Você está na página 1de 3

GASTONE’S CORPORATION PRESENTS: - deixam o S.N.C. através dos nn.

III, VII, IX e X e a medula através de


TRATADO DE FISIOLOGIA MÉDICA –VOL. 11 [RESUMO GUYTON S1 a S4 (+ em S3 e S4!)
& HALL] - NCX: n. vago (75%)→vísceras tórax/ abdome
UNIDADE XI - NCIII: n. oculomotor→mm. ciliar e esfíncter da pupila
CAP. 60. O Sistema Nervoso Autônomo e a Medula Adrenal - NCVII: n. facial→ gls. lacrimais, nasais e submandibulares
- S.N.C.→controle das funções viscerais (PA, motilidade e secreção do - NCIX→n. glossofaríngeo→gl. parótida
TGI, micção, sudorese, temperatura) - nn. pélvicos→cólon descendente, reto, bexigas e 1/3 distal dos
- ação rápida (Ex.: ↑ freqüência cardíaca) ureteres
 Organização Geral do S.N.A. - Neurônios parassimpáticos pré e pós-ganglionares
- ativado por centros da medula, tronco encef., hipotálamo e córtex - fibras pré longas e fibras pós curtas (na parede dos órgãos excitados)
- S.N.A.→reflexos viscerais→respostas reflexas subconscientes  Função simpática e parassimpática
- fibras são eferentes - Tipos de fibras:
- S.N.A.→S.N. Simpático e S.N. Parassimpático * colinérgicas: secretam acetilcolina
 S.N. Simpático * adrenérgicas: secretam noradrenalina
- fibras pré curtas e fibras pós longas - Todos os neurônios pré são colinérgicos!
- Todos os neurônios pós do S.N. Parassimpático são colinérgicos!!
- Todos os neurônios pós do S.N. Simpático são adrenérgicos!!!
Obs.: exceção: as fibras pós simpáticas p/ as gls. sudoríparas e mm.
eretores do pêlo secretam acetilcolina.
- acetilcolina→transmissor parassimpático
- noradrenalina→transmissor simpático

 Mecanismo de liberação e remoção dos neurotransmissores


nas terminações pós
- Liberação de acetilcolina e noradrenalina
- varicosidades (alargamentos bulbosos)→efetor
- a síntese dos neurotransmissores ocorre nas varicosidades
- PA→↑Ca2+→liberação neurotransmissores
- Síntese de acetilcolina
- 2 cadeias de gânglios simpáticos paravertebrais - síntese: nas terminações nervosas e varicosidades da fibra
- 2 gânglios pré-vertebrais (celíaco e hipogástrico) colinérgica (vesículas)
- nn. que vão dos gânglios até as vísceras acetil −CoA+colina colina acetil−transferase acetilcolina
- é tóraco-lombar (de T1 a L2) →
- neurônios - degradação:
* pré-ganglionares: pericário no corno intermediolateral→raiz
anterior→n. espinhal→ramo comunicante branco→gânglios da cadeia
acetilcolina acetilcolinesterase acetato+colina

simpática→nn. simpáticos→gânglio simpático periférico - Obs.: a acetilcolina está ligada á colágeno e glicosaminoglicanos no
TC local
* pós-ganglionares: pericários nos gânglios da cadeia simpática - ação de sinalização dura alguns segundos
ou gânglios simpáticos periféricos→órgão-alvo - a colina é transportada de volta p/ a terminação nervosa→nova
- Fibras nervosas simpáticas nos nn. esqueléticos síntese
- ramos comunicantes cinzentos - Síntese de noradrenalina: começa no axoplasma das terminações
- fibras finas tipo C adrenérgicas e termina nas vesículas secretórias
- controle: vasos, gls. sudoríparas mm. eretores dos pêlos
- Distribuição segmentar 1 .tirosina hidroxila çã o dopa
- T1→cabeça →
- T2→pescoço
- T3 a T6→tórax 2 . dopa descarboxila çã o dopamina
- T7 a T11→abdome →
- T12 a L2→pernas 3 . tranporte de dopamina para as ves í culas
- Natureza especial das terminações simpáticas na medulla
adrenal 4 . dopamina hidroxila çã o norepinefrina
- projeção direta (sem fazer sinapse)→nn. esplâncnicos→medula →
adrenal→céls neuronais modificadas = secreção de epinefrina e 5 . norepinefrina metila çã o epinefrina(na medula da adrenal)
norepinefrina →
 S.N. Parassimpático - degradação:
* recaptação por transporte ativo p/ terminação nervosa, difusão para
os fluidos corporais→sangue
* destruição pela MAO (monoamina oxidase) e catecol-o-metil-
transferase
- ação de sinalização dura alguns segundos
 Receptores nos órgãos efetores
- mudança conformacional→mudança na permeabilidade iônica (canais
abrem ou fecham) da m. p. / ativação enzimática = excitação ou
inibição celular
- Na+ e Ca2+ entram e excitam
- K+ sai e inibe
 O sistema de “segundos mensageiros”
- por ativação ou inativação enzimática no interior da célula
- Ex.: norepinefrina + receptor→↑adenil ciclase→AMPc = ação
intracelular
 Receptores de acetilcolina
- Muscarínicos
- em todas as céls. efetoras tanto do simpático como do parassimpático
- Nicotínicos

1
GASTONE’S CORPORATION
- nos gânglios autônomos (nas sinapses entre os neurônios pré e pós) - excitação parassimpática contrai o músculo ciliar (que “segura” a
tanto do simpático como do parassimpático e nas junções lente)
neuromusculares nos mmm. esqueléticos - Glândulas
 Receptores adrenérgicos - glândulas nasais, lacrimais, salivares e gastrintestinais são
- Receptores alfa (α 1 e α 2 ) estimuladas pelo S.N. Parassimpático→↑secreção copiosa (aquosa)
- gls.intestinais→S.N. entérico e fatores locais
- excitados pela norepinefrina (+ eficaz) e epinefrina - glândulas sudoríparas→↑suor (simpático); sem efeito
- vasoconstrição, dilatação da íris, relaxamento intestinal, contração (parassimpático)
dos esfíncteres intestinais, contração pilomotora e do esfíncter vesical - a maioria das glândulas sudoríparas são colinérgicas
- Receptores beta ( β 1 e β 2 ¿ - centros hipotalâmicos
- excitados pela norepinefrina (– eficaz) e epinefrina - sudorese →função parassimpática.
- glândulas apócrinas→excitação simpática (fibras adrenérgicas) ação
- β 1→ taquicardia, força aumentada do miocárdio e lipólise simpática→secreção espessa e odorífera
- β 2 → vasodilatação, relaxamento intestinal, uterino e da parede da
- Plexo nervoso nervoso intramural do sistema gastrointestinal
bexiga, broncodilatação, calorigênese, glicogenólise - nas paredes do intestino
 Ações excitatórias e inibitórias - S.N. Parassimpático = ↑peristalse e relaxamento dos esfíncteres
- S.N. Simpático = inibe o peristaltismo e contrái os esfíncteres
- Coração
- S.N. Simpático→ taquicardia
- S.N. Parassimpático→bradicardia
- Vasos sanguíneos sistêmicos
- S.N. Simpático→ vasos das vísceras abdominais e da
pele→contração
- S.N. Parassimpático→rubor (rosto)
- Efeito da estimulação simpática e parassimpática sobre a
pressão arterial
- a PA depende da propulsão do sangue pelo coração e da resistência
ao fluxo
- S.N. Simpático→↑ brusco PA
- S.N. Parassimpático→↓ leve PA
- Obs.: a estimulação vagal intensa pode parar inteiramente o coração
e provocar o desaparecimento da PA
 Função das medulas adrenais
- ↑epinefrina e norepinefrina→corpo
- efeitos são + prolongados
- os órgãos são estimulados duas vezes: diretamente pelos nn.
simpáticos e indiretamente pelos hormônios da adrenal (dupla
estimulação→é um fator de segurança, pois um sistema funciona sem
o outro)
- capacidade da epinefrina e norepinefrina de estimular estruturas do
corpo que não são estimuladas por fibras simpáticas diretas
 Frequência de estimulação X graus dos efeitos simpáticos e
parassimpáticos
- somente uma baixa freqüência de estimulação é necessária p/ a
ativação completa dos efetores autônomos
 Tônus simpático e parassimpático
- permite a um único S.N. tanto aumentar quanto diminuir a atividade
de um órgão estimulado.
 Tônus causado pela secreção basal de epinefrina e
norepinefrina pelas medulas adrenais
- quantidades consideráveis
- suficiente p/ manter a PA
- após desnervação, o órgão-alvo perde o efeito simpático ou
parassimpático
- após dias→tônus intrínseco→”restaura” o efeito (compensação
parcial)
- semanas após→órgão se torna + sensível à adrenalina e acetilcolina
- supersensibilidade de desnervação

- a maioria dos órgãos é controlada dominantemente por um ou outro


dos dois sistemas  Reflexos autônomos
 Efeitos da estimulação simpática e parassimpática - Cardiovasculares
- Olhos - controle da PA e freqüência cardíaca
1. Abertura da pupila - reflexo barorreceptor→barorreceptores nas aa. carótidas internas e
- pupila: controla a entrada de luz no olho arco da aorta↑↑PA→tronco cerebral→inibição simpática e excitação
- A estimulação simpática contrai as fibras meridionais da parassimpática→↓PA (controle)
íris→dilatação (midríase) - Gastrointestinais
- A estimulação parassimpática contrai o m. circular da - ↑receptores boca/ nariz→n. vago→↑secreção de fluidos no TGI
íris→constrição (miose) - comida e/ ou cheiro de comida
2. Foco do cristalino - ou Ex.: reflexo da defecação

2
GASTONE’S CORPORATION
 Micção, ereção (SN.Parassimpático.), ejaculação (S.N. Obs.: não afetam a ação nicotínica da acetilcolina nos neurônios pós
Simpático.) ou nos mm. esqueléticos
 Estimulação de órgãos discretos em algumas circunstancias e  Drogas que estimulam os neurônios pós
estimulação em massa em outras circunstancias pelo sistema - nicotina (devido ao receptor nicotínico), metacolina (ação nicotínica e
simpático e parassimpático muscarínica) e pilocarpina (efeito só muscarínico)
 Descarga em massa  Bloqueadores ganglionares
- no S.N. Simpático - íon tetraetil amônia, íon hexametônio e pentolínio
- doença em massa: todas as unidades do simpático descarregam ao - bloqueiam os neurônios pós simpáticos e parassimpáticos
mesmo tempo como uma unidade completa simultaneamente
- hipotálamo é ativado por meio do terror ou dor intensa - hipertensão→↓PA
- = resposta de alarme ou de estresse é disseminada pelo corpo todo
 Respostas Locais
- são causadas pelo S.N. Parassimpático
- são específicas
- Ex.: o reflexo de esvaziamento retal pode auxiliar o reflexo de
esvaziamento vesical e vice-versa
 -Resposta de “alarme” ou “estresse”
- no S.N. Simpático
- descarga em massa: grandes porções do S.N. Simp. descarregam ao
mesmo tempo
- atividade muscular vigorosa
1. ↑PA
2. ↑ fluxo sanguíneo aos mm. ativos e ↓fluxo sanguíneo aos órgãos
desnecessários (simultaneamente)
3. ↑metabolismo celular
4. ↑ [glicose]
5. ↑glicólise no fígado e no m.
6. ↑força muscular
7. ↑ atividade mental
8. ↑ coagulação
- resposta ao estresse simpática: é uma ativação extra do corpo em
estados de estresse
- Ex.:raiva→reação de alarme, de luta ou fuga
 Controle bulbar, pontino e mesencefálico do S.N.A.

- os fatores + importantes controlados pelo tronco cerebral são a PA,


freqüência cardíaca e freqüência respiratória.
 Controle do S.N.A. do tronco cerebral por áreas superiores
- sinalização hipotálamo/telencéfalo
- controle temperatura, salivação, micção, atividade TG
- comportamento emocional
 Drogas simpatomiméticas
- atuam em efetores adrenérgicos
- norepinefrina, epinefrina e metoxamina
- fenilefrina (receptores alfa), isoproterenol (receptores beta) e albuterol
(receptores beta2)
Obs.: simpatomiméticos indiretos→efidrina, tiramina e anfetamina
 Bloqueadores adrenérgicos
- reserpina→ síntese e armazenagem nas terminações sinápticas
- guanetidina→liberação das terminações sinápticas
- fenoxibenzamina→alfa-bloqueador
- fentolamina→alfa-bloqueador
- propanolol→beta-bloqueador (beta 1 e beta 2)
- metropolol→beta-bloqueador (beta 1)
- hexametônio→bloqueia a transmissão tanto simpática como
parassimpática nos gânglios
 Drogas parassimpatomiméticas (drogas colinérgicas)
- pilocarpina e metacolina→agem nos receptores muscarínicos
 Drogas anticolinesterásicas
- potencializam os efeitos parassimpáticos
- neostigmina, piridostigmina e ambenônio
- inibem a acetilcolinesterase, evitando a destruição rápida da
acetilcolina
- ↑espectro de ação da acetilcolina
 Drogas antimuscarínicas
- atropina, homatropina e escopolamina→bloqueiam a ação da
acetilcolina nos receptores colinérgicos muscarínicos
3
GASTONE’S CORPORATION