Você está na página 1de 20

«Sempre é uma

companhia»
Manuel da Fonseca
Síntese - Unidade 4
Contos

CONTO - CARACTERÍSTICAS

Ação Personagens

Espaço Tempo

Modos de expressão do
discurso
Síntese - Unidade 4
Contos

CONTO - CARACTERÍSTICAS

Ação  Narrativa pouco extensa e, por isso, concentrada.

 As personagens são em número reduzido, havendo,


Personagens geralmente, uma centralizadora que confere unidade ao
conto.

 Apresentam linearidade e surgem numa perspetiva


Espaço e tempo
convergente.

Modos de
 Particular exigência no que se refere ao equilíbrio da
expressão do
dimensão narrativa e descritiva, fruto da reduzida extensão.
discurso
Síntese
«Sempre é uma companhia», Manuel da Fonseca

Caracterização das personagens

Batola Mulher do Batola

Rata Homens de Alcaria

«No lote de personagens, esclarece-nos Isabel Rocheta, “mais do que os fortes,


encontramos os fracos, mais do que o herói encontramos o anti-herói, caracterizando
uma sociedade que afasta do seu centro (que descentra) a maioria dos seus cidadãos”».

Violante F. Magalhães, in Maria Isabel Rocheta & Serafina Martins (coord.),


Conto Português [séculos XIX-XXI]: Antologia Crítica, vol. 3, Porto,
Edições Caixotim, 2011, pp. 103-107 (texto adaptado).
Síntese
«Sempre é uma companhia», Manuel da Fonseca

Batola

O Batola é apresentado como um homem


passivo, que vive uma vida de inércia. Muitas
vezes, bebe excessivamente e acaba por
agredir a mulher.

Quer a agressividade originada pelo consumo


excessivo de álcool quer a fuga ao presente,
através das recordações do passado, mostram-
-nos um homem só e desalentado, cuja vida
vazia já nada tem para lhe oferecer.
Síntese
«Sempre é uma companhia», Manuel da Fonseca

Mulher do Batola

A mulher do Batola é expedita, trabalhadora


incansável, determinada e autoritária. Gosta de ser
ela a decidir: «no tom de quem acaba de tomar
uma resolução inabalável, apruma-se, muito alta,
dominadora». «Toda a gente da aldeia […] sabe
que ela fará o que acaba de dizer».

É descrita como exemplo de dinamismo: «abre a


venda e avia», «volta à lida da casa», «é ela quem
ali põe e dispõe».
Síntese
«Sempre é uma companhia», Manuel da Fonseca

Rata

O Rata, mendigo e viajante, figura o mensageiro, aquele que traz notícias do


que se passa fora da aldeia. Ao escutá-lo durante «tardes inteiras», também
Batola parecia viajar por «todo aquele mundo».

Quando ficou impossibilitado de viajar «pelos longes», Rata suicidou-se.


Após o suicídio de Rata, a saudade que, «de vez em quando», Batola sente,
agudiza-lhe a solidão. Não admira que assim seja, pois as novas trazidas por
aquele companheiro eram a única hipótese de vencer o silêncio do meio
que o envolvia.
Síntese
«Sempre é uma companhia», Manuel da Fonseca

Homens de Alcaria

Os homens de Alcaria são apresentados como «figurinhas» (de


presépio?) que vivem em casas «tresmalhadas». Atendendo a esta
caracterização das casas (continente), os homens que as habitam
(conteúdo) são aparentados com gado.
Síntese - Unidade 4
Contos - “SEMPRE É UMA COMPANHIA”

PERSONAGENS - CARACTERIZAÇÃO E RELAÇÃO

Identificação e Caracterização
relação Antes da rádio Depois da rádio
António Preguiçoso, indolente, Determinado, animado, lúcido,
Barrasquinho, o irresponsável, infeliz, solitário, responsável, conversador,
Batola alcoólico ansioso por notícias
Responsável, diligente, Aparentemente confusa,
A mulher do Batola submissa, (quase) terna,
determinada, autoritária
conciliadora
Rata, o mendigo – Sociável, companheiro,
conhecedor do “mundo” além -----------------------------------
amigo de Batola
da aldeia
A população da Exaustos do dia de trabalho, Animados, alegres, curiosos
aldeia (os ceifeiros) presos à rotina
Síntese - Unidade 4
Contos - “SEMPRE É UMA COMPANHIA”

PERSONAGENS - CARACTERIZAÇÃO E RELAÇÃO

Identificação e Caracterização
relação Antes da rádio Depois da rádio
Curiosas, conversadeiras,
Mulheres e crianças -----------------------------------
alegres

Os pares de Apaixonados, absorvidos pela


-----------------------------------
namorados telefonia

Observador, dotado de sentido de oportunidade,


O vendedor
simpático, sorridente, expedito, manipulador

Calcinhas Obediente, prestável


Síntese
«Sempre é uma companhia», Manuel da Fonseca

Solidão e convivialidade

Solidão Convivalidade

O sentimento de solidão
inicial, potenciado pela A venda do Batola, espaço de
imensidão do espaço e pelo tristeza e solidão, transforma-
silêncio dos campos sem fim, -se num espaço privilegiado
acompanha e intensifica os de convivialidade, onde as
sentimentos de vazio e pessoas se sentem livres e
inércia, vividos pelas felizes, com vontade de viver.
personagens.
Síntese
«Sempre é uma companhia», Manuel da Fonseca

Peripécia inicial Peripécia final


Contextualização da ação Representação da mudança

Responsável pela
ANTES rutura: DEPOIS

• Tempo de marasmo e • Tempo de convívio e


solidão. TELEFONIA encontro.
• Ausência de comunicação. • Comunicação entre as
• Desalento e inércia. pessoas.
Elemento
• Falta de energia para agir. impulsionador • Curiosidade e alento.
da mudança. • Impulso para agir.
Síntese
«Sempre é uma companhia», Manuel da Fonseca

Caracterização do espaço

• Planície alentejana − campos solitários.


• Alcaria − pequena aldeia perdida no Alentejo,
Físico com «quinze casinhas desgarradas e nuas».
• A venda do Batola – espaço de desleixo, de
decrepitude e de sujidade.

• Alentejo rural dos anos 40.


Sociopolítico • II Guerra Mundial.
• Estado Novo – ditadura militar em Portugal.
Síntese
«Sempre é uma companhia, Manuel da Fonseca

1.º Momento
• A negatividade do espaço estende-se ao retrato das
personagens.
• O espaço físico surge, assim, em uníssono com o espaço
psicológico dos protagonistas.
• O espaço é opressivo e castrador.
Psicológico
2.º Momento
• Com a chegada da telefonia, tudo e todos se tornam mais
próximos, revitalizando o espaço psicológico de todos.
• A comunicação entre as pessoas leva a uma mudança de
perspetiva sobre o espaço.
• O espaço que aprisionava torna-se libertador.
Síntese - Unidade 4
Contos - “SEMPRE É UMA COMPANHIA”

ESPAÇO FÍSICO E SOCIAL TEMPO HISTÓRICO

 Alcaria, a aldeia alentejana (quinze


 Durante a Segunda Guerra Mundial
casinhas desgarradas)

 A venda e os fundos da casa de Batola

 A rua

 Os campos

 O velho caminho que vem de Ourique


“Sempre é uma companhia”
O espaço O tempo
• Aldeia de Alcaria: “quinze • Tempo histórico: anos 40 do
casinhas desgarradas e nuas”. século XX (referência à
• Estabelecimento do casal eletricidade e à telefonia).
Barrasquinho: “a venda” é um • Passagem do tempo
local onde reina o desleixo. condensada: “há trinta anos
• “Fundos da casa”: espaço de para cá”, “todas as
habitação sombrio separado manhãzinhas”.
da venda. • Tempo sintetizado: da chegada
• Locais “longínquos” por onde do vendedor à partida do
viajava Rata: Ourique, Castro, vendedor e prazo de entrega
Beja. do aparelho – um mês.
Síntese
«Sempre é uma companhia, Manuel da Fonseca

Linguagem e estilo

 Alternância da descrição e da narração com o monólogo ou, mais


frequentemente, com o diálogo de personagens;

 Narrador heterodiegético, por vezes, subjetivo, com uma função ideológica;

 Simplicidade da linguagem: predomínio de termos monossémicos;

 Escassez de expressões dubitativas;

 Presença de regionalismos e expressões populares;

 Predomínio da linguagem denotativa com função informativa ou referencial.


“Sempre é uma companhia”
• “Sempre é uma companhia” consagra um retrato
económico e sociocultural do Alentejo na primeira
metade do século XX. Por sua vez, oferece-nos retratos
humanos que atravessarão outros tempos e outros
espaços. O refúgio em comportamentos antissociais e a
desistência da vida, as relações afetivas conturbadas e a
necessidade de correr mundo em busca de um rumo são
algumas linhas de reflexão que o conto propicia.
Características do conto
• O título do conto anuncia um novo meio de
comunicação que vai mudar a vida de uma população
deprimida, no contexto da II Guerra Mundial.
• A intriga é simples e contada de forma linear.
• O espaço exterior conflui para representar os
sentimentos negativos do protagonista.
• Os homens perdem características humanas e o mundo
inanimado adquire-as.
• O conto permite uma reflexão sobre a condição
humana, que excede os limites temporais da ação.
Atualidade do conto
• Isolamento e falta de convivialidade.
• Relações entre homem e mulher.
• Vícios sociais: o alcoolismo, a violência doméstica.
• As inovações tecnológicas e alterações de hábitos sociais.