homem não é perturbado pelos acontecimentos e sim pela percepção destes (grifo
nosso). Segundo Rangé e Fenster (2004), a TREC também sofreu influências do filósofo
romano Marco Aurélio (121 d.C. – 180 d. C.) com o pensamento de que o ato de fé e
coragem ante a adversidade, ensina que o ideal a se buscar não é a felicidade e sim a
tranqüilidade frente às paixões e emoções. (grifo nosso). Ellis procura apoio na filosofia
asiática de Gautama Buddha (aproximadamente 563 a.C. – 483 a.C. ; que defendia a
realização espiritual) e Lao Tsu (criador do Taoísmo, religião surgida na China no século II,
que dava especial atenção ao equilíbrio mente-corpo).
Do campo da psicologia a TREC sofre particular influência de Karen Horney (psicanalista
1885-1952), por meio do conceito “tirania dos deverias” (grifo nosso), estudou a solidão
invasiva e a impotência. Influência de Alfred Adler (psicanalista 1870- 1937) e sua visão
humanista. Para Adler, o fundador do desenvolvimento individual, o meio social e a
preocupação do homem para atingir objetivos pré-estabelecidos, são os determinantes
básicos do comportamento humano. Para Adler, os complexos de inferioridade são
provocados por conflitos do envolvimento social.
2

O humanismo ético de Bertrand Russel (1872-1970), também traz sua contribuição para a
TREC no sentido de refletir sobre a liberdade de expressão, enfatizando a idéia de que “os
humanos deveriam aceitar-se como tais e se livrar das idéias de serem super-homens ou
sub-homens.” . (RANGÉ e FENSTER, 2004, p. 439).
A TREC tem raízes existenciais onde foi influenciada por Martin Heidegger (1889-1976)
que defendia a autenticidade humana.
Do behaviorismo sofreu influencia de Watson (1878-1959) e Mary Cover Jones (1896-
1987).

2 A ORIGEM DA SAÚDE E DOS TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS


2.1 Saúde psicológica
O homem é um ser biológico, psicológico e social. Sua tendência é a de atingir objetivos na
vida pessoal, profissional e social, para isso procura projetar e alcançar metas e, com isso,
ter uma boa qualidade de vida.
Rangé e Fenster (2004, p.440), explicam que quando “as pessoas estiverem preparadas para
pensar de forma mais racional, flexível, científica, elas estarão mais capacitadas a viver
mais longamente e a ser razoavelmente mais felizes.” .

2.2 Transtorno psicológico


Para a TREC as crenças irracionais são os determinantes mais importantes de um distúrbio
emocional não orgânico. As crenças irracionais aparecem sob a forma de ordens, deveres,
exigências sobre si, o outro e o mundo.
Ellis e Crawford (2000, p. 57-58) citado por Rangé e Fenster (2004, p. 440), concluíram
que há três imposições absolutistas as quais chamam de musturbation, em português,
más-turbações. (grifo do autor).
Imposições dirigidas contra si mesmo: “tenho que, de qualquer maneira,
conseguir fazer bem todas as coisas importantes que me proponho.” .
Para os autores é essa a forma de más-turbações que provocam ansiedade, insegurança e
depressão.
Imposições dirigidas a outras pessoas: “os outros devem me ajudar a
conseguir o que quero e a evitar o que não desejo.” .
Esta forma de más-turbações provoca a raiva, violência, guerras, etc..., quando as pessoas
não atendem as ordens.
3

Imposições dirigidas contra o conjunto das condições de vida: “as


condições de trabalho devem ser estabelecidas de maneira que eu consiga
o tipo de emprego do qual eu goste e que me pague bem.” .
Nestes casos as más-turbações produzem depressão, baixa tolerância à frustração,
inclinação para adiar tarefas, etc...

Rangé e Fenster (2004, p. 440-441), explicam que além de exigências tipo “devo” e “tenho
que”, há outros três derivados destas:
- Terrivelização: a pessoa acredita que uma situação ou algo será 100% ruim e nada
será bom até que a situação não seja eliminada. Ex.: “Será o fim se eu não passar no
teste para esse emprego”.
- Não-aguentite: como o nome indica, caracteriza a baixa tolerância à frustração
devido a pouca habilidade em lidar com situações mais difíceis. Ex.: “Eu não
consigo suportar a rejeição dele”.
- Condenação: inclinação a autocondenação, aos outros e ao mundo, quando suas
exigências não são satisfeitas. Ex.: “Bem feito que ele foi desprezado agora, nunca
me deu valor, merece ser castigado” .

A prática terapêutica da TREC foi desenvolvida para auxiliar as pessoas a modificarem


crenças irracionais. Ellis não atribuiu às crenças o único determinante para os distúrbios
emocionais, mas acreditou que se a pessoa transformasse “Eu devo” por “Eu gostaria”, as
perturbações emocionais diminuiriam de frequência.

Rangé e Fenster (2004, p.441) enunciam a declaração de Ellis (1976) como a base
biológica para a irracionalidade humana. (grifo nosso).
Todos os seres humanos, incluindo os mais brilhantes e competentes,
mostram evidências das principais irracionalidades humanas. Virtualmente
todas as irracionalidades que causam perturbações (“deverias”, “tenho
que”) encontradas em nossa sociedade, também são vistas em
praticamente todos os grupos sociais e culturais que já foram estudados
histórica e antropologicamente ... Os psicoterapeutas que,
presumivelmente, deveriam ser modelos adequados de racionalidade,
agem com frequência de modo irracional na vida pessoal e profissional.
As pessoas tendem a achar mais fácil aprender comportamentos auto-
derrotistas do que auto-engrandecedores; assim, com frequência, as
pessoas comem demais e têm muita dificuldade para fazer uma dieta
adequada, bebem demais, usam drogas em excesso, etc...
4

3 O ABC ... DE ALBERT ELLIS


Para McMullin (2005), a terapia cognitiva (TC) procura ensinar ao paciente a importância
de seus pensamentos, indicando como crenças, atitudes e cognições provocam emoções
intensas. A TC ensina que para alterar e/ou modificar tais emoções é preciso mudar o
pensamento.
Rangé e Fenster (2004, p.441), explicam que para “ajudar os pacientes a terem maior
compreensão do processo terapêutico, a TREC propõe um modelo denominado “ABC dos
distúrbios emocionais.” (grifo do autor). Na verdade o ABC envolve um D e eventualmente
um E.

3.1 Explicando o ABC


3.1.1 Letra ‘A’
A → evento ativador
O ‘A’ pode ser algo observável “Minha mulher bateu a porta”.
O ‘A’ pode ser uma interpretação “Ela nunca mais vai voltar”.
O ‘A’ contribui para o desenvolvimento de uma emoção mas não é a causa.

3.1.2 Letra ‘B’


“O ‘B’ origina-se do inglês beliefs (crenças). Em português ... “busque a crença!”.
(RANGÉ e FENSTER, 2004, p.442).
B → pensamento pessoal sobre o evento ativador. O ‘B’ refere-se às crenças, mas também
inclui outros níveis de cognições como os pensamentos automáticos, crenças subjacentes e
nucleares.
O ‘B’ refere-se as crenças avaliativas racionais e irracionais.
- As crenças racionais favorecem emoções saudáveis, são mais flexíveis, são
expressas por desejos e não exigências. Ex.: “Eu poderia passar no teste para o
emprego”.
- As crenças irracionais favorecem emoções e sentimentos destrutivos, são inflexíveis
e expressas por exigências. Ex.: “Eu devo passar nesse teste para o emprego”.
Expressões como “devo”; “tenho quê”; “isto precisa ser”; “é extremamente
necessário”, são comuns quando há uma crença irracional.
5

Algumas diferenças entre crenças irracionais (iB) e crenças racionais (rB)1


Crenças irracionais Crenças Racionais
É terrível, espantoso É desagradável, inconveniente
Não posso suportar Posso tolerar o que não posso
Sou uma estúpida Meu comportamento foi estúpido
É um imbecil Não é perfeito
Cada vez que tento falho Às vezes fracasso

Par a ensinar o paciente é preciso demonstrar que entre um evento ativador (A) e o
nosso sentimento (C), existem nossas crenças avaliativas (B).
Para Albert Ellis, é possível categorizar as crenças irracionais em 11. (Rangé e Fenster
(2004, p.443).
1. É absolutamente necessário para qualquer ser humano adulto ser amado ou
aprovado por qualquer outra pessoa significativa da sua comunidade.
2. Uma pessoa deve ser inteiramente competente, adequada e realizadora em todos
os aspectos possíveis para se considerar valiosa.
3. É terrível e catastrófico quando as coisas não são do jeito que uma pessoa
gostaria que elas fossem.
4. Certas pessoas são más, perversas e maldosas e elas deveriam ser severamente
responsabilizadas e punidas por sua maldade.
5. A infelicidade humana é externamente causada, e as pessoas têm pouca ou
nenhuma capacidade para controlar seus infortúnios e distúrbios.
6. Se alguma coisa é ou pode vir a ser perigosa ou assustadora, uma pessoa deve
ficar terrivelmente preocupada e ficar ruminando sua possível ocorrência.
7. É mais fácil evitar do que enfrentar certas dificuldades ou responsabilidades da
vida.
8. A idéia de que uma pessoa deve ser dependente de outras e de que ela necessita
de alguém mais forte em quem se apoiar.
9. A história passada de alguém é um determinante definitivo do seu
comportamento atual, e se algo afetou fortemente a sua vida alguma vez, isso
continuará tendo um efeito similar indefinidamente.
10. O mundo deve absolutamente ser favorável e justo.
11. A idéia de que há invariavelmente uma solução certa, precisa e perfeita para os
problemas humanos, e que é catastrófico se essa solução perfeita não for
encontrada.

3.1.3 Letra ‘C’


C → representa as consequências emocionais e comportamentais do paciente.

1
Parte do Quadro 29.1 (Rangé e Fenster, 2004, p. 444).
6

O ‘C’ motiva o paciente a procurar ajuda, isto porque pode provocar consequências
emocionais negativas apropriadas como a tristeza, desapontamento, mas também
podem provocar consequências emocionais negativas inapropriadas como ansiedade,
depressão e comportamentos não saudáveis como o uso de drogas, violência, esquiva
social, etc... .
As emoções negativas saudáveis originam-se de crenças racionais e auxiliam o
paciente a alcançar seus objetivos. As emoções negativas não-saudáveis originam-se
das crenças irracionais e dificultam o acesso aos objetivos. (RANGÉ e FENSTER,
2004, grifo nosso)
Principais emoções destrutivas e suas alternativas saudáveis2
Ansiedade → Preocupação
Depressão → Tristeza
Culpa → Arrependimento
Vergonha → Desapontamento
Raiva → Frustração

A TREC não elimina as emoções, mas auxilia a diminuir a frequência das emoções
não-saudáveis negativas.
As emoções negativas saudáveis são motivadoras e benéficas para a saúde mental
do paciente. Na TREC, tristeza ou frustração são saudáveis, enquanto a depressão, a
raiva, etc... são prejudiciais à saúde mental do paciente.
Consequentemente, somente estas últimas serão objeto de
intervenção terapêutica... A TREC propõe que, além das emoções
negativas destrutivas, os pacientes podem apresentar distúrbios
emocionais secundários... podem deprimir por estar deprimidos,
ficar com culpa por estarem ansiosos... preferencialmente, deve-
se intervir no distúrbio emocional secundário antes do primário,
uma vez que este pode dificultar o sucesso da intervenção
terapêutica. (RANGÉ E FENSTER, 2004, p.445).

Após ensinar o paciente o esquema ABC, é possível entrar na letra ‘D’

2
Quadro 29.2 (Rangé e Fenster, 2004, p. 444)
7

EXERCÍCIO A → B → C 3
Pensamentos não são fatos.
Frequentemente, quando temos algum sentimento, como tristeza ou raiva, nós o sentimos tão
intensamente, que temos convicção de que o nosso sentimento é legítimo, afinal alguém ou alguma
coisa fez eu me sentir assim.
No entanto, o que nos incomoda não são os fatos em si, mas a interpretação que nós fizemos dos
fatos. O que você pensa dos fatos e o que eles são, na realidade, pode fazer você se sentir de formas
diferentes nas mesmas situações.
O objetivo deste exercício é você aprender a distinguir as diferentes situações na sua vida que
ativam os mais variados pensamentos, os quais geram diferentes emoções e comportamentos.
A – Estar conversando com um amigo, dirigindo o carro ou deitado no quarto ouvindo música são
situações ativadoras, os gatilhos que acionam os pensamentos. Um ‘A’ é o que uma filmadora
captaria se estivesse filmando a cena. A filmadora não interpreta o que vê, simplesmente filma.
B – Todo e qualquer momento da nossa vida faz a gente ter os mais variados pensamentos, os quais
podem ser agradáveis, desagradáveis ou neutros. Segundo o modelo cognitivo, são os pensamentos
que levam às emoções, isto é, as emoções são decorrentes ou, no mínimo, influenciadas pelos
pensamentos.
C – São as consequências, o que decorre do que pensamos. Normalmente é mais fácil identificar as
emoções, especialmente as negativas ou desagradáveis. Por isso, você pode começar o A →B→C
pelas emoções, depois verificar qual a situação que estava ocorrendo para você sentir o que sentiu e,
então, identificar o que você pensou imediatamente ou enquanto estava sentindo.

A B C
Ativador Pensamentos Automáticos, Consequências
Evento ou situação ativadora Pressupostos, Regras, Crenças Emocionais
(Gatilhos) (esquemas) Comportamentais
Físicas

3
Exercício A→ B→ C (Ellis, 1962, citado por Rangé e Fenster, 2004, p. 137)
8

3.1.4 Letra D
D → Debater
Alterar ou mudar crenças irracionais é o trabalho da TREC e ocorrre em ‘D’. Debater,
combater, desafiar o sistema de crenças irracionais do paciente é um processo lógico-
empírico onde o terapeuta auxilia o paciente a pensar racionalmente, assim poderá
“internalizar uma nova filosofia que envolva uma solução elegante. Isso será feito por
questionamento de natureza cognitiva, imaginária e/ou comportamental.” (RANGE E
FENSTER, 2004, p. 445. grifo do autor).

Para avaliar seu problema de maneira realista e racional, o paciente precisa afastar-se do
mesmo. Avaliar os problemas como se estivesse de fora, como se fosse uma outra
pessoa avaliando seus pensamentos e comportamentos. Knapp (2004, p. 138), explica
que o
umbilicalismo (grifo do autor), leva o paciente a interpretar as ações
de outros como se estivessem relacionadas com ele. O paciente
deprimido, autocentrado, avalia os outros como rejeitadores e
incapazes de entendê-lo. No caso de um paciente fóbico, o que
impede de ter um relacionamento social é, em grande parte, a idéia de
que é o centro das atenções; ele se vê como continuamente vulnerável
ao julgamento das outras pessoas, sentindo-se observado e avaliado.

O ‘D’ consiste em dois estágios básicos:


1. examinar e desafiar o modo de pensar atual;
2. desenvolver modos de pensar mais funcionais racionais e elegantes. (RANGÉ E
FENSTER, 2004, p. 445).

Clinicamente os níveis de abstração do paciente são importantes exemplos:


- “Minha mulher tem que fazer o jantar quando eu quiser.” (p.445)
Neste caso, o paciente seria perturbado por uma pequena quantidade de acontecimentos
ativadores (A).

- “O mundo deve ser do jeito que eu quero.” (p.445)


No caso acima, o nível de abstração é maior e é provável que o paciente se perturbe mais
frequentemente pelos acontecimentos ativadores (A).
9

Vale ressaltar que o mesmo se aplica aos pensamentos racionais (grifo nosso), pois quanto
menos abstração, menor a capacidade de generalizar (p.445).

Rangé e Fenster (2004), explicam que na fase diagnóstica ABC, não é recomendável fazer
perguntas como “por quê”, mas na fase ‘D’, fase de intervenção/tratamento, é
imprescindível – a resposta ao “por quê” ... “envolve necessidade de provas ou justificação
da crença e, uma vez que não haverá provas da veracidade de uma crença irracional, o
paciente pode se dar conta das razões de abandoná-la.” . (445-446).

Exemplos de perguntas do primeiro grupo de um combate lógico (lista completa


p.446)
-Há uma lógica correta aqui?
-Isso é verdade?
-Por que não?
-Como você sabe?
-Você pode estar generalizando demais?
-Se um amigo tivesse essa idéia você aceitaria?
-Vamos assumir o pior. Você está fazendo coisas ás. Agora, por que você não deveria faze-
las?

Um segundo grupo de perguntas levam o paciente a avaliar se suas crenças correspondem à


realidade social – equivale a um teste de realidade.

Exemplos de perguntas do segundo grupo para teste de realidade (lista completa


p.446)
-Que provas demonstram que o que você acredita é verdade?
-Onde estão as evidências?
-Que coisas boas podem ocorrer se ‘A’ ocorrer?
-Como o seu mundo ficaria destruído se ‘A’ ocorresse?

O terceiro grupo de perguntas questiona o quanto determinada crença auxilia o paciente a


resolver problemas, atingir objetivos, acalmar emocionalmente, etc...

Exemplos de perguntas do terceiro grupo para teste de auxílio da crença (lista


completa p.446-447)
-Na medida em que você acredita nisso, como você se sente?
-Vale a pena o risco?
-Esse pensamento motiva você a ir trabalhar?
10

-O que acontece quando você pensa assim?

3.1.5 Letra E
E → efeitos do debate
A letra ‘E’ é o efeito do combate e dos questionamentos das crenças irracionais.
Caracteriza-se pela mudança no sistema de crenças do paciente e mudanças de pensamentos
de irracionais para mais racionais.
Exemplo: Evento ativado ‘A’ – rejeição (Rangé e Fenster, 2004, p. 447)
“Minha crença de absoluta necessidade de aprovação da fulana vai seguramente me levar à
depressão e, portanto, vou ser menos capaz de conseguir a aprovação de quem quer que
seja”.

Referências

McMULLIN, R.E. Ensinando o ABC. IN: McMULLIN, R.E. Manual de técnicas em


terapia cognitiva. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 19-38.

RANGÉ, B.; FENSTER, D. Terapia racional-emotivo-comportamental. IN: KNAPP, P.


Terapia cognitivo-comportamental na prática psiquiátrica. Porto Alegre: Artmed, 2004.
p. 439-453.