Você está na página 1de 15

MARINHA DO BRASIL

HOSPITAL NAVAL MARCÍLIO DIAS


VICE-DIRETORIA DE ENSINO
ESCOLA DE SAÚDE

ENFERMAGEM EM SITUAÇÕES
CIRÚRGICAS

1T (RM2-T) FLÁVIA GATTO


CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO
EM ENFERMAGEM

 Disciplina: Enfermagem em Situações


Cirúrgicas
 Carga Horária: 90 horas
 Exposição oral, estudo dirigido, trabalhos
individuais e/ou em grupo, demonstração
prática, discussão dirigida e estudo de
casos
 2 provas (peso 2)
 1 trabalho em grupo (peso1)
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO
EM ENFERMAGEM
 Objetivos Gerais da Disciplina:
 Realizar assistência ao cliente submetido ao ato
anestésico – cirúrgico;
 Identificar a assistência de enfermagem no
pré, trans e pós-operatório;
 Conhecer o papel da enfermagem na
prevenção de infecção e na recuperação
anestésica;
 Descrever os procedimentos de enfermagem
em Central de Material, circulação de sala e
recuperação anestésica.
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO
EM ENFERMAGEM
 Central de Material (CME OU CEMAT)
 Centro Cirúrgico (CC)
 Sala de recuperação pós-anestésica (RPA)
 Organização
 Estrutura
 Funcionamento

 Encaminhamento do cliente ao CC
 Segurança do cliente
 Classificação das cirurgias
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO
EM ENFERMAGEM

 Terminologia cirúrgica
 Posições cirúrgicas
 Cuidados de enfermagem no pré, trans e
pós-operatório
 Montagem da sala cirúrgica
 Ações do circulante da sala cirúrgica
 Tempos cirúrgicos
 Instrumentais e fios cirúrgicos
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO
EM ENFERMAGEM

 Medicamentos pré-anestésicos
 Tipos de anestesia
 Complicações no pós-operatório
 Drenos e curativos
 Ações de enfermagem nas principais
cirurgias
Temas dos trabalhos em grupo

1. Abdominoplastia/lipoaspiração
2. Mamoplastia (aumento e redução)
3. Cirurgia bariátrica
4. Amputação?/Pé diabético
5. Facectomia
6. Hemorroidectomia
7. Septoplastia e turbinectomia
8. Colonoscopia
Estrutura dos trabalhos

1. Introdução
2. Desenvolvimento
1. Patologia; anatomia e/ou fisiologia do órgão
2. Cirurgia
3. Cuidados de enfermagem (pré, trans e pós-op.)
4. Posição do cliente
5. Tipo de anestesia
6. Complicações
3. Conclusão
4. Referências bibliográficas
5. Pode conter ilustrações e/ou filme
Avaliação dos trabalhos

1. Apresentação do grupo, e

2. Trabalho escrito.

3. Todos os componentes deverão apresentá-lo.

4. O trabalho escrito deverá ser entregue no


momento da apresentação.
BREVE HISTÓRICO

 Na Grécia Antiga (séculos IV e V a.C.) –


Medicina dos Templos – origem das escolas
médicas;
 Hipócrates (460 a 377 a.C.) – “Pai da
Medicina” – medicina ganhou um cunho
científico e os médicos passaram a ter as
normas éticas que regulam sua prática;
 Galeno (131 a 210 d.C.) – cirurgião dos
gladiadores e imperadores. Recomendava a
fervura como método de desinfecção.
BREVE HISTÓRICO

 Período medieval – separação entre


medicina e cirurgia. A cirurgia era
desempenhada pelos cirurgiões-barbeiros:
sangrias, drenagem de abscessos, retiradas
de tumores, extrações dentárias,
amputações de membros nos
acampamentos dos campos de batalha.
BREVE HISTÓRICO

 Dor - não havia anestesia (1846 – inalação


do éter);
 Hemorragia – era estancada com ferro em
brasa ou óleo fervente;
 Infecção – não havia cuidado com a
limpeza;
 Morte.
BREVE HISTÓRICO

 Nascimento da enfermagem;
 Florence Nightingale (1820 – 1910);
 Atuou na Guerra da Crimeia em 1854;
 Preocupação com a limpeza, higiene e ventilação
do ambiente;
 Melhorou as condições sanitárias dos hospitais
militares de campo;
 Junto aos cirurgiões-barbeiros havia uma pessoa
responsável pela limpeza dos instrumentos e
manutenção da área limpa – início da atuação da
enfermagem no centro cirúrgico.
ENFERMAGEM CIRÚRGICA

 Cuidados de enfermagem prestados aos


clientes nos períodos pré, trans e pós-
operatório. Visam dar maior conforto e
segurança ao cliente, minimizar os riscos
cirúrgicos e contribuir para a sua pronta
recuperação, possibilitando assim a sua
reintegração precoce à sua família e à
sociedade.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 BRASIL. Marinha do Brasil. Diretoria de Ensino


da Marinha. Currículo do Curso de Especialização
em Enfermagem (C-Espc-EF). Rio de Janeiro,
2007.

 BARTMANN, Cecília. Enfermagem Cirúrgica. Rio


de Janeiro: Senac Nacional, 2011.