Você está na página 1de 33

6º Painel - Educação Ambiental:

Passaporte para o futuro sustentável

PALESTRA:
SMS - Saúde, Meio Ambiente e
Segurança, ferramenta estratégica de
gestão empresarial sustentável
INSTITUTO VERDE
CONTRUIBUINDO NA (RE)CONSTRUÇÃO DE UM PLANETA SUSTENTÁVEL

“ the Earth is one, but the world we live is


not”. Taylor
Preâmbulo:
Copenhague, dos dias 07 a 19 de dezembro, tornou-se a Capital Mundial
da Sustentabilidade, onde 35 mil participantes aproximadamente e mais 100
chefes de estados, entre eles os países mais poluidores do mundo, estarão
decidindo o futuro de 6 bilhões de habitantes e do próprio planeta terra, onde de
acordo com o que preconiza a Agenda 21 Global em seus 40 Capítulos e suas 4
Seções, o modelo de produção e consumo imposto pela Revolução Industrial terá
inexoravelmente de ser revisto nos próximos anos, mas, a partir da pactuação
global da redução dos GEE nesse singular encontro que certamente marcará uma
nova fase do Protocolo de Kyoto. A exclusão social, a degradação ambiental e o
aquecimento global representam as mazelas e as sequelas desse nefasto modelo.
Em consequência, esse encontro, a partir dos estabelecimentos de metas de
redução dos GEE, estará afetando a forma de produção e consumo mundial.
O Canadá a partir de Quebec e à luz da Agenda 21 Canadense já começa
o seu processo de (DES)INDUSTRIALIZAÇÃO, que consiste na desmontagem das
grandes plantas industriais daquele país para a instalação de pequenas fábricas, a
fim de gerir com eficácia o princípio da SUSTENTABILIDADE. O mais curioso é que
ele, além de ser vizinho dos EUA, maior poluidor do mundo, forma com ele e ó
México o Bloco Econômico NAFTA.
1. Mas afinal, o que é a ferramenta do (Q)SMS?

2. Como e por quê de sua utilização ?


Peter Drucker já dizia:
A tarefa mais importante em qualquer negócio
é SOBREVIVER. O princípio que direciona a economia
financeira não se baseia na maximização do lucro, mas
na prevenção de perdas, já que essa maximização
deve ser uma ação conseqüente desse ato. (grifo meu)

1.Ferramenta técnica empresarial de instrumentalidade socioeconômica-


ambiental que consiste na aplicação de estratégias para a PREVENÇÃO DE
PERDAS: humanas, financeiras, materiais e imateriais, tanto da empresa,
quanto da comunidade em seu entorno e da localidade onde ela está inserida,
criando com isto uma CULTURA E UM AMBIENTE DE SUSTENTABILIDADE;
2. Além do objetivo acima, ela também atende o cipoal de leis e normas (NRs
e ISOs) nacionais e internacionais no que tange ao meio ambiente e a
sustentabilidade.
Saúde, Meio Ambiente e Segurança - SMS é uma co
ferramenta de assessoria de gestão empresarial, lidando com a vida da
ORGANIZAÇÃO, e onde a empresa é vista com a lente gerencial da anatomia,
onde os seus departamentos, setores e outros segmentos funcionais
existentes, inclusive a comunidade no entorno e o seu meio ambiente
correspondem aos órgãos vitais desse corpo, cada um interligado e pulsando
como um organismo vivo, segundo seus propósitos, mas todos
desempenhando interativa e conectivamente seu papel, a fim de atender a
MISSÃO e a VISÃO da empresa, respeitando o meio ambiente e
desempenhando o seu papel em nível de Responsabilidade Social.
A platéia deve ter em mente que esta apresentação, devido ao seu
curto espaço de tempo, representa apenas o ponto de partida para a
compreensão deste importante e estratégico assunto e não a sua linha de
chegada.
Time is money... Security is money...

SENDO ESTE O PRINCIPAL PARADIGMA DO (Q)SMS


E esta é uma ferramenta e uma área profissional
moderna e crescente no mercado de trabalho no país,
senão vejamos:
Perfil do Profissional em (Q)SMS

O profissional formado em Tecnologia de Gestão


de Segurança, Saúde e Meio Ambiente gerencia as
questões de saúde e segurança de toda atividade
relacionada ao trabalhador, como prevenção e melhoria
das condições de trabalho, da produtividade e da
qualidade de vida da sociedade. O profissional atuará na
iniciativa privada (indústria, comércio e serviços), no
setor público (políticas públicas - poderes executivos e
legislativos, auditoria, perícia e outras) e no 3º setor.
Espiando (para não expiar) uma Empresa Sustentável por dentro:

POLÍTICA DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA - SMS

1.Educar, capacitar e comprometer os trabalhadores com as questões de SMS,


envolvendo fornecedores, comunidades, órgãos competentes, entidades
representativas dos trabalhadores e demais partes interessadas;

2. Estimular o registro e tratamento das questões de SMS e considerar, nos


sistemas de conseqüência e reconhecimento, o desempenho em SMS;

3. Atuar na promoção da saúde, na proteção do ser humano e do meio ambiente


mediante identificação, controle e monitoramento de riscos, adequando a
segurança de processos às melhores práticas mundiais e mantendo-se preparada
para emergências;

4. Assegurar a sustentabilidade de projetos, empreendimentos e produtos ao


longo do seu ciclo de vida, considerando os impactos e benefícios nas dimensões
econômica, ambiental e social;

5. Considerar a eco eficiência das operações e produtos, minimizando os


impactos adversos inerentes às atividades da indústria.
TRATAMENTO DE ESGOTO
O Sistema de Tratamento de Esgotos Sanitários – ETE é elaborado
conforme as indicações da NBR 12209, NBR 7229 e NBR 13969 e é atualizado
conforme acontece a atualização das normas.

A solução adotada para o tratamento de esgotos, normalmente, é coletiva


e o grau de tratamento é, no mínimo, secundário, com faixa de remoção de DBO5
acima de 70%. Os objetivos fixados para os projetos são simplificar a operação
com o máximo de resultado e apresentar uma solução que minimize os incômodos
que podem ser gerados a população que reside no entorno da ETE.
PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS
Toda fonte geradora de resíduos é responsável pela sua destinação final.”
O Plano de Gestão de Resíduos contempla a identificação e classificação dos
resíduos gerados pelo empreendedor, instruções sobre a armazenagem e
acondicionamento dos mesmos, bem como orientação sobre a correta
destinação final.
Os resíduos precisam ser manuseados conforme normas específicas – NBR
10.004/2004. Temos desenvolvido alguns projetos para reuso de resíduos
industriais no processo, como matéria-prima, evitando que a empresa
descarte algo que pode ser reaproveitado em seus produtos, reduzindo os
custos do produto com matéria-prima, bem como os custos de manuseio,
armazenagem e destinação final dos resíduos.
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL
TRATAMENTO DE ÁGUA
Tratamento Alternativo de Águas para Consumo Humano.
A solução consiste em proporcionar tratamento adequado a água para consumo humano,
que é proveniente de poços artesianos, para uso coletivo, considerando as características e
as particularidades de cada localidade.
O objetivo é tratar a água de forma simples e automatizada, em conformidade com a
Portaria 518/2004.
As etapas deste projeto incluem o diagnóstico técnico do poço e do local, cálculo do sistema
de dosagem, definição de equipamentos e instruções para instalação.
O acompanhamento posterior à implantação do sistema de tratamento é feito (opcional)
mediante a responsabilidade técnica pela operação e elaboração dos documentos
licenciatórios, relatórios de monitoramento, laudos e acompanhamento aos trâmites
burocráticos necessários junto aos respectivos órgãos fiscalizadores.
REMEDIAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

Os Projetos de Remediação de Áreas Degradadas – PRAD são necessários em


situações onde foram constatados graves danos ao meio ambiente.

Os locais que precisam de remediação podem ter sido contaminados em virtude de


disposição irregular de resíduos, extração mineral em desacordo com os planos de
mineração, desmatamento ilícito, derramamento de produtos perigosos e outras
situações de degradação ambiental. Podeterhavidocontaminaçãodesolooudeágua.
Estes projetos são elaborados por uma equipe multidisciplinar de profissionais
habilitados e contém diagnóstico técnico do problema e da área, proposta de
remediação, orçamentação e cronogramadeimplantação. O PRAD, na maioria das
vezes, é o projeto que integrará um Termo de Ajuste Ambiental ou uma
exigência da Licença Ambiental.
CORTINAMENTO VEGETAL / PAISAGISMO
O Cortinamento Vegetal é utilizado para minimizar os impactos que uma atividade
industrial, ou a implantação de um empreendimento podem causar a um local.
O objetivo da implantação do cortinamento vegetal é controlar as emissões,
odores e eventual proliferação de vetores que podem decorrer da atividade industrial.
A implantação de uma cortina verde também é uma forma de auxiliar a
natureza a neutralizar os poluentes gerados pelos empreendimentos e a melhorar o
paisagismo do local.
Em áreas degradadas, o cortinamento vegetal é implantado também como
forma de atrair fauna e flora ao local, facilitando o desenvolvimento de vida silvestre e
a reconstituição natural do local.
REDUÇÃO DE CONSUMO E REUSO DA ÁGUA/EFLUENTE
“A água faz parte do patrimônio do planeta.”
Declaração Universal dos Direitos da Água

Temos consciência de que a água doce está escasseando, por isto


buscamos a redução do consumo de água nos processos industriais buscando
novas tecnologias ou adequações alternativas de viabilizar o reuso total ou parcial
do efluente tratado no processo industrial da empresa ou em outras aplicações.

Diminuindo o consumo da água, há a redução de custos operacionais


que permite a empresa colaborar com a conscientização sobre o uso racional da
água.

Outra prática é encontrar alternativas de viabilizar o reuso total ou


parcial do efluente tratado no processo industrial da empresa ou em outras
aplicações.
AS 15 DIRETRIZES ESTABELECIDAS DE GESTÃO DO SMS

1. Liderança e Responsabilidade √
2. Conformidade Legal √
3. Avaliação e Gestão de Riscos √
4. Novos Empreendimentos √
5. Operação e Manutenção √
6. Gestão de Mudanças √
7. Aquisição de Bens e Serviços √
8. Capacitação, Educação e Conscientização √
9. Gestão de Informações √
10. Comunicação √
11. Contingência √
12. Relacionamento com a Comunidade √
13. Análise de Acidentes e Incidentes √
14. Gestão de Produtos √
15. Processo de Melhoria Contínua √
1. Liderança e Responsabilidade
A Empresa Sustentável, ao integrar Segurança, Meio ambiente e
Saúde à sua estratégia empresarial, reafirma o compromisso de todos seus
empregados e contratados com a busca de excelência nessas áreas.

Departamento e
funcionário de SMS da
empresa:

1.1 - Difusão e promoção, em todos os níveis, da política corporativa de SMS, seus


valores e metas.
1.2 - Exercício da liderança pelo exemplo, de modo a assegurar o máximo
comprometimento da força de trabalho com o desempenho em SMS.
1.3 - Responsabilização de cada unidade pelo seu desempenho em SMS, o que será
avaliado por meio de indicadores e metas.
1.4 - Definição clara, em cada unidade, das atribuições e responsabilidades relacionadas
ao desempenho em SMS.
1.5 - Integração, em cada unidade, do desempenho em SMS às suas metas de produção
e rentabilidade.
1.6 - Acompanhamento e avaliação do desempenho em SMS das empresas contratadas.
1.7 - Difusão de valores que promovam a qualidade de vida da força de trabalho dentro e
fora da empresa.
2. Conformidade Legal
As atividades da empresa devem estar em conformidade com a legislação
vigente nas áreas de segurança, meio ambiente e saúde.

Requisitos:
2.1. Verificação permanente do atendimento à legislação e adoção, quando necessário, de
medidas destinadas à pronta correção de eventuais não-conformidades.
2.2 Acompanhamento das mudanças que venham a ocorrer na legislação relacionada a SMS de
modo a promover a adequação das atividades da empresa, bem como permitir a identificação de novos
cenários.
2.3 Atendimento aos preceitos legais e regulamentares durante todo o ciclo de vida das
instalações e operações da empresa, bem como verificação de seu cumprimento por parte de contratados,
fornecedores e parceiros.
2.4 Manutenção de uma política de cordialidade e colaboração com os órgãos competentes.
3. Avaliação e Gestão de Riscos
Riscos inerentes às atividades da empresa devem ser identificados, avaliados
e gerenciados de modo a evitar a ocorrência de acidentes e/ou assegurar a minimização
de seus efeitos.

Requisitos:
3.1.Implementação de mecanismos que permitam, de forma sistemática, identificar e
avaliar a freqüência e as conseqüências de eventos indesejáveis, visando a sua prevenção
e/ou máxima redução de seus efeitos.
3.2.Implementação de mecanismos para priorização dos riscos identificados, bem
como a documentação, a comunicação e o acompanhamento das medidas adotadas para
controlá-los.
3.3.Incorporação de processos de avaliação de risco a todas as fases dos
empreendimentos e produtos, incluindo os relacionados à proteção da força de trabalho,
comunidades vizinhas e consumidor final.
3.4.Realização de avaliações de risco periódicas ou à medida que se identifiquem
mudanças nos processos.
3.5.Implementação de gestão de riscos de acordo com sua natureza e magnitude,
nos diversos níveis administrativos.
4. Novos Empreendimentos
Os novos empreendimentos devem estar em conformidade com a
legislação e incorporar, em todo o seu ciclo de vida, as melhores práticas de
segurança, meio ambiente e saúde.

Requisitos
4.1 - Adoção de práticas e tecnologias que assegurem aos novos empreendimentos padrões de
excelência ao longo de todo seu ciclo de vida, desde sua concepção, projeto, construção e pré-
operação até sua eventual desativação.
4.2 - Implementação de mecanismos que assegurem a conformidade dos novos empreendimentos
com as especificações de seus projetos e recomendações das avaliações de risco.
4.3 - Análise, aprovação e documentação de eventuais mudanças nos projetos originais e
verificação de suas implicações relacionadas a SMS.
4.4 - Consideração, em cada novo empreendimento, dos impactos sociais, econômicos e
ambientais decorrentes de sua implantação.
4.5 - Incentivo à implantação de projetos que incorporem o conceito de sustentabilidade, a
utilização de mecanismos de desenvolvimento limpo e a otimização do uso de insumos como
água, energia e materiais.
5. Operação e Manutenção
As operações da empresa devem ser executadas de acordo com procedimentos
estabelecidos e utilizando instalações e equipamentos adequados, inspecionados e em
condições de assegurar o atendimento às exigências de segurança, meio ambiente e saúde.

Requisitos
5.1 - Adoção de práticas operacionais seguras, que preservem a saúde da força de trabalho e
reduzam ao máximo os riscos de acidentes.
5.2 - Verificação e atualização sistemáticas de todos os procedimentos operacionais,
observadas as recomendações provenientes das avaliações de risco.
5.3 - Implementação de mecanismos que permitam, com a máxima rapidez, a identificação,
caracterização e correção dos casos de não-conformidade com os procedimentos
estabelecidos.
5.4 - Execução das atividades de inspeção e manutenção de acordo com os procedimentos
estabelecidos, de modo a manter o controle sobre seus riscos.
5.5 - Execução de programas específicos de inspeção, teste e manutenção associados a
sistemas de segurança, integridade e proteção das instalações, de modo a assegurar sua
confiabilidade.
5.6 - Identificação, análise e monitoramento de impactos causados pelas atividades da
empresa à saúde e ao meio ambiente, buscando a contínua redução de seus efeitos.
5.7 - Implementação de mecanismos que preservem a saúde da força de trabalho, buscando
assegurar-lhe, sempre que necessário, diagnóstico precoce, atendimento imediato, interrupção
de exposição, limitação de dano e reabilitação.
Mudanças, temporárias ou permanentes, devem ser avaliadas visando a
eliminação e/ou minimização de riscos decorrentes de sua implantação.
6. Gestão de Mudanças

Requisitos
6.1 - Implementação de mecanismos que permitam avaliar e controlar riscos inerentes a
mudanças, desde a fase de planejamento até sua efetiva incorporação ao processo.
6.2 - Formalização dos processos de mudança por meio de descrição, avaliação e
documentação, bem como de sua necessária divulgação.
6.3 - Garantia de que as mudanças atendam às exigências legais e aos procedimentos
estabelecidos, bem como preservem a integridade da força de trabalho, das instalações e a
continuidade das operações.
6.4 - Identificação de novas necessidades eventualmente decorrentes das mudanças, como
capacitação da força de trabalho, intensificação de treinamentos e revisão de procedimentos e
planos de contingência.
7. Aquisição de Bens e Serviços
O desempenho em segurança, meio ambiente e saúde de contratados, fornecedores
de bens e/ou serviços e parceiros deve ser compatível com o do sistema ou a padronização da
empresa.

Requisitos:
7.1 - Inclusão, no processo de contratação, de exigências específicas de SMS, bem como verificação de seu
cumprimento durante todas as etapas das atividades a serem desenvolvidas.
7.2 - Garantia de que materiais e produtos a serem adquiridos atendam às exigências estabelecidas de SMS.
7.3 - Avaliação de desempenho em SMS de contratados de acordo com critérios claramente definidos nos
respectivos contratos.
7.4 - Acompanhamento das empresas contratadas no que se refere a seu desempenho em SMS, tomando as
medidas necessárias para a correção de eventuais não conformidades.
7.5 - Implementação de medidas visando estimular a adoção, pelas empresas contratadas e parceiros, das
melhores práticas em SMS.
7.6 - Integração do desempenho de contratados no conjunto de indicadores de SMS de cada unidade.
8. Capacitação, Educação e Conscientização
Capacitação, educação e conscientização devem ser continuamente promovidas de
modo a reforçar o comprometimento da força de trabalho com o desempenho em Segurança,
Meio ambiente e Saúde.

Requisitos
8.1. Comprometimento explícito da gerência com a política e valores de SMS, de modo a
sensibilizar a força de trabalho para seu cumprimento.
8.2. Levantamento de necessidades e implementação, em todos os níveis, de programas de
capacitação, educação e conscientização em SMS.
8.3. Implementação de programas que estimulem a adoção de comportamentos seguros,
saudáveis e de respeito ao meio ambiente, dentro e fora da empresa.
8.4. Avaliação periódica da capacitação da força de trabalho com relação às exigências de SMS.
8.5. Implementação de mecanismos que promovam a melhoria constante da capacitação da
força de trabalho.
9. Gestão de Informações
Informações e conhecimentos relacionados a segurança, meio ambiente e saúde devem
ser precisos, atualizados e documentados, de modo a facilitar sua consulta e utilização.

Requisitos
Implementação de mecanismos que garantam o registro, atualização, armazenamento e
recuperação de informações relacionadas a SMS, bem como de mecanismos que estimulem a
participação da força de trabalho nesse processo.
1. Garantia de que esse sistema contemple, entre outros, os seguintes aspectos:
2. Política, valores, objetivos e programas de SMS;
3. Legislação vigente e ações decorrentes de auditorias;
4. Indicadores de desempenho;
5. Informações coletivas de saúde e exposição ocupacional;
6. Avaliação e gestão de riscos;
7. Planos de contingência;
8. Investimentos realizados e seus benefícios.
10. Comunicação
As informações relativas a segurança, meio ambiente e saúde devem ser comunicadas
com clareza, objetividade e rapidez, de modo a produzir os efeitos desejados.

Requisitos
10.1 Manutenção de canais permanentes de comunicação com os órgãos reguladores e demais
partes interessadas, bem como com os veículos de comunicação.
10.2 Manutenção de canais permanentes de comunicação com a força de trabalho e
comunidades vizinhas, de modo a mantê-las informadas sobre os riscos decorrentes das
atividades da empresa, bem como das medidas adotadas para sua redução.
10.2 Garantia de que denúncias, reclamações e sugestões relacionadas a SMS sejam
registradas, analisadas e esclarecidas.
10.5 Observância dos princípios de hierarquia e competência no que se refere à divulgação de
informações que possam representar risco para qualquer atividade da empresa.
10.6 Apresentação periódica no Relatório Anual e em outros meios de comunicação de
informações consolidadas sobre o desempenho em SMS.
11. Contingência
As situações de emergência devem estar previstas e ser enfrentadas com rapidez e
eficácia visando a máxima redução de seus efeitos.

Requisitos
11.1 Garantia de que os planos de contingência de cada unidade estejam avaliados, revisados e
atualizados, bem como integrados aos planos de contingência regionais e corporativo da
empresa.
11.2 Desenvolvimento de programas de esclarecimento e treinamento junto às comunidades
potencialmente expostas a riscos, visando sua incorporação aos planos de contingência.
11.3 Adequação dos planos de contingência às variações de risco eventualmente identificadas.
11.4 Consideração, nos planos de contingência, dos impactos sociais, econômicos e ambientais
decorrentes de possíveis acidentes.
11.5 Implementação de mecanismos que assegurem a atualização, divulgação e pronto acesso
aos planos de contingência por parte da força de trabalho, órgãos governamentais e não
governamentais, comunidades e demais partes interessadas.
11.6 Realização periódica de treinamentos e exercícios simulados com a participação de todos
os envolvidos e posterior avaliação dos resultados.
12. Relacionamento com a Comunidade
A empresa deve zelar pela segurança das comunidades onde atua, bem como mantê-las
informadas sobre impactos e/ou riscos eventualmente decorrentes de suas atividades.

Requisitos
12.1 Avaliação dos eventuais impactos que as atividades da empresa possam causar às
comunidades, tanto do ponto de vista de SMS como social e econômico, de modo a evitá-los ou
reduzir ao máximo seus efeitos indesejáveis.
12.2 Garantia de que essa avaliação acompanhe todo o ciclo de vida das atividades.
12.3 Manutenção de canais de comunicação com as comunidades vizinhas de modo a mantê-las
informadas sobre planos de contingência, considerando, nesse processo, opiniões, sugestões e
preocupações por elas manifestadas.
12.4 Implementação de programas de esclarecimento e treinamento junto às comunidades
potencialmente expostas a riscos, de modo a estimular seu comprometimento com as medidas
de prevenção e contingência.
12.5 Implementação de programas de saúde e educação ambiental junto às comunidades
vizinhas, bem como de ações que promovam seu desenvolvimento sustentável.
13. Análise de Acidentes e Incidentes
Os acidentes e incidentes, decorrentes das atividades da empresa devem ser
analisados, investigados e documentados de modo a evitar sua repetição e/ou assegurar a
minimização de seus efeitos.

Requisitos
13.1Implementação de procedimentos que permitam a identificação, registro e análise das
causas dos acidentes e a quantificação das perdas.
13.2 Implementação de procedimentos que permitam a identificação e tratamento de não-
conformidades eventualmente capazes de causar acidentes.
13.3 Obrigatoriedade de comunicação imediata de acidentes e de pronta atuação sobre suas
conseqüências.
13.4 Obrigatoriedade do registro de acidentes no respectivo indicador de desempenho, uma
espécie de caixinha preta do SMS.
13.5 Incorporação às atividades da empresa das lições extraídas dos acidentes visando à
melhoria constante dos sistemas de prevenção.
13.6 Acompanhamento das medidas corretivas e/ou preventivas adotadas, de modo a se
certificar de sua eficácia.
13.7 Garantia de que, em acidentes graves, a investigação tenha participação externa à da
unidade onde ocorreu e da área corporativa de SMS.
14. Gestão de Produtos
A empresa deve zelar pelos aspectos de segurança, meio ambiente e saúde de seus
produtos desde sua origem até a destinação final, bem como empenhar-se na constante redução
dos impactos que eventualmente possam causar.

Requisitos
14.1 Incorporação a todos os produtos da empresa de valores relacionados a SMS, desde a
escolha de materiais, produção, embalagem e transporte até seu destino final.
14.2 Fornecimento de informações adequadas e atualizadas sobre esses produtos, de forma a
permitir sua utilização segura e/ou redução de eventuais riscos.
14.3 Atribuição de prioridade ao desenvolvimento de produtos que atendam da melhor forma às
exigências de SMS.
15. Processo de Melhoria Contínua
A melhoria contínua do desempenho em segurança, meio ambiente e saúde deve ser
promovida em todos os níveis da empresa, de modo a assegurar seu avanço nessas áreas.

Requisitos
15.1 Atualização periódica da política, diretrizes e metas de SMS de modo a manter sua
conformidade com o Plano Estratégico da empresa.
15.2 Implementação de programa corporativo de avaliação da gestão de SMS visando seu
constante aperfeiçoamento.
15.3 Implementação de planos de ação, com base nos resultados dessas avaliações, visando a
prevenção e/ou correção de eventuais desvios.
15.4 Aderência às normas internacionais de certificação em SMS e suas respectivas atualizações.
OBRIGADO PELA
ATENÇÃO
SUSTENTÁVEL!
Jorge Marcos Barros
• Vice-presidente do Instituto Verde Criando Vidas;
• Professor de Gestores e Técnicos de Meio Ambiente Sustentável
da UNISUAM/ETUS;
• Educador, Consultor e Analista Socioambiental com foco na
Sustentabilidade e especialista em Políticas Públicas, Planejamento
Estratégico e Governança.
Contatos: jorgemarcosbarros@gmail.com – Tel: 7139-0432 / 8287-
2758 / 3467-1287 e 2401-5635