Você está na página 1de 3

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

Resenha do Livro:
“Formas Persuasivas de
Comunicaç
Comunicação Política
Política –
Propaganda Política
Política e
Publicidade Eleitoral”

Nomes: FRANCIELE FINCK


Curso: Jornalismo
Disciplina: Introdução
ção à Publicidade e Propaganda
Nível: I
Professora: Neusa Demartini Gomes
G
Porto Alegre – RS, 14 de maio de 2003.

Resenha do Livro:
“Formas Persuasivas de Comunicaç
Comunicação Política
Política – Propaganda
Política
Política e Publicidade Eleitoral”
Eleitoral”

Em seu livro, “Formas Persuasivas de Comunicação Política”, Neusa faz uma ampla
análise do período da campanha eleitoral, nos mais diversos aspectos, enfatizando a idéia
de que a informação é essencial, tanto ao candidato quanto ao eleitor. Destaca quatro
fatores necessários ao sucesso da campanha: grande capital, boa máquina eleitoral, apoios e
alianças e, por fim, disponibilidade de meios de comunicação em massa. Todos estes são
fatores que, quando combinados, resultam na vitória eleitoral do candidato.
As campanhas devem ser informativas, e não restritas ao período eleitoral, mas
construir a história de um candidato ao longo de sua vida política, além de divulgar seus
feitos enquanto governante.
Mas há casos em que a campanha não necessariamente tem cunho informativo,
como quando há apenas um candidato disputando o cargo e existe a obrigatoriedade do
voto. Assim, outras idéias devem ser adotadas, tais quais: a necessidade do povo de líderes
que atuem em seu favor; a interatividade entre candidatos e eleitores; a legalização do
sistema político a fim de igualar direitos e deveres entre os candidatos; a focalização da
campanha em um ponto central, interessante ao candidato (ou seu partido/coligação) e à
população; a campanha deve adotar símbolos, sejam eles visuais ou apenas ideológicos;
maior direcionamento das campanhas à politização da população; renovação da chapa
eleitoral; um histórico da vida política do candidato, expondo seus valores morais ao
eleitorado, seus pontos positivos.
Em se falando de comportamento durante a campanha eleitoral, são destacados tais
fatores influentes na decisão do voto: filiação ou simpatia de um determinado indivíduo por
tal partido; “fatores geográficos espaciais em função da sua composição espacial global,
sua cultura política particular, sua estrutura econômica e os aspectos locais das
características de uma campanha e uma eleição particular”; a influência que um eleitor
exerce sobre outro com sua decisão; a crença que os eleitores têm, por influências culturais
características da região, em determinado ideal político; o voto de uma comunidade em
determinado candidato por conveniência, algum favor a ser prestado pelo político; voto
influenciado pela qualidade da campanha ante os demais candidatos; a influência de um
eleitor sobre outros através de suas opiniões; a decisão do voto é influenciada pela opinião
da comunidade (voto de integração); instabilidade na opinião do eleitorado, já que “o voto
dos brasileiros continua sendo muito mais emocional que racional, embora as campanhas
eleitorais durem tanto tempo”.
Neusa também destaca a diferença entre marketing político e marketing eleitoral. O
primeiro, é a promoção de um candidato ou partido político em qualquer época,
indiferentemente de estarem ocorrendo eleições ou não. É um trabalho feito a longo prazo.
Já o segundo, é a promoção da imagem de determinado candidato com o objetivo de elegê-
lo no corrente período eleitoral, uma campanha de resultados quase que instantâneos. A
autora também apresenta um planejamento para a promoção do candidato ou do partido.
Atualmente, vem acontecendo uma personalização dos partidos, ou seja, eles
promovem-se através da exploração da imagem de um candidato; a imagem do candidato
torna-se a imagem do partido, sendo esta promovida seguindo-se certos passos, atendendo a
alguns pré-requisitos.
No sexto capítulo de seu livro, “O papel da publicidade na campanha eleitoral”, a
autora fala sobre o lugar que cada segmento do planejamento global de marketing político –
propaganda, publicidade, relações públicas, promoções e prospecção – ocupa em uma
campanha.
Em se falando de comunicação eleitoral em sua forma publicitária, são citadas duas
escolas: a européia e a americana. No Brasil, que segue o modelo americano, foram
detectados quatro tipos de comunicação, no que se refere, principalmente, à política
eleitoreira: publicidade eleitoral, publicidade política, propaganda eleitoral e propaganda
política, sendo todas distintas, mas freqüentemente confundidas.
No livro, a campanha publicitária eleitoral é definida como “o conjunto de ações
comunicativas, desenvolvidas durante um período de tempo previamente estabelecido,
geralmente sob a direção estratégica de um comando único e com a intenção de atingir
determinados objetivos eleitorais em favor de uma organização política, representada por
seus candidatos”, sendo feita uma análise desta afirmação.
Enfim, esta é, senão a melhor, uma das melhores obras sobre o assunto. É um guia
completo para o sucesso de uma campanha política. Uma leitura, a meu ver,
agradabilíssima.