Você está na página 1de 4

Data do estudo Lição 12

Texto base: Daniel 6

Daniel
Quando a
Adversidade
é Difamação
Por Ed. Elenice Gomes

A vida de Daniel nos inspira pelo saqueia Jerusalém, por volta de 587
seu exemplo de fé, temor, respeito, a.C., Daniel, com idade entre 12 e 16
honestidade, fidelidade a Deus. Uma anos, foi levado cativo como muitos
vida de relacionamento e experiên- outros jovens, também nobres.
cias profundas, permitindo que Deus Na Babilônia, juntamente com ou-
forjasse o seu caráter ao ponto de tros companheiros com qualidades
ser reconhecido como homem ínte- semelhantes a ele, Daniel foi educa-
gro e de espírito excelente. do para o serviço no Império Babilô-
Mesmo estando Daniel inserido nico, sendo instruído sobre a língua
numa cultura pagã, permaneceu fir- e a civilização dos caldeus (Dn 1.4).
me e temente a Deus. Estamos inse- Dentre os companheiros de Daniel
ridos numa sociedade, onde a adver- na Babilônia, o relato bíblico destaca
sidade nos pressiona, mas a exemplo três nomes: Hananias, Misael e Aza-
de Daniel, não devemos renunciar ao rias.
que é correto diante de Deus. Daniel tornou-se muito conhe-
Quem foi Daniel? cido por sua sabedoria e piedade,
Daniel era um Jovem Hebreu, fi- especialmente na observância da lei
lho de pais Hebreus, pertencentes a mosaica (Dn 1.8-16). Viveu mais de
uma linhagem real de Judá, ou pelo noventa anos, viu a queda do reino
menos da alta nobreza de Israel (Dn da Babilônia e o estabelecimento do
1.3). Quando a Babilônia toma Judá e império medo-persa. Ocupou posi-
ções elevadas sob o reinado de Na-

74
bucodonosor, Belsazar, Dario e Ciro. sobre ele e sua conduta era digna de
Desde o cativeiro viveu na Grande honra. O profeta foi um exemplo de
Babilônia, tendo uma vida irrepreen- pessoa, que buscou a excelência em
sível numa corte corrupta. Embora tudo o que fez (Dn 5.12-14).
fosse exilado, um estrangeiro, che- Deus deseja que você tenha uma
gou ao cargo de primeiro-ministro. vida abundante (leia Jo 10.10), mas
O maravilhoso é que sempre perma- para isso, você precisa buscar a ex-
neceu fiel a Deus. celência em todas as áreas de sua
vida. Não se acomode em ser ape-
1. Em meio à difamação, nas um frequentador de igreja ou um
decida ter excelência e funcionário qualquer no seu traba-
caráter lho. Busque crescer, aprender com
Em função do tamanho do novo os erros, buscar ser melhor a cada
Império, Dario escolheu 120 homens dia, pois assim, você colherá frutos
chamados de sátrapas (governado- bons (Pv 22.29). Quem escolhe fazer
res) para governarem o seu reino. O as coisas com excelência, se destaca
rei, também, escolheu três homens entre os outros e, consequentemen-
para serem líderes dos 120 sátrapas. te, é recompensado.
Então, Daniel foi escolhido para ser Deus está procurando pessoas
um desses líderes. que honrem seus compromissos,
O rei Dario observando a fideli- que sejam honestas, justas e de boa
dade de Daniel e que ele era dife- índole. (Sl 101.6). Uma pessoa de ca-
rente dos outros, em função de sua ráter tem palavra (Mt 5.37); é correta
sabedoria, de fazer o que era certo (2 Co 8.21); e sempre honra o nome
e por suas grandes qualidades, quis que tem (Pv 22.1). Você pode perder
nomeá-lo líder sobre os demais. (Dn bens, saúde, família; mas nunca per-
6.3;28). Os supervisores se enfure- ca o seu caráter!
ceram, e tomados pela raiva, inveja,
ódio, decidiram conspirar contra Da- 2. Em meio à difamação,
niel, procurando manchar sua lide- decida manter seu
rança (Dn 6.4,5). Não obtendo resul- relacionamento com Deus
tados, eles resolveram apelar para a A fé revelada nessa provação foi
lei do Deus que Daniel servia, com o gloriosa! Daniel sabia que sua vida
intuito de fazê-lo pecar contra o seu estava correndo risco, mas o que
Criador. esperar de um homem amadureci-
Os sátrapas tramaram uma lei do na comunhão com Deus? Ele já
centralizando a pessoa do rei, como havia experimentado atributos so-
se fosse um deus para prejudicar brenaturais, a saber: entendimento e
Daniel. Valeram-se da religião para sabedoria acima de todos os outros
armar-lhe uma cilada, mas falharam sábios da Babilônia (Dn 1); revelação
no seu propósito. Daniel se manteve dos significados do sonhos (Dn 2);
firme e a boa mão do Senhor estava seus amigos foram milagrosamen-

75
te preservados dentro da fornalha detrair; imputar a (alguém) um fato
ardente (Dn 3); presenciou o poder concreto e circunstanciado, ofen-
de Deus ao tratar com um poderoso sivo de sua reputação, conquanto
monarca pagão, Nabucodonosor (Dn não definido como crime. Falar mal;
4) e interpretou a inscrição feita na detrair”. Daniel era portador de ín-
parede, durante o reinado de Belsa- dole irrepreensível, carisma, caráter.
zar (Dn 5). Mesmo assim, não estava imune às
Ao ter conhecimento que o edito acusações infundadas daqueles que
tinha sido assinado, proibindo qual- queriam a sua morte (Dn 6.13).
quer petição a qualquer ser que não A difamação é uma potente arma
fosse o próprio rei Dario, não se dei- de destruição capaz de aniquilar
xou dominar pelo medo, prostrou-se qualquer relacionamento e gerar
diante do Deus todo poderoso. (Dn marcas severas, podendo causar sé-
6.10). Não mudou seus hábitos – orou rios prejuízos materiais, emocionais,
como de costume. Daniel demons- sociais, espirituais e físicos. Daniel
trou uma disciplina diária a qual o não foi poupado da difamação, pois,
ajudou a discernir que, não existia seus inimigos agiram com maldade,
nada mais importante do encontrar- orquestrando e tramando nos basti-
-se com Deus, ouvir Sua voz e não dores.
temer outras vozes. A vida de Daniel prova que um
De fato, a oração é essencial em homem pode ser íntegro em meio à
todas as áreas de nossa vida. Culti- difamação. Ele não cedeu! Poderia
var essa prática relacional com Deus, até interpelar ao Rei ou se posicionar
tendo uma vida de meditação na Pa- diante dos oficiais, mas a solução foi
lavra e oração é um grande desafio manter-se firme e focado em Deus,
necessário para nos manter de pé desafiando as autoridades humanas,
diante das adversidades. A intimida- consciente de que estava amparado
de com Deus faz com que Ele nos dê pela autoridade do seu Deus. Muitos
livramentos e nos abençoe no tempo fraquejam, quando passam pelo tes-
certo. Veja essas passagens: (Dn 1.9; te da difamação, cedendo ao revide
6.22; 10.12). (aquele ditado: pagar o mal com o
mal), querendo contestar, vingar, de-
3. Em meio à difamação, safrontar.
decida não ceder A calúnia é uma mentira usada
Aqueles homens foram investi- para ofender e difamar outra pessoa.
gar e encontraram Daniel orando e, A Bíblia Sagrada nos afirma que Deus
apressadamente, foram falar com o odeia a mentira e, por isso, o calunia-
Rei. Tudo o que eles queriam era di- dor está em pecado. Mesmo que a
famar Daniel. O verbete difamar sig- outra pessoa nos tenha maltratado
nifica “tirar a boa fama ou o crédito a; ou falado mal de nós, não devemos
desacreditar publicamente; infamar, usar isso como desculpa para ca-

76
luniar. Jesus nos ensina em Mateus 3.2 Confrontar, gentilmente,
5.44 a amar os nossos inimigos e orar o caluniador (face a face)
pelas pessoas que nos perseguem.
É estranho e assustador confron-
Quando falamos mal de outra tar alguém, mas precisa ser feito. A
pessoa, estamos ofendendo a Deus atitude mais amorosa que você pode
em primeiro lugar, porque todo o pe- fazer por todos aqueles envolvidos,
cado é uma transgressão a um man- incluindo o caluniador, é gentilmen-
damento de Deus. Veja o que a Bíblia te confrontá-lo, pois é bom trazer
Sagrada diz: Tito 3.2; Mateus 12.36; um amigo ou pessoas que são de
Provérbios 10.18; Tiago 1.26; Provér- confiança de ambas as partes. É
bios 16.28; Salmos 34.13; Mateus 5.11. pertinente estar com o “espírito de
Daniel não podia administrar a or- mansidão” (Gl 6.1), e não colocar o
questração de seus inimigos, nem outro em uma posição defensiva,
fazer o rei retroceder, nem mesmo buscando por falhas ou com um tom
se recusar a ir para a cova dos leões. de acusação.
Ele não podia tapar a boca dos leões,
mas podia orar e pôr sua confiança Para Pensar e Agir
em Deus. Cabe a nós manter-nos 01. Em suas atitudes diárias, você
fiéis, velar pelo nosso testemunho se julga agir com excelência?
e honrar a Deus com a nossa vida.
Cabe ao Senhor nos livrar das garras 02. Qual a sua reação quando você
do inimigo. Daniel creu em Deus e o é insultado, caluniado ou difamado?
anjo fechou a boca dos leões. (Her- 03. As pressões dessa vida sepa-
nandes Dias Lopes, 2005). ram você de Deus ou empurra você
Aqui estão duas dicas de como para mais perto d’Ele?
responder com sabedoria e graça Bibliografia:
quando somos difamados, segundo LOPES, Hernandes Dias. Daniel: um
Gavin Otlundem in The Gospel Coali- homem amado no céu in Revista Cons-
tion: truindo a Espiritualidade. Hagnos, 2005.
3.1 Confiar sua reputação
ao Senhor Leitura Diária
SEG Daniel 6
Coloque sempre sua preocupa-
ção na verdade, não na aparência, e TER Salmos 27:1-3,5-14
não deixe o medo ser sua motivação. QUA Salmos 42.10,11
Afinal, é no contexto de “difamação”
que Jesus diz: “Não os temais, não há QUI Provérbios 24.15,16
nada encoberto que não haja de ser SEX Tito 3
revelado, e nada oculto que não pos- SÁB 1 Pedro 4:12-16,19
sa ser conhecido” (Mt 10.26).
DOM 1 Pedro 3.12,13

77