Você está na página 1de 4

AVALIAÇÃO DE LINGUAGENS E CÓDIGOS E SUAS A) O eu lírico expressa um sentimento de cumplicidade com o

TECNOLOGIAS – LCT patrão, mostrando que a literatura é a arte mais próxima da


essência humana.
1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO B) Pode-se afirmar que o tema do texto remete à exploração do
homem pelo homem, exemplo de que a literatura é linguagem
01) Leia os versos a seguir: carregada de significado.
O poeta C) Os aspectos sonoros do texto, o uso da linguagem denotativa
declina de toda responsabilidade e os traços humanos comprovam que o poema é um exemplo de
na marcha do mundo capitalista arte da palavra.
e com suas palavras, intuições, D) As palavras “patrão” e “carvão” apresentam mais de um
símbolos e outras armas significado nos versos, possibilitando ao leitor entender o tema
promete ajudar do texto.
a destruí-lo E) O eu lírico considera que deve sempre servir ao patrão, a quem
como uma pedreira, uma floresta, chama “meu irmão”, sem questionamentos.
um verme
(Carlos Drummond de Andrade) 03) Leia o texto a seguir e responda ao que se pede.
Vocabulário
Declina – afasta-se. Como árbitros e jogadores de países diferentes se
comunicam num jogo de futebol?
Sobre as funções da literatura, leia as afirmações abaixo e marque
a opção que corresponde às ideias dos versos acima. Basicamente por gestos. A Fédération Internationale de
Football Association (Fifa), entidade que organiza o futebol
a) O caráter ficcional da literatura nos permite entrar em contato mundial, recomenda que os árbitros evitem ao máximo dar trela
com a nossa história, nossa trajetória como nação. b) Por meio da para os jogadores. Para se dirigir aos atletas, eles devem usar
convivência com os textos literários, que traçam tantos e diversos cinco sinais básicos. Três deles são na base da mímica mesmo,
destinos, a literatura acaba por nos oferecer possibilidades de feita com os braços: indicação de falta direta para o gol, falta
resposta a questões comuns a todos os seres humanos. indireta (pelo menos dois jogadores devem tocar na bola) e
c) A literatura acompanha a trajetória humana, pois os mundos vantagem (quando, apesar de ter havido uma infração, o time da
construídos por ela são completamente distintos dos mundos vítima continuou com a bola). Para os outros dois sinais, os
familiares. As pessoas que habitam esses mundos literários são árbitros contam com os famosos cartões: o amarelo representa
completamente distintas e vivem problemas totalmente uma advertência para o jogador que esteja abusando da violência
diferentes dos nossos. ou da indisciplina; e o vermelho manda o atleta se retirar de
d) A literatura tem o poder de transportar o ser humano, provocar campo. É claro que, na prática, os juízes improvisam vários
alegria ou tristeza, divertir ou emocionar. Ela nos oferece um gestos que não constam da regra oficial, principalmente quando
descanso dos problemas cotidianos, quando nos descortina o é necessário dar uma bronca em algum jogador que, apesar de ter
espaço do sonho e da fantasia. cometido uma falta dura, não merece ainda a advertência pelo
e) A literatura pode ter um papel fundamental: o de criticar a cartão amarelo.
realidade, em relação a causas sociais e políticas. Nesses casos, o juiz geralmente grita algumas frases em
inglês ou espanhol. "Todos os árbitros da Fifa são obrigados a
02) Leia o poema a seguir: ter noções básicas desses dois idiomas", afirma Gustavo Caetano
Rogério, diretor da escola de árbitros da Federação Paulista de
Grito negro Futebol. Vários jogadores entendem a bronca muito mais pela
entonação do que pelo conteúdo que sai da boca do homem do
Eu sou carvão! apito.
E tu arrancas-me brutalmente do chão (SUPERINTERESSANTE ESPECIAL. São Paulo: Abril, n. 6, ago. 2002. p. 41.)
e fazes-me tua mina, patrão.
Eu sou carvão! E tu acendes-me, patrão, Com base em seus estudos e no texto, marque a opção incorreta.
para te servir eternamente como força motriz
mas eternamente não, patrão. (A) Em uma partida de futebol, é possível haver comunicação
Eu sou carvão entre pessoas que falam línguas diferentes.
e tenho que arder sim; (B) Quando os juízes de futebol dizem alguma frase em inglês ou
queimar tudo com a força da minha combustão. espanhol, estão usando a linguagem verbal.
Eu sou carvão; (C) Quando os juízes usam cartões e gestos para comunicar aos
tenho que arder na exploração jogadores, estão usando a linguagem não verbal.
arder até às cinzas da maldição (D) Os juízes, ao improvisar gestos que não constam da regra
arder vivo como alcatrão, meu irmão, oficial, principalmente quando é necessário dar uma bronca em
até não ser mais a tua mina, patrão. algum jogador, utilizam somente a linguagem verbal.
Eu sou carvão. (E) Vários jogadores entendem a bronca muito mais pelos gestos
Tenho que arder e entonação de voz do árbitro do que pelas palavras.
queimar tudo com o fogo da minha combustão.
Sim! 04. Leia o trecho e responda à questão.
Eu sou o teu carvão, patrão. “É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que
(José Craveirinha – poeta africano) possibilitou a convivência humana e a comunicação total entre os
seres dotados de inteligência; ela é a menor partícula do
Assinale a opção correta a respeito do poema acima. entendimento das coisas. A palavra é o átomo da alma. ”
(Ziraldo. In: Vários autores. O futuro do livro – 60 visões. São Paulo, 2007. p. 74.)
Com base no conceito de “Linguagem” e nos dizeres de Ziraldo, Levando em conta tais aspectos e interpretando o texto misto dos
deduz-se que quadrinhos apresentados, podemos afirmar que:

(A) o homem é um ser exclusivamente social e assemelha-se aos (A) histórias em quadrinhos, por serem textos mistos (visual e
outros seres que vivem reunidos pela capacidade de julgar e escrito), não contêm linguagem plurissignificativa.
discernir, estabelecendo regras para a vida em sociedade. (B) ao registrar “Olhe bem, a vida te requisita…”, os autores dos
(B) há a necessidade de linguagem para que o homem possa se quadrinhos colocaram, na sequência, a figura de uma baleia,
comunicar com os outros e, juntos, estabelecerem um código de significando que a vida é ágil, nos persegue com violência e, não
vida em comum. raramente, nos mata.
(C) a linguagem, capacidade comunicativa somente dos seres (C) no segundo quadrinho, ao afirmar “A vida corre atrás da
humanos, constrói vínculos e possibilita a transmissão de gente, não adianta fugir”, a personagem usa linguagem
culturas. denotativa e, portanto, difícil de ser interpretada.
(D) a linguagem é apenas instrumento de comunicação. (D) apenas no quarto quadrinho existe linguagem
(E) a linguagem não é uma forma de interação com os outros. plurissignificativa.
(E) a linguagem usada pelos quadrinistas, na história, tem apelo
05) Leia os textos a seguir: plurissignificativo e desenvolve, de acordo com a informação e
formação do leitor, interpretações múltiplas.

6 Os textos a seguir foram escritos por Manuel Bandeira, poeta


brasileiro do século XX.

Texto I
Poema de finados

Amanhã que é dia dos mortos


Vai ao cemitério. Vai
E procura entre as sepulturas
A sepultura de meu pai.

Leva três rosas bem bonitas.


Ajoelha e reza uma oração.
Não pelo pai, mas pelo filho:
O filho tem mais precisão.

O que resta de mim na vida


É a amargura do que sofri.
Pois nada quero, nada espero.
Em verdade estou morto ali.

Texto II
Toada

Fui sempre um homem alegre.


Mas depois que tu partiste,
Perdi de todo a alegria:
Fiquei triste, triste, triste.
Nunca dantes me sentira
Tão desinfeliz assim:
É que ando dentro da vida
Sem vida dentro de mim.

Levando em consideração a linguagem e as ideias dos textos


apresentados, assinale a opção correta.

(A) Ambos os textos são literários: o poeta, por meio de uma


linguagem figurada, realiza uma mensagem objetiva da
realidade.
(B)Esses textos de Bandeira levam em consideração apenas o
plano da informação: transmitem, de modo denotativo,
informações a respeito do escritor.
(C) A mensagem e a linguagem desses dois textos são
semelhantes: expressam uma vida quase inútil, provocada pela
Plurissignificação (ou multissignificação) é um dos atributos da perda de alguém por meio de uma linguagem não habitual.
linguagem mais sofisticada, e aparece no teatro, poemas, (D) Apenas o segundo texto pode ser considerado literário,
romances, contos, publicidade, filmes, letras de música; até na porque, no primeiro, não há preocupação com a maneira de dizer,
mais simples comunicação do cotidiano deixa traços visíveis em mas apenas com o conteúdo.
declarações como: “Meu coração está dando saltos de alegria”.
(E) O texto conotativo, exemplificado pelo “Poema de finados”, medieval, mas traz características semelhantes a um tipo de
apresenta sempre leituras complexas e difíceis e o texto cantiga trovadoresca. A que tipo de cantiga podemos comparar
denotativo, a exemplo de “Toada”, geralmente é fácil, já que é essa canção:
escrito para leitores mais apressados e sedentos e informação.
(A) cantiga de amor
07) Leia a letra da canção: (B) cantiga de amigo
(C) cantiga de escárnio
Óia eu aqui de novo xaxando (D) cantiga de maldizer
Óia eu aqui de novo pra xaxar (E) cantiga de amizade

Vou mostrar pr’esses cabras 09.. Que características da canção “Ronda” justificam sua
Que eu ainda dou no couro Isso é um desaforo resposta anterior:
Que eu não posso levar (A) Eu-lírico feminino e ambiente campestre
Que eu aqui de novo cantando (B) Eu-lírico feminino e diálogo com elementos da natureza.
Que eu aqui de novo xaxando (C) Eu-lírico feminino e o sofrimento pela ausência do homem
Óia eu aqui de novo mostrando amado.
Como se deve xaxar. (D) Eu-lírico masculino e ambiente urbano.
(E) Eu-lírico feminino e ridicularização do outro.
Vem cá morena linda
Vestida de chita Você é a mais bonita 10. O amor cortês foi um gênero praticado desde os trovadores
Desse meu lugar medievais europeus. Nele a devoção masculina por uma figura
Vai, chama Maria, chama Luzia feminina inacessível foi uma atitude constante. A opção cujos
Vai, chama Zabé, chama Raque versos confirmam o exposto é:
Diz que tou aqui com alegria.
(BARROS, A. Óia eu aqui de novo. Disponível em www.luizluagonzaga.mus.br) (A) Eras na vida a pomba predileta
(...) Eras o idílio de um amor sublime.
A letra da canção de Antônio Barros manifesta aspectos do Eras a glória, - a inspiração, - a pátria,
repertório linguístico e cultural do Brasil. O verso que singulariza O porvir de teu pai
uma forma do falar popular regional é
(B) Carnais, sejam carnais tantos desejos,
(A) “Isso é um desaforo” Carnais sejam carnais tantos anseios,
(B) “Diz que eu tou aqui com alegria” Palpitações e frêmitos e enleios
(C) “Vou mostrar pr’esses cabras” Das harpas da emoção tantos arpejos...
(D) “Vai, chama Maria, chama Luzia”
(E) “Vem cá, morena linda, vestida de chita” (C) Quando em meu peito rebentar-se a fibra,
Que o espírito enlaça à dor vivente,
Leia atentamente a música abaixo. Em seguida, responda Não derramem por mim nenhuma lágrima
às questões 8 e 9: Em pálpebra demente.
Ronda (D) Em teu louvor, Senhora, estes meus versos
Paulo Vanzolini E a minha Alma aos teus pés para cantar-te,
E os meus olhos mortais, em dor imersos,
De noite eu rondo a cidade Para seguir-lhe o vulto em toda a parte.
A te procurar sem encontrar
No meio de olhares espio (E) ) Que pode uma criatura senão, entre criaturas,
Em todos os bares você não está amar? amar e esquecer amar e malamar, amar, desamar, amar?
Volto pra casa abatida
Desencantada da vida 11) Das cantigas medievais às poesias e músicas
No sonho, alegria me dá contemporâneas, os papéis representados no jogo do amor
Nele você está permanecem os mesmos. A linguagem pode se atualizar, os
Ah! Se eu tivesse quem bem me quisesse cenários se modificam, mas continuamos a cantar o sofrimento
Esse alguém me diria: causado pela saudade e pelo amor não correspondido. Veja, a
– Desiste, essa busca é inútil. seguir, como esse tema é desenvolvido em uma canção atual e
Eu não desistia responda à questão.
Porém, com perfeita paciência
Volto a te busca e hei de encontrar TEXTO
Bebendo com outras mulheres
Rolando dadinhos, jogando bilhar Fico Assim Sem Você
E, nesse dia então, vai dar Claudinho e Buchecha
Na primeira edição
Cena de sangue num bar da Avenida São João Avião sem asa,
Maria Bethania, Álibi. Universal Music, 1978. Fogueira sem brasa,
Sou eu assim, sem você
08). A canção anterior faz parte da memória cultural da música Futebol sem bola,
paulistana, é o relato de uma mulher que vaga pela agitada noite Piu-piu sem Frajola,
da Avenida São João em busca de seu homem que está ausente. Sou eu assim, sem você.
Essa é uma canção muito recente se comparada com a literatura
Porque é que tem que ser assim? comparações que utiliza para mostrar esse fato, que os dois se
Se o meu desejo não tem fim. complementam. Além disso, ele espera a concretização do amor,
Porque é que tem que ser assim? ter a amada nos braços (“Tô louco pra te ver chegar /Tô louco pra
Se o meu desejo não tem fim te ter nas mãos”).
Eu te quero a todo instante
Nem mil alto-falantes V. A coita de amor é representada, na canção, pelo verso: “Eu
Vão poder falar por mim... não existo longe de você”.

Amor sem beijinho, Assinale a sequência CORRETA:


Buchecha sem Claudinho,
Sou eu assim sem você (A) V, V, F, F, V
Circo sem palhaço, (B) V, F, V, V, F
Namoro sem abraço, (C) V, F, V, V, V
Sou eu assim sem você. (D) V, F, V, F, V
(E) F, F, V, V, V.
Tô louco pra te ver chegar
Tô louco pra te ter nas mãos 12. Leia os textos
Deitar no teu abraço
Retomar o pedaço Texto I
Que falta no meu coração... Trecho de cantiga de Nuno Fernandez Torneol (século XIII)

Eu não existo longe de você Quando mi-agora for’e mi alongar


E a solidão é o meu pior castigo de vós, senhor, e non poder veer
Eu conto as horas pra poder te ver, esse vosso fremoso parecer,
Mas o relógio tá de mal comigo quero-vos ora por Deus preguntar:
Senhor fremosa, que farei enton?
Por quê? Por quê? Dized’ai! coita do meu coraçon!

Neném sem chupeta, (Segismundo Spina, A lírica trovadoresca)


Romeu sem Julieta, Vocabulário
Sou eu assim, sem você mi alongar = me distanciar fremoso = formoso
Carro sem estrada, parecer = rosto coita = dor, aflição
Queijo sem goiabada,
Sou eu assim, sem você... Texto II
Trecho da canção de Adoniran Barbosa: Chega (século XX)
Você...
Agora eu vivo só e tão desolado
Porque é que tem que ser assim? Por meu amor ter me abandonado
Se o meu desejo não tem fim Sem ter razão feriu meu coração
Eu te quero a todo instante Por isso eu sou julgado como um vagabundo
Nem mil alto-falantes Não descanso um momento
Vão poder falar por mim... Ninguém tem pena de mim neste mundo
(http://letras.terra.com.br. Acesso em 18.08.2010)

Eu não existo longe de você


O texto I foi produzido no contexto do(a)
E a solidão é o meu pior castigo
Eu conto as horas pra poder te ver,
(A) Iluminismo, quando a mulher era idealizada como alguém
Mas o relógio tá de mal comigo.
Disponível em: < http://letras.mus.br/claudinho-e-buchecha/47176/>. Acesso em 14 set. inatingível pelo homem
2012. (B) Renascimento, período em que homens e mulheres já têm
Marque V para verdadeiro e F para falso nas seguintes direitos iguais
afirmações. (C) Segunda Guerra Mundial, momento em que o amor era o
principal tema da literatura.
I. Essa canção se assemelha às cantigas de maldizer do (D) Revolução Industrial, por meio da qual a mulher passa a
trovadorismo apenas pela presença de ironia no trecho: “Nem mil ser o centro da arte literária
alto-falantes / Vão poder falar por mim...” (E) Feudalismo, época em que era comum a vassalagem
amorosa na literatura.
II. Podemos comparar a letra da canção às cantigas de amigo,
pela presença de um eu lírico masculino que sofre pela
impossibilidade de estar com sua amada e declara-se totalmente
subordinado a ela.
III. Podemos comparar a letra da canção às cantigas de amor
através do sofrimento do eu lírico pela ausência de sua amada e
a subordinação de sua existência à presença dela (“eu não existo
longe de você”).

IV. Na canção, o eu lírico se coloca mais próximo da amada e,


embora diga que não existe sem ela, percebe-se, pelas