Você está na página 1de 5

1.

Debaixo de cada andamento linear, coloque o número correspondente ao adjetivo que


melhor o qualificar e a letra que classifica os tipos de linha. Veja o exemplo:

Adjetivos Letras
1 – confuso A – quebradas
2 – dinâmico B – onduladas
3 – agressivo C – diagonal, oblíqua
4 – agitado, alegre D – curvas desiguais
5 – estático, tranquilo E – curvas entrelaçadas
6 – instável F – horizontal

2. O que é o ponto?
3. Quais as classificações do ponto?
4. Para que serve o ponto geométrico?
5. Como é o ponto gráfico?
6. Qual a técnica de pintura em que utilizamos o ponto?
7. Em que século e onde surgiu a utilização do ponto na pintura?
8. Cite o nome dos fundadores desta pintura?
9. O que é a linha?
10. O que é uma semirreta? Dê exemplo.
11. Quando uma linha for dividida por dois pontos ou mais pontos, qual é seu nome?
12. Quanto à posição como podem ser as linhas retas?
13. Quanto à direção, como podem ser as linhas?
14. O que são linhas paralelas?
15. Como são as linhas convergentes?
16. Como são as linhas divergentes?
17. Como podem ser as linhas convencionais?
18. Leia o texto abaixo:
“As análises desenvolvidas por Heinrich Wölfflin sintetizam o método formalista de
pesquisa em arte. Sua teoria lança as bases para o entendimento da arte como
linguagem, isto é, um código cultural desenvolvido historicamente. Ele destaca que a
obra de arte revela não só o temperamento do artista, mas também o espírito de uma
nação e as contingências históricas de cada época.”
(MOREIRA, Terezinha Maria Losada. A Interpretação da Imagem: subsídios para o ensino da arte. Rio de
Janeiro: Mauad X FAPERJ, 2001, p. 171)

Analise comparativamente a obra do Renascimento e a do Barroco.

1. 2.

Rafael Sanzio - Casamento da Virgem, 1509 -1511. Caravaggio – Crucificação de São Pedro, 1601.

Sobre essas obras é correto afirmar que

Obra 1 Obra 2

a) a composição se estrutura em torno de um a noção de conjunto é criada pela combinação de


único motivo várias partes autônomas, o que exige ao
observador deslocar o olhar de uma parte para
b) outra
a composição, luz e cor não se encontram a
serviço da forma mas possuem vida própria
todos os objetos são plenamente iluminados,
c) a composição cria a impressão de que o tornando-se visíveis em sua totalidade
quadro ultrapassa seus limites, apesar da
simetria segue regras geométricas claras de uma
d) composição fechada em forma de triângulos
os objetos são dispostos em planos que
os objetos são apresentados em profundidade,
geram uma imagem ordenada
transpassando o espaço pelo jogo de elementos
anteriores e posteriores
19. Leia o texto a seguir:
“No curso dos séculos, reconheceu-se a existência de coisas belas e agradáveis e de
coisas ou fenômenos terríveis, apavorantes e dolorosos (…) No século XVIII o universo
do prazer estético divide-se em duas províncias, a do Belo e a do Sublime (…) Tudo
aquilo que pode despertar ideias de dor e perigo, isto é, tudo aquilo que seja, em certo
sentido, terrível ou que diga respeito a objetos terríveis, ou que atue de modo análogo ao
terror é uma fonte de Sublime, ou seja, é aquilo que produz a mais forte emoção que o
espírito é capaz de sentir (…) [Mas, o terror] só é deleitável quando há um
distanciamento da coisa que faz medo, donde, uma espécie de desinteresse em relação
à ela. Dor e terror são causa de Sublime se não são realmente nocivos”.
Umberto Eco.

Acerca do Sublime é correto afirmar que


a) refere-se, exclusivamente, a puras criações da imaginação, sem a presença de objetos
externos.
b) ele se opõe ao Belo, por isso não é um problema da Estética.
c) este sentimento leva nossa natureza sensível a perceber seus próprios limites, uma
vez que a experiência do Sublime, diante dos espetáculos da natureza, ultrapassa nossa
sensibilidade.
d) terremotos, tempestades, rochedos arrojados, furacões, vulcões em toda sua violência
destrutiva e o oceano enfurecido são exemplos de Sublime e, quanto maior for o perigo,
quanto mais próximo dele estiver o espectador mais intensa será a experiência, uma vez
que a sensação de possuir o horror será maior.
e) nenhum artista tentou representar a experiência do sentimento do Sublime por saber
de antemão que ele é da ordem do irrepresentável.

20. Leia o texto a seguir.

O modo de comportamento perceptivo, através do qual se prepara o esquecer e o


rápido recordar da música de massas, é a desconcentração. Se os produtos
normalizados e irremediavelmente semelhantes entre si, exceto certas
particularidades surpreendentes, não permitem uma audição concentrada, sem se
tornarem insuportáveis para os ouvintes, estes, por sua vez, já não são
absolutamente capazes de uma audição concentrada. Não conseguem manter a
tensão de uma concentração atenta, e por isso se entregam resignadamente àquilo
que acontece e flui acima deles, e com o qual fazem amizade somente porque já o
ouvem sem atenção excessiva.
(ADORNO, T. W. O fetichismo na música e a regressão da audição. In: Adorno et all.
Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1978, p.190. Coleção Os Pensadores.)

As redes sociais têm divulgado músicas de fácil memorização e com forte apelo à
cultura de massa.
A respeito do tema da regressão da audição na Indústria Cultural e da relação entre arte e
sociedade em Adorno, assinale a alternativa correta.
a) A impossibilidade de uma audição concentrada e de uma concentração atenta
relaciona-se ao fato de que a música tornou-se um produto de consumo, encobrindo seu
poder crítico.
b) A música representa um domínio particular, quase autônomo, das produções sociais,
pois se baseia no livre jogo da imaginação, o que impossibilita estabelecer um vínculo
entre arte e sociedade.
c) A música de massa caracteriza-se pela capacidade de manifestar criticamente
conteúdos racionais expressos no modo típico do comportamento perceptivo inato às
massas.
d) A tensão resultante da concentração requerida para a apreciação da música é uma
exigência extramusical, pois nossa sensibilidade é naturalmente mais próxima da
desconcentração.

e) Audição concentrada significa a capacidade de apreender e de repetir os elementos que


constituem a música, sendo a facilidade da repetição o que concede poder crítico à
música.

21. A Estética, como área de investigação autônoma da Filosofia, distingue-se como tal
pelos seus objetos de pesquisa, suas perguntas, problemáticas e métodos específicos. A
esse respeito, marque a alternativa que NÃO corresponda a uma caracterização da
estética filosófica.

a) "Existe uma estética não-filosófica, que se diferencia da filosófica menos por seus
objetos e mais por seus métodos".
b) "Os objetos da estética filosófica podem ser não apenas coisas, mas também
acontecimentos, situações, qualidades, sentimentos, dentre outros".
c) "A estética filosófica é a teoria da Arte, do Belo e do conhecimento sensitivo".
d) "A estética filosófica não é uma teoria do Belo e da Arte porque objetos que não são
artísticos e nem belos podem proporcionar uma experiência estética, ou seja, ser
possuidores de qualidades estéticas".
e) "Caracterizar a estética como teoria do conhecimento sensitivo é, por um lado, ampliar
demais o seu escopo, vez que o conhecimento sensitivo abrange áreas que não
pertencem à estética; por outro lado, é uma caracterização estreita, porque a estética
filosófica abrange objetos que não pertencem à percepção sensitiva".

22. “Em suma, o que é a aura? É uma figura singular, composta de elementos espaciais e
temporais: a aparição única de uma coisa distante, por mais perto que ela esteja.
Observar, em repouso, numa tarde de verão, uma cadeia de montanhas no horizonte, ou
um galho, que projeta sua sombra sobre nós, significa respirar a aura dessas montanhas,
desse galho. Graças a essa definição, é fácil identificar os fatores sociais específicos que
condicionam o declínio atual da aura. Ele deriva de duas circunstâncias, estreitamente
ligadas à crescente difusão e intensidade dos movimentos de massas. Fazer as coisas
‘ficarem mais próximas’ é uma preocupação tão apaixonada das massas modernas como
sua tendência a superar o caráter único de todos os fatos através da sua
reprodutibilidade”.
Fonte: BENJAMIN, W. “A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica”. In:
Magia e Técnica, Arte e Política. Obras Escolhidas. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet.
São Paulo: Brasiliense, 1985, p. 170.

Com base no texto e nos conhecimentos sobre Benjamin, assinale a alternativa correta:
a) Ao passar do campo religioso ao estético, a obra de arte perdeu sua aura.
b) Ao se tornarem autônomas, as obras de arte perderam sua qualidade aurática.
c) O declínio da aura decorre do desejo de diminuir a distância e a transcendência dos
objetos artísticos.
d) O valor de culto de uma obra de arte suscita a reprodutibilidade técnica.
e) O declínio da aura não tem relação com as transformações contemporâneas.
23. Estética é a parte da Filosofia que procura investigar os fundamentos da arte e do
belo; os diferentes tipos de arte; as relações da arte com a sociedade. Considerando a
arte como a prática de criar formas perceptíveis expressivas do sentimento humano, seu
valor essencial é:
a) A ênfase no fator utilidade, aplicação;
b) O produto de condicionamentos históricos ou ideológicos;
c) A ênfase no fator beleza;
d) A percepção social pelo público;
e) A capacidade de transmitir os sentimentos mais autênticos da natureza humana.

24. Considerando o conceito de belo ao longo da história da arte, assinale o que for
correto.
01) No campo da música, a retomada dos ideais de proporcionalidade, de equilíbrio e de
simetria, típicos do período grego, deu-se principalmente na arte do período Barroco, que
tem como principal expoente o compositor Bach.
02) O movimento expressionista da virada do século XIX para o século XX é um dos
exemplos de poética artística que se distanciou dos ideais de beleza clássica, buscando
expressar as emoções e as subjetividades do artista.
04) A estética clássica grega, com seus ideais de simetria e de proporcionalidade, é uma
das responsáveis pela concepção de que a bela arte é aquela que representa um mundo
harmonioso e agradável, não como ele é, mas como ele deveria ser.
08) O quadro A traição das imagens, de René Magritte, quadro famoso pela representação
de um cachimbo, é um dos principais exemplos de uma arte que pretende imitar o real de
forma precisa, visando à criação de uma ilusão do real.
16) A associação da beleza ao equilibrado e ao agradável deve-se também à influência da
indústria do entretenimento. À medida que a fruição artística passa a ser associada ao
momento de lazer, ela se fortalece como distração e disfarce das dificuldades e das
imperfeições da vida cotidiana.

25. Explique o efeito da Catarse na arte.