Você está na página 1de 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE CINCIAS JURDICAS E SOCIAIS CCJS - UAD PROFESSOR(A): MONNIZIA PEREIRA NBREGA

A ALUNAS: ANA CAROLINA PEREIRA DE MELO E NATHLIA DE ANDRADE LIRA TURMA: 6 TARDE ESTUDO DIRIGIDO

OBS: O TRABALHO PODER SER FEITO EM DUPLA; DEVER SER ENTREGU DIA 24/04; DEVER SER DIGITADO (TRABALHOS IGUAIS: ZERO). A RESPOSTA DEVER SER DADA EM, NO MNIMO, 15 LINHAS.

1- Considerando a Teoria Finalista e a Teoria Maximalista em sede de caracterizao do consumidor por equiparao, pode-se considerar como consumidora uma empresa que contrata seguro contra roubo e furto do patrimnio prprio? Justifique e fundamente sua resposta. Resposta: De acordo com a Teoria Finalista, se a empresa contratou seguro contra roubo e furto do patrimnio prprio, ou seja, de seus prprios bens e no contra os bens dos seus clientes, ela considerada consumidora por equiparao, estando caracterizada no artigo 2 do CDC. Para tal teoria, o conceito de consumidor baseado na ideia de destinatrio final, envolvendo no somente o destinatrio ftico (aquele que tira o produto do mercado, pouco importando se para uso pessoal ou lucro/revenda), mas tambm destinatrio econmico do bem ou servio, isto , aquele que o retira do mercado de consumo, para uso prprio, sem fins lucrativos ou de reintroduo na cadeia produtiva. Dessa forma, o artigo 2 estabelece que tanto a pessoa fsica como a jurdica podem se beneficiar do CDC, bastando que os bens ou servios adquiridos sejam provenientes de um fornecedor e que quem o adquiriu seja o destinatrio final, aquele que utiliza-se do bem/servio to somente para uso prprio. No caso em tela, a empresa considerada a consumidora do servio, pois, conforme j mencionado anteriormente, a proteo contra roubos e furtos no diz respeito aos servios por ela prestados. Nesse sentido, h entendimento da Terceira Turma do STJ onde aplica-se o CDC a caso semelhante, obrigando a seguradora a ressarcir integralmente uma empresa pelo roubo de um malote de dinheiro.