Você está na página 1de 16

A ética da pesquisa e a perspectiva da cartografia: algumas considerações

The ethics of research and the carthografic perspective: some considerations


La ética de la pesquisa y la perspectiva de la cartografía: algunas consideraciones

Silvia Helena Tedesco


Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil.
_____________________________________________________________________________
Resumo
A partir da conversação entre o campo da experiência e a perspectiva cartográfica, o artigo
interroga a concepção transcendente e fixa da ética na pesquisa. Tendo em vista a afirmação da
processualidade e do pluralismo próprio à subjetividade, pretende-se ressaltar a importância de
uma orientação ética aberta e sintonizada com a singularidade dos acontecimentos envolvendo
sujeitos humanos. Nesse sentido, serão priorizadas duas diretrizes de análise indicadas pela
perspectiva cartográfica, a saber: a pesquisa “com”, em lugar da investigação “sobre”, e a
compreensão da pesquisa como intervenção. A proposta de produção de novos conhecimentos e
práticas geradas na experiência compartilhada, orientada para a invenção de novos modos de
existência, permite pensar outro sentido ético que, avesso a prescrições rígidas e generalizantes,
atuaria como guia face aos impasses cotidianos do campo de pesquisa em saúde mental.
Palavras-chave: Ética da Pesquisa; Perspectiva Cartográfica; Subjetividade; Saúde Mental.

Abstract
From the conversations between the field of experience and the cartographic experience, the
article questions the transcendent and fixed concept of research ethics. Having in view the
affirmation from the processuality and the pluralism belonging to subjectivity, we intend to
highlight the need for an open ethical guidance, in tune with the singularity of events involving
human subjects. In this sense, and defined by the cartographic perspective, two analysis
guidelines shall be prioritized, namely: the research “with”, in lieu of the investigation “on”, and
the understanding of research as an intervention. The proposal for the generation of new
knowledge and new practices from the shared experience, oriented towards the invention of new
ways of existence, allows us to consider another ethical sense, which, averse to the strict and
generalizing regulations, would act as a guide in the face of everyday dilemmas in field of
mental health research.
Keywords: Ethics of Research; Cartographic Perspective; Subjectivity; Mental Health.

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): ): 32 – 47 | 32


Tedesco, S.
___________________________________________________________________________

Resumen
A partir de la conversación entre el campo de la experiencia yla perspectiva cartográfica, el
artículo cuestiona la concepción trascendente y fija de la ética en la pesquisa. En vista de la
afirmación de la procesualidad y del pluralismo propio a la subjetividad, se pretende resaltar la
importancia de una orientación ética abierta y sintonizada con la singularidad de los
acontecimientos involucrando sujetos humanos. En ese sentido, serán priorizadas dos directrices
de análisis indicadas por la perspectiva cartográfica, a saber: la pesquisa “con”, en el lugar de la
investigación “acerca de”, y la compresión de la pesquisa como intervención. La propuesta de
producción de nuevos conocimientos y prácticas generadas en la experiencia compartida,
orientada para la invención de nuevos modos de existencia, permite pensar otro sentido ético
que, avieso a prescripciones rígidas y generalizantes, actuaría como guía delante de las
dificultades cotidianas del campo de pesquisa en salud mental.
Palabras clave: Ética de la Pesquisa; Perspectiva Cartográfica; Subjetividad; Salud Mental.
___________________________________________________________________________
Primeiramente, cabe esclarecer a desvios, mudanças no projeto, a serem
questão que este trabalho vem propor à área realizadas ao longo de todo desenvolvimento
da pesquisa. Ela surge a partir da perspectiva da investigação. Visamos construir argumen-
cartográfica e se dirige à ética das tação contra o estabelecimento de orientações
investigações envolvendo sujeitos humanos. éticas estanques, pré-fixadas, que engessam a
Trataremos de questões ético-metodológicas experiência gerada no campo da pesquisa.
que tenham sido geradas no campo de Nosso encaminhamento fica mais claro
investigação e que se impõem ao pensamento, quando constatamos que, hoje em dia no
nos forçando a construir uma atitude crítica Brasil, quando falamos de ética na pesquisa,
face a impasses que nos são impostos pelo dia somos remetidos, a princípio, à autorização
a dia de nossa prática como pesquisadores. formal que precisamos receber dos comitês de
Evidencia-se assim a relação indis- avaliação, denominados CEP (Comitê de
pensável entre o pensamento e o plano Ética de Pesquisa), espalhados pelas
concreto de nossa experiência num processo universidades brasileiras. Baseados num
de afetação recíproca, de transversalidade código de ética composto de preceitos gerais,
entre os dois planos. Pretendemos mostrar os comitês avaliam quais pesquisas merecem
como os planos, teórico e empírico, da ser realizadas. O objetivo deste trabalho é
pesquisa estabelecem entre si uma conver- ampliar a discussão para além dessa
sação, um processo de contágio ininterrupto concepção de ética apoiada em um código
entre ideias e gestos técnicos que exigem fixo que vem sendo afirmado como critério

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): 32 – 47 | 33


Tedesco, S.
___________________________________________________________________________

suficiente para oferecer aprovação, fun- invariantes.


cionando como crivo seletivo dos estudos Ora, se a subjetividade é entendida
direcionados à subjetividade. como processualidade, que se efetiva na
O código de ética de pesquisa brasileiro, composição entre processo de subjetivação e
inicialmente explicitado na resolução CNS de desubjetivação1, é esperado que as
196/96 e posteriormente, na resolução 466/12, orientações éticas dirigidas a ela possam
é resultado do arranjo entre diferentes códigos acompanhar suas transformações. Assim
já instituídos como: declaração dos direitos do sendo, a direção ética também precisa
homem, Organização Mundial de Saúde, comportar historicidade, pressupor
Conselho Nacional de Saúde, Acordo movimento de variação. Dito isso, somos
Internacional sobre Direitos Civis e Políticos obrigados a observar que o código de ética,
(ONU, 1966/1992), código civil, código penal uma vez constituído como conjunto de
entre muitos outros. preceitos invariantes, desconsidera a
Percebemos que o código de ética, subjetividade.
embora resultante de códigos reguladores do A concepção ética de pesquisa que nos
respeito aos indivíduos (autonomia, justiça, interessa deveria lidar com as modulações
vulnerabilidade, entre outros), constrói-se próprias à subjetividade. Porém, vale lembrar
como um conjunto de normas fixas que que, se não nos serve o modelo fixo de ética,
prescrevem modos específicos de agir. Como também não podemos recair na postura
preceitos estabelecidos a priori e, portanto, dicotomizante que pensa uma ética
transcendentes a qualquer prática de pesquisa circunscrita ao simples movimento. Segundo
e seu contexto histórico-político, eles não G. Simondon (1989), seria um equívoco
levam em conta o caráter processual, apoiar a dicotomia entre ética pura, que
inventivo, seja do estudo, seja da subje- trataria do ser atemporal, com estatuto de
tividade. substância individualizada, e a ética prática ou
Nosso interesse aqui não é analisar o aplicada que afirmaria, exclusivamente, a
conteúdo de cada norma estabelecida no velocidade das variações. Enquanto a ética
código, ou seja, não vamos nos ater ao que diz pura volta-se à essência do ser, sua
o código, mas interrogar a existência mesma invariância, a aplicada estaria dirigida à
de um código regulador. Ou seja, no lugar de dimensão secundária do ser e trabalharia as
avaliar a adequação das recomendações, transformações, as mudanças inerentes às
ampliaremos a discussão para desenvolver corrupções da vida (paixões, vícios, servidão).
argumentação crítica dirigida à afirmação de Tal oposição não nos auxilia, pois revela
um conjunto pré-estabelecido de normas serem, as duas concepções, complementares e

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): 32 – 47 | 34


Tedesco, S.
___________________________________________________________________________

presas a uma mesma lógica, a da verdade mancham o instituído, criando condições para
invariante. fazer manter ininterrupto o processo de
Vale pensar uma orientação ética instituição. No caso da subjetividade, fala-
capaz de realizar composições entre fluidez e mos da intensificação das forças de
conservação, isto é, hábil para mesclar desubjetivação, que desestabilizam a forma
instabilidade e estabilidade. Enfim, uma sujeito estabelecida temporariamente, ou seja,
direção ética que tome o ser como série põe em questão o conjunto de modos de
sucessiva de estados de equilíbrio metaestável existência em jogo no momento, com vistas à
(Simondon, 1989). Queremos dizer que possibilidade de construção de outras formas
respeitar a natureza variável da subjetividade de subjetividade que, do mesmo modo, serão
é, pois, incitar seu movimento, é alimentar a acompanhadas e administradas pela pesquisa.
continuidade do processo. Temos aí não uma Trata-se de fazer perseverar o movimento
prescrição rígida, mas uma diretriz mais inerente às instituições e à subjetivação2.
ampla, uma vez que deixamos para traz o solo Gostaríamos, nesse momento, de
de normas fixas para afirmação de uma continuar a análise desta questão na
orientação mais aberta que contempla a conversação com nosso projeto de pesquisa
dimensão de indeterminação da subjetividade, cujo objetivo é investigar práticas de saúde
isto é, sua potência inventiva, produtora de mental que inspirem construção de novas
modos de existência singulares. Sabemos bem políticas de saúde mental, na perspectiva da
que a preservação do processo de reforma psiquiátrica, no contexto do sistema
singularização, de variação, pressupõe levar de justiça criminal3.
em conta as circunstâncias locais, modulando- Reconhecemos aí a iniciativa de
se segundo os jogos de força, só definidos na ampliar o âmbito da reforma psiquiátrica. O
particularidade de cada momento dado caráter tardio da inclusão dos indivíduos com
(Tedesco & Rodrigues, 2012). transtorno mental em conflito com a lei, no
E ainda cabe lembrar que a movimento da reforma, aponta para o jogo de
orientação ética não diz respeito apenas aos forças conservador, ainda hegemônico em
efeitos dos procedimentos técnicos utilizados nossa sociedade, que desqualifica esses
durante a aplicação da metodologia de indivíduos, desapropriando-os do direito de
pesquisa, mas diz também dos efeitos receber tratamento adequado4.
almejados pelos objetivos de cada inves- Constata-se, portanto, que no Brasil,
tigação. Eis a orientação ética que deveria grande parte dos serviços ligados à oferta de
orientar nossas pesquisas: detectar e incitar as saúde mental ao sistema de justiça criminal é
forças instituintes, que interrogam e des- marcada pela lógica asilar, além de

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): 32 – 47 | 35


Tedesco, S.
___________________________________________________________________________

excessivamente medicamentosa, tutelar e idêntica a si mesma, pois seu movimento só


criminalizante, e que, sobretudo objetiva a pode ser apreendido caso ela seja considerada
imposição de um modelo absoluto de saúde, como uma rede complexa de existência, como
tendo por efeito principal a normalização, ou território existencial que se constitui a partir
seja, a uniformização de todos. do atravessamento dos mais diversos vetores
Nossa proposta é tentar reagir a tal (econômicos, sociais, tecnológicos, midiá-
tendência e produzir desvios nessa lógica ticos, relativos aos saberes, entre outros)
majoritária, apoiada na normalização. Refletir (Guattary & Rolnik, 2000). A cartografia visa
políticas de saúde públicas que se afastem das acompanhar as realidades subjetivas em seus
formas instituídas de controle, exercidas momentos de transformação para intervir,
através da homogeneização da subjetividade. fomentando o dinamismo que é próprio às
O objetivo será, então, detectar, acompanhar redes de relações que as compõem. “Eis,
para potencializar e difundir ações de cuidado então, o sentido da cartografia: acom-
com a saúde mental que, no lugar de impor panhamento de percursos, implicação em
normas prescritivas de saúde, construam processos de produção, conexão de redes”
condições de flexibilização dos critérios de (Passos et. al , 2009, p. 10). Ou ainda é
saúde mental de maneira a sustentar a importante frisar que:
possibilidade de escolha de modos de
existência singulares (Rodrigues & Tedesco, Restrita à dimensão das formas, as
metodologias tradicionais de pesquisa não
2009).
conseguem apreender a marca mais
A partir desse momento, nossa análise
genuína da realidade, seu processo con-
elege duas diretrizes importantes segundo a tínuo de individuação, ou se preferirmos,
cartografia: na primeira delas afirmamos que seu processo de criação. O desafio da

pesquisar é sempre pesquisar com e não cartografia é justamente a investigação de


formas, porém, indissociáveis de sua
pesquisar sobre, e na segunda sublinhamos
dimensão processual (Escóssia & Tedesco,
que toda pesquisa realiza-se como intervenção
2009, p.99).
(Passos; Kastrup; Escóssia, 2009). Estes são
aspectos relevantes da cartografia que, ao Pesquisar com e não pesquisar sobre
contrário de focalizar objetos estáticos, volta-
se para a dimensão processual. Para avançar Segundo o olhar da cartografia, o que
nessa direção, seria um equívoco tomar a está em jogo na pesquisa é sua potência de
subjetividade como forma fixa e no invenção de mundos, sua competência em
isolamento de uma interioridade sempre propor novas realidades. Trata-se de geri-la

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): 32 – 47 | 36


Tedesco, S.
___________________________________________________________________________

como um processo de criação de outros entre os participantes da rede de atenção à


modos de subjetivação, de novas modalidades saúde mental.
de instituição. De acordo com essa sugestão, O manejo cartográfico da entrevista
alicerçada no ineditismo do processo, nem os não condiciona a validade da pesquisa ao
sujeitos da pesquisa e nem o pesquisador distanciamento neutro do pesquisador em
conhecem, desde o início, a trajetória relação aos sujeitos. Diferentemente, empe-
completa do projeto de pesquisa. O traçado da nha-se em construir e alimentar a experiência
pesquisa é construído no próprio caminhar compartilhada entre pesquisador e sujeitos.
(Kastrup, Passos, Tedesco, 2013). Conse- Seja individual ou coletiva, a entrevista
quentemente, os rumos do estudo são não visa a simples compilação de dados,
redesenhados localmente, vão sendo definidos embora não desconheça que a obtenção de
ao longo de todo o processo a partir do novas informações esteja em jogo. Difere
encontro do pesquisador com o campo da principalmente a modalidade de informações
pesquisa, em especial para nós, com os que quer acessar. Mais do que a pura
sujeitos da pesquisa. descrição de fatos, o entrevistador cuida,
A indicação da perspectiva carto- intervém, na direção da ativação da dimensão
gráfica é estabelecer a cogestão da pesquisa, a dos afetos, definida como um plano de forças
experiência compartilhada que se efetua na que atravessam os participantes. Neste plano,
parceria entre pesquisador e sujeitos da conhecido como plano de produção,
pesquisa (Bourrassa & Boudjaoui, 2012). subsistem as condições de emergência da
Como nos lembra G. Monceau (2005), de parceria de trabalho a ser estabelecida5.
simples variáveis a serem observadas, os Entendida como uma conversação, ela exige
sujeitos passam a funcionar como atores, construção cuidadosa, cujos procedimentos
como colaboradores, ganhando o direito de valorizam o manejo dos jogos de força
interferir sobre os encaminhamentos da presente na direção de um acolhimento
investigação. transversal. Isto é, a verticalidade, posição
Para tal, utilizamos em nossos projetos hierárquica de comando, frequentemente
atuais, entrevistas como dispositivo metodo- estabelecida entre pesquisador e pesquisado,
lógico importante (Tedesco, Saad & Caliman, dá lugar a relações de transversalidade que
2013). O projeto aqui considerado irá privi- quebram as hierarquias transformando a
legiar a realização de entrevistas individuais e entrevista em um diálogo, no qual quaisquer
em grupo com profissionais de diferentes dos participantes pode assumir, em certo
postos, com usuários dos serviços e seus momento, uma atitude ativa, normalmente
familiares, com foco na dinâmica das relações delegada exclusivamente ao pesquisador. Em

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): 32 – 47 | 37


Tedesco, S.
___________________________________________________________________________

vez de posicionar-se de forma diretiva ou não comum, entendendo que é a partir dela que
diretiva, o entrevistador visa construir a novos conhecimentos são construídos.
experiência da partilha de algo em comum. O Desse modo, traz à cena, protagonismo
comum, a que nos referimos aqui, não diz dos sujeitos e, em especial, foca nesses efeitos
respeito a pontos de vista harmônicos, à o encaminhamento metodológico do estudo.
concordância plena ou ao oferecimento de Um desdobramento importante desse prota-
respostas que atendam clareza e a gonismo dos sujeitos é o que Latour (2000)
objetividade. Partilhar significa a existência denomina recalcitrância ou resistência do
de interesse comum pelo diálogo e, objeto de estudo, entendido como a aptidão
principalmente, pela pesquisa que está sendo do objeto, no nosso caso o sujeito, de
proposta. contradizer o que é suposto pelo pesquisador,
A entrevista, portanto, depende de um de contestar o que acreditamos e dizemos
manejo especial, apoiado no respeito e sobre ele. A recalcitrância é benvinda porque
valorização mútua. Não cuidar da construção atua gerando tensões, novas forças no campo
do plano comum é arriscar-se a obter que interrogam a pesquisa, que põem em
respostas evasivas ou mesmo falsas, compro- análise e desestabilizam o ponto de vista do
metendo toda a investigação. O entrevistado pesquisador, exigindo deste a reformulação
precisa sentir-se confortável, valorizado nas dos rumos do projeto inicial.
suas contribuições ao estudo. E, ao mesmo Sobre a recalcitrância dos sujeitos,
tempo, espera-se do entrevistador escuta encontramos um exemplo de desarranjo entre
sensível a todas as dimensões do que está a orientação ética da pesquisa cartográfica e a
sendo dito. Por exemplo, em certo momento, exigência de obediência a um código. Na
a fala do entrevistado pode abrir brechas, nas prática da rede de pesquisadores, que vem se
quais emergem outras direções para a dedicando à discussão e elaboração das pistas
conversa-entrevista. Ou seja, uma resposta ou do método cartográfico, observou-se que,
um comentário, uma expressão verbal ou muitas vezes, o manejo da recalcitrância do
corporal, põe outras forças em cena, e o sujeito pode entrar em choque com preceitos
entrevistador precisa estar apto a acolher, do código de ética. Como relatam Sade,
detectar e seguir a nova rota proposta, sem, no Ferraz e Rocha (2013) em muitas ocasiões foi
entanto, perder de vista o problema, ou seja, o notada a resistência, de muitos sujeitos, de
campo problemático no qual estão ambos assinar o contrato no primeiro encontro.
instalados. Ou seja, a entrevista na Denominado Termo de Consentimento Livre
perspectiva cartográfica explora a experiência e Esclarecido, o TCLE, segundo o código de
ética, deve ser assinado pelos sujeitos antes

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): 32 – 47 | 38


Tedesco, S.
___________________________________________________________________________

do início da pesquisa. Contudo, em vez de deixar-se afetar e estar preparado para abrir
tomar a recalcitrância como um obstáculo, mão de nosso ponto de vista de pesquisador,
eliminando os sujeitos recalcitrantes da daquele que detém o conhecimento. O
pesquisa, a decisão do grupo de pesquisa tem pesquisador implicado permite ser afetado
6
sido de utilizá-la como um analisador . Logo pelo que acontece no campo empírico e
somos levados a reconhecer que as relações possui disponibilidade para abandonar suas
de cooperação na pesquisa não estão dadas, premissas para assim experimentar a abertura
elas demandam muita atenção e precisam ser a outras perspectivas que ali circulam. Não se
cuidadosamente construídas com nossos trata, porém, de substituir um ponto de vista,
sujeitos. A norma fechada do código de ética, o do pesquisador, por outro defendido pelos
de entrar no campo da pesquisa somente com sujeitos-protagonistas, mas deixar-se habitar
a permissão formal dos sujeitos, tem sido pelo perspectivismo, pela multiplicação de
reformulada a partir da composição entre a modos de pensar e agir, para assim deixar a
experiência de impasse vivida no campo de diversidade atuar na busca por outros pontos
pesquisa e a diretriz que aponta para a relação de vista ainda não firmados.
de cooperação com os sujeitos. O contrato Diferentemente de uma atitude de
(TCLE) foi substituído por um processo combate ou de tolerância com o que diverge,
contínuo de contratação, realizado ao longo a circularidade das falas fomentada na
dos encontros da pesquisa. Substitui-se assim entrevista em grupo, opera não só a ampliação
a assinatura formal do contrato pela dos pontos de vista, mas principalmente,
contratação, trabalhando-a como movimento estabelece condições para que o processo de
gradual e contínuo de construção de parcerias afetação recíproca aconteça entre eles. É bem
(Sade et Al. , 2013). através desse contágio que estimulamos a
Ou seja, segundo a perspectiva carto- composição disjuntiva, a síntese heteróclita
gráfica, no manejo da experiência compar- que nos encaminha para a invenção de novos
tilhada, emerge a relação de parceria, um pontos de vista. É no atrito, no rugoso do em-
plano comum de forças a recalcitrância do bate entre diferentes posicionamentos que
sujeito age não só no redirecionamento do emerge o inédito, o novo. Não seria justa-
projeto inicial, mas se expõe claramente como mente o inédito a evidência de que estamos
relevante tema da ética, do respeito e efetivamente produzindo conhecimento?
valorização dos participantes na construção de
um trabalho coletivo.
Para tal cabe ouvir nossos sujeitos,
desenvolver relações de parceria para melhor

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): 32 – 47 | 39


Tedesco, S.
___________________________________________________________________________

Pesquisar é intervir sobre a realidade de ver assim como nosso discurso sobre o
mundo são práticas histórico-politicas produ-
Como segunda diretriz afirmamos que: toras de realidade. É no mesmo movimento
toda pesquisa é uma prática de intervenção. que nós conhecemos e mudamos o mundo.
Isto significa dizer que toda pesquisa realiza Todo saber possui sua dimensão política,
ações, modifica fatos, imprime outras sendo preciso estar alerta para os efeitos que
direções ao mundo. Neste caso, parece-nos produz.
ser sempre necessário interrogar a direção Uma questão, portanto, parece se impor:
dessas ações, a amplitude e orientação dos se pesquisar é intervir sobre a realidade,
efeitos pragmáticos que o saber/fazer provo- incluídos aí os determinantes dos processos
ca. de subjetivação, é possível dizer que a
Cabe lembrar que esta questão não teria pesquisa dispara um gesto que poderemos
lugar ou sentido, caso estivéssemos trabalhan- qualificar de clínico. Portanto, parece ser
do exclusivamente com a concepção mais prioritário problematizar a orientação ético-
tradicional do saber. A pesquisa, na clínica de nossas pesquisas.
perspectiva positivista é definida pela busca Tomando os estudos e os conceitos da
da universalidade e da neutralidade, acre- análise institucional, com forte sintonia com a
ditando-se capaz de manter-se distanciada da perspectiva cartográfica, distinguimos duas
realidade que estuda. orientações políticas, duas tendências da
No entanto, em nossa proposta o quadro pesquisa. De um lado, a pesquisa da esta-
é diferente. Se admitirmos, com os estudos da bilidade, que prioriza a colocação em cena da
filosofia pragmática de J. L. Austin (1990), pura repetição e assim intervém na direção da
que dizer é fazer, nós podemos afirmar que preservação do instituído, oferecendo à
todo discurso sobre o mundo, incluído aquele subjetivação apenas a opção da submissão à
que sustenta a pesquisa, está envolvido norma, à ordem instituída. Por outro lado, a
necessariamente na construção da realidade. pesquisa, apoiada na ética, que ativa as forças
Segundo G. Monceau, (1996) o próprio ao instituintes provocadoras da desestabilização
processo de conhecimento, ao ser elaborado, do instituído. A partir da parceria com M.
comporta necessariamente mudanças no Foucault e com os autores da Análise
mundo. Institucional, afirmamos que a orientação

M. Foucault (1994), forte defensor do ética da pesquisa pode ser validada por sua

pensamento pragmático, nos lembra de que competência em intervir na promoção de

não existe saber livre ou neutro – nosso modo desvios nos acontecimentos do mundo, de

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): 32 – 47 | 40


Tedesco, S.
___________________________________________________________________________

afastá-los de sua rota regular para multiplicar entendida como sinônimo de uniformidade,
os encaminhamentos, as soluções possíveis, regularidade, identidade. Nessa direção, as
suscitando a emergência de outras realidades, singularidades, compreendidas como modos
de outras modalidades de subjetivação de existência desviantes dos padrões vigentes,
(Kastrup et al, 2013). A postura ética do são entendidas como anomalias, e assim,
pesquisador passa a ser entendida como a desqualificadas e classificadas como o grande
atitude crítica destinada à problematização perigo em relação ao qual seria preciso agir,
ininterrupta da orientação do poder de tendo como direção a recuperação da ordem
intervenção da pesquisa. Tomo minha prática perdida através da correção. Trata-se da
de pesquisa atual como objeto desta análise subordinação forçada a modelos muito gerais
ético-crítica. de saúde.
Como dissemos anteriormente, a meta As ciências humanas e da saúde -
do projeto do qual tratamos nesse artigo é psicologia, direito, psiquiatria e profissionais
pesquisar estratégias de atenção à saúde da saúde em geral - agem como técnicas
mental que viabilizem o redirecionamento do auxiliares no exercício da submissão de todos
tratamento para ações substitutivas à hospi- a um único padrão de saúde. Estas ciências,
talização e que ao mesmo tempo privilegiem a ao proporem modelos universais, priorizam a
produção de modos múltiplos de existência, redução da diferença, do irregular e
respeitando as singularidades de cada caso. imprevisível, tão frequente nas condutas dos
No entanto, tais objetivos entram em indivíduos acometidos de transtorno mental.
choque com tendências reativas do nosso Nas distintas categorias, criadas para a
contemporâneo. Para melhor entender como organização do saber sobre os transtornos
esse confronto se instala, vale nos determos mentais, são sublinhadas as condutas
sobre nosso objetivo e seus riscos, uma vez anômalas a serem tratadas, as modalidades de
que a desospitalização pode não coincidir vida que precisam passar por práticas de
com o entendimento de saúde mental como reabilitação. Na verdade, esses saberes
promoção de múltiplos modos de existência. servem para fornecer normas mandatórias

As análises de M. Foucault, sobre as sobre aquilo que devemos ou não devemos

relações entre poder e controle, ressaltam que fazer para que escapemos ao enquadramento

estas se exercem pela imposição de modos de dentro das categorias de transtorno mental. As

existência padronizados aos indivíduos e às normas funcionam como prescrições imperio-

populações. Pois, o exercício do poder dirige- sas que, ao não serem cumpridas, justificam

se, necessariamente, à promoção da ordem, processos de exclusão, tratamentos para


correção e recuperação do estado de norma-

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): 32 – 47 | 41


Tedesco, S.
___________________________________________________________________________

lidade que havia sido perdido (Foucault, ações dedicadas à promoção de singula-
1978). ridades, à ativação de múltiplas formas de
As instituições fechadas, prisões e vida. A lógica da normalização também pode
hospitais psiquiátricos foram e ainda permear o funcionamento dos serviços de
continuam sendo muito úteis ao exercício da atenção à saúde mental em meio aberto. Isto
uniformização, atualizando, no espaço da porque o exercício de poder, sempre
reclusão, as normas geradas na interface entre ordenador, igualmente se distribui pelos
saberes e poderes. O autor nos adverte que espaços das cidades, invade locais inusitados,
nos muros fechados da escola, da prisão e dos os quais eram considerados a salvo do
hospitais psiquiátricos, a tutela do espaço controle disciplinar (Foucault, 1995).
disponível, a gestão segmentadora do tempo e Lidamos ainda com o mesmo exercício do
ainda outras operações disciplinares dirigidas poder que visa à submissão de todos a um
a cada indivíduo, adestram corpos e aptidões, único padrão, mas, agora, não mais efetivado
enquadrando-os sob um mesmo modelo pela via da disciplina institucional, exercida
invariante, universal. no confinamento. As paredes das instituições
O movimento da reforma psiquiátrica, deixam de ser indispensáveis. Em todos os
regulamentado por leis e portarias pelo espaços das cidades, nas ruas, nas redes de
Estado, ao assumir esse projeto, estendeu-o a comunicação, somos invadidos, seduzidos por
todo e qualquer indivíduo portador de essas verdades, por esses princípios
transtorno mental e, portanto deveria modeladores de nossas escolhas na vida.
estender-se aos autores de delito7. Leis e Trata-se da sociedade de controle, com seu
portarias indicam a desospitalização como sistema de comunicação construído em redes
prioridade na oferta de tratamento para saúde capilares por onde circulam os mandos sobre
mental. A orientação é de que os atendimentos como devemos agir, pensar, sentir (Deleuze,
sejam realizados em ambulatórios e através de 1992).
atividades dirigidas a reinserção social Observa-se que a insistência da lógica
encaminhadas no próprio território existencial da normalização age tensionando os serviços
dos pacientes. É a Rede de Atenção da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS).
Psicossocial - RAPS), constituída pelos Esses estão cotidianamente expostos à lógica
CAPS, os SRT e tantos outros serviços da padronização da saúde, da
substitutivos à clausura asilar. homogeneização de todos, tendendo a
Porém, a eliminação do confinamento defender um único modelo de saúde.
como tratamento pode não ser suficiente.
Tomamos a Reforma Psiquiátrica (RP)
Uma vez que não implica necessariamente em

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): 32 – 47 | 42


Tedesco, S.
___________________________________________________________________________

como obra plural e em processo... a RP, a demandas, aos posicionamentos retrógra-


exemplo de todas as contracorrentes,
dos provenientes de diferentes esferas da
caracteriza-se como figura fissípara, sendo
sociedade, que cotidianamente chegam aos
plano de tensões, luta, embate, passível de
possuir tantas faces quantas forem as serviços e contribuem para dificultar e
resoluções assumidas por forças de enfraquecer as práticas da RAPS, seja pelo
correlação problemática (Fonseca, apelo à internação, seja pela exigência de
Engelman e Perrone, 2007, p.31).
outros tratamentos dirigidos a unifor-
mização dos corpos (Oliveira & Passos,
O cotidiano desses serviços vive a
2009).
constante tensão entre a proposta da
Guiados por um sentido ético pautado
Reforma psiquiátrica, aliada a abordagem
na criação de modos de existência singulares,
da singularidade da vida em saúde mental,
percebemos como questão principal a
e as atitudes conservadoras que podem
exigência de melhor aparelhar os serviços de
estar presentes em todos os envolvidos,
atenção à saúde para o enfrentamento das
pedindo insistentemente formas muito
prescrições modeladoras, dos mandos impe-
rígidas de controle para as populações. São
rativos da lógica do encarceramento e da
os muitos pedidos diários dos familiares,
normalização.
pressões políticas dos gestores e da
comunidade em geral que ainda confundem
Ações clínicas exitosas no redirecionamento
internação com tratamento intensivo.
do modelo de saúde mental.
Portanto, devemos estar advertidos de que
tanto a substituição do modelo da
Entendemos que um dos modos de
hospitalização quanto o abandono do
potencialização das RAPS pode acontecer
prisma da normalização em saúde mental,
através da multiplicação de novas técnicas de
pela rede de serviços substitutivos,
atendimento em meio aberto, da construção
consistem em movimentos sempre em
de um elenco cada vez mais amplo de
construção que necessitam ser apoiados e
estratégias terapêuticas úteis ao enfrenta-
potencializados. Sem o fortalecimento
mento dos impasses do dia a dia de uma
constante do trabalho das RAPS não há
clínica endereçada ao portador de transtorno
como assegurar mudanças consideráveis.
mental em conflito com a lei.
A oferta de saúde nesses serviços
Vale realizar o levantamento e acom-
precisa ser continuamente abastecida de
panhamento, com fins à divulgação ampla,
conhecimento técnico especializado que os
das iniciativas que não operam apoiadas no
deixem mais preparados para reagir às
exercício do confinamento de pacientes

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): 32 – 47 | 43


Tedesco, S.
___________________________________________________________________________

judiciários em Hospitais de Custódia e a conservação, fomentam a promoção da


Tratamento Psiquiátrico (HCTP) ou em saúde por meio da normalização. A orientação
unidades prisionais e que, principalmente, geral do nosso projeto de pesquisa exige o
recusam a imposição de uma única norma de esforço ético de acompanhar, fortalecer e
8
vida e de saúde para todos São iniciativas de difundir ações clínicas exitosas, criar
cuidado com a saúde mental que começam a condições que permitam a circulação e
surgir em diversos pontos do país e que transversalização das forças políticas em jogo
promovem a desinstitucionalização e traba- e, assim, fazer perseverar a lógica da reforma
lham as singularidades, valorizam as poten- psiquiátrica nos serviços da RAPS.
cialidades de cada caso particular. Consequentemente, ao seguir as duas
É essa direção da proposta: detectar, diretrizes da cartografia, trabalhadas nesse
fortalecer, difundir ações de atenção à saúde artigo, foi possível interrogar o código de
que não imponham preceitos universais, ética absoluto e mandatório que se mostra
absolutos de saúde e, no lugar, construam insatisfatório para a orientação ética da
condições de flexibilização e de apropriação pesquisa, na medida em que ele gera
das normas de saúde, de modo a sustentar emperramento burocrático, paralisação dos
escolhas por modos de existência singulares fluxos e cristalização dos processos de
(Rodrigues & Tedesco, 2009). Os estudos a produção de conhecimento.
serem desenvolvidos visam acompanhar e Ao contrário, o sentido ético que aqui
intervir no fortalecimento e da visibilidade propomos guia-nos na direção do respeito à
dessas ações públicas. Importa pesquisar os natureza processual e inventiva da pesquisa e
projetos exitosos, desviantes da maioria, da subjetividade. Desafia-nos a incitar,
muitas vezes locais, alguns ainda sem registro através da experiência compartihada de
formal e muitos sem divulgação suficiente e intervenção sobre o mundo, o movimento
que passarão a ter seus resultados positivos insistente de invenção de novos
maximizados e divulgados com fins a sua conhecimentos e de rumos singulares de
replicação. existência.
No entanto, lembramos que tal objetivo
não poderá ser cumprido sem o exame crítico Notas
constante dos perigos éticos aos quais
1
também estamos expostos. Falo da Mais a frente explicitaremos o termo.
2
possibilidade de nossa captura pelo instituído, De acordo com a distinção proposta por
dos riscos de comprometer-se com forças Lourau (1977, p. 71-72):
políticas, de que falamos a pouco, que querem "As instituições são normas, mas elas

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): 32 – 47 | 44


Tedesco, S.
___________________________________________________________________________
5
incluem também a maneira como os O conceito de plano comum, como
indivíduos concordam, ou não, em dimensão intensiva da realidade, composta
participar dessas mesmas normas. As de forças, carrega o que conhecemos como
relações sociais reais, bem como as normas plano da experiência compatilhada, sendo
sociais, fazem parte do conceito de sua compreensão essencial para a prática
instituição". O instituído refere-se a "todas da perspectiva cartográfica em pesquisa.
essas regras, normas, costumes, tradições Para maior detalhamento cf Kastrup &
etc, que o indivíduo encontra na Passos, 2013.
6
sociedade". "Por 'instituinte' entenderemos, "Dissolver o saber instituído (efeito de
ao mesmo tempo, a contestação, a 'revelador') e modificar as relações de
capacidade de inovação e, em geral a força constitutivas das formas da
prática política como 'significante' da representação instituída (efeito de
prática social" (LOURAU, 1969, p.47). O 'catalisador'), tal é o trabalho dos
autor ressalta a articulação dessas duas analidadores" (Lourau, 2000, p. 132, p.
instâncias no conceito de instituição. 136).
7
Podemos associar a ruptura com a Além da Lei 10.216/2001que explicita o
dimensão do instituído ao processo de direito dos indivíduos portadores de
desubjetivação discutido por Deleuze transtornos mentais ao tratamento em meio
(1988). aberto, que afirma a internação como
3
Trata-se do Observatório Nacional de última opção e que proíbe que esta última
Saúde Mental e Justiça Criminal criado em seja realizada em instituições com
2013 na UFF para acolher e fomentar características asilares, é preciso citar
pesquisas voltadas a investigações con- também as Resoluções complementares nº.
ceituais e empíricas que possam contribuir 113, de 20/04/2010 e a Recomendação nº
à transposição da concepção de saúde 35, de 12/07/2011, do CNJ e as Resoluções
mental para o Sistema de Justiça Criminal, nº 1 e nº 2, do CNPCP, de 10 de fevereiro
segundo o ponto de vista da Reforma de 2014.
8
Psiquiátrica assumida pelo SUS. Citamos, como exemplo, projetos como o
4
As portarias inspiradas na Reforma Programa de Atenção Integral ao Louco
Psiquiátrica, ligadas à desinstitucionali- Infrator (PAILI), em Goiás, e o Programa
zação, não geraram práticas efetivas nos de Atenção Integral ao paciente Judiciário
HCTPs (Hospitais de custódia e tratamento (PAI-PJ), em Minas gerais, que não
psiquiátrico), exceto por algumas ações operam apoiados no exercício do
pontuais. confinamento de pacientes judiciários em

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): 32 – 47 | 45


Tedesco, S.
___________________________________________________________________________

Hospitais de Custódia e Tratamento para além do estruturalismo e da


Psiquiátrico (HCTP) ou em unidades Hermenêutica (pp. 41-70). Rio de
prisionais e que trabalham guiados pelas janeiro: Forense Universitária.
diretrizes da Reforma Psiquiátrica, do ________. (2004). A ética do cuidado de
SUS. si como prática da liberdade. In:
Barros da Motta (org.) Coleção
Referências “Ditos e Escritos”, Vol. V (pp.
265-287). Rio de Janeiro: Forense
Austin, J. L. (/1990). Quando dizer é fa Universitária.
zer. Lisboa: Artes Médicas. (obra Galli, T. F., Engelman, S., & Perrone, C.
original em inglês 1962) M. (2007). Rizomas da reforma
Bourassa, B., & Boudjaqui, M. (2012). Des psiquiátrica: a difícil reconcialia
recherches collaboratives en ção. Porto Alegre: Sulinas/UFRGS.
sciences humaine et sociales (SHS). Kastrup, V. , & Passos, E. (2013)
Enjeux, modalités et limites. Cartografar é traçar um plano
Québec: Presses de l’Université de comum In: Revista Fractal 25
Laval. (2), 263-280. http://www.uff.br/
Deleuze, G. (1992). Controle e devir. In: periodicoshumanas/index.php/Frac
Conversações. Rio de janeiro: Ed. tal/issue/view/5n2/showToc
34. (obra original em Frances 1972) Latour, B. (2000). When things strike
________. (1988) Foucault. São Paulo: back: a possible contribution of
Brasiliense. (obra original em fran science studies to the social sci-
ces1986) ences. British Journal of Sociology, v.
Foucault, M. (1978). História da loucura. 51(1), 107-203, London.
São Paulo: Perspectiva. (obra origi Monceau, G. (1996). L’intervention
nal em Frances 1972) socianalytique. Pratiques de
________. (1994). História da sexuali formation – Analyses, 32
dade 2: O uso dos prazeres. Rio de (socianalyse et ethnosociologie),
Janeiro: Graal. (obra original em 32,83-96. Saint-Denis: Université
Frances 1984) Paris 8.
________. (1995). Sobre a genealogia da ________. (2005). Transformar as práticas
ética: Revisão do trabalho. In: para conhecê-las: pesquisa-ação e
Dreyfus, H., & Rabinow, P. Michel profissionalização docente, In: Educa
Foucault uma trajetória filosófica:

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): 32 – 47 | 46


Tedesco, S.
___________________________________________________________________________

ção e Pesquisa, 31(3), 467-482. São Simondon, G. (1989) L’individuation


Paulo set./dez. http://dx.doi.org/10.15 psychique et collective. Paris:
90/S1517-97022005000300010 Aubier.
Oliveira, J. A. M. & Passos, E. (2009). Tedesco, S., & Rodrigues, C. (2012). A
Novos perigos da desospitalização: ética da metaestabilidade e a dire-
controle a céu aberto nas práticas ção ética da clínica. In: Informática
de atenção em saúde mental. In: na Educação: teoria & prática
Carvalho, S.R., Barros, E. & Feri 15(1), 159-170. Porto Alegre.
gato, S. (org.) Conexões: saúde Tedesco S., Saad, C., & Caliman, L.V.
coletiva e políticas da subjetividade (2013). A entrevista na pesquisa
(pp.322-34). São Paulo: HUCITEC. cartográfica: a experiência do dizer.
Rodrigues, C. & Tedesco, S. (2009). Por uma In: Revista Fractal 25(2), 299-322.
perspectiva ética das práticas de http://www.uff.br/periodicoshuman
cuidado no contemporâneo. In: Tedes- as/index.php/Fractal/issue/view/5n2
co, S. & Nascimento, M.L. (org.), /showToc
Ética e subjetividade: novos impasses
no contemporâneo (pp.74-95). Porto __________________________________
Alegre: Sulinas. Silvia Helena Tedesco: Doutora em Psi-
Passos, E., Kastrup, V., & Escóssia, L. (Org.). cologia Clínica pela PUC-SP (1999), fez
(2009). Pistas do método da pós-graduação em Análise Institucional na
cartografia: pesquisa-intervenção e Universidade de Paris VIII (2008-2009).
produção de subjetividade. Porto Atualmente é coordenadora do Observató-
Alegre: Sulina. rio de Saúde Mental e Justiça Criminal,
Sade, C., Ferraz, G.C., & Rocha, J.M. com o apoio do MS e SDH. Ela ensina no
(2013). A ética da metaestabilidade. Instituto de Psicologia da UFF. Trabalha
O ethos da confiança na pesquisa c principalmente sobre as questões: política
artográfica: experiência comparti- de saúde mental pública, método de mape-
lhada e aumento da potência de amento, de linguagem e subjetividade.
existir In: Revista Fractal, 25(2), E-mail: stedesco@novanet.com.br
281-298.http://www.uff.br/periodico
shumanas/index.php/Fractal/issue/vi Recebido em: 12/07/2014 - Aceito em: 04/12/2014
ew/v25n2/showToc.

Rev. Polis e Psique, 2015; 5(2): 32 – 47 | 47