Você está na página 1de 4

1

RESENHA

BOURDIEU , Pierre. Compreender . A miséria do mundo. Petrópolis, RJ:


Vozes, 1997 p.693-713

Autor : Erik e Cristina

Pierre Bourdieu nasceu em Denguin, 1 de agosto de 1930,Paris, morreu


23 de janeiro de 2002) foi um importante sociólogo francês., ingressa em 1951
na Faculdade de Letras, em Paris, na Escola Normal Superior e em 1954
gradua-se em Filosofia, assumindo a função de professor em Moulins em 1958
assume o cargo de professor assistente na Faculdade de Letras em Argel,
quando inicia sua pesquisa acerca da sociedade cabila. Desenvolve ao longo
das décadas de 1960 a 1980 farta obra, contribuindo significativamente para a
formação do pensamento sociológico do século XX.
Em seu texto compreender trata em um primeiro momento de questões
epistemológicas em torno do conhecimento, de fato trata-se de um texto que
discute e a reflexão da metodologia da pesquisa cientifica. “Epistemologia ou
teoria do conhecimento (do grego episteme, ciência, conhecimento; logos,
discurso) é um ramo da Filosofia que trata dos problemas filosóficos
relacionados com a crença e o conhecimento”, mas Bourdieu, nos leva a
pensar e refletir além do campo filosófico e a pensar e fazer,nos mostra as
diversas possibilidades de se pensar a sociedade.
De forma prática o texto traz dentro dessa linha de conhecimento e
metodológica científica a relação pesquisador e pesquisado, efeitos e
resultados sobre o mesmo e controle de possíveis distorções e que prefiro
chamar de variáveis, e que portanto em relações sociais diversas, essas
distorções não reconhecidas e controladas, sem os devidos conhecimentos e
controle sobre os mesmos pode ter sua pesquisa comprometida, e estabelece
2

que a reflexividade como é uma das aplicações práticas juntamente com o


conjunto de conhecimentos adquiridos mas que não são suficientes no controle
das variáveis sem um olhar sociológico no contexto em que esta inserido, que
lhe permite refletir sobre os próprios efeitos da pesquisa tendo em vista as
variáveis, tais distorções.
O autor ressalta um fator importante no sucesso de uma pesquisa, que é
o da comunicação que aliás concordo, sem uma boa comunicação pode levar
tudo a perder.e que o pesquisador tem que ter em mente os efeitos de uma
pergunta mal elaborada, atentando que as condições são mais desfavoráveis,
no sentido dele se colocar em uma situação em que se introduz em um lugar
sem qualidade para tal, é portanto, já uma condição um tanto arbitrária, mas
jamais inconveniente.
O reconhecimento desses efeitos e controle dessas variáveis em
relação a comunicação pode ser entendido como uma comunicação não
violenta, caso contrario é um pré-requisito ao fator de violência simbólica, é
como Bourdieu se refere a todo um conjunto de fatores, “Forma de coação que
se apóia no reconhecimento de uma imposição determinada, seja esta
econômica, social ou simbólica. A violência simbólica se funda na fabricação
contínua de crenças no processo de socialização, que induzem o indivíduo a se
posicionar no espaço social seguindo critérios e padrões do discurso
dominante.” A violência pode ser classificada pelo tipo de manifestação como
sendo física, sexual, psicológica e simbólica.
Todavia ha uma série de fatores que norteiam e são determinates em
uma pesquisa cientifica e dentro da comunicação é importante que há
estabeleça de forma agradável e interagindo com pesquizado, pode ser
entendido como uma linguagem leve e compreensivel para que se amenizem
os efeitos da “violencia simbólica” o mais importante que simplesmente extrair
suas respostas é interagir com os elementos e individuos e ambiente.
Relaçao mimetica, Bourdieu faz a seguinte analogia ao pesquizador,
vejamos mimetismo, “propriedade que tem certas especies vivas de confundir-
se pela forma ou pela cor com o meio ambiente, ou com individous de qualquer
3

outra especie”, ou seja, simplesmente imitar alguem o pesquizador tem que


desmpenhar papéis.
Bourdie, chama atenção pra todos esses detalhes , pois, o intuito é
extrair de forma espontânea e natural as sua respostas, para um fim científico
para que não ocorra certa aquiescência e sejam tão complacentes, pois esse
não é o objetivo e que por melhor que seja o pesquisador e o quão empenhado
e dedicado seja o pesquisador, nem sempre será possível desempenhar
papéis, pois, muitas vezes o pesquisador vai se deparar em condições de não
poder desenvolve-la, exemplo: quando a entrevista se da com um
desempregado ou seja, só o fato de estar desempregado gera uma situação
desconfortável, nessa linha de raciocínio Bourdieu propõe que o pesquisador o
interrogue através de outro que reúna as mesmas condições.
O autor refere-se a postura ética do pesquisador que paradoxalmente
use dos diverso recursos para dominar e neutralizar as dissimetrias sociais
sem ao mesmo tempo ser também indiferente a situação, “o sociólogo pode
obter do pesquisado mais distanciado de si socialmente que ela se sinta
legitimado a ser o que ele é se ele sabe se manifestar, pelo e especialmente
pelo conteúdo de suas perguntas, as quais sem fingir anular a distancia social
que os separa....”
Esta obra foi de fundamental importância na compreenção dos métodos
aplicados que visem uma melhor compreençao nos estudos e pesquisas
cientificas de outros povos e comunidades, que com certeza no ramo do
serviço social, nós futuros profissionais iremos nos deparar com as diversas
situações e que de forma bem expostas foram bem colocadas pela obra de
bourdieu.
Levando-nos a compreençao dos diversos fatores em que norteia o a
relação pesquisador e pesquisado e nos leva a refletir sobre as tais violência
simbólica, e como devemos atenuar tais variáveis e dominá-las assim como a
comunicação e a linguagem que adotamos e observar como e recebida pelo
interlocutor, não somente limitando-se a comunicação e sim interagindo com os
mesmos, e que apesar de toda pesquisa ter o caráter cientifico e não nos
pautarmos somente em todos esses conhecimentos adquiridos e sim ter a
4

sensibilidade acusada em relação ao pesquisado e não se portar indiferentes


as dissimetrias sociais e culturais respeitando a pluralidade e a diversidade de
culturas.