Centro Cirúrgico I

ESCOLA PROFISSIONALIZANTE OMEGA

NOÇÕES BÁSICAS DE CENTRO CIRÚRGICO Profª: Margarida Neves

Breve Histórico 
Desde a antiguidade métodos cirúrgicos

primitivos eram utilizados para tratar enfermidade.  Prática abominável pela igreja.  Nesta época as grandes incógnitas eram conter a dor, infecção e hemorragias.

 ANESTÉSICO:  ópio;  éter;  óxido nitroso.

Recursos Utilizados na Época... 

Anti- Hemorrágico:  pedras quentes;  Metais;  elevação do membro sangrante;  Pressão e garroteamento.

Centro Cirúrgico 
É o conjunto de áreas e instalações que

permitem efetuar a cirurgia nas melhores condições de segurança para o paciente e conforto para a equipe de saúde. 
Setor

mais importante do contexto hospitalar pela decisão curativa da cirurgia.

Seção de material ( material estéril e não estéril como medicamentos. próteses etc. 2. Sala de recuperação pós-anestésicas ( leitos equipados para atender o paciente na RPA). seringas.Clínica Cirúrgica  Espaços de Atenção. fios de sutura. Secção de bloco operatório ( salas de operação equipadas). 1.). . 3.

Área para recepção de pacientes . 4.Sala de estoque de material e medicamentos. 3. 7.Sala de enfermagem.) . 5. 6.Elementos Indispensáveis 1. vestiário.Conforto médico.Sala para equipe de limpeza e elementos de apoio ( banco de sangue. raio-x etc.Sala de operação. 2.

 Local para lavabo . Sala de expurgo.

Área física 
Projetada    

de acordo com os padrões arquitetônicos da OMS. A forma das salas adequadas a cada especialidade Portas largas; Pisos de superfície lisa; paredes lisa lavável,anti-acústicas cor neutra e cantos arredondados.

 Teto de material lavável;  Janelas que não permitam entrada de poeira e

insetos;  Iluminação com ausência de sombras e reflexos;  Ventilação com temperatura em temperatura ambiente com renovação do ar e umidade adequadas .

Equipamentos e Materiais de uma sala de Cirurgia 
1. Equipamentos fixos:  Armário embutido;  Balcão;  Negatoscópio;  Oxigênio e vácuo;  Foco central;  Ar condicionado.

 Equipamentos Móveis:  Mesa cirúrgica;  Mesas auxiliares;  Mesa para instrumental cirúrgico;  Mesa para roupas estéreis;  Suporte de soro;  Bisturi elétrico;  Balde para lixo;  Suporte para hamper;

.

.

.

A Sala de Operações .

A Sala de Operações Mesa cirúrgica .

Mesas Auxiliares .

Gorro.Uniforme: Paramentação Cirúrgica  O objetivo primário das barreiras de proteção e facilitar o atendimento de emergência e proporcionar acesso a áreas restritas e diminuir morbidade e mortalidade . Máscara. Calça e blusa. Propé.     .

.

Zonas de Restrição  Não-Restrita: Vestiários. Área de  Zona Semi-Restrita: Secretaria.  Zona Restrita: Corredor de acesso . de acondicionamento de material. Transferência. Sala de recepção do paciente. de RPA. conforto. expurgo. . lavabo e sala de operação.

Classificação do Tratamento Cirúrgico  Segundo grau de Urgência  Opcional: preferencial ( plástica. colecistectomia. hérnias). vasectomia). obst.  Necessária: deve ser feita dentro de semanas ou meses ( catarata.remoção de cicatrizes e cistos sebacéos0.  Urgência: dentro de 24 hs a 30hs ( cálculo renal e apendicite).  Emergência: imediatamente( TCE.vesical) .  Eletiva: A não realização da cirurgia não representa riscos( varizes dos MMII.

 De acordo com Potencial de Contaminação:  1. Limpas: Tecidos estéreis ou de fácil descontaminação. Ex:Redução de fratura exposta .  2. Ex: cirurgia de ovário.Potencialmente Contaminadas: realizadas em tecidos de difícil descontaminação.

 3. Infectadas: realizadas em tecidos necróticos.Contaminadas: Realizadas em tecidos recentemente traumatizados e abertos com processo de inflamação sem supuração. supurados. . Ex: Apendicite  4. Ex: Cirurgia do reto e ânus.

Nomenclatura Cirúrgica Prefixo + Raiz + Sufixo Exemplo de raizes Col(o) = intestino grosso Enter(o)= intestino delgado Gastr(o)= estômago hepat(o)= fígado Esplen(o)= baço Cole= vias biliares Proct(o) = reto. ânus Oofor(o) = ovário .

 Nefr(o) = rim  Hister(o) = útero  Colp(o) = vagina  Salping(o) = tuba uterina  Orqui (o) testículo  Traque (o) = traquéia  Rin(o) = nariz  Oto (o)= ouvido  Angio(o) = vaso  Oftalm(o) = olhos .

abrir uma comunicação com o exterior  Ectomia: retirarada total ou parcial de um órgão.O sufixo na terminologia cirúrgica é a parte do termo que indica o tratamento cirúrgico.  Ostomia: Fazer boca .  Rafia: sutura .incisão.  Exemplos:  Otomia: abertura .

 Scopia: visualização da cavidade de um órgão através de aparelho. correção cirúrgica.  Algia: dor  Ptose: queda  Ragia: fluxo em excesso . Pexia: fixação de uma estrutura corpórea  Plastia: reparação.

 Mastectomia.  Histerectomia.  Nefrectomia.  Colecistectomia. .  Apendicectomia.Cirurgias de Remoção  Gastrectomia.

Cirurgia de Abertura  Laparotomia.  Duodenotomia. .  Toracotomia.

 Ileostomia.Construção cirúrgica de Bocas  Colecistomia.  Colostomia. Novas .  Nefrostomia.

Pexia  Histeropexia.  Nefropexia.Cirurgia de fixação .  Orquiopexia. .

 Mamoplastia.  Rinoplastia. .Cirurgia de Correção  Blefaroplastia.

.  Perineorrafia.  Tonorrafia.Operações de Sutura  Colporrafia.

Atribuições do Técnico de Enfermagem  Verificar o estado de conservação e manutenção de aparelhos e equipamentos.  Conferir as peças a serem encaminhadas para o laboratório de anatomia patológica.  Controlar o estoque de material esterilizado e a data.  Exercer função de circulante de sala. .

. somente o necessário Música somente se adequada  Respeito aos pacientes Respeito ao pudor do paciente Respeito à psique do paciente Nunca deixá-lo só na sala de operações.Etiqueta Cirúrgico do Centro  Hierarquia na equipe  Silêncio Falar baixo.

afim de evitar infecção operatória. requerendo paramentação adequada para adentrar essas áreas. .Exercício  1) Assinale V para verdadeiro e F para falso nas afirmações a seguir: a) ( ) A área de escovação das mãos e a sala de operação são consideradas áreas semirestritas no centro cirúrgico.

b) ( ) O expurgo corresponde a área onde é executada a limpeza e lavagem dos artigos médicos hospitalares sujos que são encaminhados a CME. . 2) Numere a segunda coluna de acordo com a primeira: I.Cirurgia infectada ( )ooforectomia II. CPC ( ) cirurgia do reto e ânus com pus III. Cirurgia contaminada ( ) Colecistectomia sem pus. Cirurgia Limpa ( ) cirurgia de colon IV.

SALA DE RECUPERAÇÃ O PÓS.ANETÉSICA .

 OBJETIVO  Recuperação dos reflexos e estabilização de sinais vitais. onde ficam sob os cuidados da equipe. . logo após o término da cirurgia.CONCEITO  É a área destinada à permanência do paciente.

pois se trata de um local provido de recursos materiais e pessoal treinado para prestar assistência durante o período considerado crítico. .VANTAGEM  Proporcionar ao paciente maior segurança e melhor atendimento.

 Deve localizar-se o mais próximo do centro cirúrgico ou até dentro dele afim de facilitar o acesso do cirurgião ou anestesista caso necessário. .

Requisitos Básicos  Planta física.  Equipe treinada para o atendimento de rotina e também operatório. mobiliários e equipamentos especiais e adequados ao tipo de atendimento prestado. nas emergências do pós- .

. Planta física de formato retangular ou semi- circular com posto de enfermagem ao centro  Leitos lado a lado separados ou não por divisórias.

.

rodas e manivelas  Cada leito deve ter :  ap. de PA .  Termômetro.Mobiliário e Equipamentos  Cama com grades laterais.  estetoscópio.  Fonte de vácuo e de oxigênio.  Suporte para frasco coletor .

 Foco de luz auxiliares e tomadas de 110 e     220v. Respirador artificial. . Monitor cardíaco. Carro de Parada. Bala de O2.

.

 Carro de emergência: .

laringoscópio. cânula de guedel. diluentes  2ª Gaveta: agulhas. seringas. . jelcos. sondas . TOT.  3ª Gaveta: soro. eletrodos. scalp.equipos . lâmina de bisturi.Organização  1ª Gaveta: medicamentos. luvas.

.  Estado geral. sondas.Assistência de Enfermagem  Receber paciente na SRPA.  Verificar prontuário.  Expansão torácica.acessos.  Nível de consciência.  Observar presença de drenos.

CENTRO DE MATERIAL ESTERILIZADO (CME) .

.Conceito  A Central de Material e Esterilização (CME) é a área responsável pela limpeza e processamento de artigos e instrumentais médico-hospitalares . É na CME que se realiza o controle. o preparo. a esterilização e a distribuição dos materiais hospitalares .

neste tipo de central cada unidade ou conjunto delas é responsável por preparar e esterilizar os materiais que utiliza. mas os encaminha para serem esterilizados em um único local. .A CME pode ser de 3 tipos  descentralizada : utilizada até o final da década de 40.  semi-centralizada : teve início na década de 50. cada unidade prepara seus materiais.

os materiais do hospital são processados no mesmo local. distribuídos e controlados quantitativa e qualitativamente na CME. ou seja. das quais podem-se destacar: a eficiência.utilizada atualmente. a economia e a maior segurança para a equipe e para os clientes . esterilizados.  A CME centralizada apresenta inúmeras vantagens. os materiais são preparados.  centralizada: .

 Preparo de Instrumentais Cirúrgicos.  Distribuição.Setores da CME  Expurgo ( recepção).  Guarda.  Limpeza. .  Esterilização.

Os funcionários desta área utilizam EPIs (Equipamentos de proteção individual) para se protegerem de se contaminarem com sangue e fluidos corpóreos. .EXPURGO  Setor responsável por receber. conferir . lavar e secar os materiais provenientes do Centro Cirúrgico e Unidades de Internação. quando lavam os instrumentais.

Área de Preparo  Setor responsável por preparar e acondicionar os materiais. . São utilizados invólucros especiais que permitam a passagem do agente esterilizante e impeçam a passagem dos microorganismos.

ACONDICIONAMENTO .

ESTERILIZAÇÃO .

fungos. Seja vírus.bactérias. protozoários.helmintos) por um processo que utiliza agentes químicos e físicos.Conceito  Esterilizar um material é destruir todos os microrganismos nele existentes .  .

Tira Teima!!  Esterilização:  Desinfecção:  Anti-sepsia:  Assepsia: .

estufa  Radiação Raio Gama Cobalto .Tipos de Esterilização  Esterilização por meio Físico: calor úmido vapor d agua sob pressão.autoclave  Calor calor seco ar quente .

peróxido de hidrogênio. Esterilização por Meio Químico: óxido de etileno  Gases Formaldeído  Líquido Produtos químicos : glutaraldeído. acido paracético. plasma de peróxido de hidrogênio .

Calor Úmido sob pressão Autoclave vapor d agua  seu funcionamento combina a ação de calor. pressão e umidade. .min.  Expõe o material a vapor d agua sob pressão.  É o processo mais usado. a 121c° durante 15 .

.

 Indicado: tecidos.  Vantagens: fácil uso.  Desvantagens: Não serve para esterilizar materiais termossensíveis como cateteres e materiais de terapia respiratória. vidro. custo acessível para grandes hospitais. .  Contra indicado: cateteres e materiais de terapia respiratória. metal.

Recomenda-se 170graus celcius por 1 hora. por isso exige temperaturas mais elevadas e mais tempo. .Calor Seco  Estufa  O calor penetra nas substâncias de forma mais lenta que o calor úmido.

.

vidro . óleos. Não esteriliza materiais como roupas e borracha. . não danifica.  Desvantagem: material deve ser resistente a variação de temperatura. instrumental. Indicação: pó. graxas .  Vantagem : não forma ferrugem.

. Vantagem: não danifica o material.  Indicação: termossensíveis como marca- passos. . demorado. acessórios de respiradores.Esterilização por meio Químico  Gás óxido de etileno: é um produto altamente tóxico. Desvantagem: alto custo. tóxico..

. O material necessita de desinfecção.Glutaraldeído:  utilizados para desinfecção dos instrumentais  Vantagem: facilidade de uso.  Desvantagem: irritante das mucosas. e tóxico.

 Este método de esterilização é feito através do equipamento STERRAD.Esterilização por Peróxido de Hidrogênio  É um moderno processo para esterilização de materiais termossensíveis. pontas.não degrada o corte. . não polui o meio ambiente nem apresenta toxicidade .  Este produto não oxida o material.

é uma alternativa de esterilização para materiais termossensíveis. .STERRAD  Esterilização a baixa temperatura 45°c.

.

 2. Difusão: contato do peróxido na forma gasosa com o material. Injeção: neste momento as agulhas perfuram as ampolas. Vácuo: nesta fase através da bomba de vácuo é removido o ar de dentro da câmara de esterilização. fazendo com que passem de líquido para gás  3.Fases do Ciclo  1. .

 Ventilação: Dura 1 minuto o ar é filtrado para dentro da câmara igualando a pressão externa com a interna. . Plasma: Esterilização propriamente dita.

 Segurança.  Ausência de resíduos tóxicos. .  Produtos saem pronto para o uso.Vantagens  Rapidez.  Ciclo de 50 .

.Desvantagens  Alto custo dos insumos. Endoscópios O que não pode ser esterilizado? Materiais derivados da celulose: campo cirúrgico.  Câmara pequena. papel roupas cirúrgicas. gaze.  O que pode esterilizar? laparoscópios .

Controle de Qualidade  Indicador paramétrico: relatório emitido ao término de cada ciclo onde são apresentados parâmetros de controle de esterilização  Indicador biológico: Bacillus stearothermophilus Forma esporulada mais resistente aos esterilizantes físicos e químicos. .

que garante que o material entrou em contato com o agente esterilizante.  São de dois tipos:  Fita  Tira . Indicador Químico: são compostos por elementos que mudam de cor quando em contato com o peróxido de hidrogênio.

.

Exercício  Qual a função da central de material esterilizado em um hospital?  Quais são os setores que compõe a CME?  Explique a importância da CME para um hospital? .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful