Você está na página 1de 4

Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio “Profª Filomena Quitiba”

Aluno (a): Data:


Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Série: 1º Valor:
Professor: Janaina Calenzani Nota:

REUPERAÇÃO TRIMESTRAL
01 – (ENEM – Vestibular – 2012)
Desabafo
Desculpem-me, mas não dá pra fazer uma cronicazinha divertida hoje. Simplesmente não dá. Não tem
como disfarçar: esta é uma típica manhã de segunda-feira. A começar pela luz acesa da sala que esqueci
ontem à noite. Seis recados para serem respondidos na secretária eletrônica. Recados chatos. Contas para
pagar que venceram ontem. Estou nervoso. Estou zangado.
CARNEIRO, J. E. Veja, 11 set. 2002 (fragmento).
Nos textos em geral, é comum a manifestação simultânea de várias funções da linguagem, com
predomínio, entretanto, de uma sobre as outras. No fragmento da crônica Desabafo, a função de
linguagem predominante é a emotiva ou expressiva, pois:
a) O discurso do enunciador tem como foco o próprio código;
b) A atitude do enunciador se sobrepõe àquilo que está sendo dito;
c) O interlocutor é o foco do enunciador na construção da mensagem;
d) O referente é o elemento que se sobressai em detrimento dos demais;
e) O enunciador tem como objetivo principal a manutenção da comunicação.

2. (ENEM – Vestibular – 2011)


Pequeno concerto que virou canção
Não, não há por que mentir ou esconder
A dor que foi maior do que é capaz meu coração
Não, nem há por que seguir cantando só para explicar
Não vai nunca entender de amor quem nunca soube amar
Ah, eu vou voltar pra mim
Seguir sozinho assim
Até me consumir ou consumir toda essa dor
Até sentir de novo o coração capaz de amor
VANDRÉ, G. Disponível em: http://www.letras.terra.com.br. Acesso em: 29 jun. 2011.
Na canção de Geraldo Vandré, tem-se a manifestação da função poética da linguagem, que é percebida
na elaboração artística e criativa da mensagem, por meio de combinações sonoras e rítmicas. Pela análise
do texto, entretanto, percebe-se também, a presença marcante da função emotiva ou expressiva, por meio
da qual o emissor:
a) imprime à canção as marcas de sua atitude pessoal, seus sentimentos;
b) transmite informações objetivas sobre o tema de que trata a canção;
c) busca persuadir o receptor da canção a adotar um certo comportamento;
d) procura explicar a própria linguagem que utiliza para construir a canção;
e) objetiva verificar ou fortalecer a eficiência da mensagem veiculada.

3. (ENEM – Vestibular – 2010) Predomina no texto a função da linguagem:


A biosfera, que reúne todos os ambientes onde se desenvolvem os seres vivos, se divide em unidades
menores chamadas ecossistemas, que podem ser uma tem múltiplos mecanismos que regulam o número
de organismos dentro dele, controlando sua reprodução, crescimento e migrações.
DUARTE, M. O guia dos curiosos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
a) emotiva, porque o autor expressa seu sentimento em relação à ecologia;
b) fática, porque o texto testa o funcionamento do canal de comunicação;
c) poética, porque o texto chama a atenção para os recursos de linguagem;
d) conativa, porque o texto procura orientar comportamentos do leitor;
e) referencial, porque o texto trata de noções e informações conceituais.

4. (ENEM – 2006)
Aula de Português
A linguagem
na ponta da língua
tão fácil de falar
e de entender.
A linguagem
na superfície estrelada de letras,
sabe lá o que quer dizer?
Professor Carlos Góis, ele é quem sabe,
e vai desmatando
o amazonas de minha ignorância.
Figuras de gramática, esquipáticas,
atropelam-me, aturdem-me, sequestram-me.
Já esqueci a língua em que comia,
em que pedia para ir lá fora,
em que levava e dava pontapé,
a língua, breve língua entrecortada
do namoro com a priminha.
O português são dois; o outro, mistério.
Carlos Drummond de Andrade. Esquecer para lembrar. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979.
Explorando a função emotiva da linguagem, o poeta expressa o contraste entre marcas de variação de
usos da linguagem em
a) situações formais e informais.
b) diferentes regiões dos pais.
c) escolas literárias distintas.
d) textos técnicos e poéticos.
e) diferentes épocas

5. Observe o uso da linguagem verbal e não-verbal nesta placa encontrada em alguns


meios de transporte público.

A) O quadro informa as pessoas que têm o direito àquele lugar no veículo de transporte.
Quais as pessoas que têm esse direito?

B) Faça uso da linguagem verbal para escrever a que tipo de pessoa se refere o penúltimo
quadrinho.
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________

C) Qual é a função da linguagem predaminate no testo acima?


____________________________________________________________________________________
6. Leia

l) De acordo com a tira acima, use (V) para as afirmativas verdadeiras e (F) para as falsas.
( ) Na tira, as personagens empregam a linguagem não-verbal.
( ) No segundo quadrinho, há o emprego do código visual entre as pessoas.

( ) Nos dois quadros ocorrem o mesmo tipo de linguagem, a formal.

( ) Somente ocorre a linguagem formal no segundo quadro.

ll) Volte ao quadro II e identifique os elementos da comunicação pedidos.


a) O emissor é ________________
b) O receptor é
c) O código empregado é o_______________

07 - Leia a tira e complete: Quem são os interlocutores desta tira de Caco Galhardo?

a) Qual é a mensagem da tira?

b) Pode-se dizer que houve criatividade na elaboração da tira. Justifique essa afirmativa.

c) Obeserve a tira acima e diga qual é a função da linguagem predominante nela?


________________________________________________________________________
Os dois textos seguintes foram retirados de um pequeno livro (Dicionário Paraibanês e dicas arretadas),
que uma empresa de turismo entrega a pessoas que visitam a Paraíba. Leia-os com atenção para
responder as questões de 08 e 09.

Texto 1 Na Paraíba é assim...

Pode imburacar e aproveitar, pois você é mesmo uma pessoa cagada por estar aqui!
Aqui não tem mundiça nem catráia, deixe de ser avexado e se entregue a lezeira...
Não seja pirangueiro e fique empaxado sem arrependimento. Buchada de bode, gororoba e suvaco
de cobra não vão faltar.
Afinal, você é ou não é intuado?

Texto 2 Em João Pessoa é assim...

A cidade de João Pessoa é tranqüila por natureza. Com o mar maravilhoso, coqueirais e praias de
ondas calmas, a cidade acaba acordando muito cedo. Depois de uma caminhada na Av. Cabo Branco,
interditada para o trânsito de veículos, das 05:00 às 08:00 da manhã, nosso visitante pode escolher entre
várias opções de passeio que a SCHWERMAN TURISMO oferece.
(...)
Os que gostam da noite podem aproveitar de alguns locais como: Restaurantes, bares, teatros ou
talvez um forró pra esquentar a noite. A maior concentração de restaurantes e bares fica em torno da
Pracinha de alimentação – onde saboreiam-se deliciosas tapiocas – e feirinha de artesanato em Tambaú,
local de fácil acesso a todos os hotéis.

08. Variação linguística pode ser definida como os diferentes modos de se usar a Língua: um idoso
apresenta uma linguagem diferente da do jovem (variedade etária), alguém que tenha vivido em 1822
apresentava uma linguagem diferente da que usamos hoje (variedade histórica), dentre outros exemplos.
Sendo assim,

a) como podemos definir a variedade linguística que se apresenta no texto 1? Justifique.

b) pode-se considerar que, no contexto apresentado, a linguagem do texto 1 esteja errada? Por quê?

09. Tomando por base o texto 2, faça o que se pede.

a) Podemos afirmar que o texto 2 busca se adequar a uma linguagem formal, já que há uma maior
preocupação com as normas gramaticais que regem a Língua. Justifique essa resposta.

b) Apesar de uma maior formalidade, há uma passagem mais coloquial nesse texto. Retire-a.

c) O português está passando por uma reforma ortográfica, e algumas palavras devem ser escritas de um
modo diferente daquele a que estávamos acostumados. No texto há uma. Retire-a.