P. 1
Psicologia - Uma Mente Brilhante

Psicologia - Uma Mente Brilhante

|Views: 16.326|Likes:
Publicado porCíntia Lo Bianco
Trabalho elaborado no mês de agosto/setembro de 2010 para a AV1 da disciplina Psicologia na Saúde.
Trabalho elaborado no mês de agosto/setembro de 2010 para a AV1 da disciplina Psicologia na Saúde.

More info:

Published by: Cíntia Lo Bianco on Oct 04, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/16/2015

pdf

text

original

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PSICOLOGIA NA SAÚDE

ANÁLISE DO FILME UMA MENTE BRILHANTE SOB O OLHAR DA ESQUIZOFRENIA

Cíntia Lo Bianco Ponciana Bezerra Sônia de Jesus Tamires Orestes

Rio de Janeiro 09/2010

ANÁLISE DO FILME UMA MENTE BRILHANTE SOB O OLHAR DA ESQUIZOFRENIA
por Cíntia Lo Bianco, Ponciana Bezerra, Sônia de Jesus e Tamires Orestes.

Trabalho acadêmico elaborado com o objetivo de obter aprovação na AV1 da disciplina Psicologia na Saúde da Universidade Estácio de Sá.

Rio de Janeiro 09/2010

“Na realidade não é a pessoa que se expressa através da personagem, mas a personagem que parece manter viva a pessoa”. J. Badaracco (1986)

RESUMO

Este trabalho tem como objetivo fazer uma análise do filme Uma Mente Brilhante, associando-o aos temas abordados em sala de aula e delineando todos os aspectos pertinentes à esquizofrenia: sua definição, aspectos históricos, evolução da doença, formas clínicas e sintomas, causas e hipóteses, aspectos terapêuticos e tratamentos. O presente estudo procura explicar, de forma clara, como é a verdadeira atitude comportamental de um indivíduo esquizofrênico, qual é a sua relação com a família e amigos e desmitificar este portador para que ele não mais sofra preconceito, que possa organizar seu pensamento e voltar a viver em sociedade.

Palavras-chave: esquizofrenia, evolução, sintomas, tratamento.

ÍNDICE 1- INTRODUÇÃO--------------------------------------------------------------------------------------6 2- ESQUIZOFRENIA – DEFINIÇÃO-------------------------------------------------------------8 3- ASPECTOS HISTÓRICOS-----------------------------------------------------------------------9 4- EVOLUÇÃO----------------------------------------------------------------------------------------11 5- FORMAS CLÍNICAS E SINTOMAS---------------------------------------------------------12 6- CAUSAS E HIPÓTESES-------------------------------------------------------------------------16 7- ASPECTOS TERAPÊUTICOS E TRATAMENTOS--------------------------------------17 8- CONCLUSÃO--------------------------------------------------------------------------------------20 9- BIBLIOGRAFIA-----------------------------------------------------------------------------------21

1-INTRODUÇÃO

Este trabalho visa uma análise comparativa do filme Uma Mente Brilhante em relação à esquizofrenia abordada em sala de aula. Apresentaremos ao longo do trabalho uma perspectiva acerca do tema, explicando fatores pertinentes à evolução histórica do conceito de saúde mental, como também a sintomatologia, suas causas, tipos e aspectos terapêuticos, dando ênfase à esquizofrenia paranoide, tipo de psicose que a personagem John Nash desenvolve no decorrer da vertente cinematográfica.

Iniciando esta introdução, encontra-se abaixo um detalhamento relativo aos momentos do filme, enfatizando a doença de John Nash.

O roteiro é baseado no livro escrito por Sylvia Nasar, A Beautiful Mind. A Biography of John F. Nash, publicado em 1998. Na película conta-se a história real de John Forbes Nash. Relata quatro décadas de pesadelos pincelados com sonhos bons. Setembro de 1947: tudo começa com a chegada de Nash ainda jovem, à Universidade de Princeton. Nash possuía a mania de fazer um movimento repetitivo com a mão na cabeça. Isolando-se de tudo e de todos, recusava sua participação nas atividades básicas da universidade, de forma que não assistia às aulas, era sempre focado em seus cálculos matemáticos, buscando a perfeição em tudo; era calado, tímido, sempre solitário, não convivia com os colegas, entre outros fatores. Nash tinha como objetivo a busca por uma ideia original. O colega Charles o incentivava a procurar a ideia original fora do limite de seu quarto. Ele chegou a ficar por dois dias dentro da biblioteca sem se alimentar em função da busca por sua exímia tese. Foi numa conversa de bar que Nash teve um “insight” sobre sua “Ideia Original”, uma teoria revolucionária aplicada à economia moderna e que viria contestar os 150 anos de pesquisas e teorias de Adam Smith, fundador da Economia.

Em sua primeira aula, verifica-se que os métodos de ensino utilizados por ele não atingem o objetivo, pois trata os alunos com arrogância e frieza. Lecionando, Nash acabou despertando a atenção de uma aluna, Alícia, com a qual criou um vínculo afetivo, casando-se com ela e tendo um filho. Tudo parecia estar bem entre o casal, até que ele começou a sofrer

perseguições de pessoas desconhecidas. Em outubro de 1954, Nash teve uma grande alucinação que criou em sua mente a certeza de que estava sendo perseguido. Não resistiu à pressão e deixou que a paranoia tomasse conta de si.

Ao mesmo tempo em que era professor, realizava alguns trabalhos no Pentágono, trabalhava para o governo a decifrar códigos russos. Em questões de horas , conseguia descobrir padrões e coordenadas importantes só de olhar para o código. Após decifrar os códigos de algumas revistas e jornais, Nash coloca o seu trabalho num envelope, sela-o e o deixa dentro de uma caixa de correio de uma residência, acreditando ser tudo real. Numa das entregas desse tipo de trabalho, Nash percebe-se envolvido numa perseguição de automóvel feita por dois desconhecidos. Ele fica muito conturbado, entra em casa sem falar nada com sua mulher e se tranca no quarto. Com o passar do tempo, torna-se muito desequilibrado e vê conspirações por todo lado.

A versão cinematográfica do diretor Ron Howard se afasta da versão biográfica de Sylvia Nasar. O diretor Howard voou alto na imaginação ao inserir cenas como a de introduzirem no braço da personagem Nash um chip de localização. O Nash verdadeiro jamais trabalhou decifrando códigos para o Departamento de Defesa nem nunca existiu a alucinação “agente Parcher”. Havia a preocupação de Nash sim, em decifração de códigos para tentar descobrir alguma comunicação de extraterrestres que estariam preparando uma invasão da Terra, mas foi uma atitude isolada de Nash sem prosseguimento. Nash se deixou levar pelas alucinações, foi internado e levou vários choques durante sua passagem pelo hospital psiquiátrico. Um ano após o internamento ele voltou para casa, ao convívio de sua esposa e filho. Nash não saía de casa, costumava ficar escrevendo sozinho em seu canto. Quando era preciso tomar regularmente seus remédios, escondia-os dentro de uma gaveta, pois achava que os comprimidos estavam afetando sua mente brilhante. Agindo assim, ele chegou a colocar em risco a vida de seu filho recém-nascido. Voltou a conversar com Dr. Rosen, achando que seu amigo Charles estava também presente e conspirando contra ele. É aí que percebe-se que Charles é a sua alucinação. Nash passou a desprezar suas alucinações para poder se tornar uma pessoa sociável. Decidiu abolir os medicamentos e combater as alucinações apenas com sua força de vontade, dessa forma, conseguindo ignorá-las. Em 1994, Nash obteve o reconhecimento que acalentou durante muito tempo: o Prêmio Nobel de Economia, por sua contribuição na Teoria dos Jogos.

No início do filme, Nash se mostra apenas como mais um gênio em sua extravagância, um solitário com a busca obsessiva de uma ideia original. Mesmo entre estudantes obcecados por números, ele é um jovem estranho e isolado. A imagem do filme que fica guardada em nossa mente é a do jovem Nash resolvendo equações na janela de seu quarto com uma inspiração que se confunde com loucura.

Conhecedor de sua superioridade intelectual, Nash admite que é melhor conviver com os números do que com as pessoas. O seu objetivo era criar uma teoria dinâmica que fosse capaz de explicar todos os acontecimentos e circunstâncias, físicas ou emocionais, sejam originadas pela natureza ou pelo homem.

Durante muitos anos, Nash lutou contra a sua doença que fez com que se imaginasse um espião decifrador de códigos para o FBI. Esse período de sua vida é a parte principal do filme e a brilhante atuação de Russel Crowe nos faz viver e sentir as emoções e a turbulência psicológica da personagem.

Quando se encontra um artista com transtornos mentais

os temas santidade,

genialidade e loucura se associam, pois não fazem parte da rotina, do dia-a-dia, mas da saída para o ilimitado, de algo que não se pode mais ter controle. Como explicar um homem surdo como Beethoven conseguir escrever seus últimos quartetos ou um homem epilético com trantornos psíquicos como Van Gogh conseguir pintar quadros?

Essas inexplicações surgem não sabe-se de onde, mas é nesse turbilhão que se ultrapassa as raias da locura, da média. É por esse motivo que genialidade e loucura se misturam frequentemente, não por acaso, mas por uma quase necessidade. John Nash está incluído nesta classificação: exemplo dramático dos dissabores da esquizofrenia e concomitantemente, portador de uma inteligência singular.

2-ESQUIZOFRENIA – DEFINIÇÃO

Para definir saúde é muito importante que associe essa palavra à saúde mental, pois é parte integrante dessa definição. A Organização Mundial de Saúde – OMS explica saúde como “um equilíbrio da personalidade considerada na sua globalidade bio-psicossocial”. As perturbações mentais são doenças que tem por características perturbações emocionais, cognitivas e comportamentais, na medida em que se afetam a capacidade de pensar e se adaptar à realidade, a capacidade de desempenhar funções sociais e a capacidade de lidar com os problemas básicos do dia a dia.

Karl Jaspers, fundador da psicopatologia como ciência independente da psiquiatria, referia-se à esta afirmando que sua finalidade é “sentir, aprender e refletir sobre o que realmente acontece na alma do homem”. Contudo, a psiquiatria existe devido à psicopatologia, sua disciplina fundamental.

A palavra esquizofrenia define-se da seguinte forma: schizo significa corte, fenda, divisão; phrênos, por sua vez, significa pensamento, mente, espírito. Em sua totalidade, a palavra esquizofrenia significa mente dividida.

Esquizofrenia, outrora chamada de demência precoce ou psicose de dissociação, compreende uma doença mental que se qualifica por uma vasta desorganização do pensamento, causando muitas vezes um resultado desastroso nas relações sociais do indivíduo.

Segundo Holmes, a esquizofrenia é caracterizada por uma “ afecção mental endógena de
causa desconhecida, descrita particularmente pela dissociação da personalidade (incoerência ideoverbal, ideias delirantes mal sistematizadas), por profundas perturbações afetivas, no sentido de distanciamento e pela estranheza dos sentimentos ”.

3-ASPECTOS HISTÓRICOS

É essencial fazer uma breve evolução sobre o conceito de doença mental ao longo dos anos. Através da medicina greco-romana, Hipócrates procurou inserir a razão em contraste com o empirismo, demarcando que “a explicação para as doenças deveria ser feita através do raciocínio e da observação”.

Empéclodes acreditava na existência de quatro elementos importantes no corpo humano denominados humores (sangue, fleuma, bílis amarela e bílis negra). O equilíbrio do organismo era modificado quando havia uma intensificação dos humores ou de sua qualidade, criando assim, uma ruptura desse equilíbrio: a doença mental.

No século XII, durante a Idade Média, surgiram concepções míticas e religiosas em que os doentes mentais eram considerados vítimas de possessão maligna e a cura era a expulsão dos espíritos do mal através do exorcismo.

São Tomás de Aquino explica que: “(...)a doença mental era um estado em que o homem perdia a razão, ficando fora de si (AMENS), delirante, violento e inacessível a uma relação humana (FURIOSUS)”.

Dessa maneira, perdia-se a alma espiritual e toda a sua razão, chegando ao conhecimento de Deus.

Os chamados loucos sempre sofreram e sofrem preconceito e continuam isolados da sociedade devido às características próprias da doença. Eles eram mantidos presos em hospitais e “workhouses” junto com desajustados e prostitutas para que assim evitassem a possível celeuma e mal estar na sociedade.

Com o surgimento da Revolução Francesa e de todas as ideologias de liberdade aparecem as primeiras críticas acerca de aplicar a internação.

Philippe Pinel, com a libertação dos doentes mentais em Bicêtre, ajudou de modo

definitivo para que as pessoas com distúrbio tivessem a possibilidade de obter assistência médica e para que a consciência da sociedade fosse receptiva em relação ao que era a doença mental.

4-EVOLUÇÃO

A esquizofrenia manifesta-se geralmente no final da adolescência ou no início da idade adulta antes dos 40 anos. O decorrer da doença é sempre crônico e tende a deteriorar a personalidade do indivíduo. Quando surgem perto da adolescência, os quadros de início agudo têm uma prognose mais propícia à recuperação, principalmente quando a personalidade se desenvolveu de modo satisfatório.

O surgimento da doença é mais precoce nos homens (entre os 15 e os 25 anos) e mais tardia nas mulheres (entre os 25 e os 30 anos).

A esquizofrenia possui 3 fases: aguda, estabilização e recaída.

A fase aguda é aquela em que os sintomas próprios da esquizofrenia tem um maior domínio. Quando o doente comparece à consulta do psiquiatra, é acompanhado por um familiar e demonstra uma evolução evidente dos sintomas, sendo inevitável a sua internação. Geralmente, o doente não tem consciência de sua situação, dificultando sua adesão ao tratamento e à internação.

A fase de estabilização compreende o fato de haver um controle dos sintomas da doença, melhorando o estado mental do indivíduo. Dessa maneira, segue-se a prevenção das recaídas. O médico psiquiatra tem o objetivo de ir alterando a medicação quando persistem alguns sintomas menos intensos. Essa fase pode ter um tempo indeterminado, sendo muito importante a medicação para a prevenção das recaídas.

O tratamento da esquizofrenia tem por finalidade o prolongamento da fase estabilização, todavia, em algumas vezes é difícil evitar recaídas, retornando à fase mais aguda da doença. Os sinais de recaída são os seguintes: agressividade ou medo, agitação, ideias estranhas, discurso sem nexo, descuido da higiene pessoal ou da aparência, abuso de álcool ou outras substâncias. Será preciso o doente fazer uma intervenção farmacológica precoce devido a diminuição dos internamentos. Um dos principais motivos da recaída é o cumprimento terapêutico não realizado pelo indivíduo, pelas razões de efeitos colaterais dos medicamentos, consumo de álcool ou drogas ou relacionamento dificultoso entre o médico, a família e o paciente.

5-FORMAS CLÍNICAS E SINTOMAS

As perturbações da esquizofrenia dividem-se em 3 categorias: sintomas negativos, positivos e cognitivos.

1- Os sintomas negativos são: apatia, discurso escasso e embotamento afetivo.

2- Nos sintomas positivos as percepções são diferentes, tanto no pensamento quanto no movimento: alucinações, desordens e delírios como achar que está sendo perseguido. Este sintoma é verificado no filme no momento em que a personagem John Nash pensa que os agentes secretos estão querendo matá-lo.

3- Os sintomas cognitivos da doença são leves e só é possível detectar através de testes neuropsicológicos. No filme, Nash também apresenta essa característica cognitiva, cujos sintomas são estes: capacidade de concentração em símbolos bastante sofisticados; realização de operações mentais que seguem princípios sistemáticos; compreensão do conceito de probabilidade; há o pensamento hipotético-dedutivo em que se permite a formação de uma hipótese ou proposta que entre em oposição com a realidade. Piaget descreve quatro estágios principais que conduzem a pessoa ao pensamento desenvolvido, sendo que aqui será explorado apenas o quarto estágio, denominado operações

formais: a partir dos onze anos de idade há a capacidade de concentração e simbolização sofisticada. Em 1887, duas classificações da esquizofrenia foram feitas por Emil Kraeplin. A primeira classificação qualifica a esquizofrenia como psicoses curáveis de causa orgânica, psicoses incuráveis de causa interna e psicoses psicogênicas (com chances de cura). A segunda classificação, através de seu Tratado de Psiquiatria em 1893, qualifica a esquizofrenia como hebefrenia, catatônica e paranoide.

Existem 4 tipos de esquizofrenia: paranoide, desorganizado ou hebefrênico, catatônico e residual.

1- O tipo paranoide é a forma mais comum da doença e também a que tem uma melhor prognose. Suas características são: ideias delirantes; persecutórias ou alucinações auditivas. Há o predomínio dos sintomas positivos, tornando o indivíduo muito desconfiado e às vezes, muito agressivo. O doente pode ainda apresentar uma postura superior ou de comando. Costuma caminhar de um lado para o outro conversando com sua alucinação, alguém que não é real. Pode também olhar para trás diversas vezes tomado por uma mania de perseguição, achando que está sendo seguido.

A esquizofrenia paranoide é definida como um quadro clínico com predominância de delírios estáveis, acompanhado por alucinações de variedade auditiva e perturbações de percepção; do afeto e de volição.

2- O tipo desorganizado ou hebefrênico apresenta uma prognose mais triste. Suas características compreendem: comportamento desorganizado; afeto inapropriado; regressão das faculdades mentais e contato escasso com a realidade. A atitudes agressivas do indivíduo hebefrênico podem vir de sua irritabilidade e também, algumas vezes, de suas ações comportamentais agressivas e inadequadas.

3- Devido a ação de fármacos, o tipo catatônico é curável e portanto, não tem muita frequência hoje em dia. Suas características são definidas por: atividade psicomotora alterada,

podendo ir da imobilidade motora à atividade motora excessiva; flexibilidade cérea; mutismo; negativismo extremo; estereotipias (tornar algo ou alguma situação fixa ou inalterada) e risos sem motivo.

4- No tipo residual o diagnóstico não possui muita exatidão, pois não há um predomínio dos sintomas positivos. A evidência se encontra no embotamento emocional, discurso escasso e isolamento social. Este tipo de esquizofrenia pode se manter por vários anos e geralmente é constatada em doentes com longos períodos de internação. A esquizofrenia abrange um quadro complexo, demonstrando sinais e sintomas na área da mente humana, percepção e emoções, causando deterioração nas relações interpessoais e familiares. O indivíduo perde o sentido de realidade, não conseguindo fazer distinção do que é experiência real e imaginária. Além das alterações do pensamento, há as alucinações, principalmente as auditivas, delírios e embotamentos emocionais fazendo a pessoa desenvolver uma disfunção social crônica, levando-a ao isolamento. Embotamento emocional tem o sentido de a pessoa ser insensível, não possuir emoções e que, por consequência, não consegue perceber o que realmente sente, pois a intensidade de sentimentos é praticamente nula, não existe. Cardoso se refere à esquizofrenia como “um termo usado para designar um grupo de doenças cuja etiologia é desconhecida, apresentando sintomas mentais característicos que levam à fragmentação da personalidade” (2002; p.112). A doença é recorrente, intensificando em cada crise a incapacidade crônica e o que se vê são extravagâncias e falta de adaptação social, prolongada. É comum o indivíduo afetado pela doença possuir e manter ideias delirantes, persecutórias e de auto-referência. Ouve vozes e acredita que outras pessoas podem ter o controle de seus pensamentos e ações. Pensam que estão sendo observados ou perseguidos. No filme as ideias persecutórias passaram a mandar nos pensamentos e ações comportamentais da personagem de John Nash, o que fez com que se afastasse das pessoas ao pensar que estavam envolvidas com seus inimigos, conspirando contra ele. Em relação às ideias de auto-referência, o indivíduo crê que determinados jornais, revistas, passagens de livros, entre outras situações lhe são especificamente dirigidas, ou seja, tudo o que acontece diz respeito à ele. No filme Uma Mente Brilhante constata-se a presença desses sintomas na personagem John Nash. Em seu decorrer verifica-se que a personagem sofria de esquizofrenia, mantendo intacto seu espaço cognoscitivo. necessitando constantemente de internação

Holmes afirma que: “ao ouvir sobre uma morte na família ou assistir a um filme muito engraçado, por exemplo, uma pessoa com esquizofrenia pode permanecer impassível e mostrar pouca ou nenhuma resposta emocional”.

Doutor Rosen, psiquiatra do filme, diagnostica Nash como esquizofrênico paranóico. Esta doença é um assunto muito sério para a história das ciências na transição do século 19 para o século 20, com a significativa contribuição do psiquiatra Bleuler e suas divergências com Freud em relação à Psicanálise.

Freud descreve, identifica e reconhece a doença como um distúrbio fisiológico e não psíquico, o que justifica o tratamento quimioterápico.

As pessoas com esquizofrenia paranóide sofrem alucinações que ocorrem em diversos áreas sensoriais, sendo as auditivas as mais comuns. Caracteriza-se por uma ou mais vozes conversando com o indivíduo.

O processo paranóide impede as faculdades mentais de se desenvolverem sem a contaminação bizarra que se mistura a todos os comportamentos afetivos e intelectuais. Eugen Bleuler surge em 1911 com uma probabilidade psicopatológica através de uma representação clínica descritiva. Foi ele quem inseriu pela primeira vez na área da ciência a palavra esquizofrenia e que pesquisou de modo descritivo o lado interior de um esquizofrênico. As dissociações do pensamento, autismo e ambivalência afetiva eram as bases para seu diagnóstico precoce. Há duas vertentes sobre a descrição dos sintomas feito por Bleuler. A primeira é denominada sintomas primários ou fundamentais onde tornam-se evidentes a ambivalência, o autismo, a perturbação do afeto, a perturbação da associação de ideias e que são possíveis de se constatar em qualquer fase da doença. Há também os sintomas secundários ou acessórios que se manifestam em determinados períodos da esquizofrenia.

O verdadeiro John Nash faz uma descrição de sua personalidade e atitudes de uma pessoa acometida pela doença em seu livro Autobiografia, publicado em 1994 em ocasião do Prêmio Nobel de Economia:
“Assim, nos tempos atuais parece que eu estou pensando racionalmente novamente, no estilo que é característico de cientistas. Contudo esta não é uma questão de alegria como se alguém retornasse de uma desabilidade física para uma boa saúde física. Um aspecto é que a racionalidade do pensamento impõe limites para a concepção das relações de uma pessoa com o cosmos. Por exemplo, um não Zoroastrista poderia pensar de Zoroastro como simplesmente um maluco que conduziu milhões de seguidores ingênuos a adotar um culto ou ritual de adoração do fogo. Mas sem sua “loucura”, Zoroastro teria sido necessariamente apenas um outro entre milhões ou bilhões de indivíduos humanos que teriam vivido e então sido esquecidos”.

Essa afirmação demonstra sua personalidade ambiciosa e a consciência do valor de seu intelecto matemático. Sempre quis ser o melhor de todos, não admitia perder em hipótese alguma. Uma cena do filme que capta esse sentimento de inconformismo é a de Nash numa partida do tradicional jogo japonês chamado Go. O jogo era um concorrente do xadrez, considerado por muitas pessoas como um jogo de utilização lógica, característico de matemáticos.

6-CAUSAS E HIPÓTESES

A causa da esquizofrenia ainda é desconhecida por ser uma das doenças mentais que apresentam uma complexidade maior atualmente. Talvez não haja apenas uma causa, e sim várias que possam justificar o surgimento da doença, todavia, existem algumas hipóteses que apareceram como tentativas de explicar a esquizofrenia. Podem até ter algum fundamento, mas isoladamente, não particularizam a causa.

As hipóteses são as seguintes: hipótese genética, hipótese associada aos neurotransmissores dopamina e serotonina e hipótese associada ao vírus Influenza A2. Na hipótese genética, um componente genético pode estar envolvido na doença. Os genes em conjunto com os fatores ambientais poderão contribuir para o surgimento da

doença. Se dentro de uma família não houver nenhum parente com esquizofrenia, não impede que um dos familiares venha desenvolver a mesma, pois os fatores genéticos não são totalmente decisivos. A hipótese associada aos neurotransmissores compreende duas substâncias: dopamina e serotonina. A dopamina é uma substância que age no cérebro e sua utilização serve para a comunicação entre as células nervosas, especialmente na fenda sináptica. Este neurotransmissor está ligado à etiologia da doença, pois tem a possibilidade de existir em alta quantidade no sistema nervoso central. Os receptores de serotonina, quando entram em contato com outras substâncias como o LSD, podem provocar reações no indivíduo conforme os sintomas da esquizofrenia. Os antipsicóticos agem como bloqueadores da dopamina e agem como antagonistas serotoninérgicos e combinando-se com neurolépticos, causam a diminuição dos efeitos colaterais e melhoram os sintomas negativos da esquizofrenia.

Indivíduos cujas mães se infectaram com o vírus da gripe Influenza A2 tiveram uma tendência para desenvolverem a esquizofrenia. Contudo, alguns trabalhos realizados não possibilitam a constatação de uma relação direta com o vírus. Como causa também foi associado o retrovírus.

Segundo Borges, a causa viral da esquizofrenia já está quase comprovada:

“Um terço ou um quarto dos pacientes com diagnóstico de esquizofrenia desenvolveram esquizofrenia por exposição a uma gripe na infância, porque uma exposição a virose, na infância, que produziu uma encefalopatia, uma infecção no sistema nervoso central e isso, vamos dizer assim, desconjuntou a química cerebral, o funcionamento do cérebro e que esse cérebro evoluiu já num, na transição na idade adulta em esquizofrenia”.

7-ASPECTOS TERAPÊUTICOS E TRATAMENTOS

Os familiares do doente sofrem reações emocionais devido a esquizofrenia, pois adquirem inicialmente um processo de negação da doença e posteriormente, de revolta. Esta

pode deteriorar as relações sociais, ressaltando sentimentos negativos como a raiva, o medo e a angústia, fazendo o familiar se sentir impotente diante da situação. O relacionamento entre os familiares de um doente tem que ser desenvolvido com muito cuidado e orientação, pois a esquizofrenia é uma doença crônica, fazendo com que o indivíduo se torne frágil e dependente.

O tratamento da esquizofrenia é realizado através da utilização de uma abordagem farmacológica, psicológica e social. Pela razão de a doença ser crônica, torna-se essencial organizar um projeto de tratamento e de recuperação a longo prazo. Todo tratamento deve ajustar-se à necessidade individual do paciente.

As primeiras intervenções terapêuticas aplicadas em esquizofrenia foram a cura pelo sono, através da hipnose; a metodologia acerca dos choques; a convulsivoterapia e o eletrochoque, que foram abolidas devido aos maus resultados apresentados. São utilizadas hoje em dia, certas substâncias químicas como antipsicóticos, que tendem a diminuir muitos sintomas da esquizofrenia, tendo como exemplo a desorganização do pensamento e a alucinação. Os antipsicóticos agem como bloqueadores dos receptores sinápticos em vias cerebrais sensíveis à dopamina, assinalando melhoras, ou seja, efeitos terapêuticos.

Os métodos de tratamento da esquizofrenia são estes:

1- Farmacoterapia – Pesquisas revelam de forma abrangente que os medicamentos psicotrópicos são bastante eficazes em relação aos sintomas positivos da esquizofrenia. Todavia, os sintomas negativos e as relações interpessoais perturbadas são menos afetados por essa medicação, requerendo abordagens psicossociais.

2- Psicoterapia individual – Estudos têm procurado demonstrar que, possivelmente, a média dos pacientes esquizofrênicos consegue um resultado favorável através desses esforços. Contudo, os pacientes com essa perturbação mental são visivelmente difíceis e torna complicada a adesão ao tratamento psicoterapêutico.

3- Psicoterapia de grupo – Pesquisas realizadas acerca de psicoterapia de grupo com pacientes esquizofrênicos afirmam que essa modalidade pode ser útil, porém, assinalam o momento de sua implantação. A melhor época talvez seja depois de haver estabilidade nos sintomas positivos, através de uma intervenção farmacológica.

A terapia de grupo pode ser eficaz assim como a individual. Pode ser útil, pois desenvolve a confiança e oferece um grupo de apoio aos pacientes, em que sintam-se à vontade para poder conversar sobre o que quiser com a finalidade de conduzir as alucinações auditivas e lidar com o estigma social da doença. Há uma troca de experiências que leva cada paciente a um aprendizado. O terapeuta serve como um facilitador, encorajando o paciente a falar e assim apoiando-o para futuras mudanças.

4- Intervenção familiar – Diversas pesquisas revelam que o tratamento familiar junto com a medicação antipsicótica é muito mais eficaz do que a medicação isolada na prevenção da recaída. Oferece suporte social diminuindo o isolamento do esquizofrênico. São abordadas questões acerca da importância da medicação e a forma de conduzir a situação-problema. Esta intervenção busca também melhoras na dinâmica familiar.

5- Tratamento hospitalar – Para o paciente que sofre uma crise psicótica aguda, a hospitalização dá um breve intervalo – uma chance de voltar a ter convivência com a família, amigos e pessoas em geral e de se orientar psicologicamente de maneira organizada. O medicamento antipsicótico diminui a maior parte dos sintomas positivos. A hospitalização oferece um lugar seguro para evitar que os pacientes provoquem danos a si mesmos ou aos outros. O efeito da internação é breve, as defesas são recuperadas e o paciente pode voltar ao seu estado normal. O paciente pode iniciar a terapia dentro do hospital e depois continuar o tratamento fora; o mesmo acontece com a reabilitação psicossocial. 6- Treinamento de habilidades sociais - É um tipo de terapia comportamental que busca ajustar, aos poucos, o comportamento do paciente através de aproximações sucessivas da habilidade desejada, com fim de melhorar a capacidade de lidar com as situações sociais. Como resultado, há melhora em comportamentos específicos diminuição dos sintomas e adaptação social. e na auto percepção,

8-CONCLUSÃO

A partir do estudo realizado para a elaboração deste trabalho, constatamos que a esquizofrenia é resultante de uma relação entre os fatores ambientais e genéticos. Contudo, não há uma forma explicativa de como esta se desenvolve. A doença tanto pode surgir de repente em crises excessivas, de modo violento, quanto surgir vagarosamente, de maneira assintomática, ou seja, sem apresentar mudanças visíveis.

Este distúrbio psicótico pode vir junto com sentimentos de culpa e vergonha, portanto, o apoio familiar e social é indispensável para a prevenção da recaída, bem como na aceitação do indivíduo em relação à sua doença e aos aspectos terapêuticos.

Embora este tema provoque uma reação bastante negativa na sociedade, atualmente esta doença ainda é pouco abordada, girando em volta vários tabus e preconceitos. O conhecimento em relação à doença, além de reduzir o preconceito, evita o diagnóstico tardio, pois, quanto mais cedo se identificar a doença, melhores serão as formas de tratamento e mais eficaz será a reabilitação.

É possível que o tratamento da esquizofrenia venha obter um melhor efeito quando os pesquisadores entrarem em concordância com a etiologia da doença e as intervenções terapêuticas passarem por um processo de aperfeiçoamento.

A permissão de John Nash em tornar pública sua luta contra a esquizofrenia, primeiro com o livro e depois com o filme, fez com que se tornasse um modelo da doença. Por esse motivo, acelerou a propagação do conhecimento sobre seus sintomas, o sofrimento de seus portadores e a limitação de seu tratamento. Este conhecimento semeado sobre esta doença possibilitou aos portadores uma maior ressocialização e uma melhor forma de expressão acerca de suas aptidões. Concomitantemente, ao analisar a vida de John Nash, permite-se um olhar realista do que vem a ser a esquizofrenia. A realização deste trabalho e a análise do filme tornaram possível o aprendizado sobre os sintomas iniciais, a dificuldade em identificar a doença, o tratamento adequado, a

disponibilidade destes, o resultado destruidor envolvendo os portadores e suas famílias e o alento para aqueles que sonham em retomar suas habilidades criativas.

BIBLIOGRAFIA ALMASAN, Daisy A; GIMENEZ, Rosane M. “Formas de Tratamento do Paciente Esquizofrênico”. In: Revista Científica Eletrônica de Psicologia, Garça/SP, Faculdade de Ciências da Saúde de Garça – FASU, ano IV, número 7, novembro de 2006, periódico semestral. Apostila do curso de Serviço Social, Psicologia na Saúde, aula n° 2, p. 15, Universidade Estácio de Sá. Apostila do curso de Serviço Social, Psicologia na Saúde, aula n° 6, p. 1, Universidade Estácio de Sá. BELUCI, Thaise; RAMALHO, Marcelo M. “Uma Análise da Esquizofrenia frente à Experiência com Paciente Esquizofrênico”. In: Revista Científica Eletrônica de Psicologia, Garça/SP, Faculdade de Ciências da Saúde de Garça – FASU, ano IV, número 6, maio de 2006, periódico semestral. BORGES, Hélio. Entrevista concedida aos autores. 20 de agosto de 2009, cópia mimeo. CARDOSO, C. Os Caminhos da Esquizofrenia. Lisboa, Climepsi Editores, 2002. 1ª edição, cópia mimeo. CATARINO, Andreia; FERREIRA, Fabiana; SALSINHA, Helena. A Esquizofrenia no filme “Uma Mente Brilhante”. Tese de licenciatura em Psicologia. Lisboa/Portugal, Trabalho realizado no âmbito da cadeira de Psicopatologia, do 3° ano, do curso de Psicologia da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias – ULHT, 2010. D'AMBROSIO, Ubiratan. “Uma Mente Brilhante. John Forbs Nash Jr”. Cópia Mimeo. DEFINIÇÃO DE SAÚDE MENTAL. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE – OMS. Disponível em: http://www.whoafro.org/mentalhealth/publications/respostas_web_novas_esperancas.pdf. Consultado em 09/2010.

DICIONÁRIO MÉDICO. p.247, cópia mimeo. HOLMES, David S. Psicologia dos transtornos mentais. Porto Alegre, Artes Médicas, 1997, cópia mimeo.

NASH, John F. Autobiografia, 1994. cópia mimeo. LOPES, José L. “A psiquiatria na época de Freud: evolução do conceito de psicose em psiquiatria”. In: Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, Sociedade Brasileira de Psicanálise, vol. 23, n° 1, março de 2001. SIMON; SCHUSTER. A Beautiful Mind. A Biography Of John F. Nash. New York, 1998. Publicado no Brasil como Uma Mente Brilhante; traduzido por Sergio Moraes Rego; Rio de Janeiro; Editora Record; 2002; cópia mimeo. TAVARES, Susana. 1° Congresso Orasi: Construindo Melhores Famílias. Esquizofreniadefinição. Porto/Portugal, 2008, cópia mimeo.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->