Coimbra VCC, Kantorski LP

O ACOLHIMENTO EM CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL
THE WELCOMING AT A CENTER FOR PSYCHOSOCIAL CARE
Valéria Cristina Christello Coimbra* Luciane Prado Kantorski**
RESUMO: O objeto de estudo foi o acolhimento de usuários no Centro de Atenção Psicossocial Castelo (CAPS) Simões Lopes, do Município de Pelotas do Estado do Rio Grande do Sul. Objetivou-se analisar o processo de acolhimento do usuário que busca atendimento num CAPS. Trata-se de um estudo de caso, descritivo e analítico, com abordagem qualitativa, realizado, em 2003, com 11 usuários acolhidos no CAPS Castelo e os quatro profissionais responsáveis pelo acolhimento. Foram utilizados um roteiro de observação e outro de entrevista semi-estruturada para coletar dados, que foram agrupados a partir da análise do tema A organização do trabalho no CAPS Castelo. Foi constatado que o acolhimento apresentou-se como um organizador do trabalho nesse Centro e como um impulso de mudança do modelo assistencial centrado na doença para um novo modelo voltado para o atendimento integral do sujeito/ família/comunidade, possibilitando o encaminhamento mais resolutivo da necessidade do usuário. Palavras-Chave: Enfermagem; equipe multidisciplinar; psiquiatria; saúde mental. ABSTRACT: ABSTRACT: The object of this research was the welcoming of users at the Castelo Simões Lopes Center for Psychosocial Care in Pelotas, Rio Grande do Sul, Brazil. The purpose of the study was to analyze the welcoming process given to the user who seeks care at a Center for Psychosocial Care (CAPS). This descriptive and analytic case study, of a qualitative approach, has been accomplished in 2003, and included 11 users welcomed at the Castelo CAPS as well as the four professionals responsible for the welcoming. Data has been collected by the use of an observation script and a semi-structured interview script. Data analysis has been structured around the following theme: Work organization at the Castelo CAPS. We observed the welcoming to be a work organizer inside Castelo CAPS and an impulse for the change from the care model centered on illness towards another model, designed for the integral care of user/family/community, that allows for a more efficient follow-up of the user‘s needs. Keyword: Nursing; work health; mental health; psiquiatric.

INTRODUÇÃO
acolhimento de usuários, pessoas com transtornos mentais graves ou severos, no Centro de Atenção Psicossocial Castelo Simões Lopes (CAPS Castelo), do Município de Pelotas, do Estado do Rio Grande do Sul. Para dar suporte ao objeto de estudo, o referencial teórico utilizado será baseado na produção científica de Merhy1,2,3 sobre acolhimento no processo de trabalho em saúde. O acolhimento pode ser definido como uma estratégia para a reorganização do serviço de saúde que garante o acesso universal, a resolutividade e o atendimento humanizado4. Dessa forma, o acolhimento atende a mudanças que vêm ocorrendo no setor saúde, à inversão do modelo de atenção atual e respeita os princípios do Sistema Único de Saúde.

Esta pesquisa tem como objeto de estudo o

O acolhimento também se traduz como a relação humanizada, acolhedora, que os trabalhadores e o serviço, como um todo estabelecem com os diferentes tipos de usuários que chegam ao serviço. Isso nos remete a pensar sobre as nossas práticas nos diferentes momentos de relação com os usuários e em nossa própria formação1. Assim, apresentamos o primeiro pressuposto sobre a potencialidade do acolhimento no CAPS para organizar o processo de trabalho em saúde mental. O acolhimento é uma tecnologia leve e que pode ser fonte de trabalho vivo. O trabalho vivo é aquele trabalho em ato que ocorre no momento singular do encontro dos sujeitos, ou seja, é o momento da criação, exercido de forma autônoma5.
R Enferm UERJ 2005; 13:57-62. • p.57

foram anotadas as observações e reflexões das expressões verbais. isolamento. Lessa. ou seja. o ambiente físico. João. As tecnologias leves são as de relação do tipo produção de vínculo. Sendo assim. A observação do acolhimento foi fundamentada no fluxograma analisador do modelo de atenção de um serviço de saúde2 que orientou o acompanhamento do usuário da entrada até a sua saída do acolhimento. mostra como um dos profissionais envolvidos na pesquisa percebe o acolhimento em seu processo de trabalho. rotinas. tais como doença mental. Rosa. A escolha foi intencional. um assistente social. Juca. METODOLOGIA de dados. descritivo e analítico. no Rio Grande do Sul. acolhimento3. Esses nomes foram extraídos dos livros do escritor pelotense Simões Lopes Neto. gestão como forma de governar processos de trabalho. as atividades específicas. que operam uma profunda transformação no modelo assistencial. e os quatro profissionais responsáveis pelo acolhimento – um enfermeiro. Os profissionais estabeleceram uma escala de trabalho no acolhimento. A Organização do Trabalho no CAPS Castelo O CAPS Castelo organizou uma equipe de acolhimento para receber a livre demanda. acolhimento. a reforma psiquiátrica. p. também conhecida como Castelo. Moura. caracterizou-se pela criação de novos serviços e de novas estratégias de cuidados. visando à reinserção do portador de sofrimento psíquico na família e na sociedade. A fala. no período de coleta tal. alienação. saúde mental. Esse processo marca a reflexão crítica sobre os conceitos fundamentais da psiquiatria tradicional. Tanásia. Tudinha.58 • R Enferm UERJ 2005. e os profissionais foram identificados com os seguintes nomes: Nunes. Nesse diário. além de intervenções medicamentosas e terapêuticas. O objetivo geral deste estudo foi analisar o processo de acolhimento do usuário que busca atendimento num Centro de Atenção Psicossocial. Em média. foi um dos municípios pioneiros. entre outros. O estudo foi realizado no Centro de Atenção Psicossocial Castelo Simões Lopes. tais como desinstitucionalização. Talapa. normas. são acolhidos no Centro de Atenção Psicossocial Castelo 18 usuários/mês. Os usuários envolvidos na pesquisa foram identificados com os seguintes nomes fictícios: Chico. a cada turno de trabalho há um profissional de nível superior (enfermeiro. organização do serviço. construído sob a égide de novos conceitos. Os sujeitos da pesquisa foram 11 usuários acolhidos no CAPS Castelo. Maria. no próprio CAPS. cura. assistente social. uma intervenção social. 13:57-62.l no Brasil. estruturas organizacionais3. o trabalho em um CAPS pode utilizar tecnologias leves duras e leves. com abordagem qualitativa dos dados. psicóloga) responsável pelo acolhimento dos usuários. Lalica. Aparecida e Jarau. O trabalho de campo foi realizado no período de 19 de maio a 4 de junho de 2003. uma vez que o serviço funciona há dez anos e o acolhimento é realizado por uma equipe multiprofissional. escolhido para realizar o estudo. anormalidade. territorialização. As observações foram registradas no diário de campo. terapêutica. e os diálogos. dois psicólogos. Bonifácio. pela manhã e à tarde. situado no bairro Simões Lopes Neto. na casa de Cultura João Simões Lopes Neto.Acolhimento em CAPS O trabalho em saúde pode ser fonte de trabalho vivo quando não é aprisionado pelas normas. a seguir. na organização de serviços substitutivos aos Hospitais Psiquiátricos. comportamento e ações dos sujeitos. o qual dá o nome ao Centro de Atenção Psicossocial Castelo Simões Lopes Neto. pelo uso de equipamentos. O processo de transformação da assistência em saúde menta. o conhecimento da organização do trabalho torna-se importante porque o CAPS traz um novo caráter de assistência: ele envolve. normalidade.RESULTADOS E DISCUSSÃO do de caso. Este estudo se caracterizou por ser um estu. de maneira que sempre houvesse algum integrante da equipe de saúde (de nível superior) disponível para acolher os usuários. Os dados foram agrupados no tema central A organização do trabalho no Centro de Atenção Psicossocial Castelo Simões Lopes e são analisados a seguir. . Em se tratando de serviços de saúde menO município de Pelotas. e as duras são equipamentos tecnológicos do tipo máquinas. leves duras são os saberes bem estruturados que operam no processo de trabalho em saúde.

isto é. que faz a avaliação do usuário e prescreve ou não medicamentos.. que faz uma intervenção focalizada nas relações....] é diferente de quando vêm pessoas que é outro que faz o acolhimento [. A organização do serviço que é usuáriocentrado também foi citada como objeto de intervenção. e grupos.. (OBS6) R Enferm UERJ 2005. atendimento de saúde mental de qualidade nas unidades básicas. o produto laboral de um profissional pertence a outro. Kantorski LP [. tendo possibilidade de cuidar dela melhor [. Maria disse que andava sentindo-se cansada. rede que tem os CAPS como unidades estratégicas. a equipe encaminha para as intervenções terapêuticas..]. A equipe técnica responsável pelo acolhimento dos usuários elabora. ambulatórios. no que se refere ao aspecto econômico..] o paciente não fica sendo de um profissional. notamos que a fragilidade da organização no sistema de saúde faz com que casos que poderiam ser resolvidos na atenção básica à saúde passem para o CAPS que reconduz o usuário para a rede básica. programas de moradia terapêutica. Moura pediu para ela esperar e foi na recepção. mas que inclui uma série de outros serviços.. (Aparecida) compreende o atendimento inicial – com gentileza. é considerado como um objeto de ação de saúde individual/coletiva.] com o passar do tempo. como apresentamos na observação seguinte.. que fazem parte da equipe de apoio. o produto do trabalho do recepcionista pertence ao técnico responsável pelo acolhimento. um bom sistema de emergência e de controle das internações6. participando de todas as etapas do trabalho em saúde. alterando a produção das relações sociais2. registrada no diário de campo: Moura acertou com Tudinha que deveria vir para a consulta com o psiquiatra. a consulta psicológica.. uma divisão entre a equipe técnica (profissionais de nível superior) e a equipe de apoio (profissionais de nível médio). foi demitida da loja onde fazia limpeza e estava trabalhando como domestica ganhando meio salário [. (Nunes) O cardápio (relação de recursos e produtos) de intervenções disponibilizadas aos usuários do CAPS Castelo são: a consulta psiquiátrica... 13:57-62.. No caso.Moura disse que foi bom ela procurar ajuda cedo. A fala de Aparecida aponta a substituição do atendimento médico-centrado por um espaço coletivo de discussão em equipe. como é possível perceber na fala a seguir. três fatores fundamentais: o ambiente familiar. com insônia. os profissionais atentam mais para as necessidades trazidas pelos usuários. eles não participam da organização do acolhimento. pelo trabalho interdisciplinar. vão surgindo outras coisas e a pessoa acaba sendo assistida por toda a equipe. existe uma divisão social e técnica do trabalho. [. O cardápio refere-se ao trabalho centrado em um conjunto de saberes e de práticas com a finalidade de realizar uma intervenção sobre certo problema de saúde do usuário.]. ele é um usuário do serviço de saúde mental que é formado por uma equipe.Tudinha disse que não tinha dinheiro para vir segunda e nem a irmã [. oficinas de produção e/ou de expressão nos quais o usuário se adapte ou deles necessite. [. a partir desse momento. entre outros.. constante do diário de campo. na hora de atender o usuário.Coimbra VCC. grupos de idosos. Já os recepcionistas. Ainda acrescentamos uma rede social e educacional como programas de alfabetização de adultos. Despediu-se e levou até a recepção. mais envolvida com a pessoa. conforme aparece na fala a seguir: [. a dificuldade ou facilidade de o usuário chegar ao serviço.]. A divisão social do trabalho acontece através da divisão do trabalho intelectual e manual entre os profissionais. mas o caso dela não era para CAPS [. pois andava preocupada com a falta de dinheiro. em qualquer das atividades do CAPS Castelo.] o nosso acolhimento agora é feito todos os dias e dá oportunidade para praticamente todos os técnicos participarem. ou seja. Na observação a seguir. presteza e atenção – para o preenchimento dos dados pessoais do usuário.Moura disse que era só pedir vale na recepção que ela iria autorizar quatro vales.] eu me sinto mais vinculada. • p. participam da primeira etapa do acolhimento que A substituição asilar depende da construção e do bom funcionamento de uma rede de atenção em saúde mental. atividades culturais.59 . O profissional deve levar em conta. como unidades psiquiátricas em hospital geral. saiu na recepção e voltou com um papel com o dia e a hora da consulta com psiquiatra... para garantir o processo de reconstrução do exercício pleno da cidadania7. (OBS7). pensa. Nessa divisão social do trabalho.] (Moura) No acolhimento... e. No acolhimento do CAPS Castelo. define e realiza o mesmo. ou seja. pois entende que é um caso de transtorno leve que poderia ser tratado em nível de Unidade Básica de Saúde. A organização do trabalho no CAPS Castelo também considera a acessibilidade. para poder ir e voltar com a irmã na consulta. a rede social e o trabalho como valor social.

(Maria) A localização e a estrutura física do CAPS Castelo são bastante acolhedoras. Gostei muito. principalmente aqueles que são a clientela específica do CAPS. muitas vezes pessoas da comunidade vão visitar o local e nesse momento já conhecem o trabalho que é ali realizado. formidável. se eles não estão vindo.] acolher de fato é recepcionar. em questão de agilidade de atendimento. como no postinho já fui umas quantas vezes e nunca consigo a ficha. [. A disponibilização do serviço ao usuário. está atento para a sua necessidade. passa dois dias sem vir. (Maria) realmente um aspecto relevante para o acolhimento. (Juca) Eu acho que se não fosse eles eu não tinha força. Aparecida mostrou o serviço para Lessa: as salas. são de famílias pobres. a gente liga ou fazemos algum contato. enfim. já sai com um encaminhamento de acordo com as necessidades por ele apresentadas. em um prédio histórico – o que integra a comunidade ao serviço. O trabalho desenvolvido no espaço do CAPS Castelo tem se constituído em referência de estudo para enfermeiros que investigam a reinvenção do cuidado em saúde mental no interior dos serviços substitutivos9. ou com a distribuição de ficha. ou seja.. no qual não possa haver interrupções. não foi mais ao serviço. (OBS10) [. Gostei do atendimento. é fundamental para a escuta do usuário. se levar. pessoas que apresentam transtornos graves ou severos que estão em tratamento intensivo. no CAPS Castelo. orientar. Assim. . A escolha de um local tranqüilo. acabando com as filas de espera.. porque quando vou consultar com o psiquiatra leva dois ou três meses para consultar e então quando vou consultar eu nem tenho mais nada. sente e pensa o sofrimento do usuário. depois do acolhimento realizado. até porque a Jarau disse que se eu me sentisse mal antes da consulta com o psiquiatra eu podia vir aqui que ela ia me atender. em algumas entrevistas e observações registradas no diário de campo. como um momento acolhedor do processo de trabalho. A proximidade com os bairros de sua área adscrita e o fácil acesso geográfico também contribuem para o acolhimento dos usuários. mas aqui não foi marcado longe. tem várias coisas que se faz no acolhimento.60 • R Enferm UERJ 2005. caso necessite antes da próxima intervenção.constante do diário de campo: João.. para que o usuário possa voltar8. eu gostei disso e me senti seguro. O acolhimento como organização do serviço.Acolhimento em CAPS Observamos que o CAPS Castelo oferece passe de ônibus como uma facilidade de acesso dos usuário ao serviço. A visita domiciliar é um recurso para buscar esses usuários. por ficar em uma avenida conhecida da cidade. O espaço físico apresenta-se como o local necessário para viabilizar a interação entre usuário e profissional no momento do atendimento11. as atividades e os usuários. transmite a ele a noção de responsabilização da equipe/ serviço por sua saúde. é parte do acolhimento. após a consulta do dia 21/05/2003. bastante espaço para a pessoa esperar com tempo. o usuário é atendido por um profissional no mesmo dia em que procura o serviço e.. pois. bem perto da minha casa. João foi ao serviço (dia 28/05/2003) e participou da assembléia dos usuários. até ao Castelo é 8 ou 10 minutos (a pé). o usuário e o trabalhador. 13:57-62. em sua maioria. ao se responsabilizarem pela saúde do usuário. mostrar o espaço. A acessibilidade viabilizada no processo de acolhimento apresenta-se também em relação à localização geográfica do serviço. Lessa conversou com outros usuários e pareceu à vontade no serviço. (Moura) O ato do acolhimento agiliza o atendimento. (OBS2) Os profissionais do CAPS Castelo. utilizam alguns recursos para trazê-lo para o serviço. após seu acolhimento. olha. pois estabelece uma aproximação entre a organização do serviço. já que. à tarde. privativo. apresentou-se nas seguintes falas. seu sofrimento. Essa privacidade evita o constrangimento e mostra ao usuário que o profissional está dispensando aquele tempo para escutá-lo. A apresentação do espaço físico do serviço pelos profissionais aos usuários novos acolhidos foi relatada. De acordo com a observação a seguir. como é mostrado pelo profissional a seguir. É através da escuta que o profissional percebe. temos a visita domiciliar agendada A apresentação do espaço físico ao usuário realizado pelos profissionais do CAPS Castelo é p. o passe de ônibus pode servir para acolher uma demanda no CAPS. Outro aspecto que demonstra a noção de responsabilização é a busca que os profissionais realizam daqueles usuários faltosos. apresentar-se.Durante o dia. Aparecida notou a ausência de João (dia 27/ 05/2003) e telefonou para a irmã pedindo que João fosse ao serviço para conversar e participar das atividades.] os intensivos a gente fica mais atenta pois temos a lista dos intensivos e a gente fica cuidando. tornando a assistência mais integral e humanizada10. esclarecer.

Rodrigues RA. A equipe de acolhimento do CAPS Castelo garantiu o acesso universal. estes ficam restritos apenas a preencher os dados pessoais da ficha de acolhimento. mas esses aspectos burocráticos na maioria das vezes não interferiram na qualidade do acolhimento do usuário. Onocko R. O CAPS Castelo possui profissionais responsáveis pelo acolhimento dos usuários. mas hoje achei que era para comparece e estou aqui [. ela é dispensada. eles são reconduzidos à rede básica. a qual é atualizada semanalmente. roteiros. interrogando e gerindo trabalho em saúde. Stéfano E. Agir em saúde um desafio para o público. resolutivo e humanizado. organizador. Merhy EE. que ainda está sendo construído. normas. São Paulo: Hucitec. 71-112. pois casos que poderiam ser atendidos na atenção primária são encaminhados ao CAPS e. assim como confirma a lógica do trabalho interdisciplinar. Já os profissionais técnicos responsáveis realizam. definem. 1997..61 está sendo organizado o acolhimento no CAPS Castelo. CONSIDERAÇÕES FINAIS protocolos. 4. centrado no homem. Além disso. São Paulo: Hucitec. Neste recorte. elaboram. problemas da vida do cidadão. mas também no saber o porquê do não comparecimento do usuário ao serviço para que sejam evitadas outras intercorrências. Existe o preenchimento de fichas. seria necessário uma educação continuada em saúde mental para esses profissionais da rede básica. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivo em saúde. Outro aspecto que gostaríamos de destacar refere-se à divisão social do trabalho e das atividades do CAPS Castelo (trabalho manual e trabalho intelectual). Acreditamos que a Atenção Primária tem potencialidades para atender à demanda de usuários com transtornos leves. Franco TB. 2. levando em conta sua subjetividade. In: Merhy EE. . eu não me recordei e não vim. apesar de acolhidos. Em busca da qualidade dos serviços da saúde: os serviços de porta aberta para a saúde e o modelo tecno-assistencial em defesa da vida (ou como aproveitar os ruídos do cotidiano dos serviços de saúde e colegiadamente reorganizar o processo de trabalho na busca da qualidade das ações de saúde). e por não lembrar-se desse compromisso. p. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde:o caso de Betim. Santos CM. In: Merhy EE. organizadores. para as situações mais críticas e buscar os intensivos. discutimos e analisamos como REFERÊNCIAS 1 Merhy EE. Percebemos a necessidade do atendimento da rede de saúde e social de apoio ao CAPS. Os profissionais da recepção não se envolvem no acolhimento. eu nem me recordava mais. São Paulo: Hucitec. quando necessário (caso de crise). 117-60. Bueno WS. p. Essa noção de responsabilização dos profissionais sobre a saúde do usuário/comunidade proporciona ao profissional e ao cliente uma relação mais próxima de cuidados. João não estaria participando das atividades indispensáveis ao seu tratamento. Inventando a mudança na saúde. tas analisadoras das tecnologias em saúde: informação e o dia a dia de um serviço. O acolhimento apresentou-se como um organizador do trabalho dentro do CAPS Castelo e um impulso para a mudança do modelo assistencial centrado na doença para outro. os profissionais dispõem de uma lista com os nomes dos usuários que fazem parte do tratamento intensivo. possibilita a inversão da assistência centrada nas tecnologias leves duras e duras para uma assistência centrada nas tecnologias leves e leves duras. Cad Saúde Pública 1999. 3. In: Cecilio LCO. e. Brasil. Oliveira PCP Em busca de ferramen. Ele reconhece que o tratamento é para sua melhora. o processo de trabalho e como os profissionais utilizam os recursos terapêuticos disponíveis no serviço. Minas Gerais. 15 (2):345-53 R Enferm UERJ 2005. O usuário não compareceu ao Centro porque teve alguns problemas pessoais. ele foi indicado para participar das atividades diárias do CAPS Castelo com vistas a sua ressocialização. (Moura) Para facilitar o trabalho de busca dos usuários faltosos.113-50. no turno da tarde. (João) No caso de João. Consideramos que se a profissional não o tivesse buscado. que o percebem dentro de seu processo de trabalho como um espaço de escuta. Stéfano ME.Coimbra VCC. • p. Eu falhei um dia. Chakkour M. 13:57-62. A responsabilização dos profissionais não acontece apenas na busca. Merhy EE. Merhy EE. participam de todas as etapas do trabalho em saúde. porque é para o meu bemestar pleno. de humanização da assistência. 1997. Mas o que observamos é que essa norma de disponibilização do atendimento não é rígida.] e continuo encarando a coisa. Agir em saúde um desafio para o público.. graças a toda uma tecnologia assistencial voltada para a escuta e encaminhamento das intervenções terapêuticas. 1994. para isso. p. Kantorski LP duas vezes por semana para isso.

O acolhimento: um estudo sobre seus componentes e sua produção em uma unidade da rede básica de serviços de saúde [dissertação de mestrado].br * p. Brasil.2005 Notas Doutoranda da Pós-graduação em Enfermagem Psiquiátrica do Departamento de Enfermagem Psiquiátrica e Ciências Humanas da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Transferência e encaminhamento na instituição de saúde mental. Reabilitação psicossocial no Brasil.02.11. organizadora. Porto Alegre (RS): Secretaria Estadual de Saúde. Texto Contexto Enferm 2000. p. 6. descriptivo y analítico. 10. Oliveira R. A importância dos dispositivos de recepção. Cadernos IPUB 2000. Saraceno B. salud mental.2003 Aprovado em: 21. Centro de .com. Recebido em: 10. Souza RC.com ** Professora Doutora da Faculdade de Enfermagem e Obstetrícia da Universidade Federal de Pelotas. São Paulo: Hucitec. equipo multidisciplinario. de Pelotas. 11:92-7. R Enferm UERJ 2003. Bolsista do CAPES. Pereira MA. 2001. Se trata de estudio de caso.150-4. los cuales fueron agrupados a partir del análisis del tema La organización del trabajo en el CAPS Castelo. . psiquiatría. Utilizamos un guión de entrevista semiestructurada para recolectar datos. realizado en 2003. Se objetivó analizar el proceso de acogimiento del usuario que busca atención en un Centro de Atención Psicosocial. Matumoto S.Acolhimento em CAPS 5. Ribeirão Preto (SP): Universidade de São Paulo.E-mail: Kantorski@uol. 4(17):117-23. 11. ca: instrumento essencial do cuidado em enfermagem. Se constató que el acogimiento se presentó como un organizador del trabajo en ese centro y como un impulso para cambiar el modelo de atención centrado en la enfermedad para un otro dirigido para la atención integral del sujeto/familia/ comunidad posibilitando el seguimiento más resolutivo de la necesidad del usuario Palabras clave: Enfermería. Guia de saúde mental. Kantorski LP Escuta terapêuti. Reabilitação psicossocial: uma prática à espera de teoria. Kantorski LP Machado AT. Apoio CNPq. In: Pitta A. Cadernos IPUB 2000. Levcovitz S. 4(17): 7-14. Secretaria Estadual da Saúde (RS). E-mail: valeriacoimbra@hotmail. 8. 7. Tenório F. 13:57-62. 9. 1998 EL ACOGIMIENTO EN CENTRO DE ATENCIÓN PSICOSOCIAL RESUMEN: El objeto de estudio de esta investigación fue el acogimiento de usuarios en el Centro de Atención Psicosocial (CAPS) Castelo Simões Lopes.62 • R Enferm UERJ 2005. 1996. Montezuma M. con 11 usuarios acogidos en el CAPS Castelo y los cuatro profesionales responsables por el acogimiento. 9: 233-43. Rio Grande do Sul. Atenção Psicossocial – reinventando o cuidado em saúde mental. con abordaje cualitativo. Oliveira CA.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful