Você está na página 1de 10

História Dos Sistemas Jurídicos Contemporâneos Página 1 de 10

Avaliações:

V1 Æ 22/04/08 a 03/05/08

V2 Æ 11/06/08 a 21/06/08

2ª chamada (V1 e V2) Æ 23/06/08 a 28/06/08

VS Æ 30/06/08 a 05/07/08

Termino do semestre 10/07/08

Direito Primitivo – Formação do Direito

Direito Antigo Mesopotâmia

Egito

Grécia

Roma

Livros:

¾ Fundamentos de História do Direito – Antonio Carlos Wolkmer

¾ Os grandes sistemas do Direito Contemporâneo – Rene David

O estado Æ “Monopólio do uso legítimo da força” Æ Max Weber

Sociedade / Direito Primitivo Sociedade / Direito antigo

Nomadismo Povos fixados (cidades na terra)

Desenvolvimento da agricultura /
Atividade coletiva
pecuária

Direito oral Direito escrito

Leis aplicadas pelo coletivo Leis aplicadas pelo estado

Trocas Moeda

14/02/08

Sociedade babilônia

Formação das cidades – estado cidade dependiam do comercio e da


navegação.

Sistema jurídico – dependiam diretamente da relação divina.

Aluno: Márcio de Souza Barbosa Professor: Reynaldo Zorzi


História Dos Sistemas Jurídicos Contemporâneos Página 2 de 10

Regime político Æ monarquia Æ cidades com alto grau de descentralização


independente uma das outras.

Código de Ur-Nammur – duas classes de pessoas: os homens livres e os


escravos alem de uma camada intermediaria, a dos funcionários.

Código de Esnunna (1930 a.c.) Responsabilidade civil, direito de família,


responsabilidade por danos.

Código de Hammurabi (1694 a.c.) – 282 artigos – as cidades organizavam-


se como nos padrões estabelecidos pelo código de Ur-nammur.

Escravos – comparados a bens moveis a mulher é dotada de personalidade


jurídica.

A Aplicação do direito era feita por funcionários do palácio real e sacerdotes


locais, que auxiliaram o soberano na aplicação do direito. Juizes nomeados
pelo soberano. Possibilidade de aplicação.

Estratos sociais – não há mobilidade

21/02/08

Egito (cont)

Sociedade voltada para a agricultura, rio Nilo forte centralização política e


econômica.

Sistema penal bastante original: não acreditavam na idéia de


“ressocialização do individuo”; utilizavam-se de penas para servir de
exemplo, por isso as amputações; penas buscavam o medo e a aceitação do
domínio.

Escravos – mal tratados, não eram possuidores de direitos - mulheres –


também não eram possuidoras de direitos.

Faraó Horemreb – exílio da como pena a ser aplicada aos infratores. Criação
da “cidades do sem nariz”

Castigos físicos para se obter a “verdade”.

Egito – principio da justiça divina – acreditavam numa lei do universo que


regulava todas as coisas.

Deusa Maat – Justiça

Vizir – Aplicador da justiça, escolhido pelo faraó

Penas

Alta traição – ablação da língua.

Aluno: Márcio de Souza Barbosa Professor: Reynaldo Zorzi


História Dos Sistemas Jurídicos Contemporâneos Página 3 de 10

Perjúrio – condenação a morte quem não ajudasse um homem em perigo


quem não apanhasse um ladrão - bastonadas – obrigação de jejuar por três
dias; falsificação do peso dos produtos – perda de um ou das 2 mãos, etc.

26/02/08

Inexistia, no sistema jurídico egípcio, a figura do advogado. Cada um se


fazia representar. A atividade era proibida.

“proto – advogado” Æ nasce em Atenas, embora também fosse proibida.


Em Roma, ela se aperfeiçoa e se torna uma atividade legal.

Regras para apresentação dos seminários (VT)

1. Não precisa todos apresentarem

2. Podem trazer convidados

3. Respeito à regra do bom senso

4. Não sugiro o uso de cartazes

5. Não pode ler grandes textos

6. Cuidado com o uso de “recursos extras”

7. O grupo é responsável pela organização da sala e será avaliado por


isso

8. Grupo organizado = todos sentados na frente

9. O grupo tem hora para entrar e sair

10.Avaliação conteúdo

Uso de recursos extras

Debate que conseguir gerar.

Primeiros seminários dias 27 e 29 de abril

Temas:

1. Direito oriental Æ 29/04

2. Direito inglês / americano Æ 06/05

3. Direito Socialista Æ 08/05

4. Direito dos povos ameríndios Æ 13/05 (nosso grupo vai apresentar)

5. Direito Brasil – império Æ 15/05

6. Direito Brasil – república Æ 20/05

Aluno: Márcio de Souza Barbosa Professor: Reynaldo Zorzi


História Dos Sistemas Jurídicos Contemporâneos Página 4 de 10

Componentes do grupo

1. Cristian

2. Marcio

3. Leonardo

4. Amanda

5. Adriano

6. Letícia

7. Erica

04/06/08

Programação

6/3 – Grécia – aula expositiva

11/3 – Grécia – aula expositiva

13/3 – Grécia – aula expositiva

18/3 – Roma – aula expositiva

20/3 – Roma – aula expositiva

06/03/08

Grécia

Atenas – fundada pelos jônios (comercio realizado pelos mares)

Cidadania ateniense – restrita aos filhos de pai e mãe atenienses

Classes – Eupátridas (bem nacidos) grandes proprietários de terras /


comerciantes

Georgois – pequenos proprietários.

Demiurgos – povo ateniense / artesãos / pequenos

Metecos –estrangeiros e escravos

Mulheres e crianças não tinham o direito a cidadania em Atenas

“Ficar em casa e em silêncio era o maior sinal de virtude de uma mulher”


(mota)

Educação aberta (mente e corpo)

Aluno: Márcio de Souza Barbosa Professor: Reynaldo Zorzi


História Dos Sistemas Jurídicos Contemporâneos Página 5 de 10

Oligarquia (1 fase) formação do arcontado

Apenas ou eupátridas podiam fazer parte do arcontado.

Arcontes – aplicações das leis não escritas.

Reformadores – Objetivo – criar leis voltadas a igualdade entre as classes.

11/03/08

Grécia (cont)

Surgimento dos reformadores – necessidade de se resolver o conflito entre


aristocracia e povo

Drácon – manteve os privilégios dos aristocratas

Sólon (594 a.c.) reformas sócio econômicas – fim da escravidão por dívidas
aumento da participação política.

Pisistrato – tirania – reforma agrária / realização de obras e festas

Péricles – apogeu da democracia grega.

Isonomia – igualdade de todos perante a lei;

Isegoia – igualdade de possibilidade de usar a palavra na assembléia;

Isocracia – igualdade de acesso ao poder.

Democracia direta – todos os cidadãos com mais de 18 anos podem podem


participar.

O povo não podia participar da administração, mas podia discutir e eleger.

Administração – rodízio (eleito por sorteio) – sem remuneração.

13/03/08

Esparta

Sociedade fortemente estamental:

Esparciatas – única classe detentora de direitos políticos, só eles podeiam


participar das instâncias políticas

Periecos – descendentes de outros povos (que não os Dórios – que


formavam a classe esparciata). Eram livres, mas não tinham direitos.
Tinham que pagar impostos e, quando convocados, tinham que participar
do exercito.

Hilotas – escravos espartanos, eram oprimidos pelos esparciatas e


massacrados periodicamente pelas Kryptéias.

Aluno: Márcio de Souza Barbosa Professor: Reynaldo Zorzi


História Dos Sistemas Jurídicos Contemporâneos Página 6 de 10

Organização Politica – Gerontocracia Æ mais velho mais experiência mai


autoridade.

Existência de 2 reis – diarquia (um rei político religioso e o outro militar e


jurídico)

Apela – assembléia composta pelos homens com mais de 30 anos, elegia os


gerontes (eram eleitos por palmas, e criavam as lei) e aprovava ou não as
leis criadas por estes.

Gerúsia – composta pelos homens com mais de 60 anos, tinha o poder de


propor leis.

Éforos – composta por 5 espartanos eram responsáveis por presidir as


assembléia e organizar a administração da cidade.

16/03/04

Roma – fundada no século VIII a.c.

Monarquia | República | Império

Período Republicano – Senado, Assembléia, Comícios, Magistratura.

Senado – 300 membros vitalícios – responsáveis pela administração geral,


finanças, declaração de guerra, celebração de paz. Inicialmente, só os
patrícios podiam fazer parte desta instituição.

Assembléia Curial – ordem religiosa

Tribal – nomeação de questões e Edis

Centurial – votavam leis e elegiam os magistrados


(soldados – cidadãos)

Classes sociais – grandes proprietários de terras, nobreza romana,


doutrinavam a instituições;

Clientes – classe pequena numericamente, vivia como serviçal dos patrícios.

Plebeus – muito grande na cidade, de Roma, composta por artesãos e


pequenos proprietários;

Escravos – classe que aumenta substancialmente no período da expansão


romana.

25/03/08

Faltei

27/03/08

Aluno: Márcio de Souza Barbosa Professor: Reynaldo Zorzi


História Dos Sistemas Jurídicos Contemporâneos Página 7 de 10

Roma (cont)

Crise e destruição do império romano do ocidente.

(476 d.c.) a cidade de Roma invadida e conquistada pelos povos bárbaros

Conseqüências jurídicas:

Retração do direito romano – o direito romano, ainda que não


desaparecesse por completo, viu uma profunda diminuição no território
europeu.

Afirmação do direito bárbaro – direito não escrito, baseado na tradição oral


dos povos que eram dominados pelos romanos mas, que ao final, impõem-
se militarmente.

Império romano do oriente – capital Constantinopla – sobrevive ate 1453


d.c. quando é invadido pelo império turco Otomeno

Sociedade e direito bárbaro – inexistência do estado (descentralização


política) falta de uma economia monetária (comercio baseado nas trocas e
auto suficiente, auto-subsistencia, economia agrícola)

Feudalização da europa – poder político, militar e jurídico desempenhado


pelo senhor feudal

Igreja católica – responsável pelo poder religioso.

Colonato – sistema de servidão.

15/04/08

Direito na idade media / moderna (cont)

Inicialmente, predomina o direito oral, mas depois pela influência do direito


canônico de direito romano bizantino, vai introduzindo a escrita, base da
maior parte do direito moderno.

Direito canônico (algo relativo a igreja) –sec. VIII - Canon – Uso / regra /
costume

Canon Æ Empregado nos primeiros séculos para designar as decisões dos


concílios com a pretensão de se impor em todo mundo.

A religião impo-se na idade media em caráter unitário; tribunais


eclesiásticos – resolviam os conflitos.

Concorria (completava) com o direito canônico, na idade media o direito


feudal e o direito romano bizantino.

Aluno: Márcio de Souza Barbosa Professor: Reynaldo Zorzi


História Dos Sistemas Jurídicos Contemporâneos Página 8 de 10

Idade moderna Æ representa o questionamento do direito canônico e do


direito feudal.

29/05/08

Direito socialista

Karl Marx (1818-1883)

Analisa a sociedade capitalista.

Ele afirma que nessa sociedade, existem duas classes sociais:

Aquela que se define pela posse dos meios de produção (burguesia) e a


segunda é aquela que, para sobreviver dispõem apenas da capacidade de
vender força de trabalho (classe trabalhadora/ operaria)

Ao contrario do que se possa imaginar, estas classes relacionam-se ao


longo do tempo. Esta relação é conflituosa.

Estado – existe, segundo Marx, para garantir a desigualdade entre as


classes sociais.

Marx - “a forma na qual o estado burguês se organiza o torna,


necessariamente, um órgão da burguesia”.

Justiça – julga as greves dos trabalhadores ilegais.

Policia – reprime os trabalhadores forçando-os a aceitar as condições de


trabalho.

Exercito de reserva – oprime salários e movimentos grevistas.

03/06/08

Direito socialista

Conceito “os pituitários não possuem pátria, nem família, nem religião, nem
propriedade. Os proletários não tem nada a perder a não ser os grilhões
que os prendem. E é por isso mesmo que estão destinados a abolir a pátria,
a família, a religião, a propriedade, bem como o estado e todas as demais
instituições em que se apóia a burguesia”.

Estado – categoria fundamental da analise marxista.

“O estado se funda na contradição entre o público e o privado, entre o


interesse geral e o particular”

Sociedade socialista – coletivização dos meios produção sob contrelo do


estado.

Século XX – momento de ruptura global da sociedade e do estado.

Aluno: Márcio de Souza Barbosa Professor: Reynaldo Zorzi


História Dos Sistemas Jurídicos Contemporâneos Página 9 de 10

África – Angola | moçambique

Ásia – China | vietinam

América – Cuba | Nicarágua

A ruptura do modelo econômico significou o rompimento do direito até


então praticado nessas sociedades.

05/06/08

Brasil – república

Constituição de 1891

Antecedentes

Abolição da escravatura

Proclamação da República

Características Æ Fim do senado vitalício / separação entre igreja e estado

Províncias são transformados em estados / fim do poder moderador


mandato de 4 anos

Presidencialismo / fim do voto censitário / concessão de ampla autonomia


a estados e municípios

Constituição de 1934

Antecedentes – revolução de 30 / revolução constitucionalista de 32

Características – criação dos tribunais eleitorais / concessão de voto as


mulheres / criação de representação classista / benefícios sociais presentes
na constituição / presidencialismo, Getúlio Vargas eleito para o mandato de
4 anos.

Constituição de 1937

Considerada a mais autoritária da história do Brasil / supressão de hinos e


bandeiras estaduais / fim do habeas corpus / estabelecimento da pena de
morte para crimes contra o estado / fechamento do congresso nacional /
submissão de judiciário ao executivo.

Constituição de 1946 - promulgada

Antecedentes – democratização / pluripartidarismo / fim da segunda gerra

Incorporação dos direitos trabalhistas na constituição / criação das


comissões parlamentares de inquérito (CPI’s) / mandato de 5 anos

Aluno: Márcio de Souza Barbosa Professor: Reynaldo Zorzi


História Dos Sistemas Jurídicos Contemporâneos Página 10 de 10

presidencialismo / liberdade de associação, organização, expressão /


constituição centralista.

Modernização da economia e da sociedade brasileira

Industrialização / urbanização

Constituição de 1967 (semi-outorga)

Antecedentes – radicalização política / golpes militar /crescimento


econômico / ampliação da presença do estado na economia e na sociedade
/ autoritarismo político

Criação dos decretos-lei / centralização política / transformação de


legislativo e judiciário em “fantoches” do executivo / bipartidarismo político
/ limitação das liberdades políticas e individuais

A constituição de 1967 seria completada em 1969 e pelos AI (atos


institucionais)

Aluno: Márcio de Souza Barbosa Professor: Reynaldo Zorzi