Você está na página 1de 41

Ligamento Cruzado Anterior

- Origem: superfície póstero-medial do côndilo lateral.

- Inserção: área intercondilar anterior (entre as fixações dos

meniscos).

- Origem: superfície póstero-medial do côndilo lateral. - Inserção: área intercondilar anterior (entre as fixações dos

LCA

Origem: superfície póstero-medial do côndilo lateral. Direção: anterior, caudal e medialmente.

Inserção: área intercondilar anterior (entre as fixações dos meniscos).

Controle proprioceptivo.

Ramificações para o corno anterior do menisco lateral e medial.

Com o joelho em extensão as fibras estão em paralelo e em flexão as fibras anteriores cruzam sobre as fibras posteriores.

LCA - subdivisões

Fibras ântero-mediais. Mais longas - frouxas na extensão - tensas em flexão acima de 70º. Fibras póstero-laterais. Mais curtas e com maior volume - tensas na extensão - frouxas em flexão. Em 30° flexão LCA frouxo - maior mobilidade. 38 mm comprimento e 11 mm de espessura.

EXTENSÃO

30° DE FLEXÃO

60° DE FLEXÃO 120° DE FLEXÃO

Aspecto embrionário do LCA

Ligamentos cruzados surgem no embrião por volta do 45º dia.

LCA - funções

Evitar a gaveta anterior da tíbia. Evitar a gaveta posterior do fêmur. Limita a rotação interna da tíbia. Controla estresses em varo e valgo. Limita a hiperextensão. Controle da artrocinemática normal.

LCA - lesão.

Mais comum - lesão sem contato. Pé fixo no solo e o paciente tentando mudar de direção, gerando desaceleração, estresse em

valgo e rotação externa/ desaceleração,

estresse em valgo e rotação interna/ hiperextensão com rotação interna.

Tríade Maldita.

História típica de uma ruptura de

LCA

Estalido intenso no momento da lesão. Incapacidade de continuar a atividade. Desenvolvimento rápido de derrame pós- traumático. Mecanismo de lesão envolve mudança de direção.

Lesão - classificação

Grau I. Grau II. Grau III.

TESTES - instabilidade monoplanar anterior

Gaveta anterior. Lachman. Gaveta anterior ativo.

LCA - sintomas

Travação intermitente. Estalos. Hemartrose. Falseios. Instabilidade anterior e rotatória.

Edema - inibe o disparo do quadríceps/perda proprioceptiva.

Cápsula Articular

Tensor da cápsula

Cápsula Articular Tensor da cápsula

TRATAMENTO

CONSERVADOR.

CIRÚRGICO.

1° dia de reabilitação - 6° dia de pós

1° dia de reabilitação - 6° dia de pós

Após 10

sessões

Após 20 sessões

Protocolo tradicional

Progressão lenta para recuperar a flexão e extensão.

Sustentação de peso parcial ou não-sustentado do peso no período pós-operatório.

Exercícios em CCF no prazo de 3 a 4 semanas após a cirurgia.

Retorno à atividade no prazo de seis a nove meses.

Protocolo acelerado

Movimento imediato, inclusive a extensão total.

Sustentação imediata do peso dentro dos limites tolerados.

Exercício imediato em cadeia cinética fechada para fortalecimento e controle neuromuscular.

Retorno ás atividades no prazo de dois meses e, às competições, em seis meses.

Pressão sobre o enxerto minimizada:

Período de necrose - seis semanas. Revascularização enxerto - 8 a 16 semanas. Remodelação enxerto - após 16 semanas.

Força do enxerto

57% em 3 meses. 66% em 6 meses. 87% em 9 meses.

Considerações

Combater edema. Mobilização de cicatriz. Mobilização patelar. Músculo tensor da cápsula/Edema fundo se saco. Músculo IT - fortalecidos em especial? Respeitar a lesões associadas.

Considerações

Faixa movimento ativa segura 30°/90°. Evite hiperextensão. 90° flexão na 2ª semana. Flexão total no prazo de 5/6 semanas. A partir de 100°/110° bicicleta. Exs fortalecimentos Quadríceps evitados a partir de 30º. Exs em CCF.

Complicações

Posicionamentos não anatômico dos túneis. Enxerto fora da posição. Tendinites patelares. Afrouxamento. Artrofibrose. Lesão nervosa do ramo infra-rotuliano do

nervo safeno, que pode ser seccionado ou

lesado - parestesia na área peri rotuliana lateral à incisão.

Artrofibrose

Túnel

Critérios para retorno ás atividades

Nenhuma efusão articular. ADM total. Força de Q e IT é de 85 a 100% no MI. Estabilidade ligamentar. Sucesso na progressão da caminhada para corrida. Sucesso no desempenho durante o teste funcional.