Você está na página 1de 7

Esquemas-síntese de

«Reflexões do Poeta.
O menosprezo das Artes
e das Letras» — Canto V,
estâncias 92-100
(pp. 201 e 202)
Após o episódio do Adamastor, Vasco da Gama mostra ao rei de Melinde
como a sua viagem merece ser louvada. O Poeta constata, porém, que
os guerreiros portugueses não têm dons artísticos.

Origem da reflexão:
Vasco da Gama terminou a narração da sua viagem ao rei de Melinde,
e o Poeta faz considerações sobre o papel da memória e do elogio através
da Poesia.
Estância 92

Os feitos devem ser O enaltecimento dos grandes


celebrados — o papel feitos incentiva os povos
da memória a tentar igualar ou superar
os feitos referidos

O exemplo

Origina

A ação
Exemplos dos heróis da Antiguidade Clássica
Estância 93 a 96
que se dedicaram à Poesia ou à Cultura

Alexandre Magno Apreciava Homero


«Que sempre se lhe sabe à cabeceira» (est. 96, v. 8)

Temístocles Era admirador de Milcíades


«Os troféus […] / Temístocles despertam só de enveja» (est. 93, vv. 5 e 6)

Imperador Foi protetor de Virgílio, o criador da Eneida


Octávio César Augusto

Cipião Auxiliava Terêncio na escrita das suas comédias


Estância 97

Guerreiros da Antiguidade Guerreiros portugueses:


Clássica: cultos e interessados não dão importância à poesia
no poder da Arte ou à cultura

«Enfim, não houve forte Quem não pratica poesia,


Capitão, / Que não fosse não sabe dar-lhe o valor devido
também douto e ciente»
(est. 97, vv. 1 e 2)
«É não se ver prezado o verso e rima /
Porque quem não sabe arte, não na estima»
(est. 97, vv. 7 e 8)

Crítica de cariz humanista: o Poeta mostra a sua intenção pedagógica ao enunciar


que as armas e as letras são valores análogos e que devem ser conjugados
Estância 98

Falta de incentivos à Poesia

Causará a perda de memórias das façanhas

Originará uma falha na passagem dos


exemplos virtuosos da História de Portugal

Produzirá uma falta de heróis Consequências


nas gerações futuras da falta de cultura

• «tão ásperos», «tão austeros»


Repetição do advérbio
• «Tão rudos e de engenho tão remisso, /
intensificador «tão»
Que a muitos se lhe dá pouco ou nada disso»
Estâncias 99-100

Aviso a Vasco da Gama Apelo aos poetas que desejem


e à sua «estirpe» (v. 5) louvar os feitos da Pátria

Devem agradecer às musas A função das Tágides é inspirar


— e a Calíope, musa da poesia o amor da Pátria através do louvor
épica — o facto de existir quem
louve os feitos dos portugueses
Estas ninfas inspirarão sempre quem
queira escrever «grandes obras»
A falta de cultura da família
Gama não lhe devia merecer
sequer a inspiração das Tágides, Conclusão do Poeta
quanto mais de Calíope
• Caracterização positiva dos poetas da Pátria
Indignação do Poeta pela sua dedicação ao louvor dos feitos lusitanos
• Censura aos guerreiros (personificados na família de
Vasco da Gama) que não incentivam a cultura e a arte

Interesses relacionados