Você está na página 1de 434

A Paladina do Reino

13 Sacro - 2
Ilustrações por so-bin
Aviso Legal:
Obra foi traduzida e revisada de fã para fã. Não venda, ou ganhe dinheiro sobre o traba-
lho de outrem.
Se puderem contribuir com a obra do autor, o faça!

Sobre:
Assim como o anime, a obra tem muitos termos em inglês para diversas armas, itens e
etc...
Tentei deixar isso, mas as vezes tem que generalizar, já que é maçante saber o que era
realmente para ser em inglês, ou não ser.
EX:
-O Ainz se refere a ele como “Magic Caster” e não “Mahou...” alguma coisa.
Porém, algumas ressalvas:
-Alguns sistemas de magias e artes marciais são escritos japonês, alguns eu mantive ro-
majizados, outros ficaram em português.
-Armas e armaduras têm nomes misturados, uns são em inglês, outros em japonês. Por
ser bem difícil de verificar um por um, deixei tudo em inglês;
-Algumas equipes de aventureiros têm nomes em inglês, outras em japonês, neste caso
depende. Umas eu deixei em inglês (pois foram escritas com essa intenção) e outras em
português.

Tentei remover o máximo possível de erros de português e concordância. Mas sou ape-
nas um e com certeza falhas podem acontecer. E claro, não sou especialista na língua
portuguesa para tal nível de proficiência linguística.
Se encontrarem algum erro, sintam-se à vontade para entrarem em contato :)

Créditos e Agradecimentos:
Créditos:
ainzooalgown-br.blogspot.com
Base:
Inglês - overlordvolume10.blogspot.com
Referência de nomes:
Wikia - overlordmaruyama.wikia.com

Atenção: Se baixou este arquivo de outro link que não o oficial do blog. Ou se tem muito
tempo que baixou e deixou guardado, que tal dar uma conferida no blog? Talvez esta seja
uma versão desatualizada :)

Revisão: 2.6 | Versão: 3.5


Sumário
Capítulo 04: O Cerco ........................................................................................................................... 5
Parte 1 ........................................................................................................................................................................................................................ 6
Parte 2 ......................................................................................................................................................................................................................14
Parte 3 ......................................................................................................................................................................................................................35
Parte 4 ......................................................................................................................................................................................................................72
Parte 5 ................................................................................................................................................................................................................... 105

Capítulo 05: Ainz Morre ............................................................................................................... 122


Parte 1 ................................................................................................................................................................................................................... 123
Parte 2 ................................................................................................................................................................................................................... 152
Parte 3 ................................................................................................................................................................................................................... 201

Interlúdio ................................................................................................................................................. 224


Capítulo 06: Artilheira e Arqueira ........................................................................................... 236
Parte 1 ................................................................................................................................................................................................................... 237
Parte 2 ................................................................................................................................................................................................................... 270
Parte 3 ................................................................................................................................................................................................................... 289
Parte 4 ................................................................................................................................................................................................................... 307

Capítulo 07: Salvador da Nação ................................................................................................ 321


Parte 1 ................................................................................................................................................................................................................... 322
Parte 2 ................................................................................................................................................................................................................... 344
Parte 3 ................................................................................................................................................................................................................... 356
Parte 4 ................................................................................................................................................................................................................... 363

Epílogo ...................................................................................................................................................... 386


Posfácio .................................................................................................................................................... 407
Ilustrações ................................................................................................................................................ 410
Glossário .................................................................................................................................................. 427
-Volume 13-
A Paladina do Reino Sacro -Parte 2-

Autor:

Maruyama Kugane
Ilustrador:

so-bin
Capítulo 04: O Cerco
Parte 1

fim do inverno estava muito distante e o ar estava frio, embora ele não o

O sentisse. Isso foi graças a sua pele. Seu corpo inteiro estava coberto de pêlo
preto brilhante, e vestindo um conjunto de roupas em cima do que propor-
cionaria excelente isolamento. Ele não iria tremer mesmo se ele usasse uma
armadura metálica completa.

No entanto, ele estava tremendo por um motivo diferente agora.

E a razão foi a raiva.

Chamar aquela tremenda raiva de “ira” não seria exagerado.

Um grunhido baixo escapou dele — como o que uma besta carnívora faria — e ele esta-
lou a língua em vergonha.

Para os membros de sua raça — Zoastia — fazer barulhos de animais era a prova de que
eles não podiam controlar suas emoções; uma exibição vergonhosa para um adulto.

No entanto, isso foi apenas entre os membros da sua espécie.

Qualquer outra pessoa que ouvisse aquele rosnado vazando por entre seus dentes afia-
dos estaria tremendo de medo ou congelado de terror.

Ele virou as costas para a cidade humana que ele estava olhando agora e voltou para o
acampamento.

Seu supremo comandante era Jaldabaoth, seu governante que exercia poder esmagador.
Muitas raças foram reunidas abaixo dele, e muitas disputas sem sentido irromperam en-
tre eles todos os dias.

As forças da Aliança Demi-humana foram divididas em três destacamentos principais.

O primeiro fôra as 40.000 tropas dispostas contra as forças armadas do Reino Sacro do
Sul.

O segundo fôra as 50.000 tropas responsáveis por administrar e vigiar os acampamen-


tos que mantinham os prisioneiros do Reino Sacro.

O terceiro fôra as 10.000 tropas responsáveis pelo reconhecimento do Reino Sacro do


Norte, recuperando vários recursos e outras tarefas diversas.

O pessoal aqui abrangia 40.000 das 50.000 tropas alocadas para administrar os campos
de prisioneiros.
Era natural que, com a presença de tais números, seus acampamentos fossem movimen-
tados, mas ninguém bloqueava seu caminho, e não impedia nem retardava seu ritmo.

Certamente não havia ninguém no mundo que ousasse ficar no caminho de um massivo
pedregulho rolante.

Ninguém presente ousava ficar em seu caminho, dado o ar de dominação em torno dele.

Ele andava como se estivesse sozinho em um terreno baldio, e logo uma tenda particu-
larmente ostensiva apareceu.

Havia soldados demi-humanos à sua frente, mas eles não eram guardas. Eles estavam lá
para atender às ordens dos ocupantes da tenda. Em outras palavras, eles eram servos.

Eles cuidadosamente abriram caminho para ele, e ele selvagemente puxou o tecido pen-
durado sobre a entrada, e então os cinco demi-humanos imediatamente olharam para
ele.

Os demi-humanos podiam ser contados entre os dez principais membros das forças
demi-humanas, com exceção dos demônios. Mesmo ele podendo sentir o peso físico de
seus olhares sobre ele, seu comportamento calmo não mudou nem um pouco.

Como um colega desses dez seres, ele bufou e se sentou em um dos assentos vazios. Dito
isso, a parte inferior do corpo significava que sentar-se era mais como estar deitado.

Embora um dos cinco tenha acenado com a cabeça levemente para ele, ele não prestou
atenção a essa pessoa quando seus olhos se fixaram firmemente no demi-humano que
ocupava o assento de honra.

Tal demi-humano era um ser que parecia uma cobra com braços.

As escamas em seu corpo tinham um brilho úmido para eles e refletiam um bizarro tu-
multo de cores que fez jus ao apelido de “Escamas Arco-Íris”. Não só eram lindas, como
se dizia que sua dureza rivalizava com a dos Dragões. Além disso, possuía resistência
mágica de alto nível e estava equipado com um grande escudo e uma armadura de placas
encantada. Quando alguém levasse em conta sua proeza de guerreiro, poderia dizer que
se qualificava como a entidade mais durona das Colinas Abelion.

Este demi-humano era Rokesh dos Nagarajas. Ele era o demi-humano que havia sido
apontado como comandante desse destacamento pelo Imperador Demônio.
[Tridente de D e s s e c a ç ã o ]
Descansando ao lado dele estava sua arma favorita, o Trident of Desiccation que pos-
suía um poder terrível.

“—Por que não estamos atacando ainda?”


Ele dirigiu a pergunta para Rokesh em um tom deprimido.

Passaram-se três dias inteiros desde que chegaram à cidade que a lamentável resistên-
cia humana havia assumido, mas nem mesmo uma escaramuça havia se manifestado
desde então.

“...Eu sei que os muros humanos são problemáticos, mas certamente elas não são nada
diante de nossos números, não?”

Isso foi especialmente verdadeiro para os membros da Aliança Demi-humana que po-
deriam desconsiderar completamente a existência de tais muros. Não deveria haver di-
ficuldade se tais indivíduos fossem cuidadosamente gerenciados.

“Estamos... amedrontados?”

“Garra do Demônio-dono.”

Uma expressão maligna floresceu em seu rosto — Vijar Rajandala — quando ele foi
abordado com o epíteto de “Garra do Demônio”. Ele deu uma rápida olhada sobre o outro
membro de sua espécie que estava presente antes de voltar para o Nagaraja.

O título de “Garra do Demônio” era conhecido em todo o sopé das colinas, e já contava
quase dois séculos desde que fôra usado pela primeira vez.

Isto não foi porque os Zoastias era uma raça de longa longevidade, mas porque o título
foi transmitido através das gerações.

Para ele, esse título era algo que ele herdara de seu pai. Ele sabia muito bem que era
inapropriado para ele no momento. Foi por isso que ele teve que construir sua reputação
na próxima série de batalhas. No entanto, até agora ele não tinha sido capaz de provar
sua força — como herdeiro do título — para o mundo.

Todo mundo que ele havia derrotado até agora era fraco. Não havia ninguém que pu-
desse aguentar mais de um único golpe de seu machado de batalha encantado de duas
[ A s a Afiada]
mãos, Edge Wing.

Este estado de coisas não poderia continuar.

Ele não podia permitir que esta guerra terminasse, enquanto outros ainda o conheciam
como um simples lacaio do arquidemônio Jaldabaoth. Ele precisava de uma chance de
fazer um nome para si mesmo como um guerreiro, e agora era a hora.

No entanto, Rokesh ainda não pretendia atacar. A insatisfação de Vijar com essa decisão
foi o motivo que o levou a falar daquele modo.
“Dizem que o Grande Rei costumava manter a cidade. Não me diga que você está com
medo só porque o inimigo tem alguém que poderia derrotá-lo?”

O Grande Rei — o rei que havia levado os Bafolks à grandeza.

Ele tinha sido um dos dez principais demi-humanos, por conta de suas habilidades.

Vijar estava confiante de que ele estava no mesmo nível do Grande Rei, com suas artes
marciais irritantes, que poderia quebrar as armas. Qualquer um que pudesse vencer o
Grande Rei certamente deve ser um adversário digno.

“Eu vou lidar com ela, então por que ainda não estamos atacando?”

Ele só conseguia pensar em uma pessoa que pudesse derrotar alguém do poder do
Grande Rei.

Deve ser aquela paladina humana dos rumores. Se o que eles dizem é verdade, ela pode ter
conseguido vencer o Grande Rei.

Em sua mente, ele esboçou uma imagem nebulosa de uma paladina com uma espada
brilhante.

“Vijar-dono. O fato de você, um comandante, dizer essas coisas, apesar de chegar tarde
sem uma palavra de desculpas, me faz... não ficar tão animado, mas eu sei, eu sei.”

Rokesh acenou para ele de uma forma relaxada.

“Ora ora. Filhotes ignorantes fazem muito barulho mesmo quando não sabem nada.”

A pessoa que estava rindo agora tinha quatro braços. Ela era a rainha dos Magelos, uma
mulher com o apelido de “Trovão Fogo-Gélido” — Nasrene Belt Cure.

Vijar franziu a testa.

Ele sentiu que poderia vencê-la em uma luta corpo-a-corpo, mas Nasrene era adepta da
magia, então ele estava com medo que ela pudesse virar a situação de alguma forma ines-
perada se isso acontecesse em uma briga. Mesmo assim, ele — como um herdeiro do
nome “Garra do Demônio” — não seria capaz de encarar seus ancestrais se ele gentil-
mente deixasse alguém chamá-lo de filhote.

“E bruxas velhas que gostam de se sentar em suas bundas causam problemas para o
resto de nós também.”

Os Magelos tinham uma vida bastante longa, mas ela deveria ter passado mais da me-
tade do seu ciclo de vida, já que Vijar ouvira falar de seu apelido pelas colinas quando era
criança.
Ele não podia dizer a idade de sua pele quando inspecionou seu rosto devido a todos os
cosméticos que ela usava, mas o fato de que ela estava cobrindo-a significava que ela
deve ter sentido a sua idade também. Além disso, certamente aquela fragrância floral em
torno dela era um sinal de usar perfume para mascarar o mau cheiro que exalava dos
velhos, não?

“—Ho.”

Nasrene estreitou os olhos e um ar gelado encheu o ar da tenda. Este foi um fenômeno


físico, não psicológico.

“—Eu não estou mentindo, estou?”

Vijar endireitou-se ao dizer isso. A parte inferior do corpo de um Zoastia não era mera-
mente uma decoração, mas algo que possuía destreza e poder explosivo de uma fera sel-
vagem. Mesmo que seu estilo habitual de luta envolvesse tencionar seus músculos ao se
abaixar para prover aceleração em uma investida, fazendo assim pleno uso de suas habi-
lidades físicas, ele decidiu não fazer uso disso no momento. Isso porque ele queria se
apresentar como o único com alguma vantagem, que simplesmente cedeu a iniciativa à
sua oposição.

“Isso não é apenas uma questão de mentir, é? Eu deveria ensiná-lo a se dirigir às senho-
ras com mais respeito. Esse também é meu dever como sua antecessora.”

Em meio a toda essa tensão, Rokesh falou:

“Se contenham, vocês dois. Este é um conselho de guerra. Se vocês dois continuarem
causando problemas aqui, vou relatar isso para Jaldabaoth-sama.”

Agora que Rokesh tinha trazido o nome de seu superior absoluto, os dois não tiveram
escolha senão acalmarem os ânimos. Ainda assim, eles continuaram se encarando, como
se dissessem: “Isso ainda não acabou” e “Você começa uma briga e eu a terminarei”.

“Hah... bem, por eu ser forte, eu sei que vocês não podem realmente evitar a agir como
um, mas vocês dois devem saber o que significa cooperar.”

“Heeheehee, você não tem o direito de comentar sobre os outros também.”

Um demi-humano símio coberto de pêlo branco zombou de Rokesh resmungando com


uma risada.

“Hm, isso é verdade. Então, Garra do Demônio-dono. Sobre a sua pergunta anterior, não
é que eu esteja com medo. O Grande Rei era um indivíduo valente, mas certamente todos
os aqui presentes são iguais, estou errado?”
Rokesh olhou para o Garra do Demônio e a Trovão Fogo-Gélido, e depois para os outros
três.

Um deles era um demi-humano parecido com um macaco que estava coberto de pêlo
longo e branco. Ele usava muitos itens de proteção feitos de ouro.

Ele era o rei dos Stone Eaters — Halisha Ankara.

Como um espécime superior de sua espécie, ele e outros como ele poderiam ganhar vá-
rias habilidades especiais ao comer minerais. Por exemplo, comendo diamantes, eles po-
deriam temporariamente ganhar resistência a danos físicos que só poderiam ser ignora-
dos por ataques de impacto. Normalmente, apenas três dessas habilidades poderiam es-
tar ativas ao mesmo tempo, mas ele poderia ter guardado muito mais do que esse nú-
mero. Essa também foi a razão pela qual ele foi chamado de mutante.

Então, havia o general dos Orthrous que acenou para ele quando entrou na tenda.

Ele usava uma armadura esculpida. Seu elmo igualmente ornamentado e sua lança de
cavalaria estavam ao lado dele. Seu nome era Hectowaizes Ah Ragara.

Seu acenar para Vijar não foi por respeito pelas habilidades pessoais de Vijar, mas sim
para as espécies Zoastianas como um todo. Essa foi a razão pela qual deixou Vijar infeliz.

Ainda assim, ele não poderia simplesmente desafiar Hectowaizes a um duelo para pro-
var sua força. Certamente, Vijar seria o vencedor em uma luta cara-a-cara. No entanto,
Hectowaizes não ganhou fama por causa de seu poder individual, mas porque ele era um
renomado general que poderia triunfar apesar de ter um décimo das forças de seu opo-
nente. As chances de vitória seriam viradas se chegasse a combates em massa, e não ha-
via nada mais vergonhoso do que gritar “Sou mais forte que você” sabendo desse fato. Foi
por isso que Vijar teve dificuldade em lidar com esse Orthrous.

O último foi seu companheiro de espécie, que permanecera em silêncio durante todo
esse tempo; Muar Praxua.

Também conhecido como “Aço Negro”, ele era um ranger que muitas vezes foi chamado
de “A sombra correndo pela escuridão”.

Ele era uma raridade entre os Zoastias, que tipicamente se aproveitava de seus dons
físicos e lutava com força bruta. Ele usava técnicas furtivas, surpresas e astutas como
parte de suas destemidas habilidades de assassinato. Seu apelido veio de sua vontade
inabalável e do fato de que ele eliminaria qualquer presa que ele tivesse marcado.

Mesmo que ele pensasse que perderia para eles, cada pessoa sentada aqui seria um opo-
nente problemático para ele em uma luta direta.
“Então, vamos voltar ao tópico de por que não estamos atacando. Isso seria porque re-
cebi ordens de Jaldabaoth-sama na cidade de Rimun.”

“O que é isso? Isso é verdade?”

A pergunta de Vijar se deveu ao fato de que, entre esse exército de 40.000, Rokesh era o
único que teve contato direto com Jaldabaoth. No momento em que os outros tinham sido
convocados para esta cidade — Kalinsha —, seus homens já estavam organizados e es-
perando para agirem.

Jaldabaoth estava sempre se teleportando entre várias cidades, então havia poucas
oportunidades de receber instruções dele pessoalmente.

“Jaldabaoth-sama disse para dar vários dias aos humanos que ocupam a cidade.”

“Dar tempo a eles? E para que seria isso?”

“Ele disse que era para assustá-los. Há menos de dez mil pessoas nessa cidade. Há ainda
menos pessoas entre elas que podem lutar. Em contraste, todos nós aqui podemos lutar...
com que medo você acha que os humanos escondidos naquela cidade estarão?”

“Eu entendo... então é isso. Jaldabaoth-sama é verdadeiramente temível.”

“Heeheehee, de fato. Dito isso, eu entendo como você se sente, Vijar-dono. A questão
agora é, quanto mais tempo devemos dar a eles?”

“Não, podemos decidir quantos dias a mais daremos para eles. Dito isso, podemos
aguentar dois meses com as rações armazenadas, mas não seria bom dar-lhes esse
tempo.”

“É porque ainda precisamos lidar com os prisioneiros?”

Havia apenas 10.000 demi-humanos para administrar um número esmagador de prisi-


oneiros humanos. Mesmo os demi-humanos sendo mais fortes que os humanos, a quan-
tidade era uma qualidade por si só. Era muito provável que eles não fossem capazes de
lidar com quaisquer motins ou levantes.

“Precisamente. É por isso que reuni todos vocês aqui para divulgar nossos planos para
o futuro. Pessoalmente, acho que podemos mover nossas tropas depois de mais alguns
dias e encerrar as coisas. Alguém discorda?”

Nenhum dos demi-humanos presentes — incluindo Vijar — se opôs.

“Tudo certo. Nós atacamos em dois dias. Continuaremos observando-os até lá.”
Havia a possibilidade de o inimigo lançar um contra-ataque, embora não achasse isso
muito provável.

“Isso significa que é hora de lidar com os humanos que trouxemos.”

Alguns demi-humanos comiam seres humanos. Algumas espécies gostam como sendo
os alimentos frescos preferidos. Os Zoastias não tinham preferência particular pela carne
humana. Para eles, carne bovina e de cavalo eram melhores. No entanto, a maioria deles
prefere carne fresca humana para carne seca.

Em contraste, Trovão Fogo-Gélido tinha um olhar de repulsa em seu rosto. Talvez por-
que os Magelos não comessem humanos, pois eram visualmente semelhantes aos seres
humanos.

“Heeheehee. Que tal matar e comê-los na frente de sua cidade amanhã? Isso deveria
aterrorizá-los, não?”

“Uma excelente idéia. Depois disso, vamos declarar que atacaremos no dia seguinte...”

“Não há necessidade de pressioná-los tanto. O que acontecerá se eles se renderem?”

“Lutar só é divertido porque eles têm esperança e, portanto, lutam com todas as suas
forças. Nada é mais entediante do que matar pessoas que perderam a vontade de viver.”

Vijar queria lutar contra inimigos fortes. Não havia sentido em enfrentar os fracos.

“De fato. Além disso, há outro ponto importante. Este é um pedido pessoal de Jaldaba-
oth-sama. Não devemos matar todos eles, mas deixar alguns escapar. Portanto, meu
plano é matar todos que vigiam o portão oeste — nosso lado — e afastar os que contro-
lam o portão leste.”

“Em outras palavras, quem está atacando o portão leste precisa ser capaz de manter o
controle firme sobre seus homens, estou certo? Caso contrário, parece que vai acabar em
um grande massacre.”

Depois que Nasrene disse isso, os olhos de todos foram para um único indivíduo.

“Entendi... Então, você não se importará se eu levar todos os meus comigo?”

“Você pode deixar alguns como mensageiros?”

“Certamente, Rokesh-dono. Nesse caso, Hectowaizes Ah Ragara e eu seremos responsá-


veis pelo portão leste.”
“Depois disso, precisamos de algumas pessoas nos muros norte e sul para lhes dar al-
guma pressão. Mesmo não havendo necessidade de realmente capturar esses pontos, de-
vemos matar um número apropriado de defensores lá. Eu gostaria de mandar alguns
combatentes à distância...”

Havia três presentes que eram adeptas do combate de longo alcance. A pessoa que Ro-
kesh escolheu entre eles foi o Zoastia silencioso.

“Muar Praxua-dono.”

“—Reconhecido.”

Isso foi tudo “Aço Negro”, disse em resposta.

“Todos estarão no portão oeste. Embora eu não ache que haja uma chance de você mos-
trar suas coisas, deixarei todos os adversários fortes que aparecerem para você. Afinal,
eu preciso comandar todo o exército, então não vou conseguir chegar à linha de frente.”

Os três demi-humanos restantes — incluindo Vijar — acenaram com a cabeça.

“Já que estamos todos de acordo, atacaremos a cidade em dois dias. Espero que todos
descansem e restaurem suas forças antes que os humanos chorem em desespero.”

Parte 2

Neia engoliu o refluxo estomacal enquanto caminhava em direção ao quarto do Rei Fei-
ticeiro. Ao fazê-lo, uma acidez intensa se espalhou por sua boca.

Ela pegou o odre amarrado ao cinto e bebeu a água.

A água tinha um gosto ruim, já que era contaminada pelo odor do couro que a continha,
mas ajudava a reprimir a sensação de queimação em sua garganta e o mau gosto em sua
boca. No entanto, a raiva ainda permanecia no peito de Neia e seu rosto ainda estava
pálido.

Ela recordou a cena de revirar o estômago que ela não conseguia esquecer, mesmo que
quisesse.

O exército demi-humano cercou a cidade por três dias inteiros agora.

O inimigo não atacou nem tentou negociar, simplesmente deixaram o tempo passar. Mas
hoje, os demi-humanos haviam trazido seus prisioneiros do Reino Sacro para os muros
externos do distrito de Loyts, onde Neia havia sido postada. Se eles tivessem arqueiros
habilidosos ou lançadores presentes, eles poderiam ter lançado um ataque, mas eles in-
felizmente não tinham ninguém assim por perto.

Neia estava confiante em derrotar os demi-humanos se ela usasse o arco do Rei Feiti-
ceiro. No entanto, o lançamento de um ataque precipitado poderia desencadear um ata-
que total. Isso levaria a uma batalha de 10.000 contra 40.000, e eles teriam que abrir os
portões da cidade se quisessem salvar os prisioneiros.

Uma vez que os portões fossem abertos, as forças demi-humanas certamente entrariam
como uma avalanche. Tal coisa não poderia acontecer, e assim tudo o que eles podiam
fazer era ficar de fora e assistir.

Havia menos de vinte cativos. Eles eram compostos de homens e mulheres, adultos e
crianças, mas não havia pessoas velhas entre eles. Todos os prisioneiros estavam nus e
cobertos de cicatrizes e contusões.

Assim que o povo do Reino Sacro começou a pensar que eles haviam sido trazidos como
garantia para algum tipo de negociação, uma tragédia se desenrolou.

Os demi-humanos começaram a matar os cativos.

Um demi-humano que parecia ter cerca de três metros de altura decapitou um prisio-
neiro e depois levantou a cabeça decepada de cabeça para baixo. Neia tinha visto clara-
mente como a terra tinha bebido as vastas quantidades de sangue vermelho fresco que
fôra derramado sobre.

Depois disso, os demi-humanos começaram a destrinchar os cadáveres dos prisioneiros.

Neia tinha visto seu pai processar carcaças de animais antes. No entanto, a visão de tal
coisa acontecendo aos seres humanos deu um poderoso golpe à psique de Neia.

Depois disso, os demi-humanos comeram os cativos um após o outro, enquanto ainda


estavam frescos.

A parte mais cruel foi observar como algumas pessoas foram comidas vivas.

Mesmo agora, as orelhas de Neia ainda escutavam o choro de uma criança enquanto um
demi-humano mastigava sua barriga. Foi acompanhado pelo som de suas entranhas
sendo arrancadas.

Felizmente, Gustav tinha sido sábio o suficiente para impedir Remedios de segui-lo, sob
o pretexto de proteger o Príncipe. Certamente, eles estariam lutando agora se ela tivesse
visto algo assim.

Neia suspirou profundamente, depois tomou outro gole de água e se forçou a engoli-lo.
Ela tinha ouvido alguém dizer que seria melhor vomitar se a pessoa estivesse nauseada,
mas dado que ela estava indo para o quarto do Rei Feiticeiro, seria desrespeitoso chegar
impregnada com o fedor de vômito.

Depois de checar o hálito várias vezes, Neia parou diante da porta do quarto do Rei Fei-
ticeiro.

Não havia ninguém em nenhum dos lados da porta.

Agora que a cidade tinha sido cercada pelos demi-humanos, não havia ninguém para
proteger — ou melhor, ficar de olho — o Rei Feiticeiro.

Neia bateu na porta para indicar sua presença para a pessoa dentro.

“Vossa Majestade, eu sou a escudeira Neia Baraja. Posso entrar?”

“Entre.”

Depois de receber permissão, Neia entrou em silêncio pela porta.

O interior era simplesmente mobiliado, já que os demi-humanos tinham destruído a


maior parte dele. Mesmo assim, ainda era mais do que qualquer outra pessoa na cidade
tinha.

O Rei Feiticeiro estava de costas para Neia enquanto olhava para fora da janela.

“Parece um pouco caótico do lado de fora, visto como vi tantas pessoas correndo por
aqui. Estamos cercados há quatro dias, mas é o mais ruidoso desde o primeiro dia. Isso
significaria... há sinais de que o inimigo está se preparando para atacar?”

O Rei Feiticeiro não mostrou intenção de participar dessa batalha, simplesmente per-
manecendo em seu quarto sem se intrometer. Ele nem sequer apareceu para a reunião
estratégica quando o exército demi-humano começou a espalhar-se pela cidade.

Naturalmente, a liderança do Exército de Libertação não tinha ficado feliz com isso, mas
eles acharam muito difícil perguntar qualquer coisa sobre o Rei Feiticeiro depois que ele
disse: “Depois de levar em consideração assuntos futuros, você não acha que seria ruim se
o rei de outra nação enfiasse o nariz em seus assuntos?”.

Neia recebera ordens para participar de várias reuniões em seu lugar. Este era o plano
do Exército de Libertação para compartilhar o que eles sabiam com o Rei Feiticeiro, e
Neia aprovou isso. No entanto, isso levou Neia a testemunhar a tragédia que se desdo-
brou anteriormente.
“...Não, os demi-humanos não fazem grandes jogadas assim. Mas... os demi-humanos,
ah... como eu vou colocar isso, talvez eles estejam tentando fazer uma demonstração de
força, então suas posições mudaram um pouco.”

“Entendo. Nesse caso, esse impasse só continuará por mais algum tempo, não? Os demi-
humanos estão tentando abalar suas tropas e enfraquecer o moral deles... pense nisso,
acha que essa batalha pode ser vencida?”

Não.

Neia ansiava por dizer isso.

Para começar, havia uma grande diferença na força respectiva de suas tropas.

10.000 humanos contra 40.000 demi-humanos.

Mesmo esse número de 10.000 incluía a todo, tanto idosos quanto crianças. Além disso,
eles ainda não haviam se recuperado totalmente das feridas — físicas e mentais — e do
cansaço que haviam sofrido nos campos de prisioneiros.

Mesmo que os defensores normalmente tinham a vantagem durante um cerco, isso só


se aplicava quando ambas as forças militares eram equiparadas.

Quando se comparava o demi-humano médio a um humano comum, o último era tão


fraco que até compará-los parecia um ato tolo.

No máximo, as únicas pessoas que poderiam estar em pé de igualdade com os demi-


humanos eram os paladinos, os sacerdotes e os soldados profissionais, mas eles não ti-
nham muitos. Comparado com o exército de 40 mil homens que eles estavam enfren-
tando agora, era tão inútil quanto tentar apagar a respiração de fogo de um Dragão com
um balde de água.

Ainda assim, não se pode dizer que esta era uma batalha totalmente invencível.

Havia uma pessoa que podia derrotar as hordas de demi-humanos sozinha, mesmo sem
contar o Rei Feiticeiro.

Assumindo exaustão física e golpes de sorte do inimigo não fossem um fator, a paladina
mais forte do Reino Sacro — Remedios Custodio — poderia ficar encarregada de cerca
de 40.000 demi-humanos e matar todos eles.

No entanto, não se pode dizer que não existissem indivíduos poderosos no exército
demi-humano capaz de enfrentar Remedios de igual para igual. De fato, era muito pro-
vável que existissem tais seres por lá.
Neia relembrou o Grande Rei Buser, o demi-humano que anteriormente governara esta
cidade. Mesmo que o Rei Feiticeiro o matou como se ele não fosse nada além de uma pilha
de lixo, isso foi simplesmente porque o Rei Feiticeiro era incrivelmente poderoso. Buser
era esmagadoramente forte por si só. Neia não poderia ter feito algum dano nele, não
importava o quanto tentasse.

Reis como esse podem ser os iguais a Remedios, ou até mesmo superiores. Eles eram
todos muito fortes na estimativa de Neia, então ela não podia julgar com precisão o re-
sultado de um confronto entre dois seres poderosos.

Além disso, o esgotamento físico tinha que ser levado em consideração se estivesse
sendo realista. Por mais fortes que fossem, ninguém poderia escapar do espectro da fa-
diga. A magia poderia aliviar brevemente, mas a fadiga continuaria a se acumular uma
vez mais.

Mesmo depois de matar um exército de 10.000, Remedios ainda poderia ser atacada em
um momento de exaustão e fraqueza e ser morta por um demi-humano mediano. Afinal,
a quantidade tinha uma qualidade própria.

No entanto, se houvesse algum ser que pudesse derrubar essa lógica — os olhos de Neia
foram para o grande governante que ainda estava de costas para ela.

Essa pessoa seria uma força absoluta.


Uma entidade que ultrapassou este mundo (Overlord).
Ele não era outro senão o Rei Feiticeiro, Ainz Ooal Gown.

Quando Neia olhou para suas costas, de repente percebeu que ainda não havia respon-
dido à pergunta do Rei Feiticeiro, e ela falou apressadamente.

“Eu, eu não tenho certeza!”

O pânico a fez exclamar mais alto do que o habitual e ela corou antes de continuar em
um tom normal:

“—Então, eu farei o meu melhor para descobrir.”

O Rei Feiticeiro parecia completamente indiferente a isso e fez outra pergunta.

“Entendo. Então, aprendeu algo novo sobre o inimigo? Chegou a verificar a presença de
Jaldabaoth?”

“A situação neste fronte não mudou nos últimos dias. Nós ainda não avistamos Jaldaba-
oth entre as forças demi-humanas.”
“Hm. Isso dificulta as coisas. Pode ser muito difícil para mim ajudá-los nessa defesa. Afi-
nal, eu preciso reabastecer a mana que eu usei. Devo considerar a possibilidade de que
seu plano seja privar-me de mana antes de agir.”

“Mas é claro. Todos estão plenamente conscientes da opinião de Sua Majestade.”

Durante uma reunião de estratégia, alguém havia dito uma vez que havia avistado um
demônio que parecia Jaldabaoth, mas quando Neia disse que precisava se certificar, essa
pessoa imediatamente dissera que provavelmente estava enganado. Dado o clima no ar,
ficou claro que todos os presentes — com exceção de Neia — planejavam envolver o Rei
Feiticeiro nos combates espalhando falsos relatos da presença de Jaldabaoth.

Eles podem desprezar os undeads, mas mentir para o rei de uma nação significa que
eles não têm integridade para falar nada. Mesmo quando recuados para um canto, não é
apropriado mostrar o melhor de alguém que deve ser respeitado?

“Nesse caso, o que você acha da movimentação dos demi-humanos?”

“Ah, sim, os demi-humanos já estavam se concentrando no portão oeste, mas agora eles
dividiram suas forças e estão enviando algumas de suas tropas para o outro — o portão
leste. Acreditamos que eles estão prestes a agir — provavelmente se preparando para
um cerco.”

“Isso quer dizer que já passou tempo suficiente para que eles terminem de construir
armas de cerco, então? Bem, isso é provavelmente uma coisa boa. Afinal, o inimigo não
está tentando matar vocês de fome.”

Neia não sabia dizer se era algo bom ou ruim, mas não teria resposta às táticas de pri-
vação alimentícia.

Se os demi-humanos atacassem em um campo aberto, eles seriam prontamente aniqui-


lados devido à esmagadora vantagem da oposição na força militar. No entanto, se eles
estivessem lutando por trás da proteção dos muros da cidade, não seria uma batalha tão
desigual. Claro, isso apenas seria ir de “probabilidades incrivelmente ruins” para “chan-
ces muito ruins”.

“Claro, isso também pode ser devido ao fato de que os demi-humanos não estão cientes
da situação de nosso fornecimento. Então, novamente, é mais provável que eles simples-
mente não se importem com uma cidade pequena como essa.”

“Bem, os demi-humanos realmente conquistaram a linha da fortaleza que vimos quando


entramos no Reino Sacro, então seria razoável eles terem uma cidade pequena como essa
em baixa consideração... se você lhes fazer passar por dificuldades durante a defesa e
fazê-los sentir que um cerco é para a sua desvantagem, isso vai acabar com a batalha.
Depois disso, vocês terão uma luta muito difícil pela frente.”
Parecia que o Rei Feiticeiro acreditava que eles teriam que vencer essa batalha invencí-
vel antes que a verdadeira batalha começasse.

“Vossa Majestade, posso perguntar sua opinião sobre como o senhor acha que a situação
vai se desenvolver?”

“Desenvolvimentos futuros, hm. Honestamente, eu não sei. Na verdade, pode-se dizer


que vocês perderam por serem forçados a se esconder dentro da cidade. Abrigando-se
em uma cidade é tipicamente feito sob o pretexto de que os reforços chegarão. Ou isso,
ou o inimigo está operando sob um limite de tempo ou algo similar. No entanto, vocês
estão simplesmente defendendo uma cidade em território inimigo, então suas chances
de vitória são desesperadamente pequenas.”

“Ainda assim, conseguimos enviar os nobres que libertamos para o sul antes disso, por
isso não podemos dizer com certeza que nenhuma ajuda chegará.”

Neia poderia ter dito aquelas palavras, mas sabia em seu coração que não deveria contar
com reforços.

Os exércitos do Sul precisariam romper as forças da Aliança Demi-Humana, bloqueando


seu caminho para alcançar a localização de Neia, e mesmo se fizessem isso, ainda haveria
um exército de 40.000 demi-humanos para lutar.

Lutar repetidas batalhas seria um enorme dreno em sua força de combate. Seria mais
sensato abandonar as 10.000 pessoas nesta cidade.

“Isso seria bom...”

Parece que o Rei Feiticeiro não acreditou nem por um momento.

Mas isso era apenas esperado. Dadas as circunstâncias, quem poderia mudar as coisas
sem sacrificar ninguém?

Neia dissipou a crescente idéia em sua cabeça.

Sua Majestade está aqui para lutar contra Jaldabaoth, portanto, não é permitido diminuir
suas chances de vitória por tê-lo desperdiçado mana de maneiras não relacionadas ao seu
objetivo.

“...Levarei um tempo até que eu possa mais uma vez lançar a magia de teletransporte
que eu usei nos Orcs, mas eu ainda posso conjurar a magia que ocasionalmente uso para
retornar ao Reino Feiticeiro mais algumas vezes. Levar algumas dúzias de pessoas co-
migo não seria um problema... mas eu acho que você não pode decidir quem deve ou não
deve ser enviado.”

“Eu sou grato por sua compreensão, Vossa Majestade.”


Talvez fosse melhor pedir ao Rei Feiticeiro que pegasse o Príncipe Caspond e fugisse,
mas essa jogada teria mérito duvidoso.

Quando um rei de outra nação estava disposto a se comprometer com uma luta para
enfrentar um demônio terrível, ter um membro da própria família real implorando im-
placavelmente a alguém para tirá-lo do campo de batalha seria totalmente vergonhoso.

Assim que Neia estava refletindo sobre essa informação, o Rei Feiticeiro se virou para
ela pela primeira vez desde que ela entrou no quarto.

Os pontos vermelhos de luz em suas órbitas vazias pareciam diretamente apontados


para Neia. Mesmo que no passado eles a tinham assustado, Neia se acostumara com eles,
e ela passou a achar que eram bastante atraentes.

“Isso é o que eu acho, Srta. Baraja. Nós acabamos em um confronto com as forças inimi-
gas por causa da estupidez da liderança do Exército de Libertação. Tal situação não pode
ser alterada pelos esforços de uma única escudeira. Que tal se concentrar na sua segu-
rança pessoal, em vez de se centrar no quadro geral? Você entende que minha nação
aceitará sua fidelidade, se você estiver disposta a dar? Dado que você foi treinada como
uma paladina, tenho certeza que você será capaz de exercer plenamente seus talentos no
meu país.”

Neia não sabia como responder e hesitou.

Mesmo ficando grata que o Rei Feiticeiro estava preocupado com ela, ela tremia de
medo ao considerar o que poderia perder se aceitasse a proposta do Rei Feiticeiro.

O sacrifício que seus pais fizeram.

Seu amor por sua cidade natal.

Ela pode nunca ser capaz de retornar à nação natal.

Ela se lembrou de vários amigos que fizera.

Muitas coisas giravam na frente dos olhos de Neia e desapareciam uma após a outra com
um *puf*, mas entre elas havia algo que se recusava a quebrar, que permanecia até o fim
— em outras palavras, a coisa mais importante.

Ela era um membro do corpo de paladinos.

Embora ela ainda não soubesse o que era justiça, era a única coisa que Neia podia dizer
com o peito estufado e a cabeça erguida.
“Como cidadã do Reino Sacro, sinto que sou obrigada a salvar o maior número possível
de pessoas. Isso porque salvar os desamparados — salvar os que sofrem é senso comum.”

O Rei Feiticeiro de repente parou de se mover, como se tivesse sido congelado no tempo.

“...Hm.”

O Rei Feiticeiro murmurou para si mesmo e depois acariciou o queixo.

Parece que as palavras de Neia ressoaram dentro do Rei Feiticeiro, porque ele observou
Neia mais uma vez.

Foi apenas um comentário descartável, e Neia se viu mexendo-se desconfortavelmente.

“Eu estou certo em dizer que quando os demi-humanos atacarem, você será colocada
nos muros perto do portão oeste, no lado esquerdo da cidade? É um lugar muito perigoso,
e contar comigo para te salvar será um erro, sabe disso?”

“Eu sei muito bem disso.”

Neia era habilidosa em arco e flecha, e dado que ela tinha sido designada para um local
de sumo importância, não havia dúvida de que ela seria morta em combate. No entanto,
ela se preparou para a morte, já que estaria indo para o campo de batalha.

Ela apertou os lábios e Neia olhou o Rei Feiticeiro nos olhos.

“Ahh, esses são os olhos. Eu gosto desses olhos.”

Os murmúrios autodirigidos do Rei Feiticeiro fizeram Neia corar. Enquanto o Rei Feiti-
ceiro provavelmente não quis dizer mais nada por suas palavras, ouvir alguém que ela
respeitava dizer que ele gostava dela causou um grande impacto.

“Nesse caso... vou te emprestar várias coisas, Srta. Baraja. Por favor, faça bom uso delas.”

Houve um *whoosh* quando algo de repente apareceu do nada. O mesmo pensamento


cruzou sua mente quando o Rei Feiticeiro havia retirado o arco na carruagem, mas a ma-
gia realmente era uma coisa surpreendente.

Neia tinha visto o item mágico — uma armadura — que surgira do nada. Era uma arma-
dura que parecia uma carapaça verde, que o falecido Grande Rei Buser tinha usado.

“Isso, isso é—”

“Esta armadura deve ser útil, que quero dizer que irá garantir a sua segurança.”
A armadura era muito grande para Neia —, suas dimensões seriam bastante considerá-
veis para qualquer ser humano. No entanto, dado o que Neia sabia sobre armaduras en-
cantadas, não seria um problema se ela provasse.

A armadura comum precisaria ser alterada por um ferreiro para se adequar ao biótipo
do usuário. No entanto, havia um limite para o quão longe essas alterações poderiam ir.
Uma armadura muito grande simplesmente não poderia ser redimensionada o suficiente
para se adequar à um biótipo pequeno.

No entanto, para uma armadura mágica isso era diferente. Qualquer um poderia usá-la,
independentemente do sexo ou raça, desde que não houvesse restrições especiais ao seu
uso. Se as mudanças não fossem muito drásticas, a armadura ajustaria automaticamente
sua forma para se adequar ao seu usuário.

Poder-se-ia até ter um gigante usando uma armadura que antes não era maior do que o
seu próprio polegar, mas a durabilidade da armadura mágica variava com os materiais
com os quais era feita e sua qualidade. Uma armadura do tamanho de um anel seria fa-
cilmente danificada se fosse submetida a ataques mágicos, ácidos ou ataques especiali-
zados em fender equipamentos, e isso reduziria muito a potência dos encantamentos so-
bre ela.

Não havia caminho fácil, e os chamados atalhos geralmente não davam certo. Mesmo
assim, a armadura de Buser provavelmente era bem resistente, já que era desse tamanho
mesmo sem ninguém a usar.

“Além disso, vou lhe emprestar mais três coisas.”

O Rei Feiticeiro entregou pessoalmente esses itens para Neia.

“Uma tiara, manoplas e um colar. Alguma delas é redundante com o seu equipamento
pessoal?”
Obs.: Tiara neste caso vem de “Circlet”, um tipo de ornato circular de ouro e pedras preciosas. Geralmente fica na testa do usurário.

“Não, não mesmo. Pra começo de conversa, nem itens mágicos eu tenho.”

“Excelente. Agora, explicarei brevemente como usar esses itens.”


[ T i a r a d a Vontade de Ferro]
Como o nome indicava, o Circlet of Iron Will defenderia a mente contra o encanto, o
medo e outros ataques mentais. Ainda assim, enquanto a tiara tornava a pessoa imune a
ataques mágicos, isso só podia fortalecer a resistência do usuário contra ataques deriva-
dos de habilidades especiais. Outra coisa que ela tinha que notar era que a tiara também
anularia efeitos mágicos positivos.
[ M a n o p l a s d a Arquearia]
As manoplas eram Gauntlets of Archery. Contando todas as magias do mundo, havia al-
gumas que só poderiam ser usadas se o lançador possuísse habilidades de tiro, razão pela
qual o Rei Feiticeiro havia feito aquele item. No entanto, o Rei Feiticeiro havia abando-
nado essas magias depois de fazer aquele item, por isso, as manoplas eram inúteis para
ele. Estavam definhando no inventário até agora.

Finalmente, o colar era um item que consumia mana para lançar a magia divina de 3º
nível 「Heavy Recover」. Alguém poderia usá-lo indefinidamente, contanto que possu-
ísse mana suficiente, porém, consumiria mais poder mágico do que lançá-lo diretamente.
Considerando as escassas reservas de mana de Neia, era melhor que ela considerasse um
item de uso único. Portanto, ela teria que pensar cuidadosamente sobre quando melhor
usá-lo. Este item não havia sido feito pelo Rei Feiticeiro ou seus antigos companheiros;
simplesmente gostou da aparência e comprou de algum lugar.

De fato, um olhar mais atento revelou que o colar era de acabamento delicado. Parecia
uma deusa segurando uma esmeralda. De fato, foi uma obra de arte muito atraente.

Neia olhou para esses itens valiosos e depois sacudiu a cabeça em negação.

“Eu, eu sinto muito, Majestade, mas não posso aceitar esses itens.”

Os itens mágicos que o Rei Feiticeiro oferecia eram definitivamente os equipamentos de


primeira qualidade. No entanto, o que aconteceria se Neia morresse enquanto os usasse?
Esses itens cairiam nas mãos dos demi-humanos e acabariam fortalecendo os demi-hu-
manos. Mesmo que eles não caíssem nas mãos dos demi-humanos, o que aconteceria se
o cadáver desaparecesse durante o caos da batalha e seu equipamento desaparecesse
com ela? Mais precisamente, Neia já possuía o arco que o Rei Feiticeiro lhe concedera,
então como ela poderia ficar insatisfeita com isso e aceitar mais coisas dele?

Falando nisso, ela deveria devolver o arco para o Rei Feiticeiro antes de ir para a batalha.

“Por que diz isso? Esses itens serão úteis para você nos combates vindouros, não será?
Afinal de contas, você é do tipo guerreira e não tem mana, então talvez nem consiga usar
a habilidade desse colar. Por que você não o pega e experimenta?”

Neia confessou sua inquietação em resposta à pergunta do Rei Feiticeiro. O Rei Feiti-
ceiro ouviu suas palavras e simplesmente sorriu.

“Que tal isso? Vá para o campo de batalha com a determinação de trazer esses itens de
volta para mim, não importa o custo.”

Neia estava decidida a fazer exatamente isso o tempo todo, mas a determinação sozinha
não conseguia romper sua inquietação. Depois de ouvir sua resposta, o Rei Feiticeiro ace-
nou com a mão de forma magnânima.

“Oh, apenas pegue-os. Eu tenho magias que podem localizar itens mágicos. Eu posso
encontrá-los mesmo se eles estiverem perdidos.”
“Mesmo?”

“Sim, isso mesmo... tudo bem, não precisa ficar em cerimônia. Faça uso deles.”

Se o Rei Feiticeiro pudesse fazer expressões faciais, ele provavelmente teria sorrido —
esses pensamentos passaram pela mente de Neia enquanto ela ouvia suas amáveis pala-
vras.

Agora que ele os ofereceu com tanta sinceridade, rejeitá-los seria um ato de grosseria.
A idéia de aceitar sua boa vontade guerreou com o desejo de pedir desculpas por incorrer
em uma perda para o Reino Feiticeiro. Esses pensamentos rodaram na mente de Neia—

“Bem? Você pode me fazer uma promessa? Uma promessa de devolvê-los todos para
mim depois?”

“!”

Volte com vida. Esse era o significado por trás daquelas palavras, e elas umedeceram os
cantos dos seus olhos com lágrimas. Apenas seus pais a trataram com tanta gentileza
antes.

O Reino Feiticeiro é abençoado por ter um soberano tão misericordioso.

Enquanto Neia pensava isso, ela mordeu o lábio e abaixou a cabeça.

“Muito obrigada! Eu juro que vou devolvê-los!”

“...Hm.”

Ela levantou a cabeça e enxugou as lágrimas.

Ela não podia vestir a armadura aqui depois disso. No entanto, colocar as manoplas,
colar e tiara não deve ser um problema. Ela começou apertando o colar em volta do pes-
coço.

No momento em que ela colocou, ela imediatamente entendeu as habilidades do item


mágico e como usá-las. Era como se o item fosse uma parte dela, e usá-lo era tão natural
e sem esforço quanto usar seus próprios membros.

O próximo foi a tiara. No entanto, ela não sentiu nada de especial quando a colocou.
Ainda assim, de acordo com a explicação anterior, ela provavelmente entenderia quando
a hora chegasse.

O último item foram as manoplas.

Ao contrário dos outros, ela podia sentir claramente a diferença.


O poder percorrendo seu corpo.

Parecia muito com o tempo que ela tinha se fortalecido quando lançaram magias sobre
ela. Seus músculos pareciam ter dobrado de tamanho de repente e seus movimentos
eram mais rápidos e precisos. Além disso, ela conseguia distinguir detalhes minúsculos,
e até mesmo seu condicionamento cardiovascular melhorara. Ela se sentiu cheia de ener-
gia.

Era como se todos os aspectos de suas habilidades físicas tivessem melhorado.

“Isso é incrível...”

A força obtida através do treinamento se acumulava lentamente, então foi difícil perce-
ber. No entanto, ela podia sentir claramente o aumento intenso de suas capacidades físi-
cas. Mais surpreendente foi o fato de que ela não sentiu nenhum constrangimento em
controlar seu corpo, dadas as diferenças entre seu eu anterior e presente.

“Magia é realmente incrível...”

O Rei Feiticeiro deu de ombros quando ouviu Neia reagir com admiração.

“Isso é verdade. Na verdade, fiquei bastante surpreso com as magias utilitárias.”

“Por isso, o senhor quer dizer...?”

“Magias que podem criar açúcar e pimenta e gelo. Depois, há magias que podem até criar
minérios, embora não sejam muito eficientes em termos de mana. Algumas cidades tam-
bém dependem de magias utilitárias para suplementar seu suprimento de água... Parece
que as magias utilitárias estão intimamente ligadas ao desenvolvimento da cultura mun-
dial.”

“É assim então?”

Por que um grande magic caster como o Rei Feiticeiro se surpreenderia com tais magias
triviais? Ainda assim, deve fazer sentido, dado que o Rei Feiticeiro disse isso. E, de fato,
as magias de utilidade tinham sido de grande utilidade em muitos lugares; a vida cotidi-
ana pode não ter sido possível sem tais magias.

“Além disso, existem aqueles esgotos que usam Slimes... ou melhor, coexistem com eles...
ah, estou me desviando do ponto. Srta. Baraja, não me dê atenção e volte ao seu trabalho.”

Na verdade, não havia tarefa mais importante do que ficar na companhia do Rei Feiti-
ceiro. No entanto, também era verdade que eles não tinham mão-de-obra, e Neia tinha
um número surpreendente de coisas para fazer. Embora essas tarefas fossem em grande
parte relacionadas à guarda, algo que qualquer um podia fazer, ainda eram muito impor-
tantes.

“Muito obrigada, Vossa Majestade. Eu prometo que vou voltar viva.”

“Ah, se as coisas ficarem feias, fuja para o leste. Com toda a probabilidade, esse é o único
lugar onde você pode ter uma chance de sobreviver.”

Neia pegou a armadura de Buser e fez uma reverência antes de sair.

♦♦♦

Dentro da sala de operações, Remedios Custodio e três paladinos estudaram um gráfico


de distribuição de forças militares.

Ao contrário de como ela faria as pessoas suspirarem com exasperação a maior parte
do tempo, sua mente era ágil e perspicaz quando se tratava de guerra. Sua irmã mais
nova dizia: “Você tem um ótimo corpo, tudo que você precisa agora é estudar um pouco
mais”, ela não poderia ter ganhado sua habilidade atual de luta se tivesse seguido esse
conselho.

Isso porque ela era diferente de sua irmã, que havia sido abençoada com três presentes
— sabedoria, talento e beleza.

Nossa força de batalha é de dez mil. Deles é estimado em quarenta mil. Nossas condições
de vitória são manter-se até que reforços do Sul cheguem, ou o inimigo recue... nós poderí-
amos realmente ser capazes de fazê-lo se houvesse dez de mim por perto...

Se os membros dos Nove Cores que haviam sido escolhidos por sua força de combate
estivessem presentes, eles poderiam ter sido capazes de fazer uma boa luta, mas perma-
neceu o fato de que a situação atual era incrivelmente sombria.

Se quisermos ganhar tempo, precisamos contra-atacar duramente o inimigo durante a


primeira ofensiva. Isso colocará o inimigo em guarda e nos dará o tempo que precisarmos.
Afinal, o inimigo não sabe que forças nós possuímos, certo?

Ela também considerou seriamente a proposta de lançar um primeiro ataque.

Eles poderiam reunir suas tropas no portão leste e esmagar o inimigo lá em um pode-
roso golpe antes de se dirigir para o portão oeste.

No entanto, ela rapidamente chegou a uma conclusão — tudo estaria perdido se eles
falhassem. Era muito provável que o portão oeste fosse perdido para a força principal do
inimigo antes que eles derrotassem o pequeno destacamento posicionado no portão
leste, e assim a cidade cairia.
E, claro, havia a disparidade entre suas forças. Eles teriam que compensar essa lacuna
se quisessem ganhar.

Mas isso é impossível.

Remedios franziu a sobrancelha e olhou as fichas colocadas no mapa.

Ela esperava por um lampejo de inspiração descer dos céus. No entanto, nada disso
aconteceu.

“Você tem alguma idéia?”

“Sim. Falando o que penso—”

Ela escutou a proposta do paladino, o que a abateu, depois pediu mais idéias, e o pro-
cesso foi repetido até que nenhum deles pudesse pensar em nada. Só então, uma batida
ecoou no silêncio pesado da sala.

“Capitã, você está aqui.”

A pessoa que entrou foi o Vice-Capitão — Gustav Montagnés. Parecia que ela havia sido
salva pelo gongo. Parecia que os outros paladinos na sala também se sentiam assim,
quando um leve brilho de esperança apareceu em seus rostos desanimados.

“Ah, você veio na hora certa. Eu queria perguntar se você tem alguma idéia.”

Remedios fez um gesto para o mapa espalhado sobre a mesa com o queixo. Parece que
Gustav tinha entendido o significado, pois ele assentiu.

“Eu posso fornecer uma sugestão ou duas, mas posso discutir algumas coisas com você
de antemão?”

“Hm? O que seria? Vá em frente e me diga.”

“Ah...”

Gustav continuou em um tom mais submisso:

“Na verdade, as coisas ficaram muito ruins. Algumas pessoas querem saber se o Rei Fei-
ticeiro participará dos combates.”

O Rei Feiticeiro não lutaria nesta batalha. Isso foi tanto para recuperar a mana que ele
tinha gasto até agora, quanto para frustrar o plano de Jaldabaoth caso fosse fazê-lo gastar
mana aqui.
Remedios teve dificuldade em aceitar o primeiro motivo, já que sua irmã mais nova,
Kelart, poderia restaurar a mana gasta em um dia. No entanto, todos os outros sentiram
que o Rei Feiticeiro não poderia ser mantido nos mesmos padrões que os seres humanos,
dado que ele havia tomado de volta a cidade sozinho, e assim Remedios não disse mais
nada. E falando nisso, havia sacerdotes presentes também, e eles também haviam con-
cordado com ele.

No entanto, mesmo Remedios poderia aceitar o segundo motivo.

Quem poderia dizer se Jaldabaoth estava escondido dentro das fileiras inimigas?

Em primeiro lugar, eles trouxeram o Rei Feiticeiro para lutar contra Jaldabaoth. Embora
fosse melhor se os dois acabassem se matando, ela não desejava ver o Rei Feiticeiro der-
rotado. Portanto, era natural que ela trabalhasse o mais próximo que pudesse com o Rei
Feiticeiro, para que ele pudesse lutar ao máximo, mesmo que ela desprezasse intensa-
mente os undeads.

Mesmo assim, ainda havia alguns que queriam que o Rei Feiticeiro entrasse em campo.
Alguns dos nobres que permaneceram na cidade haviam oferecido enormes somas de
dinheiro — o que fez até os olhos de Remedios ficarem tão arregalados que pareciam que
poderiam cair das órbitas — para induzi-lo a lutar, mas o Rei Feiticeiro rejeitara suas
ofertas.

“O que há de errado com isso? O Rei Feiticeiro não estará lutando nesta batalha. Você
deveria saber disso também, não? Apenas diga a eles e encerre essa trivialidade.”

“Capitã. Nós não podemos dizer a eles sobre isso. Se as coisas correrem mal — não,
mesmo que tudo corra bem, isso causará um grande alvoroço.”

“Por que isso?”

Ela não conseguia entender. O que havia de errado com o Rei Feiticeiro não lutando?

Depois de ver a dúvida escrita por todo o rosto de Remedios, Gustav franziu a testa e
respondeu:

“Isso acontece porque as pessoas que nos observaram tomar de volta à cidade sabem
que há coisas que nós, paladinos, não podemos fazer, mas que o Rei feiticeiro pode reali-
zar com apenas duas pessoas.”

Ela ainda não conseguia entender o que Gustav estava tentando dizer.

“Isso pode perturbar algumas pessoas, mas é assim que as coisas são. O que há de errado
com isso?”
“Não, o que estou tentando dizer é que eles confiam no Rei Feiticeiro mais do que em
nós, os paladinos. Se as pessoas desta cidade souberem que o Rei Feiticeiro — o ativo
mais confiável e poderoso que temos — não está lutando, o moral mergulhará no fundo
do poço.”

“Confiam? ...Você percebe que o Rei Feiticeiro é undead, não é?”

“Não importa que ele esteja undead. O Rei Feiticeiro libertou a cidade e resgatou prisi-
oneiros. Então para eles, o Rei Feiticeiro é um herói.”

“Um herói?”

Remedios revirou os olhos enquanto repetia as palavras de Gustav.

“As pessoas acham que ele é um herói? Mas ele é undead, não? Eles odeiam a vida e
amam a morte. Ele abandonou os reféns — não, ele os matou sem qualquer hesitação,
não é?”

“É tudo a mesma coisa para eles. Além disso... seria uma coisa se eles simplesmente o
considerassem um herói. Se isso continuar, as pessoas começarão a pensar no Rei Feiti-
ceiro como o salvador. Se as coisas derem errado, isso pode afetar o Rei Sagrado—”

“A Rainha Sagrada, você quer dizer.”

O rosto de Remedios se torceu em uma carranca:

“Eu já disse isso muitas vezes, mas a Calca-sama deve estar trancada em algum lugar.
Houve paladinos e sacerdotes que entraram em colapso em todos os lugares depois da-
quela batalha com Jaldabaoth, mas não conseguimos encontrar a Calca-sama e a Kelart
em nenhum lugar. Ele não precisaria movê-la se ela estivesse morta. Tenho certeza de
que ela deve ter sido tomada como refém.”

“Eu me expressei mal, Capitã. Eu sinto que pode ser um problema que pode causar pro-
blemas para o reinado de Sua Majestade Sagrada.”

“O reinado dela?”

“Sim... Nossa linha de fortaleza foi destruída e ninguém pode impedir que os demi-hu-
manos invadam. Não vai tardar em aparecer pessoas que querem se juntar ao lado de um
ser supremo que pode protegê-las.”

“Mas ele é um undead... percebeu?”

“Eu digo novamente, não importa se ele é um undead. Ele os salvou quando mais preci-
savam, esqueceu?”
Remedios ainda não conseguia entender esse ponto.

“Mas o Rei Feiticeiro não foi o único a lutar, não é? Nós também lutamos sob a bandeira
da Rainha Sagrada.”

“Sim. Você está certa. Todos nós lutamos, incluindo o povo comum. Mas mesmo com
tudo isso levado em consideração, se o Rei Feiticeiro faz mais do que nós, então pode
haver pessoas que o valorizem sobre a Rainha Sagrada e procurem torná-lo seu novo
governante.”

“Hah!?”

Remedios inconscientemente levantou o tom de voz.

“Como isso aconteceu? Não só ele é um herói, mas ainda essa criatura undead está sendo
colocada acima da Rainha Sagrada? Você tem noção do que disse?”

“Não é isso, as pessoas—”

“—Não importa, ele ainda é um undead! Quanto sofrimento e esforço você acha que Sua
Majestade Sagrada teve que passar para o bem das pessoas? Como as pessoas pode-
riam—”

“—Espere, Capitã!”

“O que você quer dizer pedindo para eu esperar?! Que merda é essa que você está fa-
lando, Gustav? Não, é nisso que você realmente acredita, não é?”

Nas garras de suas fortes emoções, Remedios bateu com o punho na mesa. Como alguém
que havia entrado no reino dos heróis, aquele golpe esmagou a área da mesa para abaixo
e arrancou um pedaço que caiu no chão. O padrão bizarro de dano parecia que algum
gigante havia pressionado a borda da mesa, isso falava da extensão de sua raiva.

“Por favor, acalme-se, Capitã! Todos nós conhecemos a grandeza e bondade de Sua Ma-
jestade Sagrada como uma coisa natural. Não há como o Rei Feiticeiro ou qualquer outra
criatura undead se comparar com a grandeza da Rainha Sagrada. Mas só sabemos disso
porque ficamos ao lado da Rainha Sagrada.”

“Você está louco? Mesmo que eles nunca tenham tido uma audiência com ela antes, não
há como alguém respeitar um undead de outro país mais do que o governante de sua
própria nação! Você está delirando!”

“Capitã!!”

Gustav exclamou, sua voz perto de um grito de dor:


“Mesmo o Rei Feiticeiro sendo um undead e o rei de outra nação, ele ainda foi quem os
libertara do tormento! E isso é algo... algo que Sua Majestade Sagrada, e nós não poderí-
amos fazer!”

Gustav vomitou essas palavras em uma grande explosão, e a sala ecoou com o som dele
tentando acalmar sua respiração agitada.

“...O que vocês acham?”

Os paladinos que estiveram anteriormente na sala se entreolharam quando ouviram a


voz calma de Remedios. Depois disso, um deles falou, com uma determinação mortal.

“Naturalmente, nós paladinos não consideramos o Rei Feiticeiro um herói. No entanto,


também sabemos que o povo comum pode se sentir assim.”

Depois disso, outra pessoa falou.

“A maioria das pessoas sabe que o Rei Feiticeiro conquistou esta cidade com a força de
apenas dois — não, uma pessoa. Aqueles que não viram o poder do Rei Feiticeiro, por
sua vez, exageram esses rumores, deificando-o ainda mais.”

O último completou:

“É fato que o Rei Feiticeiro se adiantou sozinho para oferecer ajuda a um país que não
era nem um aliado nem tinha relações amigáveis para ele. Se desconsiderarmos o fato de
que ele um undead... essas ações se qualificariam como heroicas.”

Parece que Remedios foi a única que não pôde aceitar esse estado de coisas. Nesse caso,
como ela poderia responder à pergunta de Gustav depois de se afundar tanto?

Era verdade que não ter seu herói participando da luta faria o moral cair, e pensar nas
razões para isso levaria a uma comoção. Afinal de contas, o inimigo estava com uma van-
tagem de quatro para um. Qualquer um estaria em tal estado de espírito quando pensas-
sem em ter que lutar contra algo assim.

“...Então, por que não pintamos o Rei Feiticeiro como um vilão e matamos dois coelhos
com uma cajadada só? Que tal dizer às massas que o Rei Feiticeiro não nos ajudará mais?”

“Mentir seria uma péssima idéia...”

Disse Gustav e completou:

“O humor das pessoas é como uma represa pouco antes de explodir. Se eles aprenderem
a verdade através de um canal ou outro e descobrirem que estávamos tentando esconder
a verdade, o assunto sairia do nosso controle.”
“Bem, nós não temos que contar uma mentira descarada. Nós podemos fazer isso de
uma maneira indireta.”

“Se as pessoas pensam que é mentira, elas tratam isso como uma mentira.”

“Então tudo o que precisamos fazer é impedi-los de ver o Rei Feiticeiro, não?”

“...Então, se um motim irromper ou se alguém quiser implorar a ele pessoalmente, nós


vamos matá-los?”

“...Eu não quero fazer isso.”

Gustav suspirou pesadamente.

“Isso é frustrante. O Rei Feiticeiro mostrou muito de sua força. Eu sinto que não seria
assim se tivéssemos tomado esta cidade de volta sob o nosso próprio poder... Se o pior
acontecer, o próprio país pode ser dilacerado. Quem vai parar o Rei Feiticeiro se ele de-
clarar que esta terra é um enclave do Reino Feiticeiro?”

“Esta nação pertence a Sua Majestade Sagrada e as pessoas que vivem nela! Não para os
undeads! E além disso, você acha que as nações vizinhas aceitarão isso?”

Remedios bateu na mesa novamente. No entanto, o rosto de Gustav não mudou, e ele
interveio:

“Eles provavelmente vão. Capitã, você os viu também, certo... os monstros que vivem na
cidade dele. Nenhuma outra nação gostaria de se tornar inimiga do Reino Feiticeiro, que
possui um poder militar tão assustador. Seria mais sensato simplesmente fechar os olhos
para o Reino Sacro, que agora é impotente... e se este lugar se tornar um enclave, a força
defensiva do Reino Feiticeiro será dividida em dois frontes, e muitos dos países vizinhos
concordarão que é uma coisa boa. E se as pessoas quiserem que isso aconteça também,
o Rei Feiticeiro terá justa causa para suas ações.”

“...Então, ser um país dos undeads é melhor do que ser uma nação cujo povo não pode
se defender... é assim, Vice-Capitão?”

Gustav assentiu com a cabeça na pergunta do paladino.

“Exatamente.”

“Gustav. Eu cometi um erro ao trazer o Rei Feiticeiro conosco?”

“Claro que não, Capitã. Foi a melhor escolha que tínhamos. No entanto... é verdade que
nós dependemos muito no poder do Rei Feiticeiro. Como eu disse antes, se tivéssemos
recuperado os campos de prisioneiros com nossa própria força, não estaríamos nessa
situação agora. Pelo que sabemos, as pessoas ainda podem temer e odiar o Rei Feiticeiro,
sendo que ele é um dos undeads.”

“...Então o que deveríamos fazer?”

“Precisamos apaziguar as pessoas, ganhar tempo e derrotar o exército inimigo por nós
mesmos. Se nem podemos fazer isso, mesmo se derrotarmos Jaldabaoth... a luta ainda
pode continuar.”

Remedios olhou para o teto.

“...Então é isso que temos que fazer. Maldição, aquele Rei Feiticeiro... ele planejou tudo
isso antes?”

“Eu não sei... eu realmente não sei. Mas eu não duvido.”

“Talvez ele deseje expandir seu domínio. O Reino Feiticeiro é muito pequeno?”

“Eu não diria que é muito pequeno, mas é verdade que o Reino Feiticeiro é apenas sua
cidade e a terra ao redor, bem como a planície que supostamente gera grandes quanti-
dades de undeads.”

Então foi por isso que ele estava de olho na terra do Reino Sacro. Certamente havia evi-
dências mais do que suficientes para levar a essa conclusão.

“Aquela maldita criatura undead! Nós deveríamos ter esperado a força de Momon afi-
nal!”

“Talvez as coisas tenham terminado da mesma maneira se o Momon tivesse vindo. O


choque simplesmente não teria sido tão grande quanto o impacto que o Rei Feiticeiro fez.
Um rei conquistando uma cidade por si mesmo é uma imagem incrivelmente impressio-
nante. O fato de que o dito rei é um dos undeads que são inimigos jurados de nossa nação
também é um grande fator nisso.”

Em outras palavras, um vilão que faz uma coisa boa teve um impacto maior do que uma
pessoa comum fazendo a mesma coisa.

“...Droga.”

Agora que o silêncio retornara à sala, Remedios — que finalmente percebeu que Gustav
estava pedindo sua opinião — deu-lhe ordens.

“Vamos discutir isso com Caspond-sama. Se, talvez, embora eu ache que não é muito
provável, por via das dúvidas, Sua Majestade Sagrada falecesse, então ele é a pessoa mais
elegível para ser o próximo Rei Sagrado.”
“Como ainda não encontramos outros membros da família real, esse certamente será o
caso. Vamos pedir a opinião dele sobre tudo isso, então.”

Remedios deixou os paladinos na sala e levou Gustav ao quarto de Caspond.

No final, as coisas acabaram como Gustav havia previsto. A conclusão era que eles de-
morariam em responder ao povo e se o inimigo atacasse durante esse tempo, eles os en-
frentariam sem a ajuda do Rei Feiticeiro e os derrotariam em resposta, mostrando ao
mundo que a força do Reino Sacro não havia diminuído.

Parte 3

Houve grandes movimentos no campo demi-humano — ao receber o relatório, Neia sa-


bia que a hora tinha chegado.

Não havia nenhuma dúvida sobre isso; isso era o prelúdio para um ataque.

Neia correu pela cidade, usando o equipamento que ela pegou emprestado do Rei Feiti-
ceiro.

Ela sabia que as pessoas pelas quais passava enquanto corria estavam olhando para ela.

A linha de visão deles foi atraída para o arco magnífico que ela pegou emprestado do
Rei Feiticeiro, e então eles olharam para a armadura anteriormente usada pelo ex-sobe-
rano da cidade, o Grande Rei Buser, e eles ficaram cheios de choque. A audição aguda de
Neia escolheu as pessoas que faziam uma pergunta através do barulho da multidão:
“Quem é aquela guerreira?” Foi respondido por “É a escudeira do Rei Feiticeiro” ou “A mu-
lher do Reino Feiticeiro”.

Eu não sou do Reino Feiticeiro...

Isso a incomodava toda vez que ela ouvia falsos rumores como esse. Parte dela queria
saber, mas não queria saber como os boatos haviam retratado erroneamente. No entanto,
ela precisaria negar clara e firmemente quaisquer rumores que pudessem incomodar o
Rei Feiticeiro.

Ainda assim, a escudeira do Rei Feiticeiro...

Isso a agradou, mas quando ela estava prestes a sorrir, um gemido silencioso veio de
uma das pessoas que ela passou enquanto corria.

Mesmo que ele se pareça com o pai...


Esse pensamento passou pela mente de Neia quando ela chegou no muro ao lado do
portão oeste, onde ela havia sido designada. Foi também onde praticamente todas as for-
ças demi-humanas foram reunidas.

Aproximadamente 80% de todos os paladinos, sacerdotes, soldados e homens fisica-


mente capazes da cidade estavam posicionados no portão oeste ou nas proximidades. Os
20% restantes foram designados para o portão leste, já as mulheres, crianças, velhos e
outros não-combatentes estavam vigiando os muros norte e sul da cidade.

Remedios Custodio comandava o portão oeste. Gustav Montagnés comandava o portão


leste. Caspond Bessarez era o comandante supremo nominal. É claro que o comandante
supremo permaneceu no quartel-general no centro da cidade e não se aventurou.

Ela finalmente podia ver o portão oeste.

O Rei Feiticeiro havia demolido o rastrilho do portão leste, mas o rastrilho do portão
oeste ainda estava intacto. No entanto, muitos demi-humanos eram mais fortes que os
seres humanos. Eles provavelmente poderiam destruir facilmente usando toras.

Neia fechou a mão em um punho antes que ficasse trêmula.

Se eles superassem esse ponto e entrassem, seria muito difícil lidar com os demi-huma-
nos quando começassem a se espalhar pela cidade. Em outras palavras, a cidade estaria
perdida.

Dadas as circunstâncias, Neia não podia correr. Ela provavelmente lutaria e morreria
em combate contra um vasto enxame de demi-humanos.

Neia levou a mão trêmula à boca e depois a mordeu.

Não tenha medo! Se você ficar com medo, você errará um alvo que poderia ter atingido!

O item mágico que ela pegou emprestado do Rei Feiticeiro podia defender-se contra
ataques mentais de origens mágicas, mas não podia suprimir o medo nascido de seu pró-
prio coração. Mesmo assim, ela provavelmente teria ficado ainda mais assustada se não
tivesse usado.

Quando ela sentiu a dor se espalhando de seus dedos, Neia entrou em uma torre no que
parecia ser o lado esquerdo da cidade e subiu correndo as escadas até o topo do muro.

Neia fora designada para o lado do Rei Feiticeiro, e por isso ela foi aparentemente a
última a aparecer — é claro, seus oficiais superiores concederam sua dispensação espe-
cial para que ela não fosse censurada por se atrasar — e as outras pessoas que deveriam
estar aqui já estavam presentes.
Enquanto Neia se preparava para sair correndo para sua posição, o paladino coman-
dando o flanco esquerdo dos muros a impediu.

“O Rei Feiticeiro — Sua Majestade parece que ainda não veio.”

Por um momento, Neia olhou para o paladino em surpresa. Ela já havia relatado a seus
superiores que o Rei Feiticeiro não tinha intenção de participar dessa batalha, mas eles
ainda estavam fazendo essa pergunta. Isso significa que eles ainda não haviam informado
os outros?

No entanto, Neia imediatamente percebeu que não era esse o caso. Este homem estava
se apegando em um pedaço de esperança — ele estava se perguntando se o Rei Feiticeiro
iria mudar de idéia e aparecer.

Neia olhou para o exército demi-humano que estava disperso do lado de fora da cidade.
Havia bem mais de 30.000 demi-humanos lá, mas a pressão de olhar diretamente para
eles fez com que eles se sentissem mais numerosos do que realmente eram.

Neia podia entender o porquê alguém desejaria a ajuda do esmagadoramente poderoso


Rei Feiticeiro diante de tal força militar. Isso porque Neia já se sentira do mesmo jeito
também. Contudo—

“Sim. O Rei Feiticeiro não está aqui. Isso é porque esta é a nossa batalha — a batalha do
Reino Sacro.”

O paladino ficou sem fala por um momento.

Neia passou por ele e correu para o posto—

“—Um momento! Escudeira Neia Baraja!”

“Sim!”

Neia parou e ficou atenta.

“Fique aqui por enquanto.”

“Eh!?”

Neia olhou em volta. Este lugar estava perto da saída da torre que levava ao topo do
muro da cidade. Muitas pessoas se moveriam através deste lugar. Ela não atrapalharia o
caminho de todos se ela estivesse aqui? Além disso, este lugar estava longe da posição
designada de Neia, que ficava perto do centro.

“Posso perguntar o motivo disso? Há algo que você precisa que eu faça?”
“Não, não, não é como se precisássemos de você para fazer alguma coisa, na verdade é
um pouco problemático... Escudeira Baraja. Apenas fique aqui. Você entende!?”

“Ah, sim...”

Ela não tinha idéia do que estava acontecendo, mas deve ter havido alguma razão para
isso. Não havia razão para manter um soldado treinado aqui sem motivo, quando a luta
poderia irromper a qualquer momento.

Minha tarefa foi alterada? É para que eu possa me concentrar em atacar os comandantes
inimigos? ...O arco que peguei emprestado do Rei Feiticeiro parece incrível, mesmo que seja
por um curto tempo, então isso significa que eles estão me usando como um trunfo?

“Compreendo. Quanto tempo vou estar esperando? Além disso, onde devo esperar?”

“Ah, hum, bem, só até o inimigo se mover. Quanto a onde... em qualquer lugar está bem.”

“Hã? Preciso esperar até o último momento?”

Foi realmente estranho. Assim que um sentimento de erro começou a encher Neia, vá-
rios homens que pareciam ter vindo da milícia levaram uma panela enorme pelas esca-
das. Esta era provavelmente comida para os defensores que estavam nos muros. Eles
estavam suando muito mais do que deveriam com o clima frio, e estava claro que esses
homens tinham ido e voltado muitas vezes. Era de se esperar, já que eles estavam ali-
mentando várias centenas de homens.

Neia encostou-se na parede para lhes dar espaço para passar e os homens passaram
apressadamente por ela. No entanto, um deles levantou a cabeça um pouco e notou o
rosto de Neia.

“Huh? Você não é a escudeira do Rei Feiticeiro — ah, não, usar você é errado, Vossa Se-
nhoria?”

“Ah, não precisa ser tão formal... er, me perdoe. Sim. Eu tenho o dever de servir como
escudeira do Rei Feiticeiro.”

Talvez tivessem ouvido Neia falar com o homem, mas os outros portadores de potes
pararam e olharam para Neia, surpresos. Foi provavelmente pela mesma razão que o
homem de antes.

Ela estava ligeiramente envergonhada por ser conhecida como a escudeira do Rei Feiti-
ceiro, mas ao mesmo tempo sentia-se muito orgulhosa de si mesma.

Os homens não sabiam como Neia se sentia, e perguntaram preocupados:

“Eu digo, ah, na verdade, há algo que eu gostaria de perguntar ao Rei Feiticeiro—”
“—Pare com isso! Não, por favor, poderia deixar isso para mais tarde? Ela está muito
ocupada. Você se importaria de continuar com seu trabalho?”

De repente, o paladino se colocou entre Neia e os homens, como se para escondê-la.

Isso foi uma coisa estranha de se fazer. Parecia que ele não queria que ela falasse com
aqueles homens.

Essa foi a razão da interrupção de agora? Ele não quer que eu fale com eles... porque isso?
É porque eles iam fazer uma pergunta sobre o Rei Feiticeiro?

Ela não sabia o porquê ele estava fazendo isso, mas encontrar a resposta seria bem sim-
ples.

“Eu não me importo. Qual é o problema?”

Já que o paladino não queria que ela falasse, então ela teria que se dirigir diretamente a
eles.

“Escudeira Baraja!”

“Você está tentando impedir as pessoas de perguntar sobre o Rei Feiticeiro!?”

Neia respondeu tão alto quanto o grito que havia sido dirigido a ela.

Na verdade, era uma atitude muito desavergonhada continuar tomando emprestada a


reputação do Rei Feiticeiro assim, mas ela tinha que se certificar de que o Reino Sacro
não estava fazendo nada que pudesse impactar negativamente o Rei Feiticeiro. Ela não
queria que seu país natal se desgraçasse.

Neia se dirigiu gentilmente ao homem que lhe fizera a pergunta antes. Claro, ela sabia
que isso provavelmente iria assustá-lo, mesmo que ela sentisse que seu tom era gentil.

“Eu responderei da melhor maneira possível se a sua pergunta estiver relacionada ao


grande Rei Feiticeiro. Dito isso, eu não sou do Reino Feiticeiro, então lamento dizer que
há muitas coisas que eu também não sei.”

“Eh!? Mas você— Vossa Senhoria não é do Reino Feiticeiro?”

“Eh!? Não, não, não é assim. Eu sou uma escudeira dos paladinos deste país.”

“Eh? Mesmo?”

“Bem, sim...? Então você não precisa ser formal comigo...”


A multidão explodiu em uma comoção. Talvez fosse porque o paladino havia gritado
com ela agora, mas em algum momento os milicianos nos muros começaram a olhar em
sua direção.

Embora as coisas tivessem tomado um rumo bastante embaraçoso, ela não podia pare-
cer maltrapilha agora que invocara o nome do Rei Feiticeiro. Neia encheu o peito orgu-
lhosamente, determinada a deixar que todos os soldados presentes a ouvissem. Parecia
que o paladino havia se resignado ao fato de que ele não podia esconder isso, e então ele
ficou de lado enquanto olhava com raiva para Neia.

“Então, primeiro... Aquela armadura sua parecia algo que o chefe daqueles monstros de
cabeça de bode usava. Foi você quem o derrotou?”

“Não, não mesmo. O portador anterior dessa armadura era o Grande Rei Buser, e o Rei
Feiticeiro o matou usando uma única magia.”

Ohhh, a multidão se entusiasmou.

Ela podia ouvir trechos de conversa da multidão: “Ele realmente derrotou aquele mons-
tro!”, “Eu não posso acreditar que ele usou apenas uma magia”, “Ele realmente derrubou
uma cidade inteira sozinho... ele na verdade derrotou muitos demi-humanos... “Ele é super
forte... Eu acho que estou me apaixonando por ele...”, “Ele não é nem um pouco parecido
com os undeads que eu conheço, nem pensar...” e assim por diante.

Mesmo que eles estivessem sussurrando nos ouvidos uns dos outros ou murmurando
para si mesmos, os ouvidos atentos de Neia podiam nitidamente ouvi-los.

Naturalmente, ela ficou muito feliz em saber que os outros se sentiam da mesma ma-
neira em relação ao grande homem que tanto admirava. Isso foi particularmente verda-
deiro para aquelas pessoas que mantiveram essa opinião apesar de saberem que ele era
undead.

Os esforços de Sua Majestade não foram em vão, há pessoas lá fora que o entendem...

“Então, então, ah, Sua Majestade nos ajudará desta vez?”

O tumulto ficou em silêncio em um instante, e essa reação disse à Neia que essa questão
era crítica.

“...Sua Majestade não participará desta batalha. Isto porque, está é uma batalha que nós,
como cidadãos do Reino Sacro, estamos lutando para salvar nossa nação, e não uma
guerra de outro país. Além disso, Sua Majestade precisa conservar mana para quando
enfrentar Jaldabaoth.”

Os rostos dos homens caíram quando ouviram sua resposta. Neia se preparou para uma
repreensão—
“Bem, isso faz sentido... normalmente, o rei de outro país não viria sozinho. O céu vai
nos punir se não formos gratos a ele, apesar de tudo o que ele fez por nós.”

“Sim. Além disso, ela disse que ele está economizando mana para derrotar Jaldabaoth.”

“...Aquele rei é muito sangue-frio, mas mesmo assim ele é um homem que vai escolher
um método que salvará mais pessoas... não, ele é undead. Nesse caso, deve haver uma
razão pela qual ele não participará dessa batalha. Quero dizer, eu vi na época.”

“Ahh, eu vi também. É verdade que somos nós que mais valorizamos este país. —Eu vou
proteger minha esposa!”

“Do que você está falando?”

“Nós viemos dos campos de prisão antes que esta cidade fosse libertada—”

Ela podia ouvir vozes de boa vontade ao seu redor.

Claro, havia alguns que estavam infelizes que o Rei Feiticeiro não estava vindo para aju-
dar. No entanto, eles foram superados em número pelas pessoas que podiam entender
as considerações do Rei Feiticeiro, e isso aqueceu seu coração.

“Posso voltar ao meu posto agora?”

Neia dirigiu sua pergunta ao paladino. Ela agora entendia porque ele não queria que ela
fosse ao seu posto mais cedo. Nesse caso, não deveria haver problemas em deixá-la ir
para lá agora.

O paladino não escondeu como se sentia quando disse a Neia: “Vá”, com um olhar
amargo no rosto.

Neia passou pelos soldados que discutiam em voz alta sobre o Rei Feiticeiro e chegou
ao local para o qual ela fora designada. Ela então observou atentamente o acampamento
inimigo.

Era um vasto exército. Ostentavam de ter mão de obra suficiente para engolir todos aqui
de um só gole. Eles não os atacariam, mas sim o inimigo que estaria atacando-os.

Ela sentiu como se fosse vomitar novamente.

Quantas vezes seu pai se sentiu assim quando estava ocupando a linha da fortaleza?

Neia olhou para o céu, que estava tão nublado quanto o seu coração.

♦♦♦
O exército demi-humano fez o seu movimento durante o dia.

Neia se apressou para terminar seu mingau.

Tal mingau foi feito de grãos de aveia cozidos com leite e servido em uma tigela de ma-
deira. Graças ao ar de inverno lá fora, estava frio quando chegou às mãos de Neia e, fa-
lando francamente, estava horrível. No entanto, se ela não comesse seu corpo não seria
capaz de suportar o esforço prolongado que teria que passar depois, e não haveria mais
comida esperando por ela. Além disso, mesmo que supostamente fosse um alívio para
ela, Neia tinha a sensação de que não seria aliviada tão facilmente, e que ela estaria ocu-
pada demais para uma refeição adequada mais tarde. Foi por isso que eles receberam
uma porção tão grande para a merenda.

Ela forçou a colher a entrar em sua boca, forçando-se a engolir os grumos e os torrões
brancos de aveia que estavam inchados de leite.

A enorme quantidade que ela tinha para engolir inchava sua barriga, e a noção de que
essa coisa horrível poderia ser sua última refeição a enchia de desespero.

Nas ameias com vista para o exército de demi-humanos, Neia se enrolou em uma esteira
de algodão. Seu casaco de cor cinza seria sua única defesa contra o frio do inverno a partir
de agora. Os milicianos começaram a comer ao mesmo tempo que ela, mas ainda não
haviam terminado.

Todo mundo estava franzindo a testa. Claramente ninguém estava feliz com o gosto. Mas
não era algo que poderiam evitar.

No entanto, suas expressões tensas não se deviam ao mingau de aveia. Seus olhos não
estavam olhando para a comida em suas mãos, mas os demi-humanos fazendo seu
avanço.

Não havia como alguém ser feliz — ou esperançoso — ao olhar para aqueles números
avassaladores.

Então havia aqueles que já tinham sido prisioneiros. O gosto de serem dominados pelos
demi-humanos havia gravado um intenso medo neles. Eles estavam sob tanto estresse
que não conseguiam comer.

O que o Rei Feiticeiro faria nessas circunstâncias?

Ele daria um discurso grandioso e animado para aumentar sua vontade de lutar? Ou ele
riria disso?
Neia não tinha idéia de quais ações heroicas ele tomaria. Ainda assim, mesmo que sou-
besse, não poderia imitá-lo. Afinal, ela era completamente diferente do Rei Feiticeiro, que
era tanto um herói quanto um rei.

Além disso, provavelmente causaria problemas se Neia dissesse algo como “relaxem e
não se preocupem” para eles. Afinal de contas, a tensão correta era o que impulsionava as
coisas.

Seus rostos podiam estar abatidos, mas não havia sinal de que eles haviam cedido ao
desespero, nem havia sinais de que eles queriam fugir. Havia algo sobre eles, algo que só
se podia encontrar em soldados que se prepararam para enfrentar seu destino.

A razão para isso foi aparentemente devido a algo que um dos milicianos — que havia
sido um dos primeiros a ser libertado dos campos de prisioneiros — havia dito sobre o
Rei Feiticeiro. Ele se espalhou através dos soldados posicionados nos muros como um
incêndio.

Vidas não eram igualmente importantes.

Eles ficaram infelizes quando souberam que ele havia matado um refém que os demi-
humanos estavam segurando. Foi um ato implacável que era muito característico dos
undeads. No entanto, as pessoas que lá estiveram insistentemente insistiram que não era
esse o caso. Eles falaram de como aquele incomparavelmente poderoso Rei Feiticeiro
disse: “Mesmo eu seria oprimido se fosse fraco.”

Neia também se lembrava daquelas palavras. Naquela época, ele parecia extremamente
humano, irradiando até mesmo um estoicismo trágico que parecia propósito e determi-
nação personificados. Era uma promessa poderosa para proteger as coisas que eram im-
portantes para ele, além disso, tinha um poder de persuasão que não podia ser colocado
em palavras.

E então, eles pensaram sobre o que aconteceria com as pessoas queridas a eles se fos-
sem derrotados aqui.

O espírito de luta dos soldados foi fortalecido por um poderoso senso de propósito, que
dizia: “Eu não quero deixar meus entes queridos passarem pelo inferno novamente”.

Sua Majestade considerou que as coisas poderiam acabar assim lá no começo?

Se ele não tivesse dito essas palavras para endurecer a determinação do povo, suas for-
ças militares poderiam ter perdido o moral diante do exército avassalador diante deles,
e elas poderiam até ter se dissolvido em uma derrota.

Neia só tinha visto a Rainha Sagrada uma vez. Ela quase não tinha idéia de suas habili-
dades ou de seu caráter. Ainda assim, ela estava certa de que o Rei Feiticeiro era superior
a ela como um governante em ambos os aspectos. Ou melhor, o Rei Feiticeiro era prova-
velmente o tipo de soberano que será conhecido como o Rei dos Reis, a mais alta ordem
de monarquia, mesmo entre outros reis.

“E aqui eu costumava sentir que as pessoas do Reino Feiticeiro eram lamentáveis por-
que se deixavam ser governadas pelos undeads...”

No entanto, eles podem ter tido muita sorte agora que ela pensou sobre isso. Aquelas
palavras agarraram a garganta de Neia, fizeram um loop e se recusaram a deixar sua boca.
Afinal, não seria bom se as pessoas ao seu redor as ouvissem. Só então—

“Confirmado avanço inimigo! Todos se preparem para a batalha!”

Um grito bem alto veio a distância.

Todos engoliram o mingau e foram para os postos de batalha.

Se um exército com mais de 10.000 homens fizesse o seu movimento, o ar estremeceria,


a ponto de poder abalar os muros da cidade. Parecia que a pressão que se aproximava
iria esmagá-los.

Na verdade, a audição aguda de Neia havia captado o clamor de um exército que avan-
çava, e lamentos desanimados surgiram dos milicianos.

O moral estava caindo rápido.

Ainda assim, estava fora do alcance de Neia, e ela também não estava em posição de
fazer nada. O trabalho de Neia era preencher com flechas todos os inimigos que entraram
em seu alcance.

Desde que esta cidade foi tomada de volta, ela passou todo o tempo livre para praticar
o arco e flecha quando não estava cumprindo suas obrigações como escudeira. Ela pen-
sou que era graças a essa prática que ela se acostumara com o Ultimate Shooting-Star
Super, e agora ela era capaz de usá-lo corretamente.

Ainda assim, por que os demi-humanos estão atacando agora? Atacar à noite seria melhor
para eles... eles têm algo em mente? Se o Rei Feiticeiro estivesse aqui, eu poderia perguntar
a ele sobre isso...

A ausência do magic caster que caminhara ao lado ou na frente dela durante o último
mês a fez sentir como se houvesse algo importante faltando em seu coração.

Não, eu não posso confiar em Sua Majestade para tudo. Eu preciso andar com minhas pró-
prias pernas... Mesmo eu não tendo certeza do que os demi-humanos estão planejando, deve
haver uma razão para lançar o ataque em plena luz do dia. Nesse caso, seria melhor não
ser descuidada.
Enquanto Neia observava os demi-humanos das ameias, a linha de frente dos demi-hu-
manos chamou sua atenção.

...Espera, aquilo é...

Havia um Ogro de três metros de altura na fileira da frente. Aquele demi-humano car-
regava uma arma enorme.

Era uma espécie de arma de longo alcance protegida por um escudo de madeira. Uma
balista. Embora parecesse adequada para os demi-humanos devido ao enorme tamanho
do último, o fato era que elas poderiam ser usadas como armas de cerco.

Muitos Ogros carregavam essas armas, que deveriam ser montadas no lugar, e ficaram
alinhados.

Eles haviam pegado de uma cidade e as haviam remodelado para serem disparadas na
posição vertical?

Os tambores trovejaram e as balistas estavam preparados para disparar.

E então—

—Os muros da cidade literalmente começaram a tremer. As ameias desmoronaram em


alguns lugares. Mesmo eles tendo a sorte de não sofrerem nenhuma casualidade dadas
as circunstâncias, essa sorte não duraria para sempre.

Uma flecha gigantesca quebrou as ameias. Não era tanto uma flecha, mas sim um dardo.
Um dardo grosso que era mais comprido do que Neia, ele voou pelo ar e se enterrou nos
muros. Neste ponto, a única palavra para isso seria “arma de cerco”. Certamente ninguém
poderia sobreviver ao ser atingido por algo assim.

Os Ogros pareciam estar se preparando para uma segunda saraivada.

“Seus desgraçados!”

Neia olhou para eles.

Os Ogros estavam muito longe.

Dado o poder de seu arco, ela provavelmente poderia acertá-los nesse intervalo. No en-
tanto, sua capacidade de penetração seria muito diminuída, e o fato era que ela não podia
praticar tiro de longo alcance como este dentro dos limites da cidade. Ela não sabia o
alcance do arco e não estava confiante de que poderia atirar nos escudos das balistas e
matar seus detentores.
Sendo esse o caso, tudo o que eles podiam fazer era abrir os portões e lutar em uma
batalha campal para matar o grupo com balistas, mas isso seria uma jogada extrema-
mente tola.

Em outras palavras, tudo o que eles podiam fazer era continuar tomando esse ataque
unilateral.

Temos que recuar... mas se o fizermos, não podemos impedir o avanço do inimigo. Que tipo
de plano os oficiais têm?

Embora o inimigo estivesse apenas atirando no momento, eles se moveriam para der-
rubar os muros se os homens recuassem, e se o inimigo se apoderasse dos muros, a ci-
dade estaria praticamente perdida.

Eles assumiriam o controle das escadas que desciam dos muros e forçariam os soldados
a voltarem para abrir os portões, a fim de deixar o corpo principal de suas forças entrar
na cidade. Tudo o que eles precisavam fazer era forçar aquela sequência de eventos atra-
vés de força bruta. Não havia nada que pudessem fazer sobre isso. Mesmo Remedios teria
dificuldade ao ser cercada por inimigos em uma luta corpo a corpo.

Nesse caso, tudo o que podiam fazer era sacrificar a retaguarda e fugir da cidade pelo
leste. No entanto, isso provavelmente levaria à situação que eles haviam discutido em
uma reunião de estratégia anterior — eles seriam assolados ao longo das planícies, ou
seriam esmagados entre esse exército e o que estava contra o sul.

O que o paladino comandando o portão oeste decidiria?

Ele recuaria ou lutaria até o fim?

Quando Neia contemplou o assunto, uma segunda saraivada veio do inimigo.

Os muros tremiam novamente quando os projéteis do tamanho de lanças o atingiram.


O tremor pareceu mais intenso que da última vez e, ao mesmo tempo, ela ouviu um som
irreconhecível.

“Abbbahhhhh!”

Ela olhou para a fonte do som e testemunhou uma visão horrível.

Um dos dardos da balista tinha atravessado de uma parede e empalado um miliciano


escondido atrás dela. Sangue borbulhava de sua boca. Vários segundos depois, os espas-
mos do homem pararam e ele desabou como uma marionete cujas cordas foram cortadas.
O dardo o havia prensado na parede como um espécime de inseto, e seus braços e pernas
pendiam frouxamente para baixo.
Gritos eclodiram ao seu redor quando os homens viram o horrível cadáver que apareceu
de repente entre eles.

Neia pegou o colar que o Rei Feiticeiro emprestou e mordeu o lábio.

Isso foi uma ferida fatal. Nenhuma quantidade de magia de cura poderia curar isso.

A morte de um soldado não afetaria muito suas forças de combate. No entanto, o medo
gerado por sua morte horrível infectou o ambiente. O pensamento de que eles poderiam
ser os próximos e que não havia nenhum lugar seguro para eles desencadeou os instintos
de sobrevivência dos homens, e seus corpos tremeram.

“「Under Divine Flag」!”

Alguém lançou uma magia.

O terror que percorria os milicianos foi suprimido naquele momento. Este foi o resul-
tado do uso de magia para melhorar sua resistência ao medo. Enquanto a magia divina
「Lion’s Heart」 fornecia imunidade completa ao medo, tinha o ponto negativo de se
limitar a um único alvo. Em contraste, 「Under Divine Flag」 afetava todos em uma es-
fera ao redor do lançador.

Por isso os paladinos estavam entre os milicianos.

“Não tenham medo!”

Gritou o paladino que lançou a magia e continuou:

“Peguem suas armas para salvar aqueles que passaram pela mesma dor que vocês!”

Magias e certas habilidades especiais podiam fazê-los entrar em pânico rapidamente,


mas o medo que sentiam agora vinha de seus próprios corações. Sob os efeitos da magia
de suprimir o medo, o fogo voltou a brilhar nos olhos dos milicianos.

Ainda assim, isso estava simplesmente encobrindo o problema real. O importante era
saber se eles poderiam fazer alguma coisa sobre o ataque unilateral que estavam rece-
bendo do inimigo. Caso contrário, a única coisa que viria disso seriam mais mortos e fe-
ridos. No entanto, Neia não conseguiu apresentar boas idéias.

“Protejam-se! O inimigo não tem munição ilimitada! Não é possível que tenham um
grande amonte com eles!”

Entendi.

Neia pensou. A maior parte de seus recursos deveria estar indo para o sul a fim de pro-
ver o exército que resistia contra as forças do Sul, então foi por isso que eles pensaram
que não teriam trazido munição suficiente para suas armas aqui? Mesmo assim, até um
artesão cativo poderia fabricar muitos ferrolhos em pouco tempo, mas isso seria para
balestras. Esta foi uma aposta.

—A terceira onda chegou.

Os Ogros não estavam acostumados com a arquearia, e muitos deles erraram seus tiros.
Mesmo assim, muitas das ameias desmoronaram sob a terceira saraivada, e houve mui-
tas baixas entre os milicianos.

Os dardos maciços como lanças podiam perfurar dois homens ao mesmo tempo.

「Under Divine Flag」 estava centrada no paladino que a havia lançado, o que signifi-
cava que seu efeito era mais forte quando muitas pessoas estavam amontoadas em seu
raio de efeito. No entanto, isso apenas levou a mais baixas.

O som de bater de asas veio pelo ar antes que o inimigo pudesse disparar pela quarta
vez. Anjos alados voaram pelo céu e passaram sobre as cabeças de Neia e dos outros.

Mesmo que fossem anjos de baixo nível, eles se dirigiram diretamente aos demi-huma-
nos. Eles tinham marcas incandescentes nas mãos direitas e seguravam ânforas cujo pa-
nos saiam do gargalo nas mãos esquerdas. Aquelas ânforas claramente continham óleos
ou álcoois poderosos.

Em outras palavras, eles estavam carregando armas explosivas — bombas incendiárias.

É claro que as chamas produzidas por essas armas não prejudicariam em nada os opo-
nentes resistentes ao fogo, ou os demi-humanos com peles grossas ou corpos grandes.
Eles podem até não ter efeito algum.

Por outro lado, havia também aqueles demi-humanos que não podiam lidar com o fogo,
e danificar as balistas também impediria o ataque inimigo.

Os anjos encheram o céu acima dos Ogros que usavam balistas e acenderam seus jarros.
No entanto, eles nem sequer tiveram tempo para derrubá-los.

Houve um som agitado quando os demi-humanos subiram ao céu. Eles eram Pteropus.
Suas mãos foram moldadas em asas de pele, e seus braços permaneceram imóveis en-
quanto subiam direto no ar como se estivessem na proa do vento. Esse foi provavelmente
o efeito de algum tipo de magia.

Uma substância branca semelhante a uma teia voou ao mesmo tempo, enredando os
anjos. Provavelmente foi produzido por uma habilidade especial dos Spidans.
Os anjos pareciam borboletas presas em uma teia de aranha e mergulharam no chão, já
que não podiam se mover livremente. Eles foram engolidos pelas hordas de demi-huma-
nos e é escusado dizer o que aconteceu com eles depois disso.

No entanto, os anjos não se sacrificaram em vão.

Várias bombas incendiárias atingiram o chão e o rugir das chamas se espalharam por
todo lado.

Neia julgou que essa era a melhor chance que ela conseguiria e tensionou a corda do
arco.

Até agora, era impossível mirar diretamente nos Ogros devido aos escudos montados
em suas balistas. Mesmo que ela apontasse para as pernas desprotegidas, seria quase
impossível matá-los em um golpe.

Seu pai teria sido capaz de disparar o olho de um ogro através da pequena abertura. No
entanto, as habilidades de Neia não eram tão afiadas quanto as dele. No entanto, os Ogros
levantaram suas balistas e apontaram seus escudos para cima. Talvez porque eles temes-
sem as chamas ou tivessem medo de terem suas balistas danificadas, mas, qualquer que
fosse o motivo, a atenção deles estava concentrada no fogo, e eles não prestaram ne-
nhuma atenção nela.

Se ela perdesse essa chance, provavelmente não conseguiria outra.

Ela puxou a corda do arco até o limite e soltou a flecha.

O item mágico que ela pegou emprestado do Rei Feiticeiro ajudou Neia a trazer um re-
sultado que se aproximava do que seu pai podia fazer.

A flecha voou em um caminho assustadoramente reto e atingiu a cabeça de um Ogro.

Neia não tinha apontado para o crânio espesso, mas sim para o globo ocular. Mesmo que
alguns monstros possuíssem uma membrana protetora sobre os olhos, ela julgou que
seria mais fácil dar um golpe fatal ali do que atacar o crânio.

No entanto — as coisas não correram como planejado.

Sua flecha fincou na área perto da mandíbula do Ogro.

O Ogro ferido gritou alto, estremecendo com a dor.


O Ogro soltou a balista e segurou o rosto — a parte em que fora perfurada. Então, tre-
mulamente virou as costas para Neia antes de recuar. Apesar de não ter causado um
golpe mortal, ela pelo menos quebrou a vontade de lutar.

Se o exército demi-humano tivesse curandeiros, provavelmente seria capaz de voltar à


linha da frente num instante.

“Tch!”

Isso era tudo que Neia poderia realizar, mesmo com a ajuda dos poderosos itens mági-
cos que o Rei Feiticeiro emprestara a ela.

Neia estalou a língua e imediatamente se escondeu atrás das ameias, depois se apertou
para o lado da cidade do muro e começou a se mexer. Os milicianos ao lado dela olharam
surpresos quando ela de repente deixou o posto e se dirigiu a eles em tom severo.

“—Saiam daqui! Eles vão contra-atacar este lugar!”

Não foi porque ouviram o grito de Neia, mas vários dos balistas lançaram seus projéteis
em sua direção. Mesmo que a maioria dos dardos tinham errado, alguns deles aterrissa-
ram nas proximidades de Neia e destruíram o muro próximo.

Se Neia tivesse tido azar, ela poderia muito bem ter sido empalada por esses dardos.

Ela espiou os demi-humanos novamente. O caos dos anjos e o ataque de fogo estavam
sendo constantemente contidos, e os Ogros levantaram suas balistas novamente. Parece
que a notícia de ser atingido por uma flecha se espalhou por todo o exército inimigo.
Nesse caso, eles provavelmente não cometerão o erro de baixar seus escudos novamente.
Portanto, ela apostaria em ser capaz de imitar a habilidade de seu pai por um golpe de
sorte, atingindo-os mesmo que ela só pudesse atacar as partes expostas de seus corpos?
Ou ela iria se esconder como uma tartaruga e esperar por uma chance?

Em meio à confusão, o arco que ela pegou emprestado do Rei Feiticeiro refletiu a luz do
sol e brilhou lindamente.

Você não será elogiada pela imprudência...

Sim. Ela havia recebido itens incrivelmente poderosos e precisava devolvê-los, indepen-
dentemente do custo. Portanto, ela não deveria correr riscos.

Eles não podem ter muitos dardos especiais!

Pareceria que os demi-humanos estavam jogando uma rajada interminável de dardos


do tamanho de lanças contra eles. No entanto, a manufatura grosseira significava que,
muitas vezes, eles voavam para lugares errados, e alguns deles até caíam nas ruas da
cidade sem acertar em nada.

Ela não podia responder contra-atacando, então tudo que ela podia fazer era se agachar
e esperar que o ataque inimigo cessasse.

Fragmentos dos muros que foram destruídos inundaram Neia. Alguns milicianos azara-
dos foram atingidos e morreram no local, mas outros rezaram silenciosamente para que
o ataque inimigo parasse, já que não podiam fazer mais nada.

Logo, ela ouviu um poderoso estrondo, a batida de um tambor. O mesmo som repetiu-
se quatro vezes. Ao longe, o mesmo som veio do que deveria ter sido a ala esquerda da
formação do inimigo.

...Eles estão coordenando seus movimentos com o número de batidas. Parece que as alas
direita e esquerda estão usando isso para se comunicar. Se eu pudesse entrar no campo
inimigo e roubar um desses tambores, então batesse descontroladamente nele, o que deve-
ria atrapalhar a coesão do inimigo — o que seria impossível.

O inimigo deveria saber a importância de seus tambores. Portanto, eles seriam forte-
mente protegidos. Nesse caso, quem poderia cobrar em seu acampamento?

Talvez um aventureiro possa usar 「Invisibility」 ou 「Silence」 ou outras magias para


causar o caos entre o inimigo e depois entrar sorrateiramente.

Não faz sentido esperar pelo impossível...

Ainda assim, não havia dúvidas de que o inimigo estava mudando de rumo. Neia — e
muitos milicianos — se levantaram nervosamente para espiar os movimentos do inimigo.

Depois disso, uma grande comoção surgiu deles.

Era um sentimento que combinava choque, medo, raiva e fúria.

O exército que se encontrava do outro lado dos muros avançava por fim. As alas es-
querda e direita das forças da Aliança Demi-humana avançaram em paralelo. O destaca-
mento central aproximou-se do portão da cidade em uma formação em camadas.

Os demi-humanos avançaram com passos fortes, como se quisessem caçar e matar Neia
e os outros.

E então havia outra unidade — uma muito pequena — que parecia flanquear a cidade.
Eles estavam planejando escalar as paredes, ou isso era uma finta?
De qualquer forma, o inimigo já havia lançado a segunda onda de ataque. De agora em
diante, não seria uma luta unilateral, mas uma luta mútua de derramamento de sangue
selvagem.

No entanto, não foi aí que o problema estava. Afinal, estavam esperando há muito tempo
por isso, embora não pudessem se alegrar que finalmente havia chegado.

O que irritou os milicianos foi o avanço das alas esquerda e direita. Suas principais uni-
dades eram compostas de muitas espécies diferentes. Mesmo sem um senso de unidade,
eles tinham duas coisas em comum.

Uma era que eles estavam todos carregando escadas táticas.

Em outras palavras, a unidade deles pretendia escalar as paredes e invadir a cidade. Isso
também implicava que eles eram o objetivo de Neia.

A outra coisa era que eles tinham crianças humanas amarradas a seus corpos.

Alguns deles gritavam e choravam, enquanto outros pendiam bambos. Todos eles esta-
vam nus e todos eles estavam vivos.

Neia mordeu o lábio com força.

Mas, ao mesmo tempo, o coração de Neia estava surpreendentemente calmo.

De seu canto escuro nos muros, ela observou a maré demi-humana pressionando-os.
Neia então deslizou uma flecha de sua aljava e começou a sacar seu arco.

Mesmo que os inimigos pioneiros tivessem entrado em seu campo de tiro, ela precisava
se segurar.

Ainda era cedo demais.

Ela respirou fundo várias vezes, concentrou-se, depois se virou o mais rápido que pôde
e puxou a corda do arco.

Ela tinha apenas um momento para apontar, e havia apenas um ponto em que ela pode-
ria acertar.

—Lá!

Ela soltou sua flecha.

Seu tiro sem hesitação perfurou o escudo humano — o peito de uma criança — e o demi-
humano por trás dele.
Talvez até mesmo aquele tiro poderoso tivesse sido difícil de derrubar com a resiliência
de um Ogro. No entanto, o demi-humano que ela acabara de atingir não parecia possuir
uma vitalidade tão irracional.

Neia não prestou atenção ao demi-humano que ela havia derrubado e sacou outra flecha.

Ela havia matado uma pessoa, a criança amarrada na frente do demi-humano.

Suas mãos não paravam de tremer. Sua visão ficou negra e seu coração tremeu.

Embora ela soubesse que isso aconteceria e se preparou para isso, foi assim que ela re-
agiu.

Ela pegou o punho da espada pela força do hábito, mas seus dedos tocaram a corda do
arco.

Era como se seu arco a estivesse repreendendo, dizendo que agora não era a hora para
esse tipo de coisa.

Uma fraca chama se acendeu no coração congelado de Neia. Ela se espalhou como fogo
e dispersou os ventos frios que sopravam sua alma.

Ela parou de tremer e sua visão não pareceu mais se turvar. O que enchia seu coração
eram as palavras da pessoa que incorporava uma justiça inabalável.

Ahh, pensar que isso teria um efeito tão grande.

Neia reconfirmou que o que o Rei Feiticeiro disse estava correto.

Os demi-humanos pioneiros que Neia atacara estavam visivelmente diminuindo a velo-


cidade. Isso foi porque eles foram abalados ao descobrir que seus escudos humanos não
eram eficazes.

Portanto, ela gritou.

Neia abriu os olhos e gritou para os milicianos que os encaravam.

“O que vocês estão fazendo? Apressem-se e joguem suas pedras para baixo! Nós não
podemos salvar esses reféns!”

De fato. Neia e os outros não puderam salvar os reféns. E então, eles já tinham visto o
que o inimigo faria com os reféns que haviam perdido seu valor. Portanto, o que eles
poderiam fazer?

Ela disparou outra flecha para acelerar os demi-humanos a caminho da vida após a
morte.
Neia usou sua visão treinada e viu que seu tiro havia perfurado um menino na testa. Ela
não sabia se era porque estava apontando para um Armat ou porque o crânio do menino
havia diminuído o impacto, mas essa flecha não fora imediatamente fatal. No entanto, a
linha de frente do inimigo estava no caos. Isso era apenas esperado. Tanto humanos
quanto demi-humanos diminuiriam o ritmo quando as coisas não acontecessem como
planejado.

No entanto, tudo o que ela podia ver das linhas inimigas estendia-se de uma ponta da
visão à outra.

Neia apenas conseguiu efeito na região onde ela havia atirado. Em todo lugar, as coisas
continuavam como se nada tivesse acontecido. Parecia um pequeno distúrbio em uma
linha extremamente longa.

“Apressem-se e joguem as pedras!”

Neia gritou para eles novamente.

Se eles não jogassem suas pedras, tudo que Neia fez teria sido por nada. Isso era algo
ainda mais imperdoável do que tirar a vida das pessoas — crianças que tinham futuro
pela frente.

O inimigo estava atacando à esquerda e à direita ao mesmo tempo. Um confronto direto


com um inimigo que os ultrapassava várias vezes resultaria em serem esmagado sob o
peso dos números. No entanto, se até mesmo um dos elementos inimigos diminuísse, já
aliviaria a pressão sobre eles.

Se o inimigo chegasse aos muros, eles subiriam enquanto usavam as crianças como es-
cudos. Se conseguissem subir os muros, os milicianos não seriam capazes de resistir aos
demi-humanos. O que ela tinha que fazer agora era ver quanta força de combate ela po-
deria remover do inimigo antes que eles chegassem.

É muito difícil para os milicianos matarem crianças. Portanto, tem que haver alguém dis-
posto a dar o exemplo, mesmo sujando as mãos!

Neia fixou os olhos em um paladino à distância.

Você deveria ter percebido que quando você retomou os campos de prisioneiros e esta ci-
dade! Você deveria saber que o Rei Feiticeiro estava certo! Você deveria saber que não pode
fazer mais nada! E você certamente deveria saber que é inútil ficar obcecado com vidas que
você não pode salvar! O que você deve fazer é dedicar toda a sua força para salvar as pes-
soas que ainda podem ser salvas!

Neia disparou outra flecha.


Assim como antes, seu tiro matou uma menina e o demi-humano ao qual ela tinha sido
amarrada.

“Rápido—”

“—Uooooohhhh!”

Um grito ecoou ao redor de Neia quando uma pedra voou. Parecia afastar a ansiedade
em seu coração.

A pedra atirada atingiu os demi-humanos, que ainda estavam hesitantes. Embora esti-
vesse longe de ser fatal, parece que causou algum dano.

“Hey, vocês! Apressem-se e ataquem os demi-humanos! Desistam das crianças que eles
estão mantendo como reféns!”

Neia reconheceu o miliciano que gritava.

Ele era o pai do menino que o Rei Feiticeiro havia matado quando eles libertaram o pri-
meiro campo de prisioneiros.

Neia ficou surpresa ao encontrá-lo aqui.

“Se eles passarem por nós, as mulheres e as crianças sofrerão muito mais do que antes
de serem salvos! Se vocês ainda amam seus filhos, joguem as pedras o mais forte que
puder!”

Sua voz parecia banir todas as suas dúvidas, e logo foi seguida por uma saraivada de
várias pedras. Mesmo que voassem por caminhos estranhos e ficando incerto para onde
eles estavam mirando, o fato era que eles tinham jogado suas pedras.

No momento em que Neia puxou seu arco novamente, uma chuva de pedras desceu so-
bre os demi-humanos. Muitas dessas pedras atingem os demi-humanos de frente, os que
usam crianças como escudos de carne. Em vez disso, seria mais correto dizer que elas
atingiram as crianças amarradas àqueles demi-humanos, do que os próprios demi-hu-
manos.

As crianças choraram e lamentaram de maneira desalentadora. Mesmo assim, as pedras


esmagaram impiedosamente aquelas crianças miseráveis. Elas foram o sacrifício mais
trágico de todos, presos entre a selvageria de ambos os lados.

Neia priorizou o mirar nas crianças.

Ela fez isso para libertá-los de sua dor e tormento o mais rápido possível.
Este foi um sinal de respeito para os poucos que tiveram que ser sacrificados para aju-
dar muitos.

Neia se inclinou para encontrar seu próximo alvo, e então sentiu algo rasgando o ar
quando se aproximou, mas tudo o que viu foi uma explosão de luz.

Isso é um ataque mágico do inimigo?

Neia congelou por um momento. Ao mesmo tempo, ela sentiu um leve impacto de sua
barriga. Parecia que algo a havia atingido levemente ali.

Assustada, ela tropeçou um passo para trás e então ouviu um barulho de seus pés. Ela
olhou de perto e viu algo que parecia menos uma lança do que uma flecha gigantesca —
em outras palavras, um dardo de balista.

Sua ponta parecia ter sido martelada em um ângulo pontiagudo por um martelo.

Neia rapidamente se escondeu atrás do muro. Depois disso, ela ouviu um som de raspa-
gem quando algo enorme atingiu os muros da cidade.

Suor frio correu pelas costas.

Neia inconscientemente acariciou a parte onde ela sentiu o impacto.

Ela pensou em como o Rei Feiticeiro havia arremessado sua espada na luta de antes, e
ela havia sido desviada por uma esfera de luz da armadura de Buser. Isso explicaria o que
acontecera agora. Parece que a armadura de Buser — que o Rei Feiticeiro emprestou a
ela — a protegeu. Em outras palavras, a vida de Neia foi salva no último segundo.

Isso é algum tipo de proteção contra ataques à distância? Meu peito, ombros e barriga
estão protegidos pela armadura, mas e os outros lugares? Essa habilidade tem que ser ati-
vada? Não, mais importante, quantas vezes mais posso usá-la? Ou já usei tudo?

Sem a armadura que o Rei Feiticeiro lhe emprestara, não havia dúvida de que Neia teria
sido empalada através de seu abdômen.

Esse fato enviou arrepios através de seu corpo.

“Huh... huh... huh. Vamos lá, droga!”

Neia não havia entrado no raio de 「Under Divine Flag」. Ela sentiu que era desneces-
sário porque tinha a tiara que o Rei Feiticeiro lhe emprestara. Por isso ela podia conviver
com o medo da morte assim. No entanto, não havia lágrimas nos olhos de Neia — em vez
disso, ela segurou seu arco antes de se revelar.
Ela resolveu continuar lutando, mesmo que isso significasse tirar a vida das crianças.
Ela não podia se permitir perder a vontade de lutar depois de um mero dardo de balista.

Isso era para proteger as crianças que não poderiam aguentar mais sofrimento. Ao
mesmo tempo, foi também para matar os demi-humanos que os arrastaram para a bata-
lha. A flecha que ela soltou encarnou esses sentimentos.

A intenção de atacar sem levar em conta as crianças se espalhou de sua porção do muro,
até que todos atirassem pedras contra os demi-humanos.

Neia viu até mesmo os paladinos jogando pedras.

“Desgraçados! Seus desgraçados!”

“Ahh, malditos, esses demi-humanos...”

“Eu sinto muito! Eu sinto muito!”

“Me desculpe... por favor, me perdoe...”

Embora aqueles gritos de remorso ecoassem pelo escalão, eles não pararam de jogar
suas pedras por um momento.

Este foi o ataque feito por aquelas pessoas que aceitaram que algum sangue tinha que
ser derramado para salvar o maior número de vidas.

No entanto, o inimigo era muito numeroso. No momento em que derrubaram a primeira


fileira — os que usavam crianças como escudos — os demi-humanos já haviam chegado
à vizinhança dos muros e começaram a desdobrar as escadas uma após a outra.

Mesmo que os demi-humanos tecnologicamente atrasados só pudessem fazer aríetes e


escadas táticas quando se tratava de armas de cerco, a verdade era que não havia contra-
ataque perfeito contra ambos. Vários homens empurraram as escadas com varas com-
pridas e os anjos destruíram várias outras, mas, lamentavelmente, havia inimigos demais
para enfrentar.

“Como estão as bombas incendiárias? Chame os sacerdotes para ajudarem com suas
magias!”

“Isto é problemático! Eles têm uma escada! Eu vou cuidar disso, cuide desse lado para
mim!”

“Joguem essas pedras!”


Houve uma grande comoção no alto dos muros. Os defensores lançavam pedras ou gol-
peavam com longas lanças para repelir os demi-humanos que subiam as escadas, mas as
escadas subiram uma após a outra e ficou difícil lidar com todas elas.

Vários demi-humanos evitavam agilmente os impulsos de lança dos milicianos, em vez


disso, agarrando as lanças e puxando seus detentores da parede. Então havia aqueles
demi-humanos como os Armats e os Bladers, cuja força defensiva natural era comparável
à armadura de placas completa. Eles ignoraram as lanças e correram todo o caminho.

Embora os paladinos tivessem sido treinados em combate e pudessem lidar com esses
demi-humanos fortemente protegidos, o número de demi-humanos no topo dos muros
cresceu mais e mais. Quaisquer lacunas que aparecessem eram imediatamente preenchi-
das.

Depois de enrijecer sua determinação, Neia se inclinou por trás de uma parede e atirou
em um demi-humano que subia na lateral.

Não era tanto a habilidade de Neia quanto a arma que ela usava que matava os demi-
humanos de uma só vez. Ela poderia matar os resistentes Armats e Bladers porque ela
possuía o Ultimate Shooting-Star Super.

O corpo de Neia era claramente visível quando ela se inclinou para fora, e ela foi atingida
várias vezes por pedras cuspidas por Stone Eaters. Embora essas pedras pudessem colo-
car talhos em placas de metal. Neia foi protegida pela armadura de Buser. Ainda assim,
ela provavelmente estaria machucada e ela poderia ter sofrido uma fratura ou duas.

Embora ela estivesse suando muito, não parou de atirar nos demi-humanos nem por um
momento.

Eu ainda posso fazer isso... Eu só tenho mana suficiente para usar o colar de cura que Sua
Majestade me emprestou uma vez, então eu preciso poupar!

Enquanto ela continuava fazendo tiros certeiros um após o outro, parte de sua mente
tentava estimar quanto tempo ela poderia aguentar. Afinal, o único uso de magia de re-
cuperação de Neia era seu trunfo.

Ela puxava uma flecha de sua aljava, prendia ao arco, mirava na cabeça ou o coração de
um demi-humano e depois a soltava. Ela repetiu essa sequência inúmeras vezes.

Uma rocha a atingiu com força suficiente para derrubar a flecha de sua mão.

Neia rapidamente se escondeu atrás do muro.

Ela soltou a flecha porque o ataque do Stone Eater fez todo o corpo de Neia gemer de
dor, mas essa não foi a única razão.
Paladinos eram usuários de espada. Como escudeira, ela havia treinado com espadas,
por isso, mesmo que conhecesse os fundamentos do arco e flecha, não passara muito
tempo treinando com arcos. Essa falta de prática fez com que seus braços ficassem com
câimbra e seus dedos doessem.

Se ela não pudesse usar um arco, então estaria apenas atrapalhando. Era muito cedo
para ela usar seu trunfo agora, mas ela não tinha outro jeito de restaurar sua capacidade
de lutar.

“Ativar:「Heavy Recover」!”

A mana drenada do corpo de Neia, e isso a fez se sentir um pouco tonta. Ela não seria
capaz de fazer isso pela segunda vez.

Ao mesmo tempo, toda a dor em seu corpo desapareceu, seja as câimbras nos braços ou
nos dedos doloridos.

“Eu posso fazer isso!”

Neia se inclinou novamente e continuou atirando.

Felizmente, as forças de Jaldabaoth possuíam algum grau de liderança. Caso contrário,


os balistas teriam atirado em Neia para matá-la sem hesitação, mas já que eles estavam
sendo comandados, eles não atiraram por medo de acertarem os aliados.

Neia continuou atirando como se estivesse em um sonho. Por fim, a mão que desceu não
conseguiu pegar nada, sua aljava ficou vazia.

Ela olhou para baixo em pânico e viu que ela estava sem flechas.

Só então, um grito veio dos milicianos.

Havia um demi-humano de aparência muito forte em frente a uma escada. Embora não
fosse diferente dos Stone Eaters que haviam atirado pedras em Neia, seu físico era exce-
lente. Embora não fosse páreo para Buser, ainda irradiava a aura de um ser poderoso.

Segurava uma espada larga de aparência grosseira na mão direita, que lembrava um
cutelo de carne. A outra segurava um elmo que parecia conter alguma coisa. Era a cabeça
do paladino que comandava essa área.

“O grande Jajan-sama da tribo Lagon conquistou a liderança do comandante inimigo!


Agora, seus cachorros, matem eles! Matem todos os humanos!”

♦♦♦

A situação imediatamente se tornou austera.


Paladinos eram poucos em número, e uma morte entre aqueles pequenos números sig-
nificava que a força defensiva desta área iria despencar. E então, havia mais uma coisa.

Havia uma tremenda disparidade na força de combate entre um miliciano e um paladino,


mesmo que o último não fizesse parte de uma elite escolhida a dedo. Não havia como os
milicianos ganharem contra um demi-humano que poderia matar um desses paladinos.

Enquanto os milicianos congelavam de medo, os demi-humanos escalaram a escada


atrás do Stone Eater de antes — Jajan. Eles inundaram como a água de uma represa que-
brada, um se tornando dois, e dois se tornando quatro. Foi como mitose.

Demi-humanos começaram a encher o topo do muro e, por sua vez, o número de milici-
anos começou a diminuir.

Demi-humanos e milicianos. A diferença em suas habilidades individuais era clara de se


ver.

Ela olhou ao redor em pânico.

Flechas. Ela não podia fazer nada sem flechas.

Ela lançou os olhos ao redor como um viajante em um deserto à procura de um oásis, e


então ela viu um soldado completamente exausto encostado em uma parede. Houve um
tremor com flechas ao lado dele.

É isso! Eu pegarei as flechas daquele homem ferido e o mandarei de volta para a reta-
guarda.

Mas Neia respirou enquanto corria. O homem que parecia um arqueiro não tinha me-
tade do rosto. Ele estava claramente morto.

Ele provavelmente recebeu um impacto direto de um Stone Eater. Seu cérebro estava
vazando, seu olho vidrado olhava para o nada, e o destino dele poderia muito em breve
ser o de Neia também.

Ela olhou mais de perto e encontrou vários cadáveres mortos de formas semelhantes.
Seu nariz normalmente sensível finalmente pegou o cheiro denso de sangue no ar. Não,
o nariz dela estava bem, o cérebro dela simplesmente não tinha recebido a informação.

Quando o mingau de repente subiu em sua garganta, Neia se forçou a engoli-lo de volta
com toda a força. Ela mal conseguiu, mas não havia como dizer se era porque ela teve
sorte, ou porque ela se tornou resistente a isso depois de assistir a “performance de co-
mer enquanto vivos” mais cedo.
Neia rangeu os dentes e transferiu as flechas restantes da aljava do arqueiro sem nome
para a sua. Reabastecer sua aljava parecia que ela estava restaurando seu próprio espí-
rito de luta.

Eu ainda posso lutar. Ainda há coisas que posso fazer...

Depois de terminar o trabalho rapidamente, Neia juntou as mãos do cadáver e fechou o


olho restante. Não havia tempo a perder fazendo isso, mas ela não conseguia se impedir
de fazê-lo.

“Eu vou lutar por sua causa também. Até o fim...”

Quando Neia se virou e se levantou, ela não mais murmurou para si mesma.

Seu espírito subiu a um pico que nunca havia alcançado antes, e seus sentidos estavam
incrivelmente afiados. Ela sentiu como se fosse parte do arco que segurava.

O topo do muro era agora um tumulto caótico. Considerando as habilidades de Neia,


parecia quase impossível atacar Jajan — que estava segurando a cabeça do paladino —
dado o grande número de amigos e inimigos entre eles. Contudo—
Eu ainda tenho essas manoplas! E o Ultimate Shooting-Star Super que Sua Majestade me
emprestou! —Eu posso fazer isso!

Ela soltou a flecha enquanto se enchia dessa poderosa convicção.

Quando Jajan notou o assobio no ar, já era tarde demais.

A flecha perfurou sua cabeça e Jajan caiu no chão.

“Jajan da Tribo Lagon caiu pela mão de Neia Baraja!”

Embora ela tenha gritado essas palavras, ela não foi respondida por uma alegria. Isso
era apenas esperado. Não houve tempo para uma longa hurra no meio de uma batalha
de vida ou morte. Neia sentiu um pouco de vergonha ao perceber isso, mas conseguiu
abalar o moral dos demi-humanos. Ela podia sentir a pressão sobre eles se afastando.

Parece que esta não foi uma derrota completa.

Neia pegou sua flecha novamente, então ela se virou procurando um demi-humano ade-
quado antes de enviar uma flecha em seu caminho. Ela atirou no demi-humano mirando
na cabeça e ele caiu da parede.

Neia tirou outra flecha de sua aljava. Ela estava fazendo isso como se não fosse nada,
como se não pudesse evitar fazer. Agora ela era uma mestra arqueira como o pai?
Sua arquearia havia melhorado rapidamente no decorrer dessa batalha. Foi assim que
ela conseguiu matar Jajan, embora este tenha sido ferido durante a batalha com o pala-
dino.

Em meio ao caos da guerra, Neia buscou novas presas para derrubar.

—Eu sou uma arqueira, então por que eles não estão me atacando?

Essa pergunta foi respondida quando sua próxima flecha perfurou outro crânio demi-
humano.

“Não abordem esse ser humano de maneira descuidada! Ela está usando a armadura do
Grande Rei!”

“O Grande Rei?”

“Grande Rei Buser? Armadura do Grande Rei Buser?”

Os ouvidos sensíveis de Neia captaram a tagarelice que os demi-humanos falavam.

“Não há nenhuma dúvida sobre isso! Aquela é a armadura do Buser!”

“Não me diga que... aquela humana o derrubou...”

Ah! É isso!? Quando o Rei Feiticeiro disse que me protegeria, ele não estava se referindo à
capacidade da armadura de se defender contra ataques à distância, mas à reputação de
derrotar Buser!?

O nome do Grande Rei Buser era bem conhecido em todas as forças militares demi-hu-
manas. Portanto, os demi-humanos que haviam subido os muros estavam com a falsa
impressão de que estavam lutando contra o guerreiro que havia derrotado Buser. O fato
de Neia ter matado um demi-humano classificado como um líder de uma só vez só au-
mentava isso.

Foi por isso que eles se recusaram a avançar contra ela, embora soubessem que Neia
era uma arqueira.

Eu tenho que entregá-la ao Rei Feiticeiro, ele levou isso em conta também?

Com toda a probabilidade, poucos demi-humanos a perseguiriam agora mesmo se ela


desse meia volta e corresse. Eles provavelmente priorizariam a defesa de um inimigo
forte, mesmo que estivessem cometendo um erro. Portanto, a vida de Neia provavel-
mente não estava em grande perigo. O conselho do Rei Feiticeiro para “fugir para o por-
tão leste” de repente veio à mente, mas ela não podia fazê-lo.

Qualquer um que desejasse isso nunca teria vindo aqui em primeiro lugar.
Neia soltou outra flecha e matou outro demi-humano.

“Uoooh! Esse... esse brilho de novo...”

Brilho... bem, eu estou olhando para eles...

“São os olhos de quem tem fome pelo abate! Aquela mulher, pelo menos, acho que pro-
vavelmente é uma mulher, ela não é um inimigo comum!”

Provavelmente... uma mulher...

“Olhe para aquele arco! É incrível! Não são apenas suas habilidades!”

Hehe~!

“A Arqueira de Olhos Furiosos!”

...Eh?

“O que, o que você quer dizer com esse nome? Você conhece aquela humana?”

...Não, não...

“Aquela humana tem um apelido?”

...Espere!

“Eu ouvi uma vez que havia um arqueiro humano com cara de demônio e habilidades
incríveis com o arco... poderia ser aquilo?”

Este era Papai!

“A Arqueira de Olhos Furiosos! A arqueira que matou Buser!”

Por alguma razão, a frase “Arqueira de Olhos Furiosos” se espalhou pelos escalões de
demi-humanos como uma onda.

Eles já aceitaram isso!

Enquanto esse pensamento passava por sua mente, Neia já não tinha mais nenhuma
oportunidade de corrigi-los.

Quando Neia soltou suas flechas, os milicianos começaram a se mover.


“—Todos, mantenham-se no escalão! Não deixe os demi-humanos se aproximarem da-
quela garota!”

“Ohh! Formem escalões! Lembrem-se de seu treinamento!”

“Eu estou indo para cima!”

Cerca de vinte milicianos se moveram para atuar como escudos para ela.

“Apenas mate esses desgraçados para nós! Nós vamos te proteger!”

“Entendido—”

O som de asas batendo veio do acampamento inimigo.

Neia girou e apontou a flecha para a fonte do som.

Seus olhos estavam cheios com a visão de Pteropus subindo da formação inimiga. Havia
muitos deles.

Embora parecesse que ultrapassar os muros seria o objetivo final, vários deles saíram
do bando e desceram sobre Neia.

Ela há muito abandonara a idéia de quem mirar. Neste mundo branco, silencioso e puro,
onde tudo o que ela podia ver eram seus inimigos, Neia soltou com calma uma flecha em
cada um de seus inimigos. Sua cadencia de tiros era inumana, sem hesitar em sua preci-
são mecânica.

Depois de derrubar os Pteropus indo para ela, Neia exalou levemente. Ela podia ouvir
novamente depois de ser liberada daquele estado de concentração absoluta.

Para a lateral—

Ela queria se esquivar, mas uma torrente de dor veio de seu braço esquerdo.

O Armat ao lado dela havia rasgado a carne de seu braço.

“Gwaaargh!”

Apesar de seu grito de dor, Neia ainda fez o movimento para puxar outra flecha, mas
então ela pensou que poderia não ser capaz de segurá-la corretamente. Nesse caso, talvez
sacar sua espada pode ser melhor.

Sua hesitação era uma enorme fraqueza, e o selvagem Armat levantou o braço, prepa-
rando-se para acompanhar seu ataque anterior com um golpe no rosto.
Ela queria voltar atrás, mas seu oponente era um lutador superior e conseguiu encurtar
a distância, para que ela não conseguisse evitá-lo.

Uma dor intensa encheu seu rosto. Mesmo que ela tenha conseguido virar a cabeça e
evitar que os olhos fossem rasgados, as garras rasgaram sua bochecha esquerda e abri-
ram uma ferida que expunha o interior de sua boca.

Sangue fresco encheu sua boca e o gosto do sangue se espalhou por sua língua. Além
disso, ela podia sentir o sangue quente escorrendo de sua bochecha, a sensação se espa-
lhando por seu pescoço e peito.

Neia não teve tempo de desembainhar a espada, e então bateu o Ultimate Shooting-Star
Super no rosto do Armat.

O Armat provavelmente não esperava que ela fizesse isso com o arco, então tentou re-
cuar para evitar o ataque.

Como ela não conseguia mover o braço esquerdo bem o suficiente para segurar o arco,
Neia sacou a espada com o braço direito.

Neia realizou uma punhalada como se estivesse preparada para morrer por isso. O Ar-
mat imediatamente contra-atacou com garras afiadas, mas um miliciano próximo conse-
guiu ferir perna do Armat e seu objetivo falhou. A garra errou a orelha de Neia por uma
fração de centímetro e, por sua vez, sua lâmina de aço afundou na garganta do Armat.

Ela olhou para baixo, para o Armat, quando ele desmoronou e então analisou a situação.

Enquanto ela esteve concentrada em disparar flechas, os milicianos no topo do Muro


tinham sido quase completamente destruídos. Os demi-humanos chegaram a Neia e só
restavam mais cinco homens, todos pressionados perto da parede.

Os reforços mais próximos estavam lutando do outro lado dos demi-humanos que ti-
nham escalado as escadas, e eles seriam duramente pressionados a ajudá-la aqui. Fran-
camente falando, eles pareciam estar bastante envolvidos nos combates, então eles não
teriam tempo livre para ajudá-la.

Havia mais de trinta demi-humanos no bloco de Neia, e havia apenas seis pessoas ao seu
lado.

Neia olhou para os demi-humanos e recuou. A pressão sobre Neia e os outros diminuiu
um pouco.

“Desculpe por isso, Baraja-san!”

Os milicianos que foram pressionados contra a parede tomaram uma formação defen-
siva na frente de Neia.
“Não vamos deixar esses desgraçados passarem por nós, mesmo que seja a última coisa
que faremos em vida!”

A pessoa que disse isso parecia um homem covarde em seus quarenta anos, com um
intestino mórbido e saliente. No entanto, seu rosto estava corado com o que parecia ser
a excitação da batalha, e seu corpo estava coberto de tanto sangue que não se podia dizer
se era dele ou do inimigo. Mesmo assim, ele se recusou a se ajoelhar, continuou de pé
com um espírito indomável.

Ele certamente parecia um guerreiro confiável.

“Muito obrigada!”

Disse Neia enquanto cuspia um bocado de sangue fresco que havia se acumulado em sua
boca. Então, ela completou com:

“—Eu conto com você para isso!”

Ele não era o único que estava assim. Nenhum dos milicianos caídos em batalha mostrou
qualquer sinal de que eles haviam tentado deixar o perímetro que haviam formado em
torno de Neia. O que mais ela poderia dizer, exceto dizer que ela confiava neles?

Os olhos do homem foram para o braço esquerdo de Neia e seu rosto endureceu.

“Eu posso ver o osso...”

“Por favor, não diga isso, dói ainda mais quando você aponta.”

“Ah, ahhh, desculpe.”

Uma vez atingido um certo nível de habilidade como paladino, eles poderiam usar ma-
gias de recuperação de nível baixo. No entanto, Neia era apenas uma escudeira, então ela
não podia fazer isso. Não havia paladinos ou sacerdotes ao lado de Neia, e sua mana ainda
não havia se recuperado o suficiente para usar o item mágico novamente. Provavelmente
seria melhor abandonar o pensamento de usar o braço esquerdo nessa batalha.

Neia olhou para os demi-humanos, mas apenas mover os olhos fez a ferida em seu rosto
doer.

A dor fez com que seu olhar parecesse muito mais sinistro e, quando os demi-humanos
sentiram isso, eles ficavam em guarda.

“Graças aos seus disparos, ninguém mais se engraçou aqui como aquele cara de agora,
Baraja-san. É por sua causa que conseguimos sobreviver por tanto tempo.”
Se os demi-humanos diante dos olhos de Neia se precipitarem todos de uma só vez, os
milicianos provavelmente seriam derrotados em um instante. No entanto, eles estavam
todos cautelosos com Neia, a arqueira, então eles não podiam se mover juntos. Na ver-
dade, ela podia entender a cautela quando ouviu o que os demi-humanos estavam di-
zendo.

“A Arqueira de Olhos Furiosos... será que ela não é nada de mais usando uma espada?”

“Não seja descuidado, ela está apenas fingindo que não pode usar uma espada para en-
ganar seus oponentes.”

“Mesmo? Você é um cara muito esperto.”


[Ho mens -Cob ras]
“Devemos chamar os Snakemen e matá-la à distância com lanças?”

Neia riu em seu coração. Parece que ela ganhou uma reputação imerecida graças ao po-
der do arco mágico que ela pegou emprestado.

“...Há esperança para mim?”

Neia perguntou a si mesma essa pergunta em voz baixa o suficiente para que os demi-
humanos não pudessem ouvir, e então ela riu.

“...Se é o arco... o arco que eu peguei emprestado de Sua Majestade, o Ultimate Shooting-
Star Super, atirar não seria um problema, mas...”

O homem tentou dizer o nome Ultimate Shooting-Star Super, e então ele riu desespera-
damente.

“Entendi... então é muito ruim, huh. Diga, Baraja-san... você deve pular do muro e fugir.
Você deve viver.”

Neia olhou para o homem.

“Aiieee! Per-perdoe-me. É natural que você fique zangada com essas palavras tolas. Mas,
mas, embora eu não saiba que tipo de inferno você passou, você tem a idade da minha
filha... eu acho, mas deixar uma garota nessa idade morrer é...”

Eu não estava com raiva, só estava olhando normalmente para você...

O pensamento cruzou sua mente, mas isso era uma coisa comum até agora e Neia não
se ofendeu com isso.

O homem estava falando a verdade. Seria mais sensato recuar por enquanto e curar suas
feridas até que ela pudesse usar seu arco, ao invés de balançar uma espada que ela não
estava acostumada.
—O que vai acontecer com eles se eu fizer isso? Eu sei muito bem. Eu não posso ajudá-los,
mesmo se eu ficar e lutar. Eu vou morrer por nada. Mas...

Neia balançou o arco em sua mão esquerda para baixo e para o lado.

Eu preciso devolver esta arma. Há muitas razões pelas quais eu deveria fugir. Mas, mas o
que os inimigos de Sua Majestade vão pensar se eu fugir enquanto empunho uma arma que
Ele me emprestou? Nesse caso—

“Como eu poderia fugir?!”

Ela gritou.

“Como eu poderia, como alguém que segura uma arma emprestada de Sua Majestade,
dar meia volta e fugir!?”

Ela segurou com força a espada na mão direita.

Pagar os favores era natural para um ser humano.

As pessoas deste país — especificamente, os chefes de seus paladinos — não eram do


tipo que faziam isso, mas ela queria mostrar ao Rei Feiticeiro que nem todos neste país
eram como eles.

“Uwaaaahhhh!”

O grito de Neia parecia um lamento. Como ela não podia usar seu arco, os milicianos
morreriam por nada protegendo-a. Nesse caso, ela deveria aproveitar-se do temor equi-
vocado do seu poder e atacar os demi-humanos enquanto eles ainda não chamaram for-
ças mais fortes.

O inimigo provavelmente não esperava que Neia atacasse tantos inimigos, e eles se mo-
veram devagar o suficiente para que até mesmo a esgrima de Neia fosse o suficiente para
cortá-los.

Os milicianos remanescentes atrás de Neia seguiram seu exemplo.

Neia balançou a espada.

A espada ricocheteou deixando uma abertura em sua defesa e os demi-humanos ataca-


ram seu corpo, apenas para ter seus ataques desviados pela armadura de Buser.

Neia empurrou sua espada.


Ela apunhalou o corpo de um demi-humano e, quando o puxou, os órgãos vieram junto.
Antes que o demi-humano atingisse o solo, outras garras de demi-humanos atacaram o
rosto de Neia. A ferida na bochecha esquerda agora continuava no lado direito, e o sangue
que fluía entrou em seus olhos.

A dor intensa encheu suas pernas.

Um demi-humano enfiou uma adaga profundamente na carne.

Um dos milicianos caiu.

Espadas balançaram.

Mais dois milicianos caíram.

Todos os milicianos estavam mortos.

Não havia nada além de inimigos tanto na frente quanto nos lados dela.

Sua respiração estava irregular e seu batimento cardíaco a irritava.

As partes de seu corpo que haviam sido atingidas pelo inimigo ardiam quentes, e cada
vez que ela as movia, ondas de dor tomavam Neia com agonia.

—Eu estou assustada.

Neia estava com medo.

Ela ia morrer, e o pensamento disso a assustou.

Ela estava preparada para morrer aqui.

O inimigo superava seus números em várias vezes, e seu poder de luta individual era
superior também.

O inimigo tinha todas as vantagens e a única vantagem que o seu lado tinha era a sua
posição defensiva.

Sendo esse o caso, seria mais do que estranho se ela não morresse.

Ainda assim, olhar a morte nos olhos era aterrorizante, mesmo que ela tivesse se pre-
parado para isso de antemão.

A palavra “portão leste” — dita pela pessoa que ela respeitava profundamente — ecoou
em sua mente. Embora ela estivesse preparada para morrer, ela ainda queria viver.
Neia já havia pensado sobre o que aconteceria quando as pessoas morressem.

Como seria o momento de sua extinção?

Sua alma retornaria ao grande fluxo, onde os deuses a julgariam, e os que fizessem o
bem, conforme descrito nas escrituras, iriam para uma terra de descanso eterno, en-
quanto os ímpios seriam entregues a uma terra de tormentos.

Ainda assim, mesmo que ela tivesse acumulado boas ações ao longo de sua vida com o
objetivo de alcançar seu descanso eterno, ela estava com medo de encarar o fim de sua
vida.

Ela balançou a espada.

Esse ataque sem força não poderia matar um inimigo em um único golpe.

Qualquer um atacando mesmo quando cercado, receberia contra-ataques do inimigo.

Uma espada perfurou a armadura de Neia e a cortou.

Neia ainda estava viva graças à armadura que o Rei Feiticeiro emprestara a ela. Ela teria
morrido há muito tempo sem isso. De fato, ela teria se tornado um cadáver como os in-
contáveis milicianos mortos e civis que haviam sido espalhados pela cidade como se ti-
vessem sido desovados de maneira negligente.

Eu devo estar em muito fora de forma...

Neia riu de si mesma por ser capaz de pensar em coisas tão inapropriadas, mesmo es-
tando tão perto da vida após a morte.

Seus pés escorregaram devido à força de seu balanço. Sua coxa esquerda não se movia
e sua coxa direita ficou ferida e não pôde mais mantê-la de pé.

Ela perdeu o equilíbrio e caiu. Ela encostou-se nas ameias, mas foi tudo o que pôde fazer
para não desmoronar.

O mundo estava ficando branco e nublado, e ela podia ouvir uma respiração ofegante e
distante.

Era um som irritante. Ela se perguntou quem estava fazendo, e percebeu que era ela
mesma.

Ela estava no seu limite.

Neia morreria.
“Só mais um pouquinho e a Arqueira de Olhos Furiosos estará morta!”

“Ahhh! Todos ao mesmo tempo!”

As vozes dos demi-humanos vieram de longe.

Isso é... realmente me incomoda...

Neia não podia mais dizer o que os demi-humanos estavam dizendo. No entanto, eles
provavelmente não estavam cantando seus elogios. Enquanto seus pensamentos se dis-
persavam no vazio, uma parte de sua mente pensava apenas em coisas assim.

Ela estava simplesmente agitando a espada que ela segurava — seus ataques eram feitos
para manter o inimigo à distância.

Estou... tão assustada... mas todos estão... esperando por mim...

Nesse mundo branco e nublado, ela viu os sorrisos de sua mãe, seu pai e seus amigos de
seu vilarejo natal.

Quem... são eles... ahh... Bu-chan... Mo-chan... Dan-nee...? Estou com medo... Vossa... Majes-
tade...

Seus pulmões e seu coração e seus braços e seu cérebro queriam descansar.

Neia não podia mais resistir a essa tentação, mas ainda assim ela não havia desmoro-
nado. Por que isso?

Ela estava com medo da morte. Ela estava cheia da convicção de ser escudeira e lutar
até o fim.

Além disso, ela queria realizar proezas dignas do traje de guerra que ela havia recebido
emprestado.

As armas dos demi-humanos foram lançadas de uma só vez, trespassando o corpo de


Neia.

E assim, Neia Baraja morreu.

Parte 4

O ar do campo de batalha tinha um cheiro único. Havia uma mistura de todos os tipos
de odores, era simplesmente um fedor repugnante. Ainda assim, era um cheiro que se
poderia acostumar.
Uma das pessoas por trás do rastrilho fechado — Remedios — respirou fundo várias
vezes aquele ar fedorento.

Seus olhos estavam fixos na força militar que avançava diante dela, que somavam mais
de 10.000.

Os líderes do ataque a esse local eram Ogros e demi-humanos parecidos com cavalos.
Remedios agarrou sua espada sagrada com força.

Ela gostava de usar a espada para resolver as questões. Ela adorava. Claramente definia
os ganhadores e perdedores. Afinal, não haveria mais problemas depois que matasse a
oposição. A vida teria sido muito mais fácil se tudo fosse tão simples. Sua irmã — Kelart
— e sua mestra — Calca — não mais franziriam a testa.

“Haaaah.”

Ela suspirou.

Depois disso, Remedios pensou sobre o que ela tinha que fazer.

Gustav tinha dito um monte de coisas difíceis de entender agora, mas a essência era que
eles não podiam deixar um único demi-humano passar por esse portão.

Os demi-humanos numerados nas dezenas de milhares. Cerca de 10.000 deles estavam


se amontoando no portão.

Não deixar nenhum passar seria impossível se estivéssemos lutando nas planícies, mas
aqui eu posso usar o portão para limitar os números que podem me atacar. Então, enquanto
eu puder continuar lutando, será fácil o suficiente para evitar que eles passem! Eu só preciso
continuar bebendo poções de recuperação de fadiga e continuar lutando um contra um!

Se Gustav estivesse aqui e tivesse ouvido isso, o olhar em seu rosto provavelmente diria
“Você está falando sério?” E enquanto ela calmamente considerava essa imagem mental,
Remedios riu. Ainda assim, a idéia era ridícula, e não era de admirar que ele muitas vezes
agarrava a própria cabeça em frustração.

Veja como meu plano é perfeito! Calca-sama disse que eu poderia delegar o comando a
outra pessoa, e Caspond-sama parece uma excelente pessoa.

Umu, Remedios assentiu.

Depois disso, Remedios pensou na única falha em seu plano de “lutar um a um por dez
mil vezes seguidas”.

Essa foi a existência de Jaldabaoth.


O plano de Remedios quebrou quando encontrou alguém mais forte que ela.

Ela teve problemas em usar seu cérebro na maior parte do tempo, mas sua mente era
bastante adepta quando se tratava de guerra.

Foi por isso que ela entendeu que seria muito difícil para ela derrotar Jaldabaoth. Claro,
ela não podia admitir isso na frente de seus subordinados. Ela era a paladina mais forte
do Reino Sacro, e se ela admitisse sua fraqueza, o moral provavelmente mergulharia no
fundo do poço.

Foi por isso que eles trouxeram o Rei Feiticeiro.

O Rei Feiticeiro, huh...

O fato de que eles tinham que confiar em um dos undeads o destino da nação a incomo-
dava tanto que ela queria vomitar. No entanto, eles não tinham outra opção.

Tch. Se ao menos aquela criatura undead tivesse lutado de maneira sorrateira, como usar
aquelas cabras ou ovelhas que mataram todas aquelas tropas do Reino. Dessa forma, ne-
nhum inocente teria que ser sacrificado. Os undeads não entendem que as pessoas com
força têm que proteger os fracos? Ainda assim... ele é muito forte, não é?

Tomando uma cidade por si mesmo foi um feito impressionante. Buser era um famoso
demi-humano — de acordo com Gustav — e derrotá-lo também foi bastante notável. No
entanto, Jaldabaoth era completamente diferente. Ela tinha dúvidas se até mesmo um
magic caster que pôde conquistar uma cidade sem ajuda poderia realmente derrotá-lo.

Talvez ela tivesse aprendido a verdade se pudesse cruzar lâminas com ele apenas uma
vez, mas Gustav implorara desesperadamente que ela não o fizesse. Portanto, ela não
sabia exatamente quão forte era o Rei Feiticeiro.

Remedios permaneceu duvidosa da força do Rei Feiticeiro.

Ela tinha experimentado pessoalmente o poder de Jaldabaoth quando ele revelou sua
verdadeira natureza, mas ela não podia sentir nada disso do Rei Feiticeiro. Se ele fosse
realmente capaz de esmagar o exército do Reino, então ele deveria estar cercado em uma
aura de poder que não poderia ser escondida.

Foi porque ele era um magic caster? No entanto, se ele estivesse no nível de Jaldabaoth,
ela deveria ter sido capaz de sentir algo dele.

Seria bom se ele fosse realmente tão forte quanto alega. Bem, nós não perderemos muito
se ele morrer. Essa criatura undead será um espinho no lado do Reino Sacro no futuro. Ide-
almente, seria ótimo se os dois se matassem.
A opinião de Remedios não mudou mesmo depois que seus subordinados protestaram.
Não, só havia se solidificado depois que o Rei Feiticeiro matou o menino que havia sido
tomado como refém. Como paladina, ela não podia tolerar alguém que pudesse cometer
atos tão desumanos.

As pessoas daquele país eram na verdade governadas pelo medo?

Quando ela pensou sobre isso, encontrou muitos pontos que apontavam para essa con-
clusão. Talvez ter ele e Jaldabaoth matando um ao outro seria para o bem deles também.

O problema é o povo da nossa nação. Gustav estava certo quando disse que isso era uma
chance para nós. Nós, paladinos, podemos mostrar nossa força e abandonar as opiniões
tolas do Rei Feiticeiro... Ainda assim, se Jaldabaoth aparecer, nós temos que deixá-lo lidar
com isso.

Remedios tirou o elmo. Ela queria coçar a cabeça.

Era difícil imaginar que os cidadãos de um país governado por um indivíduo incrível
como Calca tolerariam um dos undeads desse jeito. Apenas pensar sobre o assunto de-
veria tê-los revoltado.

A Escudeira Baraja também — hm? Será que ela ficou encantada com alguma magia ou
algo assim? Sim! Ele pode estar usando alguma magia com uma ampla área de efeito que
força as pessoas a gostarem dele! Droga!

Remedios pensou. Ela não havia considerado essa possibilidade.

Eu deveria contar ao Gustav sobre isso. Mas, terá que esperar até vencermos essa batalha!

Remedios olhou para trás.

Ali havia escalões alinhados de civis segurando lanças e escudos.

“Valentes senhores! Lamentavelmente, o Reino Sacro está sendo espezinhado por demi-
humanos, vocês devem aceitar este fato! Derrotem os demi-humanos e salvem os civis
inocentes — seus amigos e familiares — do sofrimento! Este é o primeiro passo em dire-
ção ao nosso objetivo, que é expulsar esses cretinos e tomar o Reino Sacro de volta com
nossas próprias mãos!”

Quando Remedios gritou imponentemente, olhares ansiosos encheram os rostos dos


milicianos.

“Os demi-humanos imundos estão atacando este lugar. Senhores, ergam seus escudos e
enfiem suas lanças! Tornem-se um muro que não deixará o inimigo passar por vocês!
Não há necessidade de ter medo. Além da primeira onda, os únicos demi-humanos com
os quais vocês terão que lidar serão os demi-humanos que fugirem de mim! Tudo o que
você precisa fazer é resistir por um tempo para que os paladinos e eu possamos derrubá-
los!”

Isso aliviou um pouco a tensão deles. Embora estar muito relaxado não fosse uma coisa
boa, estar muito tenso era ainda pior. Remedios concluiu que todos os milicianos que ela
podia ver estavam em um estado de espírito ideal.

“Ontem vocês foram treinados o dia inteiro! Tudo o que vocês precisam fazer agora é
mostrar os frutos desse treinamento. Não precisam ficar tão tensos!”

Remedios parou por um momento e depois gritou mais alto que antes:

“Primeiro escalão! Levantar escudos!”

O primeiro escalão de milicianos — que pareciam estar cercando o portão — apoiou


seus escudos.

Estes eram escudos gigantes que podiam esconder completamente um corpo humano,
e suas partes inferiores eram forradas com espigões que eram o comprimento de um
dedo.

“Escudos! Entrincheirar!”

Os civis empunhando escudos golpearam para baixo com toda força, cravando os espi-
gões no chão. Assim, eles produziram uma parede de aço momentânea.

Ontem, esses escudeiros haviam praticado vigorosamente três exercícios. O primeiro


era levantar gigantescos escudos e abatê-los de volta para baixo, a fim de cravar os espi-
gões no chão. O segundo foi a não fraquejar, independentemente da pressão fosse exer-
cida.

“Segundo escalão! Levantar escudos!”

Os escudos que eles carregavam eram aproximadamente do mesmo tamanho que os do


primeiro escalão, porém, os deles não tinham espigões. Esses escudos iriam passar por
cima das cabeças do primeiro e segundo escalão, como uma tampa em cima deles. Dessa
forma, eles protegeriam contra ataques que ultrapassassem o primeiro escalão.

Havia também paladinos que podiam lançar 「Under Divine Flag」, espaçados unifor-
memente pelo segundo escalão, para protegê-los do medo de serem derrubados pelo ini-
migo.

“Lanceiros do terceiro escalão, avançar! Lanceiros do quarto escalão, avançar!”

O terceiro e quarto escalão eram compostos por usuários de lanças longas.


Suas lanças longas se projetariam entre as equipes de proteção, as pontas traseiras fir-
memente plantadas no chão para deter o avanço do inimigo. Os lanceiros do terceiro e
quarto escalão eram ligeiramente diferentes uns dos outros, pois os do quarto escalão
tinham lanças um pouco mais longas. Normalmente, eles deveriam ter vários escalões de
lanceiros para formar uma parede de lanças, mas, como estavam em falta, o objetivo era
sobrepor as zonas mais críticas para evitar que o inimigo as atravessasse.

Uma formação perfeita.

No entanto, tinha uma falha.

Embora essa formação tenha se saído muito bem contra os guerreiros, era muito fraca
contra os demi-humanos com habilidades especiais ou com magic casters.

Era verdade que a parede de escudos poderia bloquear magias como 「Fireball」 e mi-
nimizar muito o dano causado. No entanto, magias como 「Lightning」, que tinham uma
área de efeito perfurante em forma de linha, perfurariam diretamente por eles até a re-
taguarda. Não se pode dizer que os demi-humanos não possuam habilidades especiais
semelhantes.

Eles sabiam disso, mas os ensinaram a tomar essa formação de qualquer maneira, por-
que nenhuma outra formação foi eficaz nessas circunstâncias.

“Muito bom! Então vamos começar! Abra o portão!”

O rastrilho começou a subir quando Remedios gritou. Os demi-humanos avançando fo-


ram abalados e seus movimentos diminuíram. Os defensores estavam abrindo o portão
por conta própria — os otimistas poderiam pensar que era uma rendição, mas os realis-
tas considerariam uma armadilha.

Remedios riu.

“Vocês, seus demi-humanos sujos! Vou esfolar vocês e limpar minha bunda com suas
peles!”

Depois de ser insultado por um humano fraco, os demi-humanos frustrados começaram


a agir.

Remedios se virou e correu. Ela apoiou as duas mãos nos escudos dos milicianos e saltou
sobre eles.

Os demi-humanos continuaram a sua investida, vários deles caindo quando se aproxi-


maram do portão.
Grandes quantidades de óleo foram derramadas lá, e apenas dois resultados esperavam
aqueles que caíram durante a investida. Ou eles fariam outros tropeçarem, ou seriam
pisoteados.

Infelizmente, os demi-humanos grandes, como os Ogros, não caíram, e entraram na ci-


dade. Os demi-humanos parecidos com cavalos escorregaram e caíram, o que os desace-
lerou.

A investida de um grande demi-humano deve estar a par com uma colisão de um cavalo
de guerra. No entanto, se eles não pudessem continuar com isso, então todas as apostas
estavam canceladas.

Os Ogros continuaram a investida, embora com o ritmo desajustado. Eles balançaram


seus grandes machados de um lado para o outro, mas as lanças eram mais longas em
comparação, e eles empalavam vários Ogros que não tinham conseguido avaliar correta-
mente a distância. Infelizmente, os Ogros não eram frágeis o suficiente para serem mor-
tos por isso.

“Agora! Joguem-nas!”

De acordo com as instruções de Remedios, bombas incendiárias voavam sobre as cabe-


ças dos milicianos, e os sons de cerâmica quebrando podiam ser ouvidos perto do portão,
quando um inferno surgiu. Os demi-humanos ao redor do portão estavam cercados por
um grande fogo.

Os demi-humanos deveriam ter previsto algo assim, mas Remedios tinha certeza de que
os incêndios estavam muito além do que eles esperavam. Isso porque o óleo no chão e o
óleo em seus corpos se inflamaram imediatamente.

Os Ogros que enfrentavam os portadores de escudos começaram a fraquejar.

Era de se esperar, considerando que havia um fogo ardente atrás deles.

Mesmo que tenham a pele mais espessa do que um ser humano, isso não significava que
eles não poderiam ser queimados.

Os lamentos e gritos subiram da área do portão. No entanto, muitos deles não perderam
a capacidade de lutar apesar de estarem envolvidos por um incêndio daquela intensidade.
A vitalidade dos demi-humanos era algo digno de reconhecimento.

Aqueles demi-humanos só tinham duas opções. Eles poderiam avançar ou recuar.

A fumaça negra bloqueava suas linhas de visão. Assim, eles foram roubados de todas as
outras opções. Mesmo que muitos demi-humanos podiam ver no escuro, essa habilidade
não lhes permitia ver através da fumaça.
Ninguém podia agir com calma sem visão do arredor, estavam angustiados com a fu-
maça e ainda estavam sendo queimados pelas chamas.

Recuar era muito difícil, dadas as circunstâncias. Isso foi porque os outros estavam se-
guindo de perto atrás deles para invadir a cidade. De fato, os demi-humanos do lado de
fora do portão hesitavam devido ao fogo, mas os que estavam dentro não sabiam disso,
já que a fumaça obscurecia tudo.

Portanto, os demi-humanos escolheram avançar.

Isso foi exatamente como Remedios previra.

Os demi-humanos tentaram um assalto, apostando em seus corpos poderosos para ob-


ter sucesso. Contudo—

—O terceiro exercício dos portadores de escudos consistia em manter sua parede de


proteção, mesmo quando cercados por fumaça negra ondulante.

“Lanceiros! Puxem!”

As lanças recuaram ao mesmo tempo—

“Lanceiros! Empurrem!”

—E eles empurraram as lanças ao mesmo tempo.

Os demi-humanos deram voz aos uivos selvagens, pensando apenas em sair da fumaça,
e foi nessas circunstâncias — onde a defesa e a evasão eram muito difíceis — que eles
correram para a linha de lanças. No entanto, a força de um plebeu seria duramente pres-
sionada para empalar o corpo de um demi-humano. Isso era particularmente verdadeiro
para os demi-humanos escolhidos a dedo que pretendiam romper o portão em um ata-
que frontal.

No entanto, isso não foi problema.

Remedios não achava que eles cairiam em um único ataque.

Mesmo que os portadores de escudos estivessem no lugar, os lanceiros poderiam atacar


repetidas vezes.

“Puxem — Empurrem!”

Enquanto ela repetia a ordem, Remedios saltou sobre os escudos no oposto de suas
ações anteriores e cortou os demi-humanos onde as lanças não podiam alcançar.
A fumaça negra encheu seus olhos e garganta, mas ela não teve tempo para se preocupar
com isso. Havia poucos demi-humanos que conseguiram atravessar o óleo e o rastrilho,
cerca de cinquenta no máximo.

Primeiro ela mataria todos eles e enfraqueceria a disposição do inimigo de lutar. Já que
faziam parte da vanguarda, certamente deviam ser as tropas de elite altamente motiva-
das. Limpar o mundo daquela corja seria mais eficaz do que matar capangas imbecis.

A respiração de Remedios estava calma e sem pressa enquanto ela matava um inimigo
após o outro.

Demi-humanos grandes como Ogros não podiam usufruir completamente de suas apti-
dões para suportar se jogar com tudo em uma luta corpo a corpo.

A espada sagrada cortava tudo em seu caminho sem restrição.

Eventualmente, as formas dos demi-humanos desapareceram de sua visão manchada


pelo lacrimejar resultante da fumaça. No entanto, ela ainda podia ouvir uma grande força
de demi-humanos do outro lado da fumaça. Eles podem ter estado no meio do realinha-
mento de suas fileiras.

Enquanto Remedios recuava lentamente, as silhuetas de vários demi-humanos surgi-


ram.

“Capitã! Volte aqui!”

Seu paladino subordinado gritou para ela enquanto lançava 「Under Divine Flag」.
No entanto, Remedios não recuou. Seus instintos estavam dizendo algo a ela.

Enquanto a fumaça diminuía, ela podia sentir três demi-humanos se aproximando len-
tamente, e logo depois disso, seu palpite se mostrou correto.

Um deles era um guerreiro com a parte superior do corpo de um animal e a parte infe-
rior do corpo de um carnívoro.

Um deles era uma mulher demi-humana de quatro braços.

E o último era um demi-humano símio que estava enfeitado com acessórios dourados.

Remedios tinha planejado originalmente matar dezenas de milhares de demi-humanos


por conta própria, e ela estava muito confiante em fazê-lo. No entanto, ela agora sentia
que lutar contra esses três demi-humanos de uma só vez era extremamente perigoso.

Havia apenas três deles. Embora não conseguisse enxergar direito devido à fumaça, ela
percebeu que estavam cheios de confiança, dado o ritmo descompromissado que anda-
vam. Mesmo seus companheiros demi-humanos pareciam ter entregue sua tarefa àque-
les três, evitando assim chegar mais perto.

...Eles são fortes. Não sei se posso vencê-los mesmo que seja uma luta cara a cara... ou
posso? Eu não tenho chance se for três contra um.

O instinto de Remedios gritou para ela fugir ao invés de lidar com esses três ao mesmo
tempo. Mas como ela deveria fugir? Ela não tinha idéia. Em contraste, se ela vencesse
aqueles demi-humanos, isso equivaleria a uma vitória perfeita para este combate dramá-
tico.

Remedios agarrou sua espada sagrada com força e falou sem olhar para trás.

“...Paladino Sabicus, Paladino Esteban.”

Os dois responderam com um “Sim!” E, pelos sons que fizeram, ela julgou que eles ti-
nham vindo para o lado dela.

“Vocês podem segurar dois deles até que eu mate um?”

Os dois responderam em uníssono:

“Deixe isso conosco!”

O instinto de Remedios disse que ela estava sendo irracional. Eles podem comprar al-
guns minutos para iniciantes. Mas que tal mandar mais pessoas para segurar os demi-
humanos?
Não.

Remedios balançou a cabeça.

Seus adversários eram apenas três, que entraram na briga por si mesmos. Claramente,
eles estavam confiantes em suas próprias habilidades e queriam mostrar sua força. Ini-
migos como esses certamente aceitariam um desafio um-a-um. Essa era a arrogância dos
fortes.

Além disso, tais seres arrogantes geralmente sentem prazer em fazer com que os fracos
sofram. Eles levariam o tempo extra para atormentar suas vítimas, mesmo que pudessem
acabar com eles em questão de segundos.

Com essa tênue esperança em mente, ela decidiu escolher três contra três.

“Paladinos, se os dois que avançaram forem derrotados, continue lutando contra eles
cara a cara. A ordem irá de: Sabicus e Esteban, para: Franco e Galban.”

Eles estavam abandonando sua vantagem em números para ganhar tempo. Simplifi-
cando, ela estava ordenando a todos que se matassem. No entanto, os paladinos não he-
sitaram por um momento quando receberam essas ordens.

Era isso que significava ser um paladino.

Era isso que significava incorporar a justiça.

É isso que significa sacrificar-se pelos outros.

Esta foi provavelmente a última vez que eles seriam vistos vivos e ilesos. Mesmo assim,
Remedios não tirou os olhos dos três demi-humanos nem por um momento. Ela não que-
ria perder nenhuma chance de colher informações deles.

Eu não tenho uma imagem clara do que está acontecendo, mas os dois primeiros demi-
humanos parecem lutadores habilidosos. Talvez esse demi-humano semelhante a um ma-
caco seja um monge. Aquela com quatro braços parece uma magic caster. Ou é outra coisa?

Não havia nada a temer quando duelava com os demi-humanos que dependiam apenas
da força bruta, mas os demi-humanos treinados eram realmente assustadores. Se eles
tivessem recebido treinamento de guerreiro, então eles poderiam empilhar seu treina-
mento e suas aptidões físicas naturais para se tornarem indivíduos excepcionais que po-
deriam superar até os guerreiros veteranos do Reino Sacro. Na verdade, os oponentes
que tinham dado a Remedios as lutas mais difíceis — Jaldabaoth à parte — foram tais
entidades.
Ela recordou o golpe que a apunhalou em seu abdômen. Foi por isso que ela prestou
atenção ao lutar contra os demi-humanos e ouviu as advertências de seus instintos em
cima disso.

...Os demi-humanos que pode conjurar magias são os mais problemáticos de se lidar. Vai
ser ruim se eles puderem voar pelo ar.

Embora Remedios pudesse usar as habilidades de sua armadura para voar por curtos
períodos de tempo, ela não teria toda a sua amplitude de movimento durante o voo. Subir,
descer e virar eram muito exaustivos, e ela não seria capaz de usar seu estilo habitual de
luta. Se seu oponente pudesse conjurar 「Fly」, ela nunca poderia alcançá-lo com seus
ataques. Embora possuísse artes marciais que lhe permitissem fazer ataques à espada,
seria difícil ganhar rapidamente quando se levasse em conta o fato de que sua eficácia
era muito menor.

Os três demi-humanos entraram pelo portão e depois pararam.

“—Pensar que teríamos que unir forças para uma humana insignificante.”

Ela não conseguia distinguir claramente os três demi-humanos através da fumaça, mas
o tom relaxado deles havia chegado até ela.

A mão segurando a espada sagrada estava coberta de suor, e um gosto amargo espalhou-
se por sua língua, algo que só acontecia quando o perigo se aproximava.

Ela podia sentir a abordagem de seus oponentes.

A besta e o macaco estavam definitivamente entre os melhores dos melhores. Mesmo


Remedios não tendo certeza sobre a de quatro braços, o fato de que aquela demi-humana
andava ao lado deles significava que os três tinham níveis similares. Em outras palavras,
esses três demi-humanos eram páreos para Remedios.

“Esta fumaça está atrapalhando. Isso é um pé no saco.”

Houve um *whoosh* e um forte vento soprou a fumaça restante.

As formas dos demi-humanos foram reveladas. De pé à sua frente estava um gigantesco


demi-humano que brandia um machado de guerra.

“Zoastia!”

Exclamou o paladino Esteban.

Remedios estava um pouco desconcertada.

Zoostia?
Ela pensou. Esse era o nome do demi-humano?

“Hmm... bem, faz sentido que você me conheça.”


[Homem-besta]
O beastman disse com um sorriso maligno em seu rosto antes de continuar:

“Nesse caso, vou poupá-lo por conta de seu aprendizado, para que mais pessoas possam
saber de minha força.”

“Heeheehee, Vijar-dono. Jaldabaoth-sama vai ficar com raiva se você resolver os proble-
mas com suas próprias mãos desta maneira. No mínimo, peça-lhe para soltar sua arma e
levá-lo como prisioneiro.”

A entidade que se dirigiu ao Zoastia era o tipo demi-humano macaco.

Totalmente confusa, Remedios se virou para as pessoas ao seu redor, havia um ponto
de interrogação flutuando acima de sua cabeça.

“Zoastia? Vijar? Vijar Zoostia? Zoostia Vijar?”

Mesmo que ela estava simplesmente perguntando os nomes da oposição, Vijar não per-
cebeu isso e então ele riu de prazer.

“Kuhahahaha! Você está me chamando assim porque você concluiu que eu sou o líder
da nossa raça? Vocês humanos têm bom gosto!”

“Ela está apenas sendo educada, Vijar-dono...”

A demi-humana de quatro braços atrás e à esquerda de Vijar disse em um tom zombe-


teiro.

“Isso, isso mesmo, é apenas uma cortesia, Vijar!”

Foi só então que Remedios percebeu que havia cometido um erro sobre o nome de sua
espécie.

Logo depois disso, o demi-humano chamado Vijar torceu o rosto em desgosto.

“Hm, e até pedi permissão a Jaldabaoth-sama para poupar quem quisesse. Não se arre-
penda.”

“Quem vai se arrepender? Você que se arrependerá de nossa luta na vida após a morte!”

“Heeheehee, que jovem espirituosa você é... você é uma jovem, não é? Eu não sou bom
com as idades de outras espécies...”
“Não importa, chame de como lhe convir.”

Os demi-humanos provavelmente estavam sendo muito sérios. Esta foi simplesmente a


diferença entre suas espécies.

“Agora, garota humana, eu me apresentarei. Eu sou Halisha Ankara. Este é Vijar Rajan-
dala, que não precisa de introdução. E por fim, Nasrene Belt Cure-dono.”

“Esses nomes! Não são eles o Ancião Branco e a Trovão Fogo-Gélido!?”

O paladino Sabicus exclamou.

“Kukukukuku. Até os humanos sabem nossos nomes. O do novato, por outro lado—”

“—Humano. Eu não tenho um título assim?”

“Eu nunca ouvi falar do nome Vijar Rajandala. No entanto, há um Zoastia que usa ma-
chados como você, que é bem famoso. É o Garra do Demônio, o Garra do Demônio Vaju
Sandiknara.”

“Esse era o meu velho.”

Vijar bufou.

“Eu sou o herdeiro do título de Garra do Demônio, Vijar Rajandala. Vou me certificar de
que você lembre-se do meu nome quando ouvir boatos sobre o Garra do Demônio.”

“Heeheehee. Deixamos o general humano para você, Vijar-dono.”

“Que assim seja. Já é difícil que você tenha sido forçado a ir até seus oponentes em vez
de usar magias à distância. Francamente falando, eu estava planejando lutar contra todos
sozinho.”

“Heeheehee. Fomos obrigados a trabalhar juntos, sabia?”

“Então vocês estão tendo problemas porque estão juntos a muito tempo?”

“Tch!”

A demi-humana de quatro braços (Nasrene) que tinha clicado sua língua se virou e deu
a Vijar um olhar assustador. Na verdade, parecia que eles poderiam começar a matar uns
aos outros a qualquer momento, se fossem deixados sem controle.

“Agora, eu realmente estou bem fazendo isso sozinho...”


Vijar olhou para Remedios antes de continuar:

“Mas vamos ouvir seu nome antes disso. Embora seja uma chatice ter que ouvir um
nome de uma estúpida, essa sua espada parece muito boa.”

“Remedios Custodio.”

As expressões de Vijar e Halisha mudaram, mas de maneiras diferentes.

Vijar estava sorrindo com sede de sangue ao pensar em encontrar um inimigo forte,
enquanto Halisha estava surpreso.

Nasrene, por outro lado, permaneceu indiferente.

“Então você é a escolhida, né? Você é a Remedios Custodio? Eles dizem que você é a
paladina mais forte neste país. Excelente. Se eu te matar, ficarei famoso. Eu serei o Zoastia
que derrotou a paladina mais forte do Reino Sacro. O novo sucessor do título de Garra do
Demônio!”

“Hmph. Nesse caso, essa deve ser a espada sagrada? Diga, Vijar-dono, que tal me deixar
enfrentá-la? Meu povo cantará louvores em seu nome se você me deixar tomar o seu lu-
gar.”

Ambos demi-humanos reagiram imediatamente às palavras de Nasrene.

“Heeheehee. Então você está planejando entregá-la e pedir a Jaldabaoth por um filho?”

“Hmph, decidimos que vou lidar com ela. Não há necessidade de você fazer nada.”

“―Se procriar com um demônio? Você me dá nojo.”

Remedios não pôde deixar de falar o que ela realmente pensava depois de ouvir aquela
conversa, e Nasrene se virou para dar a Remedios um olhar irritado.

“Então você não entende o que significa dar à luz a um filho do governante supremo...
os humanos são verdadeiramente criaturas idiotas.”

“Mesmo Jaldabaoth-sama cuidaria de suas proles, não? Quando você pensa sobre isso,
há muitas vantagens em ser mulher, huh.”

“Oh, sim. E se o excelente sangue do pai puder ser transmitido, a criança nascida pode
se aproximar — não, pensando bem...”

Vijar estufou o peito:


“Pode até ser capaz de ter filhos que superam seu pai — hm? Embora você possa me
considerar uma exceção também.”

Esses três demi-humanos não agiram como se estivessem se sentindo ameaçados, ape-
sar de estarem no campo de batalha.

Remedios começou a ferver de raiva enquanto os observava tagarelando distraida-


mente.

“Como demi-humanos ousam vir aqui e falar baboseiras? Não adianta pensar em um
futuro que não terá. Aqui esmagarei seus sonhos estúpidos. Não, não apenas você, isso
vale para todos vocês.”

“Heeheehee. Oooh, estou com taaaaanto medo.”

Mesmo que Halisha parecia tremer os braços e as pernas ao redor em pânico, ele não
estava realmente com medo. Isso porque ele estava confiante da vitória, mesmo contra
um adversário como Remedios. Apenas serviu para desagradar Remedios ainda mais.

Remedios gritou uma ordem para os paladinos, alto o suficiente para os demi-humanos
ouvirem.

“Ouçam. Isso é um duelo. Eu lutarei com Vijar. Quanto a vocês—”

“Eu vou cuidar daquele.”

Disse Sabicus apontando para Halisha.

“Nesse caso, eu lido com aquela.”

Disse Esteban enquanto caminhava na frente de Nasrene.

“...Oya? ...Eu não sou uma guerreira, então não tenho certeza, mas eles são bem fracos,
não são?”

“Heeheehee... quem sabe? Melhor não ser descuidada, Nasrene-dono.”

Remedios pegou Vijar bufando para ela, e ela rugiu:

“Aqui vou eu!”

Ele deve ter percebido que aqueles paladinos eram fracos. Não adiantaria nada deixar
que ele mencionasse.

O primeiro ataque era fundamental. Os milicianos observavam-na por trás prendendo a


respiração; não só eliminaria o desconforto deles, como também deixaria seu oponente
saber que estava enfrentando uma adversária digna. Por estas razões, ela teve que fazer
um golpe sem se segurar, usando todas as suas forças.

Remedios atacou Vijar, segurando a espada sagrada em uma mão.

Em resposta, Vijar ergueu seu enorme machado de batalha para interceptar seu golpe.

Os dois lados colidiram e o ar estremeceu.

Ela podia ouvir gritos dos milicianos atrás dela. Não houve tempo para determinar len-
tamente se eram vivas ou gritos de pânico. Seu golpe com poder total foi respondido por
um contra-ataque de força equivalente.

As armas de ambos os lados não foram danificadas por essa troca de golpes uniforme-
mente sincronizados.

Se alguém trouxesse uma arma mundana para esse confronto intenso, provavelmente
teria sido lascada ou entortada. Em outras palavras, Vijar também estava empunhando
uma arma encantada.

“Kuh!”

“Nuuu!”

O próximo movimento de Remedios roçou na parte superior do corpo de Vijar, tirando


um jato de sangue. No entanto, o machado de batalha atingiu o peito de Remedios ao
mesmo tempo.

Mesmo que sua armadura encantada recebera o impacto do machado de batalha, o im-
pacto foi forte o bastante para que ela perdesse o fôlego, ficou difícil respirar.

Em contraste com Remedios — que havia sido derrubada pelo golpe — Vijar rugiu e deu
um passo à frente, movendo o seu machado de batalha diretamente nela.

Ela não tinha oxigênio suficiente para contra-atacar. Remedios levantou sua espada sa-
grada e desviou graciosamente a força do machado de batalha. Aquele golpe de arrepiar
errou por alguns milímetros e bateu no chão. Tão poderoso foi o golpe que por um mo-
mento pareceu que ela estava flutuando.

Remedios se virou para encarar Vijar — agora indefeso pois seu machado de guerra
estava enterrado no chão — e avançou com sua espada sagrada.

“《Pancada Forte》!”

“《Fortaleza》!”
Tendo julgado que não tinha tempo para remover uma arma pesada como o machado
de batalha do chão, Vijar tirou uma das mãos do punho e usou-a como escudo.

O braço direito de Vijar esguichou sangue fresco.

No entanto, a espada sagrada não alcançou o rosto de Vijar. Havia duas razões para isso.

A primeira foi porque ele usou uma arte marcial defensiva. A outra foi porque o braço
de Remedios estava dormente e não pôde exercer sua força total.

Nesse caso, ela simplesmente forçaria a espada sagrada que já havia penetrado mais
fundo — mas então a dor intensa que subia da perna de Remedios a congelou breve-
mente no lugar.

A fonte da dor era o corpo inferior de Vijar; os membros dianteiros de seu corpo bestial
tinham golpeado as pernas de Remedios em um ataque horizontal. Suas grevas a prote-
geram da maioria das garras afiadas como navalhas, mas uma delas ainda conseguiu fa-
zer um corte em sua perna.

Naquele momento, o machado de batalha foi removido.

Remedios deu um passo em direção a Vijar para impedir que o machado de batalha se
movesse. Apenas mover sua perna a enchia de agonia.

“《Pancada Forte》!”

“《Garra Poderosa》!”

Quando a espada sagrada foi para perfurar, Vijar desviou-a habilmente com o machado
de batalha.

Em resposta, Remedios redirecionou a espada sagrada enquanto ela se afastava e a


guiou para fazer um talho sobre os fortes membros dianteiros.

Se Vijar recuasse, Remedios avançaria para diminuir a distância entre eles.

Eles iam e viam várias vezes, ambos os lados usando artes marciais.

Apesar de nenhum dos lados ter sofrido ferimentos mortais, cada rodada em que eles
lutaram mandava respingos de sangue aos arredores.

Remedios tinha certeza de que ela tinha seu oponente na defensiva.

Se isso continuar, eu vencerei!

Deleite ferveu em seu coração.


Se ela pudesse derrotar esses três poderosos demi-humanos, ela poderia proteger as
pessoas aqui. Dessa forma, eles recuperariam a confiança dos cidadãos do Reino Sacro.

Não há necessidade daquele undead se mostrar!

Simplificando, a diferença entre guerreiros e paladinos era que os guerreiros eram van-
guardas ofensivos, enquanto os paladinos eram vanguardas defensivos.

Embora fosse difícil expressar em números, pode-se dizer que a taxa de ataque de um
guerreiro seria 11 e sua defesa 9, enquanto o ataque de um paladino seria 8 e sua defesa
11. Não é preciso dizer que os paladinos poderiam lançar magias, mas guerreiros pode-
riam aprender todos os tipos de artes marciais, então era impossível fazer uma compa-
ração simples. Ainda assim, essa era a maneira mais fácil de explicar a situação para al-
guém que não soubesse nada.

Se a questão fosse quem seria melhor contra um magic caster, a resposta seria um pala-
dino. Graças à proteção dos deuses, eles se gabavam de resistência mágica superior em
comparação com os guerreiros. Portanto, se Nasrene fosse uma magic caster do mesmo
nível de Remedios, ela não seria uma ameaça muito grande.

Em seguida, estava Halisha, que era muito provável que fosse um tipo de monge, dado
seus equipamentos de guerra e movimentos. Os monges tinham a vantagem contra os
magic casters ou ladinos, mas o inverso era verdadeiro contra os paladinos. Por essa ra-
zão, esse macaco também não era um inimigo assustador.

Assim sendo—

Se eu puder vencer esse tal Vijar, as chances são altas de que eu possa abater todos os três.

Entre “lutar contra Vijar depois dela ter sido desgastada por combates anteriores” e “lu-
tar contra Vijar enquanto ainda ilesa”, a última opção prometia melhores chances para
ela. Remedios havia desafiado Vijar com base nessa decisão. Não deveria ter havido nada
de errado com essa decisão. No entanto, ela havia calculado mal:

“Ora ora. Já morreu?”

“Heeheehee. O mesmo aqui.”

—Porque os paladinos lutando com os outros dois eram muito fracos.

“O quê!?”

Teria ela superestimado esses dois paladinos ou subestimado a força daqueles dois
demi-humanos? Ou foram os dois?
“Você está me insultando, tirando os olhos de mim!”

Vijar girou furiosamente o machado para Remedios.

“Guwaaargh!”

Ela mal conseguira impedir o golpe, ainda fôra forçada a uma curta distância. A maré da
batalha se virou em um instante.

“Remedios, não é... Você sabe que eu sou o grande Vijar, um ser de grande poder cujo
nome ressoará pelo mundo? Se você não colocar todo o seu corpo e alma nisso, você
morrerá em segundos, sabia?”

Remedios mordeu o lábio quando ouviu os sons dos outros brigando.

“Heeheehee. Eu me pergunto, será que esse paladino é suficientemente forte?”

“...Ele não é diferente do anterior... bem, eu realmente não posso dizer, já que eu não sou
uma guerreira.”

“Eu sou o Paladino Franco.”

“E eu sou o Paladino Galban. Eu serei seu oponente.”

Vários segundos depois de terem falado, ela mais uma vez ouviu o som de homens ar-
mados caindo.

O paladino Franco era um bom homem. Ele não era um paladino muito forte, mas colo-
cou muita ênfase em se dar bem com os outros e foi bem-vindo como resultado. Na ver-
dade, ele havia sido designado aqui porque Gustav confiava nele. Remedios conhecia seu
caráter e por isso ela lhe dera a tarefa de organizar os milicianos aqui.

Ela ouvira dizer que Paladino Galban era recém-casado. No entanto, sua esposa estava
atualmente trancada em algum lugar. Ele havia extinguido seu desejo de salvá-la e veio
ajudar Remedios, a fim de ajudar mais pessoas.

Esses dois homens — que eram jovens demais para morrer — foram mortos.

“Se distraiu novamente!”

Vijar rugiu e deu-lhe um golpe ainda mais feroz que o anterior. Remedios se lançou para
Vijar, recebendo o golpe no braço que segurava a espada, e então deslizou sua lâmina —
mas Vijar evitou-a com agilidade.

“Hm. O que é isso, algum tipo de blefe? Ou o seu corpo lembra desse movimento por
causa de todo o seu treinamento?”
Vijar rosnou. Ele não estava cauteloso com uma inimiga digna, mas sim se deleitando.

“Ei, novato. Nós terminamos aqui, mas você está nisso há muito tempo. E aí, precisa de
ajuda?”

“Você deve estar zombando de mim. Minha lenda será contaminada se eu precisar da
sua ajuda para matá-la. Muitas pessoas vão falar sobre isso se eu a derrotar usando ape-
nas minha força.”

“As palavras de Vijar-dono estão corretas. Que tal isso, Nasrene-dono. Vamos destruir
os escudos dos humanos e então—”

“—Como se eu fosse deixar!”

Enquanto ainda enfrentava Vijar, Remedios tirou os olhos dele e se virou para olhar para
o par indefeso. Contudo—

“Sua puta! Eu já te disse, eu sou seu oponente!”

Vijar não permitiu que ela fizesse isso. A defesa de sua oponente estava cheia de buracos,
mas ele não moveu seu machado de batalha, ao invés disso deu um chute. Remedios le-
vou o golpe e foi enviada voando para a parede de escudo com uma força tremenda.

O choque do impacto jogou sua respiração no caos por um momento.

“Aiiieeee!”

Os milicianos gritaram de medo.

“Mantenha sua atenção em mim, humana! Lute seriamente!”

O grito de Vijar foi seguido de perto pelo som de seus passos. Se ele girasse seu machado
de batalha de cabo longo, ele enviaria os civis empunhando escudos pelos ares, criando
uma lacuna na formação grande o suficiente para que a recuperação fosse impossível.

Mesmo que Remedios tivesse perdido o equilíbrio, ela ainda deu um passo à frente, ata-
cando Vijar, que vinha de frente.

Se possível, ela teria gostado de acabar com Vijar com suas próprias habilidades. Isso
foi por causa do poder que Remedios estava mantendo em reserva para lidar com os ou-
tros dois.

Foi um movimento poderoso que a espada sagrada Safarlisia possuía, que só podia ser
usada uma vez por dia.
Uma versão fortalecida do golpe sagrado de um paladino.

O ataque mais poderoso que um paladino empunhando esta espada poderia desenca-
dear.

Seus instintos lhe disseram que seria melhor não fazer isso. No entanto, se ela não der-
rotasse Vijar imediatamente, os outros dois demi-humanos matariam mais pessoas.

!—Eu quero proteger o desejo de Calca-sama—!

“!!”

Ela gritou sem palavras, ignorou seus instintos quando eles gritaram com ela, e mental-
mente mandou uma ordem para a espada sagrada. Ao mesmo tempo, ela infundiu seu
golpe sagrado na lâmina e a fez se mover.

A espada sagrada brilhava com radiância divina e a luz se estendia até o dobro da ex-
tensão da lâmina real.

Essa luz aparentemente ficava mais intensa quanto mais maligno o inimigo fosse. Nesse
estado, evitar ou bloquear esse golpe seria mais difícil. A palavra “aparentemente” veio
à mente porque não parecia tão brilhante para os olhos de Remedios.

Remedios levantou a espada sagrada para o céu e a desceu com toda a força.

Como Remedios estava desnorteada, prever o curso do ataque era brincadeira de cri-
ança. Vijar preparou-se casualmente para receber o golpe com o machado e depois em-
purrá-la de volta. Contudo—

“!!”

Após outro grito sem palavras, Remedios pressionou sua espada sagrada enquanto
ainda estava atritando com o machado de batalha, e continuou a forçá-la para baixo.

Ela não pretendia que sua espada atingisse seu alvo através da força bruta.

A razão para isso foi que o brilho da espada seguia o caminho intencional da lâmina,
atravessando o machado de batalha e entrando no corpo de Vijar.

Esta foi a técnica final da espada sagrada Safarlisia.

Uma onda sagrada que ignorava as defesas e armaduras.

A armadura, escamas e peles mais resistentes não significavam nada. Uma vez que po-
deria até mesmo atravessar armas mágicas, então nem armas ou escudos poderiam detê-
la, o que tornou um trunfo inevitável.
É claro que, se alguém não escolhesse se chocar com o golpe e fosse ágil o suficiente para
evitá-lo, não seria atingido pela onda de luz. No entanto, não havia como evitar o ataque
de Remedios, já que os olhos ficaram ofuscados pela luz.

Quando a onda de luz passou como uma ventania, o resplendor sagrado da lâmina tam-
bém desapareceu.

No entanto — os olhos de Remedios se arregalaram.

Ela tinha claramente atingido seu alvo, mas Vijar não parecia estar com dor.

“...O quê? Isso foi um movimento bem chamativo, mas... dificilmente dói. É só para se
mostrar? Mas eu tenho que admitir, isso me assustou...”

Remedios ficou chocada.

Esse cara — ele não é de alinhamento maligno!

Esta técnica seria mais eficaz quanto mais mal o inimigo fosse. Em contraste, causava
pouco dano a alvos não-malignos. Não fez praticamente nada para seres de alinhamento
bondoso. Em outras palavras, o fato de ter machucado Vijar significava que, embora ele
não fosse bondoso, ele certamente não era maligno.

Ele fez as pessoas sofrerem! Ele invadiu nosso país! Como alguém assim não pode ser ma-
ligno?

“Heeheehee. Bem, isso foi um show de luzes espetacular, Vijar-dono. Você está real-
mente ileso?”

Halisha estreitou os olhos quando ele questionou Vijar.

“Foi muito brilhante... meus olhos ainda ardem.”

Nasrene resmungou de lado.

Ela havia cometido um erro — afinal, ela não deveria ter usado esse movimento em Vijar.

Vijar testou seus membros e certificou-se de que seu corpo estava bem antes de balan-
çar os ombros. Mesmo quando parecia indefeso, Remedios não conseguia encontrar ne-
nhuma fraqueza em sua defesa, não importava o quão intensamente ela olhasse.

“...Um show de luzes? Bem, eu não tenho muita certeza do que se tratava, mas não é nada
de mais, não acha?”
“...Vijar, estou meio surpresa. Pensar que você estava ileso com esse ataque... Creio que
subestimei você.”

“Fuha! Você finalmente entendeu! Hahaha! Tudo bem, humana. Você fez bem em me
fazer parecer incrível. Se você se render, eu vou te matar sem dor. Que tal isso?”

“Não faça essas piadas sem graça! Ainda não resolvemos isso!”

Remedios ergueu a espada e gritou para os três demi-humanos.

Remedios ainda podia lutar, foi como se dissesse isso. Ela colocou a mão sobre suas fe-
ridas e usou suas habilidades de cura. Sua dor foi levada embora pela sensação de calor.

Muitas técnicas paladinas não vão funcionar nele, já que ele não é maligno... mas como os
dois ficaram deslumbrados com aquilo, vou poupar para aqueles dois.

Tudo o que ela tinha que fazer era lutar contra Vijar como puramente uma guerreira.

“Heeheehee. Bem, então, vamos deixar que você dê um fim nela, Vijar-dono. Nós caça-
remos os humanos na retaguarda.”

“O quê? Você é desprezível!”

Todos os paladinos que ela havia chamado estavam mortos. Os milicianos não poderiam
impedi-los.

“Como se eu tivesse deixado que façam o que bem entender!”

Remedios recuou e reposicionou para que ela pudesse enfrentar os três demi-humanos
de uma só vez.

“Parece que você está pronta para lutar com três de uma vez, mas Vijar disse que queria
cuidar disso.”

“Heeheehee. Nosso objetivo é acabar com os humanos na cidade conforme necessário,


não para servir como seus oponentes. Nasrene-dono, posso contar com você para des-
truir essa ralé da retaguarda com seu poder?”

“Ah sim...”

Havia massas de poder mágico em três das quatro mãos de Nasrene. Uma era gelo, outra
era fogo e a última era raio.

“Droga!”

Remedios correu em direção a demi-humana—


“Eu te disse antes! Eu sou seu oponente!”

—Ela bloqueou o golpe do machado de guerra com um rugido, mas foi atirada para
longe nessa contenda.

Neste momento, Remedios percebeu que não havia como lidar com Nasrene enquanto,
ao mesmo tempo, lutava contra Vijar. Mesmo que ela simplesmente pulasse direto para
o lado de Nasrene, a defesa contra os ataques de Nasrene teria deixado seu corpo inde-
feso exposto a Vijar.

Como assim “não havia como”... Eu não vou aceitar isso! Não ser capaz de fazer nada é
apenas uma desculpa!

Os grunhidos dos milicianos despertaram as emoções de Remedios.

Essas pessoas não fugiram em face do terror porque acreditavam nela. Ela não podia
mostrar a eles um lado vergonhoso de si mesma.

Ela não abandonaria os ideais de Calca — fazer um país onde ninguém chorará.

“Milicianos! Todos, recuem!”

Ao terminar seu comando, Remedios reuniu sua determinação.

Eu não vou morrer em um único golpe. Eu vou correr para essa demi-humana enquanto
ativo 《Fortaleza》!

Vijar riu ao ver Remedios começar a correr. Parece que ele entendeu erroneamente al-
guma coisa.

“Ho. Parece que você já se decidiu. Esse é o caminho! Lute comigo com tudo que você
tem! Dê-me uma batalha digna de uma lenda! 《Declaração de Confronto》!”

“—Huh?”

Vijar rugiu e havia um poder especial naquele rugido. As pernas de Remedios, que de-
veriam levá-la em direção a Nasrene, avançaram em direção a Vijar como se tivessem
perdido o controle. Não eram apenas as pernas — sua espada, sua mente, sua visão, ela
não conseguia retirar nenhuma delas de Vijar.

“「Fireball」.”

Uma magia de 3º nível voou, tanto para Remedios, quanto para milicianos. Remedios
podia suportar essa magia, mas seria fatal para os milicianos—
“—「Wall of Skeleton」!”

A bola de fogo colidiu com a parede grotesca de ossos que surgira diante dos milicianos
e depois desaparecera.

Alguém exclamou surpreso.

Inicialmente, era porque eles não tinham idéia do que acabara de acontecer. No entanto,
isso mudou lentamente. Isso porque eles viram algo descendo suavemente — como se
não fosse afetado pela gravidade — e aterrissara em cima da assustadora parede de es-
queletos.

Aquela pessoa não possuía nenhuma das emoções intensas do campo de batalha e falava
com um tom suave que parecia completamente fora de lugar com o ambiente.

“Embora esta seja uma ocorrência bastante comum no campo de batalha, acho um
pouco difícil assistir a uma batalha de três contra um. Você não se importa se eu partici-
par, não é?”

O dono daquela voz era um undead.

Todos nesta cidade o reconheceram. Ele era a pessoa que originalmente se recusou a
lutar para recuperar sua mana.

Ele era o Rei Feiticeiro Ainz Ooal Gown.

“Ohhhh!”

Um aplauso tremendo veio do outro lado da parede.

Remedios apertou firmemente a mão da espada.

“O que, o que é isso, quem é esse?”


[ L i c h Ancião]
“...Pelo que parece, acho que é um Elder Lich. Então, há um tipo sem pele. Ainda assim...
um mero Elder Lich tem o poder de parar minhas magias? É por causa do manto dele?
Parece bastante impressionante. Ou não, é porque quem o invocou possui grande poder?”

Remedios não compreendeu as palavras dos demi-humanos. Ela ouviu os sons, mas não
entendeu o que eles queriam dizer. Isso porque toda a sua energia estava concentrada
em reprimir o intenso ódio que crescia dentro dela. Ela nem percebeu que estava inde-
fesa diante de Vijar.

—Ahhhhhhhhh!!! Por que ele apareceu!? Por que eles estão torcendo por ele!? Por quê! Por
quê!! Por quê!!! Para este undead imundo!!!??
Um canto da mente de Remedios estava calmo o suficiente para notar que era uma rea-
ção natural ajudar alguém em dificuldade. No entanto, foi anulada por sua incapacidade
de perdoar os civis por torcer pelos undeads. Os cadáveres dos paladinos que se sacrifi-
caram como escudos para proteger o povo eram claramente visíveis.

Vocês não estavam torcendo pelas pessoas que lutaram como seus escudos, mas por al-
guém que apareceu atrasado!!!!!

Ela estava com tanta raiva que queria rasgar o metal do elmo e coçar a cabeça enquanto
rolava no chão.

Remedios lutou para conter a raiva em seu coração, e ela se dirigiu ao undead que estava
na parede.

“—Por que veio aqui?”

Os movimentos do Rei Feiticeiro pararam, como se ele estivesse congelado no lugar. As


chamas vermelhas em suas órbitas vazias se viraram para Remedios.

“...Por quê? ...Eu vim? ...Para ajudá-la?”

“...Entendo.”

“Por que ele não veio mais cedo? Ele estava esperando até que os paladinos tivessem mor-
rido? Ele planejou fazer uma entrada elegante na frente das pessoas?”

Ela queria gritar isso para ele, mas—

“Então conto com você para isso.”

Ela não disse isso como um pedido reprimido. E em um tom mais baixo:

“E se livre da parede...”

“Hm?”

“Eu disse conto com você para isso!”

Ela gritou sem pensar. Remedios se esforçou para reprimir suas emoções crescentes:

“—E desfaça essa parede. Ou você não pode?”

“...Certamente posso.”

Em um instante, a parede abaixo dos pés do Rei Feiticeiro desapareceu. O Rei Feiticeiro
não caiu, provavelmente porque ele estava usando 「Fly」.
Remedios virou as costas para Vijar. Ela não se importava se ele a matasse por trás.
Dessa forma, ela poderia rir do Rei feiticeiro por não protegê-la.

Tendo abandonado a si mesma para o desespero, Remedios achou um pouco lamentável


que os demi-humanos não a atacassem enquanto ela caminhava penosamente de volta
na frente dos milicianos.

Havia uma sugestão de medo nos olhos dos milicianos. O olhar no rosto dela era tão
horrível assim?

“Vamos deixar o Rei Feiticeiro cuidar desse lugar! Vamos ajudar onde eles mais preci-
sarem de nós!”

Depois de ouvir as ordens de Remedios, os milicianos se entreolharam e pareciam con-


fusos.

“Estão desobedecendo minhas ordens!?”

Depois que Remedios olhou para eles, um dos milicianos perguntou em voz baixa:

“Ah, n-não. Mas... o Rei Feiticeiro, sozinho...”

“O Rei Feiticeiro é forte! Isso não ficou claro? Nesse caso, algo assim não será um pro-
blema para ele! Vamos lá!”

♦♦♦

Remedios levou os milicianos a outro campo de batalha. Eles repetidamente olharam


para trás enquanto dispersavam.

Ainz olhou para o espaço vazio onde eles estavam e murmurou para si mesmo.

“Eh? ...Aquela vadia, ela na verdade jogou tudo para mim.”

Este estado ridículo de eventos fez Ainz revelar sua verdadeira natureza.

Normalmente, não teríamos uma cena como “Oh, vamos lutar juntos” ou algo assim? Ou
“Obrigada por vir, vamos deixá-los todos para o senhor?” no mínimo, ela poderia ter sido
educada sobre isso, poderíamos com uma conversa de vai em vem com “O senhor vai ficar
bem aqui?” E assim por diante... E nem mesmo uma única palavra de gratidão depois de ser
salva? Qual o problema dela?

A frustração crescia em seu coração. No entanto, não atingiu o nível de raiva verdadeira,
por isso não foi suprimida. Era como uma pequena chama de indignação fervendo dentro
dele.
Era como se alguém ferrasse um projeto por completo e o obrigasse a trabalhar horas
extras, e a pessoa em questão que causara tudo simplesmente fosse embora.

Não—

Eu ficaria mais bravo. Por exemplo, se eu fosse para casa jogar YGGDRASIL... e a guilda já
tivesse planos, eu estar atrasado causaria problemas para todos. Isso aconteceu antes,
mesmo assim, todos me perdoaram naquela época...

Assim alimentadas, as chamas minúsculas se transformaram em um inferno e, em se-


guida, foram extintas à força.

“Hm... Mesmo que minha raiva foi reprimida, ainda estou infeliz. Essa é a primeira vez
que eu fui tratado de forma tão rude.”

Quando ela gritara “cale a boca” para ele anteriormente, a situação estava bem diferente.
Em primeiro lugar, eles tinham concordado que Ainz poderia ficar fora desta batalha,
mas Ainz ainda veio como reforço. Certamente qualquer um que tivesse uma noção do
bom senso teria tomado um tom diferente ao se dirigir a ele.

Todos os que Ainz conhecera até agora foram, pelo menos, minimamente educados.

Foi por isso que Ainz achou estranho.

Depois de esfriar a cabeça e procurar em suas memórias, Suzuki Satoru lembrou de ter
encontrado pessoas como Remedios várias vezes antes.

Ainda assim, nada disso o confortou.

Ainz virou seu olhar ainda irado para os três demi-humanos.

Claro, não foi inteiramente culpa deles também.

Ainz entendeu que ele estaria simplesmente descontando neles.

O que deveria ter acontecido era que o medidor de relacionamento de Remedios com
Ainz deveria ter pulado para o máximo quando fosse salva do perigo no último instante,
ela deveria ter se desculpado por tratar Ainz daquele jeito todo esse tempo, e então tra-
balharia arduamente por Ainz de todas as maneiras possíveis no futuro. Foi por isso que
Ainz estava observando Remedios do ar com 「Perfect Unknowable」 ativo todo esse
tempo, e então entrou em cena para ajudá-la quando ela estava com problemas.

Mas no final, as coisas acabaram assim.

Ele não conseguia entender como acabaram assim.


Se a cota do departamento não fosse atendida e estivesse perto do fim do mês e alguém
desse um passo para compensar o déficit, certamente todo mundo ficaria grato a essa
pessoa, certo? Especialmente se aquela pessoa tivesse terminado seu próprio trabalho
há muito tempo e tivesse voltado do descanso para ajudá-los.

Ainz observava o campo de batalha de cima, e ele tinha uma firme compreensão do qua-
dro geral. Havia muitos lugares mais perigosos do que esse. Ele estava ciente de que a
garota que o encarara todo esse tempo estava em perigo.

Mesmo assim, ele tinha escolhido vir a este lugar porque queria vender um favor à pes-
soa de mais alta hierarquia que ele pudesse — melhor governar no inferno do que servir
no céu, algo assim — e ele havia julgado que a Capitã do Reino Sacro da Ordem Paladina
era a pessoa mais alto escalão neste lugar.

Contudo—

“Eu realmente estou irritado.”

Enquanto ele resmungava sem pensar, Ainz ouviu um riso penetrante.

“Heeheehee. Parece que você foi deixado aqui. Heeheehee, que trágico, trágico.”

“Um Elder Lich. Em outras palavras, um indivíduo que é poderoso como magic caster.
Existe a necessidade de ter cuidado? Eu não vi essa magia de parede antes, mas parece
ser de um nível bastante alto.”

“Hmph. Então ainda por cima é um magic caster? Não sinto vontade de lutar. No final, é
preciso vencer um guerreiro se quiser que as pessoas cantem contos sobre você.”

Os três demi-humanos pareciam ter se recuperado da situação bizarra o suficiente para


brincar um com o outro. Ainz se virou para olhá-los, e seus olhos se concentraram no
demi-humano parecido com um macaco que parecia ter rido agora.

“Isso importa? Primeiro nós o matamos, então—”

“—Cale-se.”

Ainz interrompeu a conversa e lançou uma magia de 8º nível, 「Death」.

O sorriso do demi-humano, semelhante a um macaco, estava congelado em seu rosto


enquanto ele desmoronava lentamente.

“...O quê? O que você—”

“—Eu disse para calar a boca, não?”


Ainz mais uma vez fez uma conjuração silenciosa 「Death」.

O demi-humano de quatro pernas entrou em colapso da mesma forma que o de antes.

“Eh? Ehhh O que aconteceu? O que está acontecendo?”

A demi-humana que permaneceu imóvel não entendia o que estava acontecendo, mas
parece que ela já havia reconhecido quem havia feito aquilo.

“Foi, foi você? Você matou esses dois em um instante...?

O terror estava gravemente estampado em seu rosto. Seu corpo estava tremendo forte-
mente.

“Sim, sim...”

Ainz despretensiosamente fez uma conjuração silenciosa de 「Death」 na demi-hu-


mana.

“—Hmmm?”

Ela não morreu. Ela havia resistido ao 「Death」 de Ainz.

No momento em que ele percebeu isso, a mente de Ainz imediatamente mudou de mar-
cha, entrando em um estado mental que poderia ser considerado um modo de combate.

Foi uma característica racial defensiva? Uma magia de proteção que ela lançou em si
mesma? Ela teria resistido normalmente? Um item mágico a protegeu? Ou era algo mais?

Embora não se pudesse descartar completamente a possibilidade de que pudesse ter


sido uma coincidência, certamente ela não teria resistido sob seu próprio poder. Ainz
observara os três enquanto lutavam. Mesmo que ele não tivesse a medida completa de
suas habilidades, Ainz estava certo de que eles não poderiam resistir ao poder de seus
ataques mágicos em uma disputa direta.

Quando Ainz refletiu sobre as razões para isso, ele sentiu que seria melhor ficar em
guarda e deixar seu oponente fazer um movimento.

Talvez ele possa descobrir algo que só poderia ser encontrado aqui. Ele gostaria de ver
o trunfo empunhado por alguém que pudesse resistir aos métodos usuais de ataque de
Ainz.

“Hmm... Bem, não importa o que ela fez. Que perda de tempo. Se eu soubesse, teria dei-
xado aquela mulher sozinha e ido ajudar em outro lugar. Eu estava pensando que se eu
lutasse junto com aquela mulher, poderíamos ter feito um espetáculo de um difícil
triunfo, então teríamos gasto um pouco mais de tempo em algum vai e vem...”

♦♦♦

Um undead tagarela estava parado diante dela.

Que tipo de criatura undead é essa? ...Os undeads não poderiam se aliar a humanos. Está
sendo controlado por um necromante? Ainda assim, esse poder...

Mesmo ela não tendo idéia do que ele tinha feito, ele instantaneamente matou dois guer-
reiros que estavam no mesmo nível que ela. Será que um undead tão poderoso poderia
ser controlado?

Se o dedo dele apontasse para ela, seria ela quem pereceria?

As únicas pessoas que ela conhecia que poderiam fazer isso além do Imperador Demô-
nio Jaldabaoth seriam os grandes demônios que eram seus servos.

—Isso é impossível! Qualquer um que pudesse controlar uma criatura undead que esti-
vesse a par desses poderosos seres deve estar no nível de um deus! Como poderia tal necro-
mante existir?

Se essa nação humana tivesse tal necromante, como a Aliança Demi-humana poderia ter
pressionado sua invasão até agora?

Eu deveria fugir? Devo aproveitar a chance de fugir enquanto ele está agindo todo rela-
xado? Será que conseguirei escapar?

Ela não possuía nenhuma magia que fosse útil para escapar. Afinal, ela nunca esteve em
tal perigo antes e não sentiu a importância de aprender tais magias.

Nesse caso, a única saída é passar por cima!

“Ahhhhhhhhh!”

Ela usou seu grito de guerra para despertar seu espírito e começou a lançar magias com
os lábios trêmulos.

Havia uma magia arcana de 4º nível chamada 「Silver Lance」. Era uma magia do tipo
físico, mas como possuía propriedades de prata, era uma magia tremendamente preju-
dicial contra inimigos que eram fracos contra a prata. Além disso, também teve um efeito
especial conhecido como “perfurante”, o que fez com que causasse mais danos a oponen-
tes não protegidos por armaduras. No entanto, também tinha a desvantagem de que seus
danos poderiam ser reduzidos pela armadura.
Seu trunfo estava em modificar essa poderosa magia para produzir novas magias únicas.

Havia a 「Burn Lance」, que causava dano com o elemento fogo. Havia a 「Freeze
Lance」, que causava dano com o elemento gelo. Havia a 「Shock Lance」, que causava
dano com o elemento raio.

Todas essas três magias causavam danos elementais, então a armadura não reduziu sua
potência, e ainda retiveram a capacidade mortal de “perfuração”.

É claro que, de acordo com a sua mortandade, essas magias consumiam muito mais
mana do que as magias de 4º nível convencionais.

Ela ativou três dessas potentes — para ela — magias de uma só vez.

Ela estava lançando simultaneamente três magias, cada uma das quais drenava uma
quantidade significativa de mana.

Além disso, lançar as três ao mesmo tempo já exigia um tremendo esforço por si só, e
como o choque de usar quantidades enormes de mana a atingiu, ela se sentiu leve e flu-
tuante, como se estivesse prestes a desmaiar.

“Morraaaaaaaa!”

As três lanças voaram em direção ao ser undead — e depois desapareceram sem deixar
vestígios.

“—Hah?”

Ela não conseguia entender o que havia acontecido diante de seus olhos. Ela podia en-
tender se tinha recebido dano, ou os desviados.

Mas isso — isso era como se nada tivesse acontecido.

As lanças simplesmente haviam desaparecido.

“Eh? Eh? O quê? O que o quê?”

“...Eu te dei todo esse tempo e isso é o melhor que você pode fazer? É este o seu ás na
manga? Hm. Acho que não precisarei esperar que você haja sem cautela. Então, não te-
mos muito tempo para desperdiçar, agora apresse-se e morra. 「Maximize Magic: Reality
Slash」.”
Parte 5

E um mundo de escuridão havia


Ela não sabia se o conceito de “ela” existia
Abrir os olhos queria — mas o que “olhos” significava ela não sabia
Escuridão, Mundo, se outrora tiveram algum significado, agora eram palavras vazias
Porque pensava essas coisas ela não sabia
De nada sabia
Desaparecendo ela estava
Mas a palavra “desaparecer” a ela nada significava
Saber ou não o significado em nada a ajudaria
No entanto, subitamente, sendo puxada por algo ela sentia
Cima, baixo, da esquerda para a direita, de lugar nenhum para algum lugar—
Um mundo inteiro estava a puxar
Um ser lamentável que completado havia sido pelas obras que seus amigos
Todos aqueles pensamentos agora estavam selados
Por alguém que era um tesouro maior do que ela jamais pensaria
E então — uma explosão de luz branca o mundo tingia
Uma grande sensação de perda acontecia—
Uma sensação de se separar de tudo ela sentia—

Neia Baraja piscou várias vezes, tentando devolver seu campo de visão desfocado ao
normal.

Ela sentiu que algo havia acontecido, mas não conseguia se lembrar de nada sobre isso.
No entanto, ela deveria ter lutado contra os demi-humanos. Qual bizarrice havia aconte-
cido?

“...Esse era um lugar perigoso.”

Quando ela ouviu aquela voz calma, Neia estreitou os olhos e olhou para cima com um
olhar anormal.

Parecia com a escuridão.

Não era a escuridão que uma criança temeria, mas a escuridão que dava paz àqueles que
estavam cansados.

Era o Rei Feiticeiro Ainz Ooal Gown.

“Vosha... Mhajeistade...”

Neia, reflexivamente, chegou até ele, como uma criança preocupada se agarrando a seus
pais—
“Neia Baraja. Não se force a se mover. Deixe-me cuidar deste lugar e descanse.”

Atrás dele, ela podia ver os demi-humanos atacando freneticamente o Rei Feiticeiro,
apunhalando-o com espadas, golpeando-o, socando-o.

No entanto, o Rei Feiticeiro ignorou-os completamente. Ele falou com ela como se nada
estivesse acontecendo.

A memória de Buser chegou à mente de Neia.

O Rei Feiticeiro alcançou a manga de sua túnica e, depois de um breve atraso, retirou
uma poção roxa, de aspecto venenoso. Normalmente, as poções eram azuis.

Neia não questionou o Rei Feiticeiro enquanto ele derramava aquela poção de aparência
venenosa sobre ela. O que o Rei Feiticeiro fez certamente deve estar correto.

A realidade se moldou como ela imaginou. A poção roxa que ele derramou no corpo de
Neia instantaneamente curou todas as suas feridas. Parece que as poções do Reino Feiti-
ceiro eram de uma cor diferente.

“Embora pareça que uma recuperação completa demorará muito, você deve recuperar
sua energia antes do que imagina — que pena. Tch. Os milicianos estão todos mortos...
parece que sobraram alguns. Nesse caso...”

O Rei Feiticeiro virou-se para encarar os demi-humanos quando eles o atacaram por
trás repetidas vezes.

Houve luta por toda a cidade neste exato momento, e alguém morria a cada segundo que
passava. No entanto, naquele momento, Neia esqueceu-se completamente disso, porque
seus olhos foram roubados pelas gloriosas costas do Rei Feiticeiro que se levantara para
protegê-la.

Seu mal-estar e preocupações com o exército demi-humano desapareceram completa-


mente.

Isso foi — o que Neia tinha desejado.

Então estava aqui o tempo todo. Entendo...

Neia tinha certeza de que ela havia encontrado a resposta perfeita para as dúvidas que
ela estava segurando a todo esse tempo.

O Rei Feiticeiro casualmente lançou uma magia.


Um deslumbrante golpe de eletricidade correu ao longo do topo do muro da cidade.
Aparentemente era a magia chamada 「Chain Dragon Lightning」.

Os demi-humanos foram exterminados tão facilmente que era difícil imaginar que ou-
trora havia uma luta de vida ou morte aqui.

“Mas...Voshê... derrothou... dodos... eles...?”

“Não, havia algumas pessoas ainda lutando por perto, então eu estava tentando não
acertá-las. No entanto — 「Napalm」 ah, isso é tudo. Em seguida, temos que lidar com
os idiotas subindo. 「Widen Magic: Wall of Skeleton」.”

Uma parede de ossos de repente se ergueu do lado de fora dos muros da cidade, onde
estavam as tropas demi-humanas. Mesmo ela não conseguindo ver o outro lado porque
sua visão estava bloqueada, ela podia ouvir os demi-humanos nas escadas grunhindo,
seguidos pelo som de objetos caindo e batendo no chão com força.

“Agora, para cuidar de suas tropas que já estão em formação... Mandei alguns undeads
para lá anteriormente, eles vão lidar com isso em breve.”

Enquanto falava, ele pegou outra poção. Era completamente diferente daquela de antes,
sendo armazenado em um frasco bonito e esguio. Ela não tinha idéia do que a poção den-
tro dela poderia fazer, mas parecia ser um item muito valioso.

“Eu, ehu exthou bem, Vosha Mhajeistade...”

“...Chega disso. Me desculpe por ter me atrasado em te salvar.”

O Rei Feiticeiro protegeu as metades superiores de suas órbitas oculares como se esti-
vesse sendo ofuscado enquanto derramava o conteúdo da garrafa. A sensação de fra-
queza que ela vinha sentindo desde então se dissolveu. No entanto, seu corpo ainda pa-
recia pesado. Ela sentiu como se alguma coisa tivesse sido arrancada de si mesma, mas
se misturando novamente — não, estava excessivamente mais forte do que antes — no
calor no centro de seu corpo.

Ela poderia levantar. Mesmo que seu corpo ainda doía ao ponto de suas lágrimas escor-
rem, ela não pôde permanecer em uma posição tão vergonhosa diante da pessoa que veio
salvá-la.

“Pare — Srta. Baraja. Não há necessidade de se forçar a ficar de pé.”

Mesmo ela desejando se levantar, Neia obedientemente se deitou quando ele empurrou
seus ombros para baixo.

“Sim, assim mesmo... vou buscar alguém para te levar. —Vocês aí, por aqui!”
O Rei Feiticeiro acenou para o que pareciam ser milicianos.

Foi nesse momento que Neia percebeu que, para expressar sua gratidão, ainda não fi-
zera uma pergunta que deveria ser feita.

“Vossa Majestade, o senhor ficará bem? O senhor veio nos ajudar e usou a mana que
deveria ter poupado para lutar contra Jaldabaoth.”

“Está bem. Quando se pensa sobre isso, a conclusão é que não dá para evitar, conside-
rando que foi para te salvar.”

“Vossa Majestade...”

Algo tão pesado quanto uma rocha parecia ter sido removida de seu peito:

“Eu entendo agora.”

“Hm? O que é?”

O Rei Feiticeiro esperou pela resposta de Neia.

“Eu entendo o que é justiça.”

“—Ah, então você encontrou a justiça que pertence a você? Isso é bom. Está em proteger
os fracos ou algo assim?”

Sua voz estava cheia de ternura e Neia respondeu com confiança.

“Vossa Majestade é justiça.”

Por um momento, o Rei Feiticeiro congelou.

“....Hm?”

“Eu entendo agora! Vossa Majestade é a justiça!”

“...Ah, é isso então. Você deve estar cansada. Você não acha que seria melhor descansar?
Você vai pensar em coisas estranhas enquanto estiver cansada. Certamente você não vai
querer rolar na cama e fazer barulhos estranhos depois de se acalmar, certo?”

“Estou um pouco cansada, mas o mais importante é que meu coração se esclareceu. Es-
tou absolutamente certa de que Majestade é justiça!”

“Não, nãonão, eu disse na época, mas não sou justo. Olha, o que eles chamam de justiça
deveria ser algo como proteger os fracos é senso comum, esse tipo de... uh, conceito abs-
trato. Certo? Quero dizer, seguindo o significado real da palavra.”
“Não. Justiça sem poder não tem sentido, mas poder como o que Jaldabaoth possui tam-
bém não é justiça. Portanto, ser forte e usar essa força para ajudar os outros é verdadei-
ramente justiça; em outras palavras, o senhor é a encarnação da justiça, Vossa Majes-
tade!!”

Quando os olhos de Neia se arregalaram enquanto falava, o Rei Feiticeiro de repente


levantou a mão e depois colocou sobre os olhos de Neia como se estivesse persuadindo-
a a dormir. O frescor agradável de seus dedos fez as bochechas de Neia relaxarem.

“...Ah. Se você gritar muito alto, não vai machucar suas feridas? Depois disso, podemos
continuar lentamente de onde essa conversa parou.”

“Sim! Vossa Majestade!”

Ela ouviu o som de vários passos e, ao desviar o olhar, viu as formas de paladinos e
milicianos se aproximando.

“Vossa Alteza! Muito obrigado por vir aqui para nos ajudar!”

“Não agradeça por isso.”

Enquanto respondia, o Rei Feiticeiro lentamente se levantou. Neia sentiu-se solitária


quando ele se levantou e quis alcançar o manto do Rei Feiticeiro, mas então percebeu
que fazer isso seria terrivelmente vergonhoso e então ela se conteve.

“—Não, na verdade, talvez você deva. Portanto, espero que você leve a Escudeira Baraja
para um lugar seguro para mostrar sua gratidão. Mesmo que não consiga ver daqui, eu
já enviei undeads que eu fiz para o acampamento demi-humano, então deve ficar tudo
bem se se vocês descansarem por um tempo.”

“Vossa Majestade—”

“—Neia Baraja. E também as pessoas deste país. Deixe-me cuidar do resto. Eu prometo
a vocês que farei o meu melhor para salvar as pessoas desta cidade.”

O Rei Feiticeiro flutuou suavemente no ar.

“Além disso, há mais uma coisa. Você pode me ajudar a mover os corpos daqueles três
demi-humanos para lá? Eles eram inimigos fortes, então eu quero estudá-los com cui-
dado.”

Os três cadáveres para os quais o Rei Feiticeiro apontava pareciam ter sido outrora
muito impressionantes.
“Mova-os com a panóplia de guerra. Não se preocupem em serem grosseiros com os
corpos deles, mas tomem cuidado com os equipamentos. Contarei com vocês nisso.”

Enquanto observava o Rei Feiticeiro voar no ar, um paladino se virou para Neia.

“Escudeira Neia Baraja, estamos felizes em levá-la... mas a falta de materiais para uma
maca torna as coisas difíceis. Consegue ficar de pé?”

♦♦♦

Enquanto saudava os demi-humanos que invadiam a cidade com magias ao fazer ata-
ques aéreo, Ainz pensou na sequência de eventos que haviam transpirado e enrugado
suas sobrancelhas inexistentes.

—Aquilo foi um erro enorme. A ordem estava errada. Eu deveria ter priorizado Neia Ba-
raja sobre aquela mulher chata.

Neia havia morrido porque ele ajudou Remedios e ficou atrasado em ir para o lado de
Neia. Ele teve que usar uma varinha de alto nível para ressuscitar Neia, porque ele não
tinha certeza de quão alto era o nível de Neia, e ele estava com medo dela se tornar cinzas
como o Lizardman daquela época.

Na verdade, ele não tinha idéia se o preço de ressuscitar Neia era justificado pelos be-
nefícios que ela poderia trazer para Ainz e Nazarick. Dito isto, uma vez que o plano de
ajudar Remedios e deixá-la endividada para ele tinha sido um completo fracasso, ele de-
veria pelo menos tentar novamente com Neia, e foi por isso que ele escolheu ressuscitá-
la. Contudo—
[Varinha d a R e s s u r r e i ç ã o ]
...Será que a Wand of Resurrection — com poder de magia de sétimo nível — também es-
tava bem? ...Parece que eu estava sendo muito cauteloso. Além disso, levarei uma hora até
que eu possa trocar este anel.

Ainz estava olhando para um de seus oito anéis, o do polegar direito.


[ A n e l d a M a e s t r i a em V ar inh as ]
Era o Ring of Wand Mastery.

Dito anel era um artefato ultra-raro dropado por um chefe de YGGDRASIL.

Normalmente, apenas os magic casters de ramificações específicas poderiam usar as


magias armazenadas dentro de uma varinha. Por exemplo, somente um magic caster di-
vino poderia usar uma varinha imbuída com magia divina de primeiro nível — 「Light
Healing」—. Se elas pudessem ser usadas por magic casters de outras ramificações, en-
tão teriam que ser varinhas, que eram mais caras.
Dito isso, um patch atualizou certas varinhas para que pudessem ser usadas por todos
os jogadores. Infelizmente, a varinha imbuída com magia de 9º nível 「True Resurrection」
que ele usou para ressuscitar Neia não era uma delas, e Ainz não seria capaz de usá-la
em circunstâncias normais.

No entanto, ele poderia usá-la, desde que ele tivesse este anel.

Ainda assim, o poder do anel só ficaria vinculado em apenas uma varinha de cada vez,
ele teria que esperar uma hora antes de poder trocá-la. Ele também carregava a desvan-
tagem de exigir mana para ser usado, mas ainda era um item muito valioso.

Devido à sua alta raridade, poucas pessoas na guilda “Ainz Ooal Gown” a possuíam, e a
que Ainz tinha lhe foi deixada por Amanomahitotsu quando ele desistiu do jogo.

Bem, não parece que vou precisar usar essa varinha em outro lugar, então eu não deveria
deixar isso me incomodar. Falando nisso, percebi quando eu cobri os olhos dela, parece que
ela simplesmente me respeita. Dado o que ela disse... isso significa que eu ganhei a confiança
dela? Uhum. O que aconteceu?

Ainz lembrou a reação de Neia.

Sua gratidão soou sincera... mas ao mesmo tempo parecia que ela estava me encarando
com raiva. É porque o rosto dela é assustador? Que tal recomendar que ela use óculos escu-
ros ou algo assim?

Ainz poderia pensar isso, mas é claro que ele não podia dizer. Na carruagem, ela menci-
onou estar consciente de como seus olhos pareciam assustadores.

Se alguém encontrasse uma mulher com axilas fedorentas, como elas reagiriam quando
você dissesse “você fede”, e lhes desse um frasco de perfume?

Parece que todo o respeito que eu cultivei desapareceria e ela só se ressentiria de mim...

Além disso, Ainz — Suzuki Satoru — não era corajoso o suficiente para dizer tais coisas.

Ainz avistou um aglomerado de demi-humanos nas proximidades e descarregou uma


magia de efeito de área no chão, abatendo todos eles. Os milicianos que estavam de frente
para eles acenaram em sua direção. Ainz levantou o braço também como resposta. Ori-
ginalmente, ele pretendia apenas levantar a mão, mas havia uma distância entre eles,
então ele ergueu o braço para que pudessem vê-lo.

É isso mesmo~ É o misericordioso Rei Feiticeiro~ Sejam gratos a mim~ Mas ainda assim,
será que a magia de ressurreição faz as pessoas enlouquecerem ou agirem de forma estra-
nha? Comparado a isso, seria melhor se ela estivesse apenas animada ou agitada...

Ainz pensou em Neia.


Parecia estranho, não importa como ele pensasse sobre isso. Ela tinha sido perfeita-
mente normal quando ele se separou dela, mas ela acabou assim depois de ser trazida de
volta à vida.

Ela é louca? Devo curá-la com magia? Seria um pouco assustador se fosse um efeito cola-
teral da ressurreição. Eu não quero acabar distorcendo a personalidade dela com o passar
do tempo.

Havia um poder estranho nos olhos criminosos de Neia, um brilho de insanidade e fero-
cidade que o assustava.

É muito ruim que ela tenha me confundido com a justiça, huh. Algum descanso deve ajudar
ela com isso... oh.

Ainz moveu seu olhar para localização dos demi-humanos.


[Devoradores d e A l m a s ]
Metade deles já haviam sido destruídos e os S o u l Eaters andavam preguiçosamente
entre os demi-humanos em fuga. Mesmo isso já era suficiente para fazer os demi-huma-
nos colapsarem em massa com suas auras de morte instantânea. Os Soul Eaters consu-
miram suas almas, o que por sua vez os deixou mais fortes.

Quando Soul Eaters apareciam em YGGDRASIL, eles eram quase sempre encontros ni-
velados pelos níveis dos jogadores, então as chances de um jogador ser abatido por um
efeito de morte instantâneo seriam apenas uma em cem ou menos que isso. Foi por isso
que essa habilidade especial dos Soul Eaters raramente teve a chance de ser vista em uso.

No entanto, foi diferente desta vez. Esta foi a oportunidade perfeita para mostrar isso.

“Almas, huh... oh não. Eu deveria fazer experimentos com isso.”

Ainz de repente pousou. Então ele usou sua habilidade para criar undeads de nível in-
termediário para criar um Soul Eater.

Vá.

Depois que ele emitiu um comando mental, o Soul Eater imediatamente começou a se
mover. Ao mesmo tempo, ele enviou uma ordem aos Soul Eaters que estavam destruindo
os demi-humanos do lado de fora.

Que consistia de: Deixem algumas presas para o Soul Eater recém-criado.

Undeads criados com cadáveres não desapareceriam com a passagem do tempo. Mas
por que estes não desapareceram?
Se não é porque eles estão usando o cadáver como um meio, mas a alma, significa que os
Soul Eaters que comeram almas não desaparecerão? ...Bem, mesmo que eu encontrasse a
resposta, não saberia onde aplicá-la. Ainda assim, saber é melhor do que não saber.

Ele subiu no céu mais uma vez e verificou que a cidade estava segura. A maioria dos
demi-humanos deveria ter sido eliminado agora, mas ele deveria ser cuidadoso, apenas
por precaução.

Mmm, aquela mulher chata está lá. Ignore-a, ignore-a.

Ainz desviou o olhar de Remedios e voou para outro lugar.

Quando Ainz voou, ele pôde ouvir os gritos vindos de baixo dele, e Ainz respondeu com
um aceno de mão. Depois de verificar que não havia mais demi-humanos — que a luta
tinha terminado, Ainz começou a fazer o seu caminho para a sala de guerra. Ele precisaria
de muito tempo para voltar a Nazarick e cuidar de todos os tipos de reuniões irritantes.

“Eu preciso lidar com isso corretamente...”

Uma onda esmagadora de mal-estar inundou-o e, em seguida, sua supressão de emoções


o acalmando. A única coisa que restou foi uma sensação de frio em seu coração.

Eu preciso usar 「Message」 para dizer ao Demiurge que se encontre comigo em Nazarick.

♦♦♦

Uma vez que Ainz fez sua jogada, a vitória foi muito fácil. Depois de aniquilar os demi-
humanos que atacavam a cidade e terminar algumas outras coisas, Ainz voltou para seu
quarto.

Uma dessas coisas era dar as caras nos aposentos de Caspond e pedir-lhe alguns favores
menores no futuro. Sendo curto e direto, depois de destruir o acampamento demi-huma-
nos até as cinzas, ele não tinha nenhum problema em dar-lhes as rações e todo o resto —
exceto itens mágicos.

Já que Ainz havia devastado o acampamento demi-humano sozinho, então os despojos


[C a i x a d e
dos demi-humanos deveriam ter pertencido a ele por direito. Colocá-los na Exchange
Câmbio]
Box teria dado uma boa quantia. No entanto, se ele monopolizasse tudo, a boa vontade
que ele construíra tão meticulosamente poderia acabar perdendo seu valor. Sendo esse
o caso, ele precisava pensar no sentido de ser um investimento e dar tudo para o Reino
Sacro. Claro, pode haver itens mágicos valiosos entre os itens, e ele não tinha intenção de
desistir deles.

Normalmente, Ainz teria ido ao acampamento sozinho e usado 「Greater Magic Vi-
sion」, 「Detect Magic」 e outras magias de adivinhação para examinar a cena, mas ele
sentiu que não havia necessidade de fazê-lo. Além disso, Demiurge deveria ter investi-
gado quais itens mágicos os demi-humanos possuíam de antemão. Mesmo se um peixe
tivesse pulado fora da rede, não deveria haver nada ali que pudesse prejudicar Ainz. Se
houvesse, então teria sido mais chamativo.

Depois disso, ele foi para recuperar o equipamento daqueles três demi-humanos. Como
esperado, ninguém ousou saquear os cadáveres, e assim Ainz recuperou seus itens má-
gicos sem incidentes. Claro, ele tinha uma idéia de quão poderosos esses itens eram e da
mana que eles continham, mas ele ainda tinha esperança por algo bizarro ou incomum.

Ele os jogou na cama e se preparou para investigar magicamente todos e cada um deles,
mas ele tinha algo que precisava fazer primeiro.

“ —Agora, vejamos!”

Ele deliberadamente fez barulho.

Parte disso era a própria psique, mas havia outro significado.

Havia algo que ele precisava fazer antes de contatar Demiurge usando 「Message」.

Ainz pegou um pergaminho — com a marca de Demiurge — e lançou uma magia, após
isso, um par de orelhas de coelho brotou da cabeça de Ainz.

Ele os usou para checar os sons próximos, e parecia que não havia ninguém se escon-
dendo para espioná-lo. No entanto, isso não foi suficiente para deixá-lo à vontade. Afinal
de contas, havia magia como 「Silence」 de 2º nível, que poderia eliminar o som, e tam-
bém havia habilidades de ladinos, então era cedo demais para concluir que não havia
ninguém por perto só porque ele não podia ouvir nada.

É graças à fazenda de Demiurge — que nos permite obter matérias-primas com facilidade
— que eu posso usar pergaminhos casualmente. Despejar grandes quantidades de produtos
na Exchange Box significa que podemos recuperar o ouro gasto nos pergaminhos sem pro-
blemas. Eu já pensei sobre isso antes, mas tenho um bom pressentimento sobre as várias
maneiras pelas quais Nazarick está se desenvolvendo.

Eles ainda poderiam usar o pergaminho comum deste mundo para magias de 1º nível
como 「Rabbit’s Ear」. Alguém precisaria de materiais de YGGDRASIL para usar itens de
nível mais altos. No entanto, parte do problema de abastecimento já havia sido resolvido.

Embora fosse verdade que eles só poderiam ser usados como substitutos para pergami-
nhos de até 3º nível, Demiurge já havia feito um grande trabalho. Mas primeira e indis-
cutivelmente, ao considerar tudo o que havia sido feito até agora, Demiurge seria o mais
merecedor de elogios por suas contribuições. Em seguida, seria Albedo e seu perfeito
gerenciamento de Nazarick.
Ainz, em seguida, passou a usar sua habilidade para criar undeads menores e trouxe um
[Apar iç ão]
Wrath.

Verifique os arredores e veja se alguém está me espionando.

Depois de receber o pedido, o Wrath saiu da sala sem abrir a porta. Wrath tinham corpos
astrais, e assim eles podiam se mover diretamente através das paredes e outros obstá-
culos. Ainda assim, havia um limite dependendo de quão espessas fossem as paredes, de
modo que não era ilimitado, mas a espessura das paredes do quarto não eram problema
para ele.

Ainz concentrou sua mente nas orelhas que brotara em sua cabeça.

Mesmo que houvesse um ladino habilidoso à espera, eles poderiam realmente perma-
necer imóveis se uma criatura undead aparecesse de repente, especialmente se estivesse
cercada por uma aura de medo? Além disso, eles precisariam de uma capacidade de ocul-
tação que pudesse escondê-los da detecção de um Wrath. É claro que enganar os undeads
de baixo nível era fácil, mas se alguém realmente possuísse essas habilidades, então eles
deveriam ser muito capacitados.

Ainz concluiu que não poderia haver tal pessoa. Se houvesse alguém assim nessa nação,
eles deveriam tê-los usados nas duas batalhas anteriores.

Dito isso, não posso descartar a possibilidade de que alguém assim seja cauteloso comigo
e, portanto, fique à espreita. Ainda assim, dada a personalidade daquela mulher, não deve-
ria ser possível... se houvesse alguém assim, não seria incomum para o Demiurge me infor-
mar sobre eles.

Não seria incomum. Enquanto pensava naquelas palavras, Ainz se perguntou:

É realmente esse o caso?

Certamente Demiurge não teria sentido que Ainz teria entendido, mesmo se ele não dis-
sesse nada, não é?

...Ah, quanto mais eu penso sobre isso, mais meu estômago dói...

Se tal erro tivesse acontecido, então ele deveria reunir sua determinação e se sentar com
Albedo e Demiurge para uma boa conversa.

Eventualmente, o undead retornou.

“Encontrou alguém?”

O undead respondeu negativamente. As orelhas de Ainz não tinham captado nenhum


som suspeito.
“Então é assim? Então, esconda-se nas paredes e fique de olho nos arredores.”

Depois de ver o undead entrar em uma parede, Ainz se preparou mentalmente.

Agora, irei conjurar 「Message」 e prosseguir.

Era uma coisa simples, mas ele não conseguia reunir determinação para fazer.

Ele se sentia como um empregado que sabia que seria repreendido por seu chefe depois
de retornar ao escritório.

Ainda assim, ele não poderia ficar assim para sempre. Seu coração também ficaria pe-
sado se Demiurge o contatasse primeiro.

“Meu eu, é hora de fazer isso!”

Depois de se animar, ele enviou uma 「Message」 para Demiurge. Ele havia ensaiado o
que queria dizer em sua cabeça inúmeras vezes e fizera simulações mais do que suficien-
tes. Tudo o que ele tinha que fazer agora era dizer.

No entanto, a 「Message」 conectou antes que ele pudesse respirar profundamente


para aliviar seu estresse — ou melhor, não havia praticamente nenhum atraso entre lan-
çar a magia e abrir um canal de comunicação para Demiurge. A resposta foi muito rápida.

“Demiurge, é você?”

『Certamente sim, Ainz-sama.』

“Uhum.”

Ele praticou isso muitas vezes. Tudo o que ele tinha que fazer agora era dizer isso:

“...Eu queria saber se você possui alguma dúvida sobre a divergência de minhas ações
no relatório e, por conta disso, entrei em contato com você. Embora eu entenda o que
você quer dizer, sinto que a Albedo também deveria estar presente se houver perguntas
detalhadas. Volte para Nazarick sem demora. Eu voltarei agora também. Nós nos encon-
traremos na cabana da superfície.”

『Entendido. Por minha vez, então entrarei em contato com a Albedo.』

“Ahh, por favor faça.”

Ele imediatamente cortou a 「Message」. Depois disso, Ainz suspirou profundamente.


Ah, isso é bom. Ele não parecia bravo. Ahhh, isso foi assustador. O que devo fazer se um
subordinado talentoso ficar com raiva de mim?

Ele pensou. O coração de Ainz estava cheio de medo; a fim de se sentir à vontade, ele
canalizou nova força em seu corpo enfraquecido e olhou para a parede.

A missão de Wrath estava completa. Graças ao fogo amigo, ele poderia destruir undeads
como Shalltear fez, mas não havia necessidade de desperdiçar sua força. Ordená-lo a re-
tornar também era uma tarefa simples. Aliás, não havia necessidade de falar também; ele
poderia simplesmente emitir um comando mental. Dessa forma, ele poderia quebrar o
vínculo tênue entre eles.

Dito isto, havia inúmeros vínculos desse tipo em E-Rantel. Lá, ele não estava confiante
em ser capaz de dar uma ordem clara sem falar. Isso era a mais pura verdade. No entanto,
Ainz tinha feito poucos undeads neste lugar, então a emissão de um comando bem defi-
nido seria bastante simples.

—Desapareça.

A seguir, para retornar a Nazarick por um tempo...

A seguir, seria uma tarefa muito assustadora — uma tarefa de desilusão que tinha que
ser completada. Se possível, ele gostaria que houvesse alguém para lidar com isso, mas
isso era impossível. Além disso, a quem mais ele poderia entregar tal tarefa?

Ele tocou os itens mágicos que estavam na cama, pertencentes aos três demi-humanos,
na esperança de limpar seu desconforto.

Fufu~ São fracos, são baratos, mas ainda assim, a obtenção de itens mágicos neste mundo
me deixa feliz... bem, talvez eu não seja tão feliz quanto o Pandora’s Actor, mas eu sinto que
gosto de itens mágicos também, huh?

A primeira coisa que ele fez foi avaliar os itens mágicos pertencentes a demi-humana de
quatro braços. Entre eles, estava a braçadeira que a havia protegido contra a magia de
[ B r a ç a d e i r a Guarga-Morte]
morte instantânea de Ainz, e seu nome era a Deathguard Armband. Poderia conceder
imunidade à magia da morte uma vez por dia.

Ainz pegou-a e girou-a na mão várias vezes, depois a colocou de volta na cama.

Chatos. Se ao menos houvesse itens melhores. Então—

Assim que ele estava prestes a sair, ele ouviu o som de bater na porta. Uma voz do exte-
rior disse: “Vossa Majestade, sou eu, Neia Baraja.”

Ainz imediatamente se inspecionou. Então ele olhou ao redor do quarto para assegurar
que seu porte era o do soberano absoluto conhecido como Rei Feiticeiro. Depois disso,
ele lentamente se acomodou em uma cadeira e a pose que ele adotou foi o Rei Ainz No.
24.

“—Entre.”

Ele fez o melhor que pôde para falar em voz baixa e pesada. Essa mudança no tom tam-
bém foi o resultado das repetidas práticas.

A porta se abriu e Neia — seus ferimentos agora se recuperaram — entrou na sala e se


curvou para ele.

“Sou profundamente grata por ter recebido permissão para entrar, Vossa Majestade. Eu
vim aqui para cumprir minhas obrigações como escudeira.”

“Uhum. Estou feliz que tenha vindo, Srta. Baraja. Mas não há necessidade de cumprir as
obrigações de escudeira hoje. Enquanto suas feridas podem ter sarado, o cansaço da ba-
talha deve—”

Ah, aquilo resolveu tudo.

Pensou Ainz. A poção que ele usou naquela época foi uma que removeu tanto fadiga,
quanto exaustão. Era uma poção que Nfirea — com sua pele seca e áspera — elogiara os
céus.

“Eu sou capaz de cumprir minhas obrigações como escudeira graças ao poder de Vossa
Majestade. Além disso, estou muito feliz por poder ficar ao lado de Vossa Majestade.”

Neia sorriu — ou foi um sorriso pretensioso? Seu corpo naturalmente ficaria na defen-
siva em face de um sorriso hostil ou maligno, mas a postura real de Ainz era inquebrável.

“...Mesmo? No entanto, devo retornar ao Reino Feiticeiro por um tempo para lidar com
algumas tarefas críticas. Peço desculpas por desperdiçar sua viagem.”

“Entendo...”

Ela parecia muito triste, mas não parecia fofa em nenhum sentido da palavra. Tudo o
que ele conseguia pensar era que ela olhava com raiva para ele. No entanto, Ainz já havia
pensado em uma maneira de lidar com Neia.

Tudo o que ele tinha que fazer era fechar os olhos. Dessa forma, seus olhos não mais o
assustariam.

“Falando nisso, eu estou feliz que você esteja bem — que esteja viva, Srta. Baraja.”

“Muito obrigada, Vossa Majestade! Tudo isso é graças ao seu poder. Em particular, sem
esta armadura, eu poderia não ter conseguido resistir até que Vossa Majestade chegasse.”
Mas você não resistiu, você morreu... bem, tudo fica bem quando acaba bem. Falando nisso,
ouvi dizer que ela estava lutando nos muros da cidade, então dando-lhe a armadura que
poderia se defender contra ataques à distância foi a escolha certa!

“Fufu. Bem, isso é bom de ouvir. O que me diz do arco? Você mostrou o quão forte ele é
para as massas?”

“Sim... muitas pessoas viram o incrível poder deste arco... apesar de estarem todas mor-
tas agora.”

“O quê!? —Entendo, então foi o que aconteceu. Que pena.”

Ele falhou novamente. Ainz estava cheio de um profundo sentimento de arrependi-


mento. Se todo mundo que viu estava morto, não era diferente de ninguém ver.

Talvez eu devesse desistir de tentar promover armas rúnicas...

Pensou Ainz.

Ainda assim — acho que deve haver mais chances para isso. Mesmo que esse plano falhe,
isso não significa que eu perdi, e haverá grandes benefícios se for bem-sucedido.

“Tenho certeza de que sem o equipamento que Vossa Majestade me emprestou, eu es-
taria no Céu com os outros... muito obrigada, Vossa Majestade.”

Ainz sentiu que suas palavras vinham do coração, e assim Ainz pensou:

Belo trabalho.

Claro, ele não podia expressar essa emoção. Afinal, ele teve que continuar mostrando a
ela um equilíbrio de governante.

“Não é nada de mais. Tudo o que você precisa saber é que o dever de um mestre é pro-
teger seus seguidores.”

Ainz abriu os olhos em uma pequena fenda para estudar sua reação. O rosto de Neia se
contorceu ligeiramente quando ela ouviu a palavra “seguidores”. Provavelmente não era
raiva, mas parecia uma espécie de infelicidade. Dado sua atitude atual e considerando
que o fluxo da conversa fosse confiável, não era esse o caso.

Em outras palavras, abrir os olhos foi um erro. Ainz fechou os olhos novamente.

“Muito obrigada, Vossa Majestade. Além disso, as pessoas que Vossa Majestade salvou
também desejam que eu expresse a gratidão deles ao senhor.”
“Ho...” É isso aí!

Ainz lutou para esconder o jeito que ele se sentia.

“Você não precisa se preocupar com isso. Eu os salvei apenas pelo acaso, pois eles esta-
vam lá. No entanto, espero que eles não esperem que essa boa sorte se repita, eu usei
bastante mana nesta batalha, então eu posso não ser capaz de ajudar da próxima vez,
sabe?”

“Entendi, vou transmitir sua mensagem para eles.”

“Ahh. No entanto... isso mesmo. Por favor, informe a essas pessoas que estou feliz em
receber a gratidão deles... por agora, Srta. Baraja, peço desculpas, mas realmente preciso
ir. Depois disso — sim, você pode voltar daqui a quatro horas?”

“Sim! Não há problema algum! Então, por favor, desculpe-me, Vossa Majestade!”

Neia saiu do quarto e Ainz abriu os olhos.

Hm. A gratidão dela parece bastante genuína. Parece que no fim eu consegui uma pessoa.
Não, como diz o ditado, grandes coisas têm pequenos começos. Devo dar poções de cura
gratuitas como propaganda? Isso deve me render mais gratidão... mas pode compensar o
erro com as armas rúnicas?

Ainz tirou a poção roxa.

Esta era a poção de Nfirea. Sua qualidade era ligeiramente inferior à das poções feitas
por YGGDRASIL, e ainda estava em fase de desenvolvimento. No entanto, seus efeitos
podem ser aprimorados no futuro, ou ele pode acabar fazendo as poções vermelhas de
YGGDRASIL.

Teria sido muito cansativo espalhar a notícia das poções vermelhas de YGGDRASIL por
nada, então eu não as usei... ainda assim, eu não sei se as pessoas que estão acostumadas
com poções azuis podem aceitar poções roxas. Usá-los aqui e coletar os resultados parece
um bom plano.

No entanto, ele pretendia que Nazarick escondesse as poções que Nfirea e sua avó ti-
nham feito. Ele não planejou distribuir a tecnologia. No entanto, esse plano pode mudar
no futuro, e pode chegar o momento em que ele poderia vender essa poção. Seria bom
estar preparado para tal situação.

Isso é complicado. Há méritos e deméritos de ambos os lados...

Francamente falando, o fato dele estar discutindo sua vida sexual comigo está me cau-
sando muitos problemas. Quero dizer, pelo menos eles não estão fazendo isso na minha
frente, mas não seria ruim se saísse a notícia de que ele comentando comigo essas coisas da
intimidade dele com a esposa?

Em primeiro lugar, por que o Nfirea está discutindo isso comigo? É porque ele não tem
parentes do sexo masculino e está longe da cidade em que ele viveu até agora, então ele
concluiu que não tinha ninguém com quem conversar? Pelo que sei, ele pode estar pensando
que a Narberal e eu temos esse tipo de relacionamento.

Mas ele deve saber que meu corpo é um esqueleto...

Mesmo que Ainz desejasse espioná-los à noite para satisfazer sua curiosidade, ele sentia
que, ao fazê-lo, isso mudaria sua atitude em relação aos dois, por isso reprimira este im-
pulso. No entanto, era preciso um grande esforço para fazer tal curiosidade — que pas-
sava por sua mente toda vez que Nfirea vinha discutir isso com ele — desaparecer.

Eu me lembro de algo sobre dar uma sensação muito boa, então ele pediu para fazer aquilo
várias vezes... poderia ser a razão pela qual ele fez uma grande quantidade daquela poção
— algum tipo de suplemento nutricional, eu acho — e então deu para mim foi porquê...

De todo modo, ele decidiu dar o frasco para aqueles dois Lizardmen para que eles tra-
balhassem arduamente para criar mais crianças raras.

Os frutos da tecnologia são aplicados primeiramente aos militares, depois ao sexo e por
fim na medicina. Isso é verdade? ...Ah, hora de voltar.
Capítulo 05: Ainz Morre
Parte 1

avia um total de quatro pessoas na sala.

H Havia dois paladinos, que vieram direto para cá depois da luta e ainda es-
tavam em armaduras manchadas de sangue — Remedios Custodio e Gustav
Montagnés. Havia a pessoa encarregada dos sacerdotes sobreviventes, um
homem de meia-idade que poderia usar magias de 3º nível — Ciriaco Naranjo. E por fim
o Príncipe Caspond Bessarez.

Dois deles vieram do campo de batalha e um deles estava encarregado de curar os feri-
dos. Como resultado, o quarto do Príncipe Caspond estava cheio de fedor de sangue.

Remedios ainda não havia removido o elmo. Essa não era a etiqueta apropriada para
visitar os aposentos de um Príncipe — pode-se até dizer que isso era desrespeitoso —,
mas Caspond não parecia incomodado com isso e parecia muito calmo.

Ao mesmo tempo, a atmosfera na sala era terrível, embora não por causa do ponto pre-
cedente. Era verdade que cheirava aqui, mas a razão era porque o clima no ar era desa-
gradável. Era tão pesado que parecia até entorpecer a luz do sol entrando pela janela.

Não era assim que as pessoas que haviam vencido adversidades extremamente desfa-
voráveis e ainda sair vitoriosas deveriam agir.

Caspond foi a primeira pessoa a falar nesse pesado silêncio. Ainda assim, quem mais
poderia falar primeiro, senão ele?

“Então me fale sobre nossa situação de casualidade.”

“Dos seis mil milicianos que trouxemos para o campo de batalha, aproximadamente dois
mil e quatrocentos deles foram feridos ou mortos.”

“...Se eu puder acrescentar às palavras do Vice-Capitão-dono, houve cerca de mil feridos.


Os sacerdotes tentaram curá-los, mas não conseguimos chegar à metade deles a tempo e
eles morreram.”

“...E então metade dos paladinos sobreviveu e oito sacerdotes morreram.”

Caspond fechou os olhos e sacudiu a cabeça ao ouvir as palavras de Gustav.

“Contra um exército como aquele... não podemos dizer que perdas como essas são boas,
mas não devemos ser gratos por termos perdido apenas isso? Ou deveríamos estar tris-
tes pelo grande número de vítimas—”

“O último.”
A voz ainda baixa de Remedios interrompeu Caspond.

“O último.”

“...A Capitã Custodio está certa. Devemos ficar tristes por ter sofrido essas perdas.”

Gustav e Ciriaco baixaram os olhos quando ouviram as palavras de Caspond.

Eles sabiam que era um milagre — embora feito pelo homem — que o Exército de Li-
bertação do Reino Sacro em desvantagem numérica tinha tantos sobreviventes quando
eles enfrentaram um exército de 40.000 homens de demi-humanos. No entanto, eles tam-
bém entenderam que dizer algo como isso seria perturbador e improdutivo, então eles
não tinham escolha a não ser fazer isso.

“Foi o Rei Feiticeiro quem derrotou as forças demi-humanas em sua formação?”

“Sim. Não temos certeza sobre os detalhes devido à falta de relatos de testemunhas ocu-
lares durante o caos de defender os muros da cidade, mas há rumores de misteriosos
seres undeads destruindo o exército.”

“Entendo. Isso combina com o que eu ouvi do Rei Feiticeiro. Então ele usou os undeads
que ele cria para exterminá-los — destruiu um exército enorme como esse, hm? Nesse
caso... você acha que o Rei Feiticeiro pode derrotar Jaldabaoth?”

Caspond desviou o olhar para Remedios, mas ela simplesmente franziu os lábios e per-
maneceu em silêncio. O ar altamente volátil em torno da paladina mais forte do Reino
Sacro fazia dela uma figura de trazer pavor aos fracos. Caspond afastou-se dela e na di-
reção de Gustav, que imediatamente mudou seu olhar profundamente apologético e bai-
xou a cabeça.

“Hahh... está tudo bem apostar todo o Reino nele? Ou melhor, devemos pensar no que
fazer se o Rei Feiticeiro perder para Jaldabaoth? Alguém tem alguma idéia para a melhor
coisa que podemos fazer se isso acontecer?”

Ele foi respondido pelo silêncio. Em meio a tudo isso, Remedios falou:

“Nesse caso, que tal chamar o Momon?”

As três pessoas, além de Remedios, se entreolharam com expressões severas em seus


rostos.

Remedios — que sentia que era uma boa idéia — franziu a testa.

“O quê? O senhor tem alguma idéia melhor? É mais adequado que aquele maldito
undead, não?”
“...Capitã. Estamos agora discutindo o que fazer se o Rei Feiticeiro morrer. Em tal situa-
ção, esperar ir ao Reino Feiticeiro para obter mais ajuda seria muito arriscado.”

“Não necessariamente...”

Disse Ciriaco enquanto acariciava seu bigode branco, e completou:

“Um momento, por favor, Vice-Capitão-dono. A idéia da Capitã-dono é arriscada, mas


não é uma má jogada. Que tal mentir sobre o Rei Feiticeiro ser capturado por Jaldabaoth
e fazer com que o Momon venha?”

“Sacerdote-dono, isso seria muito perigoso. Mesmo que esse Momon derrotasse Jal-
dabaoth, a descoberta da mentira poderia desencadear uma guerra. Mesmo que tudo
corra bem, a impressão do Reino Feiticeiro sobre nosso país mergulhará para o fundo do
poço. E se as coisas correrem mal, Momon poderia muito bem se tornar um segundo Jal-
dabaoth e liderar o exército de undeads do Reino Feiticeiro em nossa nação.”

“A vocês dois, precisamente. E o pior é que o Reino Feiticeiro terá uma injustiça justifi-
cada contra nós.”

Remedios inclinou a cabeça para a explicação de Caspond.

“Nós não somos adjacentes ao Reino Feiticeiro, então tudo bem, certo?”

“...Capitã Custodio, por favor pare de pensar em coisas perigosas. Não quero adotar po-
líticas que nos ponham em perigo... isso significa que não tenho boas idéias. E vocês dois?”

Ciriaco e Gustav também não conseguiram pensar em nada.

A sala mergulhou num breve silêncio.

Eventualmente, Caspond falou em voz baixa.

“...Por enquanto, vamos voltar para nossos afazeres e pensar sobre isso por conta pró-
pria. Não haverá problemas se o Rei Feiticeiro puder derrotar Jaldabaoth.”

Disse Caspond batendo palmas e:

“Então vamos falar sobre outra coisa. E sobre as rações que os demi-humanos trouxe-
ram? Podemos comê-las normalmente? E se nós podemos consumi-las, quanto tempo
elas podem durar?”

Normalmente, eles pertenciam ao Rei Feiticeiro desde que ele havia derrotado o exér-
cito de demi-humanos, mas ele já havia dito que as entregaria gratuitamente.
Gustav respondeu. Ele estava encarregado de tarefas diversas como essa.

“Parece haver um monte de pão endurecido de diversas formas e vegetais que devería-
mos ser capazes de comer. Graças ao ataque feito pelos undeads do Rei Feiticeiro, elas
foram capturadas intactas, por isso estão em excelentes condições. Além disso, também
há alguns itens alimentícios que precisam ser investigados a fundo, como verduras de
cheiro azedo e assim por diante.”

Preservação de alimentos eram muito comuns no Reino Sacro. No entanto, estas eram
rações demi-humanas, então elas poderiam pertencer a uma espécie que comia comida
apodrecida, razão pela qual Gustav disse que eles precisavam investigar mais a fundo.

“Há apenas um problema. Que seria a carne.”

“O que quer dizer?”

O rosto de Gustav estava escuro quando ele olhou para Caspond.

“Uma parte da carne parece que veio de humanos. Essa conclusão veio dado ao formato
e não estamos certos disso. Talvez pudéssemos dizer se comemos, mas prefiro não expe-
rimentar, se você não se importar.”

“Quanta carne estamos falando aqui?”

Ciriaco tinha um olhar enojado no rosto.

“Muitos demi-humanos comem carne, então há bastante. De relance, parece que metade
das rações que eles trouxeram são carne.”

“O quê!? Metade das rações para um exército de quarenta mil soldados é carne?”

Hipoteticamente, se um demi-humano comesse um quilo de carne por dia, isso daria 40


toneladas. Se eles tivessem o suficiente por duas semanas, seriam 560 toneladas. Nesse
caso— o príncipe agarrou seu rosto.

“...Quanto disso é carne humana?”

“Não sabemos. Verificar cada peça levaria muito tempo, ainda mais se não estiverem em
suas formas originais...”

“Seria uma pena descartar a comida quando o futuro parecer sombrio. Eu gostaria de
separar a carne humana da outra carne... Sacerdote Naranjo, suas magias podem fazer
alguma coisa quanto a isso?”

“Minhas desculpas, Príncipe. Nós não podemos fazer algo assim. Eu sinto que entre
meus colegas paladinos a conclusão será a mesma.”
Caspond viu que Gustav assentiu e suspirou profundamente.

“Então magia não pode fazer tudo né? Que tal ter os demi-humanos cativos para comê-
la e assim descobrir qual é qual?”

“Devemos deixar os mortos descansar em paz. Se há carne humana, devemos devolvê-


la à terra.”

“Exatamente, Capitã Custodio... o que você acha, Vice-Capitão Montagnés?”

“Sim, eu concordo com a Capitão. Eu sinto que não importa o que aconteça, não teremos
tempo suficiente para investigar cada barril de carne. Devemos usar nosso tempo e es-
forço em outras áreas.”

“Entendo... muito bem, eu compreendo. Então, com relação à carne dos demi-humanos,
vamos descartar tudo o que parece questionável. Nesse caso, que tal as armas e armadu-
ras dos demi-humanos?”

O Rei Feiticeiro também as entregou de graça, mas ele também disse que estaria espe-
rando algo em gratidão, então eles teriam que entregar os itens apropriados se a hora
chegasse.

Se eles pudessem derrotar Jaldabaoth ou recuperar a Capital Real, Caspond planejava


anunciar ao povo que ele estaria entregando as riquezas da nação para o Reino Feiticeiro.

“Primeiramente, recuperar o equipamento dos demi-humanos e enterrar os cadáveres


vai precisar de tempo, por isso nem teremos tempo para verificar a qualidade deles...
Sacerdote-dono, se algum undead surgir aqui, eles se tornarão os lacaios do Rei Feiti-
ceiro?”

Undead desovavam facilmente em lugares onde muitas pessoas morreram. Um lugar


onde mais de 10.000 demi-humanos haviam morrido se encaixava perfeitamente.

Ao ser abordado, um olhar profundamente angustiado apareceu no rosto de Ciriaco.

“Eu não sei. Eu realmente não sei. Mas qualquer coisa pode acontecer, então devemos
lidar com os corpos e santificar a terra o mais rápido possível. Eu gostaria de confiar
apenas em nossas forças para isso, mas nós simplesmente não podemos administrar isso,
então eu gostaria de obter alguma ajuda dos paladinos.”

“Ah, nós lidaremos com isso. Afinal, estamos acostumados a lidar com os undeads.”

“Eu não esperaria menos da Capitã Remedios, isso deixa meu coração aliviado... Se ape-
nas a Rainha Sagrada-sama ou Kelart-sama estivessem aqui...”
Todos ficaram em silêncio enquanto as palavras de Ciriaco diminuíam.

Depois do que pareceu um período de oração silenciosa, Caspond falou:

“Ah, algo nesse ponto, Vice-Capitão Montagnés. O Rei Feiticeiro parece querer levar os
itens mágicos de volta para sua nação, então ele os escolheu primeiro. Claro, ele devol-
verá qualquer coisa que pertença ao Reino Sacro.”

“Entendido. Dito isso, embora tenhamos algum conhecimento sobre espadas e armadu-
ras, teremos dificuldades com outros itens. Se alguém aqui tem conhecimento de itens
mágicos, eu gostaria que eles se manifestassem e ajudassem.”

“Eu posso ajudar se for relacionado a itens passados pela família real. Quanto aos itens
religiosos, porém—”

Ciriaco assentiu enquanto Caspond olhava para ele.

“—Nesse caso, vamos buscar ajudantes civis. Ainda assim, isso foi realmente inesperado.
Não, devemos dizer que foi mais do que esperávamos. Devemos agradecer ao poder do
Rei Feiticeiro por superar nossas expectativas.”

Ninguém presente expressou objeções. Em meio ao silêncio, Caspond falou novamente,


como se fosse um representante de tal sentimento.

“Esta cidade não caiu graças ao poder do Rei Feiticeiro.”

Houve um som muito audível de dentes rangendo, e Caspond olhou preocupado para
Gustav.

“Depois disso, precisarei agradecê-lo em nome do Reino Sacro. Quando chegar a hora,
espero que todos vocês estejam presentes... em qualquer caso, poder aproveitar o poder
do Rei Feiticeiro e conquistar a vitória é uma ocasião alegre.”

“Nós fizemos o nosso melhor também. Não se esqueça disso.”

As palavras de Remedios pareciam congelar o ar da sala. Não, foram duas pessoas que
ficaram congeladas; Gustav e Ciriaco.

A boca de Gustav se abriu e fechou como um koi. Parecia que ele não tinha idéia de como
se desculpar pelo desabafo de sua superior.

“...De fato. Capitã Remedios, é fato que não teríamos vencido essa batalha sem a feroz
resistência que você e o povo fizeram.”

Caspond viu Remedios acenar com a cabeça e continuou falando.


“No entanto — também é um fato que sem a ajuda do Rei Feiticeiro, nós teríamos per-
dido, e é tão verdadeiro que ele poderia ter ganho sozinho. Estou errado?”

Remedios arrancou violentamente o elmo e o jogou contra a parede, fazendo um es-


trondo alto.

“Vossa Alteza! Aconteceu alguma coisa!?”

A porta da sala se abriu e os paladinos de guarda do lado de fora entraram correndo.

“Nada aconteceu. Continue esperando do lado de fora.”

Os olhos dos paladinos foram de um lado para o outro, entre o elmo de Remedios e o
olhar em seu rosto, e eles perceberam o que havia acontecido. Depois de indicar que eles
entenderam, eles saíram da sala em silêncio.

“Capitã Custodio, por favor, não fique nervosa. Eu peço que você fique calma.”

“Como posso ficar calma? Quase todo mundo que conheci no caminho até aqui fica elo-
giando ele! É como se ele ganhasse tudo sozinho! Ele não apareceu apenas no meio do
caminho? Quantas pessoas morreram antes dele vir e ganhar! Essa foi uma vitória paga
pelas vidas das pessoas, dos paladinos, dos sacerdotes, homens, mulheres, idosos e cri-
anças!”

Remedios olhou para Caspond.

“Não é verdade que ele ganhou isso sozinho!”

“Capitã!”

Gustav não conseguia mais esconder o medo do modo como Remedios agia em frente
ao Príncipe. Remedios nunca foi de pensar, mas pelo menos ela era esperta o suficiente
para saber quem era seu superior. No entanto, as coisas eram diferentes agora — ela
parecia uma fera enlouquecida pela dor.

“Aquele cretino esquelético estava voando no céu quando tudo acabou, só para se mos-
trar! A guerra é um joguete para ele?”

“...Capitã Custodio, parece que testemunhar a mortes de tantos plebeus tem te pertur-
bado. Você gostaria de descansar?”

Em resposta à pergunta madura de Caspond, Gustav lançou um olhar de gratidão ao


homem.

“Antes disso, há uma coisa em que tenho pensado. Tenho certeza de que Jaldabaoth e o
Rei Feiticeiro estão juntos um com o outro.”
As três pessoas, além de Remedios, se entreolharam.

“Você tem um único fato para comprovar isso, Capitã-dono?”

Ciriaco olhou friamente para Remedios. Se alguém olhasse calmamente para o que ela
tinha feito até agora, ela estava claramente dizendo isso porque odiava o Rei Feiticeiro e
queria derrubá-lo. Agora não era hora de deixar as preferências pessoais de alguém ditar
as decisões de uma pessoa.

“Ele não é o único a ganhar com isso? Tanto os demi-humanos e as pessoas do Reino
Sacro estão mortos. Ele — o Reino Feiticeiro está desgastando a nossa força de luta, a fim
de um dia assumir o controle da nação e das colinas! É por isso que ele veio aqui!”

“...Entendo. Isso certamente faz sentido do ponto de vista do lucro. O que vocês dois
pensam?”

Gustav franziu as sobrancelhas enquanto respondia à pergunta de Caspond.

“O Rei Feiticeiro veio aqui porque pedimos a ele. Além disso, não foi a sugestão da Capitã
para que os dois lutassem?”

“...De fato foi. Aquela cadela mascarada da Rosa Azul também é uma delas. Se não fosse
pelo que ela disse, nunca teríamos ido ao Reino Feiticeiro. Se não fosse por essa sugestão,
teríamos ido ao Império ou à Teocracia. E quem sabe, ele poderia ter vindo mesmo se
não disséssemos nada.”

Haaaaah, Caspond suspirou profundamente.

“Capitã Custodio, sua lógica não tem sido nada além de egoísta desde o começo. Você
está simplesmente distorcendo os fatos para combinar com o que você está dizendo.
Lembro-me do Rei Feiticeiro dizendo que ele queria as empregadas demônios, estou er-
rado?”

“...Por favor, perdoe-me por dizer estas coisas que são impróprias para um sacerdote.
Ouvi dizer que essas empregadas demônios são bem poderosas. Nesse caso, posso en-
tender porque o Rei Feiticeiro gostaria de obtê-las. Demônios não precisam comer ou
beber, além de ter longevidade indeterminada. Ser capaz de dominar empregadas demô-
nios tão poderosas pode ser melhor do que ganhar um exército.”

“Nesse caso, isso significaria que o Rei Feiticeiro está ajudando nossa nação porque ele
sentiu que havia valor suficiente nela. É apenas senso comum para um rei que governa
uma nação.”

“Ainda assim, ninguém viu esses demônios antes, certo!!?”


Enquanto Remedios gritava no apogeu de suas emoções, Caspond olhou para ela como
se ela fosse uma criança deplorável e triste.

“Capitã Custodio. Eu gostaria de ter uma conversa racional com você, e não emocional,
mas parece que você está cansada. Vá e descanse. Isso é uma ordem.”

Remedios com o rosto completamente vermelho ainda parecia querer gritar outra coisa,
mas Caspond estava um passo à frente dela e continuou falando:

“Vá visitar os homens feridos. Isso faz parte dos seus deveres como comandante de
campo, estou errado?”

“...Compreendo.”

Remedios pegou o elmo e saiu da sala.

Não havia como descrever como o ar da sala relaxava depois disso. Parecia a sensação
de cansaço que uma pessoa teria depois que uma tempestade passasse e todas as peças
tivessem sido recuperadas, misturadas com uma sensação de alívio pelo fato de que al-
guém conseguira sobreviver.

No entanto, um homem ainda não havia terminado.

“Vossa Alteza! Peço sinceras desculpas pelas ações da Capitã Custodio!”

Caspond sorriu amargamente para Gustav quando este inclinou a cabeça.

“Deve ter sido muito difícil para você também. No entanto, você poderia pensar no fu-
turo? Eu honestamente não tenho idéia do que vai acontecer com este país depois que
esta guerra acabar. Se ao menos pudéssemos encontrar minha irmã, a Rainha Sagrada...
o que aconteceu com a Rainha Sagrada durante a batalha de Kalinsha? Você ouviu alguma
coisa da Capitã Custodio?”

Gustav era assistente pessoal de Remedios. Portanto, ele teria estado presente quando
Remedios contou a Caspond sobre isso.

O fato dele já saber, mas ainda assim perguntar novamente provou uma coisa — o Prín-
cipe suspeitava que Remedios poderia estar mentindo para ele.

“...Meu Príncipe, o que eu ouvi da Capitã Custodio foi exatamente o mesmo que ela disse
à Vossa Alteza quando nos encontramos pela primeira vez.”

Ela havia sido enviada voando por uma onda de choque e quando chegou, a Rainha Sa-
grada e sua irmã — Kelart Custodio — não estavam em lugar nenhum. Embora houvesse
cadáveres de paladinos e aventureiros e sacerdotes por toda parte, os corpos daquelas
duas não estavam em lugar nenhum.
“Então é isso? Talvez eu estivesse me preocupando demais... Capitã Custodio não parece
uma daquelas pessoas que dizem uma coisa e querem dizer outra. Seria melhor pensar
que elas foram capturadas por ele. Se elas fosse mortas... a questão da sucessão se torna-
ria muito complicada.”

Assustado, Ciriaco fez uma pergunta.

“Caspond-sama, está farto da posição do Rei Sagrado?”

“Você está me lisonjeando? Na verdade, esse poderia ser o caso se minha irmã tivesse
morrido de um acidente em circunstâncias normais. No entanto, as coisas são diferentes
agora. O Norte está cansado e o Sul ainda tem a capacidade de lutar. Nesse caso, é muito
provável que o Sul possa apoiar alguém para ser o Rei Sagrado. Francamente falando, é
muito provável que um dos grandes nobres do Sul possa acabar como o Rei Sagrado.”

“O quê!?”

Caspond sorriu ao olhar para o rosto chocado de Ciriaco.

“Eu não acho que isso seja uma grande surpresa... nesse caso, em relação ao que o Vice-
Capitão Montagnés disse anteriormente, se as coisas correrem bem, a primeira coisa que
os nobres do Sul farão é pedir que a Capitã Custodio se responsabilize por tudo e colocá-
la sob prisão domiciliar.”

“Por que eles fariam isso?”

“Então eu vou perguntar a você, Vice-Capitão Montagnés — por que eles não fariam
isso? Uma paladina que falhou em proteger Sua Majestade Sagrada não é a saída perfeita
para tal infelicidade? E claro, essa não é a única razão também. Ela sozinha pode vencer
um exército. Nesse caso, certamente fragmentar seu inimigo é uma tática básica na
guerra, estou errado?”

“O inimigo!? Quem é o inimigo!?”

“Os inimigos dos nobres do Sul. Em outras palavras, a facção da Rainha Sagrada. Reme-
dios Custodio era confidente da Rainha Sagrada. Certamente os paladinos que ela lidera
também seriam vistos como inimigos, estou errado?”

“Nesse caso, e sobre os sacerdotes que a Kelart Custodio-sama liderou?”

“Mesmo que hajam sacerdotes que que subiram de patente graças a suas conexões com
os nobres do Sul... você não acha que seria o caso também? Magia sacerdotal é indispen-
sável na vida cotidiana. Eu sinto que alguém minimamente inteligente sabe o quão estú-
pido é colocar alguém incompetente em um alto cargo, as pessoas às vezes fazem coisas
que só podem ser descritas como tolas pelos outros.”
“Meu Príncipe... o que devemos fazer?”

“Vice-Capitão Montagnés, o que você quer dizer com isso? Você quer impedi-la de ser
colocada em prisão domiciliar? Ou você quer evitar que os paladinos se envolvam?”

“Eu quero um futuro melhor para o Reino Sacro.”

“...Precisamos encontrar minha irmã. Então, precisamos de uma conquista que todas as
pessoas aceitarão como tendo salvo a nação. Por exemplo, expulsando o inimigo sem ter
que aproveitar a força do Sul.”

“Isso é impossível... não podemos vencer sem o poder do Rei Feiticeiro.”

Caspond olhou para Gustav, que estava reclamando inconscientemente, e encolheu os


ombros.

“Ainda assim, isso precisa ser feito. Caso contrário, não haverá maneira de parar a pres-
são do Sul depois que vencermos. Sim, ou poderíamos danificar o Sul tanto quanto o
Norte. Tudo o que importa é que o equilíbrio de poder seja preservado no final.”

Caspond olhou para o teto antes de continuar:

“Se ao menos tivéssemos feito um acordo com o Sul mais cedo. Ela era muito gentil para
seu próprio bem. E eu entendo como tudo isso poderia ter pisado no calo da Capitã Cus-
todio. Afinal, o único que parecia bem nessa batalha era o Rei Feiticeiro. Se as coisas cor-
rerem mal, o Rei Feiticeiro pode acabar se tornando o Rei Sagrado também, estou er-
rado?”

Os outros dois acharam que era impossível, mas nenhum deles podia negar isso.

“Nesse caso, precisamos começar a pensar sobre nossos planos a partir de agora. Eu
gostaria que a Capitã Custodio estivesse aqui, mas ela desobedeceria a uma ordem di-
reta?”

“...Eu acho que estaria tudo bem, desde que esteja de acordo com a justiça deste país.”

“Entendo... eu tenho pensado em como atacar os campos de prisioneiros. A razão para


isso é—”

Caspond começou a explicar.

Cerca de 100.000 demi-humanos atacaram a nação.

Uma vez que eles não tinham ouvido falar de quaisquer movimentos dos demi-humanos
contra as forças do Reino Sacro do Sul, eles estimaram que os 40.000 demi-humanos que
os atacaram desta vez eram uma grande parte das forças designadas para administrar os
campos de prisioneiros na região Norte.

“Concordo com sua opinião. Ao atacar os campos de prisioneiros, podemos destruí-los


aos poucos e, ao mesmo tempo, aumentar nossas próprias forças. Eu sinto que vai matar
dois coelhos com uma cajadada só.”

“Vice-Capitão Montagnés, fico feliz em ouvir você aprovar. E quanto a você, Sacerdote
Naranjo?”

Ciriaco também concordou com a sugestão de Caspond.

“O Rei Feiticeiro está nesta cidade. Já que ele pode nos manter seguros, eu gostaria que
os paladinos atacassem os campos de prisioneiros... você pode fazer isso? Além disso,
mais uma coisa. Eu gostaria que a Capitã Remedios ficasse aqui enquanto você está lan-
çando o ataque. Faça-a pensar que ela está encarregada de me proteger.”

“Muito obrigado, Meu Príncipe!”

“...Eu acho que não disse nada que precisasse de agradecimento, Vice-Capitão Montag-
nés.”

Disse Caspond, quando o sorriso desapareceu de seu rosto ele disse:

“...A ausência da paladina mais forte do país significa que se houver alguém como o
Grande Rei no campo de prisioneiros que você atacar, todos vocês podem ser eliminados,
estou errado?”

“Podemos decidir qual campo atacar?”

“Mas é claro. Deixarei você decidir. Não há necessidade de se forçar a atacar um grande
campo que é mais perigoso.”

“Entendido. Nesse caso, sinto que devemos ir.”

“Vice-Capitão Montagnés, podem alguns de nossos sacerdotes capazes de lutar acompa-


nhá-lo?”

“Certamente. Então, vamos ir daqui a alguns dias.”

♦♦♦

Ainz usou 「Greater Teleportation」 para alcançar seu destino, que estava em frente à
cabana de madeira na superfície de Nazarick. Albedo, Demiurge e Lupusregina já esta-
vam lá, embora não soubesse há quanto tempo estavam esperando.
Albedo e Demiurge foram convocados por Ainz, enquanto Lupusregina deve ter sido a
encarregada da cabana.

Como Lupusregina estava encarregada de todos os assuntos relacionados ao Vilarejo


Carne, ela deveria ter sido dispensada da escala de serviço da cabana, mas isso não era
definitivo.

Talvez outra pessoa estivesse de serviço, mas não chegou a tempo, então Lupusregina
tinha vindo em vez disso. Isso seria maravilhoso se fosse o caso. Afinal de contas, isso
implicaria que, mesmo que houvesse falta de mão-de-obra para um turno depois de com-
pletar uma missão, havia um sistema para trocar imediatamente alguém para compensar
o déficit.

Ainda assim, espere aí.

Mesmo as Pleiades possuindo aptidões de trabalho completamente diferentes, suas ha-


bilidades de empregada eram todas iguais. Só fazia sentido que elas pudessem substituir
uma na capacidade profissional.

No entanto, em contraste com isso, havia também pessoas que eram difíceis de substi-
tuir. Começando com os Guardiões de Andar e a Supervisora Guardiã, havia alguns NPCs
com habilidades altamente especializadas que poderiam precisar de alguém para subs-
tituí-los por uma razão ou outra. Isto era especialmente verdade porque Ainz estava tra-
balhando arduamente para estabelecer um sistema de férias.

Afinal, deixar o Pandora’s Actor substituir todos também é perigoso.

Para tomar um caso extremo, e se o próprio Ainz não estivesse por perto? Por exemplo,
se ele estivesse preso, ou se fosse vítima de magias, encanamentos de charme e coisas
assim. Embora ele não achasse que tudo entraria em caos sem ele para tomar decisões,
ele tinha a impressão de que Albedo e Demiurgo diriam: “Ainz-sama nunca deixaria isso
acontecer a si mesmo”, e, portanto, não planejariam circunstâncias imprevistas.

Eu preciso avaliar seriamente a necessidade disso, e rápido.

Em um tom grave, Ainz ordenou que as três pessoas que se curvavam para ele para le-
vantar a cabeça.

“A quanto tempo, Demiurge.”

“Sim!”

Na verdade, Ainz agonizou sobre os assuntos do Reino Sacro todos os dias, e ele também
pensava em Demiurge todos os dias, então, na verdade, não se sentia assim. No entanto,
fazia muito tempo desde que se encontravam pessoalmente.
“Então, você provavelmente tem dúvidas sobre o porquê eu agi da maneira que agi. Em-
bora eu gostaria de lhe responder, falar neste lugar não é muito apropriado. Vamos a
outro lugar.”

Ainz foi o primeiro a entrar na cabana de madeira.


[ E s p e l h o d o Portal]
Ele poderia ter vindo aqui imediatamente pois havia um Mirror of Gate configurado,
mas ele não o usou hoje.

Havia uma mesa no centro da sala e havia duas cadeiras de frente uma para a outra em
cada lado dela. Ainz tomou o assento de honra com familiaridade e sem hesitação. Ele já
havia experimentado diversas vezes os problemas que surgiram de não fazer tal ato. An-
tes ele precisava ponderar qual era o primeiro lugar antes de se sentar, ele agora alcan-
çou o ponto onde ele poderia inconscientemente tomar o lugar de honra.

Quando ele se aproximou da cadeira, Lupusregina imediatamente puxou a cadeira para


ele.

Na verdade, ele era da opinião de que deveria puxar a cadeira para si mesmo. No entanto,
suas observações de Jircniv o fizeram entender que era muito importante para um go-
vernante deixar seus subordinados trabalharem. Ainda assim, deixá-los lidar com tarefas
triviais como essa deu a Ainz, uma pessoa comum, um pouco de dificuldade.

Depois que Ainz se sentou, Albedo e Demiurge não se sentaram, mas genuflectiram no
chão. Atrás deles, Lupusregina genuflectiu imediatamente também.

“—Eu permito que vocês dois se sentem.”

Os dois guardiões educadamente recusaram em uníssono. Ainz mais uma vez concedeu
sua permissão para os dois Guardiões, quando eles finalmente se sentaram em frente a
Ainz depois de um grande agradecimento e gratidão. Lupusregina, por outro lado, ficou
de pé atrás dos dois.

Isso leva tanto tempo e é uma perda de tempo. Não poderia ser mais simples como... ugh.

“Então, vamos continuar nosso tópico anterior. Antes eu disse que não havia ninguém
que precisasse ser salvo, porém, eu resgatei as pessoas do Reino Sacro, no entanto. Tenho
certeza de que você tem suas perguntas sobre isso, não tem?”

“Não, não mesmo.”

—Eh? P-por quê?

Demiurge balançou a cabeça suavemente, incapaz de resistir ao desejo de suspirar de


admiração.
“Tudo que o senhor faz está correto, Ainz-sama. Eu sinto que a razão pela qual o senhor
fez isso foi porque você viu que tinha méritos que eu não posso nem imaginar.”

“Exatamente. Se o senhor acha que precisava ser feito, então deve estar correto, Ainz-
sama.”

—Eh?

As palavras de Albedo congelaram as expressões faciais de Ainz. Mas claro, Ainz não
tinha expressões faciais que demostrassem isso.

O modo como os dois Guardiões — que eram também os Guardiões mais experientes
em Nazarick — concordaram em uníssono diante dele, enchendo-o de vários sabores de
terror e ansiedade.

“Espere, espere. De fato... sim, é verdade.”

Ainz começou a entrar em pânico. A conversa percorrera um caminho ligeiramente di-


ferente do que ele previra, e por isso ficou confuso e não conseguia pensar claramente
no que queria dizer. No entanto—

“—Na verdade, em circunstâncias normais, eu teria agido como o senhor imaginou.”

Huh?

Ainz estava um pouco confuso. Ele lutou para juntar algumas palavras e jogá-las fora
conforme apropriado. Mesmo assim, os dois continuaram assentindo vigorosamente, e
Ainz achou isso um pouco estranho. Ele continuou falando, esperando desesperada-
mente ser salvo no último segundo.

“No entanto... sim, no entanto. Desta vez foi um pouco diferente. Eu não fiz isso porque
estava planejando algo.”

Tendo encontrado uma maneira de emendar suas palavras, Ainz continuou deliciado:

“Desta vez, eu estava deliberadamente introduzindo uma falha no plano.”

“Qual seria a razão para isso, Ainz-sama?”

Ainz se inclinou lentamente nas costas da cadeira fazendo “Hmm”. Então ele adotou uma
postura bem praticada, uma grandiosa que era condizente com um governante, que um
mestre deveria ter, e depois falou:

“Demiurge, Albedo. Vocês dois são mais inteligentes que eu.”

“Isso—”
Ainz levantou a mão para impedir que os dois falassem.

“Estou apenas dizendo que é assim que me sinto. Nesse caso, o que aconteceria se algo
inesperado ocorresse durante partes do evento descrito em seu plano? Se tudo aconte-
cesse como você descreveu, tudo seria perfeito e terminaria em excelente forma.”

Dito isto, o seu plano foi realmente exagerado. Eu senti que eu tinha certeza de falhar,
dado que você jogou tudo em seu esquema de operação para mim.

Ainz resmungou em seu coração.

“Portanto, uma pergunta de repente me veio à mente, Demiurge. Uma mente tática per-
feita não pode funcionar apenas quando tudo está acontecendo; também deve ser capaz
de funcionar quando a situação muda drasticamente ou quando diverge de suas expec-
tativas. Quero dizer, eu queria saber se sua adaptabilidade também era louvável.”

“Eu entendo, então é isso!”

Eh—!? Ele já entendeu! E realmente parece que ele entendeu tudo!

Ainz resistiu à vontade de fazer uma observação sobre a velocidade de processamento


sobrenatural de Demiurge, algo parecido com isso: Você já é tão inteligente, por que você
acha que eu sou mais inteligente? Está fazendo bullying comigo?

“Como esperado de, ah... você é tão impressionante quanto eu esperava, Demiurge.”

“Muitíssimo obrigado, Ainz-sama.”

“Ainda assim, eu, ah, peço desculpas, pois pode parecer que eu estava testando-o...”

“Certamente não, Ainz-sama. Para mim, o fato de o senhor querer avaliar minhas habi-
lidades é uma honra sem igual. Eu certamente retornarei resultados que correspondam
às suas expectativas, Ainz-sama!”

“Uhum. Eu conto com você para isso, Demiurge. Nesse caso, durante o curso de nossas
atividades no Reino Sacro, causarei problemas conforme necessário e você corrigirá o
plano em resposta. Isso vai ficar bem?”

“Sim! Compreendo!”

Tudo certo—!

Ainz se alegrou em seu coração. Ele estava tão feliz que a supressão de emoção foi ati-
vada.
Mesmo assim, a excitação ainda permanecia dentro dele.

Ótimo, ótimo, ótimo. Dessa forma, mesmo se eu fizer algo errado, posso dizer que estava
fazendo isso de propósito! Não, claro, eu preciso tentar não fazer nenhum erro em primeiro
lugar. Se eu soubesse que acabaria assim, deveria ter dito isso desde o começo.

Embora ele não tivesse o mau hábito de se regozijar quando o plano de um subordinado
desse errado, era possível que ele acidentalmente fizesse alguma coisa para preocupá-
los. Dessa forma, eles não teriam que adivinhar se ele tinha alguma intenção em mente,
mas, em vez disso, passariam a revisar o plano conforme necessário. Ainz sentiu a sen-
sação de felicidade que veio com um peso pesado em seus ombros.

“...Sua serva entende suas preocupações, Ainz-sama. Então isso significa que o senhor
avaliará simultaneamente as habilidades de cada Guardião de Andar e de Área também?”

Ao ouvir a pergunta de Albedo, Ainz ficou brevemente intrigada por um momento e pen-
sou:

O que ela está dizendo?

Contudo—

“Não há necessidade de fazer isso agora. Eu estou fazendo isso pelo o Demiurge, pois ele
está trabalhando fora de Nazarick por longos períodos. Quanto aos outros, vou testá-los
quando for necessário.”

“Entendo...”

“Uhum. Agora, para o próximo tópico... o plano inicial era levar o povo do Rei Sagrado
que ficaram encantadas comigo e seguir para a parte leste do Reino Sacro até as Colinas
Abelion, onde os demi-humanos viviam. No entanto, vou alterar esta parte do plano. Eu
vou lá primeiro. A partir disso, espalhem a notícia da minha morte.”

Parecia que o tempo tinha parado por um momento. E então—

“—Eh? O que está dizendo, Ainz-sama! Como poderíamos anunciar a morte do Supremo,
Ainz-sama!?”

Esse protesto veio de Albedo. Esta poderia ter sido a primeira vez que ele viu a expres-
são de Albedo desmoronar dessa maneira. Pelo menos, era assim que o olhar em seu
rosto o fazia sentir. Mas antes que Ainz pudesse explicar suas verdadeiras intenções para
Albedo, foi a vez de Demiurge falar.

“Albedo. Já que o Ainz-sama afirmou isso, ele deve ter algum objetivo maravilhoso em
mente. Você não acha que rejeitá-lo usando a emoção como base é inadequado?”
“Demiurge. Eu questiono de onde sua calma vem. Você reagiria assim se o Ulbert Alain
Odle...—sama dissesse a mesma coisa? Ou...?”

“Fufu~... Albedo. Você poderia me dizer o que quer dizer com isso? Ou significa que tem
algo a me dizer além disso?”

Os dois Guardiões se encararam, um com um olhar congelante, e a outra com um olhar


incandescente, e uma atmosfera estranha começou a fermentar entre os dois. Essa sen-
sação de asfixia era muito parecida com o que acontecera quando Ainz estivera lutando
contra Shalltear. Talvez fosse por medo ou tensão, mas até Lupusregina estava come-
çando a ofegar com força.

“—Basta!”

O clima perigoso no ar instantaneamente desapareceu quando Ainz gritou. A mudança


repentina fez Ainz se perguntar se ele estava enganado sobre o que aconteceu agora. No
entanto, a respiração ofegante de Lupusregina provou que não tinha sido uma ilusão.

“Acalmem-se, vocês dois. Essa é a razão pela qual eu devo fingir minha morte. Existem
atividades chamadas de exercícios de desastre. Devemos nos preparar mentalmente e pla-
nejar com antecedência em caso de emergência. Nesse caso, o que você faria se eu mor-
resse? Eu vou começar com você, Albedo. Diga-me o que você tem em mente.”

“Sim! Eu sujeitaria imediatamente a pessoa que ousasse desrespeitá-lo experimentar a


todo o sofrimento neste mundo e então eu o ressuscitaria, Ainz-sama!”

“Entendo. Sua vez, Demiurge.”


“Sim! Enquanto me prepararia para a sua ressurreição, eu fortaleceria as defesas de Na-
zarick e então obteria informações sobre a pessoa que te ofendeu.”

Albedo olhou para Demiurge com o canto do olho.

“Simplesmente reunir informações é ser muito tolerante. Independentemente de quem


ousar ofender o Supremo, eles devem ser capturados com toda a força que Nazarick pode
fazer e então atormentá-los até o ponto em que o ego deles se rompa.”

“Albedo, sinto que o que você diz é muito sensato. No entanto, o inimigo é alguém que
pode matar o Ainz-sama. Assim, não podemos ser descuidados. Aprender os movimentos
e forças do inimigo é vital. Se o inimigo é mais forte do que podemos imaginar, então o
lugar em que ressuscitamos o Ainz-sama se tornará muito importante.”

Antes que a expressão de Albedo se tornasse ainda mais sombria, Ainz bateu seu cajado
nas tábuas do assoalho. O duro impacto foi como jogar um balde de água gelada sobre os
dois e seus rostos imediatamente recuperaram a calma.

“Eu não especifiquei que fui morto por alguém. Se as coisas correrem mal... não é impos-
sível que eu acabe morrendo naturalmente de algumas circunstâncias imprevistas.”

Na verdade, ele não conseguia pensar em nenhuma causa natural da qual pudesse mor-
rer, e por isso estava usando termos tão vagos.

“No entanto, parece que até as duas pessoas que considero as mais inteligentes têm opi-
niões diferentes. Isso me aflige. É por isso que devemos realizar esse treinamento, para
que não haja problemas se esse cenário imaginativo acontecer.”

Os dois abaixaram a cabeça.

“Claro, eu não sou o único que poderia sofrer esse destino. Demiurge, como comandante
defensivo de Nazarick durante algum ataque, se uma situação inesperada ocorrer e você
for abatido, Nazarick pode continuar funcionando normalmente?”

“Sim! Eu fiz preparações completas a esse respeito. Lembro-me de ter enviado um rela-
tório sobre isso para o senhor no passado, Ainz-sama.”

Eu recebi algo assim?

Ainz decidiu que seria melhor confiar na memória de Demiurge do que em sua própria.

“Uhum. Ainda assim, isso é apenas no papel, não é? A razão pela qual estou perguntando
é porque gostaria de saber se você testou para ver se realmente funciona.”

“Eu sinceramente peço desculpas! Eu não fiz isso!”


Demiurge inclinou a cabeça, em seu rosto estava uma máscara de profundo pesar en-
quanto sua voz tremia.

“Minhas mais profundas desculpas, Ainz-sama! Assinar o documento sem fazer essa su-
gestão foi tolice da minha parte!”

Albedo tinha o mesmo olhar em seu rosto, assim como Demiurge, quando inclinou a
cabeça.

Ainz estava cheio de um tremendo senso de culpa. Quem era o Culpado? Foi ele, está foi
a verdade nua e crua. Se ele fosse mais confiante, os dois não precisariam se desculpar
assim. Não era ele a escória do que significa ser um chefe?

“—Não há necessidade de vocês se desculparem. Foi minha culpa não explicar correta-
mente a vocês. Eu sou o único que deveria ter notado que nenhum teste havia ocorrido.
O erro é meu.”

Ainz inclinou a cabeça até que sua testa tocou a mesa e completou:

“Tudo isso foi devido a minha indignidade e eu busco o perdão de todos.”

“O quê!? Ainz-sama!”

“Por favor, por favor não faça isso!”

Os dois tentaram apressadamente impedir Ainz. No entanto, Ainz não levantou a cabeça.
Ele estava muito envergonhado para mostrar-lhes o rosto, porque ele sabia que ele era
tão superficial que não conseguia nem ser claro quando se desculpava.

“Lu-Lupusregina! Apresse-se e levante a cabeça de Ainz!”

“Eh! Eu? Por favor, por favor, me perdoe, eu não posso levantar a cabeça de Ainz-sama
à força!”

“Por favor, por favor, levante sua cabeça!”

Todos disseram em uníssono.

Foi só depois que os três — Demiurge em particular — começaram a parecer especial-


mente aturdidos que Ainz apressadamente olhou para cima. Depois disso, ele ouviu sus-
piros de alívio dos três.

“...Sou grato por terem aceito minhas desculpas. Agora, quando eu alcançar as colinas
Abelion, usaremos minha morte como base para um exercício. Sim. Como esta é uma
oportunidade rara, por que não realizamos outros exercícios também? Por exemplo, se
o Demiurge e eu fomos mortos por alguém, esse tipo de coisa...”
Neste ponto, Ainz começou a se sentir desconfortável com suas próprias sugestões.

“Dito isso, até eu não planejei totalmente os detalhes quando se trata deste treinamento.
Portanto, se você tiver um plano melhor, vá em frente e execute-o. Ahh, não precisa pedir
minha permissão. Afinal, este é um exercício baseado na premissa de que estou morto.”

Os dois sorriram amargamente.

“Ainz-sama, ter que considerar o senhor morto desde o início da fase de planejamento
do exercício é um pouco...”

“É como o Demiurge diz, Ainz-sama.”

Hahahaha, o riso de três pessoas soou pela cabana.

Dois deles estavam rindo do coração, mas um deles estava apenas fingindo.

“Ainda assim, vocês não precisam levar isso muito a sério, sabiam? Afinal, o objetivo
deste exercício não é espalhar a desafetos por toda Nazarick, como aconteceu com vocês
dois agora. No entanto, eu gostaria de conduzir vários tipos de treinamento e acumular
conhecimento nesse campo, de modo que todo Guardião possa se tornar intercambiável
— bem, eu sei que o que eu disse é inútil, dado aos seus respectivos intelectos. Façam o
que acharem que precisa ser feito, na medida em que acharem conveniente. Posso contar
com vocês?”

Agora que ele pensava sobre isso, Suzuki Satoru nunca tinha sido o tipo de pessoa que
levara a sério os desastres, então foi realmente convincente quando alguém assim disse
aos outros para darem o melhor de si? Foi por isso que ele não podia esquecer de dizer a
eles para irem com calma.

Depois de ver os dois se curvarem profundamente a ele, Ainz disse:

“Agora, sobre o outro assunto de grande importância—”

Vamos lá, meu eu!

A razão pela qual ele elaborou todos esses fluxogramas e simulou maneiras de discutir
com os dois Guardiões foi para esse objetivo.

“—Vocês devem congelar todo o progresso na estátua gigante que está atualmente
sendo planejada.”

“Compreendo. Nós faremos como o senhor diz.”

A única frase de Albedo pareceu pôr fim a todo o tópico.


Huh?

A atitude de Ainz se transformou de desconcertada a temerosa enquanto ele perguntava


nervosamente o que ela pensava.

“...Está tudo bem? Foi idéia sua, não foi, Albedo?”

“Como alguém poderia contradizer uma decisão que o Ser Supremo fez, Ainz-sama? Se
o senhor disser que é branco, então será branco mesmo que seja preto. Isso é tudo.”

Ainz engoliu em seco. Essa linha de pensamento o assustou e ele tremeu.

“...Eu não gosto desse jeito de pensar, Albedo. Isso é como abandonar todo pensamento,
e certamente, até eu cometerei erros em algum momento.”

Ele estava apenas dizendo “certamente”, mas parecia que estava acontecendo o tempo
todo.

“E nesse caso, tudo não vai acabar se eu for capturado? A pessoa que fez lavagem cere-
bral em Shalltear ainda está lá fora, sabia? Embora não seja necessário questionar todos
e cada um dos meus objetivos, se eu sugerir algo e você pensar em outra coisa, então me
informe.”

“Compreendo.”

Albedo e Demiurge se entreolharam com os olhos apertados.

“Então, posso perguntar por que o senhor deseja interromper a construção? O objetivo
dessa estátua não é deixar que o mundo entenda melhor sua glória, Ainz-sama?”

“Uhum...”

Ainz riu friamente em seu coração:

“Minha grandeza não é algo que só pode ser expresso através de objetos materiais.”

Ele lembrou que essa frase recebeu aprovação de Neia.

—É perfeito.

“Não seria melhor ensiná-los com objetos materiais? Afinal, os tolos são aqueles que não
conseguem ver nada além do que está diante de seus olhos.”
As palavras de Albedo paralisaram Ainz. Era como um arremessador jogando uma bola
em um batedor, mas em vez de tê-lo a rebatido de volta para ele, o batedor o pegou e
jogou de volta com força total.

“...Entendo. Você tem razão, Albedo, mas—”

Quando Ainz agradecia sua voz por não tremer, ele lutou para que seu cérebro funcio-
nasse, e então desistiu quando nada veio à mente. Mesmo querendo dar de ombros, ele
não podia permitir que sua imagem como um governante desmoronasse diante de seus
subordinados.

“—Não, esqueça. Tenho certeza de que a Albedo pode identificar pelo menos cinco das
falhas que eu descobri, e os méritos superam esses defeitos. Nesse caso, não há mais nada
para eu dizer.”

“Cinco, cinco falhas? Demiurge, preciso discutir algo com você depois. Posso emprestar
seu intelecto por um tempo?”

“Mas, mas é claro. Eu, eu não esperava nada menos do senhor, Ainz-sama, e pensar que
o senhor disse que nossas mentes são superiores... realmente, sua humildade não co-
nhece limites.”

Os dois começaram a ficar confusos e Albedo curvou a cabeça profundamente.

“Eu realmente sinto muito, Ainz-sama. Já que meu plano de construir sua estátua já re-
cebeu sua aprovação, permita-me suspender temporariamente a construção. Eu sincera-
mente peço desculpas.”

“Hm, mm. Bem, não dá para evitar. Prossiga, Albedo.”

Ainz tinha apenas lançado uma observação improvisada, mas Albedo e Demiurge pare-
ciam anormalmente abalados por isso. Ele podia até ouvir Lupusregina sussurrar “incrí-
vel ~su” por trás deles.

Ele olhou para longe, sentindo-se culpado porque ele mais uma vez confundiu os dois
ao falar tolices. No entanto, ele estava feliz que o plano para construir a estátua gigante
fosse brevemente interrompido.

A seguir, preciso fazer algo sobre os quatro festivais com meu nome, como o Dia de Ação
de Graças do Grande Rei Feiticeiro, o Aniversário do Rei Feiticeiro e assim por diante! Se o
Dia de Ação de Graças do Grande Rei Feiticeiro for cancelado porque a estátua foi cance-
lada também, isso deixa apenas três deles! Além disso, se estes fossem festivais normais, eu
não me importaria em querer pará-los!
Na verdade, Ainz certa vez indiferentemente sugeriu um plano para organizar festivais.
No entanto, isso levou à formação de um comitê do festival estranho e embaraçoso. Ainz
suspirou forte e alto em seu coração, e então olhou para Demiurge.

“Tudo bem, agora resta os detalhes que preciso discutir com Demiurge. Depois disso,
você usará o demônio que convocou, este seria Jaldabaoth, aquela que usou para atacar
a cidade, correto?”

“Sim. De fato, é isso mesmo.”

“Portanto... eu tenho alguns pedidos. O primeiro diz respeito a um projeto pessoal que
estou realizando e que não está indo muito bem, pelo qual precisarei da sua ajuda. Ah,
não se preocupe, não há necessidade de ficar muito preocupado com isso. E a segunda
coisa é, você pode comandar para que aquele demônio lute comigo?”

♦♦♦

Neia fechou silenciosamente a porta do quarto do Rei Feiticeiro e virou-se. E então... seu
corpo estremeceu.

Ela deu um leve tapinha nas bochechas um pouco ruborizadas para forçar o rosto a ficar
sério antes de perder completamente a compostura. Uma razão para isso foi porque ela
sabia que seu rosto relaxado deixava os outros cautelosos, enquanto a outra razão, mais
importante, era porque a envergonhava profundamente.

Neia não queria andar por aí com um olhar indecoroso no rosto. Ela teria que encontrar
outras pessoas mais tarde, então no mínimo ela tinha que parecer apresentável.

Mais precisamente, Neia era a escudeira do Rei Feiticeiro, então qualquer coisa vergo-
nhosa que ela fizesse também prejudicaria a reputação do Rei Feiticeiro.

Ainda assim, eu estou apenas atuando como sua escudeira temporária, então é o Reino
Sacro que seria desonrado...

No entanto, as pessoas que odiavam o Rei Feiticeiro não pensariam assim. Como dizia o
ditado, alguém ficaria cego pelo seu ódio. Ou melhor, era como aqueles que odiavam es-
padas também odiariam os ferreiros.

Tudo bem!

Neia não queria que o Rei Feiticeiro se arrependesse do fato dela ser sua escudeira. Em
outras palavras, tudo o que Neia tinha que fazer era o trabalho dela.

Quando Neia se dirigiu para o lugar onde havia combinado encontrar-se, pensou inces-
santemente sobre a bondade que o Rei Feiticeiro mostrara naquele momento.
“—Entendo, então foi o que aconteceu. Que pena.”

Ela sentiu um arrependimento profundo do Rei Feiticeiro quando ele disse aquelas pa-
lavras naquela época. Não havia como ele estar tagarelando casualmente.

...Sua Majestade é realmente uma pessoa gentil...

O Rei Feiticeiro lamentou por alguém de outro país que morrera em batalha como se ela
fosse um de seu próprio povo. Onde no mundo alguém poderia encontrar um rei assim?
Claro, Neia não conhecia nenhum outro rei, então talvez isso simplesmente refletisse
seus sonhos.

Por exemplo, se Neia e os outros tivessem aguentado um pouco mais, eles teriam sido
salvos junto com Neia, e aquele pai que perdera seu filho também teria sobrevivido.

Neia não estava infeliz que o Rei Feiticeiro estivesse atrasado em seu resgate. Em pri-
meiro lugar, ela estava grata pelo fato dele ter vindo resgatá-la, porque ele já havia dito
que precisava conservar mana para a batalha com Jaldabaoth. Além disso, ela ouviu al-
guns milicianos na unidade de Remedios dizerem que ele havia lutado com vários pode-
rosos demi-humanos no portão oeste antes de vir resgatar Neia.

O Rei Feiticeiro havia lutado contra dois demi-humanos que podiam matar um paladino
em um único ataque e outro cuja força estava no mesmo nível da paladina mais forte do
Reino Sacro.

Os milicianos que disseram a Neia tudo isso, tinham sido duramente pressionados para
esconder sua excitação enquanto tagarelavam os procedimentos como uma metralha-
dora, e eles acrescentaram: “Todos nós teríamos morrido se não fosse pelo Rei Feiticeiro”.

De fato. Neia sentiu uma onda de calor no peito.

O Rei Feiticeiro tinha ido a outro lugar para ajudar os outros antes de vir para salvar
Neia.

Mesmo estando um pouco desapontada pelo Rei Feiticeiro não ter priorizado ajudá-la,
ela sabia que era errado se sentir assim. A defesa dos muros da cidade era importante,
mas seria muito pior se o portão da cidade caísse. Se o portão tivesse sido violado e os
demi-humanos conseguissem entrar na cidade, haveria massacres impiedosos em todos
os lugares.

Qualquer pessoa com algum bom senso teria priorizado o portão da cidade para salvar
mais vidas.

As pessoas que agiam de acordo com a lógica eram mais confiáveis do que as pessoas
que eram dominadas por suas emoções.
Como esperado do Rei Feiticeiro!

Neia pensou na paladina mais forte de seu país.

Apenas comparar os dois já é desrespeitar Sua Majestade!

Depois disso, o Rei Feiticeiro também havia caçado os poucos demi-humanos que ha-
viam chegado à cidade, e muitas pessoas foram salvas como resultado. De fato—

“Ohhh! Se não é a Escudeira-sama de Sua Majestade! Contou a ele por nós?”

Parece que Neia tinha chegado ao seu ponto de encontro enquanto pensava em quão
legal o Rei Feiticeiro tinha sido.

Em certo setor da cidade, seis homens se reuniram em uma rua que ainda cheirava ao
campo de batalha.

Eles se dirigiram a Neia como se estivessem esperando impacientemente por ela. Na


verdade, eles estavam bastante impacientes.

“Sim, transmiti sua gratidão à Sua Majestade.”

Várias pessoas inconscientemente ficaram na defensiva quando Neia olhou para elas,
mas depois de ouvir suas palavras, elas sorriram e agradeceram.

“Ah, muito obrigado. É difícil expressar gratidão ao Rei de outra nação. Não, é difícil até
mesmo agradecer a Rainha-sama.”

“Isso é verdade. Para começo de conversa, não dá sequer para encontrar com ela.”

As pessoas diante dela tinham idades que variavam de 14 a 40 anos. No entanto, todos
eles eram líderes de esquadrão. Alguns deles outrora foram até soldados profissionais.

A julgar pela atitude deles, eles não sentiram nenhum temor em relação ao Rei Feiticeiro
por ele ser um undead.

Era verdade que algumas pessoas ainda estavam cautelosas com o Rei Feiticeiro por
causa de sua natureza. Além disso, pessoas assim eram mais comuns entre os plebeus do
que os sacerdotes ou paladinos. Eles costumavam dizer que o Rei Feiticeiro estava sendo
gentil para traí-los no momento certo e outras coisas semelhantes.

No entanto, Neia sentiu que sua reação foi porque eles não entenderam o Rei Feiticeiro
e simplesmente agiram com o desdém habitual pelos undeads. A razão para isso foi o
grupo de pessoas diante dela. Havia muitas pessoas que mudaram seu modo de pensar
quando conheceram o Rei Feiticeiro.
“Não, por favor, não se preocupem com isso. Eu simplesmente transmiti sua gratidão à
Sua Majestade. Ah, sim, Sua Majestade disse que seus agradecimentos o fizeram muito
feliz.”

Havia olhares tímidos entre os representantes dos milicianos.

“Não, nós somos aqueles que devem ser felizes... oh, o que devemos fazer...”

“Isso mesmo, Sua Majestade é realmente compassiva. Eu estou envergonhado por como
nós costumávamos temê-lo por ele ser um undead.”

“Sua Majestade é realmente uma pessoa gentil. No entanto, espero que você não espere
que uma boa sorte aconteça de novo e de novo. Afinal de contas, Sua Majestade disse que
ele havia usado uma grande quantidade de mana nessa batalha, e ele não seria capaz de
ajudá-los novamente na próxima vez.”

Os rostos do grupo imediatamente ficaram sóbrios.

“Então, podemos não ter a ajuda de Sua Majestade da próxima vez... isso é ruim.”

“Muitas pessoas ficarão com medo se souberem que não podem confiar em Sua Majes-
tade para ajudá-las, especialmente minha equipe.”

“Não é só o seu pessoal. É o mesmo do meu lado também... não podemos dizer a eles
sobre isso.”

Neia silenciosamente se dirigiu ao grupo abalado:

“Pessoal, eu entendi uma coisa. Isto é: ser fraco é um pecado.”

Quando olhares intrigados apareceram em seus rostos, Neia lentamente se explicou:

“Não entenderam? Se fôssemos fortes o suficiente, as coisas não teriam chegado onde
estão agora. Nós poderíamos ter salvado nossos pais, nossos filhos, nossas esposas, nos-
sos amigos, poderíamos ter salvado todos eles com nossas próprias mãos. O Rei Feiti-
ceiro disse uma vez que somos nós que temos que valorizar mais as coisas que são im-
portantes para nós. Afinal, Sua Majestade não é o rei deste país, e ele simplesmente veio
nos ajudar por uma razão especial.”

Neia respirou fundo.

Neia levantou a voz, para que as pessoas que a observavam e as pessoas do Reino Sacro
passassem a ouvir suas palavras.
“...Quando o Rei Feiticeiro derrotar Jaldabaoth e retornar ao seu próprio país, o que fa-
remos quando os demi-humanos atacarem novamente? Será que vamos chorar e implo-
rar ao Feiticeiro Rei, o rei de outro país, por ajuda mais uma vez? Pelo que sabemos, o
Rei Feiticeiro pode não nos ajudar da próxima vez. Isso porque dessa vez foi uma exceção.
Vocês já ouviram falar do rei de um país trabalhando tanto para outra nação?”

Ninguém respondeu a Neia, porque tal coisa não estava em lugar algum.

“Talvez vocês não se sintam felizes por uma garota como eu estar lhe dizendo isso. Mas
quem pode proteger as coisas que são importantes para você além de vocês mesmos? É
por isso que quero me tornar mais forte. Quando eu me tornar mais forte, posso me pro-
teger e não vou precisar pegar emprestado a força do Rei Feiticeiro.”

“Sim, é isso mesmo. Exatamente. Eu também vou me treinar.”

“Ah, eu também. Da próxima vez, serei o único a proteger minha esposa e meus filhos.”

“...Eu vou fazer isso também. Eu não queria quando fui recrutado pela primeira vez...
mas agora me sinto feliz por ter sido recrutado.”

“Ainda assim, o que o Rei feiticeiro pensa faz sentido. Valorizando as coisas importantes
para nós... mm, quando se pensa sobre isso, é realmente a verdade.”

“Então, se alguém mais valoriza minha esposa, eu tenho que matá-lo, então?”

“...Eu, eu não penso assim, não? Eu não acho que o Rei Feiticeiro estava falando sobre
algo assim, não é?”

“...Hey, eu estou apenas brincando, sabia?”

“Não soou como uma piada...”

Enquanto a multidão ria, Neia fez uma sugestão.

“Pessoal, vocês gostariam de treinar comigo? Embora eu não possa ensinar a você toda
a esgrima, sei uma coisa ou duas sobre arco e flecha.”

Fraqueza era um pecado. Isso porque os fracos só criavam problemas para o Rei Feiti-
ceiro, que era a justiça. Nesse caso, tudo o que eles precisavam fazer era ficar forte. Ela
não poderia se permitir causar problemas para o Rei Feiticeiro da próxima vez. Ela tinha
que permitir que Sua Majestade se concentrasse em lutar contra Jaldabaoth. Era o que
ela deveria fazer, como escudeira.

“Ah, é uma boa idéia.”

“Precisamos nos tornar fortes. Eu vou protegê-los da próxima vez.”


“—Por que vocês estão todos se reunindo aqui? Vocês estão discutindo alguma coisa?”

“Ah— Capitã.”

Depois de ser questionada de repente, Neia olhou para trás e viu Remedios Custodio em
pé atrás dela. Na verdade, Neia ouvira passos se aproximando, mas ela não pensara que
seriam os de Remedios.

Lá vem problema...

Neia pensou enquanto tentava evitar que seu rosto mostrasse como se sentia. Os repre-
sentantes, por outro lado, estavam visivelmente desconfortáveis.

“Poderia responder à minha pergunta?”

“Sim, senhora! Eu estava dizendo a esses cavalheiros que havia transmitido a gratidão
deles à Sua Majestade.”

“Então é para ele?”

“...Não é apropriado se dirigir ao rei de outra nação como “ele”.”

Remedios olhou para Neia.

“O forte proteger os fracos é senso comum, não é?”

“...Eu não sei se é senso comum, mas sinto que apenas os fortes são qualificados para
dizer tais coisas, e não os fracos.”

“O quê!? Você está dizendo que eu sou fraca?”

“Sim.”

Neia respondeu sem demora.

“Comparado a Sua Majestade, você é fraca... Capitã, eu disse alguma coisa errada?”

Remedios olhou para Neia e Neia olhou de volta vigorosamente para Remedios.

“Hmph, não importa se você quer ser amiguinha do Rei Feiticeiro, mas ele é um undead,
você sabe disso, certo? Um monstro que habita um mundo diferente dos vivos.”

“Sim, eu sei disso.”


“Eu só te avisei porque estava preocupada com você. Mas parece que me preocupar com
você foi um desperdício.”

Remedios parecia desapontada, mas para Neia, isso parecia uma atuação. Isso definiti-
vamente não era o que a paladina diante dela realmente pensava.

“Tenho certeza de que deve estar ocupada com muitas coisas, Capitã, e eu não ousaria
tomar seu tempo. Além disso, tenho coisas para contar aos outros. Não seria melhor se a
Capitã se dirigir para os outros lugares que precisa ir?”

“...Muito bem então. Vocês aí, é natural que o Rei Feiticeiro ajude vocês. Vocês não pre-
cisam pensar muito sobre isso, sabiam?”

Depois de dizer isso, Remedios saiu. Enquanto a observavam, alguém falou em voz baixa.

“Como eu deveria dizer isso... isso foi incrível... é a mais forte paladina deste país...”

“Sim, é isso que ela é.”

Depois de ouvir o representante falar sua mente, Neia respondeu inconscientemente a


ele. Depois disso, os representantes cobriram os rostos com as mãos. Parece que eles
sofreram um grande choque.

Embora Neia não tivesse feito nada de errado, ela ainda se sentia um pouco culpada.

“Os paladinos não são assim. Como devo dizer... ela é um pouco especial. É assim... que
ela é. Sim.”

“Deve ser difícil para senhora, Escudeira-sama... se puder beber, eu gostaria de pagar
uma para a senhora.”

“Eu aprecio suas intenções... uh, onde eu estava mesmo? Sim, em treinar juntos. Eu
posso encontrar uma maneira de pedir emprestado um lugar e equipamento. Posso en-
trar em contato com vocês quando tudo estiver pronto?”

“Contamos com a senhora para isso!”, “Tudo bem, vamos esperar.” Os homens respon-
deram alegremente.

Parte 2

Neia puxou a corda do arco em um movimento suave.


Ela moveu seu olhar atento para o alvo, e ela podia ver as plumas brancas silenciosas de
sua respiração exalada conduzidas para as bordas de sua visão pelo vento, onde desapa-
recia. A primavera estava perto, mas ainda estava frio.

Neia enterrou as noções aleatórias profundamente em sua mente, olhando para o alvo
em um estado de não pensar, e então ela lentamente se afastou.

Durante a defesa da cidade, Neia chegou à conclusão de que ninguém tinha tempo para
mirar lentamente no campo de batalha, mas agora eles estavam treinando para melhorar
sua precisão, de modo que exercícios rápidos poderiam ser deixados para outra ocasião.

E então — ela soltou sua flecha.

A flecha assobiou quando rasgou o ar. Ela voou em linha reta acertando o alvo do centro.

“Hoo.”

Neia exalou.

Das dez flechas que ela havia disparado, nem uma única havia errado o alvo.

Esta foi uma excelente taxa de precisão, mas Neia não gostou disso.

Ela não podia fazer isso no passado, mas agora, Neia poderia até mesmo dividir a flecha
que acabara de lançar. Claro, ela iria danificar a flecha se ela fizesse isso, então ela não
fez.

A razão pela qual ela havia terminado assim, podendo fazer algo que antes era impossí-
vel para ela, foi porque depois daquela batalha ela agora não só é mais capaz no arco e
flecha, mas também pode aproveitar do que eles chamavam de poder divino. No entanto,
o estranho era que era um pouco diferente das habilidades que os paladinos diziam pos-
suir. Isso porque, normalmente, os paladinos só podiam canalizar seus poderes através
de armas brancas, já ela pôde imbuir armas de longo alcance com seus poderes.

Embora ela não entendesse bem o que aquilo significava, o Rei Feiticeiro parecia bas-
tante interessado quando soubera disso. Mesmo assim, até mesmo o Rei Feiticeiro disse
apenas isso: “É difícil dizer só com isso, me avise se outras habilidades despertarem.”

Os aplausos soaram e Neia sorriu amargamente, porque se sentia desconfortável.

“Uau, você é incrível, Baraja-chan.”

“Ah, sim, é a primeira vez que vejo alguém que é tão bom com um arco. Ninguém no meu
vilarejo poderia fazer isso.”
“Ah, é verdade. Eu costumava ser um caçador por profissão e conhecia algumas pessoas,
mas nenhuma delas tinha as habilidades de Baraja-chan.”

As pessoas elogiando Neia eram as mesmas suando e treinando com ela na área de arco
e flecha. Muitos de seus rostos não foram vistos nessas ruas durante a defesa da cidade
há três semanas.

A razão para isso foi porque as pessoas haviam sido resgatadas dos campos de prisio-
neiros próximos, e a população da cidade cresceu rapidamente como resultado. Aqueles
com um talento especial para tiro com arco ou que usaram arcos antes foram recrutados
para unidades de arco e flecha e colocados sob o comando de Neia.

Normalmente, as pessoas se recusam a ser subordinadas a uma escudeira, especial-


mente se algumas tiverem idade suficiente para ser pai dela. No entanto, nenhum dos
homens — e mulheres — reunidos aqui protestaram.

A principal razão foi porque ninguém se atreveu a fazer objeções depois de ter sido sub-
metido ao seu olhar perverso, e também porque eles tiveram que reconhecer sua habili-
dade com o arco. Alguns deles ficaram ainda mais gratos a Neia depois de saber que ela
era a escudeira do Rei Feiticeiro.

Havia também alguns que estavam com medo de que ela fosse uma undead porque eles
ouviram que ela era a escudeira do Rei Feiticeiro, mas nem todo mundo era assim.

Nessas três semanas, os paladinos foram enviados para libertar os campos de prisionei-
ros, mas, ao mesmo tempo, o Rei Feiticeiro e Neia também saíram para atacar acampa-
mentos e resgatar prisioneiros.

Quando o Rei Feiticeiro abordou o assunto pela primeira vez, houve um número cho-
cante de objeções. No entanto, o Rei Feiticeiro disse: “Agora que a Aliança Demi-humana
está com pouca mão-de-obra, eles começarão a executar os prisioneiros se julgarem que
não têm a capacidade de administrar os campos de prisioneiros, então devem ser resgata-
dos sem demora”, e isso convencera Caspond a aceitar a sugestão do Rei Feiticeiro e en-
viar os dois para executar a tarefa.

Neia queria originalmente argumentar que o Rei Feiticeiro deveria conservar sua mana
para lutar contra Jaldabaoth. No entanto, Neia admirou como ele agiu para proteger as
pessoas de outro país e sentiu a justiça que emanava dele, para que ela não conseguisse
detê-lo.

E assim, Neia e o Rei Feiticeiro haviam libertado muitos prisioneiros e os trazido para
esta cidade. Por essa razão, havia pessoas que estavam felizes em servir sob Neia.

“Ahhh~ eu deveria aprender algumas coisas com a Baraja-chan.”


“Sim, isso mesmo. Ela é incrível. Além disso, esse arco que pegou emprestado do Rei
Feiticeiro — o Ultimate Shooting-Star Super — pode fazer coisas ainda mais incríveis
com esse arco, né?”

“O Ultimate Shooting-Star Super, huh. Que arco incrível...”

Todos os seus olhos foram para o arco preso atrás das costas de Neia — o Ultimate Sho-
oting-Star Super.

Ela deveria tê-lo usado durante seu treinamento, mas ela evitou fazê-lo porque não que-
ria depender muito de sua arma.

“Sim, durante a batalha pelos muros da cidade, foi graças ao Ultimate Shooting-Star Su-
per que consegui sobreviver até a chegada de Sua Majestade... não, não é isso. Não foi
apenas o Ultimate Shooting-Star Super, mas a armadura que eu peguei emprestado de
Sua Majestade e todos os outros itens que me ajudaram também...”

Neia acariciou a armadura do Grande Rei Buser.

“Esta armadura veio de um renomado demi-humano, parece incrível para mim, não im-
porta quantas vezes eu olhe para ela...”

“Eu fui permitido tocar uma vez, sua dureza é incrível. Eu dei um golpe cortante com
uma espada e ela apenas quicou.”

“Sério? Eu nunca ouvi falar de algo isso antes.”

Quando a armadura de Neia se tornou o tema principal, ela bateu palmas para chamar
a atenção de todos.

“Tudo bem, já conversaram muito, de volta ao treinamento. De acordo com o Rei Feiti-
ceiro, Jaldabaoth está se preparando para fazer outro movimento em breve, então não
podemos perder um único segundo.”

Houve um coro de agradecimentos.

“Tudo bem, é hora de começar a prática de tiros. Pessoal, vamos começar.”

Enquanto observava seus subordinados — a palavra fez com que ela se sentisse como a
“fodona” o que a deixara envergonhada — dispersa, Neia removeu o item que cobria me-
tade de seu rosto. Era um item que ela pegou emprestado do Rei Feiticeiro.

Esse item mágico semelhante a uma viseira espelhada permitia que ela usasse uma ha-
bilidade especial conhecida como 「Serpent Shot」 a cada três minutos. Era uma técnica
que permitia que uma flecha flexionasse e contorcesse em frente ao oponente, atacando-
o como um bote de um animal derrubando sua presa.
Ela não estava muito certa do que fazia porque não a disparará contra ninguém, mas,
com toda a probabilidade, precisaria ser muito ágil para evitá-la.

Era um item muito útil para alguém como Neia, que usava o arco como sua arma princi-
pal, mas o mais importante, o fato de que ele escondia seus olhos era incrível. Ou melhor,
sem esse item ela não poderia ter se dado tão bem com os outros.

Neia colocou sua viseira mais uma vez e levantou o arco novamente.

Todos aqui eram experientes e, agora que o tempo estava apertado, ela não precisava
instruí-los sobre os pontos mais delicados do posicionamento dos dedos. Ela havia dito
brevemente em como disparar rapidamente, e depois disso tudo o que era necessário era
dar-lhes treinamento individual e fazê-los praticar até seus dedos doerem. O mais im-
portante para eles era acumular experiência de tiro.

Como sempre, Neia pensou em pedir magia de cura aos sacerdotes enquanto soltava
uma flecha.

Nesse exato momento, os ouvidos atentos de Neia captaram um ruído.

Veio do lado de fora. Mesmo isso quase quebrando a posição de tiro de Neia, ela conse-
guiu se manter. Pode não ter sido o que ela esperava, e mesmo que fosse a pessoa que ela
esperava encontrar, ele poderia estar passando e não tinha a intenção de vir para cá.

No entanto, o ser que apareceu na porta do pátio de treinamento era o grande rei com
o rosto esquelético — o Rei Feiticeiro.

No começo, todos temiam os undeads, mas muitos deles haviam sido resgatados pelo
Rei Feiticeiro durante a defesa da cidade e dos campos de prisioneiros. O clamor de vozes
respeitosas e gratas logo veio a anunciar a chegada do Rei Feiticeiro.

No entanto, ninguém parou de praticar. Normalmente, eles teriam se ajoelhado diante


do Rei Feiticeiro quando ele aparecesse, mas o próprio Rei Feiticeiro havia colocado um
fim nisso.

“Este não é um lugar público, então não precisam fazer isso quando estou apenas olhando
para vocês, estou errado?”

Nenhum rei, especialmente um que fosse um herói salvador da nação, deveria ter sido
tratado dessa maneira.

Mesmo assim, o Rei Feiticeiro disse que eles não precisavam fazê-lo.

Que pessoa incrível ele é...


Depois de suspirar com admiração, Neia foi para o lado do Rei Feiticeiro e fechou bem a
boca aberta.

Ela manteve sua viseira nos olhos.

O Rei Feiticeiro disse que ela não precisava removê-lo, já que ela deveria estar pronta
para lutar a qualquer momento.

Ele provavelmente estava preocupado se ela poderia usar um item mágico como se fosse
parte de seu próprio corpo e pensando que ela deveria estar em guarda, não importando
as coisas inesperadas que acontecessem. Neia ficou profundamente impressionada com
a profundidade das considerações do Rei Feiticeiro.

Neia entendeu que os olhos do Rei Feiticeiro tinham parado de olhar para suas mãos e
agora olhava para si mesma enquanto ela corria. Por alguma razão, observando os movi-
mentos habituais do Rei Feiticeiro fez Neia se sentir um pouco feliz.

O pensamento de que ela entendia as pequenas peculiaridades de um indivíduo extra-


ordinário fez as bochechas de Neia se relaxarem.

“Vossa Majestade! Somos gratos pelo senhor ter escolhido visitar pessoalmente um lu-
gar como este!”

Neia ainda era a escudeira do Rei Feiticeiro, mesmo depois de ser nomeada a coman-
dante da unidade de arquearia. Dito isso, era difícil dizer que ela fizera o trabalho de uma
escudeira adequadamente quando saíra do seu lado para treinar outros no arco e flecha,
sem mencionar que até o obrigara a vir aqui.

Neia queria priorizar seu trabalho como escudeira do Rei Feiticeiro, mas em vez disso
ela escolheu fazer isso, porque ela não queria mais ser um fardo para ele. E havia também
outro motivo, que ela não contou a mais ninguém.

Isso porque o Rei Feiticeiro se recusou a ter qualquer pessoa que não fosse Neia para
servir como seu seguidor. Ele havia dito isso na cara de Caspond e com Neia presente.

O número de pessoas aqui estava aumentando constantemente. Havia muito mais pes-
soas habilidosas ou encantadoras do que essa donzela de olhos furiosos. Mesmo assim,
ele dissera que Neia ficaria bem. A pessoa que ela via como justiça dissera isso sobre ela.

Poderia alguma coisa tê-la feito mais feliz?

“—Uhum. Embora eu saiba que você está sendo humilde, não acho que seja meramente
“lugar como este”. Afinal, é onde você afia suas presas, não é?”

“Mu-muito obrigada, Vossa Majestade!”


Ela olhou ao redor — talvez fosse desrespeitoso desviar o olhar do Rei Feiticeiro, mas a
viseira que ela usava tornou isso possível — e viu que seu pessoal, as orelhas deles esta-
vam com as pontas avermelhadas. O problema era que o desempenho deles se deterio-
rava, possivelmente por estarem nervosos, ou porque eles enrijecem os ombros para pa-
recerem dignos para o Rei Feiticeiro.

Dito isto, suas próprias orelhas pareciam um pouco quentes também.

“...Srta. Baraja. Seus homens fizeram um grande progresso desde a última vez. Certa-
mente isso deve ser devido ao seu árduo trabalho sendo a líder deles.”

Suas amabilidades tanto a envergonharam quanto a deixaram sem saber como respon-
der.

Seria embaraçoso dizer que eles ficaram nervosos e por isso não podem mostrar toda a
sua capacidade porque Vossa Majestade chegou. Eles também pensariam assim.

Portanto, Neia decidiu que receberia suas palavras quando elas foram dadas. Contudo—

“Não, não é nada disso. Eu quase não lhes ensinei nada. Eles poderiam ter feito isso so-
zinhos.”

“Mesmo? Bem, se você diz, então deve ser verdade.”

Em outras palavras — o Rei Feiticeiro não pensava assim. O que significava que o Rei
Feiticeiro considerava muito bem as palavras de Neia.

Neia levantou a voz um pouco para tentar esconder seu desejo de pular de prazer.

“Nesse caso, Vossa Majestade, vossa presença aqui significa que as reuniões acabaram?”

“Ah sim. As de hoje acabaram, porém, não fiz nenhuma sugestão especial.”

Neste momento, esta cidade tinha uma montanha de problemas, todos derivados da
crescente população. A pequena cidade de Loyts tinha originalmente abrigado menos de
20.000 pessoas, mas depois de reunir as pessoas dos campos liberados, havia mais de
150.000 pessoas aqui agora.

O mais recente desses problemas de superpopulação foram os Slimes usados nos esgo-
tos — os Slimes Sanitários — cuja própria população havia surgido devido à abundância
de alimentos e, portanto, causaram um pânico quando irromperam dos cursos de água.

Quando a população de Slimes crescia, eles eram tipicamente queimados com itens má-
gicos, mas o crescimento inesperadamente rápido significava que isso não era feito a
tempo e vários homens e mulheres haviam sido atacados.
Quando esses homens e mulheres estavam cercados pelos Slimes, um grupo de mons-
[Comensais da Imundice]
tros que limpavam o lixo, chamados de Fi lth Eaters, apareciam nos esgotos para ajudá-
los.

Ao contrário de como eles apareciam, os Filth Eaters são monstros inteligentes, e eles
sabiam que os humanos podiam produzir uma grande quantidade de comida, e então
eles salvavam as pessoas com seus corpos resistentes ao ácido.

No entanto, as pessoas não ficavam gratas aos Filth Eaters. Isso porque os Slimes Sani-
tários não infectavam ninguém, mas os Filth Eaters que os ajudavam eram uma massa
andante de doenças. Assim, as pessoas que eles ajudaram adoeceram e estavam em pés-
simo estado, particularmente aqueles que haviam contraído encefalite.

Além disso, estava inverno agora, então a lenha e outros combustíveis ficaram escassos.
Depois houve o fato de que aconteceram atrasos na construção de moradias. Embora
ainda não houvesse escassez de alimentos, isso se tornaria um perigo no futuro.

O Rei Feiticeiro tinha sido convidado para muitas das reuniões para lidar com esses
problemas, possivelmente porque eles estavam contando com seu conhecimento prodi-
gioso para resolver seus problemas.

Mesmo o Rei Feiticeiro simplesmente dizendo que não sabia muito e apenas sentando-
se de lado para ouvir, tal pessoa não poderia ter sido convocada para reuniões de novo e
de novo.

O fato dele se comportar tão humildemente apesar de ser o rei de uma nação só apro-
fundou o respeito de Neia por ele.

“O que o senhor pretende fazer a seguir, Vossa Majestade?”

“Humm. Eu pretendia ver se o transporte de troncos estava indo bem... Você está ocu-
pada com o treino, Srta. Baraja? Se você não se importa, gostaria de me acompanhar?”

Para resolver a falta de combustível e moradia, eles estavam usando os cavalos undeads
do Rei Feiticeiro para transportar troncos de uma floresta distante. Inicialmente, muitas
pessoas tinham sido contrárias ao uso de cavalos undeads para o transporte, mas agora
havia um fluxo constante de elogios pelos méritos de tais cavalos.

“Não, por favor, permita-me te acompanhar! Eu sou a Escudeira de Vossa Majestade,


afinal de contas!”

O conhecimento súbito de que ela seria capaz de finalmente executar seus deveres e seu
prazer de estar sozinha com o Rei Feiticeiro fez Neia inconscientemente falar mais rápido
e mais alto do que o normal.

Como resultado, as orelhas de Neia ruborizaram.


“Tem, tem certeza? Então vamos prosseguir.”

“Sim! Por favor—”

Então, como se para interrompê-la, um inferno escaldante explodiu à distância.

Por um momento, Neia se perguntou o que estava queimando.

Mas isso estava errado. Ela estava muito longe. Isso não poderia ter sido causado por
qualquer forma de combustão natural.

Aquele fogo parecia estar envolvendo a cidade. Em outras palavras, era uma parede de
fogo — a mente de Neia imediatamente lembrou o que os membros da Rosa Azul tinham
dito.

“—Vossa Majestade! Isso é—”

“Ah, é como você está pensando, é o mesmo que eu ouvi de Momon... finalmente chegou
a hora. É Jaldabaoth. Finalmente ele decidiu atacar. Srta. Baraja, estou indo.”

Ele havia antecipado essa série de eventos? Como se influenciado pela atitude calma do
Rei Feiticeiro, o coração de Neia também se acalmou. Ou não, seria melhor dizer que a
presença de um Ser Supremo como o Rei Feiticeiro lhe deu paz de espírito.

“Para onde!?”

“Ah — hm. O objetivo de Jaldabaoth ainda não está claro. Então, ah — ele pode estar
aqui para matar indiscriminadamente. No entanto, se ele tiver um objetivo, ele alvejará
a mim ou a liderança do Reino Sacro, então seria melhor se nos encontrarmos. Diga a
seus homens que se preparem para a batalha e depois que eles fujam para um lugar se-
guro.”

“Eh!?”

“Eles não serão úteis contra Jaldabaoth. Nesse caso, seria melhor que eles se preparas-
sem para lidar com quaisquer demônios que possam aparecer. Como a cidade provavel-
mente estará no caos agora, assim que você formar sua unidade, não será melhor tê-los
fora da cidade?”

Embora suas palavras não tenham ficado claras no início, talvez ele tenha organizado
seus pensamentos de antemão, porque a parte do meio em diante foi uma série de ins-
truções ininterruptas para Neia.

“Sim! Muito obrigada, Vossa Majestade! Tudo bem, Pessoal!”


Mesmo eles fazendo planos no caso de Jaldabaoth liderar um exército contra eles, eles
não esperavam que um incêndio cercasse toda a cidade. Outro grande problema era o
fato de que eles não sabiam a extensão dos preparativos que o inimigo havia feito.

Neia deu suas instruções. Havia apenas um único esquadrão aqui e eles não podiam fa-
zer o que queriam, mas como a líder de equipe, ela tinha a responsabilidade de fazer
várias coisas antes que suas ordens viessem.

As instruções foram mais ou menos assim:

Todos no esquadrão deveriam levar suas famílias e ir para o portão leste, porque se o
inimigo atacasse, era mais provável que eles atacassem do portão oeste. Depois disso,
eles iriam se formar no portão leste, e se houvesse demônios fora do portão leste, eles
escalariam os muros perto do portão leste e os atacariam. Além disso, eles deveriam ou-
vir o ajudante de ordens de Neia até ela chegar e se adaptar às mudanças nas condições
do campo de batalha.

Os subordinados de Neia obedeceram suas instruções e entraram rapidamente em ação.

“Vossa Majestade!”

Depois de dar suas ordens, Neia se virou e viu que os olhos do Rei Feiticeiro estavam
em suas mãos, enquanto ele usava uma magia de voo para subir em algum lugar ao redor
do nível da cabeça de Neia.

“Vossa Majestade! Deixe-me ir com o senhor!”

Talvez ele tenha ficado assustado com o grito de Neia, mas o Rei Feiticeiro de repente
fechou a mão e um som baixo veio de dentro.

“Hmm... bem, tudo bem.”

O Rei Feiticeiro lançou uma magia de voo em Neia também. Naquele momento, ela per-
cebeu a grandeza da magia enquanto aprendia o que era voar.

Neia e o Rei Feiticeiro se moviam como se estivessem deslizando pelo chão. Eles não
saíram da superfície, a não ser para voar sobre multidões de pessoas que haviam caído
no caos, pois não conseguiam controlar a situação. A razão para isso era porque voar no
ar sem cobertura os tornava muito óbvios, e se houvesse demônios, eles poderiam ser
submetidos a ataques de todas as direções.

Neia mordeu o lábio em infelicidade, sentindo como se estivesse sendo um fardo. Quais-
quer que sejam as magias utilizadas pelos demônios, eles não poderiam representar um
problema para o Rei Feiticeiro. Ela não podia deixar de pensar que ele havia escolhido
percorrer o caminho mais longo em vez de voar diretamente para o seu destino porque
ela estava por perto.
Eventualmente, eles chegaram ao seu destino — a sede, que também servia como apo-
sentos de Caspond.

Os dois paladinos na porta estavam com as mãos ocupadas tentando controlar as pes-
soas amontoadas perto da porta.

“Srta. Baraja, nós vamos por cima.”

“Sim!”

Depois de ver que seria um pouco difícil entrar pela porta da frente, os dois flutuaram e
chegaram à varanda. Só então, a janela de frente para eles se abriu.

“Vossa Majestade! Obrigado por ter vindo.”

Era um paladino.

“Os outros já chegaram?”

“Não, Vossa Majestade. Os sacerdotes estão se reunindo. O Vice-Capitão Montagnés foi


libertar um campo de prisioneiros e não deve retornar hoje. Neste momento, apenas a
Capitã Custodio e o Príncipe Caspond estão presentes.”

“Então é isso? Ainda assim, é bom que os dois estejam aqui. Lidere o caminho.”

“Sim!”

Depois que o paladino os conduziu aos aposentos de Caspond, eles ouviram uma con-
versa alta pela porta. Parecia bastante caótico.

O paladino abriu a porta para eles e mais de uma dúzia de sacerdotes de olhos verme-
lhos os saudaram.

“Desculpe estou atrasado. Estamos sem tempo, então, quais planos estão discutindo?”

Todos se entreolharam e Caspond falou em nome deles.

“Ainda não vimos Jaldabaoth. Vossa Majestade, este fogo poderia ter sido feito por um
item mágico ou um demônio diferente de Jaldabaoth?”

“Eu não tenho certeza. Afinal, nem eu consigo fazer uma coisa dessas.”

Os outros ficaram abalados. O Rei Feiticeiro utilizava uma magia que extrapolava a ima-
ginação. Quão poderoso deve ser Jaldabaoth se ele pudesse usar uma magia que nem
mesmo o Rei Feiticeiro poderia?
“Nesse caso, que efeitos esse fogo possui? A Rosa Azul disse que elas conseguiram pas-
sar por ele, então certamente pessoas normais também podem fazer isso, certo?”

Depois de dizer isso, Remedios moveu seu olhar diretamente para o Rei Feiticeiro.

“Isso não será um problema. Quanto aos seus efeitos, os demônios que estão dentro do
fogo se beneficiam de atributos aprimorados, as magias que tiram proveito de carma ne-
gativo causam um pouco mais de dano, as taxas drop de itens aumentam e muitos outros.
Mas de acordo com os resultados da equipe de investigação, nenhum deles estava em
vigor. Ainda assim, se faz alguma coisa só resta ver para crer.”

“O que significa que podemos entrar e sair livremente, correto?”

“Hm? Eu não disse isso no começo?”

“Nesse caso, devemos evacuar enquanto não houver demi-humanos ou demônios por
perto, e então nos formarmos em unidades lá. Afinal, ouvi dizer que demônios aparece-
ram dentro da área cercada pelo fogo quando foi visto pela última vez no Reino. Pessoal,
vamos com esse plano de ação.”

Depois de dar as ordens aos paladinos, ele perguntou ao Rei Feiticeiro novamente:

“O senhor pode usar sua magia para identificar a localização de Jaldabaoth, Vossa Ma-
jestade?”

“Se eu pudesse, eu não precisaria ficar nesta cidade agora, estaria?”

“Isso faz sentido.”

Assim que o Rei Feiticeiro estava lidando com uma pergunta após a outra, todos ouvi-
ram um rangido sinistro.

Tudo começou em voz baixa o suficiente, e então cresceu para abafar o clamor da sala.
Um por um, todos se acalmaram e, finalmente, o único som no silêncio foi o rangido.

Todos olharam em volta, inquietos. Só então, Neia notou algo estranho na parede ex-
terna do prédio e exclamou com um:

“Ah—”

Uma rachadura apareceu na parede e, enquanto todos observavam, começou a se espa-


lhar. A parede se arregalou e então—

“Se afastem!”
Assim que Remedios gritou, o Rei Feiticeiro ficou na frente de Neia.

A parede se rompeu com um poderoso estrondo. Tijolos voaram pela sala como tiro de
escopeta usando chumbo grosso. Gemidos encheram o ar; vieram daquelas pessoas que
foram atingidas pelos estilhaços de alvenaria.

Se o Rei Feiticeiro não tivesse protegido Neia com seu corpo, Neia poderia acabar ge-
mendo no chão com eles.

“Obr-obrigada—”

O Rei Feiticeiro levantou a mão para parar Neia antes que ela pudesse agradecê-lo, e
então ele apontou para a abertura de fumaça na parede para chamar sua atenção lá.

Havia uma silhueta gigantesca lá, com a cor de um incêndio rugindo.

“—Agradeço-lhes pela calorosa recepção, humanos.”

Era uma voz profunda e poderosa.

Como se cortasse a fumaça, que se inclinava lentamente através do buraco na parede e


entrava na sala.

Um demônio.

Devido ao seu vasto tamanho, ele teve que se abaixar, pois mal cabia dentro da sala. Sua
postura parecia um pouco estúpida, mas agora definitivamente não era hora de rir. Sua
garganta não podia funcionar corretamente; ela queria engolir a saliva acumulada em
sua boca, mas ficou presa ali.

Esta foi uma massa esmagadora de poder.

Neia nunca tinha sido muito boa em julgar a força de seus inimigos em relação a si
mesma, mas ela entendeu que não poderia ganhar contra ele mesmo com dezenas de
milhares de Neias. Ela foi engolida por uma onda de poder comparável ao Rei Feiticeiro
depois de remover seu anel, e ela não conseguia mover um músculo.

Foi então que ela percebeu quem estava enfrentando.

Esse, esse é Jaldabaoth... o Imperador Demônio Jaldabaoth...

Seu rosto estava cheio de raiva, suas asas estavam vermelhas e seus braços ardentes —
ele parecia estar segurando algo em uma mão, e Neia não pôde deixar de duvidar de seus
olhos.
Isso era — embora ela não ousasse acreditar — a parte inferior de um corpo. Emanava
um fedor horrível, de putrefação avançada.

“Kyaaaaahh!”

Foi um grito - não, um grito estridente. Era um som que apenas alguém que tivesse ar-
rebentado os grilhões em suas emoções e caído na loucura faria. Veio de trás de Neia.

As costas de Neia estremeceram. A pessoa que fazia esse som era Remedios.

Remedios levantou sua espada sagrada e atacou diretamente Jaldabaoth, não se impor-
tando com sua própria defesa.

Isso foi muito precipitado. Até mesmo Neia, que não era habilidosa com espadas, achava
que era uma acusação tola.

“—Desapareça.”

Aquelas palavras pesadas e quietas foram acompanhadas pelo som de passos pesados.
Ao mesmo tempo, Remedios voou em linha reta e colidiu contra uma parede. Seu impacto
foi tão alto que parecia que todo o prédio desmoronaria. Depois disso, Remedios — que
tinha sido golpeada para o lado como uma mosca — desmoronou frouxamente na parede.

Parece que Jaldabaoth enviou Remedios voando com o objeto que parecia a parte infe-
rior do corpo de um humano.

Neia certamente teria morrido se ela tivesse tomado aquele golpe. Mas, como esperado
da paladina mais forte do país, sua vida não parecia estar em perigo.

Em seu lugar, um odor revoltante começou a se espalhar pelo ar.

A sala estava cheia de pedaços de carne da parte inferior do corpo putrefato que Jal-
dabaoth usara para atacar Remedios.

“Ahh... que bagunça. Peço sinceras desculpas por ter sujado a sala. Claro, não teria ter-
minado assim se aquela mulher não tivesse atacado-me sem pensar — bem, isso é apenas
uma desculpa. Por favor perdoem-me.”

Jaldabaoth abaixou a cabeça devagar. Ele parecia genuinamente apologético, mas isso
só deixou a todos com mais medo.

E então, ele casualmente despejou o que estava segurando — algo que parecia com os
restos carbonizados de um tornozelo humano — no chão.

“Ora ora, acho que fiquei um pouco empolgado enquanto balançava e a metade superior
voou para algum lugar. É uma coisa um tanto suja, então estive procurando por uma
chance de livrar-me dela... mas no final consegui dar um bom uso dela. Não sou eu, um
demônio gentil? Ela deve estar agradecendo-me na vida após a morte.”

Jaldabaoth murmurou para si mesmo.

“Ahhhhhhhhhh!”

Remedios se tocou enquanto gemia de angústia, sangue fresco escorria do canto da boca.
Não, ela estava coletando os pedaços de carne que estavam presos a ela. O que ela estava
fazendo?

Ela ficou maluca?

Neia se perguntou.

Não, havia um significado para suas ações bizarras.

Não me diga, esse cadáver é... como isso poderia ser...

Embora a parte inferior do corpo tivesse pedaços esfarrapados do que parecia uma ar-
madura presa a ela, deveria ter pertencido a uma mulher. Nesse caso, ela poderia imagi-
nar duas pessoas que poderia ter sido.

Se isso fosse realmente o caso...

“Que som encantador...”

Jaldabaoth acenou com a mão como um maestro e completou:

“Nesse caso, creio que esta é a primeira vez que nos encontramos, Rei Feiticeiro Ainz
Ooal Gown-dono — ou talvez -sama seria uma forma melhor de endereçar-me a ti?”

“Não importa. Então, creio eu que você está aqui para um confronto comigo, correto?”

“Certamente. Nenhuma quantidade de fracotes fará diferença.”

“Eu concordo nesse ponto. Não tenho intenção de gerar mortes sem sentido.”

Ainda fungando, Remedios olhou para o Rei Feiticeiro.

“Vossa Majestade, você é forte. Mais forte até do que Momon. Espero que me permita
adotar uma estratégia que garantirá a minha vitória.”

Jaldabaoth levantou a mão, a cabeça de uma empregada apareceu no buraco que ele
fizera anteriormente.
Era uma mulher usando uma máscara e uma roupa de empregada. Na verdade, havia
duas delas.

“Eu confio que não pretende chamar-me de desprezível, não é?”

“—Uh, hm. Bem, isso é... mhm... uh... hum.”

O Rei Feiticeiro estava começando a ficar preocupado. Não, isso era apenas esperado.

Ninguém poderia esperar que Jaldabaoth viesse com suas empregadas demônios em
seu reboque. Contudo—

Esse provavelmente não é o caso. O Rei Feiticeiro é sábio, e ele deve ter previsto isso. Nesse
caso, por que ele é assim? Será que é porque estamos aqui? Talvez ele não esteja seguro de
nos proteger também, e é por isso que ele está preocupado!

“Vossa Majestade, por favor, não se preocupe conosco.”

“Eh?”

O Rei Feiticeiro fez uma pequena exclamação de surpresa.

Neia sabia muito bem que as empregadas demônios eram seres que podiam matar todos
nessa sala, e eram tão poderosas que ela não podia relaxar, mesmo que alguém dissesse
para ela não se preocupar. Comparado a alguém no nível do Rei Feiticeiro, Neia e os ou-
tros, provavelmente incluindo Remedios, eram pouco mais que peões sem valor.

No entanto — ela preferiria morrer a entrar em seu caminho.

Ela ouvira uma vez que os subordinados do Rei Feiticeiro estavam preparados para
morrer se fossem reféns. Mesmo o Rei Feiticeiro dizendo que isso o perturbava, Neia
finalmente pôde entender como seus subordinados se sentiram. Eles não queriam se tor-
nar um fardo para a pessoa que eles respeitavam.

“Hahaha! Não se preocupem, humanos. Mais tarde eu torturarei todos vocês, lenta-
mente, até a morte. O esperaremos na fonte no centro da cidade. Claro, estás livre para
fugir se assim preferir, Rei Feiticeiro.”

“Eu aceito suas palavras, e elas valem o mesmo para você, Jaldabaoth.”

O Rei Feiticeiro e Jaldabaoth se entreolharam.

Depois disso, Jaldabaoth se virou — e Remedios levantou rapidamente, com a espada


sagrada na mão, e correu para ele.

A espada sagrada fracamente brilhante parecia uma estria de luz fluida.


“Morraaaaaaaaaa!”

E então, ela apunhalou nas costas de Jaldabaoth.

“O quê? É isso... estás satisfeita agora?”

—Era uma voz fria e monótona.

“Por que... porque... depois de receber um golpe da espada sagrada... você deveria ser
maligno...”

As costas de Remedios pareciam muito pequenas e insignificantes em comparação a ele.

“Eu não tenho idéia do quê fazer com isso. Por quê? E ainda perguntas? Parece uma pi-
cada de inseto. Já se satisfez? Se terminou, se importaria de sair do caminho? Não pre-
tendo matá-la aqui. Isso será depois que eu matar o Rei Feiticeiro.”

Jaldabaoth não deu atenção a Remedios e abriu suas enormes asas de fogo. Ele as agitou
e Remedios desabou no chão.

Jaldabaoth a ignorou, quando ela deitou no chão, ele decolou. As empregadas demônios
o seguiram.

“...Então eu também vou. Vocês deveriam ir se abrigar para não serem pegos nos com-
bates. Embora eu não ache que isso seja um problema, espero que vocês entendam se
essa cidade acabará demolida.”

“Vossa Majestade, o senhor ficará bem?”

Caspond se levantou de onde havia mergulhado para se proteger dos detritos que voa-
vam pela sala. Seus olhos olhavam para Remedios, que parecia totalmente derrotada e
não conseguia se levantar.

“Vai ficar tudo bem — eu não posso dizer com certeza, mas deve haver uma chance.
Seria muito problemático se ele trouxesse os demi-humanos como escudos. Parece que
ele ainda está me subestimando, e esta também é uma chance de trazer as empregadas
demônios para o meu rebanho.”

“Vai ficar bem. Tudo vai ficar bem. Minha irmã ainda está aqui. Kelart, ela ainda está viva.
Enquanto ela estiver por perto, Calca-sama pode...”

Remedios bateu no rosto enquanto murmurava para si mesma, e então ela se levantou
com força.
“Rei Feiticeiro! Eu também vou! Me empreste uma arma que pode prejudicá-lo! Eu me
tornarei sua espada por enquanto!”

O Rei Feiticeiro olhou para Remedios, com os olhos vermelhos e cheios de ódio, e então
balançou a cabeça.

“...Esqueça isso. Você só ficaria no caminho.”

“O que você disse!?”

“Você não entende? Eu falo da disparidade na força. Ou você quer dizer que entende,
mas se recusa a aceitar? Simplificando, você será um fardo.”

Remedios olhou para o Rei Feiticeiro como se fosse seu inimigo.

As palavras do Rei Feiticeiro foram muito duras, mas também eram verdadeiras. Ou me-
lhor, elas eram difíceis de aceitar precisamente porque eram verdadeiros.

“Capitã Custodio! Eu tenho outra tarefa para você. Evacue essas pessoas fora da cidade!”

Caspond deu a ordem num tom severo e autoritário.

“O plano original era deixar Sua Majestade lidar com Jaldabaoth. Você concordou com
isso também, não é?”

“...Ahh, eu sei.”

Remedios mordeu o lábio, e então ela forçou suas próximas palavras:

“Você deve matar aquele desgraçado.”

“Entendido.”

“—Paladinos, cuidadosamente coletem os restos daquele corpo. Não deixe um único pe-
daço para trás.”

“Capitão... esse corpo é...”

O paladino teve uma idéia do que estava acontecendo e aventurou sua pergunta em uma
voz trêmula. Remedios respondeu em um tom que parecia estar dizendo a ele para não
perguntar mais nada.

“Não se esqueça de que pode haver truques demoníacos em meio a isso.”

Remedios saiu sem olhar para trás. Vários paladinos a seguiram, com olhares meio as-
sustados em seus rostos.
“Vossa Majestade, peço sinceras desculpas pela forma como ela tratou o senhor... Posso
pedir desculpas por ela?”

Caspond baixou a cabeça e finalizou:

“Por favor, peço seu perdão.”

“...Eu aceito suas desculpas. Agora, apresse-se e evacue. Se ele ficar esperando por muito
tempo, ele pode decidir voltar atrás em sua palavra. Eu vou sair primeiro para ganhar
tempo, mas espero que entendam que só posso dar a vocês cerca de trinta minutos.”

“Compreendo. Todos vocês ouviram? Mexam-se!”

Vários sacerdotes e paladinos acompanharam Caspond.

As únicas pessoas que restaram na sala foram o Rei Feiticeiro e Neia, assim como vários
paladinos e sacerdotes que estavam colocando os restos mortais do corpo de uma pessoa
em uma sacola. Nesse caso—

“Vossa Majestade, posso ir com o senhor!?”

Houve suspiros de admiração e súbitas tomadas de ar ao redor dela. Mas Neia ignorou
essas pessoas irrelevantes. Ela tirou a viseira e olhou diretamente para o Rei Feiticeiro.

“...Humm. Melhor não. Ele pode ter dito tudo aquilo, mas ele é um demônio. Se pressio-
nado, ele revelará sua verdadeira natureza e usará você como refém.”

“Mas se isso acontecer, Sua Majestade vai me matar sem hesitação, não vai?”

“Quando você diz isso com um olhar tão sério em seu rosto, você me faz soar como uma
pessoa cruel. Bem, se eu não puder te salvar, vou te descartar. Eu vou acertar você com
uma magia de ataque.”

“Nesse caso—”

“—Eu! Eu não estou fazendo isso porque quero matar reféns, sabe?”

“Ah! Me perdoe...”

Era assim que as cosias eram. Ele faria isso porque era a melhor escolha disponível. Se
houvesse uma alternativa melhor, esse homem misericordioso certamente escolheria
isso. Assim, não deixar Neia acompanhá-lo era porque era a melhor das melhores alter-
nativas.
“Mas... Vossa Majestade, o senhor usou muitas magias e até seus itens mágicos e mana
para libertar esta cidade. Como um magic caster, certamente o senhor deve estar enfra-
quecido agora. Isso vai ficar bem?”

“Mhm! De fato, pode ser perigoso, mas vim aqui derrotar Jaldabaoth. Felizmente, ele
veio me encontrar em vez disso. Agora eu vou destruí-lo e reivindicar as empregadas
demônios... ugh, dizer que eu quero as empregadas me faz soar como um velho tarado,
hm...”

Neia sorriu amargamente para o Rei Feiticeiro, que ainda podia fazer uma piada sem
graça em um momento como aquele. Ela queria falar, mas o Rei Feiticeiro a interrompeu
com um gesto de levantar a mão.

“Além disso, serei motivo de riso se eu fugir daqui.”

O Rei Feiticeiro deu de ombros, como se estivesse brincando. Neia sentiu que ele não
estava falando sério, e então ela levantou a voz.

“Vossa Majestade! Se eles querem rir, deixe-os! Eu humildemente submeto que o senhor
só deve lutar com ele nas melhores condições! Além disso, o senhor veio aqui para lutar
contra Jaldabaoth, mas acabou usando uma grande quantidade de mana e força em nome
do Reino Sacro. Não foi isso que concordou no começo. Se dissermos isso, as pessoas do
meu país vão...”

“De fato, isso é verdade. Mas os seres humanos são criaturas que só acreditam no que
querem acreditar. Mesmo que você espalhe a notícia, ninguém levaria isso a sério, Srta.
Baraja.”

“Isso...! Nesse caso, posso ser uma testemunha! E...”

Neia olhou pelo canto do olho para os paladinos e sacerdotes ouvindo a conversa. Cer-
tamente eles estariam dispostos a ser testemunhas.

“...Neia Baraja. Eu te agradeço, mas não há necessidade disso. Não vou mudar minha
intenção de lutar contra Jaldabaoth.”

“Isso— por que isso?”

“Simples. É porque é uma promessa que fiz como um rei.”

Neia não tinha nada a dizer. Não havia nada que ela pudesse dizer em resposta a isso.
Uma plebeia como ela não poderia dizer nada que pudesse mudar a mente de um rei.

Houve murmúrios de admiração ao seu redor. De fato, essa pessoa grande e orgulhosa
não era outra senão Sua Majestade o Feiticeiro Rei Ainz Ooal Gown.
Neia estava cheia de orgulho pelo rei que ela tinha em tão alta consideração.

“Vossa Majestade, eu sei que isso é profundamente desrespeitoso, mas se o senhor acha
que há perigo, peço que fuja.”

Talvez mencionar a possibilidade de sua perda pudesse deixá-lo infeliz, mas mesmo as-
sim ela ainda precisava dizer isso.

“...Mas é claro. É um tolo que luta sem preparar um meio de fuga. Mesmo se perder uma
batalha, você pode fazer bom uso das informações obtidas na próxima. Não importa se
perder a primeira batalha.”

“Eu esperava nada menos do senhor, Vossa Majestade.”

Uma interpretação extrema disso era que se seu objetivo era derrotar Jaldabaoth, então
tudo o que ele precisava era ser vitorioso no final. Neia estava animada com essa linha
de pensamento, que não era a mentalidade de um guerreiro, mas a de um rei.

“Então, é hora de ir.”

♦♦♦

Ainz caminhou em direção ao lugar indicado por Jaldabaoth. Ao longo do caminho, ele
usou 「Message」 para ordenar os dois Hanzos que o seguiram para verificar se havia
traços e se alguém estava observando de longe.

Depois de receber um relatório negativo sobre ambos os itens, Ainz tinha originalmente
a intenção de terminar a transmissão imediatamente, mas depois ele recebeu um relato
um tanto confuso de que havia membros das Pleiades presentes.

Ainz reconheceu e finalizou a 「Message」.

...Novamente não encontramos outros jogadores ou detentores de itens World-Class. Eu


continuo pensando que eles já deveriam ter se mostrado... mas se eles não existem, como dá
para explicar o que aconteceu com a Shalltear? Foi algum tipo de coincidência? Deveria ter
sido o efeito de um item World-Class, certo? Ou foi obra de algum Talento?

O fato de nada ter aparecido, apesar de ter ido tão longe, fez a coisa toda parecer uma
armadilha para ele. Por tudo o que sabia, a oposição esperava que ele abaixasse a guarda
antes de atacar.

Honestamente... bem, isso não importa. Um planejamento cuidadoso para o futuro não
será desperdiçado.

Portanto, Ainz contatou as outras equipes de Hanzo com 「Message」 para verificar se
estavam prontas e se suas ordens haviam sido recebidas.
Tudo bem, as preparações estão completas. A próxima parte é simples, eu só preciso seguir
o manual de Demiurge. Mesmo se eu cometer um erro, eu sempre posso dizer “eu estava
apenas testando você” e assim por diante.

Isso foi bom.

Ainz ficou comovido com o quão leve foi seu modo de andar. Essa foi a primeira vez que
ele se sentiu tão relaxado desde que veio a este mundo, foi como flutuar pelo céu.

Logo, Ainz chegou a uma praça de tamanho médio.

Este tinha sido originalmente uma fonte que regularmente pulverizava água para o lazer
dos cidadãos. No entanto, a água já não fluiu por aqui depois que os demi-humanos a
destruíram. Não havia planos para restaurá-la por enquanto, e os arredores pareciam
muito austeros.

Um demônio estava de pé, esperando orgulhosamente.

Era um demônio enorme com asas em chamas e dois punhos vermelhos e musculosos.
[Lorde Malig no d a I r a ]
Este era o Evil Lord Wrath de Nazarick. No entanto, o que estava aqui era apenas um
monstro que Demiurge havia invocado com seu 「Evil Lord Summons」. Só podia ser
usado uma vez a cada 50 horas, mas podia ser controlado livremente por um tempo. Na-
zarick não ficaria em desfalque, mesmo que fosse morto.

Têm o nível 84.

Como um atacante do tipo físico, o Evil Lord, tinha um HP máximo muito alto.

De todas as habilidades especiais que os Evil Lords possuíam, a mais perigosa era a ha-
bilidade de invocar outro Evil Lord que era de nível inferior a eles mesmos. No entanto,
os monstros invocados não poderiam, por sua vez, invocar mais monstros. Portanto, o
Evil Lord Wrath que Demiurge convocou não poderia convocar outro Evil Lord.

Se este Evil Lord tivesse sido criado ou feito, então poderia convocar criaturas adicio-
[Lorde Malig no da Preguiça]
nais. Por exemplo, o Evil Lord Sloth muitas vezes invocava matilha de demônios e unde-
ads, tornando-os muito difíceis de lidar.

Além disso, um ponto problemático sobre o Evil Lord Wrath era que era muito difícil
administrar seu ódio.

O Evil Lord Wrath tinha o status de aggro mais facilmente aumentado do que outros Evil
Lord. Ele ouviu os jogadores tanques dizerem que a coisa mais irritante em lidar com os
vários Evil Lords de uma só vez era como manter o Evil Lord Wrath longe do alvo.
Além disso, ele tinha a habilidade especial de causar mais danos e ganhar mais defesa,
quanto mais alto o seu valor de ódio se tornasse. Ainda assim, isso não era muito assus-
tador. A única coisa que Ainz tinha que se preocupar era sua habilidade chamada 「Soul-
Bought Miracle」, que produzia efeitos desconhecidos.

O Evil Lord poderia conjurar as seguintes magias:

• Magias 10º Nível: 「Meteor Fall」, 「Time Stop」, 「Field of Unclean」


• Magias 09º Nível: 「Greater Rejection」, 「Vermillion Nova」
• Magias 08º Nível: 「Distort Moral」, 「Insanity」, 「Astral Smite」, 「Wave of
Pain」
• Magias 07º Nível: 「 Napalm 」 , 「 Hellflame 」 , 「 Greater Word of Curse 」 ,
「Greater Teleportation」, 「Blasphemy」
• Magias 06º Nível: 「Flamewing」, 「Wall of Hell」
• Magias 03º Nível: 「Fireball」, 「Slow」

Embora o número exato de magias que os monstros poderiam usar variasse com seu
nível e tipo, era tipicamente por volta de 8. No entanto, monstros de alto nível como Dra-
gões, Demônios e Anjos eram uma exceção.

Ainda assim, como um tipo de puramente guerreiro, as magias do Evil Lord Wrath não
eram particularmente temíveis.

Não tinha habilidades para fortalecer suas magias e suas estatísticas relacionadas a ma-
gia eram muito baixas. Mesmo que as magias de ataque do Evil Lord eram do elemento
fogo e, portanto, visavam uma fraqueza dos undeads, não havia necessidade dele ser cau-
teloso. Suas magias que afetam a mente também eram inúteis contra os undeads, para
começo de conversa, os valores de Carma de Ainz eram negativos, então magias como
「Distort Moral」 eram uma perda de tempo.

Como o valor do carma de Ainz era negativo, os anjos eram mais difíceis de lidar do que
os demônios.

Enquanto ele contemplava os dados de sua oposição, Ainz olhou para as duas emprega-
das atrás do Evil Lord. Ele pensaria sobre elas mais tarde.

“Então, já foi avisado?”

“Mas é claro, Ainz-sama.”

Ouvir aquela voz pesada fez Suzuki Satoru sorrir inconscientemente do interior do co-
ração de Ainz. Isso porque esse demônio — e todos os monstros de Nazarick — foram
projetados de acordo com a imagem deles.
Essas vozes eram provavelmente o que os desenvolvedores ou seus criadores tinham
imaginado para eles. Nesse caso, quem inventou a voz adorável que os Insetos Bocas ti-
nham antes de consumir quaisquer cordas vocais? Ou toda a coisa de a seiyuu-em-sua-
mente que Peroroncino estava falando realmente existe?

Não, isso era impossível.

Pandora’s Actor era um bom exemplo. Ele era um ser que não sentia que refletia o que
seu criador tinha em mente. E então havia o fato de que até mesmo um ser sem cordas
vocais como Ainz podia falar. Tudo o que ele podia dizer seria que os mundos mágicos
eram realmente surpreendentes.

“Se você está me dirigindo com esse nome e nesse tom, eu entendo que os arredores
estão vazios?”

“De fato.”

“Então vou fazer a pergunta mais importante de todas. Você está verdadeiramente pre-
parado para lutar com a intenção de me matar?”

“Sim, eu fui ordenado a fazer isso.”

Ainz assentiu enquanto ouvia a resposta do Evil Lord.

Uma coisa que deixou Ainz desconfortável no passado foi a falta de fortes oponentes
para lutar. Desde a batalha com Shalltear, Ainz estava preocupado em não ter chances de
lutar com todas as suas forças.

Depois de treinar e ganhar experiência em combate corpo a corpo, ele poderia habil-
mente mover seu corpo como Momon e lutar como um guerreiro de nível 33.

No entanto, a questão de como ele se sairia em combate de alto nível ainda permanecia
em dúvida.

Ele deveria ter conduzido treinamento de combate contra oponentes de alto nível. Infe-
lizmente, ele não teve a chance de encontrar monstros de alto nível até agora.

Foi por isso que ele ordenou que Demiurge comandasse o Evil Lord invocado para matar
Ainz.

Ele derrotaria este poderoso inimigo que queria matá-lo e, assim, fortalecer-se-ia.

Isso era mais fácil falar do que fazer. Os dois se opuseram fortemente à idéia e convencê-
los demorou muito tempo. Não se pode culpar um Ainz mentalmente exausto de pensar:
“Eu pensei que nós havíamos concordado que minha palavra é a lei...”
No final, depois de inúmeras concessões e condições, o palco estava montado para essa
batalha de vida ou morte.

Um arrepio percorreu seu corpo enquanto ele considerava que ele poderia morrer. Foi
uma sensação completamente diferente do que ele sentiu durante a batalha com Shall-
tear, pois esta era uma batalha desnecessária.

Contudo—

Mesmo com toda a experiência em PVP de YGGDRASIL, percebi na batalha contra a Shall-
tear que este mundo não é um jogo. Se chegar a hora de enfrentar um jogador de nível cem
com muita experiência de combate real, não poderei ganhar sem uma quantidade equiva-
lente de experiência. Eu sei que a covardia leva à derrota.

Ainz estava muito feliz por ele ser undead e poder suprimir o medo que ele poderia
sentir pela perspectiva da morte. Se ele ainda fosse humano, ele provavelmente teria de-
sistido agora.

“Agora, Yuri..”

Ainz disse para as empregadas atrás do Evil Lord.

“Já que você e Lupusregina estão aqui, isso significa que você lutará comigo junto com o
Evil Lord? As outras não estão aqui?”

Ele não viu sinal de Solution, Entoma ou CZ. Elas devem estar em outro lugar fazendo
algum trabalho.

“Somos as únicas que vieram aqui. Nós, irmãs, vamos desafiá-lo junto com o Evil Lord
Wrath. A razão é porque a Albedo-sama sente que permitir que as pessoas deste país
testemunhem as empregadas demônios não é uma coisa ruim. Além disso, o Evil Lord
Wrath sozinho pode não ser suficiente para satisfazer o seu pedido, Ainz-sama.”

Era verdade que um único Evil Lord de nível +/-80 seria duramente pressionado por
Ainz. No entanto, mesmo a adição de Yuri e Lupusregina não o tornou um adversário
muito poderoso.

Dito isto, fatores problemáticos podem se tornar más notícias. Sofrer porque subestimei
meu oponente seria tolice. Eu melhor ficaria em guarda.

“Além disso, Albedo-sama nos mandou verificar algo com o senhor, Ainz-sama. O senhor
está realmente bem com a condição de não sair de Nazarick durante o próximo ano se
for derrotado?”

“Ah, essa foi uma das condições em que a Albedo insistiu antes de concordar com essa
luta. Se eu perder, vou passar o próximo ano trabalhando com afinco dentro da Grande
Tumba de Nazarick, com a Albedo e eu... na mesma sala... você não vai verificar as condi-
ções que o Demiurge mencionou?”

Ainz olhou para o Evil Lord, mas não disse nada. Provavelmente, sentiu que não havia
necessidade de verificar.

“Muito obrigada.”

Yuri se curvou.

Agora não haveria margem para ele mudar o plano. Enquanto pensava em quão terrível
a situação era, Ainz não pôde deixar de suar internamente.

Seria fácil matar Yuri e os outros devido à tremenda disparidade em suas respectivas
forças, mas Ainz Ooal Gown nunca permitiria isso. Matar um NPC para treinamento seria
totalmente ridículo.

Em outras palavras—

Eu tenho que matar o Evil Lord sem prejudicar a Yuri nem a Lupusregina.

Ainz não pôde deixar de rir. Isso seria um desafio e tanto. Ainda assim, seria um bom
treinamento.

“Há algo errado, Ainz-sama?”

“Não, não é nada, não se preocupe com isso.”

“Além disso, Cocytus-sama solicitou que gravássemos essa batalha para que todos em
Nazarick pudessem aprender com ela. O senhor se importa?”

Embora ele não quisesse fazê-lo porque sentia que era embaraçoso, gravar batalhas era
muito comum em YGGDRASIL. Com isso em mente, ele deveria aceitar esse pedido.

“Ainda assim, registrar os procedimentos de batalha irá desencadear a interferência das


barreiras ofensivas anti-adivinhação. Devo suspendê-las?”

“Certamente se refere as magias de detecção de adivinhações, não é mesmo, Ainz-sama?


Então não está ligada ao modelo ofensivo de magia?”

“Ah, sim, essa mesmo. Afinal, se fosse o último, seria ruim se alguém de Nazarick esti-
vesse tentando encontrar minha posição e acioná-la.”
Se ele empregasse a barreira ofensiva de magias, como ele costumava fazer no passado,
qualquer membro de Nazarick que tentasse lançar adivinhação em Ainz ficaria muito fe-
rido. Antigamente ele costumava lançar essa magia o tempo todo porque o fogo amigo
estava desligado, fazê-la agora seria perigoso.

É claro que os habitantes de Nazarick não seriam feridos pela barreira ofensiva, uma
vez que eram protegidos por um Item World-Class, mas a defesa incorreria em um custo
em moedas de ouro. Se as coisas corressem mal, despesas como essa seriam mais dolo-
rosas para ele.

“Então ~su não há necessidade de se preocupar ~su.”

“Não, seria melhor desativá-la. Além disso, barreiras ofensivas desaparecem quando
elas são ativadas e precisam ser reiniciadas. Nesse caso, posso simplesmente desativá-la
desde o início e ter alguma paz de espírito.”

“Entendi ~su, então eu conto com isso ~su.”

Ainz desativou sua barreira ofensiva.

“Tudo bem — então vamos começar a gravação de combate. Pretende usar o ponto de
vista de quem? Eu não me importo se for o meu, sabe?”

“Acho ~su que eu deveria fazer a gravação ~su.”

Na verdade, Ainz estava bem com qualquer coisa. A perspectiva de qualquer um teria
sido boa.

Além disso, as lembranças de treinar com seus amigos estavam voltando para ele, e Ainz
começou a se divertir.

Batalhas simuladas com seus amigos eram parte fundamental da criação de novas téc-
nicas e do uso de novos equipamentos.

Ele costumava lutar com Touch Me, mas essas batalhas não contavam e não haviam sido
registradas no registro PVP de Ainz.

Como Ainz nunca venceu nem uma vez, seu índice de vitórias teria caído se elas tivessem
sido registradas. Ele nunca levou a sério, simplesmente tratando-a como “treinamento”,
pois sabia que não poderia vencer. Ainz sempre enfatizou isso.

“Vamos começar então? Vocês precisam se preparar para me matar. Claro, eu não vou
matar vocês.”

“Não, na verdade, tudo bem se o senhor nos matar.”


Antes que Ainz pudesse dizer que não queria fazer isso, Yuri declarou o motivo:

“Ainz-sama, não somos os membros reais das Pleiades. Todas nós somos Grandes Dop-
pelgängers.”

“O quê!? Como assim?”

“Somos músicos da Orquestra de Cordas de Erich sob Chacmool-sama dos Cinco Piores.
Por ordem de Albedo-sama, nos transformamos em membros das Pleiades.”

“—Então é isso?”

Ele olhou para elas várias vezes mais, mas Ainz não podia dizer a diferença entre elas e
Yuri e Lupusregina que ele conhecia. Ele não podia deixar de se perguntar se isso era
uma mentira que elas estavam contando para que ele pudesse matá-las sem preocupa-
ções durante a luta.

Talvez um deles fosse falso. Ele ouvira uma vez que as melhores mentiras eram aquelas
que tinham um fundo verdadeiro.

Ainz não podia ver através do disfarce das Doppelgängers. Havia uma magia que pode-
ria dissipar o metamorfismo das Doppelgängers, mas usar essa magia os impediria de se
transformarem novamente por um período de tempo devido ao efeito. Nesse caso, tê-los
transformado nas Pleiades não teria sentido. Seria um assunto diferente se Ainz tivesse
aprendido magias de nível inferior, mas—

Não—

“Hm, parece que Lupusregina está falando diferente do normal. O que está acontecendo?”

O rosto de Lupusregina ficou em branco por um momento.

“Isso é estranho, Ainz-sama?”

A Grande Doppelgänger fingindo ser Lupusregina mudou seu jeito de falar. Esse era pro-
vavelmente seu padrão de fala usual.

“Ah, essas não são as expressões usuais que ela usa.”

“Mas Lupusregina-sama sempre falava assim na nossa frente...”

Quando um Doppelgänger se fazia passar por alguém, era mais difícil para as pessoas
mais próximas do alvo enxergarem através de seu disfarce. Isso porque eles usaram uma
forma de telepatia durante sua mudança de forma para ler os pensamentos superficiais
das pessoas com quem estavam falando e os que estavam ao seu redor para extrair in-
formações relacionadas ao alvo que estavam representando e aplicá-las na atuação ao
representa-los. Pelo menos foi isso que a entrada deles na enciclopédia dos monstros
dizia.

De acordo com Pandora’s Actor, essa habilidade se tornou real neste mundo.

No entanto, isso era simplesmente discernir as possíveis reações que o alvo personifi-
cado poderia ter, e não lia mentes nem procurava memórias.

Além disso, uma vez que essa habilidade era uma forma de ataque psíquico, era inútil
em Ainz e outras criaturas undeads. Também se poderia simplesmente resistir se a dife-
rença de nível fosse grande o suficiente. Foi provavelmente por isso que não pôde dis-
cernir as possíveis reações que Lupusregina possui de Ainz que fez o segredo ser reve-
lado.

A propósito, era mais provável que as Doppelgängers se desprendessem disso quando


enfrentassem várias pessoas, porque cada um deles teria uma impressão diferente do
alvo.

Uhum. Por que a Lupu não adicionou ~su apenas no final de suas sentenças na frente deles?
Ahh, entendi, então foi para fazê-los soar estranho. Talvez ela estivesse tentando me ajudar.
Que malandrinha fofa ela é...

“...Hm? Me desculpe. Eu tenho outra questão que não está relacionada ao combate.
Mesmo a Albedo lhe dando uma ordem, quem teria prioridade se eu dissesse para você
abandonar essa ordem?”

“Naturalmente, as palavras do Supremo teriam prioridade, Ainz-sama. No entanto, devo


sinceramente pedir desculpas por obedecer às ordens de nosso invocador, Anyami Shi-
rabe-sama, acima de tudo.”

“...Hm? Quem é esse?”

Havia um NPC assim? Enquanto a pergunta crescia em seu coração, as chamas nos olhos
de Ainz arderam quando ele ouviu a resposta da Doppel-Yuri.

“Isso seria o Temperance-sama.”

“Eh? Temperance-san? Anyami? Ahhh... bem, isso funciona como uma descrição física...
mas ainda assim, Anyami Shirabe?”

“Sim. Temperance-sama uma vez pediu para ser abordado dessa forma, então Chac-
mool-sama nos instruiu a fazê-lo também.”

“...Depois que eu retornar a Nazarick, gostaria de ouvir tudo sobre isso. Anyami Shirabe,
huh.”
Esta foi a primeira vez que ele o ouviu se referir a si mesmo dessa maneira.

Ainz não pôde deixar de rir quando soube que um antigo-amigo se referiu a si mesmo
daquele jeito em um lugar onde ninguém mais sabia. Esta foi realmente uma armadilha
astuta, destinada a diminuir seu espírito de luta.

Ah não, não. Eu não devo cair na armadilha do Anyami Shirabe! Fu, fufu...

Embora soubesse que não era o momento certo para fazê-lo, ele se lembrou do membro
da guilda em questão.

Como ele parecia e sentia quando deu esse nome?

Ainz estreitou os olhos enquanto se lembrava de seu amigo do passado, e então ele viu
um olhar surpreso no rosto da Doppel-Yuri enquanto ele inclinava a cabeça. Ainz sentiu
que ele se tornou descuidado e se recompôs.

Ele poderia se lembrar de seus velhos amigos mais tarde. Agora, ele deveria analisar as
palavras da Doppelgänger.

Depois disso, gostaria de questionar todos os vassalos e NPCs sobre o que eles estão escon-
dendo. Fufufu — Então! Outra pergunta me veio à mente...

Na ausência de uma ordem direta, vassalos como Doppelgängers obedeceriam ao NPC


encarregado deles. Nesse caso, o que aconteceria se um certo NPC quisesse matar Ainz e
reunisse muitos vassalos de alto nível e ordenasse que atacassem Ainz com seus golpes
mais fortes? Claro, isso aconteceria enquanto Ainz não conseguisse detectá-los ou detê-
los.

Eles realizariam essa ordem? Ou eles desobedeceriam?

“...Você também está pronto para vir até mim como se quisesse me matar, é isso?”

“Sim. Essas são as ordens que recebi e determinei que também tenho sua permissão,
Ainz-sama.”

A resposta da Doppel-Yuri fez Ainz enrugar suas sobrancelhas inexistentes.

...Isso não é perigoso? Provavelmente, é melhor ver exatamente onde está o limite.

Se até mesmo Ainz pudesse pensar nisso, Albedo provavelmente teria verificado isso
por si mesma. Ainda assim, ele deveria ter certeza, apenas no caso. Ele não podia deixar
um buraco na segurança sem concertá-lo.
“...De fato. Eu permito que você use todas as suas habilidades para me matar nesta ba-
talha. Em seguida, jure o nome de Ainz Ooal Gown mais uma vez. Você pode jurar que o
que você disse sobre suas verdadeiras identidades é a verdade?”

“Sim. Isso nós juramos sobre os nomes de todos os Seres Supremos.”

Yuri e Lupusregina transformaram suas mãos em objetos de aparência alienígena.

“—Ah!”

“O quê? O que é isso, Doppel-Yuri?”

“Ainz-sama, há uma coisa que eu esqueci. Nosso equipamento foi emprestado das Plêia-
des. Portanto, podemos nos incomodar em recuperá-los para nós se formos mortos?”

Doppelgängers poderiam até copiar as roupas e equipamentos de seus alvos se quises-


sem. No entanto, eles só podiam duplicar as aparências e não as habilidades do equipa-
mento. Já que eles não ganhariam nenhum benefício com o equipamento, ao lutar contra
um magic caster como Ainz, a diferença entre eles seria assim entre o céu e a terra. Por-
tanto, não tiveram escolha senão pegar emprestado das originais.

Grandes Doppelgängers podem imitar pessoas de até o nível sessenta. No entanto, diferen-
temente dos NPCs, eles só podem copiar até noventa por cento das habilidades dos originais.
Mesmo que possuam equipamentos das Pleiades, não há necessidade de se preocupar... com
isso? Nesse caso, matá-los seria um grande desperdício. Afinal, eles são vassalos mercená-
rios, o que significa que convocá-los custa dinheiro — como eu pensava, eu deveria deixá-
los impotentes. Eu preciso colocar isso nas regras depois?

“Tudo bem! Eu adicionarei mais uma regra. Uma vez que as Grandes Doppelgängers fi-
carem perto da morte, vocês se darão por vencidas. Vou monitorar sua saúde com 「Life
Essence」. Você pode esconder seus pontos de HP, não pode?”

Depois que Yuri respondeu afirmativamente, Ainz assentiu:

“Então, suprima essa habilidade por um tempo. Se eu julgar que você vai morrer depois
de um golpe leve, eu vou chamar o seu nome e descartá-lo. Nesse caso, você contará como
morto. Deixe a área de batalha imediatamente. Além disso, a mesma coisa se aplica ao
Evil Lord Wrath. Se eu declarar vitória, o combate terminará. Você entende?”

O Evil Lord Wrath e as duas Doppelgängers indicaram que entenderam.

“Muito bem. Então, começaremos quando a moeda chegar ao chão... cerca de vinte e
cinco minutos se passaram, então acho que eles não vão reclamar, mesmo se começar-
mos.”
Ainz lançou 「Life Essence」 e depois tirou uma moeda de ouro. Claro, isso não era uma
moeda de ouro de YGGDRASIL, mas uma moeda de ouro comercial usada neste mundo.

“E quanto aos buffs?”

“Arranjar tempo para se aprimorar com buffs também faz parte do treinamento de com-
bate.”

Depois de responder assim a Doppel-Lupusregina, Ainz se afastou deles, então jogou a


moeda com o polegar para que caísse entre os dois.

Quando a moeda bateu no chão, Ainz pulou para trás, depois jogou as mãos para fora e
gritou:

“Absolute Immunity Barrier!”

Ele viu o Evil Lord e as duas Doppelgängers paralisarem por um momento. No entanto,
o Evil Lord e a Doppel-Yuri imediatamente recuperaram-se.

Foi isso. Essa foi a resposta certa.

As ações anteriores de Ainz foram sem sentido. Não havia nenhuma habilidade chamada
“Absolute Immunity Barrier” em YGGDRASIL — ou pelo menos, não deveria ter, até onde
Ainz sabia. Ainda assim, Ainz gritou esse nome não apenas para fingir, mas também por
um motivo diferente.

Ah— parece que estão um pouco lentos. Será que pensam que algo foi feito para eles e se
tornaram um pouco tímidos agora? Bem, isso é o que acontece quando você se pergunta se
caiu na armadilha do inimigo.

Seus movimentos eram restritos pelo desconforto que vinha do fato de que tal técnica
poderia realmente existir neste mundo. Pode-se dizer que essa finta foi bem-sucedida
porque ainda havia coisas desconhecidas por aí.

Claro, isso não foi simplesmente por causa do desconhecido. Um bom exemplo foi a ca-
pacidade do Ainz de criar undeads.

Em YGGDRASIL, não existia o uso de um cadáver como meio para ignorar a duração dos
undeads criados. Esta aberração só surgiu depois de vir a este mundo. Pode-se imaginar
que houve muitas outras mudanças semelhantes que aconteceram no processo de vir a
este mundo. Não, só um tolo não pensaria em tais coisas.

Em outras palavras, tomar decisões apenas com o conhecimento de YGGDRASIL era


muito perigoso.

Eu deveria discutir isso com a Albedo... os outros e Cocytus incluso.


Ainz lançou uma magia silenciosa 「Fly」 e começou a pensar enquanto se retirava para
a retaguarda, mantendo uma distância fixa de seus perseguidores.

Albedo disse que destruir o Reino levaria cerca de dois anos de preparação. Devo coletar
informações até então? Expandir a nação significa expandir o contato com o exterior... Eu
deveria fazer essas perguntas para a Albedo e Demiurge e obter suas opiniões. As ilusões
parecem ser surpreendentemente poderosas, pode ser muito ruim se nós não tomarmos
cuidado com elas. Parece que você poderia fazer muito com eles se fosse inteligente. Se eu
encontrar um ilusionista habilidoso, provavelmente deveria tratá-lo bem para recrutá-lo.
Fluder— whoa!

O Evil Lord tinha ultrapassado a magia 「Fly 」 de Ainz em um instante. Infelizmente,


voar não era tão rápido.

“!”

Depois de dar um soco no punho grande como um martelo do Evil Lord, Ainz sentiu dor
— embora tenha sido imediatamente reprimida. Embora ele tivesse sentido o mesmo
durante a luta com Shalltear, ele estava mais uma vez agradecido por este corpo que po-
deria suprimir sua dor. Ainz poderia lutar graças a isso.

Depois disso, o Evil Lord perseguiu Ainz — que havia sido derrubado no ar — e encur-
tou a distância entre eles.

Para Ainz, essa era a pior coisa que poderiam ter feito.

Yuri circundou atrás de mim. Estão usando um ataque de pinça de duas pessoas que podem
causar dano por concussão, que é minha fraqueza. Enquanto isso, Lupusregina está man-
tendo distância e lançando magias... hm, isso é um bônus. Quem diria, esta é a melhor ma-
neira de lidar com os magic caster. Isso é por causa da I.A de combate do Evil Lord? Ou é
porque está escolhendo movimentos da mente de seu conjurador, Demiurge? Bem, tudo
bem.

Se eles não o deixassem manter distância, então ele simplesmente teria que criar seu
próprio espaço.

“「Greater Teleportation」.”

Seu campo de visão imediatamente se abriu e a cidade se espalhou abaixo dele. Em cir-
cunstâncias normais, ele não teria sido capaz de se teletransportar para um destino des-
conhecido, mas estaria tudo bem, desde que estivesse dentro da linha de visão. Tendo
teleportado um quilômetro acima do solo sem qualquer hesitação, Ainz lançou outra ma-
gia.

Foi 「Body of Effulgent Beryl」.


Esta magia era excepcionalmente eficaz porque Yuri e o Evil Lord causaram danos por
concussão.

“Claro, isso não é tudo que há para isso.”

Ainz murmurou enquanto olhava para o chão:

“...Se a Bukubukuchagama-san ou Variable Talisman-san estivessem aqui, as retaguar-


das não seriam espancadas.”

Ao jogar como uma equipe, os gerenciadores habilidosos em relação ao aggro como tan-
ques não cometeriam erros como permitir que os magic casters na retaguarda fossem
atacados.

Durante o tempo em que eles pararam de jogar — quando Ainz tinha que sair sozinho
para ganhar o dinheiro para a manutenção de Nazarick, ele tinha usado NPCs mercená-
rios para permitir que ele agisse com impunidade. A única vez que ele realmente lutou
sozinho foi na batalha contra Shalltear. Talvez por isso ele não pudesse deixar de recla-
mar.

Estavam a alguma distância, de modo que ele não tinha idéia de onde estava o Evil Lord,
mas tinha uma idéia aproximada da localização da praça. Embora bombardear a área
com magias de ataque fosse uma tática válida, isso seria inútil. Pode-se dizer que o obje-
tivo desta vez foi vencer em uma competição completa com a oposição.

“「Widen Magic: Delay Teleportation」!”

Pensando nisso, eu costumava ficar chateado com o gerenciamento de agro medíocre que
os NPCs mercenários faziam. Essa era provavelmente a maneira dos desenvolvedores dize-
rem: “Por favor, agrupe-se com outros jogadores” ou algo assim.

Ele então confirmou que algo grande iria se teletransportar acima dele, dentro da área
da magia 「Delay Teleportation」— o Evil Lord. Graças ao efeito do 「Delay Teleporta-
tion」, levaria algum tempo até que aparecesse de fato. Em outras palavras, significava
que esses dois fracos inimigos que haviam perdido seu escudo mais forte estavam com-
pletamente expostos diante dele.

Para enfraquecer a força de combate do inimigo, ele deve derrotar os dois mais fracos
primeiro. Ainz deixou a gravidade reivindicá-lo e depois acelerou ainda mais com
「Fly」.

A velocidade adicional da queda livre significava que ele estava se movendo muito rá-
pido. O ar atingia o rosto de Ainz e passava por ele. Ao mesmo tempo, Ainz abriu os olhos
e observou a praça.
“Embora eu pense que se esconder em uma casa teria sido melhor...”

Ainz murmurou e então selecionou Lupusregina — que estava orgulhosamente de pé


no meio da praça — como seu alvo.

Yuri estava a alguma distância. Mesmo ela o detectando, ela não parecia estar preparada
para interceptá-lo. Deixar o curandeiro sozinho era bastante frustrante, mas Yuri tinha
tomado a decisão certa, considerando que ela tinha que ter cuidado com as magias de
efeito de área.

Ainz parou quando ele resvalou pelo chão — na verdade, ele não teria se machucado
mesmo se tivesse batido diretamente — e lançou uma magia.

Ainz escolheu uma das magias mais destrutivas de 10º nível em seu arsenal, 「Reality
Slash」. Ao mesmo tempo, ele usou uma habilidade especial para maximizar a magia.
Embora ele pudesse ter triplicado a magia ou algo similar para causar muito dano, seria
muito perigoso, embora ele não soubesse quanto dano as Doppelgängers haviam sofrido.
Ele tinha que evitar a possibilidade de matá-los por acidente.

“「Maximize Magic—」”

Quando ele levantou a mão, sua mão foi golpeada e danificada, e a magia fracassou. A
mana gasta em o lançar foi desperdiçada.

O quê? Interferindo com uma magia através de um ataque à distância? É algum tipo de
habilidade especial?

Talvez fosse por ele ser um undead, ou por ser um jogador veterano, mas sua confusão
durou apenas um momento. Ainz imediatamente analisou o ataque que ele havia rece-
bido.

Nem o Evil Lord, nem Yuri nem Lupusregina possuíam habilidades como esta.

Talvez seja o titular do item World-Class que fez lavagem cerebral em Shalltear—

E se os Hanzos não tivessem detectado—

Se fosse um usuário de arma de longo alcance—

Se fosse ela, ela poderia usar uma habilidade especial para interferir com magias—

“—Eu cai nisso!”

Ainz gritou quando encontrou a resposta.


Embora Yuri tenha se aproximado e dado um soco, Ainz já havia aumentado sua defesa
com uma magia, então ele não precisava ser tão cauteloso com ela. Afinal, havia algo mais
importante que isso.

A coisa toda foi uma armadilha desde o começo! Não, Yuri —Entendi! “Aqui” estava se
referindo à praça! Foi por isso que os Hanzos disseram que “as Pleiades” estavam presentes!
Droga! Eu estava me perguntando o porquê elas disseram “todas nós” mesmo quando esta-
vam apenas dois lá!

Todos os pontos de dados fizeram uma bela linha.

CZ estava atacando agora.

Não apenas Yuri e Lupusregina que estavam presentes. CZ também estava no campo de
batalha. Com toda a probabilidade, Solution e Entoma estavam aqui também.

Todas as Doppel-Pleiades estavam presentes na cidade.

Não, não, preciso me acalmar. A Doppel-CZ teve apenas sorte. Foi bastante fácil resistir a
isso por causa da diferença de nível entre nós. Ela não vai ter tanta sorte — bem, falta de
sorte — da próxima vez.

“「Greater Word of Curse」!”

O Evil Lord finalmente o alcançou e lançou uma magia, mas Ainz resistiu sem problemas.
Era apenas ameaçador em combate próximo, então tudo o que ele tinha que fazer era
manter distância.

Ainz ignorou o Evil Lord acima dele e ignorou Yuri, que tinha feito apenas um dano mí-
nimo desde o início. Então se preparou para dar um bote direto para Lupusregina.

Naquele momento—

Incontáveis Insetos Bala vieram do lado. Não havia dúvida de que era Entoma.

Ele nem precisou usar sua 「High Tier Physical Immunity」 para pará-los. Isso porque
os ataques de alcance não-mágico não podiam prejudicar Ainz.

Talvez se fosse uma arma carregada pelas Pleiades, a imunidade de Ainz teria sido der-
rotada graças à enorme quantidade de dados dentro delas. O melhor exemplo disso fo-
ram os ataques de CZ e Yuri a partir de agora. No entanto, determinadas habilidades fo-
ram calculadas com base no nível do usuário. Entoma era um excelente exemplo, já que
ela possuía muitos desses ataques baseados em nível de usuário.
Entoma estava apenas no nível 50, então seus ataques não incomodavam Ainz. Além
disso, se todo o dano de um ataque fosse anulado, nenhum dos efeitos subsequentes
ocorreria também.

Portanto, ele poderia ignorá-la.

Ainz nem sequer olhou para a Entoma quando ele se aproximou para acabar com a cu-
randeira, mas então, Solution explodiu de seu ponto de emboscada na frente de Lupus-
regina. Teria sido um gesto fútil se ela estivesse lidando com um ataque de efeito de área,
mas essa era a única maneira de proteger a curandeira.

No entanto, Solution tinha cometido um erro fatal. Por Ainz ser um magic caster e não
precisava se aproximar para atacar. Tudo o que ele precisava fazer era lançar ataques
mágicos à distância. Ele teve que pensar sobre o porquê ela iria atacar na frente de Lu-
pusregina.

Ainz tinha apenas um objetivo.

Ele queria expor o inimigo e revelar qualquer carta que tivesse na manga.

Narberal não está por perto?

Ele não entendeu. Ela não estava entre as empregadas demônios que atacaram a Capital
Real. No entanto, ninguém poderia descartá-la se todas as Pleiades estivessem presentes.
Era possível que elas estivessem salvando seu ás na manga pelo último momento. Ainda
assim, desde que ele sabia que tipo de mão a oposição tinha, não havia razão para conti-
nuar lutando no meio do inimigo.

“「Greater Teleportation」.”

CZ não interrompeu sua magia, e ele conseguiu se teletransportar sob um teto dentro
da linha de visão.

Eu preciso lembrar o que a Yuri e as outras podem fazer. Quem devo matar primeiro? —
Lupusregina, a curandeira. Mas eu preciso ter muito cuidado com a CZ... Eu não tenho idéia
de onde ela está... então vou deixar as outras irem primeiro. O Evil Lord vai levar mais
tempo, então vou deixá-lo para o fim.

Ele viu Lupusregina lançando uma magia em Solution. Elas não perseguiram Ainz por-
que a batalha não era um problema para elas? Não, foi porque elas entenderam que desde
que Ainz poderia se mover à vontade com 「Greater Teleportation」, elas poderiam ser
facilmente dispersas e individualmente derrotadas. Afinal, Ainz também esperava por
isso.

Não importava se elas enxergassem através de suas intenções.


Tudo o que ele tinha que fazer era atormentá-las com magias de longo alcance e depois
derrotá-las uma por uma. Enquanto CZ, a especialista em combate à distância, estava
presente, ela acabaria por se expor se atacasse continuamente. Portanto, ela só atacaria
em momentos críticos. Nesse caso, ela não seria tão assustadora. Ou melhor—

“Eu não a vi, então deixe-me adivinhar, você está no lugar de Narberal.”

Ainz murmurou para si mesmo enquanto observava o Evil Lord aterrissar.

“Haha, você engordou, Narberal. Vamos chamá-la de Gorilona agora? E o seu elemento
mudou muito também. Bem — isso é interessante. Se as Doppel-Pleiades são meus opo-
nentes—”

Ainz floresceu sua capa. Claro, não havia sentido para isso; ele simplesmente queria se
exibir como um rei:

“Então eu devo levar um pouco mais a sério.”

Não morram~

“「Twin Maximize Magic: Rea—”

Assim que Ainz estava prestes a lançar uma magia em Lupusregina, outra bala atingiu o
braço de Ainz e o interrompeu.

“—Hah?”

Impossível.

Mesmo que tivesse conseguido uma vez por sorte, ela não poderia ter o interrompido
duas vezes seguidas. CZ era um nível muito inferior ao de Ainz.

Ele poderia ter tido o azar de falhar em sua checagem de resistência duas vezes segui-
das? Quão improváveis eram essas chances? Ou talvez isso não fosse azar, mas certeza
— por exemplo, se seu oponente não era a CZ que ele conhecia?

O Evil Lord Wrath bateu suas asas de fogo e se aproximou de Ainz. Yuri veio da direita,
e Entoma voou da esquerda de uma forma indireta.

O que é isso? Por que isso está acontecendo? Isso é alguma mudança que ocorreu depois
de vir a este mundo? Ou o Garnet-san deu alguma coisa para a CZ? Ou não é a CZ? O que a
Yuri disse antes? Elas são irmãs, mas são Doppel... Pandor— ahhhh!

O Evil Lord havia chegado perto e então levantou a mão, preparando-se para fazer um
golpe absurdamente poderoso.
Droga! Eu odeio pessoas assim, que já vem querendo socar! Se você é um substituto da
Narberal, então ataque com magia! Seu Gorilão maldito!

Bem, se o Evil Lord tivesse realmente lançado uma magia em Ainz, ele teria resistido,
então teria sido chato de qualquer maneira.

Ainz não hesitou; Ele entrou antes que seu inimigo pudesse se aproximar por completo.

O Evil Lord havia adivinhado que Ainz fugiria, então seus movimentos diminuíram a
velocidade. Atrás dele estava Yuri, que provavelmente estava planejando flanquear Ainz
com o Evil Lord.

O golpe do punho flamejante — era só distração, razão pela qual Ainz conseguiu evitá-
lo ao entrar no alcance do golpe.

Os braços assobiaram por suas orelhas, e o vento em seu rastro soou como um grito.

Um magic caster puro evitou o ataque de um monstro do tipo guerreiro.

Enquanto pensava que isso seria impossível se ele ainda fosse um jogador de YGGDRA-
SIL, isso não se devia à sorte. Como mencionado anteriormente, o Evil Lord não esperava
que Ainz entrasse no ataque, então ele não usou toda a sua força. E então houve outro
ponto, que foi o resultado de seu treinamento.

Ainz tinha praticado este método de desviar de seu oponente, pois havia treinado cen-
tenas de vezes com Cocytus. Cerca de uma em cada dez vezes, se Cocytus não estivesse
atacando seriamente, ele poderia passar completamente por tais golpes.

Cocytus disse que um bom guerreiro nunca faria ataques incrivelmente chamativos e tele-
grafados, então eu não deveria ficar descuidado... mas é muito útil em uma luta real, não
é?

E assim, Ainz colocou sua mão ossuda no peito robusto do Evil Lord.

E então ele lançou uma magia ao toque.

Mesmo que a maioria das magias tenha um alcance efetivo, algumas tinham um alcance
praticamente zero. Tais magias necessitavam de contato direto com o alvo, então apenas
pessoas com níveis em classes de spellcasters ou de guerreiros poderiam usá-las bem.
Isso porque eram inconvenientes assim como poderosas magias de nível similar, sendo
mais ou menos um nível efetivamente aproximado.

A especialidade de Ainz era necromancia, e esta foi uma magia de 8º nível dessa especi-
alidade, 「Energy Drain」. Uma magia que drenava os níveis do oponente e concedia
vários benefícios, dependendo da quantidade de níveis drenados. Naturalmente, essa
magia também foi maximizada.
Ele quebrou a resistência mágica do Evil Lord e drenou seus níveis. Graças a isso, ele
recuperou quase todo o dano que Yuri infligiu. Dito isto, a cura proporcionada por essa
magia era apenas de natureza suplementar.

Os parâmetros de Ainz foram todos aprimorados temporariamente e ele recebeu um


buff especial que desapareceria em pouco tempo. Por sua vez, o Evil Lord havia recebido
um debuff de baixo nível que não podia ser removido pela passagem do tempo.

Desta vez, foi o Evil Lord que recuou.

Seu rosto irado estava preenchido por outra coisa.

Surpresa, ou seria admiração?

Ainz queria elogiar a si mesmo por ter evitado com sucesso esse golpe. Dito isto, ele
conseguiu porque sua oposição tinha sido muito arrogante. Assim como um truque de
mágica se tornava chato quando o truque era descoberto, esse movimento provavel-
mente não funcionaria uma segunda vez.

“Bem, por melhor que seja um plano, apenas um idiota o usaria mais de uma vez. Não
está certo — Pleiades! Aureole Omega!”

Esse era o motivo.

Ele estava lutando contra cinco Doppelgängers, o Evil Lord Wrath e um NPC de nível
100.

Albedo está tentando me fazer perder? Eu não tinha idéia que ela usaria a Aureole.

Aureole Omega, a última a nascer das sete irmãs das Pleiades. Ela era uma Guardiã de
Área do 8º Andar e um NPC de nível 100 especializada em profissões do tipo comandante.
Como comandante, ela poderia emitir ordens que melhorassem seus aliados. CZ deve ter
conseguido superar a diferença de nível graças a isso.

Embora ele não tivesse idéia de que tipo de habilidade especial que Aureole usara, se
alguém visse papéis de grupo como atacante físico, atacante mágico, curandeiro e assim
por diante, então ela seria um coringa — uma polivalente. Não era estranho que ela fosse
capaz de fazer qualquer coisa.

O que exatamente o Punitto Moe-san faria?

Ainz nunca enfrentou seus oponentes durante o PVP, então Ainz tinha pouca experiên-
cia em lidar com oponentes do tipo comandante.
Ela não pode ter saído do 8º Andar e vir aqui sem minha permissão. Isso significaria que
ela deve ter usado buffs nas Doppelgängers antes de virem para cá. Isso significa que ela
provavelmente não os buffou cuidadosamente —ou não, existe uma Doppelgänger da Au-
reole aqui?

—Não. Não houve tempo para pensar em tais coisas inúteis. Apenas uma coisa impor-
tava. Elas poderiam interromper completamente os lançamentos mágicos de Ainz, elas
poderiam continuar assim para sempre?

Havia dois tipos de habilidades especiais em YGGDRASIL. Um tipo tinha um período de


espera após o uso. O outro tinha um período limitado de utilizações dentro de um deter-
minado período. Houve também combinações dos dois.

Em geral, quanto mais poderosa a habilidade, maior o tempo de recarga ou menor o


tempo de uso. O trunfo de Ainz — 「The Goal Of All Life Is Death」 — que só poderia ser
usado uma vez a cada 100 horas, era uma dessas habilidades.

Nesse caso, qual tipo a habilidade da CZ de interromper o lançamento de magias de Ainz


pertence?

Esse movimento de agora era muito útil, mas não parecia ter um longo tempo de espera.
Isso significaria que era o tipo de uso limitado. No entanto, ele não sabia dizer quanto
tempo levaria para recuperar seus usos. Tudo o que ele podia fazer era esperar que ela
não pudesse recuperá-los durante o curso da batalha depois que elas estivessem esgota-
das.

—Mesmo eu ainda pensando que devo guardar minhas magias de décimo nível para
quando elas estiverem esgotadas...

Ainz rapidamente verificou as posições das Pleiades e do Evil Lord. O Evil Lord estava
na frente dele. Yuri estava atrás dele — e se preparando para golpear Ainz. Enquanto
seus ataques melhorados por Ki poderiam até quebrar aço, eles eram de pouca preocu-
pação diante dos níveis de Ainz. Depois de reconfirmar que o Evil Lord era o perigo real,
ele voltou sua atenção para os outros.

Entoma estava dentro de uma casa no lado esquerdo da praça. Lupusregina estava na
praça. Solution ficou na frente dela, como se ela estivesse a protegendo. A localização de
CZ era desconhecida.

Embora não conhecer a posição de um sniper fosse o pior cenário possível, o fato de o
inimigo estar agora disperso era o melhor caso para ele.

Ainz bufou.

Embora soubesse que agora não era hora de rir, ele não resistiu à alegria que crescia
dentro dele.
Isso sim é interessante!

“Tudo bem, agora saia da minha frente. 「Maximize Magic: Nuclear Blast」!”

“!”

Diante dos olhos de Ainz, o espaço entre ele e o Evil Lord brilhou e inchou, consumindo
tudo em um instante. Yuri ficou surpresa, mas isso era de se esperar, porque Ainz tam-
bém havia sido englobado pelo ataque.

Usando a magia de 9º nível, 「Nuclear Blast」, como um ataque foi uma escolha ques-
tionável. Ela causava dano composto — meio fogo, meio concussão —, uma das magias
mais fracas do 9º nível em termos de dano.

Considerando que o Evil Lord Wrath possui imunidade ao fogo, esta magia não deveria
sequer ter sido considerada nesta luta. Mesmo assim, Ainz tinha suas razões para usar
essa magia.

Primeiro de tudo, tinha uma área muito grande de efeito. Era superior a quase todas as
outras magias nesse aspecto. Além disso, essa magia também gerou todos os tipos de
efeitos de status negativos, como envenenamento, cegueira, surdez e assim por diante,
mas qualquer coisa do nível do Evil Lord seria capaz de resistir apenas com as estatísticas
brutas e o equipamento das Pleiades deveria as tornam-nas imunes a todos esses efeitos.
A principal razão pela qual ele escolheu esta magia foi porque ela também possuía um
poderoso efeito colateral.

Claro, Ainz também seria danificado por esta magia. Já que o fogo amigo estava desati-
vado em YGGDRASIL, usar uma magia de forma tão imprudentemente não seria um pro-
blema, mas agora ele estaria se machucando. Mesmo que sua defesa mágica fosse muito
alta, não havia necessidade dele sair do caminho para receber dano para lançar sua ma-
gia. Em vez de agir como um homem-bomba, ele deveria ter escolhido outra magia.

No entanto, Ainz já havia descartado isso.

Se ele gastasse a magia 「Body of Effulgent Beryl」 para parar todo o dano de concus-
são, o dano elementar de fogo também seria negado, o que significaria que ele não seria
ferido. Além disso, todos esses status negativos foram ineficazes para os undeads.

Em outras palavras, Ainz não foi danificado pelo próprio ataque.

Se ele resistisse completamente a seu dano, o efeito colateral também seria anulado, e
assim Ainz era o único que permanecia de pé no coração da explosão.

“Hahah.”
Ainz riu. Afinal, a sensação de que tudo estava indo como planejado era muito revigo-
rante.

O objetivo de Ainz era explodir o inimigo e rasgar a formação do inimigo em pedaços.

Por um momento, Ainz imaginou brevemente os membros da guilda que lhe ensinaram
várias coisas — incluindo essa tática.

Tanto a batalha simulada anterior como até esta batalha em que o fracasso significava a
morte lembraram Ainz de YGGDRASIL, o que o deixou estranhamente feliz.

Eu já me perguntei sobre isso antes, mas eu não acho que sou um maníaco por batalhas...

“Venha, ainda não acabou. A batalha está apenas começando. Eu vou te mostrar a força
de todos que me nutriram.”

Libertar a fúria daquela magia do 9º nível significava que os prédios vizinhos haviam
sido todos dizimados, e agora havia muito espaço.

Não é algo que dava para evitar. Afinal, esta cidade sobrevivera à sua utilidade.

Ele poderia ter ampliado a magia para tentar pegar CZ na explosão. No entanto, Ainz
estava preocupado com os problemas que poderiam resultar da destruição de grande
parte da cidade, então ele não o fez. Por tudo o que ele sabia, poderia ter sido um erro.

Esqueça, deixarei por isso mesmo. O que resta é—

Ainz olhou na direção de Lupusregina. O envolvimento do inimigo estava em frangalhos.

Mesmo com os buffs de Aureole, elas não podiam evitar o efeito colateral, e Ainz podia
ver o inimigo ficando rapidamente a seus pés.

“Isso é sobre todo o dano, então o 「Nuclear Blast」 deveria ser capaz de fazer, então—”

Ainz voou em direção a Lupusregina e lançou 「Reality Slash」.

Desta vez, ele não foi interrompido por CZ, e o corpo de Lupusregina espirrou uma fonte
de sangue.

“「Widen Magic: Shark Cyclone」.”

Um ciclone extragrande passou a existir atrás dele, engolindo Yuri e o Evil Lord. Isso era
para obscurecer a visão de Yuri e do Evil Lord e também para comprar o tempo de Ainz.
Na verdade, Ainz tinha planejado criar um ciclone antes do 「Nuclear Blast」 para blo-
quear a visão e depois livrar-se de Yuri primeiro, mas depois de considerar que o Evil
Lord poderia sair facilmente da magia, ele decidiu não ir com esse plano. Em vez disso,
decidiu usá-la quando o inimigo estivesse confuso.

Ainz ouviu o som de pedras sendo deslocadas quando viu Entoma empurrar um pilar
de si enquanto se levantava.

Ele não tinha idéia de onde CZ estava agora. Idealmente, ela estaria presa debaixo de
uma casa caída.

“Ele vem aqui! Pare ele!”

Solution gritou de seu lugar na frente de Lupusregina, mas sua voz não pôde alcançar
os ouvidos de Yuri e do Evil Lord, que estavam dentro do ciclone. Yuri em particular es-
tava se movendo desesperadamente dentro do ciclone para evitar ser arremessada. En-
quanto certas classes poderiam usar magias ou habilidades especiais para se teletrans-
portarem ou se tornarem incorpóreas e assim escaparem facilmente do ciclone, ela não
parece possuir tais habilidades.

E isso significaria que Yuri se concentrou em fortalecer outras coisas—

Depois de rever esta batalha, eles devem entender que equipamento precisariam ter e
quais preparações precisam fazer, certo? Não, não é isso...

Se fossem as verdadeiras Pleiades, poderiam ter conseguido lidar melhor com isso. Mas
eram simplesmente Doppelgängers copiando as habilidades das Pleiades. Só fazia sen-
tido que perdessem quando a batalha ficasse séria em termos de habilidades de combate.

Quando Ainz encurtou a distância e se preparou para lançar 「Reality Slash」, insetos
caíram do céu um após o outro. Eram insetos grandes de transporte sem capacidade de
combate. O objetivo desta ação foi simplesmente bloquear a linha de visão de Ainz.

Tal uso não seria possível em YGGDRASIL. Mesmo assim, Entoma — embora na verdade
uma Doppelgänger — poderia usá-los dessa maneira. Ainz deu graças em seu coração
quando ele incitou uma magia.

“「Greater Teleportation」.”

Depois de teletransportar-se no ar e evitar a chuva de insetos, Ainz lançou 「Twin Ma-


ximize Magic: Reality Slash」.

Mesmo que CZ tivesse Ainz em sua mira, o fato de seu alvo ter se teleportado de repente
para o ar significava que ela o perderia. Afinal de contas, a fraqueza do corpo humanoide
era a sua incapacidade de seguir o movimento súbito para cima e para baixo com os olhos.
Dito isso, se ele estivesse enfrentando um atirador experiente como o Peroroncino, por
exemplo, seria capaz de antecipar os movimentos do oponente, mesmo no plano vertical.
Portanto, era possível que ninguém pudesse escapar com magia de teletransporte.

A pontaria de Peroroncino-san teria sido como travar a mira... CZ, você precisa se esforçar
muito para chegar ao nível dele...

Enquanto ele se deliciava com a nostalgia, Ainz gritou:

“Lupusregina, fora!”

Ter que lutar mantendo um olho no HP de seus oponentes era muito difícil. Alguém po-
deria até chamar isso de desvantagem. Portanto, se lhe perguntassem se o HP de Lupus-
regina estava realmente esgotado, Ainz não seria capaz de responder com alguma confi-
ança. Mesmo assim, ele teve que evitar qualquer chance de matar Lupusregina por causa
de um momento de descuido.

Ela é uma Doppelgänger, então não só ela é mais fraca que a original, mas seu HP não é o
mesmo que o da Lupusregina. Certo, agora que tirei o magic caster do inimigo, é hora de
ser um cretino. 「Perfect Unknowable」.

Embora houvesse maneiras de descobrir Ainz depois de ser afetado pelo 「Perfect
Unknowable」 sem a ajuda de itens mágicos, o único membro das Pleiades que poderia
fazê-lo era Lupusregina, o Evil Lord deveria ser incapaz de detectá-lo também. Portanto,
provavelmente seria seguro dizer que eles não tinham como lidar com esse meio dissi-
mulado de ataque.

Já que eu tirei a curandeira do inimigo, eu deveria procurar por CZ. Não me diga que ela
está gastando itens consumíveis?

Pessoalmente, Ainz não podia perdoar o desperdício da riqueza de Nazarick em uma


batalha como essa.

“Onde ele está?”

“Ele se foi! Ele está usando 「Invisibility」?”

“Eu posso encontrá-lo se ele estivesse invisível! Mas ele não está lá!”

“Isso é algum outro tipo de invisibilidade?”

Ele podia ouvir a confusão.

“Seus idiotas! Ele está usando o 「Perfect Unknowable」!”

“Lupusregina! Você está trapaceando!”


Ainz gritou, mas graças ao 「Perfect Unknowable」, outros não puderam ouvi-lo.

Ainz coçou a cabeça.

O Evil Lord e Yuri pareciam ter saído do ciclone e agora estavam procurando por Ainz.
Enquanto a melhor opção teria sido lançar outro 「Nuclear Blast」 neles, isso poderia
acabar matando Lupusregina, então Ainz abandonou essa idéia. Em vez disso, ele desceu
e manteve o controle da posição de Yuri ao mesmo tempo. Depois disso, ele comparou a
quantidade de HP que Yuri estava perdendo com em relação aos outros, e verificou que,
além do dano causado pela concussão, ela também havia recebido dano de fogo do ataque
mágico anterior—

“「Triplet Maximize Magic: Vermilion Nova」!”

Ainz usou o nível mais alto — sem contar as magias de Super-Aba — com um único
ataque de elemento de fogo com alvo único que ele conhecia e mirou em Yuri.

Era de se esperar que houvesse magias do 10º nível que poderiam causar dano elemen-
tal de fogo.

Por exemplo, 「Stream of Lava」, 「Uriel」 e similares. No entanto, o uso daqueles


apresentou problemas para Ainz.

Primeiro, Ainz não conseguiu conjurar 「Stream of Lava」. Era uma magia divina que
só podia ser usado por um druida como Mare.

「Uriel」, por outro lado, era uma magia que poderia ser aprendido por qualquer tipo
de magic caster, desde que os requisitos para aprendê-la fossem cumpridos, mas ele só
causaria sua série de danos quando lançado por um magic caster com valores de carma
altamente positivo. Seu dano diminuía conforme o valor de um carma diminuía, e para
alguém como Ainz, causaria menos dano do que uma magia de 1º nível.

Portanto, essa magia era a única escolha de Ainz quando se tratava de usabilidade.

A saúde de Yuri caiu drasticamente.

“「Perfect Unknowable」.”

“Ele desapareceu de novo!”

“Isso é injusto!”

“Se ao menos o Ainz-sama lutasse de forma justa e honesta!”

Não, não, você está errada por não ter sequer pensado nisso.
“E além disso, não tenho idéia de onde está a CZ! Vocês três nunca disseram nada sobre
quem estava participando dessa batalha! Então, quem está sendo injusto aqui?”

Ainz gritou, embora soubesse que a oposição não podia ouvi-lo.

Depois de cair em si, o Evil Lord atacou no lugar em que Ainz estivera.

“Que pena, eu não estou mais lá”

Ainz começou a se mover, então ele não estava mais lá. No entanto, ele ainda estaria
dentro da área de efeito se o Evil Lord decidisse lançar magias de ataque de área, mas
assim que Ainz pensava isso, o Evil Lord de repente mudou de direção e veio direto para
Ainz.

“Hah?”

Ele não estava invisível? Essa questão foi logo eliminada pela dor que sentia.

O Evil Lord mandou Ainz voando para trás. Como ele estava muito mais sério do que
antes, Ainz achou difícil se defender ou evitar o ataque. Não, Ainz estava relaxado demais
— ele nem pensara em fugir.

Felizmente, a magia 「Fly」 ajudou a controlar sua postura e poupou-o da ignomínia de


rolar pelo chão. Foi exatamente como a batalha contra Shalltear.

O Evil Lord pulou sobre Ainz, estava colado em seu talão, e sua linha de visão estava
definitivamente seguindo a rota de voo de Ainz.

...O Evil Lord Wrath não deveria ter a capacidade de ver através disso... Ah, ele usou aquilo!
Seu trunfo, 「Soul-Bought Miracle」!

Inspirada em histórias de vender a alma de alguém ao diabo para satisfazer os desejos


da pessoa, essa capacidade realmente operava milagres. Mesmo ele não tendo certeza de
como o procedimento funcionava, uma vez que alguém usasse essa habilidade, podia-se
usar qualquer uma das magias abaixo do 8º nível uma vez.

Normalmente, quando os Evil Lords usavam essa habilidade, eles quase sempre usavam
magias de cura — essa era uma regra não escrita. No entanto, desta vez ele provavel-
mente usou uma magia para ver através de 「Perfect Unknowable」.

Ainz silenciosamente agradeceu que o Evil Lord usara a habilidade da qual ele era o
mais cauteloso, mesmo quando sentia a urgente necessidade de formular um novo plano
de batalha.
Quando o Evil Lord se aproximou e socou-o novamente, Ainz começou a ficar preocu-
pado.

Embora houvesse uma grande diferença de nível entre os dois e ele ainda tivesse algum
espaço para a desleixo, ele não poderia simplesmente se permitir continuar sendo gol-
peado desse jeito.

“Cheh. Aqui, tome isso também. 「Triplet Maximize Magic: Call Greater Thunder」.”

Demônios de alto nível tinham resistências elementares muito altas. Mesmo suas resis-
tências exatas variando entre seus tipos, a eletricidade era um dos tipos de energia mais
eficazes contra eles. Depois de receber três golpes de uma magia de ataque elemental
com dano maximizado, o corpo do Evil Lord enfraquentou.

Ainz lançou outra magia.

“「Perfect Unknowable」.”

“—Trapaceirooooooooo! Ainz-sama, o senhor é muito trapaceirooooo!”

“Ahhh, é sério!”

Entoma pisou forte em frustração, enquanto Lupusregina rolava no chão. Solution era a
única que examinava o ambiente com um olhar afiado.

Em teoria, cada mercenário vassalo deveria ser idêntico, mas elas desenvolveram per-
sonalidades divergentes como essa. Foi porque copiaram as relações entre os membros
das Pleiades? Ou suas personalidades mudaram com o tempo? O Evil Lord atrás de Ainz
seguiu seus movimentos de perto e gritou:

“Aqui! Use ataques de área aqui, me acerte com isso também!”

Entoma não hesitou, mas respirou uma nuvem negra da boca. Era o seu trunfo, o 「Fly
Breath」.

No entanto, foi inútil contra Ainz, porque esse movimento fazia um dano penetrante.
Além disso, Ainz era essencialmente um esqueleto; o que as moscas comeriam? No final,
só serviu para irritar o Evil Lord.

“Hey! Não funcionou nele! Isso só funciona em mim!”

“—Eh!?”

Ser capaz de copiar uma habilidade e usá-la bem, eram duas coisas completamente di-
ferentes. Certamente a verdadeira Entoma não teria cometido um erro tão amador.
“Eu não tenho nenhum ataque de efeito de área, e você, Yuri-nee?”

“Eu lido com isso!”

Yuri juntou luz entre as palmas das mãos.

O 「Kibakushou」, uma técnica que agia como um ataque anti-individual quando tocava
o inimigo, mas que se tornava uma onda de choque se não fizesse contato com o alvo.
Naturalmente, como um ataque destinado ao contato direto, ficaria muito fraco quando
disperso. Como os monges eram uma classe profissional focada em lutar contra indiví-
duos, eles tinham poucos ataques de efeito de área — na verdade, praticamente ne-
nhum—, portanto, pode-se dizer que era completamente inútil.

“Lá! Ele se moveu!”

“Aqui!?”

Yuri lançou seu 「Kibakushou」 em área no local onde Ainz estava. Ainz franziu a testa
— apesar de não ter nenhuma sobrancelha — quando viu isso e estendeu a mão.

“...Não, não, você deveria ter priorizado a cura.”

Yuri poderia ter se curado com o ki dela.

Depois de fazer sua observação em Yuri, Ainz lançou sua magia. Escusado será dizer que
seria uma magia que ele já sabia ser eficaz.

“「Twin Maximize Magic: Vermilion Nova」.”

Tendo lançado uma magia de ataque, Ainz foi exposto. Ele olhou para Yuri, que estava
envolta em chamas, e fez um pronunciamento frio.

“Yuri, fora — 「Perfect Unknowable」.”

Agora, as coisas ficarão ruins se eu não procurar pela CZ com seriedade.

Tendo tomado essa decisão, Ainz começou a fazer um grande desvio enquanto ficava de
olho no Evil Lord.

Parte 3

Muitas pessoas ficaram nos muros da cidade com Neia, observando a batalha se desdo-
brar.
Muitos deles eram pessoas que torciam para o lado do Rei Feiticeiro depois que ele as
resgatou, mas não eram os únicos.

Havia sacerdotes e paladinos aqui também. Neia não podia ver Remedios de onde ela
estava, mas ela estava perto o suficiente para que Neia pudesse ouvi-la falar.

Os únicos membros do comando que estavam ausentes foram Gustav e Caspond.

Todo mundo assistindo a batalha ficou em silêncio — não, foi simplesmente porque não
havia palavras para descrever a batalha.

Elas deveriam saber disso.

Os membros da Rosa Azul tinham dito que a classificação de dificuldade de Jaldabaoth


era acima de 200. Em outras palavras, isso era como lutar contra um enorme dragão na
forma de um humano. Só lutar essa batalha na terra dos homens já levaria a uma grande
tragédia.

Eles deveriam ter ficado gratos que apenas um único distrito da cidade foi destruído.
Muitas casas estavam em chamas e nuvens brancas de fumaça chegavam ao céu, mas o
total de baixas era quase nulo.

Enquanto observava a batalha, ela tinha visto ciclones, chamas, relâmpagos e outras tre-
mendas manifestações de poder que estavam além do conhecimento do homem. Cada
uma dessas descargas de energia poderia facilmente ter levado inúmeras vidas.

Especialmente—

“É lindo...”

O que realmente moveu o coração de Neia foi a bola de luz branca que ela tinha visto
duas vezes.

Foi o poder que consumiu tudo e fez desaparecer sem deixar vestígios. Parecia algo bom
para Neia, embora ela não pudesse confirmar se era realmente o trabalho do poder di-
vino. A incrível devastação que ela viu na sequência do desaparecimento da luz a assus-
tou, mas sua admiração por seu grande poder havia vencido no final.

Parece que a luta ainda está acontecendo. Eu não posso acreditar que a batalha ainda não
acabou depois de usar todas essas magias... Jaldabaoth é muito forte.

Ela tinha ouvido falar sobre isso, e ela tinha visto isso com seus próprios olhos. No en-
tanto, o pensamento de Neia ainda era muito ingênuo. Essa ingenuidade agora estava
completamente erradicada.
O rei que ela servia — embora apenas temporariamente, e somente dentro do Reino
Sacro — estava lutando. Ela sentiu que gravar seu rosto heroico em seus olhos era apenas
natural como parte dos deveres de escudeira, razão pela qual Neia estava vigiando a par-
tir daqui. No entanto, se ela pudesse—

—Neia apertou firmemente o arco que ela estava carregando.

Se alguém olhasse de perto, veria várias outras formas lutando contra o Rei Feiticeiro,
além de Jaldabaoth. Aquelas eram as empregadas demônios, que foram classificadas com
dificuldade de 150. Neia não podia fazer nada além de admirar o poder do Rei Feiticeiro
para lutar contra tantos adversários poderosos de uma só vez sem ficar na desvantagem.

Foi nesse momento que Neia finalmente percebeu algo sobre si mesma. Ela invejava as
pessoas do Reino Feiticeiro — aquelas pessoas que eram protegidas pela justiça. Quão
felizes devem ser para viver em um país governado por tal ser.

“A fraqueza é um pecado, por isso é preciso tornar-se forte, ou humildemente, aceitar a


justiça semelhante à de Sua Majestade.”

Neste ponto, Neia expressou as palavras que ela estava pensando durante todo esse
tempo. A maneira como ela repetia repetidamente parecia muito uma oração.

De repente, houve uma grande explosão quando um meteoro caiu.

Ele jogou as carcaças de edifícios para cima, eles caíram de volta para a terra como uma
chuva de detritos e poeira.

“Capitã... não é Jaldabaoth... muito poderoso?”

“Sim, isso mesmo.”

“O Rei Feiticeiro — Sua Majestade também é incrivelmente forte. Se ele se tornar um


inimigo da nossa nação... o que faremos?”

“Sim, isso mesmo.”

“Capitã?”

“Sim, isso mesmo.”

Ela podia ouvir Remedios conversando com três paladinos.

Os paladinos fazendo suas perguntas provavelmente não tinham visto como Remedios
acabara sendo tratada como uma criança, mesmo depois de liberar o poder da espada
sagrada e esfaquear Jaldabaoth pelas costas.
Ah, talvez eles não tenham visto.

Ainda assim, quem assistisse a essa luta teria entendido. Tanto o Rei Feiticeiro, quanto
Jaldabaoth eram inimaginavelmente poderosos. Ainda assim, era tarde demais para pen-
sar em coisas assim agora. Não—

Se Sua Majestade pudesse tomar este país sob seu governo, não teríamos que sofrer inva-
sões demi-humanas novamente.

Neia ficou surpresa com a perfeição da idéia e até com um pouco de medo.

Fusão com o Reino Sacro... se ele fosse um tirano assustador, nem eu pensaria nisso. Mas o
Rei Feiticeiro não é assim. Ele é justiça. Nesse caso... devo reunir pessoas que se sentem da
mesma maneira que eu!

Neia ponderou o assunto.

Muitas pessoas passaram a respeitar e idolatrar o Rei Feiticeiro. Havia aqueles que eram
atraídos para o seu poder esmagador, aqueles que eram gratos por serem libertos do
sofrimento, aqueles que odiavam os demi-humanos e que estavam contentes por ele ter
se vingado em seu favor, e muitos outros.

Deles, ela selecionaria aquelas pessoas que sempre haviam orado pela paz deste país, e
então as deixaria ouvir suas palavras.

Neia sabia que ainda era jovem e não tinha experiência de vida. No entanto, adultos com
bom senso poderiam parar Neia se sentissem que seu julgamento estava errado.

Começarei procurando entre meus subordinados na unidade de arquearia.

Havia pessoas entre eles que haviam perdido seus entes queridos e nutriam ódio em
seus corações. Talvez seja melhor tentar persuadi-los, porque Neia podia entender como
se sentiam.

Enquanto ela ponderava isso, ela ouviu um estrondo e uma explosão incrivelmente alta
soou.

Depois disso, um prédio alto começou a desmoronar ao longe.

O Rei Feiticeiro não teria destruído o prédio sem motivo algum. Neia estreitou os olhos
para tentar ver o que estava acontecendo, mas ela não podia dizer o que estava aconte-
cendo no prédio enquanto ele desmoronava em meio a nuvens de poeira.

Foi seguido por um enorme raio saindo do céu.

Como ela esperava, parece que ele estava se preparando para algum objetivo.
Depois de um tempo, todos os tipos de magia destruíram a cidade e a situação se repetiu.

Neia estava desconfortável.

Essas eram magias inacreditáveis, mas a mana do Rei Feiticeiro realmente poderia
aguentar?

Neia balançou a cabeça e baniu o medo e desconforto de seu coração.

Vai ficar tudo bem! O Rei Feiticeiro deve ter levado tudo isso em conta! Ele já gastou tanta
mana neste país, mas mesmo assim—

Ainda assim, hipoteticamente, se Jaldabaoth vencesse, não haveria salvação para este
mundo, apenas desespero. O que ela deveria fazer se isso acontecesse?

Vossa Majestade, eu estou contando com o senhor!

E então, duas formas voaram para o céu, como se o desejo de Neia tivesse se realizando.

O primeiro a subir deixou uma faixa de escuridão em seu rastro, enquanto o que o per-
seguia batia as asas carmesim e deixou um rastro de fogo por onde voava.

O fato de que as empregadas não os estavam perseguindo significava uma coisa — o Rei
Feiticeiro havia derrotado a dificuldade 150, monstros entre monstros, enquanto lutava
contra Jaldabaoth.

—Ele é incrível!

Neia ficou tão comovida que ficou arrepiada.

Sua Majestade é mais poderoso que Jaldabaoth!

De fato. Não havia necessidade de pensar em outra coisa.

Por sua vez, as empregadas eram muito mais fracas que Jaldabaoth, que ficava abaixo
do Rei Feiticeiro. Foi por isso que ele poderia derrotá-las enquanto lutava contra Jaldaba-
oth.

Neia lutou para conter seu deleite. Enquanto ela gravava com cuidado a grandeza da
pessoa que ela respeitava em seus olhos, ela estava tão cheia de alegria que parecia que
explodiria dela a qualquer momento.

O coração de Neia bateu forte, a ponto de quase doer.


Eles estavam todos assistindo a uma cena que um dia seria consagrada em uma saga
heroica.

—Não, isso não está certo.

Parece que eles iriam lutar novamente no ar.

Esferas carmesim e esferas brilhantes floresceram no céu.

Cada uma dessas magias provavelmente poderia destruir um distrito inteiro da cidade,
e eles estavam atirando uns nos outros em rajadas selvagens. No entanto, eles pareciam
meio atraentes à distância.

Mesmo assim, isso foi uma troca de poder dentro de um reino que a humanidade nunca
poderia alcançar.

Isto é...

Quando ela olhou para o canto dos olhos, viu as pessoas ao lado dos muros da cidade
engolindo em seco enquanto observavam tudo isso. Parece que eles também entenderam.
Eles assistiram a batalha aérea em silêncio, com olhares sinceros em seus rostos.

Alguém juntou as mãos em oração, e as pessoas ao lado dele seguiram o exemplo — e


logo quase todos nos muros da cidade tinham as mãos juntas enquanto olhavam para o
céu.

Parecia que eles estavam no culto.

...Isso é mitologia...

Neia não sabia quanto tempo havia passado, mas eventualmente — houve uma comoção
entre as pessoas.

Diante dos olhos de todos, uma das formas no céu caiu para o leste — e então desapa-
receu.

A batalha acabou.

Enquanto todos observavam atentamente, a forma restante descia lentamente. A visão


de Neia era melhor que a maioria, e então ela viu primeiro. Isso a chocou tanto que ela
teve que pressionar a mão sobre a boca.

Quando os outros viram o fogo vermelho, as muralhas da cidade ficaram em silêncio.


No entanto, ninguém tentou fugir. Todos que viram a batalha sabiam que não havia sen-
tido em correr.
Com um bater de suas asas flamejantes, o vencedor (Jaldabaoth) se mostrou.

Embora ele fosse o vencedor por nome, ele era uma visão trágica.

Seu corpo inteiro estava coberto de marcas elétricas de queimadura. Metade do rosto
dele parecia ter sido esmagada e suas feridas profundas escorriam sangue fresco. Talvez
fosse devido a sua temperatura, mas o sangue chiou ao espirrar nos muros da cidade, e
o som não parou por um momento.

Nenhuma palavra poderia descrever a intensidade de sua batalha melhor do que a


forma como ele estava agora.

“Nem pensar...”

Uma voz pesada, mas um pouco dolorida, ecoou pelos muros da cidade, como se para
varrer para longe os resmungos de Neia.

“...Que oponente poderoso. Um dos mais fortes que enfrentei desde Momon. Eu o subes-
timei. Que tolo. Liderar os demi-humanos quase se tornou sem sentido. No entanto —
sim, no entanto, ele está morto.”

Neia não podia acreditar nisso. Portanto, ela gritou:

“Seu mentiroso!”

Jaldabaoth virou o olho intacto para Neia, mas ela não se mexeu, apesar de estar ba-
nhada pelo olhar de uma criatura de uma ordem de vida completamente diferente. As
emoções intensas dentro de seu coração não deixaram espaço para o medo entrar.

“Não estou mentindo.”

“Sua Majestade é muito ruim com piadas... mas isso é mentira... não é?”

“Não estou mentindo.”

As palavras que Jaldabaoth repetiu atingiram Neia com força suficiente para quebrar
sua alma.

O mundo parecia tremer sob seus pés.

Neia imediatamente entendeu o porquê o Rei Feiticeiro havia perdido para Jaldabaoth.
Não havia necessidade de sequer pensar nisso.

Foi simplesmente porque esse país não tinha Evileye da Rosa Azul e Nabe da Escuridão,
as duas magic casters que conseguiam manter as empregadas demônios afastadas.
Não, havia outro motivo além disso.

“Se aquele undead estivesse em ótimas condições, ele poderia derrotar-me. Mas pensar
que ele realmente gastou sua mana em prol de humanos como vocês — na verdade, ele
foi um idiota sem prioridades. Por isso, agradeço-lhes.”

Eu sabia! Eu sabia, a fraqueza é realmente um pecado!

Neia estava absolutamente certa de que estava correta.

“Por isso eu os recompensarei. A recompensa será... vida.”

“...O que você quer dizer?”

Jaldabaoth bufou de prazer com a pergunta de uma fonte desconhecida.

“Eu estou dizendo que vou poupá-los. Pelo menos por enquanto.”

Alguém suspirou de alívio, mas Neia ficou furiosa.

“Bobagem! Bobagem! Bobagem! É tudo um monte de mentiras! Tudo o que você diz é
mentira! Quem acreditaria no que um diabo diz?”

“Parece que não podes aceitar a realidade. Diga-me, humana, você é louca? Lamentável.”

Jaldabaoth apontou para Neia:

“Desapar... Entendi.”

E então ele imediatamente retirou o dedo.

“O que há de errado, Jaldabaoth!”

“Então pretendes provocar-me e assim provar que eu menti? ...Perder a sua vida vale
tanto? Não entendo onde queres chegar, mas parece ser o caso.”

Os dentes de Neia rangeram quando ela os apertou.

Jaldabaoth só poderia estar mentindo.

Ele tinha que ser um mentiroso, do tipo que diria uma mentira ridícula como o Rei Fei-
ticeiro está morto.

“Não permitirei isso. Suas vidas foram salvas. Me despeço por hora. Preciso recuperar-
me dessas feridas. Durante esse tempo, permito que chorarem suas lágrimas de deses-
pero.”
Quando Jaldabaoth estava prestes a decolar com uma batida de suas asas, as mãos de
Neia se moveram com vontade própria.

Ela preparou seu arco — e fez um disparo.

Ela tinha disparado diretamente nas costas, sem dar qualquer aviso de suas intenções.

No entanto, Jaldabaoth imediatamente se virou e pegou a flecha. Apesar de suas feridas


terríveis, ele ainda era muito ágil.

Jaldabaoth virou-se para Neia, e então seus olhos foram para o arco de Neia, o Ultimate
Shooting-Star Super. Depois disso, seu rosto retorcido pela ira mudou um pouco.

“Ohh?! Ah! Que arma incrível é essa! Eu não vejo uma arma assim há muito tempo! Essa
foi por pouco, humana, quase acabou comigo!”

Jaldabaoth gesticulou descontroladamente com seus membros quando disse isso. Ele
parecia calmo, mas também bastante ansioso.

“Que tipo de arma é essa? Como isso foi feito?”

“Até parece que eu falaria!”

O que se passa na cabeça dessa coisa?

A mente de Neia transbordou de ódio ardente.

Como ela poderia dizer a esse mentiroso o que aprendera com o Rei Feiticeiro?

“Como eu poderia dizer a um mentiroso como você?”

“Muu, ah, não... não me diga que, foi feito por ofício rúnico?”

O coração de Naia balançou por um momento quando ele acertou na mosca. Embora ela
tivesse conseguido se acalmar um pouco, quando seu coração partido recordou a figura
compassiva do Rei Feiticeiro mais uma vez, sua raiva despertou.

“Você está errado!”

Neia gritou como se não se importasse com mais nada, e Jaldabaoth gemeu. Tomando
isso como uma abertura, Neia atirou novamente.

Seu próximo alvo era os pés dele, que eram mais difíceis para as mãos alcançarem.

Dessa vez, Jaldabaoth mexeu-se freneticamente para evitar a flecha.


Ele está cauteloso! Talvez este arco possa—!

Só podia haver uma razão pela qual Jaldabaoth havia evitado tão desesperadamente seu
tiro quando ele tinha sido indiferente a ser esfaqueado pelas costas pela espada sagrada.
O que mais poderia ser, se não que esse arco pudesse prejudicá-lo?

Uma onda de arrependimento agrediu Neia quando seus olhos se encheram de lágrimas.

Ela percebeu que deveria ter se juntado àquela batalha, mesmo que ela tivesse morrido
rapidamente. Se ela pudesse tê-lo atingido com o Ultimate Shooting-Star Super, então ela
deveria ter participado, mesmo que fosse apenas para ser um escudo de carne. Se ela
tivesse, então talvez—

Neia atirou outra flecha.

Jaldabaoth moveu a cabeça. A flecha errou e voou para partes desconhecidas.

“Acerta, sua maldita!”

Ela disparou novamente.

E mais uma vez.

Mas nenhum de seus tiros acertou o alvo. Apesar de seu tamanho e suas feridas graves,
Jaldabaoth ainda evitou os ataques de Neia com uma facilidade surpreendente.

“Ofício R—”

“—Cala a boca!”

Neia disparou outra flecha para calar Jaldabaoth.

No entanto, também errou.

Por quê? Por que ninguém está atacando?

Ela podia entender sua incapacidade de atacar Jaldabaoth porque ele estava no ar. No
entanto, mesmo assim, como eles poderiam simplesmente deixar o demônio mentiroso
que matou o mais misericordioso dos reis, o Rei Feiticeiro, ficar impune?

“...Huum. Bem, creio que não chegaremos a lugar algum... não é? 「Greater Teleporta-
tion」.”

Jaldabaoth subitamente desapareceu.


“Volte aqui!!!”

Neia olhou em volta.

Tudo o que ela viu foram os rostos de olhos arregalados de pessoas que ficaram choca-
das com o que Neia havia feito. Jaldabaoth não estava à vista.

“Filho da puta! Ele fugiu!”

“Se acalme!”

Remedios gritou.

O grito de raiva de um ser poderoso poderia exercer uma pressão peculiar, e normal-
mente isso teria levado Neia de volta a seus sentidos ou até mesmo a feito ficar paralisada.
No entanto, isso fez pouco mais do que irritá-la.

“Como posso me acalmar!?”

“Escudeira Neia Baraja! Você pegou emprestado essa arma do Rei Feiticeiro? Por que
ele estava tão interessado nisso?”

“Não me faça perguntas irrelevantes como essa! Mais importante, precisamos encontrar
Sua Majestade! Eu o vi cair para o leste! Precisamos enviar um grupo de resgate!”

“Certamente ele deve estar morto.”

“Como ele poderia estar morto? Como poderia Sua Majestade morrer!?”

Neia instintivamente agarrou Remedios, mas Remedios facilmente a jogou para o lado
e Neia caiu no chão.

“Você já esfriou a cabeça? Ninguém poderia sobreviver a uma queda daquela altura.”

“Esfriar a cabeça? Você realmente acredita nas palavras daquele demônio? Capitã, você
vendeu sua alma para ele?”

A expressão de Remedios mudou e depois enrijeceu.

“Escudeira! Como ousa, há coisas que você pode e não pode dizer!”

Ela agarrou o colarinho de Neia com uma força tremenda, e Neia ficou com dificuldade
de respirar.

“Vocês duas! Acalmem-se! Acalmem-se agora mesmo!”


Os paladinos, sacerdotes e soldados apressadamente se entrepuseram entre Neia e Re-
medios, separando-as.

Neia ofegou com toda a força enquanto gritava:

“Precisamos enviar uma equipe para resgatar Sua Majestade!”

“Não podemos desperdiçar nossos recursos nisso!”

“Como você ousa chamar isso de um desperdício!”

Neia queria levantar e dar um soco em Remedios, mas as pessoas entre elas a pararam.

“Eu não te devo satisfação alguma!”

Tendo esfriado um pouco, Neia se dirigiu às pessoas que a seguravam.

“Vocês poderiam me soltar? Há algo que tenho que fazer.”

“E onde pensa que vai!?”

Em resposta a essa pergunta, Neia olhou para Remedios com uma expressão totalmente
incrédula no rosto.

“Que tipo de olhos são esses? É assim que uma escudeira deveria olhar para uma pala-
dina?”

Hmph!

Neia bufou.

“Primeiro, pedirei a Sua Alteza, o Príncipe, para organizar um grupo de resgate para o
Rei Feiticeiro. Depois disso, irei diretamente para o Reino Feiticeiro e direi exatamente
o que aconteceu com Sua Majestade, e depois pedirei ajuda para resgatar Sua Majestade.”

Dadas as circunstâncias, nada de bom viria do Reino Feiticeiro. Mesmo assim, ela ainda
era a escudeira do Rei Feiticeiro, e ela tinha que completar seu dever.

Neia não tinha certeza se poderia chegar com segurança ao Reino Feiticeiro partindo
daqui, mas ela tinha que ir, mesmo que isso significasse sua morte.

“Ohhh, se você estiver indo para o Reino Feiticeiro, deixe-me ir com você, Baraja-san!”

A pessoa que falou era um ex-soldado de meia-idade, que havia se aposentado e se tor-
nado um caçador. Ele tinha sido elogiado por seu arco e flecha e se juntou à unidade de
Neia.
“Não se preocupe comigo, como vê, eu sou bem velho. Já vivi o que tinha que viver.”

“Baldem-san!”

Pelo seu tom, ela sabia que ele entendia que tipo de destino o esperava mesmo se eles
alcançassem o Reino Feiticeiro com segurança.

“Ei, Neia-chan. Não se esqueça de mim!”

“Você também, Codina-san!?”

“Eu também vou, não se esqueça. Não é por você, mas se for para o Rei Feiticeiro, então
não dá para evitar.”

“Até você, Mena-san?”

Todas as pessoas habilidosas da unidade de Neia deram um passo à frente, uma após a
outra. Com a ajuda deles, é possível que eles alcancem o Reino Feiticeiro com segurança.
Contudo—

“Agradeço a todos. Mas vocês, você, poderiam se juntar ao grupo de resgate?”

“O que estão dizendo? Vocês estavam todos reunidos para resgatar o Reino Sacro e as
pessoas que sofrem das garras daquele demônio, não? Onde estão suas prioridades?”

“O que você está dizendo, Capitã! Poderia alguma coisa ser mais importante do que res-
gatar Sua Majestade!?”

“Claro! Agora, neste exato momento, quantas pessoas do Reino Sacro você acha que es-
tão vivendo no inferno que os demi-humanos fizeram para eles? Poderia alguma coisa
ser mais importante do que resgatá-los?”

“Claro! Isso é—”

“—Mas que pandemônio é esse que estão fazendo!? Por que todos estão gritando!?”

A argumentação parou imediatamente quando o intruso apareceu. Era Caspond.

“Capitã Custodio, você não deveria ter retornando imediatamente? Onde está Sua Ma-
jestade? E quanto a Jaldabaoth? O que aconteceu? Alguém poderia me explicar?”

Caspond parecia estar completamente perdido, e sua voz ecoou em voz alta no silêncio
esmagador.

♦♦♦
A sala de reuniões estava muito apertada. Estava cheio de paladinos, sacerdotes, nobres
que tinham sido prisioneiros até recentemente e paladinos honorários. Dito isto, não ha-
via acomodações melhores para eles, uma vez que Jaldabaoth destruíra aquela que Cas-
pond usara anteriormente.

Caspond convocara uma reunião de emergência depois de receber um relatório de um


paladino e instruíra todo o pessoal-chave a se reunir naquela sala.

Depois que todos se reuniram, Caspond e Remedios entraram com passos rápidos.

Todos se curvaram quando o Príncipe entrou. Neia foi uma delas, porque não mantinha
rancor contra Caspond.

Caspond ficou na frente de todos e começou a falar.

“Obrigado a todos por virem aqui. Desejo discutir o curso de ação que adotaremos no
futuro.”

Embora devesse ser uma discussão, havia apenas uma coisa que Neia tinha que fazer, e
ela estava certa de que era a coisa certa a fazer. Assim que Neia estava prestes a falar,
Caspond levantou a mão para impedi-la.

“Tenho certeza que todos têm preocupações, mas eu oro para que me ouçam primeiro.”

Caspond passou lentamente o olhar por todos os presentes.

“Acredito que muitas pessoas testemunharam até que ponto a força de Jaldabaoth ex-
cede nossa imaginação... sim. Embora eu lamente dizer isso, devemos aceitar o fato de
que ninguém neste país pode triunfar sobre ele.”

Várias pessoas franziram as sobrancelhas em silêncio, depois espiaram Remedios, que


fôra saudada como a mais forte do Reino Sacro. Depois de saber que ela concordou com
a opinião de Caspond, insinuações de medo e desapontamento apareceram em seus ros-
tos.

“No entanto, é cedo demais para ceder ao desespero. Se não pudermos derrotá-lo, então
vamos desviar seus planos de alguma outra forma e fazê-lo desistir de tentar conquistar
o Reino Sacro. Nós não o expulsaremos diretamente, mas indiretamente.”

Caspond esperou alguns segundos para que suas palavras fossem absorvidas, e então
falou sua conclusão:

“O que vamos fazer é abater todos os demi-humanos que ele lidera.”

“Por que estamos fazendo isso?”


Caspond viu alguém fazendo uma pergunta e acenou para eles.

“No passado, Jaldabaoth criou problemas no Reino. Naquela época, ele lutou com um
certo guerreiro em um duelo, e então ele perdeu e fugiu. Naquela época, ele liderou um
exército de demônios, mas não um exército de demi-humanos. Em outras palavras, ele
veio para liderar o exército demi-humano depois de perder para aquele guerreiro.”

Caspond olhou nos arredores, como se quisesse ver se todos haviam entendido.

“Em outras palavras, ele está usando o exército de demi-humanos como escudos de
carne para evitar ser forçado a uma batalha de frente com aquele guerreiro. Jaldabaoth
não disse algo assim quando derrotou Sua Majestade? Algo sobre liderar o exército demi-
humano quase se tornando sem sentido, ou algo assim.”

Isso fazia sentido.

Naquela época, eles não entendiam, mas depois de ouvir essa explicação, era difícil pen-
sar em qualquer outro motivo.

“Em outras palavras, o exército demi-humano é como armadura e resistência para


quando ele lutar contra aquele guerreiro novamente. O que fará Jaldabaoth se ele perder
o exército demi-humano? Ele permanecerá despojado de sua armadura e resistência,
aquele guerreiro poderá aparecer na frente dele novamente a qualquer momento? Ou
talvez— ele escolheria fugir?”

“Entendo... então você pretende abandonar esta cidade, derrotar o exército sulista e, em
seguida, unir forças com o Sul para expulsar os demi-humanos”

Perguntou um sacerdote. Ele foi respondido por um dos nobres resgatados.

“Isso seria bom. Graças ao poder do Rei Feiticeiro, quase quarenta mil demi-humanos
foram exterminados. Os demi-humanos perderam grande parte de sua força de luta, não?
O restante deveria estar olhando para o Sul. Se reunirmos todas as pessoas que esta ci-
dade resgatou para um ataque total e atacá-los pelas costas em um ataque de pinça, de-
veríamos ser capazes de derrotar o exército demi-humano. Dessa forma, poderemos nos
juntar às forças do Sul e recuperar nossa terra.”

“—Eu proponho o oposto. Retornaremos a cidade principal mais próxima do oeste, que
é a baluarte do norte de Kalinsha.”

“Me atrevo a perguntar, mas por que isso?”


“Exatamente! Todas as grandes cidades a oeste, como Kalinsha, Prart, Rimun e a capital
de Hoburns, serão muito difíceis de tomar. Muitas vidas serão perdidas. Por que não com-
batemos os demi-humanos do sul? Destruir o poder de luta dos demi-humanos não se
encaixa mais em seus planos, Meu Príncipe?”

“Entendo. Todas as suas preocupações são válidas. Sou grato pelo fato de que muitas
das pessoas presentes aqui são sábias. No entanto, essa é uma ação que todos podem
entender?”

Havia olhares perplexos nos rostos de muitas das pessoas presentes.

“Que tal isso? Ir para o sul implica que estaremos abandonando — embora seja apenas
temporário, ainda estaremos abandonando — todas as pessoas presas que não vamos
resgatar como resultado disso. As massas podem— as pessoas podem entender isso?”

“Isso, isso... mas isso faz mais sentido, haverá uma chance maior de salvá-los, não?”

Caspond virou-se para olhar para o homem de meia idade que fizera a pergunta.

“Você é um barão, correto?”

“S-Sim. Acredito que nos encontramos uma vez, Meu Príncipe.”

“Ahh, então é isso. Me diga, todas as pessoas do seu domínio foram resgatadas?”

“Ah, não, ainda não. Eu fui preso quando entrei em campo ao lado de Sua Majestade
Sagrada, então eu não sei sobre o meu domínio...”

“Entendo. Então, quando você se juntar às forças do Sul e voltar para o Norte, as pessoas
podem dizer que você fugiu para o Sul.”

O rosto do nobre congelou.

Quando se pensava calmamente sobre isso, o nobre estava certo. No entanto, não havia
garantia de que todos — especialmente os que se contorciam em agonia — pudessem
ver o sentido do que o nobre dissera. Era possível que houvesse pessoas que diriam: “Por
que você não nos salvou antes, nossas famílias foram massacradas pelos demi-humanos”, e
vire as lâminas de seu ódio contra os nobres. Neia já havia visto essas pessoas antes.

No entanto, ninguém havia dito isso nos campos de prisioneiros que o Rei Feiticeiro
havia libertado. Dada a sua magia esmagadoramente poderosa — que às vezes poderia
arruinar os muros da cidade em uma única explosão — e o fato de que ele era o rei de
outra nação, ninguém se atreveria a descontar a suas frustações nele.

“Além disso, eu pretendia falar com os proprietários de terras um a um depois disso.


Neste caso, podemos fazê-lo agora... Estamos todos exaustos. Em contraste, o que farão
os nobres do Sul? Em particular, o que farão os outros nobres com os nobres que aban-
donaram seus feudos?”

O fedor enjoativo da política e do poder começou a infectar o ar.

Embora soasse inacreditável para Neia, era isso que os nobres queriam? Eles assentiram
repetidamente.

“Meu Príncipe. Nossos domínios...”

“Quero que vocês finjam que não escutaram o que vem a seguir. Isso é porque eu não
posso te garantir nada. No entanto, os nobres do Sul provavelmente ficarão mais pode-
rosos em um instante. É por isso que você deve escolher o melhor movimento para fazer,
com um olho apontado para o que acontecerá depois da guerra.”

“Um momento por favor!”

Um dos paladinos gritou para ele.

“Como podemos derramar mais sangue das pessoas para disputas judiciais?”

“De fato! De fato!”

O padre chamado Ciriaco gritou em uma voz que foi dito ter sido treinada para seu tom
de voz, e concluiu:

“O importante é como salvar mais pessoas!”

“...Expulsar os demi-humanos não significa que está tudo acabado, sabe? Se o Sul rece-
ber todo o crédito, teremos dificuldade em recusar as exigências dos nobres do Sul. E não
há garantia de que eles não imponham impostos severos às pessoas exaustas.”

“...Agora que a Rainha Sagrada está morta, seria muito ruim se o próximo Rei Sagrado
fosse escolhido pelos nobres do Sul. No entanto, se pudermos mostrar resultados con-
cretos com a nossa força, pelo menos...”

Havia duas facções na sala agora.

A facção dos nobres e a facção de paladinos e sacerdotes.

Ambos os lados estavam em desacordo. Falando em Remedios, os paladinos estavam


tentando alimentá-la com uma versão simplificada do que o príncipe havia dito.

Neia não fazia parte de nenhuma das facções. Ela simplesmente seguiu o fluxo da con-
versa em silêncio. Isso porque Neia já havia se decidido sobre o que faria, de modo que
não importava a conclusão a que chegassem. Em vez disso, ela queria trazer sua própria
sugestão e partir o mais rápido possível.

Dito isso, falar sobre coisas irrelevantes aqui só vai arruinar o clima, e as pessoas que po-
deriam ter me ajudado não virão em meu auxílio...

Depois de ouvir vários tópicos chatos, ela decidiu deixar Caspond lidar com isso, uma
vez que ambos os lados se desgastaram discutindo.

“O Meu Príncipe trouxe este tópico. Talvez devêssemos deixá-lo terminar de falar?”

“Ahh. Como eu disse anteriormente, pretendo recuperar Kalinsha. Isso também é mili-
tarmente vantajoso. Na verdade, esta cidade é muito apertada e grande parte dela já foi
destruída. Viver aqui é difícil, então eu gostaria de ter uma base maior e mais sólida. Além
disso, ao recuperar uma cidade importante, teremos uma vantagem ao lidar com os no-
bres do Sul. Além disso, Kalinsha foi construída para impedir os avanços do inimigo, por
isso deveria ter amplos estoques de material militar, supondo que eles ainda não tenham
sido removidos.”

“...Eu apoio à proposta para garantir uma base melhor.”

“Ahhh, estou um pouco desconfortável com o saneamento de uma cidade como esta.
Muitas pessoas estão tremendo de frio também.”

No entanto, eles continuaram dizendo: “Precisamos evitar um grande número de mor-


tes.”

“De fato. É por isso que é o melhor momento para atacar as fortalezas inimigas. Afinal,
Jaldabaoth não pode agir agora.”

Não havia como dizer quanto tempo as feridas de Jaldabaoth levariam para curar, mas
certamente ele se recuperaria antes que o exército demi-humano fosse completamente
derrotado.

Além disso, era muito improvável que ele mostrasse seu rosto antes de fazer uma recu-
peração completa. Depois de saber da existência de um poderoso guerreiro como Momon,
ele certamente levaria a possibilidade de Momon aparecer em consideração antes de fa-
zer qualquer coisa. Portanto, se ele agisse, isso não aconteceria antes de estar quase com-
pletamente recuperado.

Dito isto, uma vez que Jaldabaoth entrasse em campo, não importaria quanta força o
Reino Sacro pudesse reunir. Portanto, eles tiveram que tomar o baluarte agora.

Então é por isso.

Depois de ouvir essa explicação agradável, Neia também expressou sua aprovação.
“—Nesse caso, parece que a única coisa com que você está descontente é o número de
pessoas que devem morrer por isso. Posso dizer que você vai me dar seu apoio se eu
puder minimizar o número de mortes?”

Todos os presentes concordaram, com exceção de Remedios. Neia não se importava de


nenhum modo, mas depois de considerar o fluxo da conversa, ela percebeu que seria
ruim se apenas uma pessoa não estivesse assentindo, e então ela concordou com todos
os outros.

Quanto a Remedios, várias pessoas olharam para o rosto dela e viram que ela não pare-
cia ter nenhuma razão especial para o que ela fazia, então decidiram ignorá-la.

“Está decidido então. Vamos discutir os detalhes de retomar Kalinsha depois. A seguir
— nosso próximo item.”

Caspond suspirou alto e depois olhou para Neia.

“Isso diz respeito à morte do Rei Feiticeiro.”

“Meu Príncipe, peço sinceras desculpas, mas espero que o senhor altere essa declaração
imediatamente. A morte do Rei Feiticeiro permanece incerta. Isso foi simplesmente o que
Jaldabaoth nos disse. Seria tolice tomar as palavras de um demônio como a verdade.”

Neia olhou para Remedios e continuou:

“Acho que é mais provável que ele esteja tentando nos enganar.”

“Nesse caso, por que ele não voltou? Ele pode lançar magias de teleporte, não?”

“Talvez ele tenha sido imobilizado por suas feridas, talvez ele esteja sem mana. Pode
haver várias razões para isso.”

Remedios não perguntou mais nada.

“Isso é verdade. É por isso que gostaria de ouvir de todos vocês. O que acham que deve-
mos fazer?”

“Não há nenhum sentido em perguntar o que devemos fazer!!”

Neia gritou, forçando as palavras para fora como se estivesse tentando forçá-las através
de seus dentes:

“...Acho que devemos enviar uma equipe de resgate e transmitir esta notícia ao Reino
Feiticeiro ao mesmo tempo. Se possível, eu gostaria de ser a mensageira.”
“Entendo. Isso é o que você pensa, Escudeira Baraja. O que os outros pensam?”

Enquanto Caspond olhava as pessoas reunidas, um dos nobres falou.

“Eu tenho uma pergunta. Mesmo que o Rei Feiticeiro tenha caído à leste, considerando
que estaríamos montando uma operação de resgate em território controlado por demi-
humanos, não seria melhor esperar até que tenhamos alguma informação concreta antes
de...”

“Já será tarde demais.”

Neia imediatamente retrucou e concluiu:

“Quanto mais atrasarmos, mais Sua Majestade estará exposta ao perigo. Sugiro que fa-
çamos nosso resgate o mais rápido possível.”

A maioria concordou com a opinião de Neia. O que ela disse foi perfeitamente lógico.

“Nesse caso, devemos enviar uma equipe de busca ao mesmo tempo que enviaremos
uma equipe para o Reino Feiticeiro.”

“...Tem algo que eu gostaria de confirmar, já que você tem o dever como escudeira de
Sua Majestade. Você acha que o Rei Feiticeiro disse ao povo de seu país que ele estava
vindo para o Reino Sacro?”

Neia começou a pensar.

“Peço desculpas, mas não tenho certeza. No entanto, eu sinto que não seria estranho ele
ter contado ao povo do Reino Feiticeiro, porque houve momentos em que ele retornou
ao seu país com magias de teletransporte.”

“Nesse caso, sinto que não deveríamos enviar um enviado ao Reino Feiticeiro.”

“Por quê!?”

Neia olhou para o nobre que não fez nada além de negações. O nobre recuou dois passos
e seu rosto ficou pálido sob aquele olhar penetrante. As pessoas ao redor daquele nobre
também se afastaram dele.

“Não, ah, por favor, acalme-se e ouça. Isso, porque isso trará problemas. Espere! Por
favor, acalme-se e me escute. Quando você pensa sobre isso normalmente, existe a pos-
sibilidade de que os exércitos undeads do Reino Feiticeiro se vingariam de nós, estou
errado? E a vingança seria uma coisa; eles podem anexar o Reino Sacro também. E... ah,
por que isso? Quem pode dizer que o Rei Feiticeiro não estava desejando isso o tempo
todo?”
“Com Licença!”

Neia estava tão brava que ela realmente se sentiu tonta.

“Nesse caso, permita-me fazer uma pergunta! Se Sua Majestade retornou ao seu país por
teletransporte, o que eles pensariam do Reino Sacro, quem sabe o que aconteceria se nós
não dissermos nada?”

Todos que ela podia ver assentiram em concordância. Em meio a tudo isso, Remedios
falou.

“Bem, não dá para evitar, ou dá? Nosso país não tem o luxo de fazer isso agora. Tudo o
que temos que fazer é pedir desculpas depois que tudo acabar, certo?”

“Mesmo se sua—”

Neia estava tão nervosa que estava prestes a gritar, e então ouviu o som de palmas ao
lado dela. Ela olhou e viu que era Caspond. O Príncipe queria falar, tudo o que Neia podia
fazer era permanecer em silêncio.

“Escudeira Baraja. Permita-me escolher as pessoas que irão para o Reino Feiticeiro. Que
tal isso? Afinal, se enviarmos uma simples escudeira como mensageira, o outro país não
pensará que estamos zombando deles?”

“Isso, isso é como diz ...”

Sua explicação fez perfeito sentido. Em circunstâncias normais, eles certamente esco-
lheriam o embaixador de um país sobre uma escudeira que tivesse pegado emprestado
um arco mágico do Rei Feiticeiro. No entanto, ele realmente enviaria um emissário? Ela
achou aquela parte difícil de acreditar. Mesmo assim, seria muito ruim mostrar que ela
não confiava nas palavras do Príncipe.

“Estou feliz que você entenda.”

“Nesse caso, por favor, permita-me levar várias pessoas para o leste.”

“De fato. Eu também gostaria muito de lhe enviar, mas ainda não sabemos onde exata-
mente o Rei Feiticeiro caiu. Ele pode estar a dez quilômetros ou cem. Se as coisas corre-
rem mal, ele poderia ter caído nas Colinas Abelion, que Jaldabaoth controla. Mesmo se eu
permitisse que você fosse para um lugar tão desolado, você teria algum meio de encon-
trar o Rei Feiticeiro?”

Neia não pôde responder.


Descobrir onde os demi-humanos viviam em terreno desconhecido era uma tarefa im-
possível. Ela poderia facilmente imaginar a equipe de escoteiros se encontrando com di-
ficuldades e sendo completamente eliminada.

“Sobrevivendo nas colinas, passando pela observação demi-humana e coletando infor-


mações...”

Caspond contou em seus dedos:

“Se você for para lá sem se preparar, estará simplesmente se matando indiretamente, e
de que serve uma equipe de resgate que termina em fracasso?”

“Então, tem algum outro jeito?”

“Claro.”

“Eh?”

Como poderia haver?

Quando ela pensou sobre essa questão, foi facilmente respondida. Os olhos de Neia se
arregalaram de surpresa, e então Caspond se ajustou antes de dizer a Neia a resposta.

“Tudo que você precisa é encontrar alguém que conheça as colinas.”

Neia piscou e Caspond sorriu para ela.

“Ouça. Tudo o que precisamos fazer é levar um demi-humano cativo e fazê-lo liderar o
caminho. Não seria mais seguro ordenar a um demi-humano que atuasse como seu guia?”

“Ah.”

De fato, esse foi o caso. Os humanos estariam correndo um risco absurdo de entrar na-
quela terra. No entanto, seria diferente se tivessem guias.

No entanto, também houve problemas com ele que não poderiam ignorar.

Se eles simplesmente ameaçassem um prisioneiro demi-humano a mostrar-lhes o cami-


nho, o prisioneiro poderia estar disposto a se sacrificar para matar todos, o grupo de
busca estaria indo para a morte. Os Orcs que ela conhecera antes pareciam do tipo que
não se importavam se viviam ou morriam.

Eles precisariam de demi-humanos confiáveis, mas onde eles os encontrariam?

O que ela poderia fazer para fazer um demi-humano agir como um guia confiável?
Neia torturava seu cérebro, mas quando pensava em demi-humanos, só conseguia pen-
sar neles tentando matá-la, e ela não conseguia imaginá-los aceitando uma oferta para
virar seus guias.

Não, os Orcs e o Grande Rei Buser se sentiam como humanos — entendi, tomar seus pa-
rentes como reféns... não, se pudéssemos pegar um rei como Buser como prisioneiro, sua
tribo provavelmente nos obedeceria.

Ou, por outro lado, a tribo enfurecida poderia resistir rigidamente. Além disso, como
eles capturariam um rei poderoso como Buser—

Enquanto Neia vagava sem rumo num labirinto mental, procurando uma resposta que
não conseguia encontrar, a porta da sala se abriu e um paladino entrou.

Ele ofegava pesadamente e olhou ao redor e para o centro da sala, mas ele se aproximou
de Caspond em vez de Remedios.

Talvez ele não quisesse que os outros ouvissem que notícias ele tinha. Ele levou o prín-
cipe para um canto da sala e sussurrou em seu ouvido, mas a audição de Neia pegou tre-
chos de sua conversa. Entre eles, a última informação despertou seu interesse.

Ele dissera “empregadas demônios”.

“Senhores, algo urgente surgiu. Infelizmente, a reunião terminará aqui. Espero que co-
mecem a trabalhar em maneiras de recuperar Kalinsha. Além disso, Capitã Custodio, ve-
nha comigo.”
Interlúdio
ecentemente, Jircniv estava em ótima forma.

R Realmente, formidável.

De todo modo, a vida era boa.

Depois de visitar o pesadelo que era Nazarick, as cólicas estomacais que o atormenta-
vam todo esse tempo tinham desaparecido. A gaveta que uma vez continha poções agora
continha pilhas de documentos. Ele estava livre de todos os seus problemas, ele não mais
recolhia cabelos de seu travesseiro, e ele não estava mais chocado como havia ficado no
passado.

Quão refrescante!

Quão prazeroso!

Quão confortável!

Esta foi provavelmente a primeira vez em sua vida que ele foi preenchido com tal senti-
mento de libertação. Ele se sentia tão bem que não pôde deixar de imaginar que tinha
asas brotadas em suas costas com as quais podia chegar ao céu.

Ele colocou seu sorriso sincero longe e encarou seu subordinado. Você sorri mais vezes
agora, dissera sua concubina não tão bela, mas não era hora de deixar que os outros o
vissem sorrir. A dignidade era uma coisa que causava muitos problemas quando perdida.

E assim, a reunião matinal usual começou.

Jircniv tinha muitos escribas, mas o que estava diante dele agora era um excelente ho-
mem chamado Loune Vermillion.

A princípio, ele se preocupara que algo lhe tivesse sido feito depois de voltar do palácio
do Rei Feiticeiro, e por isso o colocara em uma sinecura. No entanto, isso também era
uma coisa do passado. A posição de Loune como escriba principal agora estava segura.
Isto não foi porque ele estava certo de que nada havia sido feito para ele. Era simples-
mente para provar que ele não tinha nada a esconder do Reino Feiticeiro.
Além disso, também era um fato que Loune era muito habilidoso.

Ele olhou para o documento que tirara de Loune e, devido ao conteúdo ridículo, Jircniv
perdeu o controle de si mesmo e caiu na gargalhada.

“Quem escreveu isso foi algum comediante. O que você acha da morte do Rei Feiticeiro?”

“Primeiramente, eu tenho absoluta certeza, com praticamente nenhuma chance de estar


enganado, que isso é uma mentira deslavada.”
Jircniv concordou com o que Loune dissera.

“Ahh, isso mesmo. Deve ser falso. Além disso, é impossível que Sua Majestade perca ou
morra, ou seja lá o que for.”

Ninguém poderia matar um magic caster que poderia esmagar um exército de 200.000
com uma única magia e lutar em combate armado com o Senhor Marcial, o mais poderoso
guerreiro do Império. Jircniv tinha certeza disso.

Claro, ele não poderia ser envenenado também, e ele não poderia cair para a doença ou
morrer de velhice. Era mais provável que alguém estivesse espalhando uma piada de
mau gosto em grande escala, a fim de fazer a piada de “...Para começar é porque ele já
estava morto.”.

“Bem, provavelmente é para erradicar quaisquer descontentes. Ainda tenho uma per-
gunta.”

“Qual seria?”

“Isso quer dizer que estou me perguntando o porquê Sua Majestade, que possui um in-
telecto incomparável, está recorrendo a um pequeno esquema chulo como este, que qual-
quer um pode ver. A menos que isso signifique que há algum outro... sim, é possível que
haja alguma grande conspiração que nem eu possa discernir...”

Quem poderia dizer com certeza que não era o caso? Não, se isso fosse um esquema
estabelecido pelo intelecto monstruoso que conhecia todos os detalhes dos movimentos
de Jircniv, então Jircniv tinha certeza de que aquilo não passava de uma ponta do iceberg.
Por tudo que Jircniv sabia, até pensar desse jeito poderia ter sido parte de seu plano.

No entanto, e se este não fosse um esquema criado pelo Rei Feiticeiro, mas por um de
seus subordinados — por exemplo, aquele monstro parecido com um sapo que agia como
um imbecil?

“...Eu não sei. Além disso, se você não consegue descobrir algo que deseja descobrir, en-
tão só resta desistir. Mais precisamente, tudo o que precisamos fazer é obedecer a Al-
bedo-sama, a Primeira-Ministra do Reino Feiticeiro, e fazer o que ela diz. Não haverá pro-
blemas, desde que não os traíramos e concluamos nossas tarefas. Como governante de
um país vassalo, não serei tão facilmente expurgado se formos adequadamente incom-
petentes.”

“É como o senhor diz.”

Loune deu de ombros.

No passado, ele era uma pessoa que não fazia tais movimentos, mas suas muitas expe-
riências o haviam treinado a fazê-lo. Ou talvez tenha sido porque ele se tornou ousado.
Independentemente de o Rei Feiticeiro estar vivo ou morto, tudo estaria bem enquanto
o Império não deixasse de ser um vassalo do Reino Feiticeiro. Dessa forma, eles seriam
imunes a qualquer estratagema empregada pela oposição. A lealdade era a melhor defesa.
Se eles foram mortos mesmo depois de dar sua lealdade, então tudo que eles poderiam
fazer era rir da mesquinhez da outra parte e ir para o túmulo em paz.

“Então, esse é todo o trabalho de hoje?”

Desde a vassalização, a carga de trabalho administrativo de Jircniv caiu para cerca de


metade de antes. Ainda assim, a carga de trabalho de hoje parecia muito leve.

“Não, Vossa Majestade, ainda há outra coisa. Este é um documento que recebemos esta
manhã. Foi submetido pelas legiões dos cavaleiros.”

Infelizmente, o trabalho dele ainda não tinha terminado.

Jircniv aceitou o documento apresentado com um sorriso zombeteiro no rosto.

Ele olhou brevemente através dele. Parecia conter as queixas dos cavaleiros sobre sua
legião sendo reorganizada.

No passado, ele teria dado uma certa consideração especial aos cavaleiros. Ou melhor,
considerando que Jircniv tinha muitos nobres como seus inimigos, ele não podia permitir
que o inimigo arrebatasse a força marcial que os cavaleiros representavam. No entanto,
as coisas eram diferentes agora.

“Diga-lhes isto: Os senhores podem dizer a Sua Majestade o Rei Feiticeiro em pessoa. Eu
não posso acreditar que eles gastaram papel nisso.”

O papel usado nesses relatórios era feito pela magia utilitária e custava mais do que o
comum, independentemente do nível de magia usada para produzi-lo. Jircniv poderia ter
jogado fora após o uso sem qualquer preocupação, mas ele não pretendia tolerar despe-
sas excessivas.

Papel feito de magias de 0 Nível estavam amassados. O papel era grosso e descolorido.

Papel feito através de magias utilitárias de 1º nível, era mais fino e mais branco. As téc-
nicas de fabricação de papel também poderiam produzir papel com essa qualidade, mas
seu rendimento era menor e, portanto, o papel era mais caro.

Magias utilitárias de 2º nível produziam papel muito fino e muito branco. Naturalmente,
pode-se colorir papel magicamente até certo ponto. Magias desse nível poderiam produ-
zir um papel muito macio e de alta classe, conhecido como papel nobre, que era o princi-
pal rendimento dessas magias.
“Ainda assim, não é como se eu não entendesse o porquê eles são tão resistentes em
deixar que outro país cuide da nossa defesa nacional.”

“Não se queixe disso para mim, avise a Albedo-sama. Além disso, nós já não dissemos
que não estávamos confiando todos esses deveres a eles?”

Isso veio das instruções da Primeira-Ministra Albedo para suplementar a força militar
do Império com os exércitos undeads do Reino Feiticeiro.

Jircniv acreditava que isso fazia parte do programa para completar o processo de vas-
salização, e assim ele obedeceu. Ele planejava deixar alguns cavaleiros se aposentar e
dispersar duas das Oito Legiões do Império.

Isso deveria ter sido uma boa idéia, já que havia muitas pessoas que estavam mental-
mente exaustas com o massacre, mas ainda havia alguma insatisfação com a falta de lu-
gares que pudessem ser ocupados.

“E eu até preparei posições para eles se transferirem...”

“As pessoas estão apenas infelizes em perder seus privilégios e desconfortáveis em fa-
zer trabalhos que nunca fizeram antes, eu acho.”

“Se for esse último, então eles só têm que se esforçarem mais, mas se for o primeiro,
então é de se esperar. Ou é esperado que eu pague a quem trabalha com qualquer coisa
que exija algum esforço físico o mesmo que pago as pessoas que tem trabalhos perigo-
sos?”

Jircniv bufou e desconsiderou isso.

Talvez ele precisasse manipulá-los magistralmente no passado, mas agora não havia ne-
cessidade disso.

Jircniv tinha o apoio de alguém chamado o Rei Feiticeiro que possuía poder absoluto.
Não importava o que acontecesse, tudo o que ele tinha que fazer era dizer: “Por favor, vá
em frente e informe pessoalmente a Sua Majestade “, e toda discordância anular-se-ia em
um instante.

Ninguém no Império poderia expressar seu descontentamento para alguém que poderia
abater em tal escala e até mesmo derrotar o Senhor Marcial em combate.

Mesmo que apresentassem reclamações a Jircniv como fizeram no passado, sua posição
agora estava segura, dado que ele era um servo do Rei Feiticeiro. Não, agora ele era te-
mido, ele deveria dizer que sua posição agora estava mais segura do que jamais esteve.
Imutável, talvez?
E, francamente, havia poucas pessoas chocadas no Império que estavam insatisfeitas em
se tornarem vassalos do Reino Feiticeiro. Isso porque o Reino Feiticeiro fez pouquíssi-
mas exigências. Havia alguns pedidos bem detalhados, mas havia apenas duas exigências
principais.

A primeira foi para alterar uma parte da lei do Império — isso para enfatizar a natureza
absoluta do Rei Feiticeiro e seus confidentes.

A segunda foi entregar criminosos condenados à pena de morte. Isso foi chocante no
sentido oposto. Mesmo ele sentindo que eles iriam sofrer destinos piores que a morte,
um deles tinha sido devolvido em segurança pelo seguinte motivo: “Ele foi incriminado,
portanto, é inocente”.

E assim, pode-se dizer que praticamente não houve mudança da vida cotidiana.

“Venha, vamos terminar rápido para que eu possa conhecer meu amigo.”

Hoje, um verdadeiro amigo que Jircniv acabara de fazer estava programado para visitá-
lo. Todos os preparativos para a sua recepção estavam completos, e tudo o que restou foi
que Jircniv terminasse seu trabalho.

Ele passou meia hora cuidando de várias tarefas, e então seu subordinado entrou na sala
depois de receber a aprovação de seus guardas e do próprio Jircniv.

“Vossa Majestade, seu convidado chegou—”

“Ohh! Se apresse e deixe-o entrar!”

Seu trabalho ainda não estava terminado. Ainda assim, de que isso importava? O que
poderia ser mais importante do que saudar um amigo?

Logo, seu amigo foi levado para a sala por seus subordinados.

Jircniv se levantou, seu rosto todo sorridente, e ele abriu os braços de boas-vindas e
convidou seu convidado para entrar.

Era um demi-humano que parecia uma toupeira curta e atarracada. O pingente encan-
tado que ele lhe dera oscilava de um lado para o outro.

“Ohhh! Bem-vindo! Meu grande amigo, Riyuro!”

Jircniv abraçou Riyuro sem qualquer hesitação e passou os braços ao redor dele.

“Ahhh! Jircniv, oh amigo com quem compartilhei meus problemas! Estou profunda-
mente grato pelas suas boas-vindas!”
Riyuro abraçou Jircniv também. Dadas as garras afiadas em seus membros dianteiros,
podia-se ver a gentileza em seus movimentos enquanto ele tomava cuidado para não ma-
chucar Jircniv com elas.

Eles se abraçaram por um tempo e depois se separaram lentamente.

“—O que você está dizendo? Minhas portas estão sempre abertas para você, Riyuro.

Riyuro sorriu.

Mesmo que o rosto sorridente de um demi-humano parecesse cruel, Jircniv entendeu


que ele estava sorrindo. Tal era a intimidade de seu relacionamento.

Jircniv ficou de repente impressionado com o quão interessante isso era.

Ele havia nascido e crescido como candidato a ser o próximo imperador, e todos ao re-
dor dele de sua idade o consideravam o príncipe herdeiro. Portanto, ele não teve nin-
guém que pudesse chamar de “amigo”. Mas agora, o fato de que seu primeiro amigo era
um demi-humano—

—Hmph. Se eu tivesse contado ao meu passado de dez ou quinze anos atrás sobre isso, ele
não teria acreditado... Por isso, pelo menos, eu tenho que agradecer a aquele undead.

Ele conheceu esse querido amigo diante dele em uma sala de espera quando ele foi bus-
car uma audiência com o Rei Feiticeiro.

Naquela época, ele simplesmente se perguntava de onde esse demi-humano tinha vindo
e até onde a dominação do Rei Feiticeiro chegara.

Mas depois disso, eles se encontraram novamente e conversaram um com o outro para
aprender mais um sobre o outro — e então, ambos se deram conta da verdade. Depois
de um minuto juntos, que poderia muito bem ter sido um mês, nasceu uma profunda
amizade.

Foi por isso que eles não se dirigiram mais aos honoríficos. Isso não aconteceu porque
ambos eram reis.

De fato, foi porque os dois—

—Ambos estavam sendo atormentados pelo mesmo opressor — eram companheiros de


sofrimento.

“Venha, preparei todos os tipos de iguarias que irão surpreendê-lo. Não nos recompen-
saremos por nossos labores hoje?”
“Ah, eu ficaria feliz em fazer isso, Jircniv. Eu também trouxe muitos dos cogumelos que
você disse que estavam deliciosos. Vamos comê-los depois.”

“Ohhh! Obrigado Riyuro.”

Os cogumelos que Riyuro trouxera eram cheirosos e carnudos, e eles eram um ingredi-
ente de luxo chamado Obsidian.

Os dois saíram da sala lado a lado.

No passado, Jircniv ficou desconfortável quando soube que o Reino Feiticeiro tratava os
demi-humanos da mesma maneira que tratava os humanos.

No entanto, ele olhou de relance para Riyuro ao lado dele e pensou:

Demi-humanos não são tão ruins assim. Pelo menos, em comparação com os undeads — o
Rei Feiticeiro.

“Falando nisso, já ouviu as novidades, Riyuro? O Rei Feiticeiro parece ter batido as bo-
tas.”

Riyuro expeliu uma grande onda de ar do nariz. Essa era sua maneira de rir.

“Jircniv, isso é impossível. Como — como alguém como ele pode morrer?”

“De fato, eu concordo com essa afirmação. No entanto... qual nação verá seu povo se
lamentando desta vez...?”

“Sim...”

Riyuro e Jircniv olharam para o céu.

Havia dor nos olhos deles. Eles se lamentaram por uma tragédia que estava acontecendo
em algum lugar distante, e a solidariedade compartilhada que logo eles ganhariam um
novo companheiro.

♦♦♦

“Ahhhhhhhhhhhhhhhh!”

O grito que de repente ecoou pela sala fez o homem ficar rígido. Ele pertencia a uma
organização secreta chamada Oito Dedos e, embora já tivesse visto muitas coisas antes,
nunca vira uma erupção dessas emoções sombrias. Parecia ódio genuíno e maldição não
adulterada.
Ele não teria ficado chocado se tivesse vindo de um inimigo. De fato, ele estaria sorrindo
em vez disso. No entanto, a pessoa que fazia esse som era uma amiga, uma amiga que o
entendia por ter passado pelo mesmo sofrimento e miséria que ele.

Amigos — ele pensou que não poderia haver uma palavra que fosse menos aplicável a
ele do que essa.

Até recentemente, os colegas de sua organização tinham lutado para atormentar um ao


outro, roubar poder e procuravam as fraquezas de cada um a cada dia. Se seus objetivos
colidissem, então haveria sangue.

No entanto, as coisas eram diferentes agora.

Se uma pessoa a menos não pudesse fazer sua parte, todos teriam que fazer mais traba-
lho, mas no fim, seria mais provável que eles falhassem. Quando isso acontecesse, eles
seriam responsabilizados também e arrastados para o inferno. Mesmo sendo punido
uma vez já era suficiente para condená-los a uma dieta líquida e ser atormentado por
pesadelos. Por tudo que ele sabia, havia outros infernos esperando por ele.

Com isso em mente, sempre que alguém começava a ficar para trás em seu trabalho,
todos imediatamente lhes davam todo o seu apoio, preocupavam-se com sua saúde e se
preocupavam com seu estado mental. Eles fariam isso desesperadamente.

Eles haviam se tornado verdadeiros companheiros, aqueles que compartilhavam suas


vidas e cujos destinos eram um só.

E uma dessas amigas estava agora gritando e rolando no chão frio de pedra. O medo
chamado “se você não descobrir o motivo em breve, você vai acabar assim também” levou
o homem a agir.

“O que, o que foi, Hilma? O que aconteceu?”

A mulher lamentando parou de se mover, e seus olhos deslizaram de baixo para olhar
para o homem.

“—Eu cansei! Troque comigo! Meu estômago dói! Eu preciso ficar de olho aos movimen-
tos daquele idiota! O que há de errado com ele? Estar perto daquele idiota está me en-
louquecendo!”

Eles conheciam apenas um homem que poderia ser chamado de idiota. Embora tives-
sem usado a palavra “idiota” com frequência até agora, aquele homem bastava para mos-
trar aos outros o que realmente significava ser um idiota, e por isso não podiam mais
usar a palavra idiota levianamente.

“O que foi? O que aquele idiota fez agora?”


Hilma falou rapidamente, como se estivesse vomitando sua raiva reprimida.

“Ah sim! Você ouviu sobre isso, certo, como Sua Majestade pereceu!?”

Ele queria que ela relaxasse um pouco, mas parecia que Hilma estava exalando seu es-
tresse. Portanto, ele não a interrompeu, mas escutou pacientemente.

“Mm, claro.”

A Oito Dedos foi a responsável por espalhar a notícia. Naturalmente, não é preciso dizer
que eles usaram comerciantes não relacionados para divulgar as notícias através do
Reino.

“O que você acha que ele disse depois de ouvir sobre isso?”

Bem, ele era um idiota, afinal. Ele teve que considerar esse ponto antes de responder. No
entanto, tudo o que ele conseguia pensar eram respostas comuns. Ainda assim, não havia
como dizer o que um idiota pensava, então ele desistiu no final e disse algo normal.

“...Ele disse algo sobre o enterro?”

“Se fosse só isso, meu estômago não doeria assim! Ele disse que se ele se casasse com a
Albedo-sama, ele seria capaz de herdar o Reino Feiticeiro!”

“Hiiieeee!”

O homem guinchou e olhou em volta.

O homem não podia senti-los, mas deveria haver observadores do Reino Feiticeiro aqui.
Depois de certificar-se de que eles não tinham feito o seu movimento, o homem suspirou
de alívio.

Eles tinham sido ordenados a preparar um idiota, mas ele preferia não ser empurrado
para o inferno porque ele era um idiota que desafiava toda a lógica.

“Ei ei ei! Recebemos ordens para preparar um idiota, mas por que não o matamos? Não
seria melhor preparar um idiota mais adequado?”

“Podemos preparar mais alguém neste momento?”

A resposta do homem fez Hilma rolar enquanto gritava “Ahhhhhhhh!”. A bainha de seu
vestido subiu por sua perna e acima de sua coxa.

Ela tinha sido originalmente uma prostituta de alta classe e ainda era tão bonita quanto
uma, mas tudo que o homem podia sentir por seu estado sem graça e vergonhoso agora
era a simpatia.
Afinal, ele sabia muito bem que, se tivesse sido designado para a mesma tarefa, ele que
estaria rolando no chão ao invés de Hilma.

“Vamos Hilma, dê o seu melhor.”

De repente ela parou e olhou para o homem antes de falar.

“Não ficaria bem se você manipulasse esse homem... ou se ele não fizesse nada exces-
sivo?”

“Idiotas como essa deveriam ser controladas por mulheres. Estou certo?”

Depois de ouvir essa pergunta, Hilma fez “Ahhhhhhhhhhhh!” novamente e continuou


rolando no chão.

“Eu acho que isso não vai durar muito mais tempo. Nós nos movimentaremos depois de
outros dois ou três anos. Reuniremos mais idiotas antes disso. Faremos o nosso melhor
para ajudar se você precisar formar uma facção de idiotas.”

“Dois anos é muito tempo ahhhhhhhhh!”

“Ainda assim, essas são nossas ordens. Controle as informações que eles recebem e faça
uma facção que fará coisas ainda mais tolas.”

“Isso é verdade ahhhhhhhh!”

Hilma parou de repente e então se levantou.

“Você tem a parte mais fácil. Tudo o que você precisa fazer é mobilizar os comerciantes
e divulgar as notícias do Rei Feiticeiro — Sua Majestade! — morreu, até que chegue ao
Segundo Príncipe.”

Você faz parecer tão fácil...

Ele pensou.

No passado, ele não achava que o Príncipe fosse muito inteligente. No entanto, ele len-
tamente percebeu que isso se devia ao Primeiro Príncipe, que o fizera se disfarçar.

Justamente pelo Segundo Príncipe ser inteligente, que receber as notícias exigia mano-
bras extremamente cuidadosas e complicadas.

Isso era para impedi-lo de perceber que ele trabalhava para o Reino Feiticeiro.

“...Não é tão fácil como você diz.”


“...Ahh, minhas desculpas. Também lhe deu muito trabalho, certo... que tal esta noite, vai
vir?”

Hilma imitou a ação de beber um grande gole de vinho.

“Parece bom. Preciso ter certeza de não vazar nada mesmo quando estiver fedendo a
bêbado.”

Eles podem não conseguir ingerir alimentos sólidos, mas beber era uma questão dife-
rente.

“Haha.”

Um sorriso seco apareceu no rosto de Hilma:

“Vai ficar bem. Nossos observadores nos ajudarão a cuidar disso.”

“Haha.”

Um olhar semelhante apareceu em seu rosto:

“Isso é verdade...”

“Mas agora que você mencionou, onde está aquele cara sortudo agora...”

Havia apenas uma pessoa entre eles que poderia ser considerada um sujeito de sorte.

“Coccodol, huh? Ele ainda está na cadeia porque perdeu influência durante aquela con-
fusão... sorte dele.”

“Você está certo... ele realmente é sortudo...”


Capítulo 06: Artilheira e Arqueira
Parte 1

epois de sair da sala de Caspond, o primeiro lugar que Neia se dirigiu foi

D
para o campo de arquearia. Os subordinados de Neia estavam esperando lá
e eles imediatamente se reuniram para saudá-la.

Como seus amigos, disseram: “Como foi a reunião, Srta. Baraja?”, “Estamos
prontos para partir a qualquer momento”, e outras coisas assim, Neia falou sobre a reu-
nião.

Ela contou tudo — o que aconteceu, o que foi dito e as conclusões a que chegaram.

A maioria deles caçava para ganhar a vida, e todos eles eram excelentes homens ao ar
livre. Mesmo eles não puderam deixar de concordar com a conclusão de Caspond. Não
havia dúvida de que procurar nas Colinas seria extremamente difícil.

Sendo esse o caso, um despacho inicial de um grupo de busca parecia impossível. No


entanto, eles poderiam realizar uma simples busca dentro do Reino Sacro — indo para o
leste deste lugar até a linha da fortaleza. Como não estava claro onde o Rei Feiticeiro
havia caído, ele poderia estar dentro das fronteiras do Reino Sacro.

Várias pessoas qualificadas em técnicas de ranger avançaram.

Neia também queria participar, mas não tinha praticamente nenhuma habilidade como
ranger, de modo que só atrapalharia se os acompanhasse.

Esta seria uma operação para resgatar um rei justo que havia ajudado a salvar as pes-
soas de outro país. Como sua escudeira, não ser capaz de ir soava como deslealdade, e
atormentou o coração de Neia.

Ela sentiu vontade de gritar do jeito que fizera com Remedios, mas nada aconteceria,
mesmo que ela o fizesse.

Neia disse a todos que eles tinham recebido a permissão de Caspond para pesquisar
dentro das fronteiras do Reino Sacro, mas ela não poderia participar.

“Pode deixar com a gente, Srta. Baraja.”

“Ahhh. Vamos manter os olhos abertos enquanto procuramos por Sua Majestade. Não
vamos deixar nem uma única pista passar sobre o nosso grande benfeitor!”

“Tudo bem, pessoal. Quando o Príncipe der permissão, eu contarei com todos vocês!”

Neia se curvou profundamente para eles.


“Srta. Baraja, o que o resto de nós fará? Como podemos ser úteis ao Rei Feiticeiro?”

Enquanto todos olhavam para ela com zelo nos olhos, Neia se encheu de prazer.

Eles não achavam que o Rei Feiticeiro estivesse morto, mesmo depois de testemunhar
aquela cena.

Isso mesmo! Como poderia Sua Majestade estar morto! Tenho certeza de que ele deve estar
esperando por nós para resgatá-lo... eu acho.

Neia não podia imaginar um cenário em que esse ser supremo esperasse por essas pes-
soas para resgatá-lo. Por tudo o que ela sabia, eles provavelmente o encontrariam ele-
gantemente tomando um copo de vinho na frente de uma pilha de cadáveres demi-hu-
manos e demoníacos.

“Tudo bem! Então, todos os que ficaram começarão a treinar, porque a fraqueza é um
pecado!”

De fato, isso era tudo que Neia podia fazer agora. Ela precisava se tornar forte o sufici-
ente para ser de alguma utilidade na próxima vez. Se ela e seu povo tivessem sido fortes
o suficiente, o justo Rei Feiticeiro não teria terminado assim.

“Ohhhh!”

Ela recebeu uma resposta espirituosa. Isso porque todos entendiam o que Neia queria
dizer quando dizia: “O Rei Feiticeiro é justiça e a fraqueza é um pecado”. Poucas pessoas
concordaram com essas palavras quando esta unidade foi formada, mas depois de se
misturar com elas, mais pessoas compartilharam seu ponto de vista.

“Então eu vou ver o Príncipe!”

♦♦♦

Depois de falar diretamente com Caspond, o grupo de busca recebeu rapidamente per-
missão para sair. Eles partiram no mesmo dia e três dias se passaram desde então.

Embora as coisas pudessem ter sido problemáticas se os membros do grupo de busca


não tivessem pensado, o fato era que todos eles tinham sido escolhidos porque concor-
davam com a proposta de Neia, e por isso eles partiram sem demora.

Embora os rumores de recuperar Kalinsha tivessem circulado pela cidade durante esses
três dias, o Exército de Libertação não fizera nenhum movimento e apenas deixava pas-
sar o tempo sem rumo. A exceção foi Neia e o crescente número de pessoas que tinham
vindo a aceitar o Rei Feiticeiro como justiça — eles se dedicavam diligentemente à sua
formação.
Neia soltou uma flecha no alvo, estava com uma expressão irritada no rosto.

Sua ansiedade e raiva provavelmente fizeram suas mãos ficarem escorregadias, porque
a flecha acertou um pouco fora do centro do alvo.

Normalmente, alguém viria para repreender Neia, mas ninguém se atrevia a falar com
Neia agora.

A razão para isso era a expressão de seu rosto.

Sua ansiedade por não poder fazer nada para o Rei Feiticeiro e a falta de sono devido à
falta de notícias significava que a área em torno de seus olhos estava inchada e descolo-
rida, o que a fazia parecer horrível, especialmente quando se considerava as rugas entre
suas sobrancelhas também. Já que ela normalmente escondia seu rosto com a viseira,
isso causava um grande impacto nos outros quando ela a removia.

Mesmo os subordinados de Neia entendendo profundamente como ela se sentia, nin-


guém se atreveu a se aproximar.

—Vossa Majestade, Vossa Majestade, Vossa Majestade, Vossa Majestade, Vossa Majestade,
Vossa Majestade, Vossa Majestade, Vossa Majestade, Vossa Majestade, Vossa Majestade,
Vossa Majestade, Vossa Majestade, Vossa Majestade, Vossa Majestade, Vossa Majestade,
Vossa Majestade, Vossa Majestade, Vossa Majestade, Vossa—

Essas palavras rolaram e giraram na cabeça de Neia.

“—Ahh, honestamente.”

Os ombros de todos os arqueiros ao redor de Neia tremeram ao ouvir aquelas palavras


silenciosas.

—Majestade. Não, eu preciso me acalmar. Faz apenas três dias! Apenas a região leste do
Reino Sacro já é grande o suficiente! Acalme-se Neia, você não quer assustar os outros, não
é?

Neia tirou a viseira — e ouviu algo parecido com um grito estrangulado de alguém que
por acaso apareceu em sua direção — e massageou as têmporas levemente enquanto
tentava relaxar o rosto rígido.

Nesse momento, Neia ouviu dois pares de passos correndo em direção ao campo de ar-
quearia. Dado que ela podia ouvir um tilintar metálico que era exclusivo de cota de malha,
ficou claro que não eram milicianos que tinham vindo aqui para treinar. Os paladinos
usavam armadura de placas de metal, então também não poderiam ser eles. Eles eram,
provavelmente, soldados ou colegas mais graduados (escudeiros).

“Escudeira Neia Baraja!”


Quando Neia se virou para as pessoas que haviam se intrometido, os dois homens que
apareceram simultaneamente recuaram e gritaram.

“O que, o que está acontecendo? Aconteceu alguma coisa?!”

Vocês não tinham algo a dizer?

Neia pensou enquanto respondia:

“Ah, já faz um tempo. Essa é a reação habitual... não, talvez seja um pouco mais do que a
reação habitual?”

Essas duas pessoas também eram escudeiros e tinham sido treinados ao lado de Neia.
Dito isto, ela não sabia quase nada sobre suas personas, já que não tinham interagido
muito, mas pelo menos ainda se lembrava de seus nomes e rostos.

Se Neia os conhecesse, então eles também deveriam ter conhecido Neia. Isso significaria
que eles deveriam estar acostumados com os olhos perversos de Neia. Mesmo assim, o
fato de terem reagido dessa maneira mostrou o quão aterrorizante estava o rosto de Neia.

Falando nisso, Neia lembrou que eles também haviam sido libertados dos campos de
prisioneiros.

“Ah sim. Eu normalmente não me pareço assim — como se eu odiasse o mundo inteiro...
eu acho. Não, normalmente sou assim?”

Neia esfregou o rosto e pensou que talvez não devesse tirar a viseira.

“...Ah, desculpe. Parece que vocês precisam de mim para alguma coisa. O que seria?”

“Ah, não, o Príncipe Caspond está procurando por você. Por favor, informe a ele imedi-
atamente.”

“Príncipe Caspond?”

Por que ele estava procurando por ela? Ela tinha algumas idéias, mas não sabia qual
delas estava correta, então tudo que ela podia fazer era rezar para que ele a procurasse
por um bom motivo.

“Compreendo. Por favor, diga a ele que eu irei imediatamente.”

No entanto, eles não pareciam estar saindo, mesmo depois de ela ter dado sua resposta.
Isso intrigou Neia.

“O que é? Tem algo mais?”


“Não, parece um pouco — bem, não é seu rosto, mas talvez seja o ar ao seu redor? Parece
que o ar ao seu redor mudou. Eu sei que não posso expressar isso muito bem em pala-
vras...”

“Bem, eu ficaria feliz se fosse uma boa mudança... todos nós mudamos. Todos nós já pas-
samos por muito.”

“Ah, sim. Você está certa. É como o que você disse, Baraja.”

Os dois sorriram cansados. Ela não sabia se tinham acreditado. Eles disseram: “Vamos
conversar novamente em outro momento”, e então eles foram embora.

Neia disse a seus subordinados que a olhavam que visitaria Caspond e depois saiu.

Caspond ainda permanecia no mesmo prédio de antes, mas agora ele estava em uma
sala diferente.

Isso porque Jaldabaoth tinha feito um buraco enorme na parede de seu aposento ante-
rior quando ele apareceu.

Ninguém a parou no meio do caminho, mesmo com o visor, e ela chegou sem problemas.

Durante esse tempo, ninguém pediu que ela deixasse o arco nas costas também. Não
havia como dizer se era porque confiavam nela, ou porque estavam conscientes do fato
de que o arco havia sido emprestado pelo Rei Feiticeiro.

“Príncipe Caspond, Escudeira Neia Baraja se reportando.”

Caspond estava sentado e dois paladinos estavam ao lado dele — Remedios e Gustav.
Neia imediatamente genuflectiu.

“Estou feliz que você veio. Nós estivemos esperando por você. Ah, tudo bem. Não se pre-
ocupe, apenas levante-se.”

Neia fez como solicitado, e então perguntou:

“Peço desculpas por manter você esperando. Posso saber suas ordens?”

“Antes disso, remova o item que cobre seu rosto, Escudeira Neia Baraja.”

Essas palavras factuais vieram de Gustav. O senso comum indicava que ela deveria ter
feito isso.

“Sim! Por favor me perdoe.”


Depois que Neia tirou a viseira, os olhos de Gustav se arregalaram levemente.

“...Ah, você não está se sentindo bem? Você gostaria que os sacerdotes te examinem?”

“Não, eu não me sinto tão mal ainda.”

Como explicar era problemático, Neia decidiu continuar:

“...Então, posso perguntar qual é o problema?”

“Bem, sobre isso... bem, há mais uma pessoa que se juntará a nós, além de nós quatro
aqui. Solicitarei que venha agora, então não fique muito chocada, tudo bem?”

Ela podia ver um olhar de desgosto no rosto de Remedios pelo canto do olho. Se pudesse
dar uma expressão de desgosto no rosto da Capitã, provavelmente estava relacionado a
Jaldabaoth. E então a palavra “empregada demônio” de repente veio à mente de Neia.

Depois de ouvir o pedido de Caspond, Gustav abriu uma porta lateral e falou com a pes-
soa.

E então, um monstro surgiu diante deles. Neia sabia que espécie era.

Um Zern.

Embora fosse uma espécie com uma carapaça brilhante, sua aparência não era ofensiva.
No entanto, havia um cheiro quase imperceptível de derramamento de sangue em torno
dele.

O que é um demi-humano como esse faz aqui?

Neia se perguntou. Caspond pareceu sentir isso e falou.

“Ela é uma emissária.”

Então a emissária de Jaldabaoth está aqui, é isso?

Neia inconscientemente deixou sua hostilidade aparecer, e a Zern se contraiu como se


estivesse na defensiva.

“Contenha-se, Escudeira Baraja. Parece que você está um pouco confusa. Ela não é emis-
sária de Jaldabaoth. É o contrário. Ela é uma emissária daquelas pessoas que planejam se
rebelar contra Jaldabaoth.”

“Eh?”
Neia não pôde deixar de exclamar de surpresa. Caspond parecia ter esperado essa res-
posta e riu.

“Você parece surpresa. Bem, isso é apenas esperado. Certamente você não esperava que
demi-humanos se rebelassem contra a subjugação de Jaldabaoth, não é? No entanto, exis-
tem seres assim. De acordo com a Emissária-dono, nem todos os demi-humanos servem
a Jaldabaoth de todo o coração. Por exemplo, esses Zerns. Existem outras espécies como
os Zerns, que não têm escolha a não ser ajudar Jaldabaoth porque sua classe dominante
— sua família real — foi tomada como refém. O que eles querem é resgatar os reféns.”

“Precisamente.”

Neia nunca tinha ouvido aquela voz feminina antes e a assustou. Ela olhou ao redor do
interior do quarto. Finalmente, quando ela estava prestes a falar “Nem pensar”, seus
olhos pousaram na Zern. Aquela voz teria soado perfeitamente familiar a de um ser hu-
mano.

De onde em seu corpo repulsivo veio sua voz humana?

Essa era uma habilidade especial dos Zerns, ou era uma espécie de poder mágico?

“A cidade que vocês, humanos, chamam de Kalinsha, está há cinco dias de viagem para
o sudoeste, lá abriga alguém importante para nós. Nós pedimos que você o salve.”

Neia visualizou um mapa do Reino Sacro em sua mente.

De suas palavras anteriores, a cidade da qual a Zern falava era de fato Kalinsha. Claro,
era mais perto do oeste-sudoeste do que do sudoeste e ela se perguntou se a viagem para
lá levaria cinco dias, mas tudo o mais estava dentro das margens de erro.

No entanto, havia uma coisa que ela não entendia. Por que eles estavam contando a Neia
sobre isso?

No entanto, antes que Neia pudesse contemplar as razões para isso, Caspond disse algo
chocante:

“É por isso que decidimos nos aliar a eles para lutar contra Jaldabaoth, Srta. Baraja.”

Ehhh?

Neia não pôde deixar de duvidar de seus ouvidos. Eles poderiam confiar em uma espécie
como os Zerns, monstros que nem sequer tinham características faciais?

“Fomos forçados a nos curvar ao poder de Jaldabaoth e invadir este lugar como parte de
seu exército, nós recebemos a notícia de que nosso rei, que estava sendo mantido como
refém nas Colinas Abelion, foi morto por demônios. Quanto ao outro, o príncipe que está
sendo mantido prisioneiro como um símbolo de nossa submissão... agora que o rei ante-
rior foi morto, ele é nosso novo rei. Se vocês resgatarem-no, nós vamos ajudá-los.”

Eles o mataram porque não precisaram de dois reféns? Ou havia uma razão mais diabó-
lica para o assassinato? Mesmo ela não conseguindo quantificar em questões, parece que
o importante era que o rei deles tinha sido morto.

“Dito isto, estamos nos preparando para levar nosso novo rei a algum lugar que Jaldaba-
oth não possa alcançar, então nossa Guarda Real de Elite não poderá ajudá-lo. No entanto,
os três mil restantes de nossos guerreiros que Jaldabaoth trouxe lutarão ao seu lado.
Nossa espécie não morrerá enquanto houver um rei e uma única fêmea, então vocês po-
dem usar esses guerreiros como quiserem. Não haverá problemas, mesmo que sejam to-
dos mortos.”

“É assim que é. Você também conhece as condições que estabeleci para triunfar contra
Jaldabaoth. Ao invés de diminuir o número de demi-humanos com combate, nós teremos
menos perdas se os convencermos a sair do seu lado. Além disso, nos forneceram infor-
mações importantes e terminamos de verificá-las.”

Caspond sorriu e continuou:

“Pelo que sabemos, esta notícia não é uma armadilha de Jaldabaoth. Pelo contrário, isso
é algo que podemos usar para lidar com os Zerns. Se Jaldabaoth descobrir, eles serão
expurgados e seu príncipe — o novo rei — também será morto.”

Isso é o que vai acontecer se você nos trair, Caspond estava ameaçando os Zerns.

Embora fosse natural que alguém em alta posição pensasse assim, o fato de Caspond
descrever impiedosamente tal desenvolvimento assustou um pouco Neia.

No entanto, uma vez que a calma voltou ao coração de Neia, uma pergunta fervia dentro
dela: Por que ele a trouxe aqui para ouvir o planejamento deles? Se ele queria que Neia
participasse do resgate, tudo o que ele teria que fazer era dar uma ordem a ela. Era ver-
dade que Neia era agora uma comandante de unidade, mas no fim, ainda apenas uma
escudeira que era um pouco habilidosa com o arco. Não havia necessidade de explicar a
operação para ela com tantos detalhes. E não apenas isso—

... Ah, não me diga que eles ainda me consideram como a escudeira de Sua Majestade? Quer
dizer, já estou a meio caminho de ser uma cidadã do Reino Feiticeiro, certo? Eles provavel-
mente querem dizer que o Rei Feiticeiro também estaria ouvindo isso em circunstâncias
normais. Ou talvez eles queiram que eu explique isso ao Rei Feiticeiro quando o vermos de
novo, é isso?

De fato. Neia ainda era a escudeira do Rei Feiticeiro.


Neia estufou o peito e Caspond ficou um pouco surpreso com a mudança repentina em
sua atitude.

“Agora, então. Com relação ao resgate do príncipe Zern, chegamos à decisão de que res-
gatá-lo durante o caos de atacar Kalinsha será muito difícil.”

“De fato.”

A Zern acompanhou as palavras de Caspond e continuou:

“Deixe-me dizer onde o príncipe está sendo mantido. Vice-Capitão, espero que você
ajude a esclarecer detalhes para mim.”

A Zern iniciou uma explicação com Gustav de apoio.

Primeiramente, a grande cidade de Kalinsha ocupava o topo de uma colina. Ficou sob a
administração direta da família real e estava protegida por grossas muralhas. Do lado
oeste, perto de seu ponto mais alto, estava o Castelo Kalinsha.

Pretendia-se manter os demi-humanos à distância, caso a linha da fortaleza fosse rom-


pida, e ao mesmo tempo estava perto de uma importante rota comercial que levava ao
sul. Portanto, era mais robusta do que qualquer outra cidade do Reino Sacro.

Além disso, o castelo Kalinsha foi utilizado pouquíssimas vezes e foi solidamente cons-
truído para resistir a cercos.

O príncipe Zern preso foi detido em uma das torres do castelo. Já que ele estava no mais
interno das torres que foram planejadas para as defesas de última hora, pode-se dizer
que era o lugar mais difícil em Kalinsha para se infiltrar.

Nem sequer tinha janelas, para proteger contra ataques aéreos, e não se podia alcançá-
las sem passar por uma passarela suspensa.

Esta torre era agora habitada por um poderoso guardião — uma variação de Ogros com
afinidade ao elemento água, conhecidos como Vah Uns. Os Zerns não tinham permissão
para chegarem perto, algo aconteceria ao seu príncipe se o fizessem.

No entanto — desde que a traição não fosse exposta — se os guardas vissem os huma-
nos — que não eram relacionados com os Zerns — eles não prejudicariam o príncipe,
pois não teria correlação. Na verdade, eles protegeriam o príncipe. Era isso que eles que-
riam dizer ao pegar emprestado a força dos humanos.

“Mas uma vez que a verdadeira luta comece, se o príncipe continuar aprisionado, não
teremos outra escolha senão matar vocês, humanos. Já que todos os nossos companhei-
ros que foram trazidos para esta terra estão presentes...”
As palavras da Zern começaram a perder a coerência, mas todo mundo entendeu o sig-
nificado delas.

Seria tarde demais até lá.

Havia valor em resgatar o príncipe pois os Zerns eram inimigos da humanidade. Se os


Zerns fossem eliminados, não haveria necessidade de resgatar o príncipe.

“Será tarde demais para enviar reforços assim que a luta começar. Portanto, a maneira
mais segura e eficaz de resgatar o príncipe é enviar um grupo de guerreiros de elite que
se moverá o mais furtivamente possível. Escudeira Neia Baraja, eu gostaria que você co-
mandasse essa operação.”

“Eu não posso. É impossível para mim.”

Neia respondeu imediatamente a Caspond.

Normalmente, recusar o Príncipe — que era seu comandante supremo — não seria to-
lerado, tanto em termos de disciplina militar quanto de convenções sociais, mas, ao
mesmo tempo, essa ordem era realmente ridícula. Simplesmente exagerada demais, não
importava como olhasse para isso.

“Eu sabia que você diria isso. No entanto, Srta. Baraja, esse assunto é de grande benefício
para você também.”

Caspond estreitou os olhos.

“Eles nos fornecerão conhecimento sobre as colinas e introduzirão guias confiáveis lá.”

Neia engoliu em seco.

Ela mordeu o lábio, tentando desesperadamente conter suas emoções.

“...Quanta confiança podemos depositar nessas palavras?”

“Quando você resgatar o príncipe, os Zerns responderão erguendo-se se em revolta de


dentro para fora, ponto no qual a retomada de Kalinsha será muito mais simples. Certa-
mente é melhor do que um cerco convencional, e seremos capazes de levar mais prisio-
neiros demi-humanos. Os Zerns também dizem que vão perguntar aos arredores para
ver quais prisioneiros têm o conhecimento que você deseja.”

“Não tenho muita certeza sobre os detalhes...”

Acrescentou a Zern às palavras de Caspond e completou:


“Parece que deseja viajar para as Colinas Abelion. Se você resgatar nosso príncipe ileso,
toda a nossa espécie estará endividada com você. Quem se recusaria a compartilhar o
que sabem com um benfeitor? Além disso, esse conhecimento não é nada especial.”

O argumento da Zern foi totalmente irrefutável.

Recusá-los significaria ser desleal a Sua Majestade. Se eu deixar a chance de ser útil para
Sua Majestade escapar das minhas mãos, porque eu estou com medo...

Após calmamente considerar o assunto, ela sentiu que esta era sua melhor chance. No
entanto — ela não pretendia ir em uma missão suicida.

“Quem mais vai na missão para resgatar o príncipe?”

Neia olhou para Remedios, que estivera em silêncio todo esse tempo.

“Eu não vou. Eu não possuo habilidade de me infiltrar nem nada do tipo.”

Se você está dizendo isso, imagina eu?

Neia pensou, e então ela olhou silenciosamente para Caspond.

“...Eu pedi a ela que fosse com você várias vezes, mas ela continuava recusando. Portanto,
você será acompanhado por uma cativa... não, uma colaboradora.”

“Hmph. Cativa é o bastante.”

“...Capitã.”

“Não importa. Vice-Capitão Montagnés, você pode trazê-la?”

Montagnés saiu do aposento falando “Sim”. A emissária Zern também saiu. Parece que
eles não queriam que os outros soubessem que eles estavam trabalhando com os huma-
nos.

Gustav retornou em pouco tempo, mas ele não estava sozinho. Ele tinha com ele uma
garota envolta em camadas de correntes, uma garota que Neia nunca tinha visto antes.
Ela parecia mais baixa, delicada e mais jovem que Neia.

Ela usava um lenço que misturava as cores verde-escuro e amarelo-areia em um padrão


complexo, assim como uma roupa estranha de empregada.

Seus traços faciais eram requintados, e até mesmo o tapa-olho que cobria um de seus
olhos não diminuía sua beleza.
De repente, Neia se lembrou do que Evileye havia dito e, embora tivesse certeza de quem
era essa pessoa, resolveu perguntar por precaução.

“Meu Príncipe, quem é essa?”

“...Você já não adivinhou? Ela é uma das empregadas demônios que apareceu nesta ci-
dade.”

Neia ficou rígida. Ela tinha pensado tanto, mas ainda a assustou. Ela estava com dificul-
dade de classificação 150. Em outras palavras, ela era um monstro entre os monstros.
Um ser que a humanidade não poderia superar agora estava diante de seus olhos.

No entanto, Neia também sentiu algo mais que a assustou.

Esse era o fato de que ela ainda podia sentir ódio tão intenso com um monstro imbatível
na frente dela.

Como ela poderia se agarrar a tais emoções quando enfrentava uma criatura que a su-
perava além da compreensão? Foi porque essa empregada demônio não estava irradi-
ando uma aura de medo, ou foi por causa de sua lealdade ao Rei Feiticeiro?

Independentemente de qual — Neia afundou seu ódio pela empregada demônio nas
profundezas de seu coração e não deixou transparecer.

Se ela fosse descuidada, ela começaria a repreendê-la como uma das razões pelas quais
um monarca tão notável como o Rei Feiticeiro perdeu para Jaldabaoth.

No entanto, enquanto Remedios tinha a mão no punho de sua espada sagrada, Caspond
e Gustav não pareciam estar fazendo nada de especial da parte deles.

Portanto, Neia poderia concluir que ela não representava nenhum perigo imediato. Caso
contrário, nunca permitiriam que ela ficasse no mesmo ambiente que o príncipe.

“...Garota Assassina. Não tenha medo. Neste momento não sou mais jurada a Jaldabaoth,
mas sim ao Ainz-sama. Não vou atacar.”

“Eu não acredito em você.”

Ainz-sama...?

Aquele termo de tratamento preencheu o coração de Neia com desagrado, como se ela
estivesse tentando rejeitar o fato de que ele havia sido dito. No entanto, a empregada
demônio respondeu a ela em um tom monótono.

“...Não precisa acreditar em mim. É a simples verdade.”


“Srta. Baraja. Parece que Sua Majestade de alguma forma conseguiu usurpar o controle
dela de Jaldabaoth durante a batalha.”

Os olhos de Neia ficaram tão grandes quanto pires.

Teria ele realmente conseguido executar uma tática não-letal como assumir o controle
dela enquanto lutava contra vários oponentes — Jaldabaoth e as empregadas demônios?

Neia não sabia muito sobre magia e não sabia o quão difícil era tal façanha. Se alguém
precisasse de um exemplo, seria como tentar roubar equipamento de um oponente muito
poderoso durante o meio do combate. Se esse foi o caso, então deve ter sido uma mano-
bra incrivelmente difícil que somente o Rei Feiticeiro poderia fazer.

Neia passou a respeitar o Rei Feiticeiro cada vez mais.

No entanto, ela tinha duas perguntas agora.

Ela queria acreditar que, se o Rei Feiticeiro tivesse feito isso, tudo ficaria bem e ela po-
deria aceitar esse fato. Mas a empregada estava realmente sob o controle do Rei Feiti-
ceiro? Essa foi a primeira pergunta. Será que ela não estava realmente trabalhando para
o Rei Feiticeiro, mas agindo sob as ordens de Jaldabaoth para fingir que ela estava sob
seu controle?

E então, a outra pergunta—

“Eu entendo que você é leal ao Rei Feiticeiro. Mas por que você está aqui? É por causa
de suas correntes?”

“...Não é por isso.”

A empregada demônio começou a exercer sua força, e as grossas correntes emitiram um


som desagradável de rangido.

“Pare com isso!”

Quando Remedios gritou no instante com uma onda de intenção assassina, o som parou.

“...Mesmo eu poderia quebrar correntes sem sentido.”

“Então por quê? Por que você não deixou este lugar e foi para o lado de Sua Majestade?”

Ela perguntara porque esperava que os instintos demoníacos ou as habilidades de um


vínculo demoníaco a levassem ao Rei Feiticeiro. A empregada demônio respondeu sem
rodeios:
“...Porque é uma ordem. A última ordem que recebi foi para ajudá-la. Então, farei o meu
melhor, desde que isso não signifique minha morte.”

“Eh!?”

Neia ficou chocada.

...O Rei Feiticeiro veio a este país para tomar o controle das empregadas demônios. Ele veio
para obter as empregadas demônios, uma tremenda força de combate que poderia tornar
o Reino Feiticeiro ainda mais forte. Nesse caso, sua primeira ordem para a empregada de-
mônio deveria ter sido para retornarem ao Reino Feiticeiro. Mas em vez disso, Sua Majes-
tade... Que pessoa gentil ele é... Existe um rei lá fora que é tão compassivo com as pessoas
de outro país? Não, não pode ser, apenas o Rei Feiticeiro é uma exceção. Sua Majestade é
realmente justiça! Que incrível! Eu estava certa o tempo todo!

Neia lutou para evitar que o calor se derramasse de seus olhos.

“Nesse caso, o que significa “desde que isso não signifique minha morte”?”

“...Se você me pedir para lutar contra Jaldabaoth eu vou recusar. Será muito difícil esca-
par se eu o enfrentar.”

Então é isso...

Neia entendeu. Caspond já havia verificado a verdade de tudo o que ela dissera. Foi por
isso que ela foi trazida para cá.

“Então essa empregada demônio virá comigo.”

“É como pode ver. Eu pensava em mandá-la para o Reino Feiticeiro como uma emissária,
comparado a isso — ah — bem, uma vez que acabou e aprendemos informações que po-
demos trocar, ah — eu estava planejando que ela se juntasse à equipe de busca que esta-
mos enviando. Isso é porque é perigoso... Aquelas pessoas que você escolheu ainda não
encontraram nada, então podemos ter certeza de que ele caiu nas colinas.”

Ela não sabia por que as instruções de Caspond estavam tão vagas.

Ela espiou o rosto da empregada demônio e viu que não havia mudado. Ela não parecia
preocupada.

Claro, essa empregada demônio poderia não saber o que aconteceu com o Rei Feiticeiro,
e ela provavelmente não poderia imaginar que o Rei Feiticeiro estivesse em território
perigoso. No entanto, seu rosto inexpressivo ainda deixava Neia muito infeliz.

Mais importante, ela poderia deixar um demônio assim usar um termo de tratamento
tão íntimo como “Ainz-sama?”
Não, claro que não!

Neia fumegou. Nem mesmo ela havia se dirigido a ele de uma maneira tão íntima.

“—ta. Baraja?”

“Ah sim!”

Essa não!

O rosto de Neia estava levemente vermelho. Ela aparentemente se esquecera devido ao


seu desgosto pela empregada demônio.

“Qual o problema? Algo a incomoda?”

“Ah não! Faz apenas três dias desde que a busca começou, então acho que pode ser um
pouco precipitado concluir que ele caiu lá...”

“Entendo. Isso faz sentido. No entanto, não seria melhor estar preparada para qualquer
coisa?”

“Isso é verdade.”

“Tudo bem. Nesse caso, Empregada Demônio-kun. Esta é a terceira vez que falo com
você. O dia em que te encontramos ontem e agora.”

A empregada demônio não disse nada e olhou para Caspond.

“Se eu te pedisse para ir a uma certa cidade grande para resgatar alguém preso lá, você
nos ajudaria?”

“...Como eu disse ontem. Eu vou.”

“Ahh, bom, eu entendo. Então, peço desculpas por isso, mas você se importaria de voltar
para o seu quarto? Vice-Capitão Montagnés, faça as honras.”
Ele levou a empregada demônio embora e eles começaram a falar novamente assim que
Gustav retornou.

“Srta. Baraja. Embora eu não saiba se preciso lhe contar tudo isso, possuir essa informa-
ção pode significar a diferença entre sucesso e fracasso quando você se infiltrar em Ka-
linsha. Portanto, falarei com você sobre algumas coisas. O primeiro diz respeito a Jal-
dabaoth.”

Caspond contou a ela o que haviam aprendido com a empregada demônio.


Parece que ela sabia pouco sobre Jaldabaoth. Praticamente nada, na verdade. Ela nem
sabia quais habilidades, ataques ou fraquezas ele possuía. Além disso, ela não sabia o que
Jaldabaoth estava fazendo agora ou qual era seu objetivo.

No entanto, ela disse que ele precisaria de muito tempo para se recuperar se ele esti-
vesse gravemente ferido. Seria como reabastecer um reservatório cujo o nível de água
estivesse muito baixo.

E assim, depois de aprender sobre Jaldabaoth, demi-humanos e os outros demônios,


Neia perguntou a Caspond a pergunta cuja resposta ela mais queria saber.

“Podemos confiar nela?”

“Nós não podemos. Nós deveríamos matá-la por segurança.”

Essa resposta foi fornecida por Remedios.

Neia resistiu ao impulso de perguntar se ela poderia vencer uma empregada demônio
com dificuldade de 150 e ouviu o julgamento de Caspond.

“Eu acho difícil confiar nela. Este pode ser um dos esquemas de Jaldabaoth. Ela pode ser
uma espiã enviada caso alguém como o Momon apareça, alguém que possa lutar contra
Jaldabaoth.”

Foi por isso que pediram a emissária Zern que partisse antes de trazer a empregada
demônio e conversar obliquamente diante dela.

“Eu te disse, não? Seria melhor matá-la. Dessa forma, haverá uma coisa a menos para se
preocupar.”

“Entendo sua sugestão, Capitã Custodio. Essa é uma opção. No entanto, é muito provável
que a empregada demônio esteja realmente sob o controle do Rei Feiticeiro. Isso porque
ela não tem falado informações falsas sobre Jaldabaoth, ela simplesmente responde que
não sabe. No entanto, por que ela não está perguntando sobre o Rei Feiticeiro? Ainda
assim, você concordou em entregar as empregadas demônios para ele, não foi? Já que
você fez isso, uma vez que eles descubram que a matamos, eles vão considerar nosso país
incapaz de cumprir suas promessas, percebe? Quando isso acontecer, nenhum outro país
vai querer ajudar se alguma coisa acontecer conosco.”

“Ele já foi morto por Jaldabaoth, não?”

As palavras de Remedios fizeram Neia olhar para baixo enquanto ela lutava para conter
sua raiva. Graças a Remedios, ela sentiu como se tivesse ganho a capacidade de gerenciar
melhor suas emoções.
“Não podemos ter certeza disso. É por isso que sinto que precisamos testá-la e usá-la
durante o resgate do príncipe. Se ela nos trair e vazar informações, então apenas os Zerns
serão eliminados, o que reduzirá o número de demi-humanos. Também poderemos er-
radicar o vira-casaca entre nós. Estes são os dois méritos desta opção. E, claro, se obti-
vermos sucesso, podemos simplesmente nos alegrar.”

Por favor, não se esqueça da vida da pessoa que realizará a infiltração.

Neia resmungou em seu coração.

“Por acaso perguntou a empregada demônio sobre suas próprias fraquezas? Se ela nos
trair a caminho, não seria melhor ter alguma maneira de lidar com ela?”

“Nós não perguntamos nada sobre isso.”

Caspond sorriu amargamente. Neia seguiu o exemplo.

Mesmo que ela lhes dissesse, não haveria como determinar se ela estava dizendo a ver-
dade. Eles não podiam dizer olhando e, obviamente, não podiam testá-la.

“Bem, nós não somos aqueles que a controla. Em última análise, ela está apenas nos aju-
dando porque o Rei Feiticeiro ordenou que ela fizesse isso.”

Gustav ainda estava falando sobre isso, mas na verdade tanto Caspond quanto Neia já
haviam percebido isso. Provavelmente havia apenas uma pessoa presente que não en-
tendia a situação.

“Então os infiltrados serão eu e a empregada demônio. Alguém mais foi selecionado?”

“Nesse ponto, se você não tem mais ninguém para recomendar, então serão apenas vo-
cês duas.”

Por um momento, Neia olhou para Caspond porque achava que ele estava brincando,
mas o rosto dele estava sério.

“Permitam-me acrescentar às palavras do Príncipe, mas certamente uma infiltração é


melhor tratada por um número muito pequeno de pessoas, estou errado? Pessoas erra-
das entrando no caminho causariam problemas, e é por isso que não temos ninguém para
apresentar.”

Embora a explicação de Gustav fosse convincente o suficiente, Neia sabia que não era
apenas por isso.

Foi por causa da situação de Neia Baraja.


Seria bom se esta operação de resgate fosse bem. Se fracassasse, tudo o que perderiam
seria uma escudeira intrometida que se aproximara do Rei Feiticeiro e uma das lacaias
do Rei Feiticeiro. Além disso, eles perderiam pouco mesmo se a empregada demônio os
traísse. Um plano perfeito.

Nesse caso — então foi dita uma mentira quando disseram que pediram a Remedios que
fosse? Também era possível que não fosse, e eles estavam apenas tentando minimizar
suas perdas.

Neia exalou. Não poderia haver outra resposta. Esta seria uma boa chance para mostrar
sua lealdade ao Rei Feiticeiro.

“Compreendo. Eu e ela—”

Ela refletiu que provavelmente o demônio era uma mulher:

“—A empregada demônio virá junto.”

“Oh. Sim. Então contaremos com você.”

“Sim! —Então o Vice-Capitão Montagnés fará um esboço da cidade. Prepare-se antes de


sair. Além disso, evite o combate se algum demônio próximo a Jaldabaoth estiver pre-
sente.”

De acordo com a empregada demônio e a informação da Zern, Jaldabaoth estava sendo


servido por três grandes demônios. Esses três demônios são—

• O governante das Colinas Abelion, onde os demi-humanos viviam.


• O comandante geral da invasão do Reino Sacro do Sul.
• O responsável por três grandes cidades, que se teletransportava entre Kalinsha,
Rimun e Prart.

Pareciam ser esses.

Portanto, se ela tivesse azar, o grande demônio encarregado das cidades estaria pre-
sente.

O grande demônio encarregado das cidades aparentemente não tinha cabeça e seu
corpo era como uma árvore ressequida. Tinha dois metros de altura e não tinha asas nem
cauda. Tinha mãos de garras e seu corpo esguio possuía uma força inimaginável. Além
disso, faltava-lhe a cabeça, mas ainda era capaz de sentir seu entorno e, poderia até
mesmo ler.

Como um demônio, tinha uma fisiologia verdadeiramente demoníaca.


A propósito, a capital de Hoburn aparentemente estava sob o comando direto de Jal-
dabaoth e não de seus assessores.

“Posso saber quem é mais forte, ele ou a empregada demônio?”

“Nas próprias palavras da empregada demônio, ela não sabe.”

Ela queria ver a habilidade de luta da empregada demônio apenas uma vez. Em particu-
lar, ela queria saber que armas ela favorecia e quais habilidades especiais ela tinha. Se
ela não sabia disso, eles poderiam sofrer uma derrota inesperada.

“Os três grandes demônios são generais e lordes. Ele provavelmente sente que demi-
humanos não são adequados para o trabalho intelectual, então ele parece ter criado uma
estrutura de poder ditatorial. Portanto, os grandes demônios lidam com grande parte da
administração e não designaram sucessores ou substitutos. Se puder derrotá-los, sere-
mos capazes de causar um golpe devastador na Aliança Demi-humana.”

“Isso satisfaria as condições de vitória que o senhor estabeleceu, Meu Príncipe.”

“Ahh. Embora Jaldabaoth possa cuidar disso pessoalmente uma vez que suas feridas te-
nham se recuperado... No momento, eu não acho que ele vai se forçar a entrar em campo.
No entanto, se você puder pelo menos cortar os braços, a vitória estará próxima, mesmo
se você não esmagar a cabeça. Dito isso, sua principal prioridade agora é o resgate, então
evite o combate se puder.”

“Compreendo.”

“Nesse caso... quando você começará a missão de resgate?”

“Eu estava planejando sair o mais rápido possível. No entanto, gostaria de falar com a
empregada demônio antes disso.”

“Entendo. Então, que tal daqui a dois dias?”

Neia respondeu afirmativamente e recebeu permissão para encontrar com a empregada


demônio. Depois disso, ela saiu do aposento.

Mesmo com um fardo pesado para suportar, seu passo estava enérgico e seu rosto es-
tava cheio de determinação. As chamas da raiva que vieram da perda de seu propósito
receberam recentemente uma nova direção, e elas se tornaram uma luz ofuscante que
iluminava seu caminho.

Ainda havia algo que ela poderia fazer, e seu caminho levava a Sua Majestade. Quando
ela pensava assim, até viajar com um perigoso demônio não seria nada de mais.

♦♦♦
A empregada demônio morava em uma casa de tamanho médio com um jardim. Prova-
velmente pertencera a um rico morador da cidade no passado. Durante a tomada selva-
gem desta cidade, parte das belas decorações foram destruídas, e as estátuas que deve-
riam estar lá foram destruídas. Ainda assim, a casa em si estava intacta e não parecia que
o ar frio entraria.

Ainda assim, mesmo uma casa barata e imperfeita poderia se gabar disso. Cada abertura
que poderia ser considerada uma janela tinha sido fechada, como se quem a fizesse esti-
vesse determinado a não deixar o ar fluir para dentro ou para fora. Cheirava a paranoia.

No geral, isso era uma gaiola ou algum tipo de unidade de isolamento. Era um lugar para
alguém que era nominalmente uma serva de um ser undead ou um demônio, mas que
também era a subordinada de um herói que veio para salvar o Reino Sacro. Era um lugar
que tinha sido construído para muitos propósitos, com uma sensação de perigo iminente
e aversão misturada também.

Mesmo desejando perguntar várias vezes coisas relacionados ao o que a empregada de-
mônio faria, o Rei Feiticeiro ainda não tinha a apresentado oficialmente, então eles não
poderiam ser corteses com ela.

A parede ao redor da casa tinha sido reparada às pressas, mas faltava o elemento crucial
de um portão barrado. Eles o levaram embora porque não havia aço suficiente por aí?
Em seu lugar havia um posto de guarda apressadamente construído ao lado da porta que
parecia uma cabana temporária.

O homem de pé ali era um homem de aparência poderosa com armadura completa, o


paladino que havia sido nomeado comandante deste lugar. Neia entregou-lhe o pergami-
nho que Caspond havia preparado.

O paladino rapidamente verificou o conteúdo, depois devolveu o pergaminho para ela


enquanto entregava um candelabro aceso.

Era dia, mas as janelas com tábuas significavam que a luz não podia penetrar no interior.
De acordo com o paladino, a empregada demônio não precisava de luz, então o interior
estava escuro como breu.

Neia passou pela porta e olhou ao redor do jardim desolado antes de se dirigir para a
casa. Ela caminhou por uma estrada de tijolos quebrada e, quando chegou à porta prin-
cipal, Neia respirou fundo.

Ela usou a aldrava na porta, mas não houve resposta. Neia hesitou e depois tentou a
maçaneta. Estava destrancada. Ela abriu a porta e olhou para o interior escuro. Não havia
som de dentro e era tão silencioso quanto um mausoléu.
Depois de reunir sua determinação, Neia entrou. Não havia luz no interior nem servos.
Neste momento, não havia nada nesta casa além de Neia e uma empregada demônio clas-
sificada em 150 de dificuldade.

Suor brotava em suas costas. A vela que ela segurava balançava instavelmente. Tudo
fora do pequeno círculo de iluminação da vela parecia ter sido sugado para a escuridão.

“Eu sou Neia Baraja! Estou aqui para ver você! Onde você está?!”

Neia gritou na escuridão, mas a escuridão não respondeu.

Ela estava dormindo?

Ela gritou novamente, mais alto do que antes, mas não houve resposta.

A determinação de Neia fraquejou e deu um passo à frente.

Por ser uma construção de dois andares. Tinha muitos quartos, e verificar todos eles
levariam bastante tempo. Ainda assim, mesmo sem fazer isso, Neia poderia captar algo
com sua audição aguçada.

Ela começou no primeiro andar.

Neia se preparou para o pior e deu um passo adiante—

“—Uwah.”

Alguém a chamou de um dos lados e um rosto apareceu na luz.

“Aiieeeee!”

Seus ombros se contraíram e ela inconscientemente se afastou do rosto que apareceu.

Suas costas atingiram uma parede com um baque.

Ela não poderia ter deixado aquele rosto passar desapercebido. Apareceu ao lado dela
como se tivesse passado pelas paredes.

“...Me sinto muito bem.”

Ela viu a empregada demônio com dos olhos cheios de lágrimas. Seu rosto estava inal-
terado enquanto observava Neia entrar em pânico.

“Demônio maldito...”

Neia resmungou.
Até mesmo o Circlet of Iron Will seria incapaz de impedir a sensação de surpresa? Seu
coração batia como um tambor, e parecia estar pronto para explodir. Se esse fosse o ob-
jetivo do demônio—

Nah, não poderia ser isso...

“...Por que veio aqui?”

“Eu vim aqui para te perguntar uma coisa. Daqui a dois dias, quero que nós duas...”

Provavelmente seria muito perigoso explicar detalhadamente a operação, já que ela não
sabia até onde podia confiar nela.

“...Embarquemos em uma determinada missão.”

“...Entendido.”

“Então, eu acho que seria bom se pudéssemos compartilhar o que sabemos e discutir o
que podemos fazer...”

“...Partilhar informação é importante. Entendido.”

Se ela realmente compartilharia ou não informações, isso dependeria da próxima dis-


cussão.

“...Tudo bem, por aqui.”

A empregada demônio se moveu com passos rápidos, como se ela não se importasse
com a ausência de luz. Parece que o paladino que ela havia encontrado antes estava di-
zendo a verdade.

Quando Neia seguiu atrás dela, ela estudou as costas da empregada demônio.

Ela era uma linda garota cujos membros esguios e rosto bonito evocavam um desejo
protetor nos outros.

Ainda assim, tudo parecia uma farsa para Neia, que sabia a verdade sobre ela.

As correntes nas quais ela havia sido enfeitada nos aposentos de Caspond não estavam
em lugar algum. No entanto, as correntes não faziam sentido algum. Este demônio foi
feito simplesmente na forma de uma garota humana, e na verdade ela era um monstro
que poderia superar dragões.

Quando ela considerou que mesmo um ligeiro tapinha poderia matá-la, seu estômago
começou a doer.
“Eu sou muito frágil, então, por favor, seja gentil comigo.”

Ao ouvir Neia resmungar reflexivamente essas palavras, a empregada demônio parou


de se mover, depois se virou e disse:

“Entendido.”

Mesmo os olhos de Neia não conseguiram perceber nenhuma mudança em sua expres-
são. Não saber o que ela achava a deixava um pouco desconfortável.

Elas continuaram até chegarem à sala de recepção.

Havia apenas uma única vela para iluminação.

“...Sente-se.”

Ela apontou para a poltrona namoradeira. Neia sentou-se.

“...Bebidas.”

De repente, ela produziu uma garrafa de líquido marrom. Foi exatamente como o Rei
Feiticeiro retirava objetos do nada.

Enquanto Neia observava surpresa, ela abriu a tampa e colocou um canudo. Era feito de
um material bizarro que parecia macio e duro ao mesmo tempo.

Ela esperava que o líquido lamacento não fosse veneno. Seria muito angustiante se ela
acidentalmente esquecesse que isso era prejudicial aos humanos.

No entanto, se ela fosse realmente uma subordinada do Rei Feiticeiro, então ela não se-
ria capaz de recusar. Neia se encorajou e moveu a língua.

Ela tomou um gole e esfregou a língua no palato.

Não era tão amargo quanto ela esperava, formigou como agulhas—

É doce!? O que é isso!

Neia tomou um gole após o outro. Mesmo sendo pegajoso e precisava de algum esforço
para sugar, mas era gelado, refrescante e delicioso.

“...É sabor chocolate. As calorias são um pouco altas... por volta de duas mil. Mas não se
preocupe. Comer boa comida e engordar é uma ambição há muito acalentada para as
mulheres, de acordo com uma grande pessoa.”
A mudança de tom fez Neia espiar seu rosto novamente, mas ela ainda estava sem ex-
pressão.

As palavras “grande pessoa” a fizeram pensar no Rei Feiticeiro, mas Neia teve a sensação
de que ela estava se referindo a outra pessoa.

“...Quer outro?”

“Posso?”

A empregada demônio provavelmente sabia que seria uma pena terminá-lo de uma só
vez, e ela pegou outra garrafa.

Neia também era uma garota — embora os Orcs se perguntassem se ela era uma mulher
— e era difícil para ela buscar algo que a deixasse gorda. No entanto, esta bebida estava
em um pequeno recipiente, o que significava que não havia muito disso. Comer muito de
qualquer coisa faria engordar, então tudo o que ela tinha que fazer era comer menos no
jantar para compensar.

Eu não tenho idéia do que são essas “calorias” ou o quanto duas mil delas fazem, mas ela
disse que era um pouco, então tudo bem.

Era uma doçura completamente diferente das frutas ou mel. Desta vez, ela iria saborear
o gosto enquanto bebia.

Ela tomou um gole—

“Ah! Não, não é por isso que eu vim. Eu vim para conversar.”

“...Mm.”

A empregada demônio chupou o canudo e bebeu da mesma maneira que Neia, enquanto
seus olhos sinalizavam para que Neia continuasse.

“Er, bem, primeiro, se você tem um nome, poderia me dizer? Eu sou Neia Baraja, mas
você pode me chamar como quiser.”

De acordo com Evileye da Rosa Azul, cada empregada demônio era completamente di-
ferente das outras em termos de aparência e equipamento. Na verdade, as empregadas
demônios que ela tinha visto atrás de Jaldabaoth quando ele destruiu o aposento de Cas-
pond eram completamente diferentes dessa. Talvez houvesse nomes diferentes para di-
ferentes tipos de empregadas demônios, bem como Goblins e Hobgoblins.

Embora não houvesse a necessidade de saber seu nome individual e qual raça, se a em-
pregada demônio fosse realmente uma subordinada do Rei Feiticeiro, então, como escu-
deira, seria apenas educado tratá-la com toda a devida cortesia.
“...Puhaa~. Apenas Shizu basta. Te chamarei de Neia.”

“Shizu, é isso?”

Neia esperava ser tratada como “humana”, então ela ficou levemente surpresa.

O nome pessoal da empregada demônio é Shizu? Ou Shizu é o nome da raça dela? Bem, os
dois fazem sentido...

“Esse é o seu nome pessoal?”

“...Nome pessoal? Excelente pergunta. Sim. Nome pessoal.”

“Ah, me perdoe. Eu não entendo os demônios tão bem...”

“...Mm. Demônios... huh. Isso... mm.”

Shizu parecia estar resmungando. Neia podia ouvir tudo, mas desde que ela estava fa-
lando sozinha, decidiu não a indagar com nenhuma observação.

“Tudo bem então, Shizu. O que você pode fazer? Além disso, havia várias empregadas
demônios, então por que o Rei Feiticeiro escolheu você?”

“...Sou boa em ataques à distância. Também porque eu fui a MVP — a melhor.”

“Melhor? Ah, é isso? Então naquela batalha você foi a adversária mais problemática, é
isso?”

Shizu riu. Dito isso, o rosto dela não pareceu mudar. No entanto, Neia tinha olhos agu-
çados e entendeu depois de observá-la cuidadosamente.

Houve uma ligeira mudança em sua expressão — ela parecia orgulhosa.

Ao mesmo tempo, Neia relaxou. Parece que ela não foi facilmente controlada porque ela
era a mais fraca.

“Também posso usar armas à distância, porém não sou boa em combate corpo-a-corpo...
Não temos uma vanguarda.”

Shizu sorveu sua bebida em silêncio.

“Tem alguma idéia?”

“...O que faremos?”


“Infiltraremos em uma cidade e resgataremos um VIP.”

Ela ainda não podia mencionar a palavra “Zern”.

“...Então precisamos da habilidade de nos movermos furtivamente. É melhor não ter


uma vanguarda fazendo muito barulho.”

“Sim, isso mesmo.”

“...Pode se mover em silêncio, Neia?”

“Eu tive algum treinamento, então provavelmente sou melhor que antes. No entanto,
não estou totalmente confiante em mim mesma.”

“...Pode lançar magias como 「Invisibility」 ou tem itens mágicos que podem fazer isso?”

Neia sacudiu a cabeça.

“...Entendo. Então dê seu melhor.”

“Sim, eu vou. Então...”

Ela poderia realmente confiar em Shizu? Ela poderia acreditar que ela estava sob o con-
trole do Rei Feiticeiro?

Se Shizu ainda era uma lacaia de Jaldabaoth e fingia ser uma subordinada do Rei Feiti-
ceiro para espioná-los, então falar sobre ele seria muito ruim. No entanto, era muito pro-
vável que o Rei Feiticeiro tivesse tomado o controle dela das garras de Jaldabaoth. Nesse
caso, não confiar nela o suficiente seria jogar fora seu melhor trunfo.

E assim, nervosa e hesitante, ela falou.

“Neste lugar, er, eu tenho o dever de ser a escudeira do Rei Feiticeiro.”

O belo rosto artificial de Shizu não se mexeu.

“...Eu ouvi. Ele disse que tinha olhos perversos. E então emprestou-lhe um arco com ofí-
cio rúnico. Mostre-me.”

Alarmes soaram no canto de sua mente — Jaldabaoth também parecia bastante interes-
sado nele. Ainda assim, se Shizu realmente estivesse a serviço do Rei Feiticeiro, ela não
seria capaz de recusar.

Neia entregou seu arco e Shizu pegou. No entanto, ela apenas olhou brevemente para
ele antes de devolvê-lo para Neia.
“Isso é muito bom. Você deve deixar que muitas pessoas o vejam.”

Ela falou calmamente, então parecia que ela estava lendo alguma coisa. No entanto, ela
provavelmente estava imaginando coisas porque Shizu não estava olhando para o arco
com interesse. Afinal, ela falara assim desde que a vira pela primeira vez.

“Obrigada. Ah sim. Sobre o que acontece depois da missão—”

Shizu estendeu a mão para interromper Neia.

“Você deve deixar que muitas pessoas o vejam.”

Por que ela está tão aficionada a isso?

Shizu provavelmente notou a perplexidade no rosto de Neia e continuou:

“Ele te emprestou uma excelente arma rúnica. Você deveria espalhar a palavra da gran-
deza de Ainz-sama.”

A palavra “Ainz” fez Neia se contrair. Remover essa dúvida era sua principal prioridade.

“—Sua Majestade.”

Neia sentiu algo no rosto inexpressivo de Shizu, de que ela não estava sendo clara o
suficiente e acrescentou:

“O correto é “Sua Majestade”. Chamá-lo de Ainz-sama é muito íntimo, não acha?”

Desta vez, foi Shizu cujo rosto se contraiu um pouco. Não, de relance, o rosto dela ainda
estava inexpressivo, mas Neia tinha certeza de que sua expressão havia mudado.

“Não é muito íntimo.”

“Não, é sim. Normalmente, você não se dirige a ele pelo nome dele, mas pelo título dele.
Você acabou de chegar ao serviço dele e ainda não tem sido útil para ele... O que há com
esse seu rosto?”

“Nada. No entanto, quero chamá-lo de Ainz-sama e não de Sua Majestade.”

Foi a expressão que poderia ser vagamente vislumbrada por aquela máscara inexpres-
siva um olhar de pena, ou ela estava cantando vitória? Mesmo Neia não entendeu, mas
isso a deixou furiosa. Aquela recém-chegada cheia de indiferença surgira do nada, e o
fato de ela estar tentando se aconchegar à pessoa que ela reverenciava a deixou muito
infeliz.
Neia decidiu não fingir mais. Mesmo desejando agir como escudeira e lidar com ela edu-
cadamente como uma pessoa do Reino Sacro, ela decidiu desistir disso. Não importava
se ela estivesse lidando com um monstro que não conhecia a história ao longo dos dias
atuais, ela tinha que deixar uma coisa clara.

“Alguém como você—”

“Foi-me dito para fazê-lo por Ainz Ooal Gown-sama — “Me chame de Ainz-sama”, ele
disse.”

“Eh?”

“Então eu posso chamá-lo de Ainz-sama. Eu-Posso-Chamá-lo-Assim.”

Ficou nas entrelinhas de, “Mas você não pode.”, o corpo de Neia tremeu.

Não, ela era um demônio que o Rei Feiticeiro tinha vinculado em seu serviço com magia.
Talvez fosse natural que ela fosse tão longe.

“Não, não pode ser. Você deve estar mentindo. Você está mentindo como um demônio
faria. Como ele poderia ter explicado com detalhes em uma situação como aquela?”

Shizu balançou a cabeça, como se dissesse: Minha nossa.

“É uma pena, mas também é verdade. Bem, eu sei que você deve estar chocada. Eu en-
tendo muito bem. Ainda assim, essa é sua posição. No entanto, se você trabalhar para ele,
algum dia você poderá chamá-lo de Ainz-sama também. Trabalhe bastante para isso.”

“—Shizu.”

“...Neia. É dever de um predecessor ensinar a quem vem depois deles.”

Mesmo sendo uma boa frase, Shizu não veio atrás dela? Ainda assim, o fato de que ela
poderia chamá-lo de Ainz-sama a fez sentir que talvez ela fosse a mais velha. Foi um
pouco difícil de aceitar, mas primeiro—

“Eu quero te agradecer.”

“...Não mencione isso. É preciso mostrar bondade àqueles que conhecem a grandeza de
Ainz-sama.”

Os olhos de Neia se arregalaram de surpresa. Ela só estava ligada a ele por um tempo
tão curto, então como ela ganhou tal respeito? Não, isso simplesmente provou o quão
grande o Rei Feiticeiro era.

“Sim, eu concordo. Eu sei muito bem quão grande Sua Majestade é.”
Depois que Neia respondeu, as duas se entreolharam por um tempo.

Shizu foi a primeira a se mover.

Ela rapidamente estendeu a mão direita. Neia respondeu instantaneamente e sem hesi-
tação.

Neia estava levemente incomodada pelo fato de Shizu não ter tirado a luva, as duas aper-
taram as mãos.

Dado o quanto ela reverencia o Rei Feiticeiro, parece que ela realmente está sob o domínio
de Sua Majestade. Caso contrário, ela não o chamaria de Ainz-sama, mas em vez disso ela
o chamaria de Sua Majestade como eu, para que ela não soasse estranha.

Ela estava sendo ingênua? No entanto, neste momento, Neia estava muito confiante em
suas crenças. Ela entendeu que a lealdade de Shizu era genuína. Assim como os dentes
de duas rodas dentadas se encaixavam, elas podiam entender uma a outra porque eram
companheiras de adoração do mesmo deus.

“...Falando nisso, é fácil se dar bem com você. Como uma humana, você tem um futuro
brilhante, Neia.”

“Eu tenho sentimentos muito mistos sobre se dar bem com um demônio. Estamos fa-
lando assim porque você está falando a verdade sobre o quão grande Sua Majestade é.”

Hum. Shizu assentiu.

“...Embora eu ache que não importa o que aconteça com você. Neia, eu a trarei de volta
em segurança para este país. Eu prometo.”

“Obrigada.”

A gratidão de Neia foi honesta e direta. A classificação de dificuldade de Shizu era 150.
Ela estava em um nível em que até mesma Rosa Azul teria dificuldade em vencer. Era
justo ser grata pela proteção de tal demônio. Isso era duplamente verdadeiro se ela fosse
uma serva do Rei Feiticeiro. Embora houvesse uma coisa que ela precisava esclarecer.

“...Você pode jurar isso em nome do Rei Feiticeiro?”

Shizu levantou a mão, como se ela tivesse sido chamada por um professor.

“Isso eu juro em nome do Ser Supremo, Ainz Ooal Gown-sama... No entanto, se morrer e
for ressuscitada, isso ainda conta como manter minha palavra, certo?”

“Segurança...? Não, acho que é um pouco diferente...”


As duas se entreolharam.

Para Neia, havia uma grande diferença entre “segurança” e “voltar à vida depois de mor-
rer”. No entanto, isso estava apenas dentro dos limites do que ela poderia comprometer.

“Se não se tornar um demônio ou um dos undeads, mas voltar à vida como uma humana,
isso deve contar, certo...”

“...Assim parece melhor... Tudo bem.”

Houve uma ligeira mudança na voz de Shizu, que estava em um tom monótono durante
todo esse tempo. Ela parecia estar motivada agora.

“...Mesmo não sendo fofa, isso é especialmente para você.”

Shizu tirou algo e foi para o lado de Neia. Então ela apertou algo firmemente em sua
testa.

“Eh!? O quê!? O que é isso!?”

Assustada com aquela ação inexplicável, ela tentou desesperadamente retirá-lo, mas
não conseguiu. Estava colado com tanta força que não se mexia. Foi muito assustador.

“O que é isso?! Eh! Espere! Você está me assustando!”

“...Está bem. Não vai doer e não é assustador. Veja.”

Shizu mostrou-lhe algo com o número 1 e um design estranho — algo como uma letra
— sobre ele. Era feito de algum tipo de papel que brilhava com um brilho assustador e
possuía uma face igualmente escorregadia. Ela tinha ouvido falar de talismãs, então era
um tipo de talismã usado como um meio mágico para essa arte? Não importa o que, ela
não poderia ter dado um item trivial como este, então deve ser algum tipo de item mágico.
Isso foi o que enviou um frio na espinha de Neia. E se ela não pudesse removê-lo pelo
resto de sua vida?

“Por que você teve que colocar na minha testa! Não há melhores lugares para colocá-
lo!?”

“...Mm, como uma irmãzinha.”

“Eh!?”

Embora ela tivesse ouvido algo muito chocante, havia um assunto mais importante em
mãos:
“De qualquer forma, tire isso. Pelo menos cole nas minhas roupas ou em outro lugar!”

“...Não deu para evitar, então.”

Shizu pegou uma pequena garrafa e colocou uma gota de algo na testa de Neia. Depois
disso, o objeto firmemente preso foi retirado com facilidade, como se nunca tivesse sido
preso. Ela pegou, olhou para ele e viu que era o mesmo que o Shizu mostrou a ela anteri-
ormente.

“...Adesivo. Precisa ser colado em algum lugar óbvio.”

Parece que ela teria que colá-lo. Fazer Shizu ficar com raiva não seria sábio, então Neia
fez o que lhe foi dito.

“Sim...”

“...Nós terminamos?”

“Eh? Ah, não, depois disso, eu queria falar sobre encontrar Sua Majestade, ah, não, para
recebê-lo de volta...”

“...Eu também vou... Precisamos de muita preparação. Então tudo vai terminar.”

“Mesmo?”

“...Eu prometo. Mas temos que ter tempo para terminar o mapa das colinas dos demi-
humanos.”

“Isso é verdade. Eh, demi-humanos?”

Um momento depois que ela concordou, uma pergunta apareceu de repente em seu co-
ração. Agora, ela não havia dito nada. Mesmo assim, por que ela de repente usou a palavra
“demi-humano?”

Poderia ser... ela ouviu do Príncipe Caspond sobre ele caindo nas Colinas?

“...O que há de errado?”

“Er, hum... eu entendi. Eu vou falar com as pessoas no comando.”

“...Prazer em conhecê-la, Neia.”

“O prazer foi todo meu, Shizu.”

Embora ela ainda estivesse ligeiramente incomodada com o adesivo, Neia estendeu a
mão, e Shizu respondeu. Ambas apertaram as mãos novamente.
“Você não acha que Sua Majestade está morto depois de tudo isso, não é, Shizu?”

Os olhos de Shizu se arregalaram.

“...Por que diz isso?”

“Na verdade, Sua Majestade caiu para o leste, e então ele não nos contatou novamente...
Já que Sua Majestade pode lançar magias de teletransporte, o fato de ele ainda não ter
voltado me faz pensar que algo aconteceu com ele... Então... e se... Sua Majestade...”

Doía demais falar mais do que isso. Ela hesitou, porque se ela dissesse, isso poderia se
tornar realidade.

Para isso, Shizu respondeu com o que provavelmente foi surpresa.

“...Ele está bem. Ele não está morto. Meu vínculo com ele é a prova. Hm... Por que está
chorando?”

Suas lágrimas estavam fluindo por conta própria.

O Rei Feiticeiro estava realmente vivo.

Ela realmente acreditava que ele não estava morto. Mas, às vezes, o desconforto que de
repente surgia em sua mente a deixava incapaz de dormir. Muitas pessoas haviam dito a
Neia que o Rei Feiticeiro estava bem, mas todos eles pareciam estar apenas tentando
consolá-la, tentar manter suas próprias preocupações à distância, e não porque acredi-
tavam realmente nisso.

Mas, naquele momento, alguém lhe dissera isso com absoluta confiança e certeza. Isso
e Shizu era a prova de que o Rei Feiticeiro estava vivo. Isso permitiu que Neia finalmente
relaxasse.

Foi um alívio, como o de uma criança perdida encontrando seus pais, que fez Neia chorar.

Shizu produziu um pedaço de pano que foi impresso com o mesmo desenho do cachecol
— provavelmente era um lenço — e cobriu o rosto de Neia com ele. E então, ela esfregou
com força. Ela não foi tão violenta quanto inexperiente, mas o lugar onde ela esfregava
doía muito.

Shizu puxou o lenço para longe, e o ranho de Neia se esticou em uma ponte viscosa.

“...Tem ranho nele... Super chocante.”

Depois de ouvir a voz distintamente chocada de Shizu, houve um olhar indescritível no


rosto de Neia.
Portanto, ela tirou um lenço do bolso e quebrou a ponte do ranho.

“...Eu vou lavá-lo.”

“...Mm.”

Parte 2

Entrar no castelo de Kalinsha não seria difícil.

Tudo o que tinham que fazer era se esconder em barris e esperar ser contrabandeados
como carga. Haveria verificações, é claro, mas havia outros barris — oito no total — além
dos que elas haviam escolhido para se esconder, então tudo o que tinham que fazer era
deixar os inspetores verificarem aqueles em vez disso. O fato de que eles poderiam pas-
sar a segurança com precauções tão simples era devido à natureza diversa da Aliança
Demi-humana.

Os demi-humanos todos vieram de culturas diferentes e tinham normas sociais variadas.


Se eles tinham algo em comum, era que força de luta significava tudo. Portanto, quando
um indivíduo poderoso exercia sua influência, ele geralmente seria respeitado, e trans-
gressões menores seriam todas perdoadas. Para os demi-humanos, seu poder pessoal
determinava sua capacidade de violência e, por sua vez, sua posição social. Aqueles na
base da pirâmide do poder não tinham outra escolha senão obedecer.

Portanto, um Zern poderoso poderia acabar com a inspeção de carga apenas encarando
os inspetores.

Eventualmente, houve um barulho alto quando os barris foram colocados no chão.

Depois disso, alguém bateu no topo do barril.

Esse foi o sinal de que elas chegaram ao seu destino. Como planejado, Neia contou três
minutos em silêncio enquanto ouvia o Zern responsável por transportá-los abrir uma
porta e sair.

Depois que os três minutos terminaram, Neia empurrou o divisor acima dela.
Os pedaços maiores de carne crua não caíam quando o divisor se inclinou, mas os peda-
ços menores choveram sobre Neia. Este barril foi construído com um fundo falso. Neia
estava abaixo do divisor e a carne fresca estava em cima dela.

A razão pela qual os barris estavam cheios de carne fresca e não legumes ou grãos era
para que eles pudessem usar o cheiro de sangue para mascarar o cheiro de Neia e Shizu.
Neia achava um pouco desconfortável estar encharcada de sangue e sucos da carne, mas
ela ainda se sentia feliz porque nenhuma das contramedidas que haviam preparado fora
usada.

Neia levantou lentamente a tampa do barriu e espiou os arredores.

Ela olhou ao redor do interior escurecido do cômodo — havia uma luz fraca que poderia
ser o brilho de um item mágico — e depois de verificar que não havia ninguém por perto,
Neia lentamente saiu do barril.

Havia todos os tipos de alimentos e urnas nas prateleiras dessa despensa. Havia também
muitos barris como os que foram recentemente trazidos para cá.

Deu muito trabalho, mas ela conseguiu sair com segurança. Para facilitar a reentrada,
ela deixou o divisor em pé dentro do barril.

Elas precisariam usar esses barris para escapar depois de resgatar o príncipe Zern.

Shizu, a outra infiltrada, acabara de sair de seu barril. Ela era mais baixa que Neia, então
sair de um grande barril era mais cansativo. No entanto, suas habilidades físicas estavam
muito além das de Neia e até de Remedios, então ela conseguiu sair sozinha antes que
Neia pudesse ajudá-la.

“Shizu-san.”

“...Hm?”

“Tem carne presa ao seu cabelo.”

Shizu parecia infeliz. Mesmo que sua expressão facial não mudasse, isso não significava
que ela não tivesse emoções. Talvez fosse porque ela estivera com Shizu todo esse tempo
ou porque a visão de Neia era excelente, ou talvez olhar para as feições ósseas do Rei
Feiticeiro todo esse tempo havia aperfeiçoado sua capacidade de examinar os outros,
mas Neia tinha uma noção aproximada de como Shizu se sentia.

Shizu se atrapalhou para tentar tirar os pequenos pedaços de carne de seu cabelo, mas
eles estavam presos aos fios na parte de trás de sua cabeça e ela não conseguia tirá-los.

Me disseram para cortar meu cabelo curto, porque o cabelo longo poderia ser facilmente
agarrado em combate, mas parece que há muitos outros inconvenientes além desse.

Neia foi para o lado de Shizu e pegou todos os pedaços antes de jogá-los no barril.

“...Obrigada... Não quero infiltrar dessa maneira novamente.”

“Nós vamos ter que fazer isso de novo quando escaparmos.”


“...”

Shizu olhou desanimada para o barril, depois tirou uma toalha do nada para se limpar
antes de entregá-la a Neia.

A toalha úmida tinha uma suavidade e delicadeza que Neia nunca sentira antes. Neia
imaginou que deveria ter sido muito caro. Como ela tinha conseguido suas mãos em algo
assim? Eles eram comuns no mundo dos demônios?

Enquanto todas essas perguntas e mais coisas passavam por sua cabeça, Neia limpou as
mãos que estavam pegajosas pela carne, e depois limpou o cabelo de Shizu com a parte
limpa. Mesmo isso apenas fazendo-a se sentir um pouco melhor, era melhor do que não
limpar nada.

“...Obrigada.”

“Não precisa agradecer.”

Enquanto Neia estava fazendo isso, Shizu pegou sua arma.

Aquele dispositivo de formato estranho era aparentemente uma arma de longo alcance
que chamaram de Arma Mágica. Usava mana para disparar ferrolhos parecidos com balas
e parecia uma balestra. Shizu havia dito alguma coisa sobre a pólvora não mostrar sinais
de combustão ou algo do tipo, mas Neia não tinha entendido nada, então a explicação foi
desperdiçada com ela.

Ela queria testar, mas Shizu se recusou, então a habilidade de luta de Shizu ainda era
desconhecida. Ainda assim, ela tinha uma classificação de dificuldade de 150, então Neia
sentiu que não havia nada com o que se preocupar.

“...Hm.”

Shizu produziu o Super Shooting Star Super e uma aljava de flechas do nada como um
mágico de palco antes de entregá-las a Neia e, por sua vez, Neia devolveu a toalha suja.

Inicialmente, havia uma discussão sobre como Neia levaria seu arco. Os limbos do arco
eram muito compridos, e quando se acrescentava camuflagem em cima, ela não conse-
guiria fechar a tampa do barril e, se o barril fosse aberto, ela estaria exposta.

Elas poderiam ter deixado o Zern carregá-lo, mas o arco era uma obra magnífica e teria
deixado uma impressão nas pessoas que o vissem. Além disso, a Zern também havia re-
cusado, por medo de ser dragada junto com elas se a missão de resgate falhasse.
No final, quando todos lhe disseram para deixar o arco para trás, Shizu disse que ela
poderia armazenar suas armas em um espaço misterioso no ar, para que ela pudesse
colocar o arco lá também.

O desconforto era de trazer um item valioso emprestado a ela pelo Rei Feiticeiro em
uma missão e em um lugar perigoso misturado com a garantia de não ter que se separar
com sua arma deu a ela um leve equilíbrio no desconforto. Neia agradeceu Shizu por sua
gentileza enquanto ambas as emoções a aumentavam. Parece que Shizu aceitou Neia
como sua kouhai, e depois disso, Shizu ocasionalmente agia como sua senpai.

Parte disso era como Neia tinha que abordar Shizu como “Shizu-san”, porque Shizu fi-
cava aborrecida se Neia não fizesse isso. No entanto, Shizu era uma garota bonita, e
quando ela fazia uma careta — ela podia dizer que, embora Shizu não mostrasse expres-
sões — Neia realmente achava fofo.

Depois que cada uma delas preparou suas armas, Shizu foi a primeira a se mover.

Neia levantou as orelhas para ouvir qualquer movimento do lado de fora da porta, mas
não havia ninguém lá.

“...Vamos sair.”

Cada segundo seria precioso, então Neia assentiu.

O Exército de Libertação se aproximava de Kalinsha enquanto a operação para resgatar


o Príncipe Zern estava em andamento, então a batalha por Kalinsha começaria em breve.

• 1: Neia e Shizu se infiltrariam em Kalinsha e resgatariam o príncipe Zern.


• 2: O Exército de Libertação se aproximaria de Kalinsha e começaria seu ataque.
• 3: Se o príncipe Zern fosse resgatado, os Zern atuariam como uma quinta-coluna
dentro das muralhas da cidade.
• 4: Se o item 3 falhar, então em vez dos Zerns abrindo os portões da cidade e gui-
ando o Exército de Libertação, Neia e Shizu teriam que lidar com essa tarefa. No
entanto, isso era demais para elas, então elas só fariam o que estava dentro de
suas capacidades.

Esses foram os pontos-chave do plano de batalha.

O importante era que, se pudessem resgatar o príncipe Zern, poderiam contar com o
Exército de Libertação e os Zerns para socorrê-los, mesmo que fossem forçados a se es-
conder e se defender. Isso também era bom para os Zerns; se o resgate fosse bem-suce-
dido, eles poderiam libertar o príncipe depois que Kalinsha fosse tomada de volta.

Em outras palavras, se eles poderiam ou não recuperar Kalinsha de forma simples e com
o mínimo de baixas, tudo dependia do resgate do príncipe.
Quando ela sentiu o peso esmagando seus ombros, Neia gemeu e sua barriga doeu no-
vamente.

Portanto — não havia muito tempo. Uma vez que o Exército de Libertação iniciasse seu
ataque a Kalinsha ou se elas fossem detectadas antes disso, a segurança de Kalinsha seria
reforçada.

De acordo com o que elas haviam planejado, Shizu produziu uma garrafa do que parecia
ser um perfume do nada e a polvilhou na Neia e em si mesma. Parecia ser algum tipo de
item mágico consumível que continha uma magia de 1º nível 「Odorless」. Não havia
muito no frasco, então elas tinham que conservá-lo o máximo possível.

Shizu abriu a porta, olhou para fora e depois saiu.

Elas escolheram o caminho e decidiram como lidar com várias situações depois de con-
sultar o mapa de Kalinsha, e já haviam discutido quais deveres cada uma delas teria de
executar.

Neia também saiu da despensa, depois fechou cuidadosamente a porta para não fazer
barulho antes de correr atrás de Shizu.

Embora eu não esteja ajudando muito...

Francamente falando, nas circunstâncias atuais, Neia não era nada mais que um fardo.
Isso ficou imediatamente claro quando se olhou para o passo de Shizu. Ela corria como
seu pai se movia pela floresta — não, ela era muito melhor, sendo tanto rápida quanto
silenciosa. Ela estava definitivamente usando algum tipo de técnica...

Ela é um demônio, mas ela usa técnicas como um humano... Aqueles que não se pode julgar
pelas aparências, são os mais assustadores, huh?

Mesmo com a possibilidade de deixar tudo para Shizu, a presença de Neia era tanto para
manter um olho em Shizu, quanto para assegurar que era um esforço conjunto entre a
Shizu do Reino Feiticeiro — assumindo que ela estava realmente ligada ao Rei Feiticeiro
— e a Neia do Reino Sacro para o resgate do príncipe. Dessa forma, o Reino Sacro poderia
agir como se tivesse contribuído para isso.

As passagens estavam escuras. Era noite. O luar entrava pelas janelas - ou melhor, a
única coisa que entrava era a luz da lua. Não havia outras fontes de luz aqui, nenhuma
iluminação mágica ou tochas.

Isso porque muitos demi-humanos eram indiferentes à escuridão. No entanto, havia di-
ferentes graus de ser capaz de ver na escuridão. Algumas espécies tinham visão completa
no escuro, porém, a maioria delas tinha visão noturna superior. Portanto, Neia e Shizu
evitavam o luar e se escondiam de sombra em sombra.
Como ser humano, Neia teve que se concentrar e aguçar seus sentidos. Não só ela não
podia ver claramente devido à escuridão, mas os guardas de patrulhamento também não
carregavam fontes de luz, então ela não conseguia avistá-los de longe.

Embora não entendesse bem o porquê a despensa tinha luzes, provavelmente era por
causa daquelas espécies que não tinham visão no escuro.

As duas mantiveram seus passos tão silenciosos quanto possível enquanto corriam pelo
castelo em direção ao seu destino.

Considerando que os atributos físicos de Shizu eram muito superiores aos de Remedios,
mesmo um ritmo que deixava Neia ofegante e quase incapaz de acompanhar, para Shizu
não seria nada além de um caminhar acelerado.

Elas ocasionalmente avistaram os guardas demi-humanos, que eram a deixa para pren-
der a respiração e esperar silenciosamente pela oposição seguir em frente. Elas não po-
diam matá-los, porque isso significaria ter que lidar com os cadáveres e esconder os ves-
tígios. Já que elas estavam no meio do inimigo, seria melhor não ser visto até que o res-
gate fosse executado com sucesso.

Felizmente, Neia e Shizu não foram vistas e continuaram em frente.

Havia poucos guardas dentro do castelo, graças à maior parte do pessoal sendo atribu-
ído às muralhas e às torres de vigia, bem como às prisões da cidade. O Rei Feiticeiro havia
matado uma grande quantidade de demi-humanos, o que significava que eles não pode-
riam estabelecer uma rede de segurança apertada. Assim, a vigilância dentro do castelo
se tornou relaxada, de acordo com a Zern.

A razão pela qual elas puderam prosseguir com segurança foi porque os Zerns fizeram
reconhecimento de área de antemão e feito preparações quase perfeitas, mas Neia ainda
sentia uma pontada de desconforto.

Houve dois desafios em seu caminho.

O primeiro foi a longa passagem que tiveram que percorrer para chegar à torre.

O segundo foi a ponte para a torre — a passagem aérea.

Não havia esconderijos em nenhum dos locais, e obviamente haveria sentinelas vigi-
ando também. Eles não estariam sozinhos também. Além disso, pelo menos um deles se-
ria colocado fora da linha de fogo para armas de longo alcance porque eles estavam em
guarda contra ataques à distância.

Enquanto discutiram o assunto em um grande grupo na frente do mapa de Gustav, elas


ainda teriam que passar por esses dois lugares para alcançar a torre.
Se pudéssemos usar 「Invisibility」 para enganar sua visão e 「Silence」 dos sacerdotes
para enganar sua audição, seríamos capazes de nos infiltrar perfeitamente... é por isso que
os aventureiros — que formam grupos que podem assumir todos os tipos de situações —
são tão altamente valorizados.

Eventualmente, as duas atingiram seu objetivo.

Este foi o primeiro desafio, a longa passagem. Se elas tentassem correr diretamente para
baixo, elas seriam vistas antes que pudessem cobrir a distância. Para evitar isso, elas pre-
cisavam chegar a um local onde pudessem executar ataques à distância sem serem vistas
pela oposição.

Era por isso que elas tinham vindo aqui, o nível acima da longa passagem, o cômodo
diretamente acima de onde os guardas estavam posicionados.

Se elas baixassem uma corda daqui e fizessem rapel nas paredes externas, poderiam
pegar um atalho sem serem detectadas.

“...Aqui?”

Em resposta à pergunta de Shizu, Neia consultou o mapa em sua cabeça e a rota que
haviam tomado, e fez um “sim” acenando a cabeça.

“...Hm. Nada mal.”

A resposta de Shizu soou como se ela estivesse elogiando uma kouhai, e então ela pres-
sionou o ouvido na porta. Então, ela rapidamente e silenciosamente abriu.

O cômodo estava cheio de vários itens, mas parecia que não era usado há muito tempo
e havia uma camada branca de poeira no chão. No entanto, havia vestígios de que os ba-
tedores Zerns estiveram aqui. Elas haviam se movido entre a janela e uma prateleira
muito grande.

Shizu produziu uma corda do nada. Era da mesma cor que a muralha do castelo.

Depois disso, ela a amarrou na grande prateleira. Ela usou toda a sua força para puxar
para ver se poderia suportar o peso de Neia e de si mesma, mas não se movia, e não mos-
trava sinais de desgaste.

O tamanho — e peso — da prateleira foi um fator, mas os fios parecidos com teias presos
às prateleiras provavelmente eram o fator mais importantes. Os Zerns que haviam che-
gado a esse cômodo de antemão fixou-a no lugar com fios pegajosos tirados dos Spidans.

A janela foi facilmente aberta e Shizu olhou para as muralhas da cidade do lado de fora.
Depois de verificar que não havia guardas de patrulha à vista, Shizu pendurou a arma nas
costas e disse:
“Eu vou primeiro.”

Ela se jogou da janela e deslizou pela corda até a janela abaixo.

Ela pegou seu peso em uma mão e usou a outra para abrir a próxima janela, que abriu
facilmente. Esse também tinha sido o trabalho dos Zerns.

Shizu então deslizou para dentro. Seus movimentos hábeis levaram apenas alguns se-
gundos.

Depois de confirmar que o cômodo abaixo estava seguro, Shizu cutucou seu rosto e ace-
nou para Neia.

Neia agarrou a corda e se inclinou para fora da janela.

Mesmo a janela no andar de baixo ficando a apenas quatro metros de distância, estavam
agora a mais de cem metros do chão. Se Neia caísse, ela se encontraria com uma morte
horrível. Não, seria pior se ela não morresse. Ela certamente seria torturada até que ela
abrisse a boca e então seria morta. Cair à sua morte seria uma alternativa misericordiosa.

Em outras palavras, a corda tinha espaçado uniformemente os nós ao longo do compri-


mento — em outras palavras — e não havia problemas durante as várias sessões práticas
que haviam realizado. No entanto, o treinamento pareceu completamente diferente da
coisa real.

Ah, eu realmente não quero ir...

Mas ela não tinha escolha. Se ao menos houvesse algo como uma sacada que ela pudesse
simplesmente pular...

Neia segurou a corda com força enquanto empurrava o corpo inteiro para fora da janela.
Ela cruzou as pernas para apertar firmemente a corda entre suas coxas.

Depois disso, tudo o que ela precisava fazer era descer devagar.

O chão é logo abaixo. O chão é logo abaixo.

Ela desceu lentamente a corda, lembrando-se repetidas vezes de não olhar para baixo.

Ela tirou o peso da mão direita e depois para a esquerda, exatamente como ela havia
praticado. O vento soprava e fazia seu corpo tremer em uma intensidade que não podia
ser comparada ao treinamento.

Vamos lá Neia, vamos lá, vamos lá! Shizu deve ter ficado mais assustada que isso!
A janela estava aberta por causa da ajuda dos Zerns.

No entanto, se alguém tivesse trancado a janela depois que os Zerns a abrissem, então
Shizu teria que subir de volta. Com isso em mente, Neia — que só precisava fazer uma
única viagem —relaxou com essa comparação.

Ela finalmente se aproximou da janela, e Shizu estendeu a mão para agarrar o corpo de
Neia. Assim, ela puxou Neia com força incrível.

“Obrigada, muito obrigada.”

“...Mm. Mas, muito tempo... remover isso, segure.”

“Sim.”

Shizu se inclinou para fora da janela e levantou sua arma mágica. Neia segurou a corda
como indicado. Houve um chiado de ar expulso e Neia sentiu uma força puxando a corda.
Shizu tinha cortado com sua arma.

Ela puxou a corda cortada e jogou no canto. Elas não estariam usando essa rota no ca-
minho de volta, então ela a puxou de volta em vez de deixá-la balançar livremente, mas
havia méritos e deméritos para isso.

O mérito era que isso minimizava o risco de ser visto pelas sentinelas.

O demérito era que, se acontecesse alguma coisa e elas não pudessem se infiltrar pela
rota planejada, elas não seriam capazes de subir ao andar superior com essa corda.

No final, as duas decidiram que os inconvenientes de serem vistas superam os méritos.

“Está feito, Shizu-san. Em seguida, precisamos passar pelo primeiro obstáculo...”

“...Mm. Vamos... Preciso matá-los. Consegues fazê-lo?”

“Mm. Eu acho que eu posso.”

Uma vez que saíssem deste cômodo, estariam em posição de atirar nas sentinelas posi-
cionadas ao longo da passagem.

Se elas não pudessem matá-los antes que soassem o alarme, todo o seu esforço seria em
vão.

Neia pegou seu arco e colocou uma flecha. Shizu também levantou sua arma mágica.

“Eu vou tomar a direita, você toma a esquerda, Shizu-san.”


Shizu formou um círculo com o polegar e o dedo indicador.

As duas trocaram olhares e então Shizu abriu a porta.

Neia fez contato visual com um demi-humano próximo, a cerca de um 1,50 metro de
distância. Ele não sabia o que estava acontecendo ou quem eram. O demi-humano ficou
tão surpreso que não conseguiu analisar a situação, mas Neia não hesitou e atirou uma
flecha nele.

Com um *katsun*, a flecha acertou sua testa e perfurou seu crânio.

Eu consegui!

As habilidades de Neia tinham desempenhado um papel, mas a maior parte do trabalho


foi feito pelo Super Shooting Star Ultimate.

Obrigado, Vossa Majestade!

Assim que a flecha de Neia perfurou o demi-humano pela cabeça, a arma mágica de
Shizu explodiu metade da cabeça do outro demi-humano.

Os demi-humanos fizeram mais barulho quando desabaram do que Neia esperava.


Neia apressou-se a levantar as orelhas. Felizmente, ela não podia ouvir alguém correndo
em direção a este lugar. Parece que ninguém as havia visto ainda.

“...Rápido.”

Elas já tinham atribuído suas tarefas de antemão. Quando Shizu arrastou os cadáveres
para o cômodo que acabavam de entrar com a corda, Neia usou o item de limpeza de
cheiro que Shizu lhe emprestara. Depois disso, ela pegou o odre de água no cinto e des-
pejou o poderoso vinho em todo o lugar, lavando os pedaços de carne, cérebro, crânio e
manchas de sangue no chão. Quando o fedor de álcool encheu o ar, Shizu saiu do cômodo,
em seguida, produziu um jarro de vinho vazio e derramou um pouco do vinho do jarro
dentro antes de silenciosamente rasgá-lo e deixá-lo no lugar.

“...Vamos.”

“Sim.”

Enquanto elas tentaram encobrir, era muito provável que o próximo turno percebesse
que algo estava acontecendo quando eles assumiram o controle. Ela seria capaz de rela-
xar se elas pudessem colocar os corpos na misteriosa dimensão de bolso de Shizu, mas
Shizu disse que ela não faria isso, assim elas deixaram os cadáveres na sala. É claro que
também haviam feito preparativos, mas não havia como ter certeza de que não seriam
encontrados.
Elas tinham que assumir que não tinham o luxo de ter tempo suficiente.

Por fim, chegaram ao segundo obstáculo, a passagem aérea. Dos vários cenários que
surgiram, este foi o mais próximo de ser ideal. Elas ainda tinham tempo e ninguém as
havia visto.

“...É uma corrida contra o tempo agora.”

“Eu sei. Se eu escorregar, não se preocupe comigo.”

O caminho do castelo para a torre tinha aproximadamente duas pessoas de largura.

Não havia paredes de ambos os lados — um vão livre. Aparentemente, várias pessoas
tinham caído do lado antes, e depois de ver isso, tudo o que ela conseguia pensar era que
era apenas o esperado.

Esta passagem aérea foi a razão pela qual este lugar foi o reduto final quando se envol-
ver invasores durante um cerco.

Uma grande força não poderia passar por aqui, portanto, uma vantagem em números
seria anulada. Ao mesmo tempo, havia também o risco de cair. Se houvesse uma linha de
lança no final do caminho, romper seria muito difícil. Esse desenho era do tipo que os
atacantes odiavam. Precisariam de magic casters com ataques como 「Fireball」 ou si-
milares para derrota-los.

Usar armas de longo alcance para um ataque contínuo era desvantajoso para o lado de
Neia, que operava furtivamente e com restrições de tempo. Portanto, tudo o que elas po-
diam fazer era atacar de perto e acabar com o inimigo, já que o inimigo poderia acertá-
las com armas de longo alcance, elas não teriam o benefício da cobertura.

Nesse caso, elas precisariam fechar a distância antes que as sentinelas as detectassem.
Mas em um olhar mais atento, o caminho era irregular. Foi projetado para desacelerar
qualquer um que tentasse atravessá-lo e forçá-lo a escorregar e cair.

Isso é perigoso... se um inimigo me encontrar e me segurar... eu vou cair e morrer. Se não


tiver cuidado...!

Depois de ferrar com toda sua determinação, Neia percebeu que Shizu estava olhando
para ela. Embora elas fossem do mesmo sexo, sendo encarada por Shizu, a beleza de bo-
neca, fez Neia ficar um pouco envergonhada.

“O-o quê?”

“...Use isso... Neia, espere aqui.”

“Eh?”
“...Eu vou cuidar dos guardas da porta. Não importa o que aconteça, não saia.”

“—Eh?”

Antes que ela pudesse obter uma resposta, Shizu desapareceu.

Ela havia desaparecido. Este não foi um movimento de alta velocidade. Shizu estava de
pé aqui até agora e então ela desapareceu no ar como se tivesse sido uma ilusão.

Uma onda de confusão atacou Neia. No entanto, Shizu já havia dito a ela para esperar,
então ela deveria ficar aqui e esperar.

Neia se escondeu na entrada da passagem aérea e ouviu atentamente a torre e o cami-


nho atrás dela para qualquer coisa fora do comum.

Vários segundos depois — algo aconteceu no posto de guarda.

Ela ouviu um grito e depois o som de um guarda entrando em colapso.

Neia colocou o rosto para fora para ver o que estava acontecendo e viu Shizu emergir
do posto de guarda. Shizu acenou para chamar Neia.

Quando Neia começou a entrar em pânico e se perguntar o que estava acontecendo, o


gesto de ondulação de Shizu ficou maior, até que todo o corpo dela estava se movendo.

Ela não poderia ir, agora que Shizu tinha feito tanto assim?

Neia se abaixou, depois correu pela assustadora passagem aérea exposta ao vento e en-
quanto prestava atenção em seus passos.

Depois que ela estava do outro lado, ela podia sentir o cheiro de sangue do posto de
guarda. Vários demi-humanos mortos jaziam no chão, e Shizu estava lá dentro, com a
expressão vazia de sempre. Ela segurou o que parecia ser uma faca muito afiada e grande
em sua mão direita. A lâmina estava manchada de vermelho brilhante, e ela tinha sua
arma mágica na mão esquerda.

“...Limpo. Mova-se.”

“Ah, sim...”

“...Não posso desaparecer novamente hoje. Seja cuidadosa.”

“Entendi.”
Parece que não havia necessidade de explicar, então Neia não perguntou, apenas seguiu
atrás dela.

Como esperado de uma empregada demônio...

Neia pensou.

Ela não poderia ter vindo até aqui sem Shizu.

E isso também é graças à ordem que Sua Majestade deu a Shizu.

Apenas o Rei Feiticeiro poderia inspirar maior respeito nas pessoas, mesmo quando ele
não estava presente.

Honestamente, o fato de ser um undead ou o que quer que fosse, era um problema in-
significante.

Eu preciso que todos saibam, afinal. Eu preciso dizer a eles como Sua Majestade é grandi-
osa!

A torre era quase completamente feita de pedra e tinha apenas uma pequena janela para
a luz. Era mais escuro que o castelo pelo qual passaram antes.

A passagem dentro da torre era bastante espaçosa, grande o suficiente para que Neia e
Shizu andassem lado a lado. E espiralava-se ao longo do interior da parede da torre.

O objetivo delas, o príncipe Zern, deveria estar perto do topo, então a única coisa que
elas faziam quando passavam pelas portas ao longo do caminho era verificar se havia
movimentação alguma dentro, enquanto as continuavam subindo.

Cerca de duas voltas depois, Shizu levantou a mão para sinalizar que deveriam parar.
Isso aconteceu quase ao mesmo tempo em que a audição aguçada de Neia captou os pas-
sos de uma criatura.

Parece que estava usando uma armadura de metal, porque ela podia ouvir o som do
metal batendo na pedra.

“Está sozinho, Shizu-san.”

“...Sim. Mas... pegadas pesadas.”

Neia não podia dizer, mas se Shizu dissesse isso, provavelmente era a verdade. Em ou-
tras palavras, o que quer que fosse, não era de tamanho humano.

“O que deveríamos fazer? Deveríamos nos esconder atrás de uma das portas pelas quais
passamos ao longo do caminho?”
“...Já está aqui. Mate-o.”

“Entendido.”

Neia preparou seu arco depois de Shizu. Seu plano era atirar primeiro e não se preocu-
par com perguntas. Ela ouvira dizer que o príncipe Zern era do tamanho de uma criança
humana. Além disso, ele não usaria armadura de metal.

Um objeto maciço apareceu, e Neia e Shizu atacaram sem hesitar.

A flecha e as balas entraram em seu corpo, como se tivessem sido sugadas.

“Gaaahhhh!”

O objeto massivo tropeçou e recuou ao longo do caminho.

Como havia recuado ao longo de um caminho curvo, não estava mais na linha de fogo.

O fato de ter sobrevivido a seus ataques — particularmente o de Shizu — sugeriu que


era um demi-humano muito resistente.

“O quê! Quem é você!?”

Um grito de raiva ecoou das profundezas da passagem.

“O que devemos fazer, Shizu-san?”

“...Não podemos sentar e esperar... Aproximar e atacar antes que o inimigo junte os guar-
das da torre.”

“Entendido.”

Neia e Shizu começaram a correr.

Como poderia sobreviver ao ataque surpresa de Shizu e Neia, eles poderiam assumir
que era o guardião — um Vah Un. Vah Uns eram seres que possuíam muito bom poder
de luta e uma quantidade impressionante de energia.

Enquanto corriam, a umidade no ar parecia aumentar também — o nariz de Neia captou


o cheiro da chuva.

“Goooaahhh! Pensar que haveria humanos aqui!”

Após se aproximarem, eles viram um enorme demi-humano.


Embora possuísse o ar selvagem de um Ogro, parecia muito mais inteligente que um.

Sua pele era branco-azulada, embora parecesse mais demoníaca do que doentia.

Tinha um único chifre grosso na testa. Ele carregava uma maça que era maior que Neia.

A julgar pela sua aparência física, estava bastante semelhante às descrições das espécies
conhecidas como Vah Uns.

Apesar de não ser tão ruim quanto Buser, ainda era um adversário bastante perigoso. A
flecha e as balas tinham claramente atingido, mas parecia não tê-lo ferido. Também não
havia cheiro de sangue, por isso parece que não o encobriu com ilusões.

De alguma forma, isso havia negado seus ataques — particularmente o de Shizu.

“Então vocês estão aqui para tomar minha vida, não é? Você é bem peculiar, humana!!!”

Parecia muito feliz.

Nesse caso, ela deixaria que ele continuasse errado.

“...Não.”

Shizu disparou enquanto falava.

Houve um chiado de gás expelido quando alguma coisa voou pelo ar. Depois disso, parte
do corpo do Vah Un se dissolveu em névoa e a bala passou.

“...Hm.”

“Wahahahaha! Armas de combate são inúteis contra mim!”

Neia disparou uma flecha na testa do Vah Un, mas sua cabeça também se sublimava em
névoa e a flecha afundou na parede atrás dele.

“—Inútil! É inútil! Agora tremam de medo diante de mim, pois sou a ruína de todos os
arqueiros, então morram!”

“...Imune a todas as armas de longo alcance? Ou é apenas forte?”

Shizu ponderou e murmurou:

“Deve haver um truque.”

Neia olhou para Shizu e sacudiu a cabeça. Infelizmente, os Zerns não conheciam detalhes
sobre suas habilidades.
“O que você está tagarelando!”

“Se proteja!”

O Vah Un encurtou a distância. A visão de seu corpo massivo se aproximando delas pa-
receu distante, como se seu senso de distância estivesse bagunçado.

Neia não seria capaz de sobreviver a um único golpe, então ela obedientemente escutou
Shizu e recuou.

Shizu estava na linha de frente e a maça caiu sobre ela. O golpe foi como uma tempestade
uivante, mas ela elegantemente o evitou.

A força do Vah Un era extraordinária, dado que ele podia balançar uma arma que era
tão alta quanto Shizu com uma mão. A pedra estava estilhaçada onde havia atingido o
chão e rachaduras irradiavam em todas as direções. Parecia que a enorme torre estava
tremendo.

“Tch!”

Neia disparou uma flecha.

Mesmo o Vah Un preso em combate com Shizu, havia uma enorme diferença entre os
tamanhos dos corpos. Se ela apontasse para cima, ela poderia atacar o Vah Un sem acer-
tar em Shizu.

Como esperado, o Vah Un transformou-se em névoa para evitar a flecha assobiando no


ar.

“É inútil! É inútil! Eu te disse que as flechas são inúteis contra mim! Tola — uwoooooh!”

O Vah Un rugiu ainda mais alto que antes. Shizu parecia achar isso irritante e partiu para
cima dele.

As habilidades de tiro de Shizu eram muito superiores às de Neia, mas ela não era tão
habilidosa em combate corpo a corpo, então, infelizmente, seu ataque foi bloqueado pela
maça.

Neia recuou e puxou outra flecha.

Desta vez, Neia apontou para a mão segurando a maça. Embora fosse muito provável
que a arma não caísse mesmo que se transformasse em névoa, ela decidiu que tinha que
tentar, por menor que fosse a possibilidade.

No final—
O braço formado por névoa não soltou a maça.

“Você não vai parar, humana!?”

O Vah Un apontou a palma para Neia:

“「Water Splash」!”

Uma bola de água voou para Neia.

Algo atingiu seu ombro direito. Neia foi enviada voando e caiu no chão.

Doeu como se tivesse sido selvagemente espancada. Seus ossos poderiam ter se que-
brado.

Depois de nervosamente tentar mover o braço direito, ela descobriu que ele poderia se
mover sem problema. No entanto, uma torrente de dor se espalhou de seu ombro dentro
de seu corpo. Ela tocou seu ombro e descobriu que estava molhado. Enquanto ela estava
com medo de que era sangue no começo, ela imediatamente percebeu que era água.

“Hmph! Você me fez usar uma magia insignificante!”

O Vah Un balançou sua maça enquanto cuspia sua resposta para elas.

Shizu murmurou baixinho para si mesma enquanto evitava agilmente um golpe mortal
que poderia ter esmagado Neia em pedaços.

“...Por que essa garota? Por que atacar alguém que não pode ferir você? Eu não entendo.”

“Hah, sua idiota! Isso é porque ela é um pé no s—”

“—Porque foi eficaz? Usos limitados?”

O rosto do Vah Un mudou. Em outras palavras, Shizu estava certa.

“Neia!”

“Entendido!”

Neia disparou uma flecha, da qual o Vah Un evitou se transformando em névoa. Depois
disso, ela disparou novamente — e a flecha perfurou o Vah Un.

Quando o Vah Un grunhiu de dor, Shizu falou.


“...Compreendo. Você só pode se defender contra sete ataques à distância. Isso é... por
dia? Por hora? ...Não importa. Você vai morrer aqui.”

O Vah Un não conseguiu alcançar Shizu, que se esquivava com incrível habilidade. Em
outras palavras, se isso acontecesse, seria preciso uma surra unilateral e morreria. Tal-
vez o Vah Un tivesse percebido que isso aconteceria, porque seu rosto estava torto.

“Maldita! 「Fog Cloud」!”

Um banco de névoa surgiu.

Era mais espessa do que o nevoeiro que ela vira no Reino Feiticeiro, e Neia nem sabia
sua localização. Enquanto ela não podia ver Shizu lutando contra o Vah Un, ela podia ou-
vir a arma mágica de Shizu fazendo pew pew pew.

Quando ela pensou sobre isso, isso era óbvio.

Mesmo que o Vah Un conjurasse o nevoeiro no meio da passagem, ela ainda sabia onde
estava. Tudo o que ela tinha que fazer era continuar atirando. Neia seguiu a liderança de
Shizu e atirou mais flechas. Ela estava um pouco preocupada, então ela apontou para o
alto; Dessa forma, mesmo que errasse, ela não acertaria Shizu.

A flecha que ela soltou derreteu na neblina, e foi seguida pelo som de algo atingindo a
parede. Parece que ela tinha errado.

“Está se movendo atrás de você agora.”

Quando Shizu disse isso, Neia pensou:

Eh?

Quando se considerava o tamanho da passagem, era impossível para o enorme Vah Un


ficar atrás de Shizu e Neia sem esbarrar neles. No entanto, ao longo do caminho aqui,
Neia tinha chegado a perceber que Shizu era um demônio confiável. Ou melhor, ela não
confiava tanto em Shizu como confiava no Rei Feiticeiro que ela servia.

Neia se virou e, embora a névoa ainda estivesse tão espessa que não pudesse ver nada,
ela disparou outra flecha.

Assim como antes, ela ouviu o som de uma flecha atingindo uma parede distante.

“Onde, onde ele está?”

“...Mm. Você está olhando na direção certa. Ele está tentando fugir... se abaixe!”
Neia imediatamente caiu de bruços enquanto Shizu falava em um tom que era muito
severo.

“...Recarregando... rajada máxima.”

Houve um kyuuuuun penetrante e, em seguida, um dakka dakka dakka cacofônico tro-


vejou pela passagem. Ao contrário do banco de som anterior, esse era um som preen-
chido por uma brutalidade opressiva.

“Gobooh~” Houve o som de alguém tossindo algo, seguido por um estrondo quando um
corpo massivo atingiu o chão. Depois disso, a névoa clareou e ela pôde ver o corpo do
Vah Un deitado ao longo da passagem curva.

Seu corpo estava coberto de buracos e parecia que tinha sido explodido. Havia marcas
semelhantes ao redor das paredes próximas. O que aconteceu para causar isso?

Como um ancião dedicado a proteger este lugar, deveria ter sido bastante forte. Na ver-
dade, Neia sozinha não teria a menor chance. No entanto, Shizu poderia instantanea-
mente matar um demi-humano assim, desde que sua arma fosse eficaz contra ele. Como
esperado de uma empregada demônio de dificuldade 150.

“O que... foi... não. Com magia, você pode fazer qualquer coisa, huh.”

Neia moveu seu ombro ferido. Ela havia esquecido a dor durante a excitação da batalha,
mas agora estava começando a doer mais e mais.

“...Tubo bem?”

“Mm. Mas dói puxar o arco. Eu não acho que posso mirar com precisão.”

“...Tem uma poção de cura?”

“Não, mas eu tenho um item de cura que Sua Majestade me emprestou.”

Neia só poderia usá-lo uma vez durante a batalha, mas agora ela sentia que poderia usá-
lo com mais frequência. Ainda assim, isso não significava que ela poderia desperdiçar
mana, porque ela poderia precisar curar Shizu se a situação exigisse isso.

“Não se preocupe. Nós só precisamos resgatar o refém e recuar.”

“...Mm. Então vamos nos apressar.”

Neia assentiu e correu com Shizu. O Vah Un, que definitivamente era um adversário
digno, havia sido derrotado.

Tudo o que restava agora seria resgatar o príncipe e voltar para a despensa.
Parte 3

“...Aqui.”

“Sim.”

Tendo atingido o nível mais alto, Shizu e Neia trocaram olhares. Havia apenas uma porta
aqui. Isso significaria que era, sem dúvida, seu objetivo.

Elas acenaram uma para a outra e então chutaram a porta para dentro.

Elas há muito abandonaram qualquer pensamento sobre uma entrada secreta. Afinal,
elas tinham acabado de travar uma grande batalha com o Vah Un. Dito isto, as duas se
inclinaram contra o limiar da porta, no caso de alguém atacá-las no instante em que se
abria.

No entanto, sua cautela foi em vão. Portanto, as duas entraram no cômodo ao mesmo
tempo. Neia rangeu os dentes contra a dor do ombro e foi para a esquerda, enquanto
Shizu foi para a direita, e as duas se cobriram.

A primeira coisa que viram foi uma cama grande e com dossel. Talvez seus enfeites de
renda já tivessem sido brancos, mas a idade os enegreceu. O cômodo também continha
uma cômoda simples e móveis de tamanho humano, como um armário e outros. Essas
peças de mobília de estilo nobre eram velhas e danificadas, e não pareciam mais antigui-
dades como mercadorias usadas.

Um rápido olhar através da sala não revelou demi-humanos.

Shizu levantou o queixo para sinalizar para Neia, e Neia se aproximou silenciosamente
do armário antes de abrir as portas. É claro que Neia a abriu do lado de fora e ficou fora
do caminho para o caso de alguma coisa acontecer, enquanto Shizu apontou o cano de
sua arma mágica no interior do gabinete.

“...Aqui não.”

Depois disso, as duas olharam para a cama.

Verificaram que não havia nada por baixo e se aproximaram.

Uma parte estava abaulada.

Neia olhou para Shizu antes de acenar para mostrar que entendia, e então ela levantou
o cobertor.
Havia um belo pedaço de carne roxa brilhante ali. Não, seria melhor dizer que era uma
larva enorme. Tinha cerca de 90 centímetros de comprimento e não tinha as mãos, mas
os pés atarracados.

Shizu apontou o cano da arma para ele sem qualquer hesitação, e Neia apressou-se a
chamá-la.

“Espere! Esse é o alvo para o qual fomos enviadas para resgatar, o príncipe Zerns!”

“...Isto?”

Foi isso que emissária Zern disse a Neia. No entanto, ela podia entender as dúvidas de
Shizu, porque Neia estava bastante confusa quando a Zern lhe dera a descrição do prín-
cipe Zern.

Os Zerns eram uma espécie de demi-humanos cuja realeza parecia muito diferente de
outros indivíduos de sua espécie. Além disso, eles também deveriam ser sexualmente
dimórficos.

“Er, pode nos ouvir, Príncipe Zern-sama?”

“—Mm. Fale. Parece que você não é minha comida.”

Ele parecia um adolescente. Neia estava curiosa para saber de onde sua voz estava vindo
e o examinou, e então ela viu que sua boca de verme estava abrindo e fechando.

“Exato. Nos pediram para te resgatar. Vamos começar tirando o senhor daqui.”

Ele ainda era um príncipe, mesmo com essa aparência, então ela tinha que obedecer às
regras da etiqueta. Além disso, ela precisaria da ajuda de sua raça quando encontrasse o
Rei Feiticeiro. Portanto, ela deveria fazer-lhe um favor agora, em vez de ofendê-lo.

“Foi um pedido dos meus companheiros de ovo? Quem te pediu para fazer isso?”

“Foi uma Zern chamada Beebeebee. O senhor a conhece?”

“Beebeebee, é isso? Ah, então foi ela? Hm... Mas se eu deixar este lugar, Jaldabaoth...-
sama ficará zangado. Isto colocará o povo Zern e particularmente o Rei em perigo.”

“Embora eu não esteja muito certa sobre os detalhes, parece que o Rei faleceu, então
devemos pelo menos resgatá-lo. É por isso que a Zern fez esse pedido a nós.”

“O quê!?”
Era impossível para um humano como Neia ler as expressões do príncipe Zern, que não
podia ser nada além de uma larva gigantesca. No entanto, ela podia sentir claramente a
profunda tristeza em sua voz.

“Oh, o pai na verdade... eu entendo. Aquele desgraçado do Jaldabaoth... Nesse caso, vocês
podem me tirar daqui em segurança?”

”Os subalternos de Vossa Alteza nos guiarão, então eu acho que tudo deve ficar bem.”

”Entendo... oh heróis humanos, que vieram até aqui para me ajudar, eu tenho um pedido
vergonhoso a fazer. Vocês podem fingir que me levaram pela força e que eu resisti ao
resgate?”

Esse pedido foi provavelmente apenas caso alguém os visse.

”Compreendo. Vamos fingir que é assim.”

”Muito obrigado.”

O príncipe levantou a cabeça. Embora parecesse um verme erguendo a cabeça, prova-


velmente era assim que sua espécie expressava sua gratidão.

Neia envolveu o príncipe nos lençóis como um bebê — se ele fosse um bebê, ela teria
ficado com medo dele chorar; ela experimentara isso duas vezes agora — e carregava-o
nas costas.

Ela amarrou firmemente o cobertor ao redor do peito, para que ele não se soltasse,
mesmo quando ela estava se movendo vigorosamente.

O peso no ombro dela fez Neia se machucar. Ela enxugou o suor que cobria sua testa e
usou a magia do colar.

Suas feridas se curaram instantaneamente. Agora ela ficaria bem, mesmo que tivesse
que correr com o príncipe nas costas.

“O senhor está se sentindo bem? Se doer, por favor, me avise imediatamente.”

“Não, eu não estou desconfortável... mas você cheira muito bem. Isso me deixa com fome.”

Ouvir aquelas palavras ditas nos arredores de seu pescoço fez Neia estremecer.

“...O que os Zerns comem?”

Shizu fez uma pergunta que Neia não queria perguntar.

“Os fluidos corporais das criaturas vivas, estejam eles vivos ou moribundos.”
Um arrepio percorreu a espinha de Neia.

“...Eu ficarei zangada se fizer algo estranho para a minha kouhai.”

“Não há necessidade de se preocupar. Eu não estou com fome o suficiente para fazer
uma coisa dessas com as heroínas que vieram me resgatar. Embora eu não tenha tido
permissão para partir nem uma vez desde o dia em que me trouxeram aqui, eles cuida-
ram de me alimentar, pelo menos.”

Se ela soubesse exatamente com o que eles o alimentaram, provavelmente teria derru-
bado ele como uma tonelada de tijolos, então Neia rapidamente parou de ouvir. Feliz-
mente, Shizu não perguntou mais nada.

“...Tudo bem, vamos.”

“Certo.”

“Por favor faça.”

Depois dessa breve permuta, as duas— três deles começaram a se mexer. Não havia
tempo a perder com conversa fiada durante uma infiltração clandestina.

Felizmente, eles conseguiram retornar à despensa sem incidentes. Foi quando Shizu le-
vantou a mão para detê-los.

“...Há pessoas dentro.”

“Conto com você para isso.”

Shizu preparou sua arma mágica e abriu a porta à força.

Então ela parou. Shizu olhou para trás.

“...Não tenho certeza de quem são. Mas são Zerns, muitos deles.”

Provavelmente a equipe de resgate. Especificamente, elas eram as Zerns que trouxeram


Neia e Shizu para cá.

Elas provavelmente haviam chegado primeiro porque Neia e Shizu tinham demorado
mais do que o previsto.

Depois de entrarem na despensa, as cinco Zerns que lá estavam se viraram para eles
como se fossem um. A visão desses monstros com rostos ilegíveis fazendo a mesma coisa
juntos gerou um sentimento dentro de Neia que era algo entre medo e repulsa.
Neia desfez os lençóis nas costas e revelou o príncipe Zern.

“Ohhh! É o Príncipe!”

Disse Beebeebee. Neia não teria sido capaz de distingui-las se elas não falassem. No en-
tanto, se elas fossem tão diferentes uma da outra quanto o príncipe, ela poderia nem
mesmo ter sido capaz de dizer se elas eram companheiras Zern.

“Oh, minhas companheiras de ovo. Eu soube que meu pai se foi. Eu sei que ele — Jal-
dabaoth — não pretende manter sua palavra. Mas para onde vamos fugir depois de trair
Jaldabaoth? Ele já conquistou nossas terras e instalou seus demônios de confiança como
seus governantes... não estamos nos destruindo escolhendo rebelar-nos?”

“Vossa Alteza tem razão em se preocupar. Mas para ele, os Zerns não são diferentes do
gado. Nossa heroina, Boobeebee, chegou atrasada ao seu chamado, e isso foi motivo su-
ficiente para ser julgada e teve a carne arrancada de seu ombro.”

“O quê! A Boobeebee!?”

O estremecimento do príncipe disse à Neia que tal Zern devia ter algum status.

“Quando tudo estiver terminado, os Zerns encontrarão um lugar sob o governo de Jal-
dabaoth? Nós determinamos que a resposta é não. Meu Príncipe, não há tempo, vamos
guardar essas palavras para—”

“—Suas tolas. Podemos deixar essa questão para quando escaparmos? Este é o ponto
de virada. Uma vez que a cruzemos, devemos seguir nosso curso até o fim. Agora é a única
vez que podemos voltar atrás. Diga-me, quando voltarmos para a nossa colmeia, quando
voltarmos para nossas colinas, como vocês pretendem viver?”

“Essa... essa terra é vasta. Com certeza haverá um lugar onde poderemos nos esconder.”

“Você acha? Você acha que as espécies seguirão a estrada para a destruição por essa
chance fugaz e vacilante? Me dê uma solução mais concreta e mais prática.”

“Nesse caso, nem todos estão a serviço de Jaldabaoth, poderíamos formar uma resistên-
cia...”

“Tolice. Isso só vai convidar Jaldabaoth a destruí-los. Um enxame de formigas atrai mais
atenção do que uma única formiga.”

Beebeebee ficou em silêncio quando o príncipe derrubou toda e qualquer proposta. Se-
ria ruim se isso acontecesse. Neia e os outros realizaram essa operação perigosa para
que tivesse essa oportunidade. Se o príncipe dissesse: “Nós não podemos fazer isso afinal
de contas”, seus esforços teriam sido desperdiçados.
Foi então que Neia surgiu com algo para acalmar as preocupações do príncipe.

“Ah, nesse caso, por que os Zerns não vão para o Reino Feiticeiro?”

“O Reino Feiticeiro? O que é isso?”

Não foram apenas os Zerns, mas também Shizu que olhou para ela.

“Sim. É o país onde o Momon reside. Ele é o herói que uma vez expulsou Jaldabaoth do
Reino.”

Neia percebeu que os Zerns estavam olhando para ela, mas ela não sabia das implicações
de sua aparência. Como os humanos poderiam entender as expressões de um Zern?

“O que diz é verdade?”

Aquela única sentença foi suficiente para Neia entender o motivo dos Zerns ficarem ca-
lados. Eles duvidaram da verdade das palavras de Neia. Mas isso era apenas esperado.
Quanto mais conhecia o poder de Jaldabaoth, mais difícil era acreditar que alguém pu-
desse derrotá-lo.

“Cada palavra. Eu aprendi isso através de canais confiáveis. Na verdade — Shizu-san?”

“...Ela está certa. Neia fala a verdade.”

“Além disso—”

Essa foi a parte crucial. Neia se empolgou internamente:

“—Se vocês forem para o Reino Feiticeiro, tenho certeza que eles aceitarão vocês como
refugiados.”

“Sermos refugiados...”

Havia amargura na voz do príncipe.

“Mas se o senhor puder fornecer informações sobre o Rei Feiticeiro do Reino Feiticeiro,
tenho certeza de que não serão menosprezados quando chegarem lá.”

“Calma, calma. Por que eles ficariam felizes em ouvir sobre o seu próprio rei?”

“Ah sim. Então... ah... a localização do Rei Feiticeiro não é acurada...”

“Isso é muito ruim, não? Na pior das hipóteses, ele pode até estar morto, não é verdade?”
“Um momento por favor. Sua Majestade não pode estar morto. Há evidências concretas
e estamos verificando isso agora.”

Neia contou a eles que o Rei Feiticeiro poderia ter caído nas colinas onde os demi-hu-
manos viviam, então ela queria contar com a ajuda deles para procurá-lo. O príncipe ficou
em silêncio.

Não vai funcionar?

Neia pensou, mas já que ela já tinha feito seu discurso, ela não podia dizer mais nada.
Agora era com eles.

Além disso, mesmo que eles não pudessem fornecer qualquer assistência direta, eles
deveriam ser capazes de pelo menos fornecer conhecimento, como haviam prometido.

“...Entendo. Se fizermos um favor a eles... mas seremos aceitos como demi-humanos? O


Reino Feiticeiro é uma nação de humanos, não é?”

“Não, não é. O Reino Feiticeiro é uma nação governada por um undead.”

“Undead!?”

Tanto o príncipe quanto as Zerns em torno dele exclamaram como um.

“Você está nos dizendo para ir a um lugar tão perigoso!?”

Todas as raças tinham um forte ódio pelos undeads. Até mesmo Neia tinha sido assim
antes de entender o Rei Feiticeiro. Ela ficou comovida com a constatação de que as pes-
soas à sua frente foram semelhantes às que ela tinha no passado.

“Um momento por favor. O Reino Feiticeiro pode ser governado por um undead, mas
seu supremo soberano é um rei de mente aberta e nobre, e eu pessoalmente testemunhei
os humanos coexistindo pacificamente com os demi-humanos dentro do país.”

“Você está realmente chamando os undeads de ótimos, eu não posso acreditar que os
humanos são tão—”

“—É o bastante. Neia-dono, peço desculpas se minhas subordinadas a ofenderam. No


entanto, o Rei Feiticeiro é realmente tão bom quanto você diz que ele é?”

“Sim.”

Neia segurou seu peito enquanto respondia à pergunta do príncipe.

“...Não podemos ler as expressões dos seres humanos. Mas eu entendo que alguém tão
corajosa quanto você — que mergulhou atrás das linhas inimigas a fim de efetuar um
resgate ousado — deve estar fazendo tal afirmação com a máxima confiança. Portanto,
eu devo acreditar nele também — não no Rei Feiticeiro que é undead, mas o Rei Feiticeiro
em quem você colocou sua fé. Vamos confiar nosso futuro ao Rei Feiticeiro, então.”

“Ohhhh!” As Zerns gritaram de alegria.

“Parece que chegamos a uma decisão. Nesse caso, rezo para que fuja para o Reino Feiti-
ceiro o mais rápido possível, Meu Príncipe. Infelizmente, há algumas notícias muito ruins,
nos informaram que um dos demônios de confiança de Jaldabaoth chegará em breve. Eu
pensei que teríamos mais alguns dias antes que ele chegasse... mas será ruim se formos
encontrados. Tudo bem, vamos.”

Como espécie, os Zern eram em grande parte compostos de fêmeas, com pouquíssimos
machos. Praticamente só o rei e o príncipe caíram na última categoria. Se os machos de
uma tribo fossem exterminados — embora houvesse casos em que as fêmeas pudessem
mudar de sexo — a tribo seria colocada no caminho da extinção.

Portanto, o príncipe precisava fugir para um lugar absolutamente seguro — o Reino


Feiticeiro, e foi por isso que eles tiveram a discussão anterior.

“Um demônio de confiança de Jaldabaoth? Ele está vindo?”

Havia uma palavra que as Zerns tinham dito que ela não podia ignorar.

“Mmm. Você não o viu? Ele tem três demônios de confiança ao seu lado e um deles está
vindo para cá.”

“...Precisamos derrotá-lo aqui.”

Ao ouvir as palavras de Shizu, o príncipe — que havia sido deixado no chão — de re-
pente se debateu.

“Você está louca!? Vocês duas devem ser muito fortes para terem sido capazes de me
resgatar, mas mesmo assim, vocês nunca conseguirão derrotá-lo!”

O rótulo de “forte” só se aplicava a Shizu, mas Neia não conseguia encontrar uma chance
de se intrometer e, assim, ela não conseguiu esclarecer as coisas.

“...Dizem que ele se teletransporta entre muitas cidades... Ele vindo aqui é uma oportu-
nidade rara. Se você perder, você não terá outra chance.”

“Isso é verdade...”

“Meu príncipe!”
“Acalme-se e pense sobre isso. Se pudermos matar um dos auxiliares de Jaldabaoth, sua
cadeia de comando cairá no caos, e será mais difícil para eles nos encontrarem, já que
não estão indo para as colinas, mas para o Reino Feiticeiro... então, é possível derrotá-
lo??”

“...Não sei. Mas esta é a única chance.”

“Então vamos emboscá-lo. Aposto que foi a força que deixou vocês duas matarem o Vah
Un!”

Disse o príncipe. Ele ficou bastante chocado quando viu o cadáver do demi-humano no
caminho de volta:

“Ouçam bem, todas vocês. A partir de agora, vamos ajudar as duas a derrotar o servo de
Jaldabaoth!”

“Sim!”

“Existem dois humanos e seis de nós. Até recentemente, nós oito éramos inimigos em
comum, mas agora somos companheiros de batalha. Tal como os que aparecem nas sagas
heroicas cantadas.”

Eh?

Surpreendida, Neia voltou a verificar o número de Zerns presentes e, depois de ver que
não se enganara, falou apressadamente.

“Espere, por favor espere. O senhor não precisa se envolver nisso, Meu Príncipe. Afinal,
viemos aqui para te proteger!”

Além disso, o que esse príncipe poderia fazer em combate? Por mais gentil que alguém
quisesse interpretar suas intenções, ele ainda era uma larva gigantesca que se arrastava
no chão. Honestamente, seria menos problemático se ele simplesmente as seguisse como
um estandarte de batalha.

“Entendo, então para você, sua missão acabou, já que você me ajudou a escapar. Eu en-
tendo, entendo. No entanto, com a minha ajuda, deverá ser mais fácil derrotar o lacaio de
Jaldabaoth. Não, eu diria que sem mim, será muito difícil para vocês derrotá-lo, mesmo
que vocês sejam as heroínas que derrotaram o Vah Un.”

Shizu derrotou o Vah Un sozinha. Neia não teve nada a ver com isso. Mesmo assim, o
príncipe ainda a considerava como heroína, o que a deixava muito constrangida.

“Então, o senhor quer dizer que podemos fazer isso se conseguirmos a ajuda de todos
os Zerns?”
O príncipe fez um barulho estranho.

“Não, não, grandes heroínas. Não é assim. Eu posso conjurar magias espirituais de
quarto nível.”

“Quarto nível?”

Neia ficou surpresa. O 4º nível de magia era um reino que apenas os gênios mal conse-
guiam alcançar após muitos anos de muito trabalho e esforço. No Reino Sacro, as únicas
pessoas que poderiam lançar tais magias eram a sumo sacerdotisa Kelart Custodio e a
Rainha Sagrada Calca Bessarez.

Neia olhou para o lado, pensando que Shizu ficaria tão surpresa quanto ela, mas o rosto
de Shizu estava vazio como sempre.

Uma empregada demônio com dificuldade cento e cinquenta, como esperado dela — tais
coisas nem sequer a perturbam...

“A... ah... todos os Zerns são tão poderosos quanto o senhor?”

O príncipe fez outro som estranho e se debateu como um peixe capturado.

“Eu sou especial.”

“Precisamente. É por isso que ele é o Príncipe.”

Depois de ouvir a voz orgulhosa da Zern, Neia refletiu:

Entendi...

Pois relembrou o conteúdo das aulas que ela havia tomado uma vez.

É isso então. As realezas de algumas espécies são muito mais poderosas do que os plebeus
que parecem ser uma espécie completamente diferente...

“Dito isso, eu tenho uma fraqueza... ou seja, sou muito lento.”

Bem, isso é verdade.

Neia pensou. Isso era óbvio de relance.

“Se alguém se aproximar de mim, eu serei morto sem a chance de revidar. Portanto,
posso te incomodar para que me carregue? Eu posso lançar magias quando necessário.”

“Entendo. Compreendo o que o senhor deseja fazer. No entanto, poderia as Zerns — isto
é, suas guardas reais — levar o senhor em nosso lugar?”
“Ao contrário do nosso príncipe, nos especializamos em combate corpo a corpo. Vocês
lutam a distância, estou certa?”

“Isso é verdade... hm. Seria melhor se Shizu-san ou eu o carregássemos... não, vamos


deixar isso de lado por enquanto. Seria ruim se arrastássemos o príncipe para isso e ele
acabasse morrendo.”

“...Neia. Há um significado especial para carregar o príncipe... É por isso que ele sugeriu
ir conosco.”

“Fufufu. De fato, existe. Eu digo, você sabe alguma coisa sobre ele? Aquele demônio de
árvore-murcha que se enfeita com cabeças?”

“...Existem vários demônios como esse. Silk Hats, Crowns, Circlets e Corollas.”

Shizu contou os quatro tipos em seus dedos.

“...Eu acredito que o lacaio demônio deve ser um deles. Mas... se encontrarmos um Silk
Hat, devemos fugir. Mesmo eu não poderia ganhar contra um.”

“Então você sabia?”

Neia ficou surpresa e, em seguida, esse sentimento foi substituído pela raiva. Quando
elas se prepararam para a missão, Shizu disse que ela não sabia muito sobre os lacaios
demônios.

Ela mentiu para eles?

Isso porque, se ela estivesse tentando manter informações sobre o exército de Jaldaba-
oth do Reino Sacro, isso significaria que Shizu nunca esteve sob o controle do Rei Feiti-
ceiro desde o início. Também significa que a existência de Shizu não provava nada sobre
a segurança do Rei Feiticeiro.

“...Eu confiei em você! E no fim, você estava mentindo para mim desde o começo!”

Apanhada em suas emoções, Neia agarrou Shizu pelos ombros. Ela usou muita força,
mas a empregada demônio não parecia ferida. Não foi porque Shizu não tinha emoções,
mas porque essa quantidade de força não era nada para ela.

O arrependimento e ressentimento insuportáveis fizeram Neia querer chorar. Ela tinha


pensado que tinha forjado um vínculo com Shizu, mas no final ela acabou sendo nada
mais do que uma piada. Neia não pôde deixar de zombar de si mesma.

O rosto de Shizu estava tão vazio quanto antes. No entanto, houve uma mudança sutil
que só Neia podia ler.
Aflição, contemplação ou talvez — remorso.

“...Eu sinto muito.”

Shizu espremeu essas palavras depois de um longo silêncio. Dificilmente se qualificava


como um pedido de desculpas — na verdade, servia apenas para alimentar as chamas de
sua raiva. Mas agora, Shizu parecia estranhamente impotente, e vê-la assim ajudou Neia
a recuperar um pouco de sua compostura.

Cuidadosamente, como se estivesse fazendo algo que nunca havia tentado antes, Shizu
continuou em silêncio.

“...Se você soubesse o quão forte esse lacaio demônio é, você e os outros poderiam ter
tido medo e não realizado a operação. Mas para o bem da vitória de Ainz-sama... nós de-
vemos vencer esta luta. Foi por isso que eu menti.”

Cada palavra que ela disse tinha sido cuidadosamente considerada antes de ser colo-
cada em uma declaração sincera e agoniada. Mas essas palavras também continham uma
fé genuína e inabalável.

Neia não sabia como enxergar através de suas mentiras. Sem mencionar que ela era um
demônio — não, mesmo que ela não fosse um demônio, Neia não seria capaz de dizer se
uma garota de rosto inexpressivo como ela estava falando a verdade.

No entanto, mesmo que ela estivesse se alimentando de informações para Jaldabaoth


como uma espiã, ou tentando derrubar o Reino Sacro de dentro, as ações de Shizu até
agora não correspondiam a essas motivações. Ela deveria ter agido de forma mais sen-
sata.

E mais do que qualquer outra coisa, Neia queria acreditar em Shizu. Parte disso era por-
que sua existência era uma prova da sobrevivência do Rei Feiticeiro, mas também porque
a conexão misteriosa que ela compartilhava com Shizu se tornou insubstituível.

“...Tudo bem. Eu acredito em você. Mas por favor, não faça pouco caso de mim. Eu ficaria
feliz em enfrentar qualquer perigo ou medo se for para o bem de Sua Majestade.”

Shizu pareceu visivelmente aliviada. Como esperado, não seria o caso dela ser uma espiã.
Quando considerou isso, ficou evidente que ela não era adequada para coisas assim. En-
quanto pensava nisso, um sorriso natural e não-forçado voltou ao rosto de Neia.

“Tudo bem, tudo bem, podemos voltar ao tópico anterior? Se você sabe muito sobre eles,
pode nos contar sobre as habilidades desse demônio?”

“Todos esses demônios possuem as mesmas habilidades, mas não são muito fortes em
suas formas básicas. No entanto, o problema surge quando esses demônios são capazes
de obter cabeças de criaturas inteligentes... particularmente se conseguirem de magic
casters.”

De acordo com Shizu, demônios desse tipo poderiam equipar-se com as cabeças de ma-
gic casters e usar os poderes dos donos das cabeças. Os Silk Hats podiam usar quatro
cabeças de uma só vez, os Crowns podiam usar três, os Circlets podiam usar duas, e os
Corollas podiam usar uma. O seu nível de ameaça aumentava exponencialmente se con-
seguissem obter as cabeças de magic casters excepcionais.

“Não importa quão boa seja a cabeça que um Corolla use, ele só pode lançar magias de
até o terceiro nível. Silk Hats, por outro lado, pode lançar magias de até o décimo—”

“Espere!”

“Um momento!”

Tanto o príncipe quanto Neia interromperam Shizu.

Neia e o príncipe trocaram olhares. Mesmo Neia não conseguindo ler o rosto do príncipe,
Neia tinha certeza de que ele estava pensando a mesma coisa que ela.

“...Diga primeiro.”

“Umu... er, você disse décimo nível? O quinto nível não é o mais alto nível de magia?”

Foi como o príncipe disse. Neia ouvira dizer que esse era o limite da magia. A razão pela
qual ela sentiu que o Rei Feiticeiro poderia usar magias do 6º nível também se originou
disso.

Em resposta à pergunta do príncipe, Shizu balançou a cabeça como se dissesse: “Haa, o


que vou fazer com você?”

“...O décimo nível é o mais alto nível de magia. A magia que Jaldabaoth usou para chamar
meteoros do céu também pertence a esse nível.”

“Como, como podemos vencer — eh? Eh? Isso só pode ser brincadeira! Não me diga, Sua
Majestade, que desafiou Jaldabaoth...”

Quando a verdade chocante atingiu Neia, o príncipe também estava estremecendo de


choque.

“O décimo nível? Não. Não pode ser verdade, né? O décimo nível... Poderia ser verdade...
E pensar que eu estava tão orgulhoso de mim e do meu quarto nível...”

Não, o 4º nível já era muito poderoso. A arrogância seria justificada ao usar tal nível.
Havia poucos e preciosos magic casters capazes de atingir esse nível.
“Shizu... eu gostaria de checar algo, mas... Sua Majestade pode usar magias do décimo
nível... também?”

“...Mas é claro.”

“Por que fez essa pergunta idiota?” O tom de Shizu parecia implicar. Ela parecia estar
revirando os olhos. Pode ser a primeira vez que Neia havia discernido tão claramente os
sentimentos de Shizu.

O príncipe, que era um magic caster, estava se contorcendo com o tremendo choque.

“Hah? Hah? Então o rei da terra para a qual estamos fugindo — o Rei Feiticeiro — é um
ser undead tão poderoso assim? O domínio do décimo nível significa que, ele é no mínimo
duas vezes mais poderoso que eu?”

“...Haaa.”

—Shizu suspirou profundamente:

“Sua Majestade.”

“Eh?”

“...Chame-o de Sua Majestade.”

“Ah sim, sim. Sua Majestade é verdadeiramente poderoso...”

Quando se pensava calmamente sobre isso, Shizu tinha sido bastante rude com o prín-
cipe de toda uma tribo, mas como Shizu estava falando sobre fatos, Neia admitiu tacita-
mente suas ações enquanto expressava sua concordância.

“De fato, Príncipe-sama. Sua Majestade é incrivelmente poderoso!”

“Ah, sim.”

“...Príncipe. Se o senhor pudesse localizar alguém tão poderoso, ele estaria em dívida
com o senhor!”

“Você está absolutamente certa! Então reconsideraremos sua proposta anterior — para
procurar por Sua Majestade nas colinas —, daremos nosso total apoio!”

Neia cerrou os punhos em entusiasmo.

“Muito obrigada, Príncipe-sama. —Então, Shizu, você poderia continuar o que estava
dizendo?”
“...Sobre o quão poderoso Ainz-sama é?”

“Nós estávamos falando sobre aquele lacaio de Jaldabaoth. Ah, eu também gostaria de
ouvir sobre o Rei Feiticeiro — você poderia me contar mais depois que voltarmos em
segurança?”

“...Hm. Demônios de múltiplas cabeças com múltiplas cabeças equipadas podem usá-las
ao mesmo tempo e conjurar múltiplas magias de uma vez, mas existem várias condições.
Primeiro, cada cabeça só pode usar duas magias ao mesmo tempo. Além disso, há um
limite em quantos níveis de magias podem ser conjuradas de uma só vez. Por exemplo,
os Silk Hats podem conjurar um número máximo de quinze níveis de magias ao mesmo
tempo—”

“—Quinze níveis! As magias atingem no máximo quinze níveis!?”

“...Elas não vão tão alto. Os níveis das magias somados que podem chegar ao máximo de
quinze.”

O príncipe se contorceu de alívio diante da resposta de Shizu.

O fato de que Neia pudesse supor um pouco de como o príncipe se sentiu através de
suas ações começou a assustá-la.

“...Continuando. O importante é quantas cabeças esse demônio pode equipar de uma só


vez.”

“Duas. Uma é uma cabeça demi-humana e a outra é a cabeça de um humano como vocês.”

Neia tinha um mau pressentimento sobre isso. Jaldabaoth estava segurando um corpo
humano quando apareceu. Sua metade superior não estava faltando?

“Como era essa cabeça humana, Príncipe-sama?”

“Infelizmente, não posso distinguir indivíduos de outras espécies que não a minha. Ah,
eu sei sobre a outra cabeça. Pertencia à rainha das espécies demi-humanas chamadas de
Pandexs. O nome dela é Grand Mother.”

Neia queria perguntar mais sobre os Pandexs e a Grand Mother, mas Neia tinha coisas
mais urgentes que ela precisava saber.

“Eu gostaria de perguntar sobre a humana. Que cor era o cabelo dela?”

“Pelo cabelo você quer dizer o pêlo na cabeça? Era um preto-claro.”

“Preto? Então não pertence a alguém do Reino Sacro?”


O coração de Neia estava de alguma forma aliviado. Por um momento, ela se perguntou
se a cabeça pertencia à Rainha. Agora que seu palpite se provara errado, ela sentiu uma
profunda sensação de alívio. Ao mesmo tempo, Neia observou que isso pode ser uma
sugestão para outro enigma.

Ela ouvira dizer que os humanos das regiões do sul geralmente tinham cabelos negros.

Então é isso...

Neia pensou.

Será que Jaldabaoth veio de lá?

Ela se perguntou.

Para o Reino Sacro, as regiões do sul não eram uma terra governada por humanos. Me-
nos da metade da população era humana, e muitos deles tinham o sangue de outras es-
pécies, e esse número estava aumentando constantemente. De acordo com o que Neia
sabia, apenas o Reino Sacro, o Império e o Reino que eram governados pela realeza hu-
mana. A Aliança Cidade-Estado e a Teocracia não tinham famílias reais.

Então foi por isso que nenhuma notícia sobre Jaldabaoth chegou a esses países domina-
dos por humanos.

“...A propósito, demônios de múltiplas cabeças não podem usar as habilidades de cabe-
ças que não pertencem a magic casters. Eles não ganham as habilidades de guerreiros
equipando a cabeça de um guerreiro. Isso é porque existem outros demônios com essas
habilidades.”

“Nesse caso, a cabeça da demi-humana... Príncipe-sama. O senhor pode nos contar um


pouco sobre essa Grand Mother?”

“Certo. É por isso que quero batalhar junto de vocês. Os Pandexs são uma espécie que
se alimenta de musgo e se parecem conosco.”

Em outras palavras, eles pareciam vermes.

Neia sentiu uma pontada de repulsa ao pensar em um demônio que se enfeitava com a
cabeça de vermes.

“...Grand Mother também é uma magic caster espiritual?”

“De fato. Eu uso o princípio Yin dos Cinco Elementos, mas a Grand Mother é o oposto;
ela usa o princípio Yang dos Cinco Elementos. Yin e Yang são dois extremos, e as magias
de um podem resistir ou dificultar as magias do outro.”
“...Entendi.”

Shizu assentiu:

“Permitir que ele venha conosco melhorará nossas chances.”

“Mm. Estou feliz que você entenda. Pessoalmente, estou muito infeliz que um demônio
esteja usando a cabeça da Grand Mother. De fato. Afinal de contas, ela foi meu primeiro
amor.”

“Meu Príncipe!”

“O que o senhor está dizendo! Como o senhor poderia se apaixonar por uma fêmea de
outra espécie?”

“Ahhh! Isso foi uma paixonite infantil! É diferente agora!”

Embora parecesse um tema meloso, tudo que ela sentia sobre o primeiro amor de uma
larva foi a total repugnância.

“Nesse caso, supondo que nosso inimigo seja um Circlet capaz de equipar duas cabeças
de uma só vez, quantas séries de magias totais podem ser lançadas de uma só vez?”

“...Um máximo de seis níveis. A propósito, os Crowns podem conjurar no máximo dez
níveis.”

“Então, se eu usar magias de quarto nível, ela só poderá conjurar magias de segundo
nível. Claro, isso é simplesmente uma suposição, então você ainda tem que ter cuidado...”

“E a tal cabeça humana. Nós sabemos pouco sobre isso. Neia?”

“Eu sinto Muito. Lamento dizer que não conheço a pessoa de cabelos negros. Ainda as-
sim, estou bastante surpresa. Eu pensei que você pularia direto para a luta, já que você é
a Shizu.”

“...Ainz-sama disse que coletar informações é muito importante.”

“Ah, como esperado de Sua Majestade. Que excelente noção!”

Quando Neia disse isso, Shizu estendeu a mão para ela, e Neia imediatamente agarrou e
sacudiu.

“...Boa menina. Se fosse mais bonita, eu colocaria um adesivo em você. Talvez um ade-
sivo peludo.”
“...Um adesivo? Ah, você já colocou um em mim, então eu não preciso de outro. Por favor,
cole em outra pessoa que você goste.”

“...Mm. Você é a primeira pessoa a não gostar dos meus adesivos.”

“Eh?”

Neia exclamou surpresa quando Shizu disse que ela foi a primeira. Depois disso, ela ime-
diatamente percebeu que talvez ela — como um demônio — não tivesse tido muitos con-
tatos com humanos. Não, era possível que outros a tivessem a desprezado em seus cora-
ções, mas não ousassem demonstrar, devido ao medo que ela impõe por ser um demônio.
Ela queria dar uma indireta, mas Neia não podia fazer nada como estragar a diversão de
alguém que era leal ao mesmo Ser Supremo que ela. Assim, Neia simplesmente deixou
passar com um sorriso amargo.

“...De fato, os humanos não têm pêlo, muito parecido com nós, Zerns. É por isso que eles
moram em casas como essas. Por que não cavar buracos como nós fazemos?”

“Príncipe, estamos nos afastando do assunto. Nós não temos muito tempo — precisa-
mos lidar com isso antes que os humanos ataquem esta cidade.”

“...Mm. Em conclusão, o príncipe também irá.”

Ninguém falou contra isso. Ou melhor, Neia foi a única a expressar sua oposição a isso.

“Com relação às nossas táticas, vamos lidar com a linha de frente, mas o que devemos
fazer se houver guardas que nos bloqueiam? Permitir que um conjurador movimente-se
livremente é muito perigoso.”

“...Vou me envolver em combates próximos.”

Ninguém perguntou se ela poderia fazer isso. Ela era metade da equipe que poderia der-
rotar o guardião Vah Un — embora isso fosse todo o trabalho de Shizu — ou assim todos
disseram. Ninguém duvidava das habilidades de Shizu.

“Tudo certo. Então nós vamos nos mover. Antes de aproximar-se do lacaio, nos coloque
nos barris e nos leve para dentro. Se você disser que está levando comida para o demônio
sob as ordens dele, poderemos nos aproximar dele.”

Por “nós”, o príncipe estava se referindo a si mesmo, Neia e Shizu. Enquanto os três per-
manecessem despercebidos, eles poderiam continuar mantendo sua farsa — a traição
dos Zerns não havia sido detectada. Essa era uma tática que só poderia ser aplicada agora.

Mais uma vez, Shizu e Neia se esconderam dentro dos barris que usaram para entrar na
cidade.
“Shizu-san. Nós somos realmente sortudas.”

Shizu colocou a cabeça para fora do barril.

“...Por quê?”

“Veja bem. Tudo está indo bem para nós. Graças à traição dos Zern, conseguimos salvar
o príncipe, e até o lacaio de Jaldabaoth está aqui. Se o derrotarmos, teremos conseguido
uma grande conquista. Dessa forma, ninguém mais poderá falar mal de nós. Também po-
deremos montar facilmente uma equipe de resgate para encontrar Sua Majestade.”

“Foi tudo coincidência.”

Neia foi derrotada pelo tom um tanto severo de Shizu.

“Eh? Ah, i-isso é errado? Tivemos sorte porque foi uma coincidência... bem, tivemos su-
cesso porque Sua Majestade fez de você propriedade dele, então acho que nesse sentido,
não é realmente uma coincidência.”

“Propriedade... de Ainz-sama.”

“Ah, talvez “propriedade” não seja a palavra certa, huh?”

“...Eu não me importo. Neia.”

“Eh?”

“...Eu gosto muito de você. Você não é fofa, mas não me importo de lhe dar outro adesivo.”

Doía um pouco ser chamada de “não é fofa” de novo e de novo, e enquanto pensava isso,
Neia disse:

“Esqueça isso...”

E se abaixou em seu barril.

Parte 4

As Zerns foram paradas por outros demi-humanos várias vezes enquanto moviam Neia,
Shizu e o príncipe em seus barris, mas nenhum dos barris foi aberto e revistado. Dessa
maneira, os três chegaram na área do escritório do lacaio demônio.

Neia e os outros emergiram dos barris.


Eles haviam espiado do lado de fora de dentro dos barris, mas a segurança não havia
ficado mais incisiva. Parece que o resgate do príncipe ainda não havia sido exposto.

Neia pendurou o príncipe nas costas e, enquanto o segurava com uma corda, uma das
Zerns foi em frente para procurar uma audiência com o lacaio demônio. Esta foi uma
forma de reconhecimento.

Quando todos terminaram os preparativos para entrar, a Zern retornou.

“Ele está sozinho, sem guardas.”

Neia franziu a testa.

Agora que Jaldabaoth estava tão ferido, então ele — como um dos únicos três demônios
— não fortaleceria suas defesas? Ou ele relaxou agora que o Rei Feiticeiro estava morto?

Enquanto todos os tipos de perguntas giravam em sua cabeça, a única coisa que impor-
tava era o resumo do príncipe.

“Isso significa que é a oportunidade perfeita para matá-lo. Vamos lá.”


De acordo com as palavras do príncipe, todos eles entraram em ação.

Uma das Zerns abriu a porta, e Neia — que estava na frente do grupo — podia ver cla-
ramente o que estava dentro da sala.

O amplo escritório tinha um teto de cinco metros de altura e era muito espaçoso. Devido
aos seus muitos móveis de qualidade superior, deu a impressão de uma suíte de luxo
estereotipada.

Havia uma mesa preta e sólida, e atrás dela um monstro horrível, que falava:

“Humanos? Zer...”

Parecia estar dizendo alguma coisa. No entanto, eles não estavam aqui para conversar.

O príncipe imediatamente lançou uma magia das costas de Neia.

“「 Yin • Cinco Elementos: GouKakyuu」.”

Uma fraca e bruxuleante chama passou por Neia como se tivesse sido jogada na sala. Ela
tinha ouvido falar ao longo do caminho que era uma magia de ataque de 4º nível que foi
nomeada pelo seu poder de ataque. Tipicamente, a primeira coisa que faria ao ser lan-
çada em uma sala fechada seria explodir ao fazer contato com qualquer coisa. Contudo—

“「 Yang • Cinco Elementos: GouKakyuu」.”


A chama desapareceu no meio do caminho, como se tivesse sido apagada pelo vento.

“Eu sabia...”

O Príncipe murmurou com ódio.

Ele não lançou mais nenhuma magia. Essa magia tinha sido um experimento. Ele plane-
java pressionar o ataque se ele não tivesse sido negado, mas infelizmente não era o caso.
Como ele não pretendia desperdiçar mana, ele esperaria para conjurar magias de acordo
com os ataques da oposição.

“...É o príncipe Zern nas costas da humana? Não parece que os humanos o capturaram e
o trouxeram aqui... Kuhahaha. É traição, então? Interessante.”

O grande demônio parecia ter vindo de um pesadelo quando lentamente se levantou,


como se em zombaria aos humanos.

Estava completamente nu, de modo que seus braços — que chegavam até os joelhos —
e suas pernas e corpo de pele e ossos estavam completamente expostos.

Seu corpo parecia madeira murcha, tão esguio e frágil que até Neia sentiu que poderia
quebrá-lo.

Aquele corpo de madeira murcha não tinha cabeça. Não havia nada além de uma linha
reta que se estendia de ombro a ombro. Não, havia um esguio — mais fino que o pulso
de uma mulher — projetando-se da região do pescoço. Havia duas frutas nela. Aquelas
devem ser as cabeças deste grande demônio.

“Eh? —Ah.”

Neia não pôde deixar de gritar assim. Tal foi o choque dela que foi o único som que ela
poderia fazer a princípio.

Como Shizu havia dito, essa era a característica especial dos Circlets — duas cabeças.

Uma delas pertencia a uma larva de aparência monstruosa. Parecia muito com o prín-
cipe e, dada a impressão do que ouvira, provavelmente era a Grand Mother. O problema
estava na outra cabeça.

Pertencia a uma mulher, com os olhos arregalados na cabeça e a boca escancarada como
um peixe. Sua pele parecia horrivelmente pálida, mas a cabeça não parecia apodrecida
ou danificada, e seu cabelo cintilava com um brilho dourado. Ela podia ver carne verme-
lha brilhante na parte onde a cabeça havia sido separada do corpo, e parecia úmida o
suficiente para sangrar. Embora o fato de a cabeça parecer ter sido recém-removida fosse
bastante misterioso, era assim que ela podia dizer imediatamente a quem pertencia.
“Kelart Custodio-sama...”

Mesmo ela só olhando de longe, não havia como ela ter confundido com outra pessoa.
Ela era a sumo sacerdotisa mais forte do Reino Sacro.

Confusão e dúvida rodaram dentro de Neia.

O que estava acontecendo? O Zern havia mentido? Eles achavam que Neia e Shizu con-
siderariam fugir se soubessem que era Kelart?

“Entendo. Entendo. Entendo. Oh, Zerns, isso significa que vocês não se importam mais
com o que acontece com o seu rei e as pessoas daquela terra? Eu lhes darei uma última
chance. Se apossarem dessas pessoas, eu farei vista grossa para isso, e aplicarei uma leve
punição. Que tal isso?”

As duas cabeças — que pareciam frutas bizarras — não se mexeram. Nem aqueles glo-
bos oculares opacos. Pareciam apenas decorações. Nesse caso, de onde veio essa voz?

O príncipe não deu atenção à pergunta de Neia e criticou o grande demônio.

Suas subalternas Zerns imediatamente se posicionaram para atacar a qualquer mo-


mento.

“Hmph! O que mais há a dizer neste momento? Quem acreditaria em você depois que
mataram o rei?”

“O rei? É mesmo...”

Neia ouviu o que parecia ser surpresa naquela voz. Ler isso foi difícil porque esse demô-
nio não tinha uma cabeça própria e sua expressão não mudou. Isso dificultou ver se o
ataque de alguém foi efetivo pela reação do inimigo. A esse respeito, os Zerns também
eram adversários problemáticos para os humanos.

“Meu dever é governar este lugar. Esse assunto estava fora da minha jurisdição... En-
tendo, então foi morto? Isso aconteceu porque o seu rei foi um tolo.”

“O quê!”

“Ora. Ora. Ora. Caros traidores, não me digam que vieram apenas para falar? Vocês vie-
ram aqui porque pensaram que podem me derrotar, não? Nesse caso — qual é o seu
trunfo? Essa humana?”

Um dedo se levantou, com uma garra que deveria ter mais de 60 centímetros de com-
primento. Apontou para Neia.

“Como se eu dissesse a você!”


O grande demônio respondeu calmamente à fúria do príncipe:
[Demônios S o m b r a ]
“Você não precisa. Shadow Demons.”

A sombra do grande demônio se estendeu em um movimento deslizante.

Ela inchou, indo de um plano bidimensional para um plano para tridimensional. Parecia
a imagem comumente falada de um demônio, mas era completamente preto. E havia dois
deles.

Por isso, provavelmente, não havia guardas militares ao seu lado.

“Matem todos os Zerns que não seja o príncipe. Eu capturarei o príncipe... Humana, se
você os trair, eu posso poupar as pessoas nos campos que são valiosas para você, até o
número de dedos nas duas mãos.”

O grande demônio fez a mesma proposta que Shizu esperava.

Quando Neia se encheu de respeito pela perspicaz percepção de Shizu, ela decidiu res-
ponder a fim de torná-lo descuidado.

“Mesmo?”

Depois que ela cuidadosamente fez sua pergunta, ela podia ouvir alegria na voz do de-
mônio.

“O que você está dizendo!? Você está nos traindo!?”

O príncipe gritou das costas de Neia, e então a atenção do grande demônio ficou com-
pletamente focada em Neia.

“Cale-se. Faça silêncio. Eu estou falando com ela... Eu sou um ser de palavra. Diga-me
quantas pessoas você quer proteger e ajudar. Se os dedos das duas mãos não forem sufi-
cientes, podemos continuar as negociações—”

O demônio indefeso parecia ter esquecido o significado da precaução, e estava cheio de


aberturas.

Seu trunfo escondido (Shizu) não deixou de perceber isso. Ela saltou da sombra da porta
e levantou sua arma mágica.

Uma rajada foi disparada, e o grande demônio agarrou seu ombro e tropeçou para trás.

Shizu estava esperando sozinha do lado de fora da sala pelo tempo certo para lançar
este ataque surpresa, e isso sinalizou o início das hostilidades.
As negociações que tinham a intenção de manipular seu oponente em negligência aca-
baram. As guardas de honra do príncipe Zern saltaram em direção aos Shadow Demons.
Shizu correu para a sala com uma velocidade assustadora, passou pela frente dos dois
lados com movimentos rápidos dos pés e se aproximou do grande demônio.

“O quê! O Rei Fei—”

“...Não precisa explicar.”

Shizu cortou com sua adaga, e o grande demônio aparou com suas garras.

Enquanto ela sabia que havia pouco tempo para tais coisas uma vez que a batalha co-
meçasse, Neia desabafou sua infelicidade no príncipe atrás dela.

“O que você quis dizer com cabelo preto?! Não é loiro!?

“Loiro? Aonde que isso é loiro?! É preto claro, não é?”

“Eh?”

Ele não parecia estar mentindo. Poderia ser — Zerns percebem as cores de forma dife-
rente dos seres humanos?
Neia ouvira uma vez que certas espécies, com visão completa no escuro, não distinguiam
as cores, apenas preto e branco. Havia também alguns que não conseguiam discernir co-
res em lugares escuros.

A luz na despensa era provavelmente para que as espécies pudessem ver a cor da co-
mida.

“Conversamos isso depois! 「Yin • Elemento Madeira: KaminariTsume」!”

“Tch! 「Yang • Cinco Elementos: KaminariTsume」!”

Um golpe de eletricidade percorreu o ar como as garras de uma fera, mas se dissipou na


metade do caminho.

Havia magias como 「Cinco Elementos: Kin Yawara」 que diminuíam a força defensiva
e magias como 「Cinco Elementos: Kin Tsuyoshi」 que aumentavam o poder de ataque,
assim como a magia elétrica 「Cinco Elementos: Kaminari Sourou Shourai」, a oposição
poderia não invalidar esses, mas em vez disso, lançou uma magia de alto nível sobre Neia
e os outros.

Para evitar isso, o príncipe simplesmente lançava magias de ataque, que o inimigo não
podia ignorar. Além disso, ele se concentrou no uso de magias elementais de eletricidade,
que o inimigo não deveria ser capaz de resistir, e então modificou o elemento da magia
para o elemento madeira. O elementalismo do demônio provavelmente seria capaz de
protege-lo, mas a magia aprimorada do príncipe não poderia ser totalmente anulada, e
assim a oposição começou a sofrer pequenos danos.

A Grand Mother original poderia ter usado técnicas de fortalecimento como o príncipe,
mas agora ela não era mais que um acessório para o grande demônio. O demônio não
possuía técnicas próprias de fortalecimento e a magia do príncipe o dominou.

Já que Shizu estava assumindo o papel de vanguarda, Neia teve que fazer seu trabalho
como a retaguarda. Ela não poderia simplesmente servir de transporte para o príncipe
diante de um inimigo tão poderoso. Ela soltou uma flecha do Ultimate Shooting-Star Su-
per que ela segurava.

Seu tiro contra o corpo principal foi altamente preciso, mas o grande demônio facil-
mente o rebateu com a mão.

“Fora do meu caminho. 「Shockwave」.”

O rosto de Kelart — seus lábios se moveram e ela lançou uma magia de ataque de 2º
nível em Shizu. Mesmo o corpo de Shizu saltado do chão com impacto invisível ao olho
humano, ela não parecia ter sofrido qualquer dano que poderia ter dificultado seus mo-
vimentos. Neia não esperava nada menos de uma empregada demônio com dificuldade
150.

“「Yin • Elemento Madeira: KaminariTsume」!”

“「Yang • Cinco Elementos: KaminariTsume」!”

Eles lançaram as mesmas magias um para o outro novamente, e uma fraca corrente de
eletricidade passou pelo corpo do demônio.

“「Open Wounds」!”

Aquele contra-ataque pioraria o estado de qualquer ferida. Naturalmente, Shizu foi o


alvo, que estava sendo atacada pelas garras do demônio.

Tudo o que ela podia ver foram as costas de Shizu. No entanto, sua destreza não parece
ter diminuído.

O suor escorria pelas costas de Neia.

Neia era a única entre seus aliados que podia se curar. Portanto, ela naturalmente se
tornou a curandeira do time. No entanto, ela podia dizer o quanto ela estava ferida, mas
ela não tinha a experiência de combate para dizer se as feridas eram severas. Em parti-
cular, pessoas inexpressivas como Shizu podem exceder seus limites e entrar em colapso
antes de perceber que algo estava errado. Portanto, Neia teve que prestar muita atenção
ao que Shizu e o príncipe estavam fazendo. Era como fazer uma coisa com a mão direita
enquanto fazia outra com a esquerda, e ela estava tão ocupada que começou a ficar con-
fusa.

Ainda assim, ela tinha que fazer isso.

O príncipe continuava lançando magias de ataque, enquanto Shizu levava um pequeno


dano enquanto ela lutava com o demônio com sua faca. Ambos estavam realizando suas
tarefas com perfeição, e ela não podia simplesmente desistir e dizer que ela era a única
que não podia fazer sua parte.

“「Heavy Recover」.”

Neia julgou que Shizu tinha sido gravemente ferida, então ela ativou o item que o Rei
Feiticeiro havia emprestado a ela e lançou uma magia de cura de 3º nível em Shizu.

“Entendo!”

Os instintos de Neia disseram a ela que a atenção do demônio sem rosto estava nela.
As palavras do grande demônio implicavam que ele conhecia a identidade da curandeira
do time — que deveria ser destruída primeiro. Na verdade, o grande demônio ainda tinha
força suficiente para lançar uma magia de ataque em Neia depois de invalidar a magia do
príncipe.

“「Shockwave」.”

Um pulso invisível de força a atingiu como um martelo de guerra.

Ela podia ouvir rachaduras repugnantes de dentro de seu corpo, e ela se contorcia em
agonia da dor que corria através dela.

Doeu mais do que a magia que o Vah Un usara nela. Ela não podia acreditar que Shizu
tivesse sofrido um ataque como aquele com uma cara tão séria. Agora ela sabia a razão
pela qual Kelart Custodio fora saudada como um gênio. Foi por causa desse poderoso
golpe.

“Aieeee!”

Neia rangeu os dentes, mas não conseguiu evitar que um grito abafado de dor lhe esca-
passe.

“Você está bem!?”

“Eu estou bem!”

Neia respondeu ao príncipe, que estava preocupado com ela.

“Chamarei as Zens—”

“—Não. Eu protegerei a Neia.”

Shizu abriu os braços, levantando-se como se estivesse protegendo Neia.

O grande demônio era enorme e ele fez Shizu parecer minúscula. Portanto, ele deve ser
capaz de ver Neia sem qualquer impedimento. No entanto, Neia estava muito feliz por
dentro.

“O quê!? Ahhhh!”

O demônio gritou com uma voz rouca. Parece que Shizu fez algo com ele que teve algum
efeito.

Ela usou uma habilidade especial? Ou foi uma magia?


Ela não tinha certeza do que exatamente havia acontecido, mas Neia sentiu a hostilidade
do grande demônio enfraquecendo. Claro, ela provavelmente estava imaginando coisas.
Afinal, não havia razão para que esse grande demônio quisesse matá-la menos agora.

Se houvesse outro ataque como o último, outra magia tão poderosa quanto a última, ela
deveria ser capaz de aguentar. Não, ela precisaria aguentar.

Ela havia recuperado a mana que havia perdido durante a batalha com o Vah Un, mas o
número de vezes que ela podia usar 「Heavy Recover」 ainda era desconhecido, então
era melhor salvar o máximo possível. No entanto, esperar até o último momento para
curar também significava que o menor erro a levaria à beira do abismo. Julgar com pre-
cisão o momento certo para curar era muito difícil.

“E ela está empunhando o arco que o Ainz-sama lhe emprestou!”

A voz de Shizu soava muito alta para ela. Ela provavelmente estava aumentando a voz
para melhor elogiar o Rei Feiticeiro. Esta era uma batalha de vida e morte, mas ela não
conseguia mencionar isso. Afinal, a pessoa que fazia isso era Shizu, a pessoa mais forte
do lado deles, e havia uma aura de veteranismo. Ela pode ter um plano em mente.

“O quê!? Você quer dizer, aquele Rei Feiticeiro!?”

Houve surpresa na voz do lacaio demônio. Tal era a fama do Rei Feiticeiro. Ele deve ter
ouvido de Jaldabaoth que ele era um adversário para ser cauteloso.

“Sim! É um arco feito com ofício rúnico!”

Tendo ouvido algo que ela não podia ignorar, Neia advertiu Shizu.

“Shizu! Não conte a ele sobre nós!”

“O quê! Então foi uma arma feita com a antiga, a arte perdida do ofício rúnico! Uma arma
como essa pode até ser capaz de me matar!”

Por que ele está explicando isso com tantos detalhes?

Quando Neia pensou, ela imediatamente sentiu vergonha. Agora, ela estava lutando com
um adversário incrivelmente poderoso com sua vida em risco. Uma fracote como ela
mesma não tinha o luxo de contemplar tais assuntos.

“Então é ofício rúnico! Surpreendente!”

O lacaio demônio continuou falando em um tom muito cauteloso. Talvez estivesse fa-
zendo isso para distrair Neia. De fato.

“Ofício rúnico?”
A voz surpresa do príncipe veio de trás dela. E Neia apressadamente falou:

“Não! Esta arma não é assim!”

Enquanto Neia gritava, ela sentiu Shizu e o demônio congelarem por um instante. Deve
ter sido isso. Quando dois oponentes eram equilibrados, tudo o que podiam fazer era
olhar um para o outro sem poder fazer um movimento. Não havia nenhuma dúvida sobre
isso.

“Ofício r...”

“Não!”

Neia gritou sem se preocupar com mais nada, e o lacaio demônio grunhiu em voz baixa.

“Sei... então a seguir, eu vou... 「Blindness」.”

A magia que veio do nada escureceu a visão de Neia. Ele deve ter feito isso para tornar
a curandeira impotente.

O item que Neia recebeu emprestado permitia que ela usasse 「Heavy Recover」, e não
magias que pudessem curar sua cegueira.

Um sacerdote ou um magic caster divino poderiam ter curado facilmente o status de


cegueira. Infelizmente, não havia ninguém assim aqui.

Ela não sabia quanto tempo a escuridão iria durar, mas se ela quisesse curar Shizu, ela
teria que ficar ao alcance dela.

“Eu não consigo ver!”

Era muito importante contar a seus camaradas o que havia acontecido com ela.

“Shizu! Se você está ferida, precisa me dizer!”

“...Mm.”

“Desculpe, eu não sei magias que possam curar sua condição!”

“Não se preocupe com isso!”

Depois de responder ao pedido de desculpas atrás dela, Neia puxou a corda do arco. Ela
deveria ser capaz de acertar o alvo usando sua memória muscular. Este foi o fruto da
experiência que ela ganhou ao lutar contra o Vah Un e muitos adversários de grande
porte. A corda do arco vibrou.
“—Guwaaaargh!”

Ela ouviu o lacaio demônio gemer de dor.

“Você acertou! Ele tentou se esquivar, mas teve o efeito oposto! Bom trabalho!”

Depois de ouvir o esclarecimento do príncipe, Neia percebeu o quão sortuda ela tinha
sido e orou ao Rei Feiticeiro.

“...Continue atirando assim.”

“Eiii!”

“Mm!”

Embora o som das Zerns lutando contra os Shadow Demons ao redor dela tornasse
muito difícil dizer o que estava acontecendo, Neia se concentrou em quanto Shizu tinha
sido ferida e a localização do lacaio demônio e continuou atirando no último.

Talvez fosse porque ele havia se machucado e percebido que ele perderia se não derro-
tasse Shizu primeiro, mas o lacaio demônio concentrou todos os seus ataques em Shizu.
Além disso, continuava lançando magias 「Blindness」 nela, tentando desabilitá-la
como fez com Neia, mas ela resistiu a todas, então não tiveram efeito.

Nesse caso, tudo o que ela tinha que fazer era continuar pressionando.

Assim que a mana do príncipe estava prestes a acabar, a vitória veio a eles como uma
coisa natural. Os gritos de alegria do príncipe eram até um pouco irritantes.

As Zerns que lutavam ao redor deles tinham sofrido perdas, mas saíram vitoriosas.

No entanto — a magia em Neia ainda não havia expirado. Ela ainda não conseguia ver
nada. Ainda assim, não era um efeito permanente. Com toda a probabilidade, passaria
após algum tempo, e a única razão pela qual durou tanto tempo foi porque Kelart Custo-
dio era muito poderosa.

Ela não podia ver nada, mas podia sentir a presença das Zerns se aproximando dela.

“Meu Príncipe! Fico feliz que o senhor esteja bem.”

“Ahh... por favor, consuma os restos da Grand Mother-dono com todo o respeito.”

Então ele literalmente vai comer ela?

Neia pensou.
E com todo o respeito. Como eles haviam dito isso, tudo o que ela podia fazer era aceitar
como uma tradição única dessa espécie.

“Neia. O que devemos fazer com a cabeça da humana? Vamos comê-la também?”

“Não, por favor, não. Nós, humanos, não temos essas práticas funerárias. Vamos de-
volvê-la à cidade com todo o respeito.”

“Entendo... práticas funerárias humanas são verdadeiramente um mistério. Não, certa-


mente você deve pensar o mesmo de nós também. Isso é provavelmente o que eles cha-
mam de choque cultural. Além disso, sou profundamente grato a você. Nós sozinhos
nunca poderíamos ter—”

“—Espere. Não há tempo para continuar conversando. Vamos nos mover.”

Ela podia ouvir uma perturbação na distância. Parece que o Exército de Libertação havia
finalmente feito contato com a Aliança Demi-humana. Ou isso, ou soldados ouviram o
som da batalha agora e vêm aqui para ver o que estava acontecendo. Qualquer que fosse,
eles não poderiam ficar aqui por muito tempo.

“Isso mesmo, Shizu-san. Então, por favor, ajude o Exército de Libertação a atacar Ka-
linsha enquanto nos organizamos.”

“Umu, eu entendo. Vocês aí!”

“Sim! Vamos nos mover imediatamente. Você e os humanos entrarão nos barris, Meu
Príncipe? Nós vamos levá-lo para fora da cidade.”

Neia não podia dizer porque ela não podia ver, ela podia sentir Shizu hesitando. A razão
para isso era óbvia — ela odiava os barris. Neia sentia o mesmo.

“...Eu vou ajudar também.”

“Mm. Eu darei uma ajudinha assim que me recuperar da minha cegueira.”

O príncipe estava se debatendo de costas como um peixe capturado. Ele estava pulando
de alegria. Neia ficou um pouco desanimada com o quão bem ela se adaptou à situação.

“Se nossos aliados estiverem saindo, então vamos também. É claro que a minha mana
foi esgotada, por isso não posso conjurar magias poderosas, por isso vou lançar magias
de fortalecimento em você.”

“Meu príncipe!”
“Fique em silencio. Você pretende que eu seja um homem que envia meus companheiros
para a morte?”

“...Isso deve ser o suficiente. Vamos.”

Shizu interveio. Ela parecia ansiosa para se afastar dos barris o mais rápido possível.

“Então vou mandar vocês para onde nossos companheiros de ovo estão reunidos. Por
favor, entrem.”
Capítulo 07: Salvador da Nação
Parte 1

libertação de Kalinsha foi surpreendentemente fácil.

A A combinação dos Zerns se levantando em revolta, a pura falta de mão-de-


obra humana em comparação com o tamanho da cidade que eles tinham
que defender, e a ausência do lacaio demônio para comandá-los significava
que era uma conclusão inevitável. Claro, houve muitas baixas em ambos os lados, mas as
perdas do Exército de Libertação do Reino Sacro foram surpreendentemente leves, con-
siderando que eles haviam conseguido retomar uma cidade tão grande.

Uma das principais razões para isso foi Neia, que carregou o Ultimate Shooting-Star Su-
per nas costas.

Claro, Shizu havia ajudado nas sombras, mas Neia e seu arco espetacular tinham sido
uma visão majestosa que inspirou muito as pessoas.

E assim, Neia ficou no topo de um tablado e se dirigiu apaixonadamente ao público reu-


nido na praça.

Ela lhes disse: “Não há maior rei neste mundo do que o Rei Feiticeiro.”

A primeira coisa que Neia fez depois de libertar Kalinsha foi reunir apoio para ir a pro-
cura do Rei Feiticeiro.

Os Zerns fizeram a sua parte e questionaram os prisioneiros demi-humanos sobre as


Colinas Abelion, mas ela ainda carecia de muitas coisas, como recursos materiais, infor-
mação, experiência e assim por diante.

Seria uma coisa se eles tentassem quantas vezes quisessem, mas era difícil mandar re-
petidamente grupos de busca e equipes de resgate para o território inimigo. Em outras
palavras, eles precisariam acertar na primeira vez. Sendo esse o caso, eles não podiam se
preparar o suficiente. Foi por isso que ela decidiu capitalizar o fato de que muitas pessoas
haviam sido libertadas através da libertação de Kalinsha e buscar sua ajuda em várias
áreas.

Dito isto, as pessoas não ofereceram ajuda imediatamente após a solicitação. Mesmo
depois da tomada de Kalinsha, ainda havia muitas outras cidades que haviam sido cap-
turadas pelos demi-humanos, bem como muitas pessoas que haviam sido presas ou que
haviam perdido o controle de seus parentes. Neia estava tentando vender a eles os bene-
fícios de ajudar o Rei Feiticeiro, a fim de mover seus corações.

No entanto, à medida que o número de ajudantes aumentou, o conteúdo de seus discur-


sos gradualmente começou a mudar.
As pessoas que vieram ouvir Neia falar sobre o Rei Feiticeiro eram todas as pessoas que
o Rei Feiticeiro havia resgatado uma vez. Eles eram pessoas que sofreram muito e que
agora queriam se agarrar a um ser poderoso para curar o trauma emocional persistente
em suas almas.

Aqueles que sabiam da grandeza do Rei Feiticeiro poderiam ser considerados seus com-
panheiros.

Era uma segunda natureza para Neia contá-los alegremente sobre a magnificência do
Rei Feiticeiro.

Gradualmente, as pessoas que não haviam conhecido o Rei Feiticeiro começaram a par-
ticipar também. Eles eram amigos daqueles que haviam sido resgatados pelo Rei Feiti-
ceiro. Quando a notícia se espalhou, mais e mais pessoas não relacionadas vieram ouvir
as palavras de Neia.

Com a viseira colocada, Neia disse a essas pessoas sobre a excelência do Rei Feiticeiro
durante a libertação da cidade e a batalha com Jaldabaoth.

Ela não teria sido capaz de falar tanto sem reservas há algumas semanas. Ela teria ficado
tensa sob os olhos da plateia e ela ficaria sem palavras, sua mente ficaria branca. Mas
depois de se dirigir às multidões repetidamente, ela finalmente percebeu que não preci-
sava expressar seus próprios pensamentos, apenas precisava pintar uma imagem do Rei
Feiticeiro em seu coração com suas palavras. Neia tornou-se uma oradora eloquente.

Sim, eles agora falavam dela como a Evangelista Sem Rosto.

E então—

“Assim, Sua Majestade é verdadeiramente incomparável! Como poderia haver outro rei
que se importasse tanto com o povo! Sim, eu sei o que vocês querem dizer. Afinal, Sua
Majestade Sagrada, Calca Bessarez, também é uma excelente rainha. No entanto— al-
guém aqui ouviu falar de um rei que foi tão longe para o povo de outra nação?! Você!”

Neia apontou para um dos membros da plateia na frente dela.

“Você já ouviu falar de um rei que saiu sozinho para salvar do tormento o povo de outra
nação?”

“Eh, ah, não, isso, eu nunca ouvi... nada parecido... antes...”

Quando os olhos de todos se voltaram para ele, a voz do homem que havia sido chamado
gradualmente diminuiu.
“Excelente resposta! É exatamente isso!”

Como Neia o elogiou, as fileiras de pessoas com idéias semelhantes ao lado de Neia no
palco se juntaram às pessoas na plateia que compartilhavam as visões de Neia para
aplaudir o homem.

O homem corou e pareceu um pouco tímido.

“Na verdade, nós checamos se algum outro rei tinha feito isso, mas não! Não houve mais
ninguém! Não conseguimos encontrar nenhum rei como o Rei Feiticeiro!”

Havia reis que tinham liderado exércitos para salvar países vizinhos, mas era fato que
não havia reis que tivessem ido sozinhos.

“Pensem nisso, um rei vai ajudar as pessoas de outro país, independentemente do risco
para si mesmo! Isso é algo inédito! Apenas o Rei Feiticeiro o fez!”

Neia fez uma pausa e continuou:

“Só Sua Majestade! Somente um rei como esse realmente merece ser chamado de rei
justo!”

“Mas podemos confiar nele? Ele é um undead, não é?”

Neia respondeu à pergunta da plateia com um sorriso gentil. Neia já havia pensado a
mesma coisa no passado. Em outras palavras, ele era como responder ao seu eu passado.
Ele simplesmente não sabia; ele não entendia.

Ela o faria ver — não, ela abriria seus olhos, assim como ela abriu seus próprios olhos,
e os de todos os outros. Com esse sentimento em seu coração, Neia se dirigiu à multidão.

“Sim! Sua Majestade é um undead! É normal que todos se sintam desconfortáveis! É um


fato que os undeads são monstros assustadores. Não tenho intenção de dizer que todos
os undeads são bons. Muitos undeads são maus e não há dúvida de que eles odeiam os
vivos!”

Agora que todo mundo estava ouvindo a sério, Neia aproveitou o clima no ar e declarou
vigorosamente seu resumo.

“Contudo! Existem exceções para todas as coisas! Assim como pode haver um dia quente
no inverno, assim como um broto pode florescer de um galho seco, assim como uma es-
trela cadente brilhante pode atravessar a noite mais escura. Assim também é Sua Majes-
tade — ele é um ser undead que ajuda os vivos. Vocês devem ter ouvido as histórias das
pessoas que ele resgatou. Também é possível que alguns de vocês tenham sido resgata-
dos por ele. Então, com base no que vocês sabem ser a verdade, vocês têm a prova de que
eu não estou mentindo!”

Depois de verificar que não havia objeções da multidão, Neia falou em tom severo e pe-
sado.

“...Desta vez, essa robusta linha da fortaleza foi quebrada, e os demi-humanos correram
como uma avalanche. Tal tragédia só acontecerá uma vez? Alguém acredita que isso não
acontecerá uma segunda vez?”

O silêncio do público falou por eles.

É claro que eles esperavam que isso não acontecesse novamente, mas ninguém podia
acreditar honestamente nisso.

“Eu entendo completamente o quão desconfortável estão. Talvez nossa geração e a dos
filhos de vocês possam descansar em paz. Afinal, a tragédia que acabou de ocorrer nos
incitará a uma vigilância incessante... No entanto!”

O tom de Neia ficou forte.

“Alguém pode garantir que tal tragédia não se repita na geração de nossos netos, ou
netos de nossos netos? Alguém ousa dizer que nunca acontecerá novamente já que acon-
teceu antes? É por isso que devemos nos preparar, para que a fortaleza nunca seja que-
brada novamente!”

Vozes dizendo “Sim” e “Isso mesmo” começaram a surgir na multidão.

“—Parece que todos concordam também, mas no futuro distante, na era dos filhos de
nossos filhos e netos de nossos netos, em uma época em que essa tragédia é apenas uma
lembrança distante, as pessoas ainda poderão permanecer vigilantes? Vocês acham que
podemos posicionar duas ou três vezes mais pessoas do que nós agora na linha da forta-
leza?”

As despesas militares drenariam as reservas nacionais e empregariam uma quantidade


intimidante de força de combate, mas não teriam resultados óbvios para demonstrar.

“Eu confio que há pessoas que serviram nas fortalezas durante o recrutamento. Então
peço-lhe para procurar suas memórias. Se as despesas diárias e os estoques consumidos
naquela época fossem triplicados, vocês não acham que isso prejudicaria muito a nação?
Quando esse dia chegar, você acha que um país que só sabe da tragédia através das me-
mórias permanecerá vigilante?”

Quando a compreensão surgiu nos rostos de sua plateia, Neia deu sua conclusão.
“É por isso que precisamos da proteção de Sua Majestade!”

“Por quê!? Por que devemos procurar a ajuda de um undead?”

A mesma voz de antes soou.

Foi o homem que a questionou antes. Pessoas como ele colocam Neia à vontade. As mul-
tidões mais difíceis seriam aquelas em que ninguém reagia. Quando isso acontecia, ela se
sentia desconfortável, preocupada se suas palavras estavam sendo ouvidas.

Os defensores de Neia haviam sugerido o plantio de alguns pessimistas como esse na


plateia de antemão, mas Neia se recusou. Da mesma forma, ela rejeitou a idéia de plantar
otimistas na plateia.

“Estou dizendo isso precisamente porque ele um undead. Sua Majestade é poderoso,
mas mais importante, ele é um undead, e assim, nesse futuro distante, ele ainda estará
vivo — ele ainda existirá.”

“Mas, mas ouvi dizer que o Rei Feiticeiro foi derrotado em batalha e morreu.”

“Esse boato é verdadeiro e falso ao mesmo tempo. Infelizmente, a primeira parte é ver-
dadeira. Sua Majestade gastou uma grande quantidade de mana e lançou muitas magias
para salvar a nós, que fomos impotentes, e no final ele foi derrotado por Jaldabaoth. Mas
a segunda parte é falsa. Sua Majestade não está morto! A existência de Shizu irá provar
isso para todos.”

Esta foi a deixa para Shizu — uma das figuras-chave na libertação de Kalinsha — para
entrar em cena.

A plateia ofegou em admiração, e murmúrios adoráveis de “Shizu-sama” puderam ser


ouvidos.

“...Mm.”

Shizu levantou a cabeça e estufou o peito.

“Antigamente, ela foi uma das empregadas demônio a serviço de Jaldabaoth, mas lutou
ao nosso lado na Batalha de Kalinsha. Isso é porque Sua Majestade tomou o comando
dela das mãos de Jaldabaoth.”

Muitas pessoas tinham visto Shizu matando demi-humanos um após o outro durante a
batalha. As pessoas que se dirigiram a ela com “-Sama” provavelmente tinham sido aju-
dadas diretamente por ela.
Shizu se tornou muito popular. Embora ela já tenha sido uma empregada demônio de
Jaldabaoth, ela ainda era muito bonita e, mais importante, passava um ar de jovialidade.
Pode-se dizer que era difícil manter hostilidade contra ela.

“Teria o Rei Feiticeiro considerado isso quando colocou você ao seu serviço?” Neia uma
vez perguntou a Shizu. Shizu respondeu: “Talvez.”

“Shizu está vinculada à magia de Sua Majestade, e isso permanece em vigor enquanto o
Rei Feiticeiro ainda viver. Em outras palavras, ela é a prova de que Sua Majestade ainda
vive.”

Quando o ar ficou cheio de estática, Neia levantou os braços para indicar que todos de-
veriam ficar quietos, porque ela não terminou de falar.

“Tenho certeza de que todos vocês estão se perguntando o porquê Sua Majestade ainda
não se mostrou. Na verdade, eu também não sei. No entanto, não consigo imaginar que
um senhor tão misericordioso nos abandonaria! Deve haver alguma razão pela qual ele
não pode retornar aqui imediatamente. Eu não sei se isso é por causa das considerações
de Sua Majestade, ou se algum perigo surgiu. E é por isso—!”

A voz de Neia reverberou pela praça silenciosa.

“—É por isso que eu peço a todos vocês que emprestem sua força! Por favor, empres-
tem-me a força para encontrar Sua Majestade. Mesmo se apostarmos nossas vidas ao
percorrer toda a extensão das Colinas Abelion, onde os demi-humanos vivem, antes que
encontremos Sua Majestade, o Reino Sacro ainda não pode pagar integralmente a dívida
que devemos a Ele. E eu já disse isso antes, mas Sua Majestade veio apenas para lutar
contra Jaldabaoth, mas acabou combatendo os demi-humanos em nome da nossa própria
fraqueza, desgastando assim sua força e levando à sua derrota!”

Neia levantou a voz ainda mais alto enquanto gritava.

“Não obstante — todos! É por isso que devemos pagar a dívida que devemos à pessoa
que veio nos salvar! Esse grande homem veio sozinho para nos salvar! Mesmo que ele
seja um undead, não pretendo ser uma ingrata! —E assim, eu convido as pessoas que
procuram pagar de alguma maneira essa dívida que fizemos a Sua Majestade.”

Neia parou por um tempo para deixar a antecipação crescer antes de gritar novamente.

“Estou procurando pessoas para me ajudar a encontrar Sua Majestade! Mas vocês não
precisam ir pessoalmente! Suas habilidades, seu conhecimento, qualquer coisa que pos-
sam contribuir, será útil. Por favor, me emprestem sua força! Por favor nos ajude!”

Neia inclinou a cabeça e ao lado dela, Shizu também o fez.

“Ohhhh!” a multidão rugiu.


Depois de levantar a cabeça, Neia terminou assim:

“...Estou certa de que há alguns de vocês que não podem acreditar apenas em minhas
palavras. No entanto, que tal perguntar ao povo do Exército de Libertação sobre o que
aconteceu antes de Kalinsha ser tomada? Dessa forma, tenho certeza de que vocês acre-
ditarão que minhas palavras não são mentiras.”

♦♦♦

Depois de voltar para o quarto, Neia afundou-se em uma cadeira.

“Obrigado por trabalhar com tanto afinco, Baraja-sama.”

A pessoa que lhe agradecia era uma mulher de aparência tranquila — embora um pouco
sombria.

Ela parecia estar na casa dos 20 anos, e suas características distintivas eram um par de
amplos seios que atraiam os olhos dos homens e cabelos curtos. Aparentemente, já fora
longo, mas foram cortados em algum campo de prisioneiros.

Ela fazia parte da equipe de apoio que Neia havia estabelecido. Os defensores de Neia
queriam se nomear, e então eles se chamavam de Corpo de Resgate do Rei Feiticeiro.

Seu trabalho era ajudar a gerenciar o cotidiano cada vez mais ocupado de Neia.

Apesar de ter passado apenas meio mês desde que se conheceram, essa mulher se tor-
nou insubstituível para Neia. Isso porque ela tinha completado suas tarefas designadas
— limpeza, lavanderia, culinária e várias outras tarefas — com perfeita perfeição.

“Ahh, obrigada.”

Neia enxugou o rosto com o pano que a mulher lhe oferecera, e a sensação fria pareceu
muito confortável em seu rosto quente.

Ela então fez um som de *Whew* de uma maneira que parecia muito reminiscente de
um homem de meia-idade antes de colocar a toalha sobre a mesa e virar-se para a mulher
que imediatamente a recolheu.

“Ah, eu tenho dito isso todo esse tempo, mas por favor, não me chame de -sama. Afinal,
eu não sou uma figura incrível.”

“O que a senhora está dizendo? A senhora é a porta-voz de Sua Majestade neste país e
age em seu nome. Não endereçar a senhora como -sama seria rude.”
O fato de uma mulher mais velha do que ela estar dizendo isso incomodava levemente
a Neia.

Este foi um problema apenas experimentado por aqueles que não estavam acostumados
a uma posição superior.

Falando nisso, Neia não era uma porta-voz nem nada. Em vez disso, ela estava se per-
guntando como acabara naquela posição.

Neia sentiu que Shizu — que estava olhando descompromissadamente enquanto dei-
tada casualmente em um sofá — se encaixava melhor na descrição.

Em primeiro lugar, a grandeza do Rei Feiticeiro deveria ser óbvia para todos, de um
ponto de vista objetivo. Ela estava simplesmente declarando o óbvio, e não argumen-
tando em seu nome, e não pretendia começar a pregar qualquer forma de crença ou opi-
nião generalizada.

Neia começou a fazer isso por sua própria vontade, ela nunca esperava que as coisas
acabassem assim.

“Eu vou me despedir, então. Além disso, Bertrand Moro-shi deseja contatá-la.”

“Compreendo. Você pode me ajudar a chamá-lo? Agradeço pela dedicação.”

A governanta curvou-se para ela e saiu do quarto. Um homem entrou, como se quisesse
trocar de lugar com ela. A mulher era avessa aos homens e temia-os, e ela se sentiu des-
confortável quando estava no mesmo local que os homens. Portanto, ela escolheu se des-
culpar.

“Baraja-sama, peço desculpas por incomodá-la enquanto está descansando. Posso pedir
um pouco do seu tempo?”

Bertrand Moro.

Ele tinha o corpo robusto de um homem na casa dos 40 anos, mas a parte dele que mais
se destacava era o cabelo ralo no alto da cabeça.

A família Moro tinha uma tradição de se intrometer em notáveis casas nobres e, no pas-
sado, ele também trabalhara como mordomo. Foi por isso que ele serviu como secretário
no Corpo de Resgate, a fim de fazer pleno uso de suas habilidades.

Neia teve muita sorte em conhecer alguém como ele quando fundou o grupo. Se ela não
o conhecesse, seu cabelo ficaria branco de tanto trabalho.

“Não se preocupe, está bem. O que é?”


“Obrigado. Eu serei breve. Eu gostaria de dizer que os membros de nossa organização
estão agora acima de trinta mil.”

“Ah, isso é maravilhoso! Pensar que ganhamos tantas pessoas que entendem a grandeza
de Sua Majestade! Não, isso é apenas esperado. Afinal, Sua Majestade é realmente uma
pessoa incrível!”

Shizu assentiu e fez “Mhm”.

A organização agora tinha mais membros do que a população de uma cidade pequena.
Dos 3,5 milhões de habitantes do Reino Sacro do Norte, cerca de 1% deles pertenciam ao
grupo.

“Nossos apoiadores expressaram o desejo de algum tipo de símbolo para expressar que
fazem parte deste grupo.”

“Entendo... de fato... Isso... faz sentido.”

“De fato. Algum item vestível para indicar sua afiliação é essencial para promover uma
sensação de segurança e pertencimento ao grupo.”

Mhm, Neia assentiu. Eles ficariam muito felizes em ter algum símbolo de solidariedade
— algo relacionado ao Rei Feiticeiro. Neia também queria um.

“Por favor, use os melhores meios possíveis à sua disposição. No entanto, eu não desejo
que nós dêmos tratamento preferencial baseado em doações em dinheiro e coisas do
tipo.”

“...fã...lub...não...ficial...”

Neia pegou algo que até mesmo sua audição aguda não conseguia entender completa-
mente.

“Shizu-senpai, o que você disse?”

Neia perguntou.

“...Nada.”

“...Mesmo? Ainda assim, se eu cometer um erro ao falar sobre Sua Majestade, você deve
me dizer.”

Neia voltou seu olhar para Bertrand. Recentemente, havia mais e mais pessoas que per-
maneciam inabaláveis, mesmo quando ela olhava para elas, e isso fez Neia muito feliz.
“Que os artesãos cuidem disso então. Agora... você pode me falar sobre o resto da minha
agenda?”

“Sim, Baraja-sama. Em cerca de duas horas, os apoiadores organizarão a “Ação de Graças


para o Rei Feiticeiro”. Acredito que a senhora esteja programada para participar e falar
dos grandes feitos de Sua Majestade.”

“Compreendo.”

Neia se sentiu bastante animada. Tendo descoberto que o Rei Feiticeiro era a justiça, ela
sentia um senso de camaradagem e proximidade com os apoiadores que podiam enten-
der como ela se sentia, e ela gostava de conversar com pessoas que compartilhavam seus
pontos de vista.

“Além disso, há pessoas que gostariam que a senhora testemunhasse os frutos do trei-
namento deles. Dado que a senhora está muito ocupada agora, eu deveria rejeitá-los?”

Neia havia fundado recentemente uma unidade de guarda de honra de seus partidários
e atualmente os colocava em treinamento intenso. Tanto Neia quanto Shizu haviam par-
ticipado desse treinamento.

Para Neia, que achava que a fraqueza seria apenas um fardo para o Rei Feiticeiro, se
esforçar ao máximo possível para se tornar forte se tornou rotina. Se a participação de
Neia pudesse animar o clima e motivá-los, ela teria que se juntar a eles.

“Não, eu gostaria de estar lá com eles.”

“Tenho certeza de que eles ficarão encantados... bem, esse resumo de eventos foi bas-
tante básico, é tudo o que tenho a lhe reportar. Quanto ao tempo que levará para reunir
os apoiadores — depois de considerar o tempo necessário para se preparar, acredito que
a senhora terá uma hora para descansar e relaxar a vontade.”

Bertrand inclinou a cabeça e saiu. Depois de vê-lo sair, Neia levantou-se da cadeira e
caminhou até o sofá onde Shizu estava. Então ela se deitou ao lado de Shizu e abraçou-a
com força, como se estivesse tentando esmagá-la com seu corpo.

“...Pronto, pronto.”

Shizu era mais baixa que ela, mas ela deu um tapinha nas costas de Neia de uma maneira
suave, como uma mãe faria com seu filho.

“Quando poderemos ir procurar Sua Majestade... já faz um mês...”


As pessoas que procuravam a região leste do Reino Sacro não haviam encontrado o Rei
Feiticeiro, e embora não pudessem descartar a possibilidade de terem deixado algo pas-
sar, era quase uma conclusão inevitável que ele caíra na terra dos demi-humanos, as Co-
linas Abelion. Portanto, eles precisavam fazer preparações amplas, mas isso simples-
mente demoraria muito.

Dos 3.000 Zerns que tinham traído Jaldabaoth, 2.800 deles tinham ido com o seu prín-
cipe para o Reino Feiticeiro, enquanto os 200 restantes tinham ido para as Colinas para
coletar informações, mas não haviam encontrado nada até agora.

“... Você não deve falhar.”

“Eu sei! Mas, mas...”

Neia abraçou Shizu com mais força. Ela respirou fundo o aroma — como a do chá preto
— que vinha dela.

A mera presença de Shizu foi suficiente para manter o desconforto de Neia sob controle.

Isso porque sua existência era a prova de que o Rei Feiticeiro estava vivo.

“...Tudo vai ficar bem. Ainz-sama é generoso.”

“Ah, isso mesmo, Shizu-senpai.”

“...Portanto, você deve obter mais adeptos e elaborar um plano de busca que não falhe.”

“Ah, isso mesmo, Shizu-senpai.”

“...Dessa forma, Ainz-sama será feliz.”

“Ah, isso mesmo, Shizu-senpai.”

“...Neia. Estou bastante interessada em você. Agora que me acostumei com isso, seu
rosto é bem fofo.”

“...Bem fofo... Falando nisso, você deve estar muito entediada porque você não pode sair,
Shizu-senpai. Vamos juntas em algum lugar da próxima vez?”

A extraordinária beleza de Shizu — praticamente esculpida — atraia muita atenção. No


entanto, os olhares direcionados a ela se tornariam de medo e cautela se as pessoas sou-
bessem sua verdadeira identidade como uma empregada demônio. Muitos deles teriam
ilusões exageradas como “Ela vai roubar minha alma!”, Que se originou das histórias em
que demônios se transformavam em mulheres bonitas para reivindicar almas como
parte de um acordo. No entanto, Neia sentia que os demônios tinham o direito de esco-
lher seus parceiros.
Para começar, sendo ela uma subordinada do mais do que misericordioso Rei Feiticeiro,
essa empregada demônio com dificuldade 150 não poderia desejar as almas das pessoas
ao seu redor, muito menos querer encantá-las com alguma magia.

Mesmo assim, havia coisas problemáticas que elas não podiam evitar, e Neia — como
escudeira do Rei Feiticeiro — não seria capaz de encará-lo se acabasse causando proble-
mas para Shizu, sua subordinada. Claro, Neia também entendeu que Shizu era tão pode-
rosa que ela não seria prejudicada.

Por essa razão, ela passou muito do seu tempo aqui, mas agora que havia mais pessoas
em sua organização, deveria ser certo levá-la para onde os apoiadores se reunissem.

“...Não é uma má idéia. Nós vamos juntas para testar.”

“Tudo bem, então vamos nos preparar. Embora, essas roupas de empregada sejam atra-
entes... você poderia se trocar em algo mais comum?”

“...O médico... ghrum. Sem problemas. Me empreste algumas roupas. Eu vou deixar que
você escolha.”

“...Me desculpe, mas eu não tinha ninguém com quem sair e não tinha interesse em rou-
pas, então não estou confiante em poder escolher roupas para você.”

Shizu gentilmente deu um tapinha nos ombros de Neia. Ela parecia sem emoção como
sempre, mas Neia podia entender seu calor materno. Depois disso, Shizu apontou o po-
legar para si mesma.

“...Deixe isso comigo.”

“Mesmo?”

A descoberta de que os gostos de Shizu eram inesperadamente bons seria assunto para
mais tarde.

♦♦♦

A carga de trabalho de Caspond aumentou dramaticamente após a reconquista de Ka-


linsha. Ele tinha que trabalhar na organização das pessoas que haviam sido resgatadas,
a quantidade resultante de informações que precisavam ser processadas aumentara
muito, e tanto o trabalho de verificação quanto de atribuição era muito demorado.

Durante este período movimentado, apenas um paladino foi posicionado ao lado de Cas-
pond para sua segurança.

Isso representava uma falta de segurança, mas não se podia usar um paladino habili-
doso — eles podiam ler, escrever, fazer contas, conduzir ritos religiosos e manter a paz
— como um mero guarda-costas. A esse respeito, teria sido mais eficiente atribuir Reme-
dios a ele, mas depois de considerar seu estado mental, ele decidiu deixa-la treinando
com outros paladinos.

Quando Neia e Shizu voltaram com a cabeça de Kelart Custodio, seu frenesi resultante
causou tamanha perturbação que foi uma surpresa que ninguém morreu como resultado.
Mesmo ela se acalmando eventualmente, eles ainda tinham que lidar com ela com cui-
dado.

Na verdade, ninguém podia fazer nada sozinho. Ele tinha que ser grato ao seu criador
por abençoá-lo com sabedoria. Ao aprofundar sua devoção ao dito criador, Caspond se
jogou em seu trabalho, sua caneta passando sobre as páginas.

Embora fosse prática para o futuro, esse trabalho ainda era muito chato. Seu paladino
ajudante não sabia ler o estado de espírito ou estava realmente incomodado, mas falou
com Caspond, que estava tentando enterrar suas reclamações nas profundezas de seu
coração.

“—Meu Príncipe, está tudo bem em deixar a situação de Neia Baraja continuar como
está?”

Caspond compreendeu o significado daquela pergunta e sorriu sem se desvencilhar dos


documentos.

“Não dá para evitar, ou dá? Apenas deixe como está. Além disso, Apenas Príncipe já está
bom.”

“Muito obrigado. No entanto, o que o senhor quer dizer que não dá para evitar?”

O paladino não parecia aceitar isso, então Caspond levantou a cabeça dos documentos
e olhou-o nos olhos.

“O que você acha que aconteceria se fizéssemos alguma coisa com ela, digamos, pressi-
onando-a a parar?”

“Eu não acho que nada aconteceria, Meu Príncipe. Tudo o que ela está fazendo é causar
agitação na nação.”

“Entendo. Então, seus discursos — não tenho certeza se perguntar é apropriado —, você
já ouviu falar? ...Julgando pelo aspecto das coisas, acho que não, mas você provavelmente
leu um resumo do que ela está falando... Então, minha primeira pergunta é... ela mentiu?”

Caspond observou o paladino revistar sua memória antes de responder:

“Não, de forma alguma... bem, seria melhor se ela estivesse mentindo. Em seguida, qual-
quer um com um mínimo de inteligência pode verificar o que ela disse e descobrir que
quase tudo é justificado. O Rei Feiticeiro os libertou, e ele é um herói que sozinho recap-
turou uma cidade também.”

Ele tomou um gole de água do copo na mesa para molhar a garganta antes de continuar.

“E então, Neia Baraja é uma heroína que ajudou a libertar Kalinsha. Nós mesmos decla-
ramos isso. Quanto a empregada demônio — nós a apresentamos como uma serva do Rei
Feiticeiro. Isso elevou a opinião deles com o Rei Feiticeiro as alturas, e tivemos que elo-
giá-la exageradamente. Além disso, o equipamento dela é apropriado de uma heroína.”

A visão de Neia carregando a maravilhosa reverência que o Rei Feiticeiro lhe empres-
tara e usando a armadura do Grande Rei Buser era nada menos que heroica.

“Agora, vamos voltar à pergunta original. Se tentarmos silenciá-la, como o mundo nos
verá? Você não acha que eles nos veriam tentando calar uma heroína porque ela está
dizendo algo inconveniente para a família real?”

“Mas isso...”

O paladino tentou balbuciar uma negação, mas seu rosto já dizia melhor do que suas
palavras. Ele sabia o que aconteceria.

“Por um lado, você tem uma heroína cujo estrelato está subindo e, por outro lado, você
tem a família real que está em declínio. Em quem você acha que as pessoas vão acreditar?”

“—Meu Príncipe! Por favor, não diga isso!”

“Eu peço desculpas... mas mais ao ponto, o que você acha que a empregada demônio do
Rei Feiticeiro fará se tentarmos interferir com Neia Baraja?”

“Uuu...”

O rosto do paladino ficou rígido e um olhar horrível se formou no rosto de Caspond.

“Heheh. O fato dela ser protegida por aquela empregada demônio significa que ela tem
mais poder nesta cidade, entendeu? Tentar silenciá-la diretamente com força é extrema-
mente perigoso, então teremos que deixar as coisas como estão. Eu entendo suas preo-
cupações, mas cada movimento à nossa disposição é ruim.”

Houve uma batida na porta e um dos soldados do lado de fora entrou.

“Meu Príncipe, o Vice-Capitão-sama deseja falar com o senhor.”

“Chame-o imediatamente.”
Talvez ele tivesse ouvido a voz de Caspond, mas Gustav entrou correndo de onde esti-
vera do lado de fora. O leve ofegante em sua respiração mostrou que ele tinha vindo aqui
com pressa.

“Perdoe-me, Vossa Alteza Príncipe Caspond!”

O trabalho de Gustav o levou mais longe do que Caspond, e o deixou mais ocupado, então
ele raramente vinha reportar. Foi por isso que Caspond sabia que esta era uma situação
complicada. Se ele tivesse vindo aqui pessoalmente, ele havia trazido consigo um pro-
blema difícil que ele não conseguia resolver sozinho.

“Eu te digo todas as vezes, não se preocupe com isso. Além disso, você não precisa se
curvar se somos os únicos por perto. Já que você está com tanta pressa, deve ser bastante
urgente, certo?”

“Sim, senhor! Nossos batedores relatam um exército de cinquenta mil homens que ar-
voram a bandeira dos nobres do sul vindo para esta cidade!”

“Entendo... não me diga que o Sul já superou as forças de Jaldabaoth? De qualquer forma,
prepare-se para a batalha, porque não sabemos se os exércitos do Sul estão sendo con-
trolados por Jaldabaoth. Seja cuidadoso. Cuide disso.”

“Sim, senhor!”

“Você não deve atacar sob nenhuma circunstância até que o inimigo faça um movimento.
Se eles querem conversar, tragam-nos aqui. Além disso—”

Caspond virou-se para o paladino:

“Você será responsável por receber nossos hóspedes. Se eles são o que eu acho que são,
deve haver vários nobres de alto escalão presentes. Prepare comida e vinho que os
agrade.”

Os dois homens responderam:

“Sim, senhor!”

E depois saíram da sala. Enquanto Caspond os observava sair, ele murmurou para si
mesmo.

“Então... eu me pergunto, será este um bom momento?”

♦♦♦

“Estou realmente feliz por terem vindo, Marquês Bodipo, Conde Cohen, Conde Domin-
guez, Conde Granero, Conde Randalse e Visconde Santz.”
“Oh, não é nada de mais, fico feliz em ver que o senhor está bem, Meu Príncipe.”

“De fato! De fato! Nós estávamos muito preocupados, Vossa Alteza!”

Depois de um brinde, Caspond e os nobres do Sul eram todos sorrisos, beberam a sua
respectiva segurança e trocaram saudações novamente.

Os nobres descreveram a situação e falaram de suas dificuldades. Caspond ouviu aten-


tamente, porque ao fazê-lo, ele estava jogando com a vaidade do quanto eles tinham tra-
balhado — do quanto eles tinham desistido por causa da lealdade para com o Reino Sacro.

O Conde Cohen, que falou durante muito tempo, subitamente pareceu ter notado alguma
coisa e fez uma pergunta.

“—Oya, Príncipe-denka. É impressão minha, ou o senhor parece um pouco diferente


agora?”

“Ahh, mas é claro. Eu creio que sabe como Jaldabaoth invadiu o Norte? Isso me mudou
muito por dentro. Além disso, acho que as partes que não pode ver mudaram ainda mais...
não acha que eu fiquei mais magro?”

Caspond apontou para a barriga. “Bem, isso parece ser o caso”, todos responderam ale-
gremente. Ao mesmo tempo, havia um brilho agudo nos olhos dos nobres.

Caspond não deixou de notar isso. Ele imediatamente percebeu que eles estavam avali-
ando o valor de Caspond no passado para o presente Caspond.

Eles haviam cuidadosamente escondido esse fato, mas ele entendeu que a avaliação
ainda estava em progresso.

Agora ele esperava que eles pensassem que nada havia mudado, na esperança de que
eles não interferissem na família real depois da guerra.

“...Ainda assim, eu, Caspond, estou profundamente grato por vocês terem liderado suas
casas aqui para salvar o Reino Sacro.”

“O que o senhor está dizendo? Vossa Alteza, como nobres, é natural que tenhamos nos-
sas forças e partimos para o bem da família real. Ou não, qualquer um que seja fisica-
mente capaz e não participe de uma batalha sobre a sobrevivência do Reino Sacro não
pode nem mesmo ser considerado um nobre!”

Os nobres assentiram e emitiram ruídos de reconhecimento. Em outras palavras, os no-


bres que não vieram para cá eram inimigos políticos dos que estavam presentes.
Infelizmente, Caspond não sabia quais casas nobres não estavam se dando bem. Isso
provavelmente significava que ele não estava suficientemente informado.

Embora ele quisesse evitar comprometer-se com promessas desfavoráveis aqui, ele pre-
cisaria dar às pessoas um tratamento preferencial ou estar disposto a enfrentar conse-
quências terríveis. Todo mundo odiava um morcego que voava por aí tentando entrar
nas boas graças de todos.

“Senhores, sua lealdade à família real precisa ser proclamada por toda parte. Eu sinto
que precisa ser uma questão de registro histórico.”

Mesmo só por um momento, aquele que parecia mais feliz com isso foi o Marquês Bo-
dipo, a pessoa mais velha presente, cujo cabelo loiro estava com várias áreas grisalhas.

Agora que ele tinha poder e posição, ele provavelmente queria prestígio. Os outros pro-
vavelmente prefeririam ser recompensados. Naturalmente, era natural que esperassem
certo retorno de seu investimento, agora que haviam mobilizado suas forças.

O Marquês murmurou algumas palavras educadas de recusa — mais uma cortesia do


que qualquer outra coisa —, mesmo quando ele adotou um tom arrogante. Durante esse
tempo, o Visconde Santz — que parecia bastante à vontade — aproveitou o momento
certo para interromper a conversa e, hesitante, fez uma pergunta.

“Meu Príncipe, tenho uma pergunta que gostaria de fazer ao senhor. Qual é a condição
atual de Sua Majestade Sagrada? Eu ouvi que ela faleceu...”

“Isso é um fato.”

Assustado com a resposta franca e direta de Caspond, o visconde Santz fez outra per-
gunta.

“Então, então onde é que o corpo de Sua Majestade Sagrada se encontra?”

“...Estava em um estado horrível, então tivemos que cremá-lo. Originalmente, estávamos


planejando usar a magia 「Preservation」 e dar a ela um funeral de estado depois de
expulsar Jaldabaoth...”

Caspond balançou a cabeça com uma expressão de dor no rosto, como se não pudesse
suportar continuar:

“Ao mesmo tempo, confirmamos a morte da sumo sacerdotisa, Kelart Custodio.”

“Então foi isso...”

Durante esse silêncio, Caspond aproveitou o tempo para tomar uma bebida.
O substituto de Calca estava bem diante de seus olhos. No entanto, a sumo sacerdotisa
Kelart Custodio — que estava no ápice de todos os magic casters divinos — não poderia
ser tão facilmente substituída. Portanto, eles estavam cuidadosamente considerando a
melhor forma de usar a morte de Kelart.

Depois de ver que eles não reagiram mesmo depois de tomar dois drinques de vinho,
Caspond lhes deu outro pedacinho de informação.

“Os restos dela também estavam em condições terríveis, então eles também foram cre-
mados.”

Os nobres franziram o cenho. Eles sentiram algo da morte de duas das principais indi-
víduas do Reino Sacro? Talvez eles finalmente tivessem percebido que aquela era uma
batalha em que suas vidas estavam em jogo e perder significava a morte. Eles provavel-
mente estavam assustados com a percepção de que não seriam resgatados mesmo se
fossem aprisionados.

“Que tal a capitã dos paladinos, Custodio-dono?”

“Quer falar com ela? Isso pode esperar?”

“Oya, então ela ainda está viva? Enquanto isso, Sua Majestade Sagrada e a sumo sacer-
dotisa-dono estão ambas mortas...”

O Conde Randalse tinha uma barba magnífica. Quando ele entregou aquelas palavras em
um tom de voz desdenhoso, os outros sorriram ironicamente, como se pensassem o
mesmo. Caspond abriu a porta e ordenou que o paladino do lado fora chamasse Reme-
dios.

Assim que o vinho nos copos estava prestes a secar, Remedios entrou na sala.

Antes que o Conde Randalse pudesse falar, ele deu uma olhada em Remedios e seus
olhos se arregalaram.

“O quê!? Você é a Capitão Remedios, líder da Ordem Paladina?”

A zombaria em seu tom foi substituída pelo choque. Todos os nobres do Reino Sacro
sabiam como era Remedios. O Conde Randalse também não foi exceção, daí sua surpresa.
Ela parecia tremendamente diferente de como ele se lembrava dela.

Neste momento, Remedios Custodio parecia um fantasma.

Seus olhos estavam profundamente afundados e suas bochechas estavam abatidas. No


entanto, uma luz ardente brilhava em suas pupilas.

“Você me chamou aqui, não? Acha que eu sou quem?”


“Quê! Que... que atrevid...”

A voz do Conde Randalse vagueou e ele olhou atentamente para Remedios.

Mesmo agora, Remedios parecia muito assustadora. O fato de que ni