P. 1
Compensacao Restituicao INSS

Compensacao Restituicao INSS

|Views: 3.444|Likes:
Publicado porLucimar

More info:

Categories:Types, Business/Law
Published by: Lucimar on Jul 12, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/11/2012

pdf

text

original

Sections

Poderão ser restituídas pela RFB as quantias recolhidas a título de tributo sob sua
administração, bem como outras receitas da União arrecadadas mediante GPS, nas
seguintes hipóteses:

a) cobrança ou pagamento espontâneo, indevido ou em valor maior do que o devido;

b) erro na identificação do sujeito passivo, na determinação da alíquota aplicável, no
cálculo do montante do débito ou na elaboração ou conferência de qualquer documento
relativo ao pagamento;

c) reforma, anulação, revogação ou rescisão de decisão condenatória.

Também poderão ser restituídas as quantias recolhidas a título de multa e juros
moratórios previstos nas leis instituidoras de obrigações tributárias, principais ou
acessórias, relativas aos tributos administrados pela RFB.

A RFB promoverá a restituição de receitas arrecadadas mediante GPS que não estejam
sob sua administração, desde que o direito creditório tenha sido previamente
reconhecido pelo órgão ou pela entidade responsável pela administração da receita.

4

Compete à RFB efetuar a restituição dos valores recolhidos para outras entidades ou
fundos (Terceiros), exceto nos casos de arrecadação direta, realizada mediante
convênio.

2.1 Utilização do PER/DCOMP – Hipóteses

O programa Pedido de Restituição ou Reembolso e Declaração de Compensação
(PER/DCOMP) somente será utilizado para restituição de contribuição previdenciária
recolhida indevidamente ou a maior, ou no pedido de reembolso de salário-família e
salário-maternidade.

A compensação não é efetuada por meio do programa PER/DCOMP, e sim mediante a
Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social
(GFIP/Sefip).

A restituição deverá ser efetuada, a requerimento do sujeito passivo, mediante utilização
do programa PER/DCOMP.

Na impossibilidade de utilização do programa PER/DCOMP, o requerimento será
formalizado por meio do formulário Pedido de Restituição de Valores Indevidos
Relativos a Contribuição Previdenciária, ao qual deverão ser anexados documentos
comprobatórios do direito creditório.

Na hipótese de pedido de restituição formulado por representante do sujeito passivo, o
requerente deverá apresentar à RFB procuração conferida por instrumento público ou
por instrumento particular com firma reconhecida, termo de tutela ou curatela ou,
quando for o caso, alvará ou decisão judicial que o autorize a requerer a quantia.
Tratando-se de pedido de restituição mediante utilização do programa PER/DCOMP, os
documentos em comento serão apresentados à RFB após intimação da autoridade
competente para decidir sobre o pedido.

Nota

O pedido de restituição de tributos administrados pela RFB abrangidos pelo Regime
Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas
Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional), instituído pela Lei
Complementar no 123/2006, deverá ser formalizado por meio do formulário Pedido de
Restituição.

Ressaltamos, por oportuno, que os formulários anteriormente mencionados somente
poderão ser utilizados pelo sujeito passivo nas hipóteses em que a
restituição ou o reembolso não possa ser requerido eletronicamente à RFB mediante
utilização do programa PER/DCOMP.

2.2 Óbito do contribuinte pessoa física

Ocorrendo óbito da pessoa física, inclusive da pessoa física equiparada a empresa, a
restituição será efetuada:

a) aos dependentes habilitados perante a Previdência Social ou na forma da legislação
específica dos servidores civis e militares, nos termos da Lei no 6.858/1980; ou

5

b) mediante alvará ou escritura pública expedidos no processo de inventário, se o de
cujus deixou bens ou direitos sujeitos a inventário ou arrolamento.

2.3 Sucessão empresarial ou encerramento das atividades da empresa - Restituição

Os pedidos de restituição das pessoas jurídicas deverão ser formalizados pelo
estabelecimento matriz.

No caso de sucessão empresarial, terá legitimidade para pleitear a restituição a empresa
sucessora.

Havendo encerramento das atividades da empresa, terão legitimidade para pleitear a
restituição os sócios que detêm o direito ao crédito, conforme determinado no ato de
dissolução.

A restituição das contribuições previdenciárias declaradas incorretamente fica
condicionada à retificação da declaração, exceto quando o requerente for segurado ou
terceiro não responsável por essa declaração.

2.4 Contribuinte individual

O contribuinte individual, o empregado doméstico, o segurado especial e o segurado
facultativo poderão requerer a restituição de valores pagos indevidamente a título de
contribuição social nos seguintes casos:

a) em virtude de tempo não reconhecido como filiação obrigatória;

b) pagamentos em duplicidade ou a maior;

c) pagamentos em gozo de benefícios; e

d) demais situações.

A restituição será requerida pelo sujeito passivo mediante utilização do programa
PER/DCOMP.

Na impossibilidade de utilização do programa PER/DCOMP, o requerimento será
formalizado por meio do formulário Pedido de Restituição de Valores Indevidos
Relativos a Contribuição Previdenciária, ao qual deverão ser anexados documentos
comprobatórios do direito creditório.

O INSS instruirá os processos de restituição e os encaminhará à unidade da RFB que
jurisdiciona o domicílio tributário do sujeito passivo, para análise do direito creditório.
Caso haja necessidade de nova análise pelo INSS, a RFB poderá devolver o processo
para a unidade do INSS que o instruiu.

Em caso de deferimento, total ou parcial do requerimento, o pagamento da restituição
será precedido de verificação da existência de débito de tributo em nome do sujeito
passivo.

6

Cabe à unidade da RFB que jurisdiciona o domicílio tributário do sujeito passivo
cientificar o contribuinte da decisão proferida.

O recurso contra a decisão que indeferiu ou deferiu parcialmente o requerimento de
restituição deverá ser apresentado à unidade da RFB que jurisdiciona o domicílio
tributário do sujeito passivo no prazo de 30 dias, contados da data da ciência da decisão.

O disposto neste item não se aplica à restituição requerida pelo segurado empregado,
ainda que este também contribua como contribuinte individual, empregado doméstico,
segurado especial ou segurado facultativo.

2.5 Contribuição previdenciária dos trabalhadores e contribuições a título de
substituição

Na hipótese das contribuições previdenciárias devidas pelos trabalhadores, incidentes
sobre seu salário- de - contribuição e contribuições instituídas a título de substituição,
poderão requerer a restituição, desde que lhes tenham sido descontadas indevidamente:

a) o empregado, inclusive o doméstico;

b) o trabalhador avulso;

c) o contribuinte individual;

d) o produtor rural pessoa física;

e) o segurado especial; e

f) a associação desportiva que mantém equipe de futebol profissional.

A empresa ou equiparada e o empregador doméstico poderão requerer a restituição do
valor descontado indevidamente do contribuinte, caso comprovem o ressarcimento às
pessoas físicas ou jurídicas, conforme o caso.

2.6. Retenção indevida ou a maior - Restituição

O sujeito passivo que promoveu retenção indevida ou a maior de tributo administrado
pela RFB no pagamento ou crédito a pessoa física ou jurídica, efetuou o recolhimento
do valor retido e devolveu ao beneficiário a quantia retida indevidamente ou a maior
poderá pleitear sua restituição, ressalvadas as retenções previdenciárias, em duplicidade
ou a maior, na cessão de mão de obra e na empreitada.

A restituição será requerida pelo sujeito passivo mediante utilização do programa
PER/DCOMP. Na impossibilidade de utilização do mencionado programa, o
requerimento será formalizado por meio do formulário Pedido de Restituição de Valores
Indevidos Relativos a Contribuição Previdenciária, ao qual deverão ser anexados
documentos comprobatórios do direito creditório.

A devolução deverá ser acompanhada:

7

a) do estorno, pela fonte pagadora e pelo beneficiário do pagamento ou crédito, dos
lançamentos contábeis relativos à retenção indevida ou a maior;

b) da retificação, pela fonte pagadora, das declarações já apresentadas à RFB e dos
demonstrativos já entregues à pessoa física ou jurídica que sofreu a retenção, nos quais
a referida retenção tenha sido informada;

c) da retificação, pelo beneficiário do pagamento ou crédito, das declarações já
apresentadas à RFB, nas quais a referida retenção tenha sido informada ou utilizada na
dedução de tributo.

8

Ficha Contribuição Previdenciária Indevida ou a Maior

Essa ficha será disponibilizada ao contribuinte, dentro da Pasta Crédito, na hipótese de
elaboração de Pedido Eletrônico de Restituição de valores de Contribuição
Previdenciária pagos indevidamente ou a maior que o devido, que não tenham sido
objeto de reconhecimento judicial.

O Pedido Eletrônico de Restituição será encaminhado à autoridade da RFB competente
para reconhecer direito creditório. Previamente ao referido reconhecimento, a
autoridade poderá intimar o contribuinte a apresentar documentos comprobatórios do
crédito informado, sem prejuízo de realização de diligência fiscal nos estabelecimentos
do contribuinte a fim de que seja verificada, mediante exame de sua escrituração
contábil e fiscal, a exatidão das informações prestadas. Na hipótese de Pedido
Eletrônico formulado por representante do contribuinte, o requerente deverá encaminhar
à RFB, após intimado por autoridade competente para promover a restituição,
procuração conferida por instrumento público ou por instrumento particular com firma
reconhecida.

A Ficha Contribuição Previdenciária Indevida ou a Maior exibe alguns campos
inalteráveis que têm o conteúdo captado da Ficha Novo Documento. Os demais campos
apresentados na ficha são os seguintes:

Caso o detentor do crédito seja uma pessoa jurídica:

1) Campo Valor Original do Crédito Inicial: Se o pedido referir-se a pagamento
efetuado indevidamente, esse campo deverá ser preenchido com o valor total da GPS;
caso refira-se a pagamento a maior, esse campo deverá ser preenchido com o valor pago
a mais que o efetivamente devido.

Atenção! O valor informado nesse campo não deverá estar acrescido de juros Selic além
do que compõe o valor total da GPS, quando esta possuir Principal, Multa e Juros.

9

2) Campo Valor Original do Crédito Utilizado em Compensações: Este campo será
preenchido automaticamente pelo Programa PER/DCOMP, correspondendo:

ao somatório da coluna Valor do Crédito Original Compensado da Ficha
Compensações de todos os registros cuja Caixa de Verificação Compensação na
sucessora não tenha sido marcada, caso tenha sido escolhida a opção Cisão Total ou
Cisão Parcial no campo Situação Especial da Ficha Novo Documento;

ao somatório da coluna Valor do Crédito Original Compensado da Ficha
Compensações, caso não tenha sido escolhida a opção Cisão Total ou Cisão Parcial no
campo Situação Especial da Ficha Novo Documento ou não tenha sido marcada a caixa
de verificação Crédito de Sucedida na Ficha Novo Documento;

3) Campo Valor Original do Crédito Disponível para Restituição: Campo
preenchido automaticamente pelo Programa PER/DCOMP com a diferença entre os
campos Valor Original do Crédito Inicial e Valor Original do Crédito Utilizado em
Compensações.

4) Campo Valor Original do Crédito da sucessora: Campo exibido apenas quando o
contribuinte for uma pessoa jurídica e na hipótese de ter sido assinalado o campo
Crédito de Sucedida na ficha Novo Documento e, ainda, de ter sido preenchido o campo
Situação Especial com a opção Cisão Total ou Cisão Parcial.

O campo será preenchido automaticamente com o produto do conteúdo dos campos
Percentual e Valor Original do Crédito Disponível para Restituição, que representa a
parcela do valor original (sem acréscimo de juros Selic) do crédito relativo a
contribuição paga indevidamente ou em valor maior que o devido que, em razão da
sucessão, foi transferido à pessoa jurídica em nome da qual está sendo formulado o
Pedido Eletrônico de Restituição.

5) Campo Valor Original do Crédito Utilizado em Compensações na sucessora:

Campo exibido apenas quando o contribuinte for uma pessoa jurídica e na hipótese de
ter sido assinalado o campo Crédito de Sucedida na ficha Novo Documento e, ainda, de
ter sido preenchido o campo Situação Especial com a opção Cisão Total ou Cisão
Parcial.

O campo será preenchido automaticamente pelo Programa PER/DCOMP com base nos
dados da Ficha Compensações. Corresponde ao somatório do campo Valor do Crédito
Original Compensado de todos os registros para os quais a caixa de verificação
Compensação na sucessora estiver marcada.

6) Campo Valor do Pedido de Restituição: Esse campo será preenchido
automaticamente pelo Programa PER/DCOMP com a diferença entre os campos Valor
Original do Crédito Inicial e Valor Original do Crédito Utilizado em Compensações. Na
hipótese de ter sido preenchido o campo Situação Especial com a opção Cisão Total ou
Cisão Parcial, este campo será automaticamente preenchido com a diferença entre os
campos Valor Original do Crédito da Sucessora e Valor Original do Crédito Utilizado
em Compensações na sucessora.

10

Caso o detentor do crédito seja uma pessoa física equiparada à empresa:

7) Campo Valor Original do Crédito Inicial: Se o pedido referir-se a pagamento
efetuado indevidamente, esse campo deverá ser preenchido com o valor total da GPS;
caso refira-se a pagamento a maior, esse campo deverá ser preenchido com o valor pago
a mais que o efetivamente devido.

Atenção! O valor informado nesse campo não deverá estar acrescido de juros Selic além
do que compõe o valor total da GPS, quando esta possuir Principal, Multa e Juros.

8) Campo Valor Original do Crédito Utilizado em Compensações: Este campo será
preenchido automaticamente pelo Programa PER/DCOMP, correspondendo ao
somatório da coluna Valor do Crédito Original Compensado da Ficha Compensações.

9) Campo Valor do Pedido de Restituição: Esse campo será preenchido
automaticamente pelo Programa PER/DCOMP com a diferença entre os campos Valor
Original do Crédito Inicial e Valor Original do Crédito Utilizado em Compensações. Na
hipótese de ter sido preenchido o campo Situação Especial com a opção Cisão Total ou
Cisão Parcial, este campo será automaticamente preenchido com a diferença entre os
campos Valor Original do Crédito da Sucessora e Valor Original do Crédito Utilizado
em Compensações na sucessora.

Caso o detentor do crédito seja uma pessoa física:

10) Campo Categoria do Segurado: Escolher, entre as opções oferecidas, a categoria
do segurado.
Atenção! A pessoa física que se enquadrar em mais de uma categoria, entre as quais
uma delas é a de Contribuinte Individual, deverá selecionar a opção Contribuinte
Individual no campo Categoria do Segurado.

11) Campo Justificativa do Pedido: Escolher, entre as opções oferecidas, a
justificativa do pedido.

12) Campo Número do Benefício: Informe o número do benefício. Esse campo ficará
habilitado caso tenha sido selecionada a opção “Segurado em gozo de benefício” no
Campo Justificativa do Pedido.

13) Campo Especificação da Justificativa do Pedido “Demais situações”: Esse
campo ficará habilitado caso tenha sido selecionada a opção “Demais situações –
Especificar” no Campo Justificativa do Pedido. Forneça todos os elementos que
comprovem a motivação do pedido.

14) Campo Valor do Pedido de Restituição: Preencha com o valor do crédito
apurado.

2.7 Valores referentes à retenção previdenciária na cessão de mão de obra ou
empreitada

11

A empresa prestadora de serviços que sofreu retenção de contribuições previdenciárias
no ato da quitação da nota fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços que
não optar pela compensação dos valores retidos, na forma a seguir, ou, se, após a
compensação, restar saldo em seu favor, poderá requerer a restituição do valor não
compensado, desde que a retenção esteja destacada na nota fiscal, na fatura ou no recibo
de prestação de serviços e declarada em Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do
Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social (GFIP).

Na falta de destaque do valor da retenção na nota fiscal, na fatura ou no recibo de
prestação de serviços, a empresa contratada somente poderá receber a
restituição pleiteada se comprovar o recolhimento do valor retido pela empresa
contratante.

Ficha GPS

Essa ficha será disponibilizada ao contribuinte, dentro da Pasta Crédito, na hipótese de
elaboração de Pedido Eletrônico de Restituição de valores de Contribuição
Previdenciária pagos indevidamente ou a maior que o devido, que não tenham sido
objeto de reconhecimento judicial.

A ficha GPS deverá ser preenchida com os dados do pagamento efetuado indevidamente
ou a maior pelo contribuinte, objeto do Pedido Eletrônico de Restituição. Deverão ser
incluídas todas as GPS efetivamente recolhidas referentes à Competência informada.

Atenção! Se o contribuinte for Pessoa Física na Ficha Novo Documento, a ficha GPS
somente será habilitada após o preenchimento do campo Categoria do Segurado, desde
que seja selecionada uma categoria diferente de “Empregado” e “Trabalhador Avulso”.

Os campos da ficha GPS serão disponibilizados ao contribuinte, após o acionamento do
botão “Incluir”, presente no canto superior direito dessa ficha, sendo eles os seguintes:

12

1) Código de Pagamento: Preencher com o código da receita a título do qual foi
efetuado o pagamento indevido ou a maior, conforme informado na GPS utilizada no
pagamento. Se caixa de verificação Recolhimento efetuado em Matrícula CEI estiver
marcada na Ficha Novo Documento, o código deverá ser um dos seguintes:

2) Competência: Campo preenchido automaticamente pelo Programa PER/DCOMP a
partir do campo Competência da Ficha Novo Documento.

3) Identificador: Campo preenchido automaticamente pelo Programa PER/DCOMP
com:

Caso o detentor do crédito seja uma pessoa jurídica:
-
informação do Campo CNPJ do Estabelecimento Detentor do Crédito da Ficha Novo
Documento, caso a caixa de verificação Recolhimento Efetuado em Matrícula CEI não
estiver marcada naquela ficha;

- informação do campo Matrícula CEI da Ficha Novo Documento, caso a caixa de
verificação Recolhimento Efetuado em Matrícula CEI estiver marcada naquela ficha.

Caso o detentor do crédito seja uma pessoa física equiparada à empresa:

- informação do Campo Matrícula CEI do Detentor do Crédito da Ficha Novo
Documento.

Caso o detentor do crédito seja uma pessoa física:

- informação do Campo Número de Identificação do Trabalhador da Ficha Novo
Documento.

4) Valor do INSS: Informar neste campo o valor do INSS informado na GPS utilizada
no pagamento, incluindo os centavos.

5) Valor de Outras Entidades: Informar neste campo o valor referente a outras
entidades informado na GPS utilizada no pagamento, incluindo os centavos.

6) Valor de ATM, Multa e Juros: Informar neste campo o valor referente a ATM,
Multa e Juros informado na GPS utilizada no pagamento, incluindo os centavos.

7) Valor Total da GPS: Campo preenchido automaticamente pelo Programa
PER/DCOMP, a partir da soma dos conteúdos dos campos “Valor do INSS”, “Valor de
Outras Entidades” e “Valor de ATM, Multa e Juros”.

8) Data da Arrecadação: Informar neste campo a data em que foi efetuado o
pagamento indevido ou a maior no formato DD/MM/AAAA, conforme autenticação
bancária na GPS utilizada no pagamento. A data deve estar dentro do período que
consta no campo Competência e deve ter o formato DD/MM/AAAA. Esta data deve ser
igual ou anterior à data de transmissão do Pedido Eletrônico de Restituição.

Atenção! A data de arrecadação é a data do pagamento da GPS, constante na
autenticação bancária. Os demais dados informados nesta ficha devem ser copiados

13

da(s) GPS(s) paga(s), para que a(s) mesma(s) possa(m) ser localizada(s) nos Sistemas
da RFB.

Uma vez preenchidos os campos acima relacionados, o contribuinte deverá acionar o
botão ”Ok”, presente no canto superior direito da ficha, a fim de que os dados sejam
registrados na grade localizada na parte inferior da ficha.

Caso necessário, o contribuinte poderá cancelar o preenchimento em curso, mediante
utilização do botão “Cancelar”, localizado no canto superior direito da ficha.

Além disso, o contribuinte poderá excluir os dados de uma determinada GPS, já
informada ao programa, selecionando a linha correspondente na tabela e, em seguida,
pressionando o botão “Excluir”, localizado no canto superior direito da ficha.

Os dados inseridos serão colocados na grade constante da ficha, ordenados pela Coluna
Data da Arrecadação, em ordem crescente, e, secundariamente, pela Coluna Código de
Pagamento, também em ordem crescente.

Ficha Compensações

Essa ficha será disponibilizada ao contribuinte, dentro da Pasta Crédito, na hipótese de
elaboração de Pedido Eletrônico de Restituição de valores de Contribuição
Previdenciária pagos indevidamente ou a maior que o devido, não compensados na
GFIP e que não tenham sido objeto de reconhecimento judicial.

Nesta ficha serão demonstrados os créditos já compensados em GFIP.

Serão disponibilizados para preenchimento, após o acionamento do botão ”Incluir” no
canto superior direito da ficha, os seguintes campos:

1) Campo Competência do Crédito: Campo preenchido automaticamente pelo
Programa PER/DCOMP a partir do campo Competência da Ficha Novo Documento.

2) Campo CNPJ/CEI do Detentor do Crédito: Campo preenchido automaticamente
pelo Programa PER/DCOMP com:

14

- informação do Campo Detentor do Crédito da Ficha Novo Documento, caso tenha
sido escolhida a opção PF Equiparada à Empresa no campo Contribuinte daquela ficha,
ou caso a caixa de verificação Recolhimento Efetuado em Matrícula CEI não estiver
marcada naquela ficha;

- informação do campo Matrícula CEI da Ficha Novo Documento, caso a caixa de
verificação Recolhimento Efetuado em Matrícula CEI estiver marcada naquela ficha.

3) Campo Valor do Crédito Original Compensado: Informar neste campo o valor
original do crédito compensado na GFIP, incluindo os centavos.

4) Campo Competência da Compensação: Informar neste campo o ano e o mês da
utilização do crédito. O ano deverá compreendido entre o ano do campo Competência
da Ficha Novo Documento e o ano do campo Data de Transmissão da Ficha Dados
Iniciais.

5) Campo Compensação na sucessora: Esta caixa de verificação somente estará
habilitada caso o contribuinte tenha marcado a caixa de verificação Crédito de Sucedida
no preenchimento da ficha Novo Documento. Ela deverá ser marcada caso o crédito da
sucedida tenha sido compensado pela sucessora.

6) Campo CNPJ/CEI que utilizou o crédito em compensação: Esta campo somente
estará habilitado caso o contribuinte seja pessoa jurídica. Ele deverá ser preenchido pela
pessoa jurídica que compensou o crédito com o respectivo CNPJ ou o CEI, conforme o
caso.

7) Campo Valor do Crédito Atualizado Informado em GFIP: Informar neste campo
o valor do crédito já atualizado até a data de inclusão na GFIP, incluindo os centavos.

8) Campo Total do Crédito Original Compensado na Sucessora: Esse campo será
preenchido automaticamente pelo Programa PER/DCOMP e somente será exibido caso
o contribuinte tenha selecionado a opção Crédito de Sucedida no preenchimento da
ficha Novo Documento, bem como selecionado a opção Cisão Total ou Cisão Parcial no
preenchimento do campo Situação Especial da mesma ficha. Corresponde ao somatório
do campo Valor do Crédito Original Compensado de todos os registros cujo Campo
Compensação na sucessora estiverem marcados.

9) Campo Total do Crédito Original Compensado na Sucedida: Esse campo será
preenchido automaticamente pelo Programa PER/DCOMP e somente será exibido caso
o contribuinte tenha selecionado a opção Crédito de Sucedida no preenchimento da
ficha Novo Documento, bem como selecionado a opção Cisão Total ou Cisão Parcial no
preenchimento do campo Situação Especial da mesma ficha. Corresponde ao somatório
do campo Valor do Crédito Original Compensado de todos os registros cujo Campo
Compensação na sucessora não estiverem marcados.

Uma vez preenchidos os campos acima relacionados, o contribuinte deverá acionar o
botão ”Ok”, presente no canto superior direito da ficha, a fim de que os dados sejam
registrados na grade localizada na parte inferior da ficha.

15

Caso necessário, o contribuinte poderá cancelar o preenchimento em curso, mediante
utilização do botão “Cancelar”, localizado no canto superior direito da ficha.

Além disso, o contribuinte poderá excluir os dados de uma determinada compensação
de valores de Contribuição Previdenciária pagos indevidamente ou a maior que o
devido, já informada ao programa, selecionando a linha correspondente na tabela e, em
seguida, pressionando o botão “Excluir”, localizado no canto superior direito da ficha.

Os dados inseridos serão colocados na grade constante da ficha, ordenados pela Coluna
CNPJ/CEI do Detentor do Crédito, em ordem crescente, e, secundariamente, pela
Coluna Competência da Compensação e pelo valor informado no campo Valor Original
Compensado, também em ordem crescente.

2.7 Valores referentes à retenção previdenciária na cessão de mão de obra ou
empreitada

A empresa prestadora de serviços que sofreu retenção de contribuições previdenciárias
no ato da quitação da nota fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços que
não optar pela compensação dos valores retidos, ou, se, após a compensação, restar
saldo em seu favor, poderá requerer a restituição do valor não compensado, desde que a
retenção esteja destacada na nota fiscal, na fatura ou no recibo de prestação de serviços
e declarada em Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e
Informações à Previdência Social (GFIP).

Na falta de destaque do valor da retenção na nota fiscal, na fatura ou no recibo de
prestação de serviços, a empresa contratada somente poderá receber a restituição
pleiteada se comprovar o recolhimento do valor retido pela empresa contratante.

16

Ficha Retenção – Lei nº 9.711/98

Essa ficha será disponibilizada ao contribuinte, dentro da Pasta Crédito, na hipótese de
elaboração de Pedido Eletrônico de Restituição de valores retidos nos termos da Lei nº
9.711, de 1998, que não tenham sido objeto de reconhecimento judicial.

A empresa contratante de serviços executados mediante cessão de mão-de-obra,
inclusive em regime de trabalho temporário, deverá reter 11% (onze por cento) do valor
bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços. O valor retido será compensado
pelo respectivo estabelecimento da empresa cedente da mão-de-obra, quando do
recolhimento das contribuições destinadas à Seguridade Social devidas sobre a folha de
pagamento dos segurados a seu serviço. No caso de não ser possível compensar
integralmente o valor retido, a pessoa jurídica poderá elaborar o Pedido Eletrônico de
Restituição do saldo remanescente.

O Pedido Eletrônico de Restituição será encaminhado à autoridade da RFB competente
para reconhecer direito creditório. Previamente ao referido reconhecimento, a
autoridade poderá intimar o contribuinte a apresentar documentos comprobatórios do
crédito informado, sem prejuízo de realização de diligência fiscal nos estabelecimentos
do contribuinte a fim de que seja verificada, mediante exame de sua escrituração
contábil e fiscal, a exatidão das informações prestadas. Na hipótese de Pedido
Eletrônico formulado por representante do contribuinte, o requerente deverá encaminhar
à RFB, após intimado por autoridade competente para promover a restituição,
procuração conferida por instrumento público ou por instrumento particular com firma
reconhecida.

A Ficha Retenção – Lei nº 9.711/98 exibe alguns campos inalteráveis que têm o
conteúdo captado da Ficha Novo Documento e da Ficha Detalhamento – Retenção – Lei
nº 9.711/98.

1) Campo Crédito Passível de Restituição: Esse campo será preenchido
automaticamente pelo Programa PER/DCOMP com a soma dos valores informados no
Campo Crédito Apurado, constantes da Ficha Detalhamento – Retenção – Lei nº
9.711/98.

2) Campo Crédito Passível de Restituição da Sucessora: Esse campo será preenchido
automaticamente pelo Programa PER/DCOMP e somente será exibido caso o
contribuinte tenha selecionado a opção Crédito de Sucedida no preenchimento da ficha
Novo Documento, bem como selecionado a opção Cisão Total ou Cisão Parcial no
preenchimento do campo Situação Especial da mesma ficha. Corresponde ao produto do
campo Crédito Passível de Restituição pelo campo Percentual.

3) Campo Compensações em Competências Posteriores na sucessora: Esse campo
será preenchido automaticamente pelo Programa PER/DCOMP e somente será exibido
caso o contribuinte tenha selecionado a opção Crédito de Sucedida no preenchimento da
ficha Novo Documento, bem como selecionado a opção Cisão Total ou Cisão Parcial no
preenchimento do campo Situação Especial da mesma ficha. Corresponde a soma dos
valores informados no campo Compensação na sucessora, constantes da Ficha
Detalhamento – Retenção – Lei nº 9.711/98.

17

4) Campo Valor do Pedido de Restituição: Esse campo será preenchido
automaticamente pelo Programa PER/DCOMP com o conteúdo do campo Crédito
Passível de Restituição. Na hipótese de crédito de sucedida, será automaticamente
preenchido com o resultado da diferença dos campos Crédito Passível de Restituição da
sucessora e Compensações em Competências Posteriores na sucessora.

Ficha Detalhamento – Retenção – Lei nº 9.711/98

A Ficha Detalhamento – Retenção – Lei nº 9.711/98 será disponibilizada ao
contribuinte, dentro da Pasta Crédito, na hipótese de elaboração de Pedido Eletrônico de
Restituição de valores retidos nos termos da Lei nº 9.711, de 1998, que não tenham sido
objeto de reconhecimento judicial.

As colunas constantes dessa ficha são os seguintes:

1) Coluna Competência: Coluna preenchida automaticamente pelo Programa
PER/DCOMP a partir do campo Competência da Ficha Novo Documento.

2) Coluna CNPJ/CEI: Coluna preenchida automaticamente pelo Programa
PER/DCOMP a partir dos dados informados nas Fichas Contribuição Retida na Fonte e
Compensações. Recebe e Agrupa o CNPJ ou o CEI:

- dos registros incluídos na Grade da Ficha Contribuição Retida na Fonte; ou
- do Detentor do Crédito dos registros incluídos na Grade da Ficha Compensações.

3) Coluna Valor das Retenções: Coluna preenchida automaticamente pelo Programa
PER/DCOMP com somatório do Coluna Valor Retido da Ficha Contribuição Retida na
Fonte agrupado por Competência e CNPJ/CEI.

4) Coluna Compensação na própria Competência: Coluna com campos que devem
ser preenchidos com o valor da compensação efetuada na competência especificada na
correspondente linha da grade. Só aceita zero ou valores positivos.

5) Coluna Compensações em Competências Posteriores: Coluna preenchida
automaticamente pelo Programa PER/DCOMP com:

- o somatório da coluna Valor do Crédito Original Compensado da Ficha
Compensações agrupado por CNPJ/CEI do Detentor do Crédito de todos os registros

18

cuja Caixa de Verificação Compensação na sucessora não tenha sido marcada, caso
tenha sido escolhida a opção Cisão Total ou Cisão Parcial no campo Situação Especial
da Ficha Novo Documento;

- o somatório da coluna Valor do Crédito Original Compensado da Ficha
Compensações agrupado por CNPJ/CEI do Detentor do Crédito, caso não tenha sido
escolhida a opção Cisão Total ou Cisão Parcial no campo Situação Especial da Ficha
Novo Documento ou não tenha sido marcada a caixa de verificação Crédito de Sucedida
na Ficha Novo Documento;

6) Coluna Crédito Apurado: Coluna preenchida automaticamente pelo Programa
PER/DCOMP com o resultado da fórmula campo Valor das Retenções – (campo
Compensação na própria Competência + campo Compensações em Competências
Posteriores) aplicada em cada linha da grade.

Ficha Contribuição Retida na Fonte

A Ficha Contribuição Retida na Fonte será disponibilizada ao contribuinte, dentro da
Pasta Crédito, na hipótese de elaboração de Pedido Eletrônico de Restituição de valores
retidos nos termos da Lei nº 9.711, de 1998, que não tenham sido objeto de
reconhecimento judicial.

Serão disponibilizados para preenchimento, após o acionamento do botão ”Incluir” no
canto superior direito da ficha, os seguintes campos:

1) Campo Competência: Campo preenchido automaticamente pelo Programa
PER/DCOMP a partir do campo Competência da Ficha Novo Documento.

2) Campo Código da Receita: Informar neste campo o código da contribuição retida.
Se a caixa de Verificação Retenção Efetuada por Órgão/Entidade da Administração
Pública não estiver marcada, poderão ser escolhidos os seguintes códigos:

• 2631 – Contribuição Retida sobre a NF/Fatura da Empresa Prestadora de Serviço –
CNPJ; ou
• 2658 – Contribuição Retida sobre a NF/Fatura da Empresa Prestadora de Serviço –
CEI.

19

Se a caixa de Verificação Retenção Efetuada por Órgão/Entidade da Administração
Pública estiver marcada, poderão ser escolhidos os seguintes códigos:

• 2640 – Contribuição Retida sobre NF/Fatura da Prestadora de Serviço – CNPJ – Uso
Exclusivo do Órgão do Poder Público – Administração Direta, Autarquia e Fundação
Federal, Estadual, do Distrito Federal ou Municipal (contratante do serviço); ou
• 2682 – Contribuição Retida sobre NF/Fatura da Prestadora de Serviço – CEI (Uso
Exclusivo do Órgão do Poder Público – Administração Direta, Autarquia e Fundação
Federal, Estadual, do Distrito Federal ou Municipal (contratante do serviço)).

3) Campo CNPJ do Tomador: Informar o CNPJ da pessoa jurídica tomadora do
serviço.

4) Campo Nº da Nota Fiscal/Fatura: Informar neste campo o número da Nota Fiscal
ou da Fatura de prestação de serviços onde consta o destaque do valor retido. Este
campo é numérico, admitindo um máximo de 6 (seis) dígitos.

5) Campo Série/Subsérie: Informar neste campo a série/subsérie da Nota Fiscal
especificada no campo Nº da Nota Fiscal/Fatura. Este campo é alfanumérico, admitindo
um máximo de 3 (três) dígitos e/ou caracteres.

6) Campo Data de Emissão: Informar neste campo a data de emissão da Nota Fiscal
especificada no campo Nº da Nota Fiscal/Fatura. A data deve estar dentro do período
que consta no campo Competência e deve ter o formato DD/MM/AAAA.

7) Campo CNPJ/CEI que sofreu a retenção: Se a opção no campo Código da Receita
for 2631 ou 2640, este campo deve ser preenchido com a informação do campo CNPJ
do Estabelecimento Detentor do Crédito da Ficha Retenção – Lei nº 9.711/98. Se a
opção no campo Código da Receita for 2658 ou 2682, este campo deve ser preenchido
com a matrícula CEI da obra de construção civil.

8) Campo Valor Bruto: Informar neste campo o valor bruto da Nota Fiscal
especificada no campo Nº da Nota Fiscal/Fatura, incluindo os centavos.

9) Campo Valor Retido: Informar neste campo o valor retido destacado na Nota Fiscal
especificada no campo Nº da Nota Fiscal/Fatura, incluindo os centavos.

Uma vez preenchidos os campos acima relacionados, o contribuinte deverá acionar o
botão ”Ok”, presente no canto superior direito da ficha, a fim de que os dados sejam
registrados na grade localizada na parte inferior da ficha.

Caso necessário, o contribuinte poderá cancelar o preenchimento em curso, mediante
utilização do botão “Cancelar”, localizado no canto superior direito da ficha.

Além disso, o contribuinte poderá excluir os dados de uma determinada retenção já
informada ao programa, selecionando a linha correspondente na tabela e, em seguida,
pressionando o botão “Excluir”, localizado no canto superior direito da ficha.

20

Os dados inseridos serão colocados na grade constante da ficha, ordenados pela Coluna
CNPJ/CEI que sofreu a retenção, em ordem crescente, e, secundariamente, pelas
Colunas CNPJ do Tomador e Data de Emissão.

Ficha Compensações

A Ficha Compensações será disponibilizada ao contribuinte, dentro da Pasta Crédito, na
hipótese de elaboração de Pedido Eletrônico de Restituição de valores retidos nos
termos da Lei nº 9.711, de 1998, não compensados na GFIP e que não tenham sido
objeto de reconhecimento judicial.

Nesta ficha serão demonstrados os créditos já compensados em GFIP.

Serão disponibilizados para preenchimento, após o acionamento do botão ”Incluir” no
canto superior direito da ficha, os seguintes campos:

1) Campo Competência do Crédito: Campo preenchido automaticamente pelo
Programa PER/DCOMP a partir do campo Competência da Ficha Novo Documento.

2) Campo CNPJ/CEI do Detentor do Crédito: Este campo deve ser preenchido com a
informação do campo CNPJ do Estabelecimento Detentor do Crédito da Ficha Retenção
– Lei nº 9.711/98, ou com a matrícula CEI, conforme o caso.

3) Campo Valor do Crédito Original Compensado: Informar neste campo o valor
original do crédito compensado na GFIP, incluindo os centavos.

4) Campo Competência da Compensação: Informar neste campo o ano e o mês da
utilização do crédito. O ano deverá compreendido entre o ano do campo Competência
da Ficha Novo Documento e o ano do campo Data de Transmissão da Ficha Dados
Iniciais.

5) Campo Compensação na sucessora: Esta caixa de verificação somente estará
habilitada caso o contribuinte tenha marcado a caixa de verificação Crédito de Sucedida
no preenchimento da ficha Novo Documento. Ela deverá ser marcada caso o crédito da
sucedida tenha sido compensado pela sucessora.

21

6) Campo CNPJ/CEI que utilizou o crédito em compensação: Esta campo somente
estará habilitado caso o contribuinte seja pessoa jurídica. Ele deverá ser preenchido pela
pessoa jurídica que compensou o crédito com o respectivo CNPJ ou o CEI, conforme o
caso.

7) Campo Valor do Crédito Atualizado Informado em GFIP: Informar neste campo
o valor do crédito já atualizado até a data de inclusão na GFIP, incluindo os centavos.

8) Campo Total do Crédito Original Compensado na Sucessora: Esse campo será
preenchido automaticamente pelo Programa PER/DCOMP e somente será exibido caso
o contribuinte tenha selecionado a opção Crédito de Sucedida no preenchimento da
ficha Novo Documento, bem como selecionado a opção Cisão Total ou Cisão Parcial no
preenchimento do campo Situação Especial da mesma ficha. Corresponde ao somatório
do campo Valor do Crédito Original Compensado de todos os registros cujo Campo
Compensação na sucessora estiverem marcados.

9) Campo Total do Crédito Original Compensado na Sucedida: Esse campo será
preenchido automaticamente pelo Programa PER/DCOMP e somente será exibido caso
o contribuinte tenha selecionado a opção Crédito de Sucedida no preenchimento da
ficha Novo Documento, bem como selecionado a opção Cisão Total ou Cisão Parcial no
preenchimento do campo Situação Especial da mesma ficha. Corresponde ao somatório
do campo Valor do Crédito Original Compensado de todos os registros cujo Campo
Compensação na sucessora não estiverem marcados.

Uma vez preenchidos os campos acima relacionados, o contribuinte deverá acionar o
botão ”Ok”, presente no canto superior direito da ficha, a fim de que os dados sejam
registrados na grade localizada na parte inferior da ficha.

Caso necessário, o contribuinte poderá cancelar o preenchimento em curso, mediante
utilização do botão “Cancelar”, localizado no canto superior direito da ficha.

Além disso, o contribuinte poderá excluir os dados de uma determinada retenção já
informada ao programa, selecionando a linha correspondente na tabela e, em seguida,
pressionando o botão “Excluir”, localizado no canto superior direito da ficha.

Os dados inseridos serão colocados na grade constante da ficha, ordenados pela Coluna
CNPJ/CEI do Detentor do Crédito, em ordem crescente, e, secundariamente, pela
Coluna Competência da Compensação e pelo valor informado no campo Valor Original
Compensado, também em ordem crescente.

2.7.1 Retenção em duplicidade

Na hipótese de a empresa contratante efetuar recolhimento de valor retido em
duplicidade ou a maior, o pedido de restituição poderá ser apresentado pela empresa
contratada ou pela empresa contratante.

Quando se tratar de pedido feito pela empresa contratante, esta deverá apresentar:

22

a) autorização expressa de responsável legal pela empresa contratada com poderes
específicos para requerer e receber a restituição, em que conste a competência em que
houve recolhimento em duplicidade ou de valor a maior;

b) declaração firmada pelo outorgante, sob as penas da lei, de que não compensou nem
foi restituído dos valores requeridos pela outorgada.

A restituição prevista neste subitem, bem como no subitem 2.7, será requerida pelo
sujeito passivo por meio do programa PER/DCOMP ou, na impossibilidade
de sua utilização, mediante a apresentação do formulário Pedido de Restituição de
Retenção Relativa a Contribuição Previdenciária, ao qual deverão ser anexados
documentos comprobatórios do direito creditório.

2.8 Restituição de receita não administrada pela RFB

O pedido de restituição de receita da União arrecadada mediante GPS, cuja
administração não esteja a cargo da RFB (tais como: Departamento de Portos
e Canais (DPC), salário-educação, INCRA etc.), deverá ser apresentado à unidade da
RFB, com jurisdição sobre o domicílio tributário do sujeito passivo, que o encaminhará
ao órgão ou à entidade responsável pela administração da receita, a fim de que se
manifeste quanto à pertinência do pedido.

Reconhecido o direito creditório, o processo será devolvido à unidade da RFB
competente para efetuar a restituição, que a promoverá no montante e com os
acréscimos legais previstos na decisão proferida pelo órgão ou pela entidade
responsável pela administração da receita, ou sem acréscimos legais quando a
decisão não os previr.

Previamente à restituição de receita tributária não administrada pela RFB, a unidade da
RFB competente para efetuar a restituição deverá observar os procedimentos relativos à
compensação de ofício, conforme o subitem 4.10 adiante.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->