Você está na página 1de 1

O "Espanto" (thaumas) segundo Aristóteles.

A partir da nossa racionalidade — característica de questionar


acerca das coisas, explicá-las — verifica-se o espanto: quando
percebemos nossa própria ignorância — característica de não
conhecer e explicar o todo — diante do mundo. Assim,
reconhecemos que estamos negando nós mesmos, pois estamos
negando nossa característica fundamental e natural: a razão.
Portanto, o ignorante é aquele que nega a si mesmo, porque nega
sua racionalidade e, logo, sua possibilidade de conhecer e explicar
o todo. Dessa maneira, é normal que nos espantemos no momento
em que percebemos que negamos nós mesmos. Ou seja, que
somos ignorantes.
Com o espanto, busca-se o conhecimento — "episteme", ciência
das causas — e, consequentemente, o questionamento acerca do
mundo. "Com efeito, o espanto foi o que levou, como hoje, os
primeiros pensadores às especulações filosóficas" (Meta., alpha, 2).
Ora, dessa maneira, "espantar-se é reconhecer a própria
ignorância". Nesse sentido, a ciência — conhecimento — é
atribuída como única que é capaz de responder ao espanto, "o
doloroso sentimento da nossa ignorância".

— Cauan Elias.