P. 1
EXAME FÍSICO ABDOMINAL

EXAME FÍSICO ABDOMINAL

1.0

|Views: 22.904|Likes:
Publicado porViviane Maeda

More info:

Published by: Viviane Maeda on Oct 28, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/15/2014

pdf

text

original

EXAME FÍSICO ABDOMINAL Anamnese é o fator determinante no exame físico do abdômen, pois se fizer uma anamnese correta bem

dirigida, coerente com o que vai perguntar. Anatomia do abdômen , então o abdômen é uma camada muscular, que é divido entre os músculos, em algumas pessoas dá para ver as divisões (gominhos). O abdomen é composto pelo músculo retro-abdomen no meio e tem as suas divisões, o musculo obliquo externo é a mesma coisa que colocar a mão no bolso, as fibras do músculo obliquo externo é como se botasse a mao no bolso entao elas tendem para baixo, com uma camada de gordura que varia de pessoa para pessoa. A parede abdominal é tudo aquilo que separa os órgãos intra abdominais do meio externo. Se a parede for fraca e a musculatura for fraca algumas patologias vão desenvolver no abdomem em virtude desta fraqueza e desta perda de força de conter as vísceras. Abdômen tem o músculo retro-abdominal na sua frente, o retro-abdominal na parte supraumbilical que faz o estojo da aponeurose, estojo aponeurotico, aponeurose por cima, aponeurose por baixo, no infra-abdominal tem aponeurose só por cima e por baixo não tem nada, o obliquo externo se vem em direção ao centro do abdômen, o obliquo interno vem para cima. Quando fazemos a incisão mediana do abdômen vamos alguns órgãos de cara enquanto que outros ficam escondidos, esses escondidos são aqueles que se encontram no retro -peritoneo ou atrás mesmo de alguns outros órgãos. Quando abrimos o abdômen vemos o fígado que é o maior órgão sóbrio que tem no a bdômen que ocupa grande parte do gradil costal ultrapassando até mesmo a linha media em direção esquerda. Ele é o órgão mais acometido em traumatismo fechado, o primeiro órgão acometido é o baço e o segundo é o fígado, ao lado do fígado conseguimos visualizar o estomago que tem a forma de um J que se estende até a primeira porção do duodeno. Órgãos retro-peritoneais ficam atrás do peritônio não são vistos na primeira inspeção como o fígado, artéria aorta, uma parte do pâncreas, veia cava, bexiga. Como dividimos o abdômen para examinar, se o paciente chega com uma dor como podemos dividir o abdômen e saber onde está doendo: Dividimos em o abdômen em 9 quadrantes que são divididos em: 2 superiores em hipocôndrio direito, epigastro, e hipocôndrio esquerdo. No hipocôndrio direito se encontra o fígado, a vesícula biliar, o duodeno. No hipocôndrio esquerdo encontramos o baço, e no epigastro geralmentetem o estomago. Abaixo deles fica a região umbilical, os 2 ... , tem a fossa ilíaca direita, fossa ilíaca esquerda, e o hipogastrico.

O exame fisico do abdômen tem que ser visto desde o apêndice xifóide até o osso do púbis. ulcera duodenal perfurada Dor no quadrante superior esquerdo: gastrite. alguma coisa aconteceu neste abdômen que precisou de uma cirurgia. Hipocôndrio direito é onde está o fígado e a vesícula. por exemplo. Hipogastrico = infecções ginecológicas e do trato urinário. para poder ver tudo o que está acontecendo no abdômen. No epigástrico o estomago No hipocôndrio esquerdo o baço. Inspeção: Cicatrizes (é importate porque indica uma cirurgia previa. Peri-umbilical fica todo o intestino delgado. Dor no quadrante inferior direito. Fossa ilíaca esquerda = derverticulo do intestino = diverticulite. uma diminuição da hérnia. Quando fazemos o exame fisico do abdômen a primeira coisa que vemos é a inspeção: Nessa inspeção o objetivo tem/buscamos a inspeção. Nos 2 planctrons fica as patologias relacionadas ao ureter. uma cicatriz da cesaria. Normalmente as dores são por causa do ureter (cólica renal. todas as desordens do baço.Todas essas regiões tem importância pois patológicas abdominais tem dores especificas. Diverticulite é mais comum na fossa ilíaca esquerda. Fossa ilíaca direita = apendicite. então tudo isso tem que ser vistos antes de tocar o paciente. infecção renal). um aumento no desvio. para não perder uma hérnia abdominal. Na apendicite na sua fase inicial o paciente sente uma dor no abdômen inteiro. esta deve ser feito antes porque a própria manipulação manual ou da ausculta do abdômen pode causar um aumento da peristalse. Todas essa regiões tem que estar bem definidas para sabermos quais os órgãos que estão p or trás disso para saber o que tem investigar. No hipogastrico tem infecções do trato urinário e as infecções ginecológicas causam dor no hipogastrico. apendicite da dor na fossa ilíaca direita. Dor no quadrante inferior direito: apendicite. Abdômen agudo normalmente na periumbilical (ou mesogastrico) Ulcera perfurada dor no epigástrico. todas as desordens do baço. paciente que já tem uma cirurgia previa tem uma . Dor no quadrante superior esquerdo: gastrite.

abdômen acitico pela presença de liquido. deve investigar qual cirurgia foi feita.Hérnias são patologias esquecidas e que complicam principalmente em idosos ou em pacientes que já foram operados. uma vez formando uma estria ela nunca mais some. há uma perda de tecido muscular as vezes pode observar peristalse. o tecido esticou tanto. uma distensão súbita do abdômen ou por obesidade ou por um aumento do ganho corporal muito elevado. pacientes com síndromes de cusching pode ser adquirida ou por ingesta de corticóides tem estrias. Abaulamentos (sempre que tem abaulamentos pode ser encontrado uma massa abdominal. gestantes tem estrias. contorno. Abdômen escavado por alguma patologia que está delimitando. Os idosos tendem a fazer uma cicatriz mais fina e mais discreta. A presença de cicatriz pode ter a possibilidade de ter uma hérnia se não foi bem fechado. ou seja. provoca macicez na percu ssão. ela é uma cicatriz. A peristalse quando ela é vista no exame fisico e paciente tem uma obstrução chamado . O útero até a 12 semanas ele não é palpável se é palpável ela pode estar grávida de mais de 2 crianças. se o paciente as vezes é muito magro conseguimos visualizar principalmente em pacientes idosos em que a degeneração muscular ela é muito grande. peristalse. ela pode estrangular que é quando ela sai para fora e falta suprimento. Abdômen normal sem abaulamentos. adolescentes jovens em fases de crescimento tem tendência de fazerem estrias nas costas pelo estirão que eles tem. e tudo isso é visto na inspeção sem precisar perguntar para o paciente. entao o paciente já foi operado e teve uma dor abdominal recorrente e não é examinado e passado. o paciente está emagrecendo.forte tendência de fazer aderência. Hérnias são comunicações entre a cavidade abdominal e o meio exterior. as estrias brancas são estrias antigas que já aconteceram em um passado a muito tempo. este é maciço. o gasto é maior do que ela consegue repor algumas vezes por anorexia nervosa. pacientes obesos tem etrias. sem nada. a hérnia pode obstruir o intestino. ela pode sair para fora e não volta. a presença de alguma coisa que esta comprimindo a parede de dentro para fora ou de fora para dentro. Então a inspeção é muito importante porque fazemos uma inspeção bem feita conseguimos fechar o diagnostico mais facilmente.mas até mesmo cicatrizes mais grossas quando somos jovens nos adultos vão se tornar uma cicatriz mais fina/+ discreta. mas esta geralmente não é vista. abdômen globoso que é um a bdômen muito distendido. a quanto tempo foi feita e o porque de ter sido realizada. ou por a lguma patologia obstrutiva. Examinamos o contorno do abdômen ele é importante pois o abdômen plano não fala a favor de nenhuma patologia mas o escavado fala a favor de algumas patologias como uma neoplasia. Abdômen gravídico se palpa de cima para baixo até se encontrar o ápice do útero. INVESTIGAR HERNIAS . abaulamento por esplenomegalia) Hérnias. Peristalse: ela não é visível. a presença de uma hérnia. tudo decorrente desta cirurgia previa. só na inspeção conseguimos fazer uma diagnostico de alguma patologia. o que aconteceu para que fosse necessário uma intervenção cirúrgica do abdômen). e a obesidade. Estrias (indicam uma gravidez. tanto que ele rompeu a pele rasga e quando a pele rasga o tecido cicatricial (tecido conjuntivo) se forma).

apesar de ele ser obstrutivo nas primeiras fases do exame fisico o intestino tenta desesperadamente lutar contra essa barreira ele luta contra essa barreira fazendo peristalses mais forte e cada vez mais freqüentes com o passar do tempo o intestino cansa de tentar ultrapassar barreiras e ele começa a reduzir a sua peristalse. quadrante superior direito. não esquentar o esteto antes de colocar na barriga do paciente. o aumento da peristalse normalmente se dá por patologias que aumentam o transito intestinal. não tem ruído abdominal nenhum. depois da peristalse(já ouvimos todo transito intestinal) o que examinamos e o que ouvimos Abolido é na obstrução intestinal tardia. estes podem estar aumentados ou diminuídos. quadrante superior esquerdo eo quadrante inferior esquerdo. ou por uma estenose ou por alguma patologia como placa de ateroma que vai causar o sopro. quando examinamos imobilizamos gases quando palpamos imobilizamos gases de um lado para outro. Pacientes que teve obstrução da para ver a peristalse. No hipotireoidismo tem redução da peristalse. ou abolidos. ela vem antes porque estimula o intestino. .de sinal de crusma U (ver o nome) que é o sinal onde dá para ver as ondas peristálticas do abdômen. Na Ausculta então: Avaliar a motilidade intestinal através da peristalse Pesquisar a presença de sopros arteriais. O próximo passo fora a inspeção é a AUSCULTA e esta vem antes da palpação e da percussão. Quando for fazer uma ausculta abdominal toda vez tem que esquentar o esteto porque ao . a redução da peristalse também é presente num quadro de abdômen agudo obstrutivo. o paciente que tem um abdômen agudo obstrutivo. pode auscultar um sopro em cima do fígado em decorrência da alteração do fluxo entre a porta e a veia cava. Outra coisa que conseguimos auscultar é nos pacientes com hipertensão porta se ausculta um sopro em cima do fígado. Para ter certeza que o ruído esta abolido precisa ficar no mínimo 1 minuto em cada quadrante entao a ausculta se deve ser feita nos 4 quadrantes. e quando isto ocorre o intestino vai fazer com que a peristalse aumenta e entao auscultamos o abdômen pois ouvimos algumas patologias. como diarréia. para ouvir os fluidos hidroaéreos. Não conseguimos escutar os batimentos = o coração. e sim sopro. é importante pesquisar na ausculta ruídos. Fora ruídos temos dentro do abdômen que pode causar sopro. o sopro quer dizer o que? Uma estenose. Quadrante inferior direito. Paciente tem que estar bem relaxado. Sopro arterial que mais auscultamos é o sopro da estenose renal que é uma das causas da hipertensão. pois se não ele toma um susto ou se não ele se contrai. é a aorta abdomina mas não l escutamos o batimento dela.

Alguns órgãos necessitam de manobras especiais para serem examinados. PALPAÇÃO: dividida em palpação superficial que é aquela que tenta uma leve palpação. então consegue sentir a pulsação da aorta. entao examina superficialmente. para depois na palpação profunda conseguir fazer. Aorta se divide em ilíaca direita e a ilíaca esquerda. Lembrar de esquentar as mãos. a aorta em indivíduos magros é palpável. tudo é palpável. 2º presença de macicez 3º ausência de macicez hepática em alguns casos. como a hepatimetria onde mensura o tamanho do fígado. a segunda é a palpação que pode ser feita normalmente enquanto palpa o abdômen ou podemos deslocar dando as costas para o paciente e fazer a manobra da palpação em . Palpa a aorta na região epigástrica. pesquisar onde o abdômen é mais sensível. se tem alguma hérnia.1 minuto em cada um dos quadrantes sem nenhum ruído. se a musculatura esta rígida. Depois passa para a palpação profunda do abdômen na qual é feita pelas duas mãos onde com as 2 mãos consegue vencer a barreira da musculatura. ver se tem algum abaulamento da musculatura. Examina onde ele tem a dor. No gradil costal na altura do fígado tem que ser maciço só não vai ser maciço quando houver perda da macicez hepática quando a presença de uma ulcera perfurada. na percussão o som tem que ser timpânico ou seja você bate e o som responde. pesquisar se por acaso houver um apendicite uma diverculite.não vai examinar com tudo a parte que o paciente tem dor. ou seja. na procura de massas. Quando faz a percussão visa identificar a presença de uma macicez. cetoacidose diabética ai tem ar no intestino. se palpa todo o abdômen. o som deixa de ser timpânico e passa a ser atimpanico. Ausência da macicez hepática vira timpânico provavelmente tem alguma patologia. de alguma patologia. ai sim pode dizer tem que um ruído hidroaéreo abolido. não são tão fáceis de serem examinados simplesmente na palpação como o: FÍGADO: tem que fazer 3 manobras no fígado. Começa a percurtir na fossa ilíaca direita e vai subindo. Bater num caderno é um som maciço. Lembrar que a parte onde o paciente tem mais dor é a ultima a ser examinada. na superficial não colocar muito pressão. se não somente no intestino grosso e no estomago é que tem presença de ar. pesquisar a presença de rigidez muscular. pesquisar a presença de massar. defesa abdominal. PERCUSSÃO DO ABDOMÊN: 1º se a distribuição gasosa esta normal. no intestino delgado tem muito pouco ar que nunca vai ter ar no seu interior a não ser quando tem patologias como abdômen agudo obstrutivo. lembrar se o paciente já falou que o local que mais dói é o lado direito não começa a examinar pelo lado direito pois deixa o paciente tenso ele não vai ficar colaborativo no resto do exame.

Quando o fígado fica palpável não é o normal. desde baixo e indo em direção abaixo das costelas. PALPAÇÃO do FÍGADO: começa a palpar sempre a nível do umbigo. e quando ele bate nas nossas maos conseguimos ver se a borda é normal. ficamos de costas para o paciente e palpamos em forma de garra. HEPATIMETRIA: como faz. o tórax termina a nível da oitava costela. Fígado fica quase todo ele protegido pelo arcabouço costal. Viramos de costas para o paciente e já começamos a palpar para ver onde está a borda. Nossas maos e nossos ouvidos é o parâmetro do tamanho do fígado. são as varias características que tem. ele bate na nossa mao. lembrar de percurtir não em cima da costela mas sim no intervalo de uma costela e outra. Se o fígado esta protegido pelo arcabouço costal começa percuntido o tórax. tórax. ele muda é o primeiro local onde esta o fígado. se ele é regular ou se ele é irregular. quando o som muda para maciço. então sempre palpa assim. Ele muda de tórax para maciço. Isto é uma forma de palpar o fígado. tórax. Todo fígado é protegido pelo gradil costal. não é mais torácico ele fica diferente quando fica diferente começa a hepatimetria ou seja o fígado começa ali. é onde começa e termina o som maciço este é o tamanho do fígado. quando achou a borda. Esta hepatimetria é feita percuntido desde o tórax. Sempre em direção abaixo das costelas. quando ele solta toda a respiração ele abaixa toda a musculatura. aperta vai indo para baixo das costelas e depois pede para respirar fundo e ai o fígado sobe e ele bate nas nossas maos. irregular. fica de costas para o paciente. quando o som do tórax muda. por exemplo. e comprime lá embaixo e depois ele respira. Quando começa a percurtir escuta o som da percussão torácica. pede para respirar fundo e vai soltando todo ar e nos vamos apertando. e depois pedimos para o paciente inspirar de novo e quando ele inspira de novo o diafragma faz com que o fígado passe na nossa mao. se ela é endurecida. o tamanho das nossas mãos. começa a percurtir tórax. A partir mais ou menos da 6º costela já começa a percurtir. quando palpa o fígado tem que ver se a borda é fina. duro. a partir da região infra mamaria. mudou o som para abdominal marca este é o tamanho da hepatimetria. Começa a percurtir o tórax. quando ele bate nas nossas maos dá para ve como é r esse fígado. vai percurtindo entre uma costela e outra. chega um momento que pedimos para o paciente respirar fundo e soltar toda a respiração. . tórax. e vai percurtir até ele mudar novamente timpânico igual o resto do abdômen. e nos conseguimos entrar com a mao abaixo do rebordo costal.garra. se o fígado é regular ou se ele é irregular. Fígado aumentado. até o momento em que há mudança no padrão da percussão. E a segunda é a manobra em garra. Algumas medidas nos temos que saber.

grande. Tem o mesmo som abdominal ele é timpânico. quando ele se torna maciço escrevemos espaço de Traube ocupado e esta ocupado pelo baço = esplenomegalia. associado algumas vezes a hematuria. o rim é tido como um órgão sólido. enorme. ele pode ter aumentado em presença de um tumor. Dependendo do lado. ou piuria. e nesse tempo vamos palpar o rim. E a percussão para ver se o espaço de Traube está ocupado. em decúbito lateral é chamado de Manobra de Schuster. Tem que começar desde a região umbilical até achar o baço. primeiro porque qualquer patologia hematológica ele vai estar aumentado. Ele é examinado no espaço de Traube que este é o hipocôndrio esquerdo. ele pode ser pequeno. o baço não é palpável em ninguém a não ser que tenha algum acometimento. Como é que o baço cresce? Ele cresce em relação ao rebordo costal esquerdo e em direção a região umbilical. a chance de palpar o rim é muito pequena apenas em pacientes muito magros conseguimos palpar. Percussão esta igual ao abdômen = normal ou perde o timpanismo e fica maciço o espaço de Traube está ocupado = esplenomegalia.coloca o paciente em decúbito lateral esquerdo e palpa desde a cicatriz umbilical até o rebordo costal. Palpação do rim: a palpação é muito bom fazermos. Normalmente associado a uma dor para urinar. . duro muito duro mesmo e ai consegue delimitar todo o rim. médio. é uma manobra para palpar o baço. a queixa do paciente é uma dor nas costas que se irradia para as 2 fossas ilíacas. Entrando debaixo das costelas. o hipocôndrio esquerdo. porque é importante saber examinar porque vai chegar o momento que é importante palpar porque pode estar aumentado. mas não conseguimos palpar o rim normalmente porque todas as outras estruturas superficiais atrapalham. coloca o paciente e coloca as nossas maos por baixo do paciente e ai comprimi a nossa mão contra a outra. o paciente se queixa de uma dor lombar. O exame fisico para examinar o rim é um pouco mais complicado de ser feito. O baço tem 2 formas de ser palpado: Paciente em decúbito dorsal ou em decúbito lateral. RINS Que também fazem parte do exame do abdômen. quando ele cai mais para frente conseguimos palpar o baço. coloca o paciente em decúbito lateral direito e faz com que o baço que esta maior e mais pesado perda a sustentação e caia mais para a frente. se formos tentar palpar algum órgão retro-peritoneal pelo abdômen tem que pensar a pele. É muito difícil palpar o rim. toda a musculatura e depois tem que passar pelo colo e depois chegar no rim. ele não é maciço. Faz com que o baço perca a sustentação e caia para a frente. Se o paciente for normal não conseguimos palpar. Sempre palpa da cicatriz umbilical até o rebordo costal esquerdo.BAÇO: é um outro órgão muito importante. a subcutâneo.

Hipersensibilidade renal: o que é? É o conhecido como Giordano Positivo ou negativo. ASCITE: é outra patologia do abdômen. Sinal do obturador: quando Tb pensa em apendicite faz a rotação interna da coxa. e quando bate ao redor ele é atimpanico e ele é maciço isso se chama macicez móvel. No meio fica timpânico. A característica da ascite tem uma macicez móvel. a forma e ver se tem algum problema. Giordano é a hipersensibilidade renal. o Giordano descreveu o exame como positivo. Sinal de psoas: o psoas é um músculo que está para vertebral e ele tem um intimo contato com o apêndice. é quando percuti aonde deveria estar o rim e os ureteres o paciente sente dor. e este bate no apêndice e o paciente sente dor.A importância de palpar o rim é simplesmente para ser visto o tamanho. Começa a comprimir na fossa ilíaca esquerda e vem trazendo as nossas mãos até o cólon transverso. é segurar a perna do paciente e comprimir o abdômen do paciente. e se ele tiver uma hipersensibilidade ele vai para frente e falar que está doendo. o ar está distendendo e indo distendendo a fossa ilíaca direita então é sinal de Rovsing positivo. Percurti o rim e todo trajeto do ureter. estira o psoas. mas não precisa fazer nenhuma força. isso é a macicez móvel. o paciente sente mais dor na fossa ilíaca direita. Primeiro faz de um . comprime delicadamente e pede para fazer força no psoas para poder levantar a perna. O sinal de Rovsing é quando começa a comprimir do lado esquerdo todo o colo esquerdo. e a rotação faz a contração do músculo obturador que comprime o apendicite. entao é sinal de Rovsing +. O meio do abdômen é bem timpânico pois é ai que toda a alça intestinal sobe porque tem ar dentro. o sinal de Psoas. o liquido é tanto dentro do abdômen que quando percurti o paciente em pé a macicez fica toda para baixo. Pede para virar de lado o lado que esta para cima fica timpânico e o lado que está para baixo fica maciço. e quando pede para o paciente deixar a macicez fica toda em volta. O meio sempre timpânico e ao redor maciço. mas de uma maneira leve e pedir para levantar a perna contra a mao. Não precisa fazer força. ele da um pulo. quando faz isso distende onde está o apêndice que é no colon direito e o paciente sente dor. e isto acontece em 2 patologias: na presença de um calculo no ureter ou na saída da pelve renal ou na presença de espleronefrite. até o cólon transverso com isso faz um deslocamento do ar dentro do intestino que vai fazer que o paciente sinta dor na fossa ilíaca direita mas simplesmente pela compreesão. Paciente quando percurti o rim. alguma alteração na anatomia. faz quando suspende de apendicite retro-cecal. E é assim que fica fazendo. sinal do obturador e o sinal de Blumberg. Levanta a perda e faz rotação interna da coxa. apenas percurti em cima da mao. Sinais que existem para fazer o diagnostico de apendicite: Na apendicite alguns sinais são positivos como o sinal de Rovsing.

.... . e depois quando solta a dor é muito maior. e expirar... faz a externa para ver se ele não tem outra patologia. Ela vai interromper a respiração.. pede para o paciente inspirar.... e ai pede para inspirar e quando começa a inspirar ela suspende a respiração... Ela para por dor.. Sinal de Murphy sujestivo da colecistite aguda.lado e depois de outro para ter a comprovoção.. e depois de um tempo faz a descompressão súbita. ela tem dor e interrompe a respiração... Sinal de Blumerg: é simplesmente dizer que há um acometimento difuso do peritoneo. não é que ela sente dor mas ela suspende a respiração. Comprimi o abdômen. o sinal de Blumerg é de compressão brusca. É feito comprimindo o abdômen de uma maneira firme e segura.. e quando expira aperta o policístico mas com bastante vontade. O exame fisico serve para nos notear para termos o diagnostico do que está acontecendo nesta barriga. existem outras maneiras de ver o sinal de Blumerg. tem gente que considera o sinal de Blumerg qualquer irritação peritoneal independente da causa/ de qualquer patologia tem gente que considera o sinal somente a irritação peritoneal da apendicite aguda. (ver o nome) cístico no redordo costa direito. Pode pesquisar o sinal de Murphy indireto que é quando respira bem fundo e o paciente não consegue respirar por dor. palpa o . o exame fisico. porque na verdade não sabemos fazemos uma hipótese. Depois de fazer a anamnese.. Compressão brusca na fossa ilíaca direita e depois a descompressão e depois o paciente reclama.. não precisa apertar com muita força.... pois paciente idoso tem artrose e ele vai sentir dor...

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->