Você está na página 1de 56

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

PORTUGUÊS – (MPSP – Oficial de Promotoria I) 1-6-2011 APOSTILAS OPÇÃO A Sua Melhor Opção em

Interpretação de texto; ortografia oficial; acentuação; crase; pontuação; emprego de verbos e de pronomes; colocação pronominal; concordância nominal e verbal; regência nominal e verbal; emprego de preposição e de conjunção; sinonímia; linguagem figurada.

INTERPRETAÇÃO DE TEXTO

Os concursos apresentam questões interpretativas que têm por finalidade a identificação de um leitor autônomo. Portanto, o candidato deve compreender os níveis estrutu- rais da língua por meio da lógica, além de necessitar de um bom léxico internalizado.

As frases produzem significados diferentes de acordo com o contexto em que estão inseridas. Torna-se, assim, necessário sempre fazer um confronto entre todas as partes que compõem o texto.

Além disso, é fundamental apreender as informações apresentadas por trás do texto e as inferências a que ele remete. Este procedimento justifica-se por um texto ser sempre produto de uma postura ideológica do autor diante de uma temática qualquer.

Denotação e Conotação

Sabe-se que não há associação necessária entre signifi- cante (expressão gráfica, palavra) e significado, por esta ligação representar uma convenção. É baseado neste con- ceito de signo linguístico (significante + significado) que se constroem as noções de denotação e conotação.

O sentido denotativo das palavras é aquele encontrado nos dicionários, o chamado sentido verdadeiro, real. Já o uso conotativo das palavras é a atribuição de um sentido figurado, fantasioso e que, para sua compreensão, depende do contexto. Sendo assim, estabelece-se, numa determinada construção frasal, uma nova relação entre significante e significado.

Os textos literários exploram bastante as construções de base conotativa, numa tentativa de extrapolar o espaço do texto e provocar reações diferenciadas em seus leitores.

Ainda com base no signo linguístico, encontra-se o con- ceito de polissemia (que tem muitas significações). Algumas palavras, dependendo do contexto, assumem múltiplos signi-

ficados, como, por exemplo, a palavra ponto: ponto de ôni-

bus, ponto de vista, ponto final, ponto de cruz

Neste caso,

... não se está atribuindo um sentido fantasioso à palavra pon-

to, e sim ampliando sua significação através de expressões que lhe completem e esclareçam o sentido.

Como Ler e Entender Bem um Texto Basicamente, deve-se alcançar a dois níveis de leitura: a informativa e de reconhecimento e a interpretativa. A primei-

ra deve ser feita de maneira cautelosa por ser o primeiro contato com o novo texto. Desta leitura, extraem-se informa- ções sobre o conteúdo abordado e prepara-se o próximo nível de leitura. Durante a interpretação propriamente dita, cabe destacar palavras-chave, passagens importantes, bem como usar uma palavra para resumir a ideia central de cada parágrafo. Este tipo de procedimento aguça a memória visu- al, favorecendo o entendimento.

Não se pode desconsiderar que, embora a interpretação seja subjetiva, há limites. A preocupação deve ser a capta- ção da essência do texto, a fim de responder às interpreta- ções que a banca considerou como pertinentes.

No caso de textos literários, é preciso conhecer a ligação daquele texto com outras formas de cultura, outros textos e manifestações de arte da época em que o autor viveu. Se não houver esta visão global dos momentos literários e dos escritores, a interpretação pode ficar comprometida. Aqui não se podem dispensar as dicas que aparecem na referên- cia bibliográfica da fonte e na identificação do autor.

A última fase da interpretação concentra-se nas pergun- tas e opções de resposta. Aqui são fundamentais marcações de palavras como não, exceto, errada, respectivamente etc. que fazem diferença na escolha adequada. Muitas ve- zes, em interpretação, trabalha-se com o conceito do "mais adequado", isto é, o que responde melhor ao questionamen- to proposto. Por isso, uma resposta pode estar certa para responder à pergunta, mas não ser a adotada como gabarito pela banca examinadora por haver uma outra alternativa mais completa.

Ainda cabe ressaltar que algumas questões apresentam um fragmento do texto transcrito para ser a base de análise. Nunca deixe de retornar ao texto, mesmo que aparentemen- te pareça ser perda de tempo. A descontextualização de palavras ou frases, certas vezes, são também um recurso para instaurar a dúvida no candidato. Leia a frase anterior e a posterior para ter ideia do sentido global proposto pelo autor, desta maneira a resposta será mais consciente e segura.

Podemos, tranquilamente, ser bem-sucedidos numa in- terpretação de texto. Para isso, devemos observar o seguin- te:

  • 01. Ler todo o texto, procurando ter uma visão geral do

assunto;

  • 02. Se encontrar palavras desconhecidas, não interrom-

pa a leitura, vá até o fim, ininterruptamente;

  • 03. Ler, ler bem, ler profundamente, ou seja, ler o texto

pelo monos umas três vezes ou mais;

  • 04. Ler com perspicácia, sutileza, malícia nas entrelinhas;

  • 05. Voltar ao texto tantas quantas vezes precisar;

  • 06. Não permitir que prevaleçam suas ideias sobre as do

autor;

  • 07. Partir o texto em pedaços (parágrafos, partes) para

melhor compreensão;

  • 08. Centralizar cada questão ao pedaço (parágrafo, par-

te) do texto correspondente;

  • 09. Verificar, com atenção e cuidado, o enunciado de ca-

da questão;

  • 10. Cuidado com os vocábulos: destoa (=diferente de

...

),

não, correta, incorreta, certa, errada, falsa, verdadeira, exce-

to, e outras; palavras que aparecem nas perguntas e que, às vezes, dificultam a entender o que se perguntou e o que se pediu;

  • 11. Quando duas alternativas lhe parecem corretas, pro-

curar a mais exata ou a mais completa;

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

  • 12. Quando o autor apenas sugerir ideia, procurar um

fundamento de lógica objetiva;

  • 13. Cuidado com as questões voltadas para dados super-

ficiais;

  • 14. Não se deve procurar a verdade exata dentro daque-

la resposta, mas a opção que melhor se enquadre no sentido do texto;

  • 15. Às vezes a etimologia ou a semelhança das palavras

denuncia a resposta;

  • 16. Procure estabelecer quais foram as opiniões expos-

tas pelo autor, definindo o tema e a mensagem;

  • 17. O autor defende ideias e você deve percebê-las;

  • 18. Os adjuntos adverbiais e os predicativos do sujeito

são importantíssimos na interpretação do texto. Ex.: Ele morreu de fome. de fome: adjunto adverbial de causa, determina a causa

na realização do fato (= morte de "ele"). Ex.: Ele morreu faminto. faminto: predicativo do sujeito, é o estado em que "ele" se encontrava quando morreu.;

  • 19. As orações coordenadas não têm oração principal,

apenas as ideias estão coordenadas entre si;

  • 20. Os adjetivos ligados a um substantivo vão dar a ele

maior clareza de expressão, aumentando-lhe ou determi- nando-lhe o significado. Eraldo Cunegundes

ELEMENTOS CONSTITUTIVOS TEXTO NARRATIVO

As personagens: São as pessoas, ou seres, viven-

tes ou não, forças naturais ou fatores ambientais, que de- sempenham papel no desenrolar dos fatos.

Toda narrativa tem um protagonista que é a figura cen- tral, o herói ou heroína, personagem principal da história.

O personagem, pessoa ou objeto, que se opõe aos de- signos do protagonista, chama-se antagonista, e é com ele que a personagem principal contracena em primeiro plano.

As personagens secundárias, que são chamadas tam- bém de comparsas, são os figurantes de influencia menor, indireta, não decisiva na narração.

O narrador que está a contar a história também é uma personagem, pode ser o protagonista ou uma das outras personagens de menor importância, ou ainda uma pessoa estranha à história.

Podemos ainda, dizer que existem dois tipos fundamen- tais de personagem: as planas: que são definidas por um traço característico, elas não alteram seu comportamento durante o desenrolar dos acontecimentos e tendem à carica- tura; as redondas: são mais complexas tendo uma dimen- são psicológica, muitas vezes, o leitor fica surpreso com as suas reações perante os acontecimentos.

Sequência dos fatos (enredo): Enredo é a sequên-

cia dos fatos, a trama dos acontecimentos e das ações dos personagens. No enredo podemos distinguir, com maior ou menor nitidez, três ou quatro estágios progressivos: a expo- sição (nem sempre ocorre), a complicação, o climax, o de- senlace ou desfecho.

Na exposição o narrador situa a história quanto à época, o ambiente, as personagens e certas circunstâncias. Nem sempre esse estágio ocorre, na maioria das vezes, princi- palmente nos textos literários mais recentes, a história co- meça a ser narrada no meio dos acontecimentos (“in mé- dia”), ou seja, no estágio da complicação quando ocorre e conflito, choque de interesses entre as personagens.

O clímax é o ápice da história, quando ocorre o estágio

de maior tensão do conflito entre as personagens centrais, desencadeando o desfecho, ou seja, a conclusão da história com a resolução dos conflitos. Os fatos: São os acontecimentos de que as perso- nagens participam. Da natureza dos acontecimentos apresentados decorre o gênero do texto. Por exemplo o relato de um acontecimento cotidiano constitui uma crônica, o relato de um drama social é um romance social, e assim por diante. Em toda narrativa há um fato central, que estabelece o caráter do texto, e há os fatos secundários, relacionados ao principal. Espaço: Os acontecimentos narrados acontecem em diversos lugares, ou mesmo em um só lugar. O texto narrativo precisa conter informações sobre o espaço, onde os fatos acontecem. Muitas vezes, principal- mente nos textos literários, essas informações são extensas, fazendo aparecer textos descritivos no inte- rior dos textos narrativo. Tempo: Os fatos que compõem a narrativa desenvol- vem-se num determinado tempo, que consiste na identificação do momento, dia, mês, ano ou época em que ocorre o fato. A temporalidade salienta as rela- ções passado/presente/futuro do texto, essas rela- ções podem ser linear, isto é, seguindo a ordem cro- nológica dos fatos, ou sofre inversões, quando o nar- rador nos diz que antes de um fato que aconteceu depois.

O tempo pode ser cronológico ou psicológico. O cronoló- gico é o tempo material em que se desenrola à ação, isto é, aquele que é medido pela natureza ou pelo relógio. O psico- lógico não é mensurável pelos padrões fixos, porque é aque- le que ocorre no interior da personagem, depende da sua percepção da realidade, da duração de um dado aconteci- mento no seu espírito.

Narrador: observador e personagem: O narrador, como já dissemos, é a personagem que está a contar a história. A posição em que se coloca o narrador pa- ra contar a história constitui o foco, o aspecto ou o ponto de vista da narrativa, e ele pode ser caracteri- zado por :

  • - visão “por detrás” : o narrador conhece tudo o que diz respeito às personagens e à história, tendo uma visão panorâmica dos acontecimentos e a narração é feita em 3 a pessoa.

  • - visão “com”: o narrador é personagem e ocupa o centro da narrativa que é feito em 1 a pessoa.

  • - visão “de fora”: o narrador descreve e narra apenas o que vê, aquilo que é observável exteriormente no comportamento da personagem, sem ter acesso a sua interioridade, neste caso o narrador é um obser- vador e a narrativa é feita em 3 a pessoa. Foco narrativo: Todo texto narrativo necessariamen- te tem de apresentar um foco narrativo, isto é, o ponto de vista através do qual a história está sendo conta- da. Como já vimos, a narração é feita em 1 a pessoa ou 3 a pessoa.

Formas de apresentação da fala das personagens

Como já sabemos, nas histórias, as personagens agem e falam. Há três maneiras de comunicar as falas das perso- nagens.

Discurso Direto: É a representação da fala das per- sonagens através do diálogo. Exemplo:

“Zé Lins continuou: carnaval é festa do povo. O povo

é dono da verdade. Vem a polícia e começa a falar em

ordem pública. No carnaval a cidade é do povo e de

ninguém mais”.

Língua Portuguesa

  • 2 A Opção Certa Para a Sua Realização

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

No discurso direto é frequente o uso dos verbo de locu- ção ou descendi: dizer, falar, acrescentar, responder, per- guntar, mandar, replicar e etc.; e de travessões. Porém, quando as falas das personagens são curtas ou rápidas os verbos de locução podem ser omitidos.

vimentada, que se desenvolve progressivamente no tempo. É a descrição de um incêndio, de uma briga, de um naufrágio. Descrição Técnica: Ela apresenta muitas das carac- terísticas gerais da literatura, com a distinção de que nela se utiliza um vocabulário mais preciso, salien-

TEXTO DISSERTATIVO

Discurso Indireto: Consiste em o narrador transmitir,

tando-se com exatidão os pormenores. É predomi-

com suas próprias palavras, o pensamento ou a fala das personagens. Exemplo:

nantemente denotativa tendo como objetivo esclare- cer convencendo. Pode aplicar-se a objetos, a apare-

“Zé Lins levantou um brinde: lembrou os dias tris- te e passados, os meus primeiros passos em li- berdade, a fraternidade que nos reunia naquele momento, a minha literatura e os menos sombrios

lhos ou mecanismos, a fenômenos, a fatos, a lugares, a eventos e etc.

por vir”.

Dissertar significa discutir, expor, interpretar ideias. A

Discurso Indireto Livre: Ocorre quando a fala da personagem se mistura à fala do narrador, ou seja, ao fluxo normal da narração. Exemplo:

dissertação consta de uma série de juízos a respeito de um determinado assunto ou questão, e pressupõe um exame critico do assunto sobre o qual se vai escrever com clareza, coerência e objetividade.

“Os trabalhadores passavam para os partidos, conversando alto. Quando me viram, sem chapéu, de pijama, por aqueles lugares, deram-me bons- dias desconfiados. Talvez pensassem que esti-

A dissertação pode ser argumentativa - na qual o autor tenta persuadir o leitor a respeito dos seus pontos de vista ou simplesmente, ter como finalidade dar a conhecer ou

A linguagem usada é a referencial, centrada na mensa-

vesse doido. Como poderia andar um homem àquela hora , sem fazer nada de cabeça no tempo, um branco de pés no chão como eles? Só sendo

doido mesmo”.

explicar certo modo de ver qualquer questão.

gem, enfatizando o contexto.

(José Lins do Rego)

Quanto à forma, ela pode ser tripartida em :

TEXTO DESCRITIVO

Introdução: Em poucas linhas coloca ao leitor os da-

  • - Fato: É o acontecimento ou coisa cuja veracidade e

  • - Hipótese: É a suposição feita acerca de uma coisa

Descrever é fazer uma representação verbal dos aspec- tos mais característicos de um objeto, de uma pessoa, pai- sagem, ser e etc.

dos fundamentais do assunto que está tratando. É a enunciação direta e objetiva da definição do ponto de vista do autor.

Desenvolvimento: Constitui o corpo do texto, onde

As perspectivas que o observador tem do objeto são mui- to importantes, tanto na descrição literária quanto na descri- ção técnica. É esta atitude que vai determinar a ordem na enumeração dos traços característicos para que o leitor possa combinar suas impressões isoladas formando uma imagem unificada.

as ideias colocadas na introdução serão definidas com os dados mais relevantes. Todo desenvolvimen- to deve estruturar-se em blocos de ideias articuladas entre si, de forma que a sucessão deles resulte num conjunto coerente e unitário que se encaixa na intro- dução e desencadeia a conclusão.

Uma boa descrição vai apresentando o objeto progressi- vamente, variando as partes focalizadas e associando-as ou interligando-as pouco a pouco.

Conclusão: É o fenômeno do texto, marcado pela síntese da ideia central. Na conclusão o autor reforça sua opinião, retomando a introdução e os fatos resu- midos do desenvolvimento do texto. Para haver maior

Podemos encontrar distinções entre uma descrição literá- ria e outra técnica. Passaremos a falar um pouco sobre cada uma delas:

entendimento dos procedimentos que podem ocorrer em um dissertação, cabe fazermos a distinção entre fatos, hipótese e opinião.

reconhecida; é a obra ou ação que realmente se pra-

Descrição Literária: A finalidade maior da descrição literária é transmitir a impressão que a coisa vista desperta em nossa mente através do sentidos. Daí decorrem dois tipos de descrição: a subjetiva, que re- flete o estado de espírito do observador, suas prefe- rências, assim ele descreve o que quer e o que pen-

ticou.

possível ou não, e de que se tiram diversas conclu- sões; é uma afirmação sobre o desconhecido, feita com base no que já é conhecido.

sa ver e não o que vê realmente; já a objetiva traduz a realidade do mundo objetivo, fenomênico, ela é exa- ta e dimensional. Descrição de Personagem: É utilizada para caracte-

  • - Opinião: Opinar é julgar ou inserir expressões de aprovação ou desaprovação pessoal diante de acon- tecimentos, pessoas e objetos descritos, é um pare- cer particular, um sentimento que se tem a respeito

O TEXTO ARGUMENTATIVO

rização das personagens, pela acumulação de traços físicos e psicológicos, pela enumeração de seus há- bitos, gestos, aptidões e temperamento, com a finali-

de algo.

dade de situar personagens no contexto cultural, so-

Baseado em Adilson Citelli

cial e econômico . Descrição de Paisagem: Neste tipo de descrição, geralmente o observador abrange de uma só vez a globalidade do panorama, para depois aos poucos, em ordem de proximidade, abranger as partes mais típicas desse todo. Descrição do Ambiente: Ela dá os detalhes dos inte-

A linguagem é capaz de criar e representar realidades, sendo caracterizada pela identificação de um elemento de constituição de sentidos. Os discursos verbais podem ser formados de várias maneiras, para dissertar ou argumentar, descrever ou narrar, colocamos em práticas um conjunto de

Para se persuadir por meio de muitos recursos da língua

riores, dos ambientes em que ocorrem as ações, ten- tando dar ao leitor uma visualização das suas particu- laridades, de seus traços distintivos e típicos. Descrição da Cena: Trata-se de uma descrição mo-

referências codificadas há muito tempo e dadas como estru- turadoras do tipo de texto solicitado.

Língua Portuguesa

  • 3 A Opção Certa Para a Sua Realização

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

é necessário que um texto possua um caráter argumentati- vo/descritivo. A construção de um ponto de vista de alguma pessoa sobre algo, varia de acordo com a sua análise e esta dar-se-á a partir do momento em que a compreensão do conteúdo, ou daquilo que fora tratado seja concretado. A formação discursiva é responsável pelo emassamento do conteúdo que se deseja transmitir, ou persuadir, e nele te- remos a formação do ponto de vista do sujeito, suas análises das coisas e suas opiniões. Nelas, as opiniões o que faze- mos é soltar concepções que tendem a ser orientadas no meio em que o indivíduo viva. Vemos que o sujeito lança suas opiniões com o simples e decisivo intuito de persuadir e fazer suas explanações renderem o convencimento do ponto de vista de algo/alguém.

Na escrita, o que fazemos é buscar intenções de sermos entendidos e desejamos estabelecer um contato verbal com os ouvintes e leitores, e todas as frases ou palavras articula- das produzem significações dotadas de intencionalidade, criando assim unidades textuais ou discursivas. Dentro deste contexto da escrita, temos que levar em conta que a coerên- cia é de relevada importância para a produção textual, pois nela se dará uma sequência das ideias e da progressão de argumentos a serem explanadas. Sendo a argumentação o procedimento que tornará a tese aceitável, a apresentação de argumentos atingirá os seus interlocutores em seus obje- tivos; isto se dará através do convencimento da persuasão. Os mecanismos da coesão e da coerência serão então res- ponsáveis pela unidade da formação textual.

Dentro dos mecanismos coesivos, podem realizar-se em contextos verbais mais amplos, como por jogos de elipses, por força semântica, por recorrências lexicais, por estraté- gias de substituição de enunciados.

Um mecanismo mais fácil de fazer a comunicação entre as pessoas é a linguagem, quando ela é em forma da escrita e após a leitura, (o que ocorre agora), podemos dizer que há de ter alguém que transmita algo, e outro que o receba. Nesta brincadeira é que entra a formação de argumentos com o intuito de persuadir para se qualificar a comunicação; nisto, estes argumentos explanados serão o germe de futu- ras tentativas da comunicação ser objetiva e dotada de in- tencionalidade, (ver Linguagem e Persuasão).

Sabe-se que a leitura e escrita, ou seja, ler e escrever; não tem em sua unidade a mono característica da domina- ção do idioma/língua, e sim o propósito de executar a intera- ção do meio e cultura de cada indivíduo. As relações inter- textuais são de grande valia para fazer de um texto uma alusão à outros textos, isto proporciona que a imersão que os argumentos dão tornem esta produção altamente evocati- va.

A paráfrase é também outro recurso bastante utilizado para trazer a um texto um aspecto dinâmico e com intento. Juntamente com a paródia, a paráfrase utiliza-se de textos já escritos, por alguém, e que tornam-se algo espetacularmen- te incrível. A diferença é que muitas vezes a paráfrase não possui a necessidade de persuadir as pessoas com a repeti- ção de argumentos, e sim de esquematizar novas formas de textos, sendo estes diferentes. A criação de um texto requer bem mais do que simplesmente a junção de palavras a uma frase, requer algo mais que isto. É necessário ter na escolha das palavras e do vocabulário o cuidado de se requisitá-las, bem como para se adotá-las. Um texto não é totalmente auto-explicativo, daí vem a necessidade de que o leitor tenha um emassado em seu histórico uma relação interdiscursiva e intertextual.

As metáforas, metomínias, onomatopeias ou figuras de linguagem, entram em ação inseridos num texto como um

conjunto de estratégias capazes de contribuir para os efeitos persuasivos dele. A ironia também é muito utilizada para causar este efeito, umas de suas características salientes, é que a ironia dá ênfase à gozação, além de desvalorizar idei- as, valores da oposição, tudo isto em forma de piada.

Uma das últimas, porém não menos importantes, formas de persuadir através de argumentos, é a Alusão ("Ler não é apenas reconhecer o dito, mais também o não-dito"). Nela, o escritor trabalha com valores, ideias ou conceitos pré esta- belecidos, sem porém com objetivos de forma clara e conci- sa. O que acontece é a formação de um ambiente poético e sugerível, capaz de evocar nos leitores algo, digamos, uma sensação ...

Texto Base: CITELLI, Adilson; “O Texto Argumentativo”

São Paulo SP, Editora ..

Scipione, 1994 - 6ª edição.

EXERCÍCIOS INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS

Atenção: As questões de números 1 a 10 referem-se ao texto que segue.

No coração do progresso Há séculos a civilização ocidental vem correndo atrás de tudo o que classifica como progresso. Essa palavra mágica aplica-se tanto à invenção do aeroplano ou à descoberta do DNA como à promoção do papai no novo emprego. “Estou fazendo progressos”, diz a titia, quando enfim acerta a mão numa velha receita. Mas quero chegar logo ao ponto, e con- vidar o leitor a refletir sobre o sentido dessa palavra, que sempre pareceu abrir todas as portas para uma vida melhor. Quando, muitos anos atrás, num daqueles documentá- rios de cinema, via-se uma floresta sendo derrubada para dar lugar a algum empreendimento, ninguém tinha dúvida em dizer ou pensar: é o progresso. Uma represa monumen- tal era progresso. Cada novo produto químico era um pro- gresso. As coisas não mudaram tanto: continuamos a usar indiscriminadamente a palavrinha mágica. Mas não deixaram de mudar um pouco: desde que a Ecologia saiu das acade- mias, divulgou-se, popularizou-se e tornou-se, efetivamente, um conjunto de iniciativas em favor da preservação ambien- tal e da melhoria das condições da vida em nosso pequenino planeta. Para isso, foi preciso determinar muito bem o sentido de progresso. Do ponto de vista material, considera-se ganho humano apenas aquilo que concorre para equilibrar a ação transformadora do homem sobre a natureza e a integridade da vida natural. Desenvolvimento, sim, mas sustentável: o adjetivo exprime uma condição, para cercear as iniciativas predatórias. Cada novidade tecnológica há de ser investiga- da quanto a seus efeitos sobre o homem e o meio em que vive. Cada intervenção na natureza há de adequar-se a um planejamento que considere a qualidade e a extensão dos efeitos. Em suma: já está ocorrendo, há algum tempo, uma avali- ação ética e política de todas as formas de progresso que afetam nossa relação com o mundo e, portanto, a qualidade da nossa vida. Não é pouco, mas ainda não é suficiente. Aos cientistas, aos administradores, aos empresários, aos indus- triais e a todos nós cidadãos comuns cabe a tarefa coti- diana de zelarmos por nossas ações que inflectem sobre qualquer aspecto da qualidade de vida. A tarefa começa em nossa casa, em nossa cozinha e banheiro, em nosso quintal e jardim e se estende à preocupação com a rua, com o bairro, com a cidade. “Meu coração não é maior do que o mundo”, dizia o poe- ta. Mas um mundo que merece a atenção do nosso coração e da nossa inteligência é, certamente, melhor do que este em que estamos vivendo. Não custa interrogar, a cada vez que alguém diz pro- gresso, o sentido preciso talvez oculto - da palavra mágica

Língua Portuguesa

  • 4 A Opção Certa Para a Sua Realização

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

empregada. (Alaor Adauto de Mello)

  • (D) Se muitas novidades tecnológicas houvesse de ser investigadas a fundo, veríamos que são irrelevantes pa-

1.

Centraliza-se, no texto, uma concepção de progresso,

ra a melhoria da vida.

segundo a qual este deve ser (A)) equacionado como uma forma de equilíbrio entre as

  • (E) Começam pelas preocupações com nossa casa, com nossa rua, com nossa cidade a tarefa de zelarmos por

atividades humanas e o respeito ao mundo natural.

uma boa qualidade da vida.

  • (B) identificado como aprimoramento tecnológico que resul- te em atividade economicamente viável.

6.

Está correto o emprego de ambas as expressões sub-

  • (C) caracterizado como uma atividade que redunde em

linhadas na frase:

  • (A) De tudo aquilo que classificamos como progresso cos-

maiores lucros para todos os indivíduos de uma comu- nidade.

  • (D) definido como um atributo da natureza que induz os homens a aproveitarem apenas o que é oferecido em sua forma natural.

  • (E) aceito como um processo civilizatório que implique melhor distribuição de renda entre todos os agentes dos setores produtivos.

tumamos atribuir o sentido de um tipo de ganho ao qual não queremos abrir mão.

  • (B) É preferível deixar intacta a mata selvagem do que destruí-la em nome de um benefício em que quase nin- guém desfrutará.

  • (C) A titia, cuja a mão enfim acertou numa velha receita, não hesitou em ver como progresso a operação à qual foi bem sucedida.

2.

Considere as seguintes afirmações:

  • (D) A precisão da qual se pretende identificar o sentido de

I.

A banalização do uso da palavra progresso é uma

consequência do fato de que a Ecologia deixou de ser um assunto acadêmico. II. A expressão desenvolvimento sustentável pressupõe que haja formas de desenvolvimento nocivas e predató- rias.

uma palavra depende muito do valor de contexto a que lhe atribuímos.

(E)) As inovações tecnológicas de cujo benefício todos se aproveitam representam, efetivamente, o avanço a que se costuma chamar progresso.

III. Entende o autor do texto que a magia da palavra pro-

7.

Considere as seguintes afirmações, relativas a aspec-

gresso advém do uso consciente e responsável que a

tos da construção ou da expressividade do texto:

maioria das pessoas vem fazendo dela.

  • (A) I.

(B))

I.

No contexto do segundo parágrafo, a forma plural não

Em relação ao texto está correto APENAS que se afir- ma em

II.

mudaram tanto atende à concordância com academias. II. No contexto do terceiro parágrafo, a expressão há de adequar-se exprime um dever imperioso, uma necessi-

  • (C) III.

dade premente. III. A expressão Em suma, tal como empregada no quarto

  • (D) I e II.

parágrafo, anuncia a abertura de uma linha de argu-

  • (E) II e III.

mentação ainda inexplorada no texto. Está correto APENAS o que se afirma em

3.

Considerando-se o contexto, traduz-se corretamente uma frase do texto em:

  • (A) I. II.

(B))

  • (A) Mas quero chegar logo ao ponto = devo me antecipar a

  • (C) III.

qualquer conclusão.

  • (D) I e II.

  • (B) continuamos a usar indiscriminadamente a palavrinha mágica = seguimos chamando de mágico tudo o que

  • (E) II e III.

julgamos sem preconceito.

8.

A palavra progresso frequenta todas as bocas, todas

(A)) a pronunciam - lhe atribuem - a elevam

  • (C) para cercear as iniciativas predatórias = para ir ao en- contro das ações voluntariosas.

pronunciam a palavra progresso, todas atribuem a essa palavra sentidos mágicos que elevam essa palavra ao

  • (D) ações que inflectem sobre qualquer aspecto da quali-

patamar dos nomes miraculosos.

dade da vida = práticas alheias ao que diz respeito às condições de vida. (E)) há de adequar-se a um planejamento = deve ir ao en- contro do que está planificado.

Evitam-se as repetições viciosas da frase acima substi- tuindo-se os elementos sublinhados, na ordem dada, por:

  • (B) a pronunciam - atribuem-na - elevam-na

4.

Cada intervenção na natureza de adequar-se a um

  • (A) houve - garantiria - é

  • (C) lhe pronunciam - lhe atribuem - elevam-lhe

planejamento pelo qual se garanta que a qualidade da

  • (D) a ela pronunciam - a ela atribuem - lhe elevam

vida seja preservada. Os tempos e os modos verbais da frase acima continu-

  • (E) pronunciam-na - atribuem-na - a elevam

arão corretamente articulados caso se substituam as

9.

Está clara e correta a redação da seguinte frase:

formas sublinhadas, na ordem em que surgem, por

  • (A) Caso não se determine bem o sentido da palavra pro- gresso, pois que é usada indiscriminadamente, ainda

  • (B) haveria - garantiu - teria sido

assim se faria necessário que reflitamos sobre seu ver-

  • (C) haveria - garantisse - fosse

dadeiro sentido.

  • (D) haverá - garantisse - e

  • (B) Ao dizer o poeta que seu coração não é maior do que o

  • (E) havia - garantiu - é

mundo, devemos nos inspirar para que se estabeleça entre este e o nosso coração os compromissos que se

5.

As normas de concordância verbal estão plenamente

reflitam numa vida melhor.

respeitadas na frase:

(A)) Já faz muitos séculos que se vêm atribuindo à palavra progresso algumas conotações mágicas.

  • (B) Deve-se ao fato de usamos muitas palavras sem co- nhecer seu sentido real muitos equívocos ideológicos.

  • (C) Muitas coisas a que associamos o sentido de progresso não chega a representarem, de fato, qualquer avanço significativo.

  • (C) Nada é desprezível no espaço do mundo, que não mereça nossa atenção quanto ao fato de que sejamos responsáveis por sua melhoria, seja o nosso quintal, nossa rua, enfim, onde se esteja.

(D)) Todo desenvolvimento definido como sustentável exige, para fazer jus a esse adjetivo, cuidados especiais com o meio ambiente, para que não venham a ser nocivos seus efeitos imediatos ou futuros.

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

(E)

Tem muita ciência que, se saísse das limitações aca-

 

democrática e são permitidos pela Carta de 1988.

dêmicas, acabariam por se revelarem mais úteis e mais populares, em vista da Ecologia, cujas consequências se sente mesmo no âmbito da vida prática.

  • (D) após a multa, os líderes de sindicato resolveram orga- nizar protestos de rua em horários e locais predetermi- nados.

  • (E) o Ministério Público envia com frequência estudos

10.

Está inteiramente correta a pontuação do seguinte

sobre os custos das manifestações feitas de forma

período:

abusiva.

  • (A) Toda vez que é pronunciada, a palavra progresso, parece abrir a porta para um mundo, mágico de prospe- ridade garantida.

12.

No primeiro parágrafo, afirma-se que não há fórmula perfeita para solucionar o conflito entre manifestantes e

  • (A) sensatez.

(B)) Por mínimas que pareçam, há providências inadiáveis,

os prejuízos causados ao restante da população. A sa-

 

ações aparentemente irrisórias, cuja execução cotidia- na é, no entanto, importantíssima.

ída estaria principalmente na

  • (C) O prestígio da palavra progresso, deve-se em grande

  • (B) Carta de 1998.

parte ao modo irrefletido, com que usamos e abusa-

 
  • (C) Justiça.

mos, dessa palavrinha mágica.

  • (D) Companhia de Engenharia de Tráfego.

  • (D) Ainda que traga muitos benefícios, a construção de enormes represas, costuma trazer também uma série

  • (E) na adoção de medidas amplas e profundas.

 

de consequências ambientais que, nem sempre, foram avaliadas.

13.

De acordo com o segundo parágrafo do texto, os pro-

  • (E) Não há dúvida, de que o autor do texto aderiu a teses ambientalistas segundo as quais, o conceito de pro- gresso está sujeito a uma permanente avaliação.

testos que param as ruas de São Paulo representam um custo para a população da cidade. O cálculo desses custos é feito a partir

  • (A) das multas aplicadas pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Leia o texto a seguir para responder às questões de nú- meros 11 a 24.

  • (B) dos gastos de combustível e das horas de trabalho desperdiçadas em engarrafamentos.

De um lado estão os prejuízos e a restrição de direitos

  • (C) da distância a ser percorrida entre as cidades de São Paulo e São Carlos.

causados pelos protestos que param as ruas de São Paulo. De outro está o direito à livre manifestação, assegurado pela

  • (D) da quantidade de carros existentes entre a capital de São Paulo e São Carlos.

Carta de 1988. Como não há fórmula perfeita de arbitrar esse choque entre garantias democráticas fundamentais, cabe lançar mão de medidas pontuais e sobretudo de bom

  • (E) do número de usuários de automóveis particulares da cidade de São Paulo.

senso. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) estima em R$ 3 milhões o custo para a população dos protestos

14.

A quantidade de carros parados nos engarrafamentos, em razão das manifestações na cidade de São Paulo nos últimos três anos, é equiparada, no texto,

ocorridos nos últimos três anos na capital paulista. O cálculo

  • (A) a R$ 3,3 milhões.

leva em conta o combustível consumido e as horas perdidas

  • (B) ao total de usuários da cidade de São Carlos.

de trabalho durante os engarrafamentos causados por pro-

  • (C) ao total de usuários da cidade de São Paulo.

testos. Os carros enfileirados por conta de manifestações

  • (D) ao total de combustível economizado.

nesses três anos praticamente cobririam os 231 km que separam São Paulo de São Carlos.

  • (E) a uma distância de 231 km.

A Justiça é o meio mais promissor, em longo prazo, para desestimular os protestos abusivos que param o trânsito nos horários mais inconvenientes e acarretam variados transtor-

15.

No terceiro parágrafo, a respeito do poder da Justiça em coibir os protestos abusivos, o texto assume um posicionamento de

nos a milhões de pessoas. É adequada a atitude da CET de enviar sistematicamente ao Ministério Público relatórios com

  • (A) indiferença, porque diz que a decisão não cabe à Justi- ça.

os prejuízos causados em cada manifestação feita fora de horários e locais sugeridos pela agência ou sem comunica-

  • (B) entusiasmo, porque acredita que o órgão já tem poder para impedir protestos abusivos.

ção prévia. Com base num documento da CET, por exemplo, a Pro-

  • (C) decepção, porque não vê nenhum exemplo concreto do órgão para impedir protestos em horários de pico.

curadoria acionou um líder de sindicato, o qual foi condena- do em primeira instância a pagar R$ 3,3 milhões aos cofres públicos, a título de reparação. O direito à livre manifestação

  • (D) confiança, porque acredita que, no futuro, será uma forma bem-sucedida de desestimular protestos abusi- vos.

está previsto na Constituição. No entanto, tal direito não anula a responsabilização civil e criminal em caso de danos provocados pelos protestos. O poder público deveria definir, de preferência em nego-

  • (E) satisfação, porque cita casos em que a Justiça já teve êxito em impedir protestos em horários inconvenientes e em avenidas movimentadas.

ciação com as categorias que costumam realizar protestos na capital, horários e locais vedados às passeatas. Práticas corriqueiras, como a paralisia de avenidas essenciais para o tráfego na capital nos horários de maior fluxo, deveriam ser

16.

De acordo com o texto, a atitude da Companhia de Engenharia de Tráfego de enviar periodicamente relató- rios sobre os prejuízos causados em cada manifesta- ção é

abolidas.

  • (A) pertinente.

(Folha de S.Paulo, 29.09.07. Adaptado)

  • (B) indiferente.

  • (C) irrelevante.

11.

De acordo com o texto, é correto afirmar que

  • (D) onerosa.

  • (A) a Companhia de Engenharia de Tráfego não sabe

  • (E) inofensiva.

mensurar o custo dos protestos ocorridos nos últimos anos.

17.

  • (B) os prejuízos da ordem de R$ 3 milhões em razão dos engarrafamentos já foram pagos pelos manifestantes.

No quarto parágrafo, o fato de a Procuradoria condenar um líder sindical

  • (A) é ilegal e fere os preceitos da Carta de 1998.

  • (C) os protestos de rua fazem parte de uma sociedade

  • (B) deve ser comemorada, ainda que viole a Constituição.

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

  • (C) é legal, porque o direito à livre manifestação não isenta o manifestante da responsabilidade pelos danos cau- sados.

  • (D) é nula, porque, segundo o direito à livre manifestação, o acusado poderá entrar com recurso.

  • (E) é inédita, porque, pela primeira vez, apesar dos direitos assegurados, um manifestante será punido.

    • 18. Dentre as soluções apontadas, no último parágrafo, para resolver o conflito, destaca-se

      • (A) multa a líderes sindicais.

      • (B) fiscalização mais rígida por parte da Companhia de Engenharia de Tráfego.

      • (C) o fim dos protestos em qualquer via pública.

      • (D) fixar horários e locais proibidos para os protestos de rua.

      • (E) negociar com diferentes categorias para que não façam mais manifestações.

        • 19. No trecho É adequada a atitude da CET de enviar relatórios , substituindo-se o termo atitude por compor- tamentos, obtém-se, de acordo com as regras gramati- cais, a seguinte frase:

          • (A) É adequada comportamentos da CET de enviar relató- rios.

          • (B) É adequado comportamentos da CET de enviar relató- rios.

          • (C) São adequado os comportamentos da CET de enviar relatórios.

          • (D) São adequadas os comportamentos da CET de enviar relatórios.

          • (E) São adequados os comportamentos da CET de enviar relatórios.

            • 20. No trecho No entanto, tal direito não anula a respon- sabilização civil e criminal em caso de danos provoca- dos pelos protestos , a locução conjuntiva no entanto indica uma relação de

  • (A) causa e efeito.

 
  • (B) oposição.

  • (C) comparação.

 
  • (D) condição.

  • (E) explicação.

21.

Não há fórmula perfeita de arbitrar esse choque.” Nes- sa frase, a palavra arbitrar é um sinônimo de

  • (A) julgar.

  • (B) almejar.

  • (C) condenar.

  • (D) corroborar.

  • (E) descriminar.

  • 22. No trecho A Justiça é o meio mais promissor para desestimular os protestos abusivos a preposição para estabelece entre os termos uma relação de

    • (A) tempo.

    • (B) posse.

    • (C) causa.

    • (D) origem.

    • (E) finalidade.

      • 23. Na frase O poder público deveria definir horários e locais , substituindo-se o verbo definir por obedecer, obtém-se, segundo as regras de regência verbal, a se- guinte frase:

        • (A) O poder público deveria obedecer para horários e lo- cais.

        • (B) O poder público deveria obedecer a horários e locais.

        • (C) O poder público deveria obedecer horários e locais.

        • (D) O poder público deveria obedecer com horários e lo- cais.

        • (E) O poder público deveria obedecer os horários e locais.

  • 24. Transpondo para a voz passiva a frase A Procurado- ria acionou um líder de sindicato obtém-se:

    • (A) Um líder de sindicato foi acionado pela Procuradoria.

    • (B) Acionaram um líder de sindicato pela Procuradoria.

    • (C) Acionaram-se um líder de sindicato pela Procuradoria.

    • (D) Um líder de sindicato será acionado pela Procuradoria.

    • (E) A Procuradoria foi acionada por um líder de sindicato.

Leia o texto para responder às questões de números 25 a

34.

 

DIPLOMA E MONOPÓLIO

Faz quase dois séculos que foram fundadas escolas de direito e medicina no Brasil. É embaraçoso verificar que ainda não foram resolvidos os enguiços entre diplomas e carreiras. Falta-nos descobrir que a concorrência (sob um bom marco regulatório) promove o interesse da sociedade e que o monopólio só é bom para quem o detém. Não fora essa ignorância, como explicar a avalanche de leis que pro- tegem monopólios espúrios para o exercício profissional?

Desde a criação dos primeiros cursos de direito, os gra- duados apenas ocasionalmente exercem a profissão. Em sua maioria, sempre ocuparam postos de destaque na políti- ca e no mundo dos negócios. Nos dias de hoje, nem 20% advogam.

Mas continua havendo boas razões para estudar direito, pois esse é um curso no qual se exercita lógica rigorosa, se lê e se escreve bastante. Torna os graduados mais cultos e socialmente mais produtivos do que se não houvessem feito o curso. Se aprendem pouco, paciência, a culpa é mais da fragilidade do ensino básico do que das faculdades. Diante dessa polivalência do curso de direito, os exames da OAB são uma solução brilhante. Aqueles que defenderão clientes nos tribunais devem demonstrar nessa prova um mínimo de conhecimento. Mas, como os cursos são também úteis para quem não fez o exame da Ordem ou não foi bem sucedido na prova, abrir ou fechar cursos de “formação geral” é as- sunto do MEC, não da OAB. A interferência das corporações não passa de uma prática monopolista e ilegal em outros ramos da economia. Questionamos também se uma corpo- ração profissional deve ter carta-branca para determinar a dificuldade das provas, pois essa é também uma forma de limitar a concorrência mas trata-se aí de uma questão secundária. ( ) ...

 

(Veja, 07.03.2007. Adaptado)

25.

Assinale a alternativa que reescreve, com correção

gramatical, as frases: Faz quase dois séculos que fo- ram fundadas escolas de direito e medicina no Brasil. / É embaraçoso verificar que ainda não foram resolvidos os enguiços entre diplomas e carreiras.

  • (A) Faz quase dois séculos que se fundou escolas de direi- to e medicina no Brasil. / É embaraçoso verificar que ainda não se resolveu os enguiços entre diplomas e carreiras.

  • (B) Faz quase dois séculos que se fundava escolas de direito e medicina no Brasil. / É embaraçoso verificar que ainda não se resolveram os enguiços entre diplo- mas e carreiras.

  • (C) Faz quase dois séculos que se fundaria escolas de direito e medicina no Brasil. / É embaraçoso verificar que ainda não se resolveu os enguiços entre diplomas e carreiras.

  • (D) Faz quase dois séculos que se fundara escolas de direito e medicina no Brasil. / É embaraçoso verificar que ainda não se resolvera os enguiços entre diplomas e carreiras.

  • (E) Faz quase dois séculos que se fundaram escolas de direito e medicina no Brasil. / É embaraçoso verificar

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

 

que ainda não se resolveram os enguiços entre diplo- mas e carreiras.

nas ocasionalmente exercem-la.

  • (C) I. Torna os graduados mais cultos. / Torna-os mais cultos. II. É preciso mencionar os cursos de administra-

26.

Assinale a alternativa que completa, correta e respecti-

ção. / É preciso mencionar-lhes.

vamente, de acordo com a norma culta, as frases: O

  • (D) I. Os advogados devem demonstrar muitos conheci-

monopólio só é bom para aqueles que

/

mentos. Os advogados devem demonstrá-los. II. As as-

Nos dias de hoje, nem 20% advogam, e apenas 1%

sociações mostram à sociedade o seu papel. / As as-

/ Em sua maioria, os advogados sem-

sociações mostram-lhe o seu papel.

  • (A) o retêem / obtem sucesso / se apropriaram os postos de destaque na política e no mundo dos negócios

 
  • (E) I. As leis protegem os monopólios espúrios. / As leis protegem-os. II. As corporações deviam fiscalizar a prá- tica profissional. / As corporações deviam fiscalizá-la.

  • (B) o retém / obtém sucesso / se apropriaram aos postos de destaque na política e no mundo dos negócios

31.

  • (C) o retém / obtêem sucesso / se apropriaram os postos de destaque na política e no mundo dos negócios

  • (D) o retêm / obtém sucesso / sempre se apropriaram de postos de destaque na política e no mundo dos negó- cios

Assinale a alternativa em que as palavras em destaque exercem, respectivamente, a mesma função sintática

das expressões assinaladas em: Os graduados apenas ocasionalmente exercem a profissão.

  • (A) Se aprendem pouco, a culpa é da fragilidade do ensino básico.

  • (E) o retem / obtêem sucesso / se apropriaram de postos de destaque na política e no mundo dos negócios

  • (B) A interferência das corporações não passa de uma práti- ca monopolista.

27.

Assinale a alternativa em que se repete o tipo de ora-

  • (C) Abrir e fechar cursos de “formação geral” é assunto do MEC.

ção introduzida pela conjunção se, empregado na frase Questionamos também se uma corporação profissio-

  • (D) O estudante de direito exercita preferencialmente uma lógica rigorosa.

nal deve ter carta-branca para determinar a dificuldade das provas, ...

  • (E) Boas razões existirão sempre para o advogado buscar conhecimento.

  • (A) A sociedade não chega a saber se os advogados são muito corporativos.

 

32.

  • (B) Se os advogados aprendem pouco, a culpa é da fragili- dade do ensino básico.

  • (C) O advogado afirma que se trata de uma questão se- cundária.

Assinale a alternativa que reescreve a frase de acordo com a norma culta.

  • (A) Os graduados apenas ocasionalmente exercem a pro- fissão. / Os graduados apenas ocasionalmente se dedi- cam a profissão.

  • (D) É um curso no qual se exercita lógica rigorosa.

  • (E) No curso de direito, lê-se bastante.

  • (B) Os advogados devem demonstrar nessa prova um mínimo de conhecimento. / Os advogados devem pri- mar nessa prova por um mínimo de conhecimento.

28.

Assinale a alternativa em que se admite a concordância

verbal tanto no singular como no plural como em: A maioria dos advogados ocupam postos de destaque na política e no mundo dos negócios.

  • (A) Como o direito, a medicina é uma carreira estritamente profissional.

  • (B) Os Estados Unidos e a Alemanha não oferecem cursos de administração em nível de bacharelado.

  • (C) Ele não fez o exame da OAB. / Ele não procedeu o exame da OAB.

  • (D) As corporações deviam promover o interesse da socie- dade. / As corporações deviam almejar do interesse da sociedade.

  • (E) Essa é uma forma de limitar a concorrência. / Essa é uma forma de restringir à concorrência.

  • (C) Metade dos cursos superiores carecem de boa qualifi- cação.

 

33.

Assinale a alternativa em que o período formado com as frases I, II e III estabelece as relações de condição

O advogado é aprovado na OAB.

  • (D) As melhores universidades do país abastecem o mer- cado de trabalho com bons profissionais.

I.

entre I e II e de adição entre I e III.

  • (E) A abertura de novos cursos tem de ser controlada por

II.

O advogado raciocina com lógica.

órgãos oficiais.

III.

O advogado defende o cliente no tribunal.

29.

Assinale a alternativa que apresenta correta correlação de tempo verbal entre as orações.

  • (A) Se o advogado raciocinar com lógica, ele será aprova- do na OAB e defenderá o cliente no tribunal com su- cesso.

  • (A) Se os advogados demonstrarem um mínimo de conhe- cimento, poderiam defender bem seus clientes.

 
  • (B) O advogado defenderá o cliente no tribunal com suces- so, mas terá de raciocinar com lógica e ser aprovado

  • (C) Como raciocinou com lógica, o advogado será aprova-

  • (B) Embora tivessem cursado uma faculdade, não se de- senvolveram intelectualmente.

  • (C) É possível que os novos cursos passam a ter fiscaliza- ção mais severa.

na OAB.

do na OAB e defenderá o cliente no tribunal com su- cesso.

  • (D) Se não fosse tanto desconhecimento, o desempenho poderá ser melhor.

  • (D) O advogado defenderá o cliente no tribunal com suces- so porque raciocinou com lógica e foi aprovado na

  • (E) Uma vez que o advogado raciocinou com lógica e foi

  • (E) Seria desejável que os enguiços entre diplomas e car- reiras se resolvem brevemente.

30.

OAB.

aprovado na OAB, ele poderá defender o cliente no tri- bunal com sucesso.

 

A substituição das expressões em destaque por um pronome pessoal está correta, nas duas frases, de acordo com a norma culta, em:

34.

Na frase Se aprendem pouco, paciência, a culpa é

  • (A) I. A concorrência promove o interesse da sociedade. / A concorrência promove-o. II. Aqueles que defenderão clientes. / Aqueles que lhes defenderão.

 

mais da fragilidade do ensino básico do que das facul- dades. a palavra paciência vem entre vírgulas para, no contexto,

  • (B) I. O governo fundou escolas de direito e de medicina. /

  • (A) garantir a atenção do leitor.

O governo fundou elas. II. Os graduados apenas ocasi-

  • (B) separar o sujeito do predicado.

onalmente exercem a profissão. / Os graduados ape-

  • (C) intercalar uma reflexão do autor.

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

  • (D) corrigir uma afirmação indevida.

quando ambos revelam, em relação aos valores morais

  • (E) retificar a ordem dos termos.

da conduta, uma preocupação

  • (A) filosófica.

 

Atenção: As questões de números 35 a 42 referem-se ao

  • (B) descritiva.

texto abaixo.

  • (C) prescritiva.

  • (D) contestatária.

SOBRE ÉTICA

A palavra Ética é empregada nos meios acadêmicos em

  • (E) tradicionalista.

três acepções. Numa, faz-se referência a teorias que têm

39.

Considerando-se o contexto do último parágrafo, o

como objeto de estudo o comportamento moral, ou seja,

elemento sublinhado pode ser corretamente substituído

como entende Adolfo Sanchez Vasquez, “a teoria que pre-

pelo que está entre parênteses, sem prejuízo para o

tende explicar a natureza, fundamentos e condições da mo-

sentido, no seguinte caso:

 

ral, relacionando-a com necessidades sociais humanas.”

  • (A) a colocará em íntima conexão com o Direito. (in-

(

)

Teríamos, assim, nessa acepção, o entendimento de que o

clusão)

fenômeno moral pode ser estudado racional e cientificamen-

  • (B) os valores morais dariam o balizamento do agir

(

)

te por uma disciplina que se propõe a descrever as normas

(

)

(arremate)

morais ou mesmo, com o auxílio de outras ciências, ser

  • (C) qualificação do comportamento do homem como

(

)

capaz de explicar valorações comportamentais.

ser em situação. (provisório)

  • (D) )

(

nem

tampouco

como fenômeno especulativo.

Um segundo emprego dessa palavra é considerá-la uma

(nem, ainda)

categoria filosófica e mesmo parte da Filosofia, da qual se

  • (E) de um agir, de um comportamento consequen-

(

)

constituiria em núcleo especulativo e reflexivo sobre a com-

cial

...

(concessivo)

plexa fenomenologia da moral na convivência humana. A

Ética, como parte da Filosofia, teria por objeto refletir sobre

40.

As normas de concordância estão plenamente obser-

os fundamentos da moral na busca de explicação dos fatos

vadas na frase:

 

morais.

  • (A) Costumam-se especular, nos meios acadêmicos, em

torno de três acepções de Ética.

Numa terceira acepção, a Ética já não é entendida como

  • (B) As referências que se faz à natureza da ética conside-

objeto descritível de uma Ciência, tampouco como fenômeno

ram-na, com muita frequência, associada aos valores

especulativo. Trata-se agora da conduta esperada pela apli-

morais.

cação de regras morais no comportamento social, o que se

  • (C) Não coubessem aos juristas aproximar-se da ética, as

pode resumir como qualificação do comportamento do ho-

leis deixariam de ter a dignidade humana como baliza-

mem como ser em situação. É esse caráter normativo de

mento.

Ética que a colocará em íntima conexão com o Direito. Nesta

  • (D) Não derivam das teorias, mas das práticas humanas, o

visão, os valores morais dariam o balizamento do agir e a

efetivo valor de que se impregna a conduta dos indiví-

Ética seria assim a moral em realização, pelo reconhecimen-

duos.

to do outro como ser de direito, especialmente de dignidade.

  • (E) Convém aos filósofos e juristas, quaisquer que sejam

Como se vê, a compreensão do fenômeno Ética não mais

as circunstâncias, atentar para a observância dos valo-

surgiria metodologicamente dos resultados de uma descri-

res éticos.

 

ção ou reflexão, mas sim, objetivamente, de um agir, de um

 

comportamento consequencial, capaz de tornar possível e

41.

Está clara, correta e coerente a redação do seguinte

correta a convivência. (Adaptado do site Doutrina Jus Navi-

comentário sobre o texto:

 

gandi)

  • (A) Dentre as três acepções de Ética que se menciona no

texto, uma apenas diz respeito à uma área em que con-

35.

As diferentes acepções de Ética devem-se, conforme

flui com o Direito.

 

se depreende da leitura do texto,

  • (B) O balizamento da conduta humana é uma atividade em

  • (A) aos usos informais que o senso comum faz desse ter-

que, cada um em seu campo, se empenham o jurista e

mo.

o filósofo.

 
  • (B) às considerações sobre a etimologia dessa palavra.

  • (C) Costuma ocorrer muitas vezes não ser fácil distinguir

  • (C) aos métodos com que as ciências sociais a analisam.

Ética ou Moral, haja vista que tanto uma quanto outra

  • (D) às íntimas conexões que ela mantém com o Direito.

pretendem ajuizar à situação do homem.

  • (E) às perspectivas em que é considerada pelos acadêmi-

  • (D) Ainda que se torne por consenso um valor do compor-

cos.

tamento humano, a Ética varia conforme a perspectiva

de atribuição do mesmo.

 

36.

A concepção de ética atribuída a Adolfo Sanchez Vas-

  • (E) Os saberes humanos aplicados, do conhecimento da

quez é retomada na seguinte expressão do texto:

Ética, costumam apresentar divergências de enfoques,

  • (A) núcleo especulativo e reflexivo.

em que pese a metodologia usada.

  • (B) objeto descritível de uma Ciência.

  • (C) explicação dos fatos morais.

42.

Transpondo-se para a voz passiva a frase Nesta visão,

  • (D) parte da Filosofia.

os valores morais dariam o balizamento do agir, a for-

  • (E) comportamento consequencial.

ma verbal resultante deverá ser:

  • (A) seria dado.

 

37.

No texto, a terceira acepção da palavra ética deve ser

  • (B) teriam dado.

entendida como aquela em que se considera, sobretu-

  • (C) seriam dados.

do,

  • (D) teriam sido dados.

  • (A) o valor desejável da ação humana.

  • (E) fora dado.

  • (B) o fundamento filosófico da moral.

 
  • (C) o rigor do método de análise.

Atenção: As questões de números 43 a 48 referem-se ao

  • (D) a lucidez de quem investiga o fato moral.

texto abaixo.

  • (E) o rigoroso legado da jurisprudência.

O HOMEM MORAL E O MORALIZADOR

38.

Dá-se uma íntima conexão entre a Ética e o Direito

Depois de um bom século de psicologia e psiquiatria di-

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

nâmicas, estamos certos disto: o moralizador e o homem

  • (B) determinados antecedentes dela.

moral são figuras diferentes, se não opostas. O homem

  • (C) reconhecidos fatores que a causam.

moral se impõe padrões de conduta e tenta respeitá-los; o

  • (D) consequentes aspectos que a relativizam.

moralizador quer impor ferozmente aos outros os padrões

  • (E) valores comuns que ela propicia.

que ele não consegue respeitar.

 

A distinção entre ambos tem alguns corolários relevan-

47.

Está correta a articulação entre os tempos e os modos

tes.

verbais na frase:

 

Primeiro, o moralizador é um homem moral falido: se

  • (A) Se o moralizador vier a respeitar o padrão moral que

soubesse respeitar o padrão moral que ele impõe, ele não

ele impusera, já não podia ser considerado um hipócri-

precisaria punir suas imperfeições nos outros. Segundo, é

ta.

possível e compreensível que um homem moral tenha um

  • (B) Os moralizadores sempre haveriam de desrespeitar os

espírito missionário: ele pode agir para levar os outros a

valores morais que eles imporão aos outros.

adotar um padrão parecido com o seu. Mas a imposição

  • (C) A pior barbárie terá sido aquela em que o rigor dos

forçada de um padrão moral não é nunca o ato de um ho-

hipócritas servisse de controle dos demais cidadãos.

mem moral, é sempre o ato de um moralizador. Em geral, as

  • (D) Desde que haja a imposição forçada de um padrão

sociedades em que as normas morais ganham força de lei

moral, caracterizava-se um ato típico do moralizador.

(os Estados confessionais, por exemplo) não são regradas

  • (E) Não é justo que os hipócritas sempre venham a impor

por uma moral comum, nem pelas aspirações de poucos e

padrões morais que eles próprios não respeitam.

escolhidos homens exemplares,mas por moralizadores que

tentam remir suas próprias falhas morais pela brutalidade do

48.

Está correto o emprego de ambos os elementos subli-

controle que eles exercem sobre os outros. A pior barbárie

nhados na frase:

do mundo é isto: um mundo em que todos pagam pelos

  • (A) O moralizador está carregado de imperfeições de que

pecados de hipócritas que não se aguentam. (Contardo

ele não costuma acusar em si mesmo.

Calligaris, Folha de S. Paulo, 20/03/2008)

  • (B) Um homem moral empenha-se numa conduta cujo o

padrão moral ele não costuma impingir na dos outros.

43.

Atente para as afirmações abaixo.

  • (C) Os pecados aos quais insiste reincidir o moralizador

I.

Diferentemente do homem moral, o homem moralizador

são os mesmos em que ele acusa seus semelhantes.

não se preocupa com os padrões morais de conduta.

  • (D) Respeitar um padrão moral das ações é uma qualidade

II. Pelo fato de impor a si mesmo um rígido padrão de

da qual não abrem mão os homens a quem não se

 

conduta, o homem moral acaba por impô-lo à conduta

pode acusar de hipócritas.

alheia.

  • (E) Quando um moralizador julga os outros segundo um

III. O moralizador, hipocritamente, age como se de fato

padrão moral de cujo ele próprio não respeita, de-

 

respeitasse os padrões de conduta que ele cobra dos

monstra toda a hipocrisia em que é capaz.

outros.

Em relação ao texto, é correto o que se afirma APE-

Atenção: As questões de números 49 a 54 referem-se ao

NAS em

texto abaixo.

  • (A) I.

 
  • (B) II.

FIM DE FEIRA

  • (C) III.

Quando os feirantes já se dispõem a desarmar as barra-

  • (D) I e II.

cas, começam a chegar os que querem pagar pouco pelo

  • (E) II e III.

que restou nas bancadas, ou mesmo nada, pelo que ameaça

 

estragar. Chegam com suas sacolas cheias de esperança.

44.

No contexto do primeiro parágrafo, a afirmação de que

Alguns não perdem tempo e passam a recolher o que está

já decorreu um bom século de psicologia e psiquiatria

pelo chão: um mamãozinho amolecido, umas folhas de cou-

dinâmicas indica um fator determinante para que

ve amarelas, a metade de um abacaxi, que serviu de chama-

  • (A) concluamos que o homem moderno já não dispõe de

riz para os fregueses compradores. Há uns que se aventu-

 

rigorosos padrões morais para avaliar sua conduta.

ram até mesmo nas cercanias da barraca de pescados, onde

  • (B) consideremos cada vez mais difícil a discriminação

pode haver alguma suspeita sardinha oculta entre jornais, ou

 

entre o homem moral e o homem moralizador.

uma ponta de cação obviamente desprezada.

  • (C) reconheçamos como bastante remota a possibilidade

Há feirantes que facilitam o trabalho dessas pessoas:

 

de se caracterizar um homem moralizador.

oferecem-lhes o que, de qualquer modo, eles iriam jogar

  • (D) identifiquemos divergências profundas entre o compor-

fora.

 

tamento de um homem moral e o de um moralizador.

Mas outros parecem ciumentos do teimoso aproveita-

  • (E) divisemos as contradições internas que costumam

mento dos refugos, e chegam a recolhê-los para não os

 

ocorrer nas atitudes tomadas pelo homem moral.

verem coletados. Agem para salvaguardar não o lucro pos-

 

sível, mas o princípio mesmo do comércio. Parecem temer

45.

O autor do texto refere-se aos Estados confessionais

que a fome seja debelada sem que alguém pague por isso.

para exemplificar uma sociedade na qual

E não admitem ser acusados de egoístas: somos comercian-

  • (A) normas morais não têm qualquer peso na conduta dos

tes, não assistentes sociais, alegam.

 

cidadãos.

  • (B) hipócritas exercem rigoroso controle sobre a conduta

Finda a feira, esvaziada a rua, chega o caminhão da lim-

 

de todos.

peza e os funcionários da prefeitura varrem e lavam tudo,

  • (C) a fé religiosa é decisiva para o respeito aos valores de

entre risos e gritos. O trânsito é liberado, os carros atravan-

 

uma moral comum.

cam a rua e, não fosse o persistente cheiro de peixe, a nin-

  • (D) a situação de barbárie impede a formulação de qual-

guém ocorreria que ali houve uma feira, frequentada por tão

 

quer regra moral.

diversas espécies de seres humanos. (Joel Rubinato, inédi-

  • (E) eventuais falhas de conduta são atribuídas à fraqueza

to)

 

das leis.

46.

Na frase A distinção entre ambos tem alguns corolá-

49.

Nas frases parecem ciumentos do teimoso aproveita-

rios relevantes, o sentido da expressão sublinhada es-

mento dos refugos e não admitem ser acusados de

tá corretamente traduzido em:

egoístas, o narrador do texto

(A)

significativos desdobramentos dela.

(A)

mostra-se imparcial diante de atitudes opostas dos

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

 

feirantes.

  • (B) revela uma perspectiva crítica diante da atitude de

 

certos feirantes.

  • (C) demonstra não reconhecer qualquer proveito nesse tipo

 

de coleta.

  • (D) assume-se como um cronista a quem não cabe emitir

 

julgamentos.

  • (E) insinua sua indignação contra o lucro excessivo dos

 

feirantes.

50.

Considerando-se o contexto, traduz-se corretamente o

sentido de um segmento do texto em:

  • (A) serviu de chamariz

  • (B) alguma suspeita sardinha

i-
i-

nha.

  • (C) teimoso aproveitamento

utilização.

e-
e-
  • (D) o princípio mesmo do comércio

ração comercial.

  • (E) Agem para salvaguardar

PORTUGUÊS – (MPSP – Oficial de Promotoria I) 1-6-2011 APOSTILAS OPÇÃO A Sua Melhor Opção em
  • 51. Atente para as afirmações abaixo.

    • I. Os riscos do consumo de uma sardinha suspeita ou da ponta de um cação que foi desprezada justificam o em- prego de se aventuram, no primeiro parágrafo.

II. O emprego de alegam, no segundo parágrafo, deixa

entrever que o autor não compactua com a justificativa

dos feirantes.

III. No último parágrafo, o autor faz ver que o fim da feira

traz a superação de tudo o que determina a existência

de diversas espécies de seres humanos.

Em relação ao texto, é correto o que se afirma APE-

NAS em

  • (A) I.

  • (B) II.

  • (C) III.

  • (D) I e II.

  • (E) II e III.

    • 52. Está INCORRETA a seguinte afirmação sobre um re- curso de construção do texto: no contexto do

      • (A) primeiro parágrafo, a forma ou mesmo nada faz suben- tender a expressão verbal querem pagar.

      • (B) primeiro parágrafo, a expressão fregueses comprado- res faz subentender a existência de “fregueses” que não compram nada.

      • (C) segundo parágrafo, a expressão de qualquer modo está empregada com o sentido de de toda maneira.

      • (D) segundo parágrafo, a expressão para salvaguardar está empregada com o sentido de a fim de resguardar.

      • (E) terceiro parágrafo, a expressão não fosse tem sentido equivalente ao de mesmo não sendo.

        • 53. O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se no plural para preencher de modo correto a lacuna da frase:

          • (A) Frutas e verduras, mesmo quando desprezadas, não ......

(deixar) de as recolher quem não pode pagar pe-

las boas e bonitas.

  • (B) (dever) aos ruidosos funcionários da limpeza

......-se

pública a providência que fará esquecer que ali funcio-

(C)

nou uma feira.

Não

......

(aludir) aos feirantes mais generosos, que

oferecem as sobras de seus produtos, a observação do

autor sobre o egoísmo humano.

  • (D) ......

A pouca gente

(deixar) de sensibilizar os penosos

detalhes da coleta, a que o narrador deu ênfase em seu

(E)

texto.

Não ......

(caber) aos leitores, por força do texto, criticar

o lucro razoável de alguns feirantes, mas sim, a inacei-

tável impiedade de outros.

  • 54. A supressão da vírgula altera o sentido da seguinte

frase:

  • (A) Fica-se indignado com os feirantes, que não compre- endem a carência dos mais pobres.

  • (B) No texto, ocorre uma descrição o mais fiel possível da tradicional coleta de um fim de feira.

  • (C) A todo momento, dá-se o triste espetáculo de pobreza centralizado nessa narrativa.

  • (D) Certamente, o leitor não deixará de observar a preocu- pação do autor em distinguir os diferentes caracteres humanos.

  • (E) Em qualquer lugar onde ocorra uma feira, ocorrerá também a humilde coleta de que trata a crônica.

RESPOSTAS

  • 01. A

  • 02. B

  • 03. E

  • 04. C

  • 05. A

  • 06. E

  • 07. B

  • 08. A

  • 09. D

  • 10. B

  • 11. C

  • 12. A

  • 13. B

  • 14. E

  • 15. D

  • 16. A

  • 17. C

  • 18. D

  • 19. E

  • 20. B

A

E

B

A

E

D

A

C

B

D

  • 21. E

    • 31. B

  • 22. B

    • 32. A

  • 23. A

    • 33. C

  • 24. C

    • 34. D

  • 25. E

    • 35. B

  • 26. B

    • 36. A

  • 27. A

    • 37. E

  • 28. C

    • 38. D

  • 29. D

    • 39. B

  • 30. E

    • 40. C

41.

42.

43.

44.

45.

46.

47.

48.

49.

50.

  • 51. D

  • 52. E

  • 53. D

  • 54. A

FONÉTICA E FONOLOGIA

Em sentido mais elementar, a Fonética é o estudo dos

sons ou dos fonemas, entendendo-se por fonemas os sons

emitidos pela voz humana, os quais caracterizam a oposição

entre os vocábulos.

Ex.: em pato e bato é o som inicial das consoantes p- e b-

que opõe entre si as duas palavras. Tal som recebe a deno-

minação de FONEMA.

Quando proferimos a palavra aflito, por exemplo, emitimos

três sílabas e seis fonemas: a-fli-to. Percebemos que numa

sílaba pode haver um ou mais fonemas.

No sistema fonética do português do Brasil há, aproxima-

damente, 33 fonemas.

É importante não confundir letra com fonema. Fonema é

som, letra é o sinal gráfico que representa o som.

Vejamos alguns exemplos:

Manhã 5 letras e quatro fonemas: m / a / nh / ã

Táxi 4 letras e 5 fonemas: t / a / k / s / i

Corre letras: 5: fonemas: 4

Hora letras: 4: fonemas: 3

Aquela letras: 6: fonemas: 5

Guerra letras: 6: fonemas: 4

Fixo letras: 4: fonemas: 5

Hoje 4 letras e 3 fonemas

Canto 5 letras e 4 fonemas

Tempo 5 letras e 4 fonemas

Campo 5 letras e 4 fonemas

Chuva 5 letras e 4 fonemas

LETRA -

é

a representação gráfica, a representação

escrita, de um determinado som.

CLASSIFICAÇÃO DOS FONEMAS

VOGAIS

a, e, i, o, u

SEMIVOGAIS

Só há duas semivogais: i e u, quando se incorporam à

vogal numa mesma sílaba da palavra, formando um ditongo

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

ou tritongo. Exs.: cai-ça-ra, te-sou-ro, Pa-ra-guai.

   

lh, nh.

 

Exs.: chave, malha, ninho.

CONSOANTES

 

2) Os constituídos de letras dobradas, representados pe-

 

los grupos rr e ss.

 

b, c, d, f, g, h, j, l, m, n, p, q, r, s, t, v, x, z

Exs. : carro, pássaro.

 

3)

Os grupos gu, qu, sc, sç, xc, xs.

ENCONTROS VOCÁLICOS

 

Exs.: guerra, quilo, nascer, cresça, exceto, exsurgir.

A seqüência de duas ou três vogais em uma palavra, da-

4) As vogais nasais em que a nasalidade é indicada por

mos o nome de encontro vocálico.

 

m ou n, encerrando a sílaba em uma palavra.

Ex.: cooperativa

Exs.: pom-ba, cam-po, on-de, can-to, man-to.

Três são os encontros vocálicos: ditongo, tritongo, hiato

NOTAÇÕES LÉXICAS

São certos sinais gráficos que se juntam às letras, geral-

 

DITONGO

mente para lhes dar um valor fonético especial e permitir a

É a combinação de uma vogal + uma semivogal ou vice-

correta pronúncia das palavras.

versa.

 

Dividem-se em:

   

São os seguintes:

-

orais: pai, fui

1) o acento agudo indica vogal tônica aberta: pé, avó,

-

nasais: mãe, bem, pão

lágrimas;

-

decrescentes: (vogal + semivogal) meu, riu, dói

2) o acento circunflexo indica vogal tônica fechada:

-

crescentes: (semivogal + vogal) pátria, vácuo

avô, mês, âncora;

 

3)

o acento grave sinal indicador de crase: ir à cidade;

TRITONGO (semivogal + vogal + semivogal)

 

4)

o til indica vogal nasal: lã, ímã;

Ex.: Pa-ra-guai, U-ru-guai, Ja-ce-guai, sa-guão, quão,

5)

a cedilha dá ao c o som de ss: moça, laço, açude;

 

iguais, mínguam

6) o trema indica que o u soa: lingüeta, freqüente, tran-

 

qüilo;

HIATO

7) o apóstrofo indica supressão de vogal: mãe-d‟água,

Ê o encontro de duas vogais que se pronunciam separa-

pau-d‟alho;

damente, em duas diferentes emissões de voz.

 

o hífen une palavras, prefixos, etc.: arcos-íris, peço-lhe,

Ex.: fa-ís-ca, sa-ú-de, do-er, a-or-ta, po-di-a, ci-ú-me, po-ei-

ex-aluno.

 

ra, cru-el, ju-í-zo

 
   

ORTOGRAFIA OFICIAL

SÍLABA

Dá-se o nome de sílaba ao fonema ou grupo de fonemas

 

pronunciados numa só emissão de voz.

   

As dificuldades para a ortografia devem-se ao fato de

que há fonemas que podem ser representados por mais de

Quanto ao número de sílabas, o vocábulo classifica-se em:

uma letra, o que não é feito de modo arbitrário, mas funda-

Monossílabo - possui uma só sílaba: pá, mel, fé, sol.

mentado na história da língua.

Dissílabo - possui duas sílabas: ca-sa, me-sa, pom-bo.

Eis algumas observações úteis:

 

Trissílabo - possui três sílabas: Cam-pi-nas, ci-da-de,

a-tle-ta.

 

Polissílabo - possui mais de três sílabas: es-co-la-ri-

 

DISTINÇÃO ENTRE J E G

 

da-de, hos-pi-ta-li-da-de.

1.

Escrevem-se com J:

 
  • a) As palavras de origem árabe, africana ou ameríndia:

TONICIDADE

 

canjica. cafajeste, canjerê, pajé, etc.

Nas palavras com mais de uma sílaba, sempre existe uma

  • b) As palavras derivadas de outras que já têm j: laranjal

sílaba que se pronuncia com mais força do que as outras: é a

(laranja), enrijecer, (rijo), anjinho (anjo), granjear (gran-

sílaba tônica.

ja), etc.

Exs.: em lá-gri-ma, a sílaba tônica é lá; em ca-der-no, der;

  • c) As formas dos verbos que têm o infinitivo em JAR. des-

 

em A-ma-pá, pá.

pejar: despejei, despeje; arranjar: arranjei, arranje; viajar:

 

viajei, viajeis.

Considerando-se a posição da sílaba tônica, classificam-se

  • d) O final AJE: laje, traje, ultraje, etc.

 

as palavras em:

  • e) Algumas formas dos verbos terminados em GER e GIR,

Oxítonas - quando a tônica é a última sílaba: Pa-ra-ná,

sa-bor, do-mi-nó.

os quais mudam o G em J antes de A e O: reger: rejo, re-

ja; dirigir: dirijo, dirija.

Paroxítonas - quando a tônica é a penúltima sílaba:

 

már-tir, ca-rá-ter, a-má-vel, qua-dro.

 

2.

Escrevem-se com G:

Proparoxítonas - quando a tônica é a antepenúltima

  • a) O final dos substantivos AGEM, IGEM, UGEM: coragem, vertigem, ferrugem, etc.

 
 

sílaba: ú-mi-do, cá-li-ce, ' sô-fre-go, pês-se-go, lá-gri-

ma.

  • b) Exceções: pajem, lambujem. Os finais: ÁGIO, ÉGIO, ÓGIO e ÍGIO: estágio, egrégio, relógio refúgio, prodígio,

 

ENCONTROS CONSONANTAIS

É a sequência de dois ou mais fonemas consonânticos

num vocábulo.

etc.

  • c) Os verbos em GER e GIR: fugir, mugir, fingir.

Ex.: atleta, brado, creme, digno etc.

 

DISTINÇÃO ENTRE S E Z

 

1.

Escrevem-se com S:

DÍGRAFOS

São duas letras que representam um só fonema, sendo

uma grafia composta para um som simples.

  • a) O sufixo OSO: cremoso (creme + oso), leitoso, vaidoso, etc.

  • b) O sufixo ÊS e a forma feminina ESA, formadores dos

   

adjetivos pátrios ou que indicam profissão, título honorífi-

Há os seguintes dígrafos:

1) Os terminados em h, representados pelos grupos ch,

co, posição social, etc.: português portuguesa, campo-

nês camponesa, marquês marquesa, burguês bur-

Língua Portuguesa

  • 12 A Opção Certa Para a Sua Realização

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

guesa, montês, pedrês, princesa, etc.

  • c) O sufixo ISA. sacerdotisa, poetisa, diaconisa, etc.

  • d) Os finais ASE, ESE, ISE e OSE, na grande maioria se o vocábulo for erudito ou de aplicação científica, não have- rá dúvida, hipótese, exegese análise, trombose, etc.

  • e) As palavras nas quais o S aparece depois de ditongos: coisa, Neusa, causa.

  • f) O sufixo ISAR dos verbos referentes a substantivos cujo radical termina em S: pesquisar (pesquisa), analisar (análise), avisar (aviso), etc.

  • g) Quando for possível a correlação ND - NS: escandir: escansão; pretender: pretensão; repreender: repreensão,

 

etc.

2.

Escrevem-se em Z.

  • a) O sufixo IZAR, de origem grega, nos verbos e nas pala- vras que têm o mesmo radical. Civilizar: civilização, civili- zado; organizar: organização, organizado; realizar: reali- zação, realizado, etc.

  • b) Os sufixos EZ e EZA formadores de substantivos abstra- tos derivados de adjetivos limpidez (limpo), pobreza (po- bre), rigidez (rijo), etc.

  • c) Os derivados em -ZAL, -ZEIRO, -ZINHO e ZITO: cafe- zal, cinzeiro, chapeuzinho, cãozito, etc. DISTINÇÃO ENTRE X E CH:

    • 1. Escrevem-se com X

      • a) Os vocábulos em que o X é o precedido de ditongo: fai- xa, caixote, feixe, etc.

      • c) Maioria das palavras iniciadas por ME: mexerico, mexer, mexerica, etc.

      • d) EXCEÇÃO: recauchutar (mais seus derivados) e caucho (espécie de árvore que produz o látex).

      • e) Observação: palavras como "enchente, encharcar, en- chiqueirar, enchapelar, enchumaçar", embora se iniciem pela sílaba "en", são grafadas com "ch", porque são pa- lavras formadas por prefixação, ou seja, pelo prefixo en + o radical de palavras que tenham o ch (enchente, encher e seus derivados: prefixo en + radical de cheio; enchar- car: en + radical de charco; enchiqueirar: en + radical de chiqueiro; enchapelar: en + radical de chapéu; enchuma- çar: en + radical de chumaço).

        • 2. Escrevem-se com CH:

          • a) charque, chiste, chicória, chimarrão, ficha, cochicho, cochichar, estrebuchar, fantoche, flecha, inchar, pechin- cha, pechinchar, penacho, salsicha, broche, arrocho, apetrecho, bochecha, brecha, chuchu, cachimbo, comi- chão, chope, chute, debochar, fachada, fechar, linchar, mochila, piche, pichar, tchau.

          • b) Existem vários casos de palavras homófonas, isto é, palavras que possuem a mesma pronúncia, mas a grafia diferente. Nelas, a grafia se distingue pelo contraste entre o x e o ch. Exemplos: • brocha (pequeno prego) • broxa (pincel para caiação de paredes) • chá (planta para preparo de bebida) • xá (título do antigo soberano do Irã) • chalé (casa campestre de estilo suíço) • xale (cobertura para os ombros) • chácara (propriedade rural) • xácara (narrativa popular em versos) • cheque (ordem de pagamento) • xeque (jogada do xadrez) • cocho (vasilha para alimentar animais) • coxo (capenga, imperfeito) DISTINÇÃO ENTRE S, SS, Ç E C Observe o quadro das correlações:

Correla-

Exemplos

ções t - c ter-tenção

ato - ação; infrator - infração; Marte - marcial abster - abstenção; ater - atenção; conter - contenção, deter - detenção; reter - retenção

rg - rs rt - rs pel - puls corr - curs sent - sens ced - cess

aspergir - aspersão; imergir - imersão; submergir - submersão; inverter - inversão; divertir - diversão impelir - impulsão; expelir - expulsão; repelir - repulsão correr - curso - cursivo - discurso; excursão - incursão sentir - senso, sensível, consenso ceder - cessão - conceder - concessão; interceder - intercessão.

gred

-

exceder - excessivo (exceto exceção)

gress

agredir - agressão - agressivo; progredir - progressão - progresso - progressivo

prim press tir - ssão

-

imprimir - impressão; oprimir - opressão; reprimir - repressão. admitir - admissão; discutir - discussão, permitir - per- missão. (re)percutir - (re)percussão

PALAVRAS COM CERTAS DIFICULDADES

ONDE-AONDE

Emprega-se AONDE com os verbos que dão ideia de mo-

vimento. Equivale sempre a PARA ONDE.

AONDE você vai?

AONDE nos leva com tal rapidez?

Naturalmente, com os verbos que não dão ideia de “movi-

mento” emprega-se ONDE

ONDE estão os livros?

Não sei ONDE te encontrar.

MAU - MAL

MAU é adjetivo (seu antônimo é bom).

Escolheu um MAU momento.

Era um MAU aluno.

MAL pode ser:

  • a) advérbio de modo (antônimo de bem). Ele se comportou MAL. Seu argumento está MAL estruturado

  • b) conjunção temporal (equivale a assim que). MAL chegou, saiu

  • c) substantivo: O MAL não tem remédio, Ela foi atacada por um MAL incurável.

CESÃO/SESSÃO/SECÇÃO/SEÇÃO

CESSÃO significa o ato de ceder.

Ele fez a CESSÃO dos seus direitos autorais.

A CESSÃO do terreno para a construção do estádio agra-

dou a todos os torcedores.

SESSÃO é o intervalo de tempo que dura uma reunião:

Assistimos a uma SESSÃO de cinema.

Reuniram-se em SESSÃO extraordinária.

SECÇÃO (ou SEÇÃO) significa parte de um todo, subdivi-

são:

Lemos a noticia na SECÇÃO (ou SEÇÃO) de esportes.

Compramos os presentes na SECÇÃO (ou SEÇÃO) de

brinquedos.

HÁ / A

Na indicação de tempo, emprega-se:

HÁ para indicar tempo passado (equivale a faz):

HÁ dois meses que ele não aparece.

Ele chegou da Europa HÁ um ano.

A para indicar tempo futuro:

Daqui A dois meses ele aparecerá.

Ela voltará daqui A um ano.

FORMAS VARIANTES

Existem palavras que apresentam duas grafias. Nesse

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

caso, qualquer uma delas é considerada correta. Eis alguns

exemplos.

aluguel ou aluguer

hem? ou hein?

alpartaca, alpercata ou

imundície ou imundícia

alpargata

infarto ou enfarte

amídala ou amígdala

laje ou lajem

assobiar ou assoviar

lantejoula ou lentejoula

assobio ou assovio

nenê ou nenen

azaléa ou azaleia

nhambu, inhambu ou nambu

bêbado ou bêbedo

quatorze ou catorze

bílis ou bile

surripiar ou surrupiar

cãibra ou cãimbra

taramela ou tramela

carroçaria ou carroceria

relampejar, relampear, relampe-

chimpanzé ou chipanzé

guear ou relampar

debulhar ou desbulhar

porcentagem ou percentagem

fleugma ou fleuma

EMPREGO DE MAIÚSCULAS E MINÚSCULAS

Escrevem-se com letra inicial maiúscula:

1)

a primeira palavra de período ou citação.

Diz um provérbio árabe: "A agulha veste os outros e

vive nua."

No início dos versos que não abrem período é

facultativo o uso da letra maiúscula.

2) substantivos próprios (antropônimos, alcunhas,

topônimos, nomes sagrados, mitológicos,

astronômicos): José, Tiradentes, Brasil, Amazônia,

Campinas, Deus, Maria Santíssima, Tupã, Minerva,

Via-Láctea, Marte, Cruzeiro do Sul, etc.

O deus pagão, os deuses pagãos, a deusa Juno.

3)

nomes de épocas históricas, datas e fatos importantes,

festas religiosas: Idade Média, Renascença,

Centenário da Independência do Brasil, a Páscoa, o

Natal, o Dia das Mães, etc.

4) nomes de altos cargos e dignidades: Papa, Presidente

5)

da República, etc.

nomes de altos conceitos religiosos ou políticos: Igreja,

Nação, Estado, Pátria, União, República, etc.

6) nomes de ruas, praças, edifícios, estabelecimentos,

agremiações, órgãos públicos, etc.:

Rua do 0uvidor, Praça da Paz, Academia Brasileira de

Letras, Banco do Brasil, Teatro Municipal, Colégio

Santista, etc.

7) nomes de artes, ciências, títulos de produções

artísticas, literárias e científicas, títulos de jornais e

revistas: Medicina, Arquitetura, Os Lusíadas, 0

Guarani, Dicionário Geográfico Brasileiro, Correio da

Manhã, Manchete, etc.

8) expressões de tratamento: Vossa Excelência, Sr. Pre-

sidente, Excelentíssimo Senhor Ministro, Senhor Dire-

9)

tor, etc.

nomes dos pontos cardeais, quando designam regiões:

Os povos do Oriente, o falar do Norte.

Mas: Corri o país de norte a sul. O Sol nasce a leste.

10) nomes comuns, quando personificados ou

individuados: o Amor, o Ódio, a Morte, o Jabuti (nas

fábulas), etc.

Escrevem-se com letra inicial minúscula:

1) nomes de meses, de festas pagãs ou populares,

nomes gentílicos, nomes próprios tornados comuns:

maia, bacanais, carnaval, ingleses, ave-maria, um

2)

havana, etc.

os nomes a que se referem os itens 4 e 5 acima,

quando empregados em sentido geral:

São Pedro foi o primeiro papa. Todos amam sua pátria.

3) nomes comuns antepostos a nomes próprios

geográficos: o rio Amazonas, a baía de Guanabara, o

 

pico da Neblina, etc.

4)

palavras, depois de dois pontos, não se tratando de

citação direta:

"Qual deles: o hortelão ou o advogado?" (Machado de

Assis)

"Chegam os magos do Oriente, com suas dádivas:

ouro, incenso, mirra." (Manuel Bandeira)

USO DO HÍFEN
USO DO HÍFEN

Algumas regras do uso do hífen foram alteradas pelo no-

vo Acordo. Mas, como se trata ainda de matéria controverti-

da em muitos aspectos, para facilitar a compreensão dos

leitores, apresentamos um resumo das regras que orientam

o uso do hífen com os prefixos mais comuns, assim como as

novas orientações estabelecidas pelo Acordo.

As observações a seguir referem-se ao uso do hífen em

palavras formadas por prefixos ou por elementos que podem

funcionar como prefixos, como: aero, agro, além, ante, anti,

aquém, arqui, auto, circum, co, contra, eletro, entre, ex, ex-

tra, geo, hidro, hiper, infra, inter, intra, macro, micro, mini,

multi, neo, pan, pluri, proto, pós, pré, pró, pseudo, retro,

semi, sobre, sub, super, supra, tele, ultra, vice etc.

1.

Com prefixos, usa-se sempre o hífen diante de palavra

iniciada por h.

Exemplos:

anti-higiênico

 

anti-histórico

co-herdeiro

macro-história

 

mini-hotel

proto-história

sobre-humano

super-homem

ultra-humano

Exceção: subumano (nesse caso, a palavra humano

 

perde o h).

2.

Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal

diferente da vogal com que se inicia o segundo elemento.

 

Exemplos:

aeroespacial

agroindustrial

 

anteontem

antiaéreo

antieducativo

autoaprendizagem

 

autoescola

autoestrada

autoinstrução

 

coautor

coedição

extraescolar

infraestrutura

 

plurianual

semiaberto

semianalfabeto

 

semiesférico

semiopaco

Exceção: o prefixo co aglutina-se em geral com o se-

gundo elemento, mesmo quando este se inicia por o: coobri-

gar, coobrigação, coordenar, cooperar, cooperação, cooptar,

 

coocupante etc.

3.

Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal

e o segundo elemento começa por consoante diferente de r

 

ou s. Exemplos:

anteprojeto

antipedagógico

 

autopeça

autoproteção

 

coprodução

geopolítica

Língua Portuguesa

  • 14 A Opção Certa Para a Sua Realização

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

microcomputador

pseudoprofessor

semicírculo

semideus

seminovo

ultramoderno

Atenção: com o prefixo vice, usa-se sempre o hífen.

Exemplos: vice-rei, vice-almirante etc.

4.

Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal

e o segundo elemento começa por r ou s. Nesse caso, du-

plicam-se essas letras. Exemplos:

 

antirrábico

antirracismo

antirreligioso

antirrugas

antissocial

biorritmo

contrarregra

contrassenso

cosseno

infrassom

microssistema

 

minissaia

multissecular

neorrealismo

neossimbolista

 

semirreta

ultrarresistente.

 

ultrassom

5.

Quando o prefi xo termina por vogal, usa-se o hífen se

o segundo elemento começar pela mesma vogal.

 

Exemplos:

anti-ibérico

anti-imperialista

anti-infl acionário

anti-infl amatório

auto-observação

contra-almirante

 

contra-atacar

contra-ataque

 

micro-ondas

micro-ônibus

semi-internato

 

semi-interno

6.

Quando o prefixo termina por consoante, usa-se o hí-

fen se o segundo elemento começar pela mesma consoante.

 

Exemplos:

hiper-requintado

 

inter-racial

inter-regional

sub-bibliotecário

 

super-racista

super-reacionário

super-resistente

super-romântico

 

Atenção:

Nos demais casos não se usa o hífen.

Exemplos: hipermercado, intermunicipal, superinte-

ressante, superproteção.

Com o prefixo sub, usa-se o hífen também diante de

palavra iniciada por r: sub-região, sub-raça etc.

Com os prefixos circum e pan, usa-se o hífen diante

de palavra iniciada por m, n e vogal: circum-

navegação, pan-americano etc.

7.

Quando o prefixo termina por consoante, não se usa o

hífen se o segundo elemento começar por vogal. Exemplos:

hiperacidez

 

hiperativo

interescolar

interestadual

interestelar

interestudantil

 

superamigo

superaquecimento

supereconômico

superexigente

superinteressante

superotimismo

8.

Com os prefixos ex, sem, além, aquém, recém, pós,

pré, pró, usa-se sempre o hífen. Exemplos:

 

além-mar

além-túmulo

aquém-mar

ex-aluno

ex-diretor

ex-hospedeiro

 

ex-prefeito

ex-presidente

pós-graduação

 

pré-história

pré-vestibular

 

pró-europeu

recém-casado

recém-nascido

 

sem-terra

9.

Deve-se usar o hífen com os sufixos de origem tupi-

guarani: açu, guaçu e mirim. Exemplos: amoré-guaçu, anajá-

mirim, capim-açu.

10.

Deve-se usar o hífen para ligar duas ou mais pala-

vras que ocasionalmente se combinam, formando não pro-

priamente vocábulos, mas encadeamentos vocabulares.

Exemplos: ponte Rio-Niterói, eixo Rio-São Paulo.

 

11.

Não se deve

usar o hífen

em certas

palavras que

perderam a noção de composição. Exemplos:

girassol

 

madressilva

mandachuva

paraquedas

paraquedista

pontapé

12.

Para clareza gráfica, se no final da linha a partição de

uma palavra ou combinação de palavras coincidir com o

hífen, ele deve ser repetido na linha seguinte. Exemplos:

Na cidade, conta-se que ele foi viajar.

O diretor recebeu os ex-alunos.

ACENTUAÇÃO GRÁFICA

ORTOGRAFIA OFICIAL

O Novo Acordo Ortográfico visa simplificar as regras

ortográficas da Língua Portuguesa e aumentar o prestígio

social da língua no cenário internacional. Sua implementa-

ção no Brasil segue os seguintes parâmetros: 2009 vigên-

cia ainda não obrigatória, 2010 a 2012 adaptação completa

dos livros didáticos às novas regras; e a partir de 2013

vigência obrigatória em todo o território nacional. Cabe lem-

brar que esse “Novo Acordo Ortográfico” já se encontrava

assinado desde 1990 por oito países que falam a língua

portuguesa, inclusive pelo Brasil, mas só agora é que teve

sua implementação.

PORTUGUÊS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPÇÃO

A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos

Chá

Mês

nós

Gás

Sapé

cipó

Dará

Café

avós

Pará

Vocês

compôs

vatapá

pontapés

Aliás

português

robô

dá-lo

vê-lo

avó

recuperá-los

Conhecê-los

pô-los

guardá-la

compô-los

réis (moeda)

Véu

dói

méis

céu

mói

pastéis

Chapéus

anzóis

ninguém

parabéns

Jerusalém

saprendê-la”. Então, cabe aqui uma dica: quando se tiver

deixar de usar o trema em seu nome, pois é de origem ale-

crita é que, depois de internalizada uma regra, é difícil “de-

acento as oxítonas terminadas em ditongos abertos, como

vai permanecer em nomes próprios e seus derivados, de

ou, na melhor das hipóteses, use um sinônimo para referir-

estabelecido de hoje em diante a Ortografia Oficial do Portu-

entre o Português falado nos diversos países lusófonos

Quem digita muito textos científicos no computador sabe o

origem estrangeira. Por exemplo, Gisele Bündchen não vai

quanto dava trabalho escrever linguística, frequência. Ele só

quando seguidas de “LO(s)” ou “LA(s)”. Também recebem

aspecto superficial da escrita da língua, e que as diferenças

subsistirão em questões referentes à pronúncia, vocabulário

uma dúvida sobre a escrita de alguma palavra, o ideal é

“O”, seguidas ou não de “S”, inclusive as formas verbais

e gramática. Uma língua muda em função de seus falantes e

muito tempo as letras “k”, “w” e “y” faziam parte do nosso

consultar o Novo Acordo (tenha um sempre em fácil acesso)

sua ortografia. Vale lembrar que a ortografia é apenas um

uma maneira descomplicada, apontando como é que fica

unidades de medidas, nomes próprios e palavras importadas

língua, já que uma língua não existe apenas em função de

idioma, isto não é nenhuma novidade. Elas já apareciam em

A queixa de muitos estudantes e usuários da língua es-

A influência do inglês no nosso idioma agora é oficial. Há

Mostraremos nessa série de artigos o Novo Acordo de

É equívoco afirmar que este acordo visa uniformizar a

1. Acentuam-se as oxítonas terminadas em “A”, “E”,

Não se usa mais o trema em palavras do português.

Show, Shakespeare, Byron, Newton, dentre outros.

QUANTO À POSIÇÃO DA SÍLABA TÔNICA

do tempo, não por meio de Leis ou Acordos.

“ÉI”, “ÉU”, “ÓI”, seguidos ou não de “S”

mã. (neste caso, o “ü” lê-se “i”)

do idioma inglês, como:

guês falado no Brasil.

km quilômetro,

kg quilograma

se a tal palavra.

Resumindo:

Alfabeto

Trema

Ex.

“baú”, “aí”, “Esaú” e “atraí-lo” são acentuadas porque as

forte por natureza, tornando naturalmente a sílaba “tônica”,

guesa. Ele só vai permanecer em nomes próprios e seus

não ser que seja um caso de hiato. Por exemplo: as palavras

“m”, “r” e “l” respectivamente. Essas consoantes já soam

e o “i” tônicos de “ruim”, “cair” e “Raul” formam sílabas com

derivados, de origem estrangeira, como Bündchen, Müller,

“ca-ir”, “Ra-ul”, se todos são “i” e “u” tônicas, portanto hiatos?

  • 2. Acentuamos as palavras paroxítonas quando termina-

Também acentuamos as paroxítonas terminadas em di-

QUANTO À CLASSIFICAÇÃO DOS ENCONTROS VO-

Não se usa mais o trema em palavras da língua portu-

Só não acentuamos oxítonas terminadas em “I” ou “U”, a

Nas formas verbais, cuja finalidade é determinar se a 3ª

Por que não acentuamos “ba-i-nha”, “fei-u-ra”, “ru-im”,

Porque o “i” tônico de “bainha” vem seguido de NH. O “u”

Ex. México, música, mágico, lâmpada, pálido, pálido,

Névoa, infância, tênue, calvície, série, polícia, residência,

Ex. Ju-í-zo, Lu-ís, ca-fe-í-na, ra-í-zes, sa-í-da, e-go-ís-ta.

  • 4. Acentuamos as vogais “I” e “U” dos hiatos, quando:

sândalo, crisântemo, público, pároco, proparoxítona.

semivogais “i” e “u” estão tônicas nestas palavras.

L afável, fácil, cônsul, desejável, ágil, incrível.

O acento diferencial permanece nas palavras: