Você está na página 1de 105

INCLUSÃO ESCOLAR:

PARÂMETROS LEGAIS E PRÁTICOS


Secretaria Municipal de Educação
Departamento de Ensino
Gerência de Educação Especial e Inclusão
20/junho/2013
Transtornos Globais do
Desenvolvimento

Ministrantes:
Psic. Cassandra Fontoura Fiore Peron (CRP 08/08186)
Seção de Avaliação e Acompanhamento Psicológico e Educacional
Psic. Viviane Monteiro de A. Luchezi (CRP 08/08931)
Seção de Apoio à Inclusão Educacional
Simone Alves Piardi
Professora do AEE
Lilian Maciel Fernandes
Professora do AEE
Transtornos Globais do
Desenvolvimento (DSM-IV-TR)
• Caracterizam-se por um comprometimento grave e
global no processo de desenvolvimento:

- Habilidade de interação social recíproca;

- Habilidades de comunicação;

- Presença de estereotipias de comportamento,


interesses e atividades.
Transtornos Globais do
Desenvolvimento (DSM-IV-TR)
• Transtorno Autista
• Transtorno de Rett
• Transtorno Desintegrativo da Infância
• Transtorno de Asperger
• Transtorno Global do Desenvolvimento Sem
Outra Especificação.
Transtorno do Espectro Autístico
LEVE GRAVE
Transtorno Autista
• Início antes de 3 anos de idade.

• É quatro a cinco vezes mais comum entre os


meninos do que entre as meninas.
• Prejuízo grave do desenvolvimento de
interações sociais.

-Comprometimento do uso de comportamentos não


verbais;

www.abcsaude.com.br – 12/06/13
• Prejuízo grave do desenvolvimento de
interações sociais.
-Fracasso em desenvolver relacionamento com seus
pares, de acordo com a sua idade e estágio de
desenvolvimento;

vilamulher.terra.com.br

Dificuldade de engajamento;
Envolvimento vazio, impessoal ou pobre em
emoção. O sujeito parece distante ou indiferente aos
outros.
- Ausência da busca espontânea pelo prazer
compartilhado, interesses ou realizações de outras
pessoas.
Não mostra, traz ou aponta objetos que
consideram interessantes;
Dificuldade para compartilhar suas experiências,
sensações ou prazeres;
Não consegue ler a intenção dos outros.

espacoalfaletra.blogpot.com
- Falta de reciprocidade social

Não participa de jogos ou brincadeiras sociais;


Envolve os outros em atividades como
instrumentos ou auxílios mecânicos;
Não busca conforto ou aconchego;
Não é confortado por outros em situação de
aflição;
Não responde ao chamar pelo nome;
• Comprometimento da comunicação
- Atraso ou ausência total de desenvolvimento
da linguagem falada

- Prejuízo na capacidade de iniciar ou manter


uma conversação;

Utilização de comportamentos e emoções


aleatórios, caóticos ou até rígidos, sem um propósito
e sem a intenção de se engajar em uma troca
comunicativa.
- Uso estereotipado e repetitivo da linguagem
ou uma linguagem idiossincrática;

- Diferença no timbre, entonação, velocidade,


ritmo...

- Usa poucos ou nenhuns gestos;


blog.cancaonova.com

- Dificuldade para compreender perguntas e


instruções simples.
• Padrões restritos, repetitivos e estereotipados de
comportamento, interesses e atividades

Estereotipia = movimentos auto-regulatórios

- Preocupação circunscrita a um interesse especial;

- Inflexibilidade a rotinas ou presença de rituais


específicos e não funcionais;
- Alinha brinquedos ou
outros objetos;

- Maneirismos motores
estereotipados e hotkengasgrouppbrasil.blogspot.com
repetitivos;

- Preocupação persistente
com partes de objetos.

infofisio.blogspot.com
Outras características
• Hipersensibilidade/Hiposensibilidade;

• Alteração no sono;

• Noção de perigo;

• Temores.
Transtorno de Asperger
• Não existe atraso geral clinicamente importante na
linguagem;
• Comprometimento social – egocentrismo extremo;
• Desenvolve interesses particulares em campos
específicos;
• Rotinas e rituais;
• Peculiaridades de discurso e linguagem;
• Problemas na comunicação não-verbal;
• Desajeitamento motor.
Transtorno de Rett
• Acomete principalmente crianças do sexo feminino;
• Prevalência : 1/10mil
• Causa genética identificada - mutação
• Déficits ocorrem após um período de funcionamento normal
durante os primeiros meses de vida.
• Primeira fase (6 e 18 meses): parada no desenvolvimento
• Desacelaração no crescimento do crânio, diminuição da
interação social e isolamento;
• Regressão psicomotora;
• Irritabilidade, perda da fala e comportamentos esteriotipados
das mãos.
• Podem surgir crises convulsivas.
Transtorno Desintegrativo da Infância
• Predominantemente em meninos;
• Prevalência: 1,7/100mil
• Ocorre em crianças que tiveram o desenvolvimento
aparentemente normal até 2 ou 3 anos de vida;
• Ocorre gradativamente empobrecimento ou perda da fala,
comprometimento da interação social, perda do controle
esfincteriano e de habilidades motoras;
• No período que antecede a doença a criança pode se
apresentar irrequieta, irritável e ansiosa.
Transtorno Global do Desenvolvimento
sem outra especificação
• “Traços” de autismo;

• O indivíduo não preenche todos os critérios


diagnósticos da tríade (disfunção na socialização,
comunicação e comportamentos);

• Possuem prejuízos importantes em suas vidas


sociais.
“Devemos
Devemos aprender a olhar o
mundo através do ponto de vista
de uma pessoa com autismo,
assim vamos entender que por
trás de atos considerados
inexplicáveis, existe sempre um
esforço, uma tentativa encoberta
de comunicação”.

Theo Peeters
ENSINO PARA CRIANÇAS
COM AUTISMO
ESTILO COGNITIVO ENSINO
Pensamento literal Concreto

Pensamento fragmentado Em etapas, pequenos passos


estruturados
Um tipo de estímulo sensorial por vez Ter instruções individuais sempre que
(hipersensibilidade ou hiposensibilidade necessário
sensorial)
Necessita de estímulos visuais Esquemas visuais, imagens (85% visão)

Previsibilidade, aqui e agora Antecipação, ROTINA

Fazer as coisas a seu modo Adaptação às regras e às outras


pessoas. Leitura social.

Interesse restrito Experiência significativa


A CRIANÇA COM AUTISMO SÓ PODERÁ SE
DESENVOLVER DENTRO DE UMA
ESTRUTURA, COMPETÊNCIA, RITMO E
PADRÃO PARTICULARES DE
FUNCIONAMENTO.
Cada caso é um caso....
IMITAÇÃO (SCHOPLER)
- CONDIÇÃO BÁSICA PARA A APRENDIZAGEM E O
DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE LINGUAGEM

ATIVIDADES DIÁRIAS (PENTEAR, LAVAR, SECAR,...)


MOVIMENTOS DAS MÃOS (TCHAU, BEIJO, ...)
USO DE OBJETOS (MEXER PANELA, BATER BOLA, ....)
IMITAR AÇÕES SIMPLES (BATER NA MESA AO SOM DA MÚSICA)
IMITAR AÇÕES COMPLEXAS (MÃO NA CABEÇA E OUTRA NO NARIZ)
BRINQUEDOS (DAR COMIDA PARA A BONECA, COLOCAR PARA DORMIR)
IMITAR SONS, CANTAR MÚSICAS COM MÍMICA E GESTUAL
MOVIMENTOS COM O CORPO E COM OS LÁBIOS
• MODELAGEM
• EMPATIA
• GENERALIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO
• FUNÇÕES MENTAIS (ATENÇÃO, PERCEPÇÃO,
MEMÓRIA, LINGUAGEM, MOVIMENTO)
• HABILIDADES PSICOMOTORAS
• AVAs
MÉTODO TEACCH
Secretaria Municipal de Educação
Departamento de Ensino
Gerência de Educação Especial e Inclusão
CONCEITOS
• Em português significa Tratamento e Educação
para Autistas e Crianças com Déficits
relacionados com a Comunicação.
• O objetivo é proporcionar rotina e organização
no cotidiano do aluno e em seu aprendizado,
desenvolver a independência e amenizar as
dificuldades de comunicação existentes
Sala teacch

Reunião / Aprender
Trabalho de grupo

Trabalhar

Brincar / Lazer Computador


T.
Trabalhar
• A imagem visual é geradora de comunicação.
• O método proporciona aos alunos uma rotina
diária pré estabelecida dentro e fora da sala,
organizando assim questões internas e
externas, as quais favorecem melhor
desempenho em habilidades escolares.
PAINEL DE ROTINA
• é imprescindível que o professor manipule o
ambiente do autista de maneira que
comportamentos indesejáveis desapareçam
ou, pelo menos, sejam amenizados, e
condutas adequadas recebam reforço
positivo.
• São utilizados estímulos visuais (fotos, figuras,
cartões), estímulos corporais (apontar, gestos,
movimentos corporais) e estímulos
audiocinestesicovisuais (som, palavra,
movimentos associados às fotos) para buscar
a linguagem oral ou uma comunicação
alternativa.
• Os sistemas de trabalho são programados
individualmente
• o trabalho não se limita apenas aos aspectos
cognitivos, ensinando-lhes também noções
básicas de (AVD –atividades de vida diária e
AVP- Atividades de vida prática ) ,
possibilitando-lhes maior independência
possível.
ÁREA DE APRENDER
ÁREA DE TRABALHAR
ÁREA DO LAZER
TRABALHO EM GRUPO
ROTINA DE ATIVIDADE
MATERIAIS
- ORGANIZADOS EM CAIXAS OU BANDEJAS COM CARTÃO DO PAINEL DE
ATIVIDADE
- ESTRUTURADOS, ATIVIDADES FIXAS COM VELCRO
- DICA VISUAL
- DA ESQUERDA PARA DIREITA, DE CIMA PARA BAIXO
- BANDEJA DO “PRONTO”, OU “ACABOU”
ÁREA COGNITIVA
• Desenvolver percepção visual
- Noção de Igualdade
Habiliades visomotoras
Cor
Tamanho
Esquema Corporal / Noção de gênero
Seleção de objetos
Percepção de detalhes, análise e síntese
Associação de idéias
Sequência lógica
Formas geométricas
Números
Escrita
Materias concretos

Pranchas de atividades

Papel

Caderno

Livro
Ensino Regular
• Painel de Rotina
• Painel de atividade
• Estruturação do ambiente (carteira, anteparo)
• Reforçadores
• Estímulos visuais
• Atividades estruturadas (Plano Individual)
CADS - Centro de Atendimento Educacional
Especializado às Deficiências Sensoriais -
Helen Keller.

CURSO INCLUSÃO ESCOLAR - TGD

COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA – PECS - AUTISMO:


INICIAÇÃO BÁSICO FASE 1
Graduação em Pedagogia – Faculdade Internacional de Curitiba e
Pós Graduação em Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS.
Pós Graduação Lato Sensu em Educação Inclusiva.
Professora Sala de Recurso Multifuncional- SRMF – lilianfer03@gmail.com

PINHAIS 2013
•Como nos comunicamos
com alguém que não
fala?
PODEMOS USAR A COMUNICAÇÃO
ALTERNATIVA
• São recursos, estratégias e técnicas que
complementam modos de comunicação existentes
ou substituem as habilidades de comunicação
inexistentes.
• Qualquer dispositivo, método ou sistema usado para
a comunicação quando a fala não se desenvolveu ou
sofreu mudança.
• PECS pode ser os dois.
Quem pode usar a Comunicação
Alternativa
• Pessoas que não possuem fala e/ou escrita
funcional em consequência de:
– paralisia cerebral
– deficiência mental
– autismo
– traumatismo crânio-encefálico
– distrofia muscular progressiva
– lesão medular
COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA
É O USO INTEGRADO DE:
• SÍMBOLOS:

gestos, vocalização, sinais, fotos, objetos,


gráficos....
•RECURSOS

Pranchas, álbum, computador...


•TÉCNICAS

apontar c/ as mãos ou
olhos, segurar,
Escanear, códigos...
•ESTRATÉGIAS

Imitação, faz de conta.


IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO
ALTERNATIVA
Quando utilizado com estratégias e técnicas
comunicativas:
Proporciona autonomia em situações de
comunicação;
Dá oportunidade de interação social;
Auxilia no processo de inclusão escolar;
Principais Sistemas de
Comunicação Alternativa
• A literatura a respeito de Comunicação Alternativa tem
apontado para uma série de conjuntos e/ ou sistemas de
símbolos que permitem a comunicação de pessoas que não
produzem linguagem oral, como, por exemplo:
Sistema “Bliss” (HEHNER, 1980; MCNAUGHTON, 1985);
Picture Exchange Communication System-PECS (FROST;
BONDY, 1996);
Picture Communication Symbols-PCS (JOHNSON, 1992) e
Pictogram- Ideogram Communication-PIC (MAHARAJ, 1980).
APRENDENDO COM A TURMA DA
MONICA
VAMOS APRENDER SOBRE
O SISTEMA

PECS

Metodologia de Comunicação por troca de


Figuras.
• P icture
• E xchange
• C ommunication
• S ystem
• SISTEMA DE COMUNICAÇÃO POR TROCA
DE FIGURAS.
PECS foi desenvolvido em 1985 como um sistema de
intervenção aumentativa /alternativa de comunicação
exclusivo para indivíduos com transtorno do espectro
do autismo e doenças do desenvolvimento
relacionadas.

PECS tem recebido reconhecimento mundial por focar


no componente de iniciação de comunicação. Não
requer materiais complexos ou caros. Foi criado
pensando em educadores, famílias e cuidadores, por
isso é facilmente utilizado em uma variedade de
situações.

É utilizada uma pirâmide de abordagem educacional,


dividida em estágios.
PECS começa ensinando uma pessoa a dar
uma figura de um item desejado para um
"parceiro de comunicação", que
imediatamente aceita a troca como um
pedido.
O sistema passa a ensinar a discriminação
de figuras e como juntá-las formando
sentenças.
Nas fases mais avançadas, os indivíduos
aprendem a responder perguntas e fazer
comentários.
As seis fases do PECS
• FASE I

Como se comunicar
Os alunos aprendem a trocar uma única figura para itens ou
atividades que eles realmente querem.
• FASE II

Distância e Persistência
Ainda usando uma única figura, os alunos aprendem a
generalizar esta nova habilidade e usá-la em lugares
diferentes, com pessoas diferentes e usando distâncias
variadas. Eles aprendem a serem comunicadores persistentes.
FASE III
Discriminação de figuras
Os alunos aprendem a escolher entre duas ou mais figuras
para pedir seus itens favoritos. Estes são colocados em uma
pasta de comunicação com tiras de Velcro ® onde as figuras
são armazenadas e facilmente removidas para a comunicação.
FASE IV
Estrutura de sentença
Os alunos aprendem a construir frases simples em uma tira de
sentença usando um ícone "Eu quero" seguido por uma figura
do item que está sendo solicitado.
FASE V
Respondendo a perguntas
Os alunos aprendem a usar PECS para responder à pergunta:
"O que você quer?".
FASE VI
Comentando
Agora os alunos aprendem a comentar em resposta a
perguntas como: "O que você vê?", "O que você ouve?" e "O
que é isso?". Eles aprendem a compor sentenças começando
com "Eu vejo", "Eu ouço", "Eu sinto", "É um", etc
Qual o primeiro passo para
trabalhar com o PECS?

• DESCOBRIR PODEROSOS REFORÇADORES.


MAS O QUE É ISSO?
São:

• - Itens que o estudante se esforça para obter;


• - Itens que protesta quando é retirado;
• - Itens que fica a maior parte do tempo.
DICA: COMO DESCOBRIR UM
REFORÇADOR?
• REFORÇADOR EFETIVO – Colocar em uma
caixa vários objetos que possam chamar a
atenção do educando. Ex. bolas variadas,
carrinhos, bonecas...

• REFORÇADOR SOCIAL – Elogiar – Muito bem,


parabéns, ótimo, isso mesmo...
• E depois:
PRÓXIMO PASSO FAZER ACORDO
COMO?
• 1. Mostre ao estudante um possível
reforçador;
• 2. Peça ao estudante para fazer pequenas
tarefas já conhecidas;
• 3. Imediatamente dê o reforçador.

• NAS PRÓXIMAS OPORTUNIDADES AUMENTE


GRADATIVAMENTE O TRABALHO.
EM SEGUIDA PREPARAR
O MATERIAL
• Coleta: fazer as figuras;
• Plastificar;
• Colocar velcro;
• Juntar vários reforçadores e suas respectivas
figuras prontas para a primeira aula.
FASE 1
• Ensinar a resposta motora:
– Pegar;
– Levar;
– Entregar.

Procedimento de estímulo com duas pessoas.


(estimulador físico)
O estimular físico espera por iniciação, e aí...
- Dá apoio físico, dicas para pegar,
- Levar,
- E entregar.
O Parceiro de comunicação entrega o reforçado
em ½ segundo nomeia o item e oferece
reforço social.
ENTENDENDO MELHOR
Responsabilidade do
PC- Parceiro de Comunicação:
• estar com a mão aberta.
• fornece informação ao estudante sobre onde
colocar a figura;
• só é mostrada depois que o estudante
iniciou;
EXPERIÊNCIA COM ALUNO
• Criança com autismo, seu maior
comprometimento se mostra na área da
comunicação e da interação social. O aluno foi
acompanhado no CADS - Centro de
Atendimento Helen Keller – SRMF e
Reeducação Visual, desde final de 2011.
Dificuldades Encontradas:
Dificuldade para fixar a atenção, distraindo com facilidade:
Período curto de concentração;
Gira objetos variados, apego inadequado a objetos;
Dificuldade em estabelecer contato com os olhos;
Gestos repetitivos, flaps;
Comprometimento na área da linguagem não fala, e não
escreve; criança sem nenhuma habilidade verbal.
Demonstra resistência por mudanças na rotina.
ATENDIMENTO INICIAL
Iniciou-se um trabalho focando o
desenvolvimento da autonomia, onde foram
alcançados resultados significativos.
ESTRATÉGIAS 2012

Foi trabalhado com a prancha de


comunicação. A criança conseguiu indicar uma
imagem no 1º semestre, a da bolacha,
aprendeu a mostrar a imagem para em
seguida ser realizada a ação ou seja receber a
bolacha.
AVANÇOS OBTIDOS DESDE
1º Semestre 2012.
2012.
Parou de usar fralda, utilizando o banheiro
com auxílio, lava e seca as mãos, joga o papel
no lixo, apaga a luz, abre a porta sozinho, se
alimenta sentado e não mais andando, bebe
suco em qualquer copo e não mais no copo
com bico antivazamento, porém ainda não
toma água.
Realiza de cinco a seis atividades no atendimento na SRMF
como:
encaixe de imagens, de números, de sólidos geométricos, das
letras do seu nome, jogo argola, bola suíça, realiza circuito em
PVC espumado, está aprendendo a andar de triciclo, todas as
atividades ainda são realizadas com auxílio mas com o objetivo
da busca da autonomia da criança, todas as atividades estão
sendo trabalhadas com as fotos dos objetos e também foi
utilizado as músicas:
a baratinha, borboletinha, o sapo não lava o pé e pintinho
amarelinho.
Estratégia usada em 2013:

PECS Sistema de Comunicação por


Troca de Figuras
E quanto a fala?
• A implementação do PECS não significa que
estamos desistindo da fala.

• Quando implementamos o PECS, também


estamos promovendo o desenvolvimento da
fala.
A criança está em qual fase do
PECS?
Avanços com o PECS
• Troca por atendimento de 30 a 40 vezes os
cartões de imagens por algum item ou
atividade que realmente quer, aprendeu a
usá-la em lugares diferentes e distâncias
variadas como próximo objetivo será o
aumento da distância e aprender a trocar os
cartões com pessoas diferentes.
E PARA FINALIZAR
AMOR
ENTREVISTA ESPORTE ESPETACULAR
• Não pense que estes avanços
acontecem somente no esporte
porque
FASE II

• DISTÂNCIA E PERSISTÊNCIA

• Para a próxima oportunidade.


REFERÊNCIAS
• <www.enscer.com.br/material/artigos/eina/deficiencias>
Acesso em: abril 2013.
• <//www.autimismo.com.br/> Acesso em: abril 2013.
• <//pecs-brazil.com> Acesso em: abril 2013.
• <//www.infoescola.com/pedagogia/educacao-de-
criancas-autistas/> Acesso em: abril 2013.
• <//projaprendendocomadificuldade.blogspot.com.br/201
2/10/participacao-em-evento.> Acesso em: abril 2013.
• http://www.youtube.com/watch?v=2L-U8fs7piw. Acesso
em: abril 2013.
• http://www.youtube.com/watch?v=ZKRv662yNBY. Acesso
em: abril 2013.
• http://www.youtube.com/watch?v=VRfjNWd3xJI. Acesso
em: abril 2013.
• http://www.youtube.com/watch?v=o32v1puYD0g. Acesso
em: abril 2013.
• http://www.youtube.com/watch?v=PwKjdbZYDIY-
Reportagem exibida no dia 12/12/2010, pelo Esporte
Espetacular. Acesso em: abril 2013.
Referências
• CUNHA, E. Autismo e Inclusão: psicopedagogia práticas educativas na
escola e na família. Rio de Janeiro: Wak Ed., 2011.
• DSM-IV-TR . Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. 4ª
Edição. Porto Alegre: Artmed, 2002.
• http://autismoembraga.blogspot.com.br/p/perturbacoes-do-espectro-do-
autismo.html
• III Jornada Conviver de Autismo Julho de 2010
• Apostila de Treinamento Método TEACCH – Centro Conviver
• SILVA, A.B; GAIATO, M.B. & REVELES, L.T. Mundo Singular – entenda o
autismo. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2012.
Obrigada pela atenção!!!!
educacao.especial@pinhais.pr.gov.br
cassandra.fiore@pinhais.pr.gov.br
lilianfer03@gmail.com
simone.piardi@pinhais.pr.gov.br
vivianema@pinhais.pr.gov.br

Telefones: 3912-5425 / 3912-5418