Você está na página 1de 122

Futebol Clube Porto – DRAGON FORCE

- Turma B1 - sub 13 -
Relatório de Estágio Profissionalizante
realizado no Futebol Clube do Porto – Futebol S.A.D.

Orientador: Prof. Doutor Filipe Luís Martins Casanova


Supervisor: Dr. Pedro Miguel Silva

João Pedro Colaço Araújo


Porto, Junho de 2013
IV
Futebol Clube Porto – DRAGON FORCE
- Turma B1 - sub 13 -
Relatório de Estágio Profissionalizante
realizado no Futebol Clube do Porto – Futebol S.A.D.

Relatório de Estágio com vista à obtenção de grau de


Mestre (Decreto – Lei nº 74/2006, de 24 de Março)
em Desporto para Crianças e Jovens

Orientador: Prof. Doutor Filipe Luís Martins Casanova


Supervisor: Dr. Pedro Miguel Silva

João Pedro Colaço Araújo


Porto, Junho de 2013

V
Araújo, J., (2013). Futebol Clube do Porto – Dragon Force - Expert B1, sub 13 - Relatório de
estágio profissionalizante para obtenção do grau de Mestre em Desporto para Crianças e
Jovens apresentada á Faculdade de Desporto, da Universidade do Porto.

PALAVRAS-CHAVE: FUTEBOL, FORMAÇÃO, EXPERTISE.

VI
Dedicatória

À minha avó que estaria tão orgulhosa do seu menino de ouro…

VII
Agradecimentos

Ao meu orientador, o Professor Doutor Filipe Luís Martins Casanova, pela sua
disponibilidade total na orientação deste trabalho.

A toda a escola de futebol Dragon Force, em especial aos meus jogadores da turma Expert B1
pela possibilidade de crescer não só como treinador mas também como pessoa.

À pessoa mais importante da minha vida, a minha namorada Paula daqui a poucos dias
esposa, pelo apoio incondicional ao longo deste trajeto.

Aos meus pais por todos os ensinamentos, apoio e compreensão que me deram ao longo
destes 26 anos.

À minha irmã Ana e aos meus amados sobrinhos Simão e Bruna que de uma forma direta ou
indireta tiveram contributo nesse trabalho.

VIII
Índice Geral

Índice de Figuras ................................................................................................................................................. XI

Índice de Tabelas ................................................................................................................................................. XI

Índice de Anexos ................................................................................................................................................ XII

1 Introdução ........................................................................................................................................................ 3

2 Revisão Bibliográfica ....................................................................................................................................... 6


2.1 Características do Futebolista Expert .................................................................................................. 6
2.2 O Desenvolvimento do Futebolista Expert ........................................................................................... 8
2.3 Prática Deliberada .............................................................................................................................. 11
2.4 O Treinador ........................................................................................................................................ 14
2.5 O Treinador de Crianças e Jovens ..................................................................................................... 15
2.6 Estratégias dos Treinadores .............................................................................................................. 17

3 O Clube – Futebol Clube do Porto ............................................................................................................... 20


3.1 A Criação da Futebol Clube do Porto - Futebol, S.A.D. ..................................................................... 21
3.2 O Futebol – Percurso de Êxito Desportivo ......................................................................................... 22
3.3 Dragon Force ..................................................................................................................................... 22
3.4 Departamentos transversais .............................................................................................................. 23

4 O Modelo de Jogo .......................................................................................................................................... 26


4.1 Princípio da Especificidade ................................................................................................................ 28
4.2 Princípio da Progressão Complexa .................................................................................................... 28
4.3 Principio das Propensões................................................................................................................... 29
4.4 Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade ...................................................................... 30
4.5 Morfociclo Padrão .............................................................................................................................. 30
4.6 Modelo de Jogo Dragon Force ........................................................................................................... 32
4.7 Momentos do jogo .............................................................................................................................. 32
4.8 Princípios fundamentais do Modelo de Jogo...................................................................................... 32
4.9 A identificação deste modelo rege-se por aspetos fundamentais ...................................................... 33
4.10 O Treinador Dragon Force ................................................................................................................. 33

6 Estrutura Organizacional Dragon Force ..................................................................................................... 37


6.1 Recursos Humanos ............................................................................................................................ 39
6.2 Recurso Logísticos ............................................................................................................................. 39

7 Plano Anual Dragon Force............................................................................................................................ 42

8 A Equipa Expert B1 – Sub 13 ....................................................................................................................... 45


8.1 Avaliação Diagnóstica da Equipa ....................................................................................................... 46
8.2 Contrato de Equipa ............................................................................................................................ 47
8.3 Ideia de Jogo Pretendida ................................................................................................................... 48
8.4 Estrutura da Equipa ........................................................................................................................... 52
8.5 Avaliações Sumativas Trimestrais ..................................................................................................... 53
8.6 Liga Interna – Tabela dos Pontos ...................................................................................................... 54
8.7 Padrão semanal da Equipa Expert B1 sem competição .................................................................... 56
8.8 Padrão semanal de Equipa Expert B1, em competição ..................................................................... 59
8.9 Indicador de Rendimento ................................................................................................................... 62
8.10 Conquistas ......................................................................................................................................... 63

IX
9 Conclusões ...................................................................................................................................................... 65
9.1 Componente teórica ........................................................................................................................... 65
9.2 Componente prática ........................................................................................................................... 66

10 Referências Bibliográficas ............................................................................................................................. 68

11 Anexos ............................................................................................................................................................. 77
11.1 Anexo I: Diário de Treino.................................................................................................................... 77
11.2 Anexo II: Avaliações I Trimestre ......................................................................................................... 93
11.3 Anexo III: Avaliações II Trimestre ....................................................................................................... 96
11.4 Anexo IV: Avaliações do III Trimestre ................................................................................................ 99
11.5 Anexo V: Tabelas de Pontos ............................................................................................................ 102

X
Índice de Figuras

Figura 1 - Abordagem do desempenho expert (adaptado por Williams & Ericsson, 2005). ....................................................10

Figura 2 – Conhecimentos do Treinador Dragon Force. ..........................................................................................................33

Figura 3 – Morfociclo Padrão (adaptado por Oliveira,2003). ..................................................................................................32

Figura 4 – Plano Anual Dragon Force. ....................................................................................................................................42

Figura 5 – Planeamento Anual da turma Exper B1. .................................................................................................................43

Figura 6 – Equipa Expert B1....................................................................................................................................................46

Figura 7 – Avaliação da Equipa. ..............................................................................................................................................47

Figura 8 – Contrato de Equipa. ................................................................................................................................................48

Figura 9 – Estrutura base da equipa. ........................................................................................................................................53

Figura 10 – Ficha de Avaliação do aluno referente ao I trimestre. ...........................................................................................54

Figura 11 – Registo de Pontos referente à 4ª semana de treinos. .............................................................................................55

Figura 13 – Padrão semanal da equipa Expert B1. ...................................................................................................................56

Figura 14 – Treino nº31 (Sub Princípios à 2ª feira). ................................................................................................................58

Figura 15 – Treino nº22 (Grandes Princípios à 6ª feira)...........................................................................................................59

Figura 16 – Padrão Semanal da equipa Expert B1 (competição). ............................................................................................60

Figura 17 – Evolução dos Resultados da Equipa. ....................................................................................................................62

Figura 18 – Total de jogos expressos em Vitórias, Derrotas e Empates. ..................................................................................62

Figura 19 – Evolução dos Golos Marcados e Sofridos.............................................................................................................63

Índice de Tabelas

Tabela 1 – Recursos Humanos Dragon Force. ..................................................................................................... 39

Tabela 2 – Informações Específicas Sobre os Jogadores. ..................................................................................... 45

XI
Índice de Anexos
Anexo I: Diário de Treino.......................................................................................................................... 77
Anexo II: Avaliações I Trimestre .............................................................................................................. 93
Anexo III: Avaliações II Trimestre ........................................................................................................... 96
Anexo IV: Avaliações do III Trimestre ..................................................................................................... 99
Anexo V: Tabelas de Pontos .................................................................................................................... 102

XII
Resumo

Os principais objetivos inerentes a este estágio foram a aquisição do conhecimento prático


sobre a metodologia de treino utilizada na escola de futebol Dragon Force e conhecer o
funcionamento de uma grande estrutura desportiva, ligada à prática do futebol profissional e
ao futebol de formação.

Numa primeira fase da presente dissertação foi desenvolvida uma revisão bibliográfica acerca
do futebolista expert, do treinador de formação juntamente com um estudo descritivo sobre a
estrutura da escola Dragon Force. De seguida numa segunda fase foi desenvolvido um
trabalho prático na turma Expert B1 ao longo de toda a época desportiva.

Para além da revisão bibliográfica, este relatório contempla um diário de treino juntamente
com um dossier informativo relativo à turma, para evidenciar um conhecimento científico e
empírico do estudo.

No conjunto de todas as práticas conclui-se que o jovem futebolista expert apresentou um


conjunto de unidades que o caraterizam como tal, diferentes de todos os outros, pois o seu
historial prático, número de horas e experiências de prática foram distintos dos demais
colegas, que o levam a atingir a elite da competição, em que estão inseridos. Por último, o
treinador de crianças e jovens deverá ser um treinador com um conhecimento multidisciplinar,
além do conhecimento técnico e tático e deverá ser exímio na metodologia de ensino,
pedagogia e na capacidade de despertar interesse nos jovens e motivá-los.

PALAVRAS-CHAVE: FUTEBOL, FORMAÇÃO, EXPERTISE.

XIII
Abstract

The main objectives inherent in this internship were the acquisition of practical knowledge
about the training methodology used in the Dragon Force Football School and getting to know
the functioning of a large sports facility, linked to the practice of professional football and
football training.

In a first stage of this dissertation was developed a bibliographic review about the expert
footballer, of the training coach along with a descriptive study of the structure of the Dragon
Force Football School. On a second stage it was developed a practical work in the class
Expert B1 along the whole season.

In addition to the bibliographic review, this report comprises a training journal along with an
information dossier regarding the class to show the scientific and empirical knowledge of the
study.

On the practices altogether we can conclude that the young expert footballer has presented a
set of units that characterize him as such, different from all others, thus his practical history,
number of hours and practical experiences have been distinct from the other colleagues,
which lead him to reach the competition elite, in which they are inserted. At last, the child and
youth coach should be a coach with multidisciplinary knowledge, beyond the technical and
tactical knowledge and should be an expert in the teaching methodology, pedagogy and in the
ability to stir interest in young people and to motivate them.

KEYWORDS: SOCCER, YOUTH TRAINING, EXPERTISE.

XIV
Lista de Abreviaturas

F.C. P – Futebol clube do Porto

DC – Defesa Central

MC – Médio Centro

PL – Ponta de Lança

OO – Organização Ofensiva

OD – Organização Defensiva

TDA – Transição Defensiva

TAD – Transição Ofensiva

XV
CAPÍTULO 1

INTRODUÇÃO
2
1 Introdução

“O Futebol de Formação é uma escola de jogadores de Futebol. Assim como a escola


tradicional pretende dar uma formação cultural e académica aos cidadãos para que mais tarde
possam vir a ser integrados na vida ativa, a escola de futebol pretende dar uma formação
adequada aos jovens futebolistas, para que mais tarde possam vir a integrar as suas equipas
seniores” (Pacheco, 2001). Também, o mesmo autor referiu que formar jovens futebolistas é
uma atividade pedagógica aliciante e atrativa, que exige por parte de todos os que a dirigem,
uma qualificação adequada e um elevado sentido de responsabilidade para com o praticante, o
sistema desportivo e a sociedade (Pacheco, 2001).

No final do primeiro ano do 2º ciclo de estudos (Mestrado), surgiu a oportunidade de


integrar os quadros técnicos da Escola de Futebol Dragon Force, escola oficial do Futebol
Clube do Porto (F.C.P.). Oportunidade para aliar esta experiência a um estágio
profissionalizante com vista à obtenção do grau de mestre no Treino Desportivo para Crianças
e Jovens e, também, adquirir formação prática numa turma de expert, equivalente ao escalão
sub. 13.

O Projeto Dragon Force começou a ser planeado na época desportiva 2006/2007. Mas
foi em 2007/2008 que o F.C.P. abriu a escola do Dragão (no campo do Padroense) que serviu
de embrião para o projeto Dragon Force. Em Setembro de 2008, no emblemático e renovado
campo da constituição, e denominado hoje em dia como Vitalis Park, nasce a primeira Escola
de Futebol Dragon Force.

Os objetivos sempre foram claros para o F.C.P. a escola: (i) desportivo – capacidade
de formar e captar novos talentos para a formação do F.C.P.; (ii) comunicação – fazer chegar
a marca F.C.P. ao maior número de crianças e famílias; (iii) qualidade e responsabilidade
social – prestar um diferente número de serviços, às escolas; e (iv) financeiro - gerar uma
nova fonte de receitas.

Atualmente, a Dragon Force integra 14 escolas de futebol, 1 escola de andebol, 1


escola de basquetebol e 1 escola de hóquei em patins. No total, mais de 3000 crianças
praticam diariamente a sua modalidade preferida.

Deste modo para a presente dissertação definiu-se os seguintes objetivos:

 Objetivo geral:
o Suportado por um quadro científico, dar a conhecer o processo de formação do
futebolista expert, e quais os pressupostos que permitem alcançar a excelência.

3
 Objetivos específicos:
o Conhecer quais as características do treinador de elite comparativamente com
o treinador de Formação;
o Como deve intervir o treinador no Futebol de Formação;
o Esclarecer o perfil do treinador Dragon Force, bem como a sua intervenção
perante os jovens atletas;
o Conhecer toda a estrutura do universo Dragon Force;
o Aprofundar o conhecimento sobre a metodologia de treino aplicada;
o Conhecer qual o modelo de jogo utilizado na escola;
o Dar a conhecer todo o processo de treino da turma Expert B1 e a forma de
intervenção ao longo da época desportiva 2012/2013.

Com o propósito de cumprir os objetivos traçados, realizou-se uma revisão da


literatura, através da qual se procurou enquadrar o tema no quadro científico atual.

Desta forma, o presente estudo estrutura-se nos seguintes capítulos:

1. Introdução: pretende justificar a pertinência do estudo, delimitar a problemática e


definir os objetivos;
2. Revisão da Literatura: consiste numa revisão da literatura relacionada com os temas
em estudo;
3. Conhecer o clube – Futebol Clube do Porto;
4. O que é o Modelo de Jogo;
5. Conhecer a Estrutura Organizacional da escola de futebol Dragon Force;
6. Qual o Plano Anual para a época desportiva 2012/ 2013;
7. Trabalho prático sobre a equipa Expert B1 – sub 13;
8. Conclusões do estudo realizado;
9. Referências Bibliográficas: indexação das referências bibliográficas mencionadas ao
longo do estudo;
10. Anexos: anexação do diário de treino, das avaliações trimestrais e das tabelas dos
pontos.

4
CAPÍTULO 2

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
5
2 Revisão Bibliográfica

2.1 Características do Futebolista Expert

Nas últimas décadas a literatura tem sido repleta de hipóteses similares e uma grande
controvérsia surgiu sobre a distinção entre várias construções e definições, como a
capacidade, habilidade, talento, experiência e expertise (e.g., Howe, Davidson & Sloboda,
1998; Simonton, 1999).
De acordo com a bibliografia, muitos psicólogos atribuem à visão de que as
habilidades básicas (compreensão pelo jogo e capacidade de execução) são suficientes para
explicar o desempenho expert (Sternberg & Wagner, 1999). No entanto, desviando-se desse
pressuposto, Ericsson e seus colegas (Ericsson 1996; Ericsson & Charness, 1994; Ericsson &
Lehmann, 1996) defendem que, não é só o desempenho expert um produto de conhecimentos
específicos de domínio e habilidade, mas a estrutura e aquisição de conhecimentos são
também fundamentalmente diferentes do que o inicialmente considerado.

O termo expert é utilizado na descrição de um individuo que tenha alcançado um


desempenho superior numa qualquer atividade através de uma aprendizagem e prática
contínua. Segundo Ericsson (1996), um indivíduo expert é alguém que adquiriu uma
habilidade especial ou um conhecimento num domínio particular, através do treino ou da
experiência. Os autores, Ruiz e Sanchez (1997; p. 236), seguindo o mesmo pensamento,
referem ainda, que o indivíduo expert “denota tempo, trabalho e correta tutela e supervisão
técnica, ao conhecimento necessário para conseguir realizar uma determinada tarefa, o que
conduz à perícia”. Esta perícia ou expertise é facultada pela estabilidade e pela
mensurabilidade da performance durante longos períodos de tempo (Ericsson & Smith, 1991).

No entanto, há quem advogue que na expertise, a competência de um indivíduo de


uma certa atividade, depende da presença ou ausência de atributos que tem uma componente
biológica inata, denominados por “dons”, “talentos” ou “aptidões naturais” (Howe et al.,
1998). Segundo os mesmos autores, a explicação para o sucesso de um atleta, pode dever-se
às suas qualidades inatas que lhe permitem uma maior e mais rápida aquisição dentro da sua
área de especialização, tornando-se assim num expert. Costa (2005) considera, ser um mito,
crer-se que talento seja determinado geneticamente, focando que os desempenhos de
excelência apresentados pelos indivíduos, em áreas como o futebol, resultam do empenho
investido nas experiências ao longo de vários anos de prática, permitindo-lhes alcançar
melhorias extraordinárias.

6
O autor Lewontin (2000) usa a metáfora do “balde vazio” para dar uma ideia do
contributo dos genes e do ambiente, quanto à respetiva influência relativa no desenvolvimento
dos indivíduos. O autor clarifica o sentido daquela imagem, alegando que enquanto os genes
determinam o tamanho do continente (balde), o ambiente determina a qualidade dos
conteúdos que o preenchem. Sendo cada indivíduo diferente dos demais, sobretudo na forma
como responde ao processo de formação, ao acreditar-se no inatismo do talento põe-se em
causa o papel da aprendizagem, do treino e da capacidade transformadora que, por definição,
os qualifica (Garganta, 2006b). Helsen e seus colaboradores (2000a) referem que as
expectativas que as crianças possuem para se tornarem peritos e, consequentemente, obterem
mais sucesso a partir da prática, pode constituir um fator-chave para se confirmarem como
atletas de nível superior. Também, Graça (2007) reforça estas ideias ao prevenir que as
conceções perfilhadas em relação ao entendimento da noção de “talento” têm obviamente
fortes repercussões nas práticas da seleção, nas expectativas e exigências, nas oportunidades
de prática, assim como na motivação, na confiança e no empenhamento dos jovens atletas.

O desempenho superior dos indivíduos experts assenta, basicamente, na experiência,


no entanto, é importante referir que para se alcançar o estatuto de expert, os atletas deverão
adquirir a excelência em quatro domínios: (i) domínio fisiológico, a aquisição do
desempenho da elite é exclusivo do domínio do desporto (ii) domínio técnico, da expertise,
refere-se ao grau de coordenação sensório-motor do qual emergem modelos de movimento
refinados, eficientes e efetivos, (iii) domínio cognitivo (tático/estratégico; percetivo/cognitivo
e decisional), o conhecimento tático e estratégico não envolve apenas a capacidade para
determinar qual a estratégia mais apropriada numa determinada situação, mas também qual a
estratégia que pode ser executada com sucesso dentro dos constrangimentos dos movimentos
exigidos, e (iv) domínio emocional, intimamente relacionado com a expertise, pelo facto de
este desempenhar um papel fulcral em aspetos que os indivíduos experts revelam
superioridade, sendo relacionados com a ação, a aprendizagem, a memória e as tomadas de
decisão. Corroborando este pensamento, Oliveira (2004) evidencia que a emoção também
influencia a aprendizagem e os respetivos conhecimentos.

Estudos sobre a história prática do futebol têm estabelecido geralmente uma distinção
entre prática de equipa organizada, prática individual e atividades lúdicas, não existindo
relatos de variações internas destes tipos de prática. Por exemplo, a prática individual tem
servido para mostrar distinções entre jogadores nacionais e internacionais de jogadores
provincianos/ locais nos seus primeiros anos de compromisso (Helsen, et al.,1998). Mais
especificamente, os jogadores internacionais despenderam, de forma significativa, mais tempo

7
de prática individual do que os jogadores nacionais ou provincianos/ locais nos seus primeiros
anos de envolvimento na prática desportiva, em particular no futebol.

O treino em equipas organizadas tem sido relatado como fundamental na infância e na


adolescência. Horas acumuladas e despendidas na prática tem servido para distinguir de forma
significativa os jogadores seniores internacionais, nacionais e provincianos/locais (Helsen et
al.,1998) e entre jogadores jovens de elite e sub-elite (Ward et al., 2007). Estas conclusões
foram suportadas por estudos realizados a futebolistas da primeira liga holandesa, em que os
autores referiram que “receber treino especializado e formação durante um período
prolongado de tempo é muito importante para atingir os níveis mais elevados” (Huijgen et al.,
2009).

Em contraste com estudos sobre a prática especifica do futebol, um estudo recente


indicou que esta mesma prática pode ser mais importante nos primeiros anos de treino do que
o desenvolvimento da prática em equipas organizadas (Ford et al., 2009). A quantidade de
atividade de jogo entre as idades de 6 e os 12 anos de idade foi o único fator de discriminação
entre aqueles que ainda estavam em academias de elite (338 horas/ano), apesar de existirem
algumas evidências de que o grau de envolvimento na prática do futebol organizado ou
atividades jogadas pode ser moderado devido a diferenças culturais entre países.

Num estudo realizado a jovens jogadores de elite brasileiros e portugueses, o montante total
de horas de prática até aos 18 anos foi semelhante para os jogadores de ambos os países, mas
os brasileiros tinham quase o dobro de horas de futebol em atividade lúdica (1600 horas) do
que os seus homólogos portugueses - 960 horas (Koslowsky & Da Conceição Botelho, 2010).

2.2 O Desenvolvimento do Futebolista Expert

A área científica que permite o estudo da expertise tem as suas raízes históricas na
psicologia tradicional e nos trabalhos clássicos de De Groot (1965). O autor examinou os
pensamentos complexos e os mecanismos que mediavam a seleção de movimentos por parte
dos jogadores de xadrez de classe mundial, tendo reportado que os jogadores especialistas, os
experts foram capazes de perceber as melhores jogadas de xadrez de forma muito rápida, em
questão de segundos, e que essas perceções foram mediadas pelos seus extensos
conhecimentos das configurações do jogo. Também, observou que o ato de recordar as
posições das peças no xadrez aumenta em função da perícia do indivíduo.
Os investigadores Simon e Chase (1973) propuseram a primeira teoria do
conhecimento com base no referencial teórico do processamento da informação humana,
definido por Newell e Simon (1972), na qual ambos argumentavam que os indivíduos expert
8
de xadrez desenvolveram um extensivo conhecimento do jogo resultante de muitos anos de
experiência de prática. Estes padrões complexos permitem aos experts recuperarem ou
recordarem algumas sequências de jogo a partir da sua memória. Ericsson e seus
colaboradores (Ericsson e Kintsch, 1995; Ericsson, 1996, 1998; Ericsson e Lehmann, 1996)
sugerem que os indivíduos experts adquirem habilidades complexas que os capacitam de
contornar os limites sugeridos sobre o trabalho da memória. Essas habilidades promovem a
codificação rápida de informações na memória de trabalho a longo prazo, permitindo o acesso
seletivo a essa informação quando necessário, ampliando assim a capacidade disponível na
memória de trabalho a curto prazo. Os indivíduos experts são portanto capazes de expandir a
capacidade de trabalho da sua memória, com o objetivo de exercerem com êxito o
planeamento, o raciocínio, a avaliação e outras atividades necessárias que exijam exercer um
desempenho superior dentro dos seus domínios de atuação (Ericsson e Delaney, 1999).
Em resposta às crescentes críticas da teoria original da expertise, Ericsson e Smith
(1991) propuseram um quadro descritivo e indutivo para o estudo do conhecimento, que
referiram como a abordagem do desempenho expert. Três etapas importantes foram
identificadas na análise empírica do desempenho dos indivíduos experts. A primeira etapa
exige que o desempenho seja observado in situ, ou seja, no próprio local, numa tentativa para
capturar a experiência no domínio de interesse e para projetar tarefas representativas que
permitam que as suas habilidades sejam reproduzidas fielmente em laboratório.
Na segunda etapa, o objetivo é determinar os mecanismos mediadores que
representam o desempenho dos indivíduos expert usando o processo de rastreamento de
medidas, tais como: a análise do protocolo verbal, gravação dos movimentos oculares e/ou
manipulações das tarefas representativas. O conhecimento dos processos subjacentes podem
ajudar a facilitar o desenvolvimento teórico e melhorar a comparação dos fatores que
contribuem para o desenvolvimento dos indivíduos experts. A última etapa envolve esforços
para detalhar a aprendizagem adaptativa e os processos de aquisição explícitos mais
relevantes para o desenvolvimento de competências, com potenciais implicações para a
prática e processo instrutório.
A abordagem do desempenho expert e alguns dos métodos e medidas que podem ser
usadas em cada uma das fases encontra-se ilustrada na Figura 1.

9
Figura 1 - Abordagem do desempenho expert (adaptado por Williams & Ericsson, 2005).

Alguns estudos recentes têm estimulado o debate quanto às vantagens e desvantagens


da abordagem do desempenho expert, bem como os seus pilares conceptuais associados à
teoria da memória e da noção da prática deliberada (Abernethy et al., 2003a, b).
Uma das razões porque o futebol é tão popular deve-se ao facto dos jogadores não
precisarem de possuir extraordinárias capacidades técnicas, psicológicas e físicas (Stolen et
al., 2005). Um jogador consegue compensar debilidades numa área sendo forte em outras, por
exemplo a perícia pode ser conseguida através de uma combinação única de habilidades
(Meylan et al., 2012).
Segundo Côte e seus colaboradores (2009) a iniciação na prática desportiva ocorre por
volta dos 6 anos de idade. No entanto, no futebol, estudos realizados em atletas de elite e sub-
elite revelam que os participantes, de ambos os grupos, iniciam a sua participação desportivo-
futebolística entre os 5 e os 12 anos de idade (Helsen et al., 1998; Ford et al., 2009; Ward et
al., 2007).
Em Portugal, cerca de 90,5% dos jovens praticantes iniciam a prática desportivo-
futebolística aos 10 anos de idade (Leite et al., 2009). Contudo, alguns dados científicos
reportam um efeito significativo na idade de iniciação do jovem atleta em equipas de futebol,
nomeadamente os jogadores de elite iniciam mais cedo a prática desportivo-futebolística do
que os jogadores não elite (Ward et al, 2007).

10
O processo de especialização e desenvolvimento do jovem jogador é complexo,
passando por múltiplos fatores pessoais e circunstanciais (Neto et al,. 2009; Reilly et al.,
2000).

Com base nos estudos sobre a expertise de Macpherson (1993; 1994; 1999; 2000), De
French et al. (1995) e De French & Thomas (1987), Janelle & Hillman (2003; cit. por
Ericsson & Starkes, 2003) relatam que após um período longo de prática deliberada os
atletas/jogadores conseguem extrair respostas mais apropriadas, a partir dos quais os
indivíduos experts formam estratégias táticas, aumentando assim a eficácia da sua tomada de
decisão.

2.3 Prática Deliberada

Diferenças substanciais no corpo sugerem que os atletas de elite necessitam mais de


10 anos de prática para adquirir as habilidades e a experiência necessárias para alcançarem
performances superiores. Esta regra dos 10 anos foi inicialmente discutida por Simon e Chase
(1973) realizando-se uma investigação em diferentes domínios, tais como: xadrez (Charness
et al., 1996), desporto (Bloom, 1985; Ericsson, 1990; Ericsson et al., 1993; Schulz et al.,
1994; Starkes et al., 1996) e música (Bloom, 1985; Ericsson et al., 1993).
Na música, Ericsson e seus colaboradores (1993) recolheram registos das atividades
diárias de pianistas e violinistas experts. Para tal, utilizaram a técnica da recordação
retrospetiva do início da prática dos músicos, em que lhes permitiu criar estimativas acerca da
prática de treino acumulada dos músicos, em cada idade. Os violinistas de elite normalmente
iniciam a sua prática entre os 4 e os 5 anos de idade, o que ao atingirem os 20 anos de idade
permitiu-lhes acumular cerca de 10 000 horas de treino. Enquanto, um grupo de músicos, de
um nível intermédio, utilizou cerca de 8000 horas de prática e um outro grupo, de nível
elementar, despendeu apenas 5000 horas de treino. Estes resultados sugerem que o nível de
desempenho alcançado está intimamente relacionado com o tempo de prática de treino.

Consequentemente, Ericsson e seus colaboradores (1993) apresentaram uma teoria,


conhecida como a teoria da prática deliberada, em que afirmam que a prática deliberada é
uma atividade de esforço motivada pelo objetivo de melhorar o desempenho, sendo o
desenvolvimento do jovem talento competência dos especialistas.
Com o decorrer do tempo, a ideia de que o nível de expertise de um jogador se deve a
um talento inato ou a uma herança genética foi substituída por uma explicação de que a
superioridade que caracteriza o expert está relacionada com a qualidade do processo e a
quantidade de horas de prática em que este se empenha ao longo da sua vida. Aliás, o papel da

11
prática deliberada é um fator determinante no desenvolvimento da excelência desportiva
(Charness & Tuffiash, 1993; Ericsson & Lehmann, 1996; Ward et al., 2007).
A prática deliberada caracteriza-se como uma atividade de treino direcionada para
melhorar aspetos específicos do desempenho, sendo a aprendizagem um resultado direto e
esperado, ao contrário de outras atividades, em que a aprendizagem é implícita a um resultado
indireto da experiência (Ericsson et al.,1993). Os autores anteriormente referidos admitem
mesmo que a quantidade (tempo dedicado) da prática deliberada está diretamente relacionada
com a aquisição de níveis de desempenho de qualidade.
A prática deliberada oferece oportunidades para a repetição, treino e correção de erros,
relevando também a importância de alternar o descanso com períodos de prática intensiva
(Ericsson et al., 1993).
Starkes (2003) refere que a prática deliberada não se reduz ao jogo, ao trabalho, à
observação do desempenho dos adversários, nem tão pouco a um conjunto de atividades de
treino dos jovens que diariamente praticam atividade física. Mas, também requer esforço e
atenção, e implica a seleção de atividades específicas de aprendizagem pelo treinador, não
estando ligado ao imediatismo ou qualquer tipo de recompensa.
Também, Ericsson e seus colaboradores (1993, 1994, 1996) realçam a consistência da
relação entre o número de horas acumuladas de prática deliberada e o rendimento, relegando
para segundo plano outras atividades, tais como a prática por diversão ou a competição em
torneios. Só um individuo com objetivos de rendimento elevados, aliados a um nível de
compromisso também elevado, é capaz de realizar as milhares de horas necessárias para
atingir o patamar da excelência desportiva em qualquer contexto de realização (Locke &
Latham, 1990; Baker & Côte, 2003).
Importa referir que a prática deliberada está dependente não só do esforço físico e
mental do atleta mas também do acesso a treinadores, equipamentos e a meios financeiros de
excelência (Ericsson et al., 1993; Van Yperen, 2009).
Num estudo longitudinal em que se procurou estabelecer uma relação entre o
compromisso (dedicação, entrega e motivação) com os objetivos de rendimento desportivo
elevado, o autor Van Yperen (2009) reportou que os jogadores de futebol que evoluíram para
a prática profissional mostravam um nível de compromisso com os objetivos superior ao dos
seus colegas, que haviam feito um percurso simultâneo na mesma academia mas acabaram
por desistir, contudo, a importância dos objetivos não diferia entre os dois grupos (Van
Yperen, 2009). Assim, os indivíduos são motivados para a prática deliberada pelo simples
facto de que esta melhorou o desempenho e permitiu, consequentemente, atingir o nível de
rendimento desejado (Ericsson et al., 1993).

12
Contudo, alguns autores advogam que o fator “hereditariedade” prevalece sobre o
“meio” na determinação de performances de alto nível de rendimento (Klissoures et al.,
2007). Segundo Klissoures e seus colaboradores (2007), os atletas de excelência são o
resultado de um conjunto de genes capazes de manifestar características diferentes dos
demais.
No entanto, Ericsson e seus colaboradores (1993,1996 e 2007) têm vindo a defender
que a performance, nos seus mais variados domínios, é resultado do tempo despendido pelos
atletas na prática de atividades relevantes. Ainda, os mesmos autores reforçam que as
diferenças de desempenho entre indivíduos resultam do sentido da oportunidade, da
experiência, do esforço e da regra de otimização do treino para a aquisição de performances
de excelência.
Saliente-se, também, que na consciencialização de atividades diárias (prática
deliberada), os autores avaliaram-nas como pouco agradáveis e exigentes, tanto a nível físico
como mental. Este tipo de metodologia foi mais tarde aplicado ao domínio desportivo, com
idênticos resultados (Nordin et al, 2006).
Com base em entrevistas realizadas a 34 jovens ingleses e canadianos, filiados em
clubes da Premier League, e seis treinadores de topo, os investigadores Holt e Dunn (2004)
formularam a Teoria de Competências Psicossociais e de Envolvimento. Estes identificaram
quatro competências que facilitam o desenvolvimento do talento desportivo durante a
adolescência: (i) a disciplina; (ii) o compromisso com a prática; (iii) a flexibilidade de
carácter e (iv) o suporte social. A disciplina representava a dedicação do indivíduo e a
capacidade do sujeito no desenvolvimento das tarefas; o compromisso referia-se à motivação
inerente ao próprio individuo no cumprimento dos objetivos de carreira; a capacidade de criar
estratégias de superação das dificuldades que os indivíduos se iriam debatendo ao longo de
todo o processo, passava pela presença de um carácter flexível e aberto à mudança; e o
suporte social exprimia a disponibilidade e a necessidade de apoio emocional e informacional.
Apenas alguns estudos relataram a quantidade de horas acumuladas na elite do futebol
juvenil (Ford & Williams, 2008; Helsen, et al.,1998; Koslowsky & Da Conceição Botelho,
2010; Ward et al., 2007). No único estudo incluindo jogadores seniores, foram encontradas
diferenças significativas entre os jogadores internacionais e os provincianos nos 10 anos das
suas carreiras desportivas, com 4587 horas e 3306 horas de prática especifica acumulada no
futebol, respetivamente (Helsen et al., 1998). Três anos adicionais foram necessários para
identificar diferenças significativas entre jogadores internacionais e jogadores nacionais com
6328 horas e 5220 horas, respetivamente.

13
2.4 O Treinador

A evolução que tem acontecido no desporto, a luta pela sua constante melhoria e as
exigências sempre crescentes, nele exercido, quer no desporto de formação quer no desporto
de alto rendimento, deram origem a estudos, reflexões e investigações em torno da preparação
dos atletas e daquilo que possa desencadear maiores prestações; caso do treino e o seu
principal responsável, o treinador (Pardal, 2002).
Em todos os sectores, há alguns indivíduos que demonstram consistentemente
performances a níveis superiores em relação aos seus contemporâneos, fazendo com que se
destaquem da maioria. Estes indivíduos são frequentemente rotulados de excecionais,
superiores, dotados, talentosos, especiais ou experts (Ericsson & Smith, 1991). Na senda dos
mesmos autores “o treinador expert caracteriza-se por possuir um conjunto de características
estáveis, independentemente da situação”.
Para Martens (1999) treinar é essencialmente um processo de comunicação, que
implica saber comunicar e interagir com os atletas. Ou seja, os treinadores deverão dominar a
área da comunicação, como atesta Costa (2006) referindo que o treinador comunica com os
praticantes de formas muito diversas. Se por um lado, o treinador deve demonstrar alguma
“preocupação”, por questões particulares de cada um, por outro deve ter presente uma conduta
de isenção, igualdade e justiça no tratamento que dispensa aos seus atletas durante o treino e
para além deste momento. Para Bompa (2005; cit. por Evangelista, 2007) o treinador de
referência deve ter as seguintes capacidades:

 Caráter firme;
 Capacidade de motivar;
 Excelente professor;
 Psicólogo, permanente;
 Alto nível educacional e informacional;
 Líder e organizado;
 Habilidades intelectuais elevadas.

O investigador Evangelista (2007) enumerou um número de características dos


treinadores peritos, considerando-as como essenciais. A saber:

 Possuem um conhecimento profundo e especializado;


 Organizam o seu conhecimento hierarquicamente;
 Possuem uma grande capacidade prospetiva e de resolução dos problemas;
14
 Apresentam um quase automatismo durante a análise e a instrução.
 Desenvolveram técnicas de auto-controlo e de avaliação do seu trabalho.

Para Gluch (1997), e no sentido da excelência, o treinador deve procurar potenciar ao


máximo as capacidades dos seus atletas, aumentando os níveis de autoconfiança na eficácia
das suas ações e encorajando a autoanálise destes. Para além disto, este autor destaca outros
fatores importantes para o treinador na conquista do sucesso, nomeadamente a autoestima
elevada, a capacidade de comunicação, a capacidade de motivar os atletas, a adoção de um
estilo de liderança adequado às circunstâncias e a capacidade para potenciar a coesão de
grupo.
Na opinião de Barreto (1998) o treinador deve ser um técnico especialista na sua
modalidade, possuir um conhecimento profundo da mesma, em todas as suas principais
dimensões (histórica, cultural, estrutural, metodológica, relacional, técnica, tática, estratégica)
e ter a capacidade de análise, quer do treino quer da competição, permitindo-lhe descobrir os
aspetos primordiais que possibilitem aprender, aperfeiçoar e consolidar tanto o rendimento
individual (jogador) como o rendimento coletivo (equipa).

2.5 O Treinador de Crianças e Jovens

O investigador Pereira (1996) defende que a formação é a base do alto rendimento e a


este nível o treino surge como epicentro de todo o processo. Assim, torna-se fundamental que
se conheça, de forma profunda, o processo de formação desportiva, de modo a que se
respeitem os diferentes níveis de prática, cada qual com as suas características próprias
(Mesquita, 1997). Para o mesmo autor a “Formação”, para ser bem-sucedida, pressupõe a
construção e a existência de “alicerces”, adquiridos durante o período de formação do atleta.
Esses “alicerces” devem ser criados o mais cedo possível, tendo como base a qualidade do
processo de treino e da intervenção das pessoas que orientam a formação (Moita, 2008).
É preciso transformar a formação de jogadores “num processo ajustado e com
objetivos adequados às diferentes fases do desenvolvimento do jovem jogador” (Leal &
Quinta, 2001).
Assim sendo, a formação desportiva do jovem constitui-se como um aspeto
fundamental na globalidade da sua preparação desportiva, revelando-se muito importante a
definição de objetivos em cada uma das etapas do processo de formação, para que o seu
desenvolvimento ocorra assim de forma harmoniosa (Mesquita, 1997). Para Araújo (1995) ser
treinador exige um conhecimento multidisciplinar, tornando-se evidentemente

15
imprescindíveis os conhecimentos inerentes à tática, à técnica e à preparação condicional do
jogo em que o treinador se especialize, bem como o fundamental domínio da pedagogia e
metodologia de ensino e a necessidade expressa de ser um especialista no provocar do
interesse e da motivação das que consigo aprendem e treinam.
Portanto, é crucial que o treinador proporcione aos seus atletas os meios necessários
para que estes se sintam motivados, ao mesmo tempo que adquirem e desenvolvem
qualidades (Bayer, 1987).
Segundo Mesquita (1997) no processo inicial de formação desportiva, a preocupação
passa por proporcionar aos jovens o acesso a uma prática desportiva regular, possibilitando
uma seleção progressiva dos que revelam talento que perspetive atingir o alto rendimento,
sem que para isso este seja renunciado aos demais. O mesmo autor sugere que a obtenção do
resultado imediato não pode ser uma preocupação prioritária para o treinador, na medida em
que a aprendizagem não deve ser orientada por rendimentos imediatos, sob a pena de se estar
a comprometer a formação e a evolução do jovem praticante.
Por outro lado, Costa (2006) refere que a mensagem do treinador, no trato diário com
os praticantes, deve ser uma mensagem humanista, que se afaste do obscuro pragmatismo que
caracteriza o mundo contemporâneo e que timbra com contornos muito fortes a educação dos
jovens, cujos reflexos ainda estão por determinar no seu impacto futuro. Também, o mesmo
autor refere que a presença do treinador durante o treino dá um contributo enorme para o
entendimento da atividade como uma parcela da formação do caráter.
Assim sendo, Marques (1999) refere que o treinador assume em todo o processo de
formação desportiva e humana um papel vital, dado ser o responsável direto, pelo presente e
futuro dos jovens que lhe são confiados, o que exige que possua conhecimentos acerca do
desenvolvimento motor, biológico, psíquico e social dos jovens, e a capacidade de os integrar
nas suas propostas metodológicas de ensino. Por conseguinte, Frade (2002) a intervenção do
treinador deve privilegiar os seguintes parâmetros:
 Linguagem acessível e contextualizada;
 Presença envolvente;
 Estimulação emotiva;
 Demonstração e participação na prática;
 Ajudar a reconhecer o problema – não dar a solução;
 Interpretação do contexto (intencionalidade e concretização com sentido);
 Promover situações onde o contexto tem várias soluções para haver seletividade
(através do critério).

16
2.6 Estratégias dos Treinadores

Uma tarefa importante que os treinadores devem ter sempre presente é o de fornecer
aos seus alunos/atletas feedbacks para que possam melhorar o seu desempenho durante a
prática. A prestação do feedback ajuda a promover uma aprendizagem eficiente, garante um
correto desenvolvimento da habilidade e influencia a motivação do aluno/atleta em persistir
com a prática.
Tradicionalmente, os treinadores têm a tendência a fornecer quantidades abundantes
de feedbacks na crença de que a efetiva aquisição das habilidades do futebol será melhor. No
entanto, enquanto os alunos/atletas necessitam do feedback para refinar e desenvolver as suas
habilidades, é importante perceber que esta informação pode ser adquirida através de muitas
vias e métodos diferentes, em que uns são mais eficazes do que outros.
O feedback surge como uma consequência natural da execução de uma ação, muitas
vezes referido como feedback intrínseco. Por exemplo, no futebol um jogador será capaz de
ver, sentir e ouvir a consequência de um passe sem receber qualquer feedback extrínseco, ou
seja, por parte do seu treinador. A maior parte das vezes, o próprio jogador sente se fez algo
bom ou mau através deste tipo de feedback intrínseco, sendo por vezes necessária alguma
sensibilidade, por parte do treinador, no momento de comunicar com o seu jogador seja para
repreender, corrigir ou felicitar.
Os treinadores precisam de estar conscientes de que os diferentes tipos de feedbacks
podem atuar de forma isolada e/ou em conjunto com outras técnicas de instrução. Esse
conhecimento é essencial para que os treinadores consigam determinar quando e como
deverão aumentar a informação fornecida ao jogador, para melhor incentivar a aprendizagem.
Questões importantes a considerar são: a frequência com que devem ser aumentados os
feedbacks fornecidos, como e quando precisam de ser fornecidos.
De acordo com a hipótese de orientação proposta por Salmoni e seus colaboradores
(1984), um aumento do feedback em cada prova tem um efeito benéfico sobre o desempenho,
mas poderá apresentar um efeito negativo sobre a aprendizagem das habilidades. Fornecer
feedbacks sobre cada prática pode levar a uma sobrecarga de informações, resultando num
excesso de confiança impedindo o aluno/atleta de se envolver adequadamente no processo da
resolução dos problemas. A chave para esta resolução passa pelos alunos/atletas serem
encorajados a confiar nos seus próprios mecanismos de feedback intrínsecos, ao invés das
informações constantes fornecidas pelos treinadores. Se os alunos/atletas não forem
encorajados a tornarem-se ativos solucionadores dos problemas durante a prática e tirarem

17
partido dos seus processos intrínsecos, então terão imensas dificuldades em orientar o seu
desempenho quando lhes faltarem os feedbacks extrínsecos por parte dos treinadores.
Os treinadores mais experientes mostram ter mais facilidade em diagnosticar os erros,
o que poderá contribuir para uma intervenção mais específica (Mesquita, 1998).
O feedback resulta de uma competência da tomada de decisão oportuna por parte do
professor/treinador com base numa seleção e processamento de informação pertinente
recolhida numa observação de aula/treino, envolvendo a análise da resposta do aluno em
função do contexto onde se desenvolve (Mesquita, 2009).
Nesta medida, a capacidade de fornecer um feedback que seja pertinente e relevante é
geralmente visto como um aspeto importante para um ensino com qualidade (Silverman., et al
1998).
Portanto, a instrução durante a prática é um momento importante na intervenção do
treinador e a emissão de feedbacks a forma de concretização dessa intervenção verbal.
O feedback pode ser definido como a informação a uma resposta, usada para modificar
a resposta seguinte (Siedentop, 1991). Se atendermos ao feedback, de acordo com o seu tipo
ou objetivo principal, podemos enquadrá-lo da seguinte forma (Farias, 2007): a) Descritivo,
quando o professor/treinador relata aos alunos/jogadores ou à turma/equipa a forma como
estes realizaram a tarefa e pode assumir a forma correta ou a incorreta; b) Prescritivo, quando
o professor/treinador informa os alunos/jogadores ou à turma/equipa da forma de realização
da tarefa ou função, podendo referir-se e justificar os critérios e/ou os erros a não cometer; c)
Questionamento, quando o professor/treinador formula questões relacionadas com situações
de caráter generalizado ou específico acerca da aula/treino; e d) Informação Avaliativa,
quando o professor/treinador avalia a prestação dos alunos/jogadores ou da turma/equipa, de
forma simples, não especificando pormenores sobre a avaliação. A expressão utilizada poderá
ser positiva ou negativa.
Com base em alguns estudos, tanto na Educação Física como ao nível do treino
desportivo, o feedback prescritivo foi identificado como o tipo mais utilizado, seguido do
feedback descritivo, como é atestado pelo estudo realizado por Pacheco (2002) na área do
futebol e aplicado nas reuniões de preparação que antecedem a competição.
De acordo com Piéron (1984), o feedback pedagógico pode ser classificado ainda
segundo: i) a forma (auditivo, visual, cinestésico, misto); ii) a direção (individual, grupo,
turma/equipa); e iii) o momento (durante, após, retardado). O mesmo autor considera
importante abordar o feedback pedagógico como: i) referencial geral (todo o movimento,
parte do movimento); ii) referencial específico (forma, esforço, força, ritmo); e iii) relação
com a tarefa (nova reação, mudança de “interlocutor”).

18
Também, Rink (1993) sugere uma diferente linha classificativa de feedbacks: i)
avaliativo e ii) corretivo, sendo que ambos podem ser classificados de: i) gerais; ii)
específicos; iii) negativos; iv) positivos; v) direcionados à turma/equipa; vi) direcionados ao
grupo; vii) direcionados ao indivíduo; viii) congruentes; e ix) não congruentes.

CAPÍTULO 3

O CLUBE – FUTEBOL CLUBE DO PORTO


19
3 O Clube – Futebol Clube do Porto

Em Setembro de 1893, nascia um F.C.P., ativo e dinâmico. António Nicolau


d'Almeida, desportista por excelência e exímio comerciante de Vinho do Porto, convidou, na
qualidade de presidente do clube, o F.C. Lisbonense para um jogo de futebol. Ficava na
história a primeira aparição azul e branca. Nos livros, em páginas amarelecidas pelo tempo,
este é o registo mais antigo da atividade portista.
Os anos seguintes foram de entusiasmo crescente. José Monteiro da Costa quis juntar,
numa comunhão que desejava profícua, o diverso trabalho da comunidade desportiva
portuense, maioritariamente portuguesa, obviamente, mas também com forte representação de
Inglaterra, berço do jogo que passaria a encantar a cidade. O impulso inglês levou mesmo a
que extinguisse o Grupo Recreativo «O Destino», que presidia, em favor do F.C.P. a estrutura
formava-se.
Os fundadores, os obreiros, homens verdadeiramente decididos a criar algo que
orgulhasse as gerações vindouras, garantiram desde logo um lugar especial num clube que já
se pressentia especial. O seu arrojo fê-los escolher o azul e o branco para cores do clube.
Apostavam na tranquilidade e na pureza e mantinham-se fiéis aos princípios cultural e
desportivo. Num plano mais abrangente, criam que podiam representar um país que então
tinha os mesmos tons no estandarte.
O F.C.P. assumia agora uma vocação nacional e universal. No primeiro emblema
destacava-se uma bola de futebol com as iniciais F.C.P. à qual, 20 anos depois, seria
sobreposto o brasão da cidade, por intervenção artística de Simplício. O clube era agora um
símbolo que começava a incitar paixões. Em 1948, a vitória por 3-2 sobre o Arsenal de
Londres, na época a melhor equipa do mundo, é uma prova cabal das potencialidades que os
portistas rapidamente atingiram. No ano das bodas de ouro do futebol nacional, o clube mais
cativante de um país que nos serviu de modelo no popular desporto, rendeu-se à supremacia
azul e branca. O F.C.P passava a impulsionar todo o desporto português.
Ano após ano, conquista após conquista, o F.C.P. foi ganhando fôlego. Tornou-se
grande, não só na ambição, mas também nas potencialidades desportivas. Somou títulos e
surpreendeu o país e o Mundo. A década de 80 foi talvez a mais memorável. Em 1987 e 1988,
a Taça dos Campeões, a Taça Intercontinental e a Supertaça Europeia, feitos impressionantes,
provas evidentes de uma filosofia especial. Alguns anos mais tarde, o penta campeonato,
façanha única em Portugal. A história tinha agora um lugar especial para o clube.
Hoje em dia, o Mundo mudou e Portugal evoluiu. As realidades desportivas são
outras, as sociedades anónimas desportivas (S.A.D.) passaram a ser quase uma imposição de
20
um mercado económico muito competitivo, mas o F.C.P. permanece dinâmico e vencedor. O
clube continua a representar a sua região e a servir de baluarte para os seus legítimos
interesses, mas tende a espalhar a sua filosofia de simplicidade responsável e ambiciosa a
todos os portugueses espalhados pelos cinco continentes. Homens como Nicolau d'Almeida e
Monteiro da Costa, onde quer que se encontrem, estarão, por certo, muito orgulhosos da força
que o seu esboço de F.C.P. alcançou.
O Centro de Treinos e Formação Desportiva Porto/Gaia e o Estádio do Dragão
colocam o clube em patamares de vanguarda, difíceis de igualar. O futuro parece risonho. A
trabalhar em condições únicas e modernas, a respeitar integralmente o seu passado, o F.C.P.
redobra a sua pujança. Títulos como a Taça UEFA de 2002/03, a UEFA Champions League
de 2003/04 e a Taça Intercontinental 2004 provam esta realidade inequívoca.
Para além do fulgor no futebol, o F.C.P. é grande em todas as modalidades que
pratica. O palmarés fala por si e basta uma constatação simples para destacar a abrangência do
azul e branco: o F.C.P. luta por títulos em hóquei em patins, basquetebol e andebol,
modalidades que, a par com o futebol, mais cativam os portugueses. O bilhar, a natação, o
atletismo, o desporto adaptado, os desportos motorizados, o boxe, o campismo, o xadrez, a
pesca, o karaté e o halterofilismo também contribuem para o sucesso do clube e asseguram
novos tópicos para o espólio portista.

3.1 A Criação da Futebol Clube do Porto - Futebol, S.A.D.

A Futebol Clube do Porto - Futebol, S.A.D. foi constituída a 5 de Agosto de 1997,


sendo seus acionistas fundadores os seguintes: Investiantas - Investimentos Desportivos, Lda.:
99.997 ações (49.9985%); F.C.P. 80.000 ações (40%) e Câmara Municipal do Porto: 20.000
ações (10%).
O embrião desta nova sociedade desportiva emerge do F.C.P., instituição de utilidade
pública com mais de 100 anos de existência. Na cidade do Porto, o F.C.P. tem caracterizado a
sua existência pelo fomento da prática desportiva e pela participação em competições das
mais diversas modalidades. Dada a sua dimensão e ecletismo, o F.C.P. é considerado um dos
grandes clubes portugueses, caracterizando-se pelo seu carácter associativo e pelo futebol, sua
principal atividade.
A criação da S.A.D. sempre teve em vista a gestão única e exclusiva do futebol
profissional do F.C.P. As suas orientações estratégicas fundamentais assentam na procura do
sucesso desportivo de uma forma sustentada e a oferta de espetáculos desportivos de elevada
qualidade, de forma a satisfazer os seus adeptos e simpatizantes, a população da região em
que se encontra implantado e a população do país, em geral. Desta forma, as diversas
21
atividades relacionadas com o futebol profissional terão mais e melhores condições para
serem desenvolvidas com sucesso.
A F.C.P. – Futebol, S.A.D. tem por objeto social a "participação, na modalidade de
futebol, em competições desportivas de caráter profissional, a promoção e organização de
espetáculos desportivos e o fomento ou desenvolvimento de atividades relacionadas com a
prática desportiva profissionalizada da referida modalidade.
O essencial da atividade a desenvolver pela F.C.P. - Futebol, S.A.D. consistirá na
participação em competições desportivas de caráter profissional, nacionais e internacionais,
casos do Campeonato Nacional da 1ª Divisão, Taça de Portugal, Supertaça "Cândido de
Oliveira" e competições europeias, com especial destaque para a Liga dos Campeões, prova
em que o F.C.P. tem participado de uma forma permanente nas últimas épocas.

3.2 O Futebol – Percurso de Êxito Desportivo

Em termos de resultados desportivos, foi no final da década de setenta que a equipa de


futebol sénior do F.C.P. iniciou a sua "viagem" na rota do sucesso. Com um projeto
desportivo consistente, o F.C.P. foi progressivamente obtendo mais e maiores sucessos,
nomeadamente a nível internacional. Tal ascensão, que incluiu a presença na final da Taça das
Taças, na época desportiva de 1983/84, culminaria com a conquista da Taça dos Clubes
Campeões Europeus, na época desportiva de 1986/87, e da Supertaça Europeia e da Taça
Intercontinental, na época desportiva de 1987/88. Um dos grandes marcos na história do
F.C.P. foi a conquista do Campeonato Nacional da 1ª Divisão por três vezes consecutivas,
alcançando uma meta há muito ambicionada no clube: o tricampeonato, nas épocas
desportivas 94/95, 95/96 e 96/97. O tetra campeonato foi a 1ª grande vitória na história
da F.C.P. - Futebol, S.A.D., logo seguido do tão ambicionado penta campeonato, feito até
hoje único na história do futebol português. Por outro lado, e em termos internacionais, nos
últimos anos o F.C.P. tem participado regularmente na Liga dos Campeões, continuando a ser
o maior representante luso no futebol europeu.
O F.C.P. é um clube multidesportivo português sediado na cidade do Porto e o clube
com mais títulos nacionais e internacionais na história do futebol português. No futebol,
compete atualmente na Primeira Liga.

3.3 Dragon Force

O Projeto Dragon Force começou a ser planeado na época desportiva 2006/2007. Em


2007/2008 o F.C.P. abre a escola do Dragão, no campo do Padroense, que serviu de embrião

22
para o projeto Dragon Force. Em Setembro de 2008, no emblemático e renovado campo da
Constituição e, atualmente, denominado como Vitalis Park, nasce a primeira Escola de
Futebol Dragon Force. Os objetivos sempre foram claros para o F.C.P.: (1) Desportivo,
capacidade de formar e captar novos talentos para servir a formação do F.C.P.; (2)
Comunicação, fazer chegar a marca F.C.P. ao maior número de crianças e famílias; (3)
Qualidade e Responsabilidade Social através dos serviços prestados e associados às escolas; e
(4) Financeiro, gerar uma nova fonte de receitas.
Atualmente, a Dragon Force integra 14 escolas de futebol, 1 escola de andebol, 1
escola de basquetebol e 1 escola de hóquei em patins. No total, mais de 3000 crianças
praticam diariamente a sua modalidade preferida.
A ideia do projeto não seria uma novidade para a comunidade, já que outras escolas
existiam no país, no entanto, a diferença poderia ser exercida ao nível do conceito, da
autenticidade de uma cultura que estava associada ao F.C.P. e, fundamentalmente, do
processo. Como refere Ricardo Ramos, atual gestor do projeto Dragon Force: “Tivemos desde
cedo a preocupação em conceber um projeto diferenciador e inovador que aliasse a qualidade
das infraestruturas desportivas e recursos humanos à transmissão de valores e cultura do
F.C.P. Não fomos pioneiros na introdução das escolas de futebol, mas fomos inovadores
porque melhoramos o serviço a todos os níveis com uma qualidade ímpar nas instalações, nos
recursos humanos, na metodologia de treino, nos processos de trabalho e no apoio de vários
departamentos transversais, tais como, a nutrição, a pedagogia e a psicologia. Para além de
tudo isto, na época desportiva 2009/2010 conseguimos certificar com “selo de qualidade” a
escola de futebol Dragon Force respeitando as normas ISO 9001:2008, permitindo-nos
expandir a escola de futebol Dragon Force pelo País, sempre com grande rigor e controlo.”

3.4 Departamentos transversais

Os departamentos transversais são os seguintes:


 Departamento de Pedagogia – Existe um espaço denominado Espaço Aberto, em
que os alunos são devidamente acompanhados por mediadores socioeducativos e
Psicólogos. Este espaço serve para os alunos desenvolverem diversas atividades e
tarefas escolares, possibilitando também um crescimento pessoal e social, elevando os
valores do desporto e da sociedade.

 Departamento de Psicologia – Este departamento tem como principal objetivo o


acompanhamento dos atletas na sua integração na prática do futebol. Há sempre um

23
profissional disponível para trabalhar, juntamente com os treinadores, no
desenvolvimento das capacidades dos jovens, estando também disponíveis para
auxiliar os pais/ encarregados de educação.

 Departamento Médico – Este departamento está sempre disponível nos períodos de


treinos, com a presença constante de um médico e enfermeiro para as devidas
ocorrências.

 Departamento de Nutrição – Medições antropométricas são realizadas no início de


cada época desportiva e, posterior, aconselhamento alimentar é indicado a todos os
alunos. Aqueles em que foi diagnosticado excesso de peso, há um acompanhamento
personalizado por parte dos nutricionistas, em colaboração com os pais / encarregados
de educação. Outros eventos complementares foram realizados, como o torneio
denominado Taça da Alimentação (cada equipa correspondia a um alimento), para
sensibilizar todos os atletas a uma boa prática nutricional.

24
CAPÍTULO 4

O MODELO DE JOGO
25
4 O Modelo de Jogo

A preocupação desde o primeiro dia é colocar a equipa a jogar como o treinador quer,
ou seja, em função de um Modelo de Jogo. Oliveira (2003), define modelo de jogo como uma
ideia/conjetura de jogo constituída por princípios, subprincípios, subprincípios dos
subprincípios, representativos dos diferentes momentos/fases do jogo, que se articulam entre
si, manifestando uma organização funcional própria, ou seja, uma identidade.
Segundo Frade (1985; pp. 5), o Modelo é como uma pedagogia de projeto, que deve
estar constantemente a ser visualizado assumindo-se no elemento causal do futuro, ou seja, no
referencial que se pretende atingir.
O modelo de jogo é o referencial que deve regular o trabalho desde o início da
temporada até ao final, sendo irracional pensar-se em Periodização Tática sem se pensar no
modelo de jogo (Faria,1999). Ou seja, “se tu queres instalar uma linguagem comum com
regras, princípios, uma cultura de jogo, num modelo de jogo (…) é fundamental que isso seja
através do jogo” (Faria, 2002, pp. VIII).
Garganta (1991) refere que a compreensão de um sistema complexo pressupõe uma
modelação, modelação que pode ser entendida como a ação da elaboração e da construção
intencional, por composição de símbolos, de modelos suscetíveis num fenómeno complexo.
A modelação permite desenvolver as características (identidade) da equipa através das
suas regularidades ou padrões – organização. E, para desenvolver o modelo, ou melhor, essa
modelação, tem que se contemplar os princípios metodológicos, tendo em conta as limitações
humanas e as necessidades fundamentais para que exista uma adaptação de qualidade (Frade,
2007). A ter em conta que o Modelo de Jogo está sempre em construção, nunca é um dado
adquirido, estando sempre recetivo ao individual e ao coletivo, ou seja, a equipa tem uma
ideia de jogo, mas as características dos jogadores são únicas e todas diferentes entre eles, o
que possibilita criar novas dinâmicas dessa mesma ideia sempre que há alteração de
jogadores, por exemplo em substituições ou em lesões.
Por conseguinte, Silva (2012; pp. 37) diz-nos que o modelo envolve a
operacionalização dos princípios de ação dos jogadores nos vários momentos do jogo. Por
isso, este conceito de modelo de jogo não se reduz a uma ideia geral, tratando-se sobretudo de
configurar as interações dos jogadores. Reforçando este lado pragmático do processo, Frade
(cit. por Martins, 2003; pp. III) afirma que “ mais importante que a própria noção do modelo,
são os princípios do próprio modelo”.

26
Segundo Oliveira (2004; pp. 130) o importante é que “o treinador saiba muito bem
aquilo que pretende da equipa e do jogo, que tenha ideias muito concretas relativamente às
invariantes/padrões que pretende que a sua equipa e os respetivos jogadores manifestem.”
Reforçando este aspeto, Mourinho (cit. Oliveira et al., 2006; pp. 200) afirmou que é
fundamental que os jogadores compreendam as suas ideias, ou seja, a sua filosofia de jogo
para que deste modo, possam ter comportamentos ajustados ao que pretende.
Desta forma, torna-se necessário aproximar a forma de treinar o mais possível à
competição, pois só assim os jogadores se irão identificar com a ideia de jogo, ou seja,
treinando/ jogando e jogando/treinando.
Ao nível dos princípios de jogo, estes são padrões de comportamento táticos a
diferentes escalas, que se pretende que a equipa e os jogadores evidenciem nos diferentes
momentos do jogo. Pode-se afirmar que os princípios nada mais são do que uma linha de
orientação da ação do jogador e da equipa na diferentes fases do jogo. No entanto, existem
três tipos de princípios, ou seja, uns princípios gerais, outros culturais e outros relacionados
com o Modelo de Jogo. Os princípios gerais são comuns a qualquer jogar, estes referem-se a
uma forma específica de jogar de uma equipa, e podem representar-se também em níveis de
organização mais baixos, ao nível dos sub e dos sub-sub-princípios. No entanto, os princípios
relacionados com o modelo de jogo não podem ser confundidos com os princípios culturais
(Azevedo, 2009).
Segundo Brito (2003) os princípios de jogo são linhas orientadoras básicas que
coordenam as atitudes e comportamentos táticos dos jogadores quer no processo ofensivo,
quer no processo defensivo, bem como nas transições.
Um modelo de jogo rege-se pelos seus princípios e na sua repetição sistemática por
parte do treinador, dependente sempre das suas ideias e dos seus jogadores.
Em relação à organização estrutural, esta diz respeito ao posicionamento que os
jogadores assumem em campo e que depois leva a equipa a assumir uma determinada
disposição (Azevedo, 2009). As estruturas não devem ser rígidas, mas sim contemplar sempre
às características e capacidades dos jogadores (Oliveira, 2003).
Para, Tamarit (2012; pp. 20) “cada treinador deverá ter a sua ideia de jogo e
sistematizá-la. Deverá definir o que quer que a sua equipa faça em cada momento do jogo,
deverá estruturar o seu jogo em Princípios e Subprincípios de jogo. Quando este treinador
com a sua ideia de jogo chega a um determinado contexto: um país, um clube, uma história,
novos jogadores, esta ideia de Jogo vê-se fortemente influenciada”

27
4.1 Princípio da Especificidade

“Ah, então não há nada mais específico do que o jogo 11 vs 11.” Não! Não é nada
disso, isso é uma blasfémia. Porque se reconhecemos que o nosso jogar tem X princípios e X
subprincípios, e deixamos em aberto a possibilidade de acontecerem uma determinada
quantidade de subprincípios dos subprincípios que são o resultado desta inter-relação
concreta, portanto em termos de treino, temos que lhes dar, de uma forma hierarquizada,
sendo que umas são mais importantes do que outras, mas temos que atuar sobre todas, sobre
eles todos, para eles melhorarem. A especificidade cumpre-se aí, é no respeito que tenho por
todos os princípios, e o respeito em termos metodológicos. Agora isto não é fácil, eu fazê-lo
de modo a todos melhorarem e sem se estorvarem, sem se contaminarem negativamente uns
aos outros” (Frade, 2007).
Frade (2007) considera este como um supra-princípio do treino em futebol. O
princípio de especificidade da periodização tática, deve criar situações táticas que o jogo da
equipa requisita, incutindo nos jogadores o desenvolvimento de todas as dimensões, através
do modelo de jogo adotado (Oliveira, 1991).
Para Frade (2002), o que condiciona a especificidade é o modelo de jogo da equipa e
este possui suas particularidades de acordo com cada contexto. Rocha (2003) afirma que essa
especificidade requer uma adaptação oriunda de exercícios específicos de determinada forma
de jogar.
Segundo Oliveira (2009), na Periodização Tática, só se considera algo específico, se
estiver relacionado com o modelo de jogo criado. Segundo o mesmo autor, a sua
operacionalização deve assumir várias dimensões/escalas: coletiva, intersectorial, setorial e
individual além disso, o cumprimento do princípio da especificidade da Periodização Tática é
somente atingindo por inteiro se durante o treino, os jogadores mantiverem um elevado nível
de concentração durante o exercício. O treinador deve intervir de forma adequada e percetível
perante o exercício para que os jogadores entendam os objetivos e as finalidades do exercício.
Frade (2010), diz-nos que não se pode pensar nos exercícios de maneira diversa, eles têm que
ser identificadores ou têm que estar identificados com a maneira como o treinador quer jogar.

4.2 Princípio da Progressão Complexa

Este princípio tem sentido devido à não linearidade do processo e dá-se pelo menos
em dois níveis distintos mas que se relacionam entre si.
A um nível mais longo este Princípio parte de um jogar menos complexo para um
jogar mais complexo e como se sabe não é linear, ou seja, sofre retrocessos, desvios, mas

28
sempre coerente com a matriz do jogar, sem que se perca o sentido daquilo que se está a fazer
(Tamarit, 2012). Ou seja, ao longo do padrão semanal de treino são transmitidas informações
aos jogadores que se pretendem transformar em hábitos e padrões de jogo. Atendendo a este
facto, a complexidade de informação transmitida deverá ser progressivamente aumentada.

4.3 Principio das Propensões

Este princípio consiste em alcançar através da criação de um exercício


contextualizado, que apareça um grande número de vezes e que queremos que os nossos
jogadores vivenciem e adquiram a todos os níveis.
Segundo Resende (2002) “a aprendizagem resulta da repetição sistemática”, mas para
Maciel (2010) “a aprendizagem resulta de mecanismos não mecânicos, ou seja, através da
vivência de contextos abertos, não determinísticos mas probabilísticos”.
Tamarit (2012; pp. 40) afirma que graças ao princípio das propensões consegue-se a
repetição sistemática das vivências específicas pretendidas, ou seja, as interações do nosso
jogar, que são dependentes do dia do morfociclo, devido ao princípio da alternância horizontal
em especificidade, tanto ao nível Tático, Físico, Técnico e Psicológico.
Como afirma Maciel (2010) “A repetição sistemática (determinante para a aquisição
de uma intencionalidade coletiva) das porções do jogar que desejamos vivenciar nos
diferentes dias, assim como os respetivos padrões de desempenho e configurações dos
exercícios verificam-se convenientemente neste principio metodológico”, diz-nos ainda o
autor que “o propósito não passa por quantificar ações mas por criar contextos de exercitação
que conduzem a uma determinada dominância de interações relativas ao nosso jogar, isto sem
deixar de ter em conta o padrão de desempenho e de desgaste que caracterizam aquele dia do
morfociclo”.
Em suma, tudo parte através da ideia de jogo inicial, uma imagem do jogar pretendido
e que se questiona como se vai lá chegar. A um nível mais curto há que controlar e regular a
complexidade dos exercícios durante cada treino do morfociclo, tendo em especial atenção a
relação esforço/recuperação tática. É vital ter em conta o esforço/desempenho e a recuperação
emocional para que os jogadores cheguem ao próximo jogo da melhor forma possível.
A complexidade de um exercício depende da relação entre muitas variáveis, de
destacar:
 A complexidade dos Princípios e Subprincípios e da articulação entre eles;

29
 A sub-dinâmica dominante do esforço e do padrão de contração muscular dominantes
que estão implicadas: recuperação, tensão da contração muscular, velocidade da
contração, recuperação/ativação;
 Quantidade de jogadores que estão a realizar os exercícios;
 Espaço de jogo onde se realiza o exercício.

4.4 Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade

“O esforço vem do atleta em ter que contrair os músculos, ter que mover-se e portanto,
como há três indicadores que caracterizam o modo como as contrações musculares se
manifestam e sendo diversa a relação da sua manifestação e o seu cansaço, então tens que
calibrar por aí.” (Frade, 2010). Ou seja, utilizar esses indicadores em diferentes dias da
semana, maximizando cada um deles.
A diferenciação dos regimes de desempenho implicados nos diferentes dias têm que
ter em conta a fratalização das várias dimensões que compõem o jogar. Como principais
referências para a operacionalização do morfociclo devemos ter em consideração: (i) - o nível
da complexidade (Grandes Princípios, Subprincípios e Subprincípios dos Subprincípios),
subjacente à porção do jogar que é vivenciada em determinada unidade de treino (que deve
ser entendida como a maior parte de um todo, no morfociclo); (ii) - o regime da contração
muscular implicada de forma dominante na vivência do jogar nos diferentes dias que
compõem o morfociclo em que o regime da contração muscular é caracterizado e deve ter em
consideração três variáveis: tensão, duração e velocidade; (iii) - Dimensão estratégica e a sua
distribuição pelos dias que compõem o ciclo entre duas partidas, é outra dimensão a ter em
consideração, assim como os aspetos bioquímicos e bioenergéticos (Maciel, 2010).
Através desta abordagem, percebe-se que a operacionalização incide em determinados
aspetos do jogar tendo em contas as exigências que cada “dimensão” comporta. Assim, ao
longo da semana desenvolve-se diferentes escalas de organização (Gomes, 2006).

4.5 Morfociclo Padrão

“É um ciclo que tem presenças com o ciclo seguinte, em função de quê? Da forma
dos dinamismos que gera repercussões! Porque o que você quer que aconteça é que apareçam
determinadas configurações geométricas, mas em função do modo como você quer que se
relacionem os jogadores. Isso é uma forma, Morfo por essa razão. É uma morfologia, a lógica
da dinâmica (…) o padrão tem a ver com a Ideia. É por isso que faz sentido falar em fractal,
senão não faz! Você fraciona mas não perde a configuração.” (Frade, 2010)

30
Para Jorge Maciel (2010), o morfociclo padrão, deverá ser entendido como um fractal
de um nível mais macro de uma determinada Periodização Tática, uma vez que sendo uma
periodização a mais curto prazo (ciclo entre dois jogos) também ela deverá ter como matriz
configuradora a presença constante de uma intencionalidade coletiva, um jogar, que se deseja
assumir e fazer expressar como identidade para a equipa. Desta forma, o morfociclo padrão
assume um papel determinante, visto que permite por um lado a estabilização de um jogar e,
por outro, a progressão do mesmo, inclusive em diferentes escalas temporais.
A operacionalização de um jogar tendo em conta a padronização semanal da sua
vivenciação possibilita a manutenção da integridade de uma identidade (um tático) sem
bloqueio evolutivo, isto é, sem fecho. Possibilitando desse modo uma evolução espiralada,
marcada pelo emergir de várias dimensões à partida desconhecidas, sem que haja perda de
identidade pelo facto de esse processo evoluir alicerçado numa matriz (a conceptual – o jogar,
a intencionalidade coletiva, o tático) que é sustentada pelos grandes princípios de jogo e pelo
facto desse processo ser operacionalizado tendo por base uma outra matriz (a metodológica –
Periodização Tática), que é suportada pelos princípios metodológicos e pela sua aplicação no
respeito por um morfociclo padrão.
Tal como a conceção de jogo, também o morfociclo padrão, que lhe permitirá dar
vida, deverá ter por referência a realidade. Torna-se pertinente neste ponto salientar que
aquilo que o caracteriza são fundamentalmente três aspetos, a saber: a densidade competitiva
elevada, os níveis de aspiração e de exigência igualmente elevados.
Outra premissa igualmente importante, passa por reconhecer que quando se fala de
treino, treino de qualidade, aquisitivo, o que se pretende é que uma determinada matriz, uma
determinada intencionalidade, se manifeste no concreto pela generalidade dos jogadores, ou
seja, deseja-se que a intenção prévia vá paulatinamente sendo partilhada, graças à sua
vivenciação em especificidade, por um número cada vez maior de jogadores, de modo a que
esta se torne comum à generalidade, e como tal se constitua como cultura Especifica da
equipa (Maciel, 2010).

31
Figura 2 – Morfociclo Padrão (adaptado por Oliveira,2003).

4.6 Modelo de Jogo Dragon Force

O Modelo de Jogo Dragon Force é alicerçado em duas ideias de base:


 Desenvolver uma filosofia de jogo congruente com o Modelo de Jogo instituído no
Departamento de Formação do F.C.P;
 Permitir a evolução de alunos com distintos níveis de desempenho/potencial.

4.7 Momentos do jogo

Para o tratamento didático-metodológico de todos os aspetos referentes ao jogo,


dividimo-lo em quatro momentos:
 Organização Ofensiva (OO): quando temos a posse da bola;
 Organização Defensiva (OD): quando o adversário tem a posse da bola;
 Transição Defesa – Ataque (TDA): quando ganhamos a posse da bola;
 Transição Ataque – Defesa (TAD): quando perdemos a posse da bola.

4.8 Princípios fundamentais do Modelo de Jogo

 A posse e a circulação da bola como “obsessão” objetiva e inteligente da equipa e de


todos os jogadores;

32
 A zona pressionante como método que condicione o comportamento ofensivo do
adversário e nos permita recuperar a posse da bola;
 Transições fortes que aproveitem a desorganização momentânea da equipa adversária.

4.9 A identificação deste modelo rege-se por aspetos fundamentais

Jogo Posicional:
 Assume uma importância decisiva no nosso jogo.
Deve caracterizar-se por:
 Formar muitas linhas (em largura e profundidade);
 Dispor os jogadores em diagonais (formando sucessivos triângulos e losangos);
 Privilegiar o aparecimento dos princípios fundamentais do modelo de jogo, tendo
em atenção as formas de jogo (Futebol de 3, de 5 e de 7);
 Respeitar as diferentes faixas etárias dos intervenientes.

4.10 O Treinador Dragon Force

O treinador Dragon Force deve possuir:

Figura 3 – Conhecimentos do Treinador Dragon Force.

A escola de futebol Dragon Force advoga que os conhecimentos do treinador sobre o


Jogo se referem à:

 Capacidade para compreender o Modelo de Jogo Dragon Force;


 Capacidade para observar o jogo e os jogadores retirando conclusões relevantes.

33
Enquanto, os conhecimentos do treinador sobre as características das faixas etárias são
referentes à:

 Capacidade para escolher exercícios adequados;


 Capacidade para comunicar eficazmente com entusiasmo, expressividade e com léxico
adequado à idade.

Por fim, o conhecimento didático-metodológico do treinador deve-se à:

 Capacidade de planeamento;
 Capacidade para intervir com qualidade durante o treino;
 Capacidade para demonstrar;
 Capacidade para refletir e melhorar o processo.

Aliás, nas escolas de futebol Dragon Force, a intervenção do treinador deve ser feita
da seguinte forma:

 Ter uma presença positiva, valorizar em vez de reprimir;


 (Re) Conhecer os jogadores e as suas características (desempenhos);
 Orientar para a aquisição com sentido (perceber o que faz);
 Ter a capacidade de intervir com qualidade.

Frade (2007) defende que em vez de se concentrar na repetição de exercícios até


conseguir a mecanização do jogo, o treinador deve ter como prioridade passar aos jogadores o
modelo que pretende. É a partir dessa consciência que todos os detalhes, individuais e
coletivos, são trabalhados.

34
35
CAPÍTULO 5

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DRAGON FORCE


36
6 Estrutura Organizacional Dragon Force

A Dragon Force é uma escola que acolhe centenas de alunos de diferentes faixas
etárias e de diferentes níveis de desempenho futebolístico. Para dar uma melhor resposta,
foram criados diferentes níveis de ensino com o intuito de desenvolver as capacidades de jogo
de cada um sempre em identificação com a cultura do F.C.P.
Seguindo uma lógica crescente de desenvolvimento e de acordo com a frequência de
treinos semanais das diferentes turmas, a Dragon Force dispõe de cinco níveis:
 Iniciação – alunos nascidos entre 2007/2008 (5/6 anos de idade);
 Básico – alunos nascidos entre 2005/2006 (7/8 anos de idade);
 Intermédio – 2003/2004 (9/10 anos de idade);
 Avançado – 2001/2002 (11/12 anos de idade);
 Expert – 1999/2000 (13/14 anos de idade).

Diferentes níveis requerem diferentes formas de jogo, são elas:


 Iniciação – forma de jogo de 2 vs 2 e 3 vs 3;
 Básico – forma de jogo de 3 vs 3, 4 vs 4 e 5 vs 5;
 Intermédio – forma de jogo de 5 vs 5;
 Avançado – forma de jogo de 7 vs 7;
 Expert – forma de jogo de 7 vs 7.

Os alunos Dragon Force podem frequentar a escola de futebol uma, duas ou três vezes
por semana.
Sempre que um aluno esteja acima do nível da turma e que treine semanalmente até
duas vezes, é proposto ao seu Encarregado de Educação uma alteração para uma turma que
treine três vezes por semana e possa assim desenvolver o seu potencial com mais uma hora
semanal de treino. Todos os alunos que apresentem maior qualidade e potencial, de acordo
com os parâmetros da escola, são colocados nas Seleções Dragon Force que foram criadas
para as diferentes idades (uma por cada nível de desempenho). Existem quatro equipas de
competição, nomeadamente os Sub. 13A, os Sub. 13B, os Sub. 11 e os Sub. 10, em que os
melhores jogadores da escola são escolhidos para participarem em campeonatos distritais.
Ao longo de toda a época desportiva existem várias competições na Dragon Force, de
forma a promover e aumentar as oportunidades de competição entre turmas e seleções, a
saber:

37
 Ligas Dragon Force (sextas feiras);
 Dragon Force Cup (sábados);
 Liga Universo Dragon Force;
 Taça Artur Baeta;
 Taças Temáticas;
 Jogos amigáveis, entre diferentes escolas e clubes.

38
6.1 Recursos Humanos

A estrutura Dragon Force está muito bem hierarquizada, estruturada, organizada e


coordenada, proporcionando a todos os intervenientes um ambiente profissional, estável, e
rigoroso (ver Tabela 1).

Tabela 1 – Recursos Humanos Dragon Force.

Recursos Humanos
Gestor do Projeto Ricardo Ramos
Gestor da Expansão e Parcerias Afonso Gama
Gestor da Qualidade e Operações Jorge Conrado
Coordenador Técnico Geral Carlos Campos

Coordenador Técnico-adjunto Vítor Moreira


Departamento Médico Nuno Vicente
Departamento de Pedagogia Daniela Freitas
Departamento de Psicologia Paulo Paiva
Departamento de Nutrição Pedro Carvalho
Técnico de Equipamentos Paulo Brandão
Técnico de Informática Miguel
Seguranças da SPDE

Treinadores

6.2 Recurso Logísticos

As infraestruturas desportivas da Escola Dragon Force são:


 1 Campo de futebol de 11, em relva sintética, com luz artificial que integra dois
campos de futebol de 7;
 1 Campo de futebol de 7, em relva sintética, coberto, com luz artificial;
 1 Campo de terra batida futebol de 5 (espaço “Artur Baeta”).

Edifício de apoio à atividade desportiva composto por:


 Receção;
 Balneários para os atletas;
 Balneário para os treinadores;
 Balneário para os árbitros;
 1 Gabinete para o Coordenador Técnico e Coordenador Técnico-Adjunto;

39
 Sala para os treinadores, com computador e com acesso à Internet;
 Quadro de apontamentos;
 Armário para arrumação do dossier respetivo a cada treinador;
 Mesa de reuniões;
 Sala com impressora/fotocopiadora;
 Sala multiusos (Espaço Aberto);
 Departamento médico;
 Arrumos;
 Bar/restaurante.

Material de treino disponível:


 Balizas de Futebol de 1, 4, 5, 7 e 11;
 Coletes;
 Cones altos e baixos;
 Bolas de tamanho 1, 3,4 e 5;
 Arcos;
 Varetas;
 Sinalizadores;
 Barreiras móveis.

40
CAPÍTULO 6

PLANO ANUAL DRAGON FORCE


41
7 Plano Anual Dragon Force

O plano anual para escola e para a turma Expert B1 foi elaborado, com o objetivo de
dar conhecimento a todos os intervenientes da Dragon Force as atividades a decorrer ao longo
da temporada.
Mais especificamente, o plano anual da turma Expert B1 contribuiu para um melhor
planeamento de todo o processo de treino e gestão organizacional da equipa (ver Figuras 4 e
5).

Figura 4 – Plano Anual Dragon Force.

42
Figura 5 – Planeamento Anual da turma Exper B1.

43
CAPÍTULO 7

A EQUIPA EXPERT B1 – SUB 13


44
8 A Equipa Expert B1 – Sub 13

A turma Expert B1 foi inicialmente constituída por 12 jogadores, terminando a época


com 10 jogadores. É uma turma com diferentes experiências no que à prática do futebol diz
respeito, nomeadamente aos anos como jogadores da escola Dragon Force e aos anos de
prática desta modalidade.

Na Tabela 2 reporta-se alguma informação específica sobre os jogadores da equipa em


questão.

Tabela 2 – Informações Específicas Sobre os Jogadores.

Nome Posição Anos de prática DF Anos de prática da modalidade


Alexandre Queirós PL 1ºano 1ano

André Santos DC 1ºano 2anos

César Pereira DC 1ºano 1ano

Davi Lima MC 1ºano 3anos

Fidel Ruiz MC 3ºano 3anos

Francisco Silva GR 2ºano 2anos

João Coelho DC 2ºano 2anos

João Oliveira PL 1ºano 2anos

José Pereira ME 4ºano 4anos

Ricardo Cabral PL 2ºano 2anos

Rúben Novais MD 1ºano 4anos

Rui Finteiro PL 1ºano 1anos

O envolvimento competitivo dos jogadores para com o processo instrutório tático-


estratégico sempre foi constante e intenso, conforme sugerido na Figura 6.

45
Figura 6 – Equipa Expert B1

8.1 Avaliação Diagnóstica da Equipa

O termo avaliar, etimologicamente, significa etimar, comparar, julgar. Mialaret (1979)


afirma que avaliar consiste em “atribuir um juízo de valor em função de critérios precisos”.
Pelletier (1971) diz-nos que o termo avaliação deu lugar a uma encruzilhada semântica e que
constitui hoje uma atividade que assume formas variadas nos mais diversos contextos do
processo educativo.
Para Mesquita (2012), a avaliação inicial deverá, determinar os objetivos formativos
em função de uma predição do que é possível aprender. Na mesma linha de pensamento, a
autora diz-nos que na medida em que essa recolha de informação serve os propósitos de
orientação e regulação do processo de ensino-aprendizagem ela deve ser entendida como
eminentemente formativa. A avaliação diagnóstica da equipa foi elaborada no início da época
desportiva com o objetivo de fornecer informações sobre o estado atual da equipa, ou seja,
determinar os comportamentos coletivos e individuais para o jogo. Esta avaliação inicial
forneceu informações de orientação para o processo formativo ao longo de toda a época
desportiva.
Este tipo de avaliação responde a duas questões fundamentais, (1) ” Que
aprendizagens servem de base às que vamos ensinar? e (2) Que aprendizagens, das que vamos
ensinar, já foram adquiridas pelos alunos?” (Mesquita, 2012). Segue na figura abaixo a
avaliação diagnóstica da turma Expert B1.

46
Figura 7 – Avaliação da Equipa.

8.2 Contrato de Equipa

No início do período pré-competitivo foi entregue a cada jogador um contrato de


equipa numa carta fechada, para que cada um a pudesse ler em casa. No treino seguinte e após
uma reflexão coletiva com algumas propostas de alteração, toda a equipa assinou o contrato
criando um compromisso coletivo para toda a época.

Este contrato foi elaborado com o intuito de fidelizar os jogadores à Dragon Force e a
toda a equipa, para que se mantenham sempre empenhados e motivados quer nos treinos quer
nas várias competições internas.

O contrato de equipa encontra-se representado na Figura 8.

47
Figura 8 – Contrato de Equipa.

8.3 Ideia de Jogo Pretendida

A análise à ideia de jogo da turma Expert tendo em conta a cultura de jogo da escola
Dragon Force, as características dos jogadores e do próprio treinador que é apologista de um
futebol vistoso e organizado é apresentada de uma forma globalizante.
Este modelo foi criado e sustentado após uma avaliação prévia à qualidade da turma,
quer nos aspetos individuais quer nos aspetos coletivos. De referir que a equipa se apresenta
estruturalmente, em 1+2+3+1, sendo que este sistema é dinâmico e serve apenas para ter uma
referência do posicionamento inicial.

48
Sistema de Jogo Ofensivo - Organização Ofensiva

Saídas – 1º sub. Momento:


Saída em construção curta pelos Defesas Centrais (DCs):
 DCs bem abertos nos limites da área;
 DCs posicionados de frente para o adversário;
 Os alas profundos e bem abertos para criar espaço para DCs;
 Procurar sair pelos DCs.

Após entrada da bola no DC inicia-se a construção do jogo ofensivo com variâncias


posicionais tendo como objetivo dar ao portador da bola mais que uma linha de passe para
circular a bola. Para tal, se beneficia:

 Recuo do ala mantendo-se bem aberto junto da linha lateral;


 Movimento interior do Pivot procurando espaço entre – linhas;
 DC contrário dá linha de passe para possível variação do jogo através do Pivot;
 PL posiciona-se entre o Ala e o Pivot criando um losango iniciado pelo DC com bola.

(2º sub. Momento)


(Arrastamento para) Saída em construção curta pelo Pivot:
 Saída curta em segurança pelo pivot no corredor central (provocando arrastamento do
adversário);
 Pivot aproxima-se do guarda redes (GR) para receber a bola, podendo devolver com
uma parede ao mesmo ou jogar nos DCs, procurando sempre após o passe uma nova
posição para dar constantemente uma linha de passe ao portador da bola;
 Recuo dos alas para suporte do meio campo mantendo-se sempre abertos.

(Arrastamento para) saída em construção direta para o Ala:


 Criação de espaço para a saída direta no corredor lateral através do Ala.

Face à impossibilidade da saída curta (nem pelos DCs nem pelo Pivot), toda a equipa
movimenta-se para arrastar o adversário:
 Armadilha por parte dos alas que recuam num movimento de arrastamento dos
defesas, para que depois muito rapidamente subam no terreno surpreendendo os
opositores criando espaços nas costas da defesa;
49
 DCs e Pivot fecham a zona central.

Criação de Espaços – 2º sub. Momento


 Formação de losango (DC, Ala, Pivot e ponta de lança - PL) para criação de várias
linhas de passe;
 PL a aparecer no espaço entre – linhas para ponte/parede procurando assim
automatizar a triangulação DC – PL – Ala;
 Pivot baixa para compensar a subida do DC que iniciou condução;
 DC com passe diagonal longo após atração em condução;
 Ala contrário bem aberto para poder receber a bola;
 Receção orientada para a frente para aproveitar a conquista espaço – temporal (1 vs 1).

“Reciclar” jogo para DC ou GR :


 Equipa subida e em ataque organizado não consegue ultrapassar o bloco adversário,
deve então reciclar o seu jogo devolvendo a bola para DC ou GR;
 Após a reciclagem toda a equipa regressa ao 1º sub momento.

Entrada nos Espaços – 3º sub. Momento:


Jogo Posicional:
 Equipa com bola cria desequilíbrios com subidas constantes dos DCs;
 Quando um dos DCs sobe no terreno de jogo, o Pivot terá que fazer a compensação ao
colega recuando um pouco.
 PL com muita mobilidade colocando-se entre – linhas, dando sempre linhas de passe
aos colegas.

Transição Defensiva

Reação rápida à perda:


 Reagir e pressionar para conquistar a bola;
 Reagir e condicionar para obrigar a jogar para trás.

Sistema de Jogo Defensivo – Organização Defensiva

Fecho dos espaços com duas variantes – 1º sub. Momento:

50
O Bloco médio:
 Toda a equipa num bloco coeso permite ao adversário sair a jogar e trocar a bola no
seu meio campo, sendo o PL a comandar o posicionamento do bloco efetuando
alguma pressão posicional;
 No nosso meio campo não é permitido haver trocas de bola do adversário, a pressão
realizada por nós deve ser intensa até recuperarmos a bola;
 Fecho do bloco;
 Fechar o lado da bola, mobilidade e coesão;
 Voz de comando do GR para corrigir posições.

Jogo de Coberturas:
 Pivot sempre a equilibrar o centro da equipa (fundamental no equilíbrio da equipa);
 Jogadores não podem estar “tapados”, sempre disponíveis para dar linhas de passe;
 Coberturas dos defesas centrais sempre na diagonal (Guarda – Costas) e nunca na
diagonal;
 Nas saídas do adversário PL (ao DC com bola) e Ala fazem compensações na pressão
aos DCs.

Criação de Zonas de Pressão – 2º sub. Momento:


 Forte pressão sempre que o adversário tente jogar dentro do nosso meio campo;
 Obrigar o adversário a jogar para trás sempre que entrem no nosso bloco;
 Mensagem a passar à equipa é que no nosso meio campo defensivo a palavra de ordem
é pressionar a 1000 à hora até recuperarmos a bola ou jogar para fora das zonas de
pressão.

Pressionar saídas do adversário (Armadilha):


 PL pressiona o DC portador da bola, o Ala do lado contrário ao da bola pressiona o
outro DC;
 Condicionar saídas do adversário para o nosso corredor central.

Os nossos alas não têm a dimensão tática e física necessária para que seja diferente.
Com uma pressão efetiva do PL e Ala consegue-se fechar o corredor lateral para que se jogue
pelo centro do terreno. O Pivot deve ser forte no desarme e com um bom posicionamento,

51
aliado à boa capacidade de antecipação dos DCs levam a optar por esta ação, ou seja, permitir
que o adversário entre na zona central em detrimento das laterais. Para tal, é necessário:
 Pressionar os lançamentos laterais no campo todo;
 Reação rápida de toda a equipa e reduzir os espaços numa tentativa de recuperar a bola
rapidamente e criar desequilíbrios ao adversário;
 Criar a convicção nos jogadores que quando recuperam a bola esta poderá quase
sempre ser jogada e não aliviada;
 GR adiantado para se antecipar a bolas colocadas nas costas da defesa.

Transição Ofensiva

Transição em segurança:
 Retirar a bola das zonas de pressão;
 Campo grande;
 Abertura da equipa em largura e profundidade para criar linhas de passe;
 Transição em profundidade;
 Aproveitar a inferioridade numérica do adversário para criar situações de finalização;
 Saber resolver com critério situações de 2 vs 1; 3 vs 1; 3 vs 2.

8.4 Estrutura da Equipa

Neste lado mais estratégico da equipa procuramos sempre “nunca” alterar a nossa
forma de jogar em função do adversário, mas sim ter em conta as características dos vários
adversários, prevendo no treino as dificuldades que nos poderão colocar, tendo sempre como
referência a nossa ideia de jogo.
A nossa equipa habitualmente utiliza o sistema de jogo 1+2+3+1, partindo sempre de
um referencial de posições que rapidamente se desfaz quer pelas circunstâncias do jogo quer
pela ideia de jogo estabelecida.

A estrutura básica da turma Expert B1 encontra-se representada na figura 9.

52
Figura 9 – Estrutura base da equipa.

8.5 Avaliações Sumativas Trimestrais

Para Mesquita (2012) a modalidade de avaliação é a que melhor possibilita uma


decisão relativamente à progressão ou à retenção do aluno pois compara resultados globais,
permitindo verificar a progressão de um aluno face a um conjunto lato de objetivo
previamente definidos. Para o mesmo autor, a avaliação sumativa pode ser facilmente
utilizada como um instrumento de certificação social na medida em que permite seriar os
alunos de acordo com o seu mérito social, constituindo a função social da avaliação.
As avaliações elaboradas ao longo dos três trimestres têm como principal objetivo
informar o aluno e o seu encarregado de educação, os treinadores e outros intervenientes,
sobre a qualidade do processo treino e de aprendizagem, bem como do estado do
cumprimento dos objetivos definidos pela Dragon Force no que ao atleta diz respeito.
É um tipo de avaliação que permite aos treinadores adaptar as suas estratégias tendo em conta
a evolução do aluno (ver Figura 10).

53
Figura 10 – Ficha de Avaliação do aluno referente ao I trimestre.

8.6 Liga Interna – Tabela dos Pontos

A criação da tabela dos pontos semanal serve para atribuir pontos aos jogadores da
equipa Expert B1, para que estes tenham uma competição interna (na equipa) aliada à
competição interna (Dragon Force). Esta tabela avalia vários parâmetros, mas há uma maior
atenção sobre o trabalho para casa em que os alunos se empenham em várias habilidades que
serão apresentadas no treino, com o objetivo de lhes dar mais tempo de prática de futebol,
uma prática livre e lúdica.

54
Na Figura 11, está representado um exemplo do registo de pontos semanal (fig.,
Anexo V).

Figura 11 – Registo de Pontos referente à 4ª semana de treinos.

55
8.7 Padrão semanal da Equipa Expert B1 sem competição

Na fase da puberdade e da adolescência (12-16 anos), o crescimento é um dos fatores


marcantes, podendo encontrar-se jovens que no período de um ano chegam a crescer cerca de
dez centímetros de altura e aumentar significativamente o seu peso. É a fase da afirmação
pessoal, onde o jovem sente que a conquista da vitória é cada vez mais importante (Garganta,
2000).
Para o mesmo autor, no período compreendido entre os 12 e os 14 anos acentuam-se
algumas características peculiares:
 Crescimento;
 Aumento considerável da capacidade para ler o jogo;
 Maior abertura para entender os aspetos defensivos;
 Interioriza tarefas relacionadas com o estatuto posicional.

Havendo apenas dois treinos semanais, o morfociclo padrão na equipa em questão


deixa de fazer tanto sentido, pois habitualmente não havendo competição e o espaço temporal
que medeia os dois treinos semanais é elevado, não permitindo, aparentemente, qualquer tipo
de preocupação quer no esforço quer na sua recuperação.
Na Figura 12 é visível o Padrão semanal (sem competição) da Turma B1.

Figura 12 – Padrão semanal da equipa Expert B1.

56
Treino de Segunda-feira (2ª Feira)

A operacionalização habitual do treino (sem competição) contempla sub-princípios à


2ª feira, ou seja, há uma grande incidência nas questões individuais que se refletem
naturalmente no coletivo. Neste primeiro treino semanal iniciamos sempre com exercícios de
relação com bola, com o objetivo de melhorar e potenciar a técnica individual dos jogadores,
bem como as ações técnicas elementares (por exemplo, a proteção da bola). Esta fase inicial
do treino está também relacionada com o que foi abordado na revisão bibliográfica do
presente relatório, mais especificamente no capítulo sobre prática deliberada.
Starkes (2003) refere que a prática deliberada não se reduz ao jogo, ao trabalho, à
observação do desempenho dos adversários, nem tão pouco a um conjunto de atividades de
treino dos jovens que diariamente praticam atividade física. Pelo contrário, este tipo de prática
requer esforço e atenção, e implica a seleção de atividades específicas de aprendizagem pelo
treinador, não estando ligado ao imediatismo ou qualquer tipo de recompensa. Ou seja,
proporcionando-lhes mais tempo de prática no treino sabendo que atualmente o tempo e os
espaços disponíveis são cada vez mais escassos para que os miúdos consigam ter esse mesmo
tempo de prática, contrariando um pouco o desaparecimento do “futebol de rua”.
Com o decorrer do tempo, a ideia de que o nível de expertise de um jogador se deve a
um talento inato ou a uma herança genética foi substituída, melhor dizendo, foi acrescentada à
composição do código genético, por uma explicação de que a superioridade que caracteriza o
expert está relacionada com a qualidade do processo e a quantidade de horas de prática em
que este se empenha ao longo da sua vida. Aliás, o papel da prática deliberada é um fator
determinante no desenvolvimento da excelência desportiva (Charness & Tuffiash, 1993;
Ericsson & Lehmann, 1996; Ward et al., 2007).
Nas partes principais deste tipo de treino são utilizados muitos exercícios de
“joguinho” de 1 vs 1,2 vs 2 e 3 vs 3 em espaços muito reduzidos com tempos curtos por cada
repetição e com grande tensão muscular (por exemplo, exercícios com muitas acelerações,
travagens e mudanças de direção; ver Figura 14).

57
Figura 13 – Treino nº31 (Sub Princípios à 2ª feira).

Treino de Sexta-feira (6ª feira)

O treino de 6ª feira é o treino direcionado para os grandes princípios do jogar da


equipa (Organizações e Transições). Neste treino são utilizados vários exercícios para
melhorar o jogo coletivo em todos os seus momentos, jogos condicionados em espaços com
maiores dimensões e com maior duração utilizando por exemplo exercícios de 6 vs 4 + GR ou
7 vs 5. De acordo com Graça e Pinto (2004), é importante que as formas condicionadas de
jogo sejam reconhecidos como “jogos autênticos”, disputadas por equipas com o mesmo
número de jogadores, onde se preservem as relações problemáticas de cooperação/oposição e
o fluxo normal do jogo, com convertibilidade natural do ataque em defesa e vice-versa.
Tanto treino de 2ª feira como no de 6ª feira haverá sempre jogo, o foco da intervenção
diferencia consoante o dia de treino (Princípios e sub princípios; ver Figura 15).

58
Figura 14 – Treino nº22 (Grandes Princípios à 6ª feira).

8.8 Padrão semanal de Equipa Expert B1, em competição

Em semana de competição é natural haver mais motivação e empenho por parte dos
jogadores, é uma oportunidade de poderem mostrar as suas qualidades à Dragon Force e aos
familiares que os vêm apoiar.
O padrão habitual de treinos é alterado, o treino dedicado aos Grandes Princípios do
jogo da equipa é à 2ª feira, passando os Subprincípios para o treino de 6ª feira (ver Figura 16).

59
Figura 15 – Padrão Semanal da equipa Expert B1 (competição).

Treino 2ª feira

Formas condicionadas de jogo, o jogo é assumido como ponto de partida e de chegada


na aferição de todo o processo de ensino/aprendizagem. O professor/treinador desempenha
um papel determinante no diagnóstico das dificuldades encontradas nos praticantes, no
encaminhamento para estratégias de ensino que lhes permitam ultrapassar os problemas
detetados, a par de uma intervenção ativa, com recurso predominante ao feedback
interrogativo, por forma a dar resposta aos esforços de aprendizagem desenvolvidos pelos
praticantes (Graça et al. 2005).
A ideia de jogo da equipa tem como princípios fundamentais:
 O O – saídas em segurança;
 T D – Reação rápida à perda;
 O D – Fecho dos espaços;
 T O – Transição em segurança.

Também, todos os atletas devem ser coerentes com os princípios fundamentais da


Dragon Force, ou seja, os atletas devem ter grande obsessão pela posse da bola e uma forte
conquista pela bola. Este entendimento, daquilo que deve ser o jogo, traduz-se num futebol
em que a bola se encontra maioritariamente em posse e, por consequência, permita obter uma
grande quantidade de oportunidades de finalização.

60
É fundamental proporcionar aos atletas um maior conhecimento tático do jogo, porque
sabe-se que se torna importante para a sua evolução, não só saber como executar uma
determinada técnica, mas fundamentalmente saber quando, onde e porquê executá-la. Daí que
na aprendizagem do jogo, o ensino da técnica e da tática devam ser indissociáveis (Pacheco,
2001).

Treino 6ª feira

Este treino continua a ter uma grande incidência nas individualidades, mas com
especial atenção à relação esforço/recuperação para o jogo que será num período inferior a 24
horas.

O contínuo do aperfeiçoamento da técnica e da execução individual dos jogadores é


imperativo porque será esta capacidade que permite, a cada momento, aos jogadores serem
capazes de acrescentar riqueza e imprevisibilidade ao jogo, dentro da organização da equipa.
Assim, são utilizadas formas parciais de jogo, como por exemplo 3 vs 1 + GR (Avançado), 3
vs 3 + Joker. Uma das grandes vantagens da aprendizagem através das Formas Parciais de
Jogo (jogos reduzidos) é o de proporcionarem aos jogadores um elevado número de
oportunidades para repetir as ações técnicas mediante os desafios cognitivos exigidos no
contexto de jogo (Antunes et al., 2004).
Como refere Garganta (2000), a verdadeira dimensão da técnica repousa na sua
utilidade para servir a inteligência e a capacidade de decisão dos jogadores e das equipas.
Um treino com pouco desgaste emocional e físico, aliado a uma maior emotividade do que o
habitual, acrescentando vários exercícios que propiciem a boa disposição e que fortaleça a
união da equipa, como por exemplo exercícios como (i) “meínhos”, em que caso a equipa
consiga fazer 10 passes entre si o jogador do meio será alvo de brincadeira por parte dos
colegas; (ii) torneio (duplas) de pé vólei; (iii) competição de livres; (iv) penáltis; e (v) “bola
na barra”.

61
8.9 Indicador de Rendimento

O gráfico abaixo (Figura 17) representa a distribuição dos resultados ao longo da época
(derrotas, empates e vitórias). Conforme é possível verificar pela análise do mesmo,
verificou-se uma evolução positiva na equipa, fruto do trabalho realizado.

Evolução dos Resultados (Derrotas, Empates e Vitórias)


100%

90%

80%

70%

60%
Vitória
50%
Empate
40% Derrota
30%

20%

10%

0%
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36

Figura 16 – Evolução dos Resultados da Equipa.

Conforme é possível verificar no gráfico que se segue (Figura 18), a equipa ganhou a maioria
dos jogos realizados (22 vitórias, 11 derrotas e 3 empates). De notar, também, que a maior
parte das derrotas registaram-se no início da época.

30

20

10

0
Vitórias Derrotas Empates

Figura 17 – Total de jogos expressos em Vitórias, Derrotas e Empates.

62
O gráfico seguinte (ver Figura 19) apresenta a distribuição dos golos marcados e
sofridos ao longo da época.
Golos Marcados VS Golos Sofridos
18

16

14

12

10

0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36
Golos Marcados 0 0 1 4 12 4 8 1 17 1 3 1 6 3 4 1 6 2 3 3 1 5 3 3 9 12 1 5 4 4 3 1 2 7 1 5
Golos Sofridos 4 1 5 8 2 0 0 1 0 4 7 0 0 1 3 1 0 5 1 1 0 0 0 1 0 1 0 0 0 2 0 0 1 5 1 1

Figura 18 – Evolução dos Golos Marcados e Sofridos.

8.10 Conquistas

No decorrer da época desportiva a equipa foi melhorando em termos de qualidade de jogo


e isso refletiu-se nas conquistas alcançadas, principalmente a partir do II trimestre.

Liga James Rodriguez 2ª divisão Liga James Rodriguez 1ª Divisão

Dragon Force Cup Liga James Rodriguez 1ª Divisão

63
CAPÍTULO 8

CONCLUSÕES
64
9 Conclusões

9.1 Componente teórica

A realização deste estágio profissionalizante na Dragon Force revelou ser uma


experiência muito enriquecedora no âmbito do futebol de formação. Ao longo dos 10 meses
de estágio adquiri um vasto leque de ferramentas práticas e teóricas que me permitem encarar
o trajeto desportivo profissional com grande expectativa e confiança nas minhas competências
enquanto treinador. A revisão bibliográfica foi essencial em toda a época desportiva, pois o
privilégio de aliar o conhecimento teórico ao conhecimento prático foi e será imperativo para
exercer com excelência o cargo de treinador.

A partir da informação proveniente da literatura e do trabalho prático, o presente estudo


conduziu às seguintes conclusões:
 O futebolista expert é diferente de todos os outros, pois reuniu em todo o seu historial
prático da modalidade um número de horas e experiências superiores aos demais
colegas;
 Essas mesmas horas e experiências superiores permitem que os jogadores expert
possuam uma melhor e mais rápida capacidade de perceção através dos seus
conhecimentos pelas respetivas modalidades;
 Os jogadores de elite iniciam a sua prática desportiva futebolística mais cedo que os
jogadores não elite;
 Para alcançar a excelência, o expert deverá ser exímio no domínio fisiológico, técnico,
cognitivo e emocional;
 O individuo expert tem a capacidade de aumentar o trabalho da sua memória para tirar
proveito de rendimentos superiores;
 Através da prática deliberada os indivíduos expert são capazes de formar estratégias
táticas tornando a sua tomada de decisão mais eficaz;
 Diferenças substanciais no corpo e na mente mostram que são necessários 10 anos ou
10 000 horas de prática para que os atletas de elite adquiram habilidades e
experiências necessárias para alcançar as performances superiores;
 Apesar do talento inato ou a herança genética estarem ligados à expertise, a qualidade
do processo de formação e a quantidade de horas de prática ao longo da sua vida
torna-se também essencial;

65
 A prática deliberada além do jogo, trabalho, observação e treino diário contempla
também o esforço e a atenção, implica a seleção de atividades especificas de
aprendizagem pelo treinador;
 As características do treinador de topo passam por possuir um caráter firme,
capacidade para motivar, ser um excelente professor, psicólogo e líder. Também deve
ser um excelente comunicador pois todo o processo de treino depende da comunicação
e interação com os jogadores;
 As características e competências relacionadas com a capacidade humana, são mais
adequadas e exigidas ao Treinador de Formação do que propriamente ao Treinador de
elite;
 O treinador de crianças e jovens deverá ter um conhecimento multidisciplinar inerente
à tática, técnica e à preparação do jogo, bem como o domínio da pedagogia e da
metodologia de ensino, ser expert em provocar interesse e motivação nos jovens
jogadores.
 A forma de intervenção do treinador de crianças e jovens deverá ser através de uma
linguagem acessível e contextualizada, ter uma presença envolvente utilizando a
descoberta guiada para que os jogadores com a sua ajuda reconheçam o problema e
encontrem por eles mesmos a solução;

9.2 Componente prática

 Como treinador evolui na minha capacidade de intervenção e na metodologia de treino


preconizada pela Dragon Force, a Periodização Tática, uma metodologia que me
permitiu “ver” o treino como um processo de ensino aprendizagem.
 A falta de competição da equipa Expert B1 levou-me a procurar novas estratégias para
motivar e fidelizar os jogadores, através da criação de uma competição interna (tabela
semanal), pontuando os jogadores nos exercícios, nos torneios, na assiduidade e,
sobretudo, no empenho e dedicação demonstrados, premiando o melhor jogador de
cada trimestre;

Toda a pesquisa bibliográfica encontra-se de acordo com o trabalho desempenhado ao


longo da época desportiva, havendo uma grande preocupação da minha parte e também de
todos os colegas treinadores em contribuir para que os jogadores tenham um maior
numero de horas de prática da modalidade quer no treino, quer no trabalho enviado para
casa com o intuito de melhorarem a técnica individual e respetivas ações técnicas
elementares.

66
CAPÍTULO 9

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
67
10 Referências Bibliográficas

Abernethy, B., Farrow, D., & Berry, J. (2003). Constraints and issues in the development of a
general theory of expert perceptual-motor performance: A critique of the deliberate practice
framework. In J.L. Starkes & K.A. Ericsson (Eds.), Expert performance in sports: Advances
in research on sport expertise (pp. 349–370). Champaign, Illinois: Human Kinetics. Bryan,
W.L., & Harter.

Araújo, J. (1995). Manual do treinador do desporto profissional. Porto: Campo das Letras.

Aroso, J. (2006). Periodização do treino em futebol. Documento de apoio Colóquio – O


Treino em futebol.

Bayer, C. (1987). Técnica del balonmano: la formación del jugador. Barcelona: Hispano
Europea.

Bloom, B.S. (1985). Developing Talent in Young People. New York: Ballantine.

Bompa, T. (2005). Entrenamiento para Jóvenes Desportistas: Planificación y programas de


entrenamiento en todas las etapas de crecimiento. Barcelona: Editorial Hispano Europea.

Brito, J. (2003) Documento de apoio à disciplina de Opção II - Futebol, UTAD, Vila Real
(não publicado).

Charness, N., R. Th. Krampe, and U. Mayr, (1996). ‘The role of practice and coaching in
entrepreneurial skill domains: An international comparison of life-span chess skill
acquisition.’ In *The Road to Excellence: The Acquisition of Expert Performance in the Arts
and Sciences, Sports, and Games* (pp. 51-80) K. A. Ericsson, Ed. Mahwah, NJ: Erlbaum, pp.
51-80.

Costa, R. (2005) O caminho para a expertise – a Prática deliberada como catalisador do


processo de formação dos experts em futebol. Monografia de Licenciatura. FCDEF-UP.
Porto.

Côté, J., Lidor, R., & Hackfort, D. (2009). To sample or to specialize? Seven postulates about
youth sport activities that lead to continued participation and elite performance. International
Journal of Sport and Exercise Psychology, 7, 7-17.

68
Ford, P.R., Ward, P., Hodges, N.J., & Williams, A.M. (2009). The role of deliberate practice
and play in career progression in sport: The early engagement hypothesis. High Ability
Studies, 20, 6575.

Helsen, W. F., Hodges, N. J., Van Winckel, J., & Starkes, J. L. (2000). The roles of talent,
physical precocity and practice in the development of soccer expertise. Journal of Sports
Sciences, 18, 727 – 736.

Howe, M.; Davidson, J. & Sloboda, J. (1998). Innate talents: Reality or myth? Behavioral and
Brain Sciences, 21, 399-442.

Ericsson KA. (2007). An expert-performance perspective of research on medical expertise:


the study of clinical performance. Medical Education; 41: 1124-30.

Ericsson, K. A., & Delaney, P. F. (1999). Long-term working memory as an alternative to


capacity models of working memory in everyday skilled performance. In A. Miyake & P.
Shah (Eds.), Models of working memory: Mechanisms of active maintenance and executive
control (pp. 257 – 297). New York: Cambridge University Press.

Ericsson, K.A. (1996). The Road to Excellence: The Acquisition of Expert Performance in the
Arts and Sciences, Sports and Games. In K Eriksson (Ed.), Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum
Associates.

Ericsson, K. A., & Lehmann, A. C. (1996). Expert performance: Evidence of maximal


adaption to mask constraints. Annual Review of Psychology, 47, 273 - 305.

Ericsson, K. A., & Kintsch, W. (1995). Long-term working memory. Psychological Review,
102, 211 – 245.

Ericsson, K. A., Krampe, R. T., & Tesch-Römer, C. (1993). The Role of Deliberate Practice
in the Acquisition of Expert Performance. Psychological Review, 100(3), 363-406.

Ericsson, K. & Smith, J. (1991). Toward a general theory of expertise: prospectives and
limits. Cambridge: Cambridge University Press.

Ericsson, K., & Starkes (2003). Expert performance in sports: advances in research on sport
expertise. In J. L. Stakes, K. A. Ericsson (Eds.).

69
Evangelista, H. (2007). A avaliação da formação de treinador: contributo para identificar os
indicadores de qualidade da atuação do treinador de Basquetebol nível 1. Tese de
Licenciatura apresentada à Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.

Faria, R. (1999). “Periodização Tática”. Um Imperativo Conceptometodológico do


Rendimento Superior em Futebol. Dissertação de Licenciatura apresentada à Faculdade de
Desporto da Universidade do Porto.

Frade, V. (1985). Alta competição no futebol – que exigências do tipo metodológico? ISEF-
UP. Porto (não publicado).

Frade, V. (2004). Entrevista In Rendimento no Futebol: diferentes entendimentos, diferentes


orientações metodológicas. Dissertação de Licenciatura apresentada à Faculdade de Ciências
do Desporto e Educação Física da Universidade do Porto.

Frade, V. (2007). Apontamentos dos treinos de Metodologia de Alto-Rendimento I - Opção de


Futebol (não publicado). Porto: Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.

Graça, A:, Musch, E., Mertens, B., Timmers, E., Mertens, T., Taborsky, F., Remy, C., De
Clercq, D., Multael, M., & Vonderlynnck, V. (2003): O modelo de competência nos jogos de
invasão: Proposta metodológica para o ensino aprendizagem dos jogos desportivos (Cdrom).
Faculdade de Desporto – Universidade do Porto, Universidade de Gent – Bélgica,
Universidade Hanseática de Gronigen – Holanda e Universidade Carolina de Praga –
República Checa. In Congreso Ibérico de Baloncesto. Cáceres.

Garganta, J. (2000): Preparação e formação desportiva de crianças e jovens praticantes de


Futebol (não publicado). Faculdade de Desporto – Universidade do Porto. Porto

Graça, A. (2007). Modelos e Concepções de Ensino no Jogo. 1º Congresso Internacional de


Jogos Desportivos. Universidade do Porto: Faculdade de Desporto.

Helsen, W.F., Starkes, J.L. & Van Winckel, J. (1998a). The influence of relative age on
success and dropout in male soccer players. American Journal of Human Biology, 10,791 -
798.

Helsen, W., Hodges, N., Winckel, J., & Starkes, J. (2000). The roles of talent, physical
precocity and practice in the development of soccer expertise; Journal of Sports Sciences, 18:
727-736.

70
Janelle, C.M., & Hillman, C.H. (2003). Expert performance in sport: Current perspective and
critical issues. In J.L. Starkes & K.A. Ericsson (Eds.), Expert Performance in sportsAdvances
in research on sport expertise. Champaign, IL: Human Kinetics.

Koslowsky, M., & Da Conceição Botelho, M.F. (2010). Domains in the practice of the
football learning: Comparative study among football athletes of junior category in Portugal
and Brazil. Journal of Human Sport & Exercise, 5, 400410.

Krampe, R. T., & Ericsson, K.A (1996). Maintainning excellence: Deliberate practice and
elite performance in young and older pianists, Journal of Experimental Psychologgy:
General, 125 (4), 331-359.

Leite, N., Baker, J., & Sampaio, J. (2009). Paths to expertise in Portuguese national team
athletes. Journal of Sports Science & Medicine, 8, 560566.

Lopez Sérvio, F. (2005). Las Demandas del Futbol del Futuro. Comunicação apresentada no
III Seminário Internacional de Futebol Cidade de Abufeira. Albufeira.

Martins, F. (2003). A "Periodização Táctica “ segundo Vítor Frade: Mais do que um


conceito, uma forma de estar e de reflectir o futebol. Dissertação de Licenciatura apresentada
à Faculdade de Desporto da Universidade do Porto. Porto.

McPherson, S. L. (1999a). Expert – novice differences in performance skills and problem


representations of youth and adults during tennis competition. Research Quarterly for
Exercise and Sport, 70, 233 – 251.

McPherson, S. L. (1999b). Tactical differences in problem representations and solutions in


collegiate varsity players and beginner women tennis players. Research Quarterly for
Exercise and Sport, 70, 369 – 384.

McPherson, S. L. (2000). Expert – novice differences in planning strategies during collegiate


singles tennis competition. Journal of Sport and Exercise Psychology, 22, 39 – 62.

McPherson, S. L. (1993). Knowledge representation and decision-making in sport. In J.


Starkes & F. Allard (Eds.), Cognitive issues in motor expertise (pp. 159 – 188). Amsterdam:
Elsevier.

McPherson, S. L. (1994). The development of sport expertise: Mapping the tactical domain.
Quest, 46, 223 – 240.

71
Maciel, J. (2008). A(In)(Corpo)r(Acção) Precoce dum jogar de Qualidade como Necessidade
(ECO)ANTROPOSOCIALTOTAL - Futebol um Fenómeno AntropoSocialTotal, que «primeiro
se estranha e depois se entranha» e … logo, logo, ganha-se! Dissertação de Licenciatura
apresentada à Faculdade de Desporto da Universidade do Porto. Porto.

Martens, R. (1999). Os grandes Treinadores são grandes comunicadores e motivadores. In


Seminário Internacional – Treino de Jovens (pp. 5-15). Lisboa.

Marques, A.(1999). Crianças e Adolescentes atletas: entre as escolas e os centros de treino…


entre os centros de treino e a escola! In Seminário Internacional – Treino de Jovens (pp. 17-
30). Lisboa.

Martins, F. (2003). A "Periodização Tática “ segundo Vítor Frade: Mais do que um conceito,
uma forma de estar e de refletir o futebol. Dissertação de Licenciatura apresentada à
Faculdade de Desporto da Universidade do Porto. Porto.

Mesquita, I. (2012). Apontamentos das aulas de Didática do Desporto. Avaliação das


Aprendizagens em Educação Física (não publicado). Porto: Faculdade de Desporto da
Universidade do Porto.

Mesquita, I. (1998). A instrução e a estruturação das tarefas no treino de Voleibol: estudo


experimental no escalão de iniciados feminino. Dissertação de Doutoramento apresentada à
Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.

Mesquita, I., Farias, C., Oliveira, G., & Pereira, F. (2009). A intervenção pedagógica sobre o
conteúdo do treinador de futebol. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 23 (1),
25-38.

Mesquita, I. (2009). O ensino e o treino da técnica nos jogos desportivos. In A. Rosado & I.
Mesquita (Eds.), Pedagogia do Desporto (pp. 165-184). Lisboa: Edições FMH.

Mesquita, I. (1997). Pedagogia do treino: a formação em jogos desportivos coletivos. Lisboa:


Livros Horizonte

Meylan, C., Cronin, J., Oliver, J., & Hughes, M. (2010). Reviews: Talent identification in
soccer: The role of maturity status on physical, physiological and technical characteristics.
International Journal of Sports Science & Coaching, 5, 571592.

Mialarte, G. (1979). Vocabulaire de l´education. Paris: PUF.

72
Moita, M. (2008). Um percurso de sucesso na formação de jogadores em Futebol. Estudo
realizado no Sporting Clube de Portugal – Academia Sporting/Puma. Tese de Licenciatura
apresentada à Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.

Morin, E. (1991). Introdução ao pensamento complexo (4ª ed.). Lisboa: Instituto Piaget.

Neto, O.B., Barbieri, F.A., Barbieri, R.A., & Gobbi, L.T.B. (2009). Agility, speed and motor
skill performance of practitioners and non-practitioners of soccer. Fitness & Performance
Journal (Online Edition), 8, 110.114.

Oliveira, J. G. (1991). Especificidade, o "pós-futebol" do "pré-futebol". Um fator


condicionante do alto rendimento desportivo. Dissertação de Licenciatura apresentada à
Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.

Oliveira, J. G. (2003). Entrevista. In Uma noção fundamental: a Especificidade. O como


investigar a ordem das “coisas” do jogar, uma espécie de invariância de tipo fractal.
Dissertação de Licenciatura apresentada à Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.

Oliveira, J. G. (2004). Conhecimento Específico em Futebol. Contributos para a definição de


uma matriz dinâmica ensino aprendizagem/treino do jogo. Dissertação de Mestrado
apresentada à Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.

Oliveira, J. G. (2006). Do Pé como Técnica ao Pensamento Técnico dos Pés Dentro da Caixa
Preta da Periodização Táctica: um estudo de caso. Entrevista. In: Gomes, M. S. (2006).

Oliveira, J. (1994). Prefácio. In J. Araújo (Ed.), Ser Treinador (pp. 17-19). Lisboa: Editorial
Caminho, S. A.

Pacheco, R. (2002). Caracterização da Intervenção do Treinador na Reunião de Preparação


para a Competição de Futebol. Estudo comparativo de treinadores da 1ª liga e da 2ª divisão
B no escalão de seniores masculinos. Dissertação de Mestrado apresentada à Faculdade de
Desporto da Universidade do Porto.

Pacheco, R. (2001). O ensino do Futebol de 7 – Um jogo de iniciação ao futebol de onze.


Edição do autor, Porto.

Pardal, R. (2002). A formação de treinadores de Basquetebol. Estudo comparativo dos


modelos de formação de treinadores de Basquetebol em Portugal e Espanha. Tese de

73
Licenciatura apresentada à Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da
Universidade do Porto.

Pinto, D., & Graça, A. (2004). GPAI – Um Instrumento de Avaliação da Participação do


Aluno no Jogo. Gostar de Basquetebol, Ensinar a Jogar e Aprender Jogando (pp. 81-91). In
A. Ferreira, V. Ferreira, C. Peixoto e A. Volossovith. Fmh Edições. Lisboa.

Pelletier, L. (1971). La notion d´evaluation. Révue Éducation Permanent, 9, 7-19.

Pereira, E. (1996). Futebol Juvenil em Portugal: Escola de Formação? Revista Horizonte,


XIII, 73, 23-25.

Piéron, M. (1984). Pedagogie des Activites Physiques et Sportives (Méthodologie et


Didactique). Liège: Université de Liège. Institut Supérieur d´Education Physique.

Reilly, T., Williams A., & Nevill, A. (2000). A multidisciplinary approach to talent
identification in soccer. Journal of Sports Sciences, 18 (9), 695-702

Resende, N. (2002). Periodização Táctica. Uma concepção metodológica que é uma


consequência trivial do jogo de futebol. Um estudo de caso ao microciclo padrão do escalão
sénior do Futebol Clube do Porto. Dissertação de Licenciatura. FCDEF-UP. Porto.

Rink, J. (1993). Teaching Physical Education for Learning (2ª ed.). St. Louis MO: Mosby.

Siedentop, D. (1991). Developing teaching skills in physical education. (3rd cd). Mountain
View: Mayfield.

Silverman, S., Subramaniam, P., & Woods, A. (1998). Task Structures, student practice, and
student skill level in physical education. Journal of Educational Research, 91: 298-306.

Simon, H.A., & Chase, W.D. (1973). Skill in chess. American Scientist, 61, 394- 403.

Starkes, J.L., & Ericsson, A.K. (2003). Expert performance in sports: Advances in research
on sport expertise. Champaign, IL: Human Kinetics.

Stolen, T., Chamari, K., Castagna, C., & Wisloff, U. (2005). Physiology of soccer: An update.
Sports Medicine, 35, 501_536.

Tamarit, X. (2012). Periodización Táctica vs Periodización Táctica. Editorial MBF.

74
Teodorescu, L. (1984). Problemas da teoria e metodologia nos jogos desportivos (José
Curado, Trad.). Lisboa: Livros Horizonte.

Van Yperen, N. W. (2009). Why some make it and others do not: Identifying psychological
factors that predict career success in professional adult soccer. The Sport Psychologist, 23,
317-329

Ward, P., Hodges, N. J., Starkes, J. L., & Williams, A. M. (2007). The road to excellence:
Deliberate practice and the development of expertise. High Ability Studies, 18 (2), 119 – 53.

Williams, A. M., & Ericsson, K. A. (2005). Perceptual-cognitive expertise in sport: Some


considerations when applying the expert performance approach. Human Movement Science,
24, 283–307.

Williams, A.M., & Ericsson, K.A. (2005). Some considerations when applying the expert
performance approach in sport. Human Movement Science, 24, 283–307.

75
CAPÍTULO 10

ANEXOS
76
11 Anexos

11.1 Anexo I: Diário de Treino

Treino Plano de Treino

77
Treino Plano de Treino

78
Treino Plano de Treino

79
Treino Plano de Treino

80
Treino Plano de Treino

10

81
Treino Plano de Treino

11

12

82
Treino Plano de Treino

13

14

83
Treino Plano de Treino

15

16

84
Treino Plano de Treino

17

18

85
Treino Plano de Treino

19

20

86
Treino Plano de Treino

21

22

87
Treino Plano de Treino

23

24

88
Treino Plano de Treino

25

26

89
Treino Plano de Treino

27

28

29

90
Treino Plano de Treino

30

31

91
Treino Plano de Treino

32

33

92
11.2 Anexo II: Avaliações I Trimestre

93
94
95
11.3 Anexo III: Avaliações II Trimestre

96
97
98
11.4 Anexo IV: Avaliações do III Trimestre

99
100
101
11.5 Anexo V: Tabelas de Pontos

Semana 1 Semana 2

Semana 3 Semana 4

102
Semana 5 Semana 6

Semana 7 Semana 8

103
Final do I Trimestre

Semana 9 Semana 10

104
Semana 11 Semana 12

Semana 13 e 14 Semana 15

105
Semana 16 Semana 17

Semana 18 Final II Semestre

106
Semana 19 Semana 20

Semana 21 Semana 22

107
Semana 23 Semana 24

Semana 25 Semana 26

108
Semana 27 Final do III Trimestre

109