Você está na página 1de 4

Resumo

Aluno: Celso Ferreira dos Santos


RGM: 071172
Filme: Pro dia nascer feliz
Diretor: João Jardim
Exibido em: 28/02/2011
Duração 82 min.

O diretor João Jardim faz um documentário crítico onde expõe as


varias faces da educação brasileira, através de relatos e
depoimentos de professores e alunos, ele procura mostrar de forma
direta e real os desafios e problemas, enfrentados por professores e
alunos da rede publica e privada.
Abordando de maneira direta os assuntos relacionados a preparo e
segurança, o diretor procura mostrar a duabilidade socioeconômica
expressa de forma gritante na educação, para isso o autor mostra a
dura realidade dos alunos da rede publica do interior de
Pernambuco, ate a cobrança dos estudantes da classe média da
região sudeste.
Em Pernambuco depoimentos de alunos mostra a dura realidade da
educação com falta a de professores e desmotivação do corpo
docente, os alunos e professores tem de conviver em prédios
sucateados e sem infra-estrura, algo que no Brasil chega a 13.7 mil
escolas, dentre as quais 1,9 mil não tem água: na região sudeste do
país, em locais como Rio de Janeiro e São Paulo os problemas mais
freqüentes são a falta de segurança publica e drogadição ativa na
comunidade e entorno da escola, também a cobrança psicológica
feita pela necessidade de ascensão social da classe media.
a obra de João Jardim revela a dificuldade que há em avaliar o
complexo labor travado pelos educadores diante da imensa carência
das escolas, tanto no âmbito estrutural como na falta de suporte
psicológico. Chega-se à conclusão de que as escolas brasileiras
estão doentes, beirando a um coma, e não há vontade política para
prestar socorro ao moribundo.
O filme expõe trechos que nos fazem refletir sobre o que somos, e o
que queremos, e o que faremos, para mudar o contexto da educação
Brasileira.
Em Pernambuco vemos uma aluna sendo julgada pelo conteúdo de
seus escritos, seus professores chegam a conclusão de que o texto
produzido não é de sua autoria devido ao contexto sério e pela
abordagem coesa de seus escritos.
Como acreditar que em um lugar onde nem ao menos uma escola de
segundo grau existe, onde chegar a escola é uma batalha, onde o
transporte de alunos é feito de forma precária, e que a evasão
escolar chega a ser alarmante possa gerar texto com conteúdo tão
sério.
No Rio de Janeiro e São Paulo nas comunidades carentes, os alunos
ficam expostos a falta de segurança chegando ao ponto de uma
aluna esfaquear a outra em plena escola e se sentir feliz por isto, tal
aluna em questão, chega ao cumulo de ser irônica; dizendo que
apenas adiantou sua morte, pois um dia ela iria morrer mesmo.
Enquanto um outro aluno é aprovado sem nem ao menos saber o
conteúdo da matéria.
Por outro lado em locais mais privilegiados os problemas são outros
porem não deixam de ter maior valor, haja vista, a complexidade do
assunto, os alunos de escolas particulares se vêem pressionados por
professores e familiares para darem o seu melhor pois carregam em
sua história um nome e um legado.
Vemos que o governo procura fazer a sua parte e que a educação
tem feito alguns avanços:
O governo investe na capacitação de professores, abre vagas para a
universidade com programas como o pró-uni, promove cursos extra
curriculares de cultura e musica com o objetivo de retirar o jovem do
contesto violento e fatídico a que esta exposto, em escolas mais
bem estruturadas e escola vira ponto de encontro da comunidade,
fazendo a família estar mais próxima do ambiente escolar.
O contexto geral da educação brasileira pode ser mudado, basta os
governantes investirem na conservação das escolas dando ao aluno
dignidade, investindo nos lugares onde há uma precariedade, não só
na preparação do corpo docente, mas também na infra-estrutura
básica que garanta ao aluno uma identidade de respeito, capacitar e
avaliar o aluno como ser humano e não apenas como um mero
numero ou estatística.
Emfim a educação brasileira em seus primórdios tinha a finalidade de
escravizar e colonizar, hoje porem com os avanços tecnológico e
industriais fazem, com que o ser humano seja escravo do sistema,
que deseja que ele seja apenas um número, que compõe um
eleitorado, sem noção alguma de suas responsabilidades.
Como educador, vejo que e preciso fazer com que a educação
cumpra seu papel primordial que é o de formar um ser humano
pensante e feliz, apto par tomar suas decisões e decidir sobre seu
futuro e o de sua comunidade.
Resumo

Aluno: Gislene Ferreira dos Santos


RGM: 071173
Filme: Pro dia nascer feliz
Diretor: João Jardim
Exibido em: 28/02/2011
Duração 82 min.

Um dos melhores filmes sobre a realidade da educação e


adolescência brasileira, o que chega a impressionar é uma das
cenas que mostram as poesias de uma das alunas de uma escola
publica em Irajá, pois em um pais em que o índice de leitura é muito
baixo e o numero de iletrados e analfabetos chega a casa dos
milhões, encontramos jóias raras como essa adolescente.
Vemos com isso que apesar do sistema ser tão injusto ainda é
possível encontrar talentos onde jamais imaginou-se encontrar.
Ressalto porem que apesar do filme justificar o fracasso de nossas
escolas publicas tanto pelo despreparo dos professores, como pelo
desinteresse e indisciplina dos alunos, que os transforma de
culpados em vitimas do sistema.
As imagens são claras e não deixam duvidas que os problemas da
gestão escolar vão desde as péssimas condições da infra-estrutura
dos prédios ate os despreparo e desmotivação dos professores, que
por sua vez, deixam os alunos sem assistência.
Outro dos problemas abordados pelo diretor é a falta de segurança
publica, umas das cenas chegam a chocar o publico com o
depoimento de uma aluna narrando como assassinou uma outra
aluna de forma fria e cruel, levando ao descaso o valor da vida
humana, rindo e se escarnecendo do acontecido.
Vemos que metade do alunos do ensino fundamental não sabem ler
e escrever e alunos que são promovidos sem saberem o conteúdo
da matéria, o filme alimenta o mito de que as escolas particulares
são melhores, porem, mostra que mesmo lá a cobrança e feita de
uma forma diferente.
O diretor expõe que:
No Brasil as escolas estão em condições precárias, elas coloca
poucos dados, mas suficientes para se ter uma idéia do abandono no
qual se encontra a escola pública brasileira: 41% dos alunos que
ingressam no ensino fundamental não concluem a 8ª série. A metade
dos alunos que concluem o ensino médio não sabe ler ou escrever.
Mesmo o acesso físico à escola não é sempre garantido. Assim, há
crianças que têm de percorrer mais de trinta quilômetros para chegar
à escola de Inajá, em Pernambuco. Durante a semana da filmagem,
essas crianças e jovens só conseguiram ter três dias de aula, porque
o ônibus estava quebrado, 210 mil escolas entre as quais 13.7 mil
não tem banheiro e 1.9 mil não tem água.
Os alunos estão desmotivados
Os professores despreparados, com isso eles faltam muito e não tem
como avaliar os alunos promovendo os sem nenhum critério.
A falta de segurança nas escolas publica
Drogas e evasão escolar na periferia.
O Brasil vive um momento de crise educacional, quem acompanha
os noticiários sobre educação e gestão sabem que o professorado
possui apenas reinvidicaçoes salariais, não possuem nenhum
projeto para educação, porque não há uma ação política conjunta
entre comunidade e governo que visse sair dessa condição.
Os alunos da rede publica brasileira desejam que os governantes
garantam sua cidadania assim teremos um verdadeiro crescimento
não apenas em números mas também em potencial humano, pois
estaremos investindo no capital intelectual.