Você está na página 1de 42

PROF.

JOSEVAL MARTINS VIANA

BIODIREITO E A ESTERILIZAÇÃO
EM SERES HUMANOS
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

1. Conceito

A esterilização em seres humanos é qualquer


intervenção por meio da qual uma pessoa torna-se
incapaz de procriar, de modo definitivo e irreversível.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Tipos de Esterilização

a) Acidental

Decorre de patologia. Por exemplo, uma inflamação.


PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

b) Cirurgia

Sem castração: com a vasectomia no homem e com


a ligação de trompas, na mulher.

Com castração: retirada do útero.


PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Tipos de esterilização

c) Esterilização temporária. Exemplo: ciclo menstrual sem


ovulação ou tumor no ovário ou nos testículos.
d) Esterilização irreversível. Exemplo: vasectomia
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Desde 2007, tramita no Congresso Nacional um projeto de lei para


acrescentar ao Código Penal brasileiro a pena de “castração química” a
pedófilos condenados que cometeram crimes de estupro e corrupção
de menores. A proposta do senador Gerson Camata (PMDB-ES) prevê
que o criminoso que aceitar se submeter ao tratamento poderá ter um
terço da pena reduzida. O projeto chegou a ser discutido na Comissão
de Constituição e Justiça no ano passado, mas acabou sendo enviado
para apreciação da Comissão de Direitos Humanos antes de ser
votado. Desde fevereiro, é aguardado o parecer do relator, senador
Magno Malta (PR-ES).
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

PL 5398/2013
Projeto de Lei

Situação: Aguardando Parecer - Ag. devolução Relator não-membro


Identificação da Proposição
Autor: Jair Bolsonaro - PP/RJ
Explicação da Ementa
Aumenta a pena para os crimes de estupro e estupro de vulnerável, exige que
o condenado por esses crimes conclua tratamento químico voluntário para
inibição do desejo sexual como requisito para obtenção de livramento
condicional e progressão de regime.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Na Dinamarca, uma lei impõe a esterilização de


mulheres com QI inferior a 75.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

e) Esterilização terapêutica está ligada à ideia de estado


de necessidade ou de legítima defesa. Impossibilidade
clínica de não ter filhos. É aceita no Brasil.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

No Brasil, a esterilização terapêutica é aceita, mas


deve ser procedida de relatório escrito e assinado por
dois médicos, conforme preconiza a Lei n. 9.263/96 e a
Portaria n. 144/97 da Secretaria da Assistência à Saúde.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Lei n. 9.263/96 – Lei que trata sobre o


planejamento familiar - Regula o § 7º do art. 226 da
Constituição Federal, que trata do planejamento
familiar, estabelece penalidades e dá outras
providências.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Art. 226 da CF. A família, base da sociedade, tem especial


proteção do Estado.
§ 7º Fundado nos princípios da dignidade da pessoa humana
e da paternidade responsável, o planejamento familiar é livre
decisão do casal, competindo ao Estado propiciar recursos
educacionais e científicos para o exercício desse direito,
vedada qualquer forma coercitiva por parte de instituições
oficiais ou privadas.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Art. 1º da Lei n. 9.263/96

O planejamento familiar é direito de todo cidadão.


PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

O planejamento familiar é o conjunto de ações de


regulação da fecundidade que garanta direitos iguais de
constituição, limitação ou aumento da prole pela mulher,
pelo homem ou pelo casal.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Art. 10. Somente é permitida a esterilização voluntária


nas seguintes situações:
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

I - em homens e mulheres com capacidade civil plena e


maiores de vinte e cinco anos de idade ou, pelo menos,
com dois filhos vivos, desde que observado o prazo
mínimo de sessenta dias entre a manifestação da
vontade e o ato cirúrgico, período no qual será
propiciado à pessoa interessada acesso a serviço de
regulação da fecundidade, incluindo aconselhamento
por equipe multidisciplinar, visando desencorajar a
esterilização precoce;
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

II - risco à vida ou à saúde da mulher ou do futuro


concepto, testemunhado em relatório escrito e
assinado por dois médicos.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

§ 1º É condição para que se realize a esterilização o


registro de expressa manifestação da vontade em
documento escrito e firmado, após a informação a
respeito dos riscos da cirurgia, possíveis efeitos
colaterais, dificuldades de sua reversão e opções de
contracepção reversíveis existentes.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

§ 2º É vedada a esterilização cirúrgica em mulher


durante os períodos de parto ou aborto, exceto nos
casos de comprovada necessidade, por cesarianas
sucessivas anteriores.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

§ 3º Não será considerada a manifestação de vontade, na


forma do § 1º, expressa durante ocorrência de alterações
na capacidade de discernimento por influência de álcool,
drogas, estados emocionais alterados ou incapacidade
mental temporária ou permanente.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

§ 4º A esterilização cirúrgica como método


contraceptivo somente será executada através da
laqueadura tubária, vasectomia ou de outro método
cientificamente aceito, sendo vedada através da
histerectomia e ooforectomia.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

A histerectomia é a remoção cirúrgica do útero,


que também pode incluir a retirada das trompas
adjacentes e do ovário.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Ooforectomia ou ovariectomia é a remoção


cirúrgica de um (unilateral) ou ambos ovários (bilateral).
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

§ 5º Na vigência de sociedade conjugal, a


esterilização depende do consentimento expresso de
ambos os cônjuges.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

§ 6º A esterilização cirúrgica em pessoas absolutamente


incapazes somente poderá ocorrer mediante autorização
judicial, regulamentada na forma da Lei.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Art. 11. Toda esterilização cirúrgica será objeto de


notificação compulsória à direção do Sistema Único de
Saúde. (Artigo vetado e mantido pelo Congresso
Nacional)
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Art. 12. É vedada a indução ou instigamento individual


ou coletivo à prática da esterilização cirúrgica.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Art. 13. É vedada a exigência de atestado de


esterilização ou de teste de gravidez para quaisquer fins.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

MODELO DE PEÇA: A autora fez uma cirurgia para retirada


de um cisto, e o médico realizou a cirurgia de laqueadura de
trompas.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Art. 14 do CDC. O fornecedor de serviços responde,


independentemente da existência de culpa, pela
reparação dos danos causados aos consumidores por
defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como
por informações insuficientes ou inadequadas sobre
sua fruição e riscos. (Grifo nosso)
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

INDENIZAÇÃO POR ERRO MÉDICO. Ação movida contra o hospital e


o profissional liberal. Responsabilidade objetiva do nosocômio e
subjetiva do médico, dependendo esta última, da comprovação da
culpa, na forma do artigo 14, § 4º, CDC – Inversão do ônus probatório.
Possibilidade, desde que presente os requisitos no art. 6º, VIII, CDC.
Honorários periciais a serem arcados pelo réu agravante – aplicação do
Enunciado n. 34 do Centro de Debates, Estudos e Pesquisas deste
Tribunal. Recurso desprovido (TAPR – AI 0280862 – 8 – (234842) –
Curitiba – 18ª C. Civ. – Rel. Des. Luiz Lopes – DJPR 08.04.2005).
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Art. 932 do CC. São também responsáveis pela


reparação civil:
(...)
III – o empregador ou comitente, por seus empregados,
serviçais e prepostos, no exercício do trabalho que lhes
competir, ou em razão dele.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Art. 933 do CC. As pessoas indicadas nos incisos I a V


do artigo antecedente, ainda que não haja culpa de sua
parte, responderão pelos atos praticados pelos
terceiros ali referidos.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS – AGRAVO RETIDO –


PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE PASSIVA AFASTADA – NÃO ACOLHIMENTO
DE PRESCRIÇÃO – INCIDÊNCIA DAS NORMAS DO CÓDIGO DE DEFESA DO
CONSUMIDOR – ERRO MÉDICO – RESPONSABILIDADE OBJETIVA DO
ESTABELECIMENTO HOSPITALAR EM FACE DE ATO PREPOSTO – VALOR
DA INDENIZAÇÃO RAZOÁVEL – AUSÊNCIA DE SUCUMBÊNCIA RECÍPROCA.
O estabelecimento hospitalar é prestador de serviços que se compromete a
prestar auxílio médico por meio de profissionais que indica, incidindo sobre a
relação às normas do consumidor [...] (TJMS – AC – O 2005.005608-8/0000-00 –
Dourados – 4ª T. Cív. – Rel. Des. Atapoã de Costa Feliz – j. 10.04.2007 – DOEMS
23.04.2007).
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Código de Ética Médica

É vedado ao médico: Art. 22. Deixar de obter


consentimento do paciente ou de seu representante
legal após esclarecê-lo sobre o procedimento a ser
realizado, salvo em caso de risco iminente de morte.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

O Código de Nuremberg contemplou tais direitos


asseverando que “o consentimento voluntário do ser
humano é absolutamente essencial.” Além desse
Código, a Declaração Universal sobre o Genoma
Humano e os Direitos Humanos também asseveram que
o consentimento do paciente deve ser respeitado.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Art. 14 [...]
§ 4º A responsabilidade pessoal dos profissionais liberais
será apurada mediante a verificação de culpa.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

RESPONSABILIDADE CIVIL – MÉDICO – NEGLIGÊNCIA – AUSÊNCIA


DE CONSENTIMENTO INFORMADO – INDENIZAÇÃO INDEVIDA.
Responsabilidade civil. Médico. Consentimento informado. A
despreocupação do facultativo em obter do paciente o seu consentimento
informado pode significar – nos casos mais graves – negligência no
exercício profissional. As exigências do princípio do consentimento
informado devem ser atendidas com zelo na medida em que aumenta o
risco, ou o dano. Recurso conhecido (STJ – Resp. 436.827 – SP – 4º T –
Rel. Min. Ruy Rosado de Aguiar – DJU 18.11.2002 – p. 228).
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Art. 927 do CC

Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a
outrem, fica obrigado a repará-lo.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Artigo 42 do Código de Ética Médica

É vedado ao médico: Desrespeitar o direito do paciente


de decidir livremente sobre o método contraceptivo,
devendo sempre esclarecê-lo sobre indicação,
segurança, reversibilidade e risco de cada método.
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Direito civil. Ação indenizatória. Responsabilidade civil. Erro médico.


RESPONSABILIDADE SUBJETIVA DO 1º RÉU E OBJETIVA DO 2º RÉU, NOS
TERMOS DO ART. 14, §1º E §4º, DO CDC. Pai do autor submetido a
intervenções cirúrgicas cardíacas na qual constatou-se o esquecimento de gaze
em seu tórax. Posterior falecimento. Concausa que, somando-se a principal -
quadro infeccioso - concorre para o resultado fatal. Responsabilidade mitigada.
Danos morais in re ipsa. Indenização por dano extrapatrimonial reduzida e
fixada em R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil reais). Quantum indenizatório que
atende aos princípios da razoabilidade e proporcionalidade. Sentença de parcial
procedência que se mantém, reduzindo-se, contudo, a indenização.
Reconhecimento da sucumbência recíproca. Provimento parcial de ambos os
recursos. Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro 0220892-89.2010.8.19.0001 -
PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA

Art. 944 do CC. A indenização mede-se pela extensão do


dano.
Parágrafo único. Se houver excessiva desproporção
entre a gravidade da culpa e o dano, poderá o juiz reduzir,
equitativamente, a indenização.