Você está na página 1de 7

Colinérgicos e Anticolinérgicos

Colinérgicos: (colinomiméticos, parassimpatomiméticos ou estimulantes do SNA)

caracterizam-se pelos efeitos semelhantes aos da Ach. receptores:

Possuem dois tipos de

Nicotínicos (nAchR) Muscarínicos (mAchR)semelhantes aos da Ach. receptores: Possuem dois tipos de Nicotínicos: como mediadores da transmissão sináptica

Nicotínicos:

como

mediadores da transmissão sináptica excitatória rápida na junção muscular, nos gânglios autônomos e em vários locais do SNC.

Os

nicotínicos

são

diretamente

acoplados

a

canais

iônicos

e

atuam

Nn: gânglios autônomos Nm: músculo estriado esqueléticosão diretamente acoplados a canais iônicos e atuam DMPP (dimetilfenilpiperazinio).Tanto os gânglios

DMPP

(dimetilfenilpiperazinio).Tanto os gânglios simpáticos qto os parassimpáticos são estimulados gerando taquicardia, aumento pressão arterial, aumento secreção brônquica, salivar e suor, variações na motilidade e secreção gastrointestinais. Não possuem aplicação terapêutica.

Substâncias

que

estimulam

os

gânglios

autônomos:

nicotina,

Substâncias

que

bloqueiam

os

gânglios

(ganglioplégicos,

anticolinérigicos,

antinicotínicos): hexametônio, pempidina, mecamilamina, brimetafan e tubocurarina (bem como a nicotina).Bloqueiam tds os gânglios autônomos e gânglios entéricos, gerando hipotensão, perda de reflexos cardiovasculares, inibição das secreções, paralisia gastrintestinal e comprometimento da micção. Apenas o brimetafan possui aplicação terapêutica (produz hipotensão controlada na anestesia).

Muscarínicos:

Os muscarínicos são receptores acoplados a proteina G que provocam ativação da fosfolipase C ( com conseqüente formação de trifosfato de inositol e diaciglicerol como 2º mensageiros), inibição da adenilato ciclase, ativação dos canais de potássio ou inibição dos canais de cálcio. Medeiam os efeitos da Ach nas sinapses parassimpáticas pós-ganglionares (princ. Músculo liso, cardíaco e glândulas) e contribuem para excitação ganglionar. Ocorrem em mtas partes do SNC. M1 (neurais): produzem excitação lenta nos gânglios. São seletivamente bloqueados pela pirezempina.

gânglios. São seletivamente bloqueados pela pirezempina. M2: (musculatura cardíaca): provocam redução da
M2: (musculatura cardíaca): provocam redução da frequência cardíaca e força de contração (princ. Dos átrios)

M2: (musculatura cardíaca): provocam redução da frequência cardíaca e força de contração (princ. Dos átrios) e medeiam a inibição pré- sinaptica.São seletivamentes bloqueados pela galamina.

M3: (glandular): causa secreção, contração da m.lisa visceral e

M3:

(glandular):

causa

secreção,

contração

da m.lisa visceral e

relaxamento vascular.

OBS: Todos os mAchR são ativados pela Ach e bloqueados pela atropina. Transmissão colinérgica:

Colina + acetilcoenzima A (AcCoA)

Colina + acetilcoenzima A (AcCoA) Colina Acetiltransferase Ach e é liberada por exocitose mediada por cálcio.

Colina Acetiltransferase

Ach

e é liberada por

exocitose mediada por cálcio. A acetilcolinesterase é responsável pela inativação da

Ach (hidrólise Ach).

A Ach é acondicionada em vesículas sinápticas em altas [

]

Principais Mecanismos de Bloqueios Farmacológicos: inibição da captação de colina (hemicolínio, trietilcolina), inibição da liberação de Ach (antibióticos aminoglicosídicos, toxina botulínica), bloqueio dos receptores pós-sinápticos ou dos canais iônicos.

Agonistas Muscarínicos: acetilcolina, carbacol, metacolina, oxitremorina, betanecol, muscarina e pilocarpina. Causam bradicardia, vasodilatação (dependendo do endotélio), hipotensão, contração músculo liso visceral (intestino, bexiga, brônquios), secreção exócrinas, constrição pupilar e contração do músculo ciliar. Principal uso: glaucoma (pilocarpina)

Antagonistas Muscarínicos: atropina, hioxina, ipatrópio e pirezempina. Causam inibição das secreções, taquicardia, dilatação da pupila, relaxamento músculo liso (intestino, brônquios, bexiga), inibição secreção de HCl (particurlamente pirezempina), efeitos sobre o SNC (excitatórios com atropina e depressores como a hioxina), efeito antiemético e efeito antiparkinsoniano.

Uso dos anticolinérgicos (anti-nicotínicos e anti-muscarínicos)

Midriásicos: Ciclopentolato, tropicamina Ciclopentolato, tropicamina

Antiespasmóticos: Butilescopolamina, Piperidolato, Dicicloverina Butilescopolamina, Piperidolato, Dicicloverina

Hipertonia das Vias Urinárias: oxibutinina : oxibutinina

Asma brônquica: Ipatrópio Ipatrópio

Cinetose: Escopolamina Escopolamina

Envenenamento p/ anticolonesterásicos: atropina : atropina

Bradicardia sinusal: atropina : atropina

Pré-anestesia: atropina, hioscina atropina, hioscina

Toxina botulínica (anticolinérgico indireto): bloqueia liberação de Ach. (anticolinérgico indireto): bloqueia liberação de Ach.

Antiparkinsonianos (Muita Ach e pouca dopamina) Benzexol Benzatropina Trienxifenidil Selegilina, Deprenil (imao) Biperide

Antimuscarínicos

Atropina: bradicardia sinusal bradicardia sinusal

Pirenzepina(M1): UP (M1): UP

Ipatrópio: asma : asma

Diciclomina: S. colon irritável, D. diverticular : S. colon irritável, D. diverticular

Tropicamina:Ciclopentolato: midriáticos :Ciclopentolato: midriáticos

Butilescopolamina:antiespasmódico :antiespasmódico

Butilbrometo de hioscina: cinetoses : cinetoses

Oxibutinina: antiespasmódico das vias urinárias : antiespasmódico das vias urinárias

Anticolinesterásicos (colinérgico de ação indireta, inibe acetilcolinesterásico):

Ação curta (hidrofônio) Ação média (neostigmina, fisostigmina) Irreversíveis (organofosfatos, diflos, ecotiopatos)de ação indireta, inibe acetilcolinesterásico): Efeitos: potencialização da transmissão colinérgica nas

Efeitos: potencialização da transmissão colinérgica nas sinapses autônomas colinérgicas e na junção neuro muscular. Os que atravessam a barreira hematoencefálica (fisostigmina e organosfosfatos) tb exercem efeito acentuado no SNC. Envenenamentos por anticolinesterásicos podem ocorrer devido à exposição a inseticidas ou gases q atacam os nervos.

*Miastenia graves: doença auto-imune, destruição dos receptores nicotínicos

*Substâncias que bloqueiam a captação de colina: hemicolínio, trietilcolina *Substancias que bloqueiam a liberação de acetilcolina: antibióticos, aminoglicosídios, toxina botulínica *Substâncias que produzem paralisia durante anestesia:

N-despolarizante: tubocurarina

Despolarizantes: suxametônio

Adrenérgicos e Antiadrenérgicos:

Adrenérgicos (simpaticomiméticos, adrenomiméticos): são drogas que provocam respostas semelhantes às que são produzidas pela estimulação nervosa simpática.Possui dois tipos de receptores α e ß. Existem 2 subtipos principais de receptores α-adrenérgicos (α1 e α2, cada um divididos em 3 subtipos adicionais) e 3 subtipos adicionais de receptores ß-adrenérgicos( ß1, ß2 e ß3). Todos pertencem à superfamília de receptores acoplados a proteína G.

Segundos Mensageiros:

Os receptores α1-adrenérgicos ativam a fosfolipase C com conseqüente formação de trifosfato de inositol e diacilglicerol como -adrenérgicos ativam a fosfolipase C com conseqüente formação de trifosfato de inositol e diacilglicerol como 2º mensageiros.
ativam a fosfolipase C com conseqüente formação de trifosfato de inositol e diacilglicerol como 2º mensageiros.

Os receptores α2-adrnérgicos inibem a adenilato ciclase e, portanto diminuem a formação de cAMP.

Todos os tipos de receptores ß-adrenérgicos estimulam a adenilato ciclase.adenilato ciclase e, portanto diminuem a formação de cAMP. Principais efeitos dos receptores : α1 -adrenérgicos

Principais efeitos dos receptores:

α1-adrenérgicos : vasoconstricção, relaxamento do m. liso gastrintestinal secreção salivar e glicogenólise hepática. -adrenérgicos: vasoconstricção, relaxamento do m. liso gastrintestinal secreção salivar e glicogenólise hepática.
secreção salivar e glicogenólise hepática. α2 -adrenérgicos : inibição da liberação de α2-adrenérgicos: inibição da liberação de transmissores, agregação das plaquetas, contração do músculo liso vascular, inibição da liberação de insulina.
liso vascular, inibição da liberação de insulina. ß1-adrenérgicos : aumento da freqüência e força ß1-adrenérgicos: aumento da freqüência e força cardíaca ß2-adrenérgicos: broncodilatação, vasodilatação, relaxamento do músculo liso visceral, glicogenólise hepática e tremor muscular.

ß3-adrenérgicos: lipólise : lipólise

Resumo

α-adrenérgicos: excitatório (exceto musculatura intestinal). α1 é pós- sinaptico e α2 é pré-sinaptico.

ß-adrenérgicos: normalmente inibitórios. ß1: coração e TGI ß2:muscultura lisa e cél glandulares ß3:tecido adiposo

Transmissão Noradrenérgica:

*Dentro dos neurônios simpáticos, a MAO controla o conteúdo de dopamina e

de NA. A reserva liberável de NA aumenta qdo a MAO é inibida.

*COMT: segunda via importante de metabolismo das catecolaminas.

A adenilil ciclase transforma ATP em AMP. A maioria das ações das

catecolaminas requer ativação da adenilil ciclase.

A NA é armazenada em altas [ ] nas vesículas sinápticas juntamente

com ATP, crogranina e DBH (dopamina ß-hidroxilase) e tds são liberados por exocitose mediado por cálcio.Ocorre liberação não exocitótica em resposta a agentes simpaticomiméticos de ação indireta (adrenalina). O transporte da NA ocorre para o interior das vesículas pelo um carreador sensível a reserpina. O conteúdo de NA no citosol é baixo pela

presença da MAO (monoaminaoxidase) nas terminações nervosas.

A ação do transmissor termina principlamente com a recaptação de NA

nas terminações nervosas. Essa recaptação (recaptação 1) é bloqueada pelos

antidepressivos tricíclicos e pela cocaína.

A liberação de NA é controlada por retro-alimentação auto-inibitória, que

é medida por receptores α2-adrenérgicos.

*A MAO é responsável pela degradação de adrenalina e noradrenalina.

Agonistas dos Receptores Adrenérgicos:

Adrenalina e NA exibem baixa seletividade para receptores Adrenalina e NA Agonistas α1 seletivos : fenilefrina e oximetazolina Agonistas α2 seletivos : clonidina e Agonistas α1 seletivos: fenilefrina e oximetazolina Agonistas α2 seletivos: clonidina e α-metilnoradrenalina. Provocam queda da PA (inibem liberação de NA e possuem ação central), rubor da menopausa, reduzem a pressão intra-ocular e profilaxia da enxaqueca.

Agonistas ß1 seletivos: dobutamina.Aumenta a contratilidade cardíaca, porém esses agonistas podem causar arritmias. dobutamina.Aumenta a contratilidade cardíaca, porém esses agonistas podem causar arritmias.

Agonistas ß2 seletivos: salbutamol, terbutalina e salmeterol. Ação broncodilatadora na asma. : salbutamol, terbutalina e salmeterol. Ação broncodilatadora na asma.

Agonistas ß3: estão sendo desenvolvidos para controle da obesidade. estão sendo desenvolvidos para controle da obesidade.

Uso Clínico dos Receptores Adrenérgicos:

Sistema Cardiovascular:

Parada cardíaca: adrenalina Choque cardiogênico: dobutamina (agonista ß1) Bloqueio cardíaco: uso de agonistas ß2 (ex. isoprenalina) enquanto se providencia o marca-passo.dos Receptores Adrenérgicos: Sistema Cardiovascular: Choque anafilático: adrenalina (tratamento 1ª linha)

Choque anafilático: adrenalina (tratamento 1ª linha)(ex. isoprenalina) enquanto se providencia o marca-passo. Sistema Respiratório : Asma: agonistas seletivos ß2

Sistema Respiratório:

Asma: agonistas seletivos ß2 Descongestionante nasal: gtas contendo efedrina ou oximetazolina. Uso em curto prazo.adrenalina (tratamento 1ª linha) Sistema Respiratório : Outras indicações : Adrenalina pode ser utilizada para

Outras indicações:

ou oximetazolina. Uso em curto prazo. Outras indicações : Adrenalina pode ser utilizada para prolongar efeitos

Adrenalina pode ser utilizada para prolongar efeitos de anestésicos locais

Salbutamol: inibição do trabalho de parto prematuroser utilizada para prolongar efeitos de anestésicos locais Antagonistas Receptores adrenérgicos: Fenoxibenzamina e

Antagonistas Receptores adrenérgicos:

Fenoxibenzamina e fentolamina: bloqueiam receptores α1 e α2. Prazosina, doxasozina e terasozina são antagonistas α1 seletivos e são usados no tratamento da hipertensão.Hipotensão postural e impotência são efeitos indesejáveis. Ioimbina: antagonista usados no tratamento da hipertensão.Hipotensão postural e impotência são efeitos indesejáveis. Ioimbina: antagonista α2 seletiva. São usada clinicamente.
Ioimbina: antagonista α2 seletiva. São usada clinicamente. Tansulosina: α1A seletiva. Atua principalmente no trato Tansulosina: α1A seletiva. Atua principalmente no trato urogenital Clonidina: antagonista alfa.Diminui PA.

Propanolol, alprenolol, oxprenolol (não seletivo entre ß1 e ß2) e atenolol (ß1 seletivo). São usados no tratamento da hipertensão, arritmias cardíacas, anginas do peito e infarto do miocárdio. Usados no tratamento da ansiedade. -Principais riscos: broncoconstricção, bradicardia e insuficiência cardíaca. -Efeitos colaterais: extremidades frias, insônia, depressão. Alguns sofrem rápido efeito de 1ª passagem e apresentam baixa biodisponibilidade.Uso Clínico dos antagonistas dos receptores α -adrenérgicos: Prazosina, doxasozina, terazosina:hipertensão

Uso Clínico dos antagonistas dos receptores α-adrenérgicos:

Prazosina, doxasozina, terazosina:hipertensão Tansulasina: hipertrofia prostática benigna Fenoxibenzamina: utilizada em associação com um antagonista dos receptores ß1 na preparação para cirurgia.Clínico dos antagonistas dos receptores α -adrenérgicos: Uso Clínico dos antagonistas dos receptores

Uso Clínico dos antagonistas dos receptores ß-adrenérgicos:

Sistema Cardiovascular: hipertensão, angina de peito, arritmias, insuficiência cardíaca.Clínico dos antagonistas dos receptores ß-adrenérgicos: Outros: Glaucoma (timolol em gtas), Tireotoxicose,

Outros: Glaucoma (timolol em gtas), Tireotoxicose, Ansiedade, profilaxia enxaqueca, tremor benigno.angina de peito, arritmias, insuficiência cardíaca. Substâncias que atuam sobre as terminações nervosas

Substâncias que atuam sobre as terminações nervosas noradrenérgicas:

Substâncias que inibem a síntese de NA:que atuam sobre as terminações nervosas noradrenérgicas: -Metiltirosina: bloqueia tirosina-hidroxilase -Carbidopa:

-Metiltirosina: bloqueia tirosina-hidroxilase -Carbidopa: bloqueia a dopadescarboxilase. É utilizada no tratamento do parkinsonismo.

A metildopa dá origem a um falso transmissor (metilnoradrenalina) que

A

metildopa dá origem a um falso transmissor (metilnoradrenalina) que

atua como potente agonista α2 (forte retroalimentação inibitória pós-

sinaptica).Uso em hipertensos.

A reserpina bloqueia o acúmulo de NA mediado por carreador gerando

A

reserpina bloqueia o acúmulo de NA mediado por carreador gerando

depleção das reservas de NA e bloqueio da transmissão.

Guanetidina e belanitidina: bloqueiam a liberação de transmissores. São pouco utilizadas.Bloqueiam neurônios NA.

Guanetidina e belanitidina: bloqueiam a liberação de transmissores. São pouco utilizadas.Bloqueiam neurônios NA.

A 6-hidroxidopamina é neurotóxica (captada e convertida em metabólito

A

6-hidroxidopamina é neurotóxica (captada e convertida em metabólito

tóxico).