Você está na página 1de 65

Curso Técnico em Radiologia

MEIOS DE CONTRASTES
RADIOLÓGICO

Profª: Tamyris Marcella


aula II
MEIOS DE CONTRASTE
RADIOLÓGICOS
Meios de Contraste
Definição:
Meios de contraste são substâncias químicas
que servem para opacificar o interior de
órgãos, que não são visíveis no RX simples.

Características
• Apresentam alto número atômico
• Maior capacidade de absorção dos raios X.
• Podem ser Naturais (ar) e Artificiais ( iodo e bário).
NEFROGRAMA

UROGRAFIA
EXCRETORA

ESOFAGOGRAFIA
SIELOGRAFIA
Vamos lembrar que!!!!

O trabalho em um serviço de diagnóstico por


imagem necessita de uma equipe multiprofissional,
pois envolve múltiplos saberes.
Tal equipe geralmente é composta de médico
especialista em radiologia, radiofarmacêutico,
físico, enfermeiro, técnico em radiologia e em
enfermagem.
Meios de Contraste
CLASSIFICAÇÃO GERAL:
São classificados de acordo com sua:
• I- Capacidade de absorção dos RX.
• II- Composição química.
• III- Capacidade de dissolução. Importante

• IV- Vias de administração.


Meios de Contraste - Classificação

I - Capacidade de absorver radiação:


• Positivos ou radiopacos(Hiperdenso): quando
presentes em um órgão absorvem mais radiação
que as estruturas vizinhas.
• Negativos ou radiotransparentes
(Hipodenso): absorvem menos
radiação,permitem que os RX passem mais
facilmente.
MC POSITIVO

MC NEGATIVO
Meios de Contraste - Classificação

II - COMPOSIÇÃO:
IODADOS: apresentam Iodo (I) como elemento
radiopaco em sua fórmula e possuem alto
número atômico.
NÃO IODADOS: não contêm iodo, mas utilizam
substâncias como Sulfato de Bário (BaSO4) ou
gadolínio em sua fórmula como substâncias
radiopacas.
Meios de Contraste -
Classificação
III- Capacidade de Dissolução.
Podem ser:
1- Hidrossolúveis: dissolvem-se em água
2- Lipossolúveis: dissolvem-se em lipídios
3- Insolúveis: não se dissolvem.
IV- Via de Administração:
• é o caminho pelo qual uma droga é
colocada em contato com o organismo.
Meios de Contraste - Classificação
IV – VIAS DE ADMINISTRAÇÃO:

1-Oral: Meio de contraste ingerido.

2- Parenteral: Meio de contraste ministrado por Via


venosa (IV) ou Via arterial (IA).

3-Endocavitário: Meio de contraste ministrado


por orifícios naturais que comunicam com o
meio externo (ex: uretra, reto, útero, etc.).

4- Intracavitário: Meio de contraste é ministrado


via parede da cavidade em questão (ex: fístula).
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO-ORAL
SULFATO DE BÁRIO - GASTROBÁRIO
• Diluir os 150 g de pó de uma embalagem em cerca de 300 ml
de água.
• O pó não deve ser administrado na sua forma original, isto é,
sem ser preparado com água, dado o risco de inalação,
irritação do esôfago ou obstrução intestinal.
• A água deve ser adicionada pouco a pouco, mexendo
contínua e vigorosamente,com a finalidade de obter uma
suspensão homogênea de cor branca.
• Após preparação a suspensão pode ser administrada pela
boca.
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO-ORAL

SULFATO DE BÁRIO- BARIOGEL

• O Bariogel Suspensão a 100% já vem diluído, numa


concentração ideal para a maioria dos exames.
• Apresentação em copos com 150 ml e com 200 ml.
• Administrar por via oral, antes do exame radiológico, um
copo ou segundo a orientação do radiologista.
• Caso seja necessário, diluir com água destilada
• AGITAR BEM O COPO ANTES DE INGERIR O
PRODUTO
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO-ORAL
SULFATO DE BÁRIO - MICROPAQUE
Meio de contraste baritado a 1 g/ mL sulfato de bário

Estômago, duodeno e esôfago (preenchimento):


• Diluir 150 mL da suspensão de Micropaque® com 300 mL
de água. Concentração = 33%
Intestino delgado:
• Diluir 500 mL da suspensão de Micropaque® com 750 mL
de água. Concentração = 40%.
• Antes do uso deve-se agitar cuidadosamente o frasco.
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO-ORAL
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO-ORAL
CONTRASTES IODADOS
• Abdômen superior :
• Administrar 1000ml de MC Iodado diluído.
• Diluição de 40ml de iodo ( 30mg) em 1litro de água
• Concentração de 4%
• O volume total deve ser fracionado em 5 copos de 200ml
oferecido a cada 10 minutos
• Após último copo inicia-se procedimento
• O tempo total de preparo para o exame leva em média 4
minutos
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
PARENTERAL
CONTRASTES IODADOS
• Se o meio de contraste é injetado em uma
veia, a qual se distende facilmente,as
sensações são inexistentes ou de fraca
intensidade.
• Se o meio de contraste é injetado em uma
artéria,que é de difícil distensão ,estas
sensações são de forte intensidade
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
PARENTERAL
PROTOCOLOS PARA ADMINISTRAÇÃO
• Punção com assepsia
• Traumatizar o mínimo possível
• Evitar punções consecutivas pois causam desconforto,
ansiedade e dor que podem desencadear reações tipo
vasomotora com graves conseqüências
• Butterfly (cateter com asas) 19 e 21 com injeção lenta
• No caso do Jelco usar de 20 e 22
• Máxima tolerabilidade 1ml/seg
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
PARENTERAL
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
PARENTERAL

Punção Venosa
• Antes de retirar o conteúdo de qualquer frasco , é importante
a confirmação do conteúdo do mesmo e da data da validade.
• O ar tem de ser removido da seringa antes de se retirar o
conteúdo do frasco.
• Os agentes iodados podem ser administrados em injeção ou
em infusão (gotejamento).
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
PARENTERAL
Punção Venosa
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
PARENTERAL
• Para injeção de bólus de 50 a
100 ml de solução do
contraste em adultos, um
escalpe tamanho 18 ou 20
deve ser preferido.
• Para pacientes pediátricos,
uma agulha menor, tamanho
23 ou 25, é preferida.
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
PARENTERAL
Injeção Intravenosa
Fornece rápida introdução do contraste no sistema vascular.

• A velocidade de administração da injeção é controlada:


1. Pelo diâmetro da agulha ou do equipo de conexão
2. Pelo volume de contraste injetado
3. Pela viscosidade do contraste
4. Pela estabilidade da veia
5. Pela força aplicada à seringa durante a injeção
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
PARENTERAL
Infusão Intravenosa
• Permite que um maior volume do contraste seja
administrado por um maior período de tempo.
• É usada mais comumente quando um cateter venoso já se
encontra instalado.
• O contraste se encontra em uma bolsa ou recipiente próprio
para infusão intravenosa, que é invertido e conectado à linha
de infusão.
• A taxa de infusão, pode ser lenta, ou rápida, dependendo da
necessidade do exame, a mesma é controlada por um
dispositivo manual controlador de infusão.
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
PARENTERAL
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA-
Injeção do Meio de Contraste

• Injeção Mecânica
1.(Bomba Injetora)
• Injeção contínua
1.Velocidade programada
2.Adequada via de acesso
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
PARENTERAL
• Veia antecubital calibrosa

• Gelco 20 – 22 G

• Monitorização no início da injeção

• NÃO usar veia já cateterizada há mais de


24 horas
CONTRASTE
MC
IODADO
SONDA BARITADO
ÊMBOLO DA
GAROTE BOMBA

ALGODÃO

MC IODADO

JELCO
SERINGA
TEMPO DO VOL. por ml
DELAY

FASE DE
AQUISIÇÃO
Técnica de Injeção
- TC Helicoidal do Abdome

Tempo de intervalo para a aquisição das


imagens:

• Fase arterial: 25 seg. após o início da injeção


• Fase portal: 60 seg.
• Fase de equilíbrio: 3 minutos
• Fase de retardo: 10 - 15 minutos
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
INTRACAVITÁRIA
• Meio de contraste é ministrado via parede da
cavidade questão.Exemplo uma Fístula

MAS O QUE É MESMO UMA


FÍSTULA????
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
INTRACAVITÁRIA
• Uma Fístula é uma comunicação entre um
órgão e o meio externo ou entre dois órgãos
internos.
• Pode ocorrer devido a uma lesão congênita
ou por um agente patológico.
• Tem como característica permitir a
passagem de substâncias ou de secreções.
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
INTRACAVITÁRIA- Fístula
BÁRIO
Meios de Contraste
Sulfato de Bário
• É o contraste positivo ou radiopaco mais
comum e de extrema insolubilidade.
• O sulfato de bário nunca se dissolve na água.
• É uma substância salina inerte que em contato
com a água forma
uma solução coloidal.
Meios de Contraste
Sulfato de Bário
Tipos:
• Bário Ralo - assume a consistência de um milk-
shake ralo,preparado na proporção de 1:4 sendo
indicado para estudo do TGI.
• Bário Denso – assume a consistência de um
cereal cozido,preparado na proporção de 4:1
sendo mais difícil de engolir indicado para o
estudo do esôfago porque desce lentamente e
tende a aderir a esta mucosa.
Meios de Contraste
Sulfato de Bário
Contra Indicações:
• Por ser um composto insolúvel, o sulfato de
bário é contra indicado se houver qualquer
chance de que possa escapar para a cavidade
peritoneal.
• Isso pode ocorrer através de vísceras
perfuradas, ou no ato cirúrgico se este suceder
após o procedimento radiológico.
Meios de Contraste
Sulfato de Bário
• O Bário é eliminado normalmente depois de
ser absorvido pelo intestino grosso.

Como o Bário pode se tornar endurecido e


dificultar assim a evacuação é aconselhável
aumentar a ingestão de líquidos ou se não
contra indicado oferecer um laxante .
IMPORTANTE

• O sulfato de Bário não pode, sob nenhuma


circunstância, ser INJETADO na corrente
sanguínea, pois o mesmo não é diluído no
plasma sanguíneo.

O BÁRIO É INSOLUVÉL!!!!
Meios de Contraste
Ar e outros Gases
• São MC Negativos e Radiotransparentes.
• O Ar no estudo do TGI é ingerido junto com o
Bário através de furos no canudo dado ao
paciente.
• No caso do Enema é injetado via retal logo após
administração do Bário.
Meios de Contraste
Ar e outros Gases
• O outro gás utilizado é o Dióxido de
Carbono obtido quando o paciente ingere
cristais de Citrato de Cálcio e Citrato
de Magnésio que no estômago formam uma
grande bolha de gás.
Meios de Contraste
Duplo Contraste
Consiste no emprego de MC radiopacos e
radiotransparentes ao mesmo tempo.
• Radiopacos sulfato de Bário
• Radiotransparentes o Ar ou Dióxido
de Carbono
• Técnica amplamente empregada numa
SEED, Esofagografia , Enema com Duplo
Contraste.
IODO
IODO
• O iodo (do grego iodés, cor violeta) é um elemento químico de
símbolo I , de número atômico 53 (53 prótons e 53 elétrons) e
de massa atómica 126,9.
• À temperatura ambiente, o iodo encontra-se no estado sólido.
• É um não metal, do grupo dos halogênios (7A) da classificação
periódica dos elementos.
• É o menos reativo e o menos eletronegativo de todos os
elementos do seu grupo.
• É um oligoelemento, empregado principalmente na medicina,
fotografia e como corante.
• Foi descoberto na França pelo químico Bernard Courtois em
1811 a partir de algas marinhas.
IODO
• O grupos dos Halogênios é a única das famílias formadas
unicamente por não-metais. A palavra provém do grego e
significa formador de sais.
• Fluor (F), Cloro (Cl), Bromo (Br), Iodo (I), Astato (At) e
Ununséptio (Uus).
Fundamental lembrar!!!
• Osmolalidade concentração total de soluto
por quilograma de água (mOsm/kg H2O)
• Osmolaridade concentração total de soluto
por litro de solução a determinada
temperatura (mOsm/L), respectivamente.
• O termo osmolaridade o habitualmente
utilizado na clínica.
Meios de Contraste
IODADOS
• Existem vários elementos químicos muito
mais radiopacos do que o iodo, porém até
agora,nenhum outro provou poder ser
injetado com tanta segurança.
• O teor de iodo é sinônimo do poder
contrastante em uma solução.
Critérios de avaliação dos Contraste Iodados

• Toxicidade:capacidade de uma substância


provocar danos.
• Concentração: deve ter concentração de
iodo compatível com área de interesse.
Critérios de avaliação dos Contraste Iodados
• Tonicidade: é a atividade osmótica duma
solução quando comparada com outra,
se relaciona com a pressão Osmótica:
1.Substâncias Hipotônicas
2.Substâncias Hipertônicas
3.Substâncias Isotônicas

Os contraste radiológicos que possuem maior


Tonicidade são considerados Hipertônicos
Critérios de avaliação dos Contraste Iodados
Viscosidade
Maior
Menor Eliminação
facilidade
viscosidade mais rápida
de injeção

Menor
Maior Eliminação
facilidade
viscosidade mais lenta
de injeção
Meios de Contraste
IODADOS
O Iodo é um Contraste positivo radiopaco
indicado para:
• Estudos Vasculares
• Trato Urinário
• Trato Digestivo
• Aparelho Genital
Meios de Contraste
IODADOS
Qual a finalidade do uso dos
Meios de Contrastes Iodados?

Proporcionar a mais alta radiopacidade


causando o menor dano possível utilizando
para tanto a menor osmolalidade possível.
Classificação dos Meios de
Contraste Iodados
• Iônicos = alta osmalaridade
• Não-Iônicos = baixa osmolaridade
• Isosmolares Importante

Ionicidade :
Capacidade de uma substância se dissociar quando
em solução produzindo partículas osmóticamente
ativas e eletricamente carregadas Cátions(+) / Ânions(-)
Tipos de Contraste Iodados - Iônicos

Ânion
Carga elétrica negativa (-)
Iônico ANEL BENZÊNICO / IODO

Íon = Átomo com


excesso ou falta
de carga elétrica.

Cátion
Carga elétrica positiva (+)
Bases: Sódio, Meglumina
Representação da Molécula de Iodo:
Ácido triiodobenzeno
COOH

I I
COOH ( acido carboxilico) - solubilidade
aquosa

I ( Iodo)- componente que produz


contraste
R1 R2
R1 e R2 - redução da toxicidade.
Cátion = ( Sódio ou Meglumina) = Iônico
I
SUBSTITUIÇÃO Ânion = ( Hipronilamina)=Não-Iônico
Vale lembrar que...
• As designações R1 e R2 são usadas para
indicar a existência de cadeias laterais, que
podem ser constituídas por átomos de
carbono ou por átomos de outros elementos.
Representação da Molécula de Iodo
Monômeros: Dímeros:
• Possuem apenas um anel • Possuem dois anéis
benzênico na sua benzênicos na sua
constituição molecular constituição molecular

Dependendo da substituição realizada no


grupamento ácido o MC é classificado como Iônico
ou Não-Iônico independente de ser um Monômero
ou um Dímero
Representação da Molécula de Iodo

Substituição do grupamento Substituição do grupamento


Carboxila por um Sódio: Carboxila por um Meglumina:

• Diminui a viscosidade • Melhora a solubilidade


• Pode provocar náusea ou • Aumenta a viscosidade
vômitos • Bem tolerado
• Diminui a Diurese • Pouca influência na BHE
• Boa opacificação • Poucos efeitos vasculares
urográfica • Forte poder diurético
• Pobre opacificação Urográfica
Tipos de Contraste Iodados - Iônicos
• Os cátions usados são as bases de sódio e/ou meglumina.
1. São contrastes com osmolaridade muito superior a do
plasma (de 6 a 8 vezes).
2. Estão associados à maior risco de efeitos adversos.

Quando em solução aquosa pode se dissociar


em um cátion ou um ânion.
A parte elétrica negativa é a que contém o
iodo, o elemento contrastante (radiopaco),
responsável pela opacificação.
Tipos de Contraste Iodados - Não Iônicos

• MC modernos cuja molécula não se desassocia em


íons quando em solução aquosa.
• Possuem osmolaridade menor que os Iônicos,
porém, ainda são 2 a 3 vezes mais osmolares que o
plasma.
• As reações adversas são bem mais raras.

Não-Iônico = Não tem carga elétrica


Tipos de Contraste Iodados - Isosmolares
• São contrastes com osmolaridade igual ao do
plasma e, teoricamente, com menor risco de
reações adversas.
• Pouquíssima dor e sensação mínima de
calor,mesmo em exames arteriais.
• Melhor tolerância renal, com mínimos efeitos
sobre os parâmetros renais em relação aos
demais meios de contraste.
Contrastes Iodados
COMPOSTOS DE ALTA OSMOLARIDADE:
• Amidotrizoato Urografina
• Iodamida Uromiron
• Ioxitalamato Telebrix

COMPOSTOS DE MÉDIA OSMOLARIDADE:


• Iomeprol Iomeron
• Iopamidol Iopamiron
• Ioversol Optiray
SALA DE AULA

Atividade em sala
• Faça um resumo com suas palavras das
diferenças principais entre os meios de contraste
utilizados na radiologia?
Para
• 1) Defina e Classifique Contraste Radiológicos?
• 2) Quais as características principais do Sulfato de Bário?
• 3) Como podemos Classificar os contrastes Iodados e qual a diferença
básica entre eles?
• 4) Quais são os critérios de avaliação dos MC Iodados?
• 5) Como podemos obter o gás carbônico em um exame de duplo contraste?
• 6) o que é Duplo contraste?
• 7) Quais são as diferenças entre os MC de IODO e BARIO?
• 8) Com relação a tabela periodica descreva as caracteristicas do IODO;
• 9) qual a importancia do iodo na vitalidade do ser vivo?
Tenham uma Boa Noiteeee!!!