Você está na página 1de 2

 Três enzimas virais: leva com ele porque ele não vai achar

Vírus da Imunodeficiência
essas enzimas nas nossas células
 Protease
 Transcriptase reversa

Humana  Integrase
 O envelope contém duas glicoproteínas:
 gp120
 gp41
 Síndrome: conjunto de sinais e sintomas característicos  O alvo do HIV são as moléculas CD4, portanto infectam
daquele quadro principalmente o linfócito TCD4, as células dendríticas e os
 Sinal: é possível observar macrófagos
 Sintoma: é subjetivo
 É um retrovírus (vírus que possui como material genético o PENETRAÇÃO DO VÍRUS NA CÉLULA
RNA e possui a transcriptase reversa, uma enzima) não
oncogênico  A gp120 se liga a célula TCD4
 Há uma alteração conformacional no gp120 que promove
 Pertence ao gênero dos Lentivírus
ligação com o receptor de quimiocina
 Existem duas espécies isoladas em pacientes com AIDS:
 Se ligando ao co-receptor, a gp41 (que é uma haste) entra
HIV-1 e HIV-2 (a infecção parece ser um pouco mais leve)
em contato com a membrana da célula, abre a membrana
 O HIV-2 é mais prevalente na África e na Ásia, já o HIV-1 é
e assim o vírus entra por fusão
mais prevalente na América e na Europa
 O envelope do vírus se funde a nossa membrana e permite
 O HIV-1 é altamente mutável
a entrada do capsídeo e do material genético
 Grupo M (major): grupo responsável pela pandemia
 Subgrupos: A, B, C ... K
CICLO DO VÍRUS
 Recombinação: A e G, A e E, B e F
 O vírus penetrou, o material genético (RNA)
FORMAS DE TRANSMISSÃ O  Transcriptase reversa: ele utiliza essa enzima para
converter o RNA em DNA
 Sexual: intercurso retal (sexo anal é o que mais propicia,
 Integrase: já tendo um DNA viral, ele vai inserir o material
porque o ânus não é lubrificado e é totalmente
genético do vírus no nosso material genético, ele integra o
vascularizado), intercurso vaginal, intercurso oral, oral-
material genético
vaginal e oral-anal. Uma mulher adquire mais facilmente o
 Após isso, ele vai transcrever e traduzir a informação para
vírus de um parceiro HIV+.
que ele monte os novos vírus
 Parenteral: transfusão sanguínea, material pérfuro-
 Protease: montagem do vírus (maturação viral)
cortante (0,3-0,5% isso depende da carga viral do paciente
 Quando o vírus já está montado ele empurra a membrana
e da quantidade de sangue)
e essa membrana vira o envelope do vírus
 Vertical (20-30%): intra-útero, durante o trabalho de parto
 Latência viral: quando o material genético está inserido no
e durante a amamentação. Agora já existe um anti-viral
nosso DNA
para tomar durante a gravidez
 Quando o vírus está na célula, a célula para suas funções
 Só é possível detectar no exame depois de 6 meses
 LTCD4+ pode morrer por brotamento ou porque o LTCD8+
 Janela imunológica: período que se tem para que o exame
e as células NK matam essas células, pelo fato de estarem
dê positivo, o corpo não produziu anticorpos suficientes
infectadas pelo vírus
para que o exame dê positivo
 O medicamento tenta manter o LTCD4+ vivo
HISTÓRIA DO HIV  No início da infecção, o HIV coloniza os órgãos linfoides e
não o sangue
 História natural: sem intervenção de medicamentos, a  Os macrófagos tentam fagocitar o vírus, mas ao mesmo
história natural do HIV é inevitavelmente a morte tempo são infectados por ele
 Atualmente: pauperização e interiorização,  As células dendríticas reconhecem o que é estranho,
heterossexualização e feminização englobam o vírus, degrada e expõe uma parte do vírus na
superfície, após isso elas migram para o órgão linfoide
PROPRIEDADES DO HIV (principalmente os linfonodos, que são a casa dos linfócitos
 Vírus envelopado, portanto é mais sensível T)
 Duas cópias de RNA idênticas  Resumindo, a célula dendrítica pega o HIV e leva esses
vírus para onde tem LTCD4
 Se for por via sexual, vai ser levado para os linfonodos que  Aparecimento de doenças oportunistas (sapinho, herpes,
se encontram na virilha candidíase vaginal)
 Chega um momento que tem tanto vírus, que ele vai ser  Doenças que não são exclusivas de pacientes com HIV
lançado como uma bomba na corrente sanguínea (pico de  Linfoadenopatia: aumento dos linfondos
viremia), depois ele some do sangue porque vai ser  Candidíase oral: não é comum em adultos jovem, a não ser
disseminado para outros linfonodos que esteja com HIV
 Após isso, ele entra em estado de latência, e pode durar  Herpes-zoster: vírus da catapora, quando manifesta
anos dessa forma novamente. Quando os herpes vírus estabelecem latência
 No início, 1% das células estão se replicando e os outros em neurônios
99% estão em latência (DNA vírus + DNA hospedeiro)
 Mesmo sendo apenas 1% vai haver mais infecção no AIDS
organismo do que em um paciente que não possui o HIV
 Colapso da defesa: aumento dramático do vírus no plasma
 Toda vez que se tem uma infecção no organismo há a
(viremia altíssima)
liberação de citocinas (IL-1, IL-6, IL-8 e TNF), essas citocinas
 Febre longa, perda de peso, diarreia
ativam a inflamação
 Graves infecções oportunistas, neoplasias secundárias e
 Citocina tira o vírus do estado de latência, as células
doenças neurológicas clínicas
começam a se replicar, consequentemente os LTCD4+
morrem, a pessoa ficará mais propicia a infecção, e assim  Sarcoma de Kaposi: câncer de pele induzido pelo herpes
haverá mais liberação de citocina vírus do tipo 8
 Se não tomar medicamento esse ciclo dura em média de
10 anos (História Natural)

MACRÓFAGOS

 A maioria dos macrófagos infectados se encontra no tecido


e não no sangue
 O vírus fica no estado de latência nessas células, serve
como um reservatório, porque não sofrem efeito
citopático como os linfócitos T
 Além de servir como reservatório, ele também dissemina
para o resto do corpo (cérebro: micróglia, fígado: cél. de
 Infecções orais:
Kupffer, osso: osteoclastos)
- Candidíase oral
- Leucoplasia pilosa: lesão pré-maligna em borda de língua
CÉLULAS DENDRÍTICAS
- Doença periodontal ulcerativa necrosante
 As células dendríticas são infectadas pelo vírus e o - Sarcoma de Kaposi oral
transportam para o linfonodo

HISTÓRIA NATURAL DA INFECÇÃO PELO HIV

SÍNDROME RETROVIRAL AGUDA

 Alto nível de proliferação viral


 Pico de viremia
 Proliferação em tecidos linfoides
 Duração de 2 a 4 semanas
 “Síndrome gripal”
 Sintomas não específicos: dor na garganta, diarreia,
mialgia (dor muscular, fraqueza), adenopatia cervical,
febre, exantema, perda de peso

FASE INTERMEDIÁRIA CRÔNICA

 Há replicação contínua do HIV, predominantemente nos


tecidos linfoides
 Pode durar anos (7-10 anos)