Você está na página 1de 9

Escola Básica e Secundária da Ponta do Sol

Ciências Naturais

Relatório Nº1

Isolar ADN
das células
vegetais

Elisa Patrícia da Costa Martins N.º 9


Turma 9.ºA
5

ÍNDICE
Introdução Teórica....................................................................................................................................................2

Procedimento Experimental......................................................................................................................................3

Material Utilizado.................................................................................................................................................3

Descrição da Experiência.....................................................................................................................................4

Registo de Resultados...............................................................................................................................................5

Discussão..................................................................................................................................................................6

Conclusão.................................................................................................................................................................7

Bibliografia...............................................................................................................................................................8
4

INTRODUÇÃO TEÓRICA

O ADN (ácido desoxirribonucleico) encontra-se no interior das


células de todos os seres vivos e é o material básico da
hereditariedade. Nele, encontra-se um conjunto de informações
codificadas pelas quatro bases azotadas, o código genético. O ADN
copia-se a si próprio assegurando a sua presença em todas as células.
O ADN é uma dupla hélice que encontra enrolada em conjuntos
de proteínas. O conjunto do ADN e das proteínas forma um
cromossoma.
O objetivo desta atividade é isolar o ADN das células vegetais,
permitindo observá-lo.

Dupla hélice de ADN

Cromossoma
5

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL
MATERIAL UTILIZADO

 Cebola
 Kiwi
 Banana
 Sal
 30 ml de detergente da loiça
 30 ml de álcool a 95%
 300 ml de água destilada
 6 gobelés
 1 vareta
 3 filtros de café
 1 passador de rede
 3 tubos de ensaio
 Varinha mágica
4

DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA

1. Dissolvemos cerca de 1,5g de sal em 100 ml de água destilada.


2. Cortámos o kiwi grosseiramente e colocámo-lo no copo da
varinha mágica. Enchemos com água salgada de modo a cobrir
os pedaços de kiwi.
3. Com a varinha mágica, triturámos o kiwi até obter um puré.
4. Transferimos a mistura para um gobelé.
5. Adicionámos 10 ml de detergente. Misturámos cuidadosamente
com a vareta evitando a formação de espuma.
6. Colocámos o filtro de café no passador de rede. Filtrámos a
mistura para um gobelé.
7. Colocámos cerca de 10 ml do filtrado num tubo de ensaio.
8. Inclinámos o tubo de ensaio e vertemos cuidadosamente na
parede do tubo 10 ml de álcool.
9. Deixámos repousar durante 2 a 3 minutos.
10.Observámos a zona de interface do extrato e da solução
alcoólica, local onde se concentra o ADN.
11.Repetimos os passos de 1. a 10. com a cebola e a banana.
5

REGISTO DE RESULTADOS

ADN do kiwi

Resíduos celulares e água

ADN da banana

Resíduos celulares e água


4

No tubo de ensaio onde estava a mistura com a cebola não foi possível
ver o ADN.

DISCUSSÃO
O sal contribui com iões positivos que neutralizam as cargas
negativas do ADN. Assim, as moléculas de ADN não se repelem,
aglomerando-se e tornando possível a sua observação. O detergente é
importante nesta atividade porque provoca a rutura das membranas
lipídicas permitindo a dispersão do conteúdo celular, incluindo as
moléculas de ADN. Como é insolúvel no álcool e menos denso que a
água e os resíduos celulares, o ADN flutua entre a solução de extrato e
o álcool.
No preparado obtido a partir da cebola não conseguimos
observar as cadeias de ADN devido a uma falha na execução
experimental. Inicialmente, apenas foi adicionada uma gota de álcool
em vez de 10 ml, o preparado ficou a repousar durante 2 minutos e só
depois nos apercebemos da falha, tendo-se nessa altura adicionado os
10 ml, no entanto a experiência já não teve o efeito pretendido.
Tanto no preparado com o kiwi como no que continha a banana
os resultados foram os esperados. Os resíduos celulares, mais densos,
ficaram no fundo do tubo de ensaio seguidos pela água. O ADN,
5

menos denso que os resíduos celulares e a que água, ascendeu até


onde se encontrava a camada de álcool, aglomerando-se aí.

CONCLUSÃO

Com esta atividade podemos concluir que isolar e observar o


ADN de células vegetais é simples. Inicialmente, isolar o ADN das
células pode parecer uma atividade complexa mas depois
apercebemo-nos de como é simples, utilizando materiais tão vulgares
como detergente para a louça, sal e álcool.
Percebemos que o ADN se encontra dentro de membranas
lipídicas, a membrana celular e o invólucro nuclear, e que o
detergente se destina a provocar a rutura dessas membranas.
Descobrimos que o ADN tem cargas negativas que o sal tem como
função neutralizar. Também pudemos observar que o ADN é
insolúvel em álcool e que é menos denso que os resíduos celulares e
que a água.
Apesar de não ser possível visualizar a dupla hélice de ADN a
olho nu foi-nos possível observar um aglomerado de cadeias de ADN
através desta atividade experimental.
4

BIBLIOGRAFIA
 CAMPOS, Carlos e DELGADO, Zélia, 9CN, Texto Editores
 MOTTA, Lucinda e VIANA, Maria dos Anjos, Bioterra, Porto
Editora
 planetabiologia.com
 pt.slideshare.net
 slideplayer.com.br
 www.scienceinschool.org