Você está na página 1de 7

Na crosta terrestre existe uma grande diversidade de rochas, que representam arquivos de

acontecimentos que ocorreram durante a história da Terra.

Tendo em conta as características e as condições de formação, consideram-se três


categorias de
rochas: rochas sedimentares, rochas magmáticas e rochas metamórficas.

Rochas sedimentares:

As rochas sedimentares são formadas à superfície da Terra, ou próximo dela, a partir da


deposição de sedimentos oriundos de rochas preexistentes ou de material resultante da
atividade dos seres vivos.

A génese das rochas sedimentares envolve duas


fases: sedimentogénese e diagénese.

Sedimentogénese:

engloba os processos de meteorização, transporte e sedimentação;

na meteorização ocorre a alteração química e/ou física originando partículas ou


fragmentos de dimensões variadas, designados por detritos ou clastos;

os materiais resultantes da meteorização são transportados pelos agentes erosivos,


nomeadamente, a água, o vento e a ação da gravidade;

em condições propícias, os materiais transportados depositam-se, constituindo


os sedimentos;

o processo de deposição denomina-se sedimentação e é determinado pela força


gravítica; a ordem de sedimentação dos sedimentos é condicionada pelas dimensões e
densidade dos materiais;

a contínua deposição de sedimentos vai originando camadas - os estratos, que se


apresentam originalmente em posição horizontal, podendo, posteriormente, sofrer
deformações.

o estrato é delimitado pelo teto (limite superior da camada) e pelo muro (limite inferior da
camada).
Sobreposição dos estratos.

Diagénese:

ocorre um conjunto de processos químicos e físicos que provocam a alteração dos


sedimentos;

os sedimentos perdem água, são compactados e ligados por um cimento, originando


rochas sedimentares consolidadas, com diferentes graus de evolução e com diferente
composição, consoante a natureza dos sedimentos.
Processos de diagénese.

As rochas sedimentares constituem uma fina película que recobre cerca de 75% da
superfície da crosta.

As rochas sedimentares apresentam estratificação e são normalmente ricas em fósseis,


contribuindo, desta forma, para o desvendar dos mistérios da história da Terra e da vida.

Os conglomerados, as areias, as argilas, o calcário, o carvão e o petróleo são exemplos


da diversidade das rochas sedimentares.

Rochas magmáticas:

As rochas magmáticas resultam do arrefecimento e consolidação, no interior ou à


superfície da Terra, do magma. O magma é uma mistura de minerais e gases em estado
de fusão que se encontra no interior da Terra.

Atendendo às condições da consolidação do magma, consideram-se dois grandes


grupos de rochas magmáticas: intrusivas ou plutonitos e
as extrusivas ou vulcanitos.

Rochas intrusivas ou plutonitos:


o magma consolida no interior da crosta;

resultam de um arrefecimento lento;

as rochas apresentam minerais bem desenvolvidos, visíveis à vista desarmada;

o granito, o gabro e o diorito constituem exemplos de rochas intrusivas.

Granito

Rochas extrusivas ou vulcanitos:

magma consolida à superfície ou próximo dela;

resultam de um arrefecimento rápido;

rochas apresentam minerais de pequenas dimensões;

o basalto, o riólito e o andesito são exemplos de rochas extrusivas.


Basalto

Rochas metamórficas:

Resultam de um processo de litogénese designado por metamorfismo, pelo qual


qualquer tipo de rocha pode experimentar transformações mineralógicas e/ou texturais,
mantendo-se no estado sólido, por alteração das condições de pressão e temperatura
em que foram geradas, bem como de alterações da composição química dos fluidos
envolventes.

Os principais fatores de metamorfismo são: calor, pressão, os fluidos de circulação e o


tempo.

O mármore, o xisto e o gnaisse são algumas rochas metamórficas.


Gnaisse

Cerca de 95% dos constituintes da crosta terrestre são rochas magmáticas e


metamórficas. Tipicamente, as rochas metamórficas e magmáticas não são fossilíferas,
no entanto, também fornecem muitas informações sobre as condições em que se deu a
sua génese, portanto, sobre o passado da Terra.

Ciclo das rochas:

A formação e transformação das rochas constituintes da litosfera é um processo


contínuo e cíclico, dependente dos agentes internos e modeladores do globo terrestre,
constituindo assim o ciclo litológico ou o ciclo das rochas.

As rochas da litosfera transformam-se praticamente umas nas outras ao longo do


tempo. Os materiais resultantes da alteração e da erosão das rochas superficiais são
transportados e depositados, sofrendo, posteriormente, diagénese dando origem a
rochas sedimentares. Estas, quando aprofundam na crosta, encontram condições
diferentes de pressão e temperatura, experimentam grandes transformações
mineralógicas e estruturais originando rochas metamórficas. Em profundidade, o calor
interno pode ser suficiente para fundir parcial ou totalmente as rochas, convertendo-as
em magmas. Estes magmas podem então solidificar em profundidade ou movimentar-se
e ascender através da crosta, onde consolidam, dando origem, em ambos os casos, a
rochas magmáticas.
Ciclo das rochas