Você está na página 1de 15

UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP EDUCACIONAL

LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

CARLA DA SILVA ORACIO LEOPOLDO – 2353462305


IZABEL GONÇALVES DE MATTIA – 2353466405

PTG - PRODUÇÃO TEXTUAL EM GRUPO


ARTE NO COTIDIANO ESCOLAR.

Criciúma,
2020
CARLA DA SILVA ORACIO LEOPOLDO – 2353462305
IZABEL GONÇALVES DE MATTIA – 2353466405

PTG - PRODUÇÃO TEXTUAL EM GRUPO


ARTE NO COTIDIANO ESCOLAR.

Disciplinas integradoras: Educação e Artes,


Letramento e Alfabetização, Literatura Infanto
Juvenil, Ludicidade e Educação, Práticas
Pedagógicas em Pedagogia: Práticas de
Alfabetização e Letramento e Estágio Curricular
em Pedagogia I: Educação Infantil.

Tutor (a) EAD – Renata de Lima Torres Morinigo


Tutor (a) Presencial – Eliziane Goulart de Jesus
Damiani.

Criciúma,
2020
Sumário

1. INTRODUÇÃO........................................................................................................4
2. A ARTE E A EDUCAÇÃO.......................................................................................5
3. MUSICALIZAÇÃO NA ESCOLA.............................................................................6
4. SURGIMENTO DA LITERATURA INFANTIL.........................................................7
5. LITERATURA INFANTIL NO BRASIL....................................................................8
6. PROPOSTAS DIDÁTICAS...................................................................................10
7. CONCLUSÃO.......................................................................................................15
8. REFERÊNCIAS....................................................................................................16
1 INTRODUÇÃO

O mundo no qual vivemos está em constante transformação. Os


professores e gestores escolares precisam questionar quais são as finalidades
sociais da educação, qual é a escola que queremos e sonhamos e quais
competências são essenciais para a formação humana. Nesse contexto, Paulo
Freire afirma:

Ensinar significa acompanhar e instrumentalizar com intervenções,


devoluções e encaminhamentos esse processo de mudança de apropriação
do pensamento, dos desejos e sonhos de vida. Educador ensina, enquanto
ensina aprende a pensar (melhor) e a construir seus sonhos de vida.
(FREIRE, 1996, p.17).

Assim, a Arte ocupa um lugar entre o sonho e a realidade. As pessoas


necessitam do fictício para acessar suas emoções e expressar o que, às vezes, não
cabe em palavras, mas são expressas em forma de pinturas, músicas, filmes,
teatros.
A disciplina de Arte traz uma oportunidade aos alunos de expressar os
seus sentimentos, improvisando, transformando-se, indo além da superficialidade
humana.
2 A ARTE E A EDUCAÇÃO

A arte é cultura. É filho de sujeitos que transmitem sua visão de mundo,


visão esta que está atada a concepções, princípios, espaços, tempos e vivências. O
contato com a arte de períodos históricos diversos e de outros lugares e regiões
aumenta a visão de mundo, favorece a criação de vínculos com realidades diversas
e facilita uma cultura de tolerância, de valorização da diversidade, de respeito
mútuo, podendo colaborar para uma cultura de paz.
A disciplina de Arte aguça o conhecimento de si e o reconhecimento do
outro, como seres de características iguais que os tornam únicos. Por meio das suas
criações, as crianças conseguem demostrar e expressar os seus sentimentos, ao
admirar as criações dos colegas, a criança identifica o que as aproximam e o que as
diferenciam. As crianças que aprendem a demostrar suas emoções constroem
relacionamentos interpessoais mais saudáveis sendo capazes de reconhecer suas
limitações e talentos, assim como as dos colegas, fortalecendo a autoconfiança e
empatia.
Desenho, dança, teatro, pinturas e músicas são considerados por muitos
como atividades recreativas, mas, na educação, a disciplina de Arte é importante
para o desenvolvimento da criança em sua plenitude.
Conforme Fusari e Ferraz (2001), “o representar, por meio da arte, é
sinônimo de expressão que permite orientar e ressignificar situações diárias, de
maneira menos alienada, mais crítica e sensibilizada”.
Assim, a Arte atua como formadora de mentes pensantes, oportunizando
a qualquer cidadão que tenha acesso ou pratique algum meio artístico, consiga
examinar profundamente os fatos grupais e individuais, mostrando a importância que
cada um deve ter dentro da sociedade.
Na educação infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, a
disciplina de Arte se faz de ordem imaginativa, envolvente e estimuladora,
incentivando a criatividade e a habilidade de criar e imaginar das crianças. De
acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais:

O conhecimento da arte abre perspectivas para que o aluno tenha uma


compreensão do mundo na qual a dimensão poética esteja presente: a arte
ensina que é possível transformar continuamente a existência, que é preciso
mudar referências a cada momento, ser flexível. Isso quer dizer que criar e
conhecer são indissociáveis e a flexibilidade é condição fundamental para
aprender. (BRASIL, 1997, p. 19)

O ensino de Arte traz colaboração para o contexto social, no sentido de


permitir à criança conhecer e perceber o ambiente em que vive, ampliando o
conhecimento cultural e aprendendo a viver em sociedade de maneira mais crítica e
atuante.
Conforme Fusari e Ferraz “a arte se constitui de modos específicos de
manifestação da atividade criativa dos seres humanos ao interagirem com o mundo
em que vivem, ao se conhecerem e ao conhecê-lo” (1999, p. 16).

2.1 MUSICALIZAÇÃO NA ESCOLA.

O emprego da música como recurso pedagógico estimula e desenvolve a


criatividade, a sensibilidade e a interação dos alunos. Um dos principais pontos que
a música representa no processo de ensino-aprendizagem é o incentivo ao uso dos
sentidos, experiências musicais diversas possibilitam uma maior habilidade de
observação, concentração, localização, compreensão e desempenho em quem toca
e em quem houve. Segundo Scagnolato (2006, p.???):

A música não substitui o restante da educação, ela tem como função atingir
o ser humano em sua totalidade. A educação tem como meta desenvolver
em cada indivíduo toda a perfeição de que é capaz. Porém, sem a utilização
da música não é possível atingir a esta meta, pois nenhuma outra atividade
consegue levar o indivíduo a agir. A música atinge a motricidade e a
sensorialidade por meio do ritmo e do som, e por meio da melodia, atinge a
afetividade.

No que diz respeito à criação musical e a de instrumentos diversos em


sala de aula, pode-se revelar talentos escondidos para o “saber-fazer” entre outras
competências importantes na fase do desenvolvimento pedagógico.
Para os educandos, essas habilidades serão utilizadas não apenas no
desenvolvimento musical, mas também no aprendizado de outras disciplinas. Os
alunos com ouvidos preparados para a escuta e análise das letras poderão se tornar
bons leitores e intérpretes de textos.
A habilidade de interpretação de textos utilizando a música no cotidiano
escolar depende da qualidade das obras trabalhadas, sendo essas em português ou
em língua estrangeira. Utilizando esse recurso, os professores têm um vasto campo
de trabalho explorando o significado das letras, vocabulários, metáforas entre outras.

3 LITERATURA INFANTIL

A literatura infantil inicia no século XVII com o surgimento dos contos de


fadas (“Conte de Fee”, em francês) pelo escritor francês Charles Perrault, quando o
escritor publica vários textos sobre os contos de fadas, uma variação das fábulas e
contos populares. Eram usados para transferir conhecimento e valores culturais
entre gerações, o herói ou heroína enfrentavam dificuldades para vencer o mal.
Charles Perrault reproduzia a sociedade da época nas suas histórias,
inspirado pelo folclore, considerado o elemento principal da literatura infantil daquele
momento, tornando-se responsável por fundamentar um novo modelo literário. Foi o
primeiro a aperfeiçoar esse tipo de literatura. Dentre suas obras destaca-se: “A Bela
Adormecida”, “Cinderela”, “Chapeuzinho Vermelho”, entre outras.
No século XX, entre os anos de 1835 e 1842, Hans Cristian Andersen
lançou seis volumes de contos infantis, traduzidos para diversos idiomas. No início,
escrevia contos embasados nas tradições populares, especialmente nos que
escutava quando criança, porém, depois escreveu histórias com temas sobre o
mundo das fadas e elementos da natureza. Algumas obras que se destacam: “O
Patinho Feio”, “Soldadinho de Chumbo”, “Pequena Sereia”.
Nesse mesmo século, Luiz Jacob e Guilherme Carlos Grimm trazem um
novo padrão para a literatura surgindo uma literatura capaz de fascinar o público
infantil do mundo todo por meio de lendas e folclore, utilizando da inocência e dos
personagens populares como camponeses, alfaiates entre outros, e com a habitual
presença de personagens mágicos.
Os irmãos Grimm em 1812 editam a coleção dos contos de fadas, obras
como “João e Maria”, “Branca de Neve” e as convertem de certo modo em literatura
para crianças. Como afirma Carvalho (1982):

E são os irmãos Grimm que, animados pelo espírito romântico, vão buscar
as suas estórias, “vivas”, na pureza e na simplicidade das fontes folclóricas,
e revalorizar os contos maravilhosos, com a mesma dimensão que
alcançaram no século XVII. (CARVALHO, 1982, p. 104).
3.1 LITERATURA INFANTIL NO BRASIL

A literatura no Brasil iniciou com a aceleração da urbanização que ocorreu


no fim do século XIX. Depois desse momento, as pessoas passaram a consumir
bens culturais e o conhecimento se tornou importante para o novo modelo social.
Com isso, começaram as traduções e adaptações de obras literárias para o público
infanto-juvenil e ficou compreensível a necessidade de uma literatura nacional
voltada para a criança brasileira que necessitava se educar.
Originalmente, essa literatura era utilizada nas escolas sendo o objetivo
principal de ensinar conteúdos da língua portuguesa, como recurso didático e o
acesso foi facilitado para as pessoas de renda social maior. Sandroni (1998)
salienta:

Até os fins do século XIX, a literatura voltada para crianças e jovens era
importada e vendida no mercado disponível apenas para a elite brasileira,
constituindo-se principalmente de traduções feitas em Portugal, pois, no
Brasil ainda não havia editoras e os autores brasileiros tinham seus textos
impressos na Europa. (SANDRONI, 1998, p. 11).

Numa época de enaltecimento do saber, surgiram as primeiras


manifestações da reforma pedagógica e literária tendo em vista á formação de um
novo modelo de geração brasileira. Monteiro Lobato foi um divisor de águas na
literatura infantil brasileira, destacando-se com a sua grande obra publicada, como
aponta Sandroni (1998).

Com a publicação de A menina do narizinho arrebitado, em 1921, José


Bento Monteiro Lobato inaugura o que se convencionou chamar de fase
literária da produção brasileira destinada especialmente às crianças e
jovens. (SANDRONI, 1998, p. 13).

A Menina do Nariz Arrebitado foi um marco na literatura infantil nacional,


pelo fato de Monteiro Lobato aplicar em suas narrativas a realidade comum e
familiar da criança nas histórias dos seus livros, e além de romper com o vínculo do
padrão culto, colocando uma linguagem mais próxima da criança, possibilitando
mais emoção na leitura e escuta dessas histórias.
Monteiro Lobato usou temas do folclore em suas obras inspirando outros
autores. A partir da década de 1970 construíram um novo modelo de literatura
infantil, incorporando temas e problemas da sociedade brasileira usando uma
linguagem poética e inovadora colocando em evidência o humor, o imaginário,
tornando a criança mais participativa e reflexiva. A criança leitora adquiria uma
consciência crítica baseada na simplicidade das palavras que eram assimiladas com
facilidade.
Ao longo dos tempos, o entendimento do que é literatura infantil foi
mudando, havendo uma transformação do objeto, o livro infantil foi tornando-se
assim um recurso valiosíssimo para o desenvolvimento de habilidades cognitivas e
socioafetivas como a percepção visual, coordenação motora, criatividade.

4 PROPOSTAS DIDÁTICAS.

Proposta Didática

Escola Centro Educacional Carrossel


Data 20 de Abril 2020

Turma Segundo ano - Fundamental


Carga Horária 1 Hora/ Aula

Conteúdo Música das Rimas

Objetivo Reconhecer e identificar na música as palavras que rimam


desenvolver a consciência fonológica nos alunos.
Procedimento Orientar os alunos e formar com eles um semicírculo, conversar
Metodológico sobre as rimas, apresentar ilustrações com as rimas, ler a música
das rimas e escutar em áudio e vídeo para conhecer a música,
identificar as rimas que estão dentro da música.
Recursos Didáticos Caixa de som para escutar a música em áudio (mp3), tv ou
Datashow para a visualização do vídeo da música.
Desenvolvimento Com o semicírculo formado, apresentar as rimas e as figuras para
que os alunos possam identificar escutar o áudio e reconhecer as
palavras que rimam visualizar o vídeo e aprender a musica e canta-
la, fazer um ditado com as palavras que rimam.
Avaliação A avaliação será processual, sendo observada por meio de diálogos
e do desenvolvimento das atividades oral e escrita.
Referências Canal Youtube música infantil interativa: O Baú da Camilinha
Proposta Didática

Escola Centro Educacional Carrossel


Data 22 de Abril 2020

Turma Segundo ano - Fundamental


Carga Horária 1 Hora/ Aula

Conteúdo Jogos das tampinhas de garrafas pet.

Objetivo Desenvolver o raciocínio lógico e atenção, resolver as operações de


somar e subtrair através das tampinhas.
Procedimento Orientar e formar com os alunos um semicírculo, conversar sobre as
Metodológico operações básicas da matemática, explicar a adição e subtração,
apresentar as tampinhas de garrafas pet.
Recursos Didáticos Tampinhas de garrafas pet, cordão. Cartelas de folha ofício com
números e embalagem plástica.
Desenvolvimento Com o semicírculo formado, apresentar as tampinhas já furadas
para os alunos e entregar 10 unidades de tampinhas e 1 cordão de
tamanho de 1 metro para cada aluno. Orientá-los a passar o cordão
dentro do furinho que há na tampinha para assim formar uma
dezena. Colocar na embalagem plástica as operações básicas de
adição e subtração. A cada rodada pedir para um aluno retirar uma
cartela com uma operação e “cantá-la” aos alunos. Orientá-los a
separar nas tampinhas, ex. 2+2. Separar duas tampinhas e
consequentemente mais duas e contar para saber o resultado.
Avaliação A avaliação será processual, sendo observada por meio de
diálogos, interação com seus pares e do desenvolvimento das
atividades realizadas em sala de aula.
Referências Ideia Criativa. Projeto de ensino de matemática.

Proposta Didática

Escola Centro Educacional Carrossel


Data 23 de Abril 2020

Turma Segundo ano Fundamental


Carga Horária 1 Hora/ Aula

Conteúdo Estudando os animais.

Objetivo Compreender as principais diferenças e semelhanças entre os


animais, fazendo-os distinguir cada grupo.
Procedimento Orientar e formar um semicírculo com os alunos, conversar e
Metodológico apresentar os grupos de animais, expor para os alunos os habitats,
alimentação, características dos animais por meio das figuras
selecionadas.
Recursos Didáticos Recortes em revistas e jornais das figuras dos animais, desenhos
produzidos pelos alunos, cartolina, tesoura, cola, folhas de árvores,
gravetos, madeiras de tamanhos variados.
Desenvolvimento Com o semicírculo formado pesquisar entre os alunos os animais
que o grupo conhece apresentar animais novos e expor o seu
habitat e sua alimentação, pesquisar e recortar as gravuras
encontradas nas revistas e jornais. Confeccionar com elementos da
natureza os animais que mais gostam.
Avaliação A avaliação será processual, sendo observada por meio de
diálogos, interação com seus pares e do desenvolvimento das
atividades realizadas em sala de aula.
Referências Pedagogia.com.br Projeto animais.

Proposta Didática

Escola Centro Educacional Carrossel


Data 24 de Abril 2020

Turma Segundo ano Fundamental


Carga Horária 1 Hora/ Aula

Conteúdo Criação história coletiva animais.

Objetivo Desenvolver interação, colaboração entre o grupo. Incentivo a


criação e imaginação. Elaboração de texto coletivo usando varias
linguagens.
Procedimento Orientar e formar um semicírculo com os alunos, apresentar os
Metodológico cartazes dos animais feitos pela turma, orientar para se dividirem
em pequenos grupos, sortear para cada grupo um animal para que
seja feita uma história coletiva sobre o mesmo.
Recursos Didáticos Folha oficio, lápis, giz, tinta, pincel, giz carvão, folhas de arvores,
madeira, pedras, papel pardo.
Desenvolvimento Com o semicírculo formado, propor aos alunos que cada grupo
escolha um animal para desenvolver uma história coletiva, utilizando
os materiais que desejarem orientar que a história pode ser escrita
ou desenhada ou ambos.
Avaliação A avaliação será processual, sendo observada por meio de
diálogos, interação com seus pares e do desenvolvimento das
atividades realizadas em sala de aula.
Referências Portal do professor.mec.gov.br

Proposta Didática

Escola Centro Educacional Carrossel


Data 27 de Abril 2020

Turma Segundo ano Fundamental


Carga Horária 1 Hora/ Aula

Conteúdo Apresentação e encenação da história coletiva - tema animais

Objetivo Promover a relação interpessoal, autoconfiança e reconhecimento


um dos outros para criar um relacionamento de amizade e
confiança.
Procedimento Propor uma saída de campo para a apresentação da história
Metodológico coletiva, elencar possíveis “palcos” para a apresentação e sugerir
uma votação para a escolha, dirigir-se com o grupo ate o local
escolhido.
Recursos Didáticos Cartazes e histórias produzidas pelos alunos.
Desenvolvimento No local escolhido pelo grupo. organizar a ordem das
apresentações. Iniciar e finalizar as mesmas. Refletir e questionar o
grupo sobre os sentimentos gerados na construção da história e nas
apresentações.
Avaliação A avaliação será processual, sendo observada por meio de
diálogos, interação com seus pares e do desenvolvimento das
atividades realizadas em sala de aula.
Referências Gestão escolar.org.br

5 CONCLUSÃO

Este trabalho apresentou aspectos importantes de reflexão sobre o uso


das artes no cotidiano escolar. Possibilitando entender que essa disciplina vai muito
além do “pintar” em folhas e conhecer as cores primárias e secundárias.
Sendo bem trabalhada, a Arte no cotidiano escolar traz inúmeras
possiblidades de desenvolvimento pessoal e coletivo em uma sala de aula,
transformando alunos em sujeitos pensantes e críticos. Sujeitos criativos e
imaginativos que expressam os seus sentimentos por meio da música, teatro, livro,
filmes entre tantas outras linguagens...
Com o surgimento da literatura, a imaginação entrou para um novo
patamar, transformando pessoas comuns em fadas, príncipes, princesas. Aguçando
ainda mais a criatividade e imaginação de quem lia e quem ouvia essas histórias.
Sendo assim, a arte é peça de suma importância na completude do ser
humano e deve ser valorizada e reconhecida no âmbito escolar.

REFERÊNCIAS

http://escoladainteligencia.com.br/cultura-e-artes-beneficios-no-
desenvolvimento-socioemocional/
https://monografias.brasilescola.uol.com.br/pedagogia/educacao-infantil-
importancia-literatura-na-formacao-leitores-mundo.htm
https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/23809_11871.pdf
https://www.recantodasletras.com.br/artigos/746662
https://novosalunos.com.br/musica-na-escola-entenda-a-importancia-no-
processo-de-ensino-aprendizagem/
https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/23809_11871.pdf
https://monografias.brasilescola.uol.com.br/pedagogia/a-importancia-
musica-na-educacao-infantil.htm
https://www.youtube.com/watch?v=eK3QEl2KUjA&t=9s
https://www.ideiacriativa.org/2015/01/projeto-de-ensino-matematica-
na.html?fbclid=IwAR2tWc_rXyx8-
3iBmoMAPjRdpTWoT3jDNlOmwm5jydiP2210NEUCkfUtAYc
https://www.pedagogia.com.br/projetos/animais.php
http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=51114
https://gestaoescolar.org.br/conteudo/1716/blog-coordenadoras-acao-
objetivos-apresentacao-musical
http://centraldeinteligenciaacademica.blogspot.com/2014/08/a-
importancia-da-arte-no-cotidiano.html