Você está na página 1de 23

Stélio Furlan

Doutor em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina


(UFSC), mestre em Literatura Brasileira pela UFSC e graduado em História
pela UFSC.

José Carlos Siqueira


Mestre em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portu-
guesa pela Universidade de São Paulo (USP) e bacharel em Linguística
pela USP.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
O Realismo: 1865-1890
José Carlos Siqueira

O “realismo” como arma de crítica social e política


BLANCHE: Não quero realismo. Eu quero magia. Sim, sim, magia. É o que tento dar às pessoas.
Não digo a verdade, digo o que deveria ser verdade. E se isso é pecado, que eu seja amaldiçoada
para sempre. Não acenda a luz! (WILLIAMS, 1980, p. 189)

O trecho acima é um dos grandes momentos da peça de Tennessee Williams, Um Bonde Chamado
Desejo.1 Blanche Dubois, uma mulher madura que procura fugir da decadência e da velhice, explica para
Mitch, um quase namorado, sua filosofia de vida. Além de ser uma fala de grande efeito na dinâmica da
peça de Tennessee Williams, ela ainda possibilita outras leituras. Há aqui um sentido metalinguístico, in-
dicando talvez um certo esgotamento da estética realista no drama da primeira metade do século XX
– o que se comprovaria com novas experiências cênicas como o Teatro do Absurdo, de um Ionesco, e
Teatro Épico, de um Brecht, escolas que ganharam espaço depois da Segunda Guerra.
Mas, num sentido ainda mais amplo, a fala de Blanche com certeza estava antecipando uma ten-
dência cultural que se manifestaria com toda força bem depois de 1947, ano em que a peça de Williams
estreou. Estamos falando dos movimentos contraculturais que se desdobraram a partir dos anos 1960,
e que tiveram sua face política com as revoltas estudantis de 1968. Nesse caso, um dos lemas mais sig-
nificativos dos jovens rebeldes era “a imaginação no poder”.
Feitos os devidos descontos, o paralelo com “Não quero realismo. Eu quero magia” é muito pertinen-
te. Os estudantes não defendiam apenas mais “criatividade” na condução política, mas sim uma inversão de
valores na sociedade burguesa. Eles desejavam, assim como Blanche, mais magia na vida dos indivíduos e
comunidades. Mais liberdade sexual, possibilidades de novas experiências (o uso de alucinógenos foi uma
característica desse movimento), novos caminhos espirituais que escapassem do monopólio cristão etc.

1 Há um filme clássico baseado nesta peça, dirigido por Elia Kazan, com Vivien Leigh e Marlon Brando (no Brasil saiu com o nome Uma Rua
Chamada Pecado), que pode ser facilmente encontrado em DVD.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
138 | O Realismo: 1865-1890

Uma das diretrizes das revoltas estudantis de 1968 era a de que a atitude “realista”, fosse na políti-
ca, na crítica social e na arte, não era mais suficiente. Havia agora necessidade de um maior espaço para
a espontaneidade e a intuição, além de, é claro, muita imaginação. O Realismo enquanto posição epis-
temológica e política havia fracassado na tentativa de se alcançar um mundo mais justo e livre. Chegara,
portanto, a vez da magia.
No entanto, mais ou menos um século antes das barricadas estudantis de 1968, ironicamente um
grupo de jovens intelectuais, estes também rebeldes, propunha na Europa exatamente o contrário para
se atingir os mesmíssimos propósitos, justiça e liberdade. Estamos nos referindo às Conferências do
Casino, em Lisboa, no ano de 1871.

Pressupostos do “Realismo” do século XIX


Até agora utilizamos o termo realismo de forma genérica, que vai do uso cotidiano – a postura de
se encarar a vida como ela é – até o da política tradicional, cuja atuação sempre considera as possibilida-
des efetivas de sucesso, chegando à Realpolitik, isto é, a “Política internacional que se baseia em fatores
pragmáticos e materiais, especialmente nas relações entre as forças vigentes e em cenários concretos, em
detrimento de influências ideológicas ou considerações sobre doutrina e princípios” (Dicionário Houaiss).
No caso das Conferências do Casino, o conceito se concentra mais na esfera literária.
As conferências, ocorridas em maio e junho de 1871, foram um evento cultural patrocinado por um
grupo de jovens intelectuais portugueses, entre eles, Antero de Quental (líder intelectual, poeta e filóso-
fo), Batalha Reis (escritor e crítico), Oliveira Martins (historiador), Teófilo Braga (poeta e político), Eça de
Queirós (jornalista e romancista), entre outros. Esse grupo de jovens, todos com menos de trinta anos, es-
tava disposto a colocar Portugal no centro dos debates e das ideias que punham a Europa em chamas. As
palavras-chave das conferências eram democracia, república, socialismo e, principalmente, revolução.

Contexto histórico: a ascensão do movimento trabalhista


No mesmo ano de 1871, entre março e maio, na França, a Comuna de Paris havia instaurado o pri-
meiro regime socialista de origem operária da história. Apesar de breve e de reprimido com excesso de
violência pelas forças burguesas2, esse movimento popular abalou toda a Europa e o resto do mundo.
Condenada por muitos, que a consideravam uma espécie de fim do mundo, a Comuna foi vista por ou-
tros como a possibilidade de redenção e início de uma nova era para a humanidade. Entre estes últimos,
estavam os conferencistas do Casino.

2 “O acontecimento saliente e comentado destes últimos dias é a manifestação do dia 23 de Maio [de 1880]. Lembram-se que há nove
anos, nessa data [1871], na semana sanguinolenta da derrota da Comuna, os regimentos de Versalhes, invadindo Paris, numa demên-
cia de represálias, fizeram uma exterminação à antiga, fuzilando sem discernimento, pelos pátios dos quartéis, entre os túmulos dos ce-
mitérios, sob o pórtico das igrejas, todo o ser vivo que era surpreendido com as mãos negras de pólvora e um calor de batalha na face.
Trinta e cinco mil pessoas foram aniquiladas nesta Saint-Barthélemy conservadora, nesta hecatombe da plebe, oferecida em sa-
crifício à ordem com o delírio com que o rei de Daomé decapita tribos inteiras em honra do ídolo Gri-Gri, ou os Cartagine-
ses imolavam uma mocidade, toda uma Primavera sagrada, para aplacar o mais cruel dos Baals, o negro e flamejante Moloch.
Onde foram sepultados tantos montões de cadáveres?... Apenas se sabe que parte foi arremessada à vala comum do Père-Lachaise” (EÇA DE
QUEIRÓS, 2002) [artigo publicado no jornal carioca Gazeta de Notícias, no dia 24 jul. 1880. Eça era correspondente internacional desse diário e,
na época, residia na Inglaterra].

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
O Realismo: 1865-1890 | 139

A comuna foi o desdobramento lógico da ascensão do

Musée d´Orsay.
movimento operário. Com a Revolução Industrial, iniciada
em meados do século XVIII, o número de trabalhadores fa-
bris cresceu de maneira exponencial, e não só isso: com sua
concentração em grandes plantas industriais, os operários
começaram a se organizar em sindicatos e partidos políticos,
transformando-se assim numa força política de origem po-
pular sem precedentes na história europeia e americana.
Junto com o proletariado surgiram também inova-
doras teorias políticas e econômicas que alteraram pro- A rue Royale depois dos incêndios da Comuna
de Paris.
fundamente o panorama ideológico dos países em que a
industrialização e o capitalismo se desenvolviam mais rapi-
damente. Com base na nova classe social, o proletariado, e
na nova configuração das forças sociais, burguesia versus tra-
balhadores, diversos pensadores de maior sensibilidade so-
cial passaram a defender uma nova forma de organização
social: o Socialismo.
Segundo essa corrente de pensamento político-
-social, a propriedade privada era o grande vilão da história,
fonte da opressão de uma minoria sobre o todo da socieda-
de e das injustiças sociais visíveis nas ruas das novas metró-
poles industriais. Sua proposta: fim da propriedade privada, Proudhon e seus filhos em uma tela de Courbet,
que passaria a ser coletiva, e da divisão de classes no seio pintor realista cuja obra seria analisada por Eça de
Queirós nas Conferências do Casino. O quadro se
da sociedade. encontra no Musée du Petit Palais, em Paris.
Nomes como Proudhon,3 Fourier,4 Bakunin5 e, principalmente, da dupla de pensadores alemães, Karl
Marx e Friedrich Engels,6 constituíram um corpus da doutrina socialista que deu ao movimento operário a
base teórica e as diretrizes políticas necessárias para suas reivindicações e tentativas de tomar o poder.

Contexto histórico: a hegemonia do pensamento empirista


A comuna, assim como as conferências, foram resultados de grandes mudanças no pensamento
ocidental (ou seja, a Europa e as Américas). O grande desenvolvimento científico e econômico iniciado
no século XVIII, também em linha com a Revolução Industrial, havia dado ao Empirismo, uma importan-
te corrente filosófica e científica, um papel hegemônico na condução das ideias e pesquisas do perío-
do. Em síntese, o Empirismo propunha que o conhecimento humano só era possível a partir dos dados
captados pelos sentidos, passíveis de serem analisados, quantificados e, de preferência, reduzidos à lin-
guagem matemática.

3 Pierre-Joseph Proudhon (1809-1865), teórico político e jornalista francês. Uma das principais lideranças anarquistas sua obra mais conhecida
e polêmica se chama O que é a propriedade, na qual ele responde: ela é um roubo.
4 François-Marie Charles Fourier (1772-1837), filósofo francês, membro do movimento denominado Socialismo Utópico.
5 Mikhail Bakunin (1814-1876), revolucionário russo, um dos fundadores e formuladores do Anarquismo. Uma de suas principais obras: Deus
e o Estado.
6 Karl Heinrich Marx (1818-1883), filósofo e economista alemão. Formulador do Socialismo Científico, além de O Capital (3v., 1867-1894),
escreveu ainda O Manifesto Comunista (1848) e A Ideologia Alemã (1846), ambos em colaboração com Friedrich Engels (1820-1895), filósofo e
líder socialista.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
140 | O Realismo: 1865-1890

Para o que nos interessa aqui – as motivações das Conferências do Casino e o Realismo na litera-
tura – fiquemos com alguns exemplos. Na Biologia, Charles Darwin7 propôs a Teoria da Evolução, marco
nos estudos da origem da humanidade. Na Economia, temos Adam Smith8 definindo as bases do libera-
lismo econômico (a tal da “mão invisível”). Na História, Taine9 elabora um método determinista baseado
no ambiente, na raça e no contexto histórico. Na Política, Marx faz uma contundente crítica da socieda-
de burguesa com sua superlativa obra O Capital.
Numa análise algo esquemática, mas pertinente aos nossos propósitos, podemos dizer que, com
esses quatro exemplos, as seguintes ideias passaram a ser centrais no debate ocidental: o homem come-
çou a ser visto como um animal entre outros (evolucionismo), o que solapava os princípios teológicos e
metafísicos até então vigentes; as finanças nacionais, empresariais e individuais poderiam ser manipula-
das através de técnicas e políticas racionais (política econômica); a história passou a exibir características
de previsibilidade e prognóstico (história científica); e a sociedade tornou-se possível de ser reformada
de modo racional (socialismo científico). Em suma, o homem do século XIX sentia que a razão, o método
científico e os princípios materialistas eram capazes de não apenas explicar a realidade, mas de alterá-la
da maneira que melhor conviesse aos interesses da humanidade. Mas para isso era necessário abdicar do
pensamento religioso, que obstaculizava a apreensão da realidade como ela era, e dos “enganos” metafísi-
cos que filósofos e poetas românticos colocavam como a verdadeira essência do ser humano.
Eis aqui alguns dos pressupostos que levaram os conferencistas do Casino a propor um novo qua-
dro mental para a nação portuguesa, que segundo eles se encontrava na mais atrasada mentalidade da
Europa, e também a propor radicais mudanças na condução política de Portugal e em sua estrutura so-
cial. Em termos culturais e literários, os princípios expostos tiveram como expressão uma corrente esté-
tica que seus próprios proponentes denominaram de Realismo. Um conceito que seria apresentado e
analisado nas Conferências do Casino por aquele que se tornaria o maior romancista português desse
século, Eça de Queirós.

O Realismo segundo Eça


Fazendo um apanhado geral até agora, podemos dizer que o “realismo”, como atitude intelectu-
al, se configurava no século XIX como uma posição inovadora e revolucionária. Com base nos avanços
científicos que o Empirismo havia proporcionado e nas revoluções sociais, também decorrentes desse
novo quadro conceitual – cujo ápice se dá na Comuna de Paris – o “realismo” é mais do que uma atitude,
é também uma forma de ação política e social. No campo da cultura, e especificamente da literatura, o
Realismo, no caso com “r” maiúsculo, será a expressão estética de toda essa mentalidade.
Surgia assim a literatura engajada, tomada como arma de combate e de intervenção social. A
literatura passava a funcionar como forma de ação revolucionária. É nesse momento que aparece o
romance de tese, que procurava demonstrar, a partir de critérios cientificistas de base sociológica e an-
tropológica, o modo como funcionava a sociedade. Tal gênero romanesco tinha por intuito denunciar
as injustiças e os abusos cometidos por parte das classes e dos grupos dominantes.

7 Charles Robert Darwin (1809-1882), biólogo e naturalista inglês. Formulador da Teoria da Evolução, sua principal obra é A Origem das Espécies
(1859).
8 Adam Smith (1732-1790), filósofo e economista escocês. Um dos pais da economia de mercado ou liberalismo econômico, sua principal obra
é A Riqueza das Nações (1776).
9 Hippolyte-Adolphe Taine (1828-1893), filósofo e historiador francês. Uma de suas principais obras é História da literatura inglesa (1864-1869),
na qual aplica seu método determinista.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
O Realismo: 1865-1890 | 141

É com esse espírito que Eça de Queirós vai explicar o Realismo a seus compatriotas em Lisboa,
na conferência do dia 12 de junho de 1871. Antes dele haviam se apresentado Antero de Quental, com
sua famosa palestra Causas da decadência dos povos peninsulares nos últimos três séculos, uma análise
até hoje respeitada sobre as dificuldades de Portugal em se desenvolver na modernidade capitalista; e
Augusto Soromenho, que falara sobre A literatura portuguesa, criticando-a duramente pela falta de ori-
ginalidade e gosto. A conferência de Eça se intitulava A literatura nova (o realismo como nova expressão
da arte) e, para nossa dificuldade, ele não a deixou redigida, havendo proferido a palestra de memória.
No entanto, vários jornalistas presentes fizeram anotações e deixaram esses registros em suas cobertu-
ras sobre o evento.10
De qualquer forma, há uma visível progressão entre essas três conferências. Na de Antero, analisa-
-se o passado de Portugal e as causas de sua estagnação. Soromenho critica o presente da literatura lusa,
enquanto Eça propõe uma nova estética para o futuro das letras do país – inclusive ele seria o respon-
sável pela primeira obra realista de vulto em Portugal, com seu O Crime do Padre Amaro, publicado em
primeira versão no ano de 1875.
A conferência de Eça baseou-se, principalmente, em dois pensadores já citados aqui: Taine e
Proudhon. Inicialmente, nosso autor declara que a revolução era um fato permanente e que ela devia
participar de todas as esferas da vida, o que incluía a literatura. Semelhante condição exigia que o artis-
ta mantivesse estreitos laços com sua sociedade e seu tempo, sendo capaz de representar a realidade
de forma precisa. Diz Eça:
O realismo deve ser perfeitamente do seu tempo, tomar a sua matéria na vida contemporânea. Deste princípio, que é
basilar, que é a primeira condição do realismo, está longe a nossa literatura. A nossa arte é de todos os tempos, menos
do nosso. (RIBEIRO, 1994, p. 94)

Nesse trecho, Eça está criticando em particular o Romantismo português, que segundo ele havia
se alienado da realidade social e se fechado num convencionalismo insípido. Há também com certeza
uma crítica ao romance histórico, “nossa arte é de todos os tempos”, uma das principais correntes ro-
mânticas dentro da produção romanesca. Bom, e o que seria então o Realismo para o conferencista:
Que é, pois, o realismo? É uma base filosófica para todas as concepções do espírito – uma lei, uma carta de guia, um
roteiro do pensamento humano, na eterna região do belo, do bom e do justo. Assim considerado, o realismo deixa de
ser, como alguns podiam falsamente supor, um simples modo de expor – minudente, trivial, fotográfico. Isso não é
Realismo: é o seu falseamento. É o dar-nos a forma pela essência, o processo pela doutrina. O realismo é bem outra coi-
sa: é a negação da arte pela arte; é a proscrição do convencional, do enfático e do piegas. É a abolição da retórica consi-
derada como arte de promover a comoção usando da inchação do período, da epilepsia da palavra, da congestão dos
tropos. É a análise com o fito na verdade absoluta. Por outro lado, o Realismo é uma reação contra o Romantismo: o
Romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos
pinta a nossos próprios olhos – para nos conhecermos, para que saibamos se somos verdadeiros ou falsos, para conde-
nar o que houver de mau na nossa sociedade. (MATOS, 1988, p. 127)

Por fim, Eça de Queirós dá como modelos de Realismo o romancista francês Flaubert, autor de
Madame Bovary, e o pintor, também francês, Gustave Courbet (1819-1877). A menção a esse pintor não
é gratuita. Na verdade, o Realismo enquanto corrente estética foi introduzido pelas artes plásticas, exa-
tamente por Courbet. Ele foi o criador dos famosos e polêmicos quadros Enterro em Ornans (veja a figu-
ra a seguir) e As Banhistas, além do escandaloso, e portanto ainda mais famoso, A Origem do Mundo11.
Courbet teve suas pinturas recusadas na Exposição Universal de Paris e, em represália, montou uma ex-
posição paralela nas ruas de Paris em 1855. Dizia ele: “O título de realista me foi imposto, como impu-

10 Há um resumo da palestra na obra de António Salgado Jr., História das Conferências do Casino. Lisboa: Cooperativa Militar, 1938.
11 Essas pinturas podem ser apreciadas no site do Museu d’Orsay: <http://www.musee-orsay.fr/>.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
142 | O Realismo: 1865-1890

seram aos homens de 1830 o título de românticos”, sendo que o que procurava em seus quadros era
“traduzir os costumes, as ideias, o aspecto de [sua] época”, “fazer arte atual” (apud MOISÉS, 1980, p. 201).

Enterro em Ornans. Gustave Courbet. O quadro, encontra-se no Museu d’Orsay.


Segundo o pintor: “o núcleo do Realismo é a negação do ideal. O Enterro em
Ornans foi o enterro do Romantismo”.

Fazendo uma síntese, podemos dizer que o Realismo se caracterizaria pelos seguintes traços:
::: a reação ao Romantismo (que passara a ser uma literatura convencional e conservadora), rejei-
tando qualquer tipo de sentimentalismo ou de devaneios exacerbados da imaginação;
::: objetividade em contraposição ao subjetivismo do Romantismo;
::: a utilização de métodos racionalistas típicos da filosofia empirista e da ciência;
::: a elaboração de uma crítica precisa à sociedade burguesa, mostrando com fidelidade suas ma-
zelas e injustiças (proposta tipicamente revolucionária).
Depois da palestra de Eça de Queirós, a tribuna foi ocupada por Adolfo Coelho, com o tema A
questão do ensino, no dia 19 de junho de 1871. Foi uma contundente crítica à educação portuguesa e,
em particular, à influência da Igreja Católica sobre o país, propondo que houvesse uma total separa-
ção entre o Estado e a Igreja. Talvez pela contundência dessa última palestra, ou pelo conjunto da obra,
o governo português de forma arbitrária e algo acovardada suspende as Conferências do Casino ain-
da nos seus inícios. Não podemos deixar de pensar que a Comuna de Paris e seu massacre também
tenham influenciado nessa decisão. Sabe-se lá o que poderia acontecer na capital portuguesa se as
Conferências fossem até o fim... No Texto complementar, a seguir, poderemos ler um delicioso e irônico
artigo de Eça sobre o fechamento despótico das conferências.

O Realismo e o Naturalismo
Antes de passarmos à apresentação dos principais autores e obras do Realismo português, deve-
mos esclarecer a distinção entre a corrente realista e a naturalista. Ambas são contemporâneas e parti-
lham dos princípios expostos na seção anterior, no entanto, têm lá as suas diferenças.
As duas vertentes participam ainda da mesma base de pensamento: o empirismo, o positivismo,
a teoria determinista de Taine, o ímpeto revolucionário, a crítica social e panfletária etc. E cumprem es-
sas diretrizes escolhendo para sua produção literária temas contemporâneos ao autor e ligados à vida
quotidiana, em geral, à família (adultério, incesto), à esfera do dinheiro (exploração, carreirismo, gover-
no) e da cultura (jornalismo, teatro, religião).
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,
mais informações www.iesde.com.br
O Realismo: 1865-1890 | 143

O Naturalismo seria uma espécie de prolongamento dessas características, adicionando-lhes um


maior grau de cientificidade e de interesse pelo patológico. Ou seja, a literatura naturalista funciona-
ria como um complemento ao Realismo, continuando onde este para e aguçando sua análise num viés
mais fisiológico e centrado no doentio, na excentricidade. Isso se deve a um maior apego às ideias po-
sitivistas. O Positivismo é ele também um prolongamento e uma radicalização do pensamento empi-
rista, e sua índole materialista, experimentalista e, principalmente, organicista (isto é, que interpreta o
universo ou a natureza como um gigantesco organismo vivo) era levada tão a sério por seus adeptos
que o Positivismo chegou mesmo a conhecer um caráter religioso – em seus próprios termos, é claro.
Auguste Comte (1798-1857), um dos mais importantes pensadores positivista, chegou a fundar uma
nova doutrina religiosa, a Religião da Humanidade e há no Brasil uma seção desse sistema religioso, a
Igreja Positivista do Brasil.
O romance será o gênero preferencial do Naturalismo, veículo competente para longas análises de
personagens e de suas histórias. Por meio dos enredos romanescos se destrincham longínquas causas
sociais, étnicas, hereditárias etc., capazes de explicar os comportamentos anômalos e desviantes desses
personagens e das situações sociais que era o foco dos naturalistas. Sempre com a meticulosidade pró-
pria de um fisiologista, especialidade médica à qual os escritores dessa corrente gostavam de se compa-
rar. Émile Zola (1840-1902), romancista naturalista francês, explica o processo do romance experimental:
Possuir os mecanismos dos fenômenos humanos, mostrar a engrenagem das manifestações intelectuais e sensuais, tais
como a fisiologia as explicará, sob as influências da hereditariedade e das circunstâncias do ambiente; a partir daí, mos-
trar o homem vivo no meio social que ele mesmo produziu, que ele modifica quotidianamente e no seio do qual expe-
rimenta, por sua vez, uma transformação contínua. (REIS, 2001, p. 22)

É nesse sentido que se define o “romance de tese”, uma subcategoria romanesca, própria do
Realismo e Naturalismo: obra ficcional que emprega métodos experimentais sobre dados raciais, am-
bientais e sociais a fim de provar uma tese, em geral proposta pelas ciências (Biologia, Sociologia,
Psicologia). O autor coloca personagens-tipos, ou seja, que exemplificam um conjunto de indivíduos
(uma classe social, uma profissão, uma tara etc.), em situações controladas, portanto, experimentais, e
o desenvolvimento da história, por meios deterministas, demonstra a validade de tal tese. Nas palavras
de Émile Zola:
Os romancistas naturalistas observam e experimentam e [...] todo o seu labor decorre da dúvida em que se colocam pe-
rante as verdades mal conhecidas, os fenômenos inexplicados, até que uma ideia experimental desperta bruscamente
um dia o seu gênio e leva-os a instituir uma experiência, para analisar os fatos e dominá-los. (REIS, 2001, p. 22)

A poesia realista
Apesar do romance ser a forma preferencial do Realismo e do Naturalismo, uma importante gera-
ção de poetas realistas surgiu na segunda metade do século XIX, em Portugal, que devolveu a poesia lu-
sitana aos patamares que havia atingido no Classicismo e no Arcadismo. Duas características principais
devem ser mencionadas para se definir essa produção:
::: trata-se de uma poesia engajada, tanto no sentido de se aferrar aos movimentos sociais e po-
líticos do momento, logo, revolucionários, quanto no de promover e discutir os grandes prin-
cípios filosóficos e intelectuais que informavam o Realismo;

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
144 | O Realismo: 1865-1890

::: era uma poesia ligada ao seu tempo e ao cotidiano, buscando na vida contemporânea temas
e imagens para difundir seus ideais poéticos e de escola.
O nome mais proeminente da poesia portuguesa realista é o já mencionado Antero de Quental, a
quem dedicaremos uma seção exclusiva.

A poesia filosófica de Antero de Quental


Antero Tarquínio de Quental nasceu em Ponta Delgada, nas ilhas dos Açores, em 1842. Estudou
Direito em Coimbra, onde com seu carisma e brilho intelectuais se tornou uma liderança inconteste en-
tre seus colegas. Em 1865, publica as Odes Modernas, livro que juntamente com as Tempestades Sonoras
e a Visão dos Tempos, de Teófilo Braga, vão causar a grande polêmica da época, a chamada Questão
Coimbrã. Após uma série de viagens, Antero volta a Lisboa, onde integra o grupo de jovens intelectu-
ais autointitulado O Cenáculo (1868). Desse grupo faziam parte Eça de Queirós, Jaime Batalha Reis e
Ramalho Ortigão, entre outros.
Em 1871, como já dissemos, Antero dirige as Conferências do Casino e participa ativamente delas.
Nos anos seguintes, procura desenvolver ações e grupos socialistas em Portugal, associando-se a orga-
nizações operárias e mantendo relações com o movimento proletário internacional. Depois de um lon-
go período de frustrações políticas e isolamento autoimposto, o poeta volta à militância revolucionária
e se filia à Liga Patriótica do Norte, um grupo de ativistas organizado após o Ultimatum inglês (1890).
Mais uma vez vendo frustrado os seus planos de mudança social, Antero se isola novamente em sua ter-
ra natal e termina se suicidando em 11 de setembro de 1891.
Antero escreveu poesia e a prosa polêmica e filosófica. No primeiro caso, temos: Odes Modernas
(1865), Primaveras Românticas, Versos dos Vinte Anos (1871), Sonetos completos (1886), Raios de extinta luz
(1892). No segundo, sua produção foi reunida em três volumes: Prosas (1923, 1926, 1931).
Foi com as Odes Modernas que Antero, muito jovem, fez-se conhecido em Portugal, desencadean-
do a famosa Questão Coimbrã, como informado acima. Nesse livro, seus versos são revolucionários, ico-
noclastas e irreverentes, motivo de haver mexido com os brios conservadores da crítica da época:

Eu quero perguntar aos Sacerdotes, Se a cúpula do Céu teve modelo


Que, chamando rebanho a seus irmãos, Na cúpula da Igreja? e se as estrelas,
Cuidam que Deus lhes cabe em duas mãos, Para alcançar licença de ser belas,
E todo o céu debaixo dos capotes; Foram pedir a alguém o santo-selo?
Quero-os interrogar – porque, em verdade, Se foi Deus, quando o sol saiu do abismo,
Se saiba qual mais val, se o pau se a cruz?... Que à luz do infinito o batizou;
Se o sol ao círio deu a sua luz, Ou se algum bispo foi que o sustentou,
Ou deu o círio ao sol da claridade?... Inda infante, nas fontes do batismo? (QUENTAL, 2008)

Percebe-se nesse trecho do poema “Pater” a atitude anticlerical e antirreligiosa típica do Realismo.
O sarcasmo é evidente, ampliado pela estratégia de perguntas irreverentes e blasfemas.
Se a obra de juventude mostra seu interesse e vigor pela disposição de afrontar, a produção de
maturidade de Antero nos descortina uma poesia mais atormentada. O tormento vem de uma série
de dilemas existenciais experimentados pelo poeta e filósofo a partir de sua vida adulta. Havia nele

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
O Realismo: 1865-1890 | 145

uma disposição pelas grandes lutas coletivas, pela revolução, mas também era vítima de uma gra-
ve consciência das questões últimas de todo o indivíduo: o sentido da vida, o da morte, a imortalidade
da alma. Antero por vezes demonstrava aquela confiança típica de sua geração na ciência e na raciona-
lidade humanas, porém, em outros momentos, se dava conta da futilidade dessas faculdades em res-
ponder às angústias do indivíduo.

Tese e antítese II
Já não sei o que vale a nova ideia, Num céu intemerato e cristalino
Quando a vejo nas ruas desgrenhada, Pode habitar talvez um Deus distante,
Torva no aspecto, á luz da barricada, Vendo passar em sonho cambiante
Como bacante após lúbrica ceia! O Ser, como espetáculo divino.
Sanguinolento o olhar se lhe incendeia... Mas o homem, na terra onde o destino
Respira fumo e fogo embriagada... O lançou, vive e agita-se incessante...
A deusa de alma vasta e sossegada Enche o ar da terra o seu pulmão possante...
Ei-la presa das fúrias de Medéia! Cá da terra blasfema ou ergue um hino...
Um século irritado e truculento
Chama à epilepsia pensamento, A ideia encarna em peitos que palpitam:
Verbo ao estampido de pelouro e obuz... O seu pulsar são chamas que crepitam,
Paixões ardentes como vivos sóis!
Mas a ideia é num mundo inalterável,
Num cristalino céu, que vive estável...
Tu, pensamento, não és fogo, és luz! Combatei pois na terra árida e bruta,
Té que a revolva o remoinhar da luta,
Té que a fecunde o sangue dos heróis! (QUENTAL, 2008)

Nesse poema, composto de dois sonetos, o próprio título e a própria forma adotada já exprimem
o dilaceramento do poeta. À necessidade de implantar uma ideia aqui na terra, certamente a revolução,
se contrapõe o horror das lutas que se seguem. No entanto, a ideia, que é chama e sofrimento na men-
te dos homens, é um ser divino e impassível numa dimensão transcendente. Duas realidades opostas e
irreconciliáveis, tese e antítese incapazes de uma síntese para o inconstante e mortal ser humano.

Outros poetas realistas


Além de Antero de Quental, vale destacar ainda os nomes de Guerra Junqueiro (1850-1923),
Gomes Leal (1848-1921) e Cesário Verde. Este último é dono de uma obra singular e característica.
José Joaquim Cesário Verde nasceu em Lisboa, em 1855. Filho de uma família de comerciantes,
dedicou-se desde cedo aos negócios dos pais. Estudou por pouco tempo no Curso Superior de Letras,
onde se tornou amigo íntimo de Silva Pinto. Em 1873, publicou pela primeira vez seus poemas no Diário
de Notícias. Continuou publicando seus versos em jornais até morrer em 1886, aos 31 anos, vítima da tu-
berculose. No ano seguinte à sua morte, Silva Pinto coligiu os poemas do amigo e publicou O Livro de
Cesário Verde.
Sua produção pode ser classificada como “poesia do cotidiano”. Bem próximo dos princípios rea-
listas que tematizavam o tempo contemporâneo e a realidade material, Cesário Verde desejava cantar
o cotidiano mais prosaico, escapando assim dos temas nobres: amor, morte, subjetividade, que faziam
parte do repertório romântico. No entanto, sua poesia trazia um jogo entre objetividade e subjetivida-
de que lhe é muito peculiar. Assim, a percepção objetiva da realidade passa pelo crivo de sua subjetivi-
dade, gerando um conjunto de imagens bastante originais e críticas dessa realidade:
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,
mais informações www.iesde.com.br
146 | O Realismo: 1865-1890

III — Ao Gás E lembram-me, ao chorar doente dos pianos,


E saio. A noite pesa, esmaga. As freiras que os jejuns matavam de histerismo
Nos Passeios de lajedo arrastam-se as impuras. Num cutileiro, de avental, ao torno,
Ó moles hospitais! Sai das embocaduras Um forjador maneja um malho, rubramente;
Um sopro que arrepia os ombros quase nus. E de uma padaria exala-se, inda quente,
Cercam-se as lojas, tépidas. Eu penso Um cheiro salutar e honesto a pão no forno.
Ver círios laterais, ver filas de capelas, E eu que medito um livro que exacerbe,
Com santos e fiéis, andores, ramos, velas, Quisera que o real e a análise mo dessem;
Em uma catedral de um comprimento imenso. Casas de confecções e modas replandecem;
As burguesinhas do Catolicismo Pelas vitrines olha um ratoneiro imberbe.
(VERDE, 2008)
Resvalam pelo chão minado pelos canos;

Percebe-se nesse trecho de “O sentimento dum ocidental” como todos os tipos humanos têm seu
lugar: prostitutas, carolas, artesãos, trabalhadores. Na segunda estrofe, há uma fusão entre a descrição
fiel que se fazia da rua e a sensação do eu poético de estar vendo um longo átrio de igreja. Lojas, vitrines,
postes de luz e asfalto se reconfiguram na sensibilidade do poeta e transformam-se num lugar ironica-
mente sagrado: a rua de comércio resplandecente torna-se o templo do homem moderno, o templo do
consumo, ao qual corresponde a nova religião – o consumismo – praticada especialmente pelos bur-
gueses do final do século XIX.

A prosa realista
Na prosa de ficção realista portuguesa, incluindo-se romances e contos, destacam-se nomes
como Abel Botelho (1854-1917), que escreveu o romance O Barão de Lavos (1891), de viés naturalista,
obra que aborda pela primeira vez a homossexualidade em Portugal. Fialho de Almeida (1857-1911),
importante contista, deixou-nos as coletâneas Contos (1881), A Cidade do Vício (1882) e O País das Uvas
(1893). Temos ainda outros nomes significativos, como Ramalho Ortigão e Oliveira Martins, mas que se
destacaram principalmente no jornalismo e na prosa intelectual.
Há, porém, uma figura cuja estatura literária e intelectual acaba obscurecendo esses seus con-
temporâneos: Eça de Queirós. Para fins didáticos, vamos dividir sua produção em jornalismo e ficção.

Eça jornalista
José Maria Eça de Queirós nasceu em Póvoa de Varzim, em 1845. Estudou Direito em Coimbra
e fez parte da agitada geração acadêmica daquele período, entusiasmada com as ideias de Proudhon
e de Comte. Foi amigo de Antero de Quental, Teófilo Braga e outros envolvidos com a Questão Coimbrã.
Terminada a universidade, muda-se para Lisboa e escreve crônicas e folhetins para a Gazeta de Portugal,
diário de certa importância da capital, de 1865 a 1867. Nesse meio tempo, Eça vai para a cidade de

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
O Realismo: 1865-1890 | 147

Évora, interior de Portugal, onde funda, redige sozinho e comercializa um jornal de oposição chamado
O Distrito de Évora, numa fantástica experiência tanto empresarial quanto jornalística. O projeto vai de
janeiro de 1867 até agosto do mesmo ano, quando retorna para Lisboa e se filia ao já mencionado gru-
po do Cenáculo (1868), capitaneado por Antero.
Em 1869, viajou ao Egito para acompanhar a inauguração do Canal de Suez. No regresso, partici-
pou das Conferências do Casino (1871), já comentadas, e em seguida foi para Leiria como administrador
do Concelho, condição para que pudesse ingressar na carreira diplomática. De sua estada em Leiria (seis
meses) veio a inspiração para O Crime do Padre Amaro (1875). Aprovado em concurso, foi nomeado cônsul
em Havana (1873). No ano seguinte foi transferido para Newcastle upon Tyne (Inglaterra). Dali é transferido
para Bristol onde fica até 1878. Finalmente consegue sua desejada nomeação para Paris. Nesse período se
casou, teve quatro filhos. Morando na periferia de Paris e cercado de familiares e amigos, faleceu em 1900.
Além das duas experiências jornalísticas de juventude, conforme anteriormente comentado, Eça
ainda colaborou com os seguintes órgãos de imprensa:
::: As Farpas, uma revista de pequenas proporções que ele fundou e dirigiu junto com Ramalho
Ortigão de 1871 a 1872;
::: A Actualidade, jornal do Porto, de 1877 a 1878, em que colaborou como correspondente na
Inglaterra;
::: A Gazeta de Notícias do Rio de Janeiro, de 1880 a 1897, em que, além de correspondente, foi
também o diretor de seu Suplemento Literário, o primeiro publicado no Brasil;
::: A Revista de Portugal, projeto ambicioso de uma revista ilustrada que Eça fundou e coordenou
de 1889 a 1892;
::: Revista Moderna, também uma revista ilustrada de propriedade de um empresário brasileiro.
Eça dirigiu a revista de 1897 a 1899.
Em vista de semelhante participação na imprensa, teve uma importante atuação junta à forma-
ção intelectual de muitos portugueses e brasileiros, o que o transformou numa referência intelectual no
Brasil e em Portugal.

Eça romancista
Apesar de ter sido muito famoso como jornalista, é como romancista que Eça de Queirós vai pas-
sar para a posteridade. Sua produção romanesca não é muito extensa, mas é de grande qualidade,
sendo que, apesar de reconhecido como o mais importante escritor realista, ele experimentou outros
gêneros e estilos que se afastavam dessa corrente.
Podemos dividir suas obras conforme a seguir:
::: romances publicados em vida: O Crime do Padre Amaro, 1876 (segunda versão); O Primo Basílio,
1878; O Mandarim, 1880; A Relíquia, 1887; Os Maias, 1888;
::: romances semipóstumos (que chegaram a ter alguma divulgação ou revisão antes da morte
de Eça, mas só foram publicados por inteiro após seu falecimento): A Ilustre Casa de Ramires,
1900; A Cidade e as Serras, 1901;

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
148 | O Realismo: 1865-1890

::: romances e novelas póstumos e inconclusos: A Capital (1925); O Conde de Abranhos (1925);
Alves & Cia. (1925); A Tragédia da Rua das Flores (1980).
Entretanto, essa não é a única divisão possível da obra eciana. Há também um certo consenso
por parte da crítica sobre a existência de duas fases na vida do romancista. A primeira seria aquela dos
romances marcadamente realistas, que vai do Crime do Padre Amaro até Os Maias. Após a publicação
deste último, a escrita dos romances de Eça teria sofrido certas mudanças e se distanciado das balizas
realistas, algo que teria ocorrido com A Ilustre Casa e A Cidade e as Serras.

O Eça da primeira fase


Nessa fase, Eça vai publicar suas histórias mais contundentes em termos de crítica à sociedade
portuguesa e, também, mais polêmicas e, poderíamos dizer, escandalosas. Seguindo os princípios rea-
listas, seu primeiro romance, O Crime do Padre Amaro, é de um anticlericalismo atroz. O escritor portu-
guês delineia um amplo quadro da vida dos clérigos numa pequena cidade interiorana, Leiria. Nele, os
padres são glutões, avarentos, ambiciosos, lascivos e, em suma, corruptos e corruptores. Amaro, um jo-
vem padre que assume a igreja da Sé em Leiria, seduz uma moça carola, Amélia, com quem tem um fi-
lho. Apesar do caso terminar em tragédia, o final do livro mostra um Amaro, anos mais tarde, bem posto
na carreira eclesiástica, sem remorsos e, tendo como única lição de todo o infortúnio, a consciência de
que só deveria se envolver com mulheres casadas.
No capítulo XXV desse romance, o padre Amaro se encontra com o cônego Dias no centro de
Lisboa e eles falam sobre os acontecimentos da Comuna de Paris:
Então indignaram-se contra essa turba de maçons, de republicanos, de socialistas, gente que quer a destruição de tudo
o que é respeitável – o clero, a instrução religiosa, a família, o exército e a riqueza... Ah! a sociedade estava ameaçada
por monstros desencadeados! Eram necessárias as antigas repressões, a masmorra e a forca. Sobretudo inspirar aos ho-
mens a fé e o respeito pelo sacerdote.
– Aí é que está o mal, disse Amaro, é que nos não respeitam! Não fazem senão desacreditar-nos... Destroem no povo a
veneração pelo sacerdócio...
– Caluniam-nos infamemente, disse num tom profundo o cônego.
Então junto deles passaram duas senhoras, uma já de cabelos brancos, o ar muito nobre; a outra, uma criaturinha del-
gada e pálida, de olheiras batidas, os cotovelos agudos colados a uma cinta de esterilidade, pouff enorme no vestido,
cuia forte, tacões de palmo.
– Cáspite! disse o cônego baixo, tocando o cotovelo do colega. Hein, seu padre Amaro?... Aquilo é que você queria con-
fessar.
– Já lá vai o tempo, padre-mestre, disse e pároco rindo, já as não confesso senão casadas!
O cônego abandonou-se um momento a uma grande hilaridade... (QUEIRÓS, 2008)

Apesar do tema forte e provocativo, O Crime do Padre Amaro passou despercebido pelo públi-
co. Somente com O Primo Basílio, Eça viria a conhecer a fama e o reconhecimento. Nesse segundo
romance, nosso autor vai abordar o adultério. Podemos dizer que ele providencia a versão portu-
guesa de Madame Bovary. Agora seu alvo é a pequena burguesia lisboeta. Luísa, jovem esposa de
um graduado funcionário público, se aproveita de uma viagem a serviço do marido para se entre-
gar aos prazeres com um primo, namorado de infância, que retornara a Portugal depois de longa
ausência. Basílio, o tal primo, é um cafajeste de posses e se diverte com a prima, alimentando-lhe
os sonhos românticos. Saciado, Basílio parte para o exterior e deixa Luísa em palpos de aranha com

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
O Realismo: 1865-1890 | 149

sua criada, Juliana, que se apossara de cartas comprometedoras e passa a chantagear Luísa. Tudo
se resolve da pior maneira possível, demonstrando a falta de princípios e o individualismo exacer-
bado dessa classe média.
No capítulo VII de O Primo Basílio, Luísa e Basílio discutem no “Paraíso” (quarto imundo que ele ha-
via alugado para os encontros), e ela resolve ir embora:
– Vais-te, Luísa?
– Vou. É melhor acabarmos por uma vez...
Ele segurou o fecho da porta rapidamente.
– Falas sério, Luísa?
– Decerto. Estou farta!
– Bem. Adeus.
Abriu a porta para a deixar passar, curvou-se silenciosamente.
Ela deu um passo, e Basílio com a voz um pouco trêmula:
– Então, é para sempre? Nunca mais?
Luísa parou, branca. Aquela triste palavra nunca mais deu-lhe uma saudade, uma comoção. Rompeu a chorar.
As lágrimas tornavam-na sempre mais linda. Parecia tão dolorida, tão frágil, tão desamparada!...
Basílio caiu-lhe aos pés: tinha também os olhos úmidos.
– Se tu me deixares, morro!
Os seus lábios uniram-se num beijo profundo, longo, penetrante. A excitação dos nervos deu-lhes momentaneamente
a sinceridade da paixão; e foi uma manhã deliciosa.
Ela prendia-o nos braços nus, pálida como cera, balbuciava:
– Não me deixes nunca, não?
– Juro-te! Nunca, meu amor! (QUEIRÓS, 2008)

O discurso amoroso de ambas as partes é, no limite, falso, pois Luísa se envolve com Basílio por
simples tédio e Basílio conquista Luísa por diversão. Denuncia-se, assim, a falta de valores consistentes
da burguesia.
Em Os Maias, Eça visa a alta burguesia portuguesa. Sofisticada e cosmopolita, essa classe não pos-
sui qualquer responsabilidade com o país e seu povo, apenas usufruindo o que a nação possa lhe dar
de bom, e pronta para “abandonar o navio” a qualquer contratempo. O charmoso e elegante Carlos da
Maia, modelo maior de dandy e perfeito representante da elite econômica, usa sua alta formação de
maneira totalmente diletante, sem propósitos concretos e sem dar a sua existência qualquer significa-
do mais elevado. Envolve-se apaixonadamente com a amante de um outro endinheirado, e acaba por
montar-lhe uma confortável casa nos arredores de Lisboa. Nessa situação idílica, Carlos descobre que a
amante, Maria Eduarda, era sua irmã de sangue. A mãe de Carlos havia abandonado o lar quando este
era ainda muito pequeno e levara com ela a filha, mais nova do que Carlos, para viver uma aventura
amorosa pela Europa, e nunca mais dera notícias.
Assim resumida, a história parece rocambolesca, mas não é. Estruturado com rigor, o enredo se
desenvolve entre cenas da high society lisboeta, tornando plausível o caso de incesto. Já nesse livro Eça
dá sinais de mudanças no seu estilo literário, o tema é ainda chocante, mas há menos crítica direta, me-
nos denúncia sarcástica das mazelas dos homens que deveriam comandar os destinos da nação por-
tuguesa. Na verdade, o escritor passa a utilizar uma estratégia literária mais sutil, apesar de não menos

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
150 | O Realismo: 1865-1890

competente, de denunciar, por meio da estruturação do romance, abrindo mão do ataque direto, a fal-
ta de compromisso da alta burguesia com os caminhos da nação.
Vejamos esta conversa entre o grupo de amigos de Carlos, em que se discutem os graves proble-
mas financeiros do país durante um lauto jantar. O principal convidado é Cohen, um banqueiro que tem
informações privilegiadas, que ouve uma indagação de João da Ega, melhor amigo de Carlos da Maia:
– Então, Cohen, diga-nos você, conte-nos cá... O empréstimo faz-se ou não se faz?
E acirrou a curiosidade, dizendo para os lados, que aquela questão do empréstimo era grave. Uma operação tremen-
da, um verdadeiro episódio histórico!...
O Cohen colocou uma pitada de sal à beira do prato, e respondeu, com autoridade, que o empréstimo tinha de se re-
alizar absolutamente. Os empréstimos em Portugal constituíam hoje uma das fontes de receita, tão regular, tão indis-
pensável, tão sabida como o imposto. A única ocupação mesmo dos ministérios era esta – cobrar o imposto e fazer o
empréstimo. E assim se havia de continuar...
Carlos não entendia de finanças: mas parecia-lhe que, desse modo, o país ia alegremente e lindamente para a bancarrota.
– Num galopezinho muito seguro e muito a direito, disse o Cohen, sorrindo. Ah, sobre isso, ninguém tem ilusões, meu
caro senhor. Nem os próprios ministros da fazenda!... A bancarrota é inevitável: é como quem faz uma soma...
Ega mostrou-se impressionado. Olha que brincadeira, hein! E todos escutavam o Cohen. Ega, depois de lhe encher o cá-
lice de novo, fincara os cotovelos na mesa para lhe beber melhor as palavras.
– A bancarrota é tão certa, as coisas estão tão dispostas para ela – continuava o Cohen – que seria mesmo fácil a qual-
quer, em dois ou três anos, fazer falir o país...
Ega gritou sofregamente pela receita. Simplesmente isto: manter uma agitação revolucionária constante; nas vésperas
de se lançarem os empréstimos haver duzentos maganões decididos que caíssem à pancada na municipal e quebras-
sem os candeeiros com vivas à República; telegrafar isto em letras bem gordas para os jornais de Paris, Londres e do Rio
de Janeiro; assustar os mercados, assustar o brasileiro, e a bancarrota estalava. Somente, como ele disse, isto não con-
vinha a ninguém. (QUEIRÓS, 2008)

O jogo aqui é que o leitor perceba a posição dos personagens: todos bem de vida, fruindo um
saboroso convívio, alguns deles em postos de comando no país (o caso de Cohen, diretor do Banco
Nacional) e discutindo os problemas da nação como se fosse um assunto bizantino. Eça abria mão de
um discurso mais contundente por uma estratégia literária muito mais irônica e mais interessante em
termos estéticos e críticos.

O Eça da segunda fase


Os dois últimos romances de Eça de Queirós, A Ilustre Casa de Ramires e A Cidade e as Serras têm
sido desde sempre um ponto problemático para a crítica queirosiana. Obras póstumas ou semipóstu-
mas, como querem alguns, esses romances já trazem em sua origem uma série de dúvidas de difícil
solução. Mas, além disso, ambas representam uma mudança de rumo na produção de Eça, tanto em ter-
mos estéticos quanto em conteúdo crítico, cuja falta de desdobramentos e de explicações por parte do
próprio autor, devido ao seu falecimento, deram vazão a inúmeras especulações.
Atendo-se apenas às principais e mais radicais correntes de interpretação, vale destacar o uso
feito pela propaganda salazarista dessas obras, na qual o último Eça era visto como apologista de um
Portugal tradicional, fundado em profundos princípios nacionais que possibilitavam à nação, em mea-

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
O Realismo: 1865-1890 | 151

dos dos novecentos, ser uma ilha de tranquilidade no meio de uma Europa conturbada. Em parte como
reação à semelhante leitura, uma corrente da crítica de viés mais à esquerda, e comprometida com a
oposição à ditadura de Salazar, vê os dois últimos romances como trabalhos menores e, pior, como
abandono e traição dos ideais revolucionários que o autor de Primo Basílio havia abraçado no início de
sua carreira.
O crítico brasileiro Antonio Candido chegou a uma posição mais conciliadora. Disse ele:
Como Eça não se libertou da velha ética, era de esperar que o seu Socialismo e a sua irreverência acabassem por ser,
não vencidos, que nunca o foram, mas equilibrados, compensados, pela irrupção dos antigos valores recalcados: sen-
tido rural da vida; acatamento da tradição; conformismo em relação aos poderes estabelecidos; senso poético, em vez
de destruidor, da cultura portuguesa. (CANDIDO, 1964, p. 50)

Ou seja, o escritor português fez uma opção por uma representação mais equilibrada do seu país,
sem perder a marca crítica, mas procurando também uma autenticidade maior naquilo que havia de
positivo e esperançoso em Portugal. Podemos talvez perceber isso no personagem Gonçalo de A ilustre
Casa de Ramires: apesar de inseguro e, por vezes, imoral, esse aristocrata rural decadente faz um enorme
esforço para escrever uma novela histórica sobre sua antiga família e conseguir ser eleito para o parla-
mento português. No final do romance, o personagem João Gouveia, amigo de Gonçalo, faz a seguinte
análise do herói dessa obra para vários amigos a sua roda:
— Talvez se riam. Mas eu sustento a semelhança. Aquele todo de Gonçalo, a franqueza, a doçura, a bondade, a imen-
sa bondade, que notou o Senhor Padre Soeiro... Os fogachos e entusiasmos, que acabam logo em fumo, e juntamente
muita persistência, muito aferro quando se fila à sua ideia... A generosidade, o desleixo, a constante trapalhada nos ne-
gócios, e sentimentos de muita honra, uns escrúpulos, quase pueris, não é verdade?... A imaginação que o leva sempre
a exagerar até à mentira, e ao mesmo tempo um espírito prático, sempre atento à realidade útil. A viveza, a facilidade
em compreender, em apanhar... A esperança constante nalgum milagre, no velho milagre de Ourique, que sanará to-
das as dificuldades... A vaidade, o gosto de se arrebicar, de luzir, e uma simplicidade tão grande, que dá na rua o bra-
ço a um mendigo... Um fundo de melancolia, apesar de tão palrador, tão sociável. A desconfiança terrível de si mesmo,
que o acovarda, o encolhe, até que um dia se decide, e aparece um herói, que tudo arrasa... Até aquela antiguidade de
raça, aqui pegada à sua velha Torre, há mil anos... Até agora aquele arranque para a África... Assim todo completo, com
o bem, com o mal, sabem vocês quem ele me lembra?
- Quem?...
- Portugal. (QUEIRÓS, 2008)

Dicas de estudo
::: A Biblioteca Nacional de Portugal possui uma homepage muito bonita e informativa em ho-
menagem a Eça de Queirós: <http://purl.pt/93/1/>.
::: Há uma nova e interessante biografia de Eça de Queirós: Mónica, M. F. Eça de Queirós. Lisboa:
Quetzal, 2001.
::: Em celebração aos 150 anos de nascimento de Eça, a USP publicou os Anais do III Encontro
Internacional de Queirosianos. S. Paulo: Centro de Estudos Portugueses, 1997.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
152 | O Realismo: 1865-1890

Texto complementar

O senhor ministro do Reino


(QUEIRÓS, 2008)
O senhor ministro do Reino fez entregar por um empregado de polícia ao senhor Zagalo, dire-
tor do Casino, um papel – reacionário pela intenção, mas demagógico pela gramática – em que se
notificava que, por ordem superior, estavam fechadas as conferências democráticas.
Conheces já decerto, leitor sensato e honrado, o protesto dos conferentes, a adesão de outros
cidadãos, a opinião da imprensa...
E achas certamente na tua consciência que este ato do senhor marquês de Ávila, não tendo de
certo modo equidade, não tem de modo algum legalidade; que é sobretudo profundamente inábil;
e que o senhor marquês, dando um golpe de Estado contra alguns escritores que no Casino faziam
crítica de história e de literatura, foi criar uma atitude política onde só havia um intuito científico.
[...]
Vejamos a legalidade do fato. Num país constitucional, tem-se sempre aberta sobre a mesa a
Carta Constitucional – ou para descansar nela o charuto, ou para tirar dela um argumento. Diz a Car-
ta no seu artigo 145.º:
A inviolabilidade dos direitos civis e políticos dos cidadãos portugueses..., é garantida pela Consti-
tuição do Reino, pela maneira seguinte:
§3º Todos podem comunicar o seu pensamento por palavras e escritos, e publicá-los pela imprensa
sem dependência de censura, contanto que hajam de responder pelos abusos que cometerem no exer-
cício desse direito.
Temos, pois, adquiridos à certeza dois pontos:
1.º Que todo o cidadão pode publicar o seu pensamento falando ou escrevendo;
2.º Que o cidadão fica responsável pelo abuso do seu direito.
Por consequência, logo na primeira conferência:
1.º O Senhor Antero de Quental podia falar sobre a religião em toda a liberdade da sua opi-
nião;
2.º Se abusasse, o Senhor Antero de Quental respondia pelo abuso.
É lógico. Ora quem torna efetiva a responsabilidade desse abuso?
[...]
As conferências que se seguiram foram, uma sobre crítica literária contemporânea, outra sobre
o realismo, como nova expressão da arte, a terceira sobre o ensino e as suas reformas. Em que ataca-
vam estas a religião ou as instituições políticas?

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
O Realismo: 1865-1890 | 153

[...]
Ora, segundo o citado artigo da Carta, só se pode coibir a liberdade de pensamento quando
houver abuso: e como esse abuso não existia, pelo simples motivo que a conferência ainda não fora
feita, e por consequência o pensamento não fora manifestado – segue-se que o senhor ministro do
Reino violou a Carta, se esta palavra violar ainda se pode empregar a respeito da Carta, sem atrair
sorrisos maliciosos sobre tão insensata metáfora.
Ao ministro cabia unicamente o direito de fazer processar o Senhor Antero de Quental. Isso era
a lógica, o bom senso, a legalidade.
Do que o ministro não tem o mínimo direito é da rude supressão da palavra a preletores de lite-
ratura, de arte e de pedagogia. Fazendo, como fez, tal supressão está fora da lei, fora do espírito do
tempo, quase fora da humanidade.
[...]
Seria portanto possível responder à portaria do senhor marquês de Ávila com o instrumento
seguinte:
– «Requeiro à Câmara dos Deputados que torne efetiva a responsabilidade do senhor ministro
do Reino, procedendo contra ele como infrator do §3º do art. 145.º da Carta Constitucional – segun-
do me é permitido pelo §28.º do citado artigo.»
Tanto em relação ao preletor que abusou da liberdade, segundo a Carta, como para o ministro
que infringiu a lei, segundo a mesma Carta, temos até aqui argumentado com a legalidade.
Agora a equidade:
Que se quis fazer calar nas conferências? Foi a crítica política? Para que se deixa então circular
no País os livros de Proudhon, de Girardin, de Luís Blanc, de Vacherot?
Foi a crítica religiosa? Para que se consente então que atravessem a fronteira ou a alfândega os
livros de Renan, de Strauss, de Salvador, de Michelet?
Sejamos lógicos; fechemos as conferências do Casino onde se ouvem doutrinas livres, mas ex-
pulsemos os livros onde se leem doutrinas livres. Ouvir ou ler dá os mesmos resultados para a in-
teligência, para a memória, e para a ação: é a mesma entrada para a consciência por duas portas
paralelas. Façamos calar o Senhor Antero de Quental, mas proibamos na alfândega a entrada dos li-
vros de Vitor Hugo, Proudhon, Langlois, Feuerbach, Quinet, Littré, toda a crítica francesa, todo o pen-
samento alemão, toda a ideia, toda a história. Dobremos a cabeça sobre a nossa ignorância e sobre a
nossa inércia, e deixemo-nos apodrecer, mudos, vis, inertes, na torpeza moral e no tédio.
Nós não queremos também que num país como este, ignorante, desorganizado, se lance atra-
vés das ambições e das cóleras o grito de revolta! Queremos a revolução preparada na região das
ideias e da ciência; espalhada pela influência pacífica de uma opinião esclarecida; realizada pelas
concessões sucessivas dos poderes conservadores; – enfim uma revolução pelo Governo, tal como
ela se faz lentamente e fecundamente na sociedade inglesa. É assim que queremos a revolução.
Detestamos o facho tradicional, o sentimental rebate de sinos; e parece-nos que um tiro é um argu-
mento que penetra o adversário – um tanto de mais!
[...]

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
154 | O Realismo: 1865-1890

Homens que escutam gravemente uma voz que fala de justiça, de moral, de arte, de civilização
– isso é proibido com tanta violência que se salta por cima da Carta para o proibir! a isso manda-se a
polícia dar duas voltas à chave! Miserere! Miserere!

Atividades
1. Quais são os pressupostos históricos do Realismo?

2. O Realismo buscou seus fundamentos filosóficos e intelectuais em que correntes do pensamento


europeu?

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
O Realismo: 1865-1890 | 155

3. Quais eram os objetivos das Conferências do Casino de 1871?

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
156 | O Realismo: 1865-1890

Referências
CANDIDO, Antonio. Entre campo e cidade. In: _____. Tese e Antítese. São Paulo, Companhia Editora
Nacional, 1964.
_____. O Estudo Analítico do Poema. São Paulo: FFCHL∕USP, S∕d.
FARO, Arnaldo. Eça e o Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional/Edusp, 1977.
MARTINS, Ana Maria Almeida. O Essencial sobre Antero de Quental. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa
da Moeda, 2001.
MATOS, A. Campos (org. ). Dicionário de Eça de Queirós. Lisboa: Caminho, 1988.
MATTOSO, José. História de Portugal: a segunda fundação – 1890-1926. Lisboa: Editorial Estampa,
1993.
_____. História de Portugal: o liberalismo. Lisboa: Estampa, 1993.
MEDINA, João. Eça Político. Lisboa: Seara Nova, 1974.
MINÉ, Elza. Eça de Queirós: jornalista. Lisboa: Livros Horizonte, 1986.
_____. Eça jornalista no Brasil. In: Abdala Júnior, Benjamin (org. ). Ecos do Brasil. São Paulo: Senac,
2000.
MÓNICA, Maria Filomena. Eça de Queirós. Lisboa: Quetzal, 2001.
_____. Eça de Queirós, Jornalista. Cascais: Principia, 2003.
NEGREIROS, José de Almada. Manifesto AntiDantas e por extenso por José de Almada-Negreiros
poeta d’Orpheu Futurista e tudo. Lisboa: Instituto da Biblioteca Nacional e do Livro, 1993.
QUENTAL, Antero de. Antologia. Disponível em: <http://www. dominiopublico. gov. br/download/tex-
to/bv000027. pdf>. Acesso em: 6 ago. 2012.
QUEIRÓS, Eça de. A Ilustre Casa de Ramires. Disponível em: <http://www. dominiopublico. gov. br/do-
wnload/texto/bi000142. pdf>. Acesso em: 6 ago. 2012.
_____. O Crime do Padre Amaro. Disponível em: <http://www. dominiopublico. gov. br/download/tex-
to/bv000082. pdf>. Acesso em: 6 ago. 2012.
_____. O Primo Basílio. Disponível em: <http://www. dominiopublico. gov. br/download/texto/
bi000143. pdf>. Acesso em: 6 ago. 2012.
_____. Obra Completa, volumes I e II. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997.
_____. Obra Completa, volumes III e IV. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2000.
_____. Os Maias. Disponível em: <http://www. dominiopublico. gov. br/download/texto/bv000083. pdf>.
Acesso em: 6 ago. 2012.
_____. Uma Campanha Alegre. Disponível em: <http://www. dominiopublico. gov. br/download/texto/
eq000007. pdf> Acesso em: 6 ago. 2012.
REIS, Carlos (org. ). História da Literatura Portuguesa. Lisboa: Alfa, 2001. v. 5
_____; PIRES, Maria da Natividade. História Crítica da Literatura Portuguesa. 2. ed. Lisboa: Verbo, 1999.
v. 5.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
O Realismo: 1865-1890 | 157

REIS, Carlos (org. ). História da Literatura Portuguesa, volume 5. Lisboa: Alfa, 2001.
_____. Leitores brasileiros de Eça de Queirós: algumas reflexões. In: ABDALA JÚNIOR, Benjamin. Ecos do
Brasil. São Paulo: Senac, 2000.
REIS, Ricardo. Não a ti, Cristo. Disponível em: <http://www. revista. agulha. nom. br/fp343. html>.
Acesso em: 31 jul. 2012.
_____. Poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
_____. Vem Sentar-te Comigo, Lídia, à Beira do rio. Disponível em: <http://www. revista. agulha. nom.
br/fpesso25. html>. Acesso em: 31 jul. 2012.
RIBEIRO, Bernardim. História de Menina e Moça. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.
RIBEIRO, Maria A. História Crítica da Literatura Portuguesa. Lisboa: Verbo, 1994. v. VI.
ROSA, Alberto Machado. Eça, Discípulo de Machado. Lisboa: Presença, [s/d].
VERDE, Cesário. Poesias Completas. Disponível em: <http://www. dominiopublico. gov. br/download/
texto/bv000070. pdf>. Acesso em: 6 ago. 2012.
WILLIAMS, Tennessee. Um Bonde Chamado Desejo. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

Gabarito
1. O Realismo surge no contexto da ascensão do proletariado como força sociopolítica, da organi-
zação dos movimentos trabalhistas e das ideias revolucionárias de cunho socialista. A Comuna
de Paris foi o apogeu desse processo histórico, constituindo-se na primeira experiência socialista
da história ocidental. A representação da nova classe social, dos trabalhadores, precisava ser feita
com uma estética que fosse ligada àquele tempo e à vida cotidiana.

2. O Empirismo tornou-se hegemônico no pensamento filosófico do século XIX. Seus princípios ad-
mitiam que apenas pelos dados sensíveis e por métodos de observação e experimentação se
poderia atingir um conhecimento confiável. O Positivismo radicalizou essas ideias e propôs o mé-
todo científico como a única forma de redenção do homem, negando assim a validade da religião
e do pensamento metafísico. A estética realista adota os mesmos ideais de objetividade e cienti-
ficidade na elaboração da obra de arte.

3. O grupo de jovens intelectuais portugueses liderados por Antero de Quental queria despertar
a nação portuguesa para o debate ideológico, científico e cultural que se desenrolava nos pa-
íses mais desenvolvidos. As palavras de ordem das conferências foram Revolução, Democracia,
República e Socialismo, e o propósito era criticar as instituições portuguesas, fosse o governo, a
igreja, a educação ou a arte.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br
158 | O Realismo: 1865-1890

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,


mais informações www.iesde.com.br