P. 1
1 e 2 Lei Da Termodinamica

1 e 2 Lei Da Termodinamica

|Views: 5.977|Likes:

More info:

Published by: Eber De Santi Gouvêa on Sep 22, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/26/2013

pdf

text

original

1ª e 2ª leis da termodinâmica

1ª LEI DA TERMODINÂMICA
- Considere-se um cilindro delimitado por um pistão e uma expansão quasi-estática,
através de deslocamentos, dy, do pistão. O trabalho realizado pelo gás é:
V P y PA y F W d d d d = = =
dW é positivo quando o trabalho é realizado pelo sistema.
- Numa situação mais geral o trabalho vem dado por:
}
=
f
i
V
V
V P W


d , que tem em conta a forma como a pressão
varia no processo.
- Quando se representa os estados do sistema num
diagrama PV o trabalho realizado nesse
processo é dado pela área abaixo da curva que
corresponde ao processo.
- O trabalho é positivo quando o volume final é
maior do que o inicial e negativo quando o
volume final é menor do que o inicial.
- O trabalho depende, assim, do caminho
percorrido.
23
1ª Lei da Termodinâmica Lei de Conservação da Energia
2ª Lei da Termodinâmica
Restringe o tipo de conversões energéticas
nos processos termodinâmicos
Formaliza os conceitos de processos
reversíveis e irreversíveis
- Se considerarmos Q a quantidade positiva que corresponde ao calor recebido por
um determinado sistema e W a quantidade positiva que corresponde ao trabalho
realizado pelo sistema sobre a vizinhança (repare-se que são ambas quantidades
energéticas) observa-se que a quantidade Q – W (que corresponde à variação de
energia interna do sistema, AU) é independente do caminho percorrido, sendo,
portanto, uma função de estado.
W Q U U U
i f
÷ = ÷ = A
- Casos especiais de variações energéticas:
I Sistema Isolado: Um sistema isolado é aquele que não interactua com o exterior.
i f
U U U W Q = · = A ¬ = = 0 0 ; 0
“A energia interna de um sistema isolado mantém-se constante”
II Processo Cíclico:
W Q U = ¬ = A 0
“Num processo cíclico o calor transferido iguala o trabalho
realizado”
III Processo Isocórico: Um processo isocórico ou
isovolúmico é aquele que ocorre a volume constante.
Q U W V = A ¬ = ¬ = A 0 0
“Num processo isocórico a variação de energia interna iguala o calor transferido”
IV Processo Adiabático: Um processo adiabático é aquele que não troca calor com a
sua vizinhança, ou porque se encontra termicamente isolado desta, ou porque ocorre
muito rapidamente.
W U Q ÷ = A ¬ = 0
“Num processo adiabático a variação da energia interna iguala o trabalho realizado
sobre o sistema”
V Processo Isobárico: Um processo isobárico é aquele que ocorre a pressão constante.
( )
i f
V V P W ÷ =
24
VI Processo Isotérmico: Um processo isotérmico é aquele que ocorre a temperatura
constante. Vejamos o que acontece num gás ideal:
i
f
V
V
te
V
V
nRT PdV W c PV nRT PV
f
i
ln ... = = = = ¬ =
}


: então , Como
Mas, como veremos, num gás ideal, quando AT = 0 ¬ AU = 0 ¬ Q = W
IRREVERSIBILIDADE, PROBABILIDADE E 2ª LEI DA TERMODINÂMICA
- No seguimento do estudo das Leis da Termodinâmica importa ter presente algumas
noções relacionadas com irreversibilidade, probabilidade e ordem… Atente-se nas
seguintes afirmações:
1. Os fenómenos desordenados são mais prováveis.
2. Fenómenos improváveis que envolvam grandes números podem ser considerados
impossíveis…
3. Os dois pontos anteriores conduzem a que quando os fenómenos envolvem
grandes números a passagem espontânea de um estado desordenado para um
estado ordenado é impossível. Para ocorrer uma transformação deste tipo é
necessário consumo de energia, enquanto que o contrário ocorre livremente!
4. Então, sendo o calor um tipo de energia com carácter aleatório, é sempre possível
transformar uma dada quantidade de trabalho em calor, enquanto que na
passagem de calor a trabalho há sempre perdas. Este último ponto é,
essencialmente, a 2ª Lei da Termodinâmica.
ENTROPIA E 2ª LEI
- A 2ª Lei da Termodinâmica envolve, pois, uma interessante função de estado à qual
se dá o nome de Entropia, definida a partir da seguinte situação: Considere-se um
sistema que fica sujeito a um processo infinitesimal entre dois estados de equilíbrio.
Se dQ
r
for a quantidade de energia térmica envolvida nesse processo, sendo este
reversível, a variação de entropia dS será dada por:
T
dQ
dS
r
=
onde T é a temperatura absoluta.
25
- Do ponto de vista estatístico a entropia está associada à desordem.
- Uma outra forma de enunciar a 2ª Lei da Termodinâmica é: “A entropia de um
sistema isolado nunca diminui: num processo reversível mantém-se constante, num
processo irreversível, aumenta”. O que significa que para aumentar a ordem de um
sistema é necessário aumentar a entropia da vizinhança.
- Para calcular a variação de entropia num processo, utiliza-se a equação:
}
= A
f
i
r
T
dQ
S
- Sendo a entropia uma medida de desordem, repare-se que ela aumenta porque a
desordem é sempre mais provável…
- Há ainda uma outra grandeza física envolvida nestas questões à qual se dá o nome
de informação, e que está intimamente relacionada com a noção de ordem, uma vez
que esta exige não apenas energia, mas também informação de como a usar…
- No caso dos seres vivos, por exemplo, a energia provém dos alimentos ou do sol
(no caso das plantas), enquanto que a informação de como usar essa energia está
contida no DNA.
ENERGÉTICA DO CORPO HUMANO
- A taxa metabólica do corpo humano é o consumo energético do indivíduo por
unidade de área e de tempo. Tem, pois, unidade J m
-2
s
-1
.
- Para a calcular necessita-se de conhecer a área do corpo que é determinada, no caso
do homem, através da expressão empírica:
sendo m a massa do indivíduo e h a sua altura.
- Calcule-se, então, a energia consumida por dia de um indivíduo com 70 kg e 1.55
m, sabendo que a taxa metabólica é aproximadamente 40 kcal m
-2
h
-1
(Resposta:
1622 kcal.
26
- Uma alimentação equilibrada poderá então ser calculada tendo em conta os valores
energéticos dos alimentos. A título de exemplo, poder-se-á referir que um grama de
hidratos de carbono corresponde a 4 kcal, enquanto que um grama de lípidos
corresponde a 9 kcal.
- Nos cálculos do balanço energético deve ainda atender-se ao facto de algumas
reacções químicas que ocorrem no corpo humano necessitarem da acção de
catalizadores que exigem oxigénio (exigindo, por isso, mais energia).´
- Existem vários mecanismos de perda de calor que devem ser referidos quando se
aborda o tema do balanço energético, são eles:
1. A condutividade
2. A convecção e radiação
3. O suor
4. A evaporação pela respiração (menor quando comparada com os restantes
mecanismos)
27

ou porque se encontra termicamente isolado desta. portanto. Se considerarmos Q a quantidade positiva que corresponde ao calor recebido por um determinado sistema e W a quantidade positiva que corresponde ao trabalho realizado pelo sistema sobre a vizinhança (repare-se que são ambas quantidades energéticas) observa-se que a quantidade Q – W (que corresponde à variação de energia interna do sistema. uma função de estado. V  0  W  0  U  Q “Num processo isocórico a variação de energia interna iguala o calor transferido” IV Processo Adiabático: Um processo adiabático é aquele que não troca calor com a sua vizinhança. ou porque ocorre muito rapidamente. sendo. U  U f  U i  Q  W  Casos especiais de variações energéticas: I Sistema Isolado: Um sistema isolado é aquele que não interactua com o exterior. Q  0 . Q  0  U  W “Num processo adiabático a variação da energia interna iguala o trabalho realizado sobre o sistema” V Processo Isobárico: Um processo isobárico é aquele que ocorre a pressão constante. W  P V f  Vi  24 . U) é independente do caminho percorrido. W  0  U  0  U f  U i “A energia interna de um sistema isolado mantém-se constante” II Processo Cíclico: U  0  Q  W “Num processo cíclico o calor transferido iguala o trabalho realizado” III Processo Isocórico: Um processo isocórico ou isovolúmico é aquele que ocorre a volume constante.

a variação de entropia dS será dada por: dS  onde T é a temperatura absoluta. Os dois pontos anteriores conduzem a que quando os fenómenos envolvem grandes números a passagem espontânea de um estado desordenado para um estado ordenado é impossível. Este último ponto é. num gás ideal.VI Processo Isotérmico: Um processo isotérmico é aquele que ocorre a temperatura constante. enquanto que na passagem de calor a trabalho há sempre perdas. sendo este reversível. pois. a 2ª Lei da Termodinâmica. Se dQr for a quantidade de energia térmica envolvida nesse processo. essencialmente. Fenómenos improváveis que envolvam grandes números podem ser considerados impossíveis… 3. probabilidade e ordem… Atente-se nas seguintes afirmações: 1. então : W  Vf Vi PdV  . PROBABILIDADE E 2ª LEI DA TERMODINÂMICA  No seguimento do estudo das Leis da Termodinâmica importa ter presente algumas noções relacionadas com irreversibilidade. enquanto que o contrário ocorre livremente! 4. uma interessante função de estado à qual se dá o nome de Entropia. sendo o calor um tipo de energia com carácter aleatório. quando T = 0  U = 0  Q = W IRREVERSIBILIDADE. Então.. Os fenómenos desordenados são mais prováveis. definida a partir da seguinte situação: Considere-se um sistema que fica sujeito a um processo infinitesimal entre dois estados de equilíbrio. Para ocorrer uma transformação deste tipo é necessário consumo de energia. é sempre possível transformar uma dada quantidade de trabalho em calor. como veremos. 2. dQr T 25 .. Vejamos o que acontece num gás ideal: Como PV  nRT  PV  c te . ENTROPIA E 2ª LEI  A 2ª Lei da Termodinâmica envolve.  nRT ln Vf Vi Mas.

através da expressão empírica: sendo m a massa do indivíduo e h a sua altura. no caso do homem.  Para calcular a variação de entropia num processo. e que está intimamente relacionada com a noção de ordem. ENERGÉTICA DO CORPO HUMANO  A taxa metabólica do corpo humano é o consumo energético do indivíduo por unidade de área e de tempo. aumenta”. sabendo que a taxa metabólica é aproximadamente 40 kcal m-2 h-1 (Resposta: 1622 kcal. uma vez que esta exige não apenas energia. enquanto que a informação de como usar essa energia está contida no DNA.  Uma outra forma de enunciar a 2ª Lei da Termodinâmica é: “A entropia de um sistema isolado nunca diminui: num processo reversível mantém-se constante. a energia provém dos alimentos ou do sol (no caso das plantas). 26 . Tem. O que significa que para aumentar a ordem de um sistema é necessário aumentar a entropia da vizinhança. pois. então. utiliza-se a equação: S   i f dQr T  Sendo a entropia uma medida de desordem. num processo irreversível. repare-se que ela aumenta porque a desordem é sempre mais provável… Há ainda uma outra grandeza física envolvida nestas questões à qual se dá o nome de informação. por exemplo. a energia consumida por dia de um indivíduo com 70 kg e 1.55 m. Do ponto de vista estatístico a entropia está associada à desordem. unidade J m-2 s-1.  Calcule-se.  Para a calcular necessita-se de conhecer a área do corpo que é determinada. mas também informação de como a usar…   No caso dos seres vivos.

O suor 4. A título de exemplo. mais energia). A condutividade 2. por isso. A convecção e radiação 3.´  Existem vários mecanismos de perda de calor que devem ser referidos quando se aborda o tema do balanço energético. são eles: 1. enquanto que um grama de lípidos corresponde a 9 kcal. poder-se-á referir que um grama de hidratos de carbono corresponde a 4 kcal. A evaporação pela respiração (menor quando comparada com os restantes mecanismos) 27 .  Nos cálculos do balanço energético deve ainda atender-se ao facto de algumas reacções químicas que ocorrem no corpo humano necessitarem da acção de catalizadores que exigem oxigénio (exigindo. Uma alimentação equilibrada poderá então ser calculada tendo em conta os valores energéticos dos alimentos.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->