Você está na página 1de 3

Assembleia Municipal do Seixal

Voto de Saudação

Saudação ao poder local democrático e às eleições justas e livres

Com a aproximação do quinquagésimo aniversário da revolução de abril, abre-se um


momento de reflexão e prospeção para a democracia portuguesa. Os portugueses
continuam confiantes nos valores e no regime da Constituição da República Portuguesa
de 1976, continuando a acreditar que é através da pluralidade e da participação de todos
que é possível encontrarmos as soluções coletivas para os nossos problemas sociais e
individuais.
Uma das conquistas mais relevantes de abril é, sem qualquer margem para dúvida, o
poder local democrático. Uma sociedade decente é uma sociedade em que todos têm
voz. A participação e envolvência dos cidadãos nos destinos coletivos das sociedades e
dos territórios em que se inserem é um elemento estruturante e fundamental para a
democracia e para o Estado de Direito. O poder local democrático é pedra basilar dessa
participação. Essa participação é sinónimo de liberdade, da liberdade de abril.
A participação como mecanismo de reforço e dignificação do poder local democrático
conhece o seu momento celebrador no período eleitoral, que culmina com a realização
de eleições justas e livres. Sem essas, o poder local democrático perde a sua vitalidade,
a sua força e o seu lugar fundamental enquanto pilar do Estado de Direito democrático.
É por isso que essa participação, para ser efetiva e, por conseguinte, para concretizar a
sua matriz democrática, tem que ser de todos. Todos têm que ter o direito e, sobretudo,
a liberdade de participar, independentemente das suas opiniões e posições.
Assim, o poder local democrático só existe quando há uma gestão participada. E uma
gestão participada só existe quando há lugar à pluralidade democrática. E essa
pluralidade democrática é assegurada quando são assegurados os meios e os
instrumentos para que todos os cidadãos (neste caso, os munícipes) possam participar
de forma igual nos destinos do seu território.
Infelizmente, nos últimos tempos temos assistido a vários atropelos à pluralidade
democrática no concelho do Seixal. Além do crónico e latente deficit democrático já por
nós bem conhecido e debatido – que vai desde a ausência de representatividade política
no Boletim Municipal à não transmissão das sessões dos órgãos municipais –, a Câmara
Municipal tem, nos últimos anos, elevado a sua tentação por restringir a liberdade de
expressão e de participação, conforme se poderá ver através das imagens infra:

Cartaz da JSD na Festa do Avante! 2020, colocado e Cartaz do Partido Socialista na freguesia do Seixal, em junho de 2021,
retirado no mesmo dia pela Câmara Municipal do Seixal tapado por material da Câmara Municipal do Seixal

Desde o cartaz da Juventude Social Democrata colocado o ano passado à entrada da


Festa do Avante! e que foi retirado de forma abusiva no mesmo dia pela Câmara
Municipal, aos recentes acontecimentos em torno de um cartaz do Partido Socialista,
são já várias as situações que devem preocupar esta assembleia, que é a “casa da
democracia” no nosso concelho.
Ao contrário daquilo que verificamos nestes tristes episódios, quem detém
momentaneamente a maioria do poder político local está incumbido do dever de
garantir essa pluralidade. Porque ao fazê-lo está a assegurar a participação e a dignificar
o poder local. Está a assegurar que as instituições políticas do poder local democrático
se mantêm fortes e respeitadas pelos cidadãos.
Esse respeito deve e tem de ser universal e absoluto. Quer haja lugar à critica, quer haja
lugar à apresentação de uma política alternativa. Quer seja mais caricaturado ou mais
sério, mais estrutural ou mais personalizado. Quer seja em período eleitoral, quer seja
ao longo do período de duração dos ciclos eleitorais. A necessidade de assegurar que o
poder local democrático é partilhado e participado por todos, em igualdade de
circunstâncias, é uma prerrogativa inolvidável e irretirável. É a garantia de um poder
local democrático e, portanto, a garantia da nossa liberdade. A liberdade de abril.
Assim, a Assembleia Municipal do Seixal, reunida em Sessão Ordinária, a 30 de junho de
2021, delibera:

⎯ Saudar o poder local democrático, saudando assim todos aqueles que o


representaram, representam ou representarão ao longo dos anos;
⎯ Condenar todos os atos ou atitudes que obstaram, obstam ou obstarão à
participação de todos na vida do poder local democrático e, em particular, da
vida do nosso município, expressando a defesa intransigente da pluralidade
democrática, e, por conseguinte, da liberdade de abril, em qualquer momento e
em qualquer circunstância.

Pelos eleitos do PS,

TOMÁS SANTOS