Você está na página 1de 71

MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

Disciplina de Princípios de Finanças - NPG 0011

Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr.


Graduação em Administração - ESAG/UDESC
Doutorado e Mestrado em Engenharia de Produção - UFSC
- SUMÁRIO -

Conceituando Finanças

Princípios Básicos de Contabilidade

Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras

Bibliografia

Princípios de Finanças
Conceituando Finanças

Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr.

Retornar
Conceituando Finanças

Áreas da Administração

Finanças

Recursos Humanos Produção

GERAL Bens ou
Serviços

Informação Vendas

Marketing
Conceituando Finanças

Por que estudar Finanças?

A área de finanças afeta a vida de todas as pessoas


A área de finanças afeta todas as organizações

Organizações Financeiras ou Não Financeiras;


Organizações Privadas ou Públicas;
Organizações Grandes ou Pequenas;
Organizações Com ou Sem Fins Lucrativos
Conceituando Finanças

Conceito de Finanças

É a arte e a ciência de administrar fundos.


O estudo das finanças ocupa-se do processo, instituições,
mercados e instrumentos envolvidos nas transferências de
fundos entre pessoas, empresas e governos.

A palavra “arte”  ser criativo na administração do dinheiro.


E a palavra “ciência”  uso de técnicas nas decisões financeiras.
Conceituando Finanças

Áreas das Finanças

Serviços Financeiros
(concepção e assessoria p/ pessoas, empresas ou governos)

Administração Financeira
(diz respeito às responsabilidades do administrador numa empresa)
Conceituando Finanças

Serviços Financeiros

Os Serviços Financeiros dizem respeito à concepção e oferta de


assessoria de produtos financeiros a pessoas físicas, empresas e órgãos
governamentais.

MERCADO FINANCEIRO
- Fiscalizado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN)
- Banco Central (Executa as diretrizes do CMN)
Conceituando Finanças

Administração Financeira

Este segmento está ligado diretamente ao funcionamento da empresa


envolvendo todos os seus aspectos operacionais.

SISTEMA DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS


- Demonstrações financeiras
- Apuração de informações fiscais
- Relatório de custos de produção
- Orçamento do próximo exercício
Conceituando Finanças

Carreiras em Serviços Financeiros


Bancos e instituições correlatas (analistas de crédito)
Planejamento das finanças pessoais (consultores)
Investimentos (corretores de títulos)
Bens imóveis (vendas e aluguéis)
Seguros (corretores e subscritores)

Carreiras em Administração Financeira


Analista financeiro
Analista/Gerente de orçamentos de capital
Gerente de projetos financeiros
Gerente de caixa
Analista/gerente de crédito
Administrador de fundos de pensão
Conceituando Finanças

O Papel do Administrador Financeiro

(2) (1)
Operações Administradores Mercados
da Empresa (4a) Financeiros
Financeiros

(3) (4b)

(1) Dinheiro captados dos investidores


(2) Dinheiro investido na empresa
(3) Dinheiro gerado pelas operações
(4a) Dinheiro reinvestido
(4b) Dinheiro retornado aos investidores
Conceituando Finanças

O Objetivo do Administrador Financeiro


Maximizar o retorno do capital investido
pelos acionistas, pelos investidores e pelos
proprietários.
- Política de concessão de créditos a clientes
- Gestão de contas a pagar
- Gestão do fluxo de caixa
- Avaliação de investimentos
- Realização de planejamento e orçamento financeiro
Conceituando Finanças

Denominação do Administrador Financeiro

O administrador financeiro frequentemente está


associada a um alto executivo da empresa, geralmente
denominado:
- Diretor financeiro ou
- Vice-presidente de finanças
(em inglês, Chief Financial Officer = CFO)

Não confundir com o CEO = Chief Executive Officer


Conceituando Finanças

Estrutura Organizacional da Área de Finanças

Administrador Financeiro

Tesouraria Controladoria

Administração de Caixa Contabilidade Financeira


Crédito e Contas a Receber Contabilidade de Custos
Contas a Pagar Orçamentos
Câmbio Administração de Tributos
Planejamento Financeiro Sistemas de Informação
Conceituando Finanças

Liquidez e Rentabilidade
 Liquidez
Preocupação do Tesoureiro: “manutenção da liquidez da empresas”
A liquidez implica na manutenção de recursos financeiros sob a forma de
disponibilidades.
Caixa e aplicações de curto prazo Taxas reduzidas

 Rentabilidade
Preocupação do Controller: “com a rentabilidade da empresas”
A rentabilidade é o grau de êxito econômico obtido por uma empresa em
relação ao capital nela investido.
Conceituando Finanças

Objetivo Econômico das Empresas


Maximização de seu valor de mercado a longo prazo

Retorno do investimento x Risco Assumido

O LUCRO possibilita:
A melhoria e expansão dos serviços/produtos
O cumprimento das funções sociais:
• Pagamento dos impostos;
• Remuneração adequada dos empregados;
• Investimentos em melhoria ambiental, etc.
Conceituando Finanças

Objetivo da Administração Financeira

É maximizar a riqueza dos


acionistas e as ações (ou
quotas) das companhias.
Gitman (2005)
Conceituando Finanças

Remuneração do CFO

Fonte: EXAME.COM (2014)


Conceituando Finanças

Remuneração do CFO

Fonte: EXAME.COM (2014)


Conceituando Finanças

O Problema de Agency

Os Administradores colocam seus objetivos pessoais


à frente dos objetivos da empresa.

• Problema de representação (Agency)


– Conflito de interesses entre o proprietário/acionista e o agente

• Planos de incentivo (remuneração pela oscilação do valor da ação)


Custos de agency (monitoramento dos administradores)
Conceituando Finanças

O Problema de Agency
A atuação dos administradores de acordo com o
interesse dos acionistas depende de dois fatores.
 Primeiro: até que ponto os objetivos dos administradores
estão alinhados com os objetivos dos acionistas?
Essa questão está relacionada à maneira pela qual os administradores são remunerados.

 Segundo: os administradores podem ser substituídos se não


atendem aos objetivos dos acionistas?
Essa questão refere-se ao controle da empresa.
Conceituando Finanças

Modalidades de Organização de Empresas

– Empresário Individual (microempreendedores individuais)


– Sociedade Limitada (dois ou mais sócios)
– Sociedade Anônima (capital acionário diluído)
• Capital Aberto (ações ON e PN em bolsa de valores)
• Capital Fechado (não comercializadas em bolsa de valores)

– Sociedade Simples (dois ou mais profissionais liberais:


médicos, dentistas, advogados, engenheiros)
Conceituando Finanças

Quadro Comparativo
Empresário Sociedade Sociedade
Individual Limitada Anônima

Quem é o dono da O gestor Sócios Acionistas


empresa?

Os gestores e os Não Não Geralmente


proprietários são
pessoas distintas?

Qual é a Ilimitada Ilimitada Limitada


responsabilidade do
proprietário?

O proprietário e a Não Não Sim


empresa são
tributados
separadamente?
Conceituando Finanças

Ciclo Operacional, Econômico e Financeiro


Mês 0 Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4

Fabricação Estocagem

Compra da Término de Fabricação e Venda Pagamento da Recebimento


Matéria-prima Pagamento de outros Custos Matéria-prima da Venda

Prazo de Rotação de Estoques (PRE) Prazo de Recebimento da Venda (PRV)

Prazo de Pagamento da Compra (PPC)

CICLO ECONÔMICO (CE)

CICLO FINANCEIRO (CF)

CICLO OPERACIONAL (CO)


Conceituando Finanças

Ciclo Operacional, Econômico e Financeiro


Mês 0 Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4

Fabricação Estocagem

Compra da Término de Fabricação e Venda Pagamento da Recebimento


Matéria-prima Pagamento de outros Custos Matéria-prima da Venda

PRE = PF + PEPA
CE = PRE
CO = PRE + PRV

CO = do início do CE até o final do CF


CF = do primeiro desembolso até o final do PRV
Princípios de Contabilidade

Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr.

Retornar
Princípios Básicos de Contabilidade

A Contabilidade

• A Contabilidade como ciência estuda, interpreta e


registra os fenômenos que afetam o patrimônio de
uma entidade.
• Pode ser vista como um sistema de informações.

OBJETIVO DA CONTABILIDADE:
Oferecer condições para que os administradores, gerentes ou
executivos possam ter condições de conhecer e compreender de forma
adequada o andamento dos negócios através da sua situação
econômico-financeira.
Princípios Básicos de Contabilidade

Finalidade da Informação Contábil

- Controle
• É o acompanhamento das atividades da organização.
• A administração da empresa verifica se os planos e
políticas traçadas estão sendo adotadas.

- Planejamento
• É o conjunto de linhas de ação e a maneira de
executá-las para alcance dos objetivos.
• Processo de decisão que, entre as alternativas que se
apresentam, relaciona qual o melhor curso de ação a
ser tomado para o futuro da empresa.
Princípios Básicos de Contabilidade

Ramos da Contabilidade

- Contabilidade Financeira
• Visa atender os agentes econômicos externo à
empresa.

- Contabilidade Gerencial
• Visa principalmente os administradores da empresa.

- Contabilidade Fiscal
• Objetiva a elaboração e análise dos demonstrativos
que servirão para a determinação da base tributável.
Princípios Básicos de Contabilidade

Princípios Contábeis

Os registros contábeis são feitos sob orientação dos princípios


contábeis:

 Entidade (o patrimônio é objeto da contabilidade)


 Continuidade (se pressupõe que a empresa continuará existindo)
 Oportunidade (registro no tempo certo e na extensão correta)
 Registro pelo valor original (registro pelo valor presente)
 Competência (registros reconhecidos nos períodos a que se referem)
 Prudência (adoção de menor valor para ativo e maior para o passivo)
Princípios Básicos de Contabilidade

Regime de Caixa x Regime de Competência

 REGIME DE COMPETÊNCIA: Tem a finalidade de reconhecer


na contabilidade das empresas as receitas, os custos e as despesas no
período que competem, independentemente do seu reconhecimento
(receitas) ou do pagamento (custos e despesas) em moeda corrente.

 REGIME DE CAIXA: Consiste na contabilização das receitas


somente na ocasião do seu efetivo recebimento e da contabilização
dos custos e das despesas somente por ocasião do seu efetivo
pagamento em moeda corrente.
Princípios Básicos de Contabilidade
Princípios Básicos de Contabilidade

Escrituração

A escrituração será mantida em livros permanentes com


obediência à legislação.
É a técnica contábil para registro dos fatos administrativos
ocorridos em uma entidade.

Requisitos de um documento para a escrituração:


 Idôneo
 Devidamente preenchido com a atividade da empresa
 Vinculado com a atividade da empresa.
Princípios Básicos de Contabilidade

Livros Utilizados na Escrituração Contábil

Livro Diário: É um livro contábil de


preenchimento obrigatório (exigido por
lei) e de maior importância, onde são
lançadas as operações DIÁRIAS de
uma empresa.
É necessário que o Livro Diário contenha:
 Data da operação (transação);
 Título da conta débito e da conta crédito;
 Valor do débito e do crédito;
 Histórico (alguns dados fundamentais sobre a operação em
registro: número da nota fiscal, cheque, terceiros envolvidos, etc.)
Princípios Básicos de Contabilidade

Livros Utilizados na Escrituração Contábil

Livro Razão: é o detalhamento por contas individuais dos


lançamentos realizados no diário, sendo usado para resumir e totalizar,
por conta ou subconta, estes lançamentos.

Outros Livros:
Livro Caixa, Livros Fiscais, Livro Inventário …
Princípios Básicos de Contabilidade

Escrituração

É utilizado o Método das Partidas Dobradas.

O método pressupões que, no registro dos fatos administrativos,


a cada débito, em uma ou mais contas, de determinado valor,
corresponderá um crédito de igual valor, em uma ou mais
contas.

Toda APLICAÇÃO  DÉBITO Toda ORIGEM  CRÉDITO


Princípios Básicos de Contabilidade

Conceito de Conta

A operação de uma empresa implica em operações das mais


variadas naturezas, as quais divergem entre si. A maneira
encontrada que mais facilmente identifica tais operações e,
inclusive, facilita que sejam totalizadas separadamente foi
intitulá-las com uma denominação particular, imutável e
caracterizadora de sua natureza física, jurídica ou econômico-
financeira chamada CONTA.

Contas Patrimoniais Contas de Resultado


Princípios Básicos de Contabilidade

Exemplos de Contas Patrimoniais

São aquelas expressas em um conjunto de bens, direitos e


obrigações. Dão origem ao Balanço Patrimonial.

Algumas Contas Patrimoniais:


 Caixa  Recursos em dinheiro de uma empresa
 Bancos  Recursos depositados em conta corrente
 Fornecedores  Dívidas com fornecedores
 Impostos  Obrigações fiscais
 Capital Social  Recursos investidos pelos proprietários
Princípios Básicos de Contabilidade

Balanço Patrimonial
Princípios Básicos de Contabilidade

Balanço Patrimonial
Princípios Básicos de Contabilidade

Exemplos de Contas de Resultado

São aquelas referentes às receitas, despesas e custos na venda de


um bem ou prestação de um serviço. Dão origem ao
Demonstrativo do Resultado do Exercício (DRE).

Algumas Contas de Resultado:


 Receita bruta de vendas
 Impostos sobre vendas
 Custo da mercadoria vendida
 Despesas administrativas
 Receitas não operacionais
Princípios Básicos de Contabilidade

Demonstrativo do Resultado do Exercício


Demonstrações Financeiras

Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr.

Retornar
Demonstrações Financeiras: Significados e Estruturas

Relatórios Contábeis (Informes Contábeis)

 É a exposição resumida e ordenada de dados colhidos pela


contabilidade.
 Os relatórios contábeis mais importantes são as
Demonstrações Contábeis (Demonstrações Financeiras)
 A Lei das S.A. determina a elaboração a cada 12 meses:

- Balanço Patrimonial;
- Demonstração do Resultado do Exercício;
- Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados;
- Demonstração de Fluxo de Caixa;
- Demonstrativo do Valor Adicionado (para companhia aberta)
Demonstrações Financeiras: Significados e Estruturas

Empresas com Ações em Bolsa de Valores

 Companhia Fechada com patrimônio líquido inferior a


R$2.000.000,00 não será obrigada a publicação da DFC.
 As sociedades de grande porte (ativo maior que R$240
milhões ou receita bruta maior que R$300 milhões) tem
auditoria independente por auditor registrado na CVM.
Demonstrações Financeiras: Significados e Estruturas

Usuários da Contabilidade

 Sócios, Acionistas e Quotistas


(interesse ligado a rentabilidade e solvabilidade de seus investimentos)

 Administradores
(Interesse ligado ao processo de tomada de decisões)

 Fornecedores
(interesse na rentabilidade da matéria-prima, equipamentos e recursos financeiros)

 Governo
(interesse na fiscalização e tributação)
Demonstrações Financeiras: Significados e Estruturas

Balanço Patrimonial

Conjunto de bens, direitos e obrigações, vinculados a uma entidade empresarial


num determinado momento, susceptíveis de avaliação econômica.
 Ativo: Bens e direitos de propriedade da empresa, mensuráveis
monetariamente, que representam benefícios presentes ou futuros. Expressa os
investimentos da empresa.
 Passivo: Obrigações com capital de terceiros. Representam as fontes de
recursos que financiam os ativos.
 Patrimônio Líquido: Recursos dos proprietários aplicados na empresa.

Ativo = Passivo + Patrimônio Líquido


Demonstrações Financeiras: Significados e Estruturas

Balanço Patrimonial
Reflete a posição financeira em determinado momento

P
A
PL
Obrigações com
Bens e Direitos Terceiros (P)
(A)
Recursos dos
Proprietários (PL)
Demonstrações Financeiras: Significados e Estruturas

Balanço Patrimonial (Detalhamento)


As contas são agrupadas de acordo com a sua liquidez

PC
AC PNC
ANC
PL

Grau de Liquidez Ativo Passivo e PL


Decrescente
Rápida Circulante Circulante
Lenta Não Circulante Não Circulante
Não há Não Circulante Patrimônio Líquido
Demonstrações Financeiras: Significados e Estruturas

Balanço Patrimonial (Curto Prazo)

• Ativo Circulante Financeiro • Passivo Circulante Financeiro


– Caixa e Bancos – Empréstimos Bancários
– Aplicações Financeiras – Financiamentos
– Duplicatas Descontadas
• Ativo Circulante Operacional – Dividendos
– Duplicatas a Receber
– Estoques
• Passivo Circulante Operacional
– Fornecedores
– Adiantamentos e Despesas do
Exercício Seguinte – Salários e Encargos
– Impostos e Taxas
– Adiantamentos de Clientes
• Ativo Não Circulante
- Ativo Realizável a longo Prazo • Passivo Não Circulante
- Investimentos
- Imobilizado • Patrimônio Líquido
- Intangível
Demonstrações Financeiras: Significados e Estruturas

Balanço Patrimonial (Longo Prazo)


• Ativo Circulante • Passivo Circulante
Também chamado de capital de giro Obrigações com vencimento até 1 ano
Tem Liquidez rápida (até 1 ano)

• Ativo Não Circulante • Passivo Não Circulante


Obrigações com vencimento após1 ano
Ativo Realizável a longo Prazo Financiamentos de longo prazo
Tem liquidez após 1 ano
Investimentos • Patrimônio Líquido
Investimentos com finalidade não operacional
Terrenos, Obras de arte, Ações Capital Social
Imobilizado Reservas de Capital
Reserva de Reavaliação
Bens corpóreos destinados à manutenção da
Reservas de Lucros
empresa. Máquinas, Móveis, Edificações
- Reserva Legal
Intangível - Reservas estatutárias
Bens incorpóreos destinados à manutenção da - Reservas para Contingências
empresa Direitos autorais, Patentes, Marcas
Lucros ou Prejuízos Acumulados
Demonstrações Financeiras: Significados e Estruturas

Demonstração do Resultado do Exercício

Tem o objetivo básico de apurar o lucro ou prejuízo obtido pela empresa durante
determinado período (exercício social), com base no regime de competência.
Independe do que foi pago ou recebido (regime de competência).

 É um relatório que apresenta de forma sintetizada, o resultado de tudo


o que a empresa vendeu, obteve de receita, e tudo o que a empresa
gastou para consecução dessas vendas.

Evidencia a Situação Econômica da Empresa


Demonstrações Financeiras: Significados e Estruturas

Demonstração do Resultado do Exercício


RECEITA BRUTA
(-) deduções
RECEITA LÍQUIDA
(-) custo das vendas ou dos serviços
LUCRO BRUTO
(-) despesas operacionais
LUCRO OPERACIONAL
(-) despesas não operacionais
LUCRO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA - LAIR
(-) provisão para o imposto de renda
LUCRO DEPOIS DO IMPOSTO DE RENDA
(-) participações, contribuições, doações
LUCRO LÍQUIDO
LUCRO LÍQUIDO POR AÇÃO DO CAPITAL SOCIAL
Demonstrações Financeiras: Significados e Estruturas

Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido

Permite detalhar as principais modificações que afetaram o patrimônio líquido.


Parte de um saldo inicial até um saldo final.
Demonstrações Financeiras: Significados e Estruturas

Demonstração do Fluxo de Caixa

Examina a origem e a aplicação do


dinheiro que transitou pela empresa.

Possibilita identificar o processo de


circulação do dinheiro, através da
variação de caixa.
Demonstrações Financeiras: Significados e Estruturas

Demonstração do Valor Adicionado

Evidencia, de forma sintética, os valores correspondentes à formação da riqueza


gerada pela empresa em determinado período e sua respectiva distribuição.
Análise das
Demonstrações Financeiras

Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr.

Retornar
Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Contábeis

Permite uma visão clara e abrangente do desempenho da empresa.

Enfoque Econômico Potencialidade na geração


de lucros

Enfoque Financeiro Capacidade de Geração


de Caixa

Enfoque Patrimonial Otimização dos investimentos


e das fontes de financiamento
Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Contábeis

Ênfase no Balanço Patrimonial (BP) e na Demonstração


de Resultados do Exercício (DRE)

BP Situação Financeira
BP + DRE Situação Econômica

Índice de Liquidez Índice de Endividamento


Índice de Atividade Índice de Rentabilidade
Outros índices Relevantes
Análise das Demonstrações Financeiras

Análise Horizontal do Balanço Patrimonial

- É um dos indicadores da análise financeira.


- Calcula-se o percentual de cada conta em
relação ao demonstrativo do período (ano)
anterior.

Análise Vertical do Balanço Patrimonial


- É um dos indicadores da análise financeira.
- Calcula-se o percentual de cada conta em
relação a uma determinada conta do mesmo
período (ano) do balanço.
Análise das Demonstrações Financeiras

Índices de Liquidez

LIQUIDEZ IMEDIATA (Disponível / PC)


Mostra quantos R$ a empresa tem no disponível (caixa, bancos e
aplicações financeiras disponíveis), para pagar as dividas
vencíveis em um ano.
Revela a capacidade de pagamento no curtíssimo prazo (imediata).

LIQUIDEZ CORRENTE (AC / PC)


Mostra quantos R$ a empresa tem no ativo circulante, para pagar
cada real de divida vencível de um ano.
Revela a capacidade de pagamento a curto prazo.
Análise das Demonstrações Financeiras

Índices de Liquidez
LIQUIDEZ SECA (AC - Estoques - Desp Antec) / PC
Mostra quanto tem no ativo circulante (não considerados os
estoques e as despesas antecipadas) para pagar cada real de
divida vencível dentro de um ano.
Revela a capacidade de pagamento caso ocorra uma paralisação
nas vendas. Não aplicável com just-in-time.

LIQUIDEZ GERAL (AC + ARLP) / (PC + PELP)


Mostra quantos Reais a empresa tem de valores disponíveis e
realizáveis (em qualquer prazo) para pagar cada real do total de
suas dívidas (a curto e a longo prazo).
Revela a capacidade de pagamento geral.
Análise das Demonstrações Financeiras

Índices de Endividamento

PARTICIPAÇÃO DE CAPITAL DE TERCEIROS


(PC + PELP) / PL
Indica o quanto há de capital de terceiros em relação ao patrimônio
líquido, retratando a dependência da empresa em relação aos
recursos externos.

IMOBILIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (AP / PL)


Indica quanto do patrimônio líquido da empresa está aplicado no
ativo permanente.
Análise das Demonstrações Financeiras

Índices de Endividamento

COMPOSIÇÃO DO ENDIVIDAMENTO PC/ (PC+PELP)


Indica a proporção das obrigações de curto prazo em relação ao total
das obrigações (curto prazo somado ao longo prazo).

PASSIVO ONEROSO SOBRE O ATIVO (PCf + PELPf) / A


Indica a parcela do ativo que está sendo financiada por empréstimos
(curto e longo prazo) com encargos financeiros.
Análise das Demonstrações Financeiras

Índices de Rentabilidade/Lucratividade

RETORNO SOBRE O ATIVO (LL / A)


Return on Investiment (ROI)
Indica a rentabilidade que a empresa propicia com a utilização dos
investimentos totais (total do ativo).

RETORNO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO (LL / PL)


Return on Equity (ROE)
Indica quanto de prêmio os acionistas ou proprietários da empresa
estão obtendo em relação aos seus investimentos no
empreendimento.
Análise das Demonstrações Financeiras

Como Prever Falências? (Insolvência)

X1 = ( Lucro Líquido / PL ) x 0,05 Stephen C. Kanitz


X2 = Liquidez Geral x 1,65 FEA / USP
X3 = Liquidez Seca x 3,55 Aplicável à indústria e ao
comércio.
X4 = Liquidez Corrente x 1,06
Não aplicável em bancos e
X5 = ( P / PL ) x 0,33 construtoras

Fator de Insolvência = X1 + X2 + X3 - X4 - X5

-7 -3 0 +7

Insolvência Indefinida Solvência


Análise das Demonstrações Financeiras

Como Prever Falências? (Insolvência)

Fator de Insolvência = X1 + X2 + X3 - X4 - X5
-7 -3 0 +7

Insolvência Indefinida Solvência

Empresas que estão mal Empresas que estão bem


-7 a -1 +3,5 a + 7

Média brasileira = 3,5


90% das empresas estão abaixo de 6
80% das empresas estão abaixo de 5
60% das empresas estão abaixo de 4
2,5% das empresas estão abaixo de zero
Análise das Demonstrações Financeiras

Termomêtro de Insolvência
Análise das Demonstrações Financeiras

Análise de Tendência
Bibliografia

Prof. Hubert Chamone Gesser, Dr.

Retornar
BIBLIOGRAFIA:

ASSAF NETO, A. Estrutura e Análise de Balanços: Um enfoque econômico


financeiro. 10.ed. São Paulo: Atlas, 2012.
BRAGA, R. Fundamentos e Técnicas de Administração Financeira. São
Paulo: Atlas, 2008.
GITMAN, L. J. Princípios de Administração Financeira. 13.ed. São Paulo:
Harbra, 2005.
HOJI, M. Administração Financeira: Uma abordagem prática. 5.ed. São
Paulo: Atlas, 2007.
IUDICIBUS, S. Contabilidade Introdutória – Livro Texto. 11.ed. São Paulo:
Atlas, 2010.
RIBEIRO, O. Contabilidade Fácil. 29.ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

Retornar