Você está na página 1de 1

Dalgalarrondo – Capítulo 2

Definição de psicopatologia e ordenação dos seus fenômenos

A psicopatologia pode ser definida como o conjunto de conhecimentos referentes à observação,


identificação e compreensão do adoecimento mental do ser humano, que objetiva ser sistemático,
elucidativo e desmistificante. Assim, exclui julgamento de valores, dogmas ou verdades a priori e abre-
se ao debate público e científico de seus postulados.

A doença mental, que se desdobra em estados mentais e comportamentos, apresenta uma relação
diversa mas ainda ligada à denominada psicologia do normal. Com raízes na tradição médica, na
filosofia, nas artes e na psicologia, apropria-se destas tradições de exploração da diversidade das
dimensões humanas encontrada na doença mental.

A psicopatologia difere tanto da neurologia quanto das neurociências, embora ligue-se a ambas. Trata-
se de uma ciência básica que ampara a psiquiatria e a psicologia, buscando elaboração de conceitos de
forma sistemática para que possam ser comunicados coerentemente.

Um dos componentes da psicopatologia é a intuição pessoal, que dá conta das dimensões existenciais,
estéticas, éticas, e metafísicas do humano que escapam ao pensamento sistemático e conceitual da
ciência e permanecem no mistério.

O enfoque no estudo dos sintomas psicopatológicos é duplo: a forma (sua estrutura básica,
relativamente consistente nos pacientes e como se estruturam – a patogênese) e o conteúdo (o que
preenche a alteração e seus contornos culturais, subjetivos e específicos, como culpa, alucinação,
perseguição, etc. – a patoplasia)

Temas centrais da existência humana, como sobrevivência, segurança, sexualidade, religião e temores
básicos, formam o substrato fundamental da experiência psicopatológica e ligam-se a necessidades e
desejos básicos humanos como controle, reconhecimento, sentido da vida, perda de identidade ou
prazer.

A observação, início do estudo psicopatológico, é acompanhada pela ordenação (definição,


classificação, ordenação), que trata da unidade e variedade dos fenômenos e dos fatos sobre estes.
Define-se, então, três tipos de fenômenos: os semelhantes (comuns a todas ou quase todas as pessoas –
o normal – fome, sono, medo, etc.), os parte semelhantes e parte diferentes (sobreposição entre a
normalidade e a psicopatologia – tristeza, medo, ansiedade que, em vez de episódicos tornam-se
qualitativamente diferentes na patologia) e os distintos ou qualitativamente novos (específicos da
psicopatologia, como alucinações ou delírios).