Você está na página 1de 27

FIXAÇÃO DE AZOTO

A fixação do Azoto (N2) é menos comum que


a fixação do CO2, somente alguns
procarióticos, como as bactérias (Azotobacter
vinelendii e Clostridium pasteurianum),
cianobactérias (Nostoc muscorum e Anabaena
azollae) e as bactérias simbióticas Rhizobium,
designados por bactérias diazotróficas
possuem esta capacidade.
FIXAÇÃO DE AZOTO

FIXAÇÃO DE AZOTO
As bactérias diazotróficas vivem em simbiose com as
células dos nódulos de raízes de leguminosas
(Fabaceae), tais como os feijões, as forrageiras
(luzerna, alfafa), e trevo, onde convertem N2 em NH3,
segundo a equação global:

N2 + 8 H+ + 8e- + 16 ATP + 16 H2O 2 NH3 + H2 + 16 ADP + 16


FIXAÇÃO DE AZOTO

 O NH3 formado é incorporado ao


glutamato pela glutamato-desidrogenase
ou à glutamina pela glutamina-sintase.
 A quantidade de NH3 sintetizada é
superior às necessidades da planta e
deixada no solo, enriquecendo-o em
azoto assimilável.
 A enzima que cataliza a transformação de
N2 a NH3 é a Nitrogenase.
FIXAÇÃO DE AZOTO

 A Nitrogenase é constituida por duas


proteínas
 1-A Fe-Proteína, um dímero com sub-
unidades idênticas com um núcleo de
4Fe-4S e dois locais de ligação a ATP,
contendo Mo (molibdénio).
FIXAÇÃO DE AZOTO

 2-A MoFe-proteína, é uma proteína tetrâmica,


com estrutura dimérica α β , em que cada
dímero contêm dois centros redox
 A- Centro P ou Grupo P que consiste num grupo
4Fe-4S ligado a um grupo 4Fe-3S que estão em
conjunto ligados pelos átomos de S de 6
resíduos de Cys, um O da cadeia lateral da Ser
e um N da cadeia principal proteica.
 B-O cofactor FeMo que consiste em grupos de
4Fe-3S e Mo-3Fe-3S ligados por 3 SO32-. (sulfito)
 Nitrogenase
 A duas porções
a verde são a
Fe-Proteína e
as porções
centrais a
vermelho e
violeta a MoFe-
Proteína
FIXAÇÃO DE AZOTO

 Nitrogenase
 Cofactores
existentes na
nitrogenase e
transportadores
de ATP
FIXAÇÃO DE AZOTO
Cofactor da FeMo proteína
FIXAÇÃO DE AZOTO
 Estrutura do Cofactor Fe7MoS9.homocitrate
 Verde ou Negro= Fe
 Rosa ou Azul escuro=Mo
 Amarelo ou castanho claro= Enxofre
 Azul claro =N2
FIXAÇÃO DE AZOTO

 Os electrões são gerados por duas vias,


dependente do organismo:
 A-FOSFORILAÇÃO OXIDATIVA
 B-FOTOSSÍNTESE
 Iniciação do processo
 Os electrões são transferidos para a
ferrodoxina que contém 4Fe-4S que
transfere um e- para a Fe-proteína da
nitrogenase.
FIXAÇÃO DE AZOTO

 O grupo Mo é coordenado pelos 3 iões


SO32-, um N da His e dois O do homocitrato
que é um constituinte essencial do co-
factor.
 Pensa-se que o N2 se liga na parte central
deste co-factor.
 Como se viu anteriormente este processo
é extremamente dispendioso em termos
electrónicos e energéticos
FIXAÇÃO DE AZOTO

 Duas moléculas de ATP ligam-se à Fe-proteína


reduzida e são hidrolisados quando o e- passa
da Fe-Proteína para a MoFe-proteína da
nitrogenase.
 A hidrólise do ATP causa uma modificação
conformacional na Fe-proteína que passa o seu
potencial redox de -0,29 Vpara -0,40 V,
disponibilizando o e- para a redução do N2.

+ - 0
FIXAÇÃO DE AZOTO

 A redução do N2 dá-se na MoFe-proteína em


três passos, envolvendo cada um um par de
electrões:
 1º-Fixação de 2 protões e dois eléctrões com
formação de uma diimina

2H+ + 2e-

N N H N N H
FIXAÇÃO DE AZOTO
 2º-Transformação da Diimina em Hidrazina

2H+ + 2e-
H H
H N N H N N
Diimina H
 3º-Redução da hidrazina a duas
H moléculas
Hidrazina de
NH3.

2H+ + 2e-
H H
N N 2 NH3
H
H Hidrazina Amoníaco
FIXAÇÃO DE AZOTO

 Mecanismo da transferência electrónica


FIXAÇÃO DE AZOTO
 Mecanismo de transferência electrónica
 Mecanismo de transferência electrónica
FIXAÇÃO DE AZOTO

 Para fixar uma única molécula de N2 dá-se a


transferência de 6 e- e o gasto de 12 ATP.
 Um ciclo inútil pode aparecer neste processo, em
que a nitrogenase pode reduzir a água a
hidrogénio, que vai reagir com a diimina,
voltando a formar azoto atmosférico.

H N N H + H2 N2 + 2 H2
Diimina
FIXAÇÃO DE AZOTO

 A situação anterior pode existir quando o nível


do ATP é baixo ou a Fe-proteína é ineficiente.
 Verifica-se, no entanto, que se dá sempre este
processo, produzindo-se sempre uma molécula
de H2 por cada molécula de N2 reduzida. Isto
leva a um custo mínimo de 8e- e 16 ATP
hidrolisados por cada N2 transformado, o que é
um custo muito elevado.
 A maioria das plantas não é capaz de sustentar
o crescimento simbiótico de bactérias fixadoras
de azoto que necessitam de uma fonte de azoto
“pré-fixado” como o nitrato ou a amónia.
FIXAÇÃO DE AZOTO
 Estes nutrientes vêm de descargas de
relâmpagos e raios que representam 10%
do N2 fixado pelas plantas, da matéria
orgânica em decomposição no solo ou de
fertilizantes aplicados.
 Um dos objectivos a longo prazo da
engenharia genética é induzir em plantas
não leguminosas de uso agrícola a
fixação de azoto atmosférico.
FIXAÇÃO DE AZOTO

 Isto possibilitaria, em países em vias de


desenvolvimento, a possibilidade de não
serem comprados fertilizantes e não
deixarem parcelas de terreno em repouso,
não terem necessidade de destruir as
florestas tropicais das quais dependemos
a nível global.
FIXAÇÃO DE AZOTO
 Bibliografia
 http://images.google.pt/imgres?
imgurl=http://www.steve.gb.com/images/molecul
es/proteins/nitrogenase_(cofactors).jpg&imgrefur
l=http://www.steve.gb.com/science/nitrogen_met
abolism.html&h=500&w=499&sz=87&hl=pt-
PT&start=1&usg=__ivKCSqgn7m-
h6ugTcYj1a2jsTho=&tbnid=stBA1Eyffa7CNM:&t
bnh=130&tbnw=130&prev=/images%3Fq
%3DNitrogenase%26gbv%3D2%26hl%3Dpt-PT
Nitrogenase a cores
FIXAÇÃO DE AZOTO
 http://images.google.pt/imgres?
imgurl=http://dcwww.camd.dtu.dk/campos/
Dacapo/nitrogenase_centralligand.jpg&im
grefurl=http://dcwww.camd.dtu.dk/campos
/Dacapo/&h=982&w=626&sz=182&hl=pt-
PT&start=2&usg=__v4pUbt5turJqdEEkj6
mQey1KLZs=&tbnid=T7SmKfmaD68eqM:
&tbnh=149&tbnw=95&prev=/images%3Fq
%3DNitrogenase%26gbv%3D2%26hl
%3Dpt-PT Centro activo da nitrogenase
FIXAÇÃO DE AZOTO
 http://www.steve.gb.com/images/molecules/proteins/nitrogena
Subunidades da nitrogenase
 http://plantnet.rbgsyd.nsw.gov.au/PlantNet/cycad/nitrogen/figu
Mecanismo da nitrogenase
 http://images.google.pt/imgres?
imgurl=http://www.chemistry.unimelb.edu.au/staff/spbest
/research/Pictures/femocopic.gif&imgrefurl=http://www.c
hemistry.unimelb.edu.au/staff/spbest/research/projects/N
2ase.htm&h=567&w=768&sz=16&hl=pt-
PT&start=11&usg=__0dx4282WMdPFQ7ZH_j461bZ5fZ
U=&tbnid=7dYDZnfHoiM6VM:&tbnh=105&tbnw=142&pr
ev=/images%3Fq%3DNitrogenase%26gbv%3D2%26hl
%3Dpt-PT Cofactor MoFe
FIXAÇÃO DE AZOTO
 http://images.google.pt/imgres?
imgurl=http://www.cse.scitech.ac.uk/ccg/j.kaestn
er/images/nitrogenase_cycle.jpg&imgrefurl=http:
//www.cse.scitech.ac.uk/ccg/j.kaestner/nitrogena
se.html&h=216&w=400&sz=36&hl=pt-
PT&start=16&usg=__TLTxIoNG9JuZvssFxWH6
8bfrehc=&tbnid=kzP8pnYi2KrAHM:&tbnh=67&tb
nw=124&prev=/images%3Fq%3DNitrogenase
%26gbv%3D2%26hl%3Dpt-PT Acção da
nitrogenase
FIXAÇÃO DE AZOTO
 http://images.google.pt/imgres?
imgurl=http://www.nature.com/nrmicro/journal/v2
/n8/images/nrmicro954-
f1.gif&imgrefurl=http://www.nature.com/nrmicro/j
ournal/v2/n8/fig_tab/nrmicro954_F1.html&h=781
&w=600&sz=120&hl=pt-
PT&start=20&usg=__yfouW7jjMm81yS4jnbB2Et
nzBmI=&tbnid=gMy_6wLU75HTYM:&tbnh=143&
tbnw=110&prev=/images%3Fq%3DNitrogenase
%26gbv%3D2%26hl%3Dpt-PT Nitrogenase da
Azotobacter vinelandii
FIXAÇÃO DE AZOTO
 http://images.google.pt/imgres?
imgurl=http://www.scripps.edu/news/sr/sr2004/imag
es/Noodleman.mb.fig1.gif&imgrefurl=http://www.scri
pps.edu/news/sr/sr2004/mb04noodleman.html&h=5
42&w=380&sz=10&hl=pt-
PT&start=27&usg=__PIgcQ1AjcjIgAg2UgkQOUnhn
oDI=&tbnid=Sg0V4vlphU4iyM:&tbnh=132&tbnw=93
&prev=/images%3Fq%3DNitrogenase%26start
%3D20%26gbv%3D2%26ndsp%3D20%26hl
%3Dpt-PT%26sa%3DN FeMo-cofactor