Você está na página 1de 7

TESTES HIDRÁULICOS

SEÇÃO 08
PROCEDIMENTO PARA TESTES
DE PRESSÕES
Neste seção serão descritos os procedimentos de como efetuar leituras e ajustes de pressões
dos circuitos de baixa e alta.

INSTALAÇÕES DE CENTRO CERRADO


Tipo Bomba de pistões de detecção de carga, com caudal variável e centro cerrado:

Capacidade mínima à velocidade nominal do motor 114 litros/minuto


Pressão stand--by 19 bar
Pressão máxima do circuito 210 bar
Caudal à direção 35 litros/minuto
Pressão da direção 185 bar

BOMBA DE BAIXA PRESSÃO


Tipo bomba de engrenagens
Capacidade mínima à velocidade nominal do motor 43 litros/minuto
Válvula limitadora de pressão do motor do espalhador 200 bar
Circuito de pressão regulada 25 bar
Válvula de by pass do radiador 3,5 bar
Pressão de lubrificação 2,75 bar

Baixa pressão de controle

Bomba de Baixa Pressão

Posicionar o manômetro no pórtico do corpo da


válvula. Realizar o teste de pressão de controle no
circuito de baixa 25 bar.

OBS.: Esta pressão pode ser vista também em


uma das telas executáveis do Intellview

NOTA: Se esta leitura não for conseguida,


provavelmente uma das embreagens abastecidas
por este circuito deve estar com vazamento
interno, a bomba já não debita o óleo necessário,
está com desgaste, ou a válvula limitadora de
pressão está danificada ou com sujeira.

CT – Curitiba Página 1
TESTES HIDRÁULICOS
SEÇÃO 08

Siga o procedimento abaixo para analisar cada circuito:

1. Instalar uma conexão de engate rápida no


pórtico correto que corresponde ao circuito que
se pretende analisar procedendo da seguinte
maneira:

Pressão da embreagem de descarga, (1)

Pressão da embreagem da trilha, (2)

Use o adaptador rápido já instalado de diâmetro


14 mm

CIRCUITO DOS ESPALHADORES

1. Conectar o manômetro ao pórtico de teste,(1),


posicionado ao lado da válvula do espalhador.
Retirar uma das conexões rápidas, (2), que
conectam os motores à válvula.
2. Colocar o Motor térmico para trabalhar e ligar a
trilha. Aumentar a rotação para o nível de trabalho
até obter leitura no manômetro, reduza a rotação
do Motor e desligue a trilha.
3.A leitura do manômetro deverá ser 200 bar. Se a
leitura não está correta, substituir ou limpar a
válvula limitadora de pressão (3).

IMPORTANTE: No momento que se conecta a trilha o circuito de baixa pressão envia todo o
fluxo de óleo, passando pela válvula limitadora de pressão, á válvula do espalhador
Não acionar a trilha mais do que é necessário para obter a leitura de pressão com estabilidade
no manômetro correndo o risco de danificar a bomba.

CIRCUITO DE DIREÇÃO

1. Conectar o manômetro no pórtico da válvula


principal (1), no circuito da válvula de prioridade
.
2. Dar partida no motor com aceleração de
trabalho. Girar o volante em uma direção até ao
máximo e mantenha-o nessa posição para poder
ler a pressão de 185 Bar.
Se a leitura não estiver nesta faixa de pressão,
necessita ser ajustada.

NOTA: Testes referentes à Bomba CCLS e Sistema Hidrostático, estão nas seções respectivas

NOTA: Detalhes sobre reparos, consultar o Manual de Serviços

CT – Curitiba Página 2
TESTES HIDRÁULICOS
SEÇÃO 08
SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO HIDRÁULICA PRINCIPAL
Detecção e solução de problemas

CT – Curitiba Página 3
TESTES HIDRÁULICOS
SEÇÃO 08

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO HIDRÁULICA PRINCIPAL


Teste

CT – Curitiba Página 4
TESTES HIDRÁULICOS
SEÇÃO 08
Bomba hidráulica para circuito de baixa
Teste
NOTA: Aviso de Baixa Pressão "LIGADO"

CT – Curitiba Página 5
TESTES HIDRÁULICOS
SEÇÃO 08
Filtro de óleo
Teste
NOTA: Aviso de Restrição do Filtro de Baixa Pressão

Direção Hidráulica
Teste
NOTA: Direção hidráulica não funciona ou funciona incorretamente

CT – Curitiba Página 6
TESTES HIDRÁULICOS
SEÇÃO 08
Anotações
____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________

___________________________________________________________________________

CT – Curitiba Página 7