Você está na página 1de 16
Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Hidráulicas Mecânica dos Fluidos e

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Hidráulicas Mecânica dos Fluidos e Hidráulica II

Hidráulicas Mecânica dos Fluidos e Hidráulica II Curva de Estrangulação de uma Bomba Relatório de Aula

Curva de Estrangulação de uma Bomba

Relatório de Aula Prática em Laboratório

Bárbara Griebeler da Motta Cristhiane Paludo Demore João Paulo Mérico Lucas Cenci Aragão

Outubro, 2016

SUMÁRIO

1.

INTRODUÇÃO

2. OBJETIVOS

3. MATERIAIS E MÉTODOS 3.1 Materiais

3.2 Métodos

Antes de iniciar o procedimento, foi medida a temperatura da água para sua posterior definição de peso específico. Fixando-se a frequência de operação do motor em 67 Hertz e tendo a vazão controlada por um registro gaveta, fez-se a leitura de pressões no vacuômetro e no manômetro e da altura da lâmina de água com a ponta linimétrica para cinco valores diferentes de vazão.

Iniciou-se o experimento com a maior vazão passante. Após estabilização do sistema, foi possível fazer a verificação das três leituras (manômetro, vacuômetro e ponta linimétrica). Fechando-se gradativamente o registro a fim de se obter cinco pontos, repetiu-se o mesmo procedimento até que o registro estivesse completamente fechado, ou seja, até que nenhuma vazão estivesse passando. Nesse ponto, utilizou-se o piezômetro para verificação do nível de água no reservatório inferior.

3.2.1 Peso Específico da Água:

Densidade é a relação entre a massa específica de um fluido com a massa específica de um fluido padrão, normalmente água a 4ºC. O fluido utilizado no experimento é água a 20ºC, cuja densidade varia em função da temperatura de acordo com a equação (1).

d = 0,9999 + 5,353

Sendo:

* 1

0

5 * T

d : Densidade da água (adimensional)

7,

2

42

* 1

0

6 * T

²

+

2,

7

28

* 1

0

8 * T

³

(1)

T: Temperatura da água em Celsius para temperaturas entre 0ºC e 50ºC.

O peso específico do fluido é dado pela equação (2).

=

Sendo:

1000: Massa específica da água a 4ºC em

: Peso específico em

N

m³

Kg

m³

1000 * d * g

(2)

d : Densidade da água (adimensional)

g: Aceleração da gravidade local em m/s²

3.2.2 Conversão de Frequências

A curva carga hidráulica (H) por vazão (Q) é ajustada utilizando rotações por minuto (RPM) no

lugar de hertz como frequência. Portanto, a conversão de unidades é dada pela equação (3).

30,375

RPM =

* f

− 4

6,

5

87

(3)

Sendo:

RPM: Valor da frequência em RPM

f : Frequência em Hertz

3.2.3 Lei de Calibração do Vertedor

A

a equação (4).

Sendo:

vazão do escoamento depende da altura do nível de água do vertedor, calculada de acordo com

h h

v =

leitura

a

0

(4)

h

h

a

v

: altura do nível de água do vertedor em cm

leitura

: altura medida de acordo com a vazão utilizando-se a ponta linimétrica em cm

0

: altura do nível de água inicial em cm

A altura do nível de água inicial é de 25 centímetros. Além disso, a altura lida com ponta linimétrica é encontrada ajustando-se as roscas do instrumento para que sua ponta encoste suavemente na superfície da água no copo de medição. O valor da leitura é dado pelo primeiro número inteiro acima de “0” na régua, bem como seu primeiro decimal. A casa do centesimal é dada pelo valor em que o traço da régua encontra-se alinhado com o elemento dourado na ponta linimétrica.

equação (5).

A

partir de h , é possível calcular a vazão pela lei de calibração do vertedor, que é dada pela

v

Q = 0,4837 * h v 1,4978

(5)

Sendo:

Q: Vazão em l

s

h

v

: Altura do nível de água do vertedor em cm.

3.2.4 Diâmetros Internos dos Condutos para Aspiração e Recalque

O diâmetro interno da canalização depende do diâmetro nominal da bomba e espessura da parede da

tubulação. Esses dados são tabelados de acordo com os fabricantes, neste caso o fabricante escolhido foi o PVC Brazil, conforme a tabela 1.

Então, calcula-se o diâmetro interno pela equação (6).

Sendo:

D D

i =

e

ε

(6)

D i : Diâmetro interno do conduto em mm

D

e : Diâmetro externo do conduto em mm

ε : Espessura da parede do conduto em mm

Tabela 1 - fonte: http://www.pvcbrazil.com.br/produto/40/Tubo_PBA_(JEI)_Classe_15-6_m/ 3.2.5 Velocidades de Escoamento As

Tabela 1 - fonte: http://www.pvcbrazil.com.br/produto/40/Tubo_PBA_(JEI)_Classe_15-6_m/

3.2.5 Velocidades de Escoamento As velocidades no escoamento tanto em aspiração quanto em recalque são dadas pela equação

(7).

Sendo:

V: Velocidade do escoamento em

Q: Vazão em

m³

s

m

s

V

=

4

Π *

Q

D²

D: Diâmetro interno do conduto em m

(7)

3.2.6.1

Aspiração

A pressão de aspiração é encontrada utilizando-se o valor da leitura no vacuômetro na entrada da

bomba. Vale ressaltar que por ser aspiração, a convenção utilizada considera a pressão do vacuômetro negativa e é dada pela equação (8).

Sendo:

p

a = (p v * 1

0

−3

)

* γ Hg + h medidor * γ H O

2

p

a

: Pressão de aspiração na entrada da bomba em Pa

p

v

: Pressão no vacuômetro de entrada da bomba em mm de mercúrio (Hg)

γ

Hg

: Peso específico do mercúrio em

N

m³

h

medidor

: Altura do medidor de pressões em m

γ

H O

2

: Peso específico da água em

N

m³

3.2.6.2 Recalque

(8)

A pressão no recalque é obtida utilizando-se o valor da leitura do manômetro na saída da bomba e

é dada pela equação (9).

p r = p m + h medidor * γ H O

2

Sendo:

p

r

: Pressão de recalque na saída da bomba em Pa

p

m

: Pressão no manômetro de saída da bomba em Pa

h

medidor

:Altura do medidor de pressões em m

γ

H O

2

: Peso específico da água em

N

m³

3.2.7 Energia Fornecida pela Bomba

(9)

A energia fornecida pela bomba é calculada utilizando a equação de conservação de energia ou

equação de Bernoulli entre os reservatórios onde as pressões, velocidades e cotas são conhecidas.

Sendo:

z 1 +

p 1 +

γ

V 2

1

2

*

g

+ H b = z 2 +

p 2 +

γ

V 2

2

2

*

g

+ h p

z 1 : Cota do ponto de captação da água em m

(Equação de Bernoulli)

H

b

: Energia da bomba em m

z

2

: Cota do ponto de disposição final da água em m

p : Pressão no ponto em análise em metros de coluna de água

γ

V 2

2

* g

: Taquicarga entre os dois pontos em m

h

p

: Perda de carga (linear + singular) entre os dois pontos em m

Entretanto, como a equação de Bernoulli foi aplicada numa mesma linha de corrente onde os dois pontos estão localizados numa mesma cota e desprezando-se as perdas de carga entre a entrada e a saída da bomba, a equação é simplificada à equação (11).

H b =

p 2 +

γ

V 2

2

p 1

V 2

1

2

*

g

γ

2

*

g

3.2.8 Ajuste da Lei de Calibração

(11)

Com os dados experimentais obtidos até então, ajusta-se a curva de energia fornecida pela bomba para cada vazão calculada de acordo com a equação (12).

Sendo,

H

b

²

= a * N

+

a , b e c : Parâmetros de ajuste

N

: Frequência do motor em RPM

Q : Vazão em

m³

h

b

* Q * N

c

* Q

²

3.2.9 Curva de Estrangulação da Bomba

(12)

O objetivo deste experimento é estabelecer a curva de estrangulação da bomba centrífuga fixando duas novas rotações (1750 RPM e 3500 RPM), para que isso seja possível, é necessário converter a curva experimental HxQ por leis de semelhança para as novas novas curvas.

Para que duas máquinas hidráulicas sejam semelhantes é necessário que elas apresentem proporcionalidade geométrica (tais como escala geométrica, número de palhetas e mesmo ângulo) bem como cinemáticas (tal como escala de velocidades). Sendo assim, as escalas são encontradas pelas equações de (13 a 18) que seguem.

Escala Geométrica λ

Sendo:

G :

λ G =

D

d

(13)

λ

G : Escala Geométrica

D: Diâmetro do rotor da bomba 1

d: Diâmetro do rotor da bomba 2

Escala de Rotações λ

N

:

λ

N

Sendo:

: Escala de Rotações

λ N =

N

n

(14)

N: Frequência em RPM do rotor da bomba 1

n: Frequência em RPM do rotor da bomba 2

Escala de Vazões λ

Q :

λ

Sendo,

Q : Escala de Vazões

λ Q =

Q

q

Q: Vazão para rotação N

q: Vazão para rotação n

Escala de Cargas λ

H

:

λ

H

Sendo:

: Escala de Cargas

λ H =

H

h

H: Carga para rotação N

h: Carga para rotação n

=

λ³ G * λ N

(15)

= λ² G * λ² N

(16)

Por manipulação algébrica, encontram-se duas novas relações que serão utilizadas para construir as novas curvas de estrangulação tendo como dado a frequência de 67 Hertz:

E

λ

Q =

λ

6 G * λ² N

(17)

4.RESULTADOS E ANÁLISES

λ H =

λ

6 G * λ 6 N (18)

Nesta seção serão apresentadas as medições efetuadas no experimento e os resultados encontrados após o tratamento dos dados coletados. Os dados foram coletados no dia 19 de outubro de 2016, 15h. A temperatura local era de 20°C e a pressão atmosférica era de XXXXX Pa.

Para efetuar o experimento, foram coletadas as pressões relativas na entrada e saída da bomba, para cinco vazões diferentes. A frequência foi mantida constante em 67 Hz, que resulta, utilizando a equação 3, em 1988,5 rpm. Os dados das pressões coletadas são exibidos na tabela 4.1 e das alturas de lâmina d’água no vertedouro na tabela 4.2.

Tabela 4.1. Leituras efetuadas no vacuômetro e manômetro.

LEITURA

VÁCUO (mmHg)

PRESSÃO (KPa)

1

120

59,5

2

80

82

3

60

92,8

4

35

106,5

5

-

122,5

 

PIEZÔMETRO (cm)

83

Tabela 4.2. Alturas efetuadas com a ponta linimétrica.

hv (cm)

a0 (cm)

33,4

25

32,2

31,33

29,9

-

CONCLUSÃO

BIBLIOGRAFIA