Você está na página 1de 6

EXTENSIVO PLENO

Direito Constitucional
Prof. Flávio
Aula 5 – 2009/1
Hermenêutica Constitucional

MATERIAL DE AULA

HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL

1. - Conceito de hermenêutica
Hermenêutica vem de Hermes, que na mitologia grega intermediava a comunicação entre os homens e os
deuses.

2.- Conceito de interpretação


Interpres – aquele que descobria o futuro nas entranhas das vítimas. Interpretar seria desentranhar o sentido
das palavras da lei

3.- Existência de uma hermenêutica constitucional?


2 posições.
Sim (Celso Bastos, Konrad Hesse) – sobretudo em razão da supremacia da Constituição (as outras normas
precisam se compatibilizar com norma superior – a Constituição não), bem como o maior grau de abstração
das normas constitucionais e maior número de dispositivos de cunho político.

Não (Uadi Lammego Bulos) – aplicam-se os mesmos critérios dos outros ramos do Direito

4.- Interpretativismo e não-interpretativismo

a) Corrente interpretativista:
o juiz deve se limitar a captar sentido dos preceitos expressos na Constituição, ou que pelo menos, estejam
claramente implícitos.

b) corrente não-interpretativista:
diferentemente dos interpretativistas, os não-interpretativistas defendem uma maior autonomia do juiz ao se
interpretar a norma, com aplicação de “valores e princípios substantivos”– princípios da liberdade e da justiça.
Assim, importa mais os valores, como a igualdade, a justiça e a liberdade demandados pela sociedade, do que
a estrita vontade do legislador.

5.- duas indagações de hermenêutica:


a) in claris cessat interpretatio? – DIA (art. 5º, XI, CF)
b) mens legis ou mens legislatoris?
Mens legis e mutação constitucional

6.- métodos de interpretação constitucional


a) método jurídico (ou hermenêutico clássico) - Savigny
b) método tópico-problemático
c) método hermenêutico-concretizador
d) método científico-espiritual
e) método normativo estruturante
f) método comparativo

-1–
EXTENSIVO PLENO
Direito Constitucional
Prof. Flávio
Aula 5 – 2009/1
Hermenêutica Constitucional

CANÇÃO (COMO UMA ONDA)

Nada do que foi será


O tema hermenêutica cai todo dia
Canotilho nos ajuda a passar
O método jurídico vou cantar
E o tópico-problemático.

Hermenêutico-concretizador e o científico-espiritual
Normativo-estruturante vou lembrar, á á á
Não adianta fugir, nem fingir que já sabe
Agora, eu vou comparar sem demora
E guardar pra sempre
Mé-todos de interpretação

a) método jurídico (ou hermenêutico clássico)


A Constituição é uma lei e tem que ser interpretada pelos métodos tradicionais (literal, lógico,
teleológico, sistemático, histórico etc.)

CONSTITUIÇÃO = LEI

Interpretação gramatical ou literal


Art. 5º, XI – “casa”
Art. 5º, XII – “salvo no último caso”

Interpretação lógica
Art. 129, I, CF

Interpretação teleológica

Interpretação sistemática

Interpretação histórica
Art. 192 e limitação dos juros

Interpretação doutrinária, judicial e autêntica

b) método tópico-problemático
parte-se de um problema para se chegar à norma. Tem três premissas:
a) a interpretação busca resolver problemas concretos;
b) caráter aberto da norma constitucional;
c) preferência pela discussão do problema

PROBLEMA NORMA CONSTITUCIONAL

-2–
EXTENSIVO PLENO
Direito Constitucional
Prof. Flávio
Aula 5 – 2009/1
Hermenêutica Constitucional

c) método hermenêutico-concretizador
Konrad Hesse. A leitura de um texto se inicia pela PRÉ-COMPREENSÃO através do intérprete. O
intérprete tem um papel criador, efetuando atividade prático-normativa, concretizando a norma para e a partir
do problema (movimento de ir e vir = círculo hermenêutico)

NORMA
Pré-compreensão

PROBLEMA

d) método científico-espiritual
método valorativo sociológico. Busca os valores implícitos na Constituição, não se preocupando muito
com os conceitos do texto.

e) método normativo estruturante


Tem como premissas:
a) investigação das várias funções de realização do direito constitucional (legislação, administração e ju-
risdição);
b) norma é diferente de texto normativo (este último é apenas a ponta do iceberg)
c) norma é um domínio normativo, um pedaço da realidade social.
d) Esse método trabalha com os dois tipos de concretização: interpretação do texto e interpretação da
norma (domínio ou região normativa).

NORMA
(DOMÍNIO Texto
NORMATIVO) normativo

-3–
EXTENSIVO PLENO
Direito Constitucional
Prof. Flávio
Aula 5 – 2009/1
Hermenêutica Constitucional

f) Método comparativo
Comparação com o texto constitucional de outros países.

7.- Princípios de interpretação constitucional

a) princípio da unidade da Constituição (Canotilho)


b) princípio do efeito integrador (Canotilho) – conseqüência do princípio da unidade (havendo confronto
entre normas constitucionais, deve-se prestigiar as que favoreçam a integração política e social).
c) Princípio da concordância prática ou harmonização (Canotilho)– variação do princípio da unidade
(ponderação entre direitos fundamentais) .
d) Princípio da justeza ou conformidade funcional (Canotilho) – visa a inpedir a alteração da repartião de
funções estabelecidas na CF.
e) Princípio da força normativa da constituição (Canotilho) – prestigia-se a interpretação que garanta a
eficácia e a permanência da Constituição.
f) princípio da eficiência ou (máxima efetividade) – (Canotilho).
g) princípio da presunção de constitucionalidade das leis
h) princípio da supremacia da Constituição
i) princípio da proporcionalidade (adequação, necessidade e proporcionalidade em sentido estrito)
a. impossibilidade de utilização dos métodos tradicionais de solução das antinomias.
j) princípio da razoabilidade (sustantive due processo of law).

II) Jurisprudência

ADI-MC 1158 / AM
E M E N T A: AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE - LEI ESTADUAL QUE CONCEDE
GRATIFICAÇÃO DE FERIAS (1/3 DA REMUNERAÇÃO) A SERVIDORES INATIVOS - VANTAGEM
PECUNIARIA IRRAZOAVEL E DESTITUIDA DE CAUSA - LIMINAR DEFERIDA. - A norma legal, que concede
a servidor inativo gratificação de ferias correspondente a um terco (1/3) do valor da remuneração
mensal, ofende o critério da razoabilidade que atua, enquanto projeção concretizadora da cláusula do
"substantive due process of law", como insuperavel limitação ao poder normativo do Estado.

ADI 2019 / MS 02/08/2001


EMENTA: ADIN. LEI N.º 1.949, DE 22.01.99, DO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL. PENSÃO MENSAL
PARA CRIANÇAS GERADAS A PARTIR DE ESTUPRO. CONTRARIEDADE AO ART. 5.º, LIV, DA
CONSTITUIÇÃO FEDERAL. Ato normativo que, ao erigir em pressuposto de benefício assistencial não o
estado de necessidade dos beneficiários, mas sim as circunstâncias em que foram eles gerados,
contraria o princípio da razoabilidade, consagrado no mencionado dispositivo constitucional. Ação direta
julgada procedente, para declarar a inconstitucionalidade da lei sob enfoque.

-4–
EXTENSIVO PLENO
Direito Constitucional
Prof. Flávio
Aula 5 – 2009/1
Hermenêutica Constitucional

IV) Questões

(FCC/TCE-MG/2007) No entendimento de doutrinadores, NÃO é considerado, dentre outros, como princípio


e regra interpretativa das normas constitucionais,

a) a unidade da constituição -interpretação de maneira a evitar contradições entre as normas constitucionais.


b) o efeito integrador -primazia aos critérios favorecedores da integração política e social.
c) a concordância prática ou a harmonização -coordenação e combinação dos bens jurídicos em conflito.
d) a força normativa da constituição -adoção de interpretação que garanta maior eficácia e permanência das
normas constitucionais.
e) a adoção da contradição dos princípios -os preceitos exigem uma interpretação explícita, excluindo-se
a implícita.

(TRT 24ª – Juiz do trabalho substituto – 2007) Dados os seguintes enunciados:


I.A interpretação constitucional deve ser realizada de maneira a evitar contradições entre suas normas.
II. Os órgãos encarregados da interpretação da norma constitucional não poderão chegar a uma posição que
subverta, altere ou perturbe o esquema organizatório-funcional estabelecido pelo legislador constituinte
originário.
III. Os bens jurídicos em conflito deverão estar coordenados e combinados de forma a evitar o sacrifício total
de um (uns) em relação a outro(s).
IV. Entre as interpretações possíveis, deve ser adotada aquela que garanta maior eficácia, aplicabilidade e
permanência das normas constitucionais.
V. A uma norma constitucional deve ser atribuído o sentido que maior eficácia se lhe conceda.
VI. Na resolução dos problemas jurídico-constitucionais, deverá ser dada maior primazia aos critérios
favorecedores da integração política e social, bem como ao reforço da unidade política. Relacione-os com o
princípio/regra interpretativa de norma constitucional:
Assinale a alternativa CORRETA:
a) Unidade da Constituição; Efeito Integrador; Máxima Efetividade ou Eficiência; Justeza ou Conformidade
Funcional; Concordância Prática ou Harmonização; Força Normativa da Constituição.
b) Força Normativa da Constituição; Unidade da Constituição; Concordância Prática ou Harmonização;
Justeza ou Conformidade Funcional; Máxima Efetividade ou Eficiência; Efeito Integrador.
c) Unidade da Constituição; Justeza ou Conformidade Funcional; Concordância Prática ou
Harmonização; Força Normativa da Constituição; Máxima Efetividade ou Eficiência; Efeito
Integrador.
d) Concordância Prática ou Harmonização; Justeza ou Conformidade Funcional; Máxima Efetividade ou
Eficiência; Unidade da Constituição; Força Normativa da Constituição; Efeito Integrador.
e) Justeza ou Conformidade Funcional; Efeito Integrador; Força Normativa da Constituição; Concordância
Prática ou Harmonização; Unidade da Constituição; Máxima Efetividade ou Eficiência.

(CESPE/Procurador Federal-AGU/2007) Quanto à hermenêutica constitucional, julgue os itens seguintes.


a) O princípio da unidade da CF, como princípio interpretativo, prevê que esta deve ser interpretada de forma
a se evitarem contradições, antinomias ou antagonismos entre suas normas.
Correto.
b) Não existe relação hierárquica fixa entre os diversos critérios de interpretação da CF, pois todos os métodos
conhecidos conduzem sempre a um resultado possível, nunca a um resultado que seja o unicamente correto.

-5–
EXTENSIVO PLENO
Direito Constitucional
Prof. Flávio
Aula 5 – 2009/1
Hermenêutica Constitucional

Essa pluralidade de métodos se converte em veículo da liberdade do juiz, mas essa liberdade é objetivamente
vinculada, pois não pode o intérprete partir de resultados preconcebidos e, na tentativa de legitimá-los, moldar
a norma aos seus preconceitos, mediante a utilização de uma pseudo-argumentação.
Correto
c) As correntes interpretativistas defendem a possibilidade e a necessidade de os juízes invocarem e aplicarem
valores e princípios substantivos, como princípios de liberdade e justiça, contra atos de responsabilidade do
Poder Legislativo que não estejam em conformidade com o projeto da CF. As posições não-interpretativistas,
por outro lado, consideram que os juízes, ao interpretarem a CF, devem limitar-se a captar o sentido dos
preceitos nela expressos ou, pelo menos, nela claramente explícitos.
Errado

(MPE-MG/Promotor MPE-MG/2005)
a) a interpretação autêntica vincula os juízes, no ato interpretativo, sendo de eficácia erga omnes e efeito ex
tunc.
Correto
b) a interpretação doutrinária é aquela que advém dos juristas, materializando-se através de ensaios teóricos
ou peças processuais sobre o conteúdo e significado da norma.
Correto.
c) a interpretação autêntica é aquela ministrada pelo legislador mesmo, o órgão legislativo elabora uma
segunda norma com o propósito de estabelecer o significado e o alcance da norma antecedente, havida por
contraditória ou ambígua.
Correto

(CESPE/Procurador-Natal/2008) No âmbito da doutrina que estuda a interpretação constitucional, é possível


identificar duas correntes de pensamento: os interpretativistas e os não-interpretativistas. A diferença entre
elas, em linhas gerais, é que os interpretativistas defendem um ativismo judicial na interpretação da
Constituição, admitindo a possibilidade de os juízes irem além do texto da lei, invocando valores como
justiça, igualdade e liberdade na criação judicial do direito, o que é repelido pelos não-interpretativistas.
Errado.

(CESPE/Advogado Jr. Petrobrás/2007) Entre as correntes de interpretação constitucional, pode-se apontar


uma bipolaridade que se concentra entre as correntes interpretativistas e não interpretativistas das
constituições. As correntes interpretativistas se confundem com o literalismo e permitem ao juiz que este
invoque e aplique valores e princípios substantivos, como a liberdade e a justiça contra atos da
responsabilidade do Poder Legislativo em desconformidade com a constituição.
Errado.

-6–