Você está na página 1de 17

Cartilha:

“O Livro de Lili”

Autora:Anita Fonseca
Muitas crianças nos anos
50 foram alfabetizadas
por este livro...
de reconhecer cada frase,
reconhecer cada palavra....
era assim o método.
A primeira página
do livro era essa....
Resgatando a história...

 A autora Anita Fonseca

 Foi uma das alunas da primeira turma da Escola de


Aperfeiçoamento em Belo Horizonte e aluna de Lúcia Casasanta.
Resgatando a história...

 A reforma Francisco Campos:

 Em Minas Gerais, no ano de 1927, ocorreu a reforma que ficou conhecida


como a Reforma Francisco Campos – nome do então secretário do interior
e também responsável pela educação.

 Esta reforma enfatizava as inovações metodológicas, decretando assim, o


uso oficial aos métodos analíticos e a consolidação do ideário republicano
de educação no estado de Minas Gerais.
Resgatando a história...

 O método global

 Parte do todo para as partes e procuram romper com o princípio da


decifração.

 Tem que ser compreendida, reconhecida globalmente, para depois ser


analisada em componentes como letras e sílabas.

 O método global de contos e historietas

 Segundo Casasanta (1956), a aprendizagem da leitura pelo método global


de contos e historietas envolve cinco fases: fase do conto; fase de
sentenciação; fase das porções de sentido; fase da palavração e a fase de
silabação ou dos elementos fônicos.
Resgatando a história...

 As dificuldades encontradas
pelos professores:

 Despreparo dos professores.


 Falta de material adequado.
 Falta de tempo para estudar e se atualizar.
 Frankstein pedagógico.
Resgatando a história...

 Trabalho da professora
Lúcia Casasanta:

 Promoveu um concurso para produção de um pré-livro.


 Maior destaque para “O Livro de Lili” de Anita Fonseca.
Os pré-livros e as cartilhas...

 O que diferenciava o
pré-livro da cartilha?

 O pré-livro de acordo com Lúcia Casasanta iria iniciar a criança no


aprendizado da leitura.

 O pré-livro vai sendo construído pelos alunos.


Protótipo de “O livro de Lili”...

 “O Livro de Lili” era uma cartilha análitica e


seguia o método global pelo processo de
contos e historietas.

 As lições ou historietas possuíam histórias


com sentido completo e as temáticas eram
enriquecidas com as ilustrações.

 Foi inicialmente testado nos anos 30 nas


classes de demonstração da escola de
aperfeiçoamento.

.
Edições de “O Livro de Lili”...

 Foi editado oficialmente pela primeira vez no ano de 1940, pela Livraria
Francisco Alves.

 A partir dos anos 50 pela Editora do Brasil S/A.

 1958/1961 – 54 edições

 1961/1964 – 49 edições
EDIÇÃO: 20. ed
EDITORA: Livraria Francisco Alves EDIÇÃO: 63. ed.
ANO PUBLICAÇÃO: [195-] EDITORA: Editora do Brasil
PÁGINAS: 87 p. ANO PUBLICAÇÃO: 1961
PÁGINAS: 144 p.

EDIÇÃO: 8. ed
EDITORA: Editora do Brasil
ANO PUBLICAÇÃO: 1956
PÁGINAS: 127 p.
Material didático da cartilha...
Manual do professor

Livro do aluno

Cartaz

Caderno com fichas

Cartaz “As meias de Lili”


7ª lição do pré-livro “Lili”
Analogia de “O Livro de Lili”...

Imagem de Lili

Era uma Lili muito bonita em seu vestidinho azul com um


barrado de tiras bordadas. Com mangas bufantes.

Lili tinha os cabelos loiros presos por três


laços de fitas.

Inicialmente Menina de perfil europeu.

Mudança para uma Lili mais latina.

As roupas se ajustam ao clima tropical.


Analogia do “Livro de Lili”...
 Ideais de uma sociedade

 Separação e padrões adequados de cada sexo.


Eu me chamo Joãozinho.
Este automóvel é meu.
Meu automóvel faz assim: fon-fon! Eu vou calçar as minhas meias
Totó passeia comigo. Totó É o meu cahorrinho As minhas meias são azuis.
Você quer passear no meu automóvel, Lili? Que pena! A minha meia, tão
Bonita, está furada.
Eu não sei coser...
 Legitimidade de uma organização social. Como há de ser?
Lili em seu piano.
Lili toca piano
Lili toca assim
dó, ré, mi, fá...
Suzete é a cachorrinha. Eu me chamo Joãozinho.
Toca Lili, toca dó ré mi, fá... Este automóvel é meu.
Meu automóvel faz assim: fon-fon!
Totó passeia comigo.
Totó é o meu cahorrinho
Você quer passear no meu automóvel,
Lili?
Analogia do “Livro de
Lili”...
 Modelo familiar patriarcal

As bonecas de Lili: Olhem a cozinheira!


A cozinheira é a Lili.
Lalá, Bebê, Clarinha. Lili gosta de doce.
Lili dizia dorme assim nã nã nã. Ela faz doce de abacaxi.
Eu também vou dormir. Joãozinho você quer doce?
Você gosta de doce de
abacaxi?

 Religiosidade
Presente nas lições “As bonecas de Lili” e “Suzete”,
o crucifixo compõe o quarto de Lili.
Comentários...
 “O livro de Lili” pode ser considerado um dos best-sellers da história da
alfabetização de Minas.

 Existem depoimentos de alguns professores que “O livro de Lili” só deixou


de ser editado somente no final da década de 60.

Indagações:

 Como explicar essa enorme aceitabilidade entre o professorado mineiro?

 E o saudosismo aos alunos que foram alfabetizados com “O Livro de Lili”?


Considerações finais...
 Propomos a reflexão sobre o processo que envolveu a história desta
cartilha para que o professor tenha a possibilidade de situar as discussões
metodológicas e compreender as mudanças ocorridas no processo de
alfabetização e como estas interferem e alteram os modos de alfabetizar.

 A ação educativa deve ser pensada de forma evolutiva, buscando sempre a


compreensão da totalidade, a compreensão do homem, nesta sociedade
que evolui a cada.momento.