Você está na página 1de 2

GESTÃO POR PROCESSOS: Pequeno Resgate Histórico1

Sabe-se que os estudos de administração surgiram com força em meados do


século XX, com a teoria de administração científica de Frederick W. Taylor que
revolucionou a indústria com seu estudo sobre “tempos e movimentos” e sua forma
mecanicista de organizar os processos.
Conquanto, o século XVIII apresentou as primeiras mudanças na forma
organizada de trabalho. Naquele tempo, a sociedade era completamente dependente das
atividades agrícolas e dos especialistas artesanais e o continente Europeu vivia de forma
feudal. Mas a introdução das máquinas começou a mudar rapidamente aquela
sociedade.
Com a introdução das máquinas era preciso organizar o processo de produção ou
organizar o trabalho simplesmente. Neste momento, surge Adam Smith, que no clássico
A riqueza das nações, 1776, descreveu o novo sistema de produção organizando os
operários por funções e tarefas estruturadas, pela primeira vez, de forma processual.
Com a Revolução Industrial em marcha, se começou a pensar em processos de
negócios objetivando sempre o aumento da produtividade substituindo o modelo de
habilidades humanas que até então reinava em todo o mundo. Toda essa mudança
tecnológica não foi um mero processo automático, pois substituiu métodos já
estabelecidos em constante paradigma. Com isso, toda a sistemática de divisão de
tarefas, organização dos processos teve seu divisor de águas entre defensores e
detratores.
Um dos fatores mais marcantes deste advento das máquinas foi o protesto
ludittas2 que incendiaram fábricas, quebraram equipamentos e resistiram à exaustão
todo o processo de Revolução Industrial (CRUZ, 2005)..
Como conseqüência, segundo Tigre (2006), “a ciência não constituía uma
resposta ao objetivo de aumentar a produção de bens, de forma a atender às
necessidades humanas”. De qualquer forma, todas as transformações daquela época
influenciaram no desenvolvimento de melhores métodos de produção que transformasse
entradas em algo de valor agregado.

1
VIEIRA, Fagner – Bacharel em Administração – Gestão de Processos Universidade de Passo Fundo
2
Os ludittas foram um grupo de pessoas, de todas as classes sociais, que resistiram à mudança e a quebra do
paradigma artesanal. Eles surgiram em torno de 1811 e acredita-se que eram liderados por um líder imaginário
chamado General Ludd.
Segundo Cruz (2005), com o passar do tempo, o ser humano foi aprendendo
cada vez mais com seus erros e acertos e, próximo ao nosso tempo, surgiu uma área de
especialização dentro das organizações chamada de O&M ou Organização e Métodos.
A função desta área era estudar e racionalizar certos componentes dos processos de
negócios. Devido à visão estreita dos que a praticavam, a área nunca conseguiu uma
firmação sólida. Hoje, no entanto, fala-se em Gestão por Processos que vem resgatando
conceitos da área de O&M surgindo como uma inovação incremental ao processo de
aprendizagem das organizações orientadas à Gestão dos Processos de Negócios.

REFERENCIAL TEÓRICO

CRUZ, Tadeu. Sistemas, Métodos e Processos: administrando Organizações por meio


de Processos de Negócios. São Paulo: Atlas, 2005.

TIGRE, Paulo B. Gestão da Inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de


Janeiro: Elsevier, 2006.