Você está na página 1de 8

SLIDES PPB

CIÊNCIA PSICOLÓGICA: principais questões e controvérsias da Psicologia e principais níveis de


analise da Psicologia
SENSAÇÃO: Sentidos, limiares, adaptação sensorial, interação sensorial
PERCEPÇÃO: Percepção de Formas, movimentos e atenção
MEMÓRIA: codificação, armazenamento e recuperação de informações e esquecimento
ESTADOS DE CONSCIÊNCIA: Vigília, sono, sonhos e estados alterados de consciência
MOTIVAÇÃO: Conceitos motivacionais, instintos, impulsos, incentivos, hierarquia de necessidades,
motivação da fome e motivação sexual
EMOÇÃO: Componentes fisiológicos, cognitivos e comportamentais, comunicação não verbal;
aspectos biológicos e culturais da expressão emocional
PENSAMENTO: Conceitos, resolução de problemas, tomada de decisão e formação de julgamento

 CIÊNCIA PSICOLÓGICA
-Existe um domínio da vida que pode ser entendido como vida por excelência, ou seja, o cotidiano.

-É no cotidiano que tudo flui, que as coisas acontecem, que nos sentimos vivos, que vivemos a
realidade.

-Quando fazemos ciência, baseamos nos na realidade cotidiana e pensamos sobre ela. Afastamos
nos dela para refletir e conhecer além de suas aparências.

-Esse tipo de conhecimento que vamos acumulando em nosso cotidiano é chamado de senso
comum.

-Sem esse conhecimento intuitivo, espontâneo de tentativas e erros, a nossa vida seria muito
complicada.

-Esse tipo de conhecimento percorre um caminho que vai do hábito à tradição.

-O senso comum integra, de um modo precário, o conhecimento humano.


-Por exemplo: Quando utilizamos termos como “rapaz complexado”, “menina histérica”, “ficar
neurótico”, estamos usando termos definidos pela Psicologia Científica. Não nos preocupamos em
definir as palavras usadas e nem por isso deixamos de ser entendidos pelo outro.

-Ciência compõe-se de um conjunto de conhecimentos sobre fatos ou aspectos da realidade,


expresso por meio de uma linguagem precisa e rigorosa.

-Essa característica da produção científica possibilita sua continuidade, um novo conhecimento é


produzido sempre a partir de algo anteriormente desenvolvido.

-A ciência tem ainda uma característica fundamental, ela aspira à objetividade, ou seja, suas
conclusões devem ser passíveis de verificação e isentas de emoção. Desta forma é possível torna-
las válidas para todos.

-Muito se fala sobre a diversidade de objetos da Psicologia e muitos atribuem essa diversidade ao
fato de a Psicologia ter se desenvolvido como Ciência apenas no final do século XIX.

-Provavelmente, a Psicologia jamais terá um único paradigma confiável que possa ser adotado por
todos sem questionamentos. Isso porque a Psicologia é uma ciência humana.

-“O método científico é a abordagem usada pelos psicólogos para adquirir sistematicamente
conhecimento e compreensão sobre o comportamento e outros fenômenos de interesse”. Consiste
em quatro passos principais: 1) identificar questões de interesse; 2) formular uma explicação; 3)
realizar pesquisa destinada a apoiar ou refutar a explicação 4) comunicar as descobertas.

-Ciências humanas estuda um ser que é histórico e está em permanente mudança. As diferentes
formas de pensar a Psicologia representam a própria riqueza do ser humano e sua capacidade
múltipla de pensar sobre si mesmo.
 PSICOLOGIA EVOLUCIONISTA

-Esta abordagem propõem que a mente humana funciona através de mecanismos psicológicos
evoluídos, que seriam características universais de nossa espécie, evocativas do ambiente ancestral
no qual ela evoluiu.

-Estes mecanismos consistem em emoções, preferências e propensões, selecionadas porque


ajudaram nossos ancestrais a sobreviver e reproduzir no passado.

-A Psicologia Evolucionista traz para a psicologia uma proposta de solução para uma questão que
há muito vem sendo debatida, a da dicotomia entre biologia e cultura.

-Recebemos inúmeras estimulações do ambiente e reagimos a ela. Como construímos nossa


representação do mundo exterior?

 SENSAÇÃO E PERCEPÇÃO

-Para representar o mundo em nossas cabeças, devemos detectar a energia física do ambiente e
codificá-la como sinais neurais, um processo denominado de sensação. Em seguida temos de
selecionar, organizar e interpretar nossas sensações, um processo denominado percepção.

-Em nossas experiências cotidianas, sensação e percepção combinam-se em um processo contínuo


e mútuo.

-A sensação é como um processo que compreende a captação dos estímulos externos pelos nossos
órgãos sensoriais e o envio destas informações até o nosso cérebro (Sistema Nervoso Central).

-Já a percepção seria o processo transformação destes estímulos sem sentido, num todo com
significado e utilidade para nossa vida cotidiana.

-Na prática, sensação e percepção são processos que se misturam.

-Os sentidos nos mantém informados sobre o que acontece ao redor. Ajustamo-nos aos estímulos
ambientais conforme eles se apresentam.
-Há fatores internos (relativos ao indivíduo) e externos (relativos ao ambiente) que influenciam a
percepção, que variam de pessoa pra pessoa, justificando diferenças perceptivas sobre um mesmo
objeto.

-Percepção: implica na interpretação. Sensação: capacidades sensórias estão mais presentes.

-Exemplo: O bebê que chora de fome no berço vive o desconforto provocado pelo estômago vazio.
Ele experimenta a sensação de fome e só terá a percepção dela quando puder traduzir seu
significado, ou seja, nomeá-la.

-Limiares: há uma grande quantidade de estímulos em nossa volta. Mas, nossos sentidos permite-
nos uma percepção limitada desse vasto oceano de informações.

-Adaptação sensorial: Nossa sensibilidade é reduzida a um estímulo imutável. Após exposição


constante a um estímulo, nossas células nervosas disparam com menos frequência. Nossos olhos
estão sempre se movendo de forma imperceptível para garantir que a estimulação da retina mude
continuamente.

-Fatores internos de influência na percepção: traços de personalidade: características próprias;


história de vida: condições impostas ao longo da vida; estado emocional: momento que passamos
influi em nossas percepções; acuidade dos sentidos: pessoas destituídas de um sentido tendem a
desenvolver melhor os outros; cultura e meio: conhecimento específico em determinada área;
campo visual: de acordo com nosso campo visual, podemos perceber apenas determinados
objetos. exemplo visão fragmentada das pessoas; atenção: as pessoas escolhem para o que
atentar, podendo ser aleatória ou voluntária.

-Condições geradoras de distorções perceptivas: doenças que alteram a química cerebral:


esquizofrenia, mal de alzheimer, demência senil (perda da capacidade cognitiva), febre alta etc.
uso de drogas: indutores de sono, ansiolíticos, anestesia, drogas entorpecentes e uso abusivo do
álcool. cansaço exacerbado: altera condições de atenção e limita a capacidade de informações.
 PERCEPÇÃO

-Não respondemos apenas de modo passivo aos estímulos visuais que chegam em nossa retina.
Tentamos organizar e entender o que vemos.

-Percepção é um processo construtivo pelo qual vamos além dos estímulos.

-No início do século XX, foi estabelecida as Leis de organização da Gestalt, por um grupo de
psicólogos alemães. Uma série de princípios que descrevem o modo como organizamos fragmentos
de informação para compor totalidades significativas.

-O princípio dominante da Gestalt é o da simplicidade: Quando observamos um padrão, nós o


percebemos da maneira mais básica e direta possível.

-A psicologia da Gestalt não desempenha mais um papel proeminente na psicologia


contemporânea, mas seu legado ainda perdura.

-Segundo os psicólogos da Gestalt, a percepção dos estímulos em nosso ambiente vai bem além dos
elementos individuais que sentimos. Ela representa um processo construtivo ativo realizado no
cérebro.

-A compreensão desse desenho envolve a separação de figura e fundo. Se você está tendo
dificuldade para entender, olhe fixamente para a mulher, que com o tempo se transformará.

-Processamento descendente - top-down (de cima para baixo): A maneira como nossa mente
(experiências, expectativas, estado emocional, etc) influenciam a captação e o processamento das
informações captadas pelos órgãos sensoriais.

-O processamento descendente não pode ocorrer sozinho, mesmo nos permitindo preencher
lacunas em estímulos ambíguos e fora de contexto, seríamos incapazes de perceber o significado de
tais estímulos sem o processamento ascendente.

-Processamento ascendente - bottom-up (de baixo para cima): Quando é feita a análise partindo da
captação do estímulo. É baseado num modelo de leitura de decodificação centrado unicamente no
texto. O leitor decodifica a informação disponível no nível de aspectos perceptíveis sensorialmente.
-O processamento ascendente permite-nos processar as características fundamentais dos
estímulos, ao passo que o processamento descendente permite-nos aplicar nossa experiência na
percepção.

-Desta forma desenvolvemos uma melhor compreensão de como o cérebro interpreta informações
de forma contínua e permitindo darmos respostas mais apropriadas ao ambiente.

-Percepção de profundidade: Habilidade de ver o mundo em três dimensões e perceber a distância.


Deve-se por termos dois olhos e existir uma distância entre os olhos, uma imagem diferente chega
à retina. O cérebro integra as duas imagens em uma visão, mas ele também reconhece a diferença
nas imagens e utiliza essa diferença para calcular a distância que estamos do objeto.

-A diferença nas imagens vista pelo olho esquerdo e pelo olho direito é conhecida como
disparidade binocular. Ocorre por causa da diferença entre as imagens da retina dos olhos e como
os diferentes sinais influenciam a imagem visual percebida pelo nosso cérebro.

-Quanto mais próximo um objeto está dos seus olhos ainda mais evidente a disparidade se torna.
Por exemplo: Segure um lápis longe de seu rosto. O lápis parece normal e é nítido. Então,
lentamente mova o lápis para mais perto de seu rosto. Quanto mais você se aproxima mais o lápis
ficará embaçado. Isso acontece por causa da disparidade binocular.

-O córtex visual do cérebro usa um processo chamado estereoscopia para corrigir a disparidade
binocular. Os dois sinais diferentes são combinados através do córtex visual e a percepção de
profundidade ocorre.

-Em certos casos, alguns sinais nos permitem ter uma noção de profundidade e distância com
apenas um olho. Esses sinais são conhecidos como pistas monoculares. É a mudança na posição de
um objeto na retina causada pelo movimento do corpo e relação ao objeto.

-Pista monocular do tamanho relativo: a experiência também ensina que, se dois objetos são do
mesmo tamanho, aquele que forma uma imagem menor na retina está mais distante do que aquele
que produz uma imagem maior. Não é apenas o tamanho de um objeto que fornece informações
sobre a distância, a qualidade da imagem na retina ajuda a julgar a distância.
-A pista monocular do gradiente de textura fornece informações sobre a distância, porque os
detalhes dos objetos que estão distantes são menos nítidos.

-Qualquer pessoa que já viu trilhos de trem que parecem unir-se ao longe sabe que objetos
distantes parecem estar mais juntos do que objetos mais próximos, fenômenos chamado de
perspectiva linear.

-As pessoas usam a perspectiva linear como uma pista monocular para calcular a distância, isso
permite que a imagem bidimensional na retina registre o mundo tridimensional.

-Constância perceptual: é um fenômeno no qual os objetos físicos são percebidos como invariáveis
e consistentes, apesar das mudanças em sua aparência ou no ambiente físico.

-A constância perceptual leva-nos a ver os objetos como possuidores de tamanho, forma, cor e
brilho invariáveis, mesmo que a imagem em nossa retina varie.

-Percepção do movimento: O movimento de um objeto por meio da retina é comumente percebido


em relação a algum fundo estável e imóvel. Às vezes, percebemos movimento quando ele não
acontece. Por exemplo: cinema com tecnologia IMAX.

-Movimento aparente é a percepção de que um objeto imóvel está movendo-se. Ele ocorre em
diferentes áreas da retina são rapidamente estimuladas, levando-nos a interpretar movimento.

-Quando olhamos o mundo à nossa volta temos a necessidade de ORGANIZAR o que observamos,
mas fazemos de forma rápida e automatica que, muitas vezes, não nos damos conta.

-Nessa organização é importante ter a percepção: da FORMA (o que vemos); do MOVIMENTO (o


que está a fazer); da PROFUNDIDADE e da DISTÂNCIA (onde está).

-Percepção da forma: o reconhecimento da forma é feito com base em imagens retidas


anteriormente, mesmo quando há deturpações verifica-se uma transposição da forma padrão.

-Percepção das cores: a cor não tem existência material, é a sensação provocada pela ação da luz
sobre o órgão da visão, os olhos. Percepção da cor é uma linguagem individual, o homem reage a
ela subordinado às suas condições físicas (sensação) e às suas influências culturais (percepção).
Sensação elemento físico (luz) e fisiológico(olho), Percepção + os dados psicológicos.
-Vermelho: paixão, entusiasmo, impacto, agressividade, força, energia, amor, liderança, perigo,
fogo, raiva, revolução, "pare“;
-Amarelo: concentração, disciplina, comunicação, ativa o intelecto, positividade, boa sorte;
-Azul: harmonia, confidência, conservadorismo, austeridade, monotonia, dependência, tecnologia,
liberdade, saúde, purificação, amabilidade, paciência e serenidade;
-Laranja: equilíbrio, generosidade, entusiasmo, alegria, aconchegante, energia, criatividade,
equilíbrio e entusiasmo;
-Verde: esperança, cura, natureza, paz, primavera, fertilidade, juventude, desenvolvimento,
riqueza, dinheiro, boa sorte, ciúmes, ganância e esperança;
-Branco: purificador, perfeição, pureza, neutralidade, humildade, limpeza, claridade, frieza e
esterilidade, pureza, inocência, reverência, paz, simplicidade, esterilidade, rendição e união;
-Preto: luto, elegância, solidez, poder, modernidade, sofisticação, formalidade, morte, medo,
anonimato, raiva, mistério e azar;

-Quando escolhemos uma cor para elaborarmos nossos trabalhos devemos ter em mente que
estamos lidando com um elemento de estímulo imediato, e que essa cor escolhida provocará
diversas reações em seus observadores, positivas ou negativas.