Você está na página 1de 25

SUMÁRIO

1. Introdução........................................................................................................................ 2
2. Localização e dimensionamento............................................................................. 2
3. Zonas do ambiente cirúrgico.................................................................................... 4
4. Equipe cirúrgica............................................................................................................. 5
5. Paramentação cirúrgica.............................................................................................. 6
6. Mesa instrumental.......................................................................................................10
7. Instrumentais cirúrgicos ...........................................................................................11
10. Referências ................................................................................................................24
CENTRO CIRÚRGICO 3

1. INTRODUÇÃO 2. LOCALIZAÇÃO E
DIMENSIONAMENTO
O Centro Cirúrgico pode ser defini-
do como o local onde são realizados O Centro Cirúrgico deve estar situado
os procedimentos anestésico-cirúr- próxima aos locais cuja demanda de
gicos. Frequentemente, também é o pacientes é maior e aos locais forne-
ambiente em que ocorre a recupe- cedores de seus principais insumos e
ração anestésica e pós-operatória serviços. Na prática, deverá estar si-
imediata. É na sala cirúrgica onde tuado em áreas adjacentes às Unida-
efetivamente se consuma o ato ope- des de Emergência, Internação e Tra-
ratório, mas além do conjunto de tamento Intensivo, Banco de Sangue
salas cirúrgicas, o centro cirúrgico é e Centro de material e Esterilização.
formado também por diversas salas Preferencialmente, deve localizar-se
de suporte projetadas e construídas em andares superiores, ao abrigo da
de forma a assegurar as condições poluição aérea e sonora.
de logística, equipamentos, assep- O porte do centro cirúrgico é direta-
sia, funcionalidade, conforto, eficiên- mente relacionado ao porte da ins-
cia e segurança necessárias para a tituição hospitalar. De acordo com
execução das operações de diferen- as normas de 1995 do Ministério
tes níveis de complexidade. da Saúde, pode-se estabelecer, em
hospitais gerais, a relação de 2 salas
cirúrgicas para os primeiros 50 leitos
e para cada 50 leitos adicionais ou
fração – ou para cada 15 leitos ci-
rúrgicos –, uma outra sala deverá ser
acrescida. Para estabelecimentos
especializados (cardiologia, cirurgia
e outros) deve ser feito um cálculo
específico.
Embora essas normas tenham gran-
de utilidade para a estruturação bási-
ca de um hospital, o número de salas
cirúrgicas deve ser estabelecido indi-
vidualmente de acordo com as carac-
terísticas peculiares de cada institui-
Fonte: Desenhado por macrovector / Freepik
ção e da sua clientela.
CENTRO CIRÚRGICO 4

O tamanho da sala de cirurgia depen-


de da especialidade a que a mesma ZONA ESTÉRIL
se destina, em função dos equipa- (OU ASSÉPTICA)
mentos e aparelhos que necessitam
É considerada a região com menor
abrigar. Independente da área ocupa-
grau de contaminação e onde é obri-
da, a sala deve ter a largura mínima
gatório o uso da máscara. Consiste,
de quatro metros.
basicamente, nas salas de cirurgia,
no corredor de acesso e nos lavabos
3. ZONAS DO AMBIENTE (utilizado para lavagem de mãos, an-
CIRÚRGICO tebraços e cotovelos antes da para-
mentação), salas de cirurgia.
O Centro Cirúrgico é dividido em 3
zonas, de acordo com o nível de con-
taminação: zona de proteção, zona
limpa e zona estéril.

ZONA DE PROTEÇÃO
Consiste nos locais destinados à en-
trada ou saída de pessoal ou material
no centro cirúrgico. Tem como objeti-
vo proteger o ambiente cirúrgico con-
tra a entrada de objetos e materiais
contaminados e evitar a dissemina-
ção de germes a partir dessas mes-
mas fontes. É composta por: vestiário, Fonte: Desenhado por macrovector / Freepik

área de transferência, expurgo e cor-


redor externo. Em cada zona, os indivíduos devem
estar vestidos de acordo com as ves-
timentas e materiais de proteção
ZONA LIMPA adequados. Na zona de proteção, os
profissionais vestem os pijamas cirúr-
É composta por vários setores de ser-
gicos, a touca/gorro e propés; na zona
viços auxiliares ao ato cirúrgico, como
limpa, há a colocação da máscara ci-
conforto médico, sala da enfermagem,
rúrgica para entrar na zona estéril,
sala de espera dos pacientes em pré-
onde a equipe cirúrgica irá colocar o
-operatório, sala de recuperação anes-
avental cirúrgico e as luvas.
tésica, sala de materiais, serviços auxi-
liares (como a radiologia) e lavabos.
CENTRO CIRÚRGICO 5

Fluxograma 1: Zonas do Centro Cirúrgico.

4. EQUIPE CIRÚRGICA anestesia (juntamente com o médico


cirurgião), autorização do início da ci-
A equipe cirúrgica são constituidas rurgia, monitorização dos sinais vitais
por profissionais que prestam assis- do paciente e suspensão ou interrup-
tência sistematizada e global ao pa- ção da cirurgia em caso de risco de
ciente. O tamanho da equipe cirúrgica morte do paciente.
varia de acordo com o tipo de inter-
venção a ser realizada e é composta, MÉDICO CIRURGIÃO
basicamente, pelo médico cirurgião,
É o profissional que realiza
médico anestesista, primeiro e se-
o procedimento cirúrgico.
gundo auxiliares e instrumentador. O
A ele cabe a integral respon-
circulante (técnico de enfermagem)
sabilidade do ato operatório, sendo
estará na sala de cirurgia ajudando a
responsável pelo planejamento, exe-
equipe com os materiais necessários
cução e comando, mantendo a ordem
e qualquer tipo de suporte, porém
no campo operatório. Suas atribuições
não participa do ato operatório.
se iniciam no pré-operatório, com a in-
dicação, conveniência e preparo cirúr-
MÉDICO ANESTESISTA
gicos, e continuarão após o ato ope-
É responsável pela es- ratório, com o acompanhamento do
colha do melhor tipo de paciente.
CENTRO CIRÚRGICO 6

MÉDICOS AUXILIARES SE LIGA! A posição dos membros


varia de acordo com a cirurgia a ser
Eles auxiliam no proce- realizada, porém, o primeiro auxiliar
dimento cirúrgico, exer- fica sempre à frente do cirurgião,
cendo atividades delegadas com o instrumentador ao seu lado,
pelo cirurgião. enquanto o segundo auxiliar fica ao
lado do cirurgião.
• O primeiro auxiliar é responsá-
vel pelo pré-operatório, posiciona-
mento do paciente, antissepsia da
pele do paciente e colocação dos
campos cirúrgicos. Durante o ato
operatório, se posiciona à frente do
cirurgião e o auxilia nas manobras.
• O segundo auxiliar é um com-
ponente eventual e tem um papel Figura 1: Posição dos membros da equipe cirúrgica.
Fonte: Cirino, LMI. Manual de Técnica Cirúrgica para a
mais passivo, colabora nas ma- Graduação. Editora Sarvier, 2006.
nobras de afastamento, permitin-
do ao 1º auxiliar maior liberdade
de ação, e substitui o 1º auxiliar 5. PARAMENTAÇÃO
ou o instrumentador quando ne- CIRÚRGICA
cessário. Para entrar no ambiente do centro
cirúrgico, todos os membros devem
INSTRUMENTADOR estar vestidos com a roupa específi-
É a pessoa encarrega- ca do hospital, o pijama cirúrgico. O
da da entrega e do rece- pijama deve ser colocado logo que o
bimento dos instrumentos indivíduo entrar na zona de proteção,
utilizados durante a operação; soli- no vestiário, assim como a touca/ gor-
cita antecipadamente o material ne- ro e propés.
cessário para a cirurgia. Elemento de • A máscara e o óculos de prote-
maior mobilidade no campo cirúrgico, ção são colocados na zona limpa,
mantém contato com as enfermeiras. antes da antissepsia das mãos e
Deve manter a ordem e limpeza do antebraços. A máscara deve en-
campo cirúrgico, substituindo com- volver o nariz e a boca.
pressas, colocando gazes e retirando
fios e instrumentos deixados sobre o • A assepsia das mãos
paciente. Em procedimentos meno- e antebraços, cha-
res, sua função pode ser delegada ao mada também de
primeiro ou segundo auxiliar. escovação, consiste
CENTRO CIRÚRGICO 7

no preparo fundamental para todos A sequência da assepsia das mãos


aqueles que irão participar da cirur- deve ser a seguinte: ponta dos de-
gia, pois remove a flora bacteria- dos e unhas – faces medial e lateral
na transitória e parte da flora per- de todos os dedos e interdigitais -
manente da pele. Funciona como palma das mãos – dorso das mãos
assepsia porque é uma medida – punhos – antebraços e cotovelos.
profilática de contaminação. A es- Após a escovação, retirar todo o
covação deve ser feita com produto com água corrente no sen-
a escova e solução de- tido distal para proximal e, ao final,
germante, iniciando nas permanecer com os antebraços e
mãos e terminando em mãos voltados para cima, evitando
punhos e antebraços, com contaminação pelo escorrimento da
duração de cerca de 5 minutos. água para as mãos.

NA PRÁTICA!
Passo-a-passo:
1. Abrir a torneira e enxaguar as mãos, antebraços e cotovelos;
2. Recolher, com as mãos em concha, o antisséptico (PVPI a 10% ou Clorexidina a 4%) e
espalhar nas mãos, antebraços e cotovelos. No caso de esponjas impregnadas com o
antisséptico, pressione a parte da esponja contra a pele e espalhe por todas as partes;
3. Iniciar sequência de escovação em uma das mãos seguindo a ordem: pontas dos de-
dos e unhas → regiões interdigitais → palma da mão → dorso da mão;
4. Repetir o passo 3 na outra mão;
5. Escovar 20 vezes a face flexora e depois mais 20 vezes a face extensora de um an-
tebraço;
6. Repetir o passo 5 no outro antebraço;
7. Finalizada a escovação, despeje a escova no lavabo;
8. Enxague os dedos, depois as mãos, deixando que a água caia por último nos ante-
braços que devem estar afastados do tronco, de forma que a água escorra para os
cotovelos, procurando manter as mãos em plano mais elevado;
9. Feche a torneira com o cotovelo, joelho, pé ou apenas se afaste, a depender do me-
canismo de acionamento da torneira do lavabo em questão.
10. Enxugar as mãos em toalhas ou compressas estéreis, com movimentos compressi-
vos, iniciando pelas mãos e seguindo pelos antebraços e cotovelos, atentando para
utilizar as diferentes dobras da toalha/compressa para regiões distintas.
11. Tomar cuidado para, durante a lavagem das mãos e até estar completamente para-
mentado, manter sempre as mãos em um nível acima dos cotovelos.
CENTRO CIRÚRGICO 8

1º Desinquinação
4º Entrar na sala de cirurgia
com mãos elevadas
Punhos e
antebraços

2º Molhar esponja
ESCOVAÇÃO DAS
Dorsos
MÃOS E ANTEBRAÇOS
Ensaboar mãos
e antebraços

Passar cerdas Unhas e ponta


3º da escova dos dedos
Interdigitais Palmas

Fluxograma antissepsia das mãos e antebraços

Após realizar a escovação, os mem- 3. Dobrar a compressa, utilizando


bros da equipe entram na sala de apenas uma mão, deixando a por-
cirurgia para se paramentar, com a ção que foi utilizada no primeiro
colocação do avental cirúrgico e luva antebraço para dentro.
estéril. A partir deste momento, é es- 4. Trocar de mão e deslizar a com-
sencial o cuidado para não tocar ou pressa pelo outro antebraço em
esbarrar em materiais contaminados, movimento rotatório.
como portas, mesas ou pessoas pre-
sentes na sala. O circulante irá abrir o 5. Desprezar as compressas com as
pacote estéril, onde estarão o avental mãos erguidas.
cirúrgico, uma compressa para secar
as mãos e uma luva estéril de acordo A colocação do avental cirúrgico é
com o tamanho solicitado. realizada logo após a secagem das
A secagem da mão deve ser fei- mãos e deve ser realizada da seguin-
ta inicialmente de um lado da mão e te forma: segurar o avental pela face
antebraço, seguido de dobra da com- interna, deixar cair a parte inferior e
pressa e secagem do outro braço, da introduzir os dois braços nas man-
seguinte forma: gas. A circulante da sala irá amarrar o
1. Com a compressa aberta, enxugar avental pela face posterior.
uma mão com um lado da com-
pressa e a outra mão com o outro
lado da compressa, de maneira a
remover todo o excesso de água.
2. Deslizar a compressa de uma mão
Figura 2: Amarração do avental cirúrgico pelo circulan-
para o antebraço em movimento te de sala. Fonte: irino, LMI. Manual de Técnica Cirúrgica
rotatório. para a Graduação. Editora Sarvier, 2006.
CENTRO CIRÚRGICO 9

As luvas estéreis devem ser colocadas atentando para tocar com a mão apenas
a parte interna da luva (que irá ficar em contato com a sua pele), o tecido da par-
te externa será apenas tocado pela parte externa da outra luva, como mostram
as imagens.

Figura 3: Colocação das luvas estéreis.


Fonte: Acervo Monitoria TOCE I – EBMSP.

NA PRÁTICA!
Passo-a-passo colocação das luvas estéreis:
1. Abrir o estojo sem tocar as luvas e verificar se estão corretamente posicionadas, ou
seja, se não estão trocadas de posição (Imagens A e B).
2. Segurar com uma das mãos a superfície interna rebatida de uma das luvas, localizar
e direcionar corretamente os dedos e introduzir completamente a respectiva mão,
com cuidado para não tocar com sua face externa na outra mão ainda não calçada
(Imagens C e D).
3. Pegar a luva restante pela sua porção externa, logo abaixo da dobra rebatida, pela
sua face palmar e calçar a mesma pela técnica anterior (Imagem E).
4. Com a mão contrária, rebater uma das luvas pelo lado externo até a metade da mão
e apoiá-la sobre o 3° e 4° quirodáctilos flexionados e então posicionar o punho do
avental sob o 3° e 4° (Imagens F e G).
5. Finalizar o processo fazendo o mesmo com a luva oposta (Imagens H e I).
CENTRO CIRÚRGICO 10

PARAMENTAÇÃO 6. MESA INSTRUMENTAL


CIRÚRGICA
A mesa de instrumentos cirúrgicos
deve ser organizada em local esté-
Zona de Pijama, touca ril, através da colocação de campos
proteção e propés cirúrgicos. A montagem da mesa é
em formato de “U”, sendo que o “U”é
sempre voltado para o paciente. Os
Máscara e óculos instrumentos, de forma geral, ficam
de proteção
dispostos de acordo com o tipo de
Zona limpa cirurgia e os tempos cirúrgicos: 1º:
Diérese, 2º Preensão, 3º: Hemosta-
Assepsia das
mãos e braços sia, 4º: Exposição, 5º: Especiais, 6º:
Síntese.
O primeiro tempo cirúrgico (diérese)
Secagem das mãos fica sempre próximo à mesa cirúrgica
com compressa e perto do instrumentador. Se a mesa
instrumental ficar à esquerda da mesa
cirúrgica: iniciar arrumação do instru-
Zona estéril Avental cirúrgico mental da direita para a esquerda; e
se mesa instrumental ficar à direita da
mesa cirúrgica: iniciar arrumação da
esquerda para a direita.
Luvas estéreis

Fluxograma paramentação

SE LIGA: A disposição dos materiais na mesa obedece a seguinte ordem: tipo, curvatu-
ra e tamanho. Ex. Metzembaum (curva – reta – tamanho [menor- maior]) depois Mayo.
Lembrar que a curvatura é para baixo e a parte funcional voltada para o instrumentador.

6º Síntese 5º Especiais 4º Exposição

1º Diérese 2º Preensão 3º Hemostasia

INSTRUMENTADOR

Fluxograma mesa instrumental


CENTRO CIRÚRGICO 11

7. INSTRUMENTAIS Montagem: segurar lâmina com


CIRÚRGICOS porta agulha ou pinça hemostática,
próximo a porção pontiaguda, com
Para facilitar o entendimento, vamos
o bisturi apontado para o chão.
dividir os instrumentos de acordo com
sua utilização nos tempos cirúrgicos. Empunhadura: arco de violino
(para incisões longas) e lápis (para
incisões pequenas e delicadas). A
1º QUADRANTE
entrada do bisturi é a 90°, inclina
com 45° e termina a 90° graus.
Diérese: bisturis e tesouras
Arrumação na mesa: se bisturi
• Bisturi montado lâmina voltada para o ins-
Função: realizar a incisão cirúrgica trumentador com a parte cortante
voltada para fora da mesa, se bis-
Características: Formado por cabo
turi desmontado o cabo deve ficar
e lâmina. Tamanho do cabo:
voltado para o instrumentador.
A. Nº 3, lâmina de 9 a 17
Entrega do bisturi: entregar o bis-
B. Nº 4, lâmina de 18 a 50 turi com o cabo dirigido ao cirurgião
e com o corte da lâmina voltado
para baixo
Solicitação do bisturi: dedos po-
legar e indicador unidos, movimen-
tando-os para baixo e para cima.

• Tesouras
Função: seccionar, dissecar, divul-
sionar e desbridar tecidos. Cortar
fios e gaze.
Tipos de pontas das tesouras: re-
tas (utilizadas em superfície e corte
de fios); curvas (para profundida-
de – maior visibilidade – preferên-
cia dos cirurgiões); agudas (cortes
precisos e delicados – NÃO USAR
EM CAVIDADES); e rombas (uso
Figura 4: Cabos e lâminas de bisturi.
em cavidades).
Fonte: Google Imagens.
CENTRO CIRÚRGICO 12

Empunhadura: dedos polegar e ambas para divulsão, secção e


anular (1º e 4º quirodáctilos) nos deslocamento.
dois anéis realizando movimentos • Mayo: mais grosseiras e mais
de abertura e fechamento. O 2º fortes. Porção funcional cerca da
quirodáctilo usado para estabilizar metade da tesoura. Retas e curvas.
a articulação da tesoura.
• Metzembaum: mais delicadas.
Tesoura empalmada: é uma mano- Porção funcional equivale 1/3 do
bra utilizada pelos cirurgiões quan- comprimento da tesoura. Maior
do se quer manipular outro instru- proporção entre cabo e lâmina. Re-
mento ou quando precisam utilizar tas e curvas (Metzembaum curva =
os dedos. Tal manobra é realizada tesoura do cirurgião).
fazendo uma rotação de 180 graus
da tesoura de maneira que a ponta • Não utilizá-las para corte de fios
aponte para o antebraço. a fim de não danificar o material.
Usa-se a SPENCER, em geral com
Diferenças entre tesouras de a função de retirada de pontos.
dissecção Mayo e Metzembaum:

Figura 5: tesoura Mayo curva (2); tesoura Mayo reta (3); tesoura para fios (4); e tesoura Metzenbaum (5).
Fonte: Cirino, LMI. Manual de Técnica Cirúrgica para a Graduação. Editora Sarvier, 2006.

Solicitação manual da tesoura: de- Arrumação na mesa: obedece


dos indicador e médio realizando mo- a seguinte ordem, já menciona-
vimentos de abertura e fechamento e da: Tipo, Curvatura e Tamanho.
demais dedos fletidos. Dedos retifica- Ex. Metzembaum (curva – reta –
dos para tesoura reta e dedos encur- tamanho (menor- maior) depois
vados para tesoura curva. Mayo. Lembrar que a curvatura é
CENTRO CIRÚRGICO 13

para baixo e a parte funcional vol- Empunhadura: feita com a mão não
tada para o instrumentador. dominante como se fosse um lápis.
Entrega da tesoura: segura a te- Utilizam-se três dedos: o dedo pole-
soura pela parte funcional, com os gar e o dedo médio servem de apoio,
anéis para fora da mão. Mão do e o dedo indicador faz a abertura e fe-
instrumentador em pronação; cur- chamento da pinça.
vatura da tesoura voltada para pal- Arrumação na mesa: “uma dentro
ma da mão. da outra” – dente de rato e depois
anatômica. Pode-se também arrumar
uma pinça do lado da outra, colocan-
2º QUADRANTE
do primeiramente as dente de rato
(traumáticas) por ordem de tamanho
Preensão: Pinças de dissecção (menor para maior) e posteriormente
as anatômicas (atraumáticas) por or-
Função: Preensão - consiste em
dem de tamanho (menor para maior).
agarrar e manipular tecidos.
As pontas das pinças apontam para o
Tipos de pinças de dissecção: instrumentador.
• Pinça de dissecção do tipo ana- Entrega das pinças de dissecção:
tômico ou sem dente. Chamada Ambas são passadas para o cirurgião
de pinça atraumática. Possui es- fechadas. O cabo da pinça na passa-
trias transversais na parte interna gem fica voltado para o cirurgião e as
das pontas (face preensora). Pon- hastes para o instrumentador.
tas lisas. Usada para preensão de
Solicitação das pinças de dissecção:
tecidos delicados, vasos, paredes
de vasos, etc. • Anatômica: dedos polegar e in-
dicador repetem movimentos de
• Pinça de dissecção do tipo den-
aproximação e separação. Demais
te de rato. Chamada de pinça
dedos ficam semifletidos.
traumática. Possui dente em sua
ponta. Usada para manipulação • Dente de rato: Polegar e indicador
de tecidos mais resistentes (pele e fletidos formando um círculo.
aponeurose).
3º QUADRANTE

Hemostasia: Pinças hemostáticas


Pinças hemostáticas: são pinças de
Figura 6: Pinças de dissecção. preensão contínua, usadas para coibir
Fonte: Google Imagens. ou prevenir sangramento, tempora-
CENTRO CIRÚRGICO 14

riamente. Possuem cremalheiras que (estrias transversais) preencherem


as mantêm presas entre duas garras apenas os dois terços distais da
estriadas. Podem ser retas, curvas, parte funcional (na face de preen-
com ou sem dentes, com estrias lon- são). Não possuem dentes.
gitudinais ou transversais, totais ou
parciais.
Organização das Principais Pinças
Hemostáticas: são organizadas em
ordem crescente de tamanho, com as
curvas antes das retas e a ponta vol-
tada para o instrumentador, com cur-
vatura voltada para a mesa.
Disposição das pinças hemostá-
Figura 8: Pinça Kelly.
ticas: são dispostas na seguinte or-
Fonte: Google Imagens.
dem: Halsted, Kelly, Crile, Kocher
(pode estar neste quadrante ou no de • Crile: São parecidas com a Kelly,
especiais), Rochester. porém as ranhuras ocupam toda a
• Halsted (pinças “mosquito”): São parte funcional. É uma pinça longa.
Figura 9: Pinça Crile.
as menores, delicadas, com estrias
transversais em toda sua face de
preensão. Usadas em pequenos
vasos, em estruturas orgânicas no-
bres e pinçam fios finos para sutura.

Fonte: Google Imagens.

• Kocher: Apresenta estrias trans-


versais em toda sua face preen-
sora e dentes na ponta. São pin-
Figura 7: Pinça Halsted reta e curva. ças longas usadas aos pares, para
Fonte: Google Imagens. pinçamento do estômago e alças
• Kelly: São muito utilizadas, pos- intestinais e apresentando as bor-
suem ponta fina e se diferenciam das para sutura. Usada mais como
pelo fato das ranhuras internas instrumento de preensão.
CENTRO CIRÚRGICO 15

OBS.: a compressa estéril também


é utilizada como hemostasia e a en-
trega é feita de maneira estendida,
como entrega-se os fios. Compressas
são solicitadas com a mão espalmada
e fios com a mão em supinação e sem
os dedos fletidos.

4º QUADRANTE
Figura 10: Pinça Kocher.
Fonte: Google Imagens. Exposição: Afastadores
• Rochester: São pinças robustas, Os afastadores são os instrumen-
longas, com estrias transversais tos que conferem ao cirurgião uma
em toda a sua face de preensão. melhor visão do campo operatório,
expondo-o, afastando as bordas de
incisão e estruturas vizinhas. Quan-
Empunhadura e Passagem das pin- do bem manipulados facilitam mui-
ças hemostáticas: Sua arrumação, to o ato operatório. Os afastadores
empunhadura e passagem seguem possuem formas e tamanhos varia-
as mesmas regras das tesouras. dos e sua escolha depende da ne-
• O fechamento da cremalheira se cessidade cirúrgica (espessura do
dá por aproximação das argolas tecido a ser operado, local, profun-
entre si. Para abertura da crema- didade). Eles são divididos em dois
lheira, deve-se desengrenar os tipos principais:
dentes com um leve movimento 1. Afastadores dinâmicos ou ma-
de aproximação das argolas entre nuais: são aqueles que exigem um
si, liberando os dentes, seguido de manuseio (tração) contínuo. Per-
movimento de afastamento entre mitem mudança de posição a todo
as duas cremalheiras, conseguin- o momento.
do-se assim abrir a pinça.
• Farabeuf: é o afastador di-
nâmico mais usado, em ge-
Solicitação pinça hemostática: cru- ral aos pares. Possui lâminas
za-se o 2º e 3º quirodáctilo da mão na extremidade em forma de
direita em supinação. C e difere no tamanho, largu-
A entrega é feita com a curvatura vol- ra e curvatura das lâminas de
tada para a região palmar. acordo com a necessidade ci-
CENTRO CIRÚRGICO 16

rúrgica. É usado em diversas


cirurgias, principalmente na
pele, subcutâneo e músculos.

Figura 13: Afastador Doyen.


Fonte: Google Imagens.

• Langenbeck: utilizado em di-


versas cirurgias, tem o cabo
mais longo que a extremida-
de de afastamento, mas ainda
Figura 11: Afastador Farabeuf. assim é capaz de atingir pla-
Fonte: Google Imagens. nos mais profundos que o Fa-
• Válvula Supra-púbica: possui rabeuf.
em uma das suas extremida-
des curvatura em forma de C, e
na outra um cabo. É usada em
cirurgias gineco-obstétricas.

Figura 14: Afastador Langenbeck.


Fonte: Google Imagens.

• olkmann: são afastadores


V
de dedo com garras em sua
Figura 12: Válvula Supra-púbica.
extremidade com dois, três,
Fonte: Google Imagens.
quatro ou seis pequenos ra-
• Doyen: usado em cavidade ab- mos com pontas rombas ou
dominal. Possui um cabo para pontiagudas. Usado para se-
empunhadura e uma superfície paração de fibras musculares,
maior para afastamento. principalmente.
CENTRO CIRÚRGICO 17

• Espátulas maleáveis: são


afastadores flexíveis que pos-
sibilitam qualquer tipo de cur-
Figura 15: Afastador Volkmann.
vatura. Usados tanto em cavi-
Fonte: Google Imagens. dade pleural como abdominal.
• Harrington ou “coração”:
uma das extremidades tem o
formato de coração. Usado em
cirurgias cardíacas.

Figura 18: Espátulas maleáveis.


Fonte: Google Imagens.

2. Afastadores auto-estáticos: são


aqueles compostos de peças aco-
Figura 16. Afastador Harrington.
pladas, que uma vez colocados e
Fonte: Google Imagens.
abertos permanecem na mesma
posição.
• Deaver: apresenta as duas
extremidades em formato cur- • Afastador Gosset: é utilizado
vado, porém uma menos que na cavidade abdominal
a outra, sendo a menor para
empunhadura e a maior para
uso exclusivo de cavidades
abdominais.

Figura 19: Afastador Gosset.


Fonte: Google Imagens.

• Afastador Weitlaner: possui


Figura 17: Afastador Deaver. forma de pinça invertida e é
Fonte: Google Imagens. usado em cirurgias de tireóide,
CENTRO CIRÚRGICO 18

perianais, hernioplastias, pe- Empunhadura: é variável. Devem ser


quenos procedimentos. empunhados de acordo com o tipo
de cabo, de maneira mais cômoda de
modo que não atrapalhe o cirurgião.
Arrumação na mesa: os afastadores
devem ser posicionados de maneira
que sua parte funcional fique voltada
Figura 20: Afastador Weitlaner. para o instrumentador. O Farabeuf pode
Fonte: Google Imagens. ser posto um dentro do outro, ocupan-
do assim menos espaço na mesa.
• Afastador de Finochietto: É
utilizado em cirurgia de tórax
para abertura dos espaços in-
tercostais ou medioesternal. 5º QUADRANTE

Especiais
Os instrumentos que compõem esse
quadrante dependem da especialida-
de cirúrgica: gastrointestinal, neuro-
lógica, torácica, urogenital, oftálmica,
ortopédica, cardiovascular, ginecoló-
Figura 21: Afastador de Finochietto.
gico-obstétrica, neurológica e otorri-
Fonte: Google Imagens.
nolaringológica. Sua arrumação, em-
• Balfour: Composto pela jun- punhadura e passagem ao cirurgião
ção da válvula supra-púbica e seguem as mesmas regras que as
Gosset. Sua finalidade é am- vistas para as tesouras.
pliar a exposição cirúrgica do Cirurgia gastrintestinal:
afastador Gosset.
• Kocher: apresenta estrias trans-
versais em toda sua face preenso-
ra e dentes na ponta. Pinça intes-
tinal usada em estômago e alças
intestinais para hemostasia, apre-
sentação de bordas e evitar saída
de conteúdo intestinal.

Figura 22: Afastador Balfour.


Fonte: Google Imagens.
CENTRO CIRÚRGICO 19

• Allis: Pinça pouco traumática


com maior poder de preensão por
denteamento fino na superfície de
contato. Pouco usada para antis-
sepsia com gaze montada, nor-
malmente se usa, Pean ou Foers-
Figura 23: Pinça Kocher. ter. Quando montada com gaze,
Fonte: Google Imagens. seu uso se torna mais frequente
• Collin: pinça de preensão atrau- para hemostasia.
mática para tecidos ou vísceras
ocas ou da língua pelo anestesio-
logista. Superfície com ranhaduras
e ponta com aspecto arredondado.

Figura 26: Pinça Allis.


Fonte: Google Imagens.

• Backhaus: Pinça de campo usada


Figura 24: Pinça Collin.
para prender os campos à pele, os
Fonte: Google Imagens.
campos entre si ou fixar objetos
• Foerster: A longa e reta é utiliza- nos campos.
da para preensão de gaze para
antissepsia (denominada “pin-
cel” ou “fraldinha” quando estiver
com a gaze montada) em todos os
procedimentos cirúrgicos. A cur-
va é utilizada na preensão, tração
e apresentação do infundíbulo da
vesícula, sendo muito utilizada,
portanto, em colecistectomia.

Figura 27: Pinça Backhaus.


Fonte: Google Imagens.

• Duval: extremidade triangular com


serrilhas – segurar e suspender lo-
bos pulmonares e vísceras ocas.
Figura 25: Pinça Foerster.
Fonte: Google Imagens.
CENTRO CIRÚRGICO 20

Cirurgia torácica e cardiovascular:


• Clamps vasculares para hemos-
tasia temporária

Cirurgia ginecológico-obstétrica:
• Cureta: Instrumento utilizado em
curetagem útero-vaginal e em ci-
Figura 28: Pinça Duval.
rurgias ortopédicas.
Fonte: Google Imagens.

• Clamps intestinais: são mais lon-


gas, usadas aos pares para pin-
çamento de alças intestinais e
estômago, além de hemostasia e Figura 31. Cureta. Fonte: Google Imagens.
apresentação para síntese.
• Espéculo vaginal: duas lâminas
com um sulco para abertura do ca-
nal vaginal

Figura 29: Clamps intestinais.


Fonte: Google Imagens.

• Mixter: pinça reta com pontas an-


guladas e serrilhadas – preensão.
Uso em pedículos como hepático,
pulmonar e renal.

Figura 32: Espéculo vaginal.


Fonte: Google Imagens.

• Fórceps: tem ramos articulados,


com aros grandes nas pontas para
aplicação na cabeça do feto duran-
te o parto complicado.

Figura 30: Pinça mixter.


Fonte: Google Imagens.
CENTRO CIRÚRGICO 21

das pinças de Hemostasia, e es-


trias transversais. Pode ser de mo-
delos principais:
A. Porta-agulhas de Hegar: pos-
sui duas argolas na extremidade
Figura 33: Fórceps.
das hastes o que permite que sua
Fonte: Google Imagens.
empunhadura seja igual à de uma
pinça hemostática (polegar em uma
• Saca-fibroma: parte funcional em
argola anular em outra argola, indi-
formato de rosca.
cador estabilizando). É o porta-a-
gulha que possuímos na monitoria.
B. Porta-agulhas de Mathieu:
possui hastes livres, sem argolas.
Ideal para suturas na superfície.
Geralmente utilizado por cirurgi-
ões-dentista.
Figura 34: Saca-fibroma.
Fonte: Google Imagens.

• Pinça de Museux e de Pozzi: uti-


lizadas na preensão traumática e
tração do colo uterino. São usadas
via transvaginal.
• Pinça Faure ou pinça da artéria
uterina: Usada para a ligadura da Figura 35: Porta-agulhas.
artéria uterina. Fonte: Google Imagens.

Empunhadura e passagem: sua em-


6º QUADRANTE punhadura e passagem são iguais à
de uma pinça hemostática. Contudo,
Síntese: Porta-agullhas, fios, e seu manuseio obedece aos movi-
agulhas mentos de pronação e supinação. Ex-
A síntese é a etapa final do ato cirúr- plicar aos alunos estes movimentos,
gico, na qual ocorre a união das bor- que serão enfatizados posteriormen-
das com a finalidade de recompor os te nas aulas de suturas.
tecidos.
• Porta-agulhas: possui na sua
ponta um sulco, que o diferencia
CENTRO CIRÚRGICO 22

MAPA MENTAL - INSTRUMENTOS CIRÚRGICOS

Diérese Preensão Hemostasia

• Bisturi; • Bisturi; • Pinça Kelly;


• Tesoura Mayo; • Tesoura Mayo; • Pinça Halsted;
• Tesoura • Tesoura • Pinça Crile
Metzenbaum; Metzenbaum; • Pinça Kocher
• Pinça Rochester

Síntese Exposição

• Porta-agulha de • Afastador Farabeuf


Mathieu • Válvula supra-púbica
• Porta-agulhas • Afastador Doyen
Hegar • Afastador
• Agulhas Langenbeck
• Afastador Volkmann
• Afastador Harrington
• Afastador Deaver
• Espátulas maleáveis
Especiais • Afastador Gosset
• Afastador Finochietto

• Collin • Clamps intestinais


• Foester • Mixter
• Allis • Cureta
• Backhaus • Pozzi
• Duval
CENTRO CIRÚRGICO 23

FLUXOGRAMA CENTRO CIRÚRGICO

ZONAS DO AMBIENTE EQUIPE CIRÚRGICA PARAMENTAÇÃO


CIRÚRGICO

Zona de proteção Médico cirurgião Colocação da máscara


e óculos de proteção

Zona limpa Médico anestesista


Assepsia das mãos
e antebraços
Zona asséptica 1º auxiliar
ou estéril Secagem das mãos
2º auxiliar
Colocação do
avental cirúrgico
Instrumentador

MESA INSTRUMENTAL Colocação da


luva estéril
INSTRUMENTAIS
CIRÚRGICOS
1º Diérese

Bisturis e tesouras
2º Preensão

Pinças de dissecção
3º Hemostasia

Pinças hemostáticas
4º Exposição

Afastadores
5º Especiais

Porta-agulhas,
6º Síntese agulhas e fios
CENTRO CIRÚRGICO 24

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Cirino, LMI. Manual de Técnica Cirúrgica para a Graduação. Editora: Sarvier, 2006.
GOFFI, Fábio S. et al; Técnica Cirúrgica – Bases Anatômicas, Fisiopatológicas e Técnicas
da cirurgia. Editora: Atheneu, 4ª edição, 2007.
Silva DC; Alvim NAT. Ambiente do Centro Cirúrgico e os elementos que o integram:
implicações para os cuidados de enfermagem. Rev Bras Enferm, Brasília, 2010. Maio Jun;
63(3): 427-34.
CENTRO CIRÚRGICO 25