Você está na página 1de 152

1 - À medida que se sobe na escala hierárquica, o aspecto mais importante em termos

organizacionais é a capacidade de planejar com grande antecipação.

2 – As funções de planejamento, organização, direção e controle são levadas a efeito por todos
os dirigentes de uma organização, entretanto as funções que são realizadas de maneira mais
acentuada são as de planejamento e organização.

3 – Na autoridade de linha-staff o assessor assistente é o chefe de linha, sem, contudo impor


ao mesmo o seu julgamento.

4 – Nas organizações clássicas de Fayol o sentido básico do processo decisório é de cima para
baixo. O movimento Relações Humanas teve como característica básica uma oposição
contínua à Escola clássica.

15 – Na estrutura de organização do tipo funcional, um executante pode estar subordinado a


um chefe, mas sob a influência de vários outros chefes, por força de sua especialização
profissional. A estrutura funcional é características de pequenas firmas em seus estágios
primitivos, sendo as funções primárias ou básicas de organizações criadas. A autoridade
funcional se manifesta quando, por exemplo, um indivíduo ao requisitar material ou
equipamento de escritório para uso em sua unidade organizacional segue as diretrizes
baixadas pelo gerente de materiais.

16 – A função de direção se refere às relações interpessoais dos administradores em todos os


níveis da organização e de seus respectivos subordinados. São princípios finalísticos da função
direção: Princípio da harmonia dos objetivos e da contribuição individual ao objetivo.

17 – O desenvolvimento organizacional (D.O) reconhecia que a ambiência externa estava em


constante mudança e que era necessária à organização a mudança organizacional. Segundo o
Desenvolvimento Organizacional a organização deve ser entendida como uma tríade de
fatores: Estrutura, tecnologia e comportamento.

19 - A abrangência é uma das dimensões a ser examinada na formulação de políticas. A


política de negócios é a que tem um maior grau de abrangência para uma empresa.

20 – Um dos aspectos mais importantes da vida das organizações diz respeito ao seu
desenvolvimento, visto como o processo através do qual as estruturas organizacionais reagem
a pressões derivadas do ambiente externo. Considerando que as organizações são sistemas
de relações entre pessoas, as organizações eficientes conseguem se adaptar com maior
rapidez às mudanças externas porque conseguem equilibrar fatores da motivação, da liderança
e do conhecimento técnico.

21 – No tocante às ferramentas da qualidade podemos definir fluxogramas como sendo a


representação gráfica das atividades que integram determinado processo, sob a forma
seqüencial de passos, de modo analítico, caracterizando as operações e os agentes
executores.

22 – No tocante às ferramentas da qualidade podemos definir diagrama de causa e efeito como


sendo a representação da relação entre um efeito percebido e todas as possibilidades de
causa que podem estar contribuindo para esse efeito.

23 – A reengenharia é a alternativa para que a organização se torne suficientemente enxuta,


flexível, inovada e dedicada. Inovadora para os autores significa manter-se tecnologicamente
atualizada em seus produtos e serviços. Em minha opinião seria antecipar-se aos concorrentes
no mercado.
25 – A administração pública gerencial vê o cidadão contribuinte de impostos como um cliente
de serviços. Os resultados da ação do estado são considerados bons, não porque os
processos administrativos estão sob controle e são seguros, como quer a administração
pública burocrática, mas porque as necessidades do cidadão cliente estão sendo atendidas.

26 – Entre os novos modelos de gestão, destaca-se a learning organization como uma das
alternativas mais promissoras de potencialização do capital humano nas organizações.
Segundo Senge, a companhia mais bem sucedida dos anos 90 será a que puder ser chamada
de organização de aprendizagem que tem como fundamentos: Pensamento sistêmico,
desenvolvimento pessoal, visão compartilhada, modelos mentais e aprendizagem grupal.

27 – A informatização no serviço público visa ao empowerment do dirigente, através da


informação. Para que este possa melhorar a qualidade das suas decisões e superar as
expectativas dos seus clientes internos e externos. Já a automação de processos na área
pública visa aumentar a produtividade operacional transformando atividades manuais
repetitivas em procedimentos automatizados mediante o uso de tecnologia de informação. A
presente situação de eficácia do serviço público no Brasil demanda mais automação de
processos do que informatização para apoiar o sistema decisório.

28 – As mais importantes tarefas do processo de gerenciamento da informação são:


identificação das necessidades e requisitos de informação; classificação; armazenamento e
apresentação da informação; desenvolvimento de produtos e serviços de informação.

29 – A autoridade é delegável; a autoridade delegada não pode ser subdelegada; a cada


autoridade corresponde uma responsabilidade; não se delega toda a autoridade de quem a
possui.

30 – As três variáveis contidas na liderança situacional ou contingencial são: Líder, grupo e


situação. A lei de Morphy ilustra também o processo existente de dar e receber retornos sobre
a própria pessoa e os outros. A liderança significa a capacidade de influenciar uma pessoa ou
grupo de pessoas. O incentivo motivador mais ligado às necessidades básicas é a
remuneração. De conformidade com Abraham Maslow, as necessidades de mais alto nível são
as de auto-realização.

35 – São temas no âmbito da gestão estratégica de RH contemporâneo: gestão de qualidade


de vida; alinhamento entre a área de RH e os objetivos estratégicos da organização; gestão do
aprendizado organizacional de forma integrada à gestão do conhecimento; gestão de
motivação, não apenas como uma responsabilidade central da área de RH, mas também como
uma responsabilidade de linha.

36 – Os temas que compreendem o comportamento organizacional podem ser alinhados em


três grandes blocos: motivação; liderança e desempenho.

37 – Podemos definir liderança como sendo o processo de influenciar atividades individuais e


grupais em direção ao estabelecimento de metas e sua consecução.

38 – O processo de elaboração do orçamento dos governos representa um momento


absolutamente decisivo para a gestão pública nas condições do mundo contemporâneo. A
elaboração da proposta orçamentária resulta de um conjunto coerente de ações, sob a
responsabilidade do poder executivo. As etapas para a aprovação do orçamento pressupõem a
análise, por parte de uma comissão mista de deputados e senadores, do projeto de lei
orçamentária e das emendas apresentadas pelos parlamentares. A partir daí, a aprovação final
ficará a cargo do plenário do congresso nacional.
39 – O conceito de gestão estratégica, sobretudo em suas aplicações no setor público, prevê a
associação de um momento inicial – o da formulação de uma trajetória estratégica e o da
análise de sua viabilidade – a uma segunda etapa, de natureza tático-operacional
correspondente à implementação do plano. O conceito gerencial propriamente dito, portanto,
localiza-se nesta segunda etapa. Tendo em consideração este pressuposto, os princípios e
práticas da gestão estratégica são: análise situacional, planejamento a partir de problemas,
gerência descentralizada e por resultados, sistema de prestação de contas articulado a um
consistente sistema de avaliação.

40 – Todos os tópicos a seguir seriam compatíveis com uma política de recursos humanos no
setor público sintonizada com as exigências da modernidade sendo: Apresentar emendas à
constituição visando a remoção de constrangimentos legais que afetem o controle sobre a
administração indireta e a gestão dos recursos humanos; Resgatar a descentralização e a
autonomia da administração indireta, consagrada pela reforma de 1967, permitindo a adoção
de regimes jurídicos diferenciados em cada esfera de governo; Relaxar exigências
excessivamente rígidas em relação aos concursos públicos, possibilitando assim, a existência
de formas de seleção direta para funcionários que não façam partes de carreiras exclusivas do
Estado; Flexibilizar o instituto da estabilidade, permitindo sua aplicação diferenciada de acordo
com as características organizacionais e gerenciais, de cada segmento da administração.

41 - Para Simon, que desenvolveu importantes estudos sobre a tomada de decisão, o ato de
decidir é essencialmente uma ação humana e comportamental. Ela envolve a seleção,
consciente ou inconsciente de determinadas ações entre aquelas que são fisicamente
possíveis para o agente e para aquelas pessoas sobre as quais ele exerce influência e
autoridade. O Processo Decisório está vinculado à função de Planejamento, inserido no corpo
maior da Ciência da Administração. Alguns autores da Administração o consideram a essência
da gestão, outros o entendem como uma etapa desta função e ainda pode ser visto como um
caminho que induz as pessoas a produzir decisões. Na evolução do seu estudo, no ambiente
das organizações, duas variáveis estão sempre presentes: a Informação e a Comunicação.
Ambas são extremamente importantes para facilitar a vida do gestor no contexto da tomada de
decisão.

44 - A última metade do século 20 poderá ser vista pelos historiadores do futuro como a Idade
da Informação. A invenção do computador e o desenvolvimento de novas tecnologias de
comunicação fizeram com que fosse possível para os gestores adquirir, manipular e avaliar
mais informações do que jamais se imaginou na história da humanidade. As habilidades da
tecnologia da informática em incorporar de forma soberba o conceito da flexibilidade da
informação fazem com que ela seja uma ferramenta poderosa e útil para os gerentes
contemporâneos. Os aspectos da interação entre as atividades dos gestores e as informações
são considerados como algo essencialmente entrelaçado e indissolúvel. O papel do executivo
na organização é tomar decisões sobre as atividades diárias que levem ao sucesso num futuro
incerto. Essa sempre foi uma tarefa intimamente ligada à informação. Poderíamos dizer que o
slogan do moderno administrador seria: “Se pelo menos tivéssemos mais dados”. Em síntese,
ao melhorar a qualidade da informação, a tecnologia da informática pode melhorar a qualidade
da tomada de decisão na gestão das organizações.

47 - A informação também é um método dinâmico para se ganhar uma vantagem no mercado


globalizado. Um conceito relativamente novo é o IPVC (Informação para Uma Vantagem
Competitiva).A dinâmica da informação e o seu valor para a administração estão no fato de que
conferem vantagens competitivas em relação ao mercado concorrencial. Essa prospecção
dinâmica da informação dentro da empresa leva a uma leitura igualmente dinâmica sobre os
processos de aquisição, administração e segurança a respeito da informação organizacional.
Este esquema pode ser representado respondendo alguns questionamentos: De que
informação preciso? Como obter esta informação? Como administrar esta informação? Como
manter em segurança esta informação?
49 – A arquitetura de informação de uma empresa está estruturada de forma institucional,
intermediária e operacional: informação institucional – voltada à direção da empresa –
possibilita observar as variáveis presentes nos ambientes externo e interno, com a finalidade
de monitorar e avaliar o desempenho, o planejamento e as decisões de alto nível; informação
intermediária – voltada ao corpo gerencial – permite observar as variáveis presentes nos
ambientes externo e interno, monitorar e avaliar seus processos, o planejamento e a tomada de
decisão de característica gerencial; e informação operacional – voltada à chefia de setores e
seções – possibilita executar as suas atividades e tarefas, monitorar o espaço geográfico sob
sua responsabilidade, o planejamento e a tomada de decisão de seu nível.

50 - A diretriz geral é de que a informação fornecida deve ser igual à necessária. Esse tipo de
informação é abastecido por um Sistema de Informações Gerenciais (SIG). O SIG é a
integração de todas as funções, procedimentos, dados e equipamentos da corporação em um
sistema abrangente que produz as informações necessárias para todos os níveis dentro da
organização. Ressalte-se que a informação, também, custa dinheiro e adquirir e manter
elementos desnecessários vai onerar mais os recursos organizacionais. Os gerentes precisam
estar conscientes do seu custo ao designarem suas necessidades: informações de menos ou
de má qualidade não ajudarão na tomada de decisão, enquanto informações demais
certamente gastarão mais recursos e poderão prejudicar dados bons e úteis.

52 - Neste ambiente de informação e gestão é importante trabalhar com a Transação. Uma


transação é qualquer evento que ocorre ou dentro da organização ou entre ela e o ambiente
externo. Sobre as transações podemos afirmar: é preciso haver um grande volume de
transações para justificar a criação de um Banco de Dados; as transações precisam ser
repetitivas – isto é, classificar as operações todas as vezes que forem repetitivas, para criar
padrões de informações; e a maneira pela qual a informação é reunida, processada e
apresentada deve ser bem entendida e divulgada aos tomadores de decisão.

53 - A maioria das decisões de negócios são de natureza rotineira. Elas se distinguem não
apenas porque se repetem com regularidade, mas também porque os parâmetros para as
tomadas de decisão são bem entendidos. Por isso são chamadas de decisões estruturadas. A
informação para as decisões estruturadas se encaixa em um formato pré-determinado que será
usado no processo normal de relatórios. O segundo tipo de decisões tomadas pela
administração é aquele que não é nem repetitivo nem rotineiro. Um exemplo de decisão não
estruturada é o ato de contratar um novo gerente. Em grande parte cada decisão de
recrutamento é singular e informações diferentes são consideradas importantes em cada caso.
O entrevistador ou o departamento de Recursos Humanos solicita a informação necessária
para cada caso, quando informações adicionais são necessárias para a decisão de contratar.
Devido à falta de predeterminação do tipo e da quantidade de informação necessária ao
referido processo, essa decisão requer gerentes flexíveis e que se sintam à vontade para
decidir em um ambiente de incerteza.

55 - Por meio da Comunicação, as organizações e seus membros trocam informações, formam


entendimentos, coordenam atividades, exercem influência e socializam-se, além de gerarem e
manterem sistemas de crenças, símbolos e valores. Em virtude da complexidade do processo
de comunicação organizacional e dos muitos níveis em que esta ocorre, não há uma teoria
sobre ela consensualmente aceita. Uma controvérsia importante refere-se a o que é
comunicado, ou seja, a substância da comunicação. Há, pelo menos, duas posições sobre o
papel da comunicação nas organizações. Uma delas considera a comunicação como um
subprocesso que desempenha um papel importante em outros processos organizacionais. A
outra posição argumenta que a comunicação é o processo que constitui a organização e suas
atividades. Em vez de um elemento subsidiário, a comunicação é considerada o meio pelo qual
esses fenômenos e, em termos mais gerais, as organizações são criados e mantidos.
57 - Outro modo de descrever o papel da comunicação é delinear os papéis que ela
desempenha para as organizações e seus membros. Embora a lista seja potencialmente
infinita, pelo menos sete funções críticas podem ser delimitadas. A comunicação serve como
função de comando e controle no sentido de ser o meio pelo qual orientações são dadas; serve
como meio de ligação no sentido de que a comunicação promove um fluxo de informação entre
diferentes partes da organização; serve como forma de inculturação que se refere à criação e
manutenção da cultura organizacional; serve para realizar a ligação interorganizacional
mantendo laços entre as organizações; serve como forma de apresentação organizacional que
define a organização para públicos importantes como clientes em potencial; serve como meio
ideacional que se refere ao papel da comunicação na geração e utilização de idéias e
conhecimento dentro da empresa; serve como ideológica da comunicação que é o veículo para
o desenvolvimento e difusão de ideologias e sistemas de pensamento que normatizam e
justificam as relações de poder e controle. Muitas prescrições e recomendações foram
oferecidas para melhorar a comunicação organizacional. Talvez a mais comum seja a de que o
sistema de comunicação seja tão aberto quanto possível. Entretanto, a quantidade de
comunicação não reflete, necessariamente, sua melhor qualidade na empresa. Outra
recomendação comum enfatiza a importância da clareza e da redução da incerteza, mas essa
importância também pode de alguma forma ser superestimada por uma advertência final que
freqüentemente é feita, ou seja, a de promover argumentação e discussão racional nas
organizações.

59 – A Teoria Administrativa é uma ciência nova, que surgiu no início do século 20, em
decorrência das acentuadas mudanças verificadas na estrutura social do trabalho causada pela
Revolução Industrial. Como já foi exposto anteriormente, na disciplina Administração:
Introdução e Teorias, a tarefa básica da Administração é planejar, organizar, dirigir e controlar o
uso dos recursos totais de uma empresa a fim de alcançar seus objetivos. Sua primeira
abordagem foi chamada de Escola Clássica ou Racional (1910 a 1950) e nela poucos temas
foram tratados de maneira tão técnica, fragmentada e unilateral como o Processo Decisório. A
Ciência Administrativa nasceu apadrinhada por um conjunto de valores funcionais e
mecanicistas e as organizações foram concebidas apenas como instrumentos técnicos,
destinados ao alcance de um objetivo primordial: a maximização dos lucros e dos resultados.
Neste contexto, não era de se estranhar que os fatores determinantes das escolhas ou os
critérios da avaliação das alternativas tomassem como base apenas a relação custo/benefício.

61 - Um processo de tomada de decisão inicia-se pela identificação das necessidades, do que


é possível fazer, da informação que está disponível e da comunicação que precisa ser
efetuada. Espera- se que estes elementos, ordenados numa estrutura lógica, resultem na
possibilidade de uma melhor decisão.O tomador de decisões, quer esteja motivado pela
necessidade de prever ou controlar, geralmente enfrenta um complexo sistema de
componentes correlacionados, como recursos, resultados ou objetivos desejados, pessoas ou
grupos de pessoas; ele está interessado na análise desse sistema. Presumivelmente, quanto
melhor ele entender essa complexidade, melhor será sua decisão. A decisão é um processo
sistêmico, paradoxal e contextual, não podendo ser analisada separadamente das
circunstâncias que a envolvem. O conhecimento das características, dos paradoxos e dos
desafios da sociedade é essencial à compreensão dos processos decisórios. O estudo do
Processo Decisório tem evoluído desde os anos 1940. Isso se deve, principalmente, ao
crescente conhecimento dos problemas aplicados, ao desenvolvimento de novas técnicas
administrativas, informacionais e à absorção de novos procedimentos quantitativos oriundos da
Matemática e da Pesquisa Operacional. A Teoria das Decisões nasceu de Herbert Simon, que
a utilizou para explicar o comportamento humano nas organizações. A teoria Comportamental
concebe a organização como um sistema de decisões. Neste sistema, cada pessoa participa
racional e conscientemente, tomando decisões individuais a respeito de alternativas racionais
de comportamento. Assim, a organização está permeada de decisões e de ações. A maioria
das decisões nas organizações, envolve os seguintes passos: 1. Formular o problema; 2.
Estruturar o problema a fim de relacionar suas partes na forma de um modelo; 3. Proceder a
uma montagem técnica do modelo; 4. Testar/simular o modelo e as suas possíveis soluções; 5.
Estabelecer controles sobre a situação e a sua delimitação; e 6. Implementar a solução na
organização.
65 - Segundo Chiavenato, a tomada de decisão é tarefa mais característica do administrador.
Porém, os gestores não são os únicos a decidir, pois o trabalho do executivo consiste não
apenas em tomar decisões próprias, mas também em providenciar para que toda a
organização que dirige, ou parte dela, tome-as também de maneira efetiva. Peter Drucker , o
patrono da moderna Administração, denomina as decisões de táticas e estratégicas. As
decisões táticas são mais simples, podendo-se confiar na capacidade intuitiva do decisor de
tomar a decisão acertada. As decisões estratégicas são mais difíceis, pois o problema e a
solução são desconhecidos, fazendo com que a tomada de decisão seja sempre obtida através
de um processo visando a solução do problema. Entende-se por regras básicas, no Processo
Decisório, a determinação da responsabilidade Das pessoas envolvidas, sua participação no
processo e o tempo necessário para chegar à decisão.

67 - Entende-se por clima organizacional a ambiência física ou psicológica que deve favorecer
a liberdade de opinião a respeito dos problemas, assegurando a ausência de ameaças,
rivalidades grupais e perturbações de toda ordem, prejudiciais às organizações.

68 - A Administração Participativa é a melhor espécie de administração e, por conseguinte, sua


tarefa é garantir participação coletiva em todos os aspectos da tomada de decisão. Para a
definição do termo decisor, alguns autores inspiram-se no sentido etimológico da palavra. Por
exemplo: o decisor é aquele, dentre os atores, que está munido de poder institucional para
ratificar uma decisão. Ou ainda, por definição, o tomador de decisão é a pessoa que leva a
culpa se a decisão conduzir para um resultado não desejado ou angustiante. Obviamente,
qualquer gestor, ao tomar decisões, incorpora suas características pessoais. A diferença entre
os decisores reside, porém, no fato de que alguns conseguem fazer uso dos componentes
exclusivos e intransferíveis da personalidade, dos valores e da experiência, ou da força da
opinião, e garantem, portanto, uma decisão que atenda aos seus objetivos.

70 – Modelos decisórios: Modelo Clássico ou Burocrático: os procedimentos lógico-formais do


Processo Decisório são enfatizados, corroborando que quem toma as decisões examina
primeiro os fins e só depois estuda os meios para alcançá-los, subordinando a eficácia da
decisão à escolha da melhor decisão; Modelo Comportamentalista: o comportamento dos
indivíduos na organização é muito acentuado e abrangente; em conseqüência, os gestores
procuram prevê-lo para evitar situações desagradáveis no contexto das decisões. Afinal, a
Teoria Comportamental concebe a organização como um sistema de decisões; Modelo
Normativo: o que deve ser feito é a preocupação central. É o modelo dos grupos técnico-
profissionais; e Modelo Racional: o Processo Decisório tem como intuito maximizar os objetivos
da alta administração e de seus acionistas.

71 - Existe freqüentemente uma relação entre os vários modelos e o contexto – estrutura,


cultura e ambiente organizacional – em que a decisão é tomada. Os principais fatores
contextuais são: 1 – ambiente: apresenta complexidade, é dinâmico e hostil; 2 – organização:
distribuição de poder, tipo de organização (autocracia, burocracia e adocracia) e tipo de cultura
(de poder, de papéis, de pessoas e de tarefas); 3 - Característica do decisor: proativo, intuitivo,
reativo, analítico, autônomo, inovador e disposto a correr riscos; e 4 - tipos de assunto –
complexos, urgentes, simples, abrangentes e dinâmicos. Resumindo, podemos dizer que,
independentemente dos atores e modelos, os processos de tomada de decisão são em grande
parte determinados pelas características e pelo contexto da organização em que ocorrem.
NOTA: Autocracia é o governo de um príncipe com poderes ilimitados e absolutos; burocracia é
a administração da coisa pública por funcionários sujeitos a hierarquia, rotina e regulamentos
inflexíveis e; adocracia ou estrutura por projetos é um sistema temporário variável e adaptativo
organizado em torno de problemas a serem resolvidos.

72 - Existe um consenso crescente de que a tomada de decisão deve levar em consideração a


natureza incerta dos negócios, uma vez que as empresas contemporâneas estão se tornando
mais complexas. No entanto, a abordagem mais simplista para a solução de problemas, o
pensamento linear, supõe que cada problema tem uma solução única, uma solução que afetará
apenas a área do problema e não o restante da organização e que, uma vez implementada,
permanecerá válida e deverá ser avaliada apenas em termos de quão bem resolve o problema.
Nos ambientes de negócios modernos, que sofrem constantes transformações, existem pelo
menos três grandes dificuldades para a abordagem linear de solução de problemas: uma vez
que a solução afeta não apenas a área do problema, mas também o restante da organização,
seus resultados não podem ser previstos; mesmo que os resultados de uma solução sejam
apenas os esperados e desejados, se você focalizar uma única área do problema acabará
ignorando os inter-relacionamentos entre os elementos organizacionais e isso poderá levar a
uma solução simplista que não resolve o problema como um todo; e o pensamento linear
acredita que os problemas, uma vez definidos, e as soluções, uma vez implementadas, são
sempre válidos e ignoram a natureza rápida das mudanças dos ambientes de negócios.

74 - O pensamento sistêmico é uma abordagem mais contemporânea à solução de problemas.


Ele supõe serem estes complexos e relacionados a uma situação, e que as soluções não
apenas os resolvem, mas também terão um impacto no restante da organização. Por
conseqüência, devem ser avaliados em termos de qual a melhor forma de serem resolvidos e
como afetam a organização como um todo. As organizações são compostas de sistemas e
processos inter-relacionados e qualquer mudança em um dos aspectos organizacionais afetará
todos os outros. Portanto, um pensador sistêmico deve considerar o inter-relacionamento entre
os sistemas e os processos de uma organização antes de programar uma solução.

75 - As decisões estratégicas são aquelas que determinam os objetivos da organização como


um todo, seus propósitos e direção, sendo uma função exclusiva da alta administração. Em
relação às decisões táticas (ou administrativas), elas são tomadas em um nível abaixo das
decisões estratégicas. Normalmente são tomadas pela gerência intermediária, como gerentes
de divisão ou de departamentos. Essas decisões envolvem o desenvolvimento de táticas para
realizar as metas estratégicas definidas pela alta gerência. E por último, as decisões
operacionais, que são tomadas no nível mais baixo da estrutura organizacional, no campo da
supervisão ou operacional de uma empresa, e se referem ao curso de operações diárias.

76 - Os estudiosos dos estilos de administração classificam o administrador como: 1 - indivíduo


avesso a problemas que procura preservar o status quo e age para evitar mudanças. Esse
gestor trabalha para manter as condições atuais já que, mesmo não sendo o resultado ideal de
um processo de decisão gerencial, são mais práticas para ele. Quando enfrenta dificuldades,
ele busca minimizar os conflitos ou simplesmente ignora-os; assim, é freqüentemente
conhecido por encobrir as coisas. 2 - indivíduo solucionador de problemas que é o de estilo
mais comum. A maioria dos gestores espera ser confrontada com problemas e solucioná-los no
curso normal de suas atividades. Ele reconhece que mudanças desnecessárias são
infundadas, servem tão somente para gastar recursos organizacionais e para fomentar uma
ilusão de progresso, confundindo a todos. Entende e aceita que a empresa, no mundo
moderno dos negócios, opere sob condições de risco e de incerteza. Isso significa que a
gestão da empresa estará freqüentemente em um ambiente muito agitado e competitivo, com o
imperativo de se adaptar às circunstâncias em transformação. 3 - indivíduo previsor de
problemas como o próprio nome sugere, busca ativamente antecipar os problemas e tenta lidar
com eles antes que se transformem em uma dificuldade maior para a empresa. Esse gestor
está entusiasmado e envolvido com o planejamento futuro e a criação de alternativas. Ele não
apenas reconhece a necessidade de mudanças, mas acredita que a melhor maneira de se lidar
com elas é prevendo-as, e não meramente reagindo às necessidades atuais. Esse tipo de
tomador de decisões faz uso de análise de dados, não simplesmente para compreender o
presente, mas também para prospectar o futuro.

77 - Teoria da Racionalidade Limitada: o ser humano tem capacidade limitada de processar


informação e é limitado pelo seu acesso a elas. Na concepção da organização, a organização
formal e informal constituem o sistema que estrutura os jogos de poder e os processos
decisórios. Na relação administração de empregados há decisões baseadas em diversas
lógicas: a lógica do decisor, da sua posição, do contexto e dos fatores inconscientes. Os
sistemas de incentivos são Mistos: financeiros, posições na estrutura hierárquica e
participativos. Na concepção da Natureza Humana - Ser humano complexo, imprevisível,
aspectos cognitivos e afetivos interligados, um depende do outro nas decisões; para gerar
resultados satisfatórios.

78 - O modelo Racional de Decisão foi a primeira visão teórica acerca do processo decisório. O
ideal racional presume que a decisão é provocada unicamente pela descoberta de um
problema e que o processo decisório se constitui em fluxo de produção e análise de
informações, o que resultará na identificação e na opção de alternativas para o alcance
eficiente dos objetivos organizacionais. O modelo racional cria uma imagem do tomador de
decisões como uma supermáquina calculadora, mas sabemos que os seres humanos reais não
tomam as suas decisões dessa forma. Em vez disso, eles tendem a usar o que Herbert Simon
chama de “racionalidade limitada” e regras empíricas chamadas de heurísticas, e deixam que
as tendências influenciem suas decisões. Heurísticas é a capacidade de um sistema fazer, de
forma imediata, inovações positivas para um determinado fim. A capacidade heurística é uma
característica dos seres humanos, cujo ponto de vista pode ser descrito como a arte de
descobrir e inventar ou resolver problemas mediante a criatividade e o pensamento lateral ou
pensamento divergente.

81 - A operacionalização do termo racional na administração ocorre a partir dos estudos de


racionalidade burocrática de Weber. Para o autor, o raciocínio burocrático determina uma
lógica mecânica na qual a razão é determinada pela técnica. A burocracia promove,
naturalmente, um modo de vida “racionalista”, pois é o meio de transformar uma ação
comunitária em ação societária, racionalmente ordenada. A burocracia tem um caráter
“racional”: regras, meios, fins e objetivos dominam sua posição.

82 – O estudiosos em tomada de decisão descrevem outras etapas para o Processo Decisório


que é composto por dez passos: 1. Definição dos problemas organizacionais 2. Levantamento
dos problemas que envolvem o alcance desses objetivos 3. Investigação da natureza dos
problemas 4. Procura por soluções alternativas 5. Avaliação e seleção da melhor alternativa 6.
Alcance de um consenso organizacional 7. Autorização da solução 8. Implantação da solução
9. Instrução do uso da decisão para os não tomadores de decisão 10. Condução de auditoria
para avaliar a eficácia da decisão. Outros estudiosos porém acreditam que o processo é
composto por apenas seis etapas: 1. Análise e identificação da situação 2. Desenvolvimento de
alternativas 3. Comparação de alternativas 4. Classificação dos riscos de cada alternativa 5.
Avaliação e seleção da melhor alternativa 6. Execução e avaliação.

83 - O modelo decisório racional da economia clássica (racionalidade absoluta): A economia


clássica baseia-se em uma concepção absoluta de racionalidade, no sentido de que pressupõe
por parte do tomador de decisões um conhecimento absoluto de todas as opções disponíveis
de ação. Baseando-se nesse conhecimento e no processamento de todas as informações
disponíveis, o tomador de decisão pode pesar todas as opções de ação possíveis e escolher a
melhor, a opção “ótima”, de acordo com critérios e objetivos por ele determinados. Podemos
associar esse procedimento decisório à definição da “melhor maneira” (one best way), proposta
por Taylor em seu método da Administração Científica. O planejamento estratégico da decisão
antecipa-se à ação, que é assim estruturada de modo consciente e calculada.

84 - Processo Decisório Racional baseia-se em quatro etapas: identificação e definição dos


problemas a partir de uma análise de oportunidades e ameaças próprias a um ambiente de
negócios específico; elaboração de várias soluções para os problemas identificados a partir das
informações existentes; comparação exaustiva das conseqüências de cada alternativa de ação,
seleção das alternativas e decisão final; e implementação da melhor alternativa de ação
possível de acordo com a incerteza típica dos processos decisórios nas organizações. E
pressupõe que quem toma a decisão necessariamente saberá definir e escolher a melhor
solução possível e ignora aspectos como a existência de conflitos e jogos de poder no
processo de tomada de decisão nas organizações.

85 - O modelo da Racionalidade Limitada ou modeo das soluções satisfatórias propõe que não
é possível para um tomador de decisões ter acesso a todas as possibilidades de ação,
medindo todas as opções, devido a impossibilidade física de ter acesso a todas as informações
e processá-las, além do alto custo envolvido nesse processo. O ser humano é entendido nessa
teoria de modo mais modesto e realista: não é considerado o ser onisciente e racional do
modelo clássico. Ao contrário, pressupõe-se aqui, de forma pragmática, que o tomador de
decisões não busca os modelos mais racionais, completos ou perfeitos, ao contrário, aceita
soluções satisfatórias e razoáveis, muitas vezes fixando critérios minimamente aceitáveis de
desempenho e, encontrando uma solução que corresponda a esses critérios mínimos, decide e
a implementa. Nota: Ser onisciente é o ser que sabe tudo.
86 - Simon reafirmou em seu discurso a sua crença na necessidade de adotar uma visão mais
realista do comportamento humano, muitas vezes incerto e imprevisto, influenciado por
conflitos e interesses pessoais específicos dos indivíduos. Em resumo, para o Modelo da
Racionalidade Limitada, o Processo Decisório é feito de acordo com critérios específicos que
limitam o processo de escolha e o número de alternativas possíveis. Uma alternativa é
selecionada entre as diversas propostas de acordo com o critério escolhido. Esta é considerada
satisfatória e aceitável, mas não se trata da melhor escolha possível, uma vez que isto é uma
ficção: não é possível otimizar as decisões, dados os altos custos envolvidos no processo
decisório e a impossibilidade de ter acesso a todas as alternativas possíveis.

87 - Freqüentemente, os tomadores de decisão escolhem a primeira alternativa satisfatória que


lhes é apresentada, mas não precisa necessariamente ser assim. Eles podem aperfeiçoar suas
habilidades analíticas e políticas ao tomar uma decisão, porém mesmo assim terão limitações
nesse processo. Dessa forma, a capacidade humana de processar informações pode ser
aperfeiçoada, mas é limitada, e logo não é possível escolher a solução ideal ou a melhor
alternativa, como propõe o Modelo da Racionalidade Absoluta. Sob o ponto de vista da ciência,
a decisão é um atributo humano porque advém do uso da racionalidade. Assim, passou a ser
considerada como fruto da racionalidade, a ponto de só serem consideradas capazes de
decidir as pessoas dotadas do “uso da razão”. A evidência de que o ser humano é capaz de
fazer escolhas fez com que, na abordagem científica, a decisão fosse considerada como um
processo lógico, e a capacidade decisória um atributo daquele que detivesse a plena
capacidade de usar a sua inteligência e racionalidade.

89 – Para ser interpretado com clareza, o vocábulo racionalidade deve ser acompanhado por
um adjetivo que o caracterize melhor: Racionalidade objetiva – quando o comportamento do
decisor se baseia em fatos e dados mensuráveis ou prescritos que são eficazes no alcance dos
objetivos propostos; Racionalidade subjetiva – quando o decisor se baseia em informações e
conhecimentos reais, filtrados pelos valores e experiências pessoais; Racionalidade consciente
– quando o ajustamento dos meios aos fins visados constitui um processo consciente;
Racionalidade deliberada – quando a adequação dos meios aos fins tenha sido
deliberadamente provocada (por um indivíduo ou uma organização); Racionalidade
organizacional – quando é orientada no sentido dos objetivos da organização e; Racionalidade
de pessoas – quando visa aos objetivos de um indivíduo ou de seu coletivo.

90 - Com a evolução dos estudos sobre o modelo racional, outros tipos foram estabelecidos,
com a finalidade de abranger outras variáveis intervenientes no processo de tomada de
decisão, podendo destacar- se os seguintes: 1 - modelo Comportamental – considera o
processo decisório subordinado a diferentes expressões da razão, associadas aos sentimentos
e emoções, com espaço particular para a intuição; 2 - modelo Incremental – difere do modelo
Racional-compreensivo, visto que altera drasticamente as premissas que norteiam qualquer
decisão. Logo, ele é apenas um incremento para a correção da decisão anterior, segundo os
objetivos pré-definidos. 3 - modelo Político – a tomada de decisão a ser implementada precisa
da cooperação de todos os indivíduos que serão atingidos. Este modelo consiste em
determinar o poder para se produzir efeitos por intermédio das pessoas.

91 - A decisão como um jogo de poder - indica a existência de jogos de poder dentro das
organizações, através de autoridade, status, idéias, informação, hierarquia ou função; a
manifestação de poder nasce quando as pessoas têm metas divergentes; o indivíduo ou o
grupo que detenha o poder de influência na organização à qual pertence manipula a escolha de
forma conveniente às suas intenções; muitas decisões não são tomadas porque vão contra os
interesses dos detentores de maior poder; e a intervenção pode ocorrer pelo controle de
informações-chave, evitando ou postergando discussões, fazendo com que a decisão tomada
seja por falta de outra opção ou por omissão.

92 - Intuição e decisão no processo decisório: a decisão é uma seqüência de análises e


comparações, da qual resulta indicação das possíveis alternativas de ação, produzindo uma ou
mais soluções para o problema; as alternativas são submetidas a critérios e só são levantados
os dados da alternativa que satisfizer o critério estabelecido; não há como separar a
preferência pessoal de cada um em escolher uma entre várias alternativas que parecem
igualmente boas; e o julgamento pessoal é necessário porque na maioria das vezes não
conhecemos a realidade por completo, devido à sua complexidade e ao tempo limitado para
descobri-la.

93 - As decisões tomadas nas organizações freqüentemente afetam todo o seu contexto,


influenciam uma determinada política ou até mesmo uma parcela da sociedade onde elas estão
inseridas. Por isso, ao longo do tempo, o processo decisório vem se apoiando em diversos
fatores para que o tomador de decisão tenha mais segurança diante dos possíveis problemas
surgidos. Assim, as organizações sempre procuraram meios que auxiliassem os seus gestores
na melhor maneira de proceder a tomada de decisão e esta busca aperfeiçoou-se a partir dos
estudos sobre os tipos de decisão e a respectiva estruturação. Temos então dois tipos de
decisões gerenciais: as programadas (estruturadas) e as não programadas (não estruturadas).
As decisões programadas caracterizam os problemas que são bem compreendidos, altamente
estruturados, rotineiros e repetitivos e que se prestam aos procedimentos e regras
sistemáticos. Assim, estas decisões são sempre semelhantes. A retirada de livros de uma
biblioteca ou o processamento de um pedido de pagamento de um fornecedor são exemplos de
decisões programadas, pois são repetitivas e rotineiras. As decisões não programadas
destinam-se àqueles problemas que não são bem compreendidos, carecem de estruturação,
tendem a ser singulares e não se prestam aos procedimentos sistêmicos ou rotineiros. A chave
para entender essas decisões é lembrar que acontecem raramente, ou seja, existem poucos
precedentes para a tomada de decisões. Uma fusão entre empresas é exemplo de um evento
que requer tomada de decisão da administração e acontece tão raramente que não existem
decisões rotineiras ou padronizadas. As decisões não programadas contam apenas com a
habilidade dos gerentes em tomar decisões, já que não existe uma solução rotineira. Eles
procuram princípios e soluções que podem ser aplicados à situação atual, mas devem ter em
mente que as metodologias de solução de problemas passados podem não ser aplicáveis hoje.

96 - Uma das maneiras mais populares para desenvolver habilidades analíticas para tomada de
decisões é o estudo de caso. Um bom estudo de caso* não pretende ensinar uma única
solução, apesar de ser valioso ao mostrar como a solução funcionou em um caso específico. O
maior benefício obtido de um estudo dessa natureza é aprender como a decisão foi tomada e a
solução selecionada. A metodologia de tomada de decisões pode então ser aplicada a outros
problemas no cotidiano dos indivíduos. Uma das tarefas mais desafiadoras diante de quem vai
tomar uma decisão é a análise das alternativas e seus desdobramentos nas empresas. Esta
análise é realizada sob diversas condições, dentre as quais as incertezas dos resultados e o
risco que a empresa está correndo se não acertar a escolha. A incerteza, situação que, muitas
vezes, se configura por não existirem informações suficientes e claras para os tomadores de
decisão, inviabiliza a clareza das alternativas ou os seus riscos, tornando-se a condição mais
difícil para operacionalizar a decisão.

98 - Decidindo com rapidez e diminuindo a incerteza, o decisor terá mais tempo para planejar
ações futuras que possam dar à sua empresa uma vantagem competitiva em relação às
concorrentes. Se a decisão precisa ser rápida e com menos incerteza, a informação precisa
estar disponível no momento certo e de forma segura, para que seja um real instrumento que
facilite a compreensão das situações ocorridas e em andamento, bem como possibilite o
planejamento e o controle de ações futuras.

99 - Uma decisão pode ser tomada nas seguintes condições: 1 - decisão em condições de
certeza: que é feita com pleno conhecimento de todos os estados da natureza do processo
decisório. 2 - Decisão em condições de risco: ocorre quando não são conhecidas as
probabilidades associadas a cada um dos estados da natureza do processo decisório. O
número total de estados da natureza é pouco conhecido. Decisão em condições de incerteza
ou em condições de ignorância – ocorre quando não se obteve informações e dados sobre o
estado da natureza do processo decisório, ou mesmo em relação a parcela desses estados. A
empresa possui dados e informações parciais, obtidos com probabilidade incerta ou é
desconhecida a probabilidade associada aos eventos que estão provocando a decisão e; 3 -
decisão em condições de competição ou em condições de conflito: que ocorre quando
estratégia e estados da natureza do processo decisório são determinados pela ação de
competidores. Existem, obrigatoriamente, dois ou mais gestores externos – outras empresas
concorrentes – envolvidos e o resultado vai depender da escolha de cada um dos decisores
nesse ambiente competitivo.
100 - Risco é a condição na qual os resultados de qualquer decisão ou curso de ação não são
definitivamente conhecidos, mas provavelmente cairão dentro de uma amplitude conhecida. O
risco é descrito em termos de probabilidade, isto é, a probabilidade de um resultado específico
é uma fração entre 0 e 1. Se a probabilidade do resultado específico for 1, ele é completamente
conhecido; se a probabilidade for 0, é completamente desconhecido. Em situações nas quais
não existe nenhuma estimativa confiável de probabilidades, ou os resultados em potencial para
a decisão não estão claros ou não são conhecidos, temos as condições de incerteza. Quando
um gerente não consegue prever o resultado de uma decisão ou se o resultado pode ser
previsto, mas a probabilidade desse resultado realmente ocorrer não pode ser prevista, existe
uma condição de incerteza. A inabilidade de se prever um resultado ou designar uma
probabilidade pode decorrer dos seguintes fatores: variáveis demais na situação; poucas
variáveis na situação, mas falta de conhecimento suficiente sobre elas; ou variáveis demais e
falta de conhecimento sobre elas.

102 - É importante lembrar que o processo de tomada de decisão passou por duas fases
características de evolução. Inicialmente dominava uma visão tradicional, onde as decisões
estavam centralizadas num único decisor. A tomada de decisão não era exercida como uma
ação global. Numa segunda fase, a decisão começou a ser realizada em etapas, envolvendo
diversos aspectos de cunho qualitativo. Atualmente, torna-se cada vez mais uma ação
descentralizada e coletiva, destacando-se, no contexto mundial, a importância de decisões
tomadas em grupo. Como você viu, podemos classificar as decisões individuais em dois
grupos: unilaterais e consultivas. As decisões unilaterais, tomadas pelos gerentes sem
qualquer consulta, normalmente são decisões programadas, que não requerem processos
sistemáticos de soluções de problemas, mas apenas a aplicação de uma política ou
procedimento. Há, ainda, as decisões unilaterais para resolver situações de conflito ou
emergência. Quando há falta de informação ou algum grau de incerteza, recomendam-se as
decisões consultivas, como, por exemplo, a existência de um conflito dentro de uma equipe de
funcionários.

103 - A Ciência da Administração, sempre considerou a existência de um enfoque diferente


entre as gestões nas organizações públicas em relação às organizações privadas. “a primeira
tentativa sistemática de modernização da administração publica brasileira aconteceu na década
de 30, por meio do conhecido esforço do DASP para promover uma reforma administrativa de
abrangência e magnitude significativas. Os fundamentos teóricos e operacionais do modelo
apregoavam o fortalecimento do poder central com estratégias para melhoria dos padrões
vigentes no País e no mundo, naquela ocasião”.

104 - Nas décadas de 50 e de 60, principalmente durante os governos de Juscelino


Kubitscheck e Castelo Branco, pode-se observar um novo enfoque centrado no direcionamento
das estruturas públicas como insumos ao desenvolvimento industrial. Esse modelo, baseado
numa estratégia de fomento, mostrou-se adequado na época e ajudou a formar um parque
industrial diversificado, até mesmo sofisticado, em algumas áreas. Entretanto, o aumento da
complexidade da sociedade e da máquina estatal trouxe como conseqüência a proliferação de
órgãos públicos, o surgimento de grande número de estatais, o aumento da participação e
intervenção do Estado na economia e a dificuldade de estabelecer mecanismos eficientes de
coordenação e controle no setor. Tudo isso, entretanto, foi camuflado pela ilusão de
prosperidade causada pelo milagre econômico brasileiro.

105 - Durante a década de 70, começaram a ficar evidentes alguns sintomas da perda de
coerência desse modelo. A distância entre os tomadores de decisões (o governo) e os seus
eventuais beneficiários (o povo) ficou cada vez maior e os índices de credibilidade e de
aceitação do governo tornaram-se críticos. Mas a reação do governo à crise foi uma
centralização ainda maior do Processo Decisório.

106 - A década de 1980 marcou a explosão de profundas mudanças sociais, políticas,


econômicas e tecnológicas. A nova conjuntura mundial influenciou a alteração daquele modelo
de desenvolvimento e de gestão. Entre surtos de inflação e recessão, a instabilidade e a
necessidade de sobrevivência mostraram uma amarga realidade que havia substituído as
antigas ilusões dos gestores públicos. A sociedade mais informada e mais politizada começou
a expressar e a cobrar de maneira mais clara suas expectativas e necessidades. Mas, ainda
carregando os vícios do Estado burocrata, a administração pública permaneceu a mesma:
lenta, ineficiente, autocentrada, com uma enorme propensão para crescer e uma diminuta
capacidade de apresentar resultados.

106 – DASP: Órgão previsto pela Constituição de 37 e criado em 30 de julho de 38,


diretamente subordinado à Presidência da República, com o objetivo de aprofundar a reforma
administrativa destinada a organizar e a racionalizar o serviço público no país, iniciada anos
antes por Getúlio Vargas. Coerente com os princípios do Estado Novo, o DASP via uma
incompatibilidade entre a “racionalidade” da administração e a “irracionalidade” da política.
Pretendia assim estabelecer uma maior integração entre os diversos setores da administração
pública e promover a seleção e aperfeiçoamento do pessoal administrativo por meio da adoção
do sistema de mérito, o único capaz de diminuir as injunções ou seja as imposições dos
interesses privados e político-partidários na ocupação dos empregos públicos. Entre as
atribuições do DASP estavam previstas também a elaboração da proposta do orçamento
federal e a fiscalização orçamentária. Na prática, porém, as iniciativas relativas à política
orçamentária permaneceram nas mãos do Ministério da Fazenda até 1940. Neste ano, a
situação foi contornada com a criação, no interior daquele ministério, da Comissão de
Orçamento, cuja presidência passava a ser acumulada pelo presidente do DASP. Somente no
princípio de 1945 o DASP assumiu plenamente a responsabilidade pela elaboração da
proposta do orçamento federal, com a conseqüente extinção da comissão do Ministério da
Fazenda. Desde a sua criação até o fim do Estado Novo, o DASP foi presidido por Luís Simões
Lopes. Nesse período, o órgão conheceu um contínuo processo de fortalecimento, chegando a
exercer forte influência sobre as políticas governamentais então implementadas. Entre suas
principais realizações nessa fase figura a sistematização dos direitos e deveres do
funcionalismo, definidos no Estatuto dos Funcionários Públicos Civis da União, primeiro
documento desse tipo no Brasil.

107 - Com a queda de Vargas em outubro de 1945, o DASP passou por um profundo processo
de reestruturação, que resultou no seu parcial esvaziamento. A partir de então, suas funções
assumiram um caráter de assessoria, exceto no tocante à seleção e aperfeiçoamento de
pessoal, área em que se manteve como órgão executor. Os esforços de modernização da
administração pública brasileira foram decorrentes de pressões ambientais, orientações
conjunturais específicas e inovação tecnológica. Apesar da diversidade de modelos e
enfoques, a maioria dos esforços de mudança na área pública teve um cunho marcadamente
estrutural: redução ou ampliação de órgãos, demissão ou aumento de funcionários, diminuição
dos concursos públicos, privatização e foco em determinadas carreiras ditas de “Estado”, entre
outros. A década de 1990 evidencia as conseqüências dessas decisões e torna consensual a
urgência de rever o modelo da administração pública brasileira, que encerra três grandes
desafios: o desenvolvimento auto-sustentado e soberano da nação; a garantia de
governabilidade; e a efetividade dos órgãos públicos.

108 – Ciclo Evolutivo dos modelos de gestão e de mudança na administração pública


brasileira: 1 - DE 1900 A 1960: Ambiente Estável; Orientação Burocrática; Ênfase na estrutura;
Disciplina orientadora era o direito administrativo; Modelo de mudança: reforma e
modernização administrativa. 2 - De 1960 a 1980: Ambiente Reativo; Orientação
comportamental (influência da Escola das Relações Humanas); Ênfase no estilo gerencial e
nos pequenos grupos; Disciplina orientadora: psicologia organizacional; Modelo de mudança:
treinamento gerencial e desenvolvimento organizacional. 3 - De 1980 a 1990 - Ambiente
proativo; Orientação funcionalista e desregulamentadora; Ênfase na estratégia e no processo
decisório; Disciplina orientadora: teoria administrativa; Modelos de mudança: planejamento
estratégico e desburocratização. 4 - De 1990 em diante: Ambiente turbulento; Orientação
sistêmica, multifocal e multidisciplinar; Ênfase no cliente, nos resultados e na cultura
Organizacional; Modelos de mudança: reinvenção ou reengenharia do Estado e gestão da
qualidade total.

109 - O desenvolvimento é, antes de tudo, um estado de equilíbrio entre fatores econômicos,


sociais, ambientais, políticos e estratégicos que propiciam o crescimento material e espiritual
da vida humana, individual ou associada. Um povo desenvolvido é um povo equilibrado que
busca o novo por intermédio da participação popular, da adequação dos objetivos da nação e
de uma gestão pública que enfatize prioridades às reais necessidades da sociedade.

110 - A governabilidade é um conceito importante porque, à medida que a população se torna


mais esclarecida, mais educada e mais bem informada, cresce a demanda por serviços
públicos em quantidade e qualidade. Na sociedade da informação, o povo sabe muito bem o
que quer e do que precisa, passando a exigir com naturalidade que instituições burocráticas e
obsoletas sejam substituídas por organizações ágeis e flexíveis. Essas novas instituições
deverão centrar-se nas necessidades dos usuários, admitindo que, elas próprias, assim como o
contexto no qual se inserem, encontram-se em permanente transformação. Aprender a
conviver com o provisório, com as circunstâncias, torna-se essencial. Nos tempos modernos, a
coerência de gestão está mais próxima da mudança do que da estabilidade.

111 - A legitimidade pressupõe a dupla participação do governo e da sociedade no processo


governamental de decisão. É um processo circular, solidário e compartilhado, onde cada um
tem seu papel definido, e só existe quando há colaboração verdadeira e recíproca entre povo e
governo.

112 - O ambiente de baixa pressão e cultura legalista e burocratizada dificulta a introdução de


mudanças no setor público com a velocidade em que elas deveriam estar correndo. Mas como
o limite de tolerância dos contribuintes está cada vez menor, as instituições públicas terão de
se tornar capazes de modificar o seu próprio funcionamento, identificando desvios, testando
experiências, buscando a excelência e a renovação constante, como forma de garantir a
governabilidade.

113 - Para conseguir a governabilidade e o desenvolvimento, o gestor público precisa cumprir


os compromissos assumidos com a sociedade. Os agentes intermediários entre o povo e o
governo são os órgãos públicos. Eles são os instrumentos da ação governamental e por isso
são também diretamente responsáveis pelo cumprimento das funções de governo. A rede de
órgãos públicos classifica-se em: órgãos da administração direta – responsáveis pela
elaboração de políticas públicas e pela execução das funções essenciais do governo, tais como
saúde, educação, segurança e justiça; e órgãos da administração indireta e empresas estatais
–responsáveis pela execução de políticas supletivas específicas ou conjunturais.

114 - As decisões dos gestores públicos se consubstanciam em políticas públicas, e podem ser
classificadas em sociais e organizacionais: as decisões de cunho social – são aquelas
relacionadas às funções regulatórias, distributivas e emotivo-simbólicas, ou seja, destinadas a
estabelecer limites ou incentivos para regular o comportamento das pessoas na sociedade.
Encerra normas e leis que devem ser seguidas por todos os cidadãos ou por segmentos
específicos, no sentido de harmonizar as relações e promover mudanças substantivas na
coletividade. As decisões de cunho organizacional – são aquelas implementadas pela via dos
órgãos públicos. As organizações públicas são instrumentos essenciais da ação
governamental. Elas não se regulam pelas leis do mercado, mas por leis orgânicas que, por um
lado, as ajudam (garantindo a sua sobrevivência) e, por outro, dificultam a sua evolução
dinâmica, interferindo diretamente no seu processo decisório.

115 - O modelo da administração pública brasileira foi desenvolvido segundo um conjunto de


valores jurídicos (modelo-institucional-legal) e que a lei se contrapõe, muitas vezes, à aplicação
das técnicas modernas de administração. As tecnologias modernas nem sempre são
consideradas na formulação das leis, e as ciências administrativas e comportamentais não
procuram integrar-se à legislação. Dessa forma, o uso de ambas é feito de maneira não efetiva
O problema maior é que leis permanentes e extremamente regradas, no caso brasileiro, não
funcionam em ambientes mutantes.O modelo burocrático no qual se assenta a nossa
administração pública, não tem levado em conta nem o ambiente, nem a cultura, nem a
tecnologia, o que faz com que a sua base teórica de decisão permaneça distante da realidade.

116 - As organizações públicas caracterizam-se, de uma maneira geral, por modesto


desempenho e as razões mais comuns alegadas nos estudos sobre as instituições públicas
são: 1. falta de “espírito empresarial”; 2. finalidades incompatíveis com as demandas; 3.
legislação e estruturas inadequadas; 4. entraves burocráticos ditados pelos órgãos centrais; 5.
recursos insuficientes; 6. carência de suporte político; 7. pessoal em número e qualificação
inadequados; e 8. informações incompletas, não confiáveis e em formatos gerenciais não
operacionais. As organizações públicas são diferentes das empresas privadas e têm problemas
de desempenho justamente porque não são empresas. Elas são intrinsecamente diferentes e
devem ser diferentes, pois suas finalidades são sociais e não lucrativas. As decisões
estratégicas tomadas pelos órgãos públicos têm conseqüências de longo prazo, dificilmente
reversíveis, e baseiam-se em ideologias e valores, sendo o processo decisório nesse nível
pouco suscetível à estruturação ou sistematização. Essas decisões não podem ser
programadas, são únicas, variam de organização para organização e contêm diferenças
fundamentais: nos sistemas de valores e julgamentos administrativos que adotam; nas
pressões políticas que recebem; nas habilidades decisórias de seus dirigentes; nos recursos de
que dispõem; e na competência técnica e motivacional de seus servidores. É exatamente essa
variedade que faz com que as decisões estratégicas do setor público, se tomadas de maneira
isolada, sejam inócuas. É também por isso que o processo de identificação de missão e
objetivos nas organizações públicas é muito mais difícil do que nas empresas privadas, porque
envolve valores sociais e opções de desenvolvimento que afetam a toda sociedade. Os
interesses político-partidários muitas vezes se superpõem aos interesses sociais mais legítimos
e, em nome da política, alteram-se decisões bem formuladas tecnicamente.

119 - Na administração pública, as decisões operacionais ficam na dependência de decisões


superiores (dos poderes Legislativo e Judiciário, do Tribunal de Contas da União ou de outros
órgãos burocráticos), carregando consigo as forças e fraquezas decorrentes dessa
circunstância, que são ainda mais dificultadas pelos seguintes fatores: a avaliação das
conseqüências do processo decisório é muito difícil de ser realizada, porque elas são
abrangentes, volumosas e dispersas; a definição de objetivos é limitada pelo grau de incerteza
e pelas interferências políticas de natureza fisiológica; a maioria das decisões concentra-se em
objetivos de curto prazo, delimitados pelo mandato governamental, orientadas para os meios,
mais do que para os fins, e para os controles, mais do que para os resultados; e o orçamento
público, embora contendo as prioridades do governo, é baseado também em metas de curto
prazo, mas cujas conseqüências são de longo prazo, o que torna complexa a sua
administração.

120 - A adequação finalística dos órgãos públicos: Teoricamente, a administração pública


deveria atender a todas as demandas de seus usuários, mas, em função do seu tamanho e
complexidade, precisa se estruturar em segmentos específicos. A estrutura fragmentada faz
com que cada órgão seja responsabilizado apenas por um pequeno pedaço das necessidades
do cidadão. Essa segmentação organizacional faz com que a missão do governo seja
desfocada pelo controle dos meios (recursos, procedimentos e normas). Uma parte substancial
das organizações públicas trabalha com finalidades muitas vezes obsoletas, aliadas a objetivos
e metas intangíveis. A resistência dos setores públicos em promover uma avaliação sistemática
e objetiva dos seus resultados é um fato. Raramente é questionado se a orientação seguida
pelos decisores é mais conveniente, se os seus resultados estão ajustados às demandas
sociais, se o seu processo decisório está articulado à sua finalidade ou mesmo qual é ou qual
deveria ser o seu papel no ambiente econômico, político, social e institucional. Ressalte-se,
nesta conjuntura, que o planejamento de longo prazo freqüentemente esbarra em decisões
políticas e o esforço torna-se praticamente nulo. Os programas de qualidade total, ao forçar os
administradores a ouvir os usuários, têm se mostrado eficientes transformadores da cultura
imediatista e centralizadora do setor público, assim como cresce, cada vez mais, a consciência
de que é preciso: buscar informações fidedignas para balizar as decisões; ter metas claras
quanto aos resultados que se deseja obter; estabelecer indicadores de prioridades e de
alocação de recursos; e conquistar autonomia para corrigir cursos de ação inadequados com a
necessária rapidez.

123 - A administração central, extremamente poderosa e ineficiente, alimenta a sua sede de


poder através de controles rígidos, muitas vezes desnecessários e quase sempre
desrespeitosos. A democratização, a automação e as tecnologias disponíveis no mundo
moderno exigem simplificação, racionalidade e redução de custos. Isto pode provocar a
necessidade de extinção de órgãos, redução de estruturas e diminuição ou readaptação do
número de funcionários. A máquina pública, ao criar ambientes de baixo risco, passa uma
mensagem perniciosa de que a decisão e a responsabilidade nunca são do funcionário. A
descentralização requer um compromisso sério da alta direção e só funciona se os líderes
estiverem dispostos a trabalhar em equipe, o que implica dar aos funcionários permissão para
decidir e realizar mudanças ao mesmo tempo em que ganham autoridade para exigir maior
desempenho.

124 - Uma gerência participativa procura melhorar o sistema, em vez de culpar sempre os
servidores pelos erros e fracassos, porque sabe que quando os funcionários não controlam os
sistemas pelos quais são responsáveis não podem ser cobrados pelos resultados. Em
contrapartida, exige dos funcionários competência técnica, motivação e compromisso. Para
isso, eles precisam ser recompensados ou punidos, de acordo com a efetiva contribuição.
Infelizmente, nenhuma dessas duas coisas acontece com freqüência. Em muitas organizações
públicas, as recompensas são para os funcionários que acatam os padrões estabelecidos, faça
sentido ou não. Sem permissão para participar, os funcionários competentes acabam se
frustrando, se acomodando ou saindo da área pública.

125 - Sistemas voltados para o cliente responsabilizam-se por eles, evitam interferências,
políticas, estimulam a inovação e o processo decisório coletivo, criando oportunidades de
escolha e de igualdade entre as pessoas. A descentralização das decisões é a única alternativa
para se lidar com a complexidade crescente das organizações contemporâneas. É verdade que
uma organização reflete o desempenho das pessoas que a incorporam. Mas é igualmente
verdade que as pessoas nas organizações públicas não são geridas adequadamente. É muito
comum na gestão pública o preenchimento de cargos por critérios políticos, privilegiando os
cargos do mais alto escalão. Muitas vezes, o problema do gestor público não é a falta de
recursos, mas o mau uso que faz deles.

126 - É importante destacar o notável o grau de modernização por que estão passando as
empresas brasileiras nos últimos 20 anos, enquanto a administração pública, em muitos
setores, permanece praticamente a mesma. A continuidade da liderança e da gestão é crítica e
fundamental no processo de transformação das organizações públicas, porque ela é
inseminadora dos valores que sustentam a identidade e a patrocinadora das estratégias que
direcionam o desenvolvimento. A liderança eficaz absorve os impactos socioeconômicos e
políticos, regula as estruturas e inspira as pessoas para a melhoria dos processos decisórios.
No Brasil, a cada governo que começa, mudam os dirigentes, os estilos de liderança, as
estratégias e as decisões. Muitas vezes, a intenção manifesta do novo dirigente é não deixar
“pedra sobre pedra”, demolindo, sem análise crítica, tudo o que foi feito pelo antecessor. A falta
de continuidade das políticas públicas conduz o governo a uma gestão mais lenta, em que os
avanços se anulam pelos retrocessos.

127 - Resgatar a dignidade e a importância da gestão pública é um constante desafio do


administrador público. Mais do que o reordenamento das missões e a modernização das
estruturas, é no comportamento do servidor que reside a solução para a mudança positiva na
administração pública brasileira. Uma competente gestão pública de recursos humanos que
adote critérios adequados de alocação e remuneração, que valorize o servidor competente e
acabe com a ociosidade, os privilégios e a impunidade, é necessária para criar novos padrões
de liderança, rever os valores vigentes e confrontá-los com a ética dos novos paradigmas.

128 - A Tecnologia pode ser entendida como um conjunto de conhecimentos de natureza


diversa, aplicados à produção de bens e serviços. Este conjunto envolve tanto aspectos
materiais representados pela “maquinaria”, quanto as habilidades para produzi-la e acioná-la,
bem como as atividades administrativas decorrentes. A administração e a tecnologia têm sido,
de fato, fatores determinantes para o atendimento das necessidades sociais. As empresas por
sua vez necessitam promover inovações tecnológicas e administrativas para melhorar a
qualidade de seus produtos e serviços e manterem-se competitivas em seus segmentos de
mercado. Destaca-se então a importância do Processo Decisório nas empresas para
implementar os processos administrativos e a inovação tecnológica.
129 - O processo decisório no setor privado torna-se a cada dia mais complexo, pois as
decisões precisam ser tomadas rapidamente, mas sem expor a organização a riscos
financeiros e perdas de mercado, de qualidade ou de imagem frente a seus clientes. Os
decisores decidem através de interações diversas, quase sempre envoltas em grandes
incertezas, em ambientes turbulentos, sob grande pressão e sem tempo para levantar
informações, pois a maioria das decisões demanda soluções quase imediatas.

130 - Os novos modelos de gestão nas empresas vêm diminuindo os degraus hierárquicos,
fazendo com que mais pessoas passem a participar das decisões empresariais. As diferenças
fundamentais, em comparação com o modelo convencional de decisão, são: integração dos
sistemas de informação operacional, tático e estratégico, retratando assim o dinamismo das
empresas e dos sistemas de informação; a base de dados que contém as funções empresariais
é única; há uma relação de sinergia e coerência em todos os níveis e em todos os sentidos; e
as informações geradas são oportunas. Nesse caso, a arquitetura de informação de uma
empresa compreende a seguinte estrutura: a informação de nível institucional possibilita
observar as variáveis presentes nos ambientes externo e interno, com a finalidade de monitorar
e avaliar o desempenho, o planejamento e as decisões de alto nível estratégico; a informação
de nível intermediário permite observar variáveis presentes nos ambientes externo e interno,
monitorar e avaliar seus processos, o planejamento e a tomada de decisão de nível gerencial; e
a informação de nível operacional possibilita executar as suas atividades e tarefas e monitorar
o espaço geográfico sob sua responsabilidade, o planejamento e a tomada de decisão em seu
nível operacional.

132 - Na literatura organizacional sobre liderança existem definições ilimitadas, incontáveis


artigos e polêmicas, mas a maioria dos pesquisadores concorda com alguns traços comuns,
como sendo importantes para os líderes: consciência, energia, inteligência, domínio,
autocontrole, sociabilidade, abertura a experiências, conhecimento da relevância de tarefas e
estabilidade emocional. Peter Drucker ressalta que: em crise não há liderança partilhada.
Quando o barco está afundando o capitão não pode convocar uma reunião para ouvir as
pessoas; tem de dar ordens, agir imediatamente. Esse é o segredo da liderança partilhada:
saber em que situações deve agir como chefe e em que situações agir como parceiro. A tarefa
do líder é desenvolver líderes, pois toda empresa necessita deles, ainda que muitas
negligenciem o seu desenvolvimento. Senge acrescenta que liderança: é a tensão criada pelo
fosso entre a situação presente e o sonho. Como toda tensão procura resolução, ela é fonte de
energia que leva à criação de algo que não existe. E é isso que fazem os líderes. Para Kotter, a
atividade principal de um líder é produzir a mudança. A sua ação deve se pautar sobre três
dimensões fundamentais: estabelecer a direção estratégica da empresa; comunicar essas
metas aos recursos humanos; e motivá-los para que sejam cumpridas.

133 - Bennis reforça que um bom gestor faz as coisas bem, enquanto um bom líder faz as
coisas certas. Ele identifica quatro competências comuns nos líderes: visão; capacidade de
comunicação; respeitabilidade; e desejo de aprendizagem. Além disso, afirma que os líderes
são pessoas com capacidade para se expressar plenamente. “Eles também sabem o que
querem, por que querem e como comunicar isso aos demais, a fim de obter a cooperação e o
apoio deles”. Considera a liderança um requisito básico para que haja eficácia em qualquer
organização ou empresa, seja qual for o tempo em que se viva. As diversas visões
apresentadas sobre liderança confirmam que a ação de liderar demanda a realização de
objetivos com por meio de pessoas. Os objetivos somente serão efetivados se as ações forem
assimiladas e correspondidas pelos membros da equipe; portanto, requerem a cooperação e
mobilização das pessoas. Segundo Bennis, as principais características que os líderes
possuem são: visão sistêmica – corresponde a ter muito claro o que se quer e aonde chegar,
tanto no nível profissional como no pessoal; paixão – todo líder ama o que faz, coloca em seus
empreendimentos uma dedicação baseada na paixão pelo que está fazendo; integridade – é a
essência para haver a confiança e a habilidade fundamental para que ocorra o engajamento e
o comprometimento dos colaboradores; curiosidade – o líder que procura o melhoramento
contínuo, o aprimoramento, estará sempre disposto a correr riscos, experimentar e tentar
coisas novas; audácia – todo líder precisa ser audacioso na gestão da organização e em
muitas ocasiões é através da audácia que se consegue o sucesso; disposição à aprendizagem:
a paixão pela busca de novos conhecimentos para o aperfeiçoamento individual e coletivo;
autoconhecimento: forte senso de individualidade; tranqüilidade diante das próprias virtudes e
fraquezas; base de valores: crença firme em valores humanistas; grande integridade pessoal;
visão: Capacidade de enxergar, além do que “é”, o que “poderia ser”; forte senso de
determinação; transmissão da visão: o compromisso de unir a organização em torno de uma
visão do futuro que seja comum a todos; transmissão de valores: o compromisso de
estabelecer uma base de valores humanistas na organização; capacitação: fé nas pessoas e
em sua capacidade; o compromisso de extrair dos outros o que eles têm de melhor; e
sensibilidade organizacional: compreensão do comportamento humano e de como influenciar
as pessoas; diplomacia.

136 - A visão da legitimidade da liderança, baseada na aceitação do líder pelo grupo, implica
dizer que grande parte do poder do líder encontra- se no próprio grupo. Essa premissa
fundamenta a maioria das teorias contemporâneas sobre a liderança . O poder das pessoas
talvez seja a força mais poderosa, já que penetra em todas as facetas de todos os tipos de
negócios, tocando em cada estágio das operações e cada estratégia, meta ou visão”. Dessa
forma convém ressaltar a importância da integração dos processos e da filosofia empresarial,
pois a forma como as pessoas trabalham, pensam e sentem é que determina a direção e o
alcance dos resultados esperados de uma organização.

137 - De acordo com Stair (1998) o Sistema de Informação pode ser compreendido como uma
série de elementos ou componentes interrelacionados que coletam, manipulam e armazenam e
disseminam os dados e as informações e fornecem mecanismo de retroalimentação. Assim,
pode-se, conceitualmente, pensar nesses sistemas sem necessariamente ter um suporte
computacional. Nas organizações os Sistemas de Informação mais relevantes, devido à
quantidade de informação e necessidade de coleta, processamento e disseminação
otimizados, são baseados em computador, ou seja, utilizam a Tecnologia da Informação (a
chamada TI) como suporte. De acordo com Stair (1998), os Sistemas de Informação
computacionais utilizados nas organizações podem ser classificados em basicamente 5 tipos:
Sistema de Processamento de Transações (SPT) ou Sistema Transacional (ST), Sistema de
Informação Gerencial (SIG), Sistema de Informação Executiva (SIE), Sistema Especialistas
(SE) e Sistema de Apoio à Decisão (SAD).

138 - Sistema de Processamento de Transações (SPT) ou Sistema Transacional (ST): tem por
objetivo principal aumentar a eficiência do trabalho, reduzindo os custos e o tempo de
execução de uma transação, além de garantir controles mais precisos e mais confiáveis no seu
resultado final. Sistema de Informação Gerencial (SIG): é o que permite suprir os gerentes e os
tomadores de decisões com informações precisas e automáticas sobre as transações da
organização. A principal fonte de dados desse sistema é o sistema de processamento de
transações. A saída do sistema de informações gerenciais é na maioria das vezes um conjunto
de relatórios consolidados de um determinado período. A tendência das organizações é
disponibilizar cada vez mais suas informações via internet, permitindo com isto maior agilidade
e eficiência para a realização de negócios e desta forma tornarem-se mais competitiva.
Sistema de Informação Executiva (SIE): o SIE é um tipo de Sistema de Apoio à Decisão
especializado que tem como objetivo auxiliar os executivos de alto nível na tomada de decisão.
Normalmente, contém uma ampla base de dados estratégicos oriundos de informações
provenientes dos ambientes: Inteligência Competitiva e Prospecção de Cenários.
Tradicionalmente, o SIE era utilizado por altos executivos, mas atualmente é utilizado por
funcionários de diversos níveis. Sistema Especialista (SE): o SE tem aplicações baseadas em
conhecimento de um ou mais especialistas com o objetivo de auxiliar a solucionar os
problemas e realizar tarefas como, por exemplo, simular uma tomada de decisão. Sistema
Especialista (SE): o SE tem aplicações baseadas em conhecimento de um ou mais
especialistas com o objetivo de auxiliar a solucionar os problemas e realizar tarefas como, por
exemplo, simular uma tomada de decisão. Segundo Keller o SE é um sistema informatizado
que utiliza amplamente o conhecimento baseado na experiência em um assunto para
solucionar tópicos de maneira inteligente, da mesma forma que um especialista humano.
Muitas vezes esse sistema utiliza a tecnologia da Inteligência Artificial; Sistema de Apoio à
Decisão (SAD): o SAD fornece aos executivos diversas ferramentas de modelagem e análise
sobre informações obtidas de diversas fontes de dados na empresa, com o objetivo de
capacitar os usuários a solucionar problemas de forma integral. Assim, de forma geral, os SPTs
e SIGs fornecem relatórios impressos aos gestores, os SADs e SIEs permitem aos tomadores
de decisões pesquisar informações e dados em busca de melhores alternativas e
conseqüentemente tomar decisões mais acertadas, e os SE dão suporte à tomada de decisão
e aos processos empresariais de valor adicionado em uma organização.

139 - Um importante conceito atualmente é o de Inteligência Competitiva (IC) e muitos sistemas


de informação baseados neste conceito têm surgido. O BI (Business Inteligence), de forma
geral, pode ser entendido com a utilização de variadas fontes de informação para se definir
estratégias de competitividade nos negócios da empresa. O objetivo maior do conceito ou da
técnica de BI está na definição de regras e técnicas para formatação adequada do grande
volume de dados organizacionais, visando transformá-los em depósitos estruturados de
informações, independentemente de sua origem. Um tipo de sistema que tem adquirido grande
importância nos últimos anos é o Sistema de Gestão do Conhecimento, que tem uma
arquitetura próxima à do BI, porém o escopo dos dados por ele integrados é voltado para
informações referentes ao aprendizado organizacional. É importante ressaltar, contudo, que
nem sempre os sistemas computacionais de informação podem ser enquadrados com exatidão
em uma dessas definições. Muitas vezes eles mesclam características distintas dos outros
principais tipos.

141 - Tecnologia da Informação – é todo e qualquer dispositivo que tenha capacidade para
tratar dados e ou informações, tanto de forma sistêmica como esporádica, quer estejam
aplicados no produto, quer estejam aplicados no processo. Fazem parte da TI os
microcomputadores, servidores, scanners, softwares, planilhas eletrônicas, banco de dados,
entre outros.

142 - Nos anos 1950, a informação era considerada como um mal necessário associado com a
burocracia. As preocupações eram reduzir o custo e tempo de processamento dos papéis de
rotina, especialmente na área de contabilidade. A partir da década de 60, a informação
começou a ser vista de modo diferente, reconhecendo-se que ela poderia fornecer suporte
geral à organização, auxiliando no seu gerenciamento. Nos anos 70 e início da década de 80,
passou a ser aceita como capacitor de controle gerencial, auxiliando na tomada de decisão de
gerentes e executivos em vários tipos de problemas. A partir da metade da década de 80, o
conceito de informação começou a mudar novamente, em função das mudanças na economia
e da evolução das tecnologias da informação – hardware, software*, banco de dados e
telecomunicações – que possibilitaram novas formas de produção e atendimento às
necessidades de mercado.

143 - A principal razão para qualquer tecnologia existir deveria prender-se a sua utilidade, ou
seja, ela só é boa se for útil, se tiver utilidade para as pessoas. Esse caráter utilitário aparece à
medida que as pessoas aceitam a tecnologia e passam a usá-la. Qualquer tecnologia da
informação deve dar ao usuário o controle efetivo da informação, além de simplificar a
operacionalidade de sua atividade. A TI afeta a estratégia das empresas de diversas formas: a
produção física e intelectual de qualquer produto; a coordenação da organização, pois encurta
distâncias e diminui o tempo; e aumenta a memória da organização através de tecnologias
como banco de dados.

145 - Técnicas utilizadas na tomada de decisão: Resumidamente, podemos citar as seguintes:


análise de cenários ou prospecção de cenário, análise por multicritério, diagrama de espinha de
peixe e técnica nominal de grupo. Análise de cenários ou prospecção de cenário - Técnica
moderna de gestão, utilizada pelas organizações para vislumbrar seu futuro (1, 2 ou mais de 3
anos à frente) e, através dessa imaginação, desdobrar este futuro em três cenários: utópico,
realista e de crise. Para isso, são utilizadas as seguintes técnicas: Brainstorm (Tempestade de
idéias); Técnica (Delphi) de previsão qualitativa que usa o brainstorming com grupos de
especialistas para chegar a um consenso e obter intuições sobre o futuro; Análise por
multicritério Técnica de previsão qualitativa na qual um júri de experts avalia várias alternativas,
atribuindo valores numéricos a critérios escolhidos pelo consenso. Diagrama de espinha de
peixe É a técnica que permite visualizar melhor o universo em que o problema está inserido.
Isto é feito por meio da construção de um diagrama no qual as causas vão sendo cada vez
mais discriminadas até chegar a sua origem.
146 - Nos últimos anos, os ambientes de negócio das organizações contemporâneas têm
passado por significativas modificações, além de se tornarem cada vez mais complexos e
turbulentos. Os administradores despendem uma grande parte de seus esforços de trabalho no
acompanhamento de uma multiplicidade de aspectos relativos ao ambiente de negócios de
suas organizações. Dentre tais aspectos, destacam-se as mudanças no comportamento e
preferências de seus consumidores, as constantes inovações tecnológicas, alterações na
regulamentação de serviços essenciais, tendências do mercado internacional e movimentos da
concorrência.

147 - Nas organizações, o uso da informação com valor estratégico vem sendo cada vez mais
comum. Para garantir um adequado fluxo de informação, é necessária a construção de
sistemas de informações que reforçam o acesso ao conhecimento para a tomada de decisões
nesses espaços, uma vez que a informação está ligada ao conhecimento dos ambientes
interno e externo das empresas. Com efeito, as pesquisas sobre decisão na última década têm
mostrado que os caminhos para o conhecimento são múltiplos, mas seguem uma trilha básica
semelhante: partem do concreto, do sensível e do analógico na direção do conceitual, do
abstrato. Quanto mais se superpõem os caminhos para o conhecimento, mais facilmente se
consegue atingir a todas as pessoas e relacionar melhor todas as possibilidades de
compreensão. Qualquer empresário preocupado com o desenvolvimento de seu negócio deve
investir em informação. Ela é fundamental em todas as etapas do processo decisório.

149 – Planejamento Estratégico: Muito se tem discutido atualmente sobre a necessidade das
empresas ou organizações adotarem um planejamento estratégico. Alguns especialistas do
tema criticam a realização deste planejamento, argumentando que normalmente são lentos,
complexos e de difícil execução. Justificam que hoje, com a globalização “instantânea”, os
processos têm que ser ágeis, flexíveis e com rápidas mudanças, quase online. Em resumo,
defendem que o planejamento tem que ser praticamente diário. “Quando você conhece o seu
concorrente e a sua empresa, terá grande sucesso. Quando você se conhece mas não
conhece o concorrente e o ambiente, poderá ter algum sucesso. Quando você não conhece
nem o ambiente externo nem a sua empresa estará condenado ao fracasso.” O entendimento
sobre planejamento pode ser traduzido como um processo ou método que inclui, de modo
geral, um estudo da situação - ou análise da situação, a definição da missão da empresa e a
decisão sobre ações a serem realizadas para atingir a missão e as metas da melhor forma
possível, otimizando os resultados.

150 - São várias as características que difere o planejamento estratégico dos demais tipos.
Mas, pelo menos três são consideradas como fundamentais e são apontadas como consenso
entre especialistas do tema: visualiza objetivos a longo prazo, normalmente mais de cinco
anos; - envolve a empresa como um todo; é realizado e decidido pela alta cúpula da empresa.
Além destas características, outra consideração importante é que um planejamento estratégico
pode e deve ser aplicado em empresas de qualquer dimensão sejam elas públicas ou privadas.
Etapas de um planejamento estratégico: Os especialistas no tema apresentam várias versões
para definir uma metodologia ou as etapas do processo: - onde estou atualmente (qual a minha
situação); - para onde pretendo ir (onde quero chegar); - como vou fazer (decisão das ações).

152 - O plano estratégico: Tão logo o planejamento estratégico esteja concluído, há a


necessidade de formalizar as decisões estratégicas, o que é feito através de um plano
estratégico, que normalmente é um documento que estabelece o “como” fazer para atingir os
objetivos da empresa. Aqui aparece uma das maiores críticas ao processo em estudo.
Tradicionalmente, e infelizmente em alguns casos ainda nos dias atuais, as empresas
apresentam planos de difícil compreensão, extensos, com vários volumes, de caráter sigiloso e,
em conseqüência, pouco divulgados ou guardados em um cofre, sendo do conhecimento só
da alta cúpula. Considerando que um dos princípios do planejamento é ser um processo
contínuo e não estático, não basta realizar um excelente plano e considerar que o trabalho será
perfeito se este documento for executado exatamente como o previsto. Hoje, principalmente
com as mudanças cada vez mais rápidas no ambiente externo, há necessidade de constantes
modificações no planejamento e no plano estratégico. Uma ferramenta muito útil para reduzir
este problema é, ainda nesta fase inicial do processo, levantar o maior número de cenários
possíveis e preparar ações alternativas para cada uma destas situações. Estas ações podem
ser reguladas no denominado plano de contingência ou plano B.
154 - O que é gestão estratégica? “Gerenciar não é apenas pensamento passivo e adaptativo;
é tomar providências para que ocorram os resultados desejados.” - o pensamento passivo a
que se refere o autor diz respeito à fase inicial do planejamento; - a atitude de tomar
providências significa colocar em prática o plano estratégico, acompanhando e decidindo as
mudanças de rumo necessárias. E é exatamente nesta última frase - “colocar em prática o
plano estratégico”, que, para a maioria dos autores, se identifica a chamada gestão estratégica.
Além de implementar o plano, a gestão estratégica deve acompanhar a evolução de seus
resultados. A cada mudança no ambiente, novo diagnóstico pode ser necessário e, em
conseqüência, novas decisões devem ser tomadas. Um planejamento estratégico pode ser
excelente, muito bem elaborado, com um diagnóstico completo e detalhado, mas se não
houver o entendimento da necessidade de acompanhar as mutações em alta velocidade que
ocorrem no mundo atual, o plano certamente estará condenado ao fracasso. Verifica-se que,
cada vez mais, o processo de tomada das decisões é quase que instantâneo e constante.
Sobre esta realidade, há alguma razão aos críticos do processo lento com que alguns
administradores conduzem um planejamento estratégico.

156 - A interligação entre o planejamento estratégico e a gestão estratégica.


Só pode haver uma gestão estratégica eficiente e eficaz se houver um adequado planejamento
estratégico. Para a maioria dos especialistas, a gestão estratégica é a continuidade do
planejamento estratégico ou, em outras palavras, faz parte do tradicional ciclo PDCA3, com
adaptações, onde o planejamento se encerra na fase P e a gestão prossegue nas fases
subseqüentes - D, C e A. O ciclo PDCA foi desenvolvido por Walter A. Shewart na década de
20, sendo posteriormente difundido por Deming. É uma ferramenta que auxilia o controle do
processo, podendo ser usado de forma contínua para o gerenciamento das atividades de uma
organização. O ciclo compõe-se de quatro fases: Planejar, Executar, Verificar e Atuar
corretivamente. Embora antigo, ainda é bastante atual e extremamente útil, desde que
adaptado a nova realidade.

158 - Planejamento estratégico ou gestão estratégica? Para evitar esta dissociação, é


fundamental que o processo de planejamento e o plano estratégico sejam desenvolvidos "pela"
empresa e não "para" a empresa. Mesmo que conte com o apoio de uma consultoria, a direção
que detém o poder decisório da empresa deve participar ativamente de todas as fases do
processo. A ruptura entre a teoria (planejamento) e a prática (implementação, ação) é uma das
principais falhas criticadas pelos que defendem o fim do planejamento estratégico. Verifica-se,
porém, que estes autores não defendem simplesmente o fim do planejamento. São, na
verdade, partidários de que o mesmo deve ser um processo contínuo, que permita, após um
planejamento inicial, a sua aplicação na prática, por meio de um sistema organizacional
eficiente, eficaz e flexível, capaz de atender às rápidas e constantes mudanças no mundo
contemporâneo.

159 - Organização do trabalho em equipe: A mudança no contexto socioeconômico agregada


aos processos de reestruturação produtiva e a mudança nas relações de trabalho, evidenciam
à sociedade um conjunto de parâmetros que estão modificando o conceito tradicional de
emprego, redefinindo formas de organização do trabalho, assim como o perfil profissional do
trabalhador. A necessidade de soluções eficazes, inovação, produtos cada vez mais
customizados e inteligentes, exigirá das organizações cada vez mais criatividade, e integração
de conhecimentos multidisciplinares.

160 - A dinâmica do contexto socioeconômico global leva a grandes transformações em uma


das principais atividades humanas: o trabalho. Atualmente muitas alternativas surgem na forma
de organização do trabalho, se comparado ao Movimento Clássico da Administração. Neste
Movimento o trabalho exigia apenas capacitações físicas, específicas e funcionais.

161 - Na Administração Científica liderada por Taylor, o controle do trabalho passou a ser
normatizado através da “única maneira certa de produzir”. Incorporando as prerrogativas de
Taylor, Ford criou a linha de montagem e o controle do trabalho passou de normativo para
mecanizado. Neste contexto, o controle passou a ter mais importância do que a autonomia
individual, característica indispensável para a criatividade das pessoas e para os tempos de
inovação.

162 - A partir dos anos 30 surgiu uma nova abordagem gerencial, diferenciando-se do
paradigma taylorista/fordista que até então foi o pensamento administrativo predominante no
meio acadêmico empresarial. A Escola de Relações Humanas preocupou-se exclusivamente
com o comportamento e a satisfação do ser humano nas organizações, aspectos não
equacionados no Movimento Clássico da Administração (MARX, 1997). Foi neste período que
as ações gerenciais passaram a incorporar o grupo de trabalho como um aspecto influente nas
decisões da empresa.

163 - Na década de 50, os pesquisadores do Tavistock Institute of London ofereceram uma


alternativa aos modelos até então enfatizados. Esta nova corrente pode ser chamada de
Escola Sociotécnica, a qual propôs a formação de grupos semi-autônomos na organização do
processo produtivo, ampliando o escopo de atividades no trabalho, incluindo prerrogativas, não
consideradas nos movimentos anteriores. “A proposta sociotécnica implica na busca de uma
solução ótima numa visão de sistema integrado, em que as demandas e as capacitações do
sistema social sejam adequadas às demandas e requisitos de sistema técnico, tendo em vista
a consecução das metas da produção e os objetivos da organização e das pessoas”.

164 - Após a Segunda Guerra Mundial o Japão passou por um esforço de reconstrução
industrial. Neste período Taiichi Ohno na Toyota propõe uma nova abordagem gerencial,
diminuindo o tamanho dos lotes produzidos anteriormente. A redução dos custos tornou-se
uma preocupação constante do enfoque ohnoísta, que desta forma utilizou o trabalho
cooperativo e em grupos como uma alternativa fundamental para a redução dos desperdícios.
O modelo japonês enfatizou efetivamente a resolução direta de problemas, e desenvolveu
princípios horizontais para a solução dos mesmos.

165 - Somente a partir da década de 70 é que foram introduzidas outras mudanças


significativas no âmbito do trabalho. Três paradigmas surgiram no que se refere à introdução
do trabalho em grupo: na Suécia (Volvo), no Japão (Toyota) e nos Estados Unidos (NUMMI).
Entre as características destas novas abordagens, incluem-se aspectos de enriquecimento de
cargos, autonomia de decisões sobre o ritmo, melhores condições ambientais e a participação
das equipes de trabalho em todo o processo de produção. Foi com o surgimento destes novos
desenhos das tarefas e dos processos que a valorização do trabalho em equipes e uma maior
autonomia dos trabalhadores no ambiente de trabalho mostraram-se crescentes no atual
contexto das organizações.

166 - No Brasil com os mercados fechados até meados de 1990 incentivou-se a utilização de
formas tradicionais de organização do trabalho, muitas ainda centradas nos modelos clássicos.
FLEURY aponta que as organizações estão alterando as políticas de gestão, buscando maior
capacitação da mão-de-obra, viabilizando a aplicabilidade de novas técnicas inclusive a busca
do funcionário polivalente.

167 - Alguns benefícios gerados na formação das equipes de: melhoria do envolvimento e
performance, moral positiva, senso de dono do próprio negócio, comprometimento com o
produto e com as pessoas da equipe. Uma equipe de trabalho é, atualmente, a principal peça
na reestruturação das organizações. Algumas razões que justificam esta mudança são; A
complexidade organizacional torna impossível a seleção de todas as informações para se
tomar uma boa decisão; Os esforços de melhorias muitas vezes focam os processos e as
equipes podem prover melhorias no fluxo de informações e melhorias de processos; a
formação das equipes implicam em maior motivação e produtividade. As pressões
competitivas, a flexibilidade, a velocidade, a qualidade e a eficiência, fazem com que as
organizações acelerem e ampliem a implementação das equipes.

168 – Marketing Institucional - Ao falarmos em Marketing Institucional logo nos lembramos de


casos de empresas buscando “polir” a imagem junto ao consumidor de produtos ou serviços
que elas comercializam. No entanto, o Marketing Institucional não se resume apenas à imagem
nem, muito menos, à empresa, exclusivamente. Ele envolve o desenvolvimento de um produto
especial, a idéia, da qual a imagem é apenas o seu resultado. Também, o Marketing
Institucional abrange não apenas as empresas mas um universo bastante variado de
organizações: museus, clubes recreativos, galerias de arte, associações de classe, partidos
políticos, igrejas e outras. Se não bastasse falar apenas sobre as empresas e organizações, o
próprio conceito de marketing também necessita de uma ação de Marketing Institucional para
eliminar certos estigmas criados pelas pessoas, receptoras de mensagens. As ações de
Marketing Institucional não são destinadas apenas ao público externo das organizações. Muitas
vezes, são direcionadas ao público interno: funcionários e seus familiares, fornecedores, sócios
e acionistas, o que chamamos de Endomarketing.

169 – Tipos de organização: Há uma distinção básica entre as instituições econômicas que
denominamos empresas e as demais instituições sociais. As primeiras buscam o lucro,
resultado financeiro a ser distribuído aos sócios ou acionistas da organização, enquanto as
demais intentam apenas atender determinado objetivo da sociedade, ou de segmentos dela,
pressuposto com o qual a instituição se torna entidade juridicamente constituída. São dois tipos
diferentes e opostos de organização: as Organizações Com Fins Lucrativos e as Organizações
Sem Fins Lucrativos.

170 - Marketing Empresarial é o conjunto de ações de Marketing praticadas no Mercado


Material, no qual a atividade econômica predomina, através das trocas de bens por moeda. Na
base das transações aí realizadas está a manutenção, sobrevivência e crescimento dos
negócios. Marketing Institucional aplica-se, por outro lado, ao conjunto de trocas características
do Mercado Simbólico. A essência do Marketing Institucional é, igualmente, a manutenção,
sobrevivência e crescimento das instituições que o praticam, ainda que sem fins lucrativos.

171 – Gestão por competências - As competências combinam conhecimento e habilidades;


representam tanto a base dos conhecimentos tácitos quanto o conjunto de habilidades,
necessários para a realização de ações produtivas. As competências diferenciam a empresa
das demais e geram vantagem competitiva. Para que um recurso ou uma competência torne-se
uma fonte de vantagem competitiva sustentável, é preciso que sejam valiosos, raros e
impliquem dificuldade ou alto custo para serem copiados. Além disso, não devem existir, para a
competência, substitutos diretos ou fáceis de obter.

172 - Segundo SPENCER, existem 5 tipos de características competenciais: Motivacionais: que


determinam o comportamento que as pessoas têm frente a um determinado tipo de ação:
necessidade de sucesso, de poder ou de relacionamento; Traços de personalidade: que
justificam os tipos de reações perante determinadas situações; Capacidades pessoais: que são
os valores relacionados com as atitudes, valores e auto-imagem; Conhecimentos e
Habilidades: capacidade de realizar determinados tipos de atividades físicas e mentais.

173 – As atribuições legais dos cargos que compõem a carreira de regulação e fiscalização de
serviços públicos de telecomunicações encontram fundamento na competência do Estado
brasileiro, expressamente prevista no texto constitucional de 1988, de agente normativo e
regulador da atividade econômica. O presidente ou diretor-geral devem ser brasileiros natos,
escolhidos pelo presidente da República e por ele nomeados, após aprovação pelo Senado
Federal. No uso de sua capacidade de autotutela, a Agência Nacional de Telecomunicações
(ANATEL) é competente para anular seus próprios atos quando eivados de vício de legalidade.
Os contratos de concessão, celebrados e gerenciados pela ANATEL, são modalidades de
contratos administrativos que formalizam o processo de descentralização administrativa. A
ANATEL dispõe de discricionariedade técnica para o exercício de sua função normativa, em
razão do uso de conceitos jurídicos indeterminados associados a conceitos técnicos na Lei
Geral de Telecomunicações. Nas decisões reguladoras, exigem-se a legitimidade originária
referida aos órgãos e agentes, a legitimidade corrente referida aos procedimentos é a
legitimidade finalística referida aos resultados pretendidos e alcançados. Em razão de previsão
legal específica, não é permitida às agências reguladoras a contratação de serviços pela
modalidade de consulta, inclusive para contratações referentes a serviços de engenharia,
contrariando o que prevê a Lei 8.666 de 93, que institui normas para licitações e contratos da
administração pública. A possibilidade de as agências reguladoras requisitarem servidores e
empregados de órgãos e entidades integrantes da administração pública é prevista,
expressamente, em lei. A função reguladora somente tem validade constitucional para as
agências previstas na Constituição Federal, mas tal competência se limita aos chamados
regulamentos administrativos ou de organização, restringindo-se às relações entre os
particulares que estão em situação de sujeição especial ao Estado.
175 - Acerca dos instrumentos e conceitos relativos à gestão organizacional contemporânea.
As teorias situacionais abordam a liderança no contexto ambiental em que ela ocorre, levando-
se em conta as características do líder, dos liderados, da tarefa e dos objetivos. No processo
de planejamento estratégico, o diagnóstico externo busca antecipar oportunidades e ameaças
do ambiente, enquanto o diagnóstico interno relaciona essas dinâmicas ambientais com as
forças e as fragilidades da organização, estabelecendo condições para a formulação de
estratégias organizacionais.

178 - Relativo às mutações patrimoniais da receita e da despesa públicas. Constituem


mutações patrimoniais da despesa a aquisição de bens e a concessão de empréstimo, e
mutações patrimoniais da receita, a cobrança de dívida ativa e o recebimento de créditos. De
acordo com as normas do TCU, nos casos de recursos concedidos mediante convênios e
instrumentos afins, são considerados responsáveis tanto os que definem os critérios de
distribuição, como os que aprovam os planos de trabalho e as próprias prestações de contas. A
inscrição em restos a pagar é feita a qualquer momento do exercício e terá validade até 31 de
dezembro do ano subseqüente. Na hipótese de cancelamento, o pagamento ao credor
dependerá de reinscrição a conta de restos a pagar.

181 - No âmbito da administração pública, a terceirização é possível como contrato de


prestação de serviços, que deve ser precedido de licitação. Nesse tipo de contratação, o objeto
não é o fornecimento de mão-de-obra, mas a prestação de serviço pela empresa contratada.
Os subsistemas de gestão de pessoas em uma organização envolvem o processo de provisão,
de aplicação, de manutenção, de desenvolvimento e de monitoração de pessoas. Tais
subsistemas formam um processo global e dinâmico por meio do qual as pessoas são
captadas e atraídas, aplicadas em suas tarefas, mantidas na organização, desenvolvidas e
monitorizadas pela organização. O processo de provisão está relacionado com o suprimento de
pessoas para a organização e, para tal, envolve todas as atividades relacionadas com pesquisa
de mercado, recrutamento e seleção de pessoas bem como a integração dessas às tarefas
organizacionais. Em um processo de seleção ideal, o nível de qualificação do candidato deve
ser compatível com as especificações do cargo.

187 - Considere que, em um processo de seleção para recepcionista de um hospital, decidiu-se


pela entrevista estruturada de seleção. É correto afirmar que esse tipo de entrevista possibilita
melhor comparação de resultados entre os diversos candidatos, pois são feitas as mesmas
questões e mensuradas ou qualificadas as respostas de imediato. A gestão de recursos
humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais
para a administração de pessoas dentro da organização. A administração de recursos
humanos tem assumido papel estratégico e vital porque as organizações estão tentando
transformar seus recursos humanos em fonte de vantagem competitiva. O processo de seleção
via concurso público, pelo qual passa um gestor de recursos humanos de um órgão público, do
mesmo modo que a técnica de avaliação do desempenho é uma das técnicas de administração
de recursos humanos aplicada diretamente a pessoas. A análise e descrição de cargos e a
higiene e segurança são ferramentas de administração de recursos humanos aplicadas
indiretamente a pessoas por meio dos cargos por elas ocupados.

190 - Considere a seguinte situação hipotética. Marcelo, diretor de recursos humanos de um


banco privado, pretende centralizar a administração de recursos humanos, pois, apesar da
dispersão geográfica das agências pelo país, ele julga que uma administração de recursos
humanos centralizada pode proporcionar unidade no funcionamento e uniformidade de critérios
na aplicação das técnicas em locais diferentes. Nessa situação, Marcelo deve criar
departamentos de recursos humanos localizados em cada unidade, que, embora situados em
locais diferentes, sejam subordinados diretamente à diretoria de recursos humanos. Angélica e
Thaís foram recentemente aprovadas em processo seletivo para ocupar o cargo de
recepcionista de um hospital. Nessa situação, elas necessitam passar por um processo de
socialização organizacional que objetiva adaptar as pessoas às conveniências organizacionais.
192 - Jaqueline está muito feliz com o novo emprego, pois, além do salário, ela tem direito a
transporte, empréstimos, gratificações, entre outros benefícios. Nessa situação, é correto
afirmar que tais benefícios são do tipo espontâneo, ou seja, são concedidos por liberdade da
empresa, já que não são exigidos em lei.

193 - Com relação aos conceitos e às normas atinentes ao inventário, Material permanente
controlado é aquele sujeito ao tombamento, requerendo controle estrito de uso e
responsabilidade pela sua guarda e manutenção.

194 - A propósito de convênios e similares, o poder público e as organizações sociais da


sociedade civil de interesse público (OSCIPs) podem estabelecer formas de cooperação com
vistas à execução de atividades consideradas de interesse público, para o que o instrumento
adequado constitui o termo de parceria.

195 - O pregão surgiu em um momento de reestruturação do Estado, que deixou de ser um


Estado executor para passar a ser um Estado regulador. Essa reestruturação trouxe uma
cobrança por uma maior eficiência do serviço prestado pelo Estado, bem como a necessidade
de diminuição dos gastos públicos. Assim, o pregão foi concebido para permitir à administração
atender às suas necessidades mais simples, de modo mais rápido e econômico. A rapidez e a
economia proporcionadas pela utilização do pregão advêm de características próprias desta
modalidade, como a inversão da fase de habilitação, a simplificação do procedimento e a
possibilidade de lances verbais, não previstas para as demais modalidades. O pregão pode ser
realizado por meio de recursos da tecnologia da informação. Atendidos os prazos de
fornecimento e demais requisitos, o critério de classificação e julgamento no pregão é o do
menor preço.

196 - Uma autarquia federal realizou contratação de pessoal, utilizando-se do regime de


trabalho previsto na CLT, dispensando a realização de concurso público. Luana foi contratada
nessa circunstância, para o cumprimento de contrato de trabalho por tempo indeterminado.
Contudo, passados 12 meses, a autarquia rescindiu unilateralmente o contrato, sob a alegação
de necessidade de redução do quadro de pessoal, por excesso de despesa. É permitido à
administração pública rescindir contrato de trabalho por prazo indeterminado, caso haja
necessidade de reduzir o quadro de pessoal em decorrência do excesso de despesa. No
regime celetista, os empregados públicos têm seus direitos e deveres, nuclearmente, regidos
pela CLT. Estando submetida ao regime celetista, Luana mesmo assim não poderá livremente
acumular outro emprego, função ou cargo público.

198 - O regime estatutário tende a ser cada vez mais restrito ao pessoal em exercício nas
chamadas funções essenciais da administração pública. Um dos meios de que se vale a
administração para cumprir suas múltiplas atribuições e realizar as atividades decorrentes é a
técnica contratual. Hoje não se coloca em dúvida a idéia de que o poder público possa ser
parte em um contrato, mas, nos primórdios da elaboração da teoria do contrato administrativo,
houve resistências fortes a essa idéia, pois alegava-se que a supremacia da administração em
relação ao particular impediria a realização de contratos entre eles. Na ordem jurídica
brasileira, o regime jurídico dos contratos administrativos celebrados pela União está
preponderantemente contido na referida lei. Os estados, o Distrito Federal e os municípios
podem editar leis próprias de licitações e contratos para regular os seus atos, mas devem
observar as normas gerais estabelecidas na Lei 8.666 de 93.

200 - O Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI) é o


principal instrumento de gestão da Secretaria do Tesouro Nacional (STN). A STN, por
intermédio do SIAFI, realiza o acompanhamento e controle de toda execução orçamentária e
financeira do governo federal. O SIAFI é utilizado pelas unidades gestoras (UGs) de todos os
ministérios e demais órgãos e entidades como instrumento de administração financeira para
processar de forma integrada, e online, a sua execução orçamentária, financeira, patrimonial e
contábil. O SIAFI é, na verdade, não um sistema, mas um conjunto de sistemas, cada um
referente a um ano civil. Cada sistema se desdobra em subsistemas, que, por sua vez, se
dividem em módulos, que se subdividem em consultas ou transações. A conformidade diária,
por motivo de segurança, não poderá ser dada por operador que registre documentos no
sistema, salvo se autorizado pelo titular da respectiva UG. Os órgãos de contabilidade analítica
deverão acompanhar as conformidades diárias e documentais das UGs a elas vinculadas e
adotar as medidas cabíveis, quando do descumprimento de normas.

202 - O inventário anual de bens móveis requer contagem física e conferência financeira. Com
base na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), despesas com pessoal do Banco Central do
Brasil integram as despesas da União a serem incluídas na Lei Orçamentária Anual. É
permitida a utilização de recurso legalmente vinculado a finalidade específica em exercício
diverso daquele em que ocorrer o ingresso, desde que atenda ao objeto da vinculação. Anistia
e redução de alíquotas são modalidades de renúncia de receita.

203 - O emprego das verbas ou rendas públicas em desacordo com a LRF constitui crime. A
União desejou contratar serviço de processamento de dados concernente a um cadastro
nacional de contribuintes do imposto de renda. Para tanto, contratou diretamente com o Serviço
Federal de Processamento de Dados (SERPRO), empresa pública federal, criada para esse fim
específico. Os preços pactuados estavam compatíveis com os de mercado. Nessa situação, a
contratação direta com o SERPRO está amparada pela legislação vigente, pois se trata de
hipótese de dispensa de licitação.

204 - A política nacional de capacitação dos servidores públicos federais prevê o afastamento
de servidores para cursarem mestrado e(ou) doutorado, desde que a freqüência a esses cursos
inviabilize o cumprimento da jornada de trabalho pelo servidor. Após 10 meses como diretor da
ANVISA, o Sr. Martins pediu seu afastamento, sendo imediatamente contratado por uma
empresa cuja atividade é fiscalizada pela agência que antes dirigia. Nessa situação, a conduta
descrita é considerada advocacia administrativa e é sujeita a sanções legais. É vedada a
redistribuição de servidor ocupante de cargo da carreira de analista administrativo das agências
reguladoras ou para as agências reguladoras.

207 - Na década passada começou a tomar forma um modelo estruturado de gestão de


pessoas que tem como peculiaridade considerar a participação dos funcionários como sendo
essencial para que a empresa implemente sua estratégia e crie vantagem competitiva. Esse é
o chamado Modelo de Gestão por Competências, que é uma tendência apontada na gestão de
pessoas para os próximos. Na acepção atual vinculada à gestão por competências, o
significado de competência está associado a características individuais observáveis capazes de
predizer ou causar desempenho superior ou efetivo no trabalho ou em outra situação de vida.
No modelo de gestão por competências, percebe-se uma tendência de redução da oferta de
treinamento pelo processo formal e pontual, do tipo cardápio, em favor da prática de se
incentivar o despertar constante das necessidades de autodesenvolvimento e da aplicação de
técnicas de aprendizado no local de trabalho.

209 - O clima organizacional expressa as percepções partilhadas pelos membros da


organização e que refletem a maneira pela qual eles descrevem e compreendem seu ambiente
de trabalho. O clima organizacional é uma qualidade duradoura do ambiente interno de uma
organização que a faz diferente de outras e que resulta do comportamento e da política dos
membros da organização. As definições de clima psicológico e clima organizacional estão
relacionadas ao nível em que se faz a análise: quando for analisado individualmente, é
considerado clima psicológico e, quando analisado no nível organizacional, é considerado clima
organizacional.

210 - A respeito do desenvolvimento e da capacitação de recursos humanos, A eficácia do


treinamento não depende somente da correta identificação de necessidades e do adequado
planejamento, mas envolvem também outros fatores, como as características da clientela.

211 - Para se manter competitiva, uma organização deve ter controle rigoroso de seus custos e
conhecer o seu mercado, de forma a poder atender às necessidades de seus consumidores.
Os produtos que a organização desenvolve e vende são importantes, mas também é muito
importante a maneira como ela organiza a prestação de serviços em suas lojas. Essa é a
responsabilidade da administração da produção. Na organização, a função produção
representa a reunião de recursos destinados à produção de seus bens e serviços. Em uma
organização, as funções do gerente de produção incluem atuar na administração de algum ou
de todos os recursos envolvidos pela função produção. O termo administração da produção é
utilizado para designar as atividades, decisões e responsabilidades dos gerentes de produção.
A função recursos humanos, uma das funções principais da organização, está ligada
diretamente à função produção.

213 - Uma operação de processamento de alimentos fez a previsão de colheita de manga para
o mês de janeiro. Entretanto, o mau tempo ocorrido durante o mês de dezembro reduzirá
drasticamente a produtividade da colheita, havendo grande risco de interrupção no
fornecimento à fábrica em todo o mês de fevereiro. O gerente de produção da empresa, com
base em previsões meteorológicas, buscou, desde outubro, instrumentos que minimizassem
esse problema e protegessem a produção. O aumento da produtividade até o mês de
dezembro e o estoque de alimentos processados para suprir o mercado é uma proteção física
da produção. Uma grande crítica ao conceito de proteção da produção está no fato de que,
com este artifício, quase nunca se exige que a produção assuma responsabilidade sobre suas
ações, pois há sempre outra função à qual se pode atribuir a culpa. Uma forma de proteger a
produção em um banco comercial é administrar o tempo de fila de espera para o atendimento
nos caixas. A administração da produção tem a responsabilidade direta de participar do projeto
de produtos, serviços e processos de produção.

214 - Sávio, servidor público há 10 anos, é gerente intermediário de um órgão do ramo de


desenvolvimento tecnológico. Ele tem competência técnica e interpessoal e está sempre se
atualizando acerca das inovações na sua área de atuação. Além disso, sabe reconhecer o bom
trabalho de seus colaboradores, cujas opiniões acata. Marta, chefe de Sávio, é uma
profissional de grande competência técnica. Ela enfatiza os aspectos práticos do trabalho, mas
deixa a desejar em relação à competência interpessoal. Sávio sempre relevou essa dificuldade
de Marta, justificando, às vezes, como originário de sua sobrecarga de trabalho o
comportamento de autoritarismo, descortesia e desrespeito que ela dirige aos empregados
hierarquicamente inferiores. Porém, em certa ocasião, Marta apresentou a seus superiores
uma idéia de inovação no trabalho, de autoria de Sávio, como se fosse sua. Isso fez que Sávio
se sentisse injustiçado e decidisse tomar providências. Assim, ele comunicou aos superiores os
fatos relativos ao comportamento inadequado de Marta com relação a esse episódio e aos
maus tratos dispensados aos empregados. A postura de Sávio ao denunciar Marta aos
superiores contraria a ética profissional pois Marta é sua chefe. A liderança exercida por Sávio
segue o modelo de gerência participativa. Marta e Sávio possuem inteligência emocional na
mesma graduação.

215 - Com relação ao processo de comunicação humana e ao trabalho em equipe, a


comunicação tem funções básicas dentro de um grupo ou de uma organização; ela atua na
motivação, na informação e na expressão emocional; no entanto, a comunicação não é
funcional para o controle na organização. Para que o processo de comunicação se realize, é
necessário um propósito expresso em forma de mensagem a ser transmitida. Quando um
administrador diz ao seu superior exatamente aquilo que acredita que o chefe quer ouvir, ele
está praticando filtragem na comunicação. O uso de jargão é um dificultador da comunicação
entre membros de um grupo profissional específico. A rede de comunicação de rumores (rede
informal), por não ser controlada pela direção da empresa, é percebida pelos empregados
como mais fidedigna que os comunicados formais vinculados à cúpula da organização.

216 - A conceituação de relações interpessoais argumenta que o conflito é uma conseqüência


natural da convivência em grupo. Essa escola defende a aceitação do conflito e racionaliza sua
existência, sugerindo que ele pode ser benéfico para o desempenho do grupo. Um nível
moderado de conflito relacionado ao conteúdo e ao objetivo do trabalho tem efeitos positivos no
desenvolvimento do grupo. Os conflitos de relacionamento interpessoal são quase sempre
funcionais, devendo ser estimulados no grupo. Um modo eficiente de se administrar conflitos é
a concessão. Quando cada uma das partes cede em alguns pontos, acontece o
compartilhamento, o que pode levar a um resultado bom para ambas as partes. A cultura
anticonflito é menos freqüente hoje em dia, devido ao cenário de grande competição da
economia globalizada. Assim, apoiar ou estimular algum grau de dissidência pode agregar mais
valor à organização. Sílvia ocupa cargo de provimento efetivo no MCT, por ter trabalhado por
40 horas na última semana, solicitou a concessão de adicional de trabalho extraordinário
correspondente a cinco horas, a serem remuneradas com acréscimo de 50% relativamente à
hora normal de trabalho. Nessa situação, o pedido de Sílvia deve ser indeferido. Em outubro,
Sílvia completará cinco anos de efetivo exercício, sem ter nenhuma falta injustificada ao
serviço. Nessa situação, Sílvia terá direito a escolher entre gozar três meses de licença-prêmio
ou adicionar seis meses ao seu tempo de serviço, para fins de aposentadoria.

218 - De acordo com o Guia PMBOK, o gerenciamento de projetos é desenvolvido em um


contexto mais amplo que inclui o gerenciamento de portfólios, o gerenciamento de programas e
o escritório de projetos. Um escritório de projetos (PMO) é uma unidade organizacional que
centraliza e coordena o gerenciamento de projetos sob o seu domínio. Os subprojetos,
resultantes da divisão de projetos em componentes mais facilmente gerenciáveis, são
geralmente implementados por uma empresa externa contratada ou por uma unidade funcional
na organização executora. Acerca das áreas de conhecimento do PMBOK. O gerenciamento
de integração de projeto compreende: desenvolvimento do termo de abertura do projeto;
desenvolvimento da declaração do escopo preliminar do projeto; desenvolvimento do plano de
gerenciamento do projeto; orientação e gerenciamento da execução do projeto; monitoramento
e controle do trabalho do projeto; controle integrado de mudanças; encerramento do projeto. A
área gerenciamento do tempo compreende: definição e seqüenciamento das atividades,
estimativa de recursos e duração das atividades, desenvolvimento e controle do cronograma.

220 - Quanto a gestão estratégica, o balanced scorecard descreve a missão e a estratégia das
empresas por meio de um conjunto abrangente de medidas de desempenho a serem adotadas
que serve de base para um sistema de medição e gestão estratégica. Considerando
convergências e divergências entre gestão pública e gestão privada, a gestão privada sustenta-
se na autonomia de vontade, ao passo que a gestão pública baseia-se no princípio da estrita
legalidade.

221 - Acerca da evolução da gestão pública na busca da excelência dos serviços públicos, o
modelo de administração pública burocrática apresenta, originalmente, como vantagem em
relação a outros modelos, a busca do controle de abusos e do fim do nepotismo. A gestão
pública por resultados desenvolveu-se como uma estratégia que tem início no momento do
planejamento estratégico e vai até o processo de feedback das políticas públicas.

222 - A teoria Y enfatiza que o gestor de recursos humanos deve partir do pressuposto de que
todos os colaboradores são automotivados para o trabalho, o que não demanda uma postura
coercitiva por parte do gestor. A gestão estratégica pressupõe, em sua implementação, o
alinhamento da gerência de recursos humanos, principalmente no que tange à alocação de
pessoas ajustadas, capacitadas e comprometidas com as atribuições previstas nos cargos da
organização. O desenho de cargos, que consiste em sua análise e descrição, é estratégico
para os demais processos da gerência de recursos humanos. A atuação do gestor de recursos
humanos é caracterizada pela liderança centrada nas pessoas e expõe os objetivos do trabalho
para as pessoas. Existe um inevitável conflito entre o indivíduo e a organização devido à
incompatibilidade entre a realização dos objetivos individuais e a dos objetivos organizacionais.
Com relação ao conflito entre esses objetivos,a integração entre os objetivos da organização e
os objetivos dos indivíduos recai sobre a administração.

225 - Uma das teorias que buscaram integrar a gerência de recursos humanos com a gestão
estratégica foi a do desenvolvimento organizacional (DO). As comunicações e as interações
constituem os aspectos fundamentais do DO para que ele obtenha a multiplicação dos esforços
rumo à mudança. Constitui diretriz da nova política de recursos humanos da administração
pública possibilitar a permanente capacitação dos servidores a partir da elaboração de plano
anual que reflita um diagnóstico de necessidades. Acerca das redes organizacionais e da
comunicação na gestão pública, a rede do governo está sendo construída de forma
incremental, com objetivo de que se estenda a todo país.

227 - A respeito da gestão do desempenho. Uma das aplicações dos resultados da avaliação
de desempenho é servir como instrumento de recrutamento interno ou movimentação interna.
Com relação aos métodos tradicionais de avaliação de desempenho funcional A utilização do
método de escala gráfica apresenta a desvantagem de produzir o efeito de generalização.
228 - A respeito das características de uma avaliação de desempenho efetiva, que busca
proporcionar benefícios para a organização e para as pessoas. A avaliação deve abarcar, além
do desempenho dentro do cargo ocupado, o alcance de metas e objetivos. A avaliação deve
enfatizar o indivíduo no cargo e não a impressão a respeito dos hábitos pessoais observados
no trabalho. A avaliação deve ser aceita por ambas as partes: avaliador e avaliado. A avaliação
do desempenho deve ser utilizada para melhorar a produtividade do indivíduo dentro da
organização.

228 - O planejamento dos vários níveis e escalões de uma organização deve ser integrado. O
planejamento estratégico tem flexibilidade menor que outros tipos de planejamento por
envolver a organização como um todo. Considerando o cruzamento das análises interna e
externa de uma organização e a postura estratégica por ela adotada. A postura estratégica de
desenvolvimento é adotada pela organização que apresenta, em sua análise interna, a
predominância de pontos fortes e, em sua análise externa, a predominância de oportunidades.
As ações características da estratégia de sobrevivência incluem a redução de custos.
Considerando que a análise SWOT, clássica ferramenta de planejamento estratégico, seja
realizada em um tribunal, será correto classificar como exemplo de oportunidade o surgimento
de novas tecnologias de gestão de documentos no mercado.

230 - A avaliação da evolução do patrimônio líquido por unidade administrativa é parte


integrante da lei de diretrizes orçamentárias, destacando-se a origem e a aplicação dos
recursos obtidos com a alienação de ativos. No plano plurianual 2008-2011, está organizada a
atuação governamental em programas orientados para o alcance dos objetivos estratégicos
definidos para o período do plano, mas nele não constam os programas destinados
exclusivamente a operações especiais.

231 - Uma empresa de eventos desenvolve atividades na área de promoção de congressos e


demais atividades da área de turismo de negócios. Para o ano de 2010, estão programados 15
eventos, sendo que dois envolvem a participação direta de duas entidades internacionais. A
partir da elaboração do planejamento do evento, detectou-se a necessidade de contratação e
treinamento de profissionais. Com base na sua experiência pessoal, o dono da empresa
identificou algumas características pessoais, alguns cursos, e alguma experiência profissional
que os candidatos a serem contratados deveriam ter. Os candidatos contratados foram
submetidos a um período de experiência de três meses. Ao final do período, os candidatos
foram avaliados pelo presidente e aqueles que apresentaram desempenho satisfatório foram
efetivados. Aos candidatos desligados, os gerentes se encarregaram de informar que eles não
possuíam um perfil adequado e nem a competência necessária para atuarem na instituição.
Os dados sobre desempenho no trabalho servem para aferir os níveis de produtividade
individual, como no caso apresentado. A concepção de gestão do desempenho não foi usada
na situação apresentada, pois ela envolve um processo cíclico que consiste em: planejamento,
desenvolvimento, revisão e avaliação. Para a tomada de decisão em um processo seletivo, são
recomendáveis a elaboração e o uso de planilhas de avaliação em que estejam especificados
os fatores a serem avaliados.

232 - Os mecanismos de recrutamento interno dificultam o relacionamento entre as áreas de


recursos humanos e outras áreas da organização e entre a área de recursos humanos e o
próprio candidato. Os métodos de seleção permitem a avaliação das habilidades dos
candidatos e, têm por objetivo a previsão do comportamento deles nos cargos a serem
efetivamente ocupados, o que pode ser analisado durante as etapas de escolha dos candidatos
e o período em que eles estiverem contratados em regime de experiência. A avaliação de
treinamento pode ser definida como uma coleta sistemática de informações descritivas e
valorativas necessárias para tornar eficazes as decisões relacionadas à seleção, à adoção, à
valorização e à modificação de várias atividades instrucionais. A meta, ao se elaborar os
objetivos de um treinamento, é que eles sejam mensuráveis, específicos, que estabeleçam
datas limite e visem a obter resultados relevantes para aspectos essenciais do trabalho. O
diagnóstico de quais treinamentos é necessário pode ser feito a partir da análise
organizacional, da análise das operações e tarefas, sem incluir a análise individual das
competências dos colaboradores. Com relação à análise ou à descrição do trabalho As tarefas
de um trabalho podem ser classificadas em uma escala hierárquica, em que os níveis mais
altos são subdivididos em funções menores.
234 - O Estado brasileiro não pode ficar indiferente à evolução dos usuários que desejam, além
de serviços mais corteses e soluções gerais válidas para todos, serviços adaptados aos seus
problemas. Os governos tradicionalmente burocráticos preocupam-se muito mais com a
captação de recursos do que com o resultado eficaz dos programas e ações desenvolvidos. A
gestão pública moderna e coerente, à semelhança do setor privado, deve fazer uso de planos
de carreira individuais previsíveis, cujo potencial de cada servidor seja avaliado todos os anos
pelos seus superiores por meio de procedimentos claros e conhecidos por todos.

235 - A Lei 101 de 2000, conhecida como Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), estabeleceu
normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal, estabelecendo,
entre outras, normas para execução orçamentária e cumprimento de metas. Considerando que
haja limitação de empenho, a recomposição das dotações cujos empenhos foram limitados dar-
se-á de forma proporcional às reduções efetivadas.

236 - Por intermédio do SIAFI, seu principal instrumento de gestão, a Secretaria do Tesouro
Nacional realiza o acompanhamento e o controle de toda a execução orçamentária e financeira
do governo federal. Acerca da tabela de eventos utilizada para transformar os atos e fatos
administrativos em registros contábeis automáticos no SIAF, o SIAFI somente validará, do
ponto de vista contábil, os documentos de entrada de dados, se eles se apresentarem com os
eventos que, no todo, completem partidas dobradas.

237 - No que concerne ao pensamento de Max Weber, O patrimonialismo normal inibe a


economia racional não apenas por sua política financeira, mas também por peculiaridades de
sua administração, entre as quais se pode citar a ausência típica de um quadro de funcionários
com qualificação profissional formal.

238 - A respeito da cultura organizacional, As repartições públicas são organizações


caracterizadas pela cultura mecanicista, típica de um funcionamento sempre igual e sujeitas a
regras estritas. É a cultura adequada a condições instáveis, a ambientes com os quais a
organização não tem familiaridade, nas quais a natureza cooperativa do conhecimento é mais
importante que a especialização.

239 - O chamado BSC balanced scorecard é uma ferramenta de gestão estratégica que trata
de estabelecer um equilíbrio entre as várias perspectivas de uma organização. Com relação à
balanced scorecard, Do ponto de vista da dimensão dos processos internos, dois indicadores
importantes das operações de balanced scorecard são o tempo de sua realização e a
segurança do processo.

240 - Para estimar os valores de licitações para compras ou para avaliar a compatibilidade dos
valores a serem contratados, os gestores podem consultar o módulo denominado sistema de
preços praticados, que registra os valores praticados nos processos de contratações
governamentais.

241 - Tendo como foco a transição do Estado provedor para o regulador, A contrapartida da
esperada redução dos dispêndios públicos resultante das privatizações é o aumento dos custos
sociais decorrentes da regulação, mediante transferência para o setor privado de custos até
então suportados pelo governo, o que exigirá maior rigor na aferição de seus benefícios. A
respeito da organização da administração pública direta e indireta. Na estrutura dos entes
políticos, os órgãos estão estruturados a partir de critérios de hierarquia. Contudo, há órgãos
independentes, que não se subordinam a qualquer outro, devendo, apenas, obediência às leis.
É o caso da presidência da República, na estrutura do Poder Executivo federal, e dos
gabinetes dos governadores, na estrutura do Poder Executivo estadual.

243 - A respeito da discricionariedade administrativa, como prerrogativa do agente público e do


seu controle pelo Poder Judiciário. Não só a escolha do ato a ser praticado, como também a
escolha do melhor momento para praticá-lo, revela hipótese de discricionariedade da
administração.
244 - As atribuições do Departamento de Administração de Serviço Público (DASP), previstas
em seu ato de criação, não incluem coordenar os órgãos integrantes do sistema de controle
interno do serviço público federal.

245 - De acordo com as teorias da liderança, os líderes podem ser agrupados em três estilos
diferentes. Em um comportamento típico de um líder de estilo libera, tanto a divisão das tarefas
como a escolha dos colegas ficam por conta do grupo, sem a participação do líder.

246 - Acerca de novas tecnologias gerenciais, Os departamentos tendem a desaparecer


quando empregado o conceito de reengenharia, que direciona as características
organizacionais para os processos.

247 – Investimentos são despesas orçamentárias com planejamento e execução de obras,


incluindo aquisição de imóveis considerados necessários à realização dessas últimas, e com
aquisição e instalações de equipamentos e material permanente. Receitas originárias são
receitas resultantes da venda de produtos ou serviços colocados à disposição dos usuários ou
da cessão remunerada de bens e valores. Contribuições de intervenção no domínio econômico
são contribuições que derivam da contraprestação à atuação estatal exercida em favor de
determinado grupo ou coletividade. Despesas orçamentárias correntes são despesas que não
contribuem, diretamente, para a formação ou a aquisição de um bem de capital.

248 - As peculiaridades do processo de elaboração e execução orçamentária no Brasil incluem


o contingenciamento das dotações orçamentárias. Entre os princípios orçamentários, há o
denominado princípio da unidade, Cada ente federativo deve aprovar uma única lei
orçamentária.

249 - Todas as decisões relativas à divisão do trabalho, responsabilidades e autoridade


resumem-se na estrutura organizacional, representada no organograma. As organizações de
projetos, que são atividades temporárias, estão alojadas dentro da organização funcional. Os
sistemas tradicionais de avaliação e controle dos resultados da organização têm a tendência de
enfatizar o resultado financeiro final.

250 - As deficiências dos sistemas tradicionais e os desafios que as organizações passaram a


enfrentar criaram a necessidade de sistemas de controle que pudessem dar uma visão de
conjunto das diferentes dimensões do desempenho. Uma das ferramentas para isso é o
chamado balanced scorecard, que focaliza quatro dimensões (perspectivas) importantes do
desempenho da organização, que se desdobram em medidas específicas, que podem dividir-
se em indicadores. Desse modo, a pergunta “em que processos precisamos ser eficientes?”
corresponde à uma perspectiva interna.

251 - Com relação aos crimes contra o patrimônio, É circunstância que qualifica o crime de
furto a prática do delito mediante o concurso de duas ou mais pessoas. No que se refere à
administração pública, no crime de prevaricação, a satisfação de interesse ou sentimento
pessoal, que motiva a prática do crime, é elementar do tipo. No crime de falso testemunho, o
fato deixa de ser punível se, antes da sentença no processo em que ocorreu o ilícito, o agente
se retrata ou declara a verdade.

252 - Acerca dos crimes contra a ordem tributária, não contém circunstância que agrava a pena
do crime de supressão ou redução de tributo, ser o crime praticado para satisfazer interesse
pessoal. Acerca da ação penal pública, Seja qual for o crime, quando praticado em detrimento
do patrimônio ou interesse da União, estado ou município, a ação penal será pública. Com
relação à ação penal privada, a queixa contra qualquer dos autores do crime obrigará ao
processo de todos, e o MP velará pela sua indivisibilidade. Nos processos dos crimes de
responsabilidade dos funcionários públicos, estando a denúncia em devida forma, o juiz
determinará sua autuação e ordenará a notificação do acusado, para responder por escrito,
dentro do prazo de quinze dias.

253 - As atribuições legais dos cargos que compõem a carreira de regulação e fiscalização de
serviços públicos de telecomunicações encontram fundamento na competência do Estado
brasileiro, expressamente prevista no texto constitucional de 1988, de agente normativo e
regulador da atividade econômica. No uso de sua capacidade de autotutela, a Agência
Nacional de Telecomunicações (ANATEL) é competente para anular seus próprios atos quando
eivados de vício de legalidade. No caso de decorrerem do ato anulado efeitos favoráveis para
os destinatários, esse direito decai em cinco anos, salvo comprovada má-fé.

254 - O direito de o administrado ter ciência da tramitação dos processos administrativos em


curso na ANATEL nos quais tenha a condição de interessado fundamenta-se, entre outros, no
princípio administrativo constitucional da publicidade e no direito de receber dos órgãos
públicos informações de seu interesse particular.

255 - Os contratos de concessão, celebrados e gerenciados pela ANATEL, são modalidades de


contratos administrativos que formalizam o processo de descentralização administrativa.

256 - É vedado ao servidor público receber qualquer tipo de ajuda financeira, gratificação,
prêmio, comissão, doação ou vantagem de qualquer espécie, para o cumprimento da sua
missão ou para, com a mesma finalidade, influenciar outro servidor.

257 - Acerca dos instrumentos e conceitos relativos à gestão organizacional contemporânea,


As teorias situacionais abordam a liderança no contexto ambiental em que ela ocorre, levando-
se em conta as características do líder, dos liderados, da tarefa e dos objetivos. No processo
de planejamento estratégico, o diagnóstico externo busca antecipar oportunidades e ameaças
do ambiente, enquanto o diagnóstico interno relaciona essas dinâmicas ambientais com as
forças e as fragilidades da organização, estabelecendo condições para a formulação de
estratégias organizacionais.

258 - Acerca do controle interno e externo da administração pública federal: A avaliação do


cumprimento das metas previstas no plano plurianual inclui-se entre as finalidades do sistema
de controle interno do Poder Executivo federal. O TCU deve julgar como regulares as tomadas
ou prestações de contas, quando expressarem, de forma clara e objetiva, a exatidão dos
demonstrativos contábeis, a legalidade, a legitimidade e a economicidade dos atos de gestão
do responsável.

259 - Com relação a convergências e divergências entre a gestão pública e a gestão privada,
mesmo com a seleção de pessoal realizada por meio de concurso público, o gestor público
pode utilizar-se dos mesmos instrumentos de recrutamento e seleção utilizados no setor
privado, com o objetivo de melhor distribuir a força de trabalho disponível.

260 - Embora muitos princípios aplicados na modernização da administração pública sejam


oriundos de modelos típicos da gestão privada, esta continua, de forma geral, visando ao lucro,
enquanto a gestão pública tem por objetivo cumprir sua função social e atender ao interesse
público.

261 - Relativos à gestão de recursos humanos o uso adequado da avaliação de desempenho


inclui o fornecimento de feedback ao funcionário, de forma a destacar os aspectos positivos de
seu desempenho e motivar o seu desenvolvimento em áreas em que melhorias sejam
necessárias.

262 - O uso da tecnologia da informação possibilita não apenas a automação de atividades


básicas da gestão de recursos humanos, como folha de pagamentos, mas também o
armazenamento e a análise de dados utilizados no planejamento e na tomada de decisão em
recursos humanos.

263 - Acerca da gestão de projetos, sob a ótica do planejamento da qualidade em projetos, as


especificações funcionais devem traduzir as necessidades e expectativas do cliente em relação
ao desempenho esperado para o produto. A satisfação do cliente é um dos critérios mais
importantes para a avaliação do resultado de um projeto.

264 - Acerca da administração de contratos administrativos diferentemente do que acontece


nos contratos privados, no contrato administrativo uma das partes possui a prerrogativa de
modificação unilateral do contrato, desde que respeitados os direitos do contratado e mantido o
equilíbrio econômico-financeiro.

265 - A partir dos anos 80 do século passado, com a quebra dos principais paradigmas
pertinentes à gestão pública, temas que anteriormente eram discutidos e aplicados apenas no
contexto das organizações privadas passaram a fazer parte do vocabulário da administração
pública, dando início à gestão pública moderna. Quanto à gestão pública moderna e à estrutura
da administração pública brasileira, julgue os itens a seguir. O Estado brasileiro não pode ficar
indiferente à evolução dos usuários que desejam, além de serviços mais corteses e soluções
gerais válidas para todos, serviços adaptados aos seus problemas.

266 - Os governos tradicionalmente burocráticos preocupam-se muito mais com a captação de


recursos do que com o resultado eficaz dos programas e ações desenvolvidos. A gestão
pública moderna e coerente, à semelhança do setor privado, deve fazer uso de planos de
carreira individuais previsíveis, cujo potencial de cada servidor seja avaliado todos os anos
pelos seus superiores por meio de procedimentos claros e conhecidos por todos.

266 - Com base na Lei de Responsabilidade Fiscal Despesas com pessoal do Banco Central
do Brasil integram as despesas da União a serem incluídas na Lei Orçamentária Anual. É
permitida a utilização de recurso legalmente vinculado a finalidade específica em exercício
diverso daquele em que ocorrer o ingresso, desde que atenda ao objeto da vinculação. Anistia
e redução de alíquotas são modalidades de renúncia de receita. Com relação ao
descumprimento da LRF, O emprego das verbas ou rendas públicas em desacordo com a LRF
constitui crime.

267 - Considerando que um servidor público, lotado em órgão da administração direta da


União, tenha sido aprovado em concurso para outro órgão federal, ambos regidos pelo regime
jurídico único, Caso esse servidor se encontre impossibilitado de comparecer ao ato de posse
pessoalmente, há previsão legal para que ele constitua procurador mediante procuração com
poderes específicos para a sua posse.

268 - À luz da legislação vigente no Brasil, A política nacional de capacitação dos servidores
públicos federal prevê o afastamento de servidores para cursarem mestrado e (ou) doutorado,
desde que a freqüência a esses cursos inviabilize o cumprimento da jornada de trabalho pelo
servidor. Considere a seguinte situação hipotética. Após 10 meses como diretor da ANVISA, o
Sr. Martins pediu seu afastamento, sendo imediatamente contratado por uma empresa cuja
atividade é fiscalizada pela agência que antes dirigia. Nessa situação, a conduta descrita é
considerada advocacia administrativa e é sujeita a sanções legais.

269 - É vedada a redistribuição de servidor ocupante de cargo da carreira de analista


administrativo das agências reguladoras ou para as agências reguladoras. Cultura
organizacional é considerada como uma programação coletiva da mente que distingue os
membros de uma organização dos de outra. Na acepção atual vinculada à gestão por
competências, o significado de competência está associado a características individuais
observáveis capazes de predizer ou causar desempenho superior ou efetivo no trabalho ou em
outra situação de vida.

270 - Constituindo-se em ferramenta estratégica, a comunicação organizacional precisa de


administração planejada para buscar maior integração no binômio competição-cooperação
presente no atual contexto de mercado. E cada ação nesse campo constitui um desafio
gerencial, por envolver públicos diferentes e elevado número de interfaces organizacionais. As
organizações devem se preparar nesse assunto com especial atenção, assim como o fazem
em outras áreas da gestão moderna ou tradicional,pois a comunicação permeia, interfere e
influi em todas as demais áreas. Por meio da comunicação, uma organização estabelece uma
tipologia de consentimento, formando homogeneização de idéias e integração de propósitos.

271 - A respeito de clima organizacional, O clima organizacional expressa as percepções


partilhadas pelos membros da organização e que refletem a maneira pela qual eles descrevem
e compreendem seu ambiente de trabalho. O clima organizacional é uma qualidade duradoura
do ambiente interno de uma organização que a faz diferente de outras e que resulta do
comportamento e da política dos membros da organização. As definições de clima psicológico
e clima organizacional estão relacionadas ao nível em que se faz a análise: quando for
analisado individualmente, é considerado clima psicológico e, quando analisado no nível
organizacional, é considerado clima organizacional.

272 - Acerca das funções dos órgãos de recursos humanos Embora esteja acompanhada de
críticas veementes, a remuneração variável baseada no desempenho ocupa lugar de destaque
no modelo de administração gerencial. A respeito do desenvolvimento e da capacitação de
recursos humanos: A eficácia do treinamento não depende somente da correta identificação de
necessidades e do adequado planejamento, mas envolve também outros fatores, como as
características da clientela. Entre as variáveis que podem explicar o sucesso dos participantes
em treinamentos de diferentes domínios e atividades, pode-se destacar a auto-eficácia, que se
refere à auto-avaliação do indivíduo acerca de suas capacidades para obter sucesso em suas
realizações.

273 - Acerca da administração pública, Considere que determinada cidade teve aumento
considerável da criminalidade nos últimos 6 meses. Em decorrência dessa nova realidade, o
governo decidiu aumentar a contribuição financeira para a polícia da localidade. Nessa
situação, é correto afirmar que tal atitude é característica de uma gestão tradicional de governo.

274 - Enquanto a receita das empresas depende dos pagamentos que os clientes fazem
livremente na compra de seus produtos e serviços, a receita do Estado deriva de impostos, ou
seja, de contribuições obrigatórias, sem contrapartida direta. Os clientes-alvo a quem o
administrador público de uma gestão tradicional mais procura satisfazer são aqueles ligados
aos Poderes Legislativo e Executivo, pois é deles que os recursos se originam. Quando um
governo estadual investe na reforma dos holofotes de um campo de futebol para implantar um
programa de esporte destinado a crianças de risco de delinqüência jogarem à noite, tal ação é
de cunho estratégico.

275 - Ainda acerca do Regimento Interno do TRE/MAranhão, o eleitor pode dirigir-se ao


corregedor regional eleitoral, relatando fatos e indicando provas, e pedir abertura de
investigações para apurar irregularidades no serviço eleitoral e uso de poder de autoridade em
favor de candidato ou partido político. Perderá automaticamente a função eleitoral o membro do
TRE/MA que terminar o respectivo período ou completar 70 anos de idade, assim como
acontece com o magistrado que se aposenta. O presidente do TRE/MA tem competência para
determinar a abertura de sindicância ou processo administrativo disciplinar, tomando as
providências cabíveis na espécie contra faltas, irregularidades ou abusos dos servidores da
secretaria.

276 - Pratica ato ilícito o servidor público da administração direta ou indireta que nega ou
retarda ato de ofício em conseqüência de requerimento de eleitor cuja finalidade é a de obter
provas para denunciar fatos à corregedoria. Com relação ao Código de Ética Profissional do
Servidor Público É vedado ao servidor público receber qualquer tipo de ajuda financeira,
gratificação, prêmio, comissão, doação ou vantagem de qualquer espécie, para o cumprimento
da sua missão ou para, com a mesma finalidade, influenciar outro servidor.

277 - Acerca dos instrumentos e conceitos relativos à gestão organizacional contemporânea as


teorias situacionais abordam a liderança no contexto ambiental em que ela ocorre, levando-se
em conta as características do líder, dos liderados, da tarefa e dos objetivos.

278 - No processo de planejamento estratégico, o diagnóstico externo busca antecipar


oportunidades e ameaças do ambiente, enquanto o diagnóstico interno relaciona essas
dinâmicas ambientais com as forças e as fragilidades da organização, estabelecendo
condições para a formulação de estratégias organizacionais.

279 - De acordo com a Constituição Federal e com a jurisprudência do Supremo Tribunal


Federal (STF): Denúncia por crime comum contra deputado federal ou senador, cometido antes
da respectiva diplomação, poderá ser recebida pelo STF, sem qualquer possibilidade de sua
sustação por iniciativa de partido político ou pelo voto dos membros do Congresso Nacional.
280 - Em relação à organização administrativa da União As sociedades de economia mista têm
natureza jurídica de sociedades anônimas, de modo que são regidas pela Lei das Sociedades
Anônimas (Lei 6.404 de 76), muito embora não se submetam exclusivamente ao regime
jurídico dessa lei.

281 - De algum tempo para cá, os juristas brasileiros passaram a utilizar a expressão “agente
público”, em sentido amplo, para designar as pessoas físicas que exerçam função pública, com
ou sem vínculo empregatício. Não obstante a vedação constitucional, a vinculação de
vencimentos dos agentes públicos seria compatível com a Constituição brasileira uma lei que
fixasse o mesmo valor de remuneração para duas categorias profissionais distintas, desde que
não atrelasse o valor de uma ao da outra.

282 - A respeito dos poderes administrativos, O poder de polícia administrativa difere da


atividade da polícia judiciária porque não é exercido em razão do cometimento de crimes. O
primeiro pode atuar não só com finalidade preventiva, mas também repressiva, e pode incidir
sobre bens, direitos e atividades. No atinente ao controle e à responsabilização da
administração pública, O poder de autotutela da administração pública constitui uma forma de
controle interno de seus atos e fundamenta-se no princípio da legalidade; trata-se de
manifestação do chamado controle administrativo. Os recursos administrativos, com ou sem
efeito suspensivo, também são forma de controle administrativo.

283 - O ambiente contemporâneo exige instituições extremamente flexíveis, adaptáveis e que


respondam às necessidades dos clientes. A promoção da competição, a mudança de foco para
os resultados e a descentralização de autoridade são algumas características de um governo
empreendedor. Diferentemente do setor privado, a maioria dos clientes do setor público é
cativa, pois possuem pouca ou nenhuma alternativa para os serviços oferecidos pelo governo.
A Cultura organizacional refere-se a um sistema de significados partilhados, o qual é mantido
por seus membros e que distingue determinada organização de outras organizações.

284 - O processo de seleção, os critérios de avaliação de desempenho, as atividades de


treinamento e desenvolvimento de carreira e os procedimentos de promoção, entre outros
aspectos, mantêm a cultura viva na organização e asseguram a sua proteção. Entre as formas
de transmitir a cultura para os funcionários encontra-se a linguagem e o aprendizado dessa
linguagem permitindo a integração de todos os profissionais da empresa. O processo de
socialização é responsável pela manutenção dos valores pautados na cultura organizacional.

285 - Em relação a planejamento e gestão na administração pública, O gerenciamento


estratégico refere-se ao uso da flexibilidade para responder rapidamente aos ambientes
externos à organização pública. Um sistema de controle estratégico deve utilizar a eficiência e
a flexibilidade para se tornar eficaz. A definição de como as tarefas são formalmente divididas,
agrupadas e coordenadas é inerente à estrutura organizacional. Entre as novas tecnologias
gerencias, a qualidade total busca melhorias gradativas enquanto a reengenharia busca dar
saltos quantitativos no desempenho. Enquanto a qualidade total recorre às tomadas de
decisões participativas, de baixo para cima, tanto no planejamento quanto na execução de um
programa, a reengenharia é inicialmente acionada pela alta administração.

286 - Andréa atualmente reside em Brasília – DF, onde ocupa cargo técnico na administração
indireta da União, exercendo função de administradora de recursos humanos. Amanhã, Andréa
será nomeada para cargo técnico de provimento efetivo no TRE, para exercer funções
administrativas na sede do próprio tribunal, cargo no qual ela pretende tomar posse e entrar em
exercício o mais rapidamente possível. A posse de Andréa no cargo do TRE acarretará a
vacância do cargo que ela atualmente ocupa na administração indireta federal.

287 - Estoque é toda porção armazenada de mercadoria, ou seja, aquilo que é reservado para
ser utilizado em tempo oportuno. Tempo de ressuprimento é o tempo gasto desde a verificação
de que o estoque precisa ser reposto até a chegada efetiva do material no almoxarifado da
organização. Esse tempo é composto por: emissão do pedido, preparação do pedido e
transporte. O estoque mínimo é uma quantidade de estoque que, em nível ideal, não deve ser
consumido. No entanto, causas como oscilação no consumo e variação na qualidade quando o
controle de qualidade rejeita um lote podem impor a utilização desse estoque de segurança.
288 - Quanto ao dimensionamento da estocagem de produtos, uma carga constituída de
embalagens de transporte e armazenagem por meios mecânicos é considerada uma unidade.
Considere que uma empresa, ao codificar seu material de expediente, o define utilizando uma
codificação numérica de dois dígitos. O item lápis preto n.º 1 foi identificado como 04, pois a
borracha já havia sido identificada como 01. Nesse caso, é correto afirmar que esse sistema de
codificação apresenta desvantagem quanto às características de expansividade e significância,
no sentido de impossibilitar a inclusão, na seqüência natural da série numérica, caso ocorra a
necessidade de inserção de novos itens.

289 - Em decorrência da racionalidade organizacional, da filosofia e da cultura de uma


organização, surgem as políticas de recursos humanos. Essas políticas podem ser definidas
como regras estabelecidas para governar funções e assegurar que elas sejam desempenhadas
de acordo com os objetivos desejados. Dessa forma, cada organização define sua política de
recursos humanos e a desenvolve conforme sua filosofia e suas necessidades. Uma política de
suprimento de recursos humanos tem como aspectos principais: a fonte de recrutamento, que
pode ser interna ou externa à organização; as técnicas de recrutamento; os critérios de
seleção; e a forma como se pretende integrar os novos participantes no ambiente interno da
organização.

290 - A manutenção de um banco de dados capaz de apresentar informações quantitativas e


qualitativas da força de trabalho em uma organização e a definição de critérios da aplicação e
adequação das políticas e dos procedimentos relacionados com recursos humanos da
organização são aspectos que envolvem uma política de monitoração de recursos humanos.
Considerando que um técnico em contabilidade esteja freqüentando um curso de adequação
às novas regras de cálculo do imposto de renda pessoa física e pessoa jurídica, é correto
afirmar que ele está sendo treinado.

291 – O momento no qual a atividade de controle se realiza, o controle externo, analogamente


ao que ocorre com o controle de constitucionalidade, pode ser classificado em prévio (a priori)
ou posterior (a posteriori). No âmbito do direito brasileiro, embora o controle de
constitucionalidade seja realizado eminentemente por parte do Poder Judiciário, o TCU pode,
no exercício de suas competências, reconhecer a incompatibilidade de uma norma jurídica com
a Constituição. Considerando controle externo como aquele realizado por órgão não-
pertencente à estrutura do produtor do ato a ser controlado, é correto afirmar que, no Brasil, o
TCU não é o único componente do poder público encarregado daquela modalidade de controle.

292 - Em relação às regras constitucionais sobre o controle externo, Nos termos da


Constituição da República, pode o TCU, em certos casos, apreciar elementos de
discricionariedade envolvidos nos atos da administração pública e aspectos ligados à gestão
das respectivas entidades e ao desempenho das funções destas; não precisa sempre ater-se
unicamente à conformidade desses atos com as normas jurídicas aplicáveis, sob o prisma da
legalidade. Pode o TCU constituir título executivo contra empresa privada. Juridicamente, é
possível ao TCU tomar contas de sociedade comercial estrangeira, em certas situações. A
respeito das funções, da natureza jurídica e da eficácia das decisões dos tribunais de contas
De acordo com a doutrina, a condenação de gestor público por parte do TCU constitui título
executivo de natureza judicial, por força da competência conferida pelo art. 71 da Constituição
àquele órgão, para julgar contas de pessoas responsáveis por dinheiro público.

293 - A motivação é considerada um dos principais temas do campo de estudo do


comportamento organizacional, além de ser fator de extrema importância na busca dos
objetivos organizacionais. Com referência a esse assunto: A dinâmica da motivação está
relacionada às imagens que os administradores têm das pessoas. McGregor, de acordo com a
teoria X, apresenta uma visão negativa da natureza humana. Existe um desacordo quanto à
questão da participação entre a administração por objetivos (APO) e a teoria de determinação
de metas. Enquanto a APO defende como fundamental a determinação participativa de metas,
a outra teoria defende que a designação de metas para os empregados provoca o mesmo
efeito que a determinação participativa de metas.
294 - Poucos temas do comportamento organizacional têm gerado tanto debate como a
liderança. Algumas variáveis situacionais básicas influenciam a favorabilidade de uma situação,
ou seja, permitem que o líder exerça influência sobre um determinado grupo. Exemplos desse
tipo de variável são as relações entre o líder e os membros do grupo e a posição de poder do
líder. No que se refere à estrutura organizacional, As estruturas inovativas, como a
departamentalização por projetos, diferentemente das estruturas tradicionais, como a funcional,
possuem como características básicas o baixo nível de formalização e a elevada diversificação.

295 - O planejamento e o controle são duas das principais funções gerenciais, além de serem a
base de qualquer desenvolvimento que uma organização pretenda implementar. Nesse
sentido, No processo de planejamento estratégico, o diagnóstico ocupa um papel de suma
importância e tem, entre seus objetivos principais, além da análise do ambiente interno, a
análise externa da empresa, apresentando as oportunidades e as ameaças relacionadas ao
ambiente externo. Os sistemas de controle de desempenho podem assinalar quando o
desempenho de uma unidade está se deteriorando; em termos motivacionais, podem ser
utilizados para provocar melhores desempenhos.

296 - O planejamento para ação impõe decisões específicas e ações para serem levadas a
efeito em um determinado momento, enquanto o controle de desempenho impõe padrões de
desempenho por um período de tempo, sem referência a ações específicas. Uma das
principais abordagens de planejamento é a APO, que tem as seguintes características: cada
objetivo tem um período de tempo específico, os objetivos são determinados participativamente
e existe um feedback contínuo de desempenho. A respeito dos processos organizacionais,
como a comunicação e a direção, o padrão cadeia de comunicação segue rigidamente a cadeia
formal do comando. Na proporção em que o trabalho organizacional se torna mais complexo, a
coordenação parece ser mais facilitada pela padronização de processos de trabalho que pela
supervisão simples. Relativos a organização e métodos A adoção de novos processos em
substituição aos até então existentes é uma das características da reengenharia. Os programas
de qualidade total têm o cliente como foco principal.

297 - Na gestão de materiais no setor público, existem normativos que versam sobre o
recebimento, a estocagem, a distribuição, o registro e o inventário de matérias-primas e
mercadorias recebidas. O material que apenas depende de conferências com os termos do
pedido do documento de entrega será recebido e aceito pelo encarregado do almoxarifado ou
por servidor designado para esse fim. Se o material depender, também, de exame qualitativo, o
encarregado do almoxarifado, ou servidor designado, indicará essa condição no documento de
entrega do fornecedor e solicitará ao departamento de administração ou à unidade equivalente
esse exame, para a respectiva aceitação. Carga é a efetiva responsabilidade pela guarda e uso
de material pelo seu consignatário, sendo que o material somente assim será considerado, no
almoxarifado, após o cumprimento das formalidades de recebimento e aceitação. Toda
movimentação de entrada e saída de carga deve ser objeto de registro, quer trate de material
de consumo nos almoxarifados, quer trate de equipamentos ou material permanente em uso
pelo setor competente. Em ambos os casos, a ocorrência de tais registros está condicionada à
apresentação de documentos que os justifiquem. A supervisão e o controle da distribuição
racional do material requisitado são de competência do departamento de administração ou de
unidade equivalente, devendo obedecer aos critérios de consumo médio de cada setor da
unidade, com a finalidade de evitar, sempre que possível, a demanda reprimida e a
conseqüente ruptura de estoque.

298 - Acerca de liderança e considerando que, em ambientes altamente competitivos, as


organizações se preocupam continuamente em identificar e desenvolver líderes que possam
potencializar o desempenho dos colaboradores o líder transformacional busca inspirar as
pessoas na organização para o alcance dos objetivos organizacionais. A respeito da função do
planejamento Um dos principais elementos do planejamento estratégico é o diagnóstico, etapa
na qual se definem, entre outros pontos, as oportunidades e ameaças que podem ser
levantadas a partir de aspectos relacionados aos consumidores, ao governo e aos
concorrentes. Para a implementação eficaz do planejamento, é essencial que se definam as
prioridades das ações. Estimular o planejamento eficaz e melhorar a comunicação são algumas
das vantagens da utilização do CPM (método do caminho crítico) e do PERT (Program
Evaluation Review Technique).
299 - Quanto a aspectos específicos da organização e à avaliação de desempenho Na
estrutura funcional, a especialização pode diminuir a preocupação dos membros da
organização com os resultados. A estrutura por projetos tende a prestar melhor atendimento ao
cliente que a estrutura funcional, além de possibilitar maior satisfação dos técnicos e integrar
várias áreas da organização. Agrupar posições e unidades é fundamental para o processo de
coordenação nas organizações, já que permite compartilhar recursos comuns e criar medidas
comuns de desempenho.

300 - Os subsistemas de gestão de pessoas em uma organização envolvem o processo de


provisão, de aplicação, de manutenção, de desenvolvimento e de monitoração de pessoas.
Tais subsistemas formam um processo global e dinâmico por meio do qual as pessoas são
captadas e atraídas, aplicadas em suas tarefas, mantidas na organização, desenvolvidas e
monitorizadas pela organização. O processo de provisão está relacionado com o suprimento de
pessoas para a organização e, para tal, envolve todas as atividades relacionadas com pesquisa
de mercado, recrutamento e seleção de pessoas bem como a integração dessas às tarefas
organizacionais. Em um processo de seleção ideal, o nível de qualificação do candidato deve
ser compatível com as especificações do cargo.

301 - Considere que, em um processo de seleção para recepcionista de um hospital, decidiu-se


pela entrevista estruturada de seleção. Esse tipo de entrevista possibilita melhor comparação
de resultados entre os diversos candidatos, pois são feitas as mesmas questões e mensuradas
ou qualificadas as respostas de imediato. A gestão de recursos humanos, historicamente
conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para a administração de
pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos tem assumido papel
estratégico e vital porque as organizações estão tentando transformar seus recursos humanos
em fonte de vantagem competitiva. O processo de seleção via concurso público, pelo qual
passa um gestor de recursos humanos de um órgão público, do mesmo modo que a técnica de
avaliação do desempenho é uma das técnicas de administração de recursos humanos aplicada
diretamente a pessoas. A análise e descrição de cargos e a higiene e segurança são
ferramentas de administração de recursos humanos aplicadas indiretamente a pessoas por
meio dos cargos por elas ocupados.

302 - Marcelo, diretor de recursos humanos de um banco privado, pretende centralizar a


administração de recursos humanos, pois, apesar da dispersão geográfica das agências pelo
país, ele julga que uma administração de recursos humanos centralizada pode proporcionar
unidade no funcionamento e uniformidade de critérios na aplicação das técnicas em locais
diferentes. Nessa situação, Marcelo deve criar departamentos de recursos humanos
localizados em cada unidade, que, embora situados em locais diferentes, sejam subordinados
diretamente à diretoria de recursos humanos.

303 - Angélica e Thaís foram recentemente aprovadas em processo seletivo para ocupar o
cargo de recepcionista de um hospital. Nessa situação, elas necessitam passar por um
processo de socialização organizacional que objetiva adaptar as pessoas às conveniências
organizacionais. Jaqueline está muito feliz com o novo emprego, pois, além do salário, ela tem
direito a transporte, empréstimos, gratificações, entre outros benefícios. Nessa situação, é
correto afirmar que tais benefícios são do tipo espontâneo, ou seja, são concedidos por
liberdade da empresa, já que não são exigidos em lei. Um dos meios de que se vale a
administração para cumprir suas múltiplas atribuições e realizar as atividades decorrentes é a
técnica contratual.

304 - Hoje não se coloca em dúvida a idéia de que o poder público possa ser parte em um
contrato, mas, nos primórdios da elaboração da teoria do contrato administrativo, houve
resistências fortes a essa idéia, pois alegava-se que a supremacia da administração em
relação ao particular impediria a realização de contratos entre eles. A respeito dos contratos
administrativos e da Lei 8.666 de 93, na ordem jurídica brasileira, o regime jurídico dos
contratos administrativos celebrados pela União está preponderantemente contido na referida
lei. Os estados, o Distrito Federal e os municípios podem editar leis próprias de licitações e
contratos para regular os seus atos, mas devem observar as normas gerais estabelecidas na
Lei 8.666 de 93.
305 - A partir dos anos 80 do século passado, com a quebra dos principais paradigmas
pertinentes à gestão pública, temas que anteriormente eram discutidos e aplicados apenas no
contexto das organizações privadas passaram a fazer parte do vocabulário da administração
pública, dando início à gestão pública moderna. Quanto à gestão pública moderna e à estrutura
da administração pública brasileira, o estado brasileiro não pode ficar indiferente à evolução
dos usuários que desejam, além de serviços mais corteses e soluções gerais válidas para
todos, serviços adaptados aos seus problemas. Os governos tradicionalmente burocráticos
preocupam-se muito mais com a captação de recursos do que com o resultado eficaz dos
programas e ações desenvolvidos. A gestão pública moderna e coerente, à semelhança do
setor privado, deve fazer uso de planos de carreira individuais previsíveis, cujo potencial de
cada servidor seja avaliado todos os anos pelos seus superiores por meio de procedimentos
claros e conhecidos por todos.

306 - A respeito de planejamento estratégico e de suas metodologias, constituem etapas do


planejamento estratégico: determinação dos objetivos organizacionais; análise ambiental
externa; análise organizacional interna; formulação das alternativas estratégicas; escolha da
estratégia organizacional. A metodologia ou processo de planejamento estratégico é um roteiro
comum que deve ser elaborado por diversas pessoas e paralelamente às atividades cotidianas
como orçamento e lista de recursos necessários. Quanto aos conceitos relacionados com o
planejamento e o controle da produção (PCP): O controle da produção é função da
administração relacionada com o planejamento, a direção e o controle do suprimento de
materiais e das atividades de processo em uma empresa. O planejamento é o processo de
decisão sobre ações futuras de uma empresa. À direção cabe a emissão de ordens, ou seja,
dar instruções àqueles que devem trabalhar de acordo com o plano; ao controle cabe comparar
o resultado real com o planejado e informar quais as variações verificadas àqueles que estão
em condição de empreender ações corretivas.

307 - A realização do PCP é feita de modo hierarquizado: começa pela definição de um


objetivo e de uma política geral; em seguida, elabora o esboço de um plano em unidades
maiores e, enfim, em uma sucessão de níveis de planejamento, entra gradualmente em mais
detalhes. O planejamento da produção é a chave para a comunicação do sistema PCP com a
alta direção e demais departamentos da empresa, pois provê os dados de entrada para a
produção e determina as regras de produção de acordo com os objetivos estratégicos da
empresa. O planejamento agregado da produção é a ligação da gestão de produção e
inventários às decisões de planejamento de outras áreas funcionais da empresa, como a de
vendas e a financeira.

308 - Processo é uma ordenação específica das atividades de trabalho no tempo e no espaço,
com um começo e um fim identificados, assim como as entradas e as saídas. Um processo
pode ser definido como conjunto de ações ou atividades, executadas por agentes com o
objetivo de alcançar determinado propósito. A análise de valor do processo de uma
organização, cujo maior propósito é auxiliar a tarefa de gerenciamento de produção, indica os
pontos-chave nos quais a empresa deve se concentrar para corrigir uma possível falha. Acerca
da dinâmica das organizações percebe-se a cultura de uma organização identificando como os
membros se vestem e se tratam mutuamente, como os clientes e fornecedores são tratados e
como se dão as relações entre chefes e subordinados.

309 - Motivação consiste em forças que impulsionam e sustentam os esforços de uma pessoa
à realização de algo. Nesse sentido, o empowerment se caracteriza como uma prática
motivacional. Se um empregado se sente desmotivado em função das características do cargo
que ocupa, então, o rodízio, a expansão e o enriquecimento do cargo são práticas
motivacionais capazes de solucionar o problema. Considere que um diretor de uma
organização deva decidir acerca da construção ou aluguel de um novo depósito de
mercadorias para a organização, mas não dispõe de todas as informações a respeito dos
possíveis impactos que a atual crise financeira internacional pode provocar nos negócios.
Nesse caso, o processo decisório desse diretor tem a incerteza como uma característica.

310 - Considere que um diretor opte pela utilização de um grupo de empregados na tomada de
decisão, acerca de assunto crucial para a organização. Nesse caso, sua opção trará como
vantagens ter mais informações, mais pontos de vista a respeito do assunto e maior
comprometimento com a decisão tomada. Diz-se que há descentralização quando ocorre
transferência de atividades de uma unidade organizacional para outras unidades a ela
subordinadas, com a conseqüente alteração dos regimentos internos da organização.

311 - Acerca do processo grupal nas organizações, Emissor, receptor, mensagem, canal e
ruído são elementos do processo de comunicação nas organizações. Um grupo de pessoas
com problemas de relacionamento, em que uma não se envolve na tarefa da outra, mas cada
uma desempenha suas tarefas da melhor maneira possível, com empenho e determinação
para cumprir a sua meta específica, não constitui uma equipe de trabalho, mas apenas um
grupo de trabalho.

312 – A reengenharia organizacional visa adequar processos organizacionais com o objetivo


principal de reduzir custos de produção. Durante a Segunda Guerra Mundial, certo de que o
controle estatístico constituía algo essencial para a melhoria dos processos empresariais,
Deming colocou em prática suas idéias na indústria bélica, provando suas hipóteses.
Entretanto, após a guerra, os norte-americanos abandonaram a postura inovadora, em prol do
retorno às antigas técnicas gerenciais. Diversamente, os japoneses, sob a influência de
Deming, compreenderam a importância da nova metodologia e alcançaram resultados
fantásticos.

313 - Acerca de qualidade e produtividade nas organizações Deming defendeu que o sucesso
organizacional na busca da qualidade deveria passar por abandonar a compra de insumos com
base apenas no critério de preço. A eliminação de barreiras criadas em função de metas
conflitantes entre unidades organizacionais é um dos princípios de Deming. Considere que a
gerência de uma unidade solicite ao supervisor que apresente, graficamente, a quantidade de
erros cometidos pelos digitadores, da seguinte forma: até 10 erros, de 11 a 20 erros, de 21 a 30
erros, de 31 a 40 erros. Nesse caso, o histograma é adequado para atender à solicitação da
gerência.

314 - Planejamento pode ser definido como o processo consciente e sistemático de tomar
decisões relacionadas a objetivos que uma organização pretende atingir. Os objetivos de longo
prazo, relacionados ao cumprimento da missão e alcance da visão organizacionais e que
envolvem toda a organização são definidos no planejamento estratégico. Entre os tipos de
planejamento, o planejamento operacional é o que apresenta menor alcance em termos de
tempo e menor foco em termos de atividades organizacionais.

315 - Apesar de auxiliar o Poder Legislativo, o Tribunal de Contas da União (TCU) não integra
este poder, sendo considerado órgão independente. A conduta do administrador público, em
desrespeito ao princípio da moralidade administrativa, enquadra-se nos denominados atos de
improbidade administrativa. O princípio da impessoalidade prevê que o administrador público
deve buscar, por suas ações, sempre o interesse público, evitando deste modo a subjetividade.
A Lei da improbidade administrativa cuida dos atos de improbidade praticados por agentes
públicos contra o Poder Público na esfera federal. Mesmo que não importe em enriquecimento
ilícito ou não cause prejuízo ao erário, poderá um ato administrativo ser considerado ato de
improbidade administrativa. A perda da função pública e a suspensão dos direitos políticos só
se efetivam com o trânsito em julgado da sentença condenatória. As ações civis de
ressarcimento ao erário são imprescritíveis. Podem acarretar a suspensão dos direitos políticos
pelo prazo de oito a dez anos, os atos de improbidade administrativa que importem em
enriquecimento ilícito. O objeto da ação de improbidade administrativa é a punição do agente e
não a anulação do contrato.

316 - Acerca dos servidores públicos: As vagas destinadas a deficientes, de acordo com o
edital, poderão tanto não se comunicar com as vagas gerais, como também serem previstas
para reversão, caso não se tenha deficientes aprovados em número suficientes ao de vagas
destinadas para tal. No caso da reserva de vagas para portadores de deficiência, não existe
afronta ao princípio da isonomia.

317 - A fixação do subsídio dos ministros de Estado é da competência exclusiva do Congresso


Nacional, não sujeita a sanção ou veto do presidente da República. A respeito da
responsabilidade civil da administração pública Se o agente público agiu com dolo ou culpa,
dando causa ao dano indenizável, fica assegurado o direito de regresso da administração
contra o funcionário causador do dano. Com relação ao controle da administração pública, É
um exemplo de controle prévio, a autorização do Senado Federal, necessária para que a
União, estados, Distrito Federal e municípios possam contrair empréstimos externos.

318 - O edital de convocação da licitação vincula tanto os licitantes como a administração


pública. A documentação para habilitação poderá ser dispensada, no todo ou em parte, nos
casos de convite, concurso, fornecimento de bens para pronta entrega e leilão. É vedada a
utilização da modalidade convite ou tomada de preços, para parcelas de uma mesma obra ou
serviço, ou ainda para obras e serviços da mesma natureza e no mesmo local que possam ser
realizadas conjunta e concomitantemente, sempre que o somatório de seus valores
caracterizar o caso de tomada de preços ou concorrência, respectivamente, exceto para as
parcelas de natureza específica que possam ser executadas por pessoas ou empresas de
especialidade diversa daquela do executor da obra ou serviço.

319 - A presente administração do governo federal brasileiro estabeleceu entre seus objetivos a
construção de um Estado ágil, transparente, eficiente e eficaz, voltado para as necessidades e
expectativas do cidadão. O projeto Comunidade Brasil, voltado à inclusão digital em
comunidades com alto índice de exclusão social, contemplará a participação ativa de órgãos
dos governos federal, estadual, municipal, da iniciativa privada e do terceiro setor. O foco será
a implantação de telecentros que promovam a alfabetização digital e o acesso à Internet. A
gestão desse projeto deverá ficar sob a responsabilidade de organizações do terceiro setor
integradas por representantes das comunidades atendidas.

320 - A Lei n.º 8.429/1992 dispõe acerca das sanções aplicáveis aos agentes públicos nos
casos de enriquecimento ilícito no exercício de mandato, cargo, emprego ou função na
administração pública direta, indireta ou fundacional e dá outras providências. Essa norma legal
destaca situações que notadamente constituem atos de improbidade administrativa que
atentam contra os princípios da administração pública. Retardar ou deixar de praticar,
indevidamente, ato de ofício. Frustrar a licitude de concurso público. Frustrar a licitude de
processo licitatório ou dispensá-lo indevidamente. Agir negligentemente na arrecadação de
tributo ou renda, bem como no que diz respeito à conservação do patrimônio público. Liberar
verba pública sem a estrita observância das normas.

321- Relativos à gestão de recursos humanos e da inovação, formas de remuneração direta e


indireta normalmente fazem parte da política de manutenção dos recursos humanos de uma
organização.Os sistemas de informação de recursos humanos constituem meios e veículos de
informação adequados para subsidiar a tomada de decisão sobre recursos humanos. Antes de
iniciar um processo de recrutamento e seleção, deve-se realizar o levantamento das
necessidades de recursos humanos da organização. A promoção do desenvolvimento de
recursos humanos e o incentivo à aprendizagem organizacional prejudicam o raciocínio criativo
e a capacidade de inovação do funcionário. .

322 - O controle de qualidade deve garantir não apenas a ausência de defeitos no produto,
mas, também, que ele atenda às necessidades do cliente. A qualidade de conformação refere-
se à medida de fidelidade com que o produto fabricado atende às especificações do projeto.
Acerca da administração financeira: A análise, o planejamento e o controle financeiro são
atividades típicas de um gestor financeiro. Na decisão de investimento, deve-se levar em conta
a relação entre o risco e o retorno dos ativos considerados para a aplicação. Acerca do
planejamento estratégico, A análise das situações interna e externa da organização faz parte
do seu diagnóstico estratégico.

323 - Acerca da gestão de projetos, o gerente do projeto é o responsável direto pelo padrão de
qualidade do produto final e pelo cumprimento do prazo e do orçamento do projeto. Acerca da
administração de recursos humanos, uma das estratégias modernas da gestão de recursos
humanos refere-se à construção do capital humano, termo que representa o valor do
conhecimento, das experiências, das habilidades e das capacidades dos funcionários. A gestão
de desempenho deve incluir políticas de avaliação, monitoramento, treinamento e capacitação
dos funcionários. Entre as vantagens do recrutamento interno, estão o incentivo do
compromisso com a organização e a promoção do desenvolvimento e da motivação dos
funcionários em decorrência das oportunidades que lhes são oferecidas.

324 - No âmbito da gestão da produção, o estoque de produtos acabados é composto por itens
que tiveram seu processo produtivo concluído, mas ainda não foram vendidos. O planejamento
da produção engloba a realização de ações inter-relacionadas que têm por objetivo direcionar o
processo produtivo da empresa e coordená-lo com os objetivos dos clientes. A escolha das
técnicas e dos procedimentos destinados à segurança e à prevenção de acidentes deve levar
em conta as condições de trabalho, o ramo de atividade, o tamanho e o arranjo físico da
empresa.

325 – Um dos pressupostos básicos da gestão da cadeia de suprimentos (supply chain


management) é o de que a gestão deve abranger toda a cadeia produtiva da organização,
incluindo a relação da empresa com seus fornecedores e clientes. Com base na doutrina e nas
legislações orçamentária e financeira públicas: A adoção do orçamento moderno está
associada à concepção do modelo de Estado que, desde antes do final do século 19 deixa de
caracterizar-se por mera postura de neutralidade, própria do laissez-faire, e passa a ser mais
intervencionista, no sentido de corrigir as imperfeições do mercado e promover o
desenvolvimento econômico.

326 - Tem-se observado, no Brasil, que o calendário das matérias orçamentárias e a falta de
rigor no cumprimento dos prazos comprometem a integração entre planos plurianuais e leis
orçamentárias anuais. O orçamento-programa constitui modalidade de orçamento em que a
previsão dos recursos financeiros e sua destinação decorrem da elaboração de um plano
completo. O orçamento-programa distingue-se do orçamento comum, tradicional, porque este
inicia-se com a previsão de recursos para a execução de atividades instituídas, enquanto, no
orçamento-programa, a previsão da receita é a etapa final do planejamento. O orçamento-
programa, como atualmente concebido, é instrumento do planejamento e, desse modo, tem de
integrar-se aos planos e programas governamentais. A esse propósito, uma das condições
para a aprovação de emendas aos projetos de lei do orçamento anual e de suas alterações é a
de que sejam compatíveis com o Plano Plurianual e com a Lei de Diretrizes Orçamentárias.

327 - Receitas imobiliárias e de valores mobiliários constituem receita patrimonial, que se


classifica como receita corrente, para qualquer esfera da administração. A forma de execução
de determinado programa condiciona a classificação da despesa por categoria econômica. Por
exemplo, se o ente público oferece diretamente programas de alfabetização, haverá
predominância de despesas correntes, com pessoal e encargos; se esses serviços forem
terceirizados, haverá também predominância de despesas correntes, só que com serviços de
terceiros. Na instalação de um órgão público recentemente criado, para que haja contribuição
do setor público para a formação do Produto Interno Bruto, deve-se optar pela construção de
um prédio, em vez de, simplesmente, adquirir um imóvel já construído.

328 - Com base nos conceitos gerais e aplicações específicas, e à luz da doutrina e da
legislação relativas à administração de recursos humanos: Na era da informação, é crescente a
importância do capital intelectual da organização, no qual se insere o denominado capital
humano, constituído com os talentos, as competências, a experiência das pessoas. Enquanto o
capital físico se desgasta, se deteriora, o conhecimento se valoriza e sedimenta a cada dia. No
enfoque comportamental na administração, de acordo com a teoria da expectativa, acredita-se
que o esforço produz o desempenho e este, o resultado, aos quais as pessoas atribuem
valores. Desse modo, a motivação estaria assim representada: motivação é igual a expectativa
de que o esforço produzirá o resultado vezes o valor atribuído ao resultado.

329 - Uma das principais funções da cultura organizacional é regular as relações entre os
membros da organização. A cultura define a tendência à solidariedade e ao associativismo, em
contraposição ao individualismo e ao alheamento em relação aos interesses coletivos,
diferenciando as organizações e as sociedades. Nos tempos atuais, a ênfase na gestão de
pessoas se deslocou do controle, da padronização, da rotinização, para o estímulo ao
envolvimento e ao desenvolvimento dessas pessoas. A falta de atenção às práticas da gestão
de pessoas é um grande problema para implementação da gestão pela qualidade.
330 - Uma das desvantagens do recrutamento interno é conhecida como o princípio de Peter:
se administrado incorretamente, leva a organização a promover continuamente seus
empregados ou servidores, elevando-os até a posição ou função em que demonstram o
máximo de sua incompetência. As avaliações de desempenho possibilitam a aferição da
eficácia das funções do setor de pessoal de uma organização. Permitem aos administradores
avaliar, entre outros aspectos, a adequação das políticas de recrutamento e seleção, a validade
das atividades de treinamento e aperfeiçoamento, e a justeza das decisões sobre promoções e
transferências. O método da escolha forçada é um dos métodos tradicionais de avaliação do
desempenho que tem entre suas vantagens o fato de proporcionar resultados confiáveis e
isentos de influências subjetivas e pessoais (eliminando o efeito da generalização), além de ser
de aplicação simples, que não exige preparo prévio dos avaliadores.

331 - Uma vantagem do treinamento de integração à organização é a redução no número de


demissões ou de ações corretivas, em razão do conhecimento das normas e dos regulamentos
relacionados à organização e dos conseqüentes conflitos e sanções resultantes de sua
inobservância.

332 - Considerando-se que o retorno de capital decorre da combinação entre rentabilidade das
vendas e giro do capital, a situação ideal para a administração de estoques seria diminuir o
ativo, mantendo-se as vendas constantes. Comparando-se os sistemas just in time com o
tradicional, aqueles envolvem ciclos curtos de produção e requerem flexibilidade para promover
alterações de produtos; a indústria tradicional, ao contrário, sempre se beneficiou das
economias de escala garantidas pelos longos ciclos.

333 - Com relação aos conceitos e aplicações gerais da administração: Na visão de Mintzberg,
a organização empresarial é o tipo mais simples de organização, muito centralizada em torno
de seu fundador ou controlador. Muitas organizações passam por esse estágio e, sem um
grande crescimento, permanecem nele. São mais apreciadas por quem aspira a um acesso
direto com o chefe e proximidade com a missão.

334 - As funções administrativas, quando consideradas um todo integrado, formam o processo


administrativo. O planejamento, a primeira dessas funções, define os objetivos e os planos para
alcançá-los. Os orçamentos são os planos relacionados com os recursos financeiros a serem
obtidos e utilizados. Atribuir uma função quase-judicial às agências reguladoras significa admitir
a competência dessas agências já instituídas, para dirimir conflitos de interesse entre agentes
que prestam serviços controlados pela agência ou entre esses agentes e os usuários.

335 - Autarquias ou fundações públicas podem ser qualificadas como agências executivas
mediante decreto do Poder Executivo. Para tanto, essas entidades devem ter celebrado
contrato de gestão com o respectivo ministro supervisor e ser responsáveis por atividades e
serviços exclusivos do Estado. Empresas horizontalizadas são aquelas que adotam o modelo
de administração de processos. Em tais circunstâncias, representantes dos clientes e
fornecedores podem ser colocados como membros de equipes internas.

336 - O Sistema de Gestão de Contratos (SICON) é um subsistema do Sistema Integrado de


Administração de Serviços Gerais (SIASG), que, entre outras finalidades, visa efetuar o
acompanhamento da execução dos contratos dos órgãos e entidades da administração federal,
em consonância com os respectivos cronogramas físico-financeiros.

337 - Com relação à administração pública e à estrutura administrativa. A competência pública


é obrigatória, irrenunciável, intransferível, imodificável e imprescritível. Todo recurso
administrativo tem, em regra, efeito devolutivo e, excepcionalmente, efeito suspensivo. Com
relação ao disposto acerca de licitação, contratos administrativos e bens públicos: Os rios
públicos são aqueles situados em terrenos públicos, navegáveis ou flutuáveis, os que destes se
façam e os que lhes determinem a navegabilidade ou flutuabilidade.

338 - O contrato administrativo tem vigência condicionada a sua publicação resumida e


geralmente deve coincidir com o decurso de tempo do orçamento, salvo em caso de exceção
legalmente prevista. A pessoa física ou jurídica autora de projeto básico ou executivo
submetido a licitação pode participar direta ou indiretamente da licitação como consultora.
Acerca das figuras da organização administrativa, Diferentemente das empresas públicas, as
sociedades de economia mista devem se inscrever obrigatoriamente na modalidade de
sociedade anônima.

339 - A compreensão da evolução histórica da administração pública no Brasil pode auxiliar o


entendimento da origem de muitos dos processos vivenciados atualmente pela administração
pública no país. A valorização do servidor, por meio do estímulo de sua capacidade
empreendedora, sua criatividade e seu comportamento ético é uma das preocupações do
Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Avaliar resultados está na base do
movimento de reforma do setor público e essa avaliação depende da definição da missão, das
metas, dos objetivos e da aferição dos resultados. Imperam na corrente da public service
orientation reflexões que se utilizam de conceitos como accountability, transparência e
participação política. Accountability significa que quem desempenha funções de importância na
sociedade deve regularmente explicar o que anda a fazer, como faz, por que faz, quanto gasta
e o que vai fazer a seguir. Não se trata, portanto, apenas de prestar contas em termos
quantitativos mas de auto-avaliar a obra feita, de dar a conhecer o que se conseguiu e de
justificar aquilo em que se falhou. A obrigação de prestar contas, neste sentido amplo, é tanto
maior quanto a função é pública, ou seja, quando se trata do desempenho de cargos pagos
pelo dinheiro dos contribuintes.

340 - Enquanto, no setor privado, o número de participantes do processo decisório é mais


restrito, no setor público, ele é maior, contribuindo com a maior agilidade do processo decisório
no setor privado que no setor público. Alguns pontos podem ser buscados para se alcançar
uma nova gerência pública, tais como: eliminar da organização tudo aquilo que não agrega
valor a seus serviços, desenvolver novas tecnologias, desenvolver processos continuados de
planejamento e desenvolver programas de capacitação contínua. A reengenharia e a gestão da
qualidade total constituem importantes modelos de gestão que podem auxiliar no processo de
modernização e de desenvolvimento de organizações públicas, possibilitando, inclusive, o
melhor atendimento do cidadão.

341 - A organização pública que se dispuser a implementar a reengenharia deve observar que
esse processo, entre outros aspectos a ele inerentes, exige o efetivo comprometimento da alta
cúpula, a utilização de tecnologias de informação e o investimento em treinamento.

342 - O alcance da qualidade no setor público pode estar relacionado ao fato de os cidadãos
terem sido atendidos em suas necessidades, à redução dos custos da administração pública e
a uma gestão de processos que se desenvolva continuamente. Quanto à administração de
recursos humanos. No contexto da modernização do setor público e da reprodução do espírito
gerencial nesse setor, os funcionários públicos foram freqüentemente os primeiros alvos desse
processo, especialmente nos Estados Unidos da América, em que, por meio do enxugamento,
buscava-se diminuir os custos da máquina pública, alcançando o objetivo de diminuição do
tamanho do Estado.

343 - A gestão estratégica é fundamental no âmbito da modernização de organizações do setor


público. Pensar e planejar em termos estratégicos torna-se extremamente relevante para a
administração, que deve, de maneira participativa, definir missão, objetivos gerais e específicos
e estratégias, de modo que a organização possa responder positivamente às demandas da
sociedade. Além da criatividade e da inovação, outro fator que deve ser continuamente
incentivado na administração pública gerencial é o contrato de gestão, que pode ser
considerado um instrumento à disposição de órgãos descentralizados para a realização do
devido controle das organizações.

343 - Contrato de Gestão: A Constituição Federal fala, expressamente, de algumas espécies


de acordos de interesse firmados entre particulares e o Poder Público. Outros, como o contrato
de gestão, não encontram menção expressa no texto constitucional. O contrato de gestão,
trata-se de um "ajuste celebrado pelo Poder Público com órgãos e entidades da Administração
direta, indireta e entidades privadas qualificadas como organizações sociais, para lhes ampliar
a autonomia gerencial, orçamentária e financeira ou para lhes prestar variados auxílios e lhes
fixar metas de desempenho na consecução de seus objetivos".
344 - Em relação às formas históricas de administração pública: A crise do Estado teve início
nos anos 70 do século passado, mas só nos anos 80 se tornou evidente, paralelamente ao
descontrole fiscal, à redução do crescimento econômico, ao aumento do desemprego e aos
elevados índices de inflação. A crise do Estado define-se como crise fiscal, esgotamento da
estratégia estatizante de intervenção e predomínio da administração burocrática. A reforma do
Estado deve ser entendida no contexto da redefinição do seu papel: ele deixa de ser
responsável direto pelo desenvolvimento econômico e social pela via da produção de bens e
serviços, para fortalecer o papel de regulador e promotor desse desenvolvimento.

345 - Quanto às formas de administração pública: A administração pública burocrática surgiu


para se combaterem a corrupção e o nepotismo patrimonialista. Na administração pública
gerencial, a estratégia volta-se para a definição dos objetivos que o administrador público deve
atingir em sua unidade, para a garantia da autonomia na gestão de recursos humanos,
materiais e financeiros e para o controle e a cobrança a posteriori de resultados. Acerca do
paradigma pós-burocrático da administração pública brasileira: Dadas as inadequações do
modelo burocrático implantado a partir da década de 30 do século passado, sucessivas
tentativas de reforma foram implantadas, destacando-se o Decreto-Lei 200 de 67 como marco
definitivo na tentativa de superação da rigidez burocrática. No início dos anos 80 do século
passado, com a criação do Ministério da Desburocratização e do Programa Nacional de
Desburocratização, registrou-se uma nova tentativa de reformar o Estado na direção da
administração gerencial. Apesar dos esforços reformadores, um dos custos mais
surpreendentes da transição democrática de 1985 foi o loteamento, entre os políticos dos
partidos vitoriosos, de cargos públicos da administração indireta e das delegacias estaduais
dos ministérios.

346 - A respeito de administração pública, os recursos humanos são, em princípio, o aspecto


da administração pública mais vulnerável aos efeitos da crise fiscal e da política de ajuste
fiscal. Aumentar a governança do Estado significa aumentar sua capacidade administrativa de
gerenciar com efetividade e eficiência, voltando-se a ação dos serviços do Estado para o
atendimento ao cidadão. Em relação aos conceitos de organização burocrática, administração
gerencial, bases da administração pública: Entende-se como política organizacional a arte de
estabelecer objetivos organizacionais, mediante a interpretação dos interesses e das
aspirações da comunidade organizacional e de seu público cliente, e de orientar a obtenção e a
consecução desses objetivos.

347 - Nas próximas décadas, tanto a administração pública quanto a privada deverão enfrentar
os seguintes desafios: sofisticação tecnológica, internacionalização das relações empresariais
e organizacionais, maior visibilidade e necessidade de maior agilidade no processo decisório.
Entre os 14 princípios de Fayol, incluem-se a divisão do trabalho, a autoridade e a
responsabilidade, a unidade de comando, a equidade, a iniciativa e o esprit de corps ou seja
trabalho em equipe.

348 - No que diz respeito às novas tecnologias gerenciais, à gestão por resultado, à tecnologia
da informação e aos conceitos de análise e avaliação de projetos, uma das metodologias de
avaliação de projetos é o cálculo do valor presente líquido. De acordo com essa metodologia,
comparando-se dois projetos, o de maior VPL é considerado o mais interessante, pois
representa a alternativa de maior valor intrínseco. A avaliação 360º, uma das ferramentas
modernas utilizadas na gestão de recursos humanos, consiste na avaliação de desempenho
ampla, envolvendo o colaborador, sua chefia, seus colaterais e seus subordinados. A taxa
interna de retorno (TIR) de um projeto é igual à taxa de desconto, o que zera seu valor
presente líquido.

349 - O maior desafio das organizações de hoje é ter a capacidade de responder eficazmente
às ameaças e às oportunidades impostas pelo ambiente externo, bem como manter o seu
público interno estimulado para vencer os desafios institucionais propostos. As organizações
vêm sofrendo pressões de seus diferentes públicos estratégicos e as relações públicas
aparecem no cenário das organizações para ajudar a construir relacionamentos harmônicos e
duradouros destas com os públicos dos quais depende sua sobrevivência. Para facilitar a
tarefa, elas necessariamente devem influenciar nas políticas, nas estratégias e nas decisões
tomadas nesse sentido. Apesar de serem freqüentemente utilizados como sinônimos, público e
Stakeholders são termos com significados diferentes. Os stakeholders constituem a categoria
das pessoas afetadas pelas decisões de uma organização e (ou) daquelas categorias que
afetam as decisões das empresas.

350 - O plano estratégico de comunicação organizacional tem como proposta básica


estabelecer as grandes diretrizes, orientações e estratégias para a prática da comunicação
integrada nas organizações. Existe um grande sistema emissor, formado por governos (as
estruturas tecnocráticas), políticos e grandes grupos econômicos, que transforma a malha de
comunicação em esteira transmissora do pensamento das elites. O termo público designa um
grupo de pessoas que estão envolvidas em uma dada questão, encontram-se divididas em
suas posições e discutem a respeito do problema. A falta de dignidade ao retratar determinada
situação de miséria reduz o pobre a um nível de objeto, o qual é meramente usado em uma
causa, que pode até ser justa, mas não tem respeito pela criança desnuda, pela dor da mãe ou
pela vergonha do pai.

351 - A linha que divide a propaganda da instituição, no que tange à arrecadação de fundos e à
dignidade do pobre, é tênue e pode ser facilmente confundida. A transparência ao lidar com os
recursos é parte indissociável da boa imagem da organização, principalmente porque o
dinheiro, seja qual for sua fonte, a partir do momento em que é destinado a uma organização
do terceiro setor, passa a ser público. A respeito da atual organização da administração pública
brasileira, segundo a CF88, o Instituto Nacional do Seguro Social é uma das mais importantes
entidades da área federal.

352 - Uma empresa pública abriu licitação para a compra de grande quantidade de material
permanente. A concorrente vencedora apresentou certidões falsas, com a conivência do
presidente da comissão de licitação. Contudo, a fraude veio a ser descoberta por meio de
denúncia. Diante desse quadro, o presidente da empresa pública decidiu anular todo o
processo licitatório. A empresa pública é civilmente responsável pelo ressarcimento dos gastos
efetuados pelos demais participantes do processo licitatório frustrado, pois a fraude não se teria
consumado sem a anuência de seu preposto.

353 - Considerando a forma como a administração pública, em todas as esferas de poder, está
organizada, mesmo que sejam por um período previamente determinado, todos aqueles que
exercerem uma função pública, independentemente de sua natureza, são considerados
agentes públicos. Nenhuma situação jurídica pode perdurar no tempo se estiver em confronto
com a CF 88, sendo fundamental a observância dos princípios constitucionais. A administração
pública, em especial, deve nortear a sua conduta por certos princípios. Na atual CF, estão
expressamente informados os princípios da eficiência, publicidade, impessoalidade e
moralidade.

354 - De acordo com o que dispõe a CF88 a respeito do Poder Legislativo federal: Embora o
Senado e a Câmara dos Deputados tenham os seus respectivos presidentes, em caso de
urgência ou interesse público relevante, pode o vice-presidente da República, no exercício da
Presidência da República, fazer a convocação do Congresso Nacional para sessão legislativa
extraordinária. A CF trata de forma detalhada da sucessão presidencial, nos casos de vacância
e impedimento do chefe do Poder Executivo. No caso de impedimento concomitante do
presidente e do vice-presidente da República, quem ocupará provisoriamente a Presidência da
República será o presidente da Câmara dos Deputados, e a eleição dos novos chefes da nação
se dará por eleição popular direta, se ambos os cargos tiverem ficado vagos antes de se
completarem dois anos de mandato presidencial.

355 - A respeito da composição do TSE. O corregedor eleitoral do TSE será ministro oriundo do
STJ. Considerando que um partido político decida disputar as eleições para uma câmara
municipal composta por dez integrantes, sem fazer coligação com nenhum outro, lançando a
chamada chapa própria, o número máximo de candidatos do partido nessa eleição poderá ser
igual a quinze.

356 - A reforma gerencial da administração pública brasileira tornou-se fundamental à medida


que o processo de globalização surgiu e influenciou o nível de autonomia dos estados,
principalmente com relação às políticas públicas. A reforma do Estado tem como objetivo
tornar o Estado mais governável, com maior capacidade de governança, de modo a não só
garantir a propriedade e os contratos, como pensado pelos neoliberais, mas também para
complementar o mercado na tarefa de coordenar a economia e promover distribuição de renda
mais justa. O Estado brasileiro tem passado por reformas que impactam em suas dimensões
estruturais e culturais. Algumas tendências contemporâneas têm possibilitado gerir as
máquinas administrativas dos estados, enfatizando novas estratégias de gestão pública e sua
correlação com a gestão privada. A emissão de certidões negativas pela Internet possibilita o
acompanhamento de uma tendência de atendimento às necessidades dos cidadãos, usuários
do sistema, de menos burocracia e mais comodidade. Assim, sob a ótica das relações de
fornecimento de produtos e serviços, essa ação transforma o cidadão em cliente dos órgãos da
gestão pública, como nas relações de um cliente com uma empresa privada. Os diversos
sistemas do governo federal, que funcionavam isoladamente, passaram a trabalhar de forma
integrada, delineando nova forma de governo-rede, agregando benefícios como maior
confiabilidade das informações e redução de custos.

357 - Do ponto de vista da administração, por exemplo, o Sistema Integrado de Administração


de Serviços Gerais (SIASG) atua como ferramenta de apoio para atividades de gestão de
materiais, licitações, contratos e fornecedores. Acerca da tecnologia de informação, da gestão
de redes e da comunicação na gestão pública: O uso das tecnologias de informação e
comunicação promove avanços significativos na gestão da informação pelo serviço público, o
que possibilita a redução dos custos, o aperfeiçoamento dos processos e a capacitação para
prestar serviços e informações de melhor qualidade, promovendo a transparência das ações
governamentais.

358 - Acerca das temáticas relativas à administração pública, Em uma organização informal,
não é possível identificar a sua cadeia de comando nem o seu organograma, mesmo que a
organização seja legalmente constituída.

359 - A avaliação de desempenho auxilia a organização a definir as bases de recompensas de


acordo com o desempenho dos avaliados, bem como fornece ao empregado uma resposta
acerca da realização de suas tarefas. O treinamento — um dos principais instrumentos da
administração de recursos humanos — envolve algumas etapas fundamentais, tais como:
levantamento de necessidades de treinamento, programação de treinamento, implementação e
avaliação dos resultados.

360 - O planejamento estratégico ocupa, entre outros, papel importante na definição dos cursos
de ação a serem seguidos por uma empresa. O planejamento estratégico tem início com a
elaboração do diagnóstico estratégico, e posteriormente a organização estabelece sua missão,
seus valores, seus objetivos, suas estratégias e metas. É fundamental a definição dos objetivos
da organização no planejamento estratégico, os quais devem ser, sempre que possível
hierárquicos bem como realistas, consistentes e motivadores.

361 - O processo orçamentário é composto das seguintes etapas: fixação de metas de


resultado fiscal, previsão ou estimativa da receita, cálculo da necessidade de financiamento do
governo Federal, fixação dos valores para despesas obrigatórias, determinação dos limites
para despesas discricionárias, elaboração das propostas setoriais, processo legislativo e
sanção da lei, execução orçamentária e alterações orçamentárias. Com relação ao Plano
Plurianual (PPA), que, sob o aspecto orçamentário, é uma das novidades da Constituição
Federal de 1988. As emendas ao projeto de lei de diretrizes orçamentárias não poderão ser
aprovadas quando incompatíveis com o PPA. Por meio da classificação da receita por fonte no
orçamento, é possível acompanhar o comportamento da arrecadação de cada modalidade da
receita orçamentária. A receita de contribuições, no aspecto puramente econômico, confunde-
se com os tributos, porém são legalmente consideradas como encargos parafiscais. A principal
fonte de receita do setor público é a arrecadação tributária. Acerca dos aspectos principais a
serem considerados para a obtenção de um sistema tributário ideal, Segundo o conceito da
simplicidade, é importante que o imposto seja de fácil entendimento para quem tiver que pagá-
lo. A respeito da classificação da despesa segundo a sua natureza, A modalidade de aplicação
objetiva possibilitar a eliminação da dupla contagem dos recursos transferidos ou
descentralizados.
362 - A receita pública passa por um processo denominado estágios ou fases, até o seu
recebimento. A arrecadação indireta ocorre quando entidades depositárias — empregadores,
bancos etc. — retêm valores do contribuinte, providenciando, posteriormente, o recolhimento.
363- A responsabilidade na gestão fiscal pressupõe a ação planejada e transparente, em que
se previnem riscos e corrigem desvios capazes de afetar o equilíbrio das contas públicas,
mediante o cumprimento de metas de resultados entre receitas e despesas e a obediência a
limites e condições no que tange a renúncia de receita, geração de despesas com pessoal, da
seguridade social e outras, dívidas consolidada e mobiliária, operações de crédito, inclusive por
antecipação de receita, concessão de garantia e inscrição em restos a pagar. Acerca dos
dispositivos da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) que tratam da transparência, controle e
fiscalização da gestão fiscal. Os tribunais de contas alertarão os poderes ou órgãos
relacionados na LRF quando constatarem que o montante da despesa com pessoal
ultrapassou 90% do limite autorizado. Em atendimento ao disposto na LRF, o ente deve
elaborar o anexo de metas fiscais, que integrará o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias
(LDO). Nesse anexo, inclui-se o demonstrativo da evolução do patrimônio líquido. Com relação
ao controle da despesa total com pessoal, previsto na LRF, No caso de ultrapassagem do limite
e não alcançada a redução no prazo estabelecido pela legislação, o ente não poderá receber
transferência voluntária. A auditoria interna é exercida no âmbito das pessoas jurídicas de
direito público, interno ou externo, e de direito privado.

364 - Com relação às normas de execução dos trabalhos, Constitui fator de risco, a ser
considerado no planejamento dos trabalhos, a possibilidade de não se atingirem os objetivos
em razão de limitações ao alcance dos procedimentos de auditoria interna. Algumas
preocupações exigem a opinião de alguém não ligado ao negócio e que confirme, de forma
independente, a qualidade e precisão das informações. Essas situações ensejam o
aparecimento do auditor. A esse tipo de preocupação corresponde, cumprimento da legislação,
consecução dos objetivos e atingimento das metas, a correta aplicação do capital investido e
avaliação do retorno do investimento.

365 - A auditoria da gestão pública é a vertente da auditoria governamental realizada pelo


Estado visando ao controle de sua gestão. Constitui objetivo da auditoria operacional, aferir a
confiabilidade, a segurança, a fidedignidade e a consistência dos sistemas administrativos,
gerenciais e de informações. Estão sujeitos à jurisdição do Tribunal de Contas da União (TCU)
os recursos transferidos pela União a município quando houver Tribunal de Contas do
município. Com relação aos controles específicos sobre o passivo, há vários tipos de
preocupações para as quais deve estar voltada a atenção do auditor. Caracteriza uma dessas
preocupações a existência de autorização hábil para os respectivos pagamentos a manutenção
de obrigações já quitadas, a omissão de dívidas assumidas e vencidas e o impedimento de
pagamentos em duplicidade ou para benefícios fictícios.

366 - O sistema de controle interno é inerente a todos os atos e processos administrativos de


quaisquer órgãos e entidade, devendo ser concebido sob a ótica da integração. Os
mecanismos de controle na administração pública se situam em duas esferas interdependentes
de ação: os reconhecidos como de accountability verticais e os tratados como de accountability
horizontais. O controle administrativo ou interno, que integra a estrutura de cada poder,
acompanha a execução dos respectivos atos, indicando, em caráter opinativo, preventivo ou
corretivo, as ações a serem realizadas com vistas ao atendimento da legislação e ao
cumprimento dos objetivos, diretrizes e metas da administração. A LRF conferiu muita
relevância à transparência, ao controle e à fiscalização. No tocante às prestações de contas, a
LRF estabelece que o parecer prévio do TCE sobre as contas dos chefes dos poderes deve ser
conclusivo, não obstante o julgamento caiba ao Legislativo.

367 - A assembléia legislativa de um estado da Federação promulgou emenda à constituição


estadual, determinando que os relatórios de impacto ambiental produzidos pelo IBAMA ou pelo
órgão licenciador do estado, no âmbito de um processo de licenciamento ambiental de
empreendimento a ser executado no estado, deveriam ser submetidos ao exame de comissão
permanente e específica dessa assembléia como requisito para aprovação e concessão de
licenciamento ambiental. Essa norma tem como finalidade proteger a integridade do meio
ambiente ecologicamente equilibrado. Nessa situação, em tese, a assembléia legislou acerca
de um direito constitucional de titularidade coletiva. Tal direito relaciona-se com um importante
momento do movimento de expansão e reconhecimento dos direitos humanos. A norma criada
pela assembléia legislativa viola as regras de competência administrativa para a concessão de
licenciamento ambiental de empreendimentos poluidores. A concessão de licenças ambientais
é ato de poder de polícia.

368 - Em relação aos tribunais de contas, O tribunal de contas não tem poder de determinar
quebra de sigilo bancário. Em relação ao controle judicial da administração pública, O
condenado por improbidade administrativa à perda de direitos políticos, transitada em julgado,
não pode, enquanto perdurarem os efeitos da decisão judicial, propor ação popular.

369 - Em relação à motivação dos atos administrativos, Na hipótese de motivação de um ato


discricionário, as razões anotadas pelo agente público serão determinantes no exame de sua
validade pelo Judiciário. Em relação à Lei de Responsabilidade Fiscal A receita de capital
derivada da alienação de bens e direitos que integram o patrimônio público pode ter a sua
destinação, por lei, aos regimes de previdência social, geral e próprio dos servidores públicos.
Em relação às leis orçamentárias, É defeso o início de programa não incluído na lei
orçamentária anual. Em relação às receitas e às despesas públicas, As dotações destinadas ao
atendimento de obras de conservação e adaptação de bens imóveis são consideradas
despesas de custeio. As condutas que tipificam o crime contra a ordem tributária decorrente de
supressão ou redução de tributo, incluem deixar de recolher, no prazo legal, valor de tributo,
descontado ou cobrado, na qualidade de sujeito passivo de obrigação e que deveria recolher
aos cofres públicos; Prestar declaração falsa às autoridades fazendárias, fraudar a fiscalização
tributária, inserindo elementos inexatos em livro exigido pela lei fiscal, deixar de fornecer,
quando obrigatório, nota fiscal relativa à venda de mercadoria.

370 - O orçamento público é o planejamento feito pela administração pública para atender,
durante determinado período, aos planos e programas de trabalho por ela desenvolvidos. Com
relação às características e ao tratamento a ser dado aos créditos adicionais, As autorizações
de despesas não computadas ou insuficientemente dotadas na lei de orçamento são
denominadas créditos adicionais. Os créditos adicionais são classificados em créditos
suplementares, créditos especiais e créditos extraordinários. O ato que abrir crédito adicional
indicará a importância, a espécie do mesmo e a classificação da despesa, até onde for
possível. Para que os lançamentos efetuados no âmbito da administração pública pudessem
permitir a interpretação dos resultados econômicos e financeiros, foi concebida uma lógica
contábil por meio de sistemas de contas. Acerca dos registros contábeis a serem efetuados nos
sistemas de contas da contabilidade pública e seus relacionamentos com os atos e fatos, a
aquisição de veículo para uso, com pagamento à vista e recebimento imediato do bem, enseja
registro contábil no sistema de contas patrimonial devido a sua incorporação ao patrimônio da
entidade.

371 - Apesar das limitações de recursos, as empresas menores enfrentam o desafio de manter
um controle interno, a custo razoável, de várias maneiras, entre as quais se inclui a existência
de estruturas menos complexas, por permitirem que os dirigentes tenham amplo conhecimento
das atividades e um vínculo mais estreito com a organização. O gerenciamento de riscos
corporativos é constituído de vários componentes inter-relacionados, que se originam com base
na maneira como a administração gerencia a organização e que se integram ao processo de
gestão. Entre esses componentes, destaca-se a avaliação de riscos, que devem ser
identificados, administrados e associados aos objetivos passíveis de ser influenciados e seus
respectivos impactos.

372 - Entre os fatores que compõem o ambiente de controle de uma entidade, destacam-se a
integridade e os valores éticos. Para se alcançar essas qualidades, os mais altos dirigentes
devem reduzir ou eliminar incentivos e tentações que possam levar indivíduos a praticar atos
desonestos, ilegais ou não-éticos. Desse modo, recomenda-se que a organização dê ênfase à
clara definição das atribuições de autoridade e responsabilidade. O gerenciamento de riscos
corporativos trata de riscos e oportunidades que afetam a criação ou a preservação do valor,
refletindo certos conceitos fundamentais. Desse modo, o gerenciamento corporativo é um
processo destinado a compatibilizar os riscos de eventos em potencial aos riscos admitidos
pela organização, sem maiores prejuízos ao cumprimento de seus objetivos.
373 - Entre as características de qualquer sistema de controle interno satisfatório, não é
passível de determinação pelos fluxogramas o emprego de pessoal com aptidão e treinamento
compatíveis com a sua responsabilidade. No tocante às normas de desempenho, o
gerenciamento da atividade de auditoria interna deve assegurar que se adicione valor à
organização. Com relação a esse assunto, o diretor executivo de auditoria deve coordenar
atividades com outros prestadores — internos e externos — de serviços relevantes de
auditoria.

374 - Com relação ao campo de atuação da auditoria interna e à ocorrência de erros e de


fraudes, a adulteração de demonstrações contábeis, tanto em termos físicos quanto
monetários, constitui uma das hipóteses de fraude. Acerca da auditoria no setor público federal,
bem como à administração da função de auditoria, É responsabilidade da auditoria interna
fazer periodicamente uma avaliação dos controles internos. Nesse sentido, é correto afirmar
que a auditoria interna representa um controle interno.

375 - A respeito dos controles internos dos órgãos e entidades sob exame. Somente por meio
do conhecimento da efetiva estruturação e funcionamento desses controles, poderá o auditor
fundamentar, com a devida segurança, a sua avaliação sobre a gestão examinada. Em uma
situação em que se avaliem dados e informações de licitações e contratos, o sistema de
controle interno do Poder Executivo federal deve, necessariamente, adotar os critérios de
economicidade e efetividade. Um dos meios utilizados para a obtenção de informações em
auditoria do TCU é a entrevista, a qual, ainda que tenha cunho informal, pode ser utilizada no
relatório de auditoria.

376 - A Lei 101 de 2000, conhecida como Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), estabeleceu
normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal, estabelecendo,
entre outras, normas para execução orçamentária e cumprimento de metas. Considerando que
haja limitação de empenho, a recomposição das dotações cujos empenhos foram limitados dar-
se-á de forma proporcional às reduções efetivadas.

377 - Os princípios orçamentários formam os pilares de uma gestão de recursos públicos. O


art. 2 da Lei 4.320 de 64 dispõe que a Lei de Orçamento conterá a discriminação da receita e
da despesa, de forma a evidenciar a política econômico-financeira e o programa de trabalho de
governo, obedecidos os princípios da unidade, universalidade e anualidade. Com relação à
observância ao princípio da universalidade, O projeto da lei orçamentária deve ser
acompanhado do demonstrativo regionalizado dos efeitos sobre as receitas e despesas,
decorrentes de isenções, anistias, remissões, subsídios e benefícios de natureza financeira,
tributária e creditícia.

378 - O ciclo orçamentário, também denominado processo orçamentário, corresponde ao


período de tempo em que se processam as atividades típicas do orçamento público, desde sua
concepção até sua apreciação final. Com relação ao período de discussão, votação e
aprovação do orçamento público, As emendas ao projeto de lei do orçamento anual ou aos
projetos que o modifiquem somente podem ser aprovadas caso sejam compatíveis com o plano
plurianual (PPA) e com a lei das diretrizes orçamentárias (LDO).

379 - Como função de um setor público, deve-se entender o maior nível de agregação das
diversas áreas de despesa que competem ao setor. Cada programa deverá dar solução a um
problema ou atender a uma demanda da sociedade, mediante um conjunto articulado de
projetos, atividades e de outras ações que assegurem a consecução dos objetivos. Sobre as
características que cercam as atividades, Trata-se de um instrumento de programação para
alcançar o objetivo de um programa, envolvendo um conjunto de operações que se realizam de
modo contínuo e permanente, das quais resulta um produto necessário à manutenção da ação
de governo.

380 - Pelo enfoque orçamentário, receita são todos os ingressos disponíveis para cobertura
das despesas públicas, em qualquer esfera governamental. Relativamente à classificação
orçamentária da receita pública e seu impacto no patrimônio da entidade governamental,
Conforme os efeitos produzidos, ou não, no patrimônio líquido, a receita orçamentária pode ser
classificada como efetiva ou não-efetiva.
381 - Com relação à competência para legislar sobre orçamento, Atualmente, compete à União,
aos estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre o orçamento, limitando-se a
União a estabelecer normas gerais e cabendo aos estados exercer competência suplementar.
A Lei 4.320 de 64, em seu art. 11, classifica a receita orçamentária em duas categorias
econômicas: receitas correntes e receitas de capital.

382 - O legislador definiu para a execução financeira aplicada à administração pública brasileira
o regime misto, ou seja, o regime de competência para as despesas e de caixa para as
receitas, contudo, o registro do direito se dará no momento do fato gerador, em observância
aos princípios da competência e da oportunidade. Acerca desse entendimento, No momento da
arrecadação, o ente deverá registrar no sistema orçamentário a receita pelo regime de caixa e,
ao mesmo tempo, proceder à baixa do ativo anteriormente registrado. Segundo o disposto na
Lei 4.320 de 64, a realização da receita e da despesa da União far-se-á por via bancária, em
estrita observância ao princípio de unidade de caixa, conhecido como conta única.

383 - Acerca do funcionamento da conta única, o controle dos saldos e a transferência de


recursos entre as unidades gestoras são feitos pelo Sistema Integrado de Administração
Financeira (SIAFI). A natureza da receita busca identificar a origem do recurso segundo seu
fato gerador, mas, existe a necessidade de classificar a receita conforme a destinação legal
dos recursos arrecadados. Por isso, foi instituído no governo federal o mecanismo da
destinação da receita.

384 - No que se refere à experiência do chamado orçamento participativo, e ao controle social


do Estado pelo cidadão, A ação popular é importante instrumento de fiscalização do Estado
pelo cidadão, mas seus resultados têm sido bastante limitados; além de ter sua legitimação
ativa restrita ao cidadão, apresenta, em geral, insuficiência de comprovação técnica das
irregularidades apontadas e assistência jurídica deficiente. Em defesa da legitimidade das
decisões comunitárias, atribui se ao orçamento participativo o mérito de conferir maior
fidelidade à programação de investimentos, ao contrário da flexibilidade que caracteriza o
processo convencional de programação.

385 - A Lei Complementar 101 de 2000 — Lei de Responsabilidade Fiscal — determina a


elaboração do relatório resumido da execução orçamentária e do relatório de gestão fiscal.
Quanto a esses relatórios, Nos estados, o demonstrativo da receita corrente líquida, que
acompanha o relatório resumido da execução orçamentária, deve apresentar as receitas
tributárias detalhadas em ICMS, IPVA e outras receitas tributárias de competência dos estados.
No demonstrativo da despesa com pessoal, que acompanha o relatório de gestão fiscal, devem
ser evidenciados como outras despesas de pessoal decorrentes de contratos de terceirização
os valores liquidados referentes aos contratos de terceirização de mão-de-obra que se referem
à substituição de servidores e empregados públicos.

386 - A CF assegura ao servidor público o direito ao salário mínimo nacionalmente unificado,


sendo considerado, para tanto, a remuneração do servidor, e não apenas o seu vencimento
básico. No que se refere aos serviços públicos, toda concessão de serviço público terá de ser
objeto de licitação prévia na modalidade de concorrência. Os serviços públicos não essenciais,
em regra, são delegáveis e podem ser remunerados por preço público. Com relação ao
processo administrativo no âmbito da administração federal, a suspeição gera presunção
relativa de incapacidade, mas o defeito é sanado se o interessado não a alegar no momento
oportuno. No que se refere às normas aplicáveis às licitações, É dispensável licitação para a
aquisição de componentes ou peças de origem nacional ou estrangeira, necessários à
manutenção de equipamentos durante o período de garantia técnica, ao fornecedor original de
tais equipamentos, quando tal condição de exclusividade for indispensável para a vigência da
garantia.

387 - Na hipótese de as obras, os serviços ou as compras efetuados pela administração


pública serem parcelados, a cada etapa ou conjunto de etapas da obra, serviço ou compra há
de corresponder licitação distinta, preservada a modalidade pertinente para a execução do
objeto da licitação. De acordo com as normas aplicáveis aos contratos no âmbito da
administração pública. O regime de execução ou a forma de fornecimento constitui cláusula
necessária em todo contrato firmado pela administração pública. É considerado comum o bem
ou o serviço de informática e automação cuja especificação estabeleça padrão objetivo de
desempenho e qualidade e que seja capaz de ser atendida por vários fornecedores, ainda que
existam outras soluções disponíveis no mercado.

388 - Se determinado órgão público desencadear procedimento licitatório para a aquisição de


bens e serviços de tecnologia da automação, e o instrumento convocatório, contudo, não
contemplar exigência contratual de comprovação da origem dos bens importados oferecidos
pelos licitantes e da quitação dos correspondentes tributos de importação, o edital respectivo
contrariará disposição legal expressa, já que a comprovação da origem dos aludidos bens e da
quitação dos tributos figura entre os requisitos que devem constar obrigatoriamente do
instrumento convocatório.

389 - A respeito da modalidade de licitação denominada pregão, Pela sua própria natureza e
finalidade, o pregão não admite a participação de empresas estrangeiras. É vedada a exigência
de garantia de proposta no pregão. A respeito dos atos normativos do Ministério do
Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), Atenderá aos atos normativos do MPOG a
contratação, por órgão público, de suporte técnico para os seus processos de planejamento e
avaliação da qualidade dos serviços de tecnologia da informação, desde que sob a supervisão
exclusiva de servidores do órgão. As atividades de informática, como as de telecomunicações,
devem ser, de preferência, objeto de execução indireta. Relativos à elaboração e à fiscalização
de contratos, bem como ao papel do preposto do contratado. O contratado deve manter
preposto aceito pela administração pública no local da obra ou serviço, para representá-lo na
execução do contrato.

390 - O controle de despesas provenientes dos contratos é feito pelo tribunal de contas
competente, sem prejuízo do sistema de controle interno. A publicação resumida do
instrumento de contrato ou de seus aditamentos na imprensa oficial é condição indispensável à
sua eficácia. A sanção de suspensão temporária de participação em licitação e impedimento
de contratar com a administração pública por prazo não superior a dois anos pode ser aplicada
aos profissionais que tenham sofrido condenação definitiva por praticar, de forma dolosa,
fraude fiscal no recolhimento de quaisquer tributos.

391. Quais os princípios que regem a falência e a recuperação de empresas, consoante à Lei
11.101 de 2005? Os seguintes princípios: Viabilidade da empresa; Prevalência dos interesses
dos credores; Publicidade do procedimento; Par conditio creditorum; Conservação e
manutenção dos ativos; Conservação da empresa viável.

392. Sobre o princípio da viabilidade da empresa: Refere-se às sociedades que sejam viáveis,
mas encontre-se em dificuldade. O juízo de viabilidade é feito pelos credores e pelo juiz,
observados os seguintes parâmetros: grau de endividamento; Ativo; Passivo; Relevância
social. Hodiernamente, ou seja, atualmente, o juízo é mais dos credores que do juiz. Na
recuperação extrajudicial o juízo de viabilidade é feito somente pelos credores, o juiz apenas o
homologa. Na recuperação judicial e na falência, os credores podem opinar, mas a palavra final
é sempre do juiz.

393. Qual o critério utilizado pelo juiz para decidir entre a recuperação judicial ou a sua
conversão em falência? O critério é a análise da viabilidade da empresa. Sendo a sociedade
empresária viável, aplicar-se-á recuperação judicial, sendo inviável deverá o juiz converter a
recuperação em falência.

394. O que informa o princípio da prevalência do interesse dos credores? A satisfação dos
interesses dos credores tem caráter público. Assim, o plano de recuperação apresentado tem
que preservar ao máximo esse interesse.

395. Sobre o princípio da publicidade do procedimento: Todos os atos praticados no processo


de falência ou recuperação judicial devem ser públicos. Essa publicidade tem dois objetivos
basilares: Manter a sociedade informada do procedimento, podendo desta forma demonstrar
que a falência ou a recuperação judicial está cumprindo o seu papel e; Manter os credores
informados de todos os tramites do processo, garantindo assim a equidade entre credores, ou
seja, evita-se que este ou aquele credor seja beneficiado por manobras escusas.

396. Defina o princípio par conditio creditorum: Quando, o devedor tem, em seu patrimônio,
bens de valor inferior à totalidade de suas dívidas, quando ele deve mais do que possui, a
regra da individualidade da execução torna-se injusta. Isto porque não dá aos credores de uma
mesma categoria de crédito as mesmas chances. Aquele que se antecipasse na propositura da
execução possivelmente receberia a totalidade do seu crédito, enquanto os que se
demorassem — até porque, eventualmente, nem tivesse ainda vencido a respectiva obrigação
— muito provavelmente não receberiam nada, posto encontrarem o patrimônio do devedor já
totalmente exaurido. Para se evitar essa injustiça, conferindo as mesmas chances de
realização do crédito a todos os credores de uma mesma categoria, o direito afasta a regra da
individualidade da execução e prevê, na hipótese, a obrigatoriedade da execução concursal,
isto é, do concurso de credores (antigamente denominada execução "coletiva"). Se o devedor
possui em seu patrimônio menos bens que os necessários ao integral cumprimento de suas
obrigações, a execução destes não poderá ser feita de forma individual, mas coletivamente. Ou
seja, abrangendo a totalidade de seus credores e a totalidade de seus bens, todo o passivo e
todo o ativo do devedor. Isto é o que se entende por par conditio creditorum, princípio básico do
direito falimentar. Os credores do devedor que não possui condições de saldar, na
integralidade, todas as suas obrigações devem receber do direito um tratamento parificado,
dando-se aos que integram uma mesma categoria iguais chances de efetivação de seus
créditos.

397. Sobre o princípio da conservação e manutenção dos ativos: O processo de recuperação


deve preservar a unidade produtiva, conservando ao máximo o ativo da sociedade empresária
e buscando sua valorização. Assim, com base nesse princípio, mesmo no caso de decretação
de falência, havendo possibilidade de continuação do negócio, esse prosseguirá, desde que
viável, pagando os credores com a produção da empresa, hipótese em que haverá conversão
da falência em recuperação judicial. Se tal não for possível devido a inviabilidade, vender-se-á
todo o ativo para que com o montante arrecadado, haja o adimplemento das obrigações da
sociedade empresária perante os credores.

398. Sobre o princípio da conservação da empresa viável? A empresa sempre que viável deve
ser preservada, com enfoque especial na relevância social que a empresa tem para a
sociedade.

399. Quais foram às normas criadas no período de transição entre o Decreto-lei 7661 de 45 e a
lei 11.101 de 2005? As falências já existentes continuaram a ser tratadas sob a égide da lei
anterior; A concordata preventiva poderá ser convertida em recuperação judicial; Para a
falência que já estiver em andamento não poderá ser decretada concordata suspensiva.

400. A quem se dirige a Nova Lei de Falências (Lei 11.101 de 2005)? Dirige-se somente aos
empresários: pessoa física (firma individual); pessoa jurídica (sociedade empresária).

401. Sendo a falência dirigida somente aos empresários, pode ser decretada a falência de
pessoa física? Não pode ser decretada a falência de pessoa física. A falência é privativa do
empresário individual e da sociedade empresária. Aquele que não ostenta a qualidade de
empresário, pouco importando se pessoa física ou jurídica, está sujeito ao processo de
insolvência civil.

402. Há possibilidade de sócio que tenha se retirado da sociedade empresária, vir a ser
responsabilizado em caso de falência? SIM, se o sócio tiver se retirado voluntariamente ou se
foi excluído da sociedade a menos de dois anos, poderá responder, desde que existentes
dívidas na data do arquivamento da alteração do contrato e que estas não tenham sido
solvidas até a decretação da falência.

403. O sócio que se retirou da sociedade poderá ser considerado falido? O sócio que se retirou
da sociedade provavelmente não será citado na inicial, visto a citação dirigir-se a sociedade
empresária da qual ele não mais faz parte. Não tendo ele sido citado, não tendo tido a
oportunidade de apresentar defesa (princípio do contraditório), provavelmente, não poderá ser
decretado falido. Como a lei é silente ou seja silenciou, há que esperar um caso concreto e a
pendência será resolvida jurisprudencialmente.

404. Produtor rural é sujeito a falência? O empresário rural, entendido como tal aquele cuja
atividade rural constitua sua principal profissão, fica submetido, em principio, ao regime do
Direito Civil, não estando, desse modo, sujeito à falência ou à recuperação. Não é, portanto,
considerado juridicamente empresário. No entanto, permite o Código Civil de 2002 que ele
requeira a sua inscrição no Registro Público de Empresas Mercantis da sua respectiva sede e,
efetivado o registro, ficará equiparado, para todos os efeitos, ao empresário individual ou à
sociedade empresária, conforme o caso. A partir de então, passará a ser sujeito passivo da
falência ou da recuperação.

405. Intelectuais sujeitam-se a falência? Na caracterização do empresário, a lei, contudo,


expressamente exclui dessa condição certas pessoas, em função da natureza das atividades
que desempenham. Assim dispõe o parágrafo único do artigo 966 do Código civil: “Não se
considera empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza científica, literária ou
artística, ainda com o concurso de auxiliares, ou colaboradores, salvo se o exercício da
profissão constituir elemento de empresa”. As pessoas enquadradas na disposição, embora
realizem uma atividade de caráter econômico, não são, na visão legal, juridicamente
empresárias, devendo destarte, ou seja, dessa forma observar o regime do Direito Civil e,
conseqüentemente, encontram-se imunes aos procedimentos falimentar e de recuperação.
É o caso, por exemplo, do exercício liberal das profissões de advogado, engenheiro, arquiteto,
médico, farmacêutico, e dentista (profissão intelectual de natureza científica); ou, ainda, de
escritor (profissão intelectual de natureza literária), de músico e de desenhista (profissão
intelectual de natureza artística). Mas não se pode olvidar, ou seja, esquecer da ressalva
prevista no texto reproduzido: “salvo se o exercício da profissão constituir elemento de
empresa”. Nesses termos, não há a subtração da condição de empresário, ficando o sujeito
sob o pálio da legislação especial.

415. Qual o objetivo da recuperação extrajudicial? A recuperação extrajudicial tem por objetivo
a remoção das causas de crise econômico/financeira, visando o reequilíbrio das contas da
empresa. É um procedimento que o devedor tem a sua disposição para tentar evitar que a sua
atividade chegue a fase pré-falimentar ou a própria falência. O principal objetivo da
recuperação extrajudicial é dar uma oportunidade para que a empresa consiga se reerguer e
manter-se no mercado.

416 - Por que a Administração Pública se divide em direta e indireta? A Administração Pública
em sentido amplo abrange os três órgãos governamentais: Poder Executivo, Poder Legislativo
e Poder Judiciário. A Administração Pública em sentido estrito abrange os órgãos
administrativos e as atividades por eles exercidas. A divisão da Administração Pública ocorre
em função da necessidade de descentralização do exercício da função administrativa. Assim, a
Administração Pública direta ou centralizada é aquela exercida apenas pelos órgãos do Estado.
Já a Administração Pública indireta ou descentralizada é aquela exercida por entes públicos
dotados de personalidade jurídica própria e que são criados pelo Estado para prestarem
serviços públicos ou de interesse público delegáveis.

417 - Como posso conceituar a Administração pública? Analisando sob a ótica restrita e
partindo do pressuposto que a administração pública detém a função de administrar a
sociedade, executando todos os atos inerentes a esta função, pode-se conceituar a
administração pública como o conjunto de órgãos e entidades que detenham a função de
administrar a sociedade na prestação de serviços públicos e de segurança. O que devo
entender por Administração pública, analisada em sentido amplo? Pode-se dizer que a
administração pública pode ser analisada sob duas óticas diferentes, ora no sentido amplo, ora
no sentido restrito. A administração pública analisada no sentido amplo é o próprio Estado,
composto pelos três poderes, ou seja, Legislativo, o Executivo e o Judiciário. O poder
Executivo tem como função principal a de administrar a administração pública, desenvolvendo
todos os atos inerentes a esta função. Entretanto, tal como ocorre nos outros poderes, detém
também, funções de editar leis, como no caso das Medidas Provisórias e julgar processos,
como no caso das decisões proferidas em seus processos administrativos. O poder Legislativo,
por sua vez, tem como função principal a edição de Leis. Todavia, exerce também a função de
administrar, em se tratando da administração de seu pessoal, por exemplo; e a função de
julgar, como no caso do crime de responsabilidade. Por fim, o poder Judiciário tem como
função principal a de julgar, exercendo a função jurisdicional em todo o âmbito da
administração. Também no poder Judiciário, pode se verificar a função administrativa e a
função legislativa. Na admissão, demissão e promoção de seu pessoal pode ser verificada a
ocorrência da função administrativa. A função legislativa ocorre no poder Judiciário, por
exemplo, na edição de suas normas internas, ou seja, os Regimentos internos e as Instruções
normativas. Os Regimentos internos e as Instruções normativas irão servir de base para todos
os atos e procedimentos inerentes ao poder Judiciário. Como se pode observar, cada poder da
administração desenvolve uma função específica e principal, ou seja, o Executivo administra, o
Legislativo edita leis e o Judiciário julga.

418 - O que devo entender por Administração pública, analisada em sentido restrito? A
administração analisada utilizando-se uma ótica mais restrita compõe-se somente do poder
Executivo, ou seja, é a “máquina” do poder executivo exercendo suas atividades. Desta forma,
analisando a administração pública sob uma ótica mais restrita, recebe o nome de
administração pública todos os órgãos e entidades que integram o poder Executivo. Neste
caso, a administração pública será subdividida em Administração direta e indireta. A
administração direita é composta pelos órgãos Estatais propriamente ditos, como as
prefeituras, os governos dos Estados e a presidência da República. Já a administração indireta
é composta pelas autarquias, as sociedades de economia mista, empresa pública e as
fundações públicas. Na realidade, na maioria das vezes, quando alguém se refere à
Administração Pública, esta se referindo à sua análise restrita, ou seja, aos órgãos do poder
executivo.

419 – Definições: Direito Público cuida dos Interesses estatais e sociais. São eles: Direito
Administrativo, Tributário, Penal. O Direito Privado cuida dos interesses individuais, há
igualdade jurídica entre as partes. Ex.: Civil, Comercial. O Direito Administrativo integra o ramo
do Direito Público, cuja principal característica é a desigualdade jurídica entre cada uma das
partes envolvidas, a Administração Pública se encontra num patamar superior.

420 – Direito Administrativo: Conceito - É o conjunto de princípios jurídicos que tratam da


Administração Pública, suas entidades, órgãos, agentes públicos, enfim, tudo o que diz respeito
à maneira como se atingir às finalidades do Estado. O Direito Administrativo não se encontra
codificado, isto é, os textos administrativos não estão reunidos num só corpo de lei como o
Constitucional, é sim leis esparças como a lei 8.112 e a 8.666, isso dificulta sua compreensão.
Fontes do direito administrativo: Lei Fonte primária, principal, normalmente abstrata e geral;
Jurisprudência Conjunto de decisões do Poder Judiciário no mesmo sentido, é fonte
secundária; Doutrina Teoria desenvolvida pelos estudiosos do Direito, é fonte secundária;
Costumes Reiteração uniforme de determinado comportamento, é fonte secundária.

421 – Princípios - Conceito - Alicerce de uma ciência, condicionando toda sua estrutura
subseqüente. Legalidade: O Administrador Público só poderá fazer o que a lei expressamente
autorizar. Impessoalidade: Pode ser abordado por duas vertentes, na primeira em qualquer ato
da administração pública deve-se zelar pelo interesse público não o pessoal, isonomia. Na
segunda os atos são imputados à entidade a que se vincula o agente, não a ele próprio.
Moralidade Administrativa: Moral interna da instituição. Os atos devem além de legais,
honestos, seguir os bons costumes e a boa administração. Preceitos éticos que estão além da
conveniência. Externamente – Administrados. Internamente – Agentes Públicos. Publicidade: A
regra é que todos os atos devem ser públicos, garantindo a transparência estatal. As exceções:
são os processos que devem correr em segredos de justiça, inquérito policial, algumas fases
da licitação. Devem ser legalmente previstas e também devem atender ao interesse público.
Cabe: Direito de petição, Certidões. Introduzido pela EC 19/98, qualidade no serviço público e
maximização dos resultados, economia, etc. Qualquer ação deve ser rápida, útil e econômica.
II. Reconhecidos ou Implícitos
422 - Supremacia do interesse público: É um princípio basilar da administração pública e deve
ser observado tanto pelo legislador quanto pelo executor da lei, o Interesse Público é
indisponível, tendo o agente público o poder-dever de agir de acordo com esse princípio.
Indisponibilidade: Os bens e os interesses não pertencem aos agentes por isso não podem
deles dispor a sua exclusiva vontade. Presunção de Legitimidade: Tomando como existentes
os fatos alegados e como legais os atos administrativos praticados, até que prove-se ao
contrário. Continuidade dos serviços públicos: Estabelece-se a necessidade de que a
administração pública não interrompa a prestação de seus serviços, pois são essenciais e
fundamentais a sociedade. Hierarquia: Determina que haja coordenação e subordinação entre
os órgãos, com a possibilidade de revisão dos atos, delegação, avocação e punição. Auto-
Tutela: Cabe a administração rever seus próprios atos a qualquer tempo, anulando os ilegais e
revogando os inconvenientes e inoportunos. É controle interno, diferente da tutela, que é
controle externo, sujeição exercida por outra pessoa. Judiciário só julga a legalidade nunca o
mérito. Razoabilidade: Coerência entre os meios e os fins, considerando-se todas as situações
e circunstâncias que afetem a solução. Ver sempre a necessidade perceber uma adequação
que seja proporcional. Outros: motivação, isonomia, segurança jurídica, devido processo legal,
contraditório e a ampla defesa.

423 - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: Sentido Formal, Subjetivo ou Orgânico - todo


aparelhamento físico que dispõe o Estado: agentes, órgãos e pessoas jurídicas que executam
por determinação legal a função administrativa do estado. Sentido Material, Objetivo ou
funcional - É o que ele faz: Fomento: atividade administrativa de incentivo a iniciativa privada
através de impostos menores, financiamentos mais baratos. Polícia administrativa; Serviço
Público como: telecomunicações, transporte, luz; Intervenção Administrativa, ou seja, a atuação
do Estado na fiscalização e regulamentação da atividade econômica.

424 - ADMINISTRAÇÃO DIRETA / CENTRALIZADA - Administração Pública é, ao mesmo


tempo, a titular e a executora do serviço público - Estado tem TOTAL controle sobre suas
ações pois age direta e imediatamente. Composição - ORGÃOS PÚBLICOS exclusivamente
integrantes da Presidência da República e pelos Ministérios: Presidência – Casa Civil,
Secretaria Geral, Gabinete Pessoal, Gabinete de Segurança Institucional; Ministérios –
Planejamento, Cultura, trabalho, Relações exteriores; Princípio Constitucional da Simetria, no
que couber deve ser “imitado” por todas as esferas. Muitos órgãos têm CNPJ, mas não dá a ele
personalidade Jurídica é somente para fins fiscais

425 - FENÔMENO DA DESCONCENTRAÇÃO – características: Repasse de atividades dentro


de uma mesma pessoa jurídica ; É quando o Estado (União, DF, Estados e Municípios) criam
órgão que são totalmente subordinados; É a repartição de funções entre vários órgãos
despersonalizados de uma mesma administração sem quebra de hierarquia. A prestação de
serviços pelo ESTADO é direta e imediata. É considerada uma mera técnica administrativa de
divisão interna de funções sem quebra de hierarquia. Exemplo: Quando o Ministério da fazenda
delega a Receita Federal a coleta de tributos e esta delega para várias delegacias regionais tal
responsabilidade.

426 - ADMINISTRAÇÃO INDIRETA OU DESCENTRALIZADA: Conjunto de Pessoas Jurídicas


“ENTES” de Direito Público ou Privado dedicadas ao desempenho de funções específicas,
independente da estrutura criadora, princípio da especialização. FENÔMENO DA
DESCENTRALIZAÇÃO – repasse de atividades (serviço público) de uma pessoa para outra
pessoa de direito público ou de direito privado, pode ser via outorga (por lei, da titularidade e da
execução), ou delegação (por contrato ou ato, da execução somente). AUTARQUIA: Serviço
autônomo, criado por lei, com personalidade jurídica, patrimônio e receita próprios para
executar atividades típicas da Administração Pública, que requeiram, para seu melhor
funcionamento, gestão administrativa descentralizada.” Criação, Organização e Extinção –
criadas (iniciativa do Presidente Da República). Organizada por decreto, regulamento ou
estatuto. São extintas por meio de lei. Natureza Jurídica – Pessoa Jurídica de Direito Público, o
início de sua personalidade é o início da vigência da lei que as criou (sem registro); Patrimônio
- A entidade criadora transfere bens móveis e imóveis (bens públicos) a nova entidade (não
penhorável) e Imprescritível (não usucapião). Licitação – Sujeita as regras licitatórias da lei
8.666 de 93. Auto-administração – Não possui caráter político (auto-legislação para sua auto-
organização), mas só meramente administrativo, administrando a si mesma de acordo com a
lei que a criou. Atividades desenvolvidas – Tipicamente estatal, ou seja, administrativo ou social
excluindo os de natureza econômica e industrial (que são Pessoas Jurídica de Direito Privado),
buscando maior agilidade. Ela age em nome próprio. Regime de pessoal – Lei 8.112 e CLT (EC
19 de 98) Exige-se concurso público e há vedação a acumulação a cargos, emprego e funções
públicas. Sem concurso só contrato por tempo determinado. Controle Judicial – Por serem
considerados atos administrativos, sujeitando-se ao controle do Poder Judiciário. Juízo
Competente – Nos litígios comuns, sendo autoras, rés, assistentes ou oponentes suas causas
serão processadas e julgadas na Justiça Federal. Exceto as questões que cabem as justiças
especiais Trabalhistas ou Comum se for estatutário ou eleitorais. Atos e contratos – Seus atos
são atos administrativos e seus contratos também. Responsabilidade civil – responsabilidade
objetiva e possibilidade de ação de regresso contra seus servidores; Imunidade Tributária –
sobre o patrimônio, a renda e os serviços das autarquias desde que vinculados as suas
finalidades essenciais. Privilégio Processual – dobro para recorrer e quádruplo para contestar e
garantia de duplo grau obrigatório, quando a sentença for desfavorável. Prescrição qüinqüenal
– Dívidas e direitos de terceiros contra as autarquias prescrevem em 5 anos. Não
Subordinação à entidade instituidora – Mera vinculação ao órgão estatal que pertence.
Dirigentes - Quem nomeia é o Presidente Da República em alguns casos necessita de
aprovação pelo Senado Federal como no caso dos presidentes e diretores do Banco Central.
Controle de desempenho – finalístico que visa mantê-la no estrito cumprimento de suas
finalidades.

427 - ESPÉCIES DE AUTARQUIAS: Autarquias Típicas – Pessoa Jurídica de Direito Público,


integrante da Administração Indireta , criada por lei para desempenhar funções despidas de
caráter econômico, sejam próprias e típicas do Estado. Elas seguem fielmente o princípio da
especialização, não são pau pra toda obra. Autarquias Em Regime especial (recentes) – O
Regime especial que trata a agência é único, dado pela LEI que a criou, dando-a maior número
de privilégios, são criados somente para elas como exemplo o BACEN, Usp, EMBRATUR.
Firmada entre seus dirigentes e o poder público. AGÊNCIAS REGULADORAS – Tem Poder
Normativo das concessões e permissões de serviços públicos competência essa que
originalmente é do poder público. Elas não põe a mão na massa, ela fiscaliza quem o faz. Seu
serviço é mais político que técnico pois mesmo que tenha sido privatizado a responsabilidade
em última instância é do ESTADO. Em resumo elas fiscalizam a correta execução dos serviços
públicos. ANATEL, ANVISA, ANEEL, ANP. AGÊNCIAS EXECUTIVAS – É uma qualificação
recebida por uma autarquia ou fundação pública através de um contrato de gestão desde que
cumpra determinados requisitos legais. Exemplo: ADENE (Agência de Desenvolvimento do
Nordeste), INMETRO. ABIN não é agência é órgão ligado a Presidência. O DNIT tem grandes
chances de se tornar uma agência Federal Executiva. PROCON depende do estado aqui é
Autarquia em Regime Especial já em SP é Promotoria de defesa do consumidor.

428 - Fundações Públicas – Pessoa Jurídica de Direito Público, instituídas pelo poder público é
um patrimônio dotado de personalidade, uma Autarquia com finalidade social, sem fins
lucrativos (saúde, educação, cultura). As antigas Fundações nasciam como Pessoa Jurídica de
Direito Privado devido a lei da época, atualmente nascem como Pessoa Jurídica de Direito
Público. Exemplo: UNB, USP. Fundações Privadas: Instituídas por pessoas na iniciativa
privada. Fundações Públicas: quando o Estado tiver sido o instituidor.

429 - EMPRESAS PÚBLICAS - Pessoa Jurídica de Direito Privado, integrantes da


Administração Indireta, instituídas pelo Poder Público, mediante autorização de lei específica,
sob qualquer forma jurídica (LTDA, S/A, etc.) e com capital exclusivamente público, para
exploração de atividades de natureza econômica ou execução de serviços públicos. ECT, CEF,
SERPRO. Sociedade de Economia Mista - Pessoa Jurídica de Direito Privado, integrantes da
Administração Indireta, instituídas pelo Poder Público, mediante autorização de lei específica,
sob a forma de sociedade anônima (S/A) e com capitais públicos e privados, para exploração
de atividades de natureza econômica ou execução de serviços públicos. São criadas e ou
autorizadas por lei específica (forma civil) seu nascimento se dá somente após o registro de
seu estatuto em órgão competente. Sua extinção também necessita de lei autorizadora.

430 - CONVÊNIOS PÚBLICOS São ajustes entre pessoas públicas entre si ou entre elas e
particulares para realização de serviços ou obras públicas. CONSÓRCIO PÚBLICO é o ajuste
entre pessoas públicas da mesma espécie (estados com estados, municípios com municípios)
para consecução de interesses comuns entre as partes. ENTIDADES PARA-ESTATAIS OU
TERCEIRO SETOR – São Pessoas Jurídicas Privadas que sem integrarem a estrutura da
Administração Pública colaboram com o Estado no desempenho de atividades não lucrativas.
Serviços Sociais Autônomos: Pessoa Jurídica de Direito Privado sem fins lucrativos que
colaboram com a Administração Pública; são criados por lei autorizadora para prestar
assistência a certas categorias profissionais; Seus empregados são contratados pela CLT; São
mantidos com recursos oriundos de contribuições parafiscais; Suas contas são fiscalizadas
pelo TRIBUNAL DE CONTAS competente; Seus empregados são funcionários públicos para
fins penais; Via de regra não fazem licitação; Podem ser fundações, associação, sociedade,
etc. Atuam na área de educação, saúde assistência social, Exemplo: SESI, SENAI, SEBRAE,
SEST, SENAT.

431 - ORGANIZAÇÕES SOCIAIS – Pessoa Jurídica de Direito Privado sem fins lucrativos
instituídas por iniciativa de particulares para desempenhar serviços sociais não exclusivos do
Estado, com incentivo e fiscalização do Poder Público; Seu vínculo jurídico ocorre através de
um contrato de gestão, maior controle estatal; Qualificação concedida pelo Poder Público para
entidade privadas que se dedicam as áreas de ensino, pesquisa científica, desenvolvimento
tecnológico, à proteção e preservação do meio ambiente, à cultura e a saúde. Atuam em nome
próprio recebendo incentivo do Estado que transferiu recursos e permitiu o uso de bens
públicos para a sua consecução. Quando a Administração Pública a contrata esta isenta a
licitação. Se for desqualificada como Organizações Sociais ocorre a reversão dos bens
cedidos. A administração pública participa de sua administração.

432 - ORGANIZAÇÕES SOCIAIS CIVIS DE INTERESSE PÚBLICO - OSCIP – Pessoa Jurídica


de direito Privado, Seu vinculo se dá através de um termo de parceria, A administração pública
não participa diretamente em sua administração; Voltada para as áreas de Cultura, assistência
Social, segurança alimentar, ética, paz e cidadania; Se a administração pública for contratá-la
deve fazer licitação.

433 - PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS EXPLÍCITOS. 1. Caput do art. 37. LIMPE. 2. Outros


Princípios Constitucionais Explícitos. 2.1. Princípio da Licitação. 2.2. Princípio da
Prescritibilidade dos ilícitos administrativos. 2.3. Princípio da Responsabilidade da
Administração Pública. 2.4. Princípio da Participação. 2.5. Princípio da Autonomia Gerencial.
PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS IMPLÍCITOS. 1. Princípio da Supremacia do Interesse
Público sobre o Privado, Princípio da Autotutela, Princípio da Finalidade, Princípio da
Razoabilidade e Proporcionalidade.

434 - A denominada função administrativa do Estado submete-se a um especial regime


jurídico. Trata-se do regime e direito público ou regime jurídico-administrativo. Sua
característica essencial, reside na admissibilidade da idéia de que a execução da lei por
agentes públicos exige o deferimento de necessárias prerrogativas de autoridade, que façam
com que o interesse público juridicamente predomine sobre o interesse privado.

435 - Princípio da supremacia dos interesses públicos e da indisponibilidade dos interesses


públicos. "Estes, são princípios gerais, necessariamente não positivados de forma expressa
pelas normas constitucionais, mas que consistem nos alicerces jurídicos do exercício da função
administrativa dos Estados. Todo o exercício da função administrativa, direta ou indiretamente,
será sempre por eles influenciados e governado".

436 - A Constituição Federal, no art. 37, caput, trata dos princípios inerentes à Administração
Pública: " A Administração Pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União dos
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios da legalidade,
impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. Trata-se, portanto, de princípios
incidentes não apenas sobre os órgãos que integram a estrutura central do Estado, incluindo-
se aqui os pertencentes aos três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário), mas também de
preceitos genéricos igualmente dirigidos aos entes que em nosso país integram a denominada
Administração Indireta, ou seja, autarquias, empresas públicas, sociedades de economia mista
e as fundações governamentais ou estatais.

438 - Princípio da legalidade:"ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa
senão em virtude de lei", Temos, pois, que, enquanto no mundo privado se coloca como
apropriada a afirmação de que o que não é proibido é permitido, no mundo público assume-se
como verdadeira a idéia de que a Administração só pode fazer o que a lei antecipadamente
autoriza. Deste modo, a afirmação de que a Administração Pública deve atender à legalidade
em suas atividades implica a noção de que a atividade administrativa é a desenvolvida em nível
imediatamente infralegal, dando cumprimento às disposições da lei. Em outras palavras, a
função dos atos da Administração é a realização das disposições legais, não lhe sendo
possível, portanto, a inovação do ordenamento jurídico, mas tão-só a concretização de
presságios genéricos e abstratos anteriormente firmados pelo exercente da função legislativa.
De tudo isso podemos extrair uma importante conclusão. Contrariamente ao que ocorre em
outros ordenamentos jurídicos, inexiste qualquer possibilidade de ser juridicamente aceita,
entre nós, a edição dos denominados decretos ou regulamentos "autônomos ou
independentes". Como se sabe, tais decretos ou regulamentos não passam de atos
administrativos gerais e normativos baixados pelo chefe do Executivo, com o assumido objetivo
de disciplinar situações anteriormente não reguladas em lei. E, sendo assim, sua prática
encontra óbice intransponível no modusconstitucional pelo qual se fez consagrar o princípio da
legalidade em nossa Lei Maior. Regulamento, em nosso país, portanto, haverá de ser sempre o
regulamento de uma lei, ou de dispositivos legais objetivamente existentes. Qualquer tentativa
em contrário haverá de ser tida como manifestamente inconstitucional.

439 - Princípio da impessoalidade: O princípio ou regra da impessoalidade da Administração


Pública pode ser definido como aquele que determina que os atos realizados pela
Administração Pública, ou por ela delegados, devam ser sempre imputados ao ente ou órgão
em nome do qual se realiza, e ainda destinados genericamente à coletividade, sem
consideração, para fins de privilegiamento ou da imposição de situações restritivas, das
características pessoais daqueles a quem porventura se dirija. Em síntese, os atos e
provimentos administrativos são imputáveis não ao funcionário que os pratica mas ao órgão ou
entidade administrativa em nome do qual age o funcionário. Com efeito, de um lado, o
princípio da impessoalidade busca assegurar que, diante dos administrados, as realizações
administrativo-governamentais não sejam propriamente do funcionário ou da autoridade, mas
exclusivamente da entidade pública que a efetiva. Assim, como exemplos de violação a esse
princípio, dentro dessa particular acepção examinada, podemos mencionar a realização de
publicidade ou propaganda da pessoa do administrador com verbas públicas ou ainda, a edição
de atos normativos com o objetivo de conseguir benefícios pessoais. "No princípio da
impessoalidade se traduz a idéia de que a Administração tem que tratar a todos os
administrados sem discriminações, benéficas ou detrimentosas. Nem favoritismo nem
perseguições são toleráveis. Simpatias ou animosidades pessoais, políticas ou ideológicas não
podem interferir na atuação administrativa e muito menos interesses sectários, de facções ou
grupos de qualquer espécie. O princípio em causa é senão o próprio princípio da igualdade ou
isonomia"

440 - Princípio da moralidade: A moralidade jurídica, a seu ver, deveria ser entendida como
um conjunto de regras de conduta tiradas da disciplina interior da própria Administração, uma
vez que ao agente público caberia também distinguir o honesto do desonesto, a exemplo do
que faz entre o legal e o ilegal, o justo e o injusto, o conveniente e o inconveniente, o oportuno
e o inoportuno. Afinal, pondera, como já proclamavam os romanos "nem tudo que é legal é
honesto". Ao administrador público brasileiro, por conseguinte, não bastará cumprir os estritos
termos da lei. Tem-se por necessário que seus atos estejam verdadeiramente adequados à
moralidade administrativa, ou seja, a padrões éticos de conduta que orientem e balizem sua
realização. Se assim não for, inexoravelmente, haverão de ser considerados não apenas como
imorais, mas também como inválidos para todos os fins de direito. Admite o art. 5, da
Constituição Federal que qualquer cidadão possa ser considerado parte legítima para a
propositura de ação popular que tenha por objetivo anular atos entendidos como lesivos, entre
outros, à própria moralidade administrativa. Por outra via, como forma de também fazer
respeitar esse princípio, a nossa Lei Maior trata também da improbidade administrativa. A
probidade administrativa é uma forma de moralidade administrativa que mereceu consideração
especial pela Constituição, que pune o ímprobo com a suspensão de direitos políticos "A
probidade administrativa consiste no dever de o "funcionário servir a Administração com
honestidade, procedendo no exercício das suas funções, sem aproveitar os poderes ou
facilidades delas decorrentes em proveito pessoal ou de outrem a quem queira favorecer". A
moralidade administrativa e assim também a probidade são tuteladas pela ação popular, de
modo a elevar a imoralidade a causa de invalidade do ato administrativo.
441 - Princípio da publicidade: A publicidade sempre foi tida como um princípio
administrativo, porque se entende que o Poder Público, por ser público, deve agir com a maior
transparência possível, a fim de que os administrados tenham, a toda hora, conhecimento do
que os administradores estão fazendo. Além do mais, seria absurdo que um Estado como o
brasileiro, que, por disposição expressa de sua Constituição, afirma que todo poder nele
constituído "emana do povo", viesse a ocultar daqueles em nome do qual esse mesmo poder é
exercido informações e atos relativos à gestão da res publica e as próprias linhas de
direcionamento governamental. É por isso que se estabelece, como imposição jurídica para os
agentes administrativos em geral, o dever de publicidade para todos os seus atos. "Entende-se
princípio da publicidade, assim, aquele que exige, nas formas admitidas em Direito, e dentro
dos limites constitucionalmente estabelecidos, a obrigatória divulgação dos atos da
Administração Pública, com o objetivo de permitir seu conhecimento e controle pelos órgãos
estatais competentes e por toda a sociedade". A publicidade, contudo, não é um requisito de
forma do ato administrativo, "não é elemento formativo do ato; é requisito de eficácia e
moralidade. Por isso mesmo os atos irregulares não se convalidam com a publicação, nem os
regulares a dispensam para sua exeqüibilidade, quando a lei ou o regulamento a exige". No
que tange à forma de se dar publicidade aos atos da Administração, tem-se afirmado que ela
poderá dar-se tanto por meio da publicação do ato, como por sua simples comunicação a seus
destinatários. Assim, afirma o parágrafo 1 do artigo 37: " a publicidade dos atos, programas,
obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou
de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem
promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos". É forçoso reconhecer, todavia, a
existência de limites constitucionais ao princípio da publicidade. De acordo com nossa Lei
Maior, ele jamais poderá vir a ser compreendido de modo a que propicie a violação da
intimidade, da vida privada, da honra e da imagem das pessoas, do sigilo da fonte quando
necessário ao exercício profissional, ou com violação de sigilo tido como imprescindível à
segurança da sociedade e do Estado.

442 – Princípio da eficiência: Outrora implícito em nosso sistema constitucional, tornou-se


expresso no caput do art. 37, em virtude de alteração introduzida pela Emenda Constitucional
19. É evidente que um sistema balizado pelos princípios da moralidade de um lado, e da
finalidade, de outro, não poderia admitir a ineficiência administrativa. Bem por isso, a EC 19, no
ponto, não trouxe alterações no regime constitucional da Administração Pública, mas, como
dito, só explicitou um comando até então implícito. Eficiência não é um conceito jurídico, mas
econômico. Não qualifica normas, qualifica atividades. Numa idéia muito geral, eficiência
significa fazer acontecer com racionalidade, o que implica medir os custos que a satisfação das
necessidades públicas importam em relação ao grau de utilidade alcançado. Assim, o princípio
da eficiência, orienta a atividade administrativa no sentido de conseguir os melhores resultados
com os meios escassos de que se dispõe e a menor custo. Rege-se, pois, pela regra de
consecução do maior benefício com o menor custo possível. "Desse modo, pode-se definir
esse princípio como sendo aquele que determina aos órgãos e pessoas da Administração
Direta e Indireta que, na busca das finalidades estabelecidas pela ordem jurídica, tenham uma
ação instrumental adequada, constituída pelo aproveitamento maximizado e racional dos
recursos humanos, materiais, técnicos e financeiros disponíveis, de modo que se possa
alcançar o melhor resultado quantitativo e qualitativo possível, em face das necessidades
públicas existentes".

443 – Outros Princípios Constitucionais Explícitos: Princípio Da Licitação: Licitação é um


procedimento administrativo destinado a provocar propostas e a escolher proponentes de
contratos de execução de obras, serviços, compras ou de alienações do Poder Público. A
Administração Pública tem o dever de sempre buscar, entre os interessados em com ela
contratar, a melhor alternativa disponível no mercado para satisfazer os interesses públicos,
para que possa agir de forma honesta, ou adequada ao próprio dever de atuar de acordo com
padrões exigidos pela probidade administrativa. De outro lado, tem o dever de assegurar
verdadeira igualdade de oportunidades, sem privilegiamentos ou desfavorecimentos
injustificados, a todos os administrados que tencionem com ela celebrar ajustes negociais.
Porém, cumpre ressaltar, finalmente, que a licitação é um procedimento vinculado, ou seja,
normalmente regulado em lei, cabendo à União legislar sobre normas gerais de licitação e
contratação, em todas as modalidades, para a Administração Pública, direta e indireta,
incluídas as fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, nas diversas esferas de
governo, e empresas sob seu controle. Portanto, aos Estados, Distrito Federal e Municípios
compete legislar suplementarmente sobre a matéria no que tange ao interesse peculiar de suas
administrações.

444 - Princípio Da Prescritibilidade Dos Ilícitos Administrativos: A prescritibilidade, como


forma de perda da exigibilidade de direito, pela inércia de seu titular, é um princípio geral do
direito. Logo, não é de se estranhar que ocorram prescrições administrativas sob vários
aspectos, quer quanto às pretensões de interessados em face da Administração, quer tanto às
desta em face de administrados. Assim é especialmente em relação aos ilícitos
administrativos. Se a Administração não toma providência à sua apuração e à
responsabilização do agente, a sua inércia gera a perda do direito. Desta maneira, o art. 37,
dispõe sobre este princípio: "A lei estabelecerá os prazos de prescrição para ilícitos praticados
por qualquer agente, servidor ou não, que causem prejuízos ao erário, ressalvadas as
respectivas ações de ressarcimento". Nota-se, portanto, que a lei estabelece uma ressalva ao
princípio. Nem tudo prescreverá. Apenas a apuração e punição do ilícito, não, porém, o direito
da Administração ao ressarcimento, à indenização, do prejuízo causado ao erário.

445 - Princípio Da Responsabilidade Da Administração: O princípio em estudo encontra


amparo no art. 37, da Constituição Federal, cuja compostura verifica-se que: "As pessoas
jurídicas de direito público e as de direito privado prestadores de serviços públicos responderão
pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de
regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa". Assim, de imediata leitura desse
texto resulta claro que todo agente público que vier a causar um dano a alguém trará para o
Estado o dever jurídico de ressarcir esse dano. Não importará se tenha agido com culpa ou
dolo. O dever de indenizar se configurará pela mera demonstração do nexo causal existente
entre o fato ocorrido e o dano verificado. Temos, pois, que em nosso Direito a responsabilidade
civil do Estado é objetiva, ou seja, independe da conduta dolosa, negligente, imperita ou
imprudente daquele que causa o dano. Qualificar-se-á sempre que o agente estiver, nos
termos do precitado dispositivo constitucional, no exercício da função pública, não importando
se age em nome de uma pessoa de direito público ou de direito privado prestadora de serviços
públicos. Impede ressalvar, todavia, que nem sempre as pessoas que integram a
Administração Pública encontram-se a exercer propriamente função pública. Por vezes, no
âmbito do que admite nossa Constituição, será possível encontrarmos pessoas da
Administração Indireta que não estejam exercendo tais tipos de atividades, como é o caso, por
exemplo, das empresas públicas e das sociedades de economia mista para o exercício de
atividade econômica. Nesses casos, naturalmente, eventuais danos por essas empresas
causados a terceiros haverão de ser regrados pela responsabilidade subjetiva, nos termos
estabelecidos pela legislação civil. Entretanto, a responsabilidade objetiva "só está consagrada
constitucionalmente para atos comissivos do Estado, ou seja, para comportamentos positivos
dele. Isto porque o texto menciona ‘danos que seus agentes causarem"; Assim sendo,
condutas omissivas só podem gerar responsabilidade ao Poder Público quando demonstrada
a culpa do serviço. No mais, é importante ressalvar que, embora a responsabilidade civil do
Estado para com os administradores seja objetiva, a responsabilidade dos agentes públicos
perante a Administração Pública é induvidosamente subjetiva. Como observa-se pelos próprios
termos do citado art. 37, o direito de regresso que pode ser exercido contra aquele que causou
o dano apenas se configurará "nos casos de dolo ou culpa".

445 - Princípio Da Participação: O princípio da participação do usuário na Administração


Pública foi introduzido pela EC 19 de 98 e à sua efetivação dependente de lei. Art. 37, A lei
disciplinará as formas de participação do usuário na administração pública direta e indireta,
regulando especialmente: 1 – as reclamações relativas à prestação dos serviços públicos em
geral, asseguradas a manutenção de serviços de atendimento ao usuário e a avaliação
periódica, externa e interna, da qualidade dos serviços; 2 – o acesso dos usuários a registros
administrativos e a informações sobre atos de governo, observando o disposto no art. 5,
respeito à privacidade e direito de receber dos órgãos públicos informações de seu interesse
ou de interesse coletivo em geral e: a disciplina da representação contra o exercício negligente
ou abusivo de cargo, emprego ou função na administração pública.

446 - Princípio Da Autonomia Gerencial: é regido pelo art. 37, da Constituição Federal,
introduzido pela EC19 de 98. A Autonomia gerencial, orçamentária e financeira dos órgãos e
entidades da administração direta e indireta poderá ser ampliada mediante contrato, a ser
firmado entre seus administradores e o poder público, que tenha por objeto a fixação de metas
de desempenho para o órgão ou entidade, cabendo à lei dispor sobre: o prazo de duração do
contrato; os controles e critérios de avaliação de desempenho, direitos, obrigações e
responsabilidade dos dirigentes e a remuneração do pessoal. Desta maneira, cria-se aqui uma
forma de contrato administrativo inusitado entre administradores de órgãos do poder público
com o próprio poder público. Quanto ao contrato das entidades não há maiores problemas
porque entidades são órgãos públicos ou parapúblicos (paraestatais) com personalidade
jurídica de modo que têm a possibilidade de celebrar contratos e outros ajustes com o poder
público, entendido poder da administração centralizada. Mas, os demais órgãos não dispõem
de personalidade jurídica para que seus administradores possam, em seu nome, celebrar
contrato com o poder público, no qual se inserem.

447 - PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS IMPLÍCITOS: A Administração Pública na prática de


seus atos deve sempre respeitar a lei e zelar para que o interesse público seja alcançado.
Natural, assim, que sempre que constate que um ato administrativo foi expedido em
desconformidade com a lei, ou que se encontra em rota de colisão com os interesses públicos,
tenham os agentes públicos a prerrogativa administrativa de revê-los, como uma natural
decorrência do próprio princípio da legalidade. O princípio da supremacia do interesse
público sobre o privado, coloca os interesses da Administração Pública em sobreposição aos
interesses particulares que com os dela venham eventualmente colidir. Com fundamento nesse
princípio é que se estabelece, por exemplo, a autotutela administrativa, vale dizer, o poder da
administração de anular os atos praticados em desrespeito à lei, bem como a prerrogativa
administrativa de revogação de atos administrativos com base em juízo discricionário de
conveniência e oportunidade"

448 - Princípio Da Finalidade: Foi visto no exame do princípio da legalidade que a


Administração Pública só pode agir de acordo e em consonância com aquilo que, expressa ou
tacitamente, se encontra estabelecido em lei. Inegável, portanto, que sempre tenha dever
decorrente e implícito dessa realidade jurídica o cumprimento das finalidades legalmente
estabelecidas para sua conduta. Disto deduz-se o denominado princípio da finalidade. "Esse
princípio impõe que o administrador, ao manejar as competências postas a seu encargo, atue
com rigorosa obediência à finalidade de cada qual. Isto é, cumpre-lhe cingir-se não apenas à
finalidade própria de todas as leis, que é o interesse público, mas também à finalidade
específica obrigada na lei a que esteja dando execução". Enfim, o princípio da finalidade é
aquele que imprime à autoridade administrativa o dever de praticar o ato administrativo com
vistas à realização da finalidade perseguida pela lei. Evidentemente, nessa medida, que a
prática de um ato administrativo in concreto com finalidade desviada do interesse público, ou
fora da finalidade específica da categoria tipológica a que pertence, implica vício ensejador de
sua nulidade. A esse vício, como se sabe, denomina a doutrina: desvio de poder, ou desvio de
finalidade.

449 - Princípio Da Razoabilidade e Da Proporcionalidade: Na medida em que o


administrador público deva estrita obediência à lei (princípio da legalidade) e tem como dever
absoluto a busca da satisfação dos interesses públicos (princípio da finalidade), há que se
pressupor que a prática de atos administrativos discricionários se processe dentro de padrões
estritos de razoabilidade, ou seja, com base em parâmetros objetivamente racionais de atuação
e sensatez. Deveras, ao regular o agir da Administração Pública, não se pode supor que o
desejo do legislador seria o de alcançar a satisfação do interesse público pela imposição de
condutas bizarras, descabidas, despropositadas ou incongruentes dentro dos padrões
dominantes na sociedade e no momento histórico em que a atividade normativa se consuma.
Ao revés, é de se supor que a lei tenha a coerência e a racionalidade de condutas como
instrumentos próprios para a obtenção de seus objetivos maiores.

450 - A maior parte dos princípios da Administração Pública encontra-se positivado, implícita ou
explicitamente, na Constituição. Possuem eficácia jurídica direta e imediata. Exercem a função
de diretrizes superiores do sistema, vinculando a atuação dos operadores jurídicos na
aplicação das normas a respeito dos mesmos e, objetivando a correção das graves distorções
ocorridas no âmbito da Administração Pública que acabam por impedir o efetivo exercício da
cidadania. O sistema constitucional da Administração pública funciona como uma rede
hierarquizada de princípios, regras e valores, que exige não mais o mero respeito à legalidade
estrita, mas vincula a interpretação de todos os atos administrativos ao respeito destes
princípios. Desta maneira, conclui-se que a função administrativa encontra-se subordinada às
finalidades constitucionais e deve pautar as suas tarefas administrativas no sentido de conferir
uma maior concretude aos princípios e regras constitucionais, uma vez que estes não
configuram como enunciados meramente retóricos e distantes da realidade, mas possuem
plena juridicidade.

451 - Em sentido lato (que é o jurídico-penal), Administração Pública é a atividade do Estado,


de par com a de outras entidades de Direito Público, na consecução de seus fins, quer no setor
do Poder Executivo (Administração Pública no sentido estrito), quer no do Legislativo ou do
Judiciário. Administração Pública é "o conjunto das funções exercidas pelos vários órgãos do
Estado, em benefício do bem-estar e do desenvolvimento da sociedade". Onde quer que haja o
desempenho de um cargo oficial ou o exercício de uma função pública, aí poderá ser cometido
o específico ilícito penal, seja por aberrante conduta das próprias pessoas integrantes na órbita
administrativa, isto é, os funcionários públicos (agentes do Poder Público, empregados
públicos), sejam pela ação perturbadora de particulares.

452 – Crimes contra a administração pública: Considera-se funcionário público, para os efeitos
penais, quem, embora transitoriamente e sem remuneração, exerce cargo, emprego ou função
pública. Equipara-se a funcionário público quem exerce cargo, emprego ou função em entidade
paraestatal. A pena será aumentada da terça parte quando os autores dos crimes previstos
neste capítulo forem ocupantes de cargos em comissão ou de função de direção ou
assessoramento de órgão da administração direta, sociedade de economia mista, empresa
pública ou fundação instituída pelo Poder Público. O art. 84 da Lei de Licitações equipara a
servidor público, para os fins desta Lei, quem exerce cargo, emprego ou função em entidade
paraestatal, assim consideradas, além das fundações, empresas públicas e sociedades de
economia mista e demais entidades sob controle direto ou indireto do Poder Público. O
empregado de empresa de economia mista somente é equiparado a funcionário público, para
efeitos penais, quando é sujeito ativo e não passivo de delito.

453 - Peculato culposo: Para a caracterização do peculato culposo deve haver relação direta
entre a ação culposa e o crime praticado por terceiro. Nada se apurando quanto a este (o
terceiro), impossível estabelecer um liame entre o fato omissivo e a conduta delituosa para
punir aquele. Extravio, sonegação ou inutilização de livro ou documento: Para a
caracterização do delito, não importa a ocorrência ou não de prejuízo a alguém, pois o dano,
efetivo ou potencial, não é elemento do tipo penal. Este é um crime com raras hipóteses e que
só admite, evidentemente, a forma dolosa. Se houver culpa do funcionário, o assunto fica nas
esferas administrativa e civil. Emprego irregular de verbas ou rendas públicas: O que está
na ementa acima vem sendo, na atualidade, muito contestado. As ocorrências são em maior
monta na área de ações penais contra os prefeitos municipais, que se vêem, muitas vezes, na
contingência de fazer aplicações de recursos orçamentários de forma não muito ortodoxa no
que tange às especificações. Precisa-se, portanto, de muita prudência para evitar condenações
precipitadas, pois, como sempre, há de voltar-se o olhar para o prisma do atendimento ao
interesse público. Concussão: Lesa o serviço público federal quem, contratado pela
Previdência Social para prestar atendimento hospitalar ou laboratorial, exige dos segurados
pagamento adicional. Corrupção passiva: Não ocorre o delito de corrupção passiva, embora
de natureza formal, consumando-se pela simples solicitação, se esta é impossível de ser
cumprida, isto é, se não estiver ao alcance da pessoa que é solicitada.Comete o delito de
corrupção passiva aquele que, exercendo função de destaque em empresa concessionária de
serviço público, solicita e recebe de fornecedores da mesma favores para o pagamento de
seus créditos. A corrupção passiva exige para a sua configuração a prática de atos de ofício,
dando ensejo ao recebimento de vantagem indevida. E, por ato de ofício, consoante uniforme
jurisprudência, se entende somente aquele pertinente à função específica do funcionário.
Facilitação de contrabando ou descaminho: O crime consuma-se com a efetiva facilitação
por parte do agente, com consciência de estar infringindo o dever funcional, pouco importando
que circunstâncias diversas impeçam a consumação do contrabando. Prevaricação: O dolo da
prevaricação, consiste na vontade conscientemente dirigida à prática de qualquer das ações
que constituem a materialidade do fato. O crime, além do dolo, reclama um elemento subjetivo
do tipo, contido na expressão para satisfazer interesse ou sentimento pessoal
Condescendência criminosa: Figura delitiva que foi considerada de pequena monta,
criminalidade de bagatela, que se situa muito mais como conduta demonstrativa de ilícito
administrativo. Advocacia administrativa: Patrocinar, direta ou indiretamente, interesse
privado perante a Administração, dando causa à instauração de licitação ou à celebração de
contrato, cuja invalidação vier a ser decretada pelo Poder Judiciário: Violência arbitrária: Os
crimes de violência arbitrária e de exercício arbitrário ou abuso de poder, previstos nos art. 322
e 350 do CP, foram absorvidos pela Lei n. 4.898 DE 65, sob a denominação de abuso de
autoridade. Abandono de função e exercício funcional ilegalmente antecipado ou
prolongado: Práticas muito mais vinculadas ao Direito Administrativo e, pois, devendo em sua
órbita ser cuidadas. O anteprojeto não mais as consagra. Violação de sigilo funcional: Ao
incriminar a violação de sigilo funcional, a lei visa impedir a revelação de fato que deva
permanecer em segredo, porque sua divulgação pode prejudicar ou pôr em perigo os fins que o
Estado persegue. Não incrimina a simples indiscrição ou a indesejável bisbilhotice nem tutela
interesses fúteis, carecedores de relevância jurídica. Violação do sigilo de proposta de
concorrência: Esse artigo está revogado pela Lei 8.666, de 93, que regulamenta o art. 37, da
Constituição Federal e institui normas para licitações e contratos da Administração Pública,
com a seguinte redação: Art. 94 — Devassar o sigilo de proposta apresentada em
procedimento licitatório ou proporcionar a terceiro o ensejo de devassá-lo.

454 - CRIMES PRATICADOS POR PARTICULAR CONTRA A ADMINISTRAÇÃO EM GERAL:


Usurpação de função pública - Usurpa função pública aquele que pratica atos inerentes ao
serviço policial como se nele estivesse investido legalmente, daquela se valendo para a prática
de estelionato. Resistência: Para a tipificação do delito de resistência, a oposição à prática de
ato legal deve ser efetiva, nada significando a mera resistência passiva, bem como o fato de
espernear e desferir o acusado pontapés em seu detentor. Configura-se a resistência na
oposição por meio de violência ou ameaça à execução de ato legal por autoridade pública
competente. Assim, responde pelo delito o meliante, ou seja, o malandro, o vagabundo que,
perseguido logo após a consumação de diversa infração, à mão armada se opõe à voz de
prisão. Desobediência: O delito de desobediência não é suscetível de cometimento apenas
por particulares. Também o funcionário público pode ser sujeito ativo da infração. Para que se
configure o delito de desobediência, é indispensável a existência de ordem legal, expedida por
autoridade competente, em forma regular e contra pessoa determinada. Dele não se há de
cogitar, portanto, sequer em tese, se a ordem que se diz desobedecida não foi dirigida ao
acusado, e sim à autoridade policial. Desacato: O crime de desacato se configura por qualquer
palavra que redunde em vexame, humilhação, desprestígio ou irreverência ao funcionário
público. A ofensa constitutiva do desacato é qualquer palavra ou ato que redunde em vexame,
humilhação, desprestígio ou irreverência ao funcionário. É a grosseira falta de acatamento,
podendo consistir em palavras injuriosas, difamatórias ou caluniosas, vias de fato, agressão
física, ameaças, gestos obscenos, gritos agudos etc. Tráfico de influência: Acusado que
solicita determinada importância para dar a funcionário público e "aliviar" a situação da vítima
no inquérito policial contra ela instaurado. Corrupção ativa: Réu que, encaminhado à
presença do delegado de polícia, quando no Distrito Policial, ofereceu importância em dinheiro
a investigador, a fim de impedir a apuração de sua ilícita atividade. Doutrinariamente indicam-
se como núcleos do crime de corrupção ativa o oferecer e o prometer vantagem indevida a
funcionário público. Mas que isso ocorra sem nenhuma sugestão ou captação de vontade por
parte do funcionário. Contrabando ou descaminho: Não é o comerciante estabelecido que
está sujeito às sanções do crime de descaminho. Qualquer pessoa pode ser sujeito ativo de tal
delito, desde que caracterizada a conduta de atividade de comércio, pela revenda, com fim
lucrativo. Impedimento, perturbação ou fraude de concorrência revogado, remanescendo
em vigor parte dele. Os fatos continuam a ser típicos, mas na lei especial e não no Código
Penal. Esses os fundamentos: Referida figura típica foi derrogada parcialmente pela Lei 8.666,
de 93, que reproduziu formas assemelhadas em seus art. 93 e 95. Afirmamos que a
derrogação foi parcial, pois o art. 335 previa duas modalidades — concorrência e hasta pública
— e a lei de licitações atingiu apenas a primeira, continuando plenamente em vigor a figura
típica prevista no Código Penal no tocante à hasta pública. Inutilização de edital ou de sinal:
Crime contra a Administração Pública — Inutilização de sinal — Delito caracterizado — Réu
que rompe lacre que vedava o funcionamento do seu estabelecimento comercial, interditado
pelo Serviço de Policiamento da Alimentação. Subtração ou inutilização de livro ou
documento: Subtrair não é a simples tirada da coisa do lugar em que se achava: exige, como
momento posterior, a sujeição dela ao exclusivo poder de disposição do agente. O fim deste é
ter a coisa definitivamente para si próprio ou para terceiro. Se sua intenção é apenas usar
passageiramente a coisa, seguindo-se a reposição desta, intacta, sob o poder de disposição do
dono, não há falar em subtração.

455 - CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA: Reingresso de estrangeiro


expulso; Denunciação caluniosa Pressuposto do delito de denunciação caluniosa é dar causa à
instauração de investigação policial ou de processo judicial contra alguém, imputando-lhe crime
de que se sabe ser inocente. Comunicação falsa de crime ou contravenção. A simples
comunicação de ocorrência de crime que se saiba inexistente é suficiente para a
caracterização do delito de falsa comunicação de crime, ainda que após simples diligência ou
indagação acerca dos fatos.Auto-acusação falsa. Falso testemunho ou falsa perícia: São
sujeitos ativos do crime somente a testemunha, o perito, o tradutor e o intérprete, sendo
evidente que a vítima a eles não pode ser equiparada. Corrupção ativa de testemunha ou perito
O delito previsto estabelece duas possibilidades alternativas de oferta ou promessa: dinheiro ou
qualquer outra vantagem. A promessa de prestação de serviços profissionais gratuitos, para
que a testemunha preste depoimento falso, constitui uma promessa de vantagem e caracteriza,
em tese, o delito de corrupção ativa de testemunha ou perito. Coação no curso do processo:
Para que se configure o crime de coação no curso do processo, mister se faz a coexistência de
um feito judicial, policial, administrativo ou simplesmente arbitral. Exercício arbitrário ou abuso
de poder: Inexiste abuso de autoridade na conduta de policial que mantém detida a pretensa
vítima em dependência de delegacia em que o agente se encontra lotado, para ultimação e
formalização de auto de apreensão de objetos oriundos de crime.

456. Quais os princípios que regem a falência e a recuperação de empresas, consoante à


Lei 11.101 DE 2005? Viabilidade da empresa; Prevalência dos interesses dos credores;
Publicidade do procedimento; Par conditio creditorum; Conservação e manutenção dos ativos;
Conservação da empresa viável.

457. Sobre o princípio da viabilidade da empresa. Refere-se às sociedades que sejam


viáveis, mas encontrem-se em dificuldade. O juízo de viabilidade é feito pelos credores e pelo
juiz, observados os seguintes parâmetros: Grau de endividamento; Ativo; Passivo; Relevância
social. Hodiernamente o juízo é mais dos credores que do juiz. Na recuperação extrajudicial o
juízo de viabilidade é feito somente pelos credores, o juiz apenas o homologa. Na recuperação
judicial e na falência, os credores podem opinar, mas a palavra final é sempre do juiz.

458. Qual o critério utilizado pelo juiz decidir entre a recuperação judicial ou a sua
conversão em falência? O critério é a análise da viabilidade da empresa. Sendo a sociedade
empresária viável, aplicar-se-á recuperação judicial, sendo inviável deverá o juiz converter a
recuperação em falência.

459. O que informa o princípio da prevalência do interesse dos credores?


A satisfação dos interesses dos credores tem caráter público. Assim, o plano de recuperação
apresentado tem que preservar ao máximo esse interesse.

460. Fale sobre o princípio da publicidade do procedimento.


Todos os atos praticados no processo de falência ou recuperação judicial devem ser públicos.
Essa publicidade tem dois objetivos basilares: Manter a sociedade informada do procedimento,
podendo desta forma demonstrar que a falência ou a recuperação judicial está cumprindo o seu
papel; Manter os credores informados de todo o tramite do processo, garantindo assim a
equidade entre credores, ou seja, evita-se que este ou aquele credor seja beneficiado por
manobras escusas.

461. Defina o princípio par conditio creditorum:


Quando, o devedor tem, em seu patrimônio, bens de valor inferior à totalidade de suas dívidas,
quando ele deve mais do que possui, a regra da individualidade da execução torna-se injusta.
Isto porque não dá aos credores de uma mesma categoria de crédito as mesmas chances.
Aquele que se antecipasse na propositura da execução possivelmente receberia a totalidade
do seu crédito, enquanto os que se demorassem muito provavelmente não receberiam nada,
posto encontrarem o patrimônio do devedor já totalmente exaurido. Para se evitar essa
injustiça, o direito afasta a regra da individualidade da execução e prevê, na hipótese, a
obrigatoriedade da execução concursal, isto é, do concurso de credores (antigamente
denominada execução "coletiva"). Se o devedor possui em seu patrimônio menos bens que os
necessários ao integral cumprimento de suas obrigações, a execução destes não poderá ser
feita de forma individual, mas coletivamente.

462. Sobre o princípio da conservação e manutenção dos ativos.


O processo de recuperação deve preservar a unidade produtiva, conservando ao máximo o
ativo da sociedade empresária e buscando sua valorização. Assim, com base nesse princípio,
mesmo no caso de decretação de falência, havendo possibilidade de continuação do negócio,
esse prosseguirá, desde que viável, pagando os credores com a produção da empresa,
hipótese em que haverá conversão da falência em recuperação judicial. Se tal não for possível
devido a inviabilidade, vender-se-á todo o ativo para que com o montante arrecadado, haja o
adimplemento das obrigações da sociedade empresária perante os credores.

463 - O que informa o princípio da conservação da empresa viável?


A empresa sempre que viável deve ser preservada, observados os parâmetros insertos na
questão 02, com enfoque especial na relevância social que a empresa tem para a sociedade.

464. Quais foram às normas criadas no período de transição entre o Decreto-lei 7661/45 e
a lei 11.101/05? As falências já existentes continuaram a ser tratadas sob a égide da lei
anterior; A concordata preventiva poderá ser convertida em recuperação judicial; Para a
falência que já estiver em andamento não poderá ser decretada concordata suspensiva.

465. A quem se dirige a Nova Lei de Falências (Lei 11.101/05)?


Dirige-se somente aos empresários: pessoa física (firma individual); pessoa jurídica (sociedade
empresária).

466. Sendo falência é dirigida somente aos empresários, pode ser decretada a falência
de pessoa física? Não pode ser decretada a falência de pessoa física. A falência é privativa
do empresário individual e da sociedade empresária. Aquele que não ostenta a qualidade de
empresário, pouco importando se pessoa física ou jurídica, está sujeito ao processo de
insolvência civil.

467. Há possibilidade de sócio que tenha se retirado da sociedade empresária, vir a ser
responsabilizado em caso de falência? SIM, se o sócio tiver se retirado voluntariamente ou
se foi excluído da sociedade a menos de dois anos, poderá responder, desde que existentes
dívidas na data do arquivamento da alteração do contrato e que estas não tenham sido
solvidas até a decretação da falência.

468. O sócio que se retirou da sociedade poderá ser considerado falido?


O sócio que se retirou da sociedade provavelmente não será citado na inicial, visto a citação
dirigir-se a sociedade empresária da qual ele não mais faz parte. Não tendo ele sido citado, não
tendo tido a oportunidade de apresentar defesa (princípio do contraditório), provavelmente, não
poderá ser decretado falido. Como a lei é silente há que esperar um caso concreto e a
pendência será resolvida jurisprudencialmente.

480. Qual o objetivo da recuperação extrajudicial?


A recuperação extrajudicial tem por objetivo a remoção das causas de crise
econômica/financeira, visando o reequilíbrio das contas da empresa. É um procedimento que o
devedor tem a sua disposição para tentar evitar que a sua atividade chegue a fase pré-
falimentar ou a própria falência. O principal objetivo da recuperação extrajudicial é dar uma
oportunidade para que a empresa consiga se reerguer e manter-se no mercado.

481 - Sobre os crimes praticados contra a administração em geral: Constitui crime de


prevaricação a conduta de policial civil que retarda, indevidamente, a prática de ato de
ofício, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal.

482 - Comete o delito de desobediência o delegado de policia que, em razão de amizade


com o autor do delito, não atende a requisição de Ministério Publico para fins de
instauração de inquérito policial. A assertiva está incorreta, pois o delito de desobediência
tem como sujeito ativo qualquer pessoa (particular contra a administração), mesmo sendo
funcionário público. No entanto, para que o funcionário público figure como sujeito ativo deste
tipo, é indispensável que seja fora de sua função, logo, como se tratava de delegado de polícia
(funcionário público) em exercício de sua função, enquadra-se no tipo penal do artigo 319 do
CP, prevaricação: "retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo
contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal".

483 - O crime de corrupção ativa, para se configurar na forma consumada, deve ter
causado prática funcional a infringir dever por parte do servidor público. Outra alternativa
errônea, uma vez que a forma consumada deste crime (corrupção ativa) se dá no momento do
oferecimento ou prometimento da vantagem indevida ao funcionário público, não necessitando
que ocorra prática funcional a infringir dever por parte do servidor público para consumação do
crime. O que ocorre em algumas situações, é o funcionário simular o recebimento da quantia
para que possa ocorrer à prisão em flagrante (flagrante esperado) e, como o crime já está
consumado, não há nada de irregular nisso.

484 - A conduta do servidor fazendário, que, em razão de seu cargo, exige ou solicita,
para si ou para outrem, vantagem indevida, constitui o crime de concussão previsto no
art. 316 do Código Penal. Conhecendo o teor do artigo 316 do CP - "exigir, para si ou para
outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão
dela, vantagem indevida", notamos que em momento algum o legislador inseriu em seu texto o
verbo solicitar, o que na alternativa (erroneamente) constou como sendo parte integrante do
mencionado artigo. O ato de solicitar vantagem indevida aparece tipificado também no rol dos
crimes contra a administração pública, todavia, em outro artigo. O examinador misturou o verbo
do artigo 316 (exigir) com o do 317 (solicitar) ambos do CP, justamente para confundir o
candidato.

485 - Constitui crime de advocacia administrativa a conduta de advogado particular que


patrocina, direta ou indiretamente, interesse privado perante a administração pública. O
artigo 321 do CP - "patrocinar, direta ou indiretamente, interesse privado perante a
administração pública, valendo-se da qualidade de funcionário" - embora seja denominado
como "advocacia administrativa", pode ser praticado por qualquer pessoa (advogado ou não),
desde que seja funcionário público. Na alternativa em exame, fala-se de advogado particular
que patrocina, direta ou indiretamente, interesse privado perante a administração pública, o que
é mais do que normal, ora, é constante atribuição dos advogados patrocinarem causas contra a
administração pública, outros particulares etc. O crime de "advocacia administrativa" é aquele
em que um funcionário público favorece, defende, facilita, um interesse alheio, favorecendo-
se da sua condição e usando das suas amizades com os outros funcionários. Logo, esta
alternativa também está incorreta.

486 - Sobre a organização do Estado brasileiro embora, por princípio, todos os entes federados
sejam autônomos, em determinados casos, os estados podem intervir em seus municípios.
487 - O século 20 marcou a transformação da organização do serviço público em todo o
mundo, que se caracterizou, principalmente, pela implantação dos modelos burocrático e
gerencial de administração. No que se refere às diferenças entre os referidos modelos a
Administração Pública gerencial é frequentemente identificada com as ideias neoliberais, pois
as técnicas de gerenciamento foram quase sempre introduzidas ao mesmo tempo em que se
implantavam programas de ajuste estrutural para enfrentar a crise fiscal do estado.

488 - Em nosso país, o processo que permeia a formação do Estado nacional e da


administração pública se revela pelas seguintes constatações: a) a administração colonial se
caracterizou pela centralização, formalismo e morosidade, decorrentes, em grande parte, do
vazio de autoridade no imenso território. b) a partir da administração pombalina, pouco a
pouco, o empirismo paternalista do absolutismo tradicional foi sendo substituído pelo
racionalismo típico do despotismo esclarecido. c) a transferência da corte portuguesa, em
1808, e a consequente elevação do Brasil a parte integrante do Reino Unido de Portugal
constituíram as bases do Estado nacional, com todo o aparato necessário à afirmação da
soberania e ao funcionamento do autogoverno. d) a partir da Revolução de 1930, o Brasil
passou a empreender um continuado processo de modernização das estruturas e processos do
aparelho do Estado.

489 - Os conceitos de governabilidade e governança estão intimamente relacionados entre si e


com a reforma do Estado. Por governabilidade se entende a legitimidade de um determinado
governo junto à sociedade para empreender mudanças. Por governança se entende a
capacidade técnica, financeira e gerencial de implementar políticas públicas.

490 - O método PDCA: foi desenvolvido a partir da percepção de que os problemas em um


processo, considerados como oportunidades de melhoria, são causados pela diferença entre
as necessidades dos clientes e o desempenho do processo.

491 - No âmbito da administração pública, o empreendedorismo pressupõe a incorporação dos


seguintes comportamentos: a) participação dos cidadãos nos momentos de tomada de decisão.
b) substituição do foco no controle dos inputs pelo controle dos outputs e seus impactos. c)
criação de mecanismos de competição dentro das organizações públicas e entre organizações
públicas e privadas. e) aumento de ganhos por meio de aplicações financeiras e ampliação da
prestação de serviços remunerados.

492 - O PPA se constitui na síntese dos esforços de planejamento de toda a Administração


Pública. A respeito do PPA, no âmbito federal Sua vigência não coincidirá com o mandato do
chefe do Poder Executivo.

493 - De acordo com os dispositivos constitucionais, os Poderes Legislativo, Executivo e


Judiciário manterão, de forma integrada, sistema de controle interno, o qual possui como
finalidade: avaliar o cumprimento das metas previstas no Plano Plurianual; executar os
programas de governo e dos orçamentos da União; comprovar a legalidade e avaliar os
resultados, quanto à eficácia e eficiência, da gestão orçamentária, financeira e patrimonial nos
órgãos e entidades da administração federal; Apoiar o controle externo no exercício de sua
missão institucional e exercer o controle das operações de crédito, avais e garantias, bem
como dos direitos e haveres da União.

494 - A Revogação ou anulação do ato administrativo – Súmula 473 do STF é realizada por
controle interno da Administração. O Processo Administrativo Disciplinar também é Controle
Interno da Administração. Uma Comissão Parlamentar de Inquérito é Controle Parlamentar. Um
Mandado de Segurança e uma ação popular são exemplos de Controle Jurisdicional.

495 - Os programas de qualidade têm como foco as necessidades dos clientes internos e
externos da organização, buscam a maior eficiência dos processos, evitando desperdícios.
Caracterizam-se pela participação de toda equipe e pela melhoria contínua dos processos.

496 – Gestão do conhecimento - Estamos diante de um cenário de rara complexidade, no


mundo corporativo e na sociedade em geral. Fenômenos econômicos e sociais, de alcance
mundial, são responsáveis pela reestruturação do ambiente de negócios. A globalização da
economia, impulsionada pela tecnologia da informação e pelas comunicações, é uma realidade
da qual não se pode escapar. A criação e a implantação de processos que gerem, armazenem,
gerenciem e disseminem o conhecimento representam o mais novo desafio a ser enfrentado
pelas empresas. Termos como "capital intelectual", "capital humano", "capacidade inovadora",
"ativos intangíveis" ou "inteligência empresarial" já fazem parte do dia-a-dia de muitos
executivos. O conceito de gestão do conhecimento parte da premissa de que todo o
conhecimento existente na empresa, na cabeça das pessoas, nas veias dos processos e no
coração dos departamentos, pertence também à organização. Em contrapartida, todos os
colaboradores que contribuem para esse sistema podem usufruir de todo o conhecimento
presente na organização. Gestão do Conhecimento é um sistema de gerenciamento
corporativo. Significa organizar e sistematizar, em todos os pontos de contato, a capacidade da
empresa de captar, gerar, criar, analisar, traduzir, transformar, modelar, armazenar, disseminar,
implantar e gerenciar a informação, tanto interna como externa. Essa informação deve ser
transformada efetivamente em conhecimento e distribuída tornando-se acessível aos
interessados. A informação aplicada que é o conhecimento, passa a ser um ativo da empresa e
não mais um suporte à tomada de decisão.

499 - O papel da área de TI é de suporte à gestão do conhecimento. Seu desafio é identificar e


ou desenvolver e implantar tecnologias e sistemas de informação que dêem apoio à
comunicação empresarial e à troca de idéias e experiências. Isso facilita e incentiva as pessoas
a se unir, a tomar parte de grupos e a se renovar em redes informais de aquisição e troca de
conhecimento, além de compartilhar problemas, perspectivas, idéias e soluções em seu dia-a-
dia profissional.

500 - Uma grande vantagem da Gestão do Conhecimento é o melhor "time-to-market" que


pode ser conferido ao corpo executivo das empresas, cuja capacidade de tomada de decisão
com rapidez e eficiência é maximizada. Tal resultado pode ser ainda mais positivo quando as
organizações combinam gestão do conhecimento com o processo de inteligência competitiva
que é o processo de monitoramento dos ambientes competitivo, concorrencial e organizacional,
visando subsidiar o processo decisório e o alcance das metas estratégicas de uma empresa. A
ferramenta de gestão Balanced Scorecard (BSC) é o indicador preferido para a medição dos
resultados alcançados pela prática da gestão do conhecimento ou GC. O alinhamento
estratégico de um projeto de (GC) deve potencializar os objetivos de médio e longo prazos da
organização, permitindo aferir resultados diretos e indiretos, tangíveis e intangíveis. As
condições específicas de cada empresa e as características do mercado em que ela atua
balizam a política a ser adotada nesse campo. Para a maximização do resultado, é melhor que
projetos de gestão do conhecimento se iniciem por áreas ou processos que possam ter impacto
mais relevante e abrangente na organização. Eles devem ser priorizados em função da melhor
relação custo-benefício sob as óticas operacional, financeira e de impacto nas estratégias
futuras mais relevantes.

501 - As empresas reconhecem que o conhecimento necessário para mantê-las competitivas


no mercado e melhorar significativamente seu desempenho já se encontra, em boa parte,
dentro da própria empresa perdido nos "labirintos corporativos", depositado em bancos de
dados abandonados. E isso reforça a idéia de que o caminho a seguir não é a geração do
conhecimento, mas sim seu gerenciamento (identificação, classificação em categorias,
armazenamento, beneficiamento, disseminação e uso). O conhecimento inerente às empresas
é o que pode ser mais bem aproveitado, mas outras fontes de conhecimento, tais como
fornecedores, Internet, consultorias, relatórios financeiros de concorrentes, universidades,
também são importantes. Isso mostra que as fontes precisam ser complementares e que as
empresas não devem contar apenas com o que é proveniente de uma única origem.

502 - GESTÃO DO CONHECIMENTO: Os fatores de produção, bem como sua evolução e


gestão, são impactados pela capacidade e velocidade com as quais o conhecimento humano
tem sido desenvolvido, utilizado e atualizado. Este fenômeno se deu com o advento da Era do
Conhecimento. Essa Era surgiu impulsionada por fenômenos que estão transformando as
relações econômicas, políticas e sociais da civilização humana, como a globalização, os
mercados regionais e os avanços tecnológicos, em especial a Tecnologia da Informação. O
outro fator que tem causado elevado nível de angústia nos empresários e executivos é o fato
de vivermos em uma era que poderia ser chamada de Economia Instantânea. Temos que
decidir cada vez mais on-line, sem tempo para cuidadosas análises nem para aqueles rituais
de planejamento estratégico, pois quando os planos ficam prontos as circunstâncias já
mudaram.

503 - Deve-se observar, em especial, o fato de considerarem como objetivo de qualquer


programa de Educação Corporativa (EC) o aumento do Capital Intelectual. Desta forma, a
Educação Corporativa representa um importante componente da Gestão do Conhecimento
(GC), podendo ser considerada como uma ferramenta de suporte à GC no cumprimento de seu
propósito de socializar o conhecimento. Com a missão de propiciar o aprendizado contínuo, a
EC oferece soluções de aprendizagem e compartilhamento de conhecimentos, atuando no
sentido de que todos tenham as qualificações necessárias para sustentar os objetivos
empresariais. Assim, nenhuma estratégia empresarial será realizada sem que esteja
fundamentada em um consistente programa de Educação Corporativa continuada. Este
programa deverá desenvolver os conhecimentos, habilidades e atitudes requeridos para se
obter sucesso no mencionado cenário, onde o pensar e a construção do futuro são tão
relevantes, ou até mais, do que o fazer. A Educação Corporativa é um componente do
processo de Gestão do Conhecimento Organizacional, fundamentado na estratégia de
negócios, com objetivo de aumentar, permanentemente, o valor do Capital Intelectual da
Organização. Por seu intermédio é integrada toda a cadeia de valor: Alta Direção, Executivos e
Técnicos da Organização, Clientes, Parceiros, Fornecedores e até mesmo a Sociedade. Essa
integração conduz ao desenvolvimento de programas de educação continuada, como suporte à
melhoria de resultados do negócio, ao aumento da competitividade da Organização e das
equipes, bem como a respectiva construção de futuro.

505 - As pessoas da organização: É fato que os métodos tradicionais de treinamento e


desenvolvimento de pessoas não têm conseguido acompanhar o ritmo das freqüentes
mudanças que vêm ocorrendo no mundo. Conseqüentemente, as Empresas têm sido instadas
a uma reflexão e à busca de novos caminhos, para manter seu corpo gerencial e funcional
atualizados, quase em tempo real. O aprendizado tem dois significados: adquirir conhecimento
e adquirir habilidade. O conhecimento é o porquê, a parte conceitual do aprendizado, saber por
que alguma coisa funciona ou acontece. A habilidade é o como, a aplicação, ter capacidade
para fazer algo acontecer. No mundo dos negócios, saber 'porque' e saber 'como', são
igualmente importantes.

506 - Produtos e serviços são provenientes do esforço integrado da cadeia de valor que
envolve Clientes, Parceiros, Fornecedores, Sociedade, Alta Direção, Executivos, Gerentes,
Especialistas e Técnicos. O domínio das tecnologias aplicadas ao processo de construção,
manutenção, comercialização e aperfeiçoamento dos produtos e serviços, torna-se
fundamental para a Organização. Nesse sentido devem-se desenvolver, de forma permanente,
as competências necessárias ao atingimento desse propósito. Mais uma vez, a EC deve
representar a melhor alternativa para atender a todos os envolvidos e deve utilizar essas
informações no contexto de seu planejamento e execução.

507 - Marketing de Relacionamento significa criar, manter e acentuar sólidos relacionamentos


com os clientes e outros públicos. A gestão do relacionamento entre a Organização e seus
Clientes deve ocorrer de maneira interativa, propiciando troca de benefícios e vantagens para
ambas as partes, onde esta interação conduz a um processo ininterrupto de aprendizagem,
conhecimento mútuo e intensificação de relacionamentos. Neste contexto, o Marketing de
Relacionamento apresenta-se como mais um instrumento da Educação Corporativa,
considerando sua proposta de integrar toda a cadeia de valor, incluindo-se aí os Clientes,
Parceiros e Fornecedores, nos programas de educação continuada. Desta forma, Educação
Corporativa não se restringe à capacitação dos empregados de uma Organização; há um ciclo
de trocas entre todos os componentes da cadeia de valor, que pode ser fortalecido por meio do
marketing de relacionamento. Ratifica-se o papel da Educação continuada no processo de
marketing de relacionamento, quando promove o desenvolvimento de competências em toda a
cadeia de valor, na busca da excelência de desempenho, a partir das estratégias
organizacionais.
508 - Dados são simples fatos que se tornam informação, se forem combinados em uma
estrutura compreensível; ao passo que a informação torna-se conhecimento, se for colocada
em um contexto, podendo ser usada para fazer previsões. Uma informação é convertida em
conhecimento quando um indivíduo consegue ligá-la a outras informações, avaliando-a e
entendendo seu significado no interior de um contexto específico. De acordo com esse sentido,
os dados são pré-requisitos para a informação, e esta é pré-requisito para o conhecimento.

509 - Um dos principais facilitadores para o trabalho com esse formato do conhecimento são as
redes de trabalho que ligam pessoas experientes e preparadas para atuar em grupo,
interagindo basicamente por meio de ampla troca de conhecimentos tácitos. A importância das
redes de trabalho, confirmados por pesquisas mais recentes, evidenciando seu papel na troca
de conhecimentos (principalmente tácitos)*. Essas redes, também denominadas comunidades
de prática, normalmente espontâneas e informais em relação à estrutura formal da
organização, podem envolver pessoas de dentro e de fora da empresa na troca de
experiências e na busca de novas abordagens para problemas comuns, continuando a existir
conforme seus membros se identifiquem com o propósito do grupo.

510 - Paralelamente à evolução recente da internet e dos portais corporativos, uma TI que
também pode influenciar na Geração do Conhecimento são os sistemas ERP (Enterprise
Resource Planning). Empregados pelas grandes empresas desde os anos 90, buscando
integrar vários setores da empresa, os sistemas ERP procuram padronizar e normalizar os
diferentes setores e funções, facilitando o compartilhamento de dados, informações e até
conhecimentos. Esses sistemas estruturam-se em torno de uma grande base de dados central
que envolve toda a corporação. Passa a ser uma ferramenta com impacto na Gestão do
Conhecimento à medida que tem como foco intermediar a ação de pessoas, aproximando
quem domina determinados conhecimentos ERP por meio de intranet de quem os está
necessitando. Com a nova integrados aos recentes sistemas CRM (Customer Relationship
Management) que tratam de informações sobre clientes, mais possibilidades de intermediação
de conhecimentos podem ocorrer. As intranets corporativas, bem como outros sistemas além
do ERP, podem permitir o gerenciamento dos conteúdos de conhecimentos da empresa.
Porém, uma importante parte da solução, para que estes sistemas funcionem, passa por se
estabelecer muito bem quais são os processos-chave e os principais papéis e fluxos de
trabalho (workflow) dentro desses processos.

511 - As cinco disciplinas para uma organização de aprendizagem são: 1. Domínio pessoal:
Envolve a formulação de um conjunto coerente de resultados que as pessoas desejam
alcançar como indivíduos em um alinhamento realístico com o estado atual de suas vidas. 2.
Modelos mentais: Focalizam o desenvolvimento de atitudes e percepções que influenciam o
pensamento e a interação entre as pessoas. Ao refletirem continuamente, falando a respeito e
reconsiderando aspectos internos do mundo, as pessoas ganham mais capacidade de
governar suas ações e decisões. 3. Visão compartilhada: Estabelece um foco sobre propósitos
mútuos. As pessoas aprendem a nutrir um senso de compromisso em um grupo ou
organização desenvolvendo imagens do futuro que pretendem criar e os princípios e as
práticas orientadoras os quais elas esperam alcançar. 4. Aprendizagem de equipes: A
aprendizagem utiliza técnicas como diálogo e discussão para desenvolver o pensamento
coletivo, aprender a mobilizar energias e ações para alcançar objetivos comuns e desenvolver
uma inteligência e capacidade maior do que a soma dos talentos individuais. 5. Pensamento
sistêmico: Por meio dele, as pessoas aprendem melhor compreendendo a interdependência e
a mudança para lidar eficazmente com as forças que produzem efeitos em suas ações. Trata-
se de mudar sistemas na sua totalidade e não mudar apenas os detalhes. A aprendizagem
organizacional é feita a partir dessas cinco disciplinas capazes de fazer com que pessoas e
grupos possam conduzir as organizações para a mudança e a renovação contínuas.

512 - A aprendizagem é a principal vantagem competitiva de uma organização. Ela conduz à


criatividade e à inovação. Embora pareça um produto, a aprendizagem organizacional é um
processo. E os processos não se revelam facilmente para que todos os vejam. Assim, é
necessário desenvolver nas organizações uma mentalidade de aprendizagem contínua, como a
sua principal vantagem competitiva. Toda organização precisa inovar e aprender para enfrentar
os desafios que bloqueiam o seu progresso. A vantagem competitiva de uma organização
somente é sustentável por meio do que ela sabe, como ela consegue utilizar aquilo que sabe e
a rapidez com que aprende algo novo.

513 - Gestão do Conhecimento não é uma tecnologia, mas usa tecnologia; É uma metodologia,
não um produto; Não funciona sem mudanças culturais e gerenciais; A grande dificuldade é
transformar conhecimento tácito em explícito; Conhecimento Explícito envolve conhecimento
dos fatos; é adquirido principalmente pela informação; quase sempre pela educação formal;
está documentado em livros, manuais, bases de dados etc. Conhecimento Tácito é algo
pessoal, formado dentro de um contexto social e individual, não é propriedade de uma
organização ou de uma coletividade.

516 - Precisamos gerenciar o Conhecimento para não repetir os erros; Para registrar o
conhecimento dos colaboradores; Para registrar as melhores práticas; Para disponibilizar
conhecimento gerado na organização. A Organização/Estado “aprende com a experiência”;

517 - Os princípios que precisam existir para que um projeto de Educação Corporativa tenha
êxito são: 1. Competitividade: Educação como forma de valorizar o capital intelectual e fator de
competitividade organizacional; 2. Perpetuidade: Educação com o propósito de formar
modelos mentais que conservem, transmitam, disseminem, reproduzam e transformem as
crenças e valores organizacionais; 3. Conectividade: Educação como instrumento gerador de
relacionamentos, compartilhamento de conhecimento; 4. Disponibilidade: Aprendizagem a
qualquer hora e em qualquer lugar, gerando aprendizado contínuo e autodesenvolvimento; 5.
Cidadania: Estímulo à cidadania individual e corporativa; 6. Sustentabilidade: Ser um centro
gerador de negócios; 7. Parceria: Parcerias internas com líderes e gestores e externas com
Instituições de Ensino Superior/Consultorias.

518 - A EAD surge com o advento das inovações tecnológicas da informação e da


comunicação que, associadas ao processo de globalização, vêm transformando a realidade
mundial e colocando novos desafios para a sociedade e para a educação. A educação a
distância aparece, neste contexto, como uma modalidade de educação extremamente
adequada e desejável para atender às novas demandas educacionais decorrentes das
mudanças na nova ordem econômica mundial. O ensino a distância é o tipo de método de
instrução em que os procedimentos docentes acontecem à parte dos discentes, de tal modo
que a comunicação entre o professor e o aluno possa se realizar através de textos impressos,
meios eletrônicos, mecânico, ou outras técnicas. De toda forma, cinco elementos são
essenciais para caracterização da EAD. Vejamos: Separação espaço-temporal entre estudante
e professor; Influência de uma organização educacional, especialmente no planejamento e na
preparação dos materiais de aprendizado; Uso de meios técnicos – mídia; Providências para
comunicação em duas vias; Possibilidade de encontros presenciais; São princípios didáticos da
EAD: Autonomia; Aprendizagem colaborativa e cooperativa; Interação e interatividade;
Avaliação contínua e diagnóstica; Acompanhamento mais direto pelo tutor e monitor;
Atendimento individual ou em grupo para solucionar dúvidas; Horários de atendimento flexíveis;
processo centrado no estudante; Diversidade nas fontes de informação; Constituída por equipe
multidisciplinar; Professor como gestor da aprendizagem; Diversidade no uso de linguagens;
Material didático produzido para a modalidade.

519 - Por que a Administração Pública se divide em direta e indireta?


A Administração Pública em sentido amplo abrange os três órgãos governamentais: Poder
Executivo, Poder Legislativo e Poder Judiciário. A Administração Pública em
sentido estrito abrange os órgãos administrativos e as atividades por eles
exercidas. A divisão da Administração Pública ocorre em função da
necessidade de descentralização do exercício da função administrativa.
Assim, a Administração Pública direta ou centralizada é aquela exercida
apenas pelos órgãos do Estado. Já a Administração Pública indireta ou
descentralizada é aquela exercida por entes públicos dotados de
personalidade jurídica própria e que são criados pelo Estado para prestarem serviços públicos
ou de interesse público delegáveis.Analisando sob a ótica restrita e partindo do pressuposto
que a administração pública detém a função de administrar a sociedade, executando todos os
atos inerentes a esta função, pode-se conceituar a administração pública como o conjunto de
órgãos e entidades que detenham a função de administrar a sociedade na prestação de
serviços públicos e de segurança. A administração analisada utilizando-se uma ótica mais
restrita compõe-se somente do poder Executivo, ou seja, é a “máquina” do poder executivo
exercendo suas atividades. Desta forma, analisando a administração pública sob uma ótica
mais restrita, recebe o nome de administração pública todos os órgãos e entidades que
integram o poder Executivo. Neste caso, a administração pública será subdividida em
Administração direita e indireta. A administração direta é composta pelos órgãos Estatais
propriamente ditos, como as prefeituras, os governos dos Estados e a presidência da
República. Já a administração indireta é composta pelas autarquias, as sociedades de
economia mista, empresa pública e as fundações públicas. Na realidade, na maioria das vezes,
quando alguém se refere à Administração Pública, esta se referindo à sua análise restrita, ou
seja, aos órgãos do poder executivo.

522 – Os poderes da Administração têm natureza instrumental, isto é, surgem como


instrumentos conferidos pelo ordenamento jurídico à Administração para preservar interesses
da coletividade. O uso desses poderes é um dever-poder, pois é por meio deles que se irá
alcançar a preservação dos interesses da coletividade. Limites aos poderes da administração
pública: Preservação do interesse público: O administrador só poderá usá-los para preservar os
interesses públicos. Se ultrapassar os limites haverá abuso de poder e desvio de finalidade,
que são espécies de ilegalidade. Princípio da legalidade: O administrador só poderá usar os
poderes estabelecidos em lei. Se usar outros será ilegal, pois há uma subsunção do
administrador à lei. Forma federativa do Estado: O administrador no uso desses poderes não
poderá invadir o campo de atuação de outra pessoa que integre a Administração, assim tem
que respeitar a federação. Se invadir, será ilegal. Subsunção é a ação ou efeito de subsumir,
isto é, incluir (alguma coisa) em algo maior, mais amplo.

524 – Controle dos poderes da administração pública: Quando a Administração ultrapassar


aqueles limites, estará sujeita a um controle, que pode ser feito pela Administração e pelo
Judiciário (súmula 473 do STF). A administração pode anular seus próprios atos quando
houver abuso de poder e desvio de finalidade, em decorrência da autotutela. Já o Poder
Judiciário pode anular os atos administrativos através de um controle de legalidade.

525 – Situações caracterizadoras de abuso de poder: Qualquer atentado à liberdade de


locomoção; à inviolabilidade do domicílio, ao sigilo da correspondência, à liberdade de
consciência e de crença; ao livre exercício do culto religioso, à liberdade de associação; aos
direitos e garantias legais, assegurados ao exercício do voto; aos direitos de reunião; à
incolumidade ou seja aintegridade física do indivíduo; aos direitos e garantias legais
assegurados ao exercício profissional. O administrador não pode invocar a auto-
executoriedade para violar o domicílio, pois é um direito sob cláusula de reserva judicial, isto é,
o administrador só pode entrar durante o dia com um mandado judicial. Assim, também, ocorre
com as comunicações telefônicas, uma vez que só podem ser violadas por clausula judicial. O
abuso de autoridade sujeitará o seu autor à sanção administrativa, civil e penal. A sanção
administrativa será aplicada de acordo com a gravidade do abuso e consistirá em advertência;
repreensão; suspensão do cargo, função ou posto por prazo de 5 a 180 dias, com perda de
vencimentos e vantagens; destituição de função, demissão a bem do serviço público.

526 – Hipóteses exemplificativas de improbidade administrativa: Atos de improbidade


administrativa que importem em enriquecimento ilícito; Atos de improbidade administrativa que
importem em prejuízo ao erário e Atos de improbidade administrativa que atentem contra os
princípios da Administração. Improbidade administrativa é uma espécie do gênero abuso de
poder. Os atos de improbidade administrativa importarão à suspensão dos direitos políticos, a
perda da função pública, a indisponibilidade dos bens e ressarcimento ao erário, na forma e
gradação previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível. Estas sanções podem ser
aplicadas simultaneamente, precedendo de instrumentos que apurem as irregularidades
praticadas pelo servidor, ou seja, de processo administrativo disciplinar ou sindicância,
garantindo o contraditório e a ampla defesa. É crime de responsabilidade o ato do Presidente
da República que atente contra a Constituição Federal, especialmente contra probidade
administrativa. O Presidente da República, nos crimes de responsabilidade, será julgado
perante o Senado federal, precedendo de admissão na Câmara dos Deputados por dois terços
dos deputados.
527 - Abrangência da prática abusiva: A prática abusiva abrange tanto a edição de atos como
omissões. Tendo em vista que o controle de constitucionalidade serve para atos e omissões, o
controle de legalidade dos atos administrativos também. Exemplo: Se o administrador não
aplicar a punibilidade ao agente público e nem justificar o porquê não o fez, pode ser punido
por condescendência criminosa.

528 - Poder vinculado é aquele em que o administrador se encontra inteiramente preso ao


enunciado da lei que estabelece previamente um único comportamento possível a ser adotado
em situações concretas, não existindo um espaço para juízo de conveniência e oportunidade.
Há ausência de juízo de valores, pois a lei estabelece um único comportamento. Exemplo:
Aposentadoria por atingimento do limite máximo de idade. Quando o servidor completar 70
anos, o administrador tem que aposentá-lo, pois a lei prevê esse único comportamento.

529 - Poder discricionário é aquele em que o administrador se encontra preso (não


inteiramente) ao enunciado da lei que não estabelece previamente um único comportamento
possível a ser adotado em situações concretas, existindo um espaço para juízo de
conveniência e oportunidade. Há, portanto, um juízo de valores. Exemplo: Pedido de porte de
arma junto à Administração. O administrador poderá conceder ou não dependendo da situação
em concreto.

530 - Poder hierárquico é o poder conferido à Administração para se auto-organizar, isto é,


para distribuir as funções dos seus órgãos e fiscalizar a atuação dos seus agentes. A
importância de se conhecer a estrutura da Administração se dá não só para quem faz parte da
Administração como também para quem esta de fora. Exemplos: 1 - Quando o servidor
ingressar na Administração, já saberá quem é o seu superior hierárquico, de quem irá cumprir
ordens e a quais deve obedecer. As ilegais não esta obrigado a cumprir. 2 - Alguém que queira
entrar em litígio contra a administração precisa saber a sua estrutura. Para entrar com um
mandado de segurança, precisa saber quem é autoridade que tem poder de decisão. 3 - Os
institutos da delegação e avocação de competência estão relacionados com o Poder
hierárquico, pois só delega ou avoca quem tem competência e para saber quem tem
competência, é preciso verificar a estrutura da Administração. 4 - Responsabilização dos
agentes pela prática de atos que não eram de sua competência ou pela prática irregular.

531 - Poder disciplinar é o poder atribuído a Administração Pública para aplicar sanções
administrativas aos seus agentes pela prática de infrações de caráter funcional. O poder
disciplinar abrange somente as sanções administrativas, como por exemplo, a advertência, a
multa, a suspensão e a demissão. Tanto a União, como os Estados, o Distrito Federal e os
Municípios podem legislar sobre sanções administrativas. Exemplo: Cassação de
aposentadoria está prevista no estatuto do servidor estadual e federal. Porém, há Limites ao
exercício do poder disciplinar: 1 - Necessidade de abertura de sindicância ou processo
administrativo disciplinar; 2 - Necessidade de oferecimento ao servidor de contraditório e ampla
defesa; 3 - Há presunção de inocência. Se forem violados, estes direitos o processo será
inconstitucional; 4 - Necessidade de motivação da decisão: A Administração está obrigada a
motivar todos os atos que edita, pois quando atua representa interesses da coletividade. Até
mesmo quando deixar de aplicar uma penalidade deverá motivar o ato, pois se era caso de
aplicar e não o fez, recairá em condescendência criminosa.

532 - Meios de apuração de irregularidades que não podem mais ser aplicados: Não é possível
a aplicação de penalidade ao servidor pelo critério da verdade sabida, pois vai contra o art. 5
da CF88. Este critério prevê a possibilidade de aplicação de penalidade ao servidor sem
contraditório e sem ampla defesa, com fundamento na idéia de que as verdades do fato já são
conhecidas pelo administrador. Não é possível também a aplicação de penalidade ao servidor
pelo termo de declaração, pois ofende o art. 5 da Constituição. O termo de declaração prevê a
possibilidade de se aplicar penalidade sem contraditório e ampla defesa, quando a
irregularidade for comprovada mediante confissão.

533 - Poder normativo é o poder conferido à Administração para expedição de decretos e


regulamentos. Decretos e regulamentos de execução ou decretos regulamentares, são aqueles
que dependem de lei anterior para serem editados. Têm objetivo de oferecer fiel execução à lei.
Se extrapolarem os limites previstos na lei serão ilegais, recaindo sobre eles um controle de
legalidade. Os decretos regulamentares existem no Brasil por força do art. 84, da Constituição
Federal: “Compete privativamente ao Presidente da República sancionar, promulgar e fazer
publicar as leis, bem como expedir decretos e regulamentos para sua fiel execução”. “É de
competência exclusiva de o Congresso Nacional sustar os atos normativos que exorbitem do
poder regulamentar. Decretos e regulamentos autônomos: São aqueles que não dependem de
lei anterior para serem editados, pois estão regulamentando a própria Constituição Federal.
São autônomos em relação a lei. Se extrapolarem os limites que lhe eram permitidos, serão
inconstitucionais, recaindo sobre eles um controle de constitucionalidade. Para os
constitucionalistas, os decretos e regulamentos autônomos existem no Brasil, cabendo até
mesmo ADIN em face de decreto federal ou estadual quando este derivar diretamente da
Constituição Federal ou Estadual. Alguns administrativistas têm admitido a sua existência em
face do artigo 84, da Constituição Federal que dispõe que “compete privativamente ao
Presidente da República dispor, mediante decreto sobre: organização e funcionamento da
administração federal, quando não implicar em aumento de despesa nem criação ou extinção
de órgãos públicos; extinção de funções ou cargos públicos, quando vagos”. E também, tendo
em vista que o Presidente poderá expedir decretos de intervenção federal, de estado de sítio
ou defesa.

534 - Poder de polícia é o poder conferido à Administração, para restringir, frenar, condicionar,
limitar o exercício de direitos e atividades econômicas dos particulares para preservar os
interesses da coletividade. Encontra fundamento na supremacia do interesse público sobre o
particular. Assim, o condicionamento de direitos só será possível com base na supremacia do
interesse público. O poder de polícia pode se apresentar através de atos gerais ou específicos
(concretos). Exemplo: Portaria proibindo venda de bebidas alcoólicas a menores (gerais);
Decreto que estabelece cor padronizada aos táxis (gerais); Embargo de uma obra por estar
sendo construía de forma irregular (específico); Embargo por não haver recuo mínimo de
calçada (específico); Interdição de restaurante por falta de higiene (específico). Considera-se
poder de polícia a atividade da administração pública que, limitando ou disciplinando direito,
interesse ou liberdade, regula a prática de ato ou abstenção de fato, em razão de interesse
público concernente à segurança, à higiene, à ordem, aos costumes, à disciplina da produção e
do mercado, ao exercício de atividades econômicas dependentes de concessão ou autorização
do Poder Público, à tranqüilidade pública ou ao respeito à propriedade e aos direitos individuais
ou coletivos”

535 – Conceitos:
Administração: estudo das organizações; processo de tomada de decisão sobre OBJETIVOS e
utilização de RECURSOS. A palavra Administração possui ainda outros significados, sendo
empregada também para se referir aos dirigentes de uma organização e ao local nas
organizações onde se tomam providências administrativas. Organização: SISTEMA DE
RECURSOS estruturado com a finalidade de alcançar OBJETIVOS. A sociedade humana é
formada por organizações. Eficácia: consiste no grau de alcance das METAS programadas em
um determinado período de tempo, independentemente dos custos implicados. Quanto mais
alto o grau de realização dos objetivos e metas, mais a organização é eficaz. Relação entre
OBJETIVO e PRODUTO; se o produto atendeu o objetivo, a organização foi eficaz. Eficiência:
relação entre PRODUTOS (bens e serviços) gerados por uma atividade e os CUSTOS dos
insumos empregados, em um determinado período de tempo. Uma organização é eficiente
quando utiliza seus recursos da forma mais produtiva e econômica possível, também
conhecida como forma racional de utilização. Este onceito envolve os processos de trabalho e
o custo dos insumos. / Relação entre os INSUMOS / RECUROS e o PRODUTO; se o produto
foi conseguido com uma alocação racional dos recursos e empregando processos otimizados
de trabalho a organização foi eficiente. Efetividade: relação entre os resultados de uma ação ou
programa, em termos de efeitos sobre a população-alvo (impactos observados) e objetivos
pretendidos (impactos esperados). Alguns autores consideram efetividade como a união da
eficácia com a eficiência. Economicidade: implica a minimização dos custos dos recursos
utilizados na consecução de uma atividade, sem comprometimento dos padrões de qualidade.
Relação entre os INSUMOS/ RECURSOS e a AÇÃO que foi desenvolvida; se para desenvolver
a ação planejada com a qualidade necessária foram empregados os insumos com menor custo
possível, a organização foi econômica. Eqüidade: tratar da mesma forma aos indivíduos com
iguais necessidades e proporcionar tratamentos diferenciados a indivíduos com necessidades
diferentes, objetivando a justiça social.
536 - ESTADO ou NAÇÃO: atualmente não podemos falar em “Estado Palestino”, visto que,
apesar de tal povo estar assentado em determinado território, não possui poder soberano sobre
este, nem interna nem externamente. Poderíamos sim falar em “Nação Palestina”, visto que o
conceito de Nação exprime a idéia de uma comunidade política marcada por uma ascendência
comum (língua, religião, costumes, cultura, história).

537 - TERRITÓRIO: espaço geográfico em que o Estado exerce a sua soberania, com a
exclusão da soberania de qualquer outro Estado.

538 - POVO ou POPULAÇÃO: as pessoas que estão presentes, em determinado momento, no


território do Estado constituem sua população, mas não necessariamente seu povo, pois ela
contém os turistas estrangeiros e imigrantes ilegais que lá estejam. A noção de povo abrange
apenas o grupo humano presente no território do Estado e a ele vinculado pela cidadania ou
nacionalidade, ou seja, por vínculo de obrigações e direitos que lhe permite participar da vida
pública daquele Estado.

539 - PODER SOBERANO: poder de mando de última instância que impõe a uma coletividade
um conjunto de atribuições de comando e obediência que são regularmente aceitos como
devidos e naturais, portanto legítimos (soberania interna). Manifesta-se externamente, em
relação aos demais Estados, de forma que nenhum destes tem o poder de interferir em seus
assuntos internos.

540 - ESTADO MODERNO ABSOLUTISTA: no que se refere ao exercício do poder político, é a


organização em que se completa os processos de: concentração: confluência dos instrumentos
de gestão nas mãos do soberano; centralização: eliminação ou subordinação dos
ordenamentos jurídicos inferiores; despersonalização: passagem das relações de comando e
obediência entre indivíduos para relações de comando e obediência entre instituições. O
Estado moderno nasceu de uma estrutura absolutista, que propiciou, no continente europeu, a
unidade jurídica e o poder do Estado, com seus órgãos onipotentes que são: exército
permanente, polícia, burocracia, clero e magistratura. O absolutismo, por meio da política
mercantilista, transformou o Estado na mais forte entidade econômica capitalista. No âmbito
externo, o comércio, a guerra e a diplomacia consolidavam a independência e a hegemonia
dos Estados em relação aos demais.

541 - ESTADO LIBERAL: produto da Revolução Gloriosa Inglesa, da revolução Americana e da


Revolução Francesa, tem como principal característica um compromisso entre o poder do
soberano e o poder dos representantes. Teve como base a classe burguesa, que desejava a
não-intervenção do Estado na economia e, na esfera política, a realização de eleições, a
formação de câmaras representativas, respeito à oposição e a separação de poderes. Surgia,
assim o liberalismo. O aparelho estatal deveria atender apenas à defesa externa, à segurança
pública, à diplomacia, à administração da justiça, à cunhagem de moedas e à cobrança de
tributos. No plano político, os cidadãos do Estado liberal eram elementos passivos, pois não
intervinham diretamente na vida pública. O exercício da soberania popular era monopolizado
pelos representantes eleitos, de acordo com o sistema representativo burguês. Tal soberania
era meramente fictícia, pois não refletia, de fato, a vontade popular.

542 - ESTADO DE DIREITO: o modelo liberal foi se desgastando com os problemas surgidos já
no século 19, resultantes das transformações na base econômica – Revolução Industrial – e
das pressões das massas por uma maior participação no processo político. Começa a se
estabelecer a idéia de que o Estado deve seguir seus fins somente de acordo com as formas e
limites do Direito e são garantidas as liberdades fundamentais com aplicação da lei geral-
abstrata por juízes independentes.

543 - ESTADO INTERVENTOR: o Estado torna-se provedor da infra-estrutura, criando e


fomentando as condições materiais que assegurem o crescimento econômico. Passa também,
a ser o defensor dos interesses das empresas nacionais no mercado internacional, aplicando
políticas protecionistas e subsídios à produção interna. O surgimento se deu com a quebra da
bolsa de Nova York em 1929. As idéias de Keynes estimularam ainda mais as políticas
intervencionistas dos Estados.
544 - ESTADO DO BEM-ESTAR SOCIAL: foi típico dos países capitalistas desenvolvidos,
constituído pela incorporação dos direitos sociais (trabalho, saúde, educação, previdência,
assistência social) ao conceito de cidadania, visando garantir a todos um padrão mínimo de
bem-estar econômico e social, procurando-se integrar todos os cidadãos. Foi o tipo de
organização política e econômica que dá ao Estado o papel de agente da promoção social e
organizador da economia. Desta forma caberia ao “Welfare State”: 1 - a produção de políticas
públicas na área social para garantir o suprimento das necessidades básicas da população. 2 -
garantir o pleno emprego e atuar em setores considerados estratégicos para o
desenvolvimento nacional, telecomunicações e petróleo, por exemplo.

545 - ESTADO DEMOCRÁTICO: começa a ocorrer ainda no século 19 em alguns países, onde
as massas populares são incluídas no processo político, por meio do sufrágio universal e o
conseqüente direito de participar da elaboração das leis e políticas governamentais, ainda que
de forma indireta. Além disso, são ampliados os mecanismos de controle que a sociedade tem
sobre a Administração Pública.

546 - ESTADO DESENVOLVIMENTISTA: é o modelo recorrente na América Latina e em


países periféricos do mundo capitalista, onde o Estado tem o papel de promotor principal do
desenvolvimento econômico, intervindo, complementando ou mesmo substituindo o mercado
(produtor de bens e serviços). Pode apresentar regime político democrático ou autoritário,
geralmente caracterizado pela instabilidade política e por práticas governamentais
patrimonislistas/clientelistas. O sistema de substituição de importações, característico desse
tipo de Estado, esgota-se com a crise econômica dos anos 70 e 80 e com a chamada Terceira
Revolução Industrial, a Revolução Tecnológica, que enfraqueceu ainda mais a posição desses
países no mercado internacional.

547 - ESTADO SOCIALISTA: baseado na apropriação coletiva dos meios de produção,


substitui o mercado na alocação de recursos. Utiliza a economia totalmente planificada e
regime autoritário. Após a queda do Muro de Berlim e o desmembramento da antiga União
Soviética, vem perdendo sua força com a abertura econômica da maioria dos países, que
resolveram adotar o modelo capitalista. Isto por que o antigo modelo fracassou em prover os
bens de consumo desejados pela população, além do colapso econômico provocado pela
corrida armamentista com o Ocidente e pela contestação política do sistema de partido único.
Todavia, a democracia vem tendo dificuldade de se estabelecer nesses países.

548 - O Direito Público tem por objeto principal a regulação dos interesses estatais e sociais, só
alcançando as condutas individuais de forma indireta. As relações jurídicas no Direito Público
são caracterizadas por uma desigualdade jurídica entre seus pólos, já que o pólo ocupado pelo
Estado representa a tutela dos interesses da coletividade. Sempre que houver conflito entre
esses interesses e o interesse de um particular, os primeiros deverão prevalecer, respeitando,
é claro, os direitos e garantias individuais.

549 – A AUTORIDADE PÚBLICA é conferida ao Estado pelas normas jurídicas. Todo ato ou
comportamento do Poder Público, para ser válido e obrigar os indivíduos, deve ter fundamento
em norma jurídica superior. A atividade pública constitui função, ou poder dever de agir, que
somente é legitimada quando atende a determinada finalidade que gerou sua atribuição ao
agente, ou seja, o bem jurídico que a norma tem em mira. Desta forma, o agente estatal é
obrigado a exercer seus poderes. O princípio da isonomia é essencial a todo o Direito Público.
Todavia, tal princípio não exige que o Estado trate a todos de modo idêntico e sim implica a
necessidade de os iguais serem tratados igualmente e os desiguais, desigualmente, na medida
da sua desigualdade. O DEVIDO PROCESSO LEGAL é o modo normal de agir do Estado, ou
seja, a realização do processo é indispensável à produção ou execução dos atos estatais. É,
ao mesmo tempo, uma garantia passiva (dirigida à pessoa quando sofre o poder estatal) e ativa
(destinada a propiciar o acionamento da máquina estatal pelos membros da sociedade) dos
particulares em relação ao Estado. O Estado deverá obrigatoriamente arcar com os prejuízos
provocados por sua ação ou inação. Devido ao fato do Estado brasileiro não ser unitário, suas
atribuições são descentralizadas entre várias pessoas políticas, que são os entes da federação:
União, Estados, Distrito Federal e Municípios. Sob o ponto de vista jurídico, as pessoas
políticas são absolutamente iguais entre si; a Constituição de 88 outorgou a cada uma delas
um conjunto de competências, as quais são exercidas com autonomia.

550 - O Decreto Lei 200 de 1967 estabeleceu que as atividades da Administração Pública
federal obedecerão os seguintes princípios fundamentais: 1 - PLANEJAMENTO:visando a
promover o desenvolvimento econômico-social do país e a segurança nacional; 2 -
COORDENAÇÃO:será exercida em todos os níveis, mediante a atuação das chefias
individuais, a realização sistemática de reuniões com a participação das chefias subordinadas e
a instituição e funcionamento das comissões de coordenação em cada nível administrativo. 3 –
DESCENTRALIZAÇÃO: com o objetivo de assegurar maior rapidez e objetividade às decisões,
situando-as na proximidade dos fatos, pessoas ou problemas a atender. 4 - CONTROLE:
deverá ser exercido em todos os níveis e em todos os órgãos.

551 - Funcionamento do Estado: O poder estatal é uno, indivisível e indelegável, mas se


desdobra em três funções: a legislativa ou normativa (normativa e fiscalizadora), a executiva
(administrativa) e a jurisdicional. Não há exclusividade e sim preponderância no exercício das
funções pelos Poderes. Os limites, ou seja, a definição de quando um Poder deixa de ter
determinada competência que passa a ser absorvida por outro, possuem caráter político e
estão contidos na Constituição. Por isso, os Poderes também desempenham funções atípicas,
que materialmente deveriam pertencer a outro poder, sempre que a Carta Magna autorize.

552 - As formas básicas de organização e atuação administrativas que o Estado adota para
desempenhar suas atribuições são: 1 - Centralização: nessa forma, o Estado executa suas
tarefas diretamente, por meio dos órgãos do Estado integrantes de uma mesma pessoa
política, ou seja, da administração Direta. 2 - Descentralização: agora o Estado desempenha
suas funções por meio de outras pessoas jurídicas, podendo ser por OUTORGA (O Estado cria
uma entidade, que passa a integrar a Administração Indireta e a ela transfere a titularidade e a
execução de determinado serviço público; normalmente é conferida por prazo determinado) ou
por DELEGAÇÃO (o Estado transfere a um particular somente a execução de determinado
serviço público, por meio de um contrato, com prazo determinado; o Estado continuará
fiscalizando a prestação do serviço).

553 - Estado: nação politicamente organizada; para ser considerado em sua plenitude, é
composto de povo, território e governo soberano. O Estado para exercitar todas as suas
funções, dispõe de dois conjuntos de poderes: 1 – Poderes estruturais (formados pelo
Executivo, Legislativo e Judiciário; são responsáveis pela efetiva gestão do Estado, cada um
com responsabilidades específicas) e; 2 – Poderes instrumentais (é o composto de leis,
decretos e demais normas regulamentadoras, cuja lei maior é a Constituição).

554 - Governo: é a expressão política do comando, da fixação dos objetivos do Estado e de


manutenção ou invocação da ordem pública. Para melhor entendimento da função de Governo,
deve-se analisá-lo sob 3 aspectos: formal (estará sendo analisado o Governo através dos
órgãos que o compõem), material (a análise deve ser direcionada para as diversas funções que
devem norteá-lo e que são as balisadoras de seu envolvimento com a sociedade) e operacional
(estarão sendo tratadas as ações específicas de cada componente do grupamento de
governo, aí considerado, desde o maior mandatário até o mais humilde servidor).

555 - Aparelho de Estado: é a administração pública em sentido amplo, ou seja, a estrutura


organizacional do Estado, em seus três poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) e três
níveis (União, Estados-membros e Municípios). O aparelho do Estado é constituído pelo
governo, isto é, pela cúpula dirigente nos Três Poderes, por um corpo de funcionários, e pela
força militar.

556 - CONFEDERAÇÃO: dois ou mais Estados se unem num pacto ou tratado, em que cada
um deles mantém sua soberania externa e autoridade externa. Sua finalidade tradicional é a
defesa contra a agressão externa. Os Estados possuem direito de secessão (rompimento do
pacto e separação dos Estados Confederados) e de nulificação (discordância das decisões da
liderança da confederação). O pacto celebra uma união que tem o objetivo de perdurar ao
longo do tempo. FEDERAÇÃO OU ESTADO FEDERADO: união de dois ou mais Estados que
renunciam à soberania externa, originando um só Estado Soberano. Não há hierarquia nem
subordinação entre as partes, que mantém certa autonomia para atuarem nas competências
definidas pela Constituição. No Estado Federado coexistem poderes políticos distintos em um
mesmo território. Portanto, tal forma de Estado caracteriza-se pela descentralização política,
marcada pela convivência, num mesmo território, de diferentes entidades políticas autônomas,
distribuídas regionalmente. Além disso, os Estados, ao renunciarem a sua soberania, perdem o
direito de secessão, ou seja, não podem decidir sair da Federação, sob pena de intervenção
federal.

557 – Características dos Estados Federados: A UNIÃO FAZ NASCER UM NOVO ESTADO e,
concomitantemente, aqueles que aderiram à federação perdem a condição de Estados e,
conseqüentemente, sua soberania. A BASE JURÍDICA DO ESTADO FEDERAL É UMA
CONSTITUIÇÃO, não um tratado. NA FEDERAÇÃO NÃO EXISTE DIREITO DE SECESSÃO,
isto é, nenhum estado membro da federação tem o direito de renunciar unilateralmente ao
pacto político ou rejeitar uma lei emitida pelo Congresso cuja legalidade tenha sido confirmada
pelo órgão máximo do Judiciário.SÓ O ESTADO FEDERAL TEM SOBERANIA. Os Estados
que entrarem na federação perdem sua soberania no momento do ingresso, preservando uma
autonomia política limitada. No Estado Federal as ATRIBUIÇÕES DA UNIÃO E DAS
UNIDADES FEDERADAS SÃO FIXADAS NA CONSTITUIÇÃO, por meio de uma distribuição
de competências, a qual pode evoluir ao longo do tempo. A CADA ESFERA DE
COMPETÊNCIAS SE ATRIBUI RENDA PRÓPRIA. Visto que atribuir competências é distribuir
encargos e responsabilidades, é fundamental que se assegure a quem possui tais encargos
uma fonte de rendas suficiente e compatível com aqueles. Caso isso não se verifique, a
autonomia política torna-se apenas nominal, pois quem não possui recursos suficientes para
desempenhar suas funções não pode agir, muito menos, agir com independência. O PODER
POLÍTICO É COMPARTILHADO PELA UNIÃO E PELAS UNIDADES FEDERADAS. Há na
federação um governo central, do qual participam as unidades federadas e o povo e existem
governos estaduais que possuem autonomia política, podendo fixar sua própria orientação em
assuntos de seu interesse, desde que não conflitem com a Constituição Federal.

558 - O arranjo federativo, para ter êxito, precisa compatibilizar a autonomia responsável (não
predatória) dos níveis de governo com a presença de relações intergovernamentais
cooperativas. “Ao mesmo tempo, tal arranjo deve ser marcado pelo princípio dos CHECKS
AND BALANCES (freios e contrapesos), a partir dos quais os estados fiscalizam o Governo
Federal e vice-versa.” Desta forma, a Constituição Federal deve prever mecanismos que
evitem a concentração excessiva de poder numa esfera de governo, ao mesmo tempo
incentivando as relações governamentais cooperativas em detrimento das competitivas.

559 - O Brasil passou por 3 tentativas de reformas administrativas com intervalos de 30 anos,
tais reformas caracterizam as chamadas formas de Administração Pública, classificadas em: a)
Patrimonialista: o termo patrimonialismo significa a incapacidade ou a relutância do príncipe em
distinguir entre o patrimônio público e seus bens privados (são interdependentes). O aparelho
do Estado funciona como uma extensão do poder do soberano, e os seus auxiliares,
servidores, possuem status de nobreza real. Os cargos são considerados prebendas ou
sinecuras (empregos rendosos que exigem pouco ou nenhum trabalho de quem o exerce, e
são distribuídos da forma mais adequada ao soberano). A res publica (“a coisa pública – os
bens públicos) não é diferenciada da res principis (patrimônio do príncipe ou do soberano). Em
conseqüência, a corrupção e o nepotismo são inerentes a esse tipo de administração. No
momento em que o capitalismo e a democracia se tornam dominantes, o mercado e a
sociedade civil passam a se distinguir do Estado, tornando-se a administração Patrimonialista
abominável.

560 – A Administração Burocrática surge na segunda metade do século 19, na época do


Estado liberal, como forma de combater a corrupção e o nepotismo patrimonialista. Baseada
nos princípios de administração do exército prussiano constituía-se numa alternativa muito
superior à administração patrimonialista do Estado. Tal modelo foi adotado inicialmente nas
empresas, principalmente em organizações industriais, em decorrência da necessidade de
ordem e exatidão e das reivindicações dos trabalhadores por um tratamento justo e imparcial. A
autoridade não mais tem origem no soberano e sim no cargo que a pessoa ocupa na
organização e a obediência é devida às leis e aos regulamentos, formalmente definidos.
Qualquer organização ou grupo que se baseie em leis racionais é uma burocracia. O tipo ideal
de burocracia, segundo Weber, apresenta como características principais: o caráter
racional-legal das normas e regulamentos, caráter formal das comunicações,
profissionalização, idéia de carreira, hierarquia funcional e disciplina, impessoalidade,
o formalismo, divisão do trabalho, competência técnica e meritocracia, rotinas e
procedimentos padronizados, separação da propriedade. Para Weber, a burocracia é
a organização eficiente por excelência e para conseguir essa eficiência, precisa
detalhar antecipadamente e nos mínimos detalhes como as coisas deverão ser feitas.
Teve como pano de fundo o liberalismo econômico, que pregava que o Estado deveria
se restringir a suas funções típicas (defesa nacional, aplicação da justiça, elaboração
de leis, diplomacia, etc.). Todavia, não conseguiu eliminar completamente o
Patrimonialismo, passando os dois modelos a subsistirem juntos. A qualidade
fundamental da administração burocrática é a efetividade no controle dos abusos; seu
defeito, a ineficiência, a auto-referência, o clientelismo e o fisiologismo. Esse modelo
surgiu com o advento do Departamento Administrativo de Serviço Público – DASP, em
1938, com objetivos de centralização das atribuições de reforma e de reorganização
do setor público e a racionalização de métodos e processos administrativos. A
incapacidade de responder às demandas destes, a baixa eficiência de suas estruturas,
aliadas a captura do Estado por interesses privados e ao processo de globalização e
de transformações tecnológicas, desencadearam a CRISE DO ESTADO, cujas
manifestações mais evidentes foram: CRISE FISCAL, ESGOTAMENTO DAS
FORMAS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO e OBSOLESCÊNCIA NA FORMA
BUROCRÁTICA DE ADMINISTRAR O ESTADO.

561 – A Administração Gerencial emerge na segunda metade do século 20, como resposta, de
um lado, à expansão das funções econômicas e sociais do Estado e, de outro ao
desenvolvimento tecnológico e à globalização da economia mundial. No começo da década de
80, o modelo gerencial puro, denominado “managerialism” ou gerencialismo, sugeriu 3
providências básicas: CORTE DE GASTOS: inclusive de pessoal; AUMENTO DA EFICIÊNCIA:
com a introdução da lógica da produtividade existente no setor privado; ATUAÇÃO MAIS
FLEXÍVEL DO APARATO BUROCRÁTICO. A reforma do aparelho do Estado passa a ser
orientada predominantemente pelos valores da eficiência e qualidade na prestação de serviços
públicos e pelo desenvolvimento de uma cultura gerencial nas organizações. A forma de
controle deixa de basear-se nos processos (meios) para concentrar-se nos resultados (fins). A
administração pública gerencial constitui um avanço e até um certo ponto um rompimento com
a administração pública burocrática. Isto não significa, entretanto, que negue todos os seus
princípios. Pelo contrário, a administração pública gerencial está apoiada na anterior, da qual
conserva, embora flexibilizando, alguns dos seus princípios fundamentais, como a admissão
segundo rígidos critérios de mérito, a existência de um sistema estruturado e universal de
remuneração, as carreiras, a avaliação constante de desempenho, o treinamento
sistemático. A diferença fundamental está na forma de controle, que deixa de basear-
se nos processos para concentrar-se nos resultados, e não na rigorosa
profissionalização da adm pública, que continua um princípio fundamental. O modelo
gerencial busca a inserção e o aperfeiçoamento da máquina administrativa voltada para a
gestão e a avaliação a posteriori de resultados em detrimento ao controle burocrático e a priori
de processos. Enquanto a administração burocrática pressupõe uma racionalidade absoluta, a
administração gerencial pensa a sociedade como um campo de conflito, cooperação e
incerteza. Seu marco inicial surgiu na década de 60 com a publicação do decreto-lei 200 de
1967. A administração pública gerencial vê o cidadão como contribuinte de impostos e como
cliente dos seus serviços. O paradigma gerencial contemporâneo, fundamentado nos princípios
da confiança e da descentralização da decisão, exige formas flexíveis de gestão,
horizontalização de estruturas, descentralização de funções, incentivos à criatividade.

562 – No aparelho do Estado, é possível distinguir quatro setores: 1 - Núcleo estratégico: é o


setor voltado para a consecução das funções exclusivas e indelegáveis do Estado, cabendo
aos poderes Legislativo e Judiciário a edição e fiscalização e cumprimento das leis, e no Poder
Executivo situa-se a cúpula diretiva responsável pelo planejamento e formulação das políticas a
serem desenvolvidas nas áreas de sua atuação. 2 - Serviços exclusivos: nestes setores
concentram-se os serviços que só o Estado pode realizar. São serviços em que se exerce o
poder extroverso do Estado – o poder de regulamentar, fiscalizar, fomentar. 3 - Serviços não-
exclusivos: corresponde ao setor normal, o Estado atua simultaneamente com competidores do
mercado: é a área específica de atuação das empresas, caracterizando-se pelas atividades
não necessariamente de cunho social que ainda permanecem no aparelho do Estado como o
setor de infra-estrutura.

563 – SISTEMAS DE GOVERNO:


a) Parlamentarismo: distinção entre chefe de Estado e chefe de Governo; o chefe de Estado,
monarca ou Presidente da República, não participa das decisões políticas, exercendo
preponderantemente uma função de representação do Estado, sendo secundária sua posição
em termos político; o chefe de Governo, por sua vez, é a figura política central, ele é apontado
pelo Chefe de Estado para compor o Governo e só se torna primeiro-ministro depois de obter a
aprovação do Parlamento; o chefe de Governo, no Parlamento, não tem mandato com prazo
determinado, podendo permanecer no cargo alguns dias ou muitos anos, num sistema
pluripartidário é preciso verificar ainda se subsiste a coligação majoritária para que se
mantenha o Primeiro-ministro. b) Presidencialismo: o Presidente da República é o chefe de
Estado e de Governo; o mesmo órgão acumula as duas funções; a responsabilidade pela
fixação das diretrizes do Poder Executivo cabe exclusivamente ao presidente da república que
é escolhido pelo povo, por prazo determinado e tem poder de veto.

564 - Formas de Governo: Monarquia e República.

565 – Na administração gerencial, o Estado reduz seu papel de executor ou prestador direto de
serviços, mantendo-se, entretanto no papel de regulador e provedor ou promotor destes,
principalmente dos serviços sociais como educação e saúde, que são essenciais para o
desenvolvimento, na medida em que envolvem investimento em capital humano. Nesta nova
perspectiva, busca-se o fortalecimento das funções de regulação e de coordenação do Estado,
particularmente no nível federal, e a progressiva descentralização vertical, para os níveis
estadual e municipal, das funções executivas no campo da prestação de serviços sociais e de
infra-estrutura. Considerando esta tendência, pretende-se reforçar a governança que é a
capacidade de governo do Estado - através da transição programada de um tipo de
administração pública burocrática, rígida e ineficiente, voltada para si própria e para o controle
interno, para uma administração pública gerencial, flexível e eficiente, voltada para o
atendimento do cidadão. O governo brasileiro não carece de "governabilidade", ou seja, de
poder para governar, dada sua legitimidade democrática e o apoio com que conta na sociedade
civil. Enfrenta, entretanto, um problema de governança, na medida em que sua capacidade de
implementar as políticas públicas é limitada pela rigidez e ineficiência da máquina
administrativa.

566 - Corporativismo: representação dos interesses econômicos e profissionais em


representações políticas, integrando os grupos de interesse até mesmo na própria estrutura
estatal. Organização da coletividade (empresários e trabalhadores) em associações
representativas com vistas a pleitear pelos seus interesses ou atividades profissionais.
Pluralismo liberal: interação de vários grupos ao mesmo tempo, ONGs, sindicatos, partidos,
empresários, todos tentando de suas formas minimizarem os problemas, cobrindo as falhas do
Estado e buscando o equilibro social. Neopluralismo: sua ação representa uma procura por
bens governamentais, respondida por uma oferta, por parte dos órgãos oficiais, numa espécie
de mercado político. Neocorporativismo: novos grupos de interesse e intermediação que
surgem no século 20 nos quais o estado dá o reconhecimento institucional e o monopólio de
representação dos interesses do grupo, delegando-lhe um conjunto de funções públicas,
organizadas por ação espontânea ou mesmo pelo Estado. Obtém certo status público e político
de participação em alguns processos decisórios e na implementação de medidas político-
econômico-sociais nos diversos setores (social, econômico, educação, etc.). Clientelismo:
relações comprometidas entre políticos de profissão e burocratas, as quais envolvem lealdades
pessoais e troca de vantagens na estrutura pública que controlam, por legitimação do voto e
apoio. É a espécie do toma lá, dá cá. Clientelismo é uma prática política de troca de favores, na
qual os eleitores são tidos como “clientes”. O político pauta seus projetos e funções de acordo
com interesses de indivíduos ou grupos, com os quais cultiva uma relação de proximidade
pessoal. Em troca, o político recebe os votos destes indivíduos.
567 - Insulamento burocrático: espécie de isolamento da alta burocracia estatal da sociedade e
de seus interesses, implementando e tomando decisões sem a participação do povo ou
sociedade, e sem mesmo a discussão entre seus representantes democráticos, como os
parlamentares. Há exclusão, não se ouvem os representantes da sociedade ou grupos, nem
políticos, nem empresários, nas questões de interesse público e baixam-se medidas sem a
devida discussão, com base na premissa de que os representantes políticos ou demais atores
só atrapalham ou não são capacitados, emperram ou alongam as decisões dos burocratas.

568 - ACCOUNTABILITY é um termo abrangente que vai além da prestação de contas, pura e
simples, pelos gestores da coisa pública. Accountability diz respeito à sensibilidade das
autoridades públicas em relação ao que os cidadãos pensam à existência de mecanismos
institucionais efetivos, que permitam chamá-los à fala quando não cumprirem suas
responsabilidades básicas. No âmbito da Secretaria Federal de Controle, o termo
Accountability é traduzido, por alguns, como “responsabilidade”. A busca da Accountability
passa também pela reforma da sociedade, ela precisa saber e querer cobrar precisa interessar-
se pela gestão pública deve entender a relação da boa administração com a qualidade de vida;
em suma, deve ser mais cidadã. É importante o papel do cidadão no processo, considerando
que o verdadeiro controle do Governo, o controle efetivo, é conseqüência da cidadania
organizada, já que a sociedade desmobilizada não será capaz de garantir a Accountability.

569 - Princípios básicos da Administração Pública: legalidade, impessoalidade, moralidade,


publicidade, eficiência. Princípios fundamentais: planejamento, coordenação, descentralização,
delegação de competência, controle. Princípios gerenciais: estratégia, eficiência, eficácia,
efetividade, economicidade, otimização, produtividade, Accountability.

570 – EXCELÊNCIA NOS SERVIÇOS PÚBLICOS: Gestão de Resultados na Produção de


Serviços Públicos. Os empreendedores públicos sabem que enquanto as instituições forem
financiadas da forma tradicional, poucas razões terão p/ se esforçarem na busca de
desempenhos mais satisfatórios. Contudo, se forem financiadas segundo um critério de
avaliação de resultados, num instante ficarão obcecados por maior performance. Por não
mensurar os resultados, os governos burocratizados raramente logram grandes conquistas. Se
uma organização não avalia os resultados e é incapaz de identificar o que dá certo no
momento em que o fenômeno acontece não poderá aprender com a experiência. Sem o devido
feedback em termos de resultados, qualquer iniciativa renovadora já nasce morta.

571 - Contratos de Gestão é um instrumento moderno de Administração por Objetivos.


Consiste em compromissos periódicos com objetivos e metas, de cada uma das empresas
estatais com o Estado. É da natureza dos contratos que, em contrapartida ao compromisso da
empresa, o Estado passe a conceder-lhe maior autonomia gerencial, liberando-a de controles
burocráticos de meios, com o intuito de viabilizar a elevação de sua eficiência. É passível de
aplicação também a órgãos governamentais de administração direta e indireta, não
estruturados sob a forma jurídica de empresa pública. O contrato de gestão é um compromisso
institucional firmado entre o Poder Executivo do Estado e cada entidade governamental a ele
subordinada da administração direta e as entidades da administração indireta, desde empresas
estatais (Sociedade de economia mista) até órgãos autárquicos e fundacionais.

572 - A Administração Pública brasileira vem passando por algumas reformas administrativas,
com enfoques voltados para a redefinição do campo de intervenção do Estado,
redimensionamento da máquina governamental e aperfeiçoamento do desempenho
burocrático. O objetivo principal dos esforços reformistas traduz-se em dotar a Nação brasileira
de um Estado moderno e eficaz, legitimado pela sociedade, cuja função principal seja atender
suas necessidades e anseios, através da prestação de serviços básicos, em conformidade com
os padrões de qualidade almejados. Sob esta ótica, o modelo de gestão pela Qualidade Total
deve ser considerado como um instrumento para a consecução de tal objetivo, a ser alcançado
a partir da aplicação dos princípios, conceitos e métodos nas organizações do serviço público.
Entretanto, considerando os princípios básicos pela Qualidade Total, é possível visualizar
algumas dificuldades à sua aplicação em determinados contextos da Administração Pública,
sobretudo quando se admite a dimensão política frequentemente predominante sobre os
critérios de competência que se reflete negativamente: na composição de quadros de
dirigentes e funcionários, no alto grau de rotatividade dos dirigentes e na ausência de
instrumentos de valorização dos recursos humanos comprometendo sua estrutura de pessoal
em termos de liderança e capacidade gerencial.

573 – GESTÃO DE COMPETÊNCIAS: No mundo moderno, as organizações precisam se


equipar com talentos e competências para poder acompanhar a forte mudança e evolução.
Saber alcançar a competitividade não depende apenas de conquistar, reter, aplicar,
desenvolver, motivar e recompensar talentos, mas principalmente de gerir competências e
alcançar resultados significativos por meio delas. Trata-se de definir perfis profissionais que
proporcionem maior produtividade e adequação ao negócio, identificando os pontos de
excelência e os pontos de carência, suprindo lacunas e agregando conhecimento, tendo por
base certos critérios objetivamente mensuráveis. A correlação competências-resultados é
altamente influenciada por variáveis ambientais intervenientes ou seja variáveis que intervêm
entre si. Dica: A gestão por competências procura substituir o tradicional levantamento de
necessidades e carências de treinamento por uma visão das necessidades futuras do negócio
e de como as pessoas poderão agregar valor à empresa. As novas competências pessoais
exigidas pelas empresas nos novos ambientes de negócios são as seguintes: 1) Aprender a
aprender: devem ter flexibilidade, apreensão e inovação. 2) Comunicação e colaboração:
trabalho solitário e individual cede lugar ao trabalho solidário e grupal. 3) Raciocínio Criativo e
resolução de problemas: espera-se que os funcionários descubram por si mesmos como
agilizar e melhorar seu próprio trabalho. 4) Conhecimento tecnológico: o conhecimento está a
serviço da equipe e não do indivíduo isolado. 5) Conhecimento de negócios globais: a
globalização está ampliando as fronteiras do conhecimento das pessoas. 6) Desenvolvimento
de liderança: capacitação das pessoas em termos de espírito empreendedor e de liderança. 7)
Autogerenciamento da carreira: as pessoas precisam assumir o compromisso de assegurar
que possuem as qualificações, o conhecimento e as competências exigidas, tanto na atividade
atual, como nas futuras.

574 - Categorias de competências: 1) Competências essenciais: são as competências básicas


e fundamentais para o sucesso da organização em relação aos clientes, à sociedade e aos
concorrentes. 2) Competências de gestão: são as relacionadas com a gestão de recursos –
financeiros, comerciais, produtivos, etc. 3) Competências organizacionais: são as relacionadas
com a vida íntima da organização. 4) Competências pessoais: são as que cada indivíduo
aprende e desenvolve em suas atividades pessoais na organização.

575 - Tecnologia da Informação: É o conjunto de conhecimentos voltados a estudar as


características da informação, de modo a agregar valor às atividades de que participa. Os
principais atributos da informação que devem ser equacionados são: objetivo, conteúdo, forma,
integridade, disponibilidade, origem, destino, oportunidade, segurança e atualidade.
Combinando-se convenientemente as atribuições, em cada caso, procura-se adotar a
informação das características que mais enriquecem a atividade em que é usada. A tecnologia
da informação se caracteriza como uma vantagem competitiva, tanto no que se refere ao custo,
quanto no que se refere à diferenciação do produto ou serviço. A Administração Pública tem
papel fundamental no processo de implementação desta tecnologia.

576 - MUDANÇAS INSTITUCIONAIS: Conselhos: Participação e Controle Social – Conselhos


municipais e controle social que pode ser feito individualmente, por qualquer cidadão, ou por
um grupo de pessoas. Os conselhos gestores de políticas públicas são canais efetivos de
participação, que permitem estabelecer uma sociedade na qual a cidadania deixe de ser
apenas um direito, mas uma realidade. A importância dos conselhos está no seu papel de
fortalecimento da participação democrática da população na formulação e implementação de
políticas públicas. Os conselhos são espaços públicos de composição plural e paritária entre
Estado e sociedade civil, de natureza deliberativa e consultiva, cuja função é formular e
controlar a execução das políticas públicas setoriais. Os conselhos são o principal canal de
participação popular encontrada nas três instâncias de governo (federal estadual e municipal).

577 - Entidades paraestatais são as pessoas privadas que, agindo ao lado do Estado
colaboram com este, no desempenho de atividade não lucrativa, recebendo, por isso, especial
proteção estatal. As entidades paraestatais integram o chamado Terceiro Setor, que pode ser
definido como aquele composto por entidades privadas da sociedade civil, que prestam
atividade de interesse público, por iniciativa privada, sem fins lucrativos. No conceito de
entidades paraestatais estão enquadrados: a) os Serviços Sociais Autônomos; b) as
Organizações Sociais contrato de gestão e; c) as Organizações da Sociedade Civil de
Interesse Público (OSCIP).

578 - Serviços Sociais Autônomos: são todos aqueles instituídos por lei, com personalidade
jurídica de direito privado, para ministrar assistência ou ensino a certas categorias sociais ou
grupos profissionais, sem fins lucrativos, sendo mantidos por dotações orçamentárias ou por
contribuições parafiscais. Dotações orçamentárias é o termo usado na administração das
contas públicas que designa uma verba consignada em orçamento público, ou em
crédito adicional, que será usada para fazer face a uma despesa com fim específico.

579 - Organizações Sociais: são pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos,
instituídas por iniciativa de particulares, para desempenhar serviços sociais não exclusivos do
Estado, com incentivo e fiscalização pelo Poder Público, mediante vínculo jurídico instituído por
meio de contrato de gestão. A Administração Pública, ao contratar serviços a serem prestados
pelas organizações sociais, está dispensada de realizar licitação, desde que aquele serviço
esteja previsto no contrato de gestão celebrado pela organização social.

580 - Organização Social de Interesse Público (OSCIP): são pessoas jurídicas de direito
privado, sem fins lucrativos, instituídas por iniciativa de particulares, para Desempenhar
serviços sociais não exclusivos do Estado, com incentivo e fiscalização pelo Poder Público,
mediante vínculo jurídico instituído por meio de termo de parceria. O requerimento da
qualificação como OSCIP deverá ser formalizado perante o Ministério da Justiça.

581 - Distinções entre Organização Social e OSCIP: a) a participação de agentes do Poder


Público no Conselho de Administração é obrigatória nas organizações sociais, porém não há
essa exigência nas OSCIP; b) Nas organizações sociais é contrato de gestão; Nas OSCIP é
termo de parceria; c) para a entidade privada qualificar-se como OSCIP são exigidos, entre
outros documentos, o balanço patrimonial e o demonstrativo de resultados do exercício, bem
assim a declaração de isenção do imposto de renda; porém, para a qualificação como
organização social não há tais exigências.

582 - Agência reguladora: em sentido amplo, seria no direito brasileiro, qualquer órgão da
Administração Direta ou entidade da Administração Indireta com função de regular a matéria
específica que lhe está afeta. Se for entidade da Administração Indireta, ela está sujeita ao
princípio da especialidade, significando que cada qual exerce e é especializada na matéria que
lhe foi atribuída por lei. Pode-se considerar a existência de 2 tipos de agências reguladoras no
direito brasileiro: a) as que exercem, com base em lei, típico poder de polícia, com a imposição
de limitações administrativas, previstas em lei, fiscalização e repressão. Exemplo: ANVISA,
ANS, ANA; b) as que regulam e controlam as atividades que constituem objeto de concessão,
permissão ou autorização de serviço público, exemplos: telecomunicações, energia elétrica,
transportes; ou de concessão para exploração de bem público (petróleo e outras riquezas
minerais, rodovias, etc.).

583 - Agência executiva: é a qualificação dada à autarquia ou fundação que celebre contrato de
gestão com o órgão da Administração Direta a que se acha vinculada, para a melhoria da
eficiência e redução de custos. Em regra, não se trata de entidade instituída com a
denominação de agência executiva. Trata-se de entidade preexistente (autarquia ou fundação
governamental) que, uma vez preenchidos os requisitos legais, recebe a qualificação de
agência executiva, podendo perdê-la, se deixar de atender aos mesmos requisitos.

584 - ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DO BRASIL:


A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, são entidades autônomas. Cabe a
União exercer a soberania do Estado Brasileiro perante o contexto internacional; exercer os
poderes que garanta: a soberania e defesa nacional; a cidadania; os direitos individuais; a boa
relação internacional; o bem-estar sócio-econômico do povo; administrar e legislar, entre outras
atividades. Cabe a União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios competências
como: conservar o patrimônio público; proteger os bens históricos, as paisagens naturais, sítios
arqueológicos, o meio ambiente da poluição; a saúde e assistência pública; e a sociedade em
geral. Cabe a União, aos Estados, e ao Distrito Federal legislar e normatizar sobre matérias
específicas, como: direito tributário, financeiro, econômico, orçamentário e trabalhista.

585 - Os poderes da união são independentes e harmônicos entre si, composto do Poder
Legislativo, do Poder Judiciário e do Poder Executivo. PODER LEGISLATIVO: exercido pelo
Congresso Nacional que por sua vez é composto pela Câmara dos Deputados e pelo Senado
Federal. PODER JUDICIÁRIO: aplica a Lei, exercido pelos diversos órgãos: STF, STJ, TRF,
TRT e outros. PODER EXECUTIVO: exercido pelo Presidente da República, e tem a
colaboração e auxilio dos Ministros de Estado. Compete ao Presidente da República entre as
suas atividades remeter ao Congresso Nacional o Plano Plurianual (PPA), o projeto de Lei de
Diretrizes Orçamentárias (LDO) e as Propostas de Orçamento, como também, prestar contas,
ao Congresso Nacional referentes ao exercício anterior.

586 – O CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL: Pelo Congresso Nacional, é


feito mediante Controle Externo e controle Interno de cada Poder, pela fiscalização contábil,
financeira, orçamentária, operacional e patrimonial dos órgãos e entidades da Administração
Pública Federal. Pelo Poder legislativo é feito mediante constituição de Comissões
Parlamentares de Inquérito (CPI), e pelo Tribunal de Contas da União. Pelo Poder Executivo o
controle interno é feito pelo Sistema de Controle Interno com apoio dos demais Sistemas de
Atividades Auxiliares existentes e pela Procuradoria Geral da República que também exerce o
papel de controlador.

587 – Podemos dizer que Serviço Público é aquele que a Administração Pública presta à
comunidade porque reconhece a sua essencialidade para a sobrevivência do grupo social e do
próprio Estado. Logo, serviços públicos são aqueles prestados pela Administração Pública à
comunidade de forma direta e não pode ser delegada a particulares (saúde pública, segurança
pública, defesa nacional); Já, os Serviços de utilidade pública, a Administração presta
diretamente ou admite ser prestado por terceiros através de (permissão, concessão ou
autorização) correndo por conta e risco dos seus executores (telefone, gás, energia elétrica,
transportes coletivos).

587 - Considerando-se pela sua adequação do serviço. Serviços Próprios do Estado:


relacionado diretamente com as atribuições do Poder Público, só podem ser realizados por
órgãos ou entidades estatais, sem qualquer delegação a particular voltada à conveniência
social (saneamento básico, segurança pública, iluminação pública). Serviços Impróprios do
Estado: não afetam diretamente às necessidades da coletividade ou comunidade, são
remunerados (autarquias, fundações governamentais, e sociedades de economia mista) ou
através de concessão, permissão ou autorização.

587 - Considerando-se pela finalidade do serviço: Serviços Administrativos: visam as suas


necessidades internas ou preparando outros que serão prestados ao público (imprensa oficial,
estações experimentais); Serviços Industriais: rentáveis para quem os realiza (órgãos
administrativos, concessionários, permissionários ou autorizados) via pagamento pelo consumo
ou utilidade, chamado de tarifa ou preço público. São considerados impróprios pelo Estado.

587 - Considerando-se pelos seus destinatários do serviço: Serviços Gerais ou “Uti Universi” :
visa atender a coletividade como um todo (polícia, bombeiros, calçamento de ruas), serviço
indivisível, mantido por impostos, e não por taxas ou preço público. Serviços Individuais ou “Uti
Singulli”: prestados para determinado usuário particular e mensurável a cada destinatário
(telefonia, fornecimento de água, energia elétrica), é obrigatório e mantido por taxas ou preço
público.

588 - Serviços de Execução Direta: realizados pela própria pessoa responsável pela prestação
do serviço ao público, seja ela, estatal, autárquica, paraestatal, empresa privada e ou particular.
Serviços de Execução Indireta: aqueles que os responsáveis por prestá-los aos usuários
transferem a terceiros a incumbência de realizá-los, mas não o delegando. Serviços Delegados
a Particulares: realizados e delegados pelos órgãos da Administração direta ou indireta, por
concessão, Permissão e ou Autorização.
589 - ORIENTAÇÃO OU REGULAMENTAÇÃO E CONTROLE DO SERVIÇO PÚBLICO: Cabe
a Administração Pública a responsabilidade pela regulamentação e o controle, ao serviço
público concedido, ou permitido ou autorizado, mesmo nos casos de haver delegação de
poderes a terceiros. Observar que os serviços públicos ou de utilidade pública de qualquer
natureza, tem por objetivo principal de servir a coletividade social (a sociedade pública), e em
segundo o de produzir renda para aquele que o explora, e que toda a sociedade seja
beneficiada com um serviço de qualidade pelo Estado. Modernamente, o sistema está
sustentado em cinco princípios administrativos: o da permanência ou de continuidade - impõe
continuidade no serviço; o da generalidade - impõe serviço igual para todos; o da eficiência -
exige atualização do serviço; o da modicidade - exige tarifas razoáveis; e, o da cortesia – pelo
bom tratamento para com a coletividade. Sem um destes requisitos em um serviço público ou
de utilidade pública, é dever da Administração intervir para restabelecer, regularizando o seu
funcionamento, ou retomar a sua prestação.

590 - Os serviços públicos são de competência privativa do Estado, através da Administração


Direta ou Indireta, cabendo a União, os Estados, o Distrito Federal e aos Municípios a
prestação de serviços públicos. a) Serviços Centralizados: aqueles que o Poder Público presta
por meios de seus órgãos, em seu nome e de sua responsabilidade (pelos próprios órgãos do
Poder Público); b) Serviços Descentralizados: aqueles que o Poder Público transfere ou
repassa sua titularidade ou sua execução por outorga ou por delegação, a entidades da
Administração Direta ou Indireta. c) Serviços Descontinuados: aqueles que a Administração
executa de forma centralizada, e os distribuindo entre vários órgãos da mesma entidade,
facilitando a sua realização, conclusão e acompanhamento pelos usuários.

590 - OUTORGA: Transfere a titularidade e execução – Caráter definitivo; DELEGAÇÃO:


Transfere somente a execução (Concessão, Permissão e Autorização) – Caráter transitório;
Dos modos ou meios: A prestação ou execução do serviço público ou serviço de utilidade
pública, pode ser de forma DIRETA ou INDIRETA. A CF/88 permite a prestação direta ser feita
pelo Poder Público, e a prestação indireta ser executada pelas delegatárias, ou seja, em
regime de concessão ou permissão.

591 - DA ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO PÚBLICO NO BRASIL:


a) SISTEMA: A Administração Pública Federal (APF) tem vários sistemas de suporte para o
andamento e funcionamento das atividades fins dos órgãos e entidades, para a consecução de
uma mesma finalidade. b) Sistemas do Poder Público: sistemas de suporte às atividades fins
do Poder Executivo Federal: Sistema de Controle Interno – SCI; Sistema de Planejamento e
Orçamento – SPO; Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática do
setor Público – SISP; Sistema de Serviços Gerais – SISG; Sistema de Pessoal Civil – SIPEC;
Sistema de Organização e Modernização administrativa – SOMAD; Sistema de Contabilidade
Federal – SICON.

592 – DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA FEDERAL: São vários os


conceitos e pensamentos sobre a ciência das Finanças sobre as idéias políticas e sociais do
Estado, sabendo-se que o objetivo é a Despesa, a Receita, o Crédito e o Orçamento. A Lei de
Orçamento anual não precisa de declaração expressa, ela é destinada a vigorar a partir do
primeiro dia do exercício financeiro, que em nosso país coincide com o ano calendário. O
Orçamento que é a previsão de receita e despesa é elaborado através das finanças públicas,
para possibilitar o crédito público. O orçamento no Brasil é misto, ou seja, o Poder Executivo
elabora e Poder Legislativo vota. “O Orçamento do Estado é o ato contendo a aprovação prévia
das Receitas e das Despesas Públicas, para um período determinado”. Ao ser elaborado o
orçamento, deve haver um programa de ação de governo que permitirá se planejar, organizar,
direcionar, controlar, administrar, gerir e avaliar os resultados buscando atingir o objetivo do
orçamento. O Orçamento público está voltado à necessidade (ao “objetivo”) e, vinculado ao
Sistema de Planejamento compõe-se de duas partes que são: Receitas e Despesas. O
orçamento é um processo contínuo, dinâmico e flexível de modo que as liberações dos
recursos sejam administradas e controladas. De acordo com a NATUREZA JURÍDICA o
orçamento é uma lei, no aspecto formal, à medida que se submete ao mesmo processo
legislativo, e é aprovado por lei. Os ASPECTOS DA NATUREZA JURÍDICA DO ORÇAMENTO
são: Políticos; Jurídicos; Econômicos e Financeiros. A natureza jurídica do contexto da Lei
Orçamentária é um “ato condição”, pela sua eficácia quanto à receita e a despesa. Conforme o
REGIME CONSTITUCIONAL, SEGUNDO A NATUREZA JURÍDICA a Lei de iniciativa do Poder
Executivo estabelece: o plano plurianual; e as leis de diretrizes orçamentárias;

594 – Consagrados pela Constituição Federal de 1988, a Lei 4320 de1964, que direciona e
instrui as normas gerais do direito financeiro aplicável a todas as esferas da Administração
Pública, determina a observância aos princípios da: unidade, universalidade e anualidade.
Princípio da Unidade: o orçamento deve se fundamentar em uma única política orçamentária,
contendo todas as receitas e despesas do Estado. Princípio da Universalidade: o orçamento
deve conter todos os aspectos dos elementos programáveis que o constituem, ou seja, todas
as receitas e despesas; Princípio da Anualidade: adota o ano como período para delimitar o
exercício financeiro do Estado;

594 – Outros princípios do orçamento: Princípio da Programação: envolve a seleção dos


objetivos que se pretende alcançar, e as ações com as quais se chegará até tais objetivos;
Princípio da Exclusividade: no orçamento não deve constar outro assunto que não seja relativo
à previsão de Receita e de Despesa pública; Princípio da Clareza: o orçamento não deve
permitir interpretações duvidosas, e é de suma importância ser transparente e de fácil clareza;
Princípio do Equilíbrio: o orçamento deve registrar um equilíbrio entre as entradas e as saídas
financeiras, evitando o endividamento ou déficit público orçamentário; Princípio da Publicidade:
o orçamento deve ser divulgado através dos veículos oficiais de comunicação e divulgação
(Diário Oficial) para conhecimento público, e respectiva eficácia de sua real validade; Princípio
da Não afetação: fica vedada a vinculação de receita de impostos a órgãos e fundos; Princípio
da Especificação, ou Descriminação, ou Especialização: o orçamento deve registrar a
discriminação da receita e despesa por unidade administrativa, para evidenciar o quanto que
poderá render ou despender cada unidade considerada; Princípio do Orçamento Bruto: o
orçamento deve constar de todas as parcelas da receita e da despesa, em valores originais,
vedadas quaisquer deduções; Princípio da Transparência Fiscal: obriga o plano orçamentário a
ser levado à avaliação pública (ao povo), pela divulgação do plano e do orçamento público,
quanto à prestação de contas da execução orçamentária.

595 - O art. 165 da CF88, determina a elaboração de “diretrizes orçamentárias”, definidas por
Lei própria, e, pela Lei-complementar 101/2000 – Lei de Responsabilidade Fiscal. A Diretriz
Orçamentária oriunda das instruções normativas registram os objetivos a serem atingidos
através do planejamento orçamentário. A Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) serve para
evidenciar e orientar para a elaboração do orçamento público anual (Receita e a Despesa
pública), mencionar todas as metas e as prioridades através da Administração Publica Federal.
A LDO estabelece parâmetros para a aplicação do recurso orçamentário anual, através do
programa do Plano Plurianual (PPA), para garantir o objetivo fim, sem prejudicar o controle do
Tesouro Nacional. A Lei de Responsabilidade Fiscal – Lei Complementar 101 de 2000 - vem
complementar a forma da elaboração do orçamento plurianual público, para estabelecer
normas de finanças públicas, as previsões constantes do orçamento público, voltado para a
gestão fiscal. A Lei de Responsabilidade Fiscal tem por objetivo verificar o cumprimento de
metas de resultados entre as Receitas e as Despesas, os limites e condições às renuncias de
receitas, despesas com pessoal, seguridade social, dívidas consolidadas e mobiliárias,
operações de credito, antecipação de crédito, concessão de garantia, inscrição em Restos a
Pagar, etc.

596 - PROCEDIMENTO DO PROJETO DE LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS (LDO):


a) O Presidente da República deve enviar o projeto anual de LDO até oito meses e meio antes
do encerramento do exercício financeiro, para sua sanção. b) O projeto de LDO no Congresso
poderá sofrer “emendas” a serem apresentados na Comissão Mista de Planos, Orçamentos
Públicos e Fiscalização (CMPOF). O Presidente da República pode enviar ao Congresso
modificação do plano, antes de ser votado na CMPOF e de receber parecer. Existe no sistema
orçamentário atual, certa conexão entre Planejamento e Orçamento.

597 - Procedimento da lei orçamentária anual (LOA): Ao ser elaborado, um Projeto de Lei
Orçamentária Anual conterá um quadro demonstrativo da programação dos orçamentos,
objetivos e metas (que faz parte do Anexo de Metas Fiscais da LDO), e de um informativo de
reserva de contingência destinado ao atendimento do passivo contingente e de outros riscos
possíveis e eventos fiscais imprevistos, que deverão ser bem definidos na LDO. Deverá
constituir da receita do Tesouro Nacional o resultado das despesas (gastos) do Banco do
Brasil, depois de apurado a constituição ou reversão de reserva. Na possibilidade de ser
positivo, fará parte da receita do Tesouro Nacional, e, se negativo constituirá da conta de
obrigação do Tesouro Nacional para com o Banco Central do Brasil, e, constará como
consignado em dotação específica no orçamento anual.

598 - O processo orçamentário ou ciclo orçamentário é a sucessão de atos, que culmina com a
aprovação do orçamento. Representa o período de tempo que o orçamento público se realiza,
desde a sua concepção até a apreciação final, respeitadas as orientações da LDO quanto à
elaboração e a execução. Com o fim do ciclo orçamentário, o Governo passa a se preocupar
com a prestação de contas ao Poder Legislativo, enquanto que o Congresso Nacional espera
do Presidente da República a apresentação das contas do ano anterior, após 60 dias da
abertura da seção legislativa, sendo que antes, porém, as contas deverão passar pelo Tribunal
de Contas, que emite apenas um veredicto administrativo, mas que não exerce jurisdição
stricto sensu, que é privativo do Poder judiciário. O processo orçamentário segue a seguinte
ordem: Elaboração e preparação de planos; Programação; Elaboração da Proposta
orçamentária; Aprovação da lei orçamentária; Execução orçamentária e; controle e avaliação
da execução orçamentária.

599 - Na ELABORAÇÃO DA PROPOSTA Deve-se observar a Lei de Responsabilidade Fiscal,


lei 101 de 2000; deve-se observar também a Lei do orçamento lei 4.320 de 64 e a lei 8.112 de
90 e etc. A elaboração da proposta é de responsabilidade do Poder Executivo, observado os
planos e as diretrizes apresentadas ao Poder Legislativo. O Órgão Central do Sistema de
Orçamento determina os parâmetros a serem adotados, correspondentes a cada órgão ou
unidade orçamentária; Este mesmo órgão verifica o valor dos gastos baseado no PIB nacional
e na previsão de arrecadação tributária através da Secretaria da Receita Federal; Com a
proposta consolidada, o Presidente da República, encaminha-a para o Congresso Nacional
anualmente.

599 - Na elaboração da proposta orçamentária aplica-se o princípio da igualdade entre a


demanda e a oferta financeira; A proposta orçamentária segue as normas contidas no Manual
Técnico de Orçamento que orienta o participante do processo orçamentário quanto ao uso do
Sistema Integrado de Dados Orçamentários (SIDOR 2).

599 - São das Unidades gestoras, Administrativas e ou Orçamentárias, a responsabilidade para


o início da elaboração da Proposta orçamentária. A Coordenação Geral de Orçamento e
Finanças (COF), consolidadas pelo Órgão Setorial do respectivo Ministério/Órgão; Integram à
proposta orçamentária, às propostas parciais orçamentárias, as das entidades da
Administração Indireta e os Fundos, inclusive aquelas da qual a União detenha a maioria do
capital social com direito a voto.

600 - PLANO PLURIANUAL (PPA): Instituído pelo art. 165 da CF/88, será remetido ao
Congresso Nacional pelo Presidente da República juntamente com o projeto de Lei de
Diretrizes Orçamentárias e as propostas de orçamento conforme esta direcionada pela CF/88;
A lei que disciplinar o PPA estabelecerá, por regiões, as diretrizes, objetivos, metas e
prioridades da Administração Pública quanto ao uso para as despesas de capital e de outras
decorrentes delas; O PPA poderá ser modificado durante o período de vigência da Lei
específica; A Lei complementar define sobre a vigência, os prazos, a elaboração e a
organização do PPA.

602 - O Sistema Federal de Planejamento é composto pelos seguintes órgãos: órgão central;
órgão setorial e; órgão seccional. O ORÇAMENTO PROGRAMA associado ao plano de ação
do Governo Federal, pertence ao Sistema de Planejamento e aos objetivos que o Governo
deseja atingir em um determinado período de tempo (normalmente um ano); O orçamento-
programa não é somente um documento financeiro, é sim um instrumento de operacionalização
das ações do governo, visando os objetivos, projetos, atividades, e operações especiais, dentro
do que determinam os planos e diretrizes estabelecidos; O orçamento-programa é em síntese
aquele que exprime as realizações governamentais, e é de suma importância porque facilita o
controle contábil da gestão da administração do Estado.
603 - MÉTODOS, TÉCNICAS E INSTRUMENTOS DO ORÇAMENTO PÚBLICO: É observado
o sistema de classificações orçamentárias, que facilitam e padronizam as informações,
permitindo uma melhor visualização do orçamento por poder, ou por função de governo, ou por
programa, ou por categoria econômica; Atualmente pode-se verificar se todas as ações do
governo foram atingidas quanto ao seu objetivo, metas, e prioridades.

604 - SIDOR e SIAFI: Foram criados devido às várias irregularidades de natureza


administrativa na gestão dos recursos do Estado, o que o impedia de atingir seu objetivo (nos
anos de 1986), quando foi criada a Secretaria do Tesouro Nacional. A partir dessas falhas de
gestões, concluíram que seria necessário um sistema gerencial com informações seguras,
controladas administrativamente que integrassem todos os órgãos e níveis da administração
pública em todo território nacional. O SIDOR / SIAFI é um Sistema que serve de ligação entre a
Unidade Gestora (UG) e a Secretaria do Tesouro Nacional.

605 - SIDOR: É o conjunto de informações sobre a estrutura orçamentária, as provisões de


receitas, despesas e a distribuição de receitas públicas que alimentam dados e elementos para
a comissão mista pertencente ao congresso nacional (CMPOF senadores e deputados) para
examinarem e emitirem parecer sobre os planos e programas nacionais, regionais e setoriais e
para acompanhar e fiscalizar o orçamento previsto, afim de atingir o objetivo do estado; O
sistema recebe, por meio magnético de processamento eletrônico, todas as informações e
dados que dizem respeito a projeto de lei orçamentária anual, do projeto de lei que autoriza os
créditos adicionais que o Poder Executivo envia para o Congresso Nacional; Ao Poder
Legislativo, Judiciário e o Ministério Público da União cabe remeter, obrigatoriamente, as
informações consolidadas ao Órgão Central do Sistema de Planejamento Federal e
Orçamento, com a proposta orçamentária, e as solicitações de crédito adicional direcionando a
região do respectivo crédito, através do SIDOR; Nas unidades orçamentárias, o SIDOR será
responsável em receber as informações e dados dos processos de elaboração orçamentária, e
efetuar a analise e inserção desses dados;

606 – O SIAFI, sistema integrado de administração financeira do governo federal, que é um


conjunto de sistemas da administração orçamentária e financeira dos recursos da União,
centraliza e processa eletronicamente os dados, que é oferecido como suporte aos órgãos
centrais, setoriais e executores, da gestão pública, tornando segura a contabilidade da união,
sob supervisão do Tesouro Nacional. O SIAFI é o principal sistema da administração
orçamentária e financeira da União, por oferecer suporte aos órgãos centrais, setoriais e
executores da gestão pública, além de informações de todos os órgãos da Administração
Direta, Autarquias, Fundações, Sociedades de Economia Mista e os órgãos dos Poderes
Legislativos e Judiciários, proporcionando um sistema de informações seguro para a
Contabilidade da União; A partir das informações do SIAFI, permite-se elaborar o Balanço
Geral da União e Relatórios de execução do orçamento e de Demonstração das contas a
serem apresentadas ao Congresso Nacional pelo Presidente da República; Deste sistema,
pode-se oferecer a opção “DARF Eletrônico” aos órgãos e as entidades da Conta Única,
facilitando o uso da arrecadação e recolhimento dos títulos federais.

606 - O Tesouro Nacional é o maior usuário do SIAFI, permitindo-lhe definir normas de


utilização, orientando e controlando as atividades dos gestores públicos, também usuários
deste sistema; Com a sanção, pelo Presidente da Lei Orçamentária aprovada pelo Congresso
Nacional, o Poder Executivo estabelece prazo de até trinta dias para a programação financeira
e o cronograma da despesa mensal, por órgão, respeitando as metas de resultados fiscais
conforme determina a Lei de Diretrizes Orçamentária. O SIAFI COMO SISTEMA GERENCIAL
É um sistema que serve para atender as necessidades de informações gerenciais, aos
usuários, destinadas a gerências orçamentárias, financeiras e de controle, além de informar
dados para qualquer tomada de decisão gerencial, que foi desenvolvido quando do projeto de
modernização e Aperfeiçoamento da Administração Financeira do Governo Federal.

607 - SISTEMA DE CONTABILIDADE FEDERAL – SICON: Sistema que tem por objetivo
evidenciar, registrar e controlar a situação orçamentária, financeira e patrimonial da União,
apontar os atos e fatos relacionados com a Administração financeira, orçamentária e
patrimonial, através do Sistema de Contabilidade Federal com vistas à elaboração de
demonstrações contábeis. É um sistema que serve como: cadastrador geral, cadastrador
parcial, dispõe para as unidades Gestoras, informações controladoras da Conta Única, contas
correntes bancárias, programações financeiras, gestor, entre outras características. É um
sistema que oferece uma segurança às informações necessárias, pois tais dados só poderão
ser requeridos por usuário devidamente autorizado (cadastrado e habilitado).

609 - A Receita Pública corresponde ao ingresso de proventos arrecadados de tributos, do


Tesouro Nacional e de outras fontes de recursos financeiros que passe a integrar e incorporar
ao patrimônio do Estado, e que permita custear as despesas decorrentes da prestação de
serviço público e investimentos patrimoniais.

610 - As Receitas podem ser orçamentárias ou extra-orçamentárias. De acordo com a Lei


4.320 de 64, as Receitas estão divididas em Receitas Correntes e Receitas de Capital.

610 - As Receitas Correntes, que se classificam por fontes, dividem-se em: 1 - Receitas
Tributárias que são impostos, taxas e contribuição de melhoria; 2 - Receita Patrimonial que são
receitas imobiliárias, receitas de valores mobiliários, participações e dividendos; 3 - Receita
Industrial que são as receitas com serviços industriais; 4 - Transferências Correntes que são
receitas diversas, multas, contribuições, cobrança divida ativa, outras receitas diversas; 5 -
Receitas Agropecuárias que são as receitas de Serviços deste setor e; 6 - Receitas
provenientes de recursos financeiros recebidos de outras pessoas de direito público e ou
privado, a fim de atender as Despesas Decorrentes.

611 - As Receitas de Capital podem ser: operações de crédito, alienação de bens móveis e
imóveis, Amortização de Empréstimos Concedidos, transferências de capital e outras receitas
de capital; CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA para as Receitas de Capital: a) Classificação
CLASSICA: Ordinárias; Extraordinárias. B) Classificação pela Lei 4320 de 64 modificada pela
lei 101 de 2000: Receitas Correntes ou Receitas de Capital.

612 - A Receita Orçamentária na sua elaboração passa por três fases de estágios sendo:
Previsão da receita; Arrecadação da receita; Recolhimento da receita.

612 - RECEITAS PROVENIENTES DA DÍVIDA ATIVA: A Dívida Ativa é todo o crédito que o
Poder Público tem a receber de seus devedores provenientes a qualquer origem de obrigação,
e está complementada pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

613 - DA RENUNCIA de RECEITA: Quanto às formas de renuncias de receitas, temos as


formalizações através da Lei de responsabilidade Fiscal 101 de 2000. Não são consideradas
Renúncias de Receitas as alterações das alíquotas dos impostos.

614 - CODIFICAÇÃO DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA: A sua elaboração compreende 8


dígitos, sendo assim teremos os principais: digito 1- indica a Categoria Econômica; 2 - indica a
Fonte; 3 - indica a Rubrica; 4 - indica a Alínea.

615 – A DESPESA PÚBLICA é o conjunto de gastos ou dispêndios do Estado ou de outra


pessoa do direito público para custear o funcionamento do serviço público autorizado pelo
Poder competente, consignando e fazendo uso da receita pública para atingir um determinado
objetivo administrativo.

616 - A despesa pública possui três classificações: Duração, Extensão e Natureza. Quanto a
Duração a despesa pode ser: Ordinária que é a despesa comum; Extraordinária que é a
despesa decorrente de situação imprevisível ou urgente e; Especial que é a despesa previsível,
mas não se sabe quando ocorrerá decorrente de sentença judicial, por exemplo. Quanto a
Extensão a despesa pode ser: Interna que é a despesa efetuada na área territorial da entidade
de direito que a realizou ou; Externa que é a despesa efetuada fora da área territorial da
entidade que a realiza. Quanto à Natureza a despesa pode ser: Federal; Estadual ou Municipal.

616 - As despesas podem ainda ser classificadas como: Despesas de Governo; Despesas de
Exercício ou de Gestão; Despesas Permanentes; Despesas Variáveis; Despesas Reais e
Despesas Transferíveis.
617 - A Lei do orçamento, lei 4320 de 64, dá a seguinte classificação para as despesas
segundo as categorias econômicas: Despesas correntes e Despesas de capital.

617 - Despesas correntes se dividem em: Despesas de custeio e Despesas de transferências


correntes;

617 - Despesas de Custeio são as despesas com pessoal civil; material militar; material de
consumo; serviços de terceiros e encargos diversos.

617 - Despesas de Transferências Correntes são as despesas com subvenções econômicas;


despesas com inativos; pensionistas; salário-família; juros da dívida pública; contribuições da
previdência social e as diversas transferências correntes.

617 - Despesas de Capital se dividem em: Despesas de investimentos e Despesas de


transferências de capital.

617 - Despesas de Investimentos são as despesas com obras públicas; serviços em Regime de
Programação Especial; equipamentos e instalações; material permanente; participação em
constituição ou aumento de capital de empresas, entidades industriais ou agrícolas.

617 - Despesas de Transferências de Capital são as despesas com amortização da dívida


pública; auxílios para obras públicas; auxílios para equipamentos e instalações; auxílios para
inversões financeiras e outras contribuições.

618 - Para que seja elaborado o projeto das despesas públicas o Poder Executivo tem certa
preocupação quanto às informações necessárias para atender todas as finalidades desejadas
com os dispêndios, buscando com os seus técnicos orçamentários, seja de qualquer esfera
Federal, Estadual, ou Municipal, alguns requisitos a fim de poderem prever as despesas. Os
requisitos buscados são: Utilidade pública; Possibilidade Contributiva; Discussão Pública;
Oportunidade; Legitimidade e Legalidade.

619 - Para a sua execução, a despesa pública deve seguir um roteiro, conforme consta na Lei
4.320 de 64 e na lei 101 de 2000. A despesa pública na sua execução tem os seguintes
estágios a observar: Empenho; liquidação e pagamento.

619 - Empenho: o pagamento da despesa só poderá ser efetuado se a despesa estiver


devidamente empenhada na dotação própria. O empenho é um mecanismo de controle da
execução da despesa. É o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado a
obrigação de pagamento pendente ou não de implemento de condição, seguindo a legislação
das licitações.

619 - Liquidação: Constatada a legitimidade do empenho daquela despesa, apurar-se-á a


documentação (título e documento comprobatório) existente e o total a pagar, para saldar a
dívida.

619 - Pagamento: é o ato de entregar ao Credor o valor relativo ao seu crédito a fim de quitar a
obrigação contraída.

620 - SUPRIMENTO DE FUNDOS Ou REGIME DE ADIANTAMENTO: Pode-se incluí-lo como


uma forma de Estágio, sendo que, Suprimento de Fundo é uma modalidade de realizações de
despesa através de adiantamento concedido a servidor, para prestação de contas
posteriormente, quando não for realizável o pagamento utilizando-se os serviços da rede
bancária, verificando se os motivos para o adiantamento são admissíveis.

621 - O USO DO SUPRIMENTO DE FUNDOS: O ordenador de despesa é a autoridade


competente para conceder suprimento de fundos, fixando-lhe o valor. A entrega do numerário
para o servidor público é imediata, mas sempre precedido de Empenho na dotação própria
junto à Contabilidade despesas a realizar. A legislação proíbe, expressamente, a concessão de
suprimento no caso do servidor público responder a inquérito administrativo.
621 - RESTOS A PAGAR: Consideram-se como Restos a Pagar ou Resíduos Passivos, as
despesas empenhadas, mas que ainda não foram pagas dentro do exercício financeiro, ou
seja, até o ultimo dia do ano letivo (31 de dezembro). Esta despesa deverá fazer parte do novo
orçamento público como sendo pertencente ao exercício anterior quando foi empenhada na
contabilidade, e ao existir o pagamento, deve ser considerado como extra-orçamentário. A
inscrição da despesa deverá ser feita pelo valor devido em Restos a Pagar, ou pelo valor
estimado se o total for desconhecido. A Lei de Responsabilidade Fiscal condiciona a inscrição
em Restos a Pagar à existência de disponibilidade financeira ao final do exercício. O
pagamento de despesas inscritas em Restos a Pagar é automático, devendo ser observado o
referido Empenho e a sua liquidação. Fica definido o dia 31 de dezembro do ano subseqüente
para a inscrição de valores em Restos a Pagar, passado essa data os que porventura existam
serão automaticamente cancelados.

621 - CLASSIFICAÇÃO DA CONTA RESTOS A PAGAR: Classificam-se os Restos a Pagar


em: Processados que são aquelas despesas empenhadas, liquidadas, e não pagas; e Não-
processados que são aquelas despesas que mesmo empenhadas dentro do exercício, não
foram liquidadas.

622 - DESPESAS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES: São as dotações destinadas a fazer


pagamento ou o direito de pagamento dessas despesas de exercícios anteriores não pagos
durante seu exercício letivo.

623 - A CONTA ÚNICA DO TESOURO NACIONAL Criada desde 1988, para facilitar o sistema
de comunicação e tornar mais eficaz o controle sobre as contas bancárias do Governo
(Federal, Estadual e Municipal) e seu respectivo fluxo de caixa, numa só conta nacional,
através do Sistema Integrado de Administração Financeira (SIAFI) pela unificação dos recursos
de caixa do Tesouro Nacional. A efetivação da Conta Única do Tesouro Nacional tem por
objetivo acolher as disponibilidades financeiras da União, manipuladas pelas Unidades
Gestoras da Administração Pública Federal de administração Direta ou Indireta usuários do
SIAFI, pela via “on-line”, permitindo que cada Unidade Gestora tenha seus saldos controlados
no referido sistema. As Receitas e as Despesas são controladas por uma conta única, mantida
pelo Tesouro Nacional junto ao Banco Central do Brasil, pelo sistema financeiro (SIAFI), que é
movimentado por intermédio do Banco do Brasil através das “Ordens Bancárias”, mas poderá
ser efetuada por outros agentes financeiros desde que autorizado pelo Ministério da Fazenda,
através de documento hábil para tais movimentações.

623 - Numa emergência por paralisação das atividades do Banco do Brasil ou de outros
Agentes Financeiros, ou de órgãos Federais, há o que chamamos de PROCESSO
ALTERNATIVO DA CONTA ÚNICA, permitindo que outros bancos possam processar as
movimentações das Receitas e Despesas desde que autorizado pelo Ministério da Fazenda,
sem prejuízo para a Administração Federal, ao atuarem como Agentes Financeiros do Tesouro
Nacional.

624 - As atribuições legais dos cargos que compõem a carreira de regulação e fiscalização de
serviços públicos de telecomunicações encontram fundamento na competência do Estado
brasileiro, expressamente prevista no texto constitucional de 1988, de agente normativo e
regulador da atividade econômica. O presidente ou diretor-geral devem ser brasileiros natos,
escolhidos pelo presidente da República e por ele nomeados, após aprovação pelo Senado
Federal. No uso de sua capacidade de autotutela, a ANATEL é competente para anular seus
próprios atos quando eivados de vício de legalidade. No caso de decorrerem do ato anulado
efeitos favoráveis para os destinatários, esse direito decai em cinco anos, salvo comprovada
má-fé. O direito de o administrado ter ciência da tramitação dos processos administrativos em
curso na ANATEL nos quais tenha a condição de interessado fundamenta-se, entre outros, no
princípio administrativo constitucional da publicidade e no direito de receber dos órgãos
públicos informações de seu interesse particular.

625 - Os contratos de concessão, celebrados e gerenciados pela ANATEL, são modalidades de


contratos administrativos que formalizam o processo de descentralização administrativa. Três
meses após ter tomado posse para cumprir o seu mandato, um diretor da ANATEL foi
exonerado a pedido e, em razão de sua experiência no setor, foi contratado, logo após a
exoneração, para prestar consultoria a uma empresa ligada ao setor de telecomunicações. A
esse ex-diretor não se aplica nenhum impedimento para prestação de qualquer tipo de serviço
a empresa integrante do setor regulado pela agência. Se houver algum tipo de impedimento à
prestação desse serviço, o crime cometido pelo ex-diretor é, nos termos da lei que dispõe
sobre a gestão de recursos humanos das agências reguladoras, o de advocacia administrativa.
Com relação ao Código de Ética Profissional do Servidor Público É vedado ao servidor público
receber qualquer tipo de ajuda financeira, gratificação, prêmio, comissão, doação ou vantagem
de qualquer espécie, para o cumprimento da sua missão ou para, com a mesma finalidade,
influenciar outro servidor.

626 - A ANATEL dispõe de discricionariedade técnica para o exercício de sua função


normativa, em razão do uso de conceitos jurídicos indeterminados associados a conceitos
técnicos na Lei Geral de Telecomunicações. Nas decisões reguladoras, exigem-se a
legitimidade originária que se refere aos órgãos e agentes, a legitimidade corrente que diz
respeito aos procedimentos e a legitimidade finalística que se refere aos resultados pretendidos
e alcançados.

627 - Em razão de previsão legal específica, não é permitida às agências reguladoras a


contratação de serviços pela modalidade de consulta, inclusive para contratações referentes a
serviços de engenharia, contrariando o que prevê a Lei 8.666 de 93, que institui normas para
licitações e contratos da administração pública. A possibilidade de as agências reguladoras
requisitarem servidores e empregados de órgãos e entidades integrantes da administração
pública é prevista, expressamente, em lei.

628 - Relativo às mutações patrimoniais da receita e da despesa públicas. Constituem


mutações patrimoniais da despesa a aquisição de bens e a concessão de empréstimo, e
mutações patrimoniais da receita, a cobrança de dívida ativa e o recebimento de créditos. De
acordo com as normas do TCU, nos casos de recursos concedidos mediante convênios e
instrumentos afins, são considerados responsáveis tanto os que definem os critérios de
distribuição, como os que aprovam os planos de trabalho e as próprias prestações de contas.
A inscrição em restos a pagar é feita a qualquer momento do exercício e terá validade até 31
de dezembro do ano subseqüente. Na hipótese de cancelamento, o pagamento ao credor
dependerá de reinscrição de restos a pagar.

629 - No âmbito da administração pública, a terceirização é possível como contrato de


prestação de serviços, que deve ser precedido de licitação. Nesse tipo de contratação, o objeto
do contrato não é o fornecimento de mão-de-obra, mas a prestação de serviço pela empresa
contratada.

629 - A função reguladora somente tem validade constitucional para as agências previstas na
Constituição Federal, mas tal competência se limita aos chamados regulamentos
administrativos ou de organização, restringindo-se às relações entre os particulares que estão
em situação de sujeição especial ao Estado.

629 - Os subsistemas de gestão de pessoas em uma organização envolvem o processo de


provisão, de aplicação, de manutenção, de desenvolvimento e de monitoração de pessoas.
Tais subsistemas formam um processo global e dinâmico por meio do qual as pessoas são
captadas e atraídas, aplicadas em suas tarefas, mantidas na organização, desenvolvidas e
monitorizadas pela organização. O processo de provisão está relacionado com o suprimento de
pessoas para a organização e, para tal, envolve todas as atividades relacionadas com pesquisa
de mercado, recrutamento e seleção de pessoas bem como a integração dessas às tarefas
organizacionais. Em um processo de seleção ideal, o nível de qualificação do candidato deve
ser compatível com as especificações do cargo. A entrevista estruturada de seleção possibilita
melhor comparação de resultados entre os diversos candidatos, pois são feitas as mesmas
questões e mensuradas ou qualificadas as respostas de imediato.

630 - A gestão de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de


pessoal, lida com sistemas formais para a administração de pessoas dentro da organização. A
administração de recursos humanos tem assumido papel estratégico e vital porque as
organizações estão tentando transformar seus recursos humanos em fonte de vantagem
competitiva. O processo de seleção via concurso público, pelo qual passa um gestor de
recursos humanos de um órgão público, do mesmo modo que a técnica de avaliação do
desempenho, é uma das técnicas de administração de recursos humanos aplicada diretamente
a pessoas. A análise e descrição de cargos e a higiene e segurança são ferramentas de
administração de recursos humanos aplicadas indiretamente a pessoas por meio dos cargos
por elas ocupados.

631 - Considere a seguinte situação hipotética. Marcelo, diretor de recursos humanos de um


banco privado, pretende centralizar a administração de recursos humanos pois, apesar da
dispersão geográfica das agências pelo país, ele julga que uma administração de recursos
humanos centralizada pode proporcionar unidade no funcionamento e uniformidade de critérios
na aplicação das técnicas em locais diferentes. Nessa situação, Marcelo deve criar
departamentos de recursos humanos localizados em cada unidade, que, embora situados em
locais diferentes, sejam subordinados diretamente à diretoria de recursos humanos.

632 - Angélica e Thaís foram recentemente aprovadas em processo seletivo para ocupar o
cargo de recepcionista de um hospital. Nessa situação, elas necessitam passar por um
processo de socialização organizacional que objetiva adaptar as pessoas às conveniências
organizacionais. Angélica está muito feliz com o novo emprego, pois, além do salário, ela tem
direito a transporte, empréstimos, gratificações, entre outros benefícios. Nessa situação, é
correto afirmar que tais benefícios são do tipo espontâneo, ou seja, são concedidos por
liberdade da empresa, já que não são exigidos em lei.

633 - Com relação aos conceitos e às normas atinentes ao inventário, Material permanente
controlado é aquele sujeito ao tombamento, requerendo controle estrito de uso e
responsabilidade pela sua guarda e manutenção.

634 - A propósito de convênios e similares O poder público e as organizações sociais da


sociedade civil de interesse público (OSCIPs) podem estabelecer formas de cooperação com
vistas à execução de atividades consideradas de interesse público, para o que, o instrumento
adequado constitui o termo de parceria.

635 - O pregão surgiu em um momento de reestruturação do Estado, que deixou de ser um


Estado executor para passar a ser um Estado regulador. Essa reestruturação trouxe uma
cobrança por uma maior eficiência do serviço prestado pelo Estado, bem como a necessidade
de diminuição dos gastos públicos. Assim, o pregão foi concebido para permitir à administração
atender às suas necessidades mais simples, de modo mais rápido e econômico. A rapidez e a
economia proporcionadas pela utilização do pregão advêm de características próprias desta
modalidade, como a inversão da fase de habilitação, a simplificação do procedimento e a
possibilidade de lances verbais, não previstas para as demais modalidades. O pregão pode ser
realizado por meio de recursos da tecnologia da informação. Atendidos os prazos de
fornecimento e demais requisitos, o critério de classificação e julgamento no pregão é o do
menor preço.

636 - Uma autarquia federal realizou contratação de pessoal, utilizando-se do regime de


trabalho previsto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), dispensando a realização de
concurso público. Luana foi contratada nessa circunstância, para o cumprimento de contrato de
trabalho por tempo indeterminado. Contudo, passados 12 meses, a autarquia rescindiu
unilateralmente o contrato, sob a alegação de necessidade de redução do quadro de pessoal,
por excesso de despesa. Diante da situação hipotética apresentada acima, é permitido à
administração pública rescindir contrato de trabalho por prazo indeterminado, caso haja
necessidade de reduzir o quadro de pessoal em decorrência do excesso de despesa. No
regime celetista, os empregados públicos têm seus direitos e deveres, nuclearmente, regidos
pela CLT. Estando submetida ao regime celetista, Luana mesmo assim não poderá livremente
acumular outro emprego, função ou cargo público.

637 - Com relação ao regime celetista e ao regime estatutário, que podem ser adotados pela
administração pública, e suas particularidades.O regime estatutário tende a ser cada vez mais
restrito a pessoal em exercício nas chamadas funções essenciais da administração pública. Um
dos meios de que se vale a administração para cumprir suas múltiplas atribuições e realizar as
atividades decorrentes é a técnica contratual. Hoje não se coloca em dúvida a idéia de que o
poder público possa ser parte em um contrato, mas, nos primórdios da elaboração da teoria do
contrato administrativo, houve resistências fortes a essa idéia, pois alegava-se que a
supremacia da administração em relação ao particular impediria a realização de contratos entre
eles. Na ordem jurídica brasileira, o regime jurídico dos contratos administrativos celebrados
pela União está preponderantemente contido na referida lei. Os estados, o Distrito Federal e os
municípios podem editar leis próprias de licitações e contratos para regular os seus atos, mas
devem observar as normas gerais estabelecidas na Lei 8.666 de 93.

638 - O Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI) é o


principal instrumento de gestão da Secretaria do Tesouro Nacional (STN). A STN, por
intermédio do SIAFI, realiza o acompanhamento e controle de toda execução orçamentária e
financeira do governo federal. O SIAFI é utilizado pelas unidades gestoras (UGs) de todos os
ministérios e demais órgãos e entidades como instrumento de administração financeira para
processar de forma integrada, e online, a sua execução orçamentária, financeira, patrimonial e
contábil. O SIAFI é, na verdade, não um sistema, mas um conjunto de sistemas, cada um
referente a um ano civil. Cada sistema se desdobra em subsistemas, que, por sua vez, se
dividem em módulos, que se subdividem em consultas ou transações. A conformidade diária,
por motivo de segurança, não poderá ser dada por operador que registre documentos no
sistema, salvo se autorizado pelo titular da respectiva UG. Os órgãos de contabilidade analítica
deverão acompanhar as conformidades diárias e documentais das UGs a elas vinculadas e
adotar as medidas cabíveis, quando do descumprimento de normas.

639 - Acerca de inventário de bens permanentes e de consumo, O inventário anual de bens


móveis requer contagem física e conferência financeira. Com base na Lei de Responsabilidade
Fiscal (LRF). Despesas com pessoal do Banco Central do Brasil integram as despesas da
União a serem incluídas na Lei Orçamentária Anual. É permitida a utilização de recurso
legalmente vinculado a finalidade específica em exercício diverso daquele em que ocorrer o
ingresso, desde que atenda ao objeto da vinculação. Anistia e redução de alíquotas são
modalidades de renúncia de receita.

640 - O emprego das verbas ou rendas públicas em desacordo com a LRF constitui crime.
Considere a seguinte situação hipotética. A União desejou contratar serviço de processamento
de dados concernente a um cadastro nacional de contribuintes do imposto de renda. Para
tanto, contratou diretamente com o Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO),
empresa pública federal, criada para esse fim específico. Os preços pactuados estavam
compatíveis com os de mercado. Nessa situação, a contratação direta com o SERPRO está
amparada pela legislação vigente, pois trata-se de hipótese de dispensa de licitação.

641 - A política nacional de capacitação dos servidores públicos federais prevê o afastamento
de servidores para cursarem mestrado e(ou) doutorado, desde que a freqüência a esses cursos
inviabilize o cumprimento da jornada de trabalho pelo servidor. Considere a seguinte situação
hipotética. Após 10 meses como diretor da ANVISA, o Sr. Martins pediu seu afastamento,
sendo imediatamente contratado por uma empresa cuja atividade é fiscalizada pela agência
que antes dirigia. Nessa situação, a conduta descrita é considerada advocacia administrativa e
é sujeita a sanções legais. É vedada a redistribuição de servidor ocupante de cargo da carreira
de analista administrativo das agências reguladoras ou para as agências reguladoras.

642 -Na década passada começou a tomar forma um modelo estruturado de gestão de
pessoas que tem como peculiaridade considerar a participação dos funcionários como sendo
essencial para que a empresa implemente sua estratégia e crie vantagem competitiva. Esse é
o chamado Modelo de Gestão por Competências, que é uma tendência apontada na gestão de
pessoas para os próximos anos. Na acepção atual vinculada à gestão por competências, o
significado de competência está associado a características individuais observáveis capazes de
predizer ou causar desempenho superior ou efetivo no trabalho ou em outra situação de vida.
No modelo de gestão por competências, percebe-se uma tendência de redução da oferta de
treinamento pelo processo formal em favor da prática de se incentivar o despertar constante
das necessidades de autodesenvolvimento e da aplicação de técnicas de aprendizado no local
de trabalho (on the job).
643 - O clima organizacional expressa as percepções partilhadas pelos membros da
organização e que refletem a maneira pela qual eles descrevem e compreendem seu ambiente
de trabalho. O clima organizacional é uma qualidade duradoura do ambiente interno de uma
organização que a faz diferente de outras e que resulta do comportamento e da política dos
membros da organização. As definições de clima psicológico e clima organizacional estão
relacionadas ao nível em que se faz a análise: quando for analisado individualmente, é
considerado clima psicológico e, quando analisado no nível organizacional, é considerado clima
organizacional.

644 - A respeito do desenvolvimento e da capacitação de recursos humanos, A eficácia do


treinamento não depende somente da correta identificação de necessidades e do adequado
planejamento, mas envolve também outros fatores, como as características da clientela.

645 - Para se manter competitiva, uma organização deve ter controle rigoroso de seus custos e
conhecer o seu mercado, de forma a poder atender às necessidades de seus consumidores.
Os produtos que a organização desenvolve e vende são importantes, mas também é muito
importante a maneira como ela organiza a prestação de serviços em suas lojas. Essa é a
responsabilidade da administração da produção. Na organização, a função produção
representa a reunião de recursos destinados à produção de seus bens e serviços. Em uma
organização, as funções do gerente de produção incluem atuar na administração de algum ou
de todos os recursos envolvidos pela função produção. O termo administração da produção é
utilizado para designar as atividades, decisões e responsabilidades dos gerentes de produção.
A função recursos humanos, uma das funções principais da organização,está ligada
diretamente à função produção.

646 - Uma operação de processamento de alimentos fez a previsão de colheita de manga para
o mês de janeiro. Entretanto, o mau tempo ocorrido durante o mês de dezembro reduzirá
drasticamente a produtividade da colheita, havendo grande risco de interrupção no
fornecimento à fábrica em todo o mês de fevereiro. O gerente de produção da empresa, com
base em previsões meteorológicas, buscou, desde outubro, instrumentos que minimizassem
esse problema e protegessem a produção. O aumento da produtividade até o mês de
dezembro e o estoque de alimentos processados para suprir o mercado é uma proteção física
da produção. Uma grande crítica ao conceito de proteção da produção está no fato de que,
com este artifício, quase nunca se exige que a produção assuma responsabilidade sobre suas
ações, pois há sempre outra função à qual se pode atribuir a culpa. Uma forma de proteger a
produção em um banco comercial é administrar o tempo de fila de espera para o atendimento
nos caixas. A administração da produção tem a responsabilidade direta de participar do projeto
de produtos, serviços e processos de produção.

647 - A comunicação tem funções básicas dentro de um grupo ou de uma organização; ela
atua na motivação, na informação e na expressão emocional; no entanto, não é funcional para
o controle na organização. Para que o processo de comunicação se realize, é necessário um
propósito expresso em forma de mensagem a ser transmitida. Quando um administrador diz ao
seu superior exatamente aquilo que acredita que o chefe quer ouvir, ele está praticando
filtragem na comunicação.

648 - O uso de jargão é um dificultador da comunicação entre membros de um grupo


profissional específico. A rede de comunicação de rumores (rede informal), por não ser
controlada pela direção da empresa, é percebida pelos empregados como mais fidedigna que
os comunicados formais vinculados à cúpula da organização.

649 – A conceituação de relações interpessoais argumenta que o conflito é uma conseqüência


natural da convivência em grupo. Essa escola defende a aceitação do conflito e racionaliza sua
existência, sugerindo que ele pode ser benéfico para o desempenho do grupo. Um nível
moderado de conflito relacionado ao conteúdo e ao objetivo do trabalho tem efeitos positivos no
desenvolvimento do grupo. Os conflitos de relacionamento interpessoal são quase sempre
funcionais, devendo ser estimulados no grupo. Um modo eficiente de se administrar conflitos é
a concessão. Quando cada uma das partes cede em alguns pontos, acontece o
compartilhamento, o que pode levar a um resultado bom para ambas as partes.
650 - A cultura anticonflito é menos freqüente hoje em dia, devido ao cenário de grande
competição da economia globalizada. Assim, apoiar ou estimular algum grau de dissidência
pode agregar mais valor à organização. Considere que Sílvia ocupa cargo de provimento
efetivo no MCT. Por ter trabalhado por 40 horas na última semana, Sílvia solicitou a concessão
de adicional de trabalho extraordinário correspondente a cinco horas, a serem remuneradas
com acréscimo de 50% relativamente à hora normal de trabalho. Nessa situação, o pedido de
Sílvia deve ser indeferido. Em outubro, Sílvia completará cinco anos de efetivo exercício, sem
ter nenhuma falta injustificada ao serviço. Nessa situação, Sílvia terá direito a escolher entre
gozar três meses de licença-prêmio ou adicionar seis meses ao seu tempo de serviço, para fins
de aposentadoria.

651 - De acordo com o Guia PMBOK, o gerenciamento de projetos é desenvolvido em um


contexto mais amplo que inclui o gerenciamento de portfólios, o gerenciamento de programas e
o escritório de projetos. Um escritório de projetos (PMO) é uma unidade organizacional que
centraliza e coordena o gerenciamento de projetos sob o seu domínio. Os subprojetos,
resultantes da divisão de projetos em componentes mais facilmente gerenciáveis, são
geralmente implementados por uma empresa externa contratada ou por uma unidade funcional
na organização executora.

652 - Acerca das áreas de conhecimento do PMBOK. O gerenciamento de integração de


projeto compreende: desenvolvimento do termo de abertura do projeto; desenvolvimento da
declaração do escopo preliminar do projeto; desenvolvimento do plano de gerenciamento do
projeto; orientação e gerenciamento da execução do projeto; monitoramento e controle do
trabalho do projeto; controle integrado de mudanças; encerramento do projeto. A área
gerenciamento do tempo compreende: definição e seqüenciamento das atividades, estimativa
de recursos e duração das atividades, desenvolvimento e controle do cronograma.

653 - Quanto a gestão estratégica O balanced scorecard descreve a missão e a estratégia das
empresas por meio de um conjunto abrangente de medidas de desempenho a serem adotadas
que serve de base para um sistema de medição e gestão estratégica.

654 - A gestão privada sustenta-se na autonomia de vontade, ao passo que a gestão pública
baseia-se no princípio da estrita legalidade. Na busca da excelência dos serviços públicos, o
modelo de administração pública burocrática apresenta, originalmente, como vantagem em
relação a outros modelos, a busca do controle de abusos e do fim do nepotismo. A gestão
pública por resultados desenvolveu-se como uma estratégia que tem início no momento do
planejamento estratégico e vai até o processo de feedback das políticas públicas.

655 - Acerca das teorias concernentes à gerência de recursos humanos, A teoria Y de Douglas
McGregor enfatiza que o gestor de recursos humanos deve partir do pressuposto de que todos
os colaboradores são automotivados para o trabalho, o que não demanda uma postura
coercitiva por parte do gestor. A gestão estratégica pressupõe, em sua implementação, o
alinhamento da gerência de recursos humanos, principalmente no que tange à alocação de
pessoas ajustadas, capacitadas e comprometidas com as atribuições previstas nos cargos da
organização.

656 - O desenho de cargos, que consiste em sua análise e descrição, é estratégico para os
demais processos da gerência de recursos humanos. A atuação do gestor de recursos
humanos caracterizada pela liderança centrada nas pessoas expõe os objetivos do trabalho
para as pessoas. O gestor de recursos humanos que utiliza a liderança centrada nas tarefas
monitora os resultados do desempenho das pessoas.

657 - Para Chris Argyris, existe um inevitável conflito entre o indivíduo e a organização devido à
incompatibilidade entre a realização dos objetivos individuais e a dos objetivos organizacionais.
Com relação ao conflito entre esses objetivos, a responsabilidade pela integração entre os
objetivos da organização e os dos indivíduos recai sobre a administração.

658 - Uma das teorias que buscaram integrar a gerência de recursos humanos com a gestão
estratégica foi a teoria do desenvolvimento organizacional (DO). As comunicações e as
interações constituem os aspectos fundamentais do DO para que ele obtenha a multiplicação
dos esforços rumo à mudança. Constitui diretriz da nova política de recursos humanos da
administração pública possibilitar a permanente capacitação dos servidores a partir da
elaboração de plano anual que reflita um diagnóstico de necessidades.

659 - Acerca das redes organizacionais e da comunicação na gestão pública, a rede do


governo está sendo construída de forma incremental, com objetivo de que se estenda a todo
país. Uma das aplicações dos resultados da avaliação de desempenho é servir como
instrumento de recrutamento interno ou movimentação interna. Com relação aos métodos
tradicionais de avaliação de desempenho funcional A utilização do método de escala gráfica
apresenta a desvantagem de se produzir o efeito de generalização. A respeito das
características de uma avaliação de desempenho efetiva, que busca proporcionar benefícios
para a organização e para as pessoas. A avaliação deve abarcar, além do desempenho dentro
do cargo ocupado, o alcance de metas e objetivos. A avaliação deve enfatizar o indivíduo no
cargo e não a impressão a respeito dos hábitos pessoais observados no trabalho. A avaliação
deve ser aceita por ambas as partes: avaliador e avaliado. A avaliação do desempenho deve
ser utilizada para melhorar a produtividade do indivíduo dentro da organização.

660 - Acerca das características básicas do planejamento organizacional. O planejamento dos


vários níveis e escalões de uma organização deve ser integrado. O planejamento estratégico
tem flexibilidade menor que outros tipos de planejamento por envolver a organização como um
todo. Considerando o cruzamento das análises interna e externa de uma organização e a
postura estratégica por ela adotada A postura estratégica de desenvolvimento é adotada pela
organização que apresenta, em sua análise interna, a predominância de pontos fortes e, em
sua análise externa, a predominância de oportunidades. As ações características da estratégia
de sobrevivência incluem a redução de custos. Uma opção que apresenta uma ação
característica da estratégia de crescimento é a Inovação e busca de prestação de novos
serviços.

661 - A análise SWOT é uma ferramenta utilizada para examinar uma empresa e os fatores
que afetam seu funcionamento. Este é o primeiro estágio de planejamento, o que ajuda o
empresário focar nos pontos principais da empresa. A sigla SWOT representa a primeira letra
das palavras, em inglês: Strengths, Weaknesses, Opportunities e Threats (Pontos fortes,
Pontos fracos, Oportunidades e Ameaças). Os Pontos fracos e fortes são fatores internos da
empresa. Oportunidades e Ameaças são fatores externos. Considerando que a análise SWOT,
clássica ferramenta de planejamento estratégico, seja realizada em um tribunal, será correto
classificar como exemplo de oportunidade o surgimento de novas tecnologias de gestão de
documentos no mercado, consulta on-line por exemplo.

662 - A avaliação da evolução do patrimônio líquido por unidade administrativa é parte


integrante da lei de diretrizes orçamentárias, destacando-se a origem e a aplicação dos
recursos obtidos com a alienação de ativos. No plano plurianual 2008-2011, está organizada a
atuação governamental em programas orientados para o alcance dos objetivos estratégicos
definidos para o período do plano, mas nele não constam os programas destinados
exclusivamente a operações especiais.

663 - Uma empresa de eventos desenvolve atividades na área de promoção de congressos e


demais atividades da área de turismo de negócios. Para o ano de 2010, estão programados 15
eventos, sendo que dois envolvem a participação direta de duas entidades internacionais. A
partir da elaboração do planejamento do evento, detectou-se a necessidade de contratação e
treinamento de profissionais. Com base na sua experiência pessoal, o dono da empresa
identificou algumas características pessoais, alguns cursos, e alguma experiência profissional
que os candidatos a serem contratados deveriam ter. Os candidatos contratados foram
submetidos a um período de experiência de três meses. Ao final do período, os candidatos
foram avaliados pelo presidente e aqueles que apresentaram desempenho satisfatório foram
efetivados. Aos candidatos desligados, os gerentes se encarregaram de informar que eles não
possuíam um perfil adequado e nem a competência necessária para atuarem na instituição. Os
dados sobre desempenho no trabalho servem para aferir os níveis de produtividade individual,
como no caso apresentado. A concepção de gestão do desempenho não foi usada na situação
apresentada, pois ela envolve um processo cíclico que consiste em: planejamento,
desenvolvimento, revisão e avaliação. Para a tomada de decisão em um processo seletivo, são
recomendáveis a elaboração e o uso de planilhas de avaliação em que estejam especificados
os fatores a serem avaliados.

664 - Os mecanismos de recrutamento interno dificultam o relacionamento entre as áreas de


recursos humanos e outras áreas da organização e entre a área de recursos humanos e o
próprio candidato. Os métodos de seleção permitem a avaliação das habilidades dos
candidatos e, têm por objetivo a previsão do comportamento deles nos cargos a serem
efetivamente ocupados, o que pode ser analisado durante as etapas de escolha dos candidatos
e o período em que eles estiverem contratados em regime de experiência.

665 - A avaliação de treinamento pode ser definida como uma coleta sistemática de
informações descritivas e valorativas necessárias para tornar eficazes as decisões
relacionadas à seleção, à adoção, à valorização e à modificação de várias atividades
instrucionais. A meta, ao se elaborar os objetivos de um treinamento, é que eles sejam
mensuráveis, específicos, que estabeleçam datas limite e visem a obter resultados relevantes
para aspectos essenciais do trabalho. O diagnóstico de quais treinamentos são necessários
pode ser feito a partir da análise organizacional, da análise das operações e tarefas, sem incluir
a análise individual das competências dos colaboradores. Com relação à análise ou à
descrição do trabalho As tarefas de um trabalho podem ser classificadas em uma escala
hierárquica, em que os níveis mais altos são subdivididos em funções menores.

666 - O Estado brasileiro não pode ficar indiferente à evolução dos usuários que desejam, além
de serviços mais corteses e soluções gerais válidas para todos, serviços adaptados aos seus
problemas. Os governos tradicionalmente burocráticos preocupam-se muito mais com a
captação de recursos do que com o resultado eficaz dos programas e ações desenvolvidos. A
gestão pública moderna e coerente, à semelhança do setor privado, deve fazer uso de planos
de carreira individuais previsíveis, cujo potencial de cada servidor seja avaliado todos os anos
pelos seus superiores por meio de procedimentos claros e conhecidos por todos.

667 - A Lei 101 de 2000, conhecida como Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), estabeleceu
normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal, estabelecendo,
entre outras, normas para execução orçamentária e cumprimento de metas. Considerando que
haja limitação de empenho, a recomposição das dotações cujos empenhos foram limitados dar-
se-á de forma proporcional às reduções efetivadas. Por intermédio do SIAFI, seu principal
instrumento de gestão, a Secretaria do Tesouro Nacional realiza o acompanhamento e o
controle de toda a execução orçamentária e financeira do governo federal.

668 - No que concerne ao pensamento de Max Weber, O patrimonialismo normal inibe a


economia racional não apenas por sua política financeira, mas também por peculiaridades de
sua administração, entre as quais se pode citar a ausência típica de um quadro de funcionários
com qualificação profissional formal.

669 - A respeito da cultura organizacional, as repartições públicas são organizações


caracterizadas pela cultura mecanicista, típica de um funcionamento sempre igual e sujeitas a
regras estritas. É a cultura adequada a condições instáveis, a ambientes com os quais a
organização não tem familiaridade, nas quais a natureza cooperativa do conhecimento é mais
importante que a especialização. O chamado balanced scorecard é uma ferramenta de gestão
estratégica que trata de estabelecer um equilíbrio entre as várias perspectivas de uma
organização. Com relação a balanced scorecard, Do ponto de vista da dimensão dos
processos internos, dois indicadores importantes das operações de balanced scorecard são o
tempo de sua realização e a segurança do processo.

670 - Para estimar os valores de licitações para compras ou para avaliar a compatibilidade dos
valores a serem contratados, os gestores podem consultar o módulo denominado sistema de
preços praticados, que registra os valores praticados nos processos de contratações
governamentais. Tendo como foco a transição do Estado provedor para o regulador, A
contrapartida da esperada redução dos dispêndios públicos resultante das privatizações é o
aumento dos custos sociais decorrentes da regulação, mediante transferência para o setor
privado de custos até então suportados pelo governo, o que exigirá maior rigor na aferição de
seus benefícios.
671 - A respeito da organização da administração pública direta e indireta. Na estrutura dos
entes políticos, os órgãos estão estruturados a partir de critérios de hierarquia. Contudo, há
órgãos independentes, que não se subordinam a qualquer outro, devendo, apenas, obediência
às leis. É o caso da presidência da República, na estrutura do Poder Executivo federal, e dos
gabinetes dos governadores, na estrutura do Poder Executivo estadual. A respeito da
discricionariedade administrativa, como prerrogativa do agente público e do seu controle pelo
Poder Judiciário, não só a escolha do ato a ser praticado, como também a escolha do melhor
momento para praticá-lo, revela hipótese de discricionariedade da administração.

672 - Entre os princípios orçamentários, há o denominado princípio da unidade, Cada ente


federativo deve aprovar uma única lei orçamentária. De acordo com as teorias da liderança, os
líderes podem ser agrupados em três estilos diferentes. Corresponde ao comportamento típico
de um líder de estilo liberal. Tanto a divisão das tarefas como a escolha dos colegas ficarem
por conta do grupo, sem a participação do líder.

673 - Acerca de novas tecnologias gerenciais Os departamentos tendem a desaparecer


quando empregado O conceito de reengenharia, que direciona as características
organizacionais para os processos.

674 - Investimentos são despesas orçamentárias com planejamento e execução de obras,


incluindo aquisição de imóveis considerados necessários à realização dessas últimas, e com
aquisição e instalações de equipamentos e material permanente. Receita originária são
receitas resultantes das vendas de produtos ou serviços colocados à disposição dos usuários
ou da cessão remunerada de bens e valores. Contribuições de intervenção no domínio
econômico são contribuições que derivam da contraprestação à atuação estatal exercida em
favor de determinado grupo ou coletividade. Despesas orçamentárias correntes são despesas
que não contribuem, diretamente, para a formação ou a aquisição de um bem de capital.

675 - As peculiaridades do processo de elaboração e execução orçamentária no Brasil incluem


o contingenciamento das dotações orçamentárias.

676 - Todas as decisões relativas à divisão do trabalho, responsabilidades e autoridade


resumem-se na estrutura organizacional, representada no organograma. As organizações de
projetos, que são atividades temporárias, estão alojadas dentro da organização funcional. Os
sistemas tradicionais de avaliação e controle dos resultados da organização têm a tendência de
enfatizar o resultado financeiro final.

677 - As deficiências dos sistemas tradicionais e os desafios que as organizações passaram a


enfrentar criaram a necessidade de sistemas de controle que pudessem dar uma visão de
conjunto das diferentes dimensões do desempenho. Uma das ferramentas para isso é o
chamado balanced scorecard, que focaliza quatro dimensões (perspectivas) importantes do
desempenho da organização, que se desdobram em medidas específicas, que podem dividir-
se em indicadores. Desse modo, a pergunta “em que processos precisamos ser eficientes?”
corresponde à perspectiva interna do BSC.

678 - Com relação aos crimes contra o patrimônio, é circunstância que qualifica o crime de furto
a prática do delito mediante o concurso de duas ou mais pessoas. No que se refere à
administração pública, No crime de prevaricação, a satisfação de interesse ou sentimento
pessoal, que motiva a prática do crime, é elementar do tipo. No crime de falso testemunho, o
fato deixa de ser punível se, antes da sentença no processo em que ocorreu o ilícito, o agente
se retrata ou declara a verdade. Acerca dos crimes contra a ordem tributária, não contém
circunstância que agrava a pena do crime de supressão ou redução de tributo, ser o crime
praticado para satisfazer interesse pessoal. Acerca da ação penal pública, Seja qual for o
crime, quando praticado em detrimento do patrimônio ou interesse da União, estado ou
município, a ação penal será pública. Com relação à ação penal privada, a queixa contra
qualquer dos autores do crime obrigará ao processo de todos, e o MP velará pela sua
indivisibilidade. Nos processos dos crimes de responsabilidade dos funcionários públicos,
estando a denúncia em devida forma, o juiz determinará sua autuação e ordenará a notificação
do acusado, para responder por escrito, dentro do prazo de quinze dias.
679 - Acerca do controle interno e externo da administração pública federal: A avaliação do
cumprimento das metas previstas no plano plurianual inclui-se entre as finalidades do sistema
de controle interno do Poder Executivo federal. O TCU deve julgar como regulares as tomadas
ou prestações de contas, quando expressarem, de forma clara e objetiva, a exatidão dos
demonstrativos contábeis, a legalidade, a legitimidade e a economicidade dos atos de gestão
do responsável.

680 - Com relação a convergências e divergências entre a gestão pública e a gestão privada,
Mesmo com a seleção de pessoal realizada por meio de concurso público, o gestor público
pode utilizar-se dos mesmos instrumentos de recrutamento e seleção utilizados no setor
privado, com o objetivo de melhor distribuir a força de trabalho disponível. Embora muitos
princípios aplicados na modernização da administração pública sejam oriundos de modelos
típicos da gestão privada, esta continua, de forma geral, visando ao lucro, enquanto a gestão
pública tem por objetivo cumprir sua função social e atender ao interesse público. Relativos à
gestão de recursos humanos O uso adequado da avaliação de desempenho inclui o
fornecimento de feedback ao funcionário, de forma a destacar os aspectos positivos de seu
desempenho e motivar o seu desenvolvimento em áreas em que melhorias sejam necessárias.

681 - O uso da tecnologia da informação possibilita não apenas a automação de atividades


básicas da gestão de recursos humanos, como folha de pagamentos, mas também o
armazenamento e a análise de dados utilizados no planejamento e na tomada de decisão em
recursos humanos. Acerca da gestão de projetos: Sob a ótica do planejamento da qualidade
em projetos, as especificações funcionais devem traduzir as necessidades e expectativas do
cliente em relação ao desempenho esperado para o produto. A satisfação do cliente é um dos
critérios mais importantes para a avaliação do resultado de um projeto.

682 - Acerca da administração de contratos administrativos Diferentemente do que acontece


nos contratos privados, no contrato administrativo uma das partes possui a prerrogativa de
modificação unilateral do contrato, desde que respeitados os direitos do contratado e mantido o
equilíbrio econômico-financeiro. A partir dos anos 80 do século passado, com a quebra dos
principais paradigmas pertinentes à gestão pública, temas que anteriormente eram discutidos e
aplicados apenas no contexto das organizações privadas passaram a fazer parte do
vocabulário da administração pública, dando início à gestão pública moderna. O Estado
brasileiro não pode ficar indiferente à evolução dos usuários que desejam, além de serviços
mais corteses e soluções gerais válidas para todos, serviços adaptados aos seus problemas.
Os governos tradicionalmente burocráticos preocupam-se muito mais com a captação de
recursos do que com o resultado eficaz dos programas e ações desenvolvidos. A gestão
pública moderna e coerente, à semelhança do setor privado, deve fazer uso de planos de
carreira individuais previsíveis, cujo potencial de cada servidor seja avaliado todos os anos
pelos seus superiores por meio de procedimentos claros e conhecidos por todos.

683 - Acerca das funções dos órgãos de recursos humanos Embora esteja acompanhada de
críticas veementes, a remuneração variável baseada no desempenho ocupa lugar de destaque
no modelo de administração gerencial. A respeito do desenvolvimento e da capacitação de
recursos humanos: A eficácia do treinamento não depende somente da correta identificação de
necessidades e do adequado planejamento, mas envolve também outros fatores, como as
características da clientela. Entre as variáveis que podem explicar o sucesso dos participantes
em treinamentos de diferentes domínios e atividades, pode-se destacar a auto-eficácia, que se
refere à auto-avaliação do indivíduo acerca de suas capacidades para obter sucesso em suas
realizações.
684 - Acerca da administração pública, Considere que determinada cidade teve aumento
considerável da criminalidade nos últimos 6 meses. Em decorrência dessa nova realidade, o
governo decidiu aumentar a contribuição financeira para a polícia da localidade. Nessa
situação, é correto afirmar que tal atitude é característica de uma gestão tradicional de governo.
Enquanto a receita das empresas depende dos pagamentos que os clientes fazem livremente
na compra de seus produtos e serviços, a receita do Estado deriva de impostos, ou seja, de
contribuições obrigatórias, sem contrapartida direta. Os clientes-alvo a quem o administrador
público de uma gestão tradicional mais procura satisfazer são aqueles ligados aos Poderes
Legislativo e Executivo, pois é deles que os recursos se originam. Quando um governo
estadual investe na reforma dos holofotes de um campo de futebol para implantar um programa
de esporte destinado a crianças de risco de delinqüência jogarem à noite, tal ação é de cunho
estratégico.

685 - Pratica ato ilícito o servidor público da administração direta ou indireta que nega ou
retarda ato de ofício em conseqüência de requerimento de eleitor cuja finalidade é a de obter
provas para denunciar fatos à corregedoria. Com relação ao Código de Ética Profissional é
vedado ao servidor público receber qualquer tipo de ajuda financeira, gratificação, prêmio,
comissão, doação ou vantagem de qualquer espécie, para o cumprimento da sua missão ou
para, com a mesma finalidade, influenciar outro servidor.

686 - Acerca dos instrumentos e conceitos relativos à gestão organizacional contemporânea As


teorias situacionais abordam a liderança no contexto ambiental em que ela ocorre, levando-se
em conta as características do líder, dos liderados, da tarefa e dos objetivos.

687 - No processo de planejamento estratégico, o diagnóstico externo busca antecipar


oportunidades e ameaças do ambiente, enquanto o diagnóstico interno relaciona essas
dinâmicas ambientais com as forças e as fragilidades da organização, estabelecendo
condições para a formulação de estratégias organizacionais.

688 - De acordo com a Constituição Federal e com a jurisprudência do Supremo Tribunal


Federal (STF): Denúncia por crime comum contra deputado federal ou senador, cometido antes
da respectiva diplomação, poderá ser recebida pelo STF, sem qualquer possibilidade de sua
sustação por iniciativa de partido político ou pelo voto dos membros do Congresso Nacional.

689 - Em relação à organização administrativa da União As sociedades de economia mista têm


natureza jurídica de sociedades anônimas, de modo que são regidas pela Lei das Sociedades
Anônimas (Lei 6.404 de 76), muito embora não se submetam exclusivamente ao regime
jurídico dessa lei.

690 - De algum tempo para cá, os juristas brasileiros passaram a utilizar a expressão “agente
público”, em sentido amplo, para designar as pessoas físicas que exerçam função pública, com
ou sem vínculo empregatício. Não obstante a vedação constitucional à vinculação de
vencimentos dos agentes públicos, seria compatível com a Constituição brasileira uma lei que
fixasse o mesmo valor de remuneração para duas categorias profissionais distintas, desde que
não atrelasse o valor de uma ao da outra.

691 - O poder de polícia administrativa difere da atividade da polícia judiciária porque não é
exercido em razão do cometimento de crimes. O poder de polícia administrativa pode atuar não
só com a finalidade preventiva, mas também repressiva, e podem incidir sobre bens, direitos e
atividades. O poder de autotutela da administração pública constitui uma forma de controle
interno de seus atos e fundamenta-se no princípio da legalidade; trata-se de manifestação do
chamado controle administrativo. Os recursos administrativos, com ou sem efeito suspensivo,
também são forma de controle administrativo. O ambiente contemporâneo exige instituições
extremamente flexíveis, adaptáveis e que respondam às necessidades dos clientes. A
promoção da competição, a mudança de foco para os resultados e a descentralização de
autoridade são algumas características de um governo empreendedor. Diferentemente do setor
privado, a maioria dos clientes do setor público é cativa, pois possuem poucas ou nenhuma
alternativa para os serviços oferecidos pelo governo.

692 - A Cultura organizacional refere-se a um sistema de significados partilhados, o qual é


mantido por seus membros e que distingue determinada organização de outras. O processo de
seleção, os critérios de avaliação de desempenho, as atividades de treinamento e
desenvolvimento de carreira e os procedimentos de promoção, entre outros aspectos, mantêm
a cultura viva na organização e asseguram a sua proteção. Entre as formas de transmitir a
cultura para os funcionários encontra-se a linguagem e o aprendizado dessa linguagem
permitindo a integração de todos os profissionais da empresa. E o processo de socialização é
responsável pela manutenção dos valores pautados na cultura organizacional.
693 - Em relação a planejamento e gestão na administração pública, O gerenciamento
estratégico refere-se ao uso da flexibilidade para responder rapidamente aos ambientes
externos à organização pública. Um sistema de controle estratégico deve utilizar a eficiência e
a flexibilidade para se tornar eficaz. A definição de como as tarefas são formalmente divididas,
agrupadas e coordenadas é inerente à estrutura organizacional. Entre as novas tecnologias
gerencias, a qualidade total busca melhorias gradativas enquanto a reengenharia busca dar
saltos quantitativos no desempenho. Enquanto a qualidade total recorre às tomadas de
decisões participativas, de baixo para cima, tanto no planejamento quanto na execução de um
programa, a reengenharia é inicialmente acionada pela alta administração.

694 - Andréa atualmente reside em Brasília, onde ocupa cargo técnico na administração
indireta da União, exercendo função de administradora de recursos humanos. Amanhã, Andréa
será nomeada para cargo técnico de provimento efetivo no TRE, para exercer funções
administrativas na sede do próprio tribunal, cargo no qual ela pretende tomar posse e entrar em
exercício o mais rapidamente possível. Considerando a situação hipotética acima, A posse de
Andréa no cargo do TRE acarretará a vacância do cargo que ela atualmente ocupa na
administração indireta federal.

695 - Estoque é toda porção armazenada de mercadoria, ou seja, aquilo que é reservado para
ser utilizado em tempo oportuno. Tempo de ressuprimento é o tempo gasto desde a verificação
de que o estoque precisa ser reposto até a chegada efetiva do material no almoxarifado da
organização. Esse tempo é composto por: emissão do pedido, preparação do pedido e
transporte. O estoque mínimo é uma quantidade de estoque que, em nível ideal, não deve ser
consumido. No entanto, causas como oscilação no consumo e variação na qualidade quando o
controle de qualidade rejeita um lote podem impor a utilização desse estoque de segurança.
Quanto ao dimensionamento da estocagem de produtos, uma carga constituída de embalagens
de transporte e armazenagem por meios mecânicos é considerada uma unidade.

696 - Em decorrência da racionalidade organizacional, da filosofia e da cultura de uma


organização, surgem as políticas de recursos humanos. Essas políticas podem ser definidas
como regras estabelecidas para governar funções e assegurar que elas sejam desempenhadas
de acordo com os objetivos desejados. Dessa forma, cada organização define sua política de
recursos humanos e a desenvolve conforme sua filosofia e suas necessidades. Em relação aos
subsistemas de políticas de recursos humanos, Uma política de suprimento de recursos
humanos tem como aspectos principais: a fonte de recrutamento, que pode ser interna ou
externa à organização; as técnicas de recrutamento; os critérios de seleção; e a forma como se
pretende integrar os novos participantes no ambiente interno da organização.

697 - A manutenção de um banco de dados capaz de apresentar informações quantitativas e


qualitativas da força de trabalho em uma organização e a definição de critérios da aplicação e
adequação das políticas e dos procedimentos relacionados com recursos humanos da
organização são aspectos que envolvem uma política de monitoração de recursos humanos.
Considerando que um técnico em contabilidade esteja freqüentando um curso de adequação
às novas regras de cálculo do imposto de renda pessoa física e pessoa jurídica, é correto
afirmar que ele está sendo treinado.

698 - Quanto aos sistemas de controle externo, Tendo em conta o momento no qual a atividade
de controle se realiza, o controle externo, analogamente ao que ocorre com o controle de
constitucionalidade, pode ser classificado em prévio (a priori) ou posterior (a posteriori). No
âmbito do direito brasileiro, embora o controle de constitucionalidade seja realizado
eminentemente por parte do Poder Judiciário, o TCU pode, no exercício de suas competências,
reconhecer a incompatibilidade de uma norma jurídica com a Constituição.

699 - Considerando controle externo como aquele realizado por órgão não-pertencente à
estrutura do produtor do ato a ser controlado, é correto afirmar que, no Brasil, o TCU não é o
único componente do poder público encarregado daquela modalidade de controle. Em relação
às regras constitucionais sobre o controle externo, Nos termos da Constituição da República,
pode o TCU, em certos casos, apreciar elementos de discricionariedade envolvidos nos atos da
administração pública e aspectos ligados à gestão das respectivas entidades e ao desempenho
das funções destas; não precisa sempre ater-se unicamente à conformidade desses atos com
as normas jurídicas aplicáveis, sob o prisma da legalidade.

700 - Pode o TCU constituir título executivo contra empresa privada? Juridicamente, é possível
ao TCU tomar contas de sociedade comercial estrangeira, em certas situações.

701 - A respeito das funções, da natureza jurídica e da eficácia das decisões dos tribunais de
contas: De acordo com a doutrina, a condenação de gestor público por parte do TCU constitui
título executivo de natureza judicial, por força da competência conferida pela Constituição
àquele órgão, para julgar contas de pessoas responsáveis por dinheiro público.

702 - A motivação é considerada um dos principais temas do campo de estudo do


comportamento organizacional, além de ser fator de extrema importância na busca dos
objetivos organizacionais. A dinâmica da motivação está relacionada às imagens que os
administradores têm das pessoas.

703 - McGregor, de acordo com a teoria X, apresenta uma visão negativa da natureza humana.

704 - Existe um desacordo quanto à questão da participação entre a administração por


objetivos e a teoria de determinação de metas. Enquanto a administração por objetivos defende
como fundamental a determinação participativa de metas, a teoria de determinação de metas
defende que a designação de metas para os empregados provoca o mesmo efeito.

704 - Poucos temas do comportamento organizacional têm gerado tanto debate como a
liderança. Algumas variáveis situacionais básicas influenciam a favorabilidade de uma situação,
ou seja, permitem que o líder exerça influência sobre um determinado grupo. Exemplos desse
tipo de variável são as relações entre o líder e os membros do grupo e a posição de poder do
líder.

705 - No que se refere à estrutura organizacional, As estruturas inovativas, como a


departamentalização por projetos, diferentemente das estruturas tradicionais, como a funcional,
possuem como características básicas o baixo nível de formalização e a elevada diversificação.

706 - O planejamento e o controle são duas das principais funções gerenciais, além de serem a
base de qualquer desenvolvimento que uma organização pretenda implementar. Nesse
sentido, No processo de planejamento estratégico, o diagnóstico ocupa um papel de suma
importância e tem, entre seus objetivos principais, além da análise do ambiente interno, a
análise externa da empresa, apresentando as oportunidades e as ameaças relacionadas ao
ambiente externo. Os sistemas de controle de desempenho podem assinalar quando o
desempenho de uma unidade está se deteriorando e em termos motivacionais, podem ser
utilizados para provocar melhores desempenhos.

707 - O planejamento para ação impõe decisões específicas e ações para serem levadas a
efeito em um determinado momento, enquanto o controle de desempenho impõe padrões de
desempenho por um período de tempo, sem referência a ações específicas. Uma das
principais abordagens de planejamento é a APO, administração por objetivos, que tem as
seguintes características: cada objetivo tem um período de tempo específico, os objetivos são
determinados participativamente e existe um feedback contínuo de desempenho. A respeito
dos processos organizacionais, como a comunicação e a direção, o padrão cadeia de
comunicação segue rigidamente a cadeia formal do comando. Na proporção em que o trabalho
organizacional se torna mais complexo, a coordenação parece ser mais facilitada pela
padronização de processos de trabalho que pela supervisão simples. Relativos a organização
e métodos A adoção de novos processos em substituição aos até então existentes é uma das
características da reengenharia. Os programas de qualidade total têm o cliente como foco
principal.

708 - Na gestão de materiais no setor público, existem normativos que versam sobre o
recebimento, a estocagem, a distribuição, o registro e o inventário de matérias-primas e
mercadorias recebidas. O material que apenas depende de conferências com os termos do
pedido do documento de entrega será recebido e aceito pelo encarregado do almoxarifado ou
por servidor designado para esse fim. Se o material depender, também, de exame qualitativo, o
encarregado do almoxarifado, ou servidor designado, indicará essa condição no documento de
entrega do fornecedor e solicitará ao departamento de administração ou à unidade equivalente
esse exame, para a respectiva aceitação.

709 - Carga é a efetiva responsabilidade pela guarda e uso de material pelo seu consignatário,
sendo que o material somente assim será considerado, no almoxarifado, após o cumprimento
das formalidades de recebimento e aceitação. Toda movimentação de entrada e saída de
carga deve ser objeto de registro, quer trate de material de consumo nos almoxarifados, quer
trate de equipamentos ou material permanente em uso pelo setor competente. Em ambos os
casos, a ocorrência de tais registros está condicionada à apresentação de documentos que os
justifiquem.

710 - A supervisão e o controle da distribuição racional do material requisitado são de


competência do departamento de administração ou de unidade equivalente, devendo obedecer
aos critérios de consumo médio de cada setor da unidade, com a finalidade de evitar, sempre
que possível, a demanda reprimida e a conseqüente ruptura de estoque.

711 - Acerca de liderança e considerando que, em ambientes altamente competitivos, as


organizações se preocupam continuamente em identificar e desenvolver líderes que possam
potencializar o desempenho dos colaboradores O líder transformacional busca inspirar as
pessoas na organização para o alcance dos objetivos organizacionais.

712 - A respeito da função do planejamento um dos principais elementos do planejamento


estratégico é o diagnóstico, etapa na qual se definem, entre outros pontos, as oportunidades e
ameaças que podem ser levantadas a partir de aspectos relacionados aos consumidores, ao
governo e aos concorrentes. Para a implementação eficaz do planejamento, é essencial que se
definam as prioridades das ações. Estimular o planejamento eficaz e melhorar a comunicação
são algumas das vantagens da utilização do CPM e do PERT.

713 - Quanto a aspectos específicos da organização e à avaliação de desempenho Na


estrutura funcional, a especialização pode diminuir a preocupação dos membros da
organização com os resultados. A estrutura por projetos tende a prestar melhor atendimento ao
cliente que a estrutura funcional, além de possibilitar maior satisfação dos técnicos e integrar
várias áreas da organização. Agrupar posições e unidades é fundamental para o processo de
coordenação nas organizações, já que permite compartilhar recursos comuns e criar medidas
comuns de desempenho.

714 - Os subsistemas de gestão de pessoas em uma organização envolvem o processo de


provisão, de aplicação, de manutenção, de desenvolvimento e de monitoração de pessoas.
Tais subsistemas formam um processo global e dinâmico por meio do qual as pessoas são
captadas e atraídas, aplicadas em suas tarefas, mantidas na organização, desenvolvidas e
monitorizadas pela organização. O processo de provisão está relacionado com o suprimento de
pessoas para a organização e, para tal, envolve todas as atividades relacionadas com pesquisa
de mercado, recrutamento e seleção de pessoas bem como a integração dessas às tarefas
organizacionais. Em um processo de seleção ideal, o nível de qualificação do candidato deve
ser compatível com as especificações do cargo

715 - Quanto aos conceitos relacionados com o planejamento e o controle da produção (PCP):
O controle da produção é função da administração relacionada com o planejamento, a direção
e o controle do suprimento de materiais e das atividades de processo em uma empresa. O
planejamento é o processo de decisão sobre ações futuras de uma empresa. À direção cabe a
emissão de ordens, ou seja, dar instruções àqueles que devem trabalhar de acordo com o
plano; ao controle cabe comparar o resultado real com o planejado e informar quais as
variações verificadas àqueles que estão em condição de empreender ações corretivas.

716 - A realização do PCP é feita de modo hierarquizado: começa pela definição de um


objetivo e de uma política geral; em seguida, elabora o esboço de um plano em unidades
maiores e, enfim, em uma sucessão de níveis de planejamento, entra gradualmente em mais
detalhes. O planejamento da produção é a chave para a comunicação do sistema PCP com a
alta direção e demais departamentos da empresa, pois provê os dados de entrada para a
produção e determina as regras de produção de acordo com os objetivos estratégicos da
empresa. O planejamento agregado da produção é a ligação da gestão de produção e
inventários às decisões de planejamento de outras áreas funcionais da empresa, como a de
vendas e a financeira.

717 - Acerca de sistemas de gerenciamento de processos: Processo é uma ordenação


específica das atividades de trabalho no tempo e no espaço, com um começo e um fim
identificados, assim como as entradas e as saídas. Um processo pode ser definido como
conjunto de ações ou atividades, executadas por agentes com o objetivo de alcançar
determinado propósito. A análise de valor do processo de uma organização, cujo maior
propósito é auxiliar a tarefa de gerenciamento de produção, indica os pontos-chave nos quais a
empresa deve se concentrar para corrigir uma possível falha.

718 - Acerca da dinâmica das organizações percebe-se a cultura de uma organização


identificando como os membros se vestem e se tratam mutuamente, como os clientes e
fornecedores são tratados e como se dão as relações entre chefes e subordinados.

719 - Motivação consiste em forças que impulsionam e sustentam os esforços de uma pessoa
à realização de algo. Nesse sentido, o empowerment se caracteriza como uma prática
motivacional. Se um empregado se sente desmotivado em função das características do cargo
que ocupa, então, o rodízio, a expansão e o enriquecimento do cargo são práticas
motivacionais capazes de solucionar o problema.

720 - Considere que um diretor de uma organização deva decidir acerca da construção ou
aluguel de um novo depósito de mercadorias para a organização, mas não dispõe de todas as
informações a respeito dos possíveis impactos que a atual crise financeira internacional pode
provocar nos negócios. Nesse caso, o processo decisório desse diretor tem a incerteza como
uma característica.

721 - Considere que um diretor opte pela utilização de um grupo de empregados na tomada de
decisão, acerca de assunto crucial para a organização. Nesse caso, sua opção trará como
vantagens ter mais informações, mais pontos de vista a respeito do assunto e maior
comprometimento com a decisão tomada.

722 - Diz-se que há descentralização quando ocorre transferência de atividades de uma


unidade organizacional para outras unidades a ela subordinadas, com a conseqüente alteração
dos regimentos internos da organização.

723 - Acerca do processo grupal nas organizações, Emissor, receptor, mensagem, canal e
ruído são elementos do processo de comunicação nas organizações. Um grupo de pessoas
com problemas de relacionamento, em que uma não se envolve na tarefa da outra, mas cada
uma desempenha suas tarefas da melhor maneira possível, com empenho e determinação
para cumprir a sua meta específica, não constitui uma equipe de trabalho, mas apenas um
grupo de trabalho.

724 - A reengenharia organizacional visa adequar processos organizacionais com o objetivo


principal de reduzir custos de produção. Durante a Segunda Guerra Mundial, certo de que o
controle estatístico constituía algo essencial para a melhoria dos processos empresariais,
Deming colocou em prática suas idéias na indústria bélica, provando suas hipóteses.
Entretanto, após a guerra, os norte-americanos abandonaram a postura inovadora, em prol do
retorno às antigas técnicas gerenciais. Diversamente, os japoneses, sob a influência de
Deming, compreenderam a importância da nova metodologia e alcançaram resultados
fantásticos. Deming defendeu que o sucesso organizacional na busca da qualidade deveria
passar por abandonar a compra de insumos com base apenas no critério de preço. A
eliminação de barreiras criadas em função de metas conflitantes entre unidades
organizacionais é um dos princípios de Deming.

725 - Considere que a gerência de uma unidade solicite ao supervisor que apresente,
graficamente, a quantidade de erros cometidos pelos digitadores, da seguinte forma: até 10
erros, de 11 a 20 erros, de 21 a 30 erros, de 31 a 40 erros. Nesse caso, o histograma é
adequado para atender à solicitação da gerência.

726 - Planejamento pode ser definido como o processo consciente e sistemático de tomar
decisões relacionadas a objetivos que uma organização pretende atingir. Os objetivos de longo
prazo, relacionados ao cumprimento da missão e alcance da visão organizacional e que
envolvem toda a organização são definidos no planejamento estratégico. Entre os tipos de
planejamento, o planejamento operacional é o que apresenta menor alcance em termos de
tempo e menor foco em termos de atividades organizacionais.

727 - Apesar de auxiliar o Poder Legislativo, o TCU não integra o poder legislativo, sendo
considerado órgão independente. A conduta do administrador público, em desrespeito ao
princípio da moralidade administrativa, enquadra-se nos denominados atos de improbidade
administrativa. O princípio da impessoalidade prevê que o administrador público deve buscar,
por suas ações, sempre o interesse público, evitando deste modo a subjetividade. A Lei da
improbidade administrativa cuida dos atos de improbidade praticados por agentes públicos
contra o Poder Público na esfera federal. Mesmo que não importe em enriquecimento ilícito ou
não cause prejuízo ao erário, poderá um ato administrativo ser considerado ato de improbidade
administrativa. A perda da função pública e a suspensão dos direitos políticos só se efetivam
com o trânsito em julgado da sentença condenatória. As ações civis de ressarcimento ao erário
são imprescritíveis. Podem acarretar a suspensão dos direitos políticos pelo prazo de oito a dez
anos, os atos de improbidade administrativa que importem em enriquecimento ilícito. O objeto
da ação de improbidade administrativa é a punição do agente e não a anulação do contrato.

728 - Acerca dos servidores públicos: As vagas destinadas a deficientes, de acordo com o
edital, poderão tanto não se comunicar com as vagas gerais, como também serem previstas
para reversão, caso não se tenha deficientes aprovados em número suficientes ao de vagas
destinadas para tal. No caso da reserva de vagas para portadores de deficiência, não existe
afronta ao princípio da isonomia.

729 - A fixação do subsídio dos ministros de Estado é da competência exclusiva do Congresso


Nacional, não sujeita a sanção ou veto do presidente da República. A respeito da
responsabilidade civil da administração pública Se o agente público agiu com dolo ou culpa,
dando causa ao dano indenizável, fica assegurado o direito de regresso da administração
contra o funcionário causador do dano.

730 - Com relação ao controle da administração pública, É um exemplo de controle prévio, a


autorização do Senado Federal, necessária para que a União, estados, Distrito Federal e
municípios possam contrair empréstimos externos.

731 - A respeito de licitações: o edital de convocação da licitação vincula tanto os licitantes


como a administração pública. A documentação para habilitação poderá ser dispensada, no
todo ou em parte, nos casos de convite, concurso, fornecimento de bens para pronta entrega e
leilão. É vedada a utilização da modalidade convite e tomada de preços, para parcelas de uma
mesma obra e serviços da mesma natureza e no mesmo local desde que possam ser
realizadas conjunta e concomitantemente, sempre que o somatório de seus valores
caracterizarem o caso de tomada de preços ou concorrência, respectivamente, exceto para as
parcelas de natureza específica que possam ser executadas por pessoas ou empresas de
especialidade diversa daquela do executor da obra ou serviço.

732 - A presente administração do governo federal brasileiro estabeleceu entre seus objetivos a
construção de um Estado ágil, transparente, eficiente e eficaz, voltado para as necessidades e
expectativas do cidadão. A respeito do que se pretende desenvolver para atingir esse objetivo,
o projeto Comunidade Brasil, voltado à inclusão digital em comunidades com alto índice de
exclusão social, contemplará a participação ativa de órgãos dos governos federal, estadual,
municipal, da iniciativa privada e do terceiro setor. O foco será a implantação de telecentros
que promovam a alfabetização digital e o acesso à Internet. A gestão desse projeto deverá ficar
sob a responsabilidade de organizações do terceiro setor integradas por representantes das
comunidades atendidas.
733 - A Lei 8.429 de 92 dispõe acerca das sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos
de enriquecimento ilícito no exercício de mandato, cargo, emprego ou função na administração
pública direta, indireta ou fundacional e dá outras providências. Essa norma legal destaca
situações que notadamente constituem atos de improbidade administrativa que atentam contra
os princípios da administração pública. Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de
ofício. Frustrar a licitude de concurso público. Frustrar a licitude de processo licitatório ou
dispensá-lo indevidamente. Agir negligentemente na arrecadação de tributo ou renda, bem
como no que diz respeito à conservação do patrimônio público. Liberar verba pública sem a
estrita observância das normas relativas à gestão de recursos humanos.

734 - Formas de remuneração direta e indireta normalmente fazem parte da política de


manutenção dos recursos humanos de uma organização. Os sistemas de informação de
recursos humanos constituem meios e veículos de informação adequados para subsidiar a
tomada de decisão sobre recursos humanos. Antes de iniciar um processo de recrutamento e
seleção, deve-se realizar o levantamento das necessidades de recursos humanos da
organização. A promoção do desenvolvimento de recursos humanos e o incentivo à
aprendizagem organizacional prejudicam o raciocínio criativo e a capacidade de inovação do
funcionário.

735 - O controle de qualidade deve garantir não apenas a ausência de defeitos no produto,
mas, também, que ele atenda às necessidades do cliente. A qualidade de conformação refere-
se à medida de fidelidade com que o produto fabricado atende às especificações do projeto.

736 - Acerca da administração financeira, a análise, o planejamento e o controle financeiro são


atividades típicas de um gestor financeiro. Na decisão de investimento, deve-se levar em conta
a relação entre o risco e o retorno dos ativos considerados para a aplicação. Acerca do
planejamento estratégico, A análise das situações interna e externa da organização faz parte
do seu diagnóstico estratégico. Acerca da gestão de projetos, o gerente do projeto é o
responsável direto pelo padrão de qualidade do produto final e pelo cumprimento do prazo e do
orçamento do projeto. Acerca da administração de recursos humanos uma das estratégias
modernas da gestão de recursos humanos refere-se à construção do capital humano, termo
que representa o valor do conhecimento, das experiências, das habilidades e das capacidades
dos funcionários.

737 - A gestão de desempenho deve incluir políticas de avaliação, monitoramento, treinamento


e capacitação dos funcionários. Entre as vantagens do recrutamento interno, estão incentivos
do compromisso com a organização e a promoção do desenvolvimento e da motivação dos
funcionários em decorrência das oportunidades que lhes são oferecidas. A elaboração de um
plano de cargos e salários deve levar em consideração a complexidade das atividades. A
realização de treinamento é uma das principais atividades relacionadas ao desenvolvimento
dos recursos humanos de uma organização.

738 - A cultura de uma organização engloba tanto aspectos visíveis, como uniformes, símbolos
e slogans, quanto valores profundos, relacionados aos entendimentos compartilhados pelos
membros dessa organização. Relativos às práticas e aos conceitos da administração
mercadológica. A divisão do mercado em regiões constitui uma base de segmentação por
características geográficas. A gestão do relacionamento com o cliente pressupõe a qualidade
dos produtos fornecidos e sua adequação às necessidades do cliente, além da presteza, do
interesse, da rapidez, da simpatia e da flexibilidade no atendimento prestado.

739 - No âmbito das estratégias de marketing, as ações de responsabilidade social contribuem


para melhorar a imagem da empresa e de seus produtos perante as comunidades e os
mercados em que atuam. O comércio eletrônico refere-se às trocas comerciais realizadas por
meio da utilização de recursos de informática, normalmente no âmbito da Internet. O controle e
a administração das vendas devem fornecer subsídios para a adequada gestão de estoques da
organização.

740 - Acerca da administração da produção e de materiais. No âmbito da gestão da produção,


o estoque de produtos acabados é composto por itens que tiveram seu processo produtivo
concluído, mas ainda não foram vendidos. O planejamento da produção engloba a realização
de ações inter-relacionadas que têm por objetivo direcionar o processo produtivo da empresa e
coordená-lo com os objetivos dos clientes. A escolha das técnicas e dos procedimentos
destinados à segurança e à prevenção de acidentes deve levar em conta as condições de
trabalho, o ramo de atividade, o tamanho e o arranjo físico da empresa.

741 - Um dos pressupostos básicos da gestão da cadeia de suprimentos (supply chain


management) é o de que a gestão deve abranger toda a cadeia produtiva da organização,
incluindo a relação da empresa com seus fornecedores e clientes. Com base na doutrina e nas
legislações orçamentária e financeira públicas: A adoção do orçamento moderno está
associada à concepção do modelo de Estado que, desde antes do final do século 19 deixa de
caracterizar-se por mera postura de neutralidade, própria do laissez-faire, e passa a ser mais
intervencionista, no sentido de corrigir as imperfeições do mercado e promover o
desenvolvimento econômico.

742 - Tem-se observado, no Brasil, que o calendário das matérias orçamentárias e a falta de
rigor no cumprimento dos prazos comprometem a integração entre planos plurianuais e leis
orçamentárias anuais. O orçamento-programa constitui modalidade de orçamento em que a
previsão dos recursos financeiros e sua destinação decorrem da elaboração de um plano
completo. Para alguns autores, o orçamento-programa distingue-se do orçamento comum,
tradicional, porque este inicia-se com a previsão de recursos para a execução de atividades
instituídas. Já, no orçamento-programa, a previsão da receita é a etapa final do planejamento.
O orçamento-programa, como atualmente concebido, é instrumento do planejamento e, desse
modo, tem de integrar-se aos planos e programas governamentais. A esse propósito, uma das
condições para a aprovação de emendas aos projetos de lei do orçamento anual e de suas
alterações é a de que sejam compatíveis com o Plano Plurianual e com a Lei de Diretrizes
Orçamentárias.

743 - Receitas imobiliárias e de valores mobiliários constituem receita patrimonial, que se


classifica como receita corrente, para qualquer esfera da administração. A forma de execução
de determinado programa condiciona a classificação da despesa por categoria econômica. Por
exemplo, se o ente público oferece diretamente programas de alfabetização, haverá
predominância de despesas correntes, com pessoal e encargos; se esses serviços forem
terceirizados, haverá também predominância de despesas correntes, só que com serviços de
terceiros. Na instalação de um órgão público recentemente criado, para que haja contribuição
do setor público para a formação do Produto Interno Bruto, deve-se optar pela construção de
um prédio, em vez de, simplesmente, adquirir um imóvel já construído.

744 - Com base nos conceitos gerais e aplicações específicas, e à luz da doutrina e da
legislação relativas à administração de recursos humanos: Na era da informação, é crescente a
importância do capital intelectual da organização, no qual se insere o denominado capital
humano, constituído com os talentos, as competências, a experiência das pessoas. Enquanto o
capital físico se desgasta, se deteriora, o conhecimento se valoriza e se sedimenta a cada dia.
No enfoque comportamental na administração, de acordo com a teoria da expectativa, acredita-
se que o esforço produz o desempenho e este, o resultado, aos quais as pessoas atribuem
valores. Desse modo, a motivação estaria assim representada: motivação é igual à expectativa
vezes o valor atribuído ao resultado.

745 - Uma das principais funções da cultura organizacional é regular as relações entre os
membros da organização. A cultura define a tendência à solidariedade e ao associativismo, em
contraposição ao individualismo e ao alheamento em relação aos interesses coletivos,
diferenciando as organizações e as sociedades. Nos tempos atuais, a ênfase na gestão de
pessoas se deslocou do controle, da padronização, da rotinização, para o estímulo ao
envolvimento e ao desenvolvimento dessas pessoas. A falta de atenção às práticas da gestão
de pessoas é um grande problema para implementação da gestão pela qualidade.

746 - Uma das desvantagens do recrutamento interno é conhecida como o princípio de Peter:
se administrado incorretamente, leva a organização a promover continuamente seus
empregados ou servidores, elevando-os até a posição ou função em que demonstram o
máximo de sua incompetência. As avaliações de desempenho possibilitam a aferição da
eficácia das funções do setor de pessoal de uma organização. Permitem aos administradores
avaliar, entre outros aspectos, a adequação das políticas de recrutamento e seleção, a validade
das atividades de treinamento e aperfeiçoamento, e a justeza das decisões sobre promoções e
transferências.

747 - O método da escolha forçada é um dos métodos tradicionais de avaliação do


desempenho. Tem entre suas vantagens o fato de proporcionar resultados confiáveis e isentos
de influências subjetivas e pessoais o que elimina o efeito da generalização. Além disso, é de
aplicação simples, que não exige preparo prévio dos avaliadores.

748 - Uma vantagem do treinamento de integração à organização é a redução no número de


demissões ou de ações corretivas, em razão do conhecimento das normas e dos regulamentos
relacionados à organização e dos conseqüentes conflitos e sanções resultantes de sua
inobservância.

749 - Considerando-se que o retorno de capital decorre da combinação entre rentabilidade das
vendas e giro do capital, a situação ideal para a administração de estoques seria diminuir o
ativo, mantendo-se as vendas constantes. Comparando-se os sistemas just in time com o
tradicional, aqueles envolvem ciclos curtos de produção e requerem flexibilidade para promover
alterações de produtos; a indústria tradicional, ao contrário, sempre se beneficiou das
economias de escala garantidas pelos longos ciclos.

750 - Com relação aos conceitos e aplicações gerais da administração: Na visão de Mintzberg,
a organização empresarial é o tipo mais simples de organização, muito centralizada em torno
de seu fundador ou controlador. Muitas organizações passam por esse estágio e, sem um
grande crescimento, permanecem nele. São mais apreciadas por quem aspira a um acesso
direto com o chefe e proximidade com a missão.

751 - As funções administrativas, quando consideradas um todo integrado, formam o processo


administrativo. O planejamento, a primeira dessas funções, define os objetivos e os planos para
alcançá-las. Os orçamentos são os planos relacionados com os recursos financeiros a serem
obtidos e utilizados.

752 - Atribuir uma função quase-judicial às agências reguladoras significa admitir a


competência dessas agências já instituídas, para dirimir conflitos de interesse entre agentes
que prestam serviços controlados pela agência ou entre esses agentes e os usuários.
Autarquias ou fundações públicas podem ser qualificadas como agências executivas mediante
decreto do Poder Executivo. Para tanto, essas entidades devem ter celebrado contrato de
gestão com o respectivo ministro supervisor e ser responsáveis por atividades e serviços
exclusivos do Estado.

753 - Empresas horizontalizadas são aquelas que adotam o modelo administração de


processos. Em tais circunstâncias, representantes dos clientes e fornecedores podem ser
colocados como membros de equipes internas.

754 - O Sistema de Gestão de Contratos (SICON) é um subsistema do Sistema Integrado de


Administração de Serviços Gerais (SIASG), que, entre outras finalidades, visa efetuar o
acompanhamento da execução dos contratos dos órgãos e entidades da administração federal,
em consonância com os respectivos cronogramas físico-financeiros.

755 - Com relação à administração pública e à estrutura administrativa. A competência pública


é obrigatória, irrenunciável, intransferível, imodificável e imprescritível. Todo recurso
administrativo tem, em regra, efeito devolutivo e, excepcionalmente, efeito suspensivo. Com
relação ao disposto acerca de licitação, contratos administrativos e bens públicos: Os rios
públicos são aqueles situados em terrenos públicos, navegáveis ou flutuáveis, os que destes se
façam e os que lhes determinem a navegabilidade ou flutuabilidade.

756 – O contrato administrativo tem vigência condicionada a sua publicação resumida e


geralmente deve coincidir com o decurso de tempo do orçamento, salvo em caso de exceção
legalmente prevista. A pessoa física ou jurídica autora de projeto básico ou executivo
submetido à licitação pode participar direta ou indiretamente da licitação como consultora.
Acerca das figuras da organização administrativa, Diferentemente das empresas públicas, as
sociedades de economia mista devem se inscrever obrigatoriamente na modalidade de
sociedade anônima.

757 - A compreensão da evolução histórica da administração pública no Brasil pode auxiliar o


entendimento da origem de muitos dos processos vivenciados atualmente pela administração
pública no país. Acerca da evolução da administração pública, a valorização do servidor, por
meio do estímulo de sua capacidade empreendedora, sua criatividade e seu comportamento
ético é uma das preocupações do Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado.

758 - A respeito de alguns aspectos gerais da administração pública. Avaliar resultados está na
base do movimento de reforma do setor público e essa avaliação depende da definição da
missão, das metas, dos objetivos e da aferição dos resultados. Imperam na corrente da public
service orientation reflexões que se utilizam de conceitos como accountability, transparência e
participação política. Enquanto, no setor privado, o número de participantes do processo
decisório é mais restrito, no setor público, ele é maior, contribuindo com a maior agilidade do
processo decisório no setor privado que no setor público. Alguns pontos podem ser buscados
para se alcançar uma nova gerência pública, tais como: eliminar da organização tudo aquilo
que não agrega valor a seus serviços, desenvolver novas tecnologias, desenvolver processos
continuados de planejamento e desenvolver programas de capacitação contínua.

759 - A reengenharia e a gestão da qualidade total constituem importantes modelos de gestão


que podem auxiliar no processo de modernização e de desenvolvimento de organizações
públicas, possibilitando, inclusive, o melhor atendimento do cidadão. A organização pública que
se dispuser a implementar a reengenharia deve observar que esse processo, entre outros
aspectos a ele inerentes, exige o efetivo comprometimento da alta cúpula, a utilização de
tecnologias de informação e o investimento em treinamento.

760 - O alcance da qualidade no setor público pode estar relacionado ao fato de os cidadãos
terem sido atendidos em suas necessidades, à redução dos custos da administração pública e
a uma gestão de processos que se desenvolva continuamente. Quanto à administração de
recursos humanos. No contexto da modernização do setor público e da reprodução do espírito
gerencial nesse setor, os funcionários públicos foram freqüentemente os primeiros alvos desse
processo, especialmente nos Estados Unidos da América, em que, por meio do enxugamento,
buscava-se diminuir os custos da máquina pública, alcançando o objetivo de diminuição do
tamanho do Estado.

761 - A gestão estratégica é fundamental no âmbito da modernização da organização do setor


público. Pensar e planejar em termos estratégicos torna-se extremamente relevante para a
administração, que deve, de maneira participativa, definir missão, objetivos gerais, específicos
e estratégias, de modo que a organização possa responder positivamente às demandas da
sociedade. Além da criatividade e da inovação, outro fator que deve ser continuamente
incentivado na administração pública gerencial é o contrato de gestão, que pode ser
considerado um instrumento à disposição de órgãos descentralizados para a realização do
devido controle das organizações.

762 - Em relação às formas históricas de administração pública, a crise do Estado teve início
nos anos 70 do século passado, mas só nos anos 80 se tornou evidente, paralelamente ao
descontrole fiscal, à redução do crescimento econômico, ao aumento do desemprego e aos
elevados índices de inflação. A crise do Estado define-se como crise fiscal, esgotamento da
estratégia estatizante de intervenção e predomínio da administração burocrática. A reforma do
Estado deve ser entendida no contexto da redefinição do seu papel: ele deixa de ser
responsável direto pelo desenvolvimento econômico e social pela via da produção de bens e
serviços, para fortalecer o papel de regulador e promotor desse desenvolvimento.

763 - A administração pública burocrática surgiu para se combaterem a corrupção e o


nepotismo patrimonialista. Na administração pública gerencial, a estratégia volta-se para a
definição dos objetivos que o administrador público deve atingir em sua unidade, para a
garantia da autonomia na gestão de recursos humanos, materiais e financeiros e para o
controle e a cobrança a posteriori de resultados. Dadas as inadequações do modelo
burocrático implantado a partir da década de 30 do século passado, sucessivas tentativas de
reforma foram implantadas, destacando-se o Decreto-Lei 200 de 67 como marco definitivo na
tentativa de superação da rigidez burocrática. No início dos anos 80 do século passado, com a
criação do Ministério da Desburocratização e do Programa Nacional de Desburocratização,
registrou-se uma nova tentativa de reformar o Estado na direção da administração gerencial.
Apesar dos esforços reformadores, um dos custos mais surpreendentes da transição
democrática de 1985 foi o loteamento, entre os políticos dos partidos vitoriosos, de cargos
públicos da administração indireta e das delegacias estaduais dos ministérios.

764 - A respeito de administração pública, os recursos humanos são, em princípio, o aspecto


da administração pública mais vulnerável aos efeitos da crise fiscal e da política de ajuste
fiscal. Aumentar a governança do Estado significa aumentar sua capacidade administrativa de
gerenciar com efetividade e eficiência, voltando-se a ação dos serviços do Estado para o
atendimento ao cidadão. Entende-se como política organizacional a arte de estabelecer
objetivos organizacionais, mediante a interpretação dos interesses e das aspirações da
comunidade organizacional e de seu público cliente, e de orientar a obtenção e a consecução
desses objetivos. Nas próximas décadas, tanto a administração pública quanto a privada
deverão enfrentar os seguintes desafios: sofisticação tecnológica, internacionalização das
relações empresariais e organizacionais, maior visibilidade e necessidade de maior agilidade
no processo decisório.

765 - Entre os 14 princípios de Fayol, incluem-se a divisão do trabalho, a autoridade e a


responsabilidade, a unidade de comando, a equidade e a iniciativa. No que diz respeito às
novas tecnologias gerenciais, à gestão por resultado, à tecnologia da informação e aos
conceitos de análise e avaliação de projetos, uma das metodologias de avaliação de projetos é
o cálculo do valor presente líquido. De acordo com essa metodologia, comparando-se dois
projetos, o de maior VPL é considerado o mais interessante, pois representa a alternativa de
maior valor intrínseco.

766 - A avaliação 360 graus, uma das ferramentas modernas utilizadas na gestão de recursos
humanos, consiste na avaliação de desempenho ampla, envolvendo o colaborador, sua chefia,
seus colaterais e seus subordinados. A taxa interna de retorno (TIR) de um projeto é igual à
taxa de desconto, o que zera seu valor presente líquido.

767 - O maior desafio das organizações de hoje é ter a capacidade de responder eficazmente
às ameaças e às oportunidades impostas pelo ambiente externo, bem como manter o seu
público interno estimulado para vencer os desafios institucionais propostos. As organizações
vêm sofrendo pressões de seus diferentes públicos estratégicos e as relações públicas
aparecem no cenário das organizações para ajudar a construir relacionamentos harmônicos e
duradouros destas com os públicos dos quais depende sua sobrevivência. Para facilitar a
tarefa, elas necessariamente devem influenciar nas políticas, nas estratégias e nas decisões
tomadas nesse sentido. Apesar de serem freqüentemente utilizados como sinônimos, público e
Stakeholders são termos com significados diferentes. Os stakeholders constituem a categoria
das pessoas afetadas pelas decisões de uma organização e (ou) daquelas que afetam as
decisões das empresas.

768 - O plano estratégico de comunicação organizacional tem como proposta básica


estabelecer as grandes diretrizes, orientações e estratégias para a prática da comunicação
integrada nas organizações. Existe um grande sistema emissor, formado por governos (as
estruturas tecnocráticas), políticos e grandes grupos econômicos, que transforma a malha de
comunicação em esteira transmissora do pensamento das elites. O termo público designa um
grupo de pessoas que estão envolvidas em uma dada questão, encontram-se divididas em
suas posições e discutem a respeito do problema.

769 - A transparência ao lidar com os recursos é parte indissociável da boa imagem da


organização, principalmente porque o dinheiro, seja qual for sua fonte, a partir do momento em
que é destinado a uma organização do terceiro setor, passa a ser público. A respeito da atual
organização da administração pública brasileira, segundo a CF. O Instituto Nacional do Seguro
Social é uma das mais importantes entidades da área federal.
770 - Uma empresa pública abriu licitação para a compra de grande quantidade de material
permanente. A concorrente vencedora apresentou certidões falsas, com a conivência do
presidente da comissão de licitação. Contudo, a fraude veio a ser descoberta por meio de
denúncia. Diante desse quadro, o presidente da empresa pública decidiu anular todo o
processo licitatório. A empresa pública é civilmente responsável pelo ressarcimento dos gastos
efetuados pelos demais participantes do processo licitatório frustrado, pois a fraude não se teria
consumado sem a anuência de seu preposto.

771 - Considerando a forma como a administração pública, em todas as esferas de poder, está
organizada, mesmo que sejam por um período previamente determinado, todos aqueles que
exercerem uma função pública, independentemente de sua natureza, são considerados
agentes públicos. Nenhuma situação jurídica pode perdurar no tempo se estiver em confronto
com a CF, sendo fundamental a observância dos princípios constitucionais. A administração
pública, em especial, deve nortear a sua conduta por certos princípios. Na atual CF, estão
expressamente informados os princípios da eficiência, publicidade, impessoalidade e
moralidade.

772 - De acordo com o que dispõe a CF a respeito do Poder Legislativo federal: Embora o
Senado e a Câmara dos Deputados tenham os seus respectivos presidentes, em caso de
urgência ou interesse público relevante, pode o vice-presidente da República, no exercício da
Presidência da República, fazer a convocação do Congresso Nacional para sessão legislativa
extraordinária. A CF trata de forma detalhada da sucessão presidencial, nos casos de vacância
e impedimento do chefe do Poder Executivo. No caso de impedimento concomitante do
presidente e do vice-presidente da República, quem ocupará provisoriamente a Presidência da
República será o presidente da Câmara dos Deputados, e a eleição dos novos chefes da nação
se dará por eleição popular direta, se ambos os cargos tiverem ficado vagos antes de se
completarem dois anos de mandato presidencial.

773 - A reforma gerencial da administração pública brasileira tornou-se fundamental à medida


que o processo de globalização surgiu e influenciou o nível de autonomia dos estados,
principalmente com relação às políticas públicas. A reforma do Estado tem como objetivo tornar
o Estado mais governável, com maior capacidade de governança, de modo a não só garantir a
propriedade e os contratos, como pensado pelos neoliberais, mas também para complementar
o mercado na tarefa de coordenar a economia e promover distribuição de renda mais justa.

774 - O Estado brasileiro tem passado por reformas que o impactam em suas dimensões
estruturais e culturais. Algumas tendências contemporâneas têm possibilitado gerir as
máquinas administrativas dos estados, enfatizando novas estratégias de gestão pública e sua
correlação com a gestão privada. A emissão de certidões negativas pela Internet possibilita o
acompanhamento de uma tendência de atendimento às necessidades dos cidadãos, usuários
do sistema, de menos burocracia e mais comodidade. Assim, sob a ótica das relações de
fornecimento de produtos e serviços, essa ação transforma o cidadão em cliente dos órgãos da
gestão pública, como nas relações de um cliente com uma empresa privada. Os diversos
sistemas do governo federal, que funcionavam isoladamente, passaram a trabalhar de forma
integrada, delineando nova forma de governo-rede, agregando benefícios como maior
confiabilidade das informações e redução de custos. Do ponto de vista da administração, por
exemplo, o Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais (SIASG) atua como
ferramenta de apoio para atividades de gestão de materiais, licitações, contratos e
fornecedores.

775 - Acerca da tecnologia de informação, da gestão de redes e da comunicação na gestão


pública: O uso das tecnologias de informação e comunicação promove avanços significativos
na gestão da informação pelo serviço público, o que possibilita a redução dos custos, o
aperfeiçoamento dos processos e a capacitação para prestar serviços e informações de melhor
qualidade, promovendo a transparência das ações governamentais. Acerca das temáticas
relativas à administração pública, Em uma organização informal, não é possível identificar a
sua cadeia de comando nem o seu organograma, mesmo que a organização seja legalmente
constituída.
776 - A avaliação de desempenho auxilia a organização a definir as bases de recompensas de
acordo com o desempenho dos avaliados, bem como fornece ao empregado uma resposta
acerca da realização de suas tarefas. O planejamento estratégico ocupa, entre outros, papel
importante na definição dos cursos de ação a serem seguidos por uma empresa. O
planejamento estratégico tem início com a elaboração do diagnóstico estratégico, e
posteriormente a organização estabelece sua missão, seus valores, seus objetivos, suas
estratégias e metas. É fundamental a definição dos objetivos da organização no planejamento
estratégico, os quais devem ser, sempre que possível, hierárquicos bem como realistas,
consistentes e motivadores.

777 - O processo orçamentário é composto das seguintes etapas: fixação de metas de


resultado fiscal, previsão ou estimativa da receita, cálculo da necessidade de financiamento do
governo Federal, fixação dos valores para despesas obrigatórias, determinação dos limites
para despesas discricionárias, elaboração das propostas setoriais — cadastros, análise e
consolidação das propostas setoriais —, processo legislativo e sanção da lei, execução
orçamentária e alterações orçamentárias.

778 - Acerca de princípios orçamentários: A aplicação do princípio da universalidade possibilita


ao Poder Legislativo impedir que o Poder Executivo realize qualquer operação de despesa e
receita sem prévia autorização parlamentar. Com relação ao Plano Plurianual (PPA), que, sob
o aspecto orçamentário, é uma das novidades da Constituição Federal de 1988 (CF), As
emendas ao projeto de lei de diretrizes orçamentárias não poderão ser aprovadas quando
incompatíveis com o PPA. Por meio da classificação da receita por fonte no orçamento, é
possível acompanhar o comportamento da arrecadação de cada modalidade da receita
orçamentária.

779 - A respeito da classificação das receitas, a receita de contribuições, no aspecto puramente


econômico, confunde-se com os tributos, porém são legalmente consideradas como encargos
parafiscais. A principal fonte de receita do setor público é a arrecadação tributária. Acerca dos
aspectos principais a serem considerados para a obtenção de um sistema tributário ideal,
Segundo o conceito da simplicidade, é importante que o imposto seja de fácil entendimento
para quem tiver que pagá-lo. A respeito da classificação da despesa segundo a sua natureza,
A modalidade de aplicação objetiva possibilita a eliminação da dupla contagem dos recursos
transferidos ou descentralizados.

780 - A respeito da execução orçamentária da despesa, de acordo com as normas gerais de


gestão das atividades patrimonial e contábil estabelecidas no Decreto Estadual 37.924 de 96.
Os encargos financeiros incidentes sobre o pagamento de despesa após a data do vencimento
serão de responsabilidade do servidor, caso seja comprovada a sua omissão em qualquer fase
da despesa.

781 - A responsabilidade na gestão fiscal pressupõe a ação planejada e transparente, em que


se previnem riscos e corrigem desvios capazes de afetar o equilíbrio das contas públicas,
mediante o cumprimento de metas de resultados entre receitas e despesas e a obediência a
limites e condições no que tange a renúncia de receita, geração de despesas com pessoa, da
seguridade social e outras dívidas consolidada e mobiliária, operações de crédito, inclusive por
antecipação de receita, concessão de garantia e inscrição em restos a pagar.

782 - Acerca dos dispositivos da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) que tratam da
transparência, controle e fiscalização da gestão fiscal. Os tribunais de contas alertarão os
poderes ou órgãos relacionados na LRF quando constatarem que o montante da despesa com
pessoal ultrapassou 90% do limite autorizado. Em atendimento ao disposto na LRF, o ente
deve elaborar o anexo de metas fiscais, que integrará o projeto de Lei de Diretrizes
Orçamentárias (LDO). Nesse anexo, inclui-se o demonstrativo da evolução do patrimônio
líquido.

783 - Com relação ao controle da despesa total com pessoal, previsto na LRF, no caso de
ultrapassagem do limite e não alcançada a redução no prazo estabelecido pela legislação, o
ente não poderá receber transferência voluntária. A auditoria interna é exercida no âmbito das
pessoas jurídicas de direito público, interno ou externo, e de direito privado. Com relação às
normas de execução dos trabalhos, Constitui fator de risco, a ser considerada no planejamento
dos trabalhos, a possibilidade de não se atingirem os objetivos em razão de limitações ao
alcance dos procedimentos de auditoria interna. Algumas preocupações exigem a opinião de
alguém não ligado ao negócio e que confirme, de forma independente, a qualidade e precisão
das informações. Essas situações ensejam o aparecimento do auditor. A esse tipo de
preocupação corresponde o cumprimento da legislação, consecução dos objetivos e
atingimento das metas, a correta aplicação do capital investido e avaliação do retorno do
investimento.

784 - A auditoria da gestão pública é a vertente da auditoria governamental realizada pelo


Estado visando ao controle de sua gestão. Constitui objetivo da auditoria operacional aferir a
confiabilidade, a segurança, a fidedignidade e a consistência dos sistemas administrativos,
gerenciais e de informações. Estão sujeitos à jurisdição do TCU os recursos transferidos pela
União a município quando houver Tribunal de Contas do município. Com relação aos controles
específicos sobre o passivo, há vários tipos de preocupações para as quais deve estar voltada
a atenção do auditor. Caracteriza uma dessas preocupações a existência de autorização hábil
para os respectivos pagamentos a manutenção de obrigações já quitadas; A omissão de
dívidas assumidas e vencidas; impedir pagamentos em duplicidade ou para benefícios fictícios.

785 - O sistema de controle interno na administração pública é inerente a todos os atos e


processos administrativos de qualquer órgão e entidade, devendo ser concebido sob a ótica da
integração. Os mecanismos de controle na administração pública se situam em duas esferas
interdependentes de ação: os reconhecidos como de accountability verticais e os tratados
como de accountability horizontais. O controle administrativo ou interno, que integra a estrutura
de cada poder, acompanha a execução dos respectivos atos, indicando, em caráter opinativo,
preventivo ou corretivo, as ações a serem realizadas com vistas ao atendimento da legislação e
ao cumprimento dos objetivos, diretrizes e metas da administração.

786 - A LRF conferiu muita relevância à transparência, ao controle e à fiscalização. No tocante


às prestações de contas, a LRF estabelece que o parecer prévio do TCE sobre as contas dos
chefes dos poderes deve ser conclusivo, não obstante o julgamento caiba ao Legislativo.

787 - A assembléia legislativa de um estado da Federação promulgou emenda à constituição


estadual, determinando que os relatórios de impacto ambiental produzidos pelo IBAMA ou pelo
órgão licenciador do estado, no âmbito de um processo de licenciamento ambiental de
empreendimento a ser executado no estado, deveriam ser submetidos ao exame de comissão
permanente e específica dessa assembléia como requisito para aprovação e concessão de
licenciamento ambiental. Essa norma tem como finalidade proteger a integridade do meio
ambiente ecologicamente equilibrado. Nessa situação, em tese, a assembléia legislou acerca
de um direito constitucional de titularidade coletiva. Tal direito relaciona-se com um importante
momento do movimento de expansão e reconhecimento dos direitos humanos. A norma criada
pela assembléia legislativa viola as regras de competência administrativa para a concessão de
licenciamento ambiental de empreendimentos poluidores. A concessão de licenças ambientais
é ato de poder de polícia.

788 - Em relação aos tribunais de contas, O tribunal de contas não tem poder de determinar
quebra de sigilo bancário. Em relação ao controle judicial da administração pública, O
condenado por improbidade administrativa à perda de direitos políticos, transitada em julgado,
não pode, enquanto perdurarem os efeitos da decisão judicial, propor ação popular. Em relação
à motivação dos atos administrativos, na hipótese de motivação de um ato discricionário, as
razões anotadas pelo agente público serão determinantes no exame de sua validade pelo
Judiciário. Em relação à Lei de Responsabilidade Fiscal a receita de capital derivada da
alienação de bens e direitos que integram o patrimônio público pode ter a sua destinação, por
lei, aos regimes de previdência social, geral e próprio dos servidores públicos. Em relação às
leis orçamentárias, É defeso o início de programa não incluído na lei orçamentária anual. Em
relação às receitas e às despesas públicas, As dotações destinadas ao atendimento de obras
de conservação e adaptação de bens imóveis são consideradas despesas de custeio.

789 - As condutas que tipificam o crime contra a ordem tributária decorrente de supressão ou
redução de tributo, incluem: 1 - deixar de recolher, no prazo legal, valor de tributo, descontado
ou cobrado, na qualidade de sujeito passivo de obrigação e que deveria recolher aos cofres
públicos; 2 - prestar declaração falsa às autoridades fazendárias; 3 - fraudar a fiscalização
tributária, inserindo elementos inexatos em livro exigido pela lei fiscal; 4 - deixar de fornecer,
quando obrigatório, nota fiscal relativa à venda de mercadoria.

790 - O orçamento público é o planejamento feito pela administração pública para atender,
durante determinado período, aos planos e programas de trabalho por ela desenvolvidos. As
autorizações de despesas não computadas ou insuficientemente dotadas na lei de orçamento
são denominadas créditos adicionais. Os créditos adicionais são classificados em créditos
suplementares, créditos especiais e créditos extraordinários. O ato que abrir crédito adicional
indicará a importância, a espécie do mesmo e a classificação da despesa, até onde for
possível.

790 - Princípio da Universalidade: O orçamento deve conter todas as receitas e despesas dos
poderes, fundos, órgãos e entidades da administração direta e indireta. A Lei 4.320 de 64
estabelece que a Lei do Orçamento compreenderá todas as receitas; todas as despesas
próprias dos órgãos do Governo e da administração centralizada, ou que por intermédio deles
se devem realizar...". A análise de tal princípio permite, de plano, inferir que sua aplicação
possibilita ao Poder Legislativo: a)conhecer, a priori, todas as receitas e despesas do Governo
e dar prévia autorização à respectiva arrecadação e realização; b)impedir que o Executivo
realize qualquer operação para obtenção de receita ou realização de despesa, sem que haja
prévia autorização parlamentar; c)conhecer o volume global das despesas projetadas pelo
governo, a fim de autorizar a cobrança dos tributos estritamente necessários para atendê-las."

791 - Para que os lançamentos efetuados no âmbito da administração pública pudessem


permitir a interpretação dos resultados econômicos e financeiros, foi concebida uma lógica
contábil por meio de sistemas de contas. A aquisição de veículo para uso, com pagamento à
vista e recebimento imediato do bem, enseja registro contábil no sistema de contas patrimonial
devido a sua incorporação ao patrimônio da entidade.

792 - Apesar das limitações de recursos, as empresas menores enfrentam o desafio de manter
um controle interno, a custo razoável, de várias maneiras, entre as quais se inclui a existência
de estruturas menos complexas, por permitirem que os dirigentes tenham amplo conhecimento
das atividades e um vínculo mais estreito com a organização.

793 - O gerenciamento de riscos corporativos é constituído de vários componentes inter-


relacionados, que se originam com base na maneira como a administração gerencia a
organização e que se integram ao processo de gestão. Entre esses componentes, destaca-se a
avaliação de riscos, que devem ser identificados, administrados e associados aos objetivos
passíveis de ser influenciados e seus respectivos impactos. Entre os fatores que compõem o
ambiente de controle de uma entidade, destacam-se a integridade e os valores éticos. Para se
alcançar essas qualidades, os mais altos dirigentes devem reduzir ou eliminar incentivos e
tentações que possam levar indivíduos a praticar atos desonestos, ilegais ou não-éticos. Desse
modo, recomenda-se que a organização dê ênfase à clara definição das atribuições de
autoridade e responsabilidade.

794 - O gerenciamento de riscos corporativos trata de riscos e oportunidades que afetam a


criação ou a preservação do valor, refletindo certos conceitos fundamentais. Desse modo, o
gerenciamento corporativo é um processo destinado a compatibilizar os riscos de eventos em
potencial aos riscos admitidos pela organização, sem maiores prejuízos ao cumprimento de
seus objetivos. Entre as características de qualquer sistema de controle interno satisfatório, não
é passível de determinação pelos fluxogramas o emprego de pessoal com aptidão e
treinamento compatíveis com a sua responsabilidade.

795 - No tocante às normas de desempenho, o gerenciamento da atividade de auditoria interna


deve assegurar que se adicione valor à organização. Com relação a esse assunto, é correto
afirmar que o diretor executivo de auditoria deve coordenar atividades com outros prestadores
— internos e externos — de serviços relevantes de auditoria. Com relação ao campo de
atuação da auditoria interna e à ocorrência de erros e de fraudes, a adulteração de
demonstrações contábeis, tanto em termos físicos quanto monetários, constitui uma das
hipóteses de fraude. Acerca da auditoria no setor público federal, bem como à administração
da função de auditoria, É responsabilidade da auditoria interna fazer periodicamente uma
avaliação dos controles internos. Nesse sentido, é correto afirmar que a auditoria interna
representa um controle interno.

796 - A respeito dos controles internos dos órgãos e entidades somente por meio do
conhecimento da efetiva estruturação e funcionamento desses controles, poderá o auditor
fundamentar, com a devida segurança, a sua avaliação sobre a gestão examinada. Em uma
situação em que se avaliem dados e informações de licitações e contratos, o sistema de
controle interno do Poder Executivo federal deve, necessariamente, adotar os critérios de
economicidade e efetividade. Um dos meios utilizados para a obtenção de informações em
auditoria do TCU é a entrevista, a qual, ainda que tenha cunho informal, pode ser utilizada no
relatório de auditoria. A Lei 101 de 2000, conhecida como Lei de Responsabilidade Fiscal
(LRF), estabeleceu normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão
fiscal, estabelecendo, entre outras, normas para execução orçamentária e cumprimento de
metas. Considerando que haja limitação de empenho, a recomposição das dotações cujos
empenhos foram limitados dar-se-á de forma proporcional às reduções efetivadas.

797 - Como função de um setor público, deve-se entender o maior nível de agregação das
diversas áreas de despesa que competem ao setor. Cada programa deverá dar solução a um
problema ou atender a uma demanda da sociedade, mediante um conjunto articulado de
projetos, atividades e de outras ações que assegurem a consecução dos objetivos. Sobre as
características que cercam as atividades, Trata-se de um instrumento de programação para
alcançar o objetivo de um programa, envolvendo um conjunto de operações que se realizam de
modo contínuo e permanente, das quais resulta um produto necessário à manutenção da ação
de governo.

798 - Pelo enfoque orçamentário, receita são todos os ingressos disponíveis para cobertura
das despesas públicas, em qualquer esfera governamental. Relativamente à classificação
orçamentária da receita pública e seu impacto no patrimônio da entidade governamental,
Conforme os efeitos produzidos, ou não, no patrimônio líquido, a receita orçamentária pode ser
classificada como efetiva ou não-efetiva.

799 - Com relação à competência para legislar sobre orçamento, Atualmente, compete à União,
aos estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre o orçamento, limitando-se a
União a estabelecer normas gerais e cabendo aos estados exercer competência suplementar.
A Lei 4.320 de 64 classifica a receita orçamentária em duas categorias econômicas: receitas
correntes e receitas de capital. Com a Portaria Interministerial STN/SOF 338/2006, essas
categorias econômicas foram detalhadas em receitas correntes intra-orçamentárias e receitas
de capital intra-orçamentária, constituindo, assim, contrapartida das despesas intra-
orçamentárias.

800 - Com relação ao efeito das contas de natureza intra-orçamentária na consolidação das
contas públicas, Com o novo detalhamento, as despesas e receitas intra-orçamentárias
poderão ser identificadas de modo que se anulem os efeitos das duplas contagens decorrentes
de sua inclusão no orçamento. O legislador definiu para a execução financeira aplicada à
administração pública brasileira o regime misto, ou seja, o regime de competência para as
despesas e de caixa para as receitas. Contudo, o registro do direito se dará no momento do
fato gerador, em observância aos princípios da competência e da oportunidade. Acerca desse
entendimento, No momento da arrecadação, o ente deverá registrar no sistema orçamentário a
receita pelo regime de caixa e, ao mesmo tempo, proceder à baixa do ativo anteriormente
registrado. Segundo o disposto a realização da receita e da despesa da União far-se-á por via
bancária, em estrita observância ao princípio de unidade de caixa, conhecido como conta
única.

801 - Acerca do funcionamento da conta única, O controle dos saldos e a transferência de


recursos entre as unidades gestoras são feitos pelo Sistema Integrado de Administração
Financeira (SIAFI). A natureza da receita busca identificar a origem do recurso segundo seu
fato gerador, mas, existe a necessidade de classificar a receita conforme a destinação legal
dos recursos arrecadados. Por isso, foi instituído no governo federal o mecanismo da
destinação da receita. O controle das destinações de recursos deve ser feito por todos os entes
da Federação, haja vista a existência de vinculações para todos eles

802 - A Lei Complementar 101 de 2000 determina a elaboração do relatório resumido da


execução orçamentária e do relatório de gestão fiscal. Nos estados, o demonstrativo da receita
corrente líquida, que acompanha o relatório resumido da execução orçamentária, deve
apresentar as receitas tributárias detalhadas em ICMS, IPVA e outras receitas tributárias de
competência dos estados. No demonstrativo da despesa com pessoal, que acompanha o
relatório de gestão fiscal, devem ser evidenciados como outras despesas de pessoal
decorrentes de contratos de terceirização, os valores liquidados referentes aos contratos de
terceirização de mão-de-obra que se referem à substituição de servidores e empregados
públicos.

803 - Relativos à organização administrativa da União, é de competência da justiça federal


processar e julgar, nos litígios comuns, as causas em que as autarquias federais sejam
autoras, rés, assistentes ou opoentes. Sempre que a lei expressamente exigir determinada
forma para que um ato administrativo seja considerado válido, a inobservância dessa exigência
acarretará a nulidade do ato.

804 - A respeito dos agentes públicos a CF88 assegura ao servidor público o direito ao salário
mínimo nacionalmente unificado, sendo considerada, para tanto, a remuneração do servidor, e
não apenas o seu vencimento básico. No que se referem aos serviços públicos. Toda
concessão de serviço público terá de ser objeto de licitação prévia na modalidade de
concorrência. Os serviços públicos não essenciais, em regra, são delegáveis e podem ser
remunerados por preço público. Com relação ao processo administrativo no âmbito da
administração federal, a suspeição gera presunção relativa de incapacidade, mas o defeito é
sanado se o interessado não a alegar no momento oportuno. No que se refere às normas
aplicáveis às licitações,é dispensável a licitação para a aquisição de componentes ou peças de
origem nacional ou estrangeira, necessários à manutenção de equipamentos durante o período
de garantia técnica, quando tal condição de exclusividade for indispensável para a vigência da
garantia.

805 - Na hipótese de as obras, os serviços ou as compras efetuados pela administração


pública serem parcelados, a cada etapa ou conjunto de etapas da obra, serviço ou compra há
de corresponder licitação distinta, preservada a modalidade pertinente para a execução do
objeto da licitação.

806 - De acordo com as normas aplicáveis aos contratos no âmbito da administração pública.
O regime de execução ou a forma de fornecimento constitui cláusula necessária em todo
contrato firmado pela administração pública. Quanto às normas relativas à contratação de bens
e serviços de informática e automação pela administração pública federal, direta ou indireta,
pelas fundações instituídas ou mantidas pelo poder público e pelas demais organizações sob o
controle direto ou indireto da União; é considerado comum o bem ou o serviço de informática e
automação cuja especificação estabeleça padrão objetivo de desempenho e qualidade e que
seja capaz de ser atendida por vários fornecedores, ainda que existam outras soluções
disponíveis no mercado.

807 - Se determinado órgão público desencadear procedimento licitatório para a aquisição de


bens e serviços de tecnologia da automação, e o instrumento convocatório, contudo, não
contemplar exigência contratual de comprovação da origem dos bens importados oferecidos
pelos licitantes e da quitação dos correspondentes tributos de importação, o edital respectivo
contrariará disposição legal expressa, já que a comprovação da origem dos aludidos bens e da
quitação dos tributos figura entre os requisitos que devem constar obrigatoriamente do
instrumento convocatório.

808 - A respeito da modalidade de licitação denominada pregão, Pela sua própria natureza e
finalidade, o pregão não admite a participação de empresas estrangeiras. É vedada a exigência
de garantia de proposta no pregão. A respeito dos atos normativos do Ministério do
Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), Atenderá aos atos normativos do MPOG a
contratação, por órgão público, de suporte técnico para os seus processos de planejamento e
avaliação da qualidade dos serviços de tecnologia da informação, desde que sob a supervisão
exclusiva de servidores do órgão.

809 - As atividades de informática, como as de telecomunicações, devem ser de preferência,


objeto de execução indireta. Relativos à elaboração e à fiscalização de contratos, bem como ao
papel do preposto do contratado. O contratado deve manter preposto aceito pela administração
pública no local da obra ou serviço, para representá-lo na execução do contrato. O controle de
despesas provenientes dos contratos é feito pelo tribunal de contas competente, sem prejuízo
do sistema de controle interno. A publicação resumida do instrumento de contrato ou de seus
aditamentos na imprensa oficial é condição indispensável à sua eficácia.

810 - Referentes à notificação de irregularidades, definição e aplicação de penalidades e


sanções administrativas. A sanção de suspensão temporária de participação em licitação e
impedimento de contratar com a administração pública por prazo não superior a dois anos
podem ser aplicadas aos profissionais que tenham sofrido condenação definitiva por praticar,
de forma dolosa, fraude fiscal no recolhimento de quaisquer tributos.

811 – A administração pública burocrática brasileira está relacionada com: a promulgação do


Decreto-Lei 200 (não); com a criação do SEMOR (não); com a criação do DASP (sim). Quanto
ao modelo de administração pública, a Constituição Federal de 1988, intitulada Constituição
Cidadã, em conjunto com os fatores vigentes à época, caracterizou-se pelo retrocesso
burocrático. O Decreto-lei 200 se constitui como um marco na tentativa de superação da rigidez
burocrática. São características da administração pública patrimonialista a corrupção e o
nepotismo.

815 - Diversos esforços têm sido envidados no sentido de proporcionar maior celeridade à
gestão pública, equiparando-a ao modelo adotado em organizações privadas. Julgue os itens:
1) A eficiência no setor público deve ser mensurada nos mesmos moldes presentes na
iniciativa privada. Assertiva errada. 2) Ao gestor público é dada a mesma liberdade que ao
gestor privado na condução e implementação de suas ações gerenciais, mudando apenas o
tamanho da organização. Assertiva errada. 3) O gestor público, por estar inserido em um
regime democrático, em que os gestores de mais alto nível dependem da aprovação popular,
está legalmente impedido de contrariar os interesses dos administrados em suas ações
gerenciais. Assertiva errada. 4) Tanto o gestor público como o gestor privado devem ter como
principal foco, o retorno financeiro de suas ações.Assertiva errada. 5) A criação do Programa
Nacional de Gestão Pública e Desburocratização (GESPÚBLICA) demonstra a busca da
administração pública no sentido de adotar modelos de excelência semelhantes aos da
iniciativa privada. Assertiva correta.

816 - A respeito de parceria entre governo e sociedade, a relação do Estado com a sociedade
civil vem sendo modificada em forma e conteúdo com relação ao estabelecimento de
parecerias. As organizações sociais (OS) foram concebidas como instrumentos responsáveis
pela implementação da estratégia de publicização. Publicização é a transferência da gestão de
serviços e atividades, não exclusivas do Estado, para o setor público não-estatal, assegurando
o caráter público à entidade de direito privado, bem como autonomia administrativa e
financeira. Vários instrumentos gerenciais visam estabelecer relações de natureza contratual
entre o governo, o setor privado e o terceiro setor, em que se podem destacar, como alguns
exemplos desse movimento de contratualização, parcerias público-privadas e termos de
parcerias, estabelecidos com Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIPs).
O principal vetor de adoção das parcerias com a sociedade civil tem sido o da restrição fiscal.
O estado de Minas Gerais não é exceção, considerando a grave crise fiscal enfrentada pelo
governo em 2003. Essa situação levou a uma ampla reforma administrativa, objetivando a
contenção de custos.

817 - Accountability horizontal implica a existência de agências e instituições estatais


possuidoras de poder legal e de fato para realizar ações que vão desde a supervisão de rotina
até sanções legais contra atos delituosos de seus congêneres ou seja de outras agências e
instituições estatais do Estado.

818 - A respeito da reengenharia organizacional julgue os itens. 1) Uma das grandes


características da reengenharia organizacional é o foco na evolução gradual e paulatina dos
processos que são reorganizados em novo contexto. Assertiva errada; a mudança é radical. 2)
A equipe de implementação da reengenharia organizacional pode prescindir do líder e, mesmo
assim, alcançar o sucesso do projeto. Assertiva errada; o comprometimento da alta direção é
exigido. 3) A base da reengenharia organizacional está restrita aos processos. Assertiva
errada. 4) Uma condição indispensável para o êxito da reengenharia organizacional é que ela
seja feita top-down, ou seja, com a imposição da direção da organização aos colaboradores.
Assertiva correta. 5) O ponto central da reengenharia é pensar a empresa a partir do
orçamento passado e projetá-lo para o novo período de forma a atender às necessidade dos
setores reorganizados. Assertiva errada.

819 - Com relação às políticas públicas, seu processo de formulação e seu desenvolvimento
julgue os itens: 1) As políticas públicas, no processo de construção do Estado moderno, são
instrumentos de materialização da intervenção da sociedade no Estado, expressando as
dimensões de poder, estabelecendo os limites, o conteúdo e os mecanismos dessa
intervenção. Assertiva errada. 2) A produção de políticas públicas é resultado de um processo
decisório baseado nas relações de poder e na alocação imperativa de valores, a princípio, para
benefício da sociedade. Assertiva correta. 3) Pode-se considerar que as políticas públicas são
o conjunto de procedimentos formais e informais que expressam relações de poder e se
destinam à solução pacífica dos conflitos quanto a bens e recursos públicos. Assertiva errada.
4) A construção das políticas públicas tem como alicerces o regime político nacional, a política
estatal e a realidade nacional, com suas necessidades sociais, em uma dimensão interna do
Estado. Assertiva errada. 5) A política pública, sob a égide do modelo institucional, tem como
pressuposto basilar a compreensão de que a interação entre os grupos é o aspecto mais
importante da política. Assertiva errada.

820 - As expressões entidade paraestatal e terceiro setor, embora não sejam empregadas na
atual Constituição, figuram na doutrina e na jurisprudência, e também em leis ordinárias e
complementares. As organizações da sociedade civil de interesse público (OSCIPs) referem-se
a entidades da sociedade civil de fins públicos e não-lucrativos, tratando-se, assim, de um
terceiro setor, por coexistirem com o primeiro setor (Estado) e o segundo setor (mercado). O
terceiro setor se caracteriza por prestar atividade de interesse público, por iniciativa privada,
sem fins lucrativos. As organizações sociais são pessoas jurídicas de direito privado, sem fins
lucrativos, instituídas por iniciativa de particulares, para desempenhar serviços sociais por meio
de contrato de gestão; serviços que em princípio, seriam exclusivos do Estado. Assertiva
errada; serviço exclusivo do estado não é delegado. 3) Os sindicatos, as associações de classe
ou de representação de categoria profissional não são passíveis de qualificação como OSCIPs.
4) Poderão ser destinados às organizações sociais recursos orçamentários e bens públicos
necessários ao cumprimento do contrato de gestão. 5) Entre outras, as OSCIPs, para serem
assim qualificadas, poderão ter como objetivos sociais pelo menos uma das seguintes
finalidades: a promoção da assistência social e da cultura, a defesa e conservação do
patrimônio histórico e artístico, e a segurança alimentar e nutricional.

821 - Pessoas jurídicas não passíveis de qualificação como OSCIPs: sociedades comerciais;
instituições religiosas ou voltadas para a disseminação de credos, cultos, práticas e visões
devocionais e confessionais; organizações partidárias e assemelhadas, inclusive suas
fundações; cooperativas e fundações públicas. No que concerne às regras aplicáveis às
OSCIPs: 1) Para uma pessoa jurídica qualificar-se como OSCIP, seu estatuto deve dispor
expressamente sobre a observância dos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade,
publicidade, economicidade e eficiência. 2) Por tratar-se de instituição sem fins lucrativos, não
há possibilidade de se instituir remuneração para os dirigentes da entidade que atuem
efetivamente na gestão executiva. Assertiva errada. 3) O termo de parceria corresponde ao
instrumento passível de ser firmado entre o poder público e as entidades qualificadas como
OSCIPs destinado à formação de vínculo de cooperação entre as partes, para o fomento e a
execução das atividades de interesse público previstas em lei. 4) É permitida a participação de
servidores públicos na composição de conselho de OSCIP, vedada a percepção de
remuneração ou subsídio, a qualquer título. 5) É vedada às entidades qualificadas como
OSCIPs a participação em campanhas de interesse político-partidário ou eleitorais, sob
quaisquer meios ou formas.

823 - O Estado tem criado diversas agências reguladoras sob a forma de autarquias de regime
especial. Segundo Hely Lopes Meirelles, autarquia de regime especial é toda aquela a que a lei
instituidora confere privilégios específicos e aumenta sua autonomia comparativamente com as
autarquias comuns, sem ferir os preceitos constitucionais pertinentes a essas entidades de
personalidade pública. O crescimento das agências reguladoras decorre da política
governamental de transferir ao setor privado a execução de serviços públicos, competindo ao
Estado o controle, a fiscalização e a regulamentação desses serviços. O presidente ou o
diretor-geral ou o diretor-presidente e os demais membros do conselho diretor ou da diretoria
terão de ser brasileiros, de reputação ilibada, formação universitária e elevado conceito no
campo de especialidade dos referidos cargos, devendo ser escolhidos pelo presidente da
República e por ele nomeados, após aprovação pelo Senado Federal. As agências reguladoras
não possuem recursos próprios, dependendo de repasses realizados pelo Estado. Os recursos
decorrentes das taxas de fiscalização ou mesmo das autorizações específicas relativas às suas
atividades competem ao Estado.

824 - Para a administração pública gerencial, ao contrario do que acontece na administração


pública burocrática, a flexibilização de procedimentos e a alteração da forma de controle
implicam redução da importância e, em alguns casos, o próprio abandono de princípios
tradicionais, tais como a admissão segundo critérios de mérito, a existência de organização em
carreira e sistemas estruturados de remuneração. Na administração pública gerencial, a
estratégia volta-se para a definição dos objetivos que o administrador público deve atingir em
sua unidade, para a garantia da autonomia na gestão de recursos humanos, materiais e
financeiros e para o controle e a cobrança a posteriori de resultados.

826 - Verifica-se o fenômeno do rent seeking quando determinados grupos da sociedade, por
meio do controle do aparelho do Estado, viabilizam a apropriação de rendas e vantagens
excepcionais para si ou para seus protegidos. Rent-seeking, literalmente, busca de rendas, é a
atividade de indivíduos e grupos de buscar “rendas” extramercado para si próprios por meio do
controle do Estado. Tem origem na teoria econômica neoclássica, em que um dos sentidos da
palavra rent é exatamente o ganho que não tem origem nem no trabalho, nem no capital.
Corresponde ao conceito de “privatização do Estado” que os brasileiros vêm usando.

827 - Aumentar a governança do Estado significa aumentar sua capacidade administrativa de


gerenciar com efetividade e eficiência, voltando-se a ação dos serviços do Estado para o
atendimento ao cidadão. Tendo em vista a solução de problemas da administração pública
brasileira, é correto enfatizar alguns princípios, como a focalização da ação no cidadão, a
flexibilização administrativa, o controle social e a valorização do servidor. Segundo o plano
diretor da reforma administrativa do Estado, o chamado terceiro setor é aquele em que a
atuação do Estado ocorre de forma simultânea com entidades organizadas da sociedade civil,
criando-se um espaço público, mas não estatal, cuja forma de administração é do tipo
burocrática.

ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

830- Em face dos princípios constitucionais da Administração Pública, pode-se afirmar que: 1 -
a exigência constitucional de concurso público para provimento de cargos públicos não reflete a
aplicação efetiva do princípio da impessoalidade. 2 - o princípio da legalidade, segundo o qual
o agente público deve atuar de acordo com o que a lei determina, é incompatível com a
discricionariedade administrativa. 3 - um ato praticado com o intuito de favorecer alguém pode
ser legal do ponto de vista formal, mas, certamente, comprometido com a moralidade
administrativa, sob o aspecto material. 4 - o gerenciamento de recursos públicos sem
preocupação de obter deles o melhor resultado possível, no atendimento do interesse público,
afronta o princípio da eficiência. 5 - a nomeação de um parente próximo para um cargo em
comissão de livre nomeação e exoneração não afronta qualquer princípio da Administração
Pública, desde que o nomeado preencha os requisitos estabelecidos em lei para o referido
cargo.

831- Incorre em ato de improbidade administrativa, definido como enriquecimento ilícito no


exercício da função pública, o Auditor-Fiscal do Trabalho que: 1 - presta serviços de
consultoria, durante o período de férias, para empresa sediada no município onde exerce as
suas funções. 2 - adquire, no exercício do cargo bens de valor incompatível com sua renda,
caso não consiga comprovar a origem lícita dos recursos.

832 - Um servidor público, com poderes para representar a Administração Pública, celebrou,
com um particular, um contrato de locação de um imóvel, para fins de uso pelo Poder Público.
Pactuou, com o locador, um acréscimo de 10% do valor de mercado do aluguel, o qual foi
embutido no preço contratado. Pactuou também, com o locador, verbalmente, que esse
acréscimo ser-lhe-ia entregue mensalmente (a ele servidor público), cinco dias após o
pagamento do aluguel. O contrato foi cumprido, inclusive o acordo verbal. Nessa hipótese,
pode-se afirmar que: 1 - o servidor cometeu ato de improbidade administrativa que causa
prejuízo ao erário. 2 - o servidor cometeu ato de improbidade administrativa que importa
enriquecimento ilícito. 3 - o locador poderá ser condenado às penas previstas na Lei da
Improbidade Administrativa. 5 - o servidor poderá ser condenado, entre outras penas, à perda
da função pública e dos direitos políticos.

833 - De acordo com o Decreto 1171 de 94 (Código de Conduta do Servidor Público Civil do
Poder Executivo Federal), é vedado ao servidor público: 1 - determinar a um servidor que lhe é
subordinado que vá ao banco pagar suas contas pessoais (contas do mandante). 2 - informar a
um amigo sobre ato de caráter geral que está para ser publicado, cujo teor o beneficia (o
amigo), mas que ainda é considerado assunto reservado no âmbito da Administração Pública.
3 - ser membro de organização que defende a utilização de crianças como mão-de-obra barata.

834 - Ética no Setor Público pode ser qualificada como: 1 - agir de acordo com o que está
estabelecido em lei e, também, com os valores de justiça e honestidade. 2 - responsabilidade
do servidor público por aquilo que fez e, também, por aquilo que não fez, mas que deveria ter
feito. 3 - equilíbrio entre a legalidade e finalidade do ato administrativo, visando à consolidação
da moralidade administrativa. 4 - não omitir a verdade, ainda que contrária aos interesses da
Administração. 5 - respeito ao cidadão, não protelando o reconhecimento dos seus direitos nem
criando exigências além das estritamente necessárias.

835 - Um Auditor-Fiscal do Trabalho deixou de autuar uma empresa que havia cometido
infração às normas de segurança no trabalho porque o dirigente dessa empresa prometeu-lhe
uma semana de estadia num hotel de luxo, com direito a acompanhante e todas as despesas
inclusas. Ocorre que, após o encerramento dos trabalhos de fiscalização e lavratura do termo
de regularidade da empresa, o dirigente da mesma negou-se a cumprir a promessa. Nessa
hipótese, o Auditor: 1 - cometeu o crime de corrupção passiva. 2 - cometeu o crime de
concussão que é a exigência, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora
da função, ou antes, de assumi-la, mas em razão dela, de vantagem indevida, por parte do
funcionário público.
836 - Um servidor forneceu sua senha para que outro servidor, não autorizado, acessasse
banco de dados da Administração Pública, de acesso restrito. Houve o acesso efetivo. Nessa
hipótese, o servidor que forneceu a senha cometeu crime equiparado ao de violação de sigilo
funcional.

837 - Dolo ocorre quando o indivíduo age de má-fé, sabendo das conseqüências que possam
vir a ocorrer, e o pratica para de alguma forma beneficiar-se de algo. Em Direito Civil, dolo é
uma espécie de vício de consentimento, caracterizada na intenção de prejudicar ou fraudar um
outro. É o erro induzido, ou proposital. Má-fé. Diferencia-se da culpa por que no dolo o agente
tem a intenção de praticar o fato e produzir determinado resultado: existe a má-fé. Na culpa, o
agente não possui a intenção de prejudicar o outro, ou produzir o resultado. Não há má-fé.
Sobre a responsabilidade do servidor público é correto afirmar que: 1 - a responsabilidade
administrativa resulta de atos ou omissões praticados no desempenho do cargo ou função. 2 -
a existência de dolo constitui condição necessária à imputação de responsabilidade civil por ato
que resulte prejuízo ao erário ou a terceiros. 3 - nos casos em que a Fazenda Pública for
condenada a indenizar terceiro, por ato de servidor público no exercício da função, assiste-lhe
o direito de regresso contra o responsável, desde que o mesmo tenha agido com dolo ou culpa.
4 - a obrigação de reparar o dano causado ao erário estende-se aos sucessores do servidor e
contra eles será executada, até o limite do valor da herança recebida. 5 - a absolvição criminal
que negue a existência do fato afasta a responsabilidade administrativa.

838 - Constituem hipóteses de demissão de servidor público federal regido pela Lei 8112 de 90:
1 - cometimento de crime de prevaricação que consiste em retardar ou deixar de praticar
devidamente ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer
interesse ou sentimento pessoal. Importante ressaltar que não é admitida a modalidade
culposa no crime de prevaricação. 2 - enriquecimento ilícito no exercício da função. 3 -
aceitação de presente não autorizada pelo ordenamento jurídico, para a prática de ato inerente
ao exercício da função.

839 - Sobre o processo administrativo regulado pela Lei 9784, de 99, é correto afirmar que: 1 -
A Administração não pode recusar o recebimento de documento apresentado pelo interessado,
salvo se motivar a recusa. 2 - a Administração deve dar regular andamento ao processo, sem
prejuízo da atuação do interessado. 3 - é vedada a imposição de obrigações ou restrições em
medida superior ao estritamente necessário para atendimento do interesse público.

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

840 - O gestor público presta serviços à sociedade em prol do bem comum e o gestor privado
está sujeito à venda de produtos e serviços. A Gestão Pública está sujeita aos princípios da
legalidade, impessoalidade, publicidade e eficiência. Os programas de qualidade têm como
focos, as necessidades dos clientes internos e externos da organização, buscam a maior
eficiência dos processos, evitando desperdícios e caracterizam-se pela participação de toda
equipe e pela melhoria contínua.

841- Indique a opção que corresponde corretamente à frase a seguir: “É o repensar


fundamental e a reestruturação radical dos processos empresariais que visam alcançar
drásticas melhorias em indicadores críticos de desempenho.” Trata-se da definição de
reengenharia. O déficit fiscal do Estado, aliado ao processo de democratização do país, tem
levado o cidadão a exigir uma melhor prestação de serviços. Uma opção que explicita
corretamente os instrumentos voltados para a gestão de resultados é a Fixação de padrões de
desempenho e controle externo.

841 - O modelo gerencial de administração pública pode ser identificado como Managerialism,
consumerism ou public service orientation, cada um com focos distintos. O cliente consumidor
indica corretamente o público alvo das ações do modelo consumerism. No Managerialism,
Chamado também de Gerencial Puro, esta corrente teve como principais objetivos reduzir os
gastos públicos e aumentar sua produtividade. O consumerism, que pode ser traduzido como
“satisfação do consumidor”, introduziu a perspectiva da qualidade como uma estratégia voltada
para a satisfação do consumidor, através de medidas que visavam tornar o poder público mais
leve, ágil e competitivo: descentralização administrativa, criação de opções de atendimento,
como incentivo à competição entre organizações públicas e adoção de um novo modelo
contratual. No modelo Public Service Orientation, toda a reflexão realizada pelos teóricos do
PSO leva aos temas do republicanismo e da democracia, utilizando-se de conceitos como
accountability, transparência, participação política eqüidade e justiça, questões praticamente
ausentes do debate sobre o modelo gerencial.

842 - Dentro de uma visão estratégica, a área recursos humanos deve estar atenta para as
mudanças no mundo do trabalho e avaliar as mudanças no mundo dos negócios. Dentro de
uma visão sistêmica a área recursos humanos deve estar atenta por desempenhar
eficientemente as funções de procura, manutenção e retenção de pessoas e desenvolver
mecanismos de comando e controle da mão-de-obra.

843 – Julgue os itens: 1 - A era Vargas caracterizou-se pelo Patrimonialismo do serviço público,
estabelecendo como forma de acesso a cargos do governo o processo discricionário de
seleção. Assertiva errada. 2 - Antes da década de 40 do século passado, prevalecia na
administração pública o modelo weberiano de administração pública. Assertiva errada. 3 -
Durante o regime militar dos anos 70, prevalece o crescimento da administração indireta e com
ela a profissionalização de seu alto escalão, regido pelo regime celetista. Assertiva correta. 4 -
Nos anos 30, a criação do DASP marca a implantação do modelo burocrático na administração
pública, tendo como paradigma a avaliação de desempenho. Assertiva errada. 5 - A reforma da
década de 90 tem como um dos seus focos o princípio do mérito e o estabelecimento de regras
rígidas e universalmente válidas. Assertiva errada.

844 - Um dos objetivos da Tecnologia da Informação é dar maior transparência às ações do


Estado por meio da divulgação de dados. A Tecnologia da Informação é uma ferramenta de
modernização da gestão tanto pública como privada. A Tecnologia da Informação conta hoje
com os avanços das tecnologias de comunicação, possibilitando o desenvolvimento de
ferramentas conjuntas. Internet, intranet, infovias, correio eletrônico, educação online, são
algumas Tecnologias de Informação usadas pela administração.

845 - A unificação da informática com a comunicação oportunizou o uso da internet no setor


público. 1 - Através da internet, a administração pública disponibiliza dados e relatórios, dando
possibilidade aos cidadãos de decidirem sobre ações do governo. Assertiva errada; cidadãos
decidindo sobre ações do governo. 2 - A internet possibilita a divulgação de informações para
os cidadãos sobre campanhas, procedimentos administrativos, entre outros. Assertiva
correta. 3 - O uso eficiente da internet possibilita a modernização dos órgãos públicos,
promovendo maior profissionalismo. Assertiva errada; nada a ver. 4 - Através da internet, o
setor público pode ofertar serviços ao cidadão e disponibilizar dados que permitem o controle
externo. Assertiva correta.

846 - O Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado identificava, em uma perspectiva


histórica, três formas básicas de administração pública, a saber: Administração pública
patrimonialista, administração pública burocrática e administração pública gerencial. Segundo o
Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado, a reforma administrativa implementada pelo
Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP), a partir de 1937, baseava-se nos
seguintes princípios: Simplificação e padronização de procedimentos, revisão de estruturas
organizacionais e constituição de uma burocracia meritocrática nos moldes weberianos.

847 - A avaliação de efetividade baseia-se fundamentalmente na verificação da


evolução dos indicadores do programa ou projeto, enquanto a avaliação de eficácia baseia-
se fundamentalmente na verificação da evolução das metas físicas do programa ou projeto
avaliado.

848 - De acordo com a Lei 9790 de 99, Lei das Organizações da Sociedade Civil de Interesse
Público (OSCIPs) é correto afirmar que: As pessoas jurídicas de direito público não podem
qualificar-se como OSCIPs. As sociedades comerciais não podem qualificar-se como OSCIPs.
O deferimento ou indeferimento ao pedido de qualificação de uma organização como OSCIP
não é atribuição de competência do Ministério da Fazenda. Pessoa jurídica de direito privado
que disponha dentre seus objetivos sociais a finalidade de promover a segurança alimentar e
nutricional poderá, nos termos da Lei, qualificar-se como OSCIP. Uma organização social não
pode também ser qualificada como OSCIP.

849 - São princípios comuns às reformas gerenciais ou modelos pós-burocráticos: O estímulo à


melhoria na qualidade dos serviços públicos, a responsabilização dos agentes públicos e a
transparência. Assertiva correta. A centralização, a ênfase no controle dos meios e a
responsabilização dos agentes públicos. Assertiva errada. Os serviços públicos orientados ao
cidadão, a rigidez de procedimentos e de estruturas organizacionais e a meritocracia. Assertiva
errada. A ênfase no controle em detrimento dos resultados, a gratificação ao desempenho
individual e organizacional e o empowerment. Assertiva errada. A administração orientada para
resultados, a nomeação para cargos públicos baseada fundamentalmente no livre provimento e
a rigidez de normas e procedimentos. Assertiva errada. Observação: Empowerment, ou
delegação de autoridade, é uma abordagem a projetos de trabalho que se baseia na delegação
de poderes de decisão, autonomia e participação dos funcionários na administração das
empresas.

850 - Entre os princípios e as diretrizes gerais do governo eletrônico no âmbito do governo


Federal incluem-se: A promoção da cidadania, uma maior transparência dos atos
governamentais e a ausência de intercâmbio com outros níveis de governo e outros poderes.
Assertiva errada. A racionalização no uso de recursos, a gestão do conhecimento e a
desconsideração do legado de sistemas existentes. Assertiva errada. O estímulo à inclusão
digital, a promoção da utilização de software livre e a interoperabilidade. Assertiva correta. O
compartilhamento de conhecimentos estratégicos e o arcabouço integrado de políticas,
sistemas, padrões e normas, bem como a unificação tecnológica de sistemas e software de um
único fornecedor. Assertiva errada. O estímulo à inclusão digital, a inexistência de
compartilhamento de recursos entre órgãos públicos e a consideração do legado de sistemas
existentes. Assertiva errada.

851 - O conceito de governança pública está mais adequadamente associado: 1 - Ao grau de


controle da variável política do governo. Assertiva errada; o correto seria governabilidade. 2 - À
responsabilização dos agentes públicos. Assertiva errada. 3 - Às condições efetivas de manejo
da estrutura administrativa do aparelho do Estado. Assertiva correta. 4 - À efetividade na
aplicação dos recursos públicos. Assertiva errada; neste caso seria eficiência. 5 - Ao uso
adequado da tecnologia da informação para dar publicidade aos atos governamentais.
Assertiva errada.

852 - A respeito das agências reguladoras: 1 - São exemplos de agências reguladoras federais
a ANEEL, a ANP e o INMETRO. Assertiva errada; INMETRO não é agência. 2 - Os dirigentes
das agências reguladoras não dispõem de mandato fixo. Assertiva errada. 3 - As agências
reguladoras são órgãos da administração pública direta. Assertiva errada; Administração
indireta. 4 - Essas agências são consideradas autarquias sob regime especial. Assertiva
correta. 5 - Essas agências são diretamente vinculadas à presidência da República. Assertiva
errada.
853 - As políticas e os programas públicos são concebidos considerando critérios de maior
focalização ou universalização. Assinale a opção que apresenta corretamente o rol de políticas
ou programas públicos brasileiros mais aderentes ao critério de universalização. 1 - Programa
Nacional de Reforma Agrária, PROUNI, Política de Concessão de Benefícios Previdenciários.
Assertiva errada. 2 - Bolsa CAPES, Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social,
Programa Nacional do Livro Didático. Assertiva errada. 3 - Segurança Pública, Política Nacional
do Salário Mínimo, Sistema Único de Saúde (SUS). Assertiva correta. 4 - Bolsa Família,
Segurança Pública, PROUNI. Assertiva errada. 5 - Programa Nacional de Reforma Agrária,
Bolsa Família, Sistema Único de Saúde (SUS). Assertiva errada.

854 - Com relação aos modelos organizacionais: 1 - As estruturas flexíveis foram a base das
reformas burocráticas da primeira metade do século 20. Assertiva errada; flexibilidade na
burocracia não existiu. 2 - Os modelos de natureza top-down tendem a privilegiar maior
participação e responsabilização dos escalões inferiores da organização. Assertiva errada.
Modelo do manda quem pode obedece quem tem juízo. 3 - As organizações tayloristas podem
ser consideradas estruturas matriciais. Assertiva errada; Estruturas funcionais. 4 - As estruturas
organizacionais, orientadas para resultados, tendem a privilegiar aspectos de controle de seus
fluxos e processos de trabalho. Assertiva errada; Privilegiam o resultado. 5 - O modelo de
organização hierárquica baseia-se na especialização vertical da organização. Por outro lado, o
modelo de departamentalização baseia-se na especialização horizontal da organização.
Assertiva correta.

ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:


855 - No Porto de Santos encontra-se uma carga de grãos, vinda da Argentina. Tem
precedência para análise dessa carga: 1 - A Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da
Saúde, visando a impedir a entrada, no Brasil, de produtos agrícolas com fungos. Assertiva
errada. 2 - O IBAMA, visando a impedir a entrada de produtos transgênicos no País. Assertiva
errada. 3 - A Receita Federal, visando a apurar a regularidade da importação. Assertiva correta.
4 - A Polícia Federal se houver indícios de crime de contrabando ou de descaminho. Assertiva
errada. 5 - Não existe ordem de precedência nesse caso, mas, apenas, conveniência
administrativa, de acordo com as disponibilidades dos servidores dos órgãos envolvidos.
Assertiva errada.

856 – Julgue os itens: 1 - A exigência de concurso público de provas ou de provas e títulos,


estabelecida no art. 37, da Constituição Federa pode ser excepcionada por lei que autorize a
contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional
interesse público. Assertiva correta. 2 - A remuneração do Auditor da Receita pode ser
estabelecida de forma vinculada ao subsídio do Ministro da Fazenda. Assertiva errada. 3 - O
princípio da irredutibilidade dos vencimentos possui natureza absoluta, não comportando
qualquer exceção. Assertiva errada. 4 - A proibição de acumulação remunerada de cargos
públicos não se aplica quando um cargo for exercido na administração direta e o outro numa
subsidiária de sociedade de economia mista, desde que haja compatibilidade de horários.
Assertiva errada. 5 - De acordo com o princípio constitucional da legalidade, estabelecido no
caput do art. 37 da Constituição Federal, tudo que não estiver proibido por lei é lícito ao
administrador público fazer. Assertiva errada.

857 - Um Auditor-Fiscal da Receita Federal constatou, durante a fiscalização de um


contribuinte, que o mesmo havia cometido irregularidades fiscais que deveriam ser objeto de
lançamento tributário, com imposição de multa de ofício. Todavia, ao ficar sabendo que o
contribuinte era uma pessoa boa, caridosa, e que freqüentava a mesma igreja que ele, decidiu
encerrar a fiscalização sem resultado. Nesta hipótese, esse Auditor: 1 - cometeu o crime de
condescendência criminosa. Assertiva errada. 2 - Cometeu o crime de concussão. Assertiva
errada. 3 - não cometeu crime algum, haja vista que não obteve qualquer vantagem econômica
com a sua conduta. Assertiva errada. 4 - cometeu o crime de corrupção passiva. Assertiva
errada. 5 - cometeu o crime de prevaricação. Assertiva correta.
857 - Prevaricação é um crime funcional, ou seja, praticado por funcionário público contra a
Administração Pública. A prevaricação consiste em retardar ou deixar de praticar devidamente
ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou
sentimento pessoal. O Código Penal, em seu artigo 317, define o crime de corrupção passiva
como o de "solicitar ou receber, para si ou para outros, direta ou indiretamente, ainda que fora
da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa
de tal vantagem." Condescendência criminosa, de acordo com o descrito no Código Penal,
"Deixar o funcionário, por indulgência, de responsabilizar subordinado que cometeu infração no
exercício do cargo ou, quando lhe falte competência, não levar o fato ao conhecimento da
autoridade competente:" Concussão, de acordo com o descrito no Código Penal, é o ato de
exigir para si ou para outrem, dinheiro ou vantagem em razão da função, direta ou
indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem
indevida.

858 - Das condutas relacionadas a seguir, indique todas aquelas cuja pena prevista é a
demissão do cargo público: 1 - receber um presente de alto valor, apenas para agilizar a
decisão num processo administrativo. Assertiva correta. 2 - recusar fé a documentos públicos;
Assertiva errada. 3 - coagir subordinado a filiar-se ao partido político que está no governo;
Assertiva errada. 4 - apropriar-se de bem pertencente ao órgão público, o qual recebera para
uso em razão do cargo. Assertiva correta.

859 - Um Auditor Fiscal da Receita Federal, em exercício em São Paulo, faz a defesa
administrativa de um contribuinte num processo fiscal objeto de auto de infração lavrado por
outro Auditor Fiscal em exercício na Delegacia da Receita Federal em Brasília. Nesta hipótese:
1 - O auditor comete crime funcional contra a ordem tributária ou seja crime cometido por
funcionário público contra o sistema tributário. Assertiva correta. 2 - comete crime de
corrupção passiva. Assertiva errada. 3 - não comete crime algum se não tiver recebido
qualquer recompensa por esse trabalho. Assertiva errada. 4 - não comete crime algum se o
auto de infração for mantido pela Delegacia de Julgamento. Assertiva errada. 5 -não comete
crime algum porque se trata de contribuinte subordinado a outra unidade administrativa da
Receita Federal. Assertiva errada.

860 - As condutas relacionadas a seguir podem configurar ato de improbidade administrativa


de um Auditor-Fiscal da Receita Federal: 1 - por negligência no exercício da função, deixar de
adotar as medidas necessárias à cobrança do tributo devido por uma empresa, vindo tal fato
acarretar a prescrição da dívida; 2 - revelar fato que chegou ao seu conhecimento em razão
das suas atribuições e que deveria permanecer em segredo; 3 - receber hospedagem grátis em
um hotel de luxo, a título de presente de um contribuinte que ele acabou de fiscalizar; 4 -
prestar assessoria a uma empresa sediada no mesmo município onde ele exerce as suas
funções.

861 - Das condutas relacionadas a seguir, indique todas as que constituem deveres éticos do
servidor público: 1 - ser probo, leal e justo no exercício das suas funções; desempenhar, a
tempo, as atribuições do cargo, função ou emprego público de que seja titular; 3 - exercer com
estrita moderação as prerrogativas funcionais que lhe sejam atribuídas; 4 - agir de forma a
beneficiar aqueles que colaboram com o governo. Assertiva errada.

862 - De acordo com o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder
Executivo Federal, “a moralidade da Administração Pública não se limita à distinção entre o
bem e o mal, devendo ser acrescida da idéia de que o fim é sempre o bem comum. O equilíbrio
entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor, é que poderá consolidar a moralidade
do ato administrativo”. Esse enunciado expressa: 1 - o sentido do princípio da legalidade na
Administração Pública. Assertiva errada. 2 - que o estrito cumprimento da lei conduz à
moralidade na Administração Pública. Assertiva errada. 3 - que o ato administrativo praticado
de acordo com a lei não pode ser impugnado sob o aspecto da moralidade. Assertiva errada. 4
- que todo ato legal é também moral. Assertiva errada. 5 - um valor ético que deve nortear a
prática dos atos administrativos. Assertiva correta.

863 - Um servidor da Secretaria da Receita Federal, por curiosidade, utilizou sua senha de
acesso aos sistemas informatizados para conhecer a situação fiscal de determinadas
autoridades públicas. Manteve segredo sobre as informações obtidas, mas, como o acesso
ficou registrado, o fato chegou ao conhecimento de seus superiores. Nesta hipótese, esse
servidor: a) cometeu crime contra a administração pública. Assertiva errada. b) cometeu crime
de violação de sigilo funcional. Assertiva errada. c) cometeu infração funcional de falta de zelo,
dedicação às atribuições do cargo e descumprimento de normas legais. Assertiva correta. d)
não cometeu qualquer irregularidade. Assertiva errada. e) deve receber uma menção de elogio
se tiver descoberto alguma irregularidade nos dados consultados. Assertiva errada.

864 - LEI 9784 – Capítulo dos impedimentos e suspeição: É impedido de atuar em


processo administrativo o servidor ou autoridade que: 1 - tenha interesse direto ou
indireto na matéria; 2 - tenha participado ou venha a participar como perito,
testemunha ou representante, ou se tais situações ocorrem quanto ao cônjuge,
companheiro ou parente e afins até o terceiro grau; 3 - esteja litigando judicial ou
administrativamente com o interessado ou respectivo cônjuge ou companheiro. A
autoridade ou servidor que incorrer em impedimento deve comunicar o fato à
autoridade competente, abstendo-se de atuar. A omissão do dever de comunicar o
impedimento constitui falta grave, para efeitos disciplinares. Pode ser argüida a
suspeição de autoridade ou servidor que tenha amizade íntima ou inimizade notória
com algum dos interessados ou com os respectivos cônjuges, companheiros, parentes
e afins até o terceiro grau. O indeferimento de alegação de suspeição poderá ser
objeto de recurso, sem efeito suspensivo.

864 – Julgue os itens: 1 - O administrado tem direito de ter vista dos autos em que figure na
condição de interessado, de obter cópia das decisões nele contidas e de conhecer as decisões
proferidas; Assertiva correta. 2 - o administrado pode argüir a suspeição da autoridade
administrativa, se esta não o fizer espontaneamente; Assertiva correta. 3 - os princípios da
razoabilidade e da proporcionalidade, por comportarem juízo subjetivo na sua aplicabilidade,
não podem ser considerados no processo administrativo; Assertiva errada. 4 - o decoro, a
probidade e a boa-fé, embora sejam valores éticos, devem ser observados no processo
administrativo. Assertiva correta.

865 - Organizações públicas distinguem-se por terem entre seus stakeholders primários:
contribuintes; cidadãos; funcionalismo e fornecedores. O conceito contemporâneo de valor
público está associado prioritariamente ao benefício social gerado pela ação estatal e não ao
preço das tarifas dos serviços públicos prestados, quando for o caso. Muito menos ainda ao
custo incorrido no provimento de bens públicos e à qualidade percebida, conforme aferida em
sondagens específicas.

866 - Sobre qualidade e reengenharia. 1 - A expressão “total”, no conceito de gestão da


qualidade total está relacionada prioritariamente à noção de zero erro. Assertiva errada. 2 - A
aplicação da reengenharia de processos e de estruturas não implica necessariamente em
downsizing. Assertiva correta. 3 - Gestão da qualidade total e reengenharia são abordagens
mutuamente excludentes de gestão de processos. Assertiva errada. 4 - Incentivos meritórios
são irrelevantes em processos de melhoria da gestão baseados na qualidade. Assertiva errada.
Observação: downsizing é o ato de reduzir o tamanho para promover a redução de custos,
visando alcançar a estabilidade financeira, diminuindo a produção e ou o número de
funcionários.

867 - Julgue as sentenças sobre gestão de resultados. 1 - A tendência contemporânea da


função planejamento é a separação das fases de implementação e avaliação. Assertiva
errada. 2 - A contratualização de resultados entre órgãos e entidades da administração federal
está baseada na noção de Contratos Administrativos, segundo a Lei de Licitações e Contratos.
Assertiva errada; baseada em contratos de gestão. 3 - A teoria da agência, um dos
fundamentos das abordagens contratuais, negligencia a importância dos incentivos na
promoção de resultados. Assertiva errada. 4 - Efetividade é a relação entre recursos
consumidos e resultados gerados. Assertiva errada; neste caso seria eficiência.

868 – Julgue os itens: 1 - A abordagem do consumeirismo trata cidadãos como consumidores


de serviços públicos, com destaque para a questão da universalização do atendimento.
Assertiva errada. O termo consumeirismo é uma designação genérica para a proteção dos
consumidores e promoção dos interesses nomeadamente a melhoria do funcionamento
do mercado através da introdução de medidas de justiça social e econômica. 3 - Painel do
cidadão é uma abordagem que permite a avaliação da qualidade dos serviços públicos;
assertiva correta. 4 - Segundo a Lei de Direitos de Usuários de Serviços Públicos, não pode
ser negado atendimento por repartição pública a nenhum cidadão brasileiro. Assertiva errada.
5 - Segundo a Lei de Direitos de Usuários de Serviços Públicos, toda organização que promova
atendimento ao público deve estabelecer e divulgar os padrões referenciais de atendimento.
Assertiva errada.

869 - Sobre os objetivos da gestão estratégica de recursos humanos. 1. O destaque do


conceito de aprendizagem organizacional está relacionado à constante e progressiva inovação
de produtos, processos e gestão; Assertiva correta. 2. A formação de pessoas para o setor
público deve contemplar a formação de agentes de transformação organizacional. Assertiva
correta. 3. A questão ética é uma questão normativa não deve ser objeto de políticas de
desenvolvimento de recursos humanos; Assertiva errada. 4. As necessidades organizacionais
devem orientar a definição flexível dos perfis de força de trabalho. Assertiva correta.

871 - São elementos do serviço civil, segundo os preceitos da nova gestão pública: a) altos
requisitos de qualificação de entrada e capacitação permanente. Assertiva correta. b) regimes
diferenciados, permitindo o provimento de postos temporários. Assertiva correta. c) avaliação
de desempenho e remuneração variável baseada no alcance de metas de resultados
individuais, grupais e organizacionais. Assertiva correta. d) desenvolvimento de habilidades
gerenciais mesmo para o exercício de funções predominantemente técnicas. Assertiva correta.
e) cargos amplos e carreiras verticais. Assertiva errada.

872 - Sobre contribuições do governo eletrônico para as organizações públicas e para a


cidadania. 1. Ouvidorias efetivas devem proporcionar uma comunicação em duplo sentido.
Assertiva correta. 2. Os instrumentos de consulta e audiência públicas não impõem o controle
do aproveitamento de críticas e sugestões. Assertiva correta. 3. A transparência não se limita à
disponibilização de informações e divulgação de atos e fatos por meio eletrônico. Assertiva
correta. 4. A inclusão digital está relacionada à posse de computadores capazes de acessar,
por meio da Internet, websites de informações e serviços públicos. Assertiva errada. São
formas usuais de coordenação de redes: ajustamento mútuo; supervisão; padronização de
procedimentos e habilidades; instituição de instâncias colegiadas. Assertiva correta.

874 – Julgue os itens: a) São elementos constitutivos do Estado: administração pública, bens
econômicos e dinheiro, território. Assertiva errada. b) São elementos constitutivos do mercado:
pessoas, território e independência. Assertiva errada. c) São elementos constitutivos da
sociedade: grupamento de vendedores e compradores vivendo em um esforço cooperativo de
sobrevivência. Assertiva correta. d) São elementos constitutivos do mercado: fluxo de produtos,
serviços e ou dinheiro, vendedores e compradores, preço. Assertiva correta. e) São elementos
constitutivos do Estado: agregado de pessoas, instituições e cultura mais ou menos distinta.
Assertiva errada.

875 - A administração pública integra o contexto geral do sistema político do Poder Legislativo
e constitui-se de órgãos inseridos no Estado. Sobre aspectos da reforma administrativa
brasileira da década de trinta julgue os itens: a) Criação do Departamento de Pessoal do
Servidor Público, adoção de princípios de desconcentração, instituição de carreiras no serviço
público, recrutamento baseado no mérito. Assertiva errada. b) Criação do DASP, adoção de
princípios de centralização, instituição de carreiras no serviço público, recrutamento baseado
no mérito. Assertiva correta. c) Criação da Escola de Relações Humanas, adoção de princípios
hierárquicos, instituição de remuneração por produção, recrutamento baseado no sistema
discricionário. Assertiva errada. d) Criação do DASP, adoção de princípios hierárquicos,
instituição de carreiras técnico-profissionais, recrutamento baseado no sistema discricionário.
Assertiva errada. e) Criação do Departamento de Pessoal do Servidor Público, adoção de
princípios de horizontalização, formalização da função orçamentária, recrutamento baseado no
mérito. Assertiva errada.

876 – Julgue os itens: a) No modelo patrimonialista de administração pública existe uma


interpermeabilidade dos patrimônios público e privado. Assertiva correta. Os patrimônios se
misturam. b) Um dos princípios do modelo burocrático de administração pública é um sistema
administrativo impessoal, formal e racional. Assertiva correta. c) Um dos princípios do modelo
patrimonialista de administração pública é o acesso por concurso ao serviço público. Assertiva
errada. Impera a Livre nomeação; d) O modelo gerencial de administração pública tem como
um dos seus objetivos, garantir a propriedade e o contrato. Assertiva correta. e) O modelo
burocrático de administração pública se baseia no serviço público profissional. Assertiva
correta.

877 - Sobre as idéias contidas no documento Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado
de 95. a) No Aparelho do Estado distinguem-se os seguintes setores: núcleo estratégico, de
atividades exclusivas e de propriedade privada. Assertiva errada. b) O núcleo estratégico do
Estado tem de atentar para a qualidade e custo dos serviços prestados ao cidadão. Assertiva
errada. c) Um dos objetivos da reforma no que diz respeito às atividades exclusivas é aumentar
a sua efetividade e modernizar a administração burocrática. Assertiva errada. d) A publicização
visa a transferir atividades exclusivas do Estado para o setor público não-estatal. Assertiva
errada. e) Os serviços não-exclusivos do Estado deverão ser executados por organizações
sociais – entidades de direito privado sem fins lucrativos. Assertiva correta.

878 – Sobre as características inerentes aos Conselhos de Gestão. 1. São órgãos públicos
criados por lei. Assertiva correta. 2. São entes de direito privado criados por decreto. Assertiva
errada. 3. São de livre iniciativa dos municípios. Assertiva errada. 4. Há exigência de paridade
em sua composição. Assertiva correta. 5. Estão representadas nos conselhos todas as
associações de classe. Assertiva errada.

879 - Por meio do orçamento participativo: a) o governo estabelece mecanismos de auto-


gestão pública. Assertiva errada. b) compatibilizam-se as relações entre União, Estados, DF e
Municípios. Assertiva errada. c) cria-se um processo contínuo de ajuste crítico, baseado no
princípio da auto-regulação. Assertiva correta. d) os governantes lutam pelos seus interesses
individuais. Assertiva errada. e) o cidadão atende às suas demandas por serviços de
qualidade. Assertiva errada.

880 – Julgue os itens: a) As parcerias entre o governo e a iniciativa privada devem-se à


incapacidade de investimento do setor público em infra-estrutura. Assertiva correta. b) A
participação da sociedade nas decisões de governo visa a atender o princípio de
impessoalidade do serviço público. Assertiva correta. c) Parcerias entre sociedade civil e
governo possibilitam maior controle social direto. Assertiva correta. d) O maior envolvimento da
sociedade nas questões de governo deve-se ao processo de democratização em curso.
Assertiva errada. e) A maior participação dos agentes privados e ou das organizações da
sociedade civil está no cerne, ou seja, no centro, no núcleo da reforma do aparelho do Estado.
Assertiva correta. F) Controle e subordinação, definição prévia de funções, forma verticalizada
e unidade de comando são características de uma estrutura organizacional matricial. Assertiva
correta.
881- Características de uma estrutura organizacional em rede. a) Na estrutura em rede a
organização é vista como um sistema fechado. Assertiva errada. b) Na estrutura em rede
prevalece a uniformidade e conformidade. Assertiva errada. c) Na estrutura em rede prevalece
o compartilhamento de autoridade e responsabilidade. Assertiva correta. d) Na estrutura em
rede as células são formadas considerando a especialização do trabalho. Assertiva errada. e)
Na estrutura em rede conjugam-se aspectos funcionais com a de produto e ou processo.
Assertiva errada.

882 – 1. Por clima organizacional se entende a influência do ambiente interno e externo da


organização sobre a motivação dos participantes. Assertiva correta. 2. A cultura organizacional
compreende um conjunto de percepções, opiniões e sentimentos que se expressam no
comportamento de um grupo ou de uma organização. Assertiva errada. 3. A cultura
organizacional compreende um conjunto de valores e idéias, formas de agir, pensar e sentir,
partilhadas na organização, com certa regularidade no tempo e no espaço. Assertiva correta. 4.
Motivação para o trabalho é o resultado que uma pessoa consegue com a aplicação de um
esforço ou ação que leva ao desempenho profissional positivo. Assertiva errada. 5.
Benchmarking é uma Técnica por meio da qual a organização compara o seu desempenho
com o de outra. Assertiva correta.

883 – Princípios relacionados com programas de qualidade: a) Fazer produtos sem defeitos de
fabricação. b) Atender às necessidades específicas do cliente. d) Eliminar desperdícios. e)
Planejar e manter um processo de aprimoramento contínuo e gradual. c) Redesenhar de forma
radical os processos. Assertiva errada; isto é reengenharia.

884 - Planejamento Estratégico refere-se à maneira pela qual uma organização pretende
aplicar uma determinada estratégia, geralmente global e de longo prazo, criando um consenso
em torno de uma determinada visão de futuro.

885- Uma das tendências do processo de avaliação de desempenho e de resultados na gestão


de pessoas: a) Adoção de metas e indicadores de desempenho voltados para resultados.
Assertiva correta. b) Foco no cumprimento das normas e procedimentos organizacionais.
Assertiva errada; isto é disciplina. c) Avaliação unilateral, a chefia avaliando os seus
subordinados. Assertiva errada; avaliação 360º. d) Compreensão da avaliação como espaço de
conflito entre capital e trabalho. Assertiva errada; Avaliação tem que gerar valor. e) Ênfase no
pagamento de recompensas para os que forem bem avaliados. Assertiva errada.

886 - Flexibilidade Organizacional Significa a capacidade da organização de adaptar um


sistema produtivo para fornecer de forma eficiente, diferentes produtos e serviços de acordo
com a demanda do mercado.

887 - Indica corretamente uma técnica que possibilita o desenvolvimento de trabalho em


equipe. a) Troca constante de informações, ouvir e falar. Assertiva errada. b) Compromisso
com os objetivos definidos pela alta administração. Assertiva correta. c) Conhecimento mútuo,
para o alcance de resultados coletivos. Assertiva errada. d) Criação de identidade que forneça
senso de participação para os integrantes do grupo. Assertiva errada. e) Clima de abertura
intelectual, possibilitando a análise crítica. Assertiva errada.

888- A Lei 11.079, de 2004, institui normas gerais para licitação e contrato de parceria público
privada no âmbito da administração pública. Trata-se de contrato de concessão a ser firmado
por sociedade constituída de propósito específico. Segundo a Lei o contrato que envolve,
adicionalmente, contraprestação pecuniária do parceiro público ao parceiro privado é uma
modalidade de concessão patrocinada.

889 – Unidade não se apresenta como um princípio da Administração Pública estabelecido


pela constituição de 1988. Os princípios são LIMPE.
890 - “Há poucas dúvidas de que o modelo de administração pública, da forma como foi
concebido e implantado no Brasil a partir de 1930 entrou em absoluto e definitivo colapso nos
últimos anos. O aparelho público degradou-se em todas as áreas de atuação direta e indireta
do Estado. Democraticamente, nada foi poupado: a escola pública faliu; a saúde pública
regrediu a padrões incompatíveis com o mundo chamado civilizado, enquanto que os centros
de excelência de ensino, pesquisa, ciência e tecnologia, que sobreviveram e se consolidaram a
duras penas no setor público, foram progressivamente dizimados pela absoluta inanição a que
foram submetidos.” Apresentam como fatores associados ao colapso acima mencionado. 1.
Inflação crescente e desequilíbrio orçamentário crônico erodindo paulatinamente a capacidade
do Estado de prestar serviços; 2. Clientelismo, corporativismo, populismo e corrupção. 3.
Políticas equivocadas de combate à inflação, baseadas sistematicamente na recessão e nos
juros elevados, impondo um regime de verdadeira penúria ao setor público. 4. Esgotamento do
modelo do Estado-condutor do processo econômico e social.

891 - TQM (Gerenciamento da Qualidade Total); Sistema permanente e de longo prazo,


voltado para alcançar a satisfação do cliente por meio da melhoria contínua da qualidade dos
serviços e produtos. Reflete elementos básicos do TQM: Eliminação de barreiras e
relacionamento cliente / fornecedor. Comunicação e empowerment do trabalhador. Avaliação
contínua e treinamento. Visão organizacional e melhoria contínua.

892 - O Programa Brasileiro da Qualidade e Participação (PBQP) na Administração Pública


surgiu como o principal instrumento para a mudança de uma cultura burocrática para uma
cultura gerencial, responsável por promover a revolução nos valores estabelecidos no plano
político-filosófico, necessário à implantação de um novo modelo de Estado: participação,
reconhecimento do potencial do servidor e de sua importância no processo produtivo,
igualdade de oportunidades e opção pela cidadania. Muito embora os projetos do PBQP
guardem entre si uma unidade de objetivos estratégicos, o esforço de implantar a qualidade no
campo da Administração Pública apresenta algumas especificidades decorrentes da natureza
da atividade pública, ausentes no setor privado, que desaconselham a mera reprodução, para o
setor público, das diretrizes e ações adotadas na absorção da metodologia no setor privado.

893 – Diferenças relevantes entre o setor público e o setor privado: 1. As finalidades principais
das atividades de caráter privado são o lucro e a sobrevivência em um ambiente de alta
competitividade, enquanto os objetivos da atividade pública estão imbuídos do ideal
democrático de prestar serviços à sociedade, em prol do bem-estar comum; 2. A preocupação
em satisfazer o cliente no setor privado é baseada no interesse, enquanto no setor público essa
preocupação tem que ser alicerçada no dever; 3. As políticas voltadas para a Qualidade no
setor privado referem-se a metas de competitividade no sentido da obtenção, manutenção e
expansão de mercado; enquanto no setor público a meta é a busca da excelência no
atendimento a todos os cidadãos, ao menor custo possível; 4. As diferentes contingências a
que estão submetidos os dois setores, podem ser, por exemplo, limites de autonomia
estabelecidos pela legislação e o perfil da clientela; 5. O cliente atendido, no setor privado,
remunera diretamente a organização, pagando pelo serviço ou pelo produto adquirido; no setor
público, o cliente atendido paga indiretamente pelo serviço recebido, pela via do imposto, sem
qualquer simetria entre a quantidade e a qualidade do serviço recebido e o valor do tributo que
recolhe.

894 - Se apresentam como finalidades do sistema de controle interno, a ser exercido, de forma
integrada, pelos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, para promover a fiscalização e
controle dos orçamentos públicos: 1. Apoiar o controle externo no exercício de sua missão
institucional. 2. Exercer o controle das operações de crédito, avais e garantias, bem como dos
direitos e haveres da União; 3. Comprovar a legalidade e avaliar os resultados, quanto à
eficácia e eficiência, da gestão orçamentária, financeira e patrimonial nos órgãos e entidades
da administração federal, bem como da aplicação de recursos públicos por entidades de direito
privado. 4. Avaliar o cumprimento das metas previstas no plano plurianual, a execução dos
programas de governo e dos orçamentos da União. 5. Apreciar, para fins de registro, a
legalidade dos atos de admissão de pessoal, a qualquer título, na administração direta e
indireta, incluídas as fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, excetuadas as
nomeações para cargo de provimento em comissão, bem como a das concessões de
aposentadorias, reformas e pensões, ressalvadas as melhorias posteriores que não alterem o
fundamento legal do ato concessionário.

895 - “A administração pública gerencial emergiu na segunda metade do século 20 como


resposta à crise do Estado, como modo de enfrentar a crise fiscal, como estratégia para reduzir
o custo e tornar mais eficiente a administração dos imensos serviços que cabiam ao Estado e
como um instrumento de proteção do patrimônio público contra os interesses do rent-seeking
ou da corrupção aberta. Mais especificamente, desde a década de 60, ou pelo menos desde o
início dos anos 70, cresceu a insatisfação, amplamente disseminada, com relação à
administração pública burocrática”. Enquadram-se como características básicas da
administração pública gerencial: 1. É orientada para o cidadão e para a obtenção de
resultados; 2. Como estratégia, serve-se da descentralização e do incentivo à criatividade e à
inovação. 3. Utiliza o contrato de gestão como instrumento de controle dos gestores públicos.
4. Pressupõe que os políticos e os funcionários públicos são merecedores de grau limitado de
confiança. 5. Concentra-se no processo, definindo procedimentos que satisfaçam as demandas
dos cidadãos. Assertiva errada; concentra-se nos resultados das políticas e medidas.

896 - “As matérias de natureza fiscal da Constituição estão consolidadas no título “Da
Tributação e do Orçamento”, que se desdobra em dois capítulos, sendo um referente ao
Sistema Tributário Nacional e outro às Finanças Públicas. Neste último (Finanças Públicas)
explicitam-se as linhas gerais do processo orçamentário; cabe, como na Constituição de 1969,
à iniciativa do Poder Executivo estabelecer os orçamentos anuais, o plano plurianual de
investimentos, e agora, também, as chamadas diretrizes orçamentárias (LDO). Dispõe a
Constituição que a LDO serve para “orientar” a elaboração da lei orçamentária anual, e “dispor”
sobre as modificações na legislação oficial de fomento. Assim, a LDO antecipa o orçamento
anual, com todas as suas implicações alocativas e tributárias, e, ainda, fixa o programa das
instituições financeiras da União.” Representam conteúdos programáticos das LDOs. 1.
Sinalizam a necessidade de elevação de receitas e de cortes nos subsídios e, para tanto,
contemplam mudanças. 2. Vedam a fixação de despesas que não tiverem definida a fonte de
recursos, sendo que as operações de crédito se devem limitar à rolagem da dívida e aos
investimentos “prioritários” da administração direta. 3. Estabelecem a regra de rolagem das
dívidas externas das empresas estatais e do setor público estadual e municipal. 4. Definem que
as despesas de pessoal, em termos reais, não poderão superar as autorizadas no ano anterior.

897 - “Muitos autores consideram a Teoria de Sistemas demasiada abstrata e conceitual e,


portanto, de difícil aplicação a situações gerenciais práticas. Muito embora venha
predominando fortemente na teoria administrativa, e tendo “uma aplicabilidade geral ao
comportamento de diferentes tipos e indivíduos em diferentes meios culturais”, a abordagem
sistêmica é basicamente uma teoria geral compreensiva, cobrindo amplamente todos os
fenômenos organizacionais. Ela é uma teoria geral das organizações e da administração, uma
síntese integrativa dos conceitos clássicos, neoclássicos, estruturalistas, neo-estruturalistas e
behavioristas”. Na Teoria de Sistemas as organizações são abordadas como sistemas abertos,
pois o seu comportamento é probabilístico e não determinístico.

899 - “No século 21, o grande desafio para o direito administrativo é proteger o Estado, ou mais
especificamente, a res publica, para, desta forma, proteger o cidadão. Res publica é uma frase
latina, composta de res + publica, significando literalmente a "coisa do povo". O termo
normalmente se refere a uma coisa que não é considerada propriedade privada, mas a qual é
em vez disso mantida em conjunto por muitas pessoas. Cidadão-contribuinte, que paga
impostos e tem direito a que os serviços prestados pelo Estado sejam eficientes, custe o
mínimo necessário. Cidadão-usuário, que recebe serviços, e tem direito a que eles sejam de
boa qualidade. No século 21, afirmará a prioridade do interesse público e, através dos direitos
republicanos, protegerá adicionalmente os cidadãos contra a captura do Estado pelos
interesses privados. A ação popular é o instrumento legal, na Constituição de 1988, que visa
anular ato lesivo ao patrimônio público de que o Estado participe, à moralidade administrativa,
ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, ficando o autor, salvo comprovada má-fé,
isento de custas judiciais e do ônus da sucumbência ou seja da derrota.

900 - Segundo Druker, eficácia é “fazer as coisas certas” enquanto eficiência é “fazer certo as
coisas”. Da conjugação de determinados graus de eficácia e eficiência, qual é a denominação
dada ao conceito que propicia a satisfação do cliente e, conseqüentemente, a garantia de
permanência no mercado? Resposta: Efetividade.

901 - São servidores públicos, em sentido amplo, as pessoas físicas que prestam serviços ao
Estado e às entidades da Administração indireta, com vínculo empregatício e mediante
remuneração paga pelos cofres públicos. As três categorias de servidores públicos são:
Servidores estatutários, empregados públicos e servidores temporários.

902 - A autoridade funcional corresponde à autoridade estabelecida pela função exercida pelas
unidades organizacionais. A autoridade funcional deve ser muito bem estabelecida pela
empresa para evitar possíveis problemas de duplicidade de comando. O ideal é a autoridade
funcional estar correlacionada apenas ao estabelecimento de políticas administrativas.
Aspectos básicos do sistema de autoridade: Delegação; Centralização e Descentralização;
Níveis hierárquicos e Amplitude de controle.

903 - “No presente momento, uma visão realista da reconstrução do aparelho de Estado em
bases gerenciais deve levar em conta a necessidade de equacionar as assimetrias decorrentes
da persistência de aspectos patrimonialistas na administração contemporânea, bem como dos
excessos formais e anacronismo do modelo burocrático tradicional. Para isso, é fundamental
ter clara a dinâmica da administração racional-legal ou burocrática. Não se trata simplesmente
de descartá-la, mas sim de considerar os aspectos em que está superada e as características
que ainda se mantêm válidas como formas de garantir efetividade à administração pública. O
modelo gerencial tornou-se realidade no mundo desenvolvido quando, através da definição
clara de objetivos para cada unidade da administração, da descentralização, da mudança de
estruturas organizacionais e da adoção de valores e comportamentos modernos no interior do
Estado, se revelou mais capaz de promover o aumento da qualidade e da eficiência dos
serviços sociais oferecidos pelo setor público. A reforma do Estado no Brasil significará,
fundamentalmente, a introdução na administração pública da cultura e das técnicas gerenciais
modernas.” A Teoria da Burocracia surgiu na Teoria Geral da Administração ao redor da
década de 40, quando a Teoria Clássica e a Teoria das Relações Humanas lutavam entre si
pela conquista de espaço na teoria administrativa e já apresentavam sinais de obsolescência
para a sua época. A principal ênfase da Teoria da Burocracia está na estrutura organizacional e
não nas pessoas, tarefas, ambiente e tecnologias.

904 - “Uma das mais importantes mudanças nas funções administrativas deste fim de século é
o aumento profundo da interdependência organizacional onde as redes têm sido grandes
laboratórios da gestão contemporânea”. Sobre redes: 1. A teoria de redes surge a partir do
entendimento de que as organizações se situam num contexto de relações sociais seja com
fornecedores, distribuidores, agências reguladoras e usuários; 2. A tecnologia da informação
tem propiciado o desenvolvimento de organizações em rede. 3. A teoria de redes sociais
analisa as interações que se estabelecem entre os atores sociais enfocando sua
interdependência e o grau de influência de cada um. 4. A ênfase no estudo de redes surge da
necessidade de cooperação entre governo, empresas privadas, organizações não-
governamentais e representantes da sociedade civil para fazer face às exigências da
sociedade. 5. O conceito de redes rompe com toda e qualquer hierarquia presente nas
organizações, apresentando a flexibilidade necessária aos negócios. Assertiva errada.

905 - A Lei Complementar 101, de 4 de maio de 2000, intitulada Lei de Responsabilidade Fiscal
- LRF, estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão
fiscal, mediante ações em que se previnam riscos e corrijam desvios capazes de afetar o
equilíbrio das contas públicas, destacando-se o planejamento, o controle, a transparência e a
responsabilização como premissas básicas. A LRF cria condições para a implantação de uma
nova cultura gerencial na gestão dos recursos públicos e incentiva o exercício pleno da
cidadania, especialmente no que se refere à participação do contribuinte no processo de
acompanhamento da aplicação dos recursos públicos e de avaliação dos seus resultados.

906 - A Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda tem, dentre suas


competências, as atribuições de normatizar o processo de registro contábil dos atos e fatos da
gestão orçamentária, financeira e patrimonial dos órgãos e das entidades da Administração
Pública Federal, consolidar os Balanços da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios e, promover a integração com as demais esferas de governo em assuntos de
administração financeira e contábil.

907 - O Relatório Mensal da Dívida Pública Federal, contém informações e estatísticas sobre a
Dívida Pública Federal - DPF. O documento apresenta estatísticas sobre emissões, resgates,
evolução do estoque, prazo médio, perfil de vencimentos e custo médio, dentre outros, nela
incluídas as dívidas interna e externa de responsabilidade do Tesouro Nacional em mercado.
Além disso, o documento apresenta informações sobre o Tesouro Direto e realiza avaliação
quadrimestral do Plano Anual de Financiamento. O Plano Anual de Financiamento – PAF é
uma publicação do Tesouro Nacional editada desde janeiro de 2000, na qual são divulgadas as
metas, premissas e prioridades da Instituição de forma estruturada e pública. Mais que uma
ferramenta de planejamento, o PAF se consolida como um instrumento de ampliação da
transparência e da previsibilidade no gerenciamento da Dívida Pública Federa.

908 - A centralização das atividades financeiras federais resultou em um marcante movimento


de modernização e racionalização da administração pública brasileira, como a criação, em
janeiro de 1987, do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal
(SIAFI), que possibilitou a interligação de cinco mil unidades gestoras, com cerca de 34.000
usuários, executores de despesas dos orçamentos, Fiscal e de Seguridade Social.

909 - A substituição da conta Movimento do Governo no Banco do Brasil pela Conta Única do
Tesouro no Banco Central, em 1988, contribuiu para que a administração e o controle das
finanças federais estivessem associados à execução financeira das unidades gestoras. A
implantação da Conta Única eliminou mais de cinco mil contas bancárias governamentais,
permitindo o controle mais eficaz do fluxo de caixa do Governo. Paralelamente, ocorreu a
unificação dos orçamentos, eliminando-se o orçamento monetário e, por conseguinte, atrelando
os gastos governamentais à prévia autorização do Congresso Nacional.

910 – A Secretaria do Tesouro Nacional é responsável pelo controle e administração da dívida


pública federal, seja ela mobiliária ou contratual, interna ou externa, centralizando em uma
única unidade governamental a responsabilidade pelo gerenciamento de todos os
compromissos do Governo Federal. Isto permite maior transparência orçamentária e financeira,
uma vez que todos os pagamentos encontram-se inseridos no Orçamento Geral da União,
aprovado anualmente pelo Congresso Nacional.

911 - Como um novo passo no aprimoramento da gestão da dívida pública (o Banco Central
deixou de emitir títulos da dívida pública interna, passando a fazer política monetária mediante
utilização de títulos do Tesouro Nacional), as atividades relativas a emissão e implementação
de operações estruturadas envolvendo os títulos externos do Tesouro passaram a ser
realizadas exclusivamente pela Secretaria do Tesouro Nacional, mediante acordo firmado com
o Banco Central.

912 - Quanto à relação financeira entre a União e as unidades da Federação, as melhorias


ocorreram a partir da lei de rolagem de dívidas (1993), que estabeleceu condições de juros e
prazos mais favoráveis para a quitação dos débitos com a União. A iniciativa previa, ainda,
vincular quotas do Fundo de Participação dos Estados e Municípios em garantia às dívidas,
buscando evitar inadimplências futuras.

913 - O Tesouro Nacional é o órgão responsável pela administração dos haveres da União
junto a terceiros. Estes se referem, em sua maior parte, a créditos decorrentes de
reestruturação da dívida externa garantida pela União, de programas de saneamento financeiro
de Estados e Municípios, de retorno de financiamento/refinanciamento de operações de
estímulo às exportações e ao setor agropecuário e agroindustrial, além de operações
estruturadas amparadas por regulamentação específica. A Secretaria do Tesouro Nacional é o
órgão responsável pela administração das dívidas públicas, interna e externa, tendo por
atribuição gerir a dívida pública mobiliária federal e a dívida externa de responsabilidade do
Tesouro Nacional.

914 - A Receita Pública assume, na Administração Pública, fundamental importância por estar
envolvida em situações singulares como a sua distribuição e destinação entre as esferas
governamentais, o estabelecimento de limites legais impostos pela Lei de Responsabilidade
Fiscal permitindo estudos e análises da carga tributária suportada pelos diversos segmentos da
sociedade. É notável a relevância da Receita Pública no processo orçamentário, cuja previsão
dimensiona a capacidade governamental em fixar a Despesa Pública e, no momento da sua
arrecadação, torna-se instrumento condicionante da execução orçamentária da despesa.

915 - Receita é um termo utilizado mundialmente pela contabilidade para evidenciar a variação
ativa resultante do aumento de ativos e/ou da redução de passivos de uma entidade,
aumentando a situação líquida patrimonial qualquer que seja o proprietário. A receita é a
expressão monetária resultante do poder de tributar e/ou do agregado de bens e/ou serviços da
entidade, validada pelo mercado em um determinado período de tempo e que provoca um
acréscimo concomitante no ativo ou uma redução do passivo, com um acréscimo
correspondente no patrimônio líquido.

916 - Receita Pública é uma derivação do conceito contábil de Receita agregando outros
conceitos utilizados pela administração pública em virtude de suas peculiaridades. No entanto,
essas peculiaridades não interferem nos resultados contábeis regulamentados pelo Conselho
Federal de Contabilidade. Receitas Públicas são todos os ingressos de caráter não devolutivo
auferidas pelo poder público, em qualquer esfera governamental, para alocação e cobertura
das despesas públicas. Dessa forma, todo o ingresso orçamentário constitui uma receita
pública, pois tem como finalidade atender às despesas públicas.

917 - A Lei 4.320 de 64 regulamenta os ingressos de disponibilidades de todos os entes da


federação classificando-os em dois grupos: orçamentários e extra-orçamentários. Os ingressos
orçamentários são aqueles pertencentes ao ente público arrecadados exclusivamente para
aplicação em programas e ações governamentais. Estes ingressos são denominados Receita
Pública. Os ingressos extra-orçamentários são aqueles pertencentes a terceiros arrecadados
pelo ente público exclusivamente para fazer face às exigências contratuais pactuadas para
posterior devolução. Estes ingressos são denominados recursos de terceiros.

918 - A Receita Pública Efetiva é aquela em que os ingressos de disponibilidades de recursos


não foram precedidos de registro de reconhecimento do direito e não constituem obrigações
correspondentes e por isto alteram a situação líquida patrimonial. A Receita Pública Não-
Efetiva é aquela em que os ingressos de disponibilidades de recursos foram precedidos de
registro do reconhecimento do direito e por isto não alteram a situação líquida patrimonial.
919 - A Lei 4.320 de 64 estabelece o direito de cobrança de tributos com base em duas ações
governamentais: a instituição de tributo e a sua inclusão no orçamento mediante Lei,
observadas as regras constitucionais. Portanto, constitui-se reconhecimento de receita para o
ente, a combinação da instituição de um tributo e sua inclusão no orçamento.

920 – A arrecadação da Receita Pública é a aplicação do regime orçamentário de caixa


descrito na Lei 4320 que resulta em registro contábil do ingresso de recursos entregues pelos
contribuintes ou devedores, provenientes de receitas reconhecidas anteriormente ou
obrigações em receita, cujos recebimentos estejam previstos no orçamento. Recolhimento da
Receita Pública é o depósito na conta do Tesouro relativo ao produto da arrecadação de
receitas que resulta em registro contábil e a compatibilização ou conciliação com a receita
classificada.

921 - O fluxograma econômico pode ser entendido da seguinte forma: 1. O fluxo econômico se
divide em Fluxo financeiro e Fluxo patrimonial. 1.1 - O Fluxo financeiro é obtido através dos
ingressos e dos dispêndios. 1.2 - Os ingressos podem ser orçamentários e extra-
orçamentários. 1.3 – Os ingressos orçamentários são as receitas públicas. 1.4 – A receita se
divide em receita efetiva e não efetiva, sendo que, a receita efetiva aumenta o ativo e reduz o
passivo. 2.1 - O fluxo patrimonial é a variação do passivo e do ativo. A variação ativa se dá
com o aumento do ativo e redução do passivo que equivale ao aumento do patrimônio líquido e
se transforma na receita geral.

922 – Classificação das Receitas: A Lei 4.320 de 64 classificou a receita pública orçamentária
em duas categorias econômicas: Receitas Correntes e Receitas de Capital.

923 - Receitas correntes são os ingressos de recursos financeiros oriundos das atividades
operacionais, para aplicação em despesas correspondentes, também em atividades
operacionais, correntes ou de capital, visando o atingimento dos objetivos constantes dos
programas e ações de governo. São denominadas de receitas correntes porque não têm suas
origens em operações de crédito, amortização de empréstimos e financiamentos e/ou
alienação de componentes do ativo permanente. Elas são derivadas do poder de tributar ou
resultantes da venda de produtos ou serviços colocados à disposição dos usuários.

924 - De acordo com a Lei 4.320 de 64, as receitas correntes serão classificadas nos seguintes
níveis de subcategorias econômicas: Receita Tributária; Receita de Contribuições; Receita
Patrimonial; Receita Agropecuária; Receita Industrial; Receita de Serviços e Transferência
Corrente.

925 - Receitas Tributárias são os ingressos provenientes da arrecadação de impostos, taxas e


contribuições de melhoria. O Código Tributário Nacional define tributo como toda prestação
pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir e define suas espécies
da seguinte forma: 1 – Impostos: é o tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situação
independente de qualquer atividade estatal específica, relativa ao contribuinte; 2 – taxas:
cobradas pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal ou pelos Municípios, no âmbito de
suas respectivas atribuições, têm como fato gerador o exercício regular do poder de polícia, ou
a utilização, efetiva ou potencial, de serviço público específico e divisível, prestado ao
contribuinte ou posto à sua disposição; 3 - Contribuição de Melhoria: cobrada pela União, pelos
Estados, pelo Distrito Federal ou pelos Municípios, no âmbito de suas respectivas atribuições, e
é instituída para fazer face ao custo de obras públicas de que decorra valorização imobiliária,
tendo como limite total a despesa realizada e como limite individual o acréscimo de valor que
da obra resultar para cada imóvel beneficiado.

926 - Receita de Contribuições é a receita proveniente das contribuições sociais para a


previdência social, saúde e assistência social; Receita de contribuições é a receita proveniente
de intervenção no domínio econômico tais como as tarifas de telecomunicações; Receita de
contribuições é também a receita proveniente de interesse das categorias profissionais ou
econômicas tais como órgãos representativos de categorias de profissionais, como
instrumentos de intervenção nas suas respectivas áreas.
926 - Contribuições sociais – destinadas ao custeio da seguridade social, compreendendo a
previdência social, a saúde e a assistência social; Contribuições de Intervenção no domínio
econômico – deriva da contraprestação à atuação estatal exercida em favor de determinado
grupo ou coletividade. Contribuições de Interesse das categorias profissionais ou econômicas –
destinadas ao fornecimento de recursos aos órgãos representativos de categorias profissionais
legalmente regulamentadas ou a órgãos de defesa de interesse dos empregadores ou
empregados.

927 - A Receita Patrimonial é o ingresso proveniente de rendimentos sobre investimentos do


ativo permanente, de aplicações de disponibilidades em operações de mercado e outros
rendimentos oriundos de renda de ativos permanentes.

928 - Receita Agropecuária é o ingresso proveniente da atividade ou da exploração


agropecuária de origem vegetal ou animal. Incluem-se nesta classificação as receitas advindas
da exploração da agricultura, cultivo do solo, da pecuária e das atividades de beneficiamento
ou transformação de produtos agropecuários em instalações existentes nos próprios
estabelecimentos.

929 – A Receita Industrial é o ingresso proveniente da atividade industrial de extração mineral,


de transformação, de construção e outras, provenientes das atividades industriais definidas
como tal pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

930 – A Receita de Serviços é o ingresso proveniente da prestação de serviços de transporte,


saúde, comunicação, portuário, armazenagem, de inspeção e fiscalização, judiciário,
processamento de dados, vendas de mercadorias e produtos inerentes à atividade da entidade
e outros serviços.

931 – A Transferência Corrente é o ingresso proveniente de outros entes ou entidades,


referentes a recursos pertencentes ao ente ou entidade recebedora ou ao ente ou entidade
transferidora, efetivados mediante condições preestabelecidas ou mesmo sem qualquer
exigência, desde que o objetivo seja a aplicação em despesas correntes.

932 – Receitas de Capital São os ingressos de recursos financeiros oriundos de atividades


operacionais ou não operacionais para aplicação em despesas operacionais, correntes ou de
capital, visando ao atingimento dos objetivos traçados nos programas e ações de governo. São
denominadas receita de capital porque são derivados da obtenção de recursos mediante a
constituição de dívidas, amortização de empréstimos e financiamentos e/ou alienação de
componentes do ativo permanente.

933 - De acordo com a Lei 4320 de 64 as receitas de capital serão classificadas nos seguintes
níveis de subcategorias econômicas: Operações de Crédito; Alienação de Bens; Amortização
de Empréstimos e Transferências de Capital.

933 - Operações de Crédito é o ingresso proveniente da colocação de títulos públicos ou da


contratação de empréstimos e financiamentos obtidos junto a entidades estatais ou privados.
Alienação de Bens é o ingresso proveniente da alienação de componentes do ativo
permanente. Amortização de Empréstimos é o ingresso proveniente da amortização, ou seja,
parcela referente ao recebimento de empréstimos ou financiamentos concedidos em títulos ou
contratos. Transferência de Capital: é o ingresso proveniente de outros entes ou entidades
referentes a recursos pertencentes ao ente ou entidade recebedora ou ao ente ou entidade
transferidora, efetivado mediante condições preestabelecidas ou mesmo sem qualquer
exigência, desde que o objetivo seja a aplicação em despesas de capital.

934 - CODIFICAÇÃO DA NATUREZA DA RECEITA: Na elaboração do orçamento público a


codificação econômica da receita orçamentária é composta dos níveis abaixo: categoria
Econômica; Subcategoria Econômica; Fonte; Rubrica; Alínea; Subalínea.

935 - Os estágios da receita orçamentária são: Previsão; Lançamento; Arrecadação e


Recolhimento.
935 - Previsão: é a estimativa de arrecadação da receita, constante da Lei Orçamentária Anual
compreendida em 2 fases distintas: A primeira consiste na organização e no estabelecimento
da metodologia de elaboração da estimativa. A segunda consiste no lançamento, que é o
assentamento dos débitos futuros dos contribuintes de impostos diretos, cotas ou contribuições
prefixadas ou decorrentes de outras fontes de recursos, efetuados pelos órgãos competentes.

935 - Lançamento: é a legalização da receita pela sua instituição e a respectiva inclusão no


orçamento.

935 - Arrecadação: é a entrega, realizada pelos contribuintes ou devedores aos agentes


arrecadadores ou bancos, dos recursos devidos ao Tesouro. A arrecadação ocorre somente
uma vez, vindo em seguida o recolhimento. Quando um ente arrecada para outro ente, cumpre-
lhe apenas entregar-lhe os recursos pela transferência dos recursos, não sendo considerada
arrecadação, quando do recebimento pelo ente beneficiário.

935 - Recolhimento: é a transferência dos valores arrecadados à conta específica do Tesouro,


responsável pela administração e controle da arrecadação e programação financeira,
observando o Princípio da Unidade de Caixa representado pelo controle centralizado dos
recursos arrecadados em cada ente.

936 – Do ponto de vista orçamentário, o regime de caixa é legalmente instituído para a Receita
Pública, ou seja, no momento do ingresso de disponibilidade. A adoção do regime de caixa
para as receitas tem como objetivo evitar o risco de que a execução das despesas
orçamentárias ultrapasse a arrecadação efetivada. Receita do exercício corrente é a receita
arrecadada no próprio exercício.

936 - O equilíbrio das receitas e despesas deve ser compreendido no tempo e não em cada
exercício. Não se deve confundir equilíbrio orçamentário da previsão e da dotação, com o
equilíbrio da realização das receitas e da execução das despesas. O equilíbrio orçamentário da
previsão e da dotação é baseado no princípio da anualidade. O equilíbrio da execução das
receitas e despesas é baseado no princípio da origem e da aplicação de recursos,
caracterizado pelo equilíbrio financeiro no tempo.

937 – A destinação da Receita Pública é o processo pelo qual os recursos públicos são
vinculados a uma despesa. A destinação de Receita Pública, para fins de aplicação, é dividida
em ordinária e vinculada. a) Destinação Vinculada é o processo de vinculação de fonte na
aplicação de recursos em atendimento às finalidades específicas; b) Destinação Ordinária é o
processo de alocação livre de fonte parcial ou totalmente não vinculada, à aplicação de
recursos para atender às finalidades gerais do ente. O argumento utilizado na criação de
vinculações para as receitas é o de garantir a despesa correspondente, seja para funções
essenciais, seja para entes, órgãos, entidades e fundos.

938 - As Transferências Intergovernamentais compreendem a entrega de recursos correntes ou


de capital, de um ente para outro, podendo ser voluntárias, neste caso destinado à cooperação,
auxílio ou assistência, ou decorrerem de determinação constitucional ou legal, exemplo
FUNDEF – Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e da Valorização
do Magistério.

939 - Baseando-se na Portaria que estabelece as contas de receita, em qual nível os Estados e
Municípios podem detalhar as contas para atender suas necessidades de controle? O
desdobramento das naturezas de receita para atendimento das peculiaridades dos entes da
Federação pode ser feito respeitando os níveis já existentes na Portaria.

940 - Como classificar a receita proveniente de aplicação dos recursos provenientes do


FUNDEF – Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e Valorização do
Magistério – no mercado financeiro? A classificação da receita proveniente de aplicação de
recursos do FUNDEF deve subordinar-se ao tipo de aplicação.

941 - Os cancelamentos de Restos a Pagar devem ser registrados como receita?


O registro do cancelamento de Restos a Pagar é feito em contrapartida de Variação Ativa.
Trata-se apenas de restabelecimento de saldo de disponibilidade comprometida referente às
receitas arrecadadas em exercício anterior.

942 - Como devem ser contabilizadas as transferências das Contribuições Previdenciárias


Patronais de recursos do Município para um Fundo/Autarquia que administre o Regime Próprio
de Previdência do Município?
A transferência dos recursos referentes à Contribuição Previdenciária Patronal do Município
para um Fundo ou Autarquia próprio deverá ser em forma de repasse concedido (Interferência
passiva). Como contrapartida deverá haver o registro de uma interferência ativa no
Fundo/Autarquia. Como exemplo, pode-se citar as transferências da Contribuição Patronal para
os Regimes Próprios de Previdência criados por cada Município.

943 - O treinamento envolve basicamente quatro etapas: diagnóstico; desenho do programa de


treinamento; aplicação ou implementação e; avaliação e acompanhamento. O diagnóstico visa
levantar as necessidades (carências em termos de preparo profissional) passadas, presentes
ou futuras por intermédio de pesquisas internas, a fim de descrever o problema e prescrever
uma intervenção.

944 - O desenho do programa de treinamento refere-se ao planejamento das ações de


treinamento a partir do diagnóstico das necessidades. Este deve estar associado às
necessidades estratégicas da organização. O programa de treinamento pode trabalhar com as
habilidades reprodutivas ou produtivas. Na habilidade reprodutiva há pouca variedade ou
necessidade de mais aprendizagem depois do domínio básico, uma vez que se constitui numa
série de ações reprodutivas, que melhoram com o tempo e a prática. Já a habilidade produtiva
envolve um elemento de solução de problemas cada vez que a habilidade é praticada. A
pessoa deve planejar as suas respostas porque sempre há detalhes diferentes nas situações
apresentadas. A experiência cresce com a prática; envolve percepção, interpretação,
planejamento, decisão, entre outros.

945 – O Recrutamento Interno envolve a promoção, transferência ou promoção e transferência.


Apresenta como vantagens: o fato de ser uma fonte mais próxima, rápida e menos custosa; a
obtenção de informações mais precisas e; a possibilidade de preparação para a promoção e de
melhoria do moral e das relações internas. Como desvantagens pode-se citar o fato de que os
recursos humanos internos às vezes não são suficientes; requer treinamento; pode gerar
ressentimento por parte dos não promovidos; tende a reduzir a inovação no trabalho, e ainda, a
demasiada ênfase na promoção pode despertar o carreirismo.

946 – O Recrutamento Externo pode ocorrer por intermédio de anúncios, agência de


recrutamento, escolas e universidades, cartas casuais de candidatos, banco de dados de
candidatos, sindicatos e associações de classe, tabuletas, propagandas, murais, indicações,
intercâmbio entre empresas, transferências, arquivos, rádio e televisão, congressos e
convenções, associações religiosas e culturais. Esta forma de recrutamento tem como
vantagens a pré-seleção, a possibilidade de renovar o ambiente e o investimento em novos
talentos. Como desvantagem apresenta o fato de ser um processo demorado e caro. O
Recrutamento culmina com a apresentação do currículo ou com o preenchimento da proposta
de trabalho. O currículo funciona como um catálogo ou portfólio do candidato.

947 - Assim, a preparação, a competência, a atitude profissional e a ética das pessoas


envolvidas num processo seletivo são essenciais, de forma que possuam uma autopercepção e
uma autocrítica muito desenvolvidas, a fim de que não se deixem influenciar pelos seus valores
pessoais, preconceitos e estereótipos, levando-as a uma avaliação superficial, atrelada aos
seus critérios pessoais, desconsiderando as estratégias e os objetivos organizacionais. São
citados, a seguir, alguns preconceitos e estereótipos mais comuns: a) Efeito Halo: consiste em
deixar que uma característica da pessoa encubra todas as demais, influenciando a sua
avaliação. é o chamado julgamento à primeira vista. b) Predisposição pessoal: ocorre quando
existe um preconceito contra certos grupos específicos em relação a raça, religião, política, ou
preferência por certos tipos humanos. c) Confiar na experiência: pensar que a experiência
anterior é a melhor garantia de habilidade. d) Visão parcial: avaliar as características do
indivíduo de modo isolado e não no conjunto. e) Apoiar-se no candidato médio para não
incorrer no perigo dos extremos.

948 - A remuneração por competência ou habilidade consiste numa nova estratégia para
administrar os cargos e os salários da empresa, que começa a ocupar espaço nos programas
de gestão de pessoas. Essa nova estratégia privilegia, em primeiro lugar, o homem, e, em
segundo lugar, o cargo. Isto é o que a diferencia dos modelos tradicionais de remuneração. Na
premissa deste modelo, a avaliação é feita sobre as atividades e responsabilidades que o
empregado assume na empresa. Vários pesquisadores e consultores da área consideram que
os modelos tradicionais (remuneração por responsabilidades) não serão extintos
completamente. Tais modelos são de grande valia para a definição dos salários dos cargos
considerados operacionais e não estratégicos.

949 – O sistema tradicional é conhecido como remuneração por cargo. Esta é a forma mais
tradicional utilizada pelas empresas para recompensar seus empregados pelo trabalho
realizado. Contudo, tem as seguintes limitações: 1 - apresenta pouca objetividade na
operacionalização do sistema; 2 - observa-se certa racionalidade, porém esta reduz a realidade
da empresa a estruturas departamentalizadas; 3 - tem pouca flexibilidade, pois tende a tratar os
cargos diferentes como iguais, muitas vezes engessando a empresa; 4 - aplica técnicas
estatísticas complexas, dificultando a compreensão dos empregados e dos líderes de equipe
ou gerentes; 5 - dificulta a adoção de estilos gerenciais participativos e consultivos,
prevalecendo os estilos autoritários e paternalistas; 6 - reforça o conservadorismo, a estrutura
burocrática, linhas de comando e componentes formais da empresa; 7 - dificulta a evolução do
processo de mudança; 8 - mostra pouca visão de futuro e orientação estratégica, focando a
realidade do cargo no aqui e agora; 8 - apresenta custo elevado na manutenção do sistema,
em função da constante necessidade de revisão, decorrente das mudanças ambientais e da
complexidade inerente ao sistema; 9 - apresenta pouca confiabilidade das informações obtidas
por meio de pesquisa salarial, decorrente das titulações dos cargos e funções e da
multifuncionalidade.

950 - Torna-se cada vez mais complexo buscar Informações salariais no mercado, pois as
empresas estão se diferenciando mais acentuadamente em termos de tecnologia, formas de
gestão, mudanças na estrutura (fusões, aquisições, downsizing) e negociação trabalhista, entre
outros aspectos. Tais limitações do sistema tradicional colocam as atividades desenvolvidas
pelos empregados como o único parâmetro para a definição de seus salários.

951 - Remuneração por competência - Observa-se que não existe ainda, um consenso entre os
autores e profissionais da área sobre a definição de competência. Competência pode ser
definida como um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes correlacionados que afeta
parte considerável da atividade de alguém. Destacam-se, a seguir, algumas vantagens da
utilização da remuneração por competências: 1 - Direciona o foco para as pessoas e não para
os cargos ou responsabilidades; 2 - Remunera o empregado com uma parcela fixa do salário a
cada competência adquirida; 3 - Garante o reconhecimento aos empregados pela parcela de
contribuição especializada disponibilizada à empresa; 4 - Mantém o nível de profissionalização
e especialização dos empregados compatível com a competitividade; 5 - Encoraja as pessoas
a ter responsabilidades plenas e à busca contínua do desenvolvimento profissional; 6 - Melhora
a produtividade e a qualidade dos produtos e serviços prestados pela empresa; 7 - Facilita a
seleção e a contratação de talentos humanos adequados aos requisitos do cargo; 8 - Aumenta
a motivação dos empregados, uma vez que estes percebem claramente a relação de sua
performance com os aumentos salariais.

952 – A utilização do sistema de remuneração por habilidade requer a adoção de alguns


conceitos, tais como: desenvolvimento de carreira, blocos de habilidades, certificação e
habilitação das habilidades, treinamento e desenvolvimento e a evolução e controle dos custos
na folha de pagamento. Destacam-se, aqui, algumas vantagens na adoção da remuneração
por habilidade: a) o foco da avaliação não está na função, e sim na pessoa, o que faz com que
o empregado procure cada vez mais adquirir habilidades, preocupando-se com o
desenvolvimento contínuo; b) a área de recursos humanos passa a assumir um papel mais
estratégico e menos operacional, integrando de forma mais significativa os programas de
treinamento às necessidades da empresa; c) permite custo variável na folha de pagamento; e
d) empregados multiespecializados e bem treinados ajustam-se mais facilmente às mudanças
no processo produtivo, gerando maior flexibilidade. Esta é uma ferramenta de gestão que
deverá ser mais utilizada no Brasil, nos próximos anos, pois sua tendência será acompanhar a
modernização dos processos industriais, em decorrência da exigência cada vez maior da busca
pela qualidade nos produtos e serviços.

953 - É bem pouco provável que uma pessoa consiga obter autoconhecimento pessoal e
profissional, bem como a habilidade da assertividade, se não receber feedback a respeito de
seu comportamento na empresa, ou seja, sobre o que faz de correto e sobre os pontos em que
necessita de ajustes. Nesse contexto, faz-se necessário criar instrumento para auxiliar a
pessoa a se reposicionar, e a Avaliação 360 Graus poderá servir para atingir este objetivo.
Entende-se por Avaliação de Desempenho 360 graus aquela que pressupõe uma comparação
entre a percepção dos pares no trabalho, do superior imediato, dos subordinados diretos,
clientes, fornecedores, e a percepção que o ocupante do cargo tem de si mesmo, no exercício
das atividades, fechando, assim, um círculo de 360 graus.

954 - Os objetivos principais do Sistema de avaliação 360 Graus são: 1 - propiciar um feedback
objetivo e cuidadoso, que possa identificar e desenvolver competências, habilidades e
comportamentos; 2 - melhorar a comunicação entre as pessoas da equipe, estimular o líder ou
facilitador, bem como fornecer sustentação para o trabalho em equipe; 3 - contribuir com
informações relevantes para os processos de promoção dos empregados, plano de carreira e
sucessão; 4 - estimular a busca pelo conhecimento, maximizando as atividades de treinamento
e reciclagem dos empregados; 5 - provocar mudanças na cultura organizacional da empresa; 6
- estimular o empregado à busca de melhoria contínua, principalmente quando a avaliação fizer
parte de um sistema integrado de desenvolvimento profissional, premiações, bônus ou
promoções.

955 – Recursos humanos é uma área interdisciplinar que envolve necessariamente conceitos
de Psicologia Industrial e Organizacional, de Sociologia Organizacional, de Engenharia
Industrial, de Direito do Trabalho, de Engenharia de Segurança, de Medicina do Trabalho, de
Engenharia de Sistemas, de Cibernética e etc. Técnicas UTILIZADAS NO AMBIENTE
EXTERNO: Pesquisa de mercado de Recursos Humanos; Recrutamento e Seleção; Pesquisa
de salários e benefícios; Relações com sindicatos; Relações com entidades de formação
profissional. Técnicas UTILIZADAS NO AMBIENTE INTERNO: Análise e descrição de cargos;
Avaliação de cargos; Treinamento; Avaliação de desempenho; Plano de carreiras; Plano de
benefícios sociais.

956 – Não há leis ou princípios universais para a administração de pessoas. O R.H. é


contingencial, ou seja, depende da situação organizacional, do ambiente, da tecnologia
empregada pela organização, das políticas e diretrizes vigentes, da filosofia administrativa
preponderante, da concepção existente na organização acerca do homem e de sua natureza e,
sobretudo da qualidade e quantidade dos recursos humanos disponíveis. A Administração de
Recursos Humanos consiste no planejamento, na organização, no desenvolvimento, na
coordenação e no controle de técnicas capazes de promover o desempenho eficiente dos
profissionais, ao mesmo tempo em que a organização representa o meio que permite às
pessoas que com ela colaboram alcançar os objetivos individuais relacionados direta ou
indiretamente com o trabalho. A Administração de Recursos Humanos significa conquistar e
manter pessoas na organização, trabalhando e dando o máximo de si, com uma atitude
positiva e favorável.

957 - Os objetivos do RH derivam dos objetivos da organização como um todo. Toda


organização tem como um de seus principais objetivos a criação e distribuição de algum
produto ou de algum serviço. Ao lado dos objetivos organizacionais, o RH deve considerar os
objetivos pessoais dos profissionais. Os principais objetivos do RH são 1 - criar, manter e
desenvolver um contingente de profissionais com habilidade e motivação para realizar os
objetivos da organização; 2 - criar, manter e desenvolver condições organizacionais de
aplicação, desenvolvimento e satisfação plena dos profissionais, e alcance dos objetivos
individuais; e alcançar eficiência e eficácia através dos profissionais disponíveis.
958 - Assim, cada gestor é responsável pelos recursos humanos alocados em seu
departamento qualquer que ele seja, de linha ou de assessoria, de produção, de vendas, de
finanças, de pessoal etc. O RH é UMA RESPONSABILIDADE DE LINHA e UMA Função DE
STAFF. Isso significa que quem administra o pessoal é cada gestor dentro de sua área de
atuação, é ele quem decide sobre novas admissões, sobre promoções e transferências, sobre
avaliação do desempenho, sobre mérito, treinamento, desligamento etc. Todavia, para que os
gestores atuem de maneira uniforme e padronizada em relação aos seus profissionais, torna-se
necessário um órgão de staff, de assessoria e consultoria, para proporcionar aos gestores a
devida orientação (regulamentos, normas e procedimentos) sobre como administrar seus
profissionais. Além dessa assessoria, aconselhamento e consultoria, o órgão de staff deve
também prestar serviços especializados - como recrutamento, seleção, treinamento análise e
avaliação de cargos e etc. - suprir o corpo gerencial com propostas e recomendações para que
tomem decisões adequadas. Dentro dessas condições, o RH é uma responsabilidade de linha (
de cada gestor ) e uma função de staff (assessoria que o órgão de RH presta a cada gestor).

959 - Quatro abordagens modeladas por pesquisa e prática da administração podem desenhar
um quadro da evolução histórica dos momentos que influenciaram o desenvolvimento do
Comportamento Organizacional. A primeira foi a chamada administração científica, que teve
como área de concentração o aumento da eficiência do comportamento no trabalho e dos
processos de produção. Outra abordagem refere-se aos princípios da administração,
enfocando o aumento da eficiência de todos os procedimentos empregados pelos gerentes
para alcançar resultados, incluindo-se aí as pessoas. Tal abordagem enfatizava o estímulo ao
desenvolvimento e satisfação dos trabalhadores, sendo chamada abordagem de relações
humanas. Tem-se, a seguir, a abordagem de que toda empresa constitui um sistema, uma
estrutura unificada de subsistemas inter-relacionados sujeitos às influências do ambiente,
denominada abordagem dos sistemas abertos. Hoje percebe-se que o campo do
Comportamento Organizacional evoluiu de uma orientação com ênfase nas estruturas e
processos de pequenos grupos, para uma perspectiva de grandes subsistemas, organizações
e seus ambientes, contribuindo para a compreensão e solução de problemas de trabalho por
meio de diferentes possibilidades de intervenção.

960 - Os gerentes nas organizações: Várias são as restrições aos gerentes que, de alguma
forma, não conseguem corresponder às expectativas de um conjunto exigente de pessoas
(clientes, subordinados, acionistas, fornecedores, etc.), levando a algumas constatações, tais
como: 1) os gerentes, de maneira geral, não conhecem a realidade do mercado onde suas
empresas atuam (não conhecem em profundidade as demandas, características, tendências);
2) os gerentes em geral não conhecem o perfil dos seus clientes (não sabem das suas
necessidades, expectativas e dificuldades); 3) muitas vezes, os gerentes não sabem tomar
decisões diante de situações complexas (têm medo das conseqüências, não têm autonomia,
preferem que seus superiores assumam as conseqüências); 4) as tarefas dos gerentes
freqüentemente são apenas de rotina, conduzindo suas ações, voltados muito mais para
situações que já ocorreram do que para questões prospectivas, ou seja, para questões que
investiga o que acontece de agora para frente; 5) alguns gerentes não se mostram capazes de
lidar eficazmente com pessoas (não sabem lidar com as emoções, não sabem liderar, nem
tampouco conduzir uma boa reunião com a participação intensa de todos). Os gerentes têm, no
comportamento organizacional, poderosas ferramentas para lidar com a complexidade das
situações.

961 - Grupo de alto desempenho: É possível considerar, de maneira ampla, que todas as
nossas atividades acontecem em um contexto de grupo e, nele, qualquer trabalhador é tão
influenciado que o seu desempenho pode ser sensivelmente alterado. Por outro lado não basta
simplesmente colocar as pessoas juntas para que se alcance um bom desempenho. É preciso
que a pessoa aprenda como interagir de maneira a compartilhar informações, confrontar
diferenças e cooperar com os seus pares. Na empresa moderna é nítida a preocupação e
importância dos grupos para o alcance de melhores resultados, e isto ocorre em todos os
níveis da hierarquia. Os grupos se formam nas empresas com base no agrupamento por
função (por tarefas que os seus membros executam) ou no agrupamento por fluxo de trabalho
(desde o início do trabalho até sua conclusão). A gerência que conhece as fases de
desenvolvimento de um grupo sabe que não pode cobrar resultados enquanto os indivíduos
que trabalham juntos não tenham resolvido algumas questões entre eles. Assim, é possível
diferenciar um grupo de uma equipe eficaz de alto desempenho.

962 - Considera-se um grupo como duas ou mais pessoas que interagem entre si de tal forma
que cada uma influencia e é influenciada pelas demais. Existem em um grupo, algumas
distinções: as pessoas consideram-se membros, identificam-se umas com as outras, interagem
freqüentemente, têm papéis interdependentes e compartilham normas comuns. Uma equipe de
alto desempenho por sua vez apresenta características distintas, como um alto grau de
interdependência entre seus membros. Estes têm elevado grau de responsabilidade no
desempenho de diversas funções e, além disso, as diferenças entre os membros em termos de
experiência e conhecimento são aproveitadas de tal forma que elas interferem nos resultados e
desempenho final.

963 - Vários são os fatores que podem impedir um bom rendimento do grupo, como o seu
tamanho, o grau de motivação de seus membros, a falta de coesão, dificuldades de
comunicação e até mesmo normas restritivas ao seu bom funcionamento. Algumas
providências são eficazes quanto ao bom funcionamento de um grupo, a saber: favorecer a
integração das pessoas, observar a liderança voltada para a tarefa, tanto quanto os fatores de
manutenção do grupo que dizem respeito às questões sociais; classificar papéis e
expectativas; intensificar os valores e respeito às normas; bem como favorecer, sempre, uma
maior coesão das pessoas. Sabe-se que os resultados alcançados pelos grupos dependem
muito do grau de participação de cada um, bem como do nível de empowerment (delegação,
empodeiramento), de que as pessoas dispõem.

964 - Entende-se que um ambiente constituído por profissionais de diferentes formações, com
diferentes histórias de vida, tem maior chance de fazer uma leitura de mundo muito mais
abrangente, visualizar ângulos não percebidos por muitos, apresentar idéias originais e usar
referências pouco comuns. A empresa formada por diferentes públicos internos tem um
repertório rico de comportamento e conhecimento para atender a diferentes públicos externos.
Ademais, é a diversidade que estimula a criatividade. Não basta, contudo, termos uma clientela
interna diversificada, se esta atitude não faz parte da estratégia da empresa, se não há um
compromisso de todos os setores da empresa, encabeçados pela direção.

965 - A busca do trabalho conjunto exige, do gerente, habilidades que em outros tempos não
eram imaginadas e que agora são consideradas essenciais: o controle emocional, a empatia, a
sociabilidade, o saber ouvir, dar e receber feedback e etc. É nas equipes de alto desempenho
que os indivíduos apresentam-se profundamente comprometidos com um propósito comum,
procuram alcançar de modo responsável as metas estabelecidas e têm uma crença na
capacidade do grupo que lhes permite superar conflitos e alcançar os melhores resultados. E
para que este processo seja continuamente renovado é necessário que o gerente mantenha
permanente apoio às equipes, aconselhando, orientando e treinando como um Coach.

966 – O que diferencia uma learning organization (organização que aprende) das demais é sua
condição de reagir prontamente às mudanças, antecipando-as ou, ela mesma, promovendo a
necessidade de mudar. As empresas precisam se orientar no mercado global, administrar
surpresas e aprender com os próprios erros. Para isto precisam aprender continuamente.
Aprender não deve ser confundido com colecionar informações, mas implica relacionar as
informações com o mundo de forma a compreendê-lo e sermos capazes de entender nossa
relação com ele, de desenvolver novas competências, de inventar e se reinventar. É esta
capacidade que vai nos permitir lidar com a mudança.

967 - Segundo SENGE, o ciclo de aprendizagem é iniciado e mantido pelas cinco


disciplinas: 1 - Maestria pessoal: É preciso ser capaz de criar um ambiente
empresarial que incentive os nossos colaboradores a buscar seus objetivos, sem
medo de errar. Enfim, aprender a aproximar a realidade da visão pessoal. 2 -
Modelos mentais: São mapas do mundo que construímos a partir das nossas
vivências e por meio dos quais nos orientamos. O objetivo desta disciplina é rever
nossos modelos mentais para ajustá-los à realidade. Quanto mais próximo
estivermos da realidade, mais capazes seremos de tomar caminhos que nos
conduzam aos objetivos estabelecidos. 3 - Trabalho em equipe: Crescemos sem
saber o que é trabalhar e aprender em grupo; portanto, criar conhecimento em
grupo é uma tarefa difícil. Assim, é cada vez mais importante que se construa, nas
organizações, a idéia de que a eficácia não é resultado de um esforço apenas
individual, mas sim resultado de ações sinérgicas, com um forte sentido de
cooperação. 4 - Visão compartilhada: a visão genuinamente compartilhada envolve
os vários níveis da organização na construção da sua visão. As pessoas precisam
ter um espaço para falar e serem ouvidas, pois só assim terão motivação para
construir uma visão que vá ao encontro de suas aspirações e do futuro que desejam
para a empresa, em vez de uma visão que só atenda aos desejos dos seus
superiores. 5 - Visão sistêmica: Trata-se de uma disciplina que permite
compreender a organização como um sistema e descrever as inter-relações
existentes entre os seus elementos. Cada componente exerce influências e traz
informações a outros, promovendo o crescimento, o declínio ou a estabilidade do
sistema como um todo.

968 - No mundo do trabalho, e nas empresas em particular, fica mais evidente que a maioria
dos problemas existentes não é de ordem técnica, mas sim de relacionamento interpessoal.
Embora as estruturas organizacionais estejam se alterando com visível rapidez, a participação,
a colaboração, a lealdade, a ética nos relacionamentos, a transparência e o trabalho em
equipe, ainda continuam sendo mais objeto de discurso do que da prática cotidiana. A ruptura
dos padrões e valores que marcaram a era Industrial é inevitável, mas muitos, por estarem
subjetivamente despreparados, procuram resistir ao processo de mudança. Competência
interpessoal, ou seja, capacidade de interagir de forma construtiva com as pessoas, tal como o
autoconhecimento, é um exercício constante de expansão da autoconsciência e da consciência
do outro, é aprimoramento permanente de nossa capacidade de transmitir de forma eficaz e
adequada nossas idéias, sentimentos, opiniões, é sensibilidade apurada, é capacidade de
observar a reação de nossos interlocutores e utilizá-la como feedback para verificar se a
mensagem foi fielmente transmitida e captada. Competência interpessoal é saber lidar com
conflitos, com convites para jogos psicológicos, em resumo, gerir o relacionamento com seres
que pensam, agem e reagem diferentemente de nos, possuem necessidades e expectativas
diversas no que diz respeito aos resultados da interação.

969 – O conflito é muito mais do que um simples desacordo ou divergência, uma vez que se
constitui de uma interferência ativa ou passiva, ao mesmo tempo em que é deliberado no
sentido de se impor um bloqueio sobre a tentativa da outra parte de alcançar os seus objetivos.
Há vários tipos de conflitos, no entanto, podemos classificá-los, de um modo geral em duas
categorias essenciais: 1 - O conflito interno ou intrapessoal: envolvendo dilemas de ordem
pessoal. 2 - O conflito externo: podendo ser de ordem interpessoal, intragrupal, intergrupal,
intra-organizacional ou ainda interorganizacional. Um conflito pode ser definido por meio de três
níveis de gravidade, a saber: 1 - Conflito percebido: Ocorre quando as partes percebem e
compreendem que o conflito existe porque sentem que seus objetivos são diferentes dos
objetivos dos outros, e que há oportunidades para interferência ou bloqueio. É o chamado
conflito latente, pois por meio dele as partes percebem um potencial de conseqüências graves
que poderão impedir a consecução dos objetivos desejados; 2) Conflito experienciado: Ocorre
quando se provocam sentimentos de hostilidade, raiva, medo, descrédito entre uma parte e
outra. É o chamado conflito velado, pois tende a ser dissimulado, oculto e não manifestado
externamente com clareza; 3) Conflito manifestado: Ocorre quando é expresso por meio de um
comportamento de interferência ativa ou passiva por pelo menos uma das partes. É o chamado
conflito aberto, pois se manifesta sem dissimulação.

970 - Conceitualmente, o administrador tem à sua disposição três abordagens para administrar
conflitos: 1 - Abordagem estrutural: Grosso modo, o conflito surge das percepções criadas
pelas condições de diferenciação, e de recursos limitados ou escassos, e da interdependência
entre estes elementos. Se eles puderem ser modificados, tanto as percepções quanto o conflito
resultante poderão ser devidamente controlados. 2 - Abordagem de processo: Esta abordagem
procura reduzir conflitos por meio da modificação do processo, isto é, de uma intervenção no
episódio do conflito. Ela pode ser utilizada por uma das partes em conflito, por pessoas de fora
ou ainda por uma terceira parte (como um consultor, um administrador neutro ou um diretor da
organização). 3 - Abordagem mista: É a administração do conflito tanto nos aspectos
estruturais como nos de processo, e inclui intervenções sobre a situação estrutural bem como
sobre o episódio conflitivo.

971 - Há vários estilos possíveis para a administração de conflitos. Por um lado, há aqueles
que dão ênfase ao desejo de satisfazer os próprios interesses (dimensão assertiva ou
assertividade) e, por outro, os que levam em conta os interesses da outra parte (dimensão
cooperativa). A partir destas duas dimensões, propõe-se, um modelo que retrata cinco estilos
de administrar conflitos: 1- Estilo de evitação: Reflete uma postura que não é nem assertiva e
nem mesmo cooperativa, com vistas a se evitar ou se fugir do conflito. É uma atitude de fuga
pela qual o administrador procura evitar as situações de conflito, buscando outra saída, ou
deixando as coisas como estão. 2- Estilo de acomodação: Reflete o alto grau de cooperação
para suavizar as coisas, mantendo sempre um clima de harmonia entre as pessoas. Consiste
em resolver os pontos menores de discordância e deixar os problemas maiores para frente. 3-
Estilo competitivo: É quando o comando autoritário se reflete com forte assertividade para
impor o seu próprio interesse. É a atitude de confronto e de dominação em que uma parte se
engaja em uma competição do tipo ganhar/ perder, forçando para isso o uso da autoridade. 4 -
Estilo de compromisso: É uma combinação tanto das características de assertividade quanto
de cooperação. É utilizado quando uma parte aceita soluções razoáveis para a outra, pois cada
parte aceita ganhos e perdas na solução. Estilo de colaboração ou de solução de problemas:
Caracteriza-se por elevado grau de assertividade e de cooperação. O estilo colaborativo
habilita ambas as partes a ganhar, desde que utilizem a negociação e o intercâmbio para
reduzir diferenças.

972 - O conflito pode gerar tanto resultados positivos quanto negativos. Dentre os resultados
positivos e construtivos do conflito, estão: 1- O conflito desperta sentimentos e energia dos
membros do grupo que estimulam interesse em descobrir meios eficazes de realizar as tarefas,
bem como soluções criativas e inovadoras; 2 - O conflito estimula sentimentos de identidade no
grupo, aumentando a coesão intragrupal; 3 - O conflito é um meio de chamar a atenção para os
problemas existentes, uma vez que funciona como mecanismo de correção para evitar
problemas mais sérios. Dentre os resultados negativos e destrutivos do conflito, estão: a) O
conflito apresenta conseqüências indesejáveis para o bom funcionamento da organização, pois
indivíduos e grupos vêem seus esforços bloqueados, desenvolvendo sentimentos de
frustração, hostilidade e tensão. Isto prejudica tanto o desempenho das tarefas como o bem-
estar das pessoas; b) Grande parte da energia criada pelo conflito é dirigida e gasta nele
mesmo, prejudicando a energia que poderia ser utilizada no trabalho produtivo, pois ganhar o
conflito passa a ser mais importante do que o próprio trabalho. C) A cooperação passa a ser
substituída por comportamentos que prejudicam o funcionamento da organização, e
influenciam na natureza dos relacionamentos existentes entre pessoas e grupos. A questão
primordial é como administrar o conflito de forma a aumentar os efeitos construtivos, e a
minimizar os efeitos destrutivos. Esta tarefa cabe, sem dúvida, ao gerente responsável.

973 - O recrutamento consiste em fornecer à organização um número suficiente de pessoas,


necessárias à organização para a consecução de seus objetivos, a partir de dados referentes
às necessidades presentes e futuras de recursos humanos. Ou seja, é a busca de canais
competentes e efetivos, sendo estes os mais diversos, de fontes de captação de indivíduos
necessários e adequados as vagas em aberto. Antes de qualquer processo seletivo faz-se
necessário o levantamento do perfil adequado do candidato que deverá preencher a vaga. O
cargo engloba o conjunto de atividades a serem desenvolvidas pelo empregado na empresa.
Cada cargo apresenta atividades específicas das quais é necessário apresentar habilidades,
conhecimentos e aptidões que permitam ao sujeito a realizá-las com maior eficácia.

974 - O recrutamento Interno é a busca pelo profissional que se concentra na própria empresa,
através de remanejamento de colaboradores que podem ser transferidos, promovidos ou ainda
transferidos com promoção. Este tipo de recrutamento é uma excelente opção para a
empresa, pois em geral demanda menor custo e menor tempo na escolha do candidato, isso
dentre outras vantagens como: Valorização de colaboradores, desempenho e potencial já
conhecidos, aproveitamento de investimentos feitos em treinamento de pessoal. O
recrutamento interno, porém, apresenta as seguintes desvantagens: Desmotivação dos
colaboradores não aprovados no processo interno; excesso de competitividade entre os
colaboradores; não adaptação do profissional promovido.

975 - O recrutamento Externo trata da busca do profissional fora da empresa, no mercado de


trabalho. As fontes de recrutamento externo são; recrutamento em universidades, agências de
emprego, mídia, concorrência, clientes, Headhunters (caçadores de talentos) ou agências de
recrutamento. Este tipo de recrutamento traz as seguintes vantagens para a empresa: traz
novas idéias para a organização, renova e enriquece os recursos humanos da organização. Em
contrapartida, apresenta as seguintes desvantagens: as competências e características de
personalidade dos candidatos são desconhecidas, o processo é mais longo e caro e requer
maior investimento no processo de adaptação do novo colaborador. Há a possibilidade desse
tipo de recrutamento exercer um impacto sobre a satisfação, a motivação e a percepção da
equipe interna, que já possui uma rotina de trabalho que, provavelmente, será afetada pela
entrada de novos funcionários. Tal impacto pode ser positivo ou negativo, dependendo de
como está a rotina, a satisfação, a motivação e a percepção da equipe, em relação aos
novatos, juntamente com o tipo de recepção ou integração que a organização geralmente
realiza na entrada desses novos funcionários.

976 - As organizações estão sempre agregando novas pessoas para integrarem seus quadros,
seja para substituir funcionários que se desligaram, seja para ampliar o quadro de pessoal em
épocas de crescimento e expansão. A Seleção de Pessoas integra o processo de agregar
pessoas e funciona logo após o recrutamento. Recrutamento e Seleção de Pessoas fazem
parte de um mesmo processo: a introdução de novos elementos humanos na organização.
Enquanto o Recrutamento é uma atividade de atração, divulgação e comunicação a Seleção é,
ao contrário, uma atividade de escolha, de classificação e de decisão e, portanto, restritiva e
obstativa (possui obstáculos).

977 - Existem duas alternativas para fundamentar o processo seletivo: o cargo a ser
preenchido ou as competências a serem preenchidas. As exigências dependem desses dados
e informações para que a seleção tenha maior objetividade e precisão para preencher o cargo
ou agregar as competências. Podemos distinguir três modelos de decisão sobre candidatos:
colocação, seleção e classificação de candidatos. 1- Modelo de colocação: Há um só candidato
e uma só vaga a ser preenchida por aquele candidato. Este modelo não inclui a alternativa de
rejeitar o candidato. O candidato apresentado deve ser admitido sem sofrer qualquer rejeição. 2
- Modelo de seleção: Há vários candidatos e apenas uma vaga a ser preenchida. Cada
candidato é comparado com os requisitos exigidos pelo cargo que se pretende preencher,
ocorrendo duas alternativas apenas, aprovação ou rejeição. 3 - Modelo de classificação:
Existem vários candidatos para cada vaga e várias vagas para cada candidato. Cada candidato
é comparado com os requisitos exigidos pelo cargo que se pretende preencher. Ocorrem duas
alternativas para o candidato: ser aprovado ou rejeitado para aquele cargo.

978 - A Avaliação do Desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho de cada


pessoa, em função das atividades que ela desempenha, das metas e resultados a serem
alcançados e do seu potencial de desenvolvimento. A Avaliação do Desempenho é um
processo que serve para julgar ou estimar o valor, a excelência, e as qualidades de uma
pessoa e, sobretudo, qual é a sua contribuição para o negócio da organização. É um excelente
meio pelo qual se localizam problemas de supervisão e gerência, de integração das pessoas à
organização, de adequação da pessoa ao cargo, de localização de possíveis dissonâncias ou
carências de treinamento e, consequentemente, estabelecer os meios e programas para
eliminar ou neutralizar tais problemas. No fundo, a Avaliação do desempenho constitui um
poderoso meio de resolver problemas de desempenho e melhorar a qualidade do trabalho e a
qualidade de vida dentro das organizações. O desempenho humano no cargo é extremamente
contingencial. Varia de pessoa para pessoa. E de situação para situação, pois depende de
inúmeros fatores condicionantes que o influenciam poderosamente. O valor das recompensas e
a percepção de que as recompensas dependem de esforço determinam o volume de esforço
individual que a pessoa estará disposta a realizar.

979 - A avaliação do desempenho deve proporcionar benefícios para a organização e para as


pessoas. Para tanto, ela precisa atender às seguintes linhas básicas: 1- A avaliação deve cobrir
não somente o desempenho dentro do cargo ocupado, como também o alcance de metas e
objetivos. 2 - A avaliação deve enfatizar o indivíduo no cargo e não a impressão a respeito dos
hábitos pessoais observados no trabalho. 3 - A avaliação deve concentrar-se em uma análise
objetiva do desempenho e não em uma avaliação subjetiva de hábitos pessoais. Empenho e
desempenho são coisas distintas. 4 - A avaliação deve ser aceita por ambas as partes:
avaliador e avaliado. 5 - A avaliação do desempenho deve ser utilizada para melhorar a
produtividade do indivíduo dentro da organização, tornando-o mais bem equipado para produzir
com eficácia e eficiência.

980 - A avaliação 360 graus é feita de modo circular por todos os elementos que mantêm
alguma interação com o avaliado. Participam da avaliação, o chefe, os colegas e pares, os
subordinados, os clientes internos e externos, os fornecedores, enfim, todas as pessoas ao
redor do avaliado, em uma abrangência de 360 graus. A avaliação feita pelo entorno é mais
rica por produzir diferentes informações vindas de todos os lados e funciona no sentido de
assegurar a adaptabilidade e o ajustamento do funcionário às variadas demandas que ele
recebe de seu ambiente de trabalho ou de seus parceiros.

981 - A avaliação para cima Constitui uma faceta específica. Ao contrário da avaliação do
subordinado pelo superior, a avaliação para cima é o outro lado da moeda e permite que a
equipe avalie o seu gerente, como ele proporcionou os meios e recursos para a equipe
alcançar os seus objetivos e como o gerente poderia incrementar a eficácia da equipe e ajudar
a melhorar seus resultados.

982 - Os Métodos Tradicionais de Avaliação do Desempenho mais utilizados são: 1 - Escalas


gráficas: É um método baseado em uma tabela de dupla entrada, nas linhas estão os fatores
de avaliação e nas colunas estão os graus de avaliação do desempenho. 2 - Escolha forçada:
Para eliminar a superficialidade, a generalização e a subjetividade – aspectos característicos
do método da escala gráfica - surgiu o método da escolha forçada. Consiste em avaliar o
desempenho das pessoas através de blocos de frases descritivas que focalizam determinados
aspectos do comportamento. 3 - Pesquisa de campo: É um dos métodos tradicionais mais
completos de avaliação do desempenho. Baseia-se no princípio da responsabilidade de linha e
da função de staff no processo de avaliação do desempenho. 4 - Métodos dos incidentes
críticos: É um método tradicional de avaliação do desempenho simples e que se baseia nas
características extremas (incidentes críticos) que representam desempenhos altamente
positivos (sucesso) ou altamente negativos (fracasso). O método não se preocupa com o
desempenho normal, mas com desempenhos excepcionais, sejam positivos ou negativos. 5 -
Listas de verificação: É um método tradicional de avaliação de desempenho baseado em uma
relação de fatores de avaliação a serem considerados (check – lists) a respeito de cada
funcionário. Cada um desses fatores de desempenho recebe uma avaliação quantitativa. A lista
de verificação funciona como uma espécie de lembrete para o gerente avaliar todas as
características principais de um funcionário. Na pratica, é uma simplificação do método das
escalas gráficas.

983 - Novas abordagens na avaliação do desempenho humano: As tendências que estão


ocorrendo na Avaliação do Desempenho humano são as seguintes: 1 - Os indicadores devem
ser sistêmicos. Devem visualizar a empresa como um todo privilegiando os aspectos
relevantes. 2 - Os indicadores devem ser escolhidos em conjunto. Há quatro tipos de
indicadores: Indicadores financeiros; Indicadores ligados ao cliente; Indicadores internos e
Indicadores de inovação. 3 - A avaliação do desempenho deve basear-se em índices objetivos
de referência. Servindo assim como indicadores de Desempenho global (de toda a empresa);
Desempenho grupal (da equipe); ou Desempenho individual (da pessoa). 4 – A avaliação do
desempenho deve levar em conta o contexto geral. O ambiente externo também deve ser
considerado através de indicadores externos amplos e genéricos, como: a)Índices de ordem
econômica; b) Aspectos importantes de empresas do mesmo ramo de negócio (benchmarking);
5 - A avaliação do desempenho como elemento integrador das práticas de Gestão de Pessoas
(GP) constitui uma chave integradora dos diferentes processos de GP: provisão, aplicação,
recompensas, desenvolvimento, manutenção e monitoração de pessoas na organização. 6 - A
avaliação do desempenho se baseia em processos não estruturados. Sem os antigos rituais
burocráticos baseados no preenchimento de formulários e na comparação com fatores de
avaliação genéricos e abrangentes. 7 - A avaliação constitui um instrumento de realimentação
da informação, ou seja, de retroinformação das pessoas para proporcionar-lhes orientação,
auto-avaliação, autodireção e, conseqüentemente, autocontrole. 8 - As metas e os objetivos
atingidos são mais importantes do que o comportamento em si. 9 - A avaliação do desempenho
está sendo relacionada com a noção da expectância que é a relação entre as expectativas
pessoais e as recompensas decorrentes do nível de produtividade do indivíduo.

984 - Métodos modernos de avaliação do desempenho: Avaliação Participativa por Objetivos


(APPO). Nesse sistema se adota uma técnica de intenso relacionamento e de visão proativa
que segue seis etapas: 1 - Formulação de objetivos consensuais. 2 - Comprometimento
pessoal quanto ao alcance dos objetivos conjuntamente formulados. 3 - Negociação com o
gerente sobre a alocação dos recursos e meios necessários para o alcance dos objetivos. A
partir dos objetivos consensuais e estabelecido o comprometimento pessoal, o passo seguinte
é a definição dos recursos e meios necessários para poder alcançá-los eficazmente. 4 –
Desempenho: é o comportamento do avaliado no sentido de efetivar o alcance dos objetivos
formulados. Aqui reside o aspecto principal do sistema. 5 - Constante monitoração dos
resultados e comparação com os objetivos formulados. 6 - Retroação intensiva e contínua
avaliação conjunta. Muita informação de retorno e, sobretudo, suporte de comunicação para
reduzir a dissonância e incrementar a consistência.

985 - O desenvolvimento de pessoas está mais relacionado com a educação e com a


orientação para o futuro do que o treinamento. O desenvolvimento está mais focalizado no
crescimento pessoal do empregado e visa à carreira futura e não apenas o cargo atual. Com a
redução de níveis hierárquicos e a formação de equipes de trabalho, os funcionários passaram
a ter maior participação nos objetivos de seus cargos e maior preocupação com a Qualidade e
com os clientes. Há muitos métodos para o desenvolvimento de pessoas. Existem técnicas de
desenvolvimento de habilidades pessoais no cargo (como rotação de cargos, posições de
assessoria e atribuições de comissões) e fora do cargo (como cursos e seminários, exercícios
de simulação e treinamento fora da empresa).

986 – O gerente pode integrar vários papeis como líder renovador, preparador, orientador e
impulsionador para se transformar em um coach. Atribuição de comissões: Significa uma
oportunidade para a pessoa participar de comissões de trabalho compartilhando da tomada de
decisões, apreender pela observação dos outros e pesquisar problemas específicos da
organização. Jogos de empresas: são técnicas de desenvolvimento nas quais equipes de
funcionários ou de gerentes competem umas com as outras tomando decisões
computadorizadas a respeito de situações reais ou simuladas de empresas. Centros de
desenvolvimento internos: São métodos baseados em centros localizados na empresa para
expor os gerentes e as pessoas a exercícios realísticos para desenvolver e melhorar
habilidades pessoais. Tutoria: É a assistência que executivos da cúpula oferecem a pessoas
que aspiram subir a níveis mais elevados dentro da organização. A progressão na carreira
requer que as pessoas sejam favorecidas por pessoas com posições dominantes na
organização e que definem os objetivos corporativos, prioridades e padrões.

987 - As principais ferramentas utilizadas pelas organizações para o desenvolvimento de


carreiras são: 1 - Centros de avaliação: São técnicas de seleção de talentos humanos, como
entrevistas, exercícios dirigidos e jogos de empresas. 2. Testes psicológicos: São utilizados na
seleção de pessoal e servem para ajudar os funcionários a compreenderem melhor, seus
interesses e habilidades. 3 - Avaliação do desempenho: É outra fonte de informação valiosa
sobre o desenvolvimento de carreira. 4 - Projeções de promovabilidade: São julgamentos feitos
pelos gerentes quanto ao avanço potencial de seus subordinados. 5. Planejamento de
sucessão: Focaliza o preparo das pessoas para preencher posições mais complexas.

988 - O Desenvolvimento Organizacional (DO) é uma abordagem especial de mudança


organizacional no qual os próprios funcionários formulam a mudança necessária e a
implementam, muitas vezes, através da assistência de um consultor interno ou externo.
Características: 1 - O DO é baseado na pesquisa e ação, o que significa coletar dados sobre
uma unidade e alimentar os funcionários com esses dados a fim de que eles analisem e
desenvolvam hipóteses sobre como essa unidade deveria ser se ela fosse excelente. 2 - O DO
aplica os conhecimentos das ciências comportamentais, com o propósito de melhorar a eficácia
da organização. 3 - O DO muda atitudes, valores e crenças dos funcionários, para que eles
próprios possam identificar e implementar as mudanças, sejam técnicas, procedurais,
estruturais ou outras necessárias para melhorar o funcionamento da organização. 4 - O DO
muda a organização rumo a uma determinada direção, como a melhoria na solução dos
problemas, flexibilidade, reatividade, incremento da qualidade do trabalho e da eficácia.

989 - O Desenvolvimento organizacional utiliza um processo dinâmico composto de três fases


distintas: 1 - Diagnóstico a partir da pesquisa sobre a situação atual: Geralmente, o diagnóstico
é uma percepção a respeito da necessidade de mudança na organização ou em parte dela. 2 -
Intervenção que é uma ação para alterar a situação atual: Geralmente, a intervenção é definida
e planejada através de workshops e discussões entre as pessoas e grupos envolvidos para
determinar as ações e os rumos adequados para a mudança. 3 - Um esforço para estabilizar e
manter a nova situação, através de retroação: Geralmente, o reforço é obtido através de
reuniões e avaliações periódicas que servem de retroinformação a respeito da mudança
alcançada. Na realidade, o DO funciona como um processo planejado e negociado de
mudança organizacional. O DO utiliza variada tecnologia, sendo as principais técnicas: 1 -
Treinamento da sensitividade ou treinamento da sensibilidade constitui a técnica mais antiga e
ampla de DO. Consiste em reunir grupos de treinamento e que são orientados por um líder
treinado. 2 - Análise transacional (AT) é uma técnica que visa ao autodiagnóstico das relações
interpessoais. As relações interpessoais ocorrem através de transações. Uma transação
significa qualquer forma de comunicação, mensagem ou de relação com os demais. 3 -
Desenvolvimento de equipes que é uma técnica de alteração comportamental nas quais várias
pessoas de vários níveis e áreas da organização se reúnem sob a coordenação de um
consultor ou líder e criticam-se mutuamente, procurando um ponto de encontro em que a
colaboração seja mais frutífera, eliminando-se as barreiras interpessoais de comunicação pelo
esclarecimento e compreensão de suas causas. 4. Consultoria de procedimentos: é uma
técnica em que cada equipe é coordenada por um consultor, cuja atuação varia enormemente.
5. Reunião de confrontação. É uma técnica de alteração comportamental com a ajuda de um
consultor interno ou externo (denominado terceira parte), através da qual dois grupos
antagônicos em conflito (desconfiança recíproca, discordância, antagonismo, hostilidade etc.)
podem ser tratados através de uma reunião de confrontação que dura um dia. Cada grupo se
auto-avalia, bem como avalia o comportamento do outro, como se fosse colocado diante de um
espelho. 6. Retroação de dados (feedback). É uma técnica de mudança de comportamento que
parte do principio de que quanto mais dados cognitivos o indivíduo recebe, tanto maior será a
sua possibilidade de organizar os dados e agir criativamente.

990 - O DO começou com intervenções em processos humanos para ajudar as pessoas a


compreender melhor e modificar suas próprias atitudes, valores, crenças e, como
conseqüência, melhorar a organização. No fundo, o DO pode ser utilizado para uma
reavaliação da estrutura organizacional, dos processos e tecnologias utilizados, dos produtos e
serviços produzidos e da cultura organizacional. Embora seja um forte impulsionador da
mudança e da inovação organizacional, o DO apresenta algumas limitações: 1 - A eficácia dos
programas de DO é difícil de ser avaliada. 2 - Os programas de DO demandam muito tempo. 3
- Os objetivos de DO são geralmente muito vagos. 4 - Os custos totais de um programa de DO
são difíceis de avaliar. 5 - Os programas de DO são geralmente muito caros.

991 - Gestão por competências é uma característica sobressalente de uma pessoa que está
casualmente relacionada com um desempenho bom ou excelente em um posto de trabalho.
Existem cinco tipos de características de competências: 1 – Motivacionais: determinam o
comportamento que as pessoas têm frente a um determinado tipo de ação. 2 - Necessidade de
sucesso, de poder ou de relacionamento; 3 - Traços de personalidade: justificam os tipos de
reações perante determinadas situações; 4 - Capacidades pessoais: são os valores
relacionados com as atitudes e auto-imagem; 5 - Conhecimentos e Habilidades: capacidade de
realizar determinados tipos de atividades físicas e mentais. Uma hierarquia se estabelece entre
as cinco características de competências. As duas mais externas são as qualidades
observáveis da pessoa e mais fáceis de mudar. As outras três mais internas são os fatores
mais difíceis de se observar e de se desenvolver. A gestão por competências pode classificar-
se como uma das últimas inovações na cadeia evolutiva, que coloca o fator humano na
primeira posição dentro do ativo das empresas.

992 - Educação corporativa: Para se manter competitivas, as empresas estão fazendo


mudanças com bastante freqüência. No entanto, a maioria dos esforços nesse sentido não tem
trazido os resultados esperados. De uns tempos para cá, isso abriu caminho para uma nova e
poderosa proposta, a organização orientada para o aprendizado. Por isso pode-se dizer que a
era do planejamento estratégico está se transformando rapidamente em era do aprendizado
organizacional. Uma universidade corporativa deve estar envolvida em todas as fases da
educação, desde identificar as necessidades atuais e futuras da empresa e elaborar os cursos
até colocá-los em prática. A verdadeira universidade corporativa treina além de seu pessoal,
clientes, fornecedores e a comunidade onde está instalada. Universidade corporativa é o
guarda-chuva estratégico para o desenvolvimento e educação de funcionários, clientes e
fornecedores, com o objetivo de atender às estratégias empresariais de uma organização. Há
uma variedade na terminologia empregada em torno da idéia da educação continuada que se
fundamenta numa interpretação da educação como um processo que deve prolongar-se
durante a vida adulta. Educação permanente, formação permanente, educação continuada,
educação contínua, requalificação profissional e desenvolvimento profissional são termos em
torno de um mesmo núcleo de preocupação. Os programas de educação corporativa
destacam-se como um sistema de desenvolvimento de pessoas e talentos humanos alinhado
às estratégias de negócio, que se evidenciaram como fonte de vantagem competitiva.

993 - Os esforços para a criação da universidade corporativa tiveram início por muitas razões:
conseqüência da reengenharia, mudanças culturais, nova cúpula administrativa, resultado de
nova legislação, até mesmo a reestruturação de toda a indústria, como no caso dos serviços
públicos, telecomunicações e saúde. Em quase todas as situações, a meta básica é a mesma:
aumentar a produtividade da força de trabalho e criar uma vantagem competitiva no mercado.
A universidade corporativa está surgindo no século 21 como o setor de maior crescimento no
ensino superior. Para compreender a importância disso, é necessário compreender as forças
que sustentam o aparecimento desse fenômeno, que são cinco: 1 - organizações flexíveis; 2 -
era do conhecimento; 3 - rápida obsolescência do conhecimento; 4 - empregabilidade e
educação global. Os componentes fundamentais do projeto de uma universidade corporativa
são: comunicação constante, avaliação, tecnologia, parceiros de aprendizagem,
produtos/serviços, partes interessadas, organização, fontes de receita, visão/missão e controle.
O desafio, então, é criar um ambiente de aprendizagem no qual todo funcionário e todo
elemento do sistema comercial da empresa compreenda a importância da aprendizagem
contínua vinculada a metas empresariais.

994 - O ideal é que o tipo de estrutura de controle vincule as principais estratégias empresariais
ao projeto e desenvolvimento de soluções de aprendizagem. Em essência, o sistema
controlador oferece quatro papéis-chave: 1 - identificar e priorizar as necessidades de
aprendizagem atuais e futuras; 2 - vincular o treinamento a essas principais estratégias
empresariais; 3 - assegurar projeto, desenvolvimento, apresentação e avaliação consistentes e;
4 - oferecer orientação para o desenvolvimento de uma filosofia de aprendizagem. A missão da
universidade corporativa consiste em formar e desenvolver os talentos humanos na gestão dos
negócios, promovendo a gestão do conhecimento organizacional por meio de um processo de
aprendizagem ativa e contínua. Para que isto seja feito com eficácia e sucesso, tem-se
mostrado fundamental a utilização de tecnologia de ponta acoplada a uma nova metodologia
de trabalho, que permita a todos dentro da empresa não só utilizarem as informações
disponíveis, mas também atuarem como fornecedores de novas informações, alimentando todo
o sistema.

995 - O objetivo principal de uma universidade corporativa é o desenvolvimento e a instalação


das competências profissionais, técnicas e gerenciais consideradas essenciais para a
viabilização das estratégias negociais. De forma geral, as experiências nessa área têm
enfatizado os seguintes objetivos Globais: Difundir a idéia de que o capital intelectual será o
fator de diferenciação das empresas no próximo milênio; Despertar nos talentos humanos a
vocação para o aprendizado; Incentivar e estruturar atividades de autodesenvolvimento;
Motivar e reter os melhores talentos contribuindo para o aumento da felicidade pessoal, dentro
de um clima organizacional saudável. Pode-se dizer que o objetivo principal é o de desenvolver
as competências críticas em vez de habilidades. Os principais obstáculos ao lançamento de
uma universidade corporativa são: Falta de comprometimento sustentado por parte da alta
cúpula com o modelo da universidade corporativa; Falta de consenso entre os gerentes de
nível médio sobre a necessidade de uma universidade corporativa; Incapacidade de
desenvolver um elo entre a universidade corporativa e as metas empresariais da organização;
Falta de visibilidade da ênfase da corporação na aprendizagem; e Incapacidade de provar o
valor da universidade corporativa.

996 - Educação à distância: Nessa nova sociedade, para alguns, denominada “Sociedade
Tecnológica”, “Sociedade da Informação e do Conhecimento” e, para outros, “Sociedade
Educativa”, o conhecimento é considerado propulsor do desenvolvimento. Nesse contexto, a
EAD vem adquirindo grande importância, sempre traduzida no empenho de um crescente
número de instituições que a assumem para a oferta de seus programas de formação, cujas
demandas aumentam exponencialmente.

997 - Aprendizagem organizacional é como um processo de detecção e correção de erros é


como aumento da capacidade de uma organização de realizar ações eficazes. Necessário se
faz analisar também, como se dá o processo de aprendizagem organizacional. Uma
organização que aprende é aquela capaz de criar, adquirir e transferir conhecimento e de
modificar o seu comportamento, refletindo os novos conhecimentos e percepções. Sob o
enfoque da melhoria contínua, o autor descreve cinco práticas para que a organização possa
aprender sempre: Resolução sistemática de problemas; Experimentação; Aprendizagem com a
história passada; Aprendizagem com os outros; Difusão do conhecimento pela organização.
Em relação à aprendizagem organizacional estudiosos apontam três condições que favorecem
a criação efetiva do conhecimento: 1 - caos criativo: acontece em situações de crise; 2 –
redundância: é a justaposição consciente de informações, atividades e responsabilidades que
encoraja a comunicação freqüente e ajuda na criação de uma base cognitiva comum; 3 –
diversidade: na medida em que a quantidade de informação a ser processada aumenta pela
redundância consciente ou por outros fatores as pessoas devem dispor das informações para
acesso imediato.

998 - Relações interpessoais: Para as boas relações, pressupõe-se, conhecer-se e conhecer


os outros da seguinte forma: a) Autoconhecimento: O Homem é capaz de sair de si mesmo e
contemplar sua história, colocando-se no lugar do outro e imaginar como se sentiria e o que
faria se fosse ele; B) Heteroconhecimento: Saber comunicar-se com as pessoas e saber
influenciá-las. Conhecer os outros implica inicialmente em ter um vasto conhecimento da
natureza humana e das motivações mais comuns e freqüentes que impulsionam o Homem a
agir. E é essa grande diversidade que se constitui em uma das imensas riquezas humanas, por
isso é necessário que se faça respeitar tais diferenças.

999 - O comportamento e a ética: A conduta moral não é dirigível é desenvolvida


espontaneamente, pela capacidade do homem a se ligar aos semelhantes por amor e não por
instinto. A ética se ocupa com a reflexão a respeito dos fundamentos da vida moral. Essa
reflexão pode seguir as mais diversas direções, dependendo da concepção do homem que se
toma como ponto de partida. Enquanto que Moral é um conjunto de regras que determinam o
comportamento dos indivíduos na sociedade.

1000 - Inteligência interpessoal: é a capacidade de compreender outras pessoas, o que as


motiva, como trabalham, como trabalhar cooperativamente com elas. É a capacidade de
discernir e responder adequadamente aos estados de espírito, temperamentos, motivações e
desejos de outras pessoas.

1000 - A inteligência intrapessoal é uma aptidão correlata, voltada para dentro. É uma
capacidade de formar um modelo preciso, verídico, de si mesmo, e poder usá-lo para agir
eficazmente na vida. Na inteligência intrapessoal, chave de autoconhecimento, ele inclui:
acesso a nossos próprios sentimentos e a capacidade de discriminá-los e usá-los para orientar
o comportamento.

1001 – Empatia: É uma noção que se refere à capacidade de uma pessoa para empatizar com
o outro: ver, ouvir e sentir com ele. A compreensão de nós mesmos e dos outros envolve, por
mais estranho que pareça a autotransparência, que exige passar dos nossos motivos e
pensamentos particulares a fim de compreender melhor e compartilhar as necessidades e
objetivos da outra pessoa.
1002 – Liderança: “bem mais que uma técnica é o reconhecimento como um gesto de caráter;
uma habilidade não exatamente de comandar, mas algo como pastorear; ser o exemplo de
desempenho e realização; designar sucessores; ter visão e compromisso com a comunicação
e, acima de tudo, alinhar e inspirar pessoas para a unidade de objetivos, desenvolvendo –os”.